Últimas indefectivações

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Muito complicado, resultado enganador




"Os Invencíveis"


Amarelar

"Repenso os dois últimos jogos do Benfica, no Porto, para a Taça, e em Setúbal, para o Campeonato e, pergunto-me, como é possível que árbitros tão ferrabrases como Paulo Baptista e Cosme Machado, que amarelaram de alto a baixo a equipa do Benfica, tenham permitido a permanência em jogo de indivíduos com comportamentos brutais como os de Belluschi e Ney Santos, entre outros. Ambos protagonizaram cenas de bestialidade que mereciam a expulsão mas ficaram impunes. O brasileiro - sem ser preciso ser entendido em linguagem labial - percebeu-se que acrescentou à brutalidade alguns mimos dedicados à mãe, eventualmente, do árbitro que lhe assinalou uma falta (ou à progenitora de um adversário, o que também seria merecedor de sanção).
E assim vai a equipa do Benfica ficando carregada de amarelos, sem a correspondente contrapartida para os adversários. Dá mesmo para desconfiar que haverá quem sonhe ver o Benfica amarelado de cima a baixo, em vésperas de um jogo decisivo. E então, um homem do apito pode, eventualmente, determinar a constituição da equipa do Benfica na jornada seguinte, como aconteceu numa semana do ano passado. Recordam-se da ala esquerda, Coentrão e Di Maria, afastada à força de cartões do mesmo jogo com o Porto, o que só não deixou o Benfica desasado porque Urreta jogou pelos dois?
Cheira-me que haverá quem ande a cogitar coisa semelhante. De maneira que é conveniente que digamos, desde já, das tribunas às que quais temos acesso, que estamos a perceber a jigajoga, que entendemos como funciona a traquitana bacoca e senil do Sistema, que já os vimos."
João Paulo Guerra, in O Benfica

Considerações

"Tal como tinha previsto, estamos a um pequeno passo do Jamor, com boas perspectivas na Taça da Liga e sérios candidatos à Liga Europa. Na Liga portuguesa, vamos ver se ainda há tempo para remediar o mau começo de época, que o careca Machado, no Domingo, mais uma vez, tentou atrapalhar, com atitudes corrosivas para nos travar o passo. A figurinha dele, com um risco de alarve, quando nos anulou o golo limpo, assemelha-o mais a um 'primata' já em decadência.
O nosso atletismo lá limpou desta vez os sub-23 e fomos vice-campeãs europeias de corta-mato, em femininos. Parabéns a Ana Oliveira e à nossa menina Telma Monteiro que lá ganhou mais uma medalha, em Paris.
O nosso Râguebi feminino lá conseguiu mais um Campeonato Nacional, e em Andebol passámos às meias-finais da Taça de Portugal.
Finalmente, o David Luiz foi transferido, foi na hora certa e foi um grande negócio do nosso presidente. Agradecemos ao David Luiz o empenho e o profissionalismo com que sempre defendeu a nossa camisola e desejamo-lhe as maiores felicidades desportivas. Foi para um clube apenas mais 'rico' do que o SLB. Não há Clube nenhum no mundo que tenha a grandeza e a dimensão do nosso. Aí, os que saem, vão sempre para clubes menores. O Alguidar engoliu um elefante com esta venda do David Luiz. Quem lhe viu as fuças, na segunda-feira, dia 31, na TV, em 'O Dia Seguinte', não pode deixar de reparar no aspecto macabro que estas transmitiam para o ecrã. E com razão. É que foram 25 milhões a pronto mais o resto que virá que irá roçar os 40 milhões. Mas o fuçanheiro irá ter mais surpresas. Aguardemos!
O Fuínha disse que tinha de ganhar nem que fosse com um golo metido com a mão. Que novidade!!! Foi assim nos últimos 30 anos."
José Alberto Pinheiro, in O Benfica

Invenções...

"1. Jorge Jesus 'inventou' no Dragão, colocou o 'odiado' (por alguns) César Peixoto em lugar-chave e o Benfica manietou o FC Porto e ganhou, dando um passo importante rumo à final do Jamor. Grande exibição, plena de determinação. Hulk pouco pôde fazer- É, sem dúvida, um bom jogador mas daí aos 85 milhões que um clube inglês tinha preparados para ele, segundo a mais hilariante capa de 'A Bola' de sempre (foi há escassas semanas), ainda vai uma grande distância.
2. Claro que, no Dragão, voltaram a haver bolas de golfe, isqueiros e outros objectos atirados para o relvado, em direcção aos benfiquistas. A SportTV bem tentou ocultá-los, apenas mostrando alguns nas mãos do árbitro, numa só ocasião, mas eles foram bem perceptíveis a cair, em várias alturas, com o jogo a decorrer. No regresso a Lisboa, o autocarro do Benfica voltou a ser atingido.
Depois, claro, há multas ligeiras e tudo passa até à próxima. Do presidente do clube prevaricador, obviamente, nem uma palavra condenando os incidentes nem, antes, um pedido de contenção aos adeptos. Provavelmente, até gostaria que fizessem pior...
3. No próximo domingo, o FC Porto vai a Braga. É de esperar que Domingos não passe o jogo a olhar para o chão... E que o FC Porto não ganhe com um golo marcado com a mão. O seu treinador, segundo afirmou, não se importaria. Claro. Não se importou nada ganhar já várias vezes esta época com penalties inventados, penalties não marcados e até penalties repetidos...
4. O Sporting tentou adquirir o passe de Kléber, até ofereceu mais que o FC Porto, mas o Atlético Mineiro não vendeu e, pior, o seu presidente mentiu. O Marítimo publicou a documentação, desmentiu o presidente do clube brasileiro e até falou em 'saco azul', referindo-se, não só, à cor do dito mas, claro, ao clube de onde vêm as verbas. Curiosamente, o Sporting, o principal prejudicado (mais uma vez - Paulo Assunção, Moutinho, André Villas-Boas...), comeu e calou... E ainda há as declarações (corajosas) de Carlos Pereira, presidente do Marítimo, referindo ameaças de que foi vítima. Que também não surpreendem..."

Arons de Carvalho, in O Benfica

O Caneco fugiu...



Para piorar o cenário ainda fomos obrigados a jogar um prolongamento!!! Mesmo em gestão, dando mais minutos aos menos utilizados tivemos o 'passáro na mão', permitimos o empate nos últimos segundos, e depois não tivemos 'pernas' nos 5 minutos extra...
Num torneio com algumas excentricidades, com os resultados de hoje, amanhã voltamos a jogar com os Corruptos!!! Aliás amanhã, repentem-se os jogos de ontem...!!! Repito, a prioridade deverá ser o jogo de Terça-feira com o Ventspilis, mas uma vitoriazinha amanhã até pode dar algum alento...!!!

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Esclarecedor


Fonte: Eu só quero o Benfica Campeão

O caminho para o título ajudou muito a obter estes resultados, mas isto só foi possível com muito profissionalismo por quem dirige o Benfica, e da inigualável militância dos adeptos do Benfica.
Mesmo 'amputados' das merecidas receitas televisivas, mesmo 'prisioneiros' de um mercado interno muitíssimo limitado, mesmo condicionados por resultados desportivos abaixo do nosso potencial nas últimas décadas (devido essencialmente a factores externos ao Benfica), conseguimos estar entre os primeiros na Europa...
Costumo defender que Portugal, e os nossos adversários, não 'merecem' o Benfica. Quando nós os Benfiquistas, reclamamos publicamente a nossa dimensão gigantesca, nacional e internacionalmente, costumamos ser ridicularizados pelos anti-Benfica, mas de vez em quanto, aparecem 'provas' como estas, e nestas alturas, só ouvimos 'silêncio'!!!

Fitas boas

"Há fintas e há fitas. Normalmente as segundas impõem-se quando as primeiras falham e, sobretudo, quando falham clamorosamente. A águia levantou voo e foi mostrar ao dragão que não há vencedores antecipados, mesmo quando jogam em casa e não conseguem dissimular o triunfalismo, que acaba sempre por ser uma forma irritante e provinciana de arrogância. A águia tinha umas contas para acertar e não podia, nem queria, deixá-las adiadas. Foi a jogo e ganhou o jogo, nem sequer se mostrando ou sentindo inferiorizada por estar em inferioridade numérica. Quando uma águia está firmemente determinada a ganhar, até com uma asa apenas consegue cumprir esse desígnio.
Continuando no domínio, sempre meio poético, da linguagem metafórica, poderá dizer-se que há estrelas que sobem e outras que entram em ciclo descendente. O homem é o único ser da Natureza que consegue fitar o sol, mas deve ter cuidado ao fazê-lo para não ficar cego pelo excesso de luz que lhe aquece e preenche o ego. O ego deve ser ainda mais contido e controlado quando não se tem obra feita que permita 'cantar de galo', muito menos na presença altaneira de uma águia a sério.
Vai daí, as fintas deram lugar às fitas, e até os que dizem 'incríveis' começaram a atirar-se para o chão, simulando faltas que nunca existiram e fingindo uma indignação que só o mau perder talvez seja capaz de justificar.
Dói muito perder em casa, sem ser por acaso, quando se recebe quem está a jogar melhor e nem sequer precisa de 'cantar de galo' para evitar que o dragão vomite labaredas de convencimento pelas narinas abertas ao vento.
Esta podia ser uma história simbólica, com personagens fortes, para contar às crianças. Mas, vendo bem, é muito mais do que isso. É a história do voo de uma águia que não desiste de ver o seu esforço engrandecido com a coroa de um título renovado. E não há fitas boas que cheguem para iludir o olhar de quem sabe ver e julgar.
Fitas... só mesmo no cinema, mas se possível de muita qualidade."
José Jorge Letria, in O Benfica

Sem vergar nem quebrar

"Na minha Beira Baixa natal, aprendi, pelo exemplo, o que representava ser um povo da ‘rama do castanheiro’. Entre a teimosia de não vergar e a resistência epidérmica a quebrar está uma crença telúrica de que vivemos o Mito de Anteu porque, independentemente de onde nos encontremos, trazemos connosco as encostas da Serra da Gardunha. E, quando tudo parece perdido, sabemos que desistir não é opção.
Olho para o nosso Benfica, sinto a inabalável crença do benfiquismo e encontro essa mesma crença, essa mesma fé, essa mesma cepa comparável à estrutura de quem é feito da ‘rama do castanheiro’.
Ninguém pode desistir no meio da tempestade. Ninguém pode olhar para o atraso pontual no campeonato e renegar a cepa do benfiquismo, desistindo. E ninguém o está a fazer. A equipa luta com a abnegação de quem, contra a frieza dos números, tem uma crença total nas suas próprias capacidades para renovar o título de campeão nacional. Nós, os benfiquistas, acompanhamos a equipa nessa crença. Adeptos e equipa vão a par nesta teimosia de não quebrar nem torcer diante das adversidades. Perante esta demonstração de fé inabalável, os adversários demonstram-se nervosos, desorientados e receosos.
Os que se dizem observadores imparciais (como se os houvesse…) demonstram cepticismo e chamam ilusão a toda esta fé e obstinação do benfiquismo. Não percebem que, como escreveu Miguel Torga, “Triunfar é ir cego para a meta, contra a força dos próprios impulsos. Os deuses do êxito, quando nos abençoam, querem-nos tão desalmados como eles.”
É assim que nos sentimos, abençoados pelos deuses do êxito, sabendo que triunfaremos se mantivermos este sonho, esta ousadia de nos recusarmos a ver a derrota, de nos recusarmos a vergar e quebrar. Tal como aprendi com o povo da ‘rama do castanheiro’, tal como aprendi com o benfiquismo."
Pedro F. Ferreira, in O Benfica

Continua a maratona !!!

Benfica 64 - 73 Corruptos
Reed(16), Ramos(10), Heshimu(10), Jenkins(8), Minhava(5), Carreira(3), Eky(3), Tavares(3), Mascarenhas(2), Elvis(2), Williams(2)

A história repete-se, nas vésperas de um importante compromisso Europeu, o Benfica é obrigado a fazer 3 jogos num 'fim-de-semana'!!! Ridículo...
Os Corruptos estavam 'picados' pela última derrota, e portanto demonstraram mais 'vontade' em ganhar o jogo, no meio de uma arbitragem super incompetente, o factor motivação acabou por ser decisivo, num jogo nivelado por baixo.
Apesar da derrota, os Corruptos ainda não ganharam o troféu, nem o Benfica ficou definitivamente afastado, a consequência mais preocupante acaba por ser a lesão do Ben Reed, esperamos que não seja grave...

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Disto podem ter a certeza: com Villas Boas não há 'blackouts'

