Últimas indefectivações

sábado, 12 de março de 2011

A caminho do Bi-Caneco !!!




Jogo mais fácil do que se pensava, isto apesar de uma 'branca' que podia ter comprometido: a ganhar por 0-2 deixamos o adversário passar para 3-2 !!! Mas felizmente voltámos a 'acordar' !!! E assim estamos nos oitavos-de-final da Taça de Portugal.
Uma nota de agrado para os muitos Benfiquistas nas bancadas...

5ª jornada - Juniores - Fase Final

Diogo Caramelo

Em Portugal normalmente valorizam-se os 'brinca na areia', o Diogo Caramelo em Itália, ou na Alemanha seria de certeza absoluta uma estrela. Em Portugal arrisca-se a passar ao lado de uma carreira!!! É um ponta-de-lança puro, com um invulgar instinto para o golo, não é o mais rápido, não é o mais habilidoso, não é o melhor a jogar de cabeça, não é o mais forte, mas marca golos...!!!

100% Vitoriosos, na 1ª volta, da 2ª fase




Intercontinental - 2ª jornada



Não é normal perder 2 jogos em 2 dias, mas jogámos provavelmente com as duas melhores equipas do mundo. Hoje ainda por cima tivemos um jogador expulso. Relembro que estamos a jogar sem o César Paulo, e o Diece está sem ritmo. Amanhã vamos jogar com os Tailandeses, é para garantir o Bronze...

Cena bárbara

"Em Portugal, o futebol continua a jogar-se muito fora dos estádios. Joga-se nos cafés, nos locais de trabalho ou nos bancos de jardins. É irrelevante a hora e local mas esses jogos, além do barulho na exposição dos diferentes pontos de vista, nenhum malefício transportam. Pelo contrário, aliviam pressões do quotidiano e ajudam o cidadão comum a atacar com ânimo indefinidamente recuperado os sacrifícios que todos os dias e cada vez com mais violência lhe são impostos. O problema reside nos outros, nos que se jogam em surdina no lodo de obscuros interesses, em nome de princípios abomináveis e com o recurso a procedimentos que uma sociedade civilizada não devia tolerar. Foi prática corrente durante anos. Agressões a jornalistas só porque ousavam ter opinião discordante. Clima de intimidação que a justiça tolerou e deixou que se arrastasse no tempo. Parecia em vias de extinção, ou apenas adormecido, mas não. Mantém-se vigilante e diligente. Ontem, no exterior de conhecido restaurante na cidade do Porto, dois indivíduos encapuzados acercaram-se de Rui Gomes da Silva, vice-presidente do Benfica e por acaso antigo ministro do Governo da República, agrediram-no e avisaram-no para não voltar a dizer mal do Porto/clube. Fizeram o serviço com a destreza de quem revela traquejo a distribuir fruta e disparam dali para fora em viatura conduzida por comparsa que os esperava em ponto estratégico. Tudo feito à luz do dia e na presença de testemunhas. É este o País em que vivemos e é este o futebol que nos querem impor. Pode demorar, mas a verdade há-de triunfar, contra batoteiros, marginais e quem lhes der guarida. Não há lugar para eles. Ou o que se passou nenhuma ligação terá ao futebol... Pois, deve ter sido uma desavença gastronómica..."
Fernando Guerra, in A Bola
PS1: "Comunicado - Um acto cobarde (mais um)
O Sport Lisboa e Benfica lamenta e condena a acção cobarde de que foi vítima o seu vice-presidente Rui Gomes da Silva na tarde de ontem, no Porto.
Actos que anteriores decisões judicias incentivaram e que a impunidade de que alguns parecem beneficiar justificam.
Resistir aos cobardes é um acto obrigatório de todos aqueles que gostam de futebol e que apenas querem que o futebol português seja limpo dos marginais e seus mandantes."
in Site do Sport Lisboa e Benfica
PS2: Muito tem sido escrito sobre este incidente na blogosfera Benfiquista, os apelos têm sido muitos, e quase todos no mesmo sentido. Para que não fique dúvidas, escrevo aqui, que sou totalmente contra qualquer tipo vingança violenta, o Sport Lisboa e Benfica não pode começar a usar as mesmas armas sujas, que os criminosos estão habituados a utilizar. Aliás o patético discurso do Padrinho, só reforça a minha convicção!!! A estratégia da Camorra é incendiar o ambiente para os dois jogos na Luz, que ainda faltam realizar esta época, provocar ao máximo, criar um clima de guerra. Qual é o objectivo? Branquear os ambientes terroristas em Palermo. Se acontecerem agressões a autocarros, bolas de golfe, e outras coisas parecidas em Lisboa, os 'lavadores' profissionais irão usar toda a lixívia para passar a ideia que afinal: 'somos todos iguais'!!! O Benfica nada ganhará com vinganças, bem pelo contrário. Eles são especialistas, nasceram na lama, vivem na lama, e vão morrer na lama, dificilmente o Benfica 'vencerá' este tipo de conflitos!!! Existem outras formas de luta, não podemos cair na armadilha que está a ser montada com muita premeditação...!!!


Escutemos

"“O Benfica pensa que está acima da lei” – diz Pinto da Costa. O presidente do FC Porto puxa os seus galões de líder do campeonato, com 11 pontos de avanço sobre o rival, e faz reluzir a ideia de que o Benfica não tem razões de queixa da arbitragem de Carlos Xistra, deixando a sugestão aos árbitros para não marcarem presença nos jogos em que os encarnados joguem na condição de visitantes. Ironicamente ou talvez não, Pinto da Costa coloca-se ao lado das leis, do Sp. Braga, de Alan, de Carlos Xistra, do Roberto e dos árbitros em geral. Faz-se escutar. Quando “cheira a título” no Dragão.
Se o procurador-geral da República já disse, preto no branco, que admite poder ser escutado sem que haja fundamento legal para isso; se afinal Pinto Monteiro nos veio dizer que qualquer cidadão pode ser escutado sem autorização prévia de um juiz, em função de um indício criminal muito forte, as escutas só podem ser tratadas como piada. As pessoas riem-se?! E quem anda a rir-se de nós? Como nada disto é sério, fica a dúvida se a teatralização de Alan não corresponde apenas a mais uma – entre muitas – cenas de palco.
Os “atores” são bons. Para eles, o umbigo é um sinal que fica ligeiramente acima da traqueia, vizinha da Lei, a loura do quinto esquerdo. Os jovens estão à rasca, pagam para jantar, mas são corridos a pontapé. Metem bola em tudo, não é? Os jovens, está visto, é que andam a teatralizar, mas como é Carnaval, não faz mal, ninguém leva mal. E porque estamos na época do burlesco, se Jesus se antecipou ao rebuliço das matrafonas do Funchal, perdão, de Torres Vedras, é porque estava escrito nas estrelas. Pinto da Costa lembrou-se logo da Úrsula Menor, perdão, mil perdões, da Estrela Polar e, para muitos, nesta cena, derrotando os contestatários do guião, fez todo o sentido a entrada em cena do “arcanjo” Gabriel. Que não, diziam os guionistas do contra, favoráveis à entrada de Vieira. Porque a um presidente responde-se com um presidente. Porque, segundo eles, já chega esta sensação de que... quem se mete com o Pinto, leva.
Há os homens da luta, que ganharam o festival da canção, e há os homens com lata. Campeões da negação e da contradição e da negação da afirmação, numa roda gigante igual à da velhinha Feira Popular. O Mundo parece estar de pernas para o ar, mas o criado-mudo, multiplicado na Liga, não se importa de ficar de cabeça para baixo. Coisas de coreógrafo, que só não entende a colocação do Robertazo entre as velas do altar e os sofás do bordel.
Na República, há um presidente que toma posse e olha para as varizes de Portugal. Uma escandaleira! No Futebol, há dois presidentes, que deveriam morar pelo menos dois andares acima dos presidentes dos clubes, mas, com pose e sem posse, não dizem nada. “O País vive numa situação de emergência social’. A expressão parece corriqueira, mas, em nome da estabilidade (e da farsa), é preciso teorizar sobre o escândalo. Imaginam Madaíl dizer que “o Futebol (português) está em estado de sítio”? Pois não: o futebol, em Portugal, está bem e recomenda-se, porque, afinal, é preciso sorrir. Tudo isto não passa de teatro. Com muita lata e um pouco de... fruta, perdão, luta!"

