Últimas indefectivações

terça-feira, 7 de abril de 2015

As 12 Voltas à Gafa o general e a alegria do povo...

"No dia 30 de Junho de 1935, no Lumiar, frente ao Sporting, o Benfica conquistava o seu terceiro Campeonato de Portugal (ou a terceira das suas 28 Taças de Portugal, como preferirem). Um triunfo nítido, absoluto e indiscutível, escreveu Tavares da Silva.

Concluímos esta série de artigos sobre o Campeonato de Portugal com a história da terceira e última vitória do Benfica na prova (ou terceira das 28 Taças de Portugal conquistadas, se preferirem).
Para isso, recuamos até 1935. Ou adiantamos, vendo bem, já que nas últimas semanas tínhamos estado em 1939 e 1931.
Seja como for. É de um Benfica-Sporting que se trata e toda a gente sabe que um Benfica-Sporting tem o saborzinho especial dos grandes «derbies».
Em 30 de Junho de 1935, portanto, Benfica e Sporting defrontam-se no estádio do Lumiar, também conhecido por Stadium de Lisboa, e que viria a ser definitivamente arrendado pelo Sporting a partir de 1937.
Foi a primeira final do Campeonato de Portugal entre os dois gigantes de Lisboa - não seria a única, porque em 1937/38, a derradeira com esta designação, o Sporting venceu o Benfica por 3-1 - e a terceira presença benfiquista no jogo decisivo (o Sporting já vencera a Académica - 3-0, em 1922/23 - e o Barreirense 4-3, em 1933/34; perdendo para o FC Porto - 1-3, em 1921/22 - novamente FC Porto - 1-2, em 1924/25 - Carcavelinhos, 1-3 em 1927/28 - e Belenenses - 1-3, em 1932/33).
Se os 'leões' pareciam especializar-se em finais perdidas (3 em 5), o Benfica ia em duas finais e duas vitórias. Não faltaria a terceira.
Menos participantes do que nas cinco épocas anteriores e, assim sendo, menos uma eliminatória.
Nos oitavos-de-final coube ao Benfica defrontar o Boavista e a coisa foi fácil: 8-3 e 6-2. Por seu lado, o Sporting defrontou o Leixões e após derrota em Matosinhos por 1-2, vitória em Lisboa por 4-1.
Avancemos para os quartos-de-final. Vida agradável para os sportinguistas no confronto contra o, à época, frágil Nacional da Madeira - 7-2 e 9-3. Fava para os 'encarnados' face ao Belenenses: ainda assim, mais duas vitórias 1-0 e 2-1.
Meias-finais: Benfica-Carcavelinhos (vencedor em 1927/28, que em 1942 se uniria ao União Football Lisboa para dar origem ao Atlético) - 4-2 em casa, e derrota por 2-3 em Alcântara. Final garantida.
O Sporting repetia a final do ano anterior (e procurava o segundo troféu consecutivo, algo que só o Benfica conseguiu) à custa do FC Porto e com clareza: 4-0 em Lisboa; 0-0 no Porto.
O «derby» estava marcado para felicidade do povo: 30 de Junho.

Os «capitães» e o general
que dizer que as famosas 12 Voltas à Gafa, prova ciclística disputada na zona do Bombarral, com a presença de clubes como Sporting, Benfica, FC Porto, Belenenses, Carcavelinhos, Campo d'Ourique, Rio de Janeiro ou Bombarralense, excitava tanto o povo como a final do Campeonato de Portugal. Ainda por cima com o acicate dos enormes confrontos entre Nicolau e Trindade. Nesse ano, houve surpresa, venceu César Luiz (do Velo Clube «Os Leões»). José Maria Nicolau, com um furo e uma queda à 10.ª Volta, desistiu. Alfredo Trindade foi terceiro atrás ainda de Joaquim Fernandes.
Há festa na aldeia mas também na cidade.
Leia-se a imprensa da época. Pela pena do grande Tavares da Silva. «Pode dizer-se que o dia de hoje foi um dia grande do 'foot-ball' português. Benfica e Sporting pela primeira vez na final do Campeonato de Portugal constitui, na verdade, um momento de sensação. Ao meio-dia, logo que as portas do estádio do Lumiar abriram, apareceram os primeiros assistentes munidos dos respectivos lanches e, como é natural, escolheram os melhores lugares dos peões (...) É o jogo oficial que deve atingir a mais alta receita até hoje realizada entre nós, deixando a perder o Sporting-Belenenses de há dois anos que detinha o 'record'.
Para o público este desafio tem um interesse idêntico a um Portugal-Espanha».

Lá está: era festa!
O Presidente da República, general Óscar Carmona, está presente e faz questão que ambos os «capitães» de equipa, Gustavo Teixeira do Benfica e Rui de Araújo do Sporting, subam ao seu camarote para um cumprimento especial antes de a contenda ter início.

O árbitro é António Carvalho. O Benfica joga melhor, mas o Sporting bate-se galhardamente.
BENFICA: Augusto Amaro; Gatinho, Gustavo Teixeira; Albino, Lucas, Gaspar Pinto; Cardoso, Luís Xavier, Carlos Torres, Rogério Sousa, Valadas.
SPORTING: Dyson; Correia, Faustino; João Jurado, Rui Araújo, Joaquim Serrano; Mourão, Vasco Nunes, Soeiro, Ferdinando, Lopes.
«O jogo do Sporting é feito mais aos repelões, estabelecendo no entanto enorme pânico sempre que a bola chega à grande-área vermelha. Infere-se portanto que o Benfica está actuando com mais ligação mas que a 'maneira' do Sporting tem sido mais perigosa».
Aos 40 minutos - golo do Sporting! Remate de Vasco Nunes, Augusto Amaro lança-se com decisão, mas Soeiro faz a recarga.
Não dura muito a vantagem. Aos 45 minutos - golo do Benfica! Remate de Lucas a meia altura.
Logo no início do segundo tempo, aos 50 minutos, Artur Dyson, que ganhara dois campeonatos de Portugal ao serviço do Benfica, sai desastradamente a uma bola atrasada por Serrano. Valadas é mais rápido e dá vantagem às águias.
A partir daí a vitória está garantida. Nada parece escurecer o seu brilho.
Tavares da Silva que o diga.
«Pela forma por que decorreu este encontro, a vitória não podia ser doutro 'team' senão do Benfica que reproduziu na segunda parte o brilhantismo de jogo do primeiro.
Se contássemos as avançadas de um e de outro lado, as ocasiões de 'goal' frente às duas redes, o domínio exercido pelas duas 'équipes', facilmente chegaríamos à conclusão de que o Benfica foi superior ao Sporting.
Vê-se que o vermelhos se submeteram a um treino cuidadoso e se apresentaram no estádio do Lumiar em forma.
(...) Honra, pois, ao 'team' do Sport Lisboa e Benfica, que soube aproveitar as suas qualidades para alcançar o triunfo - e triunfo nítido, absoluto, indiscutível, triunfo que merecia mesmo mais do que um 'goal' de diferença».
Palavras sábias de um mestre do jornalismo.
O Benfica conquistava frente ao grande rival o seu terceiro Campeonato de Portugal, último com essa designação. A partir de 1938/39 passou a prova designar-se Taça de Portugal. E seguiram-se então mais 25 vitórias. 28 no total, para que não caia absurdamente no esquecimento."

Afonso de Melo, in O Benfica

A maré vermelha

"No incontornável 'Red Pass' desse benfiquista emérito que é o João Gonçalves, encontrei um SMS lapidar do Ricardo Araújo Pereira, ainda a propósito dos tímidos assobios que se fizeram sentir na parte final do Benfica-Nacional: 'Jorge Jesus conseguiu trazer de volta o Benfica da minha infância: a equipa faz uma grande exibição e é assobiada. O Benfica voltou."
Nos últimos anos perdemos campeonatos de forma inglória, mas, mesmo nas derrotas dolorosas, abandonámos a atitude condescendente de quem encontra algum conforto no 'quase'. Nisso, voltou o Benfica com o qual cresci: uma equipa viciada em vitórias, para o qual tudo o que não fosse esmagar os adversários sabia a pouco. Mas também um Benfica que não tolerava exibições cínicas e resultadistas. No Benfica dos meus anos formativos, não bastava vencer, era preciso fazê-lo, para utilizar um neologismo, com 'nota artística'.
Bem sei que o Jorge Jesus é um casmurro com poucos paralelos, que continua a não conseguir montar uma equipa capaz de controlar um jogo com bola, ou que insiste em não fazer a vontade ao adepto de bancada (digam lá, este não era o jogo ideal para o Jonathan Rodriguez aos 70 minutos? Ou para o Gonçalo Guedes aproveitar para brilhar sem pressão?), mas, nos últimos anos de Benfica, há um antes e depois de Jesus.
O Gaitán resumiu, aliás de forma exemplar, o que se passa, quando, no final do jogo afirmou que 'o Benfica pratica um bom futebol e as pessoas divertem-se. Isso é importante'. Diria que os jogadores divertem-se e divertem-nos, o que explica o regresso da maré vermelha e, claro está, dos assobios. Os adeptos habituaram-se a vencer de forma convincente; agora, os jogadores têm de se habituar à exigência de quem já não tolera jogos amorfos. O Benfica da minha infância voltou."

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Lixívia XXVII

Tabela Anti-Lixívia:
Benfica............... 68 ( 0) = 68
Corruptos........ 65 (+13) = 52
Braga................ 50 (+1) = 49
Sporting.......... 57 (+10) = 47


Jornada atipicamente calma em relação às arbitragens... Será a bonança, antes da tempestade?!
Não consigo deixar de pensar, que o critério largo, quase sem amarelos, nos últimos jogos do Benfica, vai durar somente mais uma jornada (Académica), na jornada seguinte, em Belém, prevejo que qualquer corrente de ar, será motivo para amarelar os jogadores...!!!
Aliás, na novela mais recente, cujo enredo envolveu a marcação da data, para a Final da Taça da Liga, poucos Benfiquistas perceberam, que um Benfica-Marítimo, antes do Benfica-Corruptos para o Campeonato, poderia ser usado para 'limpar' os potenciais amarelos em Belém, mas...!!!
Maxi, Samaris, Salvio, Jonas todos em risco de suspensão. Pessoalmente considero o Samaris e o Salvio fundamentais para o jogo com os Corruptos: já que os potenciais substitutos terão muitas dificuldades no jogo com os Corruptos. Mesmo se a opção para '6' for um Fejsa, sem ritmo...; O Maxi e o Jonas são fundamentais para Belém. Com os Corruptos na Luz, o André Almeida não me assustava, e em relação ao Jonas, é um facto, que na 1.ª volta ficou no banco... e apesar de toda a classe, nos jogos com marcações mais apertadas, tem rendido menos...

O principal erro do Xistra na Luz, foi não ter mostrado um Amarelo ao João Aurélio logo no início da partida, por rasteira ao Eliseu, sem bola... Daqueles amarelos alaranjados!!! Ainda inventou, como de costume, dois livres laterais contra o Benfica: na 1.ª parte por uma suposta falta do Maxi, e no 2.º tempo contrariou mesmo o seu fiscal-de-linha, quando o Eliseu sofreu uma carga do Soares...
A favor do Benfica, enganou-se ao marcar uma falta, que deu num canto mais curto, quando devia ter marcado canto!!! Felizmente não deu golo, senão teríamos mais uma palhaçada!!!
Ainda foi permissivo com os constantes protestos dos Nacionalistas, em contraste com o amarelo mostrado ao Amorim no final da partida...
Mesmo assim, conhecendo a peça, esta terá sido das melhores arbitragens do Xistra num jogo do Benfica...

Em Paços, só descortinei um erro, logo no início da partida, onde é tirado um fora-de-jogo ao Slimani que não existe. Observando o contexto do lance, também é possível verificar que o Argelino domina mal a bola, e que acaba por perder a bola (quando o jogo já estava parado)... É daqueles lances muito difíceis de analisar neste tipo de exercício...

Em Barcelos, o Braga venceu com alguma facilidade. O penalty, é daquelas situações, onde o contacto faltoso existe, a queda é teatralizada (muito), mas a falta não deixa de existir...!!!

Não vi o jogos dos Corruptos, nem assisti a resumos, ou rescaldos... o resultado parece não deixar dúvidas (o 5.º golo 'parece' nascer de uma falta!!!).
O Estoril tem uma equipa fraca, e tem jogado pouco, o 6-0 na Luz é um bom indicador... Mas sem o Kléber (caganeira da semana...), o Babanco (castigado), e o Esiti (lesionado), ficam ainda mais fracos. São só 3 dos jogadores mais físicos do plantel...!!!
(ADENDA: Acabei de ver alguns lances, e tenho a acrescentar que o penalty que deu o 3.º golo aos Corruptos é mal assinalado, pois a falta é fora da área. No 4.º golo o Danilo está em posição regular)


Anexos:
Benfica
1.ª-Paços de Ferreira(c), V(2-0), Cosme, Prejudicados, Sem influência no resultado
2.ª-Boavista(f), V(1-0), Marco Ferreira, Prejudicados, (2-0), Sem influência no resultado
3.ª-Sporting(c), E(1-1), Proença, Nada a assinalar
4.ª-Setúbal(f), V(0-5), Capela, Nada a assinalar
5.ª-Moreirense(c), V(3-1), Luís Ferreira, Prejudicados, (4-1), Sem influência no resultado
6.ª-Estoril(f), V(2-3), Vasco Santos, Nada a assinalar
7.ª-Arouca(c), V(4-0), Hugo Miguel, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
8.ª-Braga(f), D(2-1), Marco Ferreira, Prejudicados, (2-3), (-3 pontos)
9.ª-Rio Ave(c), V(1-0), Manuel Mota, Nada a assinalar
10.ª-Nacional(f), V(1-2), Bruno Paixão, Prejudicados, Beneficiados, (2-2), (+2 pontos)
11.ª-Académica(f), V(0-2), Jorge Ferreira, Beneficiados, (0-1), Sem influência no resultado
12.ª-Belenenses(c), V(3-0), Manuel Oliveira, Nada a assinalar
13.ª-Corruptos(f), V(0-2), Jorge Sousa, Nada a assinalar
14.ª-Gil Vicente(c), V(1-0), Capela, Beneficiados, (0-0), (+2 pontos)
15.ª-Penafiel(f), V(0-3), Paulo Baptista, Nada a assinalar
16.ª-Guimarães(c), V(3-0), Rui Costa, Nada a assinalar
17.ª-Marítimo(f), V(0-4), Xistra, Nada a assinalar
18.ª-Paços de Ferreira(f), D(1-0), Paixão, Nada a assinalar
19.ª-Boavista(c), V(3-0), Hugo Miguel, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado
20.ª-Sporting(f), E(1-1), Sousa, Nada a assinalar
21.ª-Setúbal(c), V(3-0), Manuel Oliveira, Prejudicados, Sem influência no resultado
22.ª-Moreirense(f), V(1-3), Jorge Ferreira, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado
23.ª-Estoril(c), V(6-0), Capela, Nada a assinalar
24.ª-Arouca(f), V(1-3), Vasco Santos, Prejudicados, (1-5), Sem influência no resultado
25.ª-Braga(c), V(2-0), Soares Dias, Prejudicados, (3-0), Sem influência no resultado
26.ª-Rio Ave(f), D(2-1), Marco Ferreira, Prejudicados, (1-1), (-1 ponto)
27.ª-Nacional(c), V(3-1), Xistra, Nada a assinalar

Sporting
1.ª-Académica(f), E(1-1), Soares Dias, Beneficiados, (2-1), (+1 ponto)
2.ª-Arouca(c), V(1-0), Nuno Almeida, Prejudicados, (2-0), Sem influência resultado
3.ª-Benfica(f), E(1-1), Proença, Nada a assinalar
4.ª-Belenenses(c), E(1-1), Cosme Machado, Nada a assinalar
5.ª-Gil Vicente(f), V(0-4), Xistra, Beneficiados, (1-4), Sem influência no resultado
6.ª-Corruptos(c), E(1-1), Benquerença, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
7.ª-Penafiel(f), V(0-4), Rui Costa, Beneficiados, Impossível contabilizar
8.ª-Marítimo(c), V(4-2), Manuel Oliveira, Beneficiados, (4-3), Sem influência no resultado
9.ª-Guimarães(f), D(3-0), Hugo Miguel, Prejudicados, (2-0), Sem influência no resultado
10.ª-Paços de Ferreira(c), E(1-1), Bruno Esteves, Beneficiados, (1-2), (+1 ponto)
11.ª-Setúbal(c), V(3-0), Soares Dias, Beneficiados, Impossível contabilizar
12.ª-Boavista(f), V(1-3), Jorge Sousa, Nada a assinalar
13.ª-Moreirense(c), E(1-1), Jorge Ferreira, Nada a assinalar
14.ª-Nacional(f), V(0-1), Duarte Gomes, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
15.ª-Estoril(c), V(3-0), Soares Dias, Nada a assinalar
16.ª-Braga(f), V(0-1), Hugo Miguel, Nada a assinalar
17.ª-Rio Ave(c), V(4-2), Nuno Almeida, Beneficiados, (2-2), (+2 pontos)
18.ª-Académica(c), V(1-0), Rui Costa, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
19.ª-Arouca(f), V(1-3), Jorge Ferreira, Beneficiados, (2-2), (+2 pontos)
20.ª-Benfica(c), E(1-1), Sousa, Nada a assinalar
21.ª-Belenenses(f), E(1-1), Paulo Baptista, Nada a assinalar
22.ª-Gil Vicente(c), V(2-0), Jorge Tavares, Nada a assinalar
23.ª-Corruptos(f), D(3-0), Soares Dias, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
24.ª-Penafiel(c), V(3-2), Bruno Esteves, Beneficiados, Impossível contabilizar
25.ª-Marítimo(f), V(0-1), Rui Costa, Nada a assinalar
26.ª-Guimarães(c), V(4-1), Jorge Sousa, Beneficiados, (3-1), Sem influência no resultado
27.ª-Paços de Ferreira(f), E(1-1), Cosme Machado, Nada a assinalar

Corruptos
1.ª-Marítimo(c), V(2-0), Xistra, Nada a assinalar
2.ª-Paços de Ferreira(f), V(1-0), Mota, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
3.ª-Moreirense(c), V(3-0), Bruno Esteves, Nada a assinalar
4.ª-Guimarães(f), E(1-1), Paulo Baptista, Nada a assinalar
5.ª-Boavista(c), E(0-0), Jorge Ferreira, Nada a assinalar
6.ª-Sporting(f), E(1-1), Benquerença, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
7.ª-Braga(c), V(2-1), Proença, Beneficiados, (2-2), (+2 pontos)
8.ª-Arouca(f), V(0-5), Xistra, Beneficiados, Prejudicados, (1-6), Sem influência no resultado
9.ª-Nacional(c), V(2-0), Nuno Almeida, Nada a assinalar
10.ª-Estoril(f), E(2-2), Soares Dias, Beneficiados, (3-2), (+1 ponto)
11.ª-Rio Ave(c), V(5-0), Benquerença, Beneficiados, (1-2), (+3 pontos)
12.ª-Académica(f), V(0-3), Manuel Mota, Nada a assinalar
13.ª-Benfica(c), D(0-2), Jorge Sousa, Nada a assinalar
14.ª-Setúbal(f), V(4-0), Manuel Oliveira, Beneficiados, (2-0), Sem influência no resultado
15.ª-Gil Vicente(f), V(1-5), Nuno Almeida, Nada a assinalar
16.ª-Belenenses(c), V(3-0), Manuel Mota, Nada a assinalar
17.ª-Penafiel(f), V(1-3), Soares Dias, Beneficiados, (1-0), (+3 pontos)
18.ª-Marítimo(f), D(1-0), Capela, Nada a assinalar
19.ª-Paços de Ferreira(c), V(5-0), Marco Ferreira, Beneficiados, Impossível contabilizar
20.ª-Moreirense(f), V(0-2), Xistra, Nada a assinalar
21.ª-Guimarães(c), V(1-0), Nuno Almeida, Nada a assinalar
22.ª-Boavista(f), V(0-2), Hugo Miguel, PrejudicadosBeneficiados, Impossível contabilizar
23.ª-Sporting(c), V(3-0), Soares Dias, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
24.ª-Braga(f), V(0-1), Jorge Sousa, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
25.ª-Arouca(c), V(1-0), Jorge Tavares, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
26.ª-Nacional(f), E(1-1), Manuel Oliveira, Nada a assinalar
27.ª-Estoril(c), V(5-0), Bruno Esteves, Beneficiados, (3-0), Sem influência no resultado

Braga
1.ª-Boavista(c), V(3-0), Vasco Santos, Beneficiados, (1-0)?!, Impossível contabilizar
2.ª-Moreirense(f), E(0-0), Paixão, Prejudicados, (1-0), (-2 pontos)
3.ª-Estoril(c), V(2-1), Hugo Miguel, Prejudicados, (3-1), Sem influência no resultado
4.ª-Arouca(f), D(1-0), Proença, Nada a assinalar
5.ª-Nacional(f) E(1-1), Jorge Tavares, Prejudicados, Impossível contabilizar
6.ª-Rio Ave(c), V(3-0), Bruno Esteves, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
7.ª-Corruptos(f), D(2-1), Proença, Prejudicados, (2-2), (-1 ponto)
8.ª-Benfica(c), V(2-1), Marco Ferreira, Beneficiados, (2-3), (+3 pontos)
9.ª-Académica(f) E(1-1), Bruno Paixão, Nada a assinalar
10.ª-Gil Vicente(c), V(2-0), Manuel Oliveira, Beneficiados, (0-0), (+2 pontos)
11.ª-Penafiel(f), V(1-6), Hugo Miguel, Nada a assinalar
12.ª-Guimarães(c), E(0-0), Xistra, Nada a assinalar
13.ª-Belenenses(f), V(0-1), Paulo Baptista, Nada a assinalar
14.ª-Paços de Ferreira(c), V(3-0), Manuel Mota, Nada a assinalar
15.ª-Marítimo(f), D(2-1), Jorge Sousa, Nada assinalar
16.ª-Sporting(c), D(0-1), Hugo Miguel, Nada a assinalar
17.ª-Setúbal(f), V(1-3), Paulo Baptista, Nada a assinalar
18.ª-Boavista(f), D(0-1), Duarte Gomes, Beneficiados, Sem influência no resultado
19.ª-Moreirense(c), V(1-0), Soares Dias, Nada a assinalar
20.ª-Estoril(f), V(0-2), Manuel Oliveira, Prejudicados, (0-3), Sem influência no resultado
21.ª-Arouca(c), V(2-0), Tiago Martins, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
22.ª-Nacional(c), V(3-1), Bruno Esteves, Beneficiados, Sem influência no resultado
23.ª-Rio Ave(f), V(0-2), Xistra, Nada a assinalar
24.ª-Corruptos(c), D(0-1), Jorge Sousa, Prejudicados, (1-1), (-1 pontos)
25.ª-Benfica(f), D(2-0), Soares Dias, Beneficiados, (3-0), Sem influência no resultado
26.ª-Académica(c), E(0-0), Paixão, Prejudicados, (1-0), (-2 pontos)
27.ª-Gil Vicente(f), V(0-2), Capela, Nada a assinalar

domingo, 5 de abril de 2015

Obrigado, pela paciência!!!

Na última madrugada, já em pleno Domingo de Páscoa, chegámos a uma marca história no Indefectível... Não é fácil, arranjar tempo e às vezes motivação para actualizar o blog todos os dias, mas como está escrito no cabeçalho: Pelo Benfica! Sempre! Aqui fica o numero redondo de visitas:

A bola procura o craque

"Gaitán e Jonas: jogadores extraordinários! E aquele lance de Salvio? Por eles vale a pena ir ao estádio! E há a esperança da reconquista do título!

1. Neste Domingo de Páscoa há pouco futebol em Portugal e algum na Europa. O Real Madrid joga às nossas onze da manhã na busca dos seus adeptos do Médio Oriente, da Índia, do Paquistão, do Vietname, da Indonésia, da China, do Japão, do conjunto da Ásia. É o resultado de uma marca global. Às doze de Espanha é hora de jantar - ou princípio de noite - em muitas cidades, de megacidades daqueles territórios que são os novos consumidores das transmissões televisivas e, por consequência, das camisolas e outros produtos que acompanham as estrelas mundiais do futebol. E, ontem, sábado, à sua hora de almoço - uma menos um quarto da tarde - um Arsenal-Liverpool. São os novos mercados a determinar as horas dos jogos destas marcas. E  os novos horários exigem que haja encontros ao final da manhã na Europa. São os fusos a acompanhar o futebol. E com eles os novos clientes, os novos utentes, os novos consumidores. A força, do futebol!

2. Ontem, perante quase cinquenta mil espectadores - é obra! - o Benfica venceu, com toda a justiça, um Nacional que mostrou, principalmente após a hora de jogo, a qualidade da equipa e a valia de alguns jogadores. Mas a primeira parte do Benfica foi um misto de arte com toque de pragmatismo. E o terceiro golo do Benfica - e o segundo de Jonas - um momento de prazer. Como dizia um ditado popular parece que «a bola de futebol procura o craque». E no Benfica Jonas e Gaitán são mais valias. A bola procura-os. E eles procuram a bola. Como Gaitán fez no arranque da jogada do primeiro golo. Com eles, como uma vez disse o técnico francês Aimé Jacquet, «o futebol ensina simplicidade e autenticidade». E estes dois extraordinários jogadores proporcionam-nos momentos de qualidade e instantes de magia. Ou aquele lance de virtuosismo, e de fulgor individual, protagonizado por Salvio na parte final da partida. Por eles, vale a pena ir ao Estádio. Com eles após o triunfo da inspiração há segundos seguidos de felicidade. E com eles há a esperança da reconquista do campeonato. Objectivo central de todo o universo benfiquista!

3. (...)

4. Um árbitro, Fabrício Corrêa, disse um dia que «a carreira mais difícil é a de árbitro». Acredito que os árbitros portugueses escutam as constantes declarações e comentários do treinador do Futebol Clube do Porto com um misto de surpresa e de excesso de paixão. Sabemos que o «talento no futebol precisa de ser solidário». Seja o talento do jogador, seja do dirigente, seja do árbitro, seja do treinador. E quando alguém prega «sem ser ouvido» - ou sequer escutado - por não ter claramente razão, torna-se um solitário que nem parte dos que lhe estão próximos acompanham. Como disse Johan Cruyff, «eu divirto-me vendo futebol, mas há futebol que não me diverte». Com as necessárias adaptações começamos a sentir isso quando escutamos Julen Lopetegui nas suas conferências de imprensa. Antes ou depois dos jogos. E sentindo que anseia pelo regresso rápido de Jackson Martinez. De forma a acalmar todos os espíritos inquietos. Na antevéspera dos jogos da Liga dos Campeões e da visita ao Estádio da Luz. Na certeza de que, como disse um dia o técnico chileno Juvenal Olmos, um «técnico de futebol precisa de saber adaptar-se, quando fizer calor deve colocar um calção de banho e um abrigo no frio; aquele que gosta só de agasalho pode morrer de calor»!

5. (...)"

Fernando Seara, in A Bola

Voltou a ser dia da águia boa

"Há uma águia boa e uma águia má. Ontem, foi dia de águia boa, aquela que voa alto, que se mostra imperial, que ganha fácil e faz bom espectáculo.
No entanto, ainda se vislumbrou uma aparição fugaz da águia má, mas a coisa já estava resolvida. Foi quando a águia boa se cansou de ser forte e de ser bela e chamou aquela sua irmã depenada que é águia só de nome.
Não é fácil de entender. O Benfica mantém a persistência de uma estranha irregularidade. Às vezes, essa irregularidade mostra-se de jogo para jogo. Parece frágil quando joga fora de casa e mostra-se fortíssimo quando joga na Luz. Mas, agora, já manifesta toda essa irregularidade em cada jogo. Como aconteceu ontem. O Benfica teve mais de uma hora de domínio absoluta, de grande qualidade competitiva, mas, depois, como que não resistiu à tentação de voltar a descansar no jogo e isso, manifestamente, não sabe fazer sem perder qualidade, sem se expor e sem correr risco de ser surpreendido pelo adversário. Qualquer que seja o adversário.
Pode perguntar-se, e com toda a legitimidade, por que razão o Benfica sente, afinal, tanta necessidade de descansar no jogo. Não se percebe. A equipa joga uma vez por semana e não parece, de facto, cansada. Mesmo assim insiste na gestão do jogo, na economia de esforço, apesar de saber que este Campeonato até pode vir a ser resolvido por golos.
(...)"

Vítor Serpa, in A Bola

PS: Esta crónica do Serpa tem um post-scriptum (que recuso-me a transcrever), onde faz (mais uma vez) a defesa (elogio) do Marco Silva, apesar do resultado negativo de ontem...!!!
É caso para dizer: alguns nascem mesmo com o 'traseiro' virado para a Lua!!!
Enquanto outros, por mais competência demonstrada, continuam sempre a ser os mal-amados... Ter bons padrinhos, dá nisto...

sábado, 4 de abril de 2015

Iluminar o caminho... com golos

Benfica 3 - 1 Nacional

Mais uma final ultrapassada com distinção. Não foi um jogo demolidor, como já assistimos esta época na Luz, mas foi um jogo bem conseguido, onde o Benfica soube gerir a vantagem, com alguma tranquilidade, a excepção foi mesmo aqueles minutos entre o golo do Nacional e um remate perigoso logo a seguir, que levou a Luz a assobiar...
Uma das variáveis esta tarde, acabou por ser o Calor!!! Hoje em dia, os jogos são quase todos à noite (os jogadores parece que gostam do fresquinho da noite), e esta subida de temperatura nos últimos dias parece que surpreendeu alguns jogadores. Então no final da 1.ª parte, houve vários jogadores, das duas equipas, completamente de rastos, com destaque para o Eliseu...!!! Eu, até pensei que o rapaz estava lesionado!!! Aparentemente era só cansaço!!!
O Jesus no final da partida referiu que o Benfica foi incapaz de manter o ritmo, e que isso até é normal, porque ninguém consegue fazer um jogo de 90 minutos a alto ritmo, principalmente na recuperação alta, e nas desmarcações... Tudo isso é verdade, mas hoje, a 'gestão' começou mais cedo: na 1.ª parte logo a seguir ao 2.º golo; na 2.ª parte logo a seguir ao 3.º golo!!!
Será de facto muito difícil parar o Benfica na Luz. A relva está cortada, o relvado é molhado, o que favorece o nosso estilo de jogo... com os nossos jogadores mais ofensivos inspirados, é um regalo observar as combinações... Às vezes até exagerámos nos bonitos!!! Não sei se os jogadores do Benfica tem alguma coisa contra os jogadores do Nacional, mas hoje, perdi a conta às 'cuecas'!!! Parecia que valiam 'pontos'!!!
O jogo até começou 'longe' da baliza do Nacional, os Madeirenses tentaram impedir a 1.ª fase de construção do Benfica, pressionando a saída de bola do Júlio César, mas quando conseguimos colocar a bola no chão, cheirava a golo...!!! Tentámos gerir o jogo logo a seguir ao 2.º golo, algo que podia ter corrido mal... Com as alterações tácticas ao intervalo, ficámos com espaço para efectuar contra-ataques, falhámos alguns golos feitos, mas quando o Jonas meteu a bola na gaveta superior, o jogo ficou fechado... ou pelo devia ter ficado, não fosse o erro do Eliseu... Mas mesmo assim, tivemos sempre mais próximos do 4.º do que o Nacional do 3-2...
Este jogo teve outra variável curiosa: o Machado mudou de estratégia ao intervalo. A perder por 2-0, tirou os três caceteiros do meio-campo, meteu mais um ponta-de-lança, e colocou dois médios-centros de características ofensivas. E não é, que o Nacional jogou melhor?! Esta cultura Tuga, dos 'trincos' e 'retrincos', do perder por poucos, do jogar na contenção e esperar por um erro do adversário, continua a 'matar' o futebol em Portugal. Os Presidentes, e os Treinadores, ainda não perceberam que se quiserem aumentar as receitas têm que apresentar bons espectáculos, em vez dos jogos deprimentes que nos brindam habitualmente. Creio que hoje, ficou provado que o Nacional, não ficou pior, quando arriscou mais...!!!
O Júlio César foi praticamente um espectador, podia ter levado o bronzeador... no golo não tinha hipóteses.
O Lisandro fez um excelente jogo, e não foi uma partida fácil, primeiro o Lucas João, depois o Soares, muito trabalho, muito encontrão... Em relação ao Luisão, perde no passe, na 1.ª fase de construção, mas actualmente, fisicamente, é mais disponível... Pena ter falhado aquele golo...!!!
Mais uma grande partida do Jardel, imperial no ar...
O mesmo se pode dizer do Super-Maxi, intratável, a defender e a atacar...
O Eliseu foi o principal responsável pelo golo do Nacional, em mais uma jogada que demonstrou displicência. Como já descrevi, acabou a 1.ª parte completamente de rastos... felizmente o Nacional não aproveitou.
Mais um bom jogo do Samaris, apesar de ter terminado também bastante cansado.
O Pizzi continua a alternar o muito bom, com algumas decisões erradas. Não é fácil mudar a atitude de extremo, onde se arrisca fintas, para de médio-centro, onde não se pode perder a bola... mas quando as coisas saem bem, é de facto muito bonito!!!
Regresso do Nico, em grande forma, foi o MVP do jogo... a recuperação de bola que fez no 1.º golo foi fundamental. Acabou por exagerar nos bonitos, mas quando está em campo, o Benfica é realmente outro...!!! Foi outro dos jogadores, que teve dificuldades com o calor...
O Toto voltou às grandes exibições, excelentes arrancadas, muitos túneis, e aquela finta no final merecia um golo, mas o poste não quis... Curiosamente o Salvio costuma fazer grandes exibições contra o Marçal, seria interessante ver este duelo na próxima época nos jogos contra os Lagartos!!! (Só agora é que descobri que o Marçal não jogou!!! Foi o Sequeira que jogou a defesa-esquerdo... Mas tirando este simples erro, tudo o que disse sobre os confrontos Salvio/Marçal é verdade!!!)
É difícil arranjar adjectivos para classificar as exibições do Jonas... Pura classe. E até nas saídas de bola do Júlio César, já é o Jonas que dá ordens ao resto do pessoal...!!! Mais dois golos... foi pena aquela cabeçada antes do intervalo, seria mais um grande golo após jogada colectiva...
O Lima também marcou, mas hoje até se destacou nas tabelas de peito!!!
A fava saiu ao Talisca, que entrou para partir um dedo... numa jogada onde devia ter passado a bola mais cedo!!!
É estranho chegar ao fim de um jogo apitado pelo Xistra, e não ter grandes razões de queixa!!! O jogo acabou por ser fácil... pessoalmente, acho que foi condescendente com os constantes protestos dos Madeirenses (e depois no final, deu um amarelo ao Amorim por protestos!!!), e demorou muito a sacar o primeiro amarelo ao Nacional... Apesar de não ter consequência, aquela falta que o Fiscal marca a favor do Benfica, e ele marca ao contrário, é também outra das marcas nos jogos do Benfica: faltas laterais contra o Benfica, basta um 'corrente de ar'!!!

3 pontos em Olhão

Olhanense 1 - 2 Benfica B

Jogo a hora estranha, sem televisão, e com poucas informações...
O João Teixeira, marcou ainda no 1.º tempo... o Vítor Andrade parece que marcou um grande golo (mais um?!)... o Olhão reduziu perto do final.
Continuamos na luta pelo título!

M. Santos; Semedo, Nunes, Valente, Rebocho; Lindelof, Teixeira (Elbio, 82'); Carvalho (Gonçalves, 77'), N. Santos, Andrade; Sarkic (Sanches, 69).

2.º jogo

Corruptos 28 - 27 Benfica

Tal como tinha acontecido no jogo da Taça, voltámos a gerir mal os últimos segundos...
No papel, o Benfica devia ter perdido estes jogos por larga margem, mas temos assistido a jogos equilibrados (onde um único jogador dos Corruptos vale por meia-equipa)!!!
Creio que o objectivo para esta época, aquele que está ao nosso alcance, é a Challenge Cup... e tenho confiança que o Ortega, após aquilo que assistiu, poderá perceber aquilo que falta para o Benfica, fazer no Andebol, aquilo que tem feito nas outras modalidades de Pavilhão em Portugal, nas próximas épocas...
Na Quarta-feira temos o 3.º jogo na Luz. Seria interessante prolongar a meia-final, apesar dos resultados (no Benfica, só a vitória interessa...), esta equipa tem de facto algumas limitações, mas tem espírito colectivo, e merecia ir pelo menos ao 5.º jogo...

Juniores - 6.ª jornada - Fase Final

Rio Ave 2 - 1 Benfica

Com a derrota dos Corruptos em Guimarães na última jornada, a esperança, apesar de ténue, regressou... mas agora, independentemente dos outros resultados, estamos fora da corrida do título, definitivamente.
A função principal da Formação é fazer evoluir os jogadores, e não vencer exclusivamente títulos, mas não deixa de ser frustrante, uma geração que já chegou a levar 14 jogadores às Selecções (na mesma convocatória), ter um desempenho tão fraco...
Hoje, acabámos com 9 jogadores, parece que ainda falhámos um penalty...!!!

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Muito mais do que futebol

"O Benfica lidera o Campeonato e está qualificado para a final da Taça da Liga. A última época do futebol encarnado foi desportivamente a melhor dos últimos quarenta anos. Dito isto, percebe-se que não escrevo o que se segue para branquear ou desviar os olhares de resultados menos conseguidos no futebol.
O maior feito do consulado de Filipe Vieira no Benfica foi a manutenção e reforço das modalidades. Ver as modalidades do Benfica a disputar as provas internas quase todas, a conquistar Taças e títulos nacionais e a fazer provas europeias de prestígio coloca o clube num patamar que ele merece. Muito mais do que um clube de futebol. Como dizia esta semana Markovic, seja no voleibol ou no futsal, o Benfica é uma religião. Visto de fora por quem conhece é assim que parece. A qualificação para uma final europeia no voleibol, feito único no voleibol do clube, é mais um grande passo neste caminho, que defendo. Estava em Paris quando recebi a notícia da vitória sobre os italianos e festejei tanto ou mais que um feito do futebol. Tenho orgulho neste caminho que o Benfica seguiu, não optando pela via mais fácil.
Amanhã, voltamos à luta pelo 34.º título de futebol, precisamente contra o emblema que nos manteve como favoritos na última jornada ao empatar o rival. Estamos, pois, mais do que avisados. Na Luz, com o apoio do público, com Gaitán de regresso, é preciso vencer. O FC Porto entrou pela Madeira dentro pela terceira vez esta época, deixando por terra a competição pela qual mais chorou. O Benfica continuará a ser o único clube que venceu todas as provas nacionais, aconteça o que acontecer até ao fim. Foi em noite de última ceia que Lopetegui teve a última possibilidade de mostrar saber o clube que treina. Não creio que ressuscite, nem depois do terceiro dia... Amanhã irá dizer que lhe faltou treinar no Machico, mas para os seus adeptos falhou mesmo foi a vitória."

Sílvio Cervan, in A Bola

Nova vitória

Barcelos 77 - 82 Benfica
20-26, 21-14, 12-25, 24-17

Após a Final da Taça, novo encontro com o Barcelos, desta vez sem o Carlos Andrade, castigado após as 'celebrações' perfeitamente evitáveis no jogo da Taça...

Estávamos obrigados a ganhar, para não perder a liderança, já que o Guimarães está próximo... Começamos bem, mas tivemos um péssimo 2.º período!!! Aliás, estivemos bem no 1.º e 3.º períodos, e mal no 2.º e na parte final do 4.º, onde permitimos uma recuperação do Barcelos nos últimos 2 minutos até aos 77-78 a 45 segundos do fim!!! Mas conseguimos aguentar...!!!
Um jogo onde perdemos a luta dos ressaltos, onde foram marcadas muitas faltas (sendo o Benfica curiosamente o mais penalizado, apesar da defesa dos nossos adversários ser sempre muito mais agressiva...), e onde o mau aproveitamento do Barcelos da linha de lance livre foi decisivo (isto é um recado especialmente dedicado ao Lonkovic que até poderá ser jogador do Benfica no futuro próximo...)!!!

Meia dúzia

Benfica 6 - 1 Boavista

Boa vitória, num regresso após paragem para a Selecção. Jogo com pouca história, o Benfica foi sempre superior... boa atitude, sempre a pressionar, e com mais algum acerto no remate podíamos ter ganho por mais.
O Boavista tem uma equipa recheada de veteranos, ainda criaram algum trabalho aos nossos guarda-redes (o Juanjo é mal batido no golo sofrido...), mas onde os Boavisteiros se destacaram mais, foi a dar porrada!!! Várias entradas completamente disparatadas...!!!

1.º jogo...

Corruptos 28 - 25 Benfica

O Benfica está a jogar no limite, se tudo correr bem, será possível ganhar um destes jogos, não será fácil, até porque os Corruptos, quando tudo sai mal, dão a bola ao Gilberto (10 golos), e ele resolve...
Espero que estes jogos, pelo menos sirvam para o secção perceber o que falta a esta equipa do Benfica - essencialmente 'tiro' de longa distância...  - e na próxima época, estejamos mais competitivos.
Amanhã haverá novo jogo no antro... depois teremos jogos na Luz, e já provámos este ano que podemos ganhar.

Vício de ganhar

"Está de volta o Campeonato, mas a paragem para o jogo da selecção foi tudo menos monótona. É a vantagem de ser adepto de um dos clubes mais eclécticos do planeta.
Enquanto uns preparavam os cheques-brinde para as últimas jornadas da Liga e outros brincavam à construção civil para atirar poeira aos olhos dos consócios, os Benfiquistas sorriram. Vibrámos com o apuramento histórico do Voleibol para a final da Taça Challenge, sorrimos com a presença do Futsal na final a quatro da Taça de Portugal e liderança isolada no Campeonato, saltámos das cadeiras com mais uma goleada do Hóquei em Patins - que está a uma vitória do título - e continuamos a lutar pela conquista do quinto troféu desta época no Basquetebol. Isto enche-me as medidas.
Já o mesmo não posso dizer da exibição da selecção na Luz. O público bem tentou puxar, mas Fernando Santos tem muito trabalho pela frente. Os erros de casting são óbvios e CR7 não pode fazer tudo. Ele bem tenta, mas não pode.
Estou até a pensar pedir uma indemnização à Federação por má prática de Futebol em relvado sagrado. É o que dá estar habituado a ver apenas jogos do Benfica. Felizmente, amanhã às 17h00, os artistas volta à Catedral para jogar com o Nacional, a equipa que perdeu dois pontos - de baliza aberta - contra o segundo classificado da Liga. Já sabemos que não vai ser fácil, nenhum jogo é. Temos que o tornar simples. E como é que isso se faz? Com concentração, com vontade de ser campeões e com golos. Com golos suficientes que nos permitam estar a salvo de penalties de última hora, agressões cobardes, foras-de-jogo por linhas curvas e outras artimanhas corruptas. Estamos prontos!"

Ricardo Santos, in O Benfica

Mais um fim-de-semana à Benfica!

"O Sport Lisboa e Benfica, o maior e melhor Clube português, o mais ecléctico do Mundo, está imparável, não duvidemos.
Excelente o desempenho da nossa equipa de Voleibol na Challenge Cup, ao garantir a presença na final da competição. As duas vitórias frente aos italianos do CMC Ravenna ficarão gravadas para sempre nos anais da história do Voleibol português e Benfiquista.
Este feito é o corolário de anos recentes de investimento acertado e bom trabalho desenvolvido na Luz. Aos pupilos do Prof. José Jardim, após os festejos da Supertaça e da Taça de Portugal e a brilhante qualificação para a final europeia, restam-lhes dois desafios complicados, mas, acredito, superáveis: a renovação do título nacional e a conquista, em duas mãos, da Challenge Cup. O seu empenho e competência enchem-nos de esperança que continuemos na senda dos triunfos.
Quem também merece o apreço e a admiração de todos os Benfiquistas é a nossa equipa de Hóquei em Patins, possivelmente a três pontos apenas de se sagrar campeã nacional. A vitória, assim a consigamos obter na próxima jornada (meados de Abril), na Luz, frente ao FC Porto, garantirá o título, que deveria tratar-se de uma renovação, não fosse a arbitragem escandalosa em Valongo, na temporada passada, que nos afastou do primeiro lugar da classificação. Caso sejamos campeões, voltaremos a ser o Clube que detém, em conjunto, mais Campeonatos Nacionais e Taças de Portugal.
Nota ainda para os canoístas Benfiquistas que representaram o SLB na Taça de Portugal de Regatas em Linha. Joana Vasconcelos, João Ribeiro e Teresa Portela subiram ao pódio, com destaque para esta última, que venceu as provas de K1 500m e K1 200m."

João Tomaz, in O Benfica

Potência desportiva

"Com as várias modalidades ainda a entrarem na fase decisiva das principais competições, será prematuro fazer desde já um balanço rigoroso da temporada ecléctica do nosso clube.
Ainda assim, pode dizer-se que o Voleibol, o Basquetebol e o Atletismo, mesmo tendo pela frente as decisões nos respectivos campeonatos, já fizeram por tornar positiva a época de 2014-15. No Voleibol, Taça e Supertaça estão já nas nossas vitrinas, troféus aos quais temos que juntar uma histórica prestação internacional, faltando apenas selar o tri-campeonato. No Basquete, haverá que concretizar o tetra-campeonato, mas já arrecadámos Taça, Supertaça, e os troféus Hugo dos Santos e António Pratas, ou seja, todas as provas oficiais disputadas no País.
No Atletismo, aos títulos já alcançados não podemos deixar de somar o triunfo de Nélson Évora nos Europeus de Pista Coberta – ainda que com as cores da selecção portuguesa.
Nas restantes três modalidades de pavilhão, está tudo em aberto. A fantástica equipa de Hóquei em Patins tem o título nacional e a Taça de Portugal à mercê, levando 23 vitórias, um empate e zero derrotas nestas duas provas até ao momento (uma pena a eliminação europeia…). O Futsal aponta também a uma eventual dobradinha, seguindo igualmente invicto nas duas provas (22 vitórias e 3 empates). Quanto ao Andebol, começa este fim-de-semana a disputar a meia-final do play-off, sendo que também na frente europeia se tem destacado.
Com uma percentagem de vitória na casa dos 86% (82% nos dois anos anteriores), as nossas modalidades estão bem e recomendam-se. Espera-se, pois, mais um ano à Benfica."

Luís Fialho, in O Benfica

Rumo ao Bi

"Vamos a isto! Estão reunidas todas as condições para prosseguirmos com o ambicioso objectivo de nos tornarmos bicampeões. A três pontos do adversário - com uma vitória por dois golos sem resposta no estádio do Dragão na primeira volta - o Benfica apresenta-se como o mais forte candidato ao título. E o FC Porto? Onde se situa? Ainda tem hipóteses de nos estragar a festa? Teoricamente, tudo se mantém em aberto. Na prática, o empate frente ao Nacional no fim-de-semana em que o Benfica é derrotado pelo Rio Ave diz tudo sobre o calibre moral e psicológico da equipa liderada por Lopetegui: sem estofo de campeões, sem capacidade de agarrar as oportunidades e sobretudo com uma enormíssima pressão psicológica em cima. Não obstante querer sacudir a água do capote, Lopetegui e o onze principal do FC Porto sentem ferozmente a pressão da distância para os encarnados e a curta margem de manobra de que ainda dispõem nesta Liga. De facto, entrando em campo depois da derrota do líder, o FC Porto teve todas as condições de tornar a recta final do Campeonato num tumulto de sensações e riscos. Não o conseguiu, muito devido ao facto de que não soube lidar com a enorme pressão externa e interna decorrente da vitória do Rio Ave sobre os campeões nacionais. Tudo naquele campo, do ponto de vista psicológico, correu mal. Tudo foi precipitado. Até os árbitros pareciam nervosos. É por isso que reforço aquilo que já várias vezes disse: esta época só o Benfica assumiu estofo e garra de campeão desde a 1.ª ronda!
Uma nota final de apreço e satisfação pelo feito histórico da equipa do Benfica de Voleibol, ao alcançar a final da Taça Challenge depois de bater o difícil CMC Ravenna. Mais uma prova de que o esforço gera resultados muito satisfatórios."

André Ventura, in O Benfica

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Perdemos com Cabo Verde porque só jogámos com 10! (diria o Lopetegui se fosse português)

"Lopetegui, o Medina Carreira da arbitragem, disse que «não devem ser os árbitros a decidir o campeonato» mas não disse que os árbitros não devem decidir a Taça da Liga.

NO domingo Matic assinou um golo extraordinário na Luz, a fazer lembrar um golo não menos extraordinário que marcou ao Porto quando era jogador do Benfica.
Na véspera do jogo dos sérvios com os portugueses, Matic expressou-se em bom português perante os jornalistas para lhes dizer que acredita que o Benfica vai ser campeão.
Curiosamente, da última vez que Matic falou à imprensa nacional foi também para se atrever a uma previsão arriscada de que se saiu com extraordinário brilhantismo. Lembram-se?
Na semana que antecedeu a visita do Benfica a Alvalade o jogador sérvio não se coibiu de afirmar perentoriamente que Jardel marcaria um golo ao Sporting na casa do Sporting.
Acertou? Acertou em cheio. E não digam, por favor, que esta era fácil.
O nosso desejo é que Matic continue a acertar em todas as suas previsões, umas naturalmente mais extraordinárias do que outras.

NOTÍCIAS fresquinhas, dizem-nos que o Kléber do Estoril está em dúvida para o jogo de sábado no Porto. Dizem-nos que Kléber está «condicionado».
Só pode ser boato.

O Real Madrid é um colosso, é dono de uma equipa mirabolante, tem milhões de adeptos espalhados pelo mundo inteiro mas do Real Madrid, com toda a franqueza e com o devido respeito, a única coisa que me interessa verdadeiramente é o Fábio Coentrão.
Já na última final da Liga dos Campeões, aquela que foi disputada no Estádio da Luz, vi-me a braços com o dilema de por quem torcer se por um lado estava, precisamente, o Real Madrid de Fábio Coentrão estando no outro campo o Atlético de Madrid de Tiago, que não é de somenos.
Mesmo assim devo confessar que torci convictamente pelo Real Madrid enquanto Fábio Coentrão esteve em campo mas assim que o dito Coentrão foi substituído pelo brasileiro Marcelo passei a desejar de todo o coração a vitória da equipa de Tiago, o que não veio a acontecer com grande tristeza minha.
Sou, portanto, Coentrão à parte, alheia às coisas do dia-a-dia do Real Madrid. É lá com eles. No entanto, quase juraria ter passado os olhos recentemente por uma notícia a respeito de um outro jogador do mesmo emblema, Cristiano Ronaldo.
Dizia-se que estava em blackout. Que não prestava declarações à imprensa por estar aborrecido com qualquer coisa que se escrevera a seu respeito e que, entretanto, já esqueci por não me ter parecido assim tão importante ao ponto de a reter.
Tudo isto vem a propósito do jogo de domingo da selecção contra a Sérvia. Tratou-se, em súmula, de um pequeno festival protagonizado por dois ex-jogadores do Benfica – Matic e Fábio Coentrão, por ordem de entrada em cena –, que viria a terminar com a vitória por 2-1 da nossa equipa nacional. Merecidíssima, acrescente-se.
Quero crer que o blackout de Cristiano Ronaldo foi óptimo para a selecção. Deixou-a concentrar-se em si mesma sem barulheiras fúteis a causar distracções.
Muitos parabéns a todos. Não mudem.

OUTRA notícia fresquíssima. Em entrevista ao Porto Canal, Julen Lopetegui, com um ar muito sério, exigiu competência aos árbitros portugueses.
Se não é boato olhem que parece.

NO jogo com o Paraguai, Talisca marcou um golo pela selecção olímpica do Brasil e caiu redondo. O desmaio do jogador do Benfica causou grande alarme no relvado e nas bancadas do Estádio Kléber Andrade, na cidade de Vitória.
Talisca foi prontamente levado ao hospital mais próximo e sujeito a uma catrefada de exames radiológicos e neurológicos que não indiciaram qualquer tipo de lesão.
Talisca chegou ao Benfica no início desta temporada e, sem fazer férias, integrou-se imediatamente nos trabalhos do seu novo emblema. O rendimento de Talisca na equipa do Benfica não é agora tão fulgurante como quando chegou mas é da maior conveniência e justiça contrapor que o jovem jogador brasileiro não goza férias vai para dois anos.
A meia dúzia de minutos que esteve sem dar acordo de si no jogo com o Paraguai foi o único período de descanso, ainda que forçado, gozado por Talisca nos últimos longos tempos. A ver se chega porque precisamos muito de Talisca daqui até fins de Maio.

DE acordo com um matutino da capital, o presidente do FC Porto viu-se obrigado a defender com veemência o seu treinador perante o discurso aguerrido e, principalmente, inconformado do dirigente Antero Henrique consumado que foi o empate com o Nacional na ilha da Madeira.
Outro boato. Isto está imparável.

SE a Natureza prosseguir o seu curso, como lhe cabe por definição, o nome a ser mais falado durante toda a próxima semana será o do árbitro Carlos Xistra, a quem presto já por antecipação toda a minha solidariedade institucional.
Carlos Xistra está nomeado para dirigir hoje o jogo Marítimo-Porto que decidirá o nome do segundo finalista da Taça da Liga e, como se não lhe bastasse, foi também nomeado para dirigir depois de amanhã o Benfica-Nacional para a Liga que decidirá se o Benfica está ou não está no seu perfeito juízo tendo em conta que quer ser campeão, outra vez.
No entanto, e para mal dos nossos pecados, o árbitro Carlos Xistra vai entrar mais condicionado na Luz, no sábado, do que condicionado vai entrar nos renovados Barreiros do Funchal, já hoje.
E porquê?
Porque Lopetegui, o emérito catastrofista, a quem já chamam o professor Medina Carreira da arbitragem nacional, disse que «não devem ser os árbitros a decidir o campeonato» mas, atentem bem, não disse que não deviam ser os árbitros a decidir a Taça da Liga.
Ou disse? Não, não disse.
Coisas cirúrgicas como estas servem apenas para lançar mais e maior confusão nas cabeças dos árbitros. Quanto ao Benfica, que é o que nos interessa, ser-lhe-á conveniente não entrar nestas discussões e, sobretudo, ser-lhe-á da maior conveniência jogar muito à bola com o Nacional não se atrevendo a repetir o trabalho indigente com que nos presenteou, vai para quinze dias, em Vila do Conde.

DEPOIS da boa vitória sobre a Sérvia, sem ponta-de-lança em campo e com o treinador fora do banco, a selecção perdeu frente a Cabo Verde com ponta-de-lança sempre em campo e com o treinador sempre no banco.
E se perdeu não foi por causa do árbitro.
Aliás, se o Fernando Santos fosse tipo-Lopetegui, (não é), ter-se-ia justificado no final do jogo de terça-feira alertando para o facto, indesmentível, de Cabo Verde ter jogado com 11 contra 10 durante a última e fulcral meia hora de jogo.
«O que fez toda a diferença», acrescentaria Lopetegui.
O Portugal-Cabo Verde foi divertido e teve as suas curiosidades. A primeira dessas curiosidades nem sequer foi o resultado, como se poderia facilmente admitir, mas sim a persistência da nossa selecção em Éder, o avançado do Sporting de Braga que somou anteontem a sua 17.ª internacionalização pela equipa A sem nunca ter conseguido marcar um golo que se visse.
O mesmo Éder, no entanto, já marcou nesta temporada um golo ao Benfica, nem mais nem menos do que ao campeão nacional, e um golo que fez muita diferença.
Gosto de repetir que o Benfica é muito mais do que um clube, é uma obra social.
E é mesmo. Mas às vezes, caramba, exagera…

AO serviço das respectivas selecções muitos foram os jogadores do Benfica que, pela primeira vez este ano, fizeram um jogo a meio da semana. Acredito que se vão apresentar com grande intensidade competitiva frente ao Nacional.
Os jogadores do Benfica são todos atