Últimas indefectivações

sábado, 4 de maio de 2019

Vermelhão: Aguenta coração...

Benfica 5 - 1 Portimonense


Faltam duas finais, onde temos de fazer 4 pontos... Estamos mais perto do objectivo, mas o caminho está repleto de armadilhas... É preciso auto-confiança e ambição, para chegarmos à meta!!!
Uma primeira palavra para as putas de Portimão!!! Inacreditável o diferencial de atitude dos jogadores e da equipa técnica, entre o jogo de hoje na Luz, e o frete que fizeram a algumas semanas em Portimão ao 'dono'!!! A Mala, de 2 milhões de euros, faz milagres!!! O nível de nojice do Tugão, atinge praticamente todos os dias patamares recorde, e além dos cabecilhas do crime de organização, é gentalha com espinha dobrada como esta, os principais responsáveis pelo esgoto que envolve o Tugão!
Durante várias jornadas, principalmente na Luz, andámos a marcar golos logo no arranque das partidas, mas nas últimas duas jornadas, resolvemos 'esperar' pela 2.ª parte, para jogar em modo 'arrasador'!!!
Entre outras variáveis, uma das principais razões para isto ter acontecido, deve-se à estratégia dos nossos adversários! Hoje, até pareceu que o Folha recebeu uma 'aula' de como parar o Benfica (algo que por exemplo aconteceu em vários jogos, no sprint para o Tri, com o Judas a 'ensinar' aos nossos adversários como para o Benfica...)!!! Basicamente, bloquear a entrada a bola no 'meio': nem o Félix, nem o Pizzi arranjaram espaço para receber e virar-se... obrigando o Benfica a jogar pelas Alas, onde normalmente só o Grimaldo tem capacidade para ultrapassar os duelos...
E para impedir a bola de entrar pelo 'meio', construiriam uma 'jaula' em volta do Tino e do Samaris, pressionando muitas vezes os nossos Centrais...
A nossa 'vantagem' nestes últimos dois jogos, defrontando este tipo de adversários, é que o Braga e hoje o Portimonense, aguentaram mais ou menos 60 minutos, e depois rebentaram...!!!
E quando a bola começou a 'entrar' 'entrelinhas', com o Benfica a pressionar mais alto, tudo mudou...
Com o Gabriel, este tipo de 'esquema' para parar o Benfica, não resultava, pois o Gabriel além dos passes longos, quando era 'apertado' tinha capacidade para proteger a bola ou fintar o adversário, com o Samaris e o Tino ficamos mais limitados, mais previsíveis...

Independentemente, das questões tácticas, hoje, voltámos a demonstrar que não será por falta de coração, nem de apoio que vamos desperdiçar a vantagem... Mais uma grande tarde de Benfiquismo!
O MVP é claramente o São Rafael, que desbloqueou praticamente sozinho o jogo!!! O Pizzi fez um bom jogo, e quando foi para '8' foi importantíssimo na subida da linha de pressão no meio... Isto não quer dizer que o Samaris tivesse estar a jogar mal, mas tem características diferentes... O Tino voltou a ter muitas dificuldades na 'teia' montada à volta do nosso meio-campo, mas acho que com o Pizzi a '8', a escolha óbvia para ficar em campo a jogar a '6' era o Tino, e cumpriu... Mais um jogo, onde os 'assistentes' para os golos são os nossos Laterais, o Almeidinhos (2), e o Grimaldo também está no 2.º golo!!!
Com as dificuldades em ter bola no meio-campo ofensivo, o Félix e o Seferovic, acabaram por ter menos relevância... É verdade que o Seferovic marcou dois golos, mas voltou a 'falhar' isolado com o guarda-redes pela frente...
Uma nota para o Ferro: tem sido um dos melhores em quase todos os jogos, hoje esteve mal no golo sofrido. 'Saltou' da linha defensiva (devia ter ameaçado, mas ficava e esperava pela recuperação do Samaris...), e foi 'lento' a recuperar, deixando um enorme 'buraco' atrás... As lágrimas do final não apareceram do nada, os nossos jovens estão a viver o sonho, mas como é natural estão a sentir o peso da responsabilidade... e por isso mesmo, precisam do nosso apoio incondicional...!
O Odysseas, voltou a ser lento a 'sair' da linha, no golo e noutro lance logo a seguir, ficou a meio...
Não houve grandes Casos, mas ao contrário de alguns Benfiquistas, não acho que tenha sido uma arbitragem perfeita!!! Foi melhor do que eu esperava, mas esteve longe de perfeita... A não marcação da falta sobre o Rafa, quando é albarroado ainda sem bola, quando se ia isolar, é um excelente exemplo... E ainda houve o habitual contra-ataque perigossísimo do Portimonense, que não foi golo por acaso, iniciado numa falta óbvia sobre o Félix...!!!
O jogo acabou sem cartões, mais um exemplo da 'esperteza saloia', a pressão do Portimonense sobre o nosso meio-campo foi feita muitas vezes com entradas faltosas, imprudentes... a não mostragem de Amarelos só serviu para incentivar a atitude!
Agora, uma semana de descanso, para preparar o jogo de Vila do Conde. O Rio Ave, está a jogar melhor, o treinador do Rio Ave, já 'tirou' pontos ao Benfica várias vezes (por exemplo, esta época em Chaves). O Benfica está a jogar de forma diferente, mas a estratégia do Rio Ave não vai ser muito diferente, daquilo que o Braga e o Portimonense tentaram fazer... Portanto, é preparar o jogo, e ir com tudo!!! Com tudo deste início, e só nos últimos minutos caso seja necessário 'jogar' com os dois resultados 'positivos'!
Sabendo que o Rio Ave tem Alas rápidos e perigosos... e que muito provavelmente vão entrar 'fechadinhos' e lançar os Alas mais perigosos na 2.ª parte...

Bilhete para a Final 4...

Benfica 7 - 4 Juventude de Viana

O jogo pareceu-me sempre controlado, mas estivemos mal defensivamente... permitimos sempre que o adversário ficasse a uma distância que 'dava' para acreditar!
E no final, ainda tivemos que aturar um dos Pintos, com mais um show do apito!!!



PS: Ontem à noite, em pleno Pavilhão João Rocha, as nossas meninas do Futsal, venceram o derby, com um 1-2 (muitos golos falhámos)!!! Curiosamente, como a nossa vitória era previsível, a Sporting TV, não transmitiu o jogo em directo!!!
Mas o mais importante foram os 3 pontos, sendo que agora só um desastre gigantesco, nos poderá retirar o título máximo... mais um!!!

Taça Revelação...

Benfica 4 - 3 Estoril


Muita emoção, num jogo onde fomos 'anjinhos' a defender, mas nunca deixámos de acreditar na vitória... e com o Diogo Pinto em grande forma... O Diogo numa equipa como o Benfica poderá ser um jogador estilo Pizzi (também o Pizzi começou mais adiantado), numa equipa de 'meio-da-tabela', será um excelente segunda avançado... não sendo avançado puro, tem faro de golo e excelente técnica de remate...

Com os 'reforços' Kalaica e David Tavares, ficámos um pouquinho mais fortes, mas na Terça, com o Aves, se quisermos ir à Final, se calhar teremos que 'reforçar' ainda mais esta equipa!!!