"NUM táxi por Lisboa na noite de domingo. Ruas vazias, comércio fechado, nada que cative a atenção. O som do rádio do carro, absurdamente alto, transforma-se no acontecimento da curta viagem. Está sintonizado numa estação qualquer e o motorista ouve enlevado o rescaldo do jogo entre o Vitória de Setúbal e o Benfica.
Jorge Jesus acabara de falar e os repórteres de serviço comprazem-se em graçolas sobre a gramática do treinador do Benfica.
São uns verdadeiros intelectuais da bola estes repórteres.
Ou, pelo menos, era o que pareciam na noite de domingo até que um deles se espalha ao comprido nas benditas traições da língua portuguesa, anunciando, doutoralmente, ao vasto auditório que a polícia «interviu» sobre os adeptos no final da partida.
Oh pá, não é «interviu» é interveio... enxerga-te!
A rampa de trampolim com que Costinha nos brindou no decorrer da sua entrevista à Sport TV também se arrisca a ficar na história do nosso futebolês. Não se trata de nenhum erros gramatical apenas de uma metáfora excepcionalmente criativa que em nada diminui o ex-director do futebol do Sporting.
Costinha, que nas suas indumentarias gosta de misturar riscas com quadrados, limitou-se agora a misturar a imagem de uma rampa de lançamento com um trampolim. Sendo artefactos diferentes acabam por servir para o mesmo fim.
No Sporting, até há factos objectivos que justificam a metáfora de Costinha. Cristiano Ronaldo, por exemplo, fez do Sporting a sua rampa de lançamento para o Manchester United. Já Caicedo fez do Sporting o seu trampolim para o Levante.
É sempre tudo uma questão de dimensão, quer da dimensão do salto quer da dimensão do saltador.
TRATAR Costinha por «ex-director do futebol do Sporting» logo na noite de segunda-feira não é maldade alguma. No entanto, não é preciso ser-se grande criativo para reconhecer que Costinha se demitiu em directo na televisão quando reconheceu publicamente a sua incompetência para o cargo com esta frase suicida: «Couceiro veio resolver aquilo que eu tenho resolvido, ou seja... nada.» É óbvio que Costinha se despediu a ele próprio. Não é tão óbvio que tenha, para já, conseguido despedir José Couceiro.
SE por estes tempos Pinto da Costa decretar um black-out, como já fez tantas vezes no passado, ninguém, no seu perfeito juízo, pode garantir o que se irá passar com André Villas-Boas.
Será que aguenta a rolha?
Será que consegue ter de ficar calado com tantas coisas que tem sempre para dizer?
E se o presidente do clube decretar um black-out quem é que assume, na SAD portista, a responsabilidade de reduzir Villas Boas às conversas com Vítor Pereira?
Vítor Pereira, acrescente-se, o seu adjunto e não Vítor Pereira, o presidente dos árbitros, visto que são duas pessoas diferentes embora tenham o mesmo nome e igual importância prática.
É que nunca se viu, nem se ouviu, um treinador com 11 pontos de avanço sobre o seu perseguidor directo manifestar tanta consternação por o campeonato ainda não ter acabado.
Consternação que o leva até aquele estado infantil de contar pequeninas mentiras a ver se engana a família. Depois da tremideira do jogo com o Rio Ave, depois das assobiadelas das bancadas, vir dizer em público que a sua equipa deu «uma resposta fortíssima depois da derrota com o Benfica» é, no mínimo, tolice.
No entanto, vir dizer que precisava de ganhar aquele jogo «nem que fosse com um golo marcado com a mão» já é bastante menos infantil e como o postulado não vem ferido de nenhum erro gramatical é natural que não mereça a menor contestação ou reprimenda por parte da comunicação social que se preocupa com a arte de falar português.
Mas também este assunto - o dos golos com a mão - não é do departamento de Villas Boas embora o FC Porto já tenha tido um jogador, Paille, um francês, que se destacou com goleador-manual com a aprovação dos homens do apito da altura.
Por isso mesmo, golos com a mão são do departamento de Vítor Pereira, o presidente dos árbitros, e não de Vítor Pereira, o adjunto de André Villas Boas.
JARA marcou um bonito golo em Setúbal. Nos últimos 6 jogos, o argentino fez 4 golos. Não haja dúvida de que se trata de um excelente reforço de Inverno embora tenha chegado no Verão. O que é preciso é saber esperar.
NO último fim-de-semana, Messi marcou três golos ao Atlético de Madrid e Cristiano Ronaldo marcou dois golos à Real Sociedad.
Para quem gosta de futebol e se está nas tintas para a rivalidade entre o Barcelona e o Real Madrid, e até para a questão patriótica que nos liga a Cristiano Ronaldo, este despique imparável entre o génio do português e o génio do argentino redunda numa delícia para os olhos.
Que continue assim o mundo dividido sem conseguir descortinar qual deles, na verdade, é o melhor.
Há vezes que parece que é um e às vezes parece que é o outro, de tal modo são ambos excepcionais como nos persistem em provar a cada semana que passa.
Para apreciar este festim de futebol é essencial não tomar partidos por nenhum deles, coisa estranha de se pedir quando se trata de futebol. Mas não tomando partido por nenhum, toma-se o gosto pelos dois e o gozo redobra.
Enfim, trata-se apenas de um conselho para aumentar a nossa qualidade de vida enquanto espectadores.
ONTEM à noite, Portugal perdeu com a Argentina por 2-1 mas enquanto Cristiano Ronaldo esteve em campo o resultado saldava-se num empate.
Quem quis ver o jogo sob a perspectiva única do apregoado duelo Ronaldo-Messi terá concluído que o português ganhou ao argentino por um a meio. Ou seja, Ronaldo marcou uma vez e Messi fez meio golo porque foi dele o passe para o golo de Di Maria.
O jogo terminou com o golo da Argentina, de grande penalidade cobrada por Messi.
Já estava Rui Patrício na baliza e a abalada nação sportinguista bem merecia ter visto o seu guarda-redes defender um chuto de onze metros de Lionel Messi. Mas o argentino não se comoveu... bola para um lado e guarda-redes para o outro e Paulo Bento lá perdeu o seu primeiro jogo como seleccionador nacional."
Leonor Pinhão, in A Bola

Vanessa

"A notícia surpreendente chegou-nos há dias. Vanessa Fernandes, a campeã de triatlo, resolveu interromper a sua actividade desportiva. Pelo que li, tal deve-se a circunstâncias pessoais, físicas e anímicas, absolutamente respeitáveis.
Vanessa sempre foi uma admirável atleta. Deu sempre um gostoso ar de menina descontraída, às vezes até traquina, desfrutando o prazer do que fazia, bem apoiada familiarmente até pelo exemplo do seu pai.
Mas esta notícia fez-me voltar a reflectir sobre o mundo duro, predatório e impiedoso com que os mais novos se defrontam no desporto e não só.
Hoje vive-se com a obsessão fulminante do sucesso, da vitória, da fama, do dinheiro. Quase sempre fugazes e ilusórios. Este falso cânone de felicidade contagiou perigosamente o mundo infantil e juvenil. Suprimem-se ou atrofiam-se etapas necessárias de crescimento físico, intelectual, emocional e psíquico por que deve passar necessariamente uma criança ou jovem, o que, mais tarde, deixa as suas marcas nocivas.
Vemos isso estimulado pateticamente em concursos televisivos feitos à medida dessa exploração de precoces talentos de meninos e meninas, sob a observação de pais babados. Hipocritamente, nestes casos, a sociedade não censura o trabalho infantil que bem condena em outras actividades laborais...
Todos temos presente, ainda, a exploração ignóbil de ginastas e atletas do leste em prol da propaganda de um regime, de tenistas mais tarde confrontados com a solidão da derrota ou o desespero da desistência, e de indefesos jovens ícones que não estão preparados para o esquecimento do dia seguinte e para os embates do mundo."

Bagão Félix, in A Bola

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Coerências !!!



Produzido por PluribusUnum7

O nosso NOME

Razão e coração

"O Campeonato está a entrar numa fase crucial. Quem ficar para trás, dificilmente, terá margem para recuperar. Todos o sabem, mas uns parecem sabê-lo melhor que os outros.Convergem vontades e palavras para evitar que quem regressou ao topo de forma revalide o que por direito lhe pertence. É sempre assim. Nem é preciso ler “Arte da Guerra”, do velho e sábio Sun Tzu, para se saber que uma das tácticas que mais frutos costumam dar é a da desestabilização emocional dos adversários antes da hora do confronto em que tudo se decide.
O Futebol não é, como alguém disse, uma religião ou um assunto de Estado. Mas, no vazio de muitas outras crenças, ele ocupa um espaço singular em que se juntam razão e coração, com o segundo, quase sempre, a falar mais alto que a primeira. Nas religiões, o que conta é a fé, que abre a porta aos dogmas que tornam quase tudo indiscutível e indisputável. No Futebol, o que conta é a paixão, que também tem os seus dogmas e pouco espaço deixa para a serenidade da análise equidistante e fria. Para isso existem os comentadores, que fingem nunca ter clube ou cor preferida, mas que, frequentemente, deixam cair a máscara e acabam por denunciar o jogo. Para o resto, para o terreno da paixão, existem os adeptos, os que sofrem, gritam, insultam, choram, culpam e desculpam. Exactamente porque para eles só existe o coração. E a paixão.
O Benfica levou tempo a recuperar, mas está onde, e como, queremos que esteja: combativo, criativo e com energia. Por isso é temido e respeitado. Mas, também por isso, este é o momento em que é preciso manter a cabeça fria entre linhas para que, fora delas, os corações que vibram possam viver as suas merecidas horas de júbilo.
E há sempre vozes que provocam, que desafiam, que tentam desestabilizar, porque sentem o cheiro do perigo e a primazia em risco. Mas, como diz o velho e sábio provérbio, essas vozes, como as do pequeno equídeo das fábulas, nunca conseguem chegar ao céu, nem mesmo ao som de apitos."
José Jorge Letria, in O Benfica

Só cá vim deixar isto...

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

NeoBlanc 18

Tabela Anti-NeoBlanc:

Benfica......... 42 (-9)... 51
Corruptos..... 53 (+12)... 41
Sporting........ 32 (+3)... 29
Braga............ 27 (0)... 27





No Sado nada de novo, o Benfica voltou a ganhar, e o Cosme voltou a fazer tudo para o Benfica não ganhar, mas desta vez os seus objectivos não foram atingidos, ficando a Fruta a apodrecer, o que até parece mal, tendo em conta a profunda crise que muitos Portugueses estão a sentir no estômago!!!
Sem surpresa, relva alta, e alguns buracos esperavam o Benfica em Setúbal, com o Manel é sempre assim... No jogo da primeira volta na Luz, foi estranho ver um Setúbal amorfo, provavelmente o Manel calculou que não valia a pena distribuir a 'amarelinha', a derrota era quase certa, mas ontem, com o cansaço do jogo a meio da semana, as esperanças Sadinas estavam elevadas, e assim, lá tivemos um super hiper motivado adversário, que nas próximas semanas vai concerteza ressacar, como é habitual...
O Cosme até podia ter sentido alguma pressão devido aos erros evidentes no jogo com a Académica na primeira volta, e assim em dúvida podia favorecer o Benfica, mas podem estar descansados, isso é algo que nunca irá acontecer...!!!
Não houve lances emblemáticos, o golo mal anulado ao Javi Garcia já apareceu numa fase em que o jogo estava decidido, o Ney também deveria ter sido expulso após várias entradas para amarelo (o Peixoto e o Saviola também mereciam amarelos), mas foi no critério na marcação de faltas que ficou claro as intenções: 24 faltas contra o Benfica, 10 a favor!!! Num jogo onde o Setúbal jogou sempre com a agressividade máxima, é estranho, muito estranho esta estatística, e 2 das faltas a favor do Benfica já foram nos descontos!!!
Inventou várias faltas perto da área do Benfica, deixou por marcar várias faltas junto da área do Setúbal!!! É assim que se controla o jogo, sabendo que muitos golos nascem de lances de bola parada.
Foi ainda a tempo de mostrar dois cartões amarelos ridículos, um ao Salvio, e outro ao Cardozo...
Uma nota final, para mais uma inacreditável selecção de imagens por parte da XIC no programa Dia Seguinte: O golo mal anulado ao Javi Garcia não 'apareceu', no jogo da Taça as agressões do Belucha também não foram 'escolhidas'!!!



