Últimas indefectivações

sábado, 6 de junho de 2015

Juvenis - 5.ª jornada - Campeões Nacionais

Benfica 2 - 1 Corruptos

Parabéns a toda a equipa, aos técnicos e aos jogadores... Uma equipa que no início da época não prometia muito, acabou com o título de campeão, na penúltima jornada, com 5 jogos e 5 vitórias (na última jornada na Madeira o Benfica Campeão poderá fazer o pleno...)!!! Terceiro título de Juvenis em 6 anos... O Renato Paiva merece uma referência pessoal, porque conseguiu formar uma equipa, com muitas opções, ainda hoje vários dos habituais titulares não jogaram de início, e a equipa funcionou: Dantas, David, Soares...

Numa partida onde o empate chegava ao Benfica, onde este 'Afro-Corruptos' estava obrigado a ganhar, com vários jogadores dos Corruptos que foram usados nos Juniores, a 'regressarem' aos Juvenis, acabou por ser normal a atitude de alguma expectativa da nossa equipa. Infelizmente esta época, nos Iniciados, numa situação idêntica, acabámos por perder o Campeonato nos descontos, mas hoje não falhámos... E um dos grandes responsáveis foi o Fábio Duarte (que recentemente assinou contrato...). Recordo que o Fábio foi bastante criticado em alguns jogos que efectuou nos Juniores, mas creio que hoje tirou as 'dúvidas' a todos: temos guarda-redes...

Tivemos alguma sorte no 1.º golo, com um auto-golo; logo a seguir, como já é habitual, o apitador resolveu equilibrar a partida: inventou livre contra o Benfica, à entrada da área, e na sequência do livre a bola bate na barreira, e o senhor Luís Reforço marca penalty, por suposta Mão na Bola (inexistente)!!! Jogo empatado, últimos tensos, com várias oportunidades, o Fábio em grande, e já depois da 'hora' em contra-ataque puro, Zé Gomes, a 'matar' o Campeonato, de forma apoteótica!!!
Destaco ainda as celebrações dos nossos jovens, cheias de mística, sem esquecer Jaime Graça, com Chalana no relvado, cantando o hino... Pequenos jogadores, com o futuro aberto e grandes Benfiquistas!!!

Duarte; P. Pereira, Gonçalves, Silva, Araújo; J. Pereira, Mendes, Lourenço (Dias, 47'); Gedson (Matheus, 40')), Jota (Tavares, 66'); Gomes.

Amanhã há mais...

Benfica 2 - 1 Sporting

Primeiro passo, num jogo nem sempre bem jogado (como é habitual das Finais...), mas onde a atitude Benfiquista fez a diferença. Resultado enganador, porque devíamos ter marcado mais golos... Entrámos muito bem, mas era impossível manter aquela pressão durante o jogo todo, só nos minutos finais do 1.º tempo o Sporting criou algum perigo, falhámos algumas marcações defensivas mas o suor compensou!!! Sendo que a melhor oportunidade pertenceu ao Henmi, que falhou de forma escandalosa...!!!
Não entrámos muito bem no 2.º tempo, o Sporting reduziu, mas soubemos reagir, só não dilatámos a vantagem porque o André Sousa não deixou... nos últimos voltámos a defender muito bem o 5x4.
Continuamos a incrível série de jogos sem perder para o Sporting, já são quase 2 anos... só precisamos de mais dois!!! É muito importante ser Campeão. É muito importante voltar à UEFA Futsal Cup... quando se anuncia, investimentos milionários na equipa de Futsal dos Lagartos para a próxima época!!!

Inacreditável a forma como mais uma vez, a equipa do Sporting foi 'protegida' pela arbitragem nas faltas, principalmente na 1.ª parte. Sendo a impune agressão do Caio Japa o ponto alto... O facto do Benfica ter um especialista na marcação dos livres de 10 metros, não devia alterar as regras do jogo, mas parece que muda!!!

Grande ambiente no apoio à equipa, só acho escusado, os 'penduras' na rede... deve-se gritar, cantar, mas não é preciso andar a destruir propriedade do Benfica. Amanhã, que se repita o colinho...


Final Portugal Liga SportZoneSL Benfica 2 - 1 Sporting CPGame 1#BenficaSporting #Derby #LigaSportZone #Futsal #Portugal
Posted by Futsal Agente on Sábado, 6 de Junho de 2015

Nuno Santos decisivo...

Portugal 3 - 1 Colômbia

Na última madrugada, consegui 'aguentar' o jogo da nossa Selecção de sub-20 no Mundial da Nova Zelândia!!!
Portugal não fez um grande jogo, mas foi competente, defendeu bem, e soube aproveitar os erros dos adversários com eficácia.
Tivemos vários jogadores do Benfica em campo: o João Nunes, conjuntamente com o colega central Duarte, foram dos melhores; o Rebocho foi titular pela primeira vez, teve algumas dificuldades com o caparro de alguns Colombianos, mas cumpriu defensivamente e deu profundidade ao flanco; o Guzzo demonstrou toda a sua classe com a bola nos pés... na 1.ª parte agarrou-se demasiado à bola, e fintou quase sempre para 'trás', no 2.º tempo melhorou, a Colômbia também deu mais espaço, mas foi mais objectivo... rematou com perigo várias vezes; o Nuno Santos começou por marcar de livre, uma grande bomba, mal colocada, mas o guarda-redes 'facilitou'... agora teve muitas dificuldades no 1x1, não se adaptou à ala direita... quando passou para a esquerda, fez mais uma assistência... 2 golos, 3 assistências, este é o pecúlio do Nuno jogando poucos minutos nos dois primeiros jogos, e neste nem fez os 90 minutos!!!
Com Portugal já qualificado, pensei que o Gonçalo Guedes iria ser titular, ficou estranhamente no banco, mas quando entrou, jogou muito bem...
Uma nota ainda para os nossos ex's: Estrela, começou nervoso, perdido posicionalmente, mas acabou por perceber o jogo, ganhou confiança, e acabou a varrer tudo... Saiu de maca, parecia grave, espero que tenha sido só um susto; o Rony jogou poucos minutos... mas nos primeiros jogos acabou por não deslumbrar; o Nelson Monte ainda foi a tempo de fazer uns minutinhos a defesa-direito...

Três jogos, três vitórias, e só um golo sofrido. O jogo dos Oitavos, deverá ser acessível, mas nos Quartos o grau de dificuldade irá aumentar.
Temos uma equipa equilibrada, com vários jogadores com experiência de futebol sénior, a defesa melhorou bastante em relação ao Europeu, e temos muitas opções ofensivas, o treinador pode 'rodar' vários jogadores...
Pelo que vi, as equipas Europeias estão muito acima das outras, o Brasil só com um grande 'empurrão' ganhou o último jogo, mas será a única equipa que poderá intrometer-se no domínio Europeu... A Alemanha, teve até agora jogos fáceis, mas parece-me mais fraca em relação ao Europeu do ano passado, faltam alguns jogadores (por opção), vamos ver como vai decorrer o mata-mata!!!

O Benfica Somos Nós V - Carta aberta ao nosso presidente

Caríssimo Senhor Presidente Luís Filipe Vieira,

Permito-me tomar a liberdade de lhe endereçar esta missiva em espaço público para lhe transmitir a minha visão sobre a situação actual e de algum modo poder dar de forma humilde o meu contributo para a solução.

Desde já afirmo que eu nem para treinador de bancada sirvo. Mais afirmo que o timoneiro por vós escolhido terá o meu apoio indefectível como sempre. Contudo nenhum dos nomes falados me desperta entusiasmo. Sobretudo por duas razões principais: A primeira é porque não são consensuais e a segunda é porque não trarão com eles significativo valor acrescido à organização Sport Lisboa e Benfica.

Gostaria de ver um nome totalmente fora das cogitações dos comuns mortais. Um nome para o projecto enunciado pelo presidente que trouxesse com ele conhecimentos extra para lá dos que existem dentro do Benfica. Para mim um técnico Alemão com o conhecimento profundo da estratégia que a Alemanha implementou. Essa seria uma jogada de mestre.

Senhor presidente, esta minha ideia tem como base um documentário sobre a transformação que foi realizada no futebol Alemão após a desilusão do Euro 2004. Eles analisaram o que estava errado e colocaram em prática medidas que conduzissem a Alemanha a ser novamente a maior potência futebolística mundial. É o que eles são e é isso que nós devemos ser. Na Alemanha existem conhecimentos de topo que não existem em Portugal. O futebol Alemão possuí o que existe de mais evoluído. Jurgen Klopp é o nome mais sonante mas existem muitos outros e se um dia fomos buscar o senhor Jupp Heynches hoje mais sentido faz um alemão dentro de nossa casa.

Sven Goran Eriksson transformou o futebol português. Não era alemão era sueco. Fica lá perto. Respeito, carácter, competência, rigor, conhecimento, classe, ambição e espírito de vitória. Se existe gente habituada a ganhar são os Alemães.

A nação benfiquista está consigo senhor presidente e esta é a hora de unir ainda e uma vez mais o universo benfiquista em torno de uma ideia. Uma visão. Um projecto.

Senhor presidente: 'O Benfica Somos Nós!'

Viva o Glorioso Sport Lisboa e Benfica!

sexta-feira, 5 de junho de 2015

O mais importante

No meio da turbulência dos últimos dias é fundamental não perder a noção daquilo que é mais importante neste momento: o futuro imediato do Benfica dentro das quatro linhas na próxima época!!!
A sucessão do Jesus nunca seria fácil, como nunca é fácil após longos mandatos... tal como não está a ser no Manchester United, por exemplo. Nos próximos dias a descomunicação social vai continuar a bater o tema do nosso ex-treinador, mas nós temos que nos focar no nosso próximo treinador... e este processo não está a começar da melhor forma.