Um penálti do tamanho da Torre dos Clérigos

"Se algum investigador de temas sociais perguntar a um adepto do Benfica ou do FC Porto ou do Sporting se prefere ver a sua equipa de sub-19 conquistar o título europeu do escalão ou se prefere ver ver a sua equipa principal ganhar o campeonato utilizando uma mão-cheia de miúdos provenientes da formação da casa, a resposta será breve e fulminante. "O que a gente quer é o campeonato!"
E se o mesmo investigador perguntar a qualquer adepto dos três grandes se prefere ser campeão nacional com jogadores contratados no exterior ou se prefere dispor de uma equipa com uma base de jogadores feitos na casa, uma equipa capaz de dar luta mas incapaz de ganhar o campeonato, a resposta seria, uma vez mais, telegráfica e letal:"O que a gente quer é o campeonato!".
Vem esta conversa a propósito do título de campeã da Europa de sub-19 conquistado pela equipa do FC Porto no início da semana e que deu azo a uma espécie de campeonato de "comparações" entre a formação do Benfica, do FC Porto e do Sporting e respectivos resultados práticos. Houve jogadores e responsáveis do FC Porto, e também muitos comentadores afectos ao emblema, que, embalados pela vitória sobre o Chelsea na final em Nyon, proclamaram ser uma injustiça o fartote de palco mediático dado aos jogadores sub-19 do Benfica que, nestes últimos tempos, se afirmaram e afirmam na equipa principal da Luz quando, afinal, é o FC Porto o triunfador da UEFA Youth League.
Sempre com o inimigo na mira, o próprio presidente do FC Porto aproveitou a boleia triunfal que lhe foi fornecida pelos seus sub-19 para, com juras de aposta na juventude, acalmar a dor dos adeptos portistas na semana em que viram o Benfica distanciar-se em dois curtos pontinhos no topo da tabela do campeonato. disse Pinto da Costa, discursando para os seus juniores e para o país que, "depois da conversa com Sérgio Conceição", não duvidava de que "a breve prazo alguns de vocês vão fazer parte dos quadros do FC Porto".
Não demorou a responder-lhe o treinador que, refreando o ímpeto do do presidente, provou ser um homem de bom senso:"É preciso ter alguma calma". Conceição tem razão,. Se um investigador de temas sociais perguntasse a um adepto do FC Porto se trocava o título de sub-19 pelos três pontos em Vila do Conde na semana passada, a resposta seria um sonoro"já".
Tudo isto serve para concluir que cada golo, cada assistência, cada jogada mais ou menos mirabolante de João Félix ao serviço da equipa principal do Benfica é uma facada no rigor científico da formação do FC Porto. Félix marca muito, dá muito a marcar e obriga os adversários a cometerem faltas atrás de faltas. No último domingo, em Braga, o primeiro golo do Benfica surgiu de uma grande penalidade assinalada depois de Esgaio ter derrubado Félix na área proibida. O lance não teve nada de ridículo. Foi apenas um penálti do tamanho da Torre dos Clérigos. Não adormeças, Benfica."

O que se pode ou não festejar

"Julgo interessante tentar perceber o que sentem os adeptos nos finais de época, especificamente os das equipas que lideram, como no caso os benfiquistas. Refiro-me às ansiedades de ir na frente, às necessidades de esclarecer, como ocorreu com a vitória em Braga, que o festejo é contido e referente tão-só àquilo. «Já se veem campeões», aferroam os rivais, constrangendo, forçando uma culpa por comemorar. É como se estes benfiquistas temessem celebrar o que quer que seja, vivam nesse afogo.
Qual é em todo o caso a extensão da felicidade nestas zonas de decisão no futebol? Festeja-se um golo, a vitória no jogo ou a liga? Onde começam e acabam aquelas desgovernadas emoções? É difícil descobrir-lhe sentido porque nos parecerá a todos que as pessoas celebram os momentos e nada mais. Só discordará da ideia quem por absurdo lembrar ao amigo em dia de casamento que a nada deve brindar sob pena de um dia vir a divorciar-se.
A verdade é que se o desígnio de felicidade é uma meta, há ainda assim quem a tema, ora por pensar que não a merece, ora por pensar que tê-la antes, ou tê-la de mais, degenerará no contrário, como se se gastasse rápida e forçosamente. Há até uma latência cultural, arriscaria religiosa, na nossa tradição judaico-cristã observável em inúmeras vertentes quotidianas e se calhar nesta, pueril e futebolística, também: a penitência necessária na via para a salvação, evitar o prazer antes do tempo (em vida) na crença de algo superior depois (em morte) - uma ilusão, caso me admitam o aparte.
Hoje na Luz creio que bastantes benfiquistas voltarão a sentir que ganhando ao Portimonense podem ter dificuldade em festejar só isso. Ou pelo menos trabalho a explicar que é somente o jogo que festejam."

Miguel Cardoso Pereira, in A Bola

Diferenças!

"Ora bem meus amigos, hoje vamos aqui falar da vontade expressa publicamente, na Comunicação Social, dos jogadores e do célebre presidente portista da SAD do Portimonense em quererem tirar pontos ao Benfica, e vamos comparar com a semana que antecedeu o jogo com o FC Porto. Vamos primeiro mostrar as notícias a antecederem o jogo com o FC Porto e depois contra o SL Benfica. 
Como podem ver, na semana que antecedeu o jogo frente ao FC Porto, foi uma semana tranquila sem levantar grandes ondas na Comunicação Social, já para o jogo frente ao Benfica, nota-se um certo entusiasmo em querer tirar pontos ao Benfica. Esta situação não seria caricata depois do jogo que o Portimonense realizou frente ao Porto numa semana em que não abriram o bico. Para o jogo frente ao Benfica, já existe uma enorme vontade de "poder tirar o título ao Benfica".
Meus amigos, não restam grandes dúvidas que para o jogo de amanhã frente ao Benfica, o Portimonense esteja com a tão desejada mala, dada pelos patrões do norte. E para ajudar colocaram o árbitro mais condicionado da Primeira Liga a apitar o jogo e Luís Godinho como VAR.
Estaremos atentos ao que se irá passar amanhã."


A intolerável arrogância dos homens que queriam ser deuses

"O VAR é, nada mais nada menos, do que o homem a querer assumir o papel de Deus. O homem a querer ascender a um patamar de superioridade que não tem, nunca teve e nunca terá. O VAR é o homem em toda a sua arrogância e prepotência, toda a sua presunção de que não há limites para aquilo que consegue alcançar – nem sequer para a objectividade de um jogo que é, na sua génese, totalmente subjectivo! É o homem a querer assumir um poder discricionário absoluto para usar a seu bel-prazer e em função de cada momento.