Desconstrução - O anti-benfiquismo está bem vivo

"O clima de ódio que o Benfica sentiu no Estádio AXA deve envergonhar os responsáveis do Futebol português. A grandeza do “Glorioso” é demasiada para aqueles que nunca deixarão de ser pequenos.
A deslocação do Benfica, na última jornada do Campeonato Nacional a Braga, para defrontar o Sporting local, marcou mais um triste episódio no Futebol português. O clima hostil com que a comitiva e equipa “encarnada” foi recebida na cidade de Braga não deve passar despercebida aos mais distraídos, num Futebol português em que o factor Anti-Benfica demonstra que está cada vez mais assente em certos campos.
Ao contrário do que acontece no Estádio da Luz, em que para além da normal rivalidade entre clubes, o Benfica sempre se honrou em receber bem os seus adversários, é triste que, em pleno 2011, se assista a um “grupo de jagunços” que pretende continuar a cimentar a guerrilha Norte-Sul que por esta altura já devia ter sido erradicada.
Em sintonia com os tristes acontecimentos que marcaram as últimas deslocações do Benfica ao Estádio do Dragão, os nossos atletas foram recebidos no Estádio AXA com arremesso de vários objectos. As imagens televisivas foram claras em dois lances, com Cardozo e Carlos Martins a serem atingidos por uma bola de golfe e uma pulseira, respectivamente, tendo de ser assistidos.
Este é o clima de hostilidade que o Benfica vive no Futebol português há quase três décadas, fomentado por quem sempre quis vencer a todo o custo e para quem os meios justificam os fins. O dia 17 de Abril de 1982 ficará sempre marcado como o início da história mais negra do Desporto nacional, com a tomada de posse do primeiro mandato de Jorge Nuno Pinto da Costa.
Cedo a dupla de Pinto da Costa – José Maria Pedroto inflamou o ódio do Porto em relação ao Benfica e a Lisboa. Os campeonatos começaram a ser realizados em circunstâncias envoltas em polémicas, com maior vigor desde 1985. O “Sistema” nasceu e, década a década, foi criando condições de privilégio ao FC Porto a quem o mérito pelas vitórias esteve sempre assente em decisões fora dos campos.
Satelização e clima de ódio
Por tudo isso, inevitavelmente qualquer balanço sobre a equipa da Luz, época após época, obriga-nos sempre a falar, pela negativa, da arbitragem, pois o processo de 'desconstrução' não altera a sua essência. Esta temporada, devido ao facto de o Benfica entrar em campo como Campeão Nacional, as dificuldades cedo se fizeram sentir. Em especial no que diz respeito à má avaliação dos lances decisivos, quer a nível disciplinar, quer a nível técnico, que nos sonegam pontos e beneficiam, estrategicamente, o FC Porto.
A estratégia de Pinto da Costa em controlar as várias equipas do Campeonato Nacional, colhendo naturais benefícios, passou sempre nos últimos anos pela satelização de vários emblemas com a colocação de um elevado número de atletas emprestados. Nada de novo. A novidade tem sido nas últimas épocas a colocação de treinadores ligados ao FC Porto noutras equipas. Como exemplo, Domingos Paciência no Sporting de Braga ou Jorge Costa, na época passada, no Olhanense, que têm claramente como missão cimentar o clima de ódio nos seus campos na recepção ao Benfica.
Como se não bastasse, O Futebol português vive ainda momentos críticos com a arrastamento do processo de aprovação dos novos estatutos por parte daqueles que estão habituados a ocupar os lugares da decisão ao longo dos anos e a quem convém que tudo se mantenha na mesma. Caso os novos estatutos não sejam aprovados, todos os clubes, inclusive a Selecção lusa, estarão impedidos de disputar competições internacioanais.
TAMBÉM NAS MODALIDADES
Infelizmente, o clima de ódio que a equipa de Futebol do Sport Lisboa e Benfica sente regularmente em várias deslocações ao Norte do País é também vivido pelas diversas modalidades do Clube. O Hóquei em Patins, o Voleibol e o Futsal são disso exemplos, com os nossos atletas a sentirem na pele, nos últimos anos, a hostilidade dos adeptos adversários.
Quem não se lembra dos lamentáveis acontecimentos que tiveram lugar em Fânzeres nos últimos anos, com a nossa equipa de Hóquei a ser vítima constante, nas deslocações à casa emprestada do FC Porto, de agressões, cuspidelas do público e até de petardos. Por exemplo, no início da época 2007/08 um petardo rebentou durante o encontro da 2.ª mão da Supertaça António Livramento, em Fânzeres, entre FC Porto e Benfica, originou o abandono do jogador 'encarnado' Pedro Afonso. O Futsal sentiu durante anos um ambiente semelhante no antigo pavilhão do Choradinho nas deslocações ao terreno do Freixieiro, clube com fortes ligações com o FC Porto. Também no Voleibol, o clima que o Benfica tem sentido no Futebol nas deslocações ao Norte se fizeram sentir recentemente. Lembrar que, no passado dia 19 de Fevereiro, o autocarro 'encarnado' foi apedrejado à saída da cidade de Guimarães, após ter vencido o Vitória minhoto.
CASAS VANDALIZADAS
As Casas do Benfica também têm sido nos últimos tempos vítimas de actos de ódio cobarde, que, curiosamente, costumam ter lugar quando o Benfica se desloca ao Norte do País. Gaia, Ermesinde, Braga... são várias as notícias de Casas do Benfica vandalizadas. Recentemente, na deslocação do Benfica ao Minho, para defrontar o Sporting de Braga, a Casa do Benfica em Braga foi mais uma vez vandalizada."
José Pedro Verças e Marco Rebelo, in O Benfica

Até quando?

"Condicionamento do árbitro na semana anterior; violência e intimidação constantes desde as bancadas, com cuspidelas, arremesso de isqueiros, moedas e bolas de golfe, além dos tradicionais cânticos insultuosos; reiteradas provocações dos jogadores em campo, com entradas violentas e simulação de agressões; reacções acaloradas a cada lance, quer no relvado, quer no banco, procurando desestabilizar e desconcentrar a equipa adversária. Tudo isto se viu, uma vez mais, em Braga. Tudo isto configura um autêntico manual de como ganhar um jogo fora das quatro linhas. Tudo isto passou, uma vez mais, impune.
Não é preciso ser muito imaginativo para perceber a que fonte foi o Sp. Braga beber esta forma de actuar. Pode dizer-se que aprendeu depressa, pois, na verdade, o clima que cria a cada visita do Benfica só encontra paralelo no estádio daquele que é o seu principal aliado, e, ao que parece, sua referência espiritual.
Uns, tal como outros, não jogam futebol. Jogam ódio, jogam sentimentos de inferioridade, jogam complexos provincianos, e, sejamos justos, sabem-no fazer na perfeição.
Choca-me particularmente o que se passa nas bancadas. Não se trata de atitudes individuais. É sim uma cultura de clube, arquitectada e interpretada por gente sem nível. É algo que nada tem a ver com desporto, e a que urge pôr fim. Há seguramente adeptos do Sp. Braga (bem como do FC Porto), que não se revêem neste tipo de atitudes. Lamentavelmente não tenho a certeza de que ainda os possamos tomar como regra. Mais do que um problema futebolístico, há aqui um problema social, cultural e de polícia.
A comunicação social não está isenta de culpas. Por medo ou subserviência, confunde isenção com branqueamento, e continua a tratar como entidades de bem, clubes que, mau grado a sua história, se assemelham hoje a bandos odientos de párias e malfeitores. Será preciso que uma bola de golfe atinja mortalmente um jogador para que isto termine? A cada deslocação ao norte, vou perdendo a esperança que as coisas se modifiquem de outro modo."
Luís Fialho, in O Benfica

Mascarada

"Alguma vez teria de ser. Alguma vez o Benfica iria interromper a série impressionante de vitórias que fizeram do Glorioso a melhor equipa de futebol do mundo durante o mês de Fevereiro, na cotação da Federação Internacional de História e Estatística do Futebol. Alguma vez teria de acontecer. O que custa é que tenha acontecido como aconteceu. O Benfica perdeu em Braga e a derrota começou com uma decisão virada do avesso pelo árbitro Carlos Xistra: de uma carga brutal de Alan sobre Javi García, seguida de uma representação teatral de cordel do ex-portista e do seu treinador, Xistra tirou da cartola um vermelho directo para o benfiquista e um livre que deu o empate aos de Braga. Depois, foi só questão de fazer 'vista grossa' a mas umas quantas brutalidades, e de exibir mais uns cartões para condicionar a actuação da defesa do Benfica no jogo, e a formação da equipa na próxima jornada. Bem sabemos que tudo se passou no domingo de Carnaval mas a mascarada foi excessiva.
Mas neste jogo, para além da arbitragem, merece referência o comportamento de parte do público afecto ao Sporting de Braga: vários foram atingidos durante o encontro com bolas de golfe, criminosa, cobarde e impune prática que chegou a Braga. Estamos cá para ver o que vai resultar para os donos da casa do que o árbitro escrever no relatório a esse respeito. Mas o mais provável é que não aconteça nada. No Futebol, dominado pelo Sistema, banalizaram-se todas as formas de mentira e até de hooliganismo. Pois, se durante o jogo, sem que alguma vez tivesse uma palavra de condenação das agressões vindas da bancada, um comentador da TV galhofou com a situação dizendo que com tantas bolas de golfe no relvado aquilo parecia um masters!"
João Paulo Guerra, in O Benfica

Xtrema

"Tenho a certeza que o António Pedro Vasconcelos não se vai importar com o título da minha crónica, que plagiei do seu último programa no 'Trio de Ataque'. De facto, o xtrema (para os menos atentos, uma conjugação de Xistra+Sistema) parece estar de volta com o objectivo primário de arrumar, definitivamente, o Benfica neste Campeonato. O clima de horror e intimidação que se viveu no pré-jogo de Braga é algo que nos impede de qualificar convenientemente. Luís Filipe Vieira apelidou de 'jagunços' alguns mentecaptos que teimam em continuar a fazer mal ao Futebol português, eu, ao invés, prefiro chamar-lhes 'filhos do sistema', por tudo aquilo que representam e pelas ligações em rede que mantém activa uma célula de combate ao nosso Clube, no Norte do País. Estamos com isto a desculpablizar-nos? Não, claro que não. A minha análise é que o Benfica jogou bem, o suficiente para sair de Braga com mais três pontos e com a 19 vitória consecutiva no bolso, mas estava 'escrito nas estrelas' que a derrota estava iminente. Esta senda vitoriosa amedrontava muita gente, deixava-os inquietos. Colocava em perigo o que estava decidido há muito por certa 'nomenclatura' do Futebol português, - o Benfica não podia ser campeão duas vezes consecutivas - pois isso, poderia colocar em causa a hegemonia (mesmo que falseada) de terceiros. Todos sabemos que quando o Benfica acorda faz estremecer o País. Eles sabem isso. O importante é deixar-nos meio atormentados, com anestesia suficiente que não nos permita reagir convenientemente. Eles bem tentam mas não conseguem calar a nossa voz de revolta e que pugna, sempre, pela razão.
Repito, uma vez mais, que o que se passou em Braga, estava premeditado, ou tudo leva a crer que assim fosse. Carlos Xistra, com os auxiliares de Benquerença, empurrou-nos para fora do Campeonato. A expulsão de Javi Garcia, fruto de uma pressão grosseira e inaceitável do 'banco' do Braga, era algo que nos parecia inevitável. Os foras de jogo que nos impediram ir mais longe, constituíram momentos altos daquela noite memorável. A dualidade de critérios na amostragem de cartões roçou o absurdo e o patético. Ainda hoje me pergunto, como é possível o Braga ter conseguido chegar ao fim do jogo com os 11 elementos em campo? A resposta é fácil e só não vê quem não quer. Razão tinha Jorge Jesus quando disse em conferência de Imprensa que a estrutura do Braga se sentia muito confortável sempre que Xistra era nomeado para os seus jogos. Percebemos porquê. Ao contrário do que outros pensam, ou possam pensar, não andamos a dormir...
Faço sinceros votos para que a nossa prestação na Liga Europa, onde os jogos se costumam decidir dentro das quatro linhas, nos corra de feição e que os franceses do PSG possam sentir na pele, o poderio efectivo de uma grande equipa que põe em pratica um dos melhores 'futebóis' da Europa."
Luís Lemos, in O Benfica