Por alguma razão, puramente subjectiva, as redes sociais Benfiquistas tornaram-se rapidamente pró-Marco Silva e anti-Rui Vitória!!! Até já se fazem petições públicas!!! Não tenho nada contra o Marco, mas este bajulamento já enjoa... A forma como foi tratado pelo palhaço do Brunão foi indigna a todos os níveis, estou com ele até à última nesse aspecto, mas isso não o torna automaticamente na opção mais indicada para ser treinador do Benfica.

O Benfica neste momento, por diversas razões, não pode reformular todo o plantel, também não temos a capacidade financeira para ir buscar 1 ou 2 grandes jogadores, que possam fazer a diferença de imediato. Sendo assim, tendo em conta as características dos nossos actuais jogadores, tendo em conta a forma como a maioria das equipas do Tugão jogam contra o Benfica (além de toda a História desportiva do Benfica moderno...), o Benfica tem que continuar a jogar com um sistema de 2 avançados!!!
Podem achar, que esta variável não é importante. Pois, eu acho que é fundamental. Quem vier treinar o Benfica, tem que compreender isto...

Tanto Rui Vitória como Marco Silva, até agora, nas suas carreiras profissionais, raramente optaram por esta estratégia. Compreendo que treinando Clubes como o Estoril, o Paços e o Guimarães, as 'necessidades' são outras... mas no Benfica a música é outra. Basta analisar o rendimento do nosso jogador mais importante ofensivamente na última época: Jonas. Com a provável saída do Gaitán, será indiscutivelmente a nossa grande arma ofensiva, e o Jonas só poderá jogar num esquema com 2 avançados... parece-me clara esta observação. Não gosto de me fazer passar por treinador de bancada, nem por expert dos teclados, mas esta conclusão parece-me óbvia.

Marco Silva esta última época no Sporting por exemplo, só optou pelos 2 avançados, em desespero, nos últimos minutos (e algumas vezes com sucesso!!!)... na recente Final da Taça de Portugal, quando ficou a jogar com 10, optou por jogar em 4x4x1, e as linhas de 4, na defesa e no meio-campo até funcionaram bem (dentro das circunstâncias), como já tinha acontecido noutras ocasiões onde o Sporting tinha ficado a jogar com menos um, mas no Benfica, este Plano B, tem que ser Plano A!!! Em vários jogos esta época, o Sporting andou a 'pastar' durante uma hora (com 1 ponta-de-lança...), e só no fim o esquema mudava, no Benfica isso seria intolerável...
Não acompanhei os jogos do Rui Vitória no Guimarães e no Paços com tanto pormenor, mas sei que tacticamente tem ideias muito próximas ao Marco Silva (como a grande maioria dos treinadores portugueses), no Benfica teria que mudar... Hoje, disseram-me que no Fátima (!!!) chegou a jogar em 4x4x2, mas isso já foi à muito tempo, num nível competitivo muito diferente...
Algumas das declarações públicas de Rui Vitória, tanto em Paços como já em Guimarães, onde parecia ter medo de assumir o seu passado Benfiquista (não fosse isso impedir no futuro uma qualquer transferência, no feudo Corrupto...), não caíram bem nos Benfiquistas mais atentos, onde eu me incluo, mas isso não apaga as qualidades que eu vi ao serviço do Fátima (cheguei mesmo a prever nessa altura, que Rui Vitória seria um dia treinador do Benfica!!!). Mas repito, com 4x3x3, um 'pinheiro' no meio dos Centrais, e bolas longas nas costas dos Laterais adversários, isso no Benfica, não chega...!!!

Considero este factor tão importante, que acho mesmo fundamental o Presidente perguntar ao futuro treinador, quais as suas ideias neste aspecto, antes de assinar!!! Não é uma questão de ingerência nas funções do treinador, é perceber se o treinador está ou não consciente do lugar que poderá vir a ocupar...

Além deste factor dos 2 avançados, recordo também a forma como o Sporting de Marco Silva, defendeu mal posicionalmente em várias ocasiões. As expulsões dos Centrais do Sporting são um exemplo, de como a defesa do Sporting foi muitas vezes confrontada com situações de jogadores adversários isolados, ou 1x1 em velocidade... Podem sempre defender que a culpa, foi da incompetência dos jogadores, mas muito sinceramente, houve jogos, onde me pareceu claramente incapacidade do treinador colocar os jogadores no sítio certo...
Sendo que tanto Jesus (como Vítor Pereira!!!), têm neste aspecto: posicionamento defensivo/transições defensivas, uma das suas grandes armas!!!! Muitas vezes desvalorizada pela crítica... Quantos jogos esta época os nossos guarda-redes, acabaram o jogo, praticamente sem fazer uma única defesa, digna desse nome?!

Acho também estranho que na roleta dos nomes, Michel Preud'Homme tenha sido esquecido. Ainda há pouco tempo, era um dos nomes mais 'queridos' para o lugar de Jesus, e o Michel até joga preferencialmente em 4x4x2.
Com o sucesso desportivo do Jesus no Benfica (inegável), existe outra variável que todos se estão a esquecer: no Benfica, estatisticamente, foram muito poucos os treinadores portugueses com sucesso. Não acho que este facto tenha sido acidental. Nem acho que os treinadores portugueses sejam todos incompetentes. Acho que a pressão social, de ser treinador do Benfica é gigantesca. É a família, os amigos mais próximos, os conhecidos, os desconhecidos, os jornalistas, os empresários, os dirigentes... todos têm opinião sobre as tácticas, as substituições, os jogadores... Não é fácil resistir, a tantos bitaites, é necessário ter convicções muito fortes, saber o que se quer, é obrigatório ser teimoso, senão corre-se o risco de andar à deriva... Durante muitos anos, a grande vantagem de ser um treinador estrangeiro no Benfica, é estava afastado de todo este Circo, muitos deles nem sabiam ler os jornais.
Se a opção recair sobre um Português, além das qualidades técnicas, será necessário uma personalidade a toda a prova no que toca a opções de 'jogo'!!!

Dos outros nomes que têm sido veiculados, considero a simples referência ao nome de Paulo Sousa como uma infâmia; admito que Vítor Pereira será provavelmente, tecnicamente, o mais apto para o lugar, mas a bagagem que trás dos Corruptos, é demasiado pesada (pior que a estória da PlayStation), sendo que na troca de bitaites com o Jesus, conseguiu fazer do Jesus um senhor (aqueles vídeos das conferências de imprensa nas Arábias, rivalizam com o 'Hassan' do Toni, sendo que as reacções do Toni são muito mais honestas e 'bondosas'). Não descontando totalmente a sua contratação, admito que iria levar muito tempo a aceitá-lo defendendo o Manto Sagrado!!! Mas se fosse ao contrário, isto é, um ex-treinador do Benfica, disponível, com qualidade, seria imediatamente contratado pelos nossos rivais, sem pestanejar... entrando ainda para aquela categoria de mais um 'roubado' ao Benfica!!!
E ainda temos a hipótese Paulo Bento! Sem querer, fazer 'claque' acho que este será o pior cenário possível!!! Conflituoso com os jogadores, teimoso mesmo quando tudo corre mal, passagem absurda pela Selecção, nunca jogou com 2 avançados, mesmo quando na Selecção com o Ronaldo, era a opção óbvia... mas é um dos 'homens' do Jorge Mendes!!!

Não vou fazer campanha a favor de nenhum treinador, irei apoiar a decisão da Direcção. Não faço parte de nenhum clube de fãs de um ou  de outro. Acho mesmo este tipo de culto de personalidade, é completamente absurdo.
O meu Clube é o Benfica, e o resto é paisagem...

Nem azedume nem mágoa

"Queriam o futebol português bem animado? Aí está ele. Promete um defeso de grande agitação. Mudanças de treinadores e de jogadores. Notícias bombásticas com sal e pimenta.
O Benfica ganhou a Taça da Liga e assim fechou uma excelente época. Mais uma, numa séria impressionante de títulos e bons resultados, como não se via há muito no clube.
Por mim, só ouvirão agradecimentos a quem serviu o clube, com dedicação. Não tenho nem azedume, nem mágoa.
A história do Benfica é cheia de muitas estórias e, no fim, só o BENFICA é verdadeiramente enorme e incomparavelmente glorioso.
Muita esperança no futuro, o desejo da escolha do melhor treinador e dos melhores jogadores.
O Benfica que me interessa é o que prepara o 35.º título de campeão nacional, 26.ª Taça de Portugal e 7.ª Taça da liga.
Vejam que só um benfiquista pode ter tamanha ambição para a próxima época.
Para o ano, até a desprestigiada Supertaça, que costuma ter interesse inferior à Eusébio Cup, ganhou algum picante pelas circunstâncias.
É bom haver bons jogos, para o Benfica ganhar bons títulos.
Os títulos do Benfica são os conquistados em campo, não são os dos jornais.
Já que escrevemos sobre títulos, no passado sábado o Benfica conseguiu com clareza o tetra de basquetebol, para somar ao tricampeonato do voleibol e à dobradinha do hóquei em patins. Isto, sim, faz do Benfica um clube único.
Vivemos tempos em que um fim de semana sem título do Benfica e o organismo ressente-se.
É isso que se tem que manter, nada mais. Siga o rumo de vitórias."

Sílvio Cervan, in A Bola

Paradigmas

"O tema é recorrente. Será que o Benfica aposta na Formação? Será que o faz da forma mais adequada? A resposta só pode ser afirmativa. Com um forte investimento em infraestruturas de ponta, munidas da necessária competência técnica, essa aposta é insofismável. As milionárias vendas de André Gomes, Bernardo Silva e Cancelo são, para já, o resultado desse investimento. Que grande resultado, diga-se. E se também para outros houver mercado, venham mais milhões que o tempo não está para desperdícios. Não estou seguro é de que a Formação 'encarnada' esteja preparada para, no imediato alimentar a equipa principal - sabendo-se que o objectivo desta é a conquista de títulos, e não qualquer outro romantismo purista.
Excepção feita ao Barcelona, não há registo de clubes predominantemente formadores com grande sucesso desportivo. E em Portugal não me parece que estejamos perante uma geração particularmente dotada. Hoje a ambição começa na infância. O sonho dos jovens das academias já não é, simplesmente, entrar no plantel principal. Os mais talentosos são desde cedo aliciados com os milhões de outras paragens, pelo que se torna impossível segurá-los muito tempo.
Sobram... os restantes. Podemos então avançar para um paradigma competitivo alicerçado na Formação? O Benfica quebrou a hegemonia portista recorrendo a jogadores experientes, capazes de não vacilar perante as adversidades. Há, aqui por perto, quem abuse da juventude imberbe. Mas não são campeões desde os tempos de João Pinto, Jardel ou Schmeichel.
A Formação é útil como instrumento, como meio. Num Clube como o nosso, não pode ser um fim."