Verdade desportiva. Expressão em voga, espécie de slogan de campanha eleitoral, palavras universalmente aceites na busca de um futebol melhor, um jogo mais puro, uma modalidade mais ‘verdadeira’, passe a grosseira redundância. Uma página de jornal não chega para desmontar o mito do VAR, essa grotesca e absoluta falácia da vídeo-arbitragem. Não chega uma página, não chega um jornal inteiro e não chegaria uma biblioteca de cinco andares – porque os mitos não se desmontam apenas com palavras derramadas para o papel, por mais acutilantes e bem intencionadas que essas possam ser. Não, os mitos levam anos a destruir, por vezes décadas. Gerações inteiras que vão acordando para a realidade e ousam enfrentar esses mitos que entretanto se transformam em dogmas e esses dogmas que entretanto se transformam em verdades absolutas. Lá está, voltamos ao mesmo: a verdade. Desportiva. Absoluta. Aquela que nos querem fazer engolir à força e à custa do assassinato público do maior espetáculo do Mundo. Como se a verdade fosse uma coisa objectiva! Pobres e incautos homens da bola que em pleno século XXI ainda acreditam em semelhante dislate...
O futebol é muito mais do que um jogo. É uma questão de fé. Uma religião no verdadeiro sentido da palavra. Deuses e semideuses nascem, vivem e morrem no imaginário do povo. Os adeptos unem-se em multidões que idolatram cores e veneram símbolos de forma incondicional, dedicando as suas existências a uma doutrina de devoção sem limites. Refutam qualquer teoria que desvalorize ou conteste o seu clube, professam argumentos absolutamente indefensáveis e cedem à paixão em detrimento da razão em todos os momentos. Sem excepção. Ao ponto de partirem para a violência como se fosse algo perfeitamente normal. Tudo somado, tudo espremido, uma verdadeira religião com tudo aquilo que esta possa ter de bom e de mau. Nem mais nem menos do que isso. Querer reduzir o futebol a um mero jogo não é apenas revelar um total desconhecimento dos factos: é uma absoluta ignorância perante um fenómeno profundamente fracturante que logrou mudar o Mundo ao longo do último século e meio.
Sendo o futebol uma religião – premissa sobejamente demonstrada no parágrafo anterior – não podemos analisar o fenómeno ignorando a mais perigosa de todas as ideias para a fé: a ideia de que a verdade é subjectiva. Quem a defende não sou eu, é o mais influente filósofo da era moderna. Eu limito-me nestas linhas a recordar o relativismo introduzido por Immanuel Kant no século XVIII e que dominou o pensamento intelectual no século XX, mantendo-se absolutamente actual nos dias que correm. Simples: toda a verdade é subjectiva. E se esta ideia – repito, perigosíssima para a fé – é aceite na vida de um modo geral, muito mais terá de ser aceite no futebol, onde até as regras são subjectivas, quanto mais a verdade! Na vida, por exemplo, uma mão é uma mão. Este substantivo feminino pode ter 30 significados distintos mas uma mão não deixa de ser uma mão, a ‘extremidade do braço humano a partir do pulso, que serve para o tato e apreensão dos objectos’. Já no futebol, uma mão é uma mão mas... temos a mão na bola e a bola na mão; a mão intencional e a mão inadvertida; a mão que aumenta o volume do corpo e a mão que se mantém junto ao tronco; a mão à queima-roupa e a mão evitável perante a distância do remate; a mão atrás das costas, a mão que protege o rosto, a mão que é alvo de um ressalto, a mão que se apoia no chão e a mão do movimento em queda. Todas elas com uma tremenda carga de subjectividade que VAR nenhum no mundo conseguirá eliminar. O mesmo se aplica a inúmeros outros conceitos subjectivos no futebol, como o contacto, a intenção ou a intensidade. Nada nem ninguém conseguirá transformar o futebol em objectividade, isso não existe. Porque o futebol é fé. Porque a verdade é subjectiva. E porque é nesse eterno limbo entre a emoção e a razão que reside a beleza do desporto-rei.
O VAR é, nada mais nada menos, do que o homem a querer assumir o papel de Deus. O homem a querer ascender a um patamar de superioridade que não tem, nunca teve e nunca terá. O VAR é o homem em toda a sua arrogância e prepotência, toda a sua presunção de que não há limites para aquilo que consegue alcançar – nem sequer para a objectividade de um jogo que é, na sua génese, totalmente subjectivo! É o homem a querer assumir um poder discricionário absoluto para usar a seu bel-prazer e em função de cada momento. É o homem a tentar legitimar todos os seus erros e a tentar fingir que não é falível, quando o homem nada mais é do que isso mesmo: falível. Através de uma tecnologia falaciosa, manipuladora, mentirosa e repleta de limitações, o VAR é apenas o homem a querer contrariar o relativismo, transformando verdades subjectivas em (in)verdades objectivas em função dos seus próprios interesses. O VAR é o homem a mostrar os seus tiques ditatoriais e absolutistas. É o homem a querer limitar as acções dos restantes impondo a sua vontade, a sua verdade absoluta. O VAR é a antítese de tudo o que o futebol simboliza: liberdade, magia, traquinice, capacidade de fintar não só os adversários mas também as regras.
Há mais verdade no golo de Maradona com a mão frente à Inglaterra no Mundial de 1986 do que em todas as decisões certas e erradas do VAR nestes quase dois anos de período de testes. Aquele golo na Cidade do México, aquele gesto matreiro de ‘El Pibe’, é a coisa mais verdadeira que alguma vez vimos num relvado: porque é puro, é intuitivo, é cruel, é visceralmente humano, é intencional por parte de um mágico que a todos iludiu sem que ninguém sequer se atrevesse a acusar Ali Bin Nasser de validar o golo em função de interesses ocultos. Porquê? Porque aquele momento no Estádio Azteca, aquela enorme mentira, foi um momento de pura verdade. Subjectiva, sempre. Mas verdade. Porque o futebol não mente. Pode ser injusto, impiedoso, mau, doloroso, em tudo semelhante às agruras da vida real. Mas não mente. Dentro daquelas quatro linhas não há mentira: há jogadores, bola, árbitro e jogo. Não há mentira, essa só existe cá fora. No mundo dos homens que queriam ser deuses esquecendo-se de que os deuses só existem dentro do campo..."

Semenya: É o desporto um direito humano?

"O Tribunal Arbitral do Desporto, de Lausanne (CAS), validou quarta-feira a regulamentação da IAAF, que impõe a atletas como Semenya que se mediquem para reduzir os níveis de testosterona produzidos naturalmente pelo seu corpo, de molde a serem elegíveis a participar em determinadas competições de atletismo.
Para mim, tal viola a reserva da vida privada. Põe em causa a autodeterminação da identidade do género e expressão do género. Coloca em crise o direito à protecção das características físicas/sexuais. Afronta o direito ao livre e pleno desenvolvimento da personalidade humana, inscrito na Declaração Universal dos Direitos do Homem. Estigmatiza, marginaliza atletas que, pela sua condição física, são mais vulneráveis, no desrespeito pela dignidade da pessoa humana, Princípio Fundamental do Olimpismo, constante da Carta Olímpica.
Afronta o direito ao desporto, ao restringir, a meu ver, de forma arbitrária, desproporcionada (ainda que, claro, a ética desportiva, a integridade das competições, sejam, por si, fundamentos bem razoáveis), a elegibilidade para participação de certas mulheres em determinadas competições (não todas as competições, o que também não será despiciendo…). Ora, a Carta Olímpica, texto a que as federações internacionais devem obediência, enquadra a "prática desportiva" como "um direito humano", que não deve ser objecto de "discriminação de qualquer tipo". Também a Carta Internacional da Educação Física e do Desporto da UNESCO consagra o desporto como "um direito fundamental de todos", dando na sua nova versão ainda mais enfoque a este direito no prisma do princípio da igualdade, na vertente da não discriminação.
Mais: há aqui uma discriminação em razão do género, em regras que se focam na elegibilidade … das mulheres, em competições … de mulheres, no hiperandrogenismo … feminino. Ora, uma das mais importantes convenções de direitos humanos da ONU, a Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres, prescreve que a igualdade entre homens e mulheres pressupõe as mesmas possibilidades de participar activamente nos desportos.
Se Semenya é um exemplo de hiperandrogenismo, tal deve-se ao facto de o seu corpo produzir um nível excepcionalmente alto de testosterona, mas de forma natural. Ora, se um atleta não é responsável por violação de normas antidopagem quando se demonstre que os níveis da substância proibida no seu corpo são produzidos endogenamente, por que razão se ‘pune’ as atletas intersexo por idêntico motivo? Valerá a pena reler outro acórdão do CAS, no Caso Chand, que lembra que há atletas de elite com mais visão, mãos maiores, mais capacidade aeróbica, superior resistência à fadiga, uma variação genética que os favorece ao nível de músculos… e tudo de forma natural."

Benfiquismo (MCLXX)

O anfiteatro...

Jogo Limpo... Seara, Fanha, Guerra & Luís...