Nada de novo no Dragay!!! Vasco Santos, usando a mesma estratégia do Cosme, lá foi controlando o jogo a meio-campo. Dou um exemplo: numa das primeiras jogadas de ataque do Rio Ave, Bruno Gama sofre falta, a bola vai para João Tomas, o árbitro deixa seguir, mas logo a seguir Rolando faz uma falta dolorosa sobre o Jardel de Coimbra, a falta de Rolando era mais próxima da área, até se podia discutir se o João Tomas ficaria isolado, o que é que Vasco Santos faz?!!! Fácil, marca a primeira falta sobre o Bruno Gama!!! Curiosamente o João Tomas ainda a recuperar da carga que tinha sofrido, teve quase a marcar golo, mas ficou pelo 'quase'!!! O resultado ainda estava 0-0...
É com este tipo de estratagemas que se constroi resultados em Portugal, não existiram casos graves, mas sem exagerar, posso confirmar que os Corruptos beneficiaram neste jogo de mais livres frontais, do que o Benfica em toda a primeira volta do Campeonato (15 jogos)!!!
Uma nota para o Rio Ave, que apesar da derrota demonstrou brio, ao contrário de outras equipas, não abdicou dos pontos antes do jogo começar. Deveria ser uma situação normal, mas infelizmente são raras as equipas com este tipo de atitude em Portugal.

(Antes desta jornada, os Corruptos com os seus amigos da Madeira, anteciparam um jogo. Ao contrário do que tem sido afirmado a situação não é igual ao que aconteceu com o Benfica a época passada. Na eliminatória com o Hertha, o Benfica jogou a uma Quinta e foi obrigado a jogar a segunda mão na Terça-feira seguinte. Com este calendário era impossível com as 72 horas de descanso obrigatórios manter o jogo com o Leiria nesse fim-de-semana. Os Corruptos também vão jogar numa Quinta, mas depois o segundo jogo com o Sevilha vai-se realizar na Quarta-feira. O espaço não é muito, mas daria para jogar com o Nacional no Domingo e respeitar as 72 horas de descanso.
Em relação ao jogo, não há muito a dizer, o Nacional não 'apareceu', os Corruptos venceram, e até tiveram um golo mal anulado...!!!)
ADENDA: Só hoje Quinta-feira, revi um lance que me tinha deixado muitas dúvidas. A Sporttv como é politica da casa, não deu nenhuma repetição, e nos vários programas de rescaldo da jornada nada foi mostrado, com excepção ao Trio d'Ataque!!! O lance deu-se aos 35 minutos da primeira parte, onde Bruno Gama é derrubado pelo Sereno, se calhar o derrube não é intencional, mas isso também não interessa para o caso, a falta existe, e deveria ter sido marcado penalty. Esta minha observação altera a Tabela Anti-Lixívia, já que o resultado 'verdadeiro' do jogo passa a ser de 1-1 !!!



Despedida 'quase' perfeita do Levezinho, aquele golo do empate, estragou o que poderia ser uma festa de arromba!!! Um treinador sado-masoquista que anda atrás do 'carcanhol', um team manager que não recebeu comissão da venda do Liedson, assim se explica o 'desacordo'!!! Um presidente em gestão que continua a tomar decisões importantes. Uma corrida à Presidência, que mais parece a eleição de uma qualquer Comissão de ex-Presidiários, resumindo é só rir (ou chorar)...
O jogo até foi 'normal', boas decisões nos penalty's, a única situação duvidosa foi a não mostragem de amarelo ao jogador da Naval no penalty. Eu não sou muito de elogios, mas este Bruno Esteves até agora parece-me bonzinho, vamos ver como será a sua progressão na carreira...



Não vi, nem me chegou aos ouvidos quaisquer problemas no Marítimo-Braga. Estou curioso para conhecer a equipa do Braga para o próximo jogo com os Corruptos, a serem verdade as noticias a onda de lesões em Braga, ainda vai 'obrigar' o Choramingas a jogar com os Juniores!!!




Anexos:



Benfica

1ª-Académica, Prejudicados, Com 3 pontos
2ª-Nacional, Prejudicados, Com 3 pontos
3ª-Setúbal, Prejudicados, Sem influência no resultado
4ª-Guimarães, Prejudicados, Com 3 pontos
5ª-Sporting, Nada a assinalar
6ª-Marítimo, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado
7ª-Braga. Nada a assinalar
8ª-Portimonense, Prejudicados, Sem influência no resultado
9ª-Paços Ferreira, Beneficiados, Sem influência no resultado
10ª-Corruptos, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado
11ª-Naval, Prejudicados, Sem influência no resultado
12ª-Beira-Mar, Prejudicados, Sem influência no resultado
13ª-Olhanense, Prejudicados, Sem influência no resultado
14ª-Rio Ave, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado
15ª-Leiria, Prejudicados, Sem influência no resultado
16ª-Académica, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado
17ª-Nacional, Prejudicados, Sem influência no resultado
18ª-Setúbal, Prejudicados, Sem influência no resultado
Corruptos

1ª-Naval, Beneficiados, Com 3 pontos
2ª-Beira-Mar, Beneficiados, Impossível de contabilizar no resultado
3ª-Rio Ave. Beneficiados, Com 2 pontos
4ª-Braga, Beneficiados, Com 2 pontos
5ª-Nacional, Beneficiados, Impossível de contabilizar no resultado
6ª-Olhanense, Nada a assinalar
7ª-Guimarães, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
8ª-Leiria, Prejudicados, Sem influência no resultado
9ª-Académica, Nada a assinalar
10ª-Benfica, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
11ª-Portimonense, Nada a assinalar
12ª-Sporting, Prejudicados, Com 2 pontos
13ª-Setúbal, Beneficiados, Com 3 pontos
14ª-Paços de Ferreira, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar no resultado
15ª-Marítimo, Nada a assinalar
16ª-Naval, Nada a assinalar
17ª-Beira-Mar, Beneficiados, Com 2 Pontos
18ª-Rio Ave, Beneficiados, Com 2 pontos
20ª-Nacional, Prejudicados, Sem influência no resultado
Sporting

1ª-Paços de Ferreira, Nada a assinalar
2ª-Marítimo, Nada a assinalar
3ª-Naval, Beneficiados, Com 2 pontos
4ª-Olhanense, Beneficiados, Com 1 ponto
5ª-Benfica, Nada a assinalar
6ª-Nacional, Nada a assinalar
7ª-Beira-mar, Nada a assinalar
8ª-Rio Ave, Nada a assinalar
9ª-Leiria, Prejudicados, Sem influência no resultado
10ª-Guimarães, Beneficiados, Sem influência no resultado
11ª-Académica, Nada a assinalar
12ª-Corruptos, Beneficiados, Com 1 ponto
13ª-Portimonense, Nada a assinalar
14ª-Setúbal, Nada a assinalar
15ª-Braga, Beneficiados, Com 2 pontos
16º-Paços de Ferreira, Prejudicados, Com 3 pontos
17ª-Marítimo, Beneficiados, Impossível contabilizar no resultado
18ª-Naval, Nada a assinalar
Braga

1ª-Portimonense, Nada a assinalar
2ª-Setúbal, Nada a assinalar
3ª-Marítimo, Beneficiados, Com 2 pontos
4ª-Corruptos, Prejudicados, Com 1 ponto
5ª-Paços de Ferreira, Nada a assinalar
6ª-Naval, Nada a assinalar
7ª-Benfica, Nada a assinalar
8ª-Olhanense, Beneficiados, Sem influência no resultado
9ª-Rio Ave, Nada a assinalar
10ª-Beira-Mar, Prejudicados, Com 2 pontos
11ª-Guimarães, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
12ª-Nacional, Beneficiados, Com 2 pontos
13ª-Leiria, Nada a assinalar
14ª-Académica, Nada a assinalar
15ª-Sporting, Prejudicados, Com 1 ponto
16ª-Portimonense, Nada a assinalar
17ª-Setúbal, Nada a assinalar
18ª-Marítimo, Nada a assinalar

O Cairo está próximo

"1. Talvez devesse falar da assembleia geral estatutária da FPF. Talvez devesse falar, portanto, do litígio entre o “passado” e o “futuro”. Talvez devesse falar, por isso, de coerência e de luta pela sobrevivência. Mas, como aqui escrevi em jeito de prognóstico mais do que uma vez, nada de novo se passou no “29 de janeiro”. Logo, não vale a pena.

2. Talvez devesse falar de todos os processos que a Comissão Disciplinar da Liga não instaurou ao longo desta época e deveria ter instaurado. Diz a imprensa que este ano os processos são abertos apenas com queixa – ficando tudo o resto por averiguar, a não ser o que vem nos relatórios dos jogos. Talvez devesse falar, portanto, dos critérios legais e regulamentares de abertura de processos disciplinares na Liga, sem esquecer esse novo critério, desconhecido até agora e ausente na “lei”: a turbulência pública. Mas também não vale a pena.

3. Também devesse ainda falar das conferências da Comissão de Arbitragem da Liga sobre as atuações dos árbitros. Corajosas e pedagógicas, tratando os árbitros com a maturidade que o futebol profissional exige. Mas não vale a pena também. Os que sempre navegaram na opacidade e na falta de transparência, assim como os que prezam o “recato” dos bastidores, nunca gostarão da prática inovadora de Vítor Pereira e da sua equipa.

4. Antes valha a pena discutir os próximos cenários: o cancelamento da utilidade pública desportiva da FPF e, depois, a possível constituição de uma nova federação de futebol. De facto, não parece que Pedro Silva Pereira e Laurentino Dias, depois de esticarem a corda toda na suspensão que por ora afeta a FPF, tenham outra alternativa: cancelar e acabar com o futebol na FPF. Qualquer outra decisão – como voltar a suspender a utilidade pública por mais um ano a partir de Abril – é perder em definitivo a credibilidade, nomeadamente perante todas as outras federações desportivas que cumpriram a lei para organizar e regular os seus campeonatos. Se, até Abril, nada mudar na FPF, o não cancelamento da utilidade pública instalará a Praça Tahrir do Cairo no desporto português. A não ser que a previsível intervenção da FIFA tenha algum efeito substancial antes de abril. E já sabemos que é essa última cartada que o ministro e o secretário de Estado esperam. Enquanto isso, é tempo de pensar na “revolução de Abril” de 2011. Cancelada a utilidade pública e criado o cenário para a eventual extinção da FPF nos tribunais, será a hora de colocar as flores nas espingardas e começar de novo. Será a hora de saber quem está disponível para constituir uma nova federação, reconhecê-la junto da FIFA e da UEFA, respeitar a lei e adquirir a utilidade pública junto do Estado. E começar uma nova era a partir de Julho de 2011. Veríamos, então, quem são as associações – e os clubes – que fariam parte da nova federação e as que ficariam de fora. E veríamos quem se ordenava nesse ato de superação. Talvez não se chegue lá. Mas convém ter a noção que o fim da linha da FPF já esteve mais longe."