Luís Fialho, in O Benfica

Muitos e bons

"Coimbra, sexta-feira ao princípio da noite. O Bicampeão Nacional e Clube com mais títulos de Portugal joga com a equipa mais popular da ilha da Madeira. Ao longo de pouco mais de 90 minutos, dois golos para o SL Benfica, um para o CS Marítimo e mais uma Taça da Liga para o Museu Cosme Damião. No estádio estão mais de 30 mil pessoas. Pela televisão cerca de 1,9 milhões de pessoas assistem ao jogo, dados da GFK/CAEM.
Jamor, domingo à tarde, festa da Taça de Portugal. O terceiro classificado do Campeonato, em jejum de títulos há sete anos, recebe a equipa que ficou na quarta posição. Um jogo emotivo que foi a prolongamento e só terminou nas grandes penalidades - a primeira vez que a Taça foi decidida desta forma. No Estádio Nacional, pouco mais de 35 mil pessoas. Em casa, a seguir pelo ecrã, a GFK/CAEM regista 1,6 milhões de espectadores.
De um lado, uma competição com oito anos de existência criticada por quem nunca a conseguiu ganhar, do outro a mãe de todas as festas do Futebol português. E qual delas chamou mais a atenção do público e, consequentemente, dos patrocinadores e investidores? Aquela onde estava o Glorioso, claro. E é isto que eles não vão nunca conseguir engolir. É isto que os deixa loucos e a entoar o nosso nome em todos os seus festejos. Coitadinhos...
Por mais que se pintem de verde ou de azul, os números não mentem. Juntos, os adeptos de Sporting e FC Porto não conseguem igualar o número de apoiantes do Benfica, Clube que acaba de ser reconhecido como a equipa na Europa com maior percentagem de adeptos por país. Diz o estudo da UEFA que 47% dos habitantes de Portugal torcem pelo Benfica. A mim, ainda me parece pouco."

Ricardo Santos, in O Benfica

Se mais competições houvera...

"... no Basquetebol, mais teriam sido as conquistas Benfiquistas na presente temporada. Notável o percurso da nossa equipa, repetindo, passadas duas décadas, o pleno de triunfos numa época. E é, também há cerca de vinte anos, que teremos que recuar para encontrar uma equipa, a do Benfica (haveria de ser outra?), que estabeleceu o recorde, agora igualado, do triunfo em provas consecutivas: nove. Os seis Campeonatos Nacionais ganhos nas últimas sete temporadas e o sucesso em 14 das últimas 16 competições nacionais disputadas, atestam que o Benfica voltou a ser hegemónico na modalidade.
Há quem diga que a ausência do FC Porto e do Sporting dos principais palcos do Basquetebol (e do Voleibol) facilitam a nossa tarefa, mas, em boa verdade, só podemos ganhar a quem tem a ousadia e a capacidade de nos defrontar. Será que algum desses clubes não tem Futebol ou Hóquei em Patins? Estou confiante que, nas próximas semanas, poderemos acrescentar o Atletismo e o Futsal a esta lista... Vamos em 18 troféus nestas modalidades em 2014/15, 36 nos últimos dois anos. O Sport Lisboa e Benfica está imparável!
Termino com a sexta Taça da Liga do nosso palmarés futebolístico. Além de assinalar a proeza de termos ganho seis competições nacionais consecutivas (um recorde), constatei, mais uma vez, o carácter barométrico do êxito nesta prova no que respeita ao estado de espírito dos Benfiquistas. Basta lembrar que, em anos de insucesso, chegou a haver quem assobiasse a equipa durante as celebrações no relvado. Tal é revelador de um certo menosprezo pela Taça da Liga que não faz qualquer sentido. Quem nunca a ganhou que o sinta..."

João Tomaz, in O Benfica

Milagre financeiro

"Mais um relatório de contas. Mais uma excelente notícia. Mais um milagre da equipa de gestão a que os Benfiquistas se começam a habituar. Tornou-se público o último relatório intercalar do 3.º trimestre 2014/2015, evidenciando a trajectória positiva a que já vínhamos assistindo. O Benfica está em clara fase de consolidação. Por um lado, as contas da SAD apresentam, no final dos três primeiros trimestres, um balanço positivo de 32,14 M€! Os números falar por si: o Sport Lisboa e Benfica volta a ser, numa linguagem própria de gestão, um clube financeiramente sólido e solvente. Por outro lado, e mais uma vez, os resultados operacionais superam os anteriores. O verdadeiro milagre de gestão - que muito devemos a Luís Filipe Vieira e Domingos Soares de Oliveira - nem sequer é, no entanto, plasmado nestes números. O que impressiona é o resultado obtido pela primeira vez descontando os direitos de atletas (ou, por outras palavras, os resultados operacionais sem atletas): um saldo positivo de 112 mil euros. Poucos são os clubes da Europa rica que se podem orgulhar de, descontando quaisquer vendas ou alienação de direitos de jogadores, mesmo assim apresentar um saldo positivo. O que nos dizem estas contas? Desde logo, que o Benfica é uma marca que vale por si só, muito para além dos seus jogadores ou equipa técnica. Por outro lado, que uma trajectória de consolidação não está, necessariamente, separada. de um ciclo de bons resultados. E, finalmente - mas talvez o mais importante - fica uma grande lição de gestão clubística: gerir com cautela os recursos do presente é a maior segurança do futuro! E Vieira, Jesus, Soares Oliveira e todos nós que colaboramos com este grande clube, devemos isso aos Sócios do futuro. Porque também deles é o Sport Lisboa e Benfica."

André Ventura, in O Benfica

Transparência

"As grandes federações desportivas condicionam as actividades e políticas aos fluxos financeiros gerados pela respectiva modalidade, especialmente os direitos de transmissão e patrocínios.
O recente anúncio de uma organização conjunta - atletismo, ciclismo, triatlo e natação - de campeonatos da Europa de 2018, em evidente confronto com os Jogos Europeus - evento multidesportivo promovido pelos comités olímpicos europeus, cuja primeira edição decorre de 12 a 28 deste mês em Baku, Azerbaijão - é um exemplo que merece reflexão. Algumas federações detêm uma evidente mais-valia financeira na organização dos seus eventos e não querem entregar esse activo a outras organizações que não garantem, na sua opinião, o retorno devido à sua modalidade. Num outro prisma, as direcções de muitos dos organismos internacionais são eleitas por um sistema de um voto um país, independentemente de esse país ter, ou não, actividade nessa modalidade ou os seus representantes serem, ou não, eleitos por processos democráticos. Inevitavelmente, ficam permeáveis a interesses cujo orçamento não tem limite, nem escrutínio democrático.
À míngua de transparência e democracia e com escrutínio público diminuto, há quem se mova num poder de alienação de massas, arrastadas pelos grandes interesses financeiros e por deslumbramentos pelo poder.
Estes últimos acontecimentos na FIFA, assim como a nova agenda do Comité Olímpico Internacional no que respeita ao processo de candidatura à organização dos Jogos Olímpicos, são um sinal positivo que o paradigma pode mudar. Uma pequena luz de esperança. Somar a mancha da corrupção à do doping e da viciação das apostas, pode levar a uma catástrofe na sustentabilidade do desporto espectáculo e de alto rendimento à escala global. E isso nem os habilidosos o desejam."

Mário Santos, in A Bola

O Benfica somos nós, o resto é paisagem...

O pessoal tem a memória curta, não é novidade para ninguém, compreendo que os Benfiquistas mais novos não se recordem, mas 'fugas' do Benfica para os Viscondes, sempre existiram. Sempre. Aliás, o Sporting foi praticamente 'fundado' num desvio de 8 jogadores!!! Portanto, nada de novo aqui... E como a História, nos diz: o Benfica normalmente ficou sempre a ganhar. Os Lagartos deitam os foguetes na pré-época, o Benfica festeja no fim da época. Nada me diz, que a próxima época não será igual... Aliás, estou mais preocupado com a 'tranquilidade' dos Corruptos, nesta novela toda...

Quando foi anunciada a contratação de Jesus, não gostei. Estava escaldado pela história da PlayStation, mas rapidamente percebi que estava errado. A competência técnica de Jesus era evidente. Ao longo destes anos, mesmo quando falhámos as conquistas, sempre, mas mesmo sempre (inclusive à saída do Jamor, após a derrota na Final da Taça), defendi a sua continuidade. Mesmo quando os seus comportamentos não eram os indicados. Como adepto que gosta de vitórias, acabei por 'alargar' a minha tolerância... Agora, que Jesus vai treinar outro Clube, continuo a não duvidar da sua competência técnica, mas a forma como o fez, ainda veio dar mais razão a todos aqueles que puseram em causa o seu carácter... E tal como o João Gabriel, acabo por ficar grato, pela ingratidão demonstrada de forma tão clara...

Mas se tivesse que avaliar os comportamentos nojentos dos últimos dias, tenho que dar a 'medalha de ouro' à forma abjecta e cobarde como o Brunão, depois de festejar daquela forma na pista do Jamor a vitória na Taça de Portugal, depois da forma como Marco Silva foi tratado na recepção em Alvalade, e na CM de Lisboa... depois de tudo o que treinador teve que suportar durante a época... Despedir o funcionário com que assinou o contrato de 4 anos (o ano passado), que acabou de vencer o primeiro troféu em 7 anos do Clube, de forma 'épica', com uma alegada justa causa... supostamente por não ter vestido o facto oficial do Clube, no jogo da Taça(!!!), e nem sequer teve a coragem de o fazer cara a cara, faltando à reunião, enviando o pau-mandado qualquer... É algo de um nível tão baixo, que até é difícil de adjectivar!!!
Diria mesmo, que a partir de agora, o Sporting além de dois egos enormes, vai ter dois gigantescos cretinos no comando das operações, o que a médio e longo prazo, vai dar seguramente motivos de felicidade aos adversários...!!!