Assalto ao Poder

"Pedro Pinho, conhecido no mundo do futebol como agente de jogadores, é proprietário da empresa PP Sports. É empresário de jogadores como André Pinto do Sporting CP, Pedro Monteiro (antigo defesa central) do Estoril, André Pereira do FC Porto, entre outros.
Como se vê pela carteira de jogadores, não é um agente com uma grande “carteira”. No entanto, conseguiu colocar oito jogadores no actual plantel do FC Porto, entre os quais Brahimi - em parceria com Nélio Lucas (administrador executivo do fundo de investimento Doyen Sports), Herrera, Militão, entre outros. Mas não fica por aqui. Também é conhecido por ter intermediado o negócio do patrocínio com a actual dona da MEO, a Altice, no qual ganhou valores que rondam os 20 milhões de euros
Este é o único agente que consegue - directamente - comprar e vender jogadores do FC Porto.
E por ele passou também - em conjunto com o fanático andrade advogado Aníbal Pinto e o conhecido líder da claque portista Mestre Macaco Fernando Madureira (vizinho da casa dos pais do Hacker Rui Pinto) - todo o negócio dos e-mails.
Pedro Pinho é, aliás, um dos que está a ser investigado pela Polícia Judiciária e que já foi alvo de perícias. As mesmas foram, no entanto, completamente abafadas pelo seu sogro que é um famoso deputado português.
O mesmo, com toda a história dos e-mails, conseguiu separar-se de uma sociedade que tinha com Alexandre Pinto da Costa, chamada Soccer Energy.
Alexandre Pinto da Costa, enquanto sócio de Pedro Pinho, conseguia fazer alguns negócios na instituição FC Porto. No entanto, após essa separação, Alexandre foi completamente desviado de todo e qualquer negócio com o clube. Pedro Pinho foi o grande beneficiário.
Como é que um pai consegue preterir o próprio filho em detrimento de um "estranho" e alimentá-lo com negócios milionários após o próprio "estranho" ter "roubado" milhares de euros ao seu próprio filho? Aqui está o cerne da questão.
Porque será que Jorge Nuno Pinto da Costa tem tanto medo em fechar as portas a este empresário? Porque será que ele, todas as semanas, se desloca ao Banco Carregosa, no Porto, para fazer levantamentos de elevadas quantias em dinheiro? Estará esta estranha rotina directamente interligada com o medo que Pinto da Costa sente por ele? E para que será esse dinheiro? Nós sabemos. É para toda a máquina do crime funcionar na perfeição.
Uma comissão de um jogador normalmente é de 10%, qual o motivo de o FC Porto pagar 8.5 milhões de euros pelo Militão quando o custo do jogador por 90% do passe foi de 4 milhões? Se 1.5 milhões foram para encargos – como refere o R&C da SAD portista de 2017/2018 - para quem foram os restantes 3 milhões? Pai? Mãe? Tio? Avô do jogador? Ou terão ido para... algum intermediário?
Os empresários desse jogador são a BMG, parceiro do FC Porto no Museu e fiador através do Banco BMG. São os únicos que podem tratar de negócios do FC Porto no Brasil.
Pedro Pinho é, em conjunto com outro empresário português, o representante oficial deste grupo em Portugal. O porquê desta coincidência? Porque só através dele conseguiram e conseguem fazer negócios no FC Porto.
Pinto da Costa, através desta figura pouco conhecida em Portugal, perdeu total controlo da instituição FC Porto no que diz respeito a contratações, gestão e estratégia. O motivo é claro, o rabo está muito preso. Será por causa dos emails?
Pedro Pinho, em conjunto com Adelino Caldeira, montou uma máquina de destruição no futebol português com o intuito de controlar o mesmo nos bastidores, onde se englobam figuras como Manuel Tavares - director da FC Porto Media, Francisco J. Marques - director de Comunicação, juntamente com peões seleccionados a dedo, como Diogo Faria, Pedro Bragança e muitos outros nobres e leais funcionários do sistema.
Pinto da Costa, ao constatar que começava a perder o controlo da totalidade do poder para Pedro Pinho em conjunto com Adelino Caldeira, tentou mexer-se usando o próprio filho e outro agente cujo nome já está entregue na Polícia Judiciária, arranjando provas e mensagens para denunciar os esquemas desta associação criminosa em vários jogos do FC Porto.
Entre essas provas, estão os jogadores pagos por Pedro Pinho para facilitarem nos jogos em prol do FC Porto. Vágner, a título de exemplo, recebeu 150 mil euros de Pedro Pinho para facilitar no Boavista - FC Porto. Mas não só, existiram também manobras de bastidores utilizando António Perdigão - antigo árbitro-assistente e arguido do Apito Dourado (actualmente comentador de arbitragem do Porto Canal) - para condicionar os árbitros dos jogos, como Vasco Santos, no célebre Estoril - FC Porto.
Tudo isto está em investigação. Com nomes, factos e provas numa queixa que tem rosto e não é anónima. O objectivo é ilibar a SAD portista e afastar Pedro Pinho, Francisco J. Marques e toda esta máquina que foi construída com o intuito de difamar e incriminar o Benfica, controlando, assim, os campeonatos e usufruindo das verbas avultadas da Champions.
Pinto da Costa foi inteligente ao mandar entregar esta denúncia na Polícia Judiciária, não dando a cara e utilizando terceiros para que a instituição FC Porto nunca seja incriminada, visto que os mesmos não fazem parte dos órgãos sociais.
Por aqui vemos a envolvência do verdadeiro Polvo, cujo apito dourado continua bem patente na sua boca. Brevemente voltaremos com novos dados."

Falta tudo

"Vitória em Braga não foi uma pedra no caminho do título, foi uma pedreira na construção do 37

No passado domingo fiz a auto-estrada para Braga (A3) à frente do autocarro do Benfica e assisti a uma das mais impressionantes manifestações de apoio dos últimos anos. Os viadutos carregados de adeptos mostravam lençóis com «37», «Reconquista», «Sempre juntos» e muitas outras mensagens entre dezenas de bandeiras.
Num jogo em que só cederam 1500 bilhetes ao Benfica, éramos uma clara maioria no municipal de Braga. Pode o benfiquista (do norte) não ter 60 euros para dar pelo exorbitante bilhete, mas nunca falta a alma e o amor para apoiar a equipa nem que seja empoleirado no viaduto de auto-estrada mais perto de sua casa. Aquela viagem Porto - Braga foi arrepiante na paixão de adeptos que dão tudo o que podem, para lá do que é imaginável, na busca do sonho colectivo.
Naquela primeira parte de Braga, onde houve pouco Benfica em campo, nunca faltou benfiquismo a clamar por outra alma nas bancadas. Esse Benfica, com essa alma, chegou em grande esplendor nos segundos 45 minutos. Foram quatro e podiam ter sido oito não fosse a exibição excelente dum Tiago Sá que parecia defender o impossível.
Que grande segunda parte fez o Benfica no passado domingo.
Não foi uma pedra no caminho do título, foi uma pedreira na construção do 37. Queremos convocar esse Benfica dos segundos 45 minutos, para não nos abandonar nos 270 que ainda faltam. Apenas centrados em nós e naquilo que falta fazer, com um ilimitado apoio nas bancadas e sem adeptos a sair antes do apito final.
Falta tudo, faltam 270 minutos e não podemos falhar um minuto no apoio como adeptos. Esse é o tributo material e moral que devemos àqueles que sem 60 euros para dar um bilhete assistiram agarrados aos filhos nos viadutos da auto-estrada por um instante de passagem do vermelhão para aquele enésimo de apoio que pode fazer a diferença.
Bruno Lage sabe, como eu, que neste momento ainda falta tudo. Aquela diferença tão pequena que separa o tudo do nada é neste momento uma tarefa colectiva, para a qual ninguém pode faltar e por isso há milhões de tarefas distribuídas.
Todos os benfiquistas têm que cumprir a sua parte. Porque o amor daquele pai sem dinheiro para os bilhetes, agarrado aos filhos no viaduto da A3, jamais me sairá da memória. Todo o apoio amanhã na Luz!"

Sílvio Cervan, in A Bola

Três finais

"Não sei se a afirmação, em comunicado portista, de que 'o FC Porto tudo fará para que seja respeitada a verdade desportiva', logo seguida do aviso 'doa a quem doer', deva ser entendida como piada ou ameaça. Séria é que não será. Numa temporada em que a verdade desportiva tem sido vilipendiada jornada após jornada - a lista de decisões incompreensíveis favoráveis ao FC Porto ocuparia esta página inteira -, os responsáveis portistas, talvez demasiado a deturparem e revelarem e-mails roubados ao Benfica, nunca encontraram o momento certo para pugnar pela dita, preferindo, de benefício em benefício, remeter-se ao silêncio ensurdecedor típico de quem, nos tempos do Apito Dourado, entendeu não recorrer de uma punição (inócua, claro está) relativa a corrupção. Aquela 'verdade desportiva', tão útil para adulterar a tabela classificativa, é que era. Esta das últimas jornadas, em que nem o Benfica é nitidamente roubado ou o FC Porto claramente ajudado, não serve. O aviso também é interessante. Quem poderá ficar dorido? Árbitros que fazem o melhor que podem e sabem, recusando-se a aderir à causa portista? Árbitros que possuam estabelecimentos comerciais? Árbitros que treinam na Maia? Familiares de árbitros? O Conselho de Arbitragem, outrora competente até os portistas sentirem que o título lhes poderá fugir?
Enfim, a impunidade ao longo de décadas tem sido tanta, que nada surpreenderá.
Indiferente a este circo tem estado a nossa equipa, focada, jogo a jogo, no seu objectivo supremo: a reconquista.
O triunfo em Braga foi brilhante, alicerçado numa segunda parte memorável e no apoio incessante nas bancadas. Foi à campeão. Terá de sê-lo, também, nas três 'finais' que se seguem!"

