Últimas indefectivações

sábado, 24 de dezembro de 2011

Feliz e Glorioso Natal



O vídeo está um pouco 'atrasado', mas vale a pena...!!! Um Natal de 'sonho' para todos os Gloriosos, principalmente para os fiéis e indefectíveis seguidores do blog!!!

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Quero voltar a Valença do Douro

"Se dúvidas houvessem de que estamos na época de Natal bastava ver que na televisão já passou o filme Sozinho em Casa e que o Sporting ficou longe do título. É quase tão tradicional como o bacalhau na ceia de dia 24.

O Benfica goleou, por 5-1, o Rio Ave num jogo mais difícil do que aquilo que parece pelo resultado.

O jogo será lembrado pelo passe de Aimar para o terceiro golo, um poema, uma obra de arte.

Este campeonato será ganho com 76/78 pontos, quem perder pontos em jogos proibidos dirá adeus ao título.

A verdade é que o FC Porto, mesmo sem jogar bem, apenas perdeu 6 pontos, 3 empates em 13 jogos, o que significa que se começar a jogar melhor não irá perder muitos mais.

O Benfica tem o mesmo desempenho que o FC Porto, embora tenha realizado saídas teoricamente mais difíceis.

Temos de continuar com esta regularidade para conquistar o 33.º título nacional. Será um campeonato decidido nos detalhes. Um deslize poderá ser fatal e Jorge Jesus está atento.

No último domingo participei numa bonita homenagem a Luís Martins, na sua terra natal, Valença do Douro.

Aos 19 anos, o jovem talento do Benfica te tudo para ser feliz e fazer feliz as boas gentes da sua terra.

Prometi que se o Benfica fosse campeão lá voltava para festejar o título no Bar 36 (número da camisola do Luís) com o pai António.

Vejam lá se fazem a vossa parte para eu cumprir a minha promessa. Quero voltar a Valença do Douro, passou a ser um desejo de ano novo. Esperemos as melhoras de Eusébio, que não passe de um susto e volte a sentar-se ao nosso lado nos jogos de Benfica e Selecção. Vi ao lado dele o último, contra os romenos do Otelul, e testemunhei que sofre a valer.

Boas rabanadas, bom bacalhau e um Santo Natal a todos os leitores de A BOLA, antes que a troika nos tribute este hábito."


Sílvio Cervan, in A Bola

Boas Festas

"Nesta quadra festiva que, apesar de todas as dificuldades que o País atravessa, deve ser vivida em total harmonia e solidariedade com os outros, cumpre-me desejar a todos os benfiquistas, e em especial aos nossos leitores, votos de um Feliz Natal e um ano novo cheio de saúde, esperança e, se possível, recheado de sucessos desportivos.

Estamos prestes a iniciar um novo ano e uma nova caminhada desportiva. O Benfica vê-se envolvido em três frentes importantes, duas de cariz nacional e uma outra que, como todos sabemos, é a Prova Rainha do Futebol Europeu, a Liga dos Campeões.

Relativamente aos dois objectivos nacionais o nosso Clube tem legitimas aspirações a vencer ambos. Por tradição a Taça da Liga costuma sorrir às cores encarnadas. O Benfica tem um especial carinho por este troféu que conquistou por três vezes consecutivas.

Quanto ao Campeonato Nacional, as semanas que se aproximam são absolutamente fundamentais. É muito importante que nos próximos jogos consigamos descolar definitivamente do FC Porto de modo a poder ganhar uma margem pontual na tabela classificativa que nos permita respirar melhor, com confiança redobrada e deixar a pressão para os nossos adversários. Porque como diz o ditado, 'candeia que vai à frente alumia duas vezes'. Estou em crer que o Benfica sairá reforçado destas mini-férias.

Jogadores essenciais para a estabilidade do grupo vão recuperar das suas lesões e o descanso para outros será providencial. Jesus saberá voltar a reunir as 'tropas' e motivá-las a ultrapassar novos obstáculos e novas dificuldades. Mas não podemos falhar nos próximos 3 ou 4 jogos pois serão eles que nos manterão a chama acesa, a chama da nossa imensa alegria que será voltar a ver o nosso Benfica Campeão de Portugal. Por fim, resta-nos a 'Champions'. Também aqui acredito que saberemos ultrapassar os russos. Bons a defender, perigosos no contra ataque, com Danny sempre em destaque, o Zenit constituirá osso duro de roer."


Luís Lemos, in O Benfica

Futebol de rua

"Noite de sexta-feira, Estádio da Luz, durante a partida Benfica-Rio Ave, minuto 36. Nolito recebe a bola, caminha para a área – passa a bola, penso eu. Ultrapassa o primeiro adversário, caminha para a linha de fundo – passa a bola, penso eu. Enfia-se literalmente na linha de fundo, passa o segundo adversário, fica sem ângulo para marcar, aparentemente perde a noção do tempo e do espaço. Dali é impossível marcar, a física e a geometria provam-no – passa a bola, grito eu da bancada. Golo. Todo Estádio festeja o golo e a decisão do Nolito de não ter passado a bola. Nolito enfiara-se numa cabine telefónica, fintou dois defesas, iludiu o guarda-redes, e saiu pela porta.

Festejava-se o futebol irreverente, o futebol de rua, o futebol em que o puto malandro se entretém a provar que isso dos impossíveis é preocupação de adultos cinzentos com medo da ousadia. O Nolito é essencialmente isto: o miúdo feito homem que se diverte no mundo profissional com a mesma ‘reguilice’ com que um puto enfrenta a baliza demarcada por duas mochilas da escola. Para trás ficam os aborrecimentos de quem pensa o futebol parametrizado em “basculações”, “transições ofensivas e defensivas” e “movimentos de rotura”. Ali, em Nolito, o futebol é um espaço que existe em função da localização da baliza. O tempo mede-se em adversários que têm de ser ultrapassados até chegar à baliza. O modo vive-se pelo gozo do momento. O resto são meros aborrecimentos de gente grande que se esqueceu de que a génese do futebol é a rua.

Feito o golo e festejado o momento, levanta-se a questão: como conciliar a irreverência do futebol de rua com as obrigações do futebol profissional? Haverá lugar para ‘Garrinchas’ no futebol actual? Verdadeiramente preocupante é tentar perceber que futebol é este em que se questiona se há nele lugar para os que acreditam que se podem marcar golos impossíveis."


Pedro F. Ferreira, in O Benfica

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

2.ª carta ao menino (Jorge) Jesus

"Caro Menino (Jorge) Jesus, volto a escrever-lhe pelo Natal.

Não sabendo aramaico, faço-o em português, embora imagine que é em castelhano que fala com a maioria dos seus discípulos. O povo precisa da chama imensa da sua luz. Não por causa das falhas de energia na Bracara Augusta ou dos fogos dos bárbaros no templo. Mas porque anda amargurado com o corte sobre o subsídio do seu Natal e com os mandamentos de uma tal Ângela teutónica (ainda dizem que os anjos não têm sexo...). Não lhe peço milagres de denários, sestércios ou moeda única. Nem que expulse a troika da catedral até porque nos basta a sua trindade (a técnica, a táctica e a nota artística). Não lhe peço o milagre de converter o Emerson em Fábio. Apenas peço que no princípio do Verão nos dê taças e ânforas. Mas cuidado com os zelotas a fariseus que vêm tomando conta do sinédrio. Prefira o ar puro da margem esquerda do Jordão para os sermões e evite túneis nas pedreiras e distracções nos caldeirões. Permita-me que lhe confesse uma angústia. A fazer fé no que leio na Galileia e Judeia, receio que os vários Herodes que a globalização fez enriquecer tentem a matança do seu grupo. Não há dia que saxões, romanos e celtiberos não ofereçam mirra, incenso e ouro pelo Gaitan, Javi, Luisão, Aimar, Saviola, Garay, etc. Também, consta nas margens do Mar Morto, que a ovelha transviada Capdevila vai para a Samaria. Perturbado ainda mais fiquei quando soube que o Imperador César quer levar o Rei Artur para o seu território. A propósito, que é feito de um tal César que vive no tempo de Diana? Faço votos para que não perca o zénite, e não seja obrigado a fugir para o Egipto... perdão, para (o Atlético de) Madrid.

Grato abraço deste crente encarnado."


Bagão Félix, in A Bola

Segundas e terceiras intenções

"Se Vítor Pereira ganhar a Taça da Liga não faltarão os portistas anti-Vítor Pereira a chamar incompetente a esse treinador de vitoriazinhas no capítulo das não-prioridades


O último sorteio das competições europeias da UEFA causou muito e especial impacto em Portugal. Foi um sorteio que ultrapassou largamente as expectativas porque para além de cumprir com a primeira intenção de qualquer tirar à sorte desta natureza - que é emparelhar adversários -, provou ser um sorteio riquíssimo em segundas e terceiras intenções, para não falar das ligações emocionais, familiares, entre todas as equipas em concurso.

Por exemplo, o Sporting de Braga vai ter de defrontar a equipa mais portuguesa da Europa, o popular Besiktas de Istambul, comandado pelo nosso compatriotas nossos, os jogadores Ricardo Quaresma, Manuel Fernandes, Simão Sabrosa, Hugo Almeida, Bebé e Júlio Alves.

O Besiktas é uma raridade, está visto. Uma equipa que luta na Europa com tantos portugueses é praticamente um achado arqueológico.

Apesar de não se defrontarem entre si, o Besiktas de Istambul que vai jogar com o Braga tem uma afinidade familiar de cariz lusitano com o Zenit de São Petersburgo. Trata-se dos Alves. Os irmãos Júlio e Bruno Alves. O primeiro joga no Besiktas, o segundo joga no Zenit, clube que afastou o FC Porto e que agora calhou em sorte ao Benfica.

Vigorando o bom senso, não houve reacções de euforia no campo benfiquista quando se conheceu o nome do adversário, que é um adversário forte numa fase já adiantada da competição.

As incertezas quanto ao desfecho desta eliminatória são muitas.

A única certeza é que o Estádio da Luz vai receber Danny. Da última vez que Danny esteve em Portugal foi ao Estádio do Dragão e saiu de lá absolutamente convicto de que soube educar os seus filhos com esmero e primor, ao contrário de muita gente. Aliás, o próprio o vincou assim que o jogo acabou.

Curiosamente, diz muito ao FC Porto, e suscita grande expectativas entre os adeptos dos campeões nacionais, este confronto que se aproxima e vai colocar frente a frente o Benfica e o Zenit.

Todos o desejam, mas poucos portistas acreditam que Danny festeje caninamente qualquer golo que marque ao Benfica.

(...Ainda se fosse o Bruno Alves a marcar um golo ao Benfica... isso sim, poderia dar uma comemoração engraçada, que ajudasse a lavar as mágoas de festejos passados, junto à bandeirola de canto, como se a bandeirola fosse algum poste, caramba...)

Bruno Alves está optimista para os dois jogos que vai disputar com o Benfica, se ainda for jogador do Zenit em Fevereiro.

Alguma imprensa tem ventilado a hipótese de Bruno Alves se transferir para o Sporting de Lisboa na abertura do mercado de Inverno e, assim sendo, o defesa central só encontrará o Benfica pelo caminho mais tarde, quando o Benfica for a Alvalade na segunda volta do campeonato ou se, porventura, Benfica e Sporting se encontrarem na final da Taça da Liga, o que não seria a primeira vez.

Pela primeira vez, no entanto, o FC Porto e o Sporting podem encontrar-se numa eliminatória internacional porque o sorteio, o tal sorteio das segundas e terceiras intenções, coloca-os frente a frente dando-se o caso de o FC Porto afastar o internacionalmente inexperiente Manchester City e de o Sporting triunfar sobre o internacionalmente inexistente Légia de Varsóvia.

É assim uma forte probabilidade de termos em 2011/2012 na Liga Europa uma eliminatória entre portugueses, tal como já aconteceu em 2010/2011, na meia-final entre o Sporting de Braga e o Benfica.

Então a vitória sorriu à equipa que melhor vem representando o Minho e que vai agora ter de jogar o seu futuro europeu com a equipa que melhor vem representando o futebol português, que é o Besiktas de Istambul, como já ficou explicado.

Voltemos ao Zenit e a Bruno Alves, os próximos adversários do Benfica na Liga dos Campeões. Os russos ficaram satisfeitíssimos com o sorteio, o que se compreende, porque entre os cabeças-de-série havia nomes mais complicados, muito mais complicados, do que o Benfica.

O médio Evgeny Bashkirov disse logo que o Benfica era «uma equipa acessível» e que acreditava poder «resolver logo a questão em São Petersburgo», como, de certa maneira, aconteceu com o FC Porto. Bruno Alves comunga deste espírito optimista e, como bom profissional, também acredita no sucesso do Zenit.

Aliás, Bruno Alves, neste momento só tem uma dúvida: «Não sei como vou ver recebido. Espero, isso sim, ser bem recebido. Se alguma vez ultrapassei os limites contra o Benfica? Não. E a prova disso é que nunca fui expulso contra o Benfica», disse.

Lá que nunca foi expulso contra o Benfica é uma grande verdade.

Mas é uma fraca prova, fraquíssima.

A final da Taça da Liga de 2010, com Bruno Alves a despachar lenha a torto e a direito sem que o árbitro Jorge Sousa considerasse excessivo o seu empenho na luta em prol de Dragões ficou como um super marco histórico da impunidade no futebol português.

Fevereiro promete grandes emoções europeias. Essa é que é essa.


O resultado do Santos no jogo com o Barcelona deixou os adeptos do Peixe em estado catatónico.

Ao contrário, e porque são todos da mesma cidade, provocou grande alegria entre os adeptos do Corinthians e do São Paulo que viram o rival soçobrar sem um pingo de resistência perante a armada de Pep Guardiola.

Rivalidades são rivalidades e não é por se mudar de continente ou de hemisfério ou de fuso horário que as coisas passam a ser diferentes. São iguaizinhos em toda a parte do mundo os ódios de estimação entre os vizinhos das mesmas cidades.

E hoje se um terço dos paulistas chora pelo Santos, os outros dois terços encontraram no massacre de Yokohama vastos motivos de celebração.

E a Neymar, o desconsolado melhor jogador brasileiro da actualidade, os adeptos do Corinthians e do São Paulo já atribuíram uma alcunha cruel. Neymar passou a ser o Neymorto.

E porquê?

Porque no decorre do jogo, com a goleada a avolumar-se, o treinador do Santos pediu ao jogador:

-Neymar, bora fazer golo no Barça!

Ao que ele respondeu:

-Neymorto, mister.

É uma anedota. Daquelas que doem e é precisamente essa a intenção com que nascem do vasto campo da sabedoria e do humor populares.

Os adeptos do Santos, no entanto, não têm sido menos castigadores com a sua equipa. Acusam de tudo e de mais alguma coisa os jogadores que idolatravam até ao domingo fatal no Japão.

E quando o tema da posse de bola vem à baila, lamentam amargamente que os jogadores do Santos tenham viajado até tão longe apenas para pedir autógrafos aos seus supersónicos adversários.

Que excelente notícia para José Mourinho e para o Real Madrid esta de ser o Santos a mais recente vítima do poderoso rival catalão.

A curiosidade mórbida nacional e internacional que sempre vasculha o palco de qualquer tragédia vira-se agora, com todos os holofotes, do Estádio Santiago Bernabéu para a Vila Belmiro, lá longe, muito longe no Brasil.

Um merecido descanso para Mourinho.


QUE excelente notícia para o Benfica, a renovação de Maxi Pereira, o nosso adorado Cantinflas.

Grande malha, senhor Vieira. Até que enfim.


O FC Porto jogou ontem com o Paços de Ferreira. Quanto ao resultado, francamente, não interessa para nada estar aqui a discuti-lo porque para o treinador Vítor Pereira a Taça da Liga «não é prioridade».

Fica registado.

É preciso ter cuidado com o que de diz. É que se Vítor Pereira porventura ganhar a Taça da Liga não faltarão os portistas anti-Vítor Pereira a chamar incompetente a esse treinador de vitoriazinhas no capítulo das não-prioridades."


Leonor Pinhão, in A Bola

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

2ª parte demolidora

O poder corrompe

"Em Outubro último, Julio Grondona foi eleito pela nona vez consecutiva presidente da federação argentina. Significa isto que Don Julio como é conhecido em Buenos Aires, está no cadeirão da AFA há 32 anos e, se vier a cumprir integralmente o novo mandato, acabará por lá permanecer 36! Pelo menos. Com 80 anos, tem passado os últimos meses na Suíça para se tratar de um tumor a que foi operado e para se dedicar à FIFA, de que também é vice-presidente há muitos anos. Uma hegemonia assim tão prolongada, no futebol não tem precedentes. O diário El Gráfico escreveu na altura que os 25 anos de Alex Fergunson no banco do Manchester United parecem uma anedota em confronto com a longevidade de Grondona. Esqueceu-se, porém, de referir que nós, portugueses, nesta matéria não estamos distantes de poder pedir meças aos argentinos. Então, não é verdade que temos Pinto da Costa bem perto dos 30?

Fenómenos destes são mais frequentes na política. Os 50 anos de Fidel Castro em Cuba, os 35 de Stroessner no Paraguai e os 32 de José Eduardo dos Santos em Angola são alguns dos muitos exemplos que existiram por esse mundo fora. Nós cá, mais uma vez, não fugimos à regra: Mesquita Machado na Câmara de Braga há 35 anos é um bom paradigma. O que leva toda esta gente a ficar agarrada ao poder por tanto tempo? A resposta vem na imprensa mundial independente: a corrupção, o tráfico de influências, as falcatruas. No caso de Grondona (que dirige as finanças da FIFA e manipula milhares de milhões!), atolado até ao pescoço (com o compadre Blatter) em escândalos, acrescem razões políticas. A presidente Kirchner, para retirar os direitos televisivos ao império mediático do Clarin, hostil à sua governação, e assim fragilizá-lo, precisa de Don Julio."


Manuel Martins de Sá, in A Bola

Fitas e Fintas

"O António Simões fez anos. Não é que é quase septuagenário? Convidou-me para o jantar de aniversário, regressado há dias do Irão, onde tem coadjuvado Carlos Queiroz. A cerimónia foi muito íntima e não menos tocante. O António gosta de sentir verdade, gosta de sentir certeza nos seus amigos. A meio do repasto, liguei à minha mãe, que já dobrou a barreira dos oitenta. “Nos anos do Simões? Aquele pequenino das fintas que jogava com o Eusébio?”. Esse mesmo.

Simões foi um futebolista genial. Na esteira de Rogério, Bentes, Albano, deliciou o mundo da bola nas décadas de 60 e 70. Um dia, comparei-o a algumas figuras da Banda Desenhada. Foi assim: “Ele era o Rato Mickey, na sua principal alcunha, expressão de agilidade em corpo minguado. Ele poderia ser o Speedy Gonzalez, conceito de rapidez, de velocidade. Ele poderia ser também o Astérix, noção de combatente, de indomável. Ele poderia ser ainda o Lucky Luck, ideal de oportunidade, de precisão. E porque parecia driblar mais rápido do que a própria sombra, ele só poderia ser o nosso Simões. Que ao poema chamava finta”.

Ele tinha a graça dos mais gráceis. Ele tinha a subtileza dos mais subtis. Ele tinha o engenho dos mais engenhosos. Ele tinha tudo o que os outros não tinham. Depois dele, também tiveram o Chalana, o Futre, o Figo, agora o Ronaldo. Gente de fintas como fitas? Ou será que gente de fitas como fintas? Sempre gente das mais belas fitas com as mais belas fintas.

O futebol português tem parido alguns dos melhores filhos da melhor bola. O Simões ainda hoje é o mais jovem campeão europeu de toda a história. Dizer Simões, dizer também Chalana, Futre, Figo ou Ronaldo é dizer acato, é dizer mercê, é dizer honra. Mais ainda, é dizer presente a um passado com sabor a futuro."



Aguenta coração...!!!

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Lixívia Extra-Forte XIII

Tabela Anti-Lixívia Extra-Forte:
Benfica.......33 ( -2)...35
Corruptos..33 (+1)...32

Sporting......27 (0)...27
Braga........25 ( +4)...21

Já o escrevi anteriormente, Bruno Esteves será um dos árbitros com melhor potencial actualmente no futebol Português. Na época anterior, ficou 'marcado' no Benfica-Paços, ao ser iludido pelo Coentrão e ter marcado um penalty inexistente a favor do Benfica!!! Não apitou mais o Benfica nessa época, este ano voltou a apitar o Benfica-Paços e teve um exibição desastrada, tentando a todo o custo afastar a ideia de ter uma 'tendência' Benfiquista!!! Neste jogo com o Rio Ave, um pouco mais tranquilo, teve tecnicamente uma boa actuação, mas disciplinarmente demonstrou uma enorme dualidade de critérios, principalmente com o avolumar do resultado.
O penalty do Eder é claríssimo. No segundo golo o Nolito está em linha, portanto em jogo. O Bruno China deveria ter sido expulso por acumulação de amarelos, ainda na primeira parte. O Kelvin atirou-se descaradamente para a piscina. Mais uma vez um lance duvidoso 'favorável' ao Benfica foi 'apagado' das discussões pós-jogo: Já nos últimos minutos, o Rodrigo é empurrado dentro da área, fica a dúvida se é carga de ombro, ou se é falta. O lance prossegue e o Nelson Oliveira cruza a bola, o árbitro marca pontapé de baliza!!! Se a bola tivesse saído (algo que não aconteceu) seria pontapé de canto...

Não vi mais nenhum jogo da Liga Nacional, só vi os resumos. Os Corruptos fizeram um escândalo por causa de um penalty não assinalado: Sim era penalty, um choque evitável, mas foi falta. Agora o destaque dado a este caso é completamente ridículo, mais ainda o pedido de desculpa do árbitro... Num jogo onde os Corruptos jogaram 50 minutos em superioridade númerica!!! Expusão justa do Roberge...
As Lagartixas 'encostaram' e voltaram a 'chorar'!!! Não existe penalty sobre o Insua. O golo Lagarto é um golo manhoso!!! Até pode não ser ilegal (creio que existe uma recomendação para permitir que os lançamentos laterais, poderem ser feitos atrás do local onde a bola saiu!!! Mas não tenho a certeza. Isto com objectivo de tornar o jogo mais rápido), mas foi manhoso!!!
No jogo do Braga houve vários golos obtidos em possíveis situações de fora-de-jogo, mas parece-me que as decisões nos golos foram todas boas (para os dois lados).

Anexos:

Benfica
1ª-Gil Vicente(f) E(2-2), João Ferreira, Nada a assinalar
2ª-Feirense(c) V(3-1), Hugo Pacheco, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
3ª-Nacional(f) V(0-2), Soares Dias, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado
4º-Guimarães(c) V(2-1), Duarte Gomes, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado
5ª-Académica(c) E(4-1), Vasco Santos, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
6ª-Corruptos(f) V(2-2), Jorge Sousa, Nada a assinalar
7ª-Paços de Ferreira(c) V(4-1), Bruno Esteves, Prejudicados, Sem influência no resultado
8ª-Beira-Mar(f) V(0-1), Paulo Baptista, Prejudicados, Sem influência no resultado
9ª-Olhanense(c) V(2-1), Marco Ferreira, Prejudicados, Sem influência no resultado
10ª-Braga(f) E(1-1), Proença, Prejudicados, (0-2), -2 pontos
11ª-Sporting(c) V(1-0), Capela, Prejudicados, Sem influência no resultado
12ª-Marítimo(f) V(0-1), Sousa, Nada a assinalar
13ª-Rio Ave(c) V(5-1), Bruno Esteves, Nada a assinalar

Corruptos
1º-Guimarães(f) V(0-1), Olegário, Beneficiados, (0-0), +2 pontos
2ª-Gil Vicente(c) V(3-1), Rui Silva, Beneficiados, Impossível contabilizar
3ª-Leiria(f) V(1-4), Capela, Prejudicados, Sem influência no resultado
4ª-Setúbal(c) V(3-0), Marco Ferreira, Beneficiados, Sem influência no resultado
5ª-Feirense(f) E(0-0), Bruno Esteves, Beneficiados, (1-0), +1 ponto
6ª-Benfica(c) E(2-2), Jorge Sousa, Nada a assinalar
7ª-Académica(f) V(0-3), Paulo Baptista, Nada a assinalar
8ª-Nacional(c) V(5-0), Cosme Machado, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
9ª-Paços de Ferreira(c) V(3-0), Hugo Miguel, Beneficiados, Sem influência no resultado
10ª-Olhanense(f) E(0-0), Capela, Prejudicados, (0-1), -2 pontos
11ª-Braga(c) V(3-2), Soares Dias, Prejudicados, Sem influência no resultado
12ª-Beira-Mar(f) V(1-2), Xistra, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
13ª-Marítimo(c) V(2-0), Duarte Gomes, Prejudicados, Sem influência no resultado

Sporting
1ª-Olhanense(c) E(1-1), Xistra, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
2ª-Beira-Mar(f) E(0-0), Fernando Martins, Nada a assinalar
3ª-Marítimo(c) D(2-3), Proença, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
4ª-Paços Ferreira(f) V(2-3), Paulo Baptista, Prejudicados, Sem influência no resultado
5ª-Rio Ave(f) V(2-3), Hugo Miguel, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
6ª-Setúbal(c) V(3-0), Cosme Machado, Nada a assinalar
7ª-Guimarães(f) V(0-1), Bruno Paixão, Nada a assinalar
8ª-Gil Vicente(c) V(6-1), João Capela, Beneficiados, Sem influência no resultado
9ª-Feirense(f) V(0-2, Gralha, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
10ª-Leiria(c) V(3-1), Manuel Mota, Beneficiados, Impossível contabilizar
11ª-Benfica(f) D(1-0), Capela, Beneficiados, Sem influência do resultado
12ª-Nacional(c) V(1-0), Vasco Santos, Nada a assinalar
13ª-Académica(f) E(1-1), Rui Costa, Nada a assinalar

Braga
1ª-Rio Ave(f) E(0-0), Duarte Gomes, Beneficiados, (1-0), +1 ponto
2ª-Marítimo(c) V(2-0), Soares Dias, Beneficiados (1-0), Sem influência
3ª-Setúbal(f) V(0-1), Hugo Miguel, Beneficiados (0-0), +2 pontos
4ª-Gil Vicente(c) V(3-1), Rui Costa, Nada a assinalar
5ª-Guimarães(f) E(1-1), Pedro Proença, Nada a assinalar
6ª-Nacional(c) V(2-0), Xistra, Nada a assinalar
7ª-Leiria(f) D(1-o), Marco Ferreira, Nada a assinalar
8ª-Feirense(c) V(3-0), João Ferreira, Nada a assinalar
9ª-Académica(f) E(0-0), Jorge Sousa, Nada a assinalar
10ª-Benfica(c) E(1-1), Proença, Beneficiados, (0-2), +1 ponto
11ª-Corruptos(f) D(3-2), Soares Dias, Beneficiados, Sem influência no resultado
12ª-Paços de Ferreira(c) V(5-2), Marco Ferreira, Nada a assinalar
13ª-Olhanense(f) V(3-4), João Ferreira, Nada a assinalar

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Razões vermelhas

"O ano civil está quase no seu termo e o Benfica quase no seu melhor. Não fosse a eliminatória, frente ao Marítimo, na Taça de Portugal, o primeiro semestre da temporada tinha um saldo a roçar o brilhantismo. Quer a nível doméstico, quer a nível internacional, o colectivo vermelho tem demonstrado grande capacidade para rubricar uma época de contentamento.

Ainda assim, importa perceber que o caminho está eivado de dificuldades. A luta, sobretudo na Liga nacional, vai ser renhida. Com o FC Porto? Sobretudo com o FC Porto, ainda que o Sporting se apresente mais consistente do que nos últimos anos. Os empates no Dragão e em braga, o recente triunfo na Madeira, compromissos que se adivinhavam de grande exigência, revelaram um Benfica personalizado, competente e ambicioso.

Na segunda volta do Campeonato, ao invés dos nossos opositores (com calendário de maior exigência), a deslocação a Alvalade parece constituir-se no mais intricado dos compromissos. Quanto ao resto, nos embates caseiros, espera-se um Benfica ganhador e, da mesma forma, nos restantes confrontos que terá de cumprir extramuros.

Tudo fácil? Longe disso, ainda que a trajectória, até ao momento, projecte todo um clima de confiança em redor da equipa. Irrepetível será, seguramente, o medíocre final do ano transacto. É manifesto que este Benfica, o actual Benfica, jamais repetirá os desaires frustrantes que marcaram de forma dolorosa o termo da última temporada.

Há mais e melhor Benfica. Há mais e melhores vontades para acreditamos no êxito. Há mais e melhores razões para acreditarmos no sucesso."


João Malheiro, in O Benfica

Mercado de inverno

"A abertura do 'mercado de inverno' para o futebol europeu está próximo. Muitas páginas de jornal irão ser escritas com os jogadores pretendidos, a dispensar ou a vender. Muitos programas de televisão irão abordar esta temática sempre querida dos 'fazedores de opinião'. O que realmente importa sublinhar é que o Benfica deve estar mais coeso do que nunca neste 'ataque' ao mercado. As movimentações de empresários são já conhecidas na tentativa, óbvia, de promover os seus activos. Por isso mesmo não devem, os nossos leitores, estranhar o rol de atletas que serão colocados no Benfica nos próximos dias.

As quadras festivas que se avizinham propiciam igualmente as 'prendas' que muitos adeptos gostariam de ver no sapatinho. Mas cumpre-nos alertar, em nome do rigor e da responsabilidade da gestão desportiva, que o Benfica não pode nem deve embarcar nestes jogos de contratações a todo o custo. Mais importante do que comprar é tentar manter os que cá estão. Segurar as 'jóias da coroa' é tão ou mais importante do que fazer grandes ofensivas ao mercado.

Tenho consciência de que quem conduz os destinos deste clube sabe muito bem o que faz.

Os tempos difíceis que atravessamos não estão dissociados do futebol. Todos vivemos acima das suas possibilidades financeiras e algum dia teremos de pagar a factura... Só com critérios de rigor e transparência s conseguem atingir os objectivos traçados, não podendo, nunca, perder a ambição que nos caracteriza.

Artur Moraes, Javi Garcia, Gaitán, Ansaldi, Marcos Rojo e Emerson já entraram na dança. Será perante este dilema que Luís Filipe Vieira e seus pares da SAD se vão deparar já nos próximos dias. o bom senso, a capacidade e agilidade negocial bem como a lucidez desportiva farão o resto e tenho a certeza que o Benfica sairá mais reforçado para a segunda metade do campeonato, pois é isso que realmente nos interessa."


Luís Lemos, in O Benfica

domingo, 18 de dezembro de 2011

Que bem (lhe) fica

"O Benfica está nos oitavos-de-final da mais importante competição europeia. Outros, mesmo constando à partida da lista dos favoritos ao título, ficaram pelo caminho. Mas o Benfica venceu esta etapa. Desse triunfo parcial já podem extrair-se vantagens materiais e de prestígio. Sendo primeira do grupo, a equipa não terá de enfrentar os adversários mais temíveis. Isso vale ouro.

Nada do que atrás ficou dito constitui novidade para os benfiquistas ou para quem, não o sendo, acompanha as coisas do futebol. A novidade reside na forma profissional e consistente como o Benfica chegou ao ponto em que neste momento de encontra.

Trata-se agora de gerir de forma criteriosa e prudente os seus recursos humanos, definindo claramente as prioridades e as possibilidades.

O campeonato nacional está a ser dos mais renhidos da últimas temporadas, com as equipas de topo separadas por diferenças pontuais irrevelantes. Isso significa que tudo terá ainda de ser feito. Quem renunciou a horizontes mais ambiciosos irá concentrar-se, naturalmente, na conquista nos títulos nacionais. De uma dessas disputas já o Benfica está liberto, mas não pode, em circunstâncias alguma, deixar de ter os olhos postos na reconquista do título de campeão.

Haverá quem o não saiba?

Há jogadores cansados, menos motivados, mas é visível que o ambiente geral é muito positivo e que o colectivo está contente com o momento que está a atravessar. Tudo o que é obra humana, sempre marcada pela imponderabilidade e pela imperfeição, depende largamente do factor psicológico, da energia individual e colectiva e, há que dizê-lo, também daquilo a que, à falta de termo mais eloquente, poderá chamar-se 'sorte'. As próximas semanas vão ser decisivas. Todos o sentimos e sabemos.

Nenhuma vitória parcial pode ser confundida com a final, que tem sempre outra dimensão e fulgor. É nestes momentos que tudo se pode ganhar ou perder. E no Benfica só a palavra 'vitória' assenta bem. E que bem (lhe) fica!"


José Jorge Letria, in O Benfica

Objectivamente (Cardozo)

"Continuo sem perceber algumas reacções negativas para com o melhor goleador do Benfica da actualidade, o sr. Óscar Tacuara Cardozo!

Não entendo como nunca entendi reacções do mesmo género para com outro genial goleador chamado Néné. São situações muito estranhas e que, penso, venham sobretudo de gente que não tem o mínimo conhecimento do que é futebol!

O último jogo do Benfica na Madeira foi mais uma resposta para juntar a tantas, tantas outras que têm calado os mais ignorantes na matéria da «bola».

Cardozo está sempre no sítio certo. A maior parte das vezes, marca. Outras falha. Porque se não fosse assim, a esta hora estaria como o melhor goleador da Europa! E isto sem jogar sempre os 90 minutos, pois o nosso treinador nem sempre aposta na titularidade daquele que a seguir a Eusébio e Néné é o melhor goleador do «Glorioso»!

Recordo para os mais distraídos que Tacuara «deu» três pontos na Liga dos Campeões colocando o Benfica em 1.º lugar à frente do Manchester United e «deu» mais três pontos na Madeira «in extremis» para continuar a colocar o Sport Lisboa e Benfica no primeiro lugar da Liga portuguesa.

E se calhar ainda estávamos a disputar a Taça de Portugal se tem jogado naquele triste embate frente aos madeirenses no Funchal... Mas o Sr. João Capela inventou e não deixou!

Mas a juntar a esta incompreensível atitude de alguns adeptos custou-me também ver o treinador do Marítimo falar em prejuízo e influência negativa do árbitro Jorge Sousa em relação à sua equipa! Estaria ele a referir-se aos três jogadores que não vão poder alinhar no Dragão na próxima jornada? Roberto Souza (o tal do golo especial da Taça), Rafael (o melhor jogador do meio campo madeirense= e Olberdam, expulso. Bom, a juntar à reclamação de fora de jogo no lance do golo do Benfica, só lhe faltou dizer que devia estar a ver outro jogo e fez confusão!"


João Diogo, in O Benfica

Memória

"Na noite de 7 de Dezembro, no Estádio da Luz, frente ao Otelul Galati num jogo de rendimento mínimo garantido - o 1-0 logo aos 7 minutos garantia não só a passagem aos oitavos da Champions como o primeiro lugar no grupo - dei comigo a recordar Rogério Lantres de Carvalho, conhecido no futebol por 'Rogério, Pipi', glória do Benfica.

Rogério completou 89 anos e fora o capitão do Benfica que erguera o primeiro troféu internacional da galeria do Glorioso, a Taça Latina de 1950.

Rogério começou a jogar ao serviço do Benfica no ano em que nasci. Creio que vi o primeiro jogo de futebol no Campo da Amoreira, num Estoril-Benfica que o meu Clube de sempre venceu por 3-1 com golos de Julinho, Arsénio e Rogério, figuras que conhecia dos bonecos da bola, embrulhados em rebuçados de um tostão.

Rogério jogava ao ataque e teve mesmo a particularidade de alinhar em todas as posições da linha da frente, das pontas, a interior ou avançado-centro. Marcou 210 golos nos 300 jogos que fez pelo Benfica. Era um jogador de grande técnica e inteligência, uma alegria para o futebol e, em particular, para os benfiquistas. E o mais espantoso é que mantinha sempre a imagem cuidada e o sorriso malandro - que ainda conserva - como que pronto para enfrentar confiante o desafio dos rivais no campo da bola ou em qualquer salão de festas de Lisboa.

Voltei ao presente depois daquela breve viagem pela memória. No campo o resultado mantinha-se 1-0 e, tal como eu, pareceu-me que os jogadores também olhavam para o relógio. Outros tempos. A Taça Latina erguida por Rogério foi conquistada numa dura finalíssima que se prolongou por duas horas e 26 minutos. E como pode ver-se na primeira página de 'O Benfica' n.º396, de 24 de Junho 1950, o 'Pipi' não perdeu a linha."


João Paulo Guerra, in O Benfica

Auto-mutilação !!!



Lusitânia 75 - 73 Benfica



Não vi o jogo, mas 'cheira-me' a sobranceria... depois de tanto trabalho para ganhar vantagem em relação aos Corruptos para os Play-Off's, vamos oferecer numa bandeja dourada o factor casa no Play-Off ?!!! A ausência do Ben, e as faltas marcadas (ou não marcadas), não podem justificar esta derrota... agora se nada de estranho voltar a acontecer (a nós e aos Corruptos), somos obrigados a ganhar no antro Corrupto...!!!