sexta-feira, 11 de março de 2011

Lama preta nas estrelas

"Infelizmente, eu não sei como é que, concretamente, eles são pagos. Quem é que lhes estabeleceu as avenças, ou se se trata de acordos 'à peça'. Como é que são contactados. Que sistema de criptografia utilizam, e com tanta eficácia, para nunca terem sido apanhados pelas polícias de investigação e para que os tribunais não os castiguem depois, exemplarmente, com a prisão e a irradiação. Que sinais usarão uns e outros, como código comum, para se fazerem entender entre si e saberem, com muita ou pouca, mas com a devida antecedência, em que jogos têm de agir, sem falhas nem omissões.
Também não sei qual é, especificamente, a 'tabela dos serviços'. Mas imagino que se trate de uma grelha relativamente complexa. E que, ao longo dos tempos, em 30 anos, deve ter evoluído certamente a um ritmo muito superior ao da inflação. Quanto vale hoje um penálti decisivo, a meio do jogo, para empatar? E para definir uma vitória? Não sei. É claro que é também um segredo bem guardado. Mas deve representar um dos 'tickets' mais caros, seguramente. Quanto se paga por uma expulsão, assim ela seja determinada, por exemplo, na 1.ª parte ou na 2.ª parte? Nós não sabemos, mas representa uma autêntica fortuna. Se o Benfica for obrigado a jogar com dez atletas (ou com nove...)? Os preços deverão variar durante mais de 60, mais de 50, mais de 45, mais de 35, ou mais de 25 minutos? Também desconhecemos este parâmetros. Ignoramos, igualmente, quanto valerão os cartões amarelos simples - até cinco, ou mais de cinco, por exemplo. E quanto recebem os corruptos por 'amarelo e por 'vermelho', que levem a impedimento nos jogos seguintes. Se as 'faltas' são directamente assinaladas pelo artista principal ou por um dos seus acólitos. Ou quanto se paga por cada penálti, cada falta decisiva, cada 'amarelo' ou 'vermelho', ignorados e desculpados aos opositores do Glorioso.
Presumo que no secreto processo intervenham intermediários como aqueles personagens muito característicos nas cerradas estruturas marginais de província: ex-polícias, alguns advogados sem carteira e outros solicitadores tarimbeiros, enfim, gente dos bas-fonds à moda de Palermo, que tão frequentemente vemos matarem-se uns aos outros nesses meios. Todos usam uma metodologia rigorosa e negra, cujo conceptor - ao contrário do que hoje é atribuído e usurpado pelo próprio presidente do clube regional - terá sido o psicologista Zé do Boné, a quem, cadáver, raivosamente, já foram prometidas promessas incumpríveis...
A verdade é que a coisa se foi apurando e burilando, deixando de fora alguns ineptos ou mais fragéis que levantassem dúvidas e inquietações, mas seleccionando sempre os indefectíveis e os destemidos. A Justiça, pela sua inépcia e com inércia, foi-os deixando sempre imunes e impunes, à medida em que refinavam os modelos. E a eficácia que lhe garantia Campeonatos em Portugal, ante a incredibilidade e a passividade dos contendores mais directos e o medo dos mais frágeis, deixava irremediavelmente vencidos uns, e acossados e domesticados, os outros. E não apenas no Futebol. O mesmo se verifica acontecer durante muitos designadamente anos no ambiente do Basquetebol e nos cenários do Hóquei em Patins.
Depois da irrestrita aplicação da 'metodologia' no nosso País, ensaiam as primeiras tentativas bem sucedidas no estrangeiro, com a bonomia interesseira dos fora e dos seus corruptos agentes e gestores internacionais. É desse modo que assim vão conquistando vitórias escandalosas em 'competições' portuguesas e europeias. Sempre tudo garantido. Como na Juventus. E no Marselha...
Quando já no início do séc. XXI, surgem as primeiras suspeições, tanto a nível nacional como internacional, a aperreada moscambilha rapidamente abafa os rumores e sabe calar as desconfianças. Cá no burgo, uma farsa judicial de muitos meses acaba reduzida a nada. Em todo o caso, de alguma maneira, tremeram alguns dos elos mais fracos do Sistema que, durante o ano passado, como ratos, se esconderam e reduziram temporariamente, permitindo que o futebol escorreito e superior do Benfica não pudesse ser contrariado pelas iniquidades dos 'homens de preto', nem pelas luvas dos de 'colarinho branco', como nos últimos 25 anos tantas vezes sucedera. Tudo isto constitui matéria do senso comum.
Mesmo entre as suas hostes que, na anónima blogosfera, ao longo da segunda metade da época passada, bem clamavam pelo regresso a 'uma atitude mais firme'... O 'padrinho' porém, logo avisara no defeso entre as duas épocas que, novamente, tudo ia voltar a correr como sempre. E em Braga, na semana passada, foi o que se viu. Como assinala Luís Fialho na página 29 desta edição, fora o mesmo a abrir a Liga, na Luz, com a Académica; na Madeira, com o Nacional; em Guimarães, na 4.ª jornada; em nossa casa, com o Sporting, na 5.ª jornada seguinte, com o Marítimo, na Madeira. Além dos benefícios que, como é de suspeitar, foram directa e deliberadamente entregues ao clube das Antas logo nas primeiras cinco jornadas da Liga.
O trabalhinho essencial ficava pronto. De facto, com os seus poderes de xamã da rua da Lameira de Cima, o 'capo', ele próprio se encarregara de 'escrever nas estrelas' o destino que lhe convinha, antes que fosse mais tarde. Com a mesma lama preta que lhe suja as mãos e a imagem de clube regional, há muitos anos."
José Nuno Martins, in O Benfica

A Xistreza do Xistrema

"A época passada, o Benfica foi hegemónico, foi brilhante. Ainda assim, houve quem subestimasse o seu rendimento. Falou-se, provocatoriamente, no Campeonato dos túneis, falou-se, ainda em benesses da arbitragem. A equipa terminou muitos jogos em superioridade numérica? Foram favores ou antes a magia do futebol ofensivo?
E esta temporada? Para além do escândalo das primeiras jornadas, com autênticos roubos, sobretudo em Guimarães, o que se viu nos últimos campos? Um triunfo categórico no Dragão, mais a (injusta) expulsão de Fábio Coentrão, outro triunfo categórico em Alvalade, mais a (injusta) expulsão de Sidnei, admoestado com um indevido primeiro cartão amarelo. Agora em Braga? Após 18 vitórias consecutivas, o xistrema voltou a funcionar. Que fora-de-jogo foi aquele que levou à anulação de um golo de Jara?Que cartão amarelo foi aquele que Luisão viu na zona intermediária? Que expulsão foi aquela de Javi Garcia, num lance em que é mesmo o jogador do Benfica a ser vítima de uma infracção e, na consequência da inacreditável decisão, provocou o golo da igualdade do Sporting de Braga? Que lance foi aquele, ao qual Xistra turvou os olhos e que precedeu o golo da vitória do nosso antagonista?
O Campeonato está entregue, está ainda provado que não basta termos a melhor equipa. Podem entregar as faixas ao FC Porto, mas não esqueçam os responsáveis de as atribuírem também a Benquerença e a Xistra. Afinal, pela benquerença de quem manda, ao ordinário xistrema que continua a inquinar a verdade competitiva em Portugal."

João Malheiro, in O Benfica

Intercontinental - 1ª jornada

Carlos Barbosa 4 - 3 Benfica
Marinho(2), Joel

Ouvi através de uma rádio brasileira a 1ª parte do jogo, mesmo com a natural parcialidade dos comentários, deu para perceber que o Benfica assumiu a posse de bola durante todo o jogo, tendo os Brasileiros aproveitado em contra-ataque os nossos erros. Falhámos na concretização (inclusive um livre directo ainda na 1ªparte), 'demos' de avanço (tivemos a perder por 0-3), e o guarda-redes adversário foi o melhor em campo!!!
A nível interno a ausência do César Paulo tem sido 'compensada', mas a este nível as coisas complicam-se (esta equipa Brasileira tem dominado as competições Sul-Americanas nos últimos anos). Independentemente do resultado de amanhã, esta competição é um excelente 'aviso' para as dificuldades que vamos sentir na final da UEFA Futsal Cup (arrisco mesmo afirmar que se calhar, o grau de dificuldade desta Taça é superior, à UEFA Futsal Cup!!!). Saúde-se o regresso do Diece à competição após vários meses de ausência. Recordo que esta competição não é reconhecida pela FIFA, assim podemos continuar a afirmar que o Benfica esta época, está invicto em competições oficiais!!!

Objectivamente (Braguinha)

"A política de alianças que Pinto da Costa segue há muitos anos para fazer frente ao poderio do SL Benfica deve motivar a maior atenção de todos os Benfiquistas.
A forma como ele faz e desfaz acordos e se mete a prometer e dar ajudas aos amigos que vai apanhando pelo caminho, resulta em aberrações que têm feito muito mal ao SL Benfica e ao Futebol português.
Vem isto a propósito da jornada de Braga, onde tudo saiu bem aos provocadores - desde a escolha do árbitro Xistra às bolas de golfe, isqueiros e outros objectos atirados aos jogadores e adeptos do Benfica - à derrota injusta e inglória perante uma equipa que correu o triplo do que fizera há bem pouco tempo frente aos amigos do FC Porto.
Querem agora alguns dizer que afinal o Minho já não é vermelho e que, de repente, desapareceram todos os milhares de Benfiquistas que vibravam com os feitos das suas equipas de eleição: o Braga e o Benfica. Estão enganados!
Não é por causa de meia dúzia de energúmenos que se especializaram em atirar bolas de golfe e provocar os adeptos que não pertençam às cores da santa aliança PC/Salvador que vai desaparecer a paixão do Minho pelo Glorioso. É a região do País com mais Casas do Benfica e ninguém vai apagar de um dia para o outro aquele fervor clubístico que tem décadas!
As queixas do presidente do Benfica sobre a forma como foi provocado antes, durante e após o jogo no local que deveria ser de segurança máxima para os adversários, devem obrigar a Liga a tomar medidas sérias e não assobiar para o lado como tem feito.
É preciso manifestar, de forma veemente, a nossa indignação e não deixarmos que voltem a tomar conta disto os velhos dinossauros caducos e retrógrados que têm desgraçado o Futebol português nas últimas décadas."
João Diogo, in O Benfica

Dimensões

"No Minho tenho vários e bons amigos. É gente de grande dimensão humana, daqueles que fazem questão de espelhar na hospitalidade a honra e a verticalidade que os norteia na vida. No Minho, em Braga, o Benfica foi, mais uma vez, mal recebido. Foi recebido, de forma indigna e mal-educada, por gente pequena que espelha na hospitalidade a tacanhez e a vergonha que os norteia.
Tal como não aceito que se confunda Portugal com o Benfica – pois o Benfica é muito maior do que Portugal – não aceito que se confunda a cidade de Braga com o Sporting de Braga actual, pois este é muito mais pequeno do que a cidade que indignamente representa.
As atitudes parolas e incendiárias do speaker de serviço na ‘pedreira’ são eco da política de parolice e pateguice implementada pelo seu actual presidente, o primeiro responsável pela violência e pelo acicatar da jagunçada acéfala que, pelos seus actos, escarra na história do próprio clube.
Após dezoito vitórias consecutivas, o Benfica perdeu em Braga. Perdeu para um árbitro que, repetidamente, reproduz em campo as tendências anti-benfiquistas que desabafa em privado. Perdeu para uma parelha de árbitros assistentes que reproduziram em Braga uma incompetência calculada e idêntica à que apresentara em Guimarães. Perdeu para um clube que, actualmente, reproduz uma cultura bebida, apreendida e encomendada noutras paragens.
Como benfiquista, lamento a derrota. Como observador do futebol, lamento as circunstâncias da derrota. Como benfiquista, sei que nenhuma derrota nos abate. Como observador do futebol, sei que este tipo de vitórias, conseguidas com base na violência, abaterá o clube que as consegue.
Clubes que, como o actual Braga, cospem na sua história e subvertem a sua matriz acabarão como acabam todos os corpos que servem de hospedeiros aos parasitas que lhes sugam a vida."
Pedro F. Ferreira, in O Benfica