João Tomaz, in O Benfica

Festinhas

"Cerca de duas centenas de adeptos esperaram a chegada do Vermelhão na noite de domingo para segunda-feira. A equipa de futebol tinha goleado em Braga e conseguido isolar-se no comando do campeonato. Era lógico que os adeptos estivessem satisfeitos. Foi mais um passo rumo ao que nos pertence por direito. Logo as televisões se apressaram a fazer direitos e a encher rodapés com palavras fortes como 'euforia', 'festa', loucura'. Mas está tudo doido? Será que já se esqueceram de como são as festas do Sport Lisboa e Benfica? Mas desde quando é que nos podemos referir a duas centenas de adeptos - grandes adeptos - à porta da garagem da Luz a incentivar a equipa como uma 'festa'? Estiveram lá e muito bem, contentes, mas sem euforias e com os pés bem assentes na terra. Foi uma pequeníssima amostra daquilo que os pode esperar se vencerem os próximos três jogos. E todos sabemos como cada um desses encontros vai estar revestido de interesses especiais.
É certo que aqueles duas centenas rivalizavam com a 'multidão' que esteve no início desta semana à porta da Câmara Municipal de Lisboa para receber os vencedores da Liga dos Campeões de futsal (parabéns pela vitória ao Sporting Clube de Portugal), mas pelo menos na Rotunda Cosme Damião ninguém entoou cânticos com referências à fornicação de rivais. Isso ficou guardado para a comemoração oficial no Pavilhão João Rocha.
Nesta semana também assistimos a outra festa de pequenas dimensões, no Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Foi o apoteose dos sub-19 do FC Porto, vencedores da Youth League (igualmente de parabéns pela vitória). À espera dos rapazes lá estavam, agora com mais roupa vestida, os elementos da associação de adeptos dos azuis-e-brancos. Dias depois de humilharem e insultarem a equipa principal de futebol, foram apoiar os miúdos.
Pois é, cada um com a sua festa. Só falta a nossa, uma festa a sério. Mas sem pressas de atirar foguetes. Jogo a jogo, sempre a puxar pelos nossos."

Ricardo Santos, in O Benfica

A ignorância

"Ignorância (L'ignorance no original) é o título de um livro do escritor checo Milan Kundera, escrito em 2000. Uma mulher e um homem encontram-se por acaso durante a viagem de regresso ao país natal, de onde emigraram vinte anos atrás. O enredo está centrado na possibilidade de recuperarem uma estranha história de amor, que então, na sua terra, fora apenas iniciada. Entretanto, depois de tão larga ausência, as suas lembranças não se assemelham. A nossa memória só é capaz de reter uma pequena parcela do passado, sem que ninguém saiba porquê precisamente essa e não outra, Vivemos imersos num imenso esquecimento e não nos preocupamos com isso. Só aqueles que, como Ulisses, regressam vinte anos depois à sua Ítaca natal podem ver de perto, atónitos e deslumbrados, a deusa da ignorância.
Entre 2003 e 2005, as contas bancárias nacionais, tituladas e co-tituladas por JNPC, registaram entradas de valores, líquidas, significativamente superiores aos rendimentos declarados, em sede de IES, por este sujeito passivo, desconhecendo-se a existência de qualquer outra actividade, prosseguida por JNPC, que possa justificar esta diferença.
No mesmo período, a principal conta aberta no BBVA de Vigo, pertencente a JNPC, registou entradas de valores, uma das quais ordenada por JNPC, cujo motivo que esteve na sua génese não foi possível determinar, por insuficiência de informação.
Sobre este assunto, somente se pode concluir que estes fluxos financeiros não entraram no circuito bancário português.
No período analisado, foi evidente a circulação de valores entre as contas bancárias nacionais tituladas e co-tituladas por JNPC.
A memória das pessoas, realmente, parte dela não tem explicação. O problema é quando pessoas muito inteligentes utilizam esse conhecimento criando memória selectiva! Nesse caso, muitos poucos conseguem descobrir essa artimanha."

Pragal Colaço, in O Benfica

Precisam de assistência? Chamem o Pizzi

"Nesta semana tive um problema com o carro e vi-me obrigado a pedir assistência. 'Mas que raio tenho eu que ver com isso?', pergunta o leitor. Passo a explicar. Assim que chegou o reboque, percebi que estava metido numa alhada. Então não é que eu pedi assistência, e quem me apareceu no local foi o Sr. Domingues? Surreal, não é? Todos sabemos que, se for necessária uma assistência, para assistir não há ninguém melhor do que o Pizzi. Então mandaram-me para lá o Sr. Domingues porquê!? Não achei piada à brincadeira e lá tive de ir a pé desde o Terreiro do Paço até casa - o que pode parecer uma loucura, uma vez que moro em Braga, mas segundo a orientação geográfica do jornalista Paulo Garcia até nem fica assim tão longe. Aproveitei e ainda passei pelo Arco do Triunfo, portanto o aborrecido incidente acabou por ser compensado por um agradável estímulo cultural. Nesta temporada, o Pizzi leva mais assistências (18) do que os golos marcados pelo Feirense na Liga (17). É o jogador com mais passes para golo nos campeonatos de todo mundo. Se a estes dados impressionantes somarmos os 14 remates certeiros, percebemos que o Luís Miguel atravessa o melhor momento da carreira. Eu acompanhei parte da formação. Recordo-me de jogar nos iniciados do SC Braga e participar como apanha-bolas em vários jogos da equipa de juniores, onde despontava o Pizzi. Era o único jogador que não dava trabalho nenhum, porque os cruzamentos iam sempre direitinhos para a cabeça dos avançados. A relevância do Pizzi dentro do Benfica cresce a cada ano que passa, portanto ainda bem que as empresas de assistência em viagem andam a dormir. É a sorte do Sr. Domingues, que assim tem conseguido manter o emprego."

Pedro Soares, in O Benfica

sexta-feira, 3 de maio de 2019

Nada está ganho!

"Entende-se a euforia dos adeptos no pós-jogo de Braga. O Benfica ultrapassara um dos mais complicados adversários que tinha até ao fim do campeonato, fizera-o com distinção após uma segunda parte de luxo, e sedimentara a posição de liderança com a ajuda do inesperado empate cedido pelo FC Porto dois dias antes. E... ficara a faltar menos uma 'final'.
A festa é livre, legítima e saudável. Quando o futebol não servir para os adeptos festejarem aquilo que lhes apetecer, não servirá para nada. Espera-se que amanhã, na Luz, o ambiente volte a ser festivo, e próprio de quem está feliz com o desempenho da sua equipa - que depois de uma recuperação sensacional está a três jogos de poder sagrar-se campeã.
O perigo de uma euforia excessiva é deixar que ela transpire para os jogadores. Sobretudo quando, na sua maioria, são jovens, estando alguns deles a viver uma situação como esta pela primeira vez na carreira. Essa é, diria, a maior preocupação a ter neste momento. Há que evitar qualquer tipo de triunfalismo no seio da equipa, pois nada está ganho, e se não obtivermos os pontos necessários nos jogos que restam, com adversários valiosos e empenhados, a começar pelo certamente arreganhado Portimonense, de nada terá servido a goleada de Braga.
Todos nos lembramos bem do que aconteceu em 2013. Faltavam as mesmas três jornadas, tínhamos não dois mas quatro pontos de vantagem, e vimos o título voar de forma dramática. Talvez na altura se tivesse pensado que o mais difícil estava feito. Que ganhar ao Estoril e ao Moreirense eram favas contadas. Não podemos permitir que essa história se repita."

Luís Fialho, in O Benfica

Voleibol de ouro

"A equipa sénior masculina do Sport Lisboa e Benfica merece toda a nossa admiração e gratidão. Liderada por Marcel Matz, que foi muito bem auxiliado por Rodrigo Barroso, teve o mérito de conquistar todos os títulos internos em disputa. Lembro-me bem das palavras do nosso treinador no dia da apresentação.
Marcel Matz cumpriu todas as promessas que fez. Em ano de reconquista, os nossos voleibolistas deram o mote para uma época que pode ser histórica. Todo este grupo de trabalho deu uma prova de competência, dedicação, resiliência e abnegação.
Esta odisseia começou com a conquista da Supertaça, na Póvoa de Varzim, numa data marcante - 5 de Outubro. Os categóricos 3-0 ao Sporting não deixaram margem para dúvidas. Seguiu-se a Taça da Portugal, em Sines, com uma vitória clara (3-1) frente à Fonte do Bastardo.
A conquista do Campeonato, no Dia da Liberdade, tem um simbolismo próprio do 25 de Abril. São 16 os jogadores que ficam na história do voleibol português. Raphael Oliveira, André Lopes, Peter Wohlfahrtstatter, Manuel Rodrigues, Théo Lopes, Ivo Casas, Hugo Gaspar, Marc Honoré, Bernardo Martins, Filip Cveticanin, Miguel Sinfrónio, Fred Winters, Zelão, Tiago Violas, Nuno Pinheiro e João Simões escreveram uma página dourada desta modalidade espectacular e na qual o SL Benfica tem sido hegemónico. Muito importante o papel de José Jardim, agora nas funções de coordenador, e ainda de Rui Guedes, team manager e ex-jogador. Uma palavra final para alguém que nunca deve ser esquecido - Rui Mourinha, o homem que durante épocas a fio dirigiu a secção e que nos deixou no passado mês de Novembro."

Pedro Guerra, in O Benfica

Ajudar o mundo

"O mundo é quase uma esfera, visto do espaço, aparenta simetria perfeita e gira a uma só velocidade. Mas não é essa a realidade que nele se vive. Pelo contrário, é socialmente feito de enormes assimetrias e desenvolve-se a distintas velocidades, tirando energia de uns lados, que definham, para acelerar nos outros. Por isso, inspira harmonia e perfeição à pequena parte da humidade que vive nos países desenvolvidos. Precisamente aqueles que mais energia consomem que produzem mais impactos socioambientais à escala global. Nos países em vias de desenvolvimento, a vida é mais difícil, e as assimetrias estão à vista de todos, tornando insustentáveis os seus modelos de desenvolvimento e irrompendo em movimentos de contestação de dimensão crescente. Nos países subdesenvolvidos, que ocupam regiões e subcontinentes inteiros, cada dia é uma luta pela sobrevivência, da água ao abrigo e segurança, e a esperança de vida mede-se por escassas dezenas de anos, fazendo este indicador de saúde pública recuar a tempos medievais e mais atrás do mundo desenvolvido. A globalização faz avançar as economias desenvolvidas ao mesmo tempo que cava mais fundo o fosso entre ricos e pobres, hoje abissal à escala planetária, perpetuando a injustiça social. A mudança climática agudiza a crueza dos elementos naturais e precipita sofrimento sobre toda a humidade, mais sofrido, sempre, do lado dos mais fracos.
Neste cenário preocupante, acorda crescentemente a consciência humana e cada vez mais se juntam vozes e mãos para mudar o futuro. Os jovens, as elites informadas, as redes sociais, os movimentos cidadãos e solidários criam uma onda que precisa de ganhar dimensão e massificar-se. Neste quadro de mudança positiva e urgente, o papel que o futebol e o desporto desempenham é gigantesco. Na verdade, enquanto denominador comum das paixões humanas e construtor de pontes de diálogo, mas sobretudo pelos seus valores, o desporto assume uma importância crescente na sustentabilidade global. E clubes como o Benfica, os grandes clubes do coração de milhões, estão na linha da frente."

Jorge Miranda, in O Benfica

Historial...!!!

"Toda esta situação e coincidências à volta do ASD (Artur Super Dragão) é para lá de surreal, das coisas mais estranhas que nos lembramos de ver no futebol Português e parece que não se passa absolutamente nada continuando-se a nomeá-lo sem qualquer problema.
Imaginem este cenário:
Árbitro português internacional e que apita quase todos os jogos grandes abre uma pastelaria. Na festa de inauguração dessa pastelaria estão presentes dirigentes do Benfica, jogadores do Benfica, Pedro Guerra, Hugo Gil e mais uns 2/3 cartilheiros do Benfica, pastelaria essa gerida pela filha de um dirigente do Benfica, árbitro esse que tem pelo menos um membro da família a trabalhar no Departamento de Comunicação do Benfica. Portugal ia abaixo, iam ser especiais de informação dedicados a isto.
Basta trocarem onde está Benfica por Calor da Noite e tem a realidade actual de ASD. E ninguém fala disto ou dá importância a isto...Zero!
Mais!
Em 11 anos, este novo pasteleiro já tomou 44 decisões arbitrais desfavoráveis aos 4 candidatos ao título, sendo dessas 44 apenas 3 penalizaram os andrades, dois penaltis (um deles com aos 89 com os andrades a ganharem 3-0 e uma expulsão no jogo que ganhamos 2-0, o do falecimento do Eusébio, expulsão essa já depois de estarmos a ganhar 2-0 mas antes disso não viu a "defesa" com os braços do Mangala antes do nosso 2 golo). Marcou 13 decisões desfavoráveis ao Benfica, sendo 7 delas penaltis, ao Cashball igualmente 13, sendo 7 penaltis igualmente, ao Braga marcou 15 sendo 8 penaltis.
Eis o elites pasteleiro, daí ser o melhor árbitro de Portugal, no CA devem achar isto tudo normalíssimo.
Deixamos uma ilustração com os lances mais vergonhosos com que este elites pasteleiro nos presenteou nos últimos anos.
Valha-nos o facto de amanhã o Benfica ter requisitado um observador de árbitro da UEFA para monitorizar em campo tudo o que suspeitam estar a ser planeado como golpe de roubo premeditado ao Benfica (até o Elmano Santos, árbitro do Apito Dourado, o Fontelas meteu como observador do árbitro do jogo de amanhã!!)"

Teia 'cosmológica' !!!



"Ainda sobre Hugo Soares, o homem que o FC Porto quer no lugar de Pedro Proença.
É arguido no caso das viagens ao euro 2016 e suspeito de ter falsificado documentos que serviam de prova à forma como pagou — e quando pagou — as viagens que fez a França para assistir a jogos do Europeu de Futebol de 2016. Viagens essas, pagas pela agência Cosmos - sempre a Cosmos!
Cosmos, que é a mesma agência que «a Liga fornece para marcação de hotel e avião, os nomes dos árbitros».
A mesma que, em Julho de 1995, enviou Carlos Calheiros na companhia da sua mulher e filha de férias para o Brasil, com a factura no valor de 761 contos a ser paga pelo FC Porto.
A mesma que, em 1998, o FC Porto pagou as viagens a Marrocos do Jacinto Paixão, seus assistentes e o árbitro Rosa Penicho.
A mesma que, por coincidência - ou não! - é responsável pelas viagens da selecção portuguesa, através do Sr. Carlos Ferreira.
A mesma que tem um protocolo com a "Dragon Tour", agência de viagens, S.A.. A mesma que o saudoso Marinho Neves, jornalista desportivo, denunciava no seu livro "Golpe de Estádio", lançado em 1996.
A mesma que teve como administrador Adelino Caldeira, actual administrador da SAD do FC Porto. 
A mesma que faz parte do grupo empresarial de Joaquim Oliveira, outro dinossauro do nosso futebol e que, juntamente com Pinto da Costa, encenaram uma zanga, sabe-se lá porquê...
Sempre a agência Cosmos. Sempre os mesmos protagonistas. Sempre os mesmos donos da Liga. 
Recordemos as palavras de António Oliveira, irmão de Joaquim Oliveira, sobre como se procediam outrora as eleições na Liga: «É quem a Olivedesportos quiser». Para os mais esquecidos, relembre-se que Joaquim Oliviera foi apanhado em escutas com Pinto da Costa, escutas disponíveis no Youtube (não se coíbam de as ouvir). Falamos de um dos maiores accionistas da SAD do FC Porto.
E como é que a Olivedesportos coloca no poleiro o galo que bem entende? É fácil. O orçamento dos clubes portugueses, tirando 4/5 clubes, tem como principal base de sustentação os direitos televisivos. E quem teve durante décadas o monopólio dos direitos televisivos? A Olivedesportos. Os adiantamentos de receitas não são grátis e, nestes casos, os principais juros cobrados são as votações que os clubes têm de fazer, alinhados com os interesses da Olivedesportos. Sempre a Olivedesportos! 
A mesma que fornece carros à FPF, ao seu Presidente, Conselho de Arbitragem, Seleccionador, entre outros.
A mesma que, segundo António Oliveira, teve na mão Gilberto Madail e tem agora Fernando Gomes.
A mesma que é tida como dona da selecção, e só por esse motivo António Oliveira foi seleccionador nacional, admitido pelo próprio.
Tráfico de influências ou mera troca de favores? Corrupção ou apenas acordo de vontades? Normal ou anormal? Obscuridade certa!
Urge cortar com o presente, dominado pelos mesmos do passado, pelo bem do futuro.
Temos novidades para breve."

É tempo de assobiar

"“Lembras-te daquele jogo contra o Estoril? Ainda nada está ganho.”

Quantas vezes ouviram ou leram esta frase nos últimos dias? Dezenas, provavelmente. Aparentemente grande parte dos benfiquistas estão presos em 2013 e de lá não conseguem sair. Ou talvez não queiram, num acto de defesa inconsciente para evitar uma repetição do sofrimento daquela época. “Eu já sabia, é sempre a mesma coisa.”, dirão se a coisa correr mal. Será mesmo?
Já passaram quase 6 anos desde aquela fatídica semana em que perdemos 3 finais de seguida e chegou a altura de encerrar definitivamente esse capítulo da nossa história. Olhando em retrospectiva penso até que aqueles momentos foram fundamentais para todo o sucesso que se seguiu. Não me interpretem mal, não queria que aquele descalabro acontecesse. Sei bem como sofri e como aquele drama abalou o meu benfiquismo, e por arrasto a minha vida. Senti-me traído, depois de tantos anos de travessia no deserto e de um clube à procura de si próprio, aquele era o nosso momento. Era o regresso do grande Benfica. Mas não, ainda não estávamos prontos. Agora olho para trás e vejo-o com clareza. Ainda existia a bazófia do “reservado”, do “quem vier morre“, do “ninguém pára o Benfica”. Felizmente isso morreu juntamente com o sonho de um final de época recheado de títulos nacionais e internacionais, mas o que ali nasceu foi um Benfica mais focado, unido e humilde.
Isto parecem resultados de um clube traumatizado? Então porque ainda desconfiamos? Porque relembramos constantemente um acontecimento traumático mas parecemos ignorar tudo o que foi conquistado posteriormente e as lições aprendidas?
Demorei anos a percebe-lo, mas o privilégio de falar com pessoas como o Sr. Shéu, um homem extremamente objectivo, tranquilo e humilde, deu-me uma nova perspectiva sobre o assunto. A verdade é que o clube aprendeu com os seus erros e ficou mais forte. Não acreditam? Lembram-se que em 2015/2016 chegámos a estar a 8 pontos da liderança e não só recuperámos essa diferença como fomos buscar o título a casa do rival após uma segunda volta do campeonato absolutamente extraordinária?
“Não acontece outra, tivemos sorte”, dirão os mais cépticos. Será?
Arrisco a dizer que a recuperação deste ano foi ainda mais épica porque foi alicerçada em jogadores jovens, sem experiência nestas andanças e com a agravante de termos jogado no terreno de praticamente todos os rivais directos. Quase ninguém acreditava que fosse possível, mas mais uma vez foi feito.
Em termos de títulos, tem sido indiscutivelmente o melhor período das últimas 3 décadas: desde 2012/2013 vencemos 4 campeonatos, 2 taças de Portugal, 3 supertaças e 3 taças da liga. Isto parecem resultados de um clube traumatizado? Então porque ainda desconfiamos? Porque relembramos constantemente um acontecimento traumático mas parecemos ignorar tudo o que foi conquistado posteriormente e as lições aprendidas? Acreditem, os jogadores, dirigentes e adeptos lembram-se de tudo o que se passou, não necessitam que os arrastem para aqueles momentos em todos os finais de campeonato! Pelo contrário, pede-se energia positiva nas bancadas para ajudar a equipa em possíveis momentos de nervosismo ou dificuldade, tal como aconteceu em Braga. Isto é que faz a diferença! Relembrar constantemente tempos negros que já estão, ou deveriam estar, mais que enterrados apenas gera um nervosismo e ansiedade perfeitamente dispensáveis.
Entende os momentos do jogo, percebe que o Benfica não pode estar 90min a atacar ou a dominar e que isso é normal.
Mas numa coisa estamos todos de acordo: a obra ainda não está completa. Faltam 3 jogos e 7 pontos para cumprir o grande objectivo e reclamarmos aquilo que é nosso por direito próprio.
Por isso chegou a hora de afastar os fantasmas e os pensamentos negativos, recordar tudo o que foi feito até ao momento e fazer a diferença em todos os momentos, dentro e fora do estádio. Gritos e cânticos de apoio não marcam golos, mas dão energia, ânimo, confiança e é esse o nosso desígnio como adeptos.
“OK, Nuno, isto já parece um texto do Gustavo Santos mas entendo onde queres chegar. Como posso ajudar?”, perguntas tu.
Apoia. Apoia como nunca apoiaste na tua vida. Se souberes os cânticos, canta. Se não for essa a tua onda, incentiva os nossos jogadores mesmo quando tiverem uma má acção. Entende os momentos do jogo, percebe que o Benfica não pode estar 90min a atacar ou a dominar e que isso é normal. Tem calma, confia na equipa e ajuda a criar um ambiente positivo. Dá o exemplo aos que estão à tua volta, puxa por eles. Assobia. Assobia como um demónio possuído sempre que um adversário tocar na bola ou o árbitro meter apito à boca. Enterra as más memórias e ajuda a ressuscitar o inferno da luz!
Neste momento isto é tudo o que podemos fazer para ajudar, o resto depende dos nossos rapazes. No fim cá estaremos para festejar ou lamber as feridas com a certeza que, independentemente do que acontecer, o Benfica e o benfiquismo continuarão intocáveis porque não são feitos (apenas) de golos, taças ou glória: na sua essência estão as pessoas, os benfiquistas, e enquanto a memória perdurar elas serão eternas, tal como a lenda do Benfica.
Viva o Benfica e vamos a eles. Sem medo!"

Magnusson faz um hat-trick ao Portimonense


"Em 15 deslocações do Portimonense à Luz, nunca a equipa do Algarve conseguiu vencer. O melhor que conseguiu foi 3 empates, o último deles em 2011. Sobram 12 vitórias para a equipa da casa, muitas delas de goleada. Uma delas foi em 1989/90, com o Glorioso a marcar cinco golos sem resposta, sendo que três desses golos foram da autoria do matador Mats Magnusson. O Sueco faria em 89/90 uma temporada fantástica, com uns incríveis 33 golos e o clube de Portimão foi apenas mais uma vítima pelo caminho.
Apesar deste historial, todo o cuidado é pouco. O Benfica terá que ser sério, profissional e competente. A festa fica para nós adeptos que temos que encher a Luz e dar todo o apoio a esta equipa sensacional que se aproxima dos 100 golos no campeonato e está a 9 (ou porventura a 7) pontos de vencer o 37º. Carrega Benfica!"

Será o fim das equipas B?

"A três jornadas do fim, parece inevitável a descida ao Campeonato de Portugal das equipas B do Sporting de Braga e do Vitória de Guimarães, uma vez que estão a seis e oito pontos, respectivamente, do último lugar da manutenção.
Assim, ao fim de sete épocas, em 2019-20 restarão na II Liga duas formações – Benfica e FC Porto – das seis equipas B que iniciaram a participação na época 2012-13.
Nunca será demais enfatizar o importante papel que esta competição teve no desenvolvimento de jogadores jovens que integraram essas equipas: lançados muito cedo num nível competitivo superior, rapidamente evoluíram; muitos chegaram à equipa principal dos seus clubes, foram chamados à selecção nacional e acabaram por ser transferidos para o estrangeiro em negócios que já ultrapassaram os 400 milhões de Euros (Renato Sanches, André Gomes, André Silva, Bernardo Silva, Gelson Martins, Gonçalo Guedes, João Cancelo, João Mário, entre outros).
A competitividade das próprias equipas levou-as a ocupar lugares cimeiros, com o FC Porto B a sagrar-se campeão na época 2015/16.
Inversamente, aconteceram descidas naturais, no caso o V. Guimarães (que voltou à II Liga na época seguinte) e o Marítimo B (que não mais conseguiu ascender).
Mas foi com o anúncio da criação do Campeonato de Sub-23 (em Abril de 2018) que se agravaram os problemas.
O Sporting logo optou pelo novo figurino, deixando a equipa B cair na zona de despromoção, de onde já não conseguiu sair (2017/18); e, pior do que isso, desistindo da sua participação no Campeonato de Portugal na época em curso.
O FC Porto manteve a equipa B (que está classificada a meio da tabela) e não se interessou pelos Sub-23.
Benfica, Sp. Braga e V. Guimarães mantiveram as equipas B e criaram as de Sub-23; mas enquanto o Benfica se tem mantido entre os cinco primeiros, os emblemas do Minho foram lutando com crescentes dificuldades (a que não terão sido estranhas as necessidades das equipas principais) e acabaram por cair na zona de despromoção, que se afigura irreversível.
Oportunamente manifestámos a nossa opinião (crítica) sobre o assunto – artigos "Equipas B versus Sub-23" e "Ainda os Sub-23", em Março e Maio de 2018 – considerando a competição de Sub-23 (Liga Revelação) uma extensão dos campeonatos de juniores, sem especial motivação e apenas para manter em actividade jogadores que ainda não justificaram transição para outros patamares. 
Entretanto, continuam a sair boas fornadas das equipas B: João Félix, Florentino, Gedson, Ferro, Jota (Benfica), Miguel Luís, Francisco Geraldes, Luís Maximiano (Sporting), Diogo Dalot, Bruno Costa (FC Porto), Trincão (Sp. Braga), entre outros.
Aguardemos algum tempo para que possa ser feita uma análise desapaixonada sobre o futuro dos jovens empenhados na Liga Revelação, nomeadamente do inesperado vencedor – o Desportivo das Aves – e logo poderão discutir-se os resultados das opções tomadas."

Os 2002 vão atrás do sonho – Euro U17

"Inicia-se sábado a participação portuguesa no Europeu sub 17, e a armada lusa apresentar-se-à com uma geração recheada de bons valores.
Ficam aqui alguns destaques incontornáveis:
Paulo Bernardo (SL Benfica) – Forte candidato a melhor jogador do Europeu. Qualidade técnica e inteligência absolutamente assombrosa. Tudo na forma como decide e executa é de um nível tremendo. Paulo é um dez que às tradicionais óptimas características ofensivas, não se coíbe de realizar com o mesmo grau de rigor as tarefas defensivas. Personalidade de campeão que em cima da sua qualidade, o levará ao topo do futebol em Portugal.


Rafa Brito (SL Benfica) – Um dos mais interessantes de toda a formação do Benfica. Já participou no Europeu do ano transacto, mesmo sendo mais novo. Capaz de jogar em qualquer posição da linha defensiva ou como seis, já soma presenças em jogos importantes dos sub19 do SL Benfica. Qualidade técnica, inteligência e cultura táctica. Face à ausência de um lateral esquerdo de raiz poderá vir a fazer a posição, embora o seu futuro jamais passe por ai.
Eduardo Quaresma (Sporting) – Condições morfológicas, físicas e técnicas de eleição. Está seguramente num lote bem restrito dos melhores defesas centrais da formação em Portugal. Tem todas as condições para se apresentar (uma vez mais, diga-se) à Europa do futebol, depois do Torneio das Nações e de Montaigu.


Tomás Araújo (SL Benfica) – Fará previsivelmente dupla com Eduardo. Muito concentrado, e com um conhecimento táctico ímpar, a que alia uma capacidade de trabalho bastante acima da média, até nos traços de carácter Tomás demonstra que tem condições para um dia chegar à equipa principal do seu clube.
Tomás Esteves (FC Porto) – O ano passado nos sub 19 catapultou o lateral direito para um nível incrível! Velocidade, qualidade em progressão e uma óptima escolha dos caminhos a percorrer ou a fazer percorrer a bola. Poderá ser o lateral do torneio!
João Daniel (Sporting) – Deverá ser o médio defensivo da selecção. Destaca-se pela qualidade que dá ao jogo ofensivo mesmo partindo de uma posição mais recuada no sector intermédio – Decisões rápidas e assertivas, e qualidade no gesto técnico. Um perfil de médio apaixonante!


Fábio Silva (FC Porto) – De forma muito justa, é o nome forte da selecção. Fábio vive do golo e para o golo – Desde os iniciados que vai sendo sempre quem mais golos marca em território nacional. Uma agressividade e atitude competitiva incrível, em cima da forma inteligente como se movimenta e da frieza com que finaliza, o ponta de lança do FC Porto que tem tido um impacto tremendo mesmo nos sub19, é um dos maiores candidatos a melhor marcador da prova.


Gerson Sousa (SL Benfica) – A capacidade de desequilíbrio do jovem extremo é impressionante. Poderia driblar toda a equipa adversária numa cabine telefónica e sair com a bola para contar a história. Mas não é o vulgo “brinca na areia” – Decide no último passe e na finalização com grande qualidade e será na Irlanda um dos agitadores a ter em conta.


Pedro Brazão (Nice) – De todos é o único com experiência de futebol sénior, mesmo que curta. Deverá ser uma das asas da selecção nacional, e também um dos mais capazes de desequilibrar o jogo, pela velocidade, qualidade com que dribla e a forma como aparece nos espaços vazios.


Tiago Ribeiro (AS Monaco) – Médio defensivo, canhoto – Um geómetra com prepoderância ofensiva muito elevada pela qualidade técnica imensa. O ex FC Porto mete a bola onde coloca os olhos, e embora não deva partir como primeira opção na posição, quando encontrar o seu espaço, não defraudará as expectativas.

Os restantes 2002 em rápidas:
Samu Soares (SL Benfica – Guarda Redes) – Agilidade e velocidade;
Diogo Almeida (Sporting – Guarda Redes) – Imponência e técnica;
Filipe Cruz (SL Benfica – Lateral / Extremo) – Velocidade e 1×1;
Rodrigo Rêgo (Sporting – Defesa Central) – Confiança e gesto técnico;
Daniel Rodrigues (Sporting – Médio Interior) – Agressividade e duelos;
Famana Quizera (Borussia MG – Médio Interior) – Velocidade e gesto técnico;
Gonçalo Batalha (Sporting – Médio Interior) – Liderança e disponibilidade;
Henrique Pereira (SL Benfica – Extremo) – Velocidade e definição;
Tiago Tomás (Sporting – Avançado) – Mobilidade e finalização;
Bruno Tavares (Sporting – Extremo) – Drible e finalização.
Emilio Peixe, Felipe Ramos e Hélio Sousa serão os homens que guiarão os sonhos dos jovens portugueses."