Quando alguém está 6 anos ao serviço do Benfica, sendo diariamente ridicularizado pelos nossos adversários, por tudo e por nada, apelidado de palerma e outras coisas, pelo cretino que lhe passou agora o cheque... E mesmo assim, opte por fazer aquilo que nos tempos mais recentes só o Mourinho (o seu arqui-inimigo, só não o fez porque os Lagartos se acobardaram!!!), tentou fazer, então merece mesmo tudo o que o Marco Silva 'levou' esta época, e muito mais...!!! Incluído, uma rescisão unilateral com justa causa!!!

Só mesmo uma canalhice deste tamanho, poderia superar, a traição do Jesus ao 'amigo' Vieira!!! Vamos recordar todas as declarações feitas pelo próprio Jesus, explicando que a renovação só seria assunto, no final da época. Vamos recordar a entrevista do Vieira ao Hélder Conduto, onde o Presidente, afirmou que as condições da renovação já eram conhecidas pelo Jesus (contrato igual), mas que a decisão só seria tomada, no final da época... E agora, ficamos a saber que o Jesus já tinha decidido sair do Benfica, há mais de 1 mês (pelo menos)!!!
Parece que o Jesus não se sentiu desejado na Luz!!! Vamos lá recordar o trajecto do Jesus como jogador e treinador, e quantas vezes ficou sem receber ordenado... Vamos recordar quantas vezes o Benfica não cumpriu o contrato com o Jesus. E vamos recordar as duas renovações que o Jesus assinou com o Benfica. Ambas em épocas, onde o Jesus não cumpriu o objectivo principal: ser Campeão Nacional!!! Será que o Jesus nessa altura 'exigiu' ao Presidente do Benfica, que o novo contrato, tivesse um 'corte'?! Será que o Vieira num assombro de altruísmo 'não aceitou' a redução contratual, proposta pelo Jesus?!
Também parece que o Jesus teria ficado irritado com um pré-acordo do Benfica com Rui Vitória!!! Um pré-acordo, que por acaso nunca existiu. Mas sabendo a Direcção do Benfica, da vontade do treinador em sair para um Clube de grande dimensão Europeia (como foi referido pelo próprio), caso existisse uma proposta, não seria avisado ter um (ou dois...) treinador identificado, para o Benfica estar protegido, para uma qualquer eventualidade?!

Concluir que a Direcção empurrou o Jesus para fora do Benfica, só mesmo com uma grande capacidade ficcional!!! Concluir que todos os títulos conquistados nas últimas 6 épocas são responsabilidade exclusiva do Jesus, é a mesma coisa que dizer que os títulos conquistados no Hóquei, no Basket, no Volei, no Atletismo e no Futsal são responsabilidade do Jesus...!!!

Nas várias entrevistas que o Jesus deu ao serviço do Benfica, além de ter afirmado que 'não ia de cavalo para burro', chegou a dizer que a relação que tinha com os adeptos do Benfica, o impedia provavelmente de ir para um rival (nunca acreditei, nesta...)!!!
Nos dias de hoje, existe um culto de personalidade que me deixa irritado. São os reality show's, são as obsessões com o Ronaldo e o Messi... entre muitas outras parvoíces...
No Benfica de tempos em tempos, somos obrigados a recordar que o Benfica são os adeptos. Nós pagamos para ser do Benfica!!! Não recebemos ordenados milionários, e não estamos preocupados com as nossas carreiras... Existem excepções, de vez enquanto aparecem jogadores, ou treinadores, que ficam mesmo reconhecidos com a Força do 3.º anel, mas esses são raros. Ser uma Lenda no Benfica não está ao alcance de todos, antigamente os jogadores estavam 'agarrados' aos Clubes com a cláusula de opção, hoje em dia é muito complicado alguém fazer a sua carreira num Clube, mas isso eu compreendo... Mas desperdiçar essa oportunidade por uma suposta vingança de ego, ou por mais um milhão, menos um milhão, de alguém que já tem muitos milhões, é de uma tremenda falta de inteligência.
O Benfica somos nós, o resto é paisagem...

Na História mais-ou-menos recente do Benfica, também temos - infelizmente - um caso de rescisão unilateral por justa causa: Damásio/Manuel José!!! O Benfica acabou por pagar... mas pior do que isso, foram todas as outras decisões o Damásio, e ainda o efeito que isso teve na escolha do sucessor do Damásio na Presidência do Benfica!!! Não sou profeta, mas a História tem a tendência para se repetir... desta vez em tons de verde!!!

O Benfica nasceu para ganhar, o nosso ADN, obriga a vencer, e a História confirma. A minha única dúvida neste momento (quando ainda não temos o calendário para a próxima época definido), é quando e onde será o '3-6', o jogo do título!!! Independentemente dos jogadores ou dos treinadores que vamos ter... porque nas bancadas, somos nós que vamos lá estar.

quinta-feira, 4 de junho de 2015

«A gratidão define muito o carácter das pessoas»

"Boa noite a todos,
Sejam bem-vindos, uma vez mais, a esta casa que tem orgulho em receber todos os seus sócios e adeptos. 
Como sabem, este jantar já é uma tradição que se repete todos os anos, e, como todos os anos tenho defendido, acho que devemos deixar a Assembleia da República para a política e trazer os benfiquistas para a sua casa natural, que é o Estádio da Luz.
Numa rápida vista de olhos pela sala, diria que, se não temos nesta sala a maioria parlamentar, devemos andar lá perto.
A dimensão do Benfica é reflexo da nossa história, do legado de jogadores como Eusébio, Coluna, Simões e tantos outros, mas também da nossa base popular e, porque não dizê-lo, do trabalho de recuperação que nos trouxe até aqui.
Queria recordar, porque acho que é justo fazê-lo, o nome e a memória de Manuel Seabra.
Confesso que tenho saudades do seu entusiasmo, da sua capacidade e da sua vontade de que este encontro fosse um hábito anual. Tenho a certeza de que todos nesta sala partilham do mesmo sentimento e da mesma saudade.
É impossível, depois do ano e da conquista do título de Campeão Nacional – o 1.º Bicampeonato em 31 anos – e da Taça da Liga, não sentir orgulho pelo trabalho feito e pelos resultados alcançados.
Voltámos a ser um Clube ganhador, respeitado, admirado em Portugal e no estrangeiro. Mas não se convençam de que o ciclo mudou. O ciclo só vai mudar em definitivo se continuarmos a ser sérios, profissionais e empenhados.
Não sou demagógico, porque nunca o fui. O que conquistámos foi fruto de muito trabalho, de uma estrutura profissional ao nível dos melhores clubes do mundo, de uma permanente capacidade de inovar e de resolver os problemas que naturalmente aparecem sempre, e de uma massa associativa que sempre nos apoiou.
Mas há um aviso importante que devo fazer: O que foi conquistado já ficou para trás, já faz parte da história e do passado. Foi bom, foi merecido e foi festejado, mas já passou.
O que conta agora é o futuro. E, para sermos bem-sucedidos no futuro, a fórmula é a mesma: humildade, trabalho, vontade de ganhar. E essa vontade tem de vir do relvado, mas também tem de vir das bancadas, dos adeptos e dos sócios.
Ninguém constrói nada sozinho, muito menos num Clube com a dimensão do Benfica. Os títulos, qualquer um, são sempre fruto do trabalho colectivo.
Sou – e tenho orgulho nisso – o timoneiro deste grande barco, mas sem a equipa que à minha volta foi constituída não teria sido possível chegar aqui.
Os que trabalham nos recursos humanos, na contabilidade, no marketing, nas modalidades, no futebol de formação. Todos os que trabalham no Benfica são campeões e merecem o sucesso que o Clube está a viver.
Quando dizem que o futebol é um jogo de equipa, é verdade. Mas, ao contrário do que alguns pensam, a equipa vai muito além daqueles 18 jogadores que jogo após jogo entram em campo, e da sua equipa técnica. A equipa integra todos os funcionários de todos os departamentos desta casa.
Sei que muitos estão aqui – nomeadamente os jornalistas – à espera de uma palavra minha em relação ao futuro treinador do Sport Lisboa e Benfica. Os que me conhecem sabem que uma das maiores virtudes que aprecio nas pessoas é a gratidão.
A gratidão define muito do carácter das pessoas. Por isso o que vos posso dizer é que vou procurar - com tempo e sem presa - um treinador de carácter, ambicioso e comprometido com o Benfica e com toda a estrutura do Clube.
Ao contrário do que dizem, não tenho nenhum pré-acordo com ninguém, mas tenho uma ideia muito clara do que quero para o Benfica. Quero um treinador ganhador, que não tenha medo de apostar nos nossos miúdos e que seja capaz de construir um projecto integrado desde os nossos escalões de formação até ao futebol profissional.
O Benfica somos nós, aqui não há insubstituíveis, mesmo que alguns pensem que o são!
Estou desiludido, mas não surpreendido. E acima de tudo estou determinado em voltar a ganhar. O tempo é sempre o melhor juiz das nossas acções. Veremos o que o tempo nos dirá dentro de um ano.
Finalmente, um pedido: Não se preocupem com os que partem. Alegrem-se com os que ficam e os que vão chegar, porque é com eles que vamos continuar a ganhar!
Muito obrigado a todos e obrigado pela vossa presença.
Viva o Benfica!"

Comunicado

A Sport Lisboa e Benfica – Futebol, SAD, em cumprimento do disposto no artigo 248º do Código dos Valores Mobiliários, informa que em função das notícias veiculadas ontem e hoje relativamente a um possível compromisso com outra SAD do nosso actual Treinador da equipa principal de futebol, foram encerradas quaisquer negociações relativas a uma eventual renovação do contrato que termina em 30/Jun/2015. Em consequência, iniciaram-se conversações preliminares relativas a potenciais candidatos a Treinador da equipa principal de futebol.