A ferida

"From: Domingos Amaral To: André Villas-Boas

Caro André Villas-Boas

Nos últimos vinte e cinco anos, só me lembro de ganhar três vezes ao FC Porto em sua casa. A vitória de César Brito e Eriksson, a vitória de Koeman e Nuno Gomes, e agora a vitória de Jesus e os seus apóstolos. São, é verdade, poucas vitórias, mas é exatamente a sua raridade que lhes dá um valor extraordinário e inesquecível. Rebentei de alegria na quarta-feira, e se Cardozo tivesse metido o terceiro teria tocado no céu. Por todas as razões: pelo gozo que dá vencer em casa do rival maior, pelo orgulho que tive no meu Benfica, mas sobretudo porque era uma vitória essencial para que o impossível passasse a ser mais possível.

É verdade: a vitória do Benfica mudou, para já, a narrativa da época. Até aqui, tínhamos um Braga dececionante, um Sporting em calvário, e um Benfica que começara muito mal e fora derrotado por ti duas vezes, uma das quais de forma humilhante. A narrativa era a de um FC Porto praticamente imbatível, que a irrelevante derrota com o Nacional não afetara. Agora, a narrativa mudou. Ao vencer-te em casa, o Benfica retirou-te a vantagem psicológica que tinhas, e introduziu as dúvidas no teu universo. Agora, serás tu a jogar sobre brasas, a temer, a cada momento, a perda de pontos.

Agora, serás tu a recear a desestabilização da defesa, a falta dos talentos, a ansiedade no grupo. Por mais que tentes negá-lo, há uma “ferida” sim, e só Deus sabe se vai sarar ou abrir mais. Daqui para a frente ninguém sabe o que irá acontecer, mas tenho a certeza que, a partir de agora, todas as noites antes de adormeceres te vais lembrar que, até ao fim da época, ainda vais ter de jogar na Luz duas vezes..."

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Golaços !!!



Duas execuções técnicas brilhantes, de duas contratações efectuadas no último defeso, valeram dois magníficos golos (se tivesse sido o Givanildo, ou outro bicho parecido, tinha que se inventar adjectivos!!!).
Jogando contra uma hiper motivada equipa Sadina (que vai ressacar nas próximas semanas!!!), num campo onde foi muito difícil controlar a bola (como já é habitual em todas as equipas do Manel sempre que joga contra o Benfica!!!), um Benfica cansado, sem Coentrão, soube sofrer, e nem o critério torto do Cosme na marcação de faltas, inventando vários livres perigosos contra o Benfica, deixando passar vários livres perigosos favoráveis ao Benfica (além do absurdo critério disciplinar, e um golo mal anulado...!!!), foi obstáculo suficiente para impedir o Glorioso de chegar aos 3 pontos...

Para totós

"A pensar naqueles que não conseguiram acompanhar os 90 minutos do FC Porto-Benfica (uns porque não têm televisão por cabo, outros porque saíram mais cedo do Estádio do Dragão), aqui fica uma pequena resenha dos acontecimentos:
20.15 – Antes de as equipas entrarem no relvado, passam nos ecrãs gigantes imagens do último FC Porto-Benfica, para contentamento geral do público: desta forma, os adeptos portistas não poderão dizer que naquela noite não festejaram golos do FC Porto.
20.23 – As equipas técnicas entram no relvado. Jorge Jesus limita-se a estender a mão a André Villas-Boas, depois de ponderar a hipótese de cumprimentar o técnico portista da mesma forma que cumprimentou Luís Alberto no final do Benfica-Nacional.
20.30 – Início da partida.
3’ – A bola sai pela lateral e André Villas-Boas domina o esférico com o peito. Durante toda a noite, será a única vez que um elemento do FC Porto conseguirá receber a bola à vontade, sem oposição imediata do adversário.
6’ – Golo de Fábio Coentrão. Perspicaz, o lateral-esquerdo percebeu que, hoje em dia, se ambiciona marcar golos, tem de o fazer no início da partida, antes que seja expulso pelo árbitro da partida.
22’ – Livre de Hulk, “o Razoável”, passa muito longe da baliza. É o que dá só estar habituado a rematar a 11 metros da baliza.
26’ – Golo de Javi García, a passe de Fernando. A tática de Jesus a resultar em pleno: para quê Aimar, se se tem os jogadores do FC Porto?
43’ – Cartão amarelo para Hulk por simular uma falta. Alguns comentadores defendem que o jogador brasileiro já devia ter sido admoestado antes, por simular ser um ponta-de-lança decente.
62’ – Belluschi, na marcação de um livre, remata fraco. O que se compreende: não se consegue ganhar balanço convenientemente, quando se está no bolso do César Peixoto.
63’ – Os adeptos do Benfica começam a ter algumas dificuldades em recordar-se do nome do defesa central que, há poucos dias, foi vendido para Inglaterra. Ainda sabem que o primeiro nome começa por “D” e que tinha caracóis, mas pouco mais."