Concorrência desleal

"1. A princípio foram as escandalosas negociatas com o anterior presidente da Câmara do Porto (ainda em tribunal) para a construção do novo Estádio. Depois foi a oferta (à borla) do Centro de Estágio, às custas da Câmara de Gaia. Agora, o negócio com o Porto Canal para ter uma TV ao serviço sem custos. Chama-se a isto concorrência desleal, face aos rivais directos Benfica e Sporting, que tiveram que fazer grandes investimentos para ter estádio e centro de estágio e, no caso do Benfica, ainda um canal de televisão. Quantos milhões tiveram que ser gastos em juros de empréstimos contraídos para o efeito? Quantos jogadores não teriam adquirido com as verbas que o FC Porto já poupou?
2. O presidente do FC Porto continua a falar mais do Benfica do que do seu clube. Agora, com grande desfaçatez, referiu-se a túneis cobertos e descobertos. É a última pessoa com moral para falar, por tudo quanto se passou no velho Estádio das Antas (pelo menos...), a partir do momento em que passou a ser presidente. O nosso antigo dirigente Gaspar Ramos, que foi um dos que sofreu isso na pele, ainda há dias o recordava. E quantos não foram os árbitros fortemente pressionados e até agredidos? De qualquer forma, por muitas razões que tenhamos e muito pressionados que sejamos, cabe aos nossos jogadores e responsáveis tentar manter sempre a calma e não responder a quaisquer provocações. Há logo quem se aproveite para fazer campanha...
3. Muito estranha a saída de Leonardo Jardim do Beira-Mar. O presidente do FC Porto elogiou-o e é dado como futuro treinador do aliado SC Braga. O Beira-Mar estava satisfeito com a sua prestação e até queria renovar. Mas a 'chicotada psicológica' foi dada pelo técnico. A ver vamos...
4. Pronto. A questão do título está (mal) resolvida. Estava escrito desde as jornadas iniciais. Agora, nova 'Xistrada' colocou um ponto final nas dúvidas em mais um jogo marcado pelas bolas de golfe. Perante a ineficácia das (muito meigas) multas da Liga, dá vontade de pedir aos nossos jogadores que levam com as bolas que não mais se levantem e 'obriguem' a que os conduzam de maca até aos balneários... A ver se acordam certas consciências."
Arons de Carvalho, in O Benfica

Ventania

"Na semana em que comemoramos o 107.º aniversário da prodigiosa história do Benfica, estamos a viver um dos ciclos mais notáveis do nosso triunfal ecletismo. Preciosas vitórias em Hóquei, Voleibol, Andebol, Futsal e Basquetebol, mas também noutras modalidades como Atletismo, Triatlo, Judo e Ténis de Mesa ou Natação, dos escalões de Formação até às equipas profissionais, cumprem, agora de modo sistemático, o máximo desígnio do Glorioso, num dos mais exaltantes momentos do seu historial.
Mas este ciclo de vitórias a que, nos dias mais tristes do passado recente, reiteradamente aludi nestas páginas, constituía uma onda inexorável que era fácil de prever, à medida em que sistematicamente via implantar no Clube a visionária estratégia traçada pelo presidente Luís Filipe Vieira. Muito, no nosso seio, que há três ou quatro anos apenas se preocupavam com a sucessão das pequenas derrotas desportivas, sem atenderem às profundas reformas a que a Direcção de Luís Filipe Vieira ia procedendo, não hesitaram mesmo, em verberar então a mensagem de confiança que alguns (poucos) persistíamos em afirmar, nesses momentos difíceis.
Vemos agora que a sagacidade e eficácia do presidente vieram potenciar de modo, inédito e exclusivo, todas as valências profundas que, anos demais, permaneceram adormecidas e desprezadas no interior do Benfica. E uma das mais diferenciadoras do presidente Vieira foi cedo ter compreendido, ainda durante os dois primeiros ciclos das suas presidências - da refundação e da construção -, que as vitórias que um dia voltaríamos a alcançar, não poderiam resultar apenas da sistemática acção dos nossos gestores, das virtudes dos formadores, da aplicação dos conhecimentos científicos das equipas médicas e, nem sequer, apenas do esforço e, do talento dos atletas, ou da capacidade táctica, da acção psicológica e dos métodos de treino e de solução dos seus treinadores.
A ventania de vitórias que define o Benfica como único Clube português com autêntica dimensão mundial, teria de voltar a ser sustentada na formidável massa crítica que o própria universo dos Sócios do Benfica consolida.
É isso que se tem verificado. Em torna de cada equipa, em cada jogo, em cada campo ou pavilhão, na Luz ou por esse Mundo de Cristo, os próprios treinadores confirmam que os primeiros impulsos, como as derradeiras reservas de esforço dos nossos atletas são sempre, mas sempre, oriundas dos corações e das gargantas dos dedicados sócios do Benfica, num impressionante registo de solidariedade e de dedicação, sem igual. Trezentos mil, avançou Luís Filipe Vieira ante a incredubilidade de muitos e os mais acabado e impotente despeito dos nossos adversários. Ora, por este andar, lá chegaremos! E quem sabe, se ainda antes do final de 2011..."
José Nuno Martins, in O Benfica

Remar contra a maré !!!





Muito honestamente, já estou cansado destas 'remontadas'!!! Por favor, para a próxima, vamos ver se não damos de avanço...!!!

Com vários jogadores presos por 'arames', temia muito este jogo. Creio que até à paragem para as Selecções, nenhum jogo vai ser fácil. Até o Portimonense do Azelha nos vai dar muito trabalho!!! Já estou a imaginar no Domingo, a defesa com Luís Filipe, Jardel, Sidnei e o Coentrão (ou mesmo o Peixoto!!!). E o Airton à frente... Eu defendi a rotação de jogadores, no último mês. Como hoje ficou provado, colocar jogadores a 30% da sua capacidade normal não é solução, é preferível ter um jogador com menos potencial, mas a 100%... Veja-se o PSG, também tem jogado 2 vezes por semana, mas tem feito uma grande rotação de jogadores, normalmente 4 ou 5!!! E hoje durante várias fases do jogo, foi visível a diferença na velocidade de reacção, entre as equipas...

O jogo desta noite foi estranho, começamos horrivelmente, Sofremos um golo, e podíamos ter sofrido mais. Até que um petardo no topo Sul acordou toda a gente (finalmente um petardo, com algum sentido!!!), a segunda metade da 1ª parte já foi boa. Intervalo. Voltámos a entrar a dormir. Com 'brancas' atrás de 'brancas', com grande destaque para o Sidnei!!! Felizmente voltámos a 'acertar', marcámos o golo da vitória, e podíamos ter marcado ainda mais...
Pelo inconformismo a equipa merecia um vitória mais alargada. Existem dias (ou noites) onde tudo sai mal, uma recepção, um passe fácil, um corte simples, tudo. Hoje, parecia que ia ser um destes jogos, mas a fé, o querer e a ambição deste grupo é ilimitada. E foi com muito coração, que conseguimos dar a volta... Mais uma vez, tivemos Super-Maxi !!! (estou sem fé nenhuma, o cab* do empresário vai nos fod* outra vez!!!)
O PSG é uma boa equipa do meio-campo para a frente, na defesa parece frágil, tenho confiança que vamos marcar em Paris. Mas é necessário fazer alguns ajustamentos. Este 4-3-3 que o PSG joga é igualzinho aos Corruptos, e nestes quase dois anos do Jesus no Benfica, é esta a estratégia que mais dificuldades cria ao Benfica. Já o Estugarda na Luz 'surpreendeu' jogando desta forma...

Para quando uma arbitragem 'caseira' na Luz?!!! (na Europa, porque em Portugal já desisti de esperar!!!) Só em Estugarda tivemos uma arbitragem decente, tanto este ano, como ano passado tem sido uma vergonha. Recordando o jogo em Marselha, prevejo o pior para o Parque dos Príncipes!!!
Hoje, além do penalty descaradíssimo sobre o Saviola, ainda tivemos que 'apreciar' o Javi Garcia a fazer 'escadote'!!! No Estádio ainda fiquei com dúvidas sobre mais lances na área Francesa, mas nos resumos não apareceram!!! Apesar da TV não querer mostrar, o golo do Luyindula, é irregular, ele está ligeiramente fora-de-jogo (curiosamente em Moscovo a equipa da casa foi prejudicada, com um golo anulado, por fora-de-jogo mal assinalado!!! O Benfica curiosamente não tem estas 'sortes'!!!).



Highlights - MyVideo

Xistra, atribulações de um árbitro do regime

"SORTES diferentes para os dois Arsenais esta semana. O Arsenal de Londres foi gamado em Barcelona com a expulsão de Van Persie e o Arsenal de Braga foi beneficiado com a expulsão de Javi Garcia no jogo com o Benfica. No final dos respectivos jogos, o treinador do Arsenal de Londres atirou-se ao árbitro Massimo Busaca mas o treinador do Benfica nem sequer perdeu muito tempo a discorrer sobre o árbitro Carlos Xistra. Fez bem, Jesus.
Em todo o mundo os adeptos quando se sentem aldrabados tendem sempre a enveredar por teorias da conspiração.
Assim sendo, os adeptos do Arsenal de Londres justificam o insucesso alegando que está tudo feito de modo a que a UEFA faça o seu jackpot em Maio promovendo um Barcelona-Real Madrid a engalanar a próxima final da Liga dos Campeões.
Por seu lado, os adeptos do Benfica justificam o desaire em Braga alegando que, este ano, está tudo feito para que o Campeonato organizado pela Liga de Clubes mais não seja do que um edição comemorativa das absolvições em tribunal de todos os acusados do Apito Dourado.
Adeptos e teorias da conspiração à parte, do estrito ponto de vista da justiça do jogo, Jorge Jesus tem mais razões para lamentar de que Arsène Wenger. O Arsenal de Londres foi a Barcelona e em 90 minutos de jogo não fez um único remate à baliza - o seu golo nasceu de uma cabeçada infeliz de Busquets que desviou a bola para a sua própria baliza.
Já contra o Arsenal de Braga, o Benfica jogou muito bem na primeira parte, dominou facilmente o adversário, viu um lance de golo mal anulado a Jara, rematou à baliza adversária mesmo quando esteve reduzido a 10 elementos por toda a segunda parte. Isto para não referir a expulsão de Javi Garcia e, no mesmo minuto, a falta erradamente assinalada que motivaria o golo do empate dos donos da casa.
O presidente do FC Porto veio rapidamente defender o guarda-redes do Benfica de responsabilidades no insucesso da equipa em Braga. O que se compreende.
É preciso dar valor a quem o tem e fazer de Roberto o «culpado» é roubar o mérito devido a Carlos Xistra o que é, no mínimo, uma grande injustiça porque esteve impecável tendo em conta a situação.
Xistra, por exemplo, é um árbitro da situação. É um árbitro do regime e tem-se notabilizado por isso mesmo- Entenda-se por regime o estado a que isto chegou dentro e fora das quatro linhas, enfim, pelo país todo.
Vítor Pereira, por exemplo, não terá gostado do último trabalho de Xistra e deixou-o de fora na próxima jornada. Não se percebe bem porquê.
E como hão-de os árbitros aplicar com uniformidade os critérios, se o presidente dos árbitros não faz o mesmo? Na jornada anterior ao Braga-Benfica o mesmo Xistra deu um festival de disparates no Nacional-Sporting,recebeu nota negativa e, como prémio, foi nomeado para dirigir o jogo que acabaria com as pretensões dos campeões à renovação do título.
Agora, que o campeonato está entregue, o castigo a Xistra, a ida para a jarra, é um preciosismo desnecessário por parte do presidente dos árbitros do regime. Não se entende o que terá falhado na arbitragem em Braga para que o juiz mereça semelhante desconsideração.
É evidente que não pode haver arbitragens perfeitas porque o futebol vive do erro.
Mas também é verdade que se Xistra quisesse ter sido quase-perfeito teria de ter a sagacidade necessária para, no tempo de descontos, aí pelos 92 minutos do jogo, ter expulsado um jogador do Sporting de Braga. Um jogador qualquer, tanto fazia para o caso. E poder-se-ia dizer, para sempre, que apenas se tratou de um jogo com duas expulsões «polémicas», uma para cada lado. Entenda-se que o regime é democrático!
Foi o único pormenor que falhou.
Mas isto também já era preciosismo a mais.
LÊ-SE nos jornais que há gente com responsabilidades no Benfica que quer pôr fim rapidamente ao contrato com a Olivedesportos.
Eis um tema que já poderia estar resolvido há dez anos quando o Benfica desistiu da sua justa causa depois de o Tribunal da Relação lhe ter dado razão naquele histórico litígio que marcou o consulado de Vale Azevedo.
Foi, de facto, uma pena esse reatar incondicional de relações comerciais com a Olivedesportos depois de uma decisão judicial favorável às pretensões ao Benfica. A Olivedesportos, esse «FMI do futebol português», como tão bem e tão inteligentemente António Oliveira, numa entrevista recente, definiu a empresa do irmão.
Acontece, muito simplesmente, que o Benfica, muito antes de a Olivedesportos ser o «FMI do futebol português», detinha precisamente o mesmo estatuto porque era e é o Benfica, com a sua força incomparável em número de adeptos, quem sustentava e sustenta os mercados: o mercado da comunicação social desportiva, o mercado das transferências, o mercado das bilheteiras dos demais clubes, o mercado das transmissões televisivas e por aí fora...
E se ainda hoje é o Benfica que continua a sustentar todos estes edifícios não se compreende, à luz da razão e da aritmética simples, como foi possível entregar a terceiros essa posição invejável.
É, na verdade, incrível como é que o Benfica, que não perdeu o número dos seus adeptos e que, em linguagem modernaça e objectivamente comprovada, é a marca comercial mais forte do país, declinou a sua posição ímpar em favor dos interesses financeiros e desportivos da Olivedesportos ou de quem quer que fosse.
Ciclicamente, melhor dizendo, sempre que o Benfica sofre um desaire significativo - como o último de Braga que marca a entrega do título ao FC Porto -, os benfiquistas são informados através dos jornais de que as altas estruturas da SAD estão a equacionar o rompimento desta ligação contra-natura com a empresa de Joaquim Oliveira.
É evidente que no dia em que a Olivedesportos não tiver o Benfica na sua lista de famintos e agradecidos, deixará de ser aquilo que é. E que, nesse mesmo dia, o Benfica também deixará de ser aquilo em que, ao demitir-se voluntariamente do seu estatuto, se deixou transfigurar.
Que esse dia chegue em breve.
E, de preferência, de surpresa.
PINTO DA COSTA no Aeroporto. Para onde irá ele? Para Santiago de Compostela? De fugida até à Galiza? Não, senhor. Vai apanhar um avião para Moscovo. E, de fugida, fala aos jornalistas e diz: «O Benfica julga-se acima da Lei.»
Bonita frase proferida por quem não está acima da Lei.
E depois admiram-se que os Homens da Luta ganhem o Festival da Canção.
HOJE é dia de Liga Europa para três clubes portugueses e, com devido respeito pelo Paris Saint Germain e pelo CSKA, terá sido ao Sporting de Braga que calhou o adversário mais complicado. Isto se só ligarmos aos nomes e, não haja dúvida, os nomes em futebol têm muito peso.
Domingos Paciência, o treinador do Sporting de Braga, não se tem mostrado minimamente assustado com o nome do Liverpool a afirmou-o com convicção: «Se vencemos o Benfica podemos vencer qualquer um.»
É uma frase que merece uma análise rápida. Em primeiro lugar, registe-se a inteligência de Domingos Paciência reconhecendo ao Benfica uma forte qualidade como equipa.
Em segundo lugar, registe-se na mesma frase a falta de humildade de Domingos Paciência que, no que respeita ao triunfo sobre o Benfica, não admite partilhar com ninguém.
Nem com o árbitro Carlos Xistra nem com o fiscal-de-linha José Cardinal que, imbuídos do mesmo espírito com que se apresentaram em Braga, tanto jeito dariam hoje ao mesmo Braga no jogo com o Liverpool."
Leonor Pinhão, in A Bola

quinta-feira, 10 de março de 2011

Eles vivem

"Ao longo do jogo que opôs o Sporting de Braga e Carlos Xistra & C.ª ao Benfica, no passado domingo, foram várias as vezes que me recordei de um filme de John Carpenter, o já clássico “Eles vivem”. Na fita, há uma enorme campanha que visa entorpecer a Humanidade e que só é detetável através da utilização de uns óculos especiais, que um zé-ninguém descobre por acaso, começando aí a sua cruzada de denúncia contra os que querem evitar a exposição da verdade. Mais: muitos dos agentes dessa forma subliminar de manter o “statu quo” são, na verdade, monstros alienígenas, os únicos que lucram com a dolência inconsciente dos humanos.
Primeiro, foi a repetição milimétrica dos métodos usados noutra sede – um “speaker” que recusa dizer o nome do Benfica e que incita as suas massas com o jogo a decorrer; uns “snipers” golfistas estrategicamente colocados, e desta vez para acertar, que nos permitiram ganhar consciência de que Pinto da Costa e António Salvador podem concorrer ao “Guinness”, como dono e encarregado, respetivamente, do maior “green” do Mundo, que vai do Dragão ao Estádio Axa; e depois, Xistra...
Se Jara vai a caminho da baliza de Artur, tendo ganho o lance pela sua rapidez e não por qualquer vantagem posicional irregular, não importa – assinala-se o off-side. Se Javi vem sendo um dos esteios do Benfica de combate, cansado mas empenhado, não há qualquer problema – aproveita-se uma jogada de contacto com Alan e deixa-se vir à superfície o talento dramático deste (pena que os óscares tenham sido uma semana antes), perfeito se descontarmos o pequeno deslize de ter começado a queixar-se do peito e ter acabado em aflições da garganta. Mas isto anda tudo ligado, não é? Não há problema, dizia: expulsa-se o espanhol, correspondendo à lesta solicitação do banco do Braga. De resto, desde o banco aos jogadores, toda a gente estava mais nervosa e mais rápida do que na recente receção ao FC Porto. Mais Xistra? A simples circunstância de – num quadro disciplinar que conseguiu até dar uma cartão amarelo a esse perigoso caçador que é Javier Saviola – Hugo Viana, Kaká e Miguel Garcia terem terminado a partida é revelador de um critério que mais pareciam... dois.
Xistra nunca devia ter pisado o relvado bracarense numa partida destas, uma vez que nem sequer do ponto de vista “dos galões” é competente para um jogo em que já se adivinhava a pressão. E o Benfica, mesmo que viesse a deixar escapar o triunfo na Liga, não merecia – pela qualidade do futebol praticado, por ser o clube que mais ajuda a manter os estádios cheios – ser afastado desta forma vergonhosa e que alguns sentenciarão como premeditada. O problema? É que eles vivem, mesmo que haja quem os não queira ver."

Migalhas do fim-de-semana !!!

Conclusão iluminada da semana:
"Carnaval, uma época do ano em que podemos ver na televisão tantas brasileiras despidas como os árbitros da primeira divisão ao fim-de-semana."
Bruno Nogueira, in Tubo de Ensaio na TSF.



Via: Joseph Lemos, BimboLagartada

Tenho o prazer de informar os leitores, que o animal asqueroso que aparece no vídeo (seguinte), ao visitar a minha terrinha, foi escorraçado, de tal maneira que duvido muito que tenha vontade em voltar!!! Devido a uma inesperada velocidade, demonstrada na fase da retirada, fugiu a uns valentes pontapés no focinho!!! É um orgulho ter vizinhos e amigos com este elevado sentido de decência, que perante a presença deste espécimen ao vivo, não se tenham 'encolhido'!!! Um grande abraço Xota, que ainda na Meia-Final da Taça da Liga com os Lagartos, comigo ao teu lado, animaste de forma 'única' todo o sector 26, no Piso 3!!!



"... E nem só o Benfica terá ficado com dúvidas em relação ao lance. Tal como o CM noticiou ontem, o próprio António Salvador, presidente do Sp. Braga, comentou na Tribuna VIP do Estádio Municipal de Braga: "Nem falta [de Javi] foi, quanto mais expulsão."

Via: Planeta Benfica

Para terminar: o Braga foi multado em cerca de 7900 euros, por todas as cobardes atitudes tomadas durante o jogo, resumindo mais uma vez ficam impunes (interditar campo é que não!!!), pois para a próxima vão repetir tudo, provavelmente ainda com mais violência.

O Benfica como é hábito também foi multado, em cerca de 2700 euros!!! Eu pergunto, porquê? Por termos sido roubados?!!! Por termos sido agredidos?!!! Jogadores e adeptos. Não li nenhuma notícia referindo-se a algum mau comportamento por parte dos adeptos do Benfica, mas mais uma vez o Benfica é multado...

A 'isenção' da Sport TV

"Se me imaginasse a ser narrador de um jogo de futebol, seria, por certo, despedido sem apelo nem agravo.
A razão é implacavelmente simples: não conseguiria ser ou parecer imparcial nos jogos em que interviesse o Benfica ou seus directos rivais.
Por isso, admiro todos os profissionais que, mesmo com a sua paixão clubísta, são capazes de ser independentes e isentos. Artur Agostinho, assumido sportinguista, é, ainda hoje, o símbolo dessa exigência e capacidade. Mas conheço profissionais que, actualmente, são exemplos desta imparcialidade. Benfiquistas, sportinguistas e portistas.
Infelizmente, também deparamos com quem disso não é capaz. Sobretudo no mais exigente escrutínio, a televisão. O caso recorrente é o da Sport TV. Há lá profissionais que nem sequer disfarçam a sua cor preferida. Por regra, azul. Quando lhes convém, não há repetições de lances duvidosos. Ou, ao invés, há repetições até fartar. Uma mesmíssima falta é «agressão» nuns casos, para nem sequer ser comentada noutros. O penalty, a mão na bola ou o fora-de-jogo, ou são «claríssimos», ou não «podemos tirar uma conclusão». Há tempos, tal eram os nervos do homem que, não tendo a (sua) equipa ganho o jogo, terminou dizendo «com esta vitória...». E no domingo, assistimos a um silêncio sepulcral sobre a insólita marcação de falta e expulsão de Javi Garcia, a palhaçada de Alan, e não só... Uma lástima!
Que venha, depressa, o fim do contrato que, ainda, obriga o Benfica a transmitir os jogos da Luz, na dita Sport TV. E esta, que se funda com o Porto Canal, em circuito mais ou menos fechado. E bom proveito!
ET - Xistra & Cardinal aceitaram arbitrar em Braga, depois de recusas de outros árbitros. Porque será?"
Bagão Félix, in A Bola

quarta-feira, 9 de março de 2011

"Impronunciável" !!!


"Sobre declarações de Pinto da Costa
João Gabriel: “Foi condenado por corrupção activa pela justiça desportiva”

O director de comunicação do Sport Lisboa e Benfica, João Gabriel, respondeu esta quarta-feira às recentes declarações de Pinto da Costa relativamente à instituição “encarnada”, lembrando aos mais esquecidos quem tem estado acima da lei.
O presidente do FC Porto criticou a reacção do Benfica ao trabalho do árbitro Carlos Xistra na partida com o Sp. Braga. Para João Gabriel, “essa é uma afirmação que atinge a instituição no seu todo e não o departamento de futebol do Benfica, nem a equipa de futebol profissional”.
“Essa afirmação tem tanta credibilidade como uma outra qualquer que esse senhor possa vir a fazer nos próximos dias, em que diga que o casamento é para toda a vida. Há palavras que deviam queimar na boca de algumas pessoas e, portanto, acho que a palavra lei na boca desse senhor devia ser impronunciável”,
prosseguiu o director de comunicação do Sport Lisboa e Benfica.
Para aqueles que têm memória curta, João Gabriel fez questão de recordar o passado de Pinto da Costa. “Estamos a falar de alguém que foi condenado por corrupção activa pela justiça desportiva. Estamos a falar de alguém que foi acusado e que só não foi condenado pela justiça civil, porque esta não considerou as escutas como meio de prova, escutas em que ficou exposto uma rede de favores sexuais, corrupção, tráfico de influência e por aí a fora. Portanto, acho que em relação a quem está acima da lei, debaixo ou ao lado, acho que estamos conversados”, lembrou.
O director de comunicação afirmou ainda que tinha o presidente do FC Porto “como uma pessoa mais inteligente, ao ponto de não querer reabrir um processo em que fica manifestamente mal na fotografia”.
João Gabriel acrescentou que “o Benfica não está acima da lei, mas também exige ser tratado com respeito, isenção e critério”, lembrando que o Clube “foi empurrado em alguns jogos”."

The King

"Homenagear Eusébio não é só obrigação, é um dever e um prazer. Deixo-vos dois episódios. Treinados por Fernando Santos, fomos jogar uns quantos-de-final da Taça UEFA a Montjuich, com o Espanhol. Uma hora antes do jogo, estádio quase vazio, estava no camarote presidencial a falar com Eusébio quando um grupo salta a vedação da tribuna de imprensa em direcção a nós de forma furiosa: eram jornalistas da rádio e da televisão que queriam... autógrafos e tirar fotografias com Eusébio. Nem entrevistas, nem questão, simplesmente estar com ele e dizer-lhe quanto o apreciavam. Quem com ela priva perde noção da dimensão que tem. Dois anos antes, numa mítica deslocação a Liverpool, fui com Eusébio no voo da equipa. Quando aterrámos, ele saiu à frente, com a direcção do SLB, seguido pelos jogadores e adeptos. Chegados ao controlo da fronteira, o polícia viu Eusébio e, incrédulo, abandonou o posto para tirar uma foto. Em segundos, vários polícias se juntaram, e os restantes passageiros acabaram por passar sem mostrar passaporte. 'Rei' é 'Rei' quando se está em terras de Sua Majestade. Di Stefano considera Eusébio o melhor de sempre, Eusébio retribui esse tributo ao madrileno - uma coisa é certa, não é possível fazer a constelação dos mais cintilantes sem lá pôr Eusébio da Silva Ferreira. Mais que um símbolo do nosso clube, ou mesmo do nosso País, Eusébio une sentimentos de quem gosta do futebol e do desporto em todo o mundo da maneira singular, de uma forma só ao alcance de quem está mais perto dos deuses do Olimpo do que dos humanos da Terra. Um enorme abraço, Eusébio, e obrigado por tudo."
Sílvio Cervan, in Mística

Não saiam de cá

" 'Não saias daí', disse-me o meu pai no dia 21 de Outubro de 1981, apontando para o meu lugar, quando, após uma viagem longa, vindos da aldeia, chegámos ao nosso lugar no Estádio da Luz, para vermos o Benfica - Bayern de Munique. Nesse tempo, os estádios era sítios inóspitos, onde se apanhava frio, chuva e vento e fumava muito. Quando chovia, era difícil ver o jogo pelo meio dos guarda-chuvas.
O desporto era futebol e o futebol era coisa de, e para, homens de barba rija. Trinta anos depois, vejo diariamente, nos campos e pavilhões do SLB, centenas de miúdos e graúdos a praticar vários desportos, crianças e adolescentes que vão para o estádio pela mão dos pais.
O Benfica foi o único clube em Portugal que percebeu o que tinha de ser feito: não construiu apenas um estádio, construiu uma realidade amiga das mulheres e das famílias. Desde o momento em que entramos no estádio, tudo é fácil e confortável: bons estacionamentos, superfície comercial, os únicos pavilhões climatizados que conheço no País, quentes no inverno, frescos no verão.
'Não saias daí', dizemos hoje nós aos nossos filhos, enquanto treinam futebol, basquetebol, hóquei ou fazem natação. Mas, 30 anos depois, não ficamos no carro a fazer croché, Podemos ir ao ginásio, fazer alguma compra de última hora, tomar um café ou pormos a conversa em dia com os outros pais.
E depois há o estádio - já não há chuva, frio, nem vento. Temos conforto: limpeza, bares e instalações sanitárias em profusão. Ir ao futebol, ou ao basquete, é uma festa, uma festa das famílias.
Não foi por decreto que se conseguiu que as mulheres gostassem de desporto e, já agora, que o pratiquem e que levem os filhos aos estádios e aos pavilhões. Num País de pouco desporto e muita obesidade e diabetes, o feito notável não foi obra de nenhum governante ou político. Nasceu unicamente na cabeça dos dirigentes dos clubes, que perceberam a importância de trazer as famílias inteiras para o estádio e para o desporto.
Extraordinariamente, este facto básico, típico das sociedades mais ricas e desenvolvidas, não tem sido percebido por governantes e elites portuguesas, que não compreendem o papel insubstituível dos clubes na prática desportiva em geral: não há nenhuma incompatibilidade entre prática desportiva e sucesso académico nos jovens, pelo contrário. Teremos uma sociedade melhor com pessoas mais capazes e mais bem formadas, com comportamentos menos tóxicos.
O Benfica não ficou agarrado à chave do sucesso do passado. Já não se trata só de 'ir à bola', mas de passar a semana no complexo desportivo, desfrutar, gastar dinheiro e chegar a casa, ver e rever o sucedido na Benfica TV.
O Benfica percebeu que o sucesso desportivo no século XXI significa agarrar as emoções dos sócios, dos adeptos, dos simpatizantes, tratando-nos muito bem, dizendo-nos, de mansinhos, 'não saiam de cá'. E nós, enquanto formos tão bem tratados, não saímos. Ou melhor, nós até podemos sair, mas a mística não sai de nós."
Sofia Rocha, in Mística

Muito mais que um vencedor

"Borges Coutinho
O presidente que fica para a história como sendo um verdadeiro gentleman, mas também um vencedor que liderou o clube durante uma das melhores fases da vida benfiquista.
Duarte António Borges Coutinho. Um nome eternamente ligado à história do Sport Lisboa e Benfica. Sócio do clube desde 1959 e posteriormente 'vitalício', era um homem extremamente educado, tendo mesmo sido considerado por alguns como um verdadeiro gentleman. Um exemplo do que deve ser fair-play, mas, acima de tudo, um representante dos mais nobres valores do Sport Lisboa e Benfica, clube que sempre amou, respeitou e com o qual se identificou quer ao nível das atitudes quer ao nível da forma como o entendeu.
Uma boa pessoa... um grande presidente
De excelente trato social, representou de forma muito digna o clube junto das mais altas instâncias sociais, políticas e desportivas em Portugal, mas também um pouco por todo o mundo. Proposto pelo sócio Francisco Mata, desempenhou em 1964 um cargo na Direcção dos Assuntos Administrativos e Instalações Sociais. Foi também administrador do jornal e vice-presidente da Comissão Central. Dados que reforçam uma forma de estar e de ser que não se esgotava numa única acção, mas prolongava-se, sim, em diversos conceitos de interacção e de ajuda ao próximo, além de uma proactividade que ainda hoje é relembrada com carinho pelos sócios mais antigos do Sport Lisboa e Benfica.
A 12 de Abril de 1969 os sócios elegeram-no presidente da direcção, o que voltou a acontecer em 3 de Julho de 1971, 31 de Março de 1973 e 24 de Junho de 1975. Em 1973-1974 pertenceu à Comissão da Sede, tal como em 1975-1976. Momento marcante, a nível pessoal, a atribuição da Águia de Ouro, através de proposta aprovada na assembleia geral de 14 de Março de 1973, pelos relevantes serviços prestados ao clube.
Um vencedor nato
Borges Coutinho foi também o homem que ganhou títulos e mais títulos ao serviço do Benfica. Numa altura em que Eusébio deslumbrava nos relvados, Borges Coutinho desenvolvia o trabalho invisível que permitia a uma super-equipa dar nas vistas e conquistar troféus atrás de troféus. Foi um momento de glória da vida do clube, com a equipa de futebol a assumir-se claramente como uma das melhores da Europa, além de deter o poderio interno que deixava a concorrência por terra.
Reconhecimento máximo pelo trabalho desenvolvido, foi o nome que baptizou um dos mais míticos pavilhões da história benfiquista. Quem não se lembra do velhinho Pavilhão Borges Coutinho? Um pavilhão que durante anos e anos ganhou asas na memória daquele que foi um dos grandes presidentes do Sport Lisboa e Benfica."
Ricardo Soares, in Mística

Os tempos mudaram

"Na última jornada dos campeonatos da Liga, houve muito registo disciplinar a assinalar. Mas nada de especial se passará. Diz-se no meio que a palavra de ordem é “pacificar”. Nada de muitas ondas para ninguém se zangar muito… Tal como no país – e, vezes de mais, nos tribunais –, assim seja na bola. E na justiça desportiva de 2011, claro está.
Ninguém agora exige celeridade. Agora ninguém conta os dias e os meses desde que se instauram os processos até à sua decisão final. Nem vale a pena, porque é desnecessário. De 1 a 2 meses de duração média em regra dos processos (até os mais complexos) – o legado da Liga anterior –, já estamos novamente nos 3, 4, os meses que calharem – a herança de 2006, portanto. Agora é mais fino aludir à necessidade de cumprimento dos prazos nos processos, mesmo quando não há prazos para cumprir e apenas conta a diligência e a disponibilidade de quem os dirige – é o caso dos inquéritos. Quando há prazos (mesmo que indicativos), também não há que fazer nenhum esforço para saber da sua razoável execução. Para quê?
Agora também ninguém fala de sumaríssimos, de simulações, de golos com a mão. Desapareceu isso tudo? Podia ter sido o caso, mas não foi. A última jornada foi fértil. No jogo V. Guimarães-Académica, um jogador pontapeou sem bola um adversário e os árbitros não viram – o agressor deve ter percebido que este ano pode bater à vontade e, se escapar ao árbitro, escapa à lei. No jogo Oliveirense-Leixões, um jogador marcou um golo com o braço e a sua equipa ganhou 1-0. Na mesma partida, um jogador simulou manifestamente um penálti inexistente, mas assinalado. Não houve tumulto nem rebuliço. Os jogadores já apanharam o essencial: o que é preciso é fazer com jeito e, depois, ninguém falar muito. Porém, o Regulamento Disciplinar continua em vigor, sem que se tivessem rasgado os quinhões pertinentes. Continuam lá os arts. 173.º, 5, e 124.º, 2 e 3. Continua lá a actuação por iniciativa própria da Comissão Disciplinar nos sumaríssimos por condutas que constituam risco grave para a integridade física dos agentes ou grave atentado à ética desportiva. Continuam lá os castigos por simulações de penálti que não existem e por obtenção de golos por parte do corpo não admitida pelas leis do jogo. Não parece, mas continuam. De todo o modo, há também quem diga que nada se faz ou, quando algo se faz, tudo é muito demorado. Porque há medo de decidir. E, como o tempo é o melhor conselheiro para suavizar os males, está bem assim. Talvez por isso alguns continuem a infringir, sem temor de reincidir. E outros se juntem à confusão. Como se viu no fim do Benfica-Marítimo. Na expectativa de que ninguém dê grande importância e, se assim for, não tenha ficado nada de relevante nos relatórios. E escapar. Ou esperar que a Liga “castigue” com base num regulamento “desconhecido” – como, no jogo da Luz, multar ambos os clubes pela violação do dever de correcção que incumbe pessoalmente aos seus agentes e não aos clubes…!!
Os tempos mudaram. E, no ensinamento de Maquiavel, antes que esta mudança dê origem a outra, há que aproveitar. Em nome da paz. Assim seja!"

Ricardo Costa, in Record

O farolim

"Domingos Paciência foi o primeiro a lamentar que o Sporting de Braga não atuasse sempre com a motivação que o Benfica lhe desperta. Os jogadores enaltecerem o feito de terem interrompido a longa série de triunfos do adversário, com o decisivo Mossoró a confessar ter explodido de raiva. Jorge Jesus já tinha, aliás, previsto que os minhotos iam entrar para o “jogo da época” e não se enganou. O Benfica está para a Liga portuguesa como o farol de Finisterra para a frota do bacalhau. Aponta o caminho e dá ânimo ao mais desorientado dos timoneiros, servindo de referência para o bem e para o mal a todo o tipo de navios – almirantes, mercantes ou simplesmente recreativos – com um enorme altruísmo, traduzido no velho aforismo publicitário: “e eu a vê-los passar”.
Uma das curiosidades que sobra desta jornada para a seguinte consiste em avaliar o rendimento do próximo jogo dos bracarenses. Braga e Guimarães foram até agora as únicas equipas que conseguiram vencer na jornada a seguir a defrontarem o Benfica – sendo que a maioria realizou exibições confrangedoras (com derrotas), acusando sobremaneira a “concentração” na partida mais importante da época. Neste mesmo fim-de-semana, depois de uma resistência titânica no Estádio da Luz, o Marítimo perdeu em casa e, segundo o seu treinador, esteve “apático e amorfo”.
Numa breve consulta aos últimos sete anos, em que o Benfica ganhou dois campeonatos e o FC Porto quatro, verifica-se que os adversários dos portistas perdem muito menos vezes (mais de 25% de diferença) na jornada seguinte. Por um lado, não sofrerão tanto desgaste físico, por outro, os resultados frente aos dragões, esmagadoramente traduzidos em derrotas, não lhes afetarão tanto a psique. Talvez, defrontar o Porto não seja tão motivador, não justifique tanto empenho, não garanta tanto retorno.
..."

terça-feira, 8 de março de 2011

Grande atitude




Contra provavelmente o adversário nacional mais difícil no momento, o Benfica não deu qualquer hipóteses. Olhando para o resultado, até pode parecer que o jogo foi fácil, mas isso só aconteceu porque a equipa demonstrou uma tremenda vontade de resolver as coisas cedo!!! Várias sequências com muita sustentação de bola, com muitos 'dig's', e com grandes blocos. Um Benfica imparável...
A final da Taça será disputada com o Sp. Espinho.

4ª jornada - Juniores - Fase Final

Nada está perdido, os Corruptos também já lá perderam, mas é necessário começar a pontuar nos jogos mais complicados...

segunda-feira, 7 de março de 2011

NeoBlanc 22

Tabela Anti-NeoBlanc:

Benfica......... 51 (-12)... 63
Corruptos..... 59 (+12)... 47
Sporting........ 36 (+6)... 30
Braga............ 31 (+3)... 28




A manipulação dos resultados em Portugal, começa com a dependência de alguns Clubes em relação aos Corruptos-mor. Seja ela dependência financeira, sejam as negociatas com empresários, sejam 'favores' desportivos, seja simplesmente má-fé, não interessa, em Portugal um número elevado de Clubes na primeira divisão, depende directamente do Padrinho, ou do Quim Oliveira. Venderam a alma ao Diabo, conscientemente, e todos os dias prestam contas. Como consequência directa, estes Satélites 'motivam-se' em alguns jogos e 'abrem' as pernas outros, existem semanas onde os planteis são varridos por lesões, e noutras semanas jogadores cronicamente lesionados recuperam milagrosamente, em alguns jogos 'espumam' pela boca, noutros jogam anestesiados. Tudo isto até podia ser resultante de uma tremenda incompetência, mas o curioso é que nestes 'esquemas' os beneficiados são sempre os mesmos, o Fruta Putedo e Corrupção.
Será que o Ukra se lesionou a semana passada? Será que o Braguinha recebeu uma visita da AdoP? (estou à espera da ressaca na próxima Quinta-feira) A esta promiscuidade doentia junta-se o ambiente terrorista criado artificialmente à volta dos jogos do Benfica, sobre a equipa, com ameaças e agressões concretizadas, e também sobre os adeptos, criando cenários dignos do 4º Mundo!!!
Isto teoricamente deveria ser suficiente para decidir os vencedores em Portugal, estas manobras normalmente só por si, são suficientemente graves para declararmos a viciação da classificação.
Mas em Portugal existe uma variável extra, chama-se Benfica. Só um grande Benfica, perante todos estes obstáculos consegue ganhar, inclusive consegue ganhar 18 vezes de seguida, e isso obriga a trabalhos extra por parte dos jagunços dos Corruptos. E nesta época mesmo depois dos trabalhinhos nas primeiras 4 jornadas, efectuados pelo Cosme, pelo Proença, e pelo Olarápio e pelos seus respectivos acompanhantes, foram rogar ao Xistra para 'acabar' com o Campeonato, e este com toda a seu afã, não se negou, bem pelo contrário...
Num País civilizado, tudo isto seria facilmente desmascarado (não esquecer que a 'não denuncia' destas situações é ser cúmplice das mesmas), mas como o que se passa no Futebol e no desporto em geral, é um espelho perfeito da sociedade Portuguesa, o branqueamento, e a desculpablização são automáticas, e quando a isto se junta campanhas orquestradas para 'ilibar' este tipo de comportamentos criminosos, pouco se pode fazer, até porque o poder politico, e judicial está metido até à ponta dos cabelos, em todas estas trafulhices. A valorização da xico-espertice, combinada com a falta de condenação social dos ilícitios, leva à impunidade geral. A perversão do mérito é de tal ordem, que ontem por exemplo no final do jogo, fomos obrigados a ouvir o Choramingas a falar em transições, largura, e outros disparates para tentar justificar uma competência que nem ele, nem a equipa teve. Não sou ingénuo ao ponto de pensar que existirá uma lei que consiga acabar com a Corrupção ou afins. Só com comportamentos exemplares, vindos de 'cima': Políticos, Magistrados, Policias, Jornalistas, Instituições, etc. se pode diminuir este tipo de criminalidade. Dignidade no cumprimento das suas funções, e honradez são ideais cada vez mais distantes. Mas é exactamente neste campo onde o SL Benfica tem uma função importantíssima: a responsabilidade social do Benfica, não pode ser medida somente pelo trabalho na nossa 'nova' Fundação, o comportamento dos nossos dirigentes, atletas, e adeptos deverá ser exemplar, sempre, em todas as circunstâncias. E por isso, apesar da derrota de ontem, senti muito orgulho em ser do Benfica. Os nossos jogadores não andaram à peitada aos árbitros, os nossos adeptos não partiram cadeiras, nem destruíram estações de serviço... Este Benfica exemplar poderá ser a última possibilidade de salvação desta sociedade cada vez mais suja. Li alguns desabafos apelando a actos de vingança, é muito importante, essencial, que nos dois jogos na Luz com os Corruptos esta época, não existam vinganças, o Benfica nada ganha com isso, bem pelo contrário, baixar ao nível da escumalha acéfala não trará nenhuma vitória ao Benfica.
É inaceitável que Benfiquistas usem o resultado de ontem para atacarem mais uma vez a Direcção, e o Roberto. Mais uma vez confundem o acessório com o essencial, dando argumentos aos propagandistas Corruptos. Escrevi após o jogo em Guimarães que o Benfica não ia ser Bi-campeão (é daquelas coisas, onde não me importava de estar errado), ter o Benfica conseguido levar a incerteza do titulo até à 22ª jornada, é digno dos mais rasgados elogios, heróico, só a muita competência dos jogadores, dos treinadores, e da Direcção fez com que em Março o campeonato não esteja matematicamente decidido. Seria impossível esta incerteza 'passar' a última jornada, até porque os Corruptos vão ter jogos decisivos para a Liga Europa, e agora já não têm condições para antecipar, ou adiar jogos do campeonato!!! Nestas circunstâncias, e antecipando a festa do título que será feita pelos assumidamente Corruptos (é bom não esquecer), espero que todos sejam convidados, assim o plantel mais valioso da Liga, composto pelo Olarápio, o Sousa, o Soares Dias, o Proença, o Cosme, o Vasquinho, o Elmano entre outros não pode faltar, a dedicação como contribuíram para o título faz com que mereçam a respectiva faixa de Campeão!!! Pessoalmente acho que as Putas, também devem estar presentes, afinal o sucesso deve-se ao colectivo!!!


O apoio à equipa nos próximos jogos é fundamental, os jogadores tem que perceber claramente que nós estamos com eles, os jogos com PSG vão ser muito complicados, porque nós estamos em défice físico, mas também porque eles estão a jogar bem, provavelmente o melhor PSG desde dos tempos do Valdo e do Weah!!! Mesmo o jogo com Portimonense (apesar do Azelha!!!) não vai ser fácil, sem o Maxi, sem o Luisão, e sem o Javi ...


Nesta colectânea, só discordo quando se compara a falta do Kaka sobre o Cardozo (que dá o golo do Benfica), com o cartão amarelo ao Luisão, pois o Kaka agarra os braços do Cardozo, e o Luisão não toca no Lima. No video também não aparece a torpe, premiditada, e incendiária campanha que a Direcção do Braga fez durante a semana. 'Atirando-se' ao Xistra quando já sabia que a 'encomenda' estava feita, numa já 'velha' manobra de diversão. Só posso compreender as declarações abonatórias do nosso Presidente, sobre o Pedreiro Salvador como uma tentativa de 'quebrar' o laço entre Corruptos A, e Corruptos B, algo que na minha opinião é completamente impossível. O Benfica deverá ter uma política de alianças com outros Clubes, mas com os Bracáros não vale a pena. A maneira como o Benfica voltou a ser tratado pelos adeptos contrários, com os incentivos através da instalação sonora, prova a premeditação dos actos, e a total anuência dos dirigentes do Clube visitado.
Relembrando os lances mais importantes: começou com um golo mal anulado ao Jara, depois a expulsão absurda do Javi Garcia, numa jogada onde sofre falta (a defesa que Lagartos e Corruptos fazem em conjunto neste lance, só confirma aquilo que eu digo à muito tempo, e que leva alguns amigos e familiares a acusarem-em de exagerar: Qualquer bosta mal cheirosa do mundo animal, tem mais verticalidade, ou dignidade do que qualquer Andrade, ou Lagarto). Terminando numa falta descaradíssima sobre o Airton, no início do ataque que dá o segundo golo aos Corruptos B. Ficando por expulsar o Sílvio, o Kaka, e o Hugo Viana por acumulação de amarelos. Na minha opinião o pontapé do Mossoró no Coentrão é para vermelho directo!!! Em condições normais, o resultado final seria no mínimo 0-2 favorável ao Benfica, não incluindo as consequências das expulsões.

adenda: Fora do video ficou ainda um fora-de-jogo mal tirado ao Cardozo, logo no início do jogo.



No antro da Corrupção, além de mais uma vitória à rasquinha, com uma 'goleada' nos amarelos 8-0 !!! Só um golo nos descontos, com duas bolas em campo mais uma vez, tranqualizou as hostes !!! Não vi o jogo, mas alguém de confiança disse-me que o primeiro amarelo ao central do Vitória foi mal mostrado, já que o Álvaro Pereira tropeçou nas suas próprias pernas. Com o Super-Dragay Sousa a apitar nada me espanta, mas mesmo assim, acabou por não ter uma influência significativa no desenrolar do jogo, pelo menos 'primeira vista'!!!


As preces do Couceiro foram ouvidas, mandaram-lhe um Pacheco da sempre prestável A.F. Porto, com dois ajudantes de qualidade, e a 'seca' de oito jogos sem ganhar terminou!!! Golo mal anulado ao Beira-Mar, Evaldo coloca o avançado em jogo. Aqui mais uma vez tivemos a incompetência da Sport TV a pôr a linha do fora-de-jogo no sítio errado !!! Não existe penalty sobre o Matias, e nem sobre o Chinês de Aveiro. Penalty mal marcado a favor dos Lagartos, a bola desvia nas costas do Saleiro, impossível retirar o braço. Fora-de-jogo mal tirado ao Postiga, o 'simulador das caxinas' ainda remata à baliza, mas existe um defesa do Beira-Mar que desiste do lance após a marcação da falta, não me parece uma situação de golo mal anulado, ainda por cima o Beira-Mar já estava a jogar com menos um jogador, injustamente, porque ambos os amarelos foram mal mostrados!!!
Resultado 'verdadeiro' 0-1 para o Beira-Mar !!!


Anexos:

Benfica

1ª-Académica, Prejudicados, Com 3 pontos
2ª-Nacional, Prejudicados, Com 3 pontos
3ª-Setúbal, Prejudicados, Sem influência no resultado
4ª-Guimarães, Prejudicados, Com 3 pontos
5ª-Sporting, Nada a assinalar
6ª-Marítimo, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado
7ª-Braga. Nada a assinalar
8ª-Portimonense, Prejudicados, Sem influência no resultado
9ª-Paços Ferreira, Beneficiados, Sem influência no resultado
10ª-Corruptos, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado
11ª-Naval, Prejudicados, Sem influência no resultado
12ª-Beira-Mar, Prejudicados, Sem influência no resultado
13ª-Olhanense, Prejudicados, Sem influência no resultado
14ª-Rio Ave, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado
15ª-Leiria, Prejudicados, Sem influência no resultado
16ª-Académica, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado
17ª-Nacional, Prejudicados, Sem influência no resultado
18ª-Setúbal, Prejudicados, Sem influência no resultado
19ª-Guimarães, Prejudicados, Sem influência no resultado
20ª-Sporting, Prejudicados, Sem influência no resultado
21ª-Marítimo, Prejudicados, Sem influência no resultado
22ª-Braga, Prejudicados, Com 3 pontos
Corruptos

1ª-Naval, Beneficiados, Com 3 pontos
2ª-Beira-Mar, Beneficiados, Impossível de contabilizar no resultado
3ª-Rio Ave. Beneficiados, Com 2 pontos
4ª-Braga, Beneficiados, Com 2 pontos
5ª-Nacional, Beneficiados, Impossível de contabilizar no resultado
6ª-Olhanense, Nada a assinalar
7ª-Guimarães, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
8ª-Leiria, Prejudicados, Sem influência no resultado
9ª-Académica, Nada a assinalar
10ª-Benfica, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
11ª-Portimonense, Nada a assinalar
12ª-Sporting, Prejudicados, Com 2 pontos
13ª-Setúbal, Beneficiados, Com 3 pontos
14ª-Paços de Ferreira, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar no resultado
15ª-Marítimo, Nada a assinalar
16ª-Naval, Nada a assinalar
17ª-Beira-Mar, Beneficiados, Com 2 Pontos
18ª-Rio Ave, Beneficiados, Com 2 pontos
19ª-Braga, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar no resultado
20ª-Nacional, Prejudicados, Sem influência no resultado
21ª-Olhanense, Nada a assinalar
22ª-Guimarães, Nada a assinalar
Sporting

1ª-Paços de Ferreira, Nada a assinalar
2ª-Marítimo, Nada a assinalar
3ª-Naval, Beneficiados, Com 2 pontos
4ª-Olhanense, Beneficiados, Com 1 ponto
5ª-Benfica, Nada a assinalar
6ª-Nacional, Nada a assinalar
7ª-Beira-mar, Nada a assinalar
8ª-Rio Ave, Nada a assinalar
9ª-Leiria, Prejudicados, Sem influência no resultado
10ª-Guimarães, Beneficiados, Sem influência no resultado
11ª-Académica, Nada a assinalar
12ª-Corruptos, Beneficiados, Com 1 ponto
13ª-Portimonense, Nada a assinalar
14ª-Setúbal, Nada a assinalar
15ª-Braga, Beneficiados, Com 2 pontos
16º-Paços de Ferreira, Prejudicados, Com 3 pontos
17ª-Marítimo, Beneficiados, Impossível contabilizar no resultado
18ª-Naval, Nada a assinalar
19ª-Olhanense, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
20ª-Benfica, Beneficiados, Sem influência no resultado
21ª-Nacional, Beneficiados, Sem influência no resultado
22ª-Beira-Mar, Beneficiados, Com 3 pontos
Braga

1ª-Portimonense, Nada a assinalar
2ª-Setúbal, Nada a assinalar
3ª-Marítimo, Beneficiados, Com 2 pontos
4ª-Corruptos, Prejudicados, Com 1 ponto
5ª-Paços de Ferreira, Nada a assinalar
6ª-Naval, Nada a assinalar
7ª-Benfica, Nada a assinalar
8ª-Olhanense, Beneficiados, Sem influência no resultado
9ª-Rio Ave, Nada a assinalar
10ª-Beira-Mar, Prejudicados, Com 2 pontos
11ª-Guimarães, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
12ª-Nacional, Beneficiados, Com 2 pontos
13ª-Leiria, Nada a assinalar
14ª-Académica, Nada a assinalar
15ª-Sporting, Prejudicados, Com 1 ponto
16ª-Portimonense, Nada a assinalar
17ª-Setúbal, Nada a assinalar
18ª-Marítimo, Nada a assinalar
19ª-Corruptos, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar no resultado
20ª-Paços de Ferreira, Nada a assinalar
21ª-Naval, Nada a assinalar
22ª-Benfica, Beneficiados, Com 3 pontos