Jonas...

Artur...

O regresso da Primeira Circular

"Como é que um clube fica refém dum treinador que soma títulos atrás de títulos? Alguém em Manchester se terá sentido refém de Ferguson?

EM público e em privado, muita gente filósofa se tem deleitado a concluir, de forma precipitada, que depois de dois anos sem ganhar qualquer troféu o Porto entrará irremediavelmente num contraciclo que o reconduzirá aos patamares de relativa singeleza competitiva em que viveu desde a data da sua fundação, seja ela qual for, até à eleição de Pinto da Costa como presidente do clube.
Não é, no entanto, a primeira vez que uma parvoíce destas se faz ouvir.
Já tinha acontecido na viragem do século haver quem pensasse exactamente a mesma coisa quando o Porto perdeu três campeonatos de seguida, dois para o Sporting e um para o Boavista.
Anunciou-se logo ali, perentoriamente, o fim da consabida hegemonia do Norte que relegara os dois grandes clubes de Lisboa para a modéstia em função dos seus respectivos e sonantes historiais.
Não podia ter sido maior o engano.
Nessa altura coube ao Benfica, oferecendo numa bandeja o treinador José Mourinho ao Porto, contribuir fortemente para a solução do problema que se anunciava nas Antas. O Porto respondeu imediatamente com um bi, recompôs-se e depois disso ainda fez um tetra e um tri. Lembram-se?
O episódio Mourinho de 2002 ainda hoje se discute pelas nossas bandas. Há correntes filosóficas que, por exemplo, defendem que foi um erro histórico do Benfica.
Outras correntes defendem que, perante as exigências de Mourinho para regressar à Luz, o clube jamais poderia ficar refém de um treinador tendo procedido bem em fazê-lo seguir para o Porto.
Como nunca conseguirei entender como é que um clube pode ficar refém de um treinador que soma títulos atrás de títulos - alguma vez em Manchester alguém se terá sentido refém de Ferguson? -, confesso que sempre vi a coisa mais pelo lado do erro histórico.
Oxalá que nunca se venha a repetir.

A próxima temporada abre com um Benfica-Sporting ou com um Sporting-Benfica, como se preferir, no dia 9 de Agosto. E com novos treinadores nos respectivos bancos, é o que tudo indica.
Certo é que o primeiro derby do ano trata da discussão da Supertaça que coloca frente a frente o vencedor da Liga e o vencedor da Taça de Portugal. Falta, portanto, pouco mais de dois meses para o acontecimento que, como sempre, promete.
Passaram-se, entretanto, 28 longuíssimos anos desde que uma Supertaça foi discutida entre os emblemas da Segunda Circular. Ou seja, demorou quase três décadas voltar a acontecer a suposta divisão dos títulos verdadeiramente sonantes do nosso futebol - Campeonato e Taça de Portugal - pelos dois grandes da cidade de Lisboa.
A explicação é fácil. Neste dilatado hiato de 28 anos, o Benfica conquistou 8 campeonatos e o Sporting apenas venceu 2. Há ainda que contar 1 título nacional para o Boavista. O que sobrou, e foi imenso, coube tudo ao Porto que para além de campeonatos somou Taças e Supertaças a perder de vista. Por isso mesmo a Segunda Circular viu-se despromovida pela opinião pública a Terceira Circular e, mais impiedosamente ainda, viu-se até relegada a Quarta Circular nos anos em que nem o Benfica nem o Sporting conseguiram conquistar nada daquilo que verdadeiramente interessa, o que aconteceu por 4 vezes na década de 90.
A última Supertaça jogada entre Benfica e Sporting aconteceu em 1987 e, em bom rigor, o Sporting qualificou-se para essa discussão por ter sido o finalista vencido da Taça de Portugal frente ao Benfica que fez a dobradinha nessa temporada.
Voltemos rapidamente ao presente que nos coloca perante esta situação de contornos quase museológicos de vermos a dita Segunda Circular recuperar metaforicamente o estatuto de Primeira Circular do futebol português.
Para além do excelente trabalho do Benfica ao longo de 34 jornadas e do excelente trabalho do Sporting na jornada do Jamor, que fenómeno raro se terá passado em 20l4/20l5 para que o triunfo do centralismo pudesse voltar a acontecer?
Os próximos anos dirão, certamente, se foi apenas um acaso, nada mais do que uma coincidência feliz para os clubes da Capital.
Ou se houve qualquer coisa de mais substancial que possa ter justificado estas ocorrências num momento em que o Porto, contrariando o preceito de ouro do seu missal, não consegue estar de boas relações com o Sporting contra o Benfica ou de boas relações com o Benfica contra o Sporting. Aqui está um fenómeno que também não se via há coisa de três décadas. E esta é que é a grande novidade que marcou as últimas duas épocas.

NUNCA haverá em Portugal uma rivalidade que se compare à rivalidade entre os dois maiores de Lisboa. Por isso lhes chamam eternos rivais. É uma situação estrutural. Já quanto às flutuantes rivalidades do Benfica e do Sporting com o Porto trata-se, enfim, de uma situação conjuntural.
O Benfica ganhou na sexta-feira a Taça da Liga e o Sporting ganhou no domingo a Taça de Portugal e, desde então, já nem sei quantas vezes ouvi benfiquistas e sportinguistas trocarem entre si notáveis galhardetes de ironia:
- Parabéns pela Taça da Cerveja!
- Parabéns pela Taça das Bifanas!
Enquanto for só isto ninguém se magoa.

O Benfica conquistou, portanto, a sua sexta Taça da Liga e, por mim, pode continuar nesta senda. O adversário foi o Marítimo que deu muito que fazer mesmo jogando com menos um durante quase toda a segunda parte.
O homem do jogo foi, uma vez mais, Jonas porque marcou o primeiro golo do Benfica e porque ofereceu o segundo e decisivo golo do Benfica a Ola John depois de ter fintado quatro adversários no espaço de um metro quadrado na área maritimista. Foi mais um exagero do brasileiro.
A verdade é que tantas vezes foi Jonas o homem do dia nesta época que mais vale dizer que Jonas foi o homem do ano apesar de ter chegado à Luz já com a temporada em andamento.
Foi, aliás, uma temporada bastante aceitável com a conquista de três títulos oficiais - Supertaça a abrir, Liga e Taça da Liga a fechar.
Só faltou fazer melhor na Taça de Portugal e fazer qualquer coisa que se visse pela Europa. Este ano não se viu Benfica europeu, o que não teve graça nenhuma, mas talvez a isso se fique a dever o bicampeonato que teve a sua graça até pelas circunstâncias em que foi conquistado.
É que não foi nada fácil. O Benfica, perdendo mais de meia equipa com que tinha brilhado na época anterior, soube reconstruir-se em modo operário e exibindo sempre uma enorme frieza de espírito a que se chamou pragmatismo.
Compreende-se, assim, a alegria benfiquista pelos sucessos internos desta temporada mas, repito, engana-se quem acreditar que o Benfica voltou aos tempos em que com qualquer treinador se arriscava a ser campeão.

PROPONDO uma redução salarial ao treinador que venceu dois campeonatos nos últimos dois anos de contrato, o Benfica parece consentir alegremente em ver Jorge Jesus a aproximar-se do Sporting. Duvido, no entanto, que o Porto consinta numa coisa destas.

NO sábado passado o Benfica lá voltou a Guimarães para celebrar mais um título nacional, desta vez o de basquetebol. Antes da festa houve que ganhar o decisivo terceiro jogo do play-off à equipa do Vitória que jogava em casa fortemente apoiado pelo seu público.
O basquetebol é um espectáculo que fica bem no pequeno ecrã e a realização esteve à altura da importância e das emoções do acontecimento.
Nos momentos em que os treinadores pediam pausas no jogo os telespectadores usufruiam do privilégio de poder ouvir Carlos Lisboa e Fernando Sá dando instruções aos seus jogadores... em inglês, a língua franca da modalidade.
Mas quando o presidente da Federação entregou o troféu a Diogo Carreira foi em bom português que os campeões cantaram o feito. 'Campeões, campeões, nós somos campeões!' E são mesmo. Pela quarta vez consecutiva.

COM um corte de cabelo que o faz parecer um jovenzinho, Pablo Aimar regressou ao futebol no domingo passado depois de um ano de ausência dos relvados e de três operações ao joelho. O argentino que nos encantou entre 2008 e 2013 voltou a jogar com a camisola do seu River Plate catorze anos depois de ter trocado o clube de Buenos Aires pelo clube de Valência que ainda nem sequer pertencia ao senhor Peter Lim.
Foi um prazer rever as deambulações líricas de Pablo Aimar, já com 35 anos, durante o quarto-de-hora final do jogo do River com o Rosário Central. Ah, os artistas...

PS: E lá vai o Jesus para o Sporting perder a graça toda que nós lhe achávamos. E que lástima ter sido o Benfica a empurrá-lo para Alvalade. Sim, porque é sempre muito feio um patrão oferecer uma redução salarial a um trabalhador com méritos. Acontece muito disto na nossa sociedade doente. E alguma vez tinha de chegar ao futebol. Que pena ter sido logo no Benfica."

Leonor Pinhão, in A Bola

PS: A nossa Leonor desta vez, deixou-se levar pela onda da contra-informação: o proposta de renovação do Benfica ao Jesus não implicava nenhuma redução contratual. Seria um contrato igual aos outros 3, que ele assinou com o Benfica. Se os braços da Holdimo repetiram até ao tutano nos últimos meses a mesma história, isso não a torna verdadeira...

Onde está a lógica?

"A época terminou. Começou a catadupa de não notícias, pré-novidades e pós-desmentidos. Este ano com uma novidade, ao que parece: a dança de treinadores dos clubes grandes, com o prenúncio de uma lógica inovadora: treinadores com sucesso estão à porta de saída, treinadores com insucesso, seguros. O bicampeão Jorge Jesus - anunciou ontem A BOLA - «mais longe do Benfica, mais perto do Sporting», colocando a 2.ª circular em alvoroço. Marco Silva, ao que tudo indica, só está preso ao seu patrão enquanto o direito de alforria não tiver a justa compensação. Lopetegui, o perdedor, parece estar de pedra e cal no Porto.
Como benfiquista, custa-me perceber a novela à volta do treinador. É óbvio que poderá haver aspectos que, de fora, não alcançamos. Mas serão assim obstáculos tão difíceis de ultrapassar? Será que a relação de amizade, confiança e cumplicidade entre Vieira e Jesus se desvaneceu? Será que a folha salarial é um tão forte entrave para um treinador que vem significando retorno como nunca se viu no Benfica? Ou será que não se pode encontrar um bom compromisso entre austeridade nas contratações e o aproveitamento de jovens talentos?
E pergunto, qual a alternativa em caso de separação? Para o Benfica, arrisco dizer que é um retrocesso, pois não vejo treinador à altura do almejado tricampeonato (aliás, o bi muito deve à manutenção da equipa técnica). Para L.F. Vieira, uma decisão de todo incompreendida pela maioria dos benfiquistas. Para J. Jesus, não foi ele que disse que sair do SLB era mudar de cavalo para burro (com o meu devido respeito pelo burro, seja ele qual for)?
*Crónica escrita antes de ser noticiada transferência de Jorge Jesus para o Sporting"

Bagão Félix, in A Bola

quarta-feira, 3 de junho de 2015

Campeões

"Quase terminado um ano desportivo glorioso para o Benfica. Não apenas no mais festejado futebol, como no ecletismo das modalidades. Assim, em seniores:
FUTEBOL - bicampeão nacional, vencedor da Supertaça e da Taça da Liga (conseguindo pela l.ª vez em Portugal 6 títulos sucessivos).
HÓQUEI EM PATINS - campeão nacional (sem derrotas), vencedor da Taça de Portugal, vencedor da Taça Europeia feminina.
VOLEIBOL - tricampeão nacional, vencedor da Taça de Portugal e da Supertaça, vice-campeão da Taça Challenge.
BASQUETEBOL - o pleno: tetracampeão nacional, vencedor da Taça de Portugal, da Supertaça e, ainda, da Taça da Liga e da Taça António Pratas.
FUTSAL - vencedor da Taça de Portugal e candidato finalista do campeonato. Em femininos, vencedor da Supertaça e ainda candidato a campeão nacional). 
ATLETISMO - campeão em pista coberta (masc.), de corta-mato e estrada (masc. e fem.).
Os títulos são 21 e podem chegar a 23 (o FCP conquistou apenas dois, em andebol, e o SCP, três: uma taça europeia em hóquei, a T. Portugal em futebol e pista coberta fem.). Um trabalho notável, uma inversão do trajecto conformado e cinzento de outrora, uma estratégia de um Benfica global. Excelente formação, contratações criteriosas, escolha de técnicos de craveira e provas dadas.

P.S. O Sporting venceu com merecimento a Taça de Portugal. Nestas coisas do futebol, costumo fazer o raciocínio ao invés: se o Benfica tivesse jogado 100 m com menos um jogador, a perder 0-2 logo no início e tivesse, no fim, levantado a Taça, eu rejubilaria de uma tão sofrida quanto encantadora vitória. Esta época, só deu Lisboa!"

Bagão Félix, in A Bola

Nico...

O rato Mickey e Jorge Jesus

"É um clássico da Disney com o qual me cruzei por acaso e, de tão estranho, admito que ande fora do circuito habitual. Mickey e Minnie vão parar a uma cidade onde tudo acontece ao contrário do que nos parece normal: por exemplo, ao irem a uma loja fazer compras recebem, do vendedor, o artigo pedido e ainda dinheiro. Ao insistirem que querem eles pagar, a polícia é chamada e os dois ratos acabam na cadeia. 
Este episódio tem largas dezenas de anos, mas se um dia a equipa da Disney resolver fazer-lhe uma actualização pode - fica a sugestão - colocar os heróis num avião e fazê-los aterrar em Portugal. É que por cá nada é como seria suposto. Para simplificar esta crónica, falemos apenas de futebol.
No Sporting, por exemplo, a permanência do treinador que ganha uma Taça e faz campeonato dentro das expectativas (das realistas, não das megalómanas) é assunto incómodo para o presidente, e nem o facto de Marco Silva ter mais três anos de contrato o leva a garantir perentoriamente que são falsas as notícias de que o mister terá guia de marcha...
Pior ainda está o Benfica. Além de se passar a mensagem de que Jesus só renova contrato se aceitar baixar o ordenado, os dirigentes que andaram anos à procura de treinador que fosse capaz de ganhar um campeonato estão agora com dúvidas sobre se devem continuar com aquele que conquistou 10 títulos em 6 anos (três campeonatos, uma Taça de Portugal, 5 taças da Liga e uma supertaça).

PS: Há anos que a União Europeia tenta legislar no sentido de moralizar o negócio do futebol, mas sempre a medo. Também por isso, o facto de a machadada na FIFA ter sido dada pela justiça norte-americana é uma enorme derrota política."

Nuno Perestrelo, in A Bola

Um dia, um dia...

"E será trágico

Sejamos claros: a viciação de resultados existe no futebol e, ao mesmo tempo, Portugal tem-se revelado um paraíso para a corrupção. A coincidência não chega a constituir sequer prova circunstancial, pelo que não faz do Penafiel mais culpado do que era anteontem. Um dia, porém, vai surgir um caso a um nível mais alto do que aqueles que já surgiram. E não façamos confusão: nem a violência nem sequer o doping poderão atingir uma modalidade tão directamente no coração como a viciação de resultados...

A OPORTUNIDADE
Haverá dimensão? Parece intensificarem-se os sinais de que Bruno de Carvalho e Marco Silva podem reentender-se. Talvez se trate de necessidade: se o treinador quiser mesmo ficar, o Sporting não poderá gastar numa rescisão aquilo que não tem para reforços. E, contudo, que bela oportunidade esta para demonstrarem ambos a dimensão humana e intelectual que se exige às duas principais figuras de um clube como o Sporting... Vençam as resistências em prol do bem comum e, quanto a mim, devem lá ficar anos. 

FECHA A PORTA
Apaga as luzes Blatter não se demitiu uma semana tarde de mais: demitiu-se anos tarde de mais. A última semana foi para quê? Para não dar aos adversários o gosto de tomarem o poder? Para lançar o caos do vazio directivo? Para tirar fotocópias aos documentos dos submarinos?"

Joel Neto, in O Jogo

A queda

"Depois da patética eleição a que assistimos na Suiça, confessei a minha convicção de que Joseph Blatter não conseguiria levar até ao fim este mandato à frente da FIFA. A derrocada generalizada dos seus lugares-tenente na superestrutura do organismo indiciava claramente que uma nova era estava no horizonte. Se melhor ou não, logo se verá, isso é outra questão. Mas nunca me passou pela cabeça a possibilidade do velho imperador do regime cair apenas quatro dias depois.
Como é simples de deduzir, esta retirada de Blatter não terá tanto a ver com o coro quase unânime que exigia a sua saída, mas mais com a pressão do lado judicial. O presidente, mesmo num cenário absurdo, foi a votos (até chegou a dizer a Platini que agora "era tarde" para se demitir), o que mostrou que ainda considerava possível manter-se à tona de água enquanto toda a gente à sua volta naufragava. O problema é que as investigações em andamento, mais tarde ou mais cedo, acabariam também por colocá-lo no centro da turbulência. Ninguém de bom senso acreditaria que o líder máximo da FIFA não fizesse a menor ideia do vendaval de corrupção que varria a organização.
Deixemos a investigação decorrer e olhemos agora para o que se pode perspectivar internamente. As próximas eleições vão ser determinantes para o futebol mundial. E seja quem for o sucessor de Blatter terá uma tarefa brutal pela frente. Antes do mais, terá de promover uma limpeza na estrutura e desmontar a rede que durante décadas sustentou o poder vigente. Complicado, até porque não podemos esquecer-nos de que a FIFA resulta do somatório de confederações que, por sua vez, são o resultado da agregação de federações dos vários continentes. Além de que ninguém terá a noção exacta de até onde vai esta teia em termos planetários.
Já se percebeu, contudo, que a UEFA tem um papel crucial neste xadrez. Liderou a contestação a Blatter e é a confederação com maior peso desportivo e financeiro. E, aqui, surge inevitavelmente o nome de Michel Platini que, provavelmente, já não contaria com este cenário de eleições antecipadas na FIFA. De qualquer modo, seja por ele ou por alguém que decida apoiar, a UEFA sabe que os olhos de toda a gente vão virar-se para ela. Um teste também fundamental ao poder que a Europa representa no contexto global do futebol."

Blatter a mais

"Os males portugueses não estão na FIFA, por isso poupem os foguetes.

Sepp Blatter é culpado. Enquanto presidente da FIFA, se não participou, conviveu serenamente com a corrupção descarada durante, pelo menos, duas décadas. Dito isto, os portugueses passavam bem sem encarneirarem neste disparate que tenta fazer de um velhote suíço o cancro do futebol. Para Portugal, Blatter foi o diretor executivo da FIFA que inventou a exploração comercial dos mundiais, de onde vêm os milhões de euros que enriquecem a FPF e pagam Cidades do Futebol. Com a saída dele, os portugueses ficam rigorosamente na mesma, ou até pior, caso o próximo presidente seja, por exemplo, europeu, na esfera da Alemanha ou da Inglaterra, e tenha a ideia brilhante de fazer na FIFA o que se faz na UEFA com os clubes: pagar às federações consoante a dimensão dos respetivos mercados televisivos. Blatter pode ser execrável, mas, num processo que já atinge as dezenas de arguidos, será um bocadinho inocente pensar-se que se resolve tudo com uma demissão. Quando há tanta gente envolvida, está claro que o problema é o sistema; e o sistema da FIFA não é assim tão diferente do sistema da UEFA, nem na forma como escolhe os organizadores de fases finais nem nos métodos dos presidentes para garantirem apoios nas eleições. O que Blatter fez com os africanos e os asiáticos, Michel Platini repetiu com os europeus de Leste. E é por causa dele que os clubes portugueses recebem menos dinheiro da Liga dos Campeões e da Liga Europa do que alemães, ingleses, espanhóis, etc. É por causa dele que, no topo da pirâmide, Real Madrid, Bayern de Munique, Barcelona, etc., estão cada vez mais ricos e distantes da ralé. É por causa dele e por causa da Europa que o futebol está avariado. A FIFA não nos aquece nem arrefece."

Caiu Blatter, mas não caiu o sistema

"Blatter demitiu-se... devagarinho. Diz que cumprirá a missão que lhe foi confiada pela maioria dos homens do comité e por isso abandonará o cargo lá para o final do ano ou princípio do próximo se, até lá, a investigação não lhe alterar os planos.
A posição de Blatter é obviamente caricata. Reeleito há menos de uma semana em condições insustentáveis de honra e credibilidade, faz, dias depois, um anúncio de resignação do cargo em conferência de imprensa sem direito a perguntas dos jornalistas.
Quase um ano é tempo mais do que suficiente para Blatter preparar a sua sucessão e esse é o perigo maior porque se pode assim projectar a continuidade de uma organização dividida entre uma aparência de moderna multinacional de sucesso e uma realidade de esquemas de subterrâneo.
Não acredito que Blatter não se queira continuar a si próprio através de um dos seus peões e com o apoio de uma seita instalada, que nem dá sinais de renúncia, nem, sequer, de arrependimento. Tal como João Havelange garantiu a eleição de Blatter como seu homem de confiança - viria a traí-lo em condições pouco dignas - Blatter abrirá caminho para um dos seus prosélitos.
É aí que estará, pois, o perigo do futuro de uma FIFA que só mudará de presidente para nada de verdadeiramente essencial mudar.
Luís Figo poderá, entretanto, voltar a ser candidato. Tem, por si, a maior de todas as razões morais para o fazer. Foi quem mais denunciou a falta de transparência da organização, quem mais fez notar a sua condição de opositor ao sistema. Deve entender que Blatter caiu, mas o sistema ainda não."

Vítor Serpa, in A Bola

No caminho certo!

"Um ano após o grande sucesso de que se revestiram as participações do Benfica, em masculinos, e Sporting, em femininos, na Taça dos Clubes Campeões Europeus realizada em Vila Real de Santo António, não foi possível, agora na Turquia, repetir os excelentes, e até então inéditos, segundos lugares colectivos então alcançados.
Era expectável, em face de um maior equilíbrio actual, com inclusivamente o Benfica a colmatar uma das suas maiores lacunas, o lançamento do dardo, com a inscrição do atleta russo Tarabin (recorde pessoal de 88.84 m), que o pódio fosse de novo o grande objectivo das formações nacionais.
Tal viria a acontecer apenas no sector feminino, com o Sporting a conseguir segurar, na estafeta dos 4x400m, o terceiro lugar, posição em que terminara já na primeira jornada. No final, a vantagem sobre as checas do USK Praga que alcançaram a quarta posição, foi de quatro pontos, mas a 27 pontos das primeiras, as espanholas do Valência Terra y Mar. Sara Moreira nos 3000 m (9.13,70) e nos 5000 (15.50,09), Irina Rodrigues no lançamento do disco (58.77 m) e Patrícia Mamona (13.87 m) foram as portuguesas que lograram vencer as respectivas provas.
No sector masculino as aspirações do Benfica eram bem maiores. Reforçado com Tarabin e com os portugueses Nelson Évora (no ano passado Marcos Caldeira fora 5.°) e com Tsanko Arnaudov (no ano passado Marco Fortes fora 2.°) a vitória final era uma real possibilidade. Tsanko e Évora venceram, tal como João Almeida, as suas provas, mas Marcos Chuva lesionou-se logo no primeiro salto e acabou em 8.° e Tarabin quedou-se por uns impensáveis 63.23 m (lançara 80.53 m na semana passada em Pequim) e foi apenas 5.º. Pontos perdidos mais do que suficientes para superar o Valência, que ganhou com apenas mais oito pontos.
De qualquer forma, os resultados mostram que o caminho, para o futuro, está certo!"

Carlos Cardoso, in A Bola

Maxi, renova

"Tem sido sublinhado que o sucesso do Benfica se deve à combinação da liderança de Luís Filipe Vieira com a competência de Jorge Jesus. A afirmação é verdadeira, mas esquece o papel crucial dos capitães de equipa. Sem Luisão e Maxi, o Benfica não seria o clube vencedor que é de novo.
O Luisão e o Maxi são grandes jogadores, mas o que os distingue não é a mais-valia técnica. A importância dos capitães mede-se pela capacidade de liderança, dentro e fora de campo, e por um passado de vitórias e de derrotas que lhes confere uma experiência acumulada que se faz sentir nos momentos decisivos. Não por acaso, o Benfica voltou a ganhar quando passou a ter referências no balneário, que se foram mantendo de ano para ano, enquanto o Porto perdeu esses mesmos exemplos. Verdade seja dita, se fosse feita uma avaliação puramente individual, não faria muito sentido manter Luisão e Maxi no plantel. São jogadores acima dos 30, com salários elevados e que terão prestações piores nos próximos anos. Mais, jogando ambos do lado direito da defesa, a sua coexistência pode antecipar problemas. Afinal, nenhum será capaz de compensar a perda de velocidade do outro. Acontece que o futebol é um jogo de equipa, onde talento e disponibilidade física individuais são apenas uma das várias variáveis relevantes. O que o Luisão e o Maxi não têm hoje compensam com atributos de valor incalculável.
Num momento em que o Benfica vai apostar na formação, a renovação de Maxi é ainda mais imperiosa. O sucesso do Gonçalo Guedes, do Renato Sanches, do Nuno Santos ou do Jonathan Rodriguez vai depender de terem quem compense a sua inexperiência e impetuosidade juvenil. Ora, no futuro próximo, o Maxi pode ser um digno sucessor do Luisão. E, como sabemos da experiência com o Luisão, considerando o que nosso capitão oferece ao Benfica, dentro e fora de campo, o seu salário até é baixo."

O basquetebol do Benfica

"Teotónio Lima e Mário Palma foram as duas grandes referências do basquetebol português e do Benfica. Cada um fez história na Luz com cinco títulos consecutivos, mas Carlos Lisboa arrisca-se a ser o treinador com mais títulos consecutivos nos encarnados. Nos anos 60, Teotónio Lima construiu um pequeno império na Luz, fazendo emergir os valores colectivos de uma equipa com um basquetebol bem organizado a partir da defesa. Notava-se que aquilo era muito trabalho do treinador, uma novidade naqueles tempos para a dimensão do basquetebol português. Teotónio Lima fechou o ciclo do penta, em 1965, tinha 41 anos!
O Benfica teve de esperar mais de duas décadas até encontrar outra equipa maravilha, que marcasse idêntica superioridade. José Curado, outro técnico da mesma linha de Teotónio Lima, deu o primeiro passo, mas seria com Mário Palma que o Benfica conheceria a sua geração de ouro. Para lá da clara supremacia interna, Palma deu uma verdadeira dimensão europeia ao basquetebol do Benfica e, por inerência, catapultou a modalidade para um mediatismo nunca visto. Ainda hoje e com alguma frequência, Palma diz estar reconhecido à excelência dos jogadores que dirigiu na Luz. O técnico tinha apenas 45 anos quando completou o penta, em 1995, na Luz.
Volvidos estes anos, Carlos Lisboa aceitou em Julho de 2011 o projecto mais aliciante da sua carreira como treinador. O Benfica perdera o título de Campeão para o FC Porto e Luís Filipe Vieira chamou o director-geral das modalidades para treinador da equipa de basquetebol, numa acumulação de cargos. Discreto e exigente quanto baste, Lisboa deu ao Benfica o primeiro tetra nos últimos 20 anos e, por isso, está em condições de superar os históricos cinco títulos seguidos de Teotónio Lima e Mário Palma. É muito mais velho (56 anos) do que os seus antecessores e a enorme experiência como jogador não o deixa desviar um centímetro que seja da essência como encara o basquetebol: um jogo colectivo, endossando todo o mérito aos jogadores e restante equipa técnica. Nunca há referências individuais.
Para a próxima época, o Benfica vai encetar uma renovação no plantel. Abre-se um outro ciclo, que será mais exigente com o regresso do FC Porto à Liga. São estes desafios que fazem empolgar a modalidade e encher pavilhões."

Pablito... para siempre!

Mirá el video con imágenes exclusivas desde el campo de juego del regreso de Pablo Aimar al Monumental.

Posted by Club Atlético River Plate on Segunda-feira, 1 de Junho de 2015

Luisão...

Resumo Segredos do 34: Luisão

Não percas hoje a estreia dos "Segredos do 34" com o Luisão.Vê aqui o resumo!

Posted by BTV on Terça-feira, 2 de Junho de 2015

Um País onde é necessário 'explicar' as notícias...

"No seguimento das notícias veiculadas hoje pela imprensa, que teve como fonte a Federbet, a qual trabalha para algumas casas de apostas na monitorização de apostas, a qual é uma mera pessoa colectiva de direito privado e não um organismo que vigia as apostas online como se uma entidade oficial e de polícia se tratasse, importa esclarecer o seguinte:
A Federbet tem vindo a oferecer, sem sucesso, os seus serviços à Liga Portugal e aos seus associados por quantias absolutamente incomportáveis. A fórmula que tem vindo a utilizar é um meio de pressão absolutamente repudiável: que ao invés de denunciar às autoridades competente, de forma reservada, sem clamor social, a suspeição de comportamentos criminais, opta por lançar a suspeição pública, sem qualquer pudor, sobre os nossos clubes e as nossas competições desportivas. O exemplo de hoje é claramente a demonstração dessa actuação.
Importa também deixar bem claro que o problema das apostas ilegais é um tema demasiado sensível para a Liga Portugal o ignorar, daí que temos vindo a desenvolver, juntamente com a FPF, contactos com o Departamento da Polícia Judiciária que investiga este tipo de criminalidade, no sentido não só de prevenir este tipo de criminalidade, mas também de estabelecer canais expeditos de denúncia.
Ainda da FPF temos recebido todo o apoio nesta matéria através de uma Empresa concorrente à Federbet que trabalha com a UEFA, mas que ao contrário daquela, fá-lo de forma reservada e sem lançar suspeições públicas que podem causar um dano irreparável na imagem dos clubes e das pessoas que neles trabalham, como agora vimos acontecer em relação à denúncia apresentada pela Federbet, cujos serviços tem, insistentemente, tentado vender à Liga Portugal sem sucesso.
Importa ainda registar que as denúncias públicas feitas anteriormente pela Federbet levaram a Liga Portugal a participar à Procuradoria-Geral da República os factos por elas relatados, cujo inquérito criminal veio a ser arquivado no passado mês de Maio, no entanto a imagem negativa que as referidas denúncias provocaram nas Competições oficiais da Liga e nos seus clubes jamais serão repostas.
Daí que a Liga Portugal apresentará ainda hoje uma participação junto da Procuradoria da República dando conhecimento das notícias publicadas mas também do comportamento reprovável da Federbet e que mais uma vez repudiamos!"



"UEFA afasta qualquer suspeita
A propósito de matéria divulgada esta terça-feira e que tem gerado estranho ruído na comunicação social, o Sport Lisboa e Benfica obteve informação junto da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) de que não existe qualquer suspeita real quanto à viciação do resultado do encontro relativo à 32.ª jornada da Liga NOS.
Questionada sobre o assunto, a UEFA confirmou à FPF que o referido jogo suscitou elevado número de apostas devido à importância competitiva do mesmo, visto que o SL Benfica estava muito perto de ganhar o Campeonato.
Qualquer extrapolação sobre esta matéria é meramente especulativa e difamatória."

terça-feira, 2 de junho de 2015

César e a taça que não apareceu...

"Foi único! Adeptos do Benfica e do Sporting unira-se no Jamor contra aqueles que insultaram Mário Wilson de «palhaço». O «Velho Capitão» respondeu no campo, com a educação de que sempre fez alarde.

Está chegando a hora, ai, ai, ai, ai, como dizia a velha marchinha brasileira. Está chegando a hora de mais uma final da Taça de Portugal e, por isso vamos lá relembrar umas histórias a propósito, com o Benfica com pano de fundo, claro está.
Não precisam de me recordar que este ano não há Benfica na final da Taça, isso não é motivo para desprezar as crónicas que aí vêm. A verdade é que se há clube que pode falar de cátedra das finais da Taça de Portugal (Campeonato de Portugal inclusive), esse clube é o Benfica, tamanha a enormidade das suas conquistas, 28 vitórias, 9 finais perdidas, 18 meias-finais perdidas, um exagero se comparado com qualquer um dos seus rivais.
Por isso, aceita-se: o Benfica é o rei das Taças (e Campeonatos) de Portugal. Não há discussão!
E assim sendo, vamos até um dia especial e estranho: dia 7 de Junho de 1980.
No Estádio Nacional apresentaram-se o Benfica e a sua maior vítima em finais de taças: o FC Porto (um destes dias farei aqui a contabilidade de tal abissal diferença).
Dia estranho porque pela primeira e única vez na história do futebol português adeptos de Benfica e Sporting se uniram contra um inimigo comum, aquele que dizia que queria ver Lisboa a arder e atravessava a Ponte D. Luís com uma dose de raiva de fazer inveja à velha Padeira de Aljubarrota.
O calor era terrível. Lembro-me bem. Uma fornalha no Estádio Nacional.
Alberto, o poço-de-força, cedo partiu uma perna num choque com Frasco. Saiu de campo deitado na maca e o ambiente, que já era fervente, entrou em ebulição. Ainda não estavam decorridos 10 minutos.
Dizem as crónicas que estavam 80 mil pessoas nas bancadas. O Jamor aguentava com tanto? Não tenho dúvidas que sim - não havia cadeiras a separar as pessoas, todos se apertavam para dar lugar a mais uns poucos.
Pietra foi enorme! Meu bom e querido amigo Pietra! Poucos como ele sabiam o que era a alma. Ainda o vejo no filme da memória correndo acima e abaixo, tornado o campo pequeno, esse que era um campo grande...
E Bento? O maior adversário de Gomes, marcador de todos os golos. E Humberto? O imperial Humberto Coelho.

Uma taça escondida num saco de plástico
Era um tempo de ódios, esse tempo desta final.
«O treinador do Benfica não passa de um palhaço que já está despedido», atacou José Maria Pedroto, treinador do FC Porto, no seu estilo de espadachim cavalheiresco de pacotilha.
Mário Wilson, o treinador do Benfica, respondeu no campo. Mais uma vez.
É verdade que sairia no final da época para dar o lugar ao húngaro Lajos Baroti, outro cavalheiro, mas de estirpe mais fina. Todavia não saiu sem dar a sua resposta.
Aos 36 minutos, César, César Martins de Oliveiria de nome completo, nascido em São João da Barra no dia 13 de Abril de 1956, recebe a bola à entrada da área e faz o gesto de redopiar e chutar em arco. Remate por alto, sobre Fonseca, golo de bater em todas as redes, manso, clássico, inevitável.
Esbracejam os portistas. Reclamam por tudo e por nada.
Toni e Shéu são donos do meio-campo. Repartem a força e a técnica.
Frasco, Sousa e Romeu são insuficientes para o labor dos encarnados.
Pedroto arrisca a entrada do brasileiro Bife para o acompanhamento de Gomes.
Bife - José Silva de Oliveira, nascido em Vera Cruz, no interior do Estado de São Paulo, morto em Cuibá, em 2007, vitima de uma crise hepática.
De pouco serviu Bife.
Respondeu Mário Wilson com o possante Reinaldo, homem da Guiné.
O jogo divide-se em pequenas batalhas ao comprimento e largura do campo, mas o Benfica leva a melhor em todas.
A vitória será sua: 1-0. Esse golo fantástico de César.
Em redor do estádio drapejam as bandeiras verdes-e-brancas e vermelhas-e-brancas. José Maria Pedroto e o seu aprendiz Pinto da Costa conseguiram o que pretendiam: unir o país contra o FC Porto. A partir de agora serão sempre vítimas. Até quando são algozes.
Iremos esperar vinte e quatro anos para que um processo profundo desmascare tal falácia.
Outro César foi figura. César Correia de Faro, um árbitro medíocre e timorato que permitiu toda a espécie de confrontos.
O FC Porto já havia perdido o campeonato para o Sporting - o célebre tri que deu para vender t-shirts da Tri-naranjus (e ainda se riem de festejos antecipados...), e perdia agora a Taça para o Benfica.
Era preciso trabalhar muito mais nos bastidores.
Também medrosos, sem autoridade, os dirigentes da Federação Portuguesa de Futebol decidem não entregar a Taça de Portugal no final do jogo. Um funcionário de nome Telmo guarda-a num saco de plástico e desaparece em direcção à Praça da Alegria.
A alegria dos benfiquistas não tem taça. Ela virá para às suas mãos uns dias mais tarde, envergonhadamente como é próprio dos cobardes.
Mas tem o seu lugar guardado, ao lado das outras, suas irmãs, polidas à custa do suor dos que a conquistaram."

Afonso de Melo, in O Benfica

Bicampeões regionais entre stickadas e invasão de campo!

"Vitória numa final violenta que contribuiu para a conquista definitiva do troféu mais antigo de hóquei em campo

Pela primeira vez, foram cobrados bilhetes num desafio de hóquei em campo. Porém, isso não impediu que uma numerosa assistência acudisse ao Estádio das Amoreiras, a 27 de Maio de 1928, para o desafio final do Campeonato de Lisboa entre o Benfica e o Amoreiras.
O Benfica preparava-se para revalidar o título, esperando-se uma bela demonstração da modalidade. Era isso que os 3 golos do Benfica na primeira parte deram a entender. Mas tal não aconteceu no segundo tempo... Após o golo do Amoreiras, os nervos tomaram conta da partida. Ao verem as suas hipóteses de vitória reduzidas, os jogadores do Amoreiras excederam-se no jogo violento, que os árbitros não souberam reprimir eficazmente. Mas o pior estaria para vir! Quando o capitão benfiquista José Prazeres se preparava para marcar um canto, foi atingido no braço por um stick de um adversário, obrigando-o a abandonar o campo bastante magoado. O Benfica passou a jogar com 10 jogadores, mas continuou a dominar a partida.
Porém, o caos já estava instalado! O sucedido só veio agravar ainda mais o clima de violência. O resto do desafio pareceu mentira, com cenas dignas de filme. Os ânimos aqueceram ainda mais, viam-se sticks pelo ar, os jogadores do Benfica responderam e o árbitro, benevolente até então, decidiu expulsar um jogador de ambas as equipas. A assistência, indignada, reclamava intensamente, até que impacientes começaram a invadir o campo! Foi mesmo necessário recorrer a intervenção policial para acalmar os ânimos do público.
Restabelecida a ordem e com os jogadores prontos para recomeçar a partida, os árbitros decidiram suspender o jogo a apenas 6 minutos do seu fim. Ficou o título pendente, aguardando a decisão da Federação que veio a considerar, perante o contexto, o resultado válido. Faltava só um título para a posse definitiva da Taça Hockey Club de Portugal, numa altura em que era necessário três conquistas consecutivas. Este troféu, o mais antigo da modalidade, foi definitivamente conquistado na época seguinte e pode ser encontrado na área 1. Ontem e hoje do Museu Benfica - Cosme Damião."

Ana Filipe Simões, in O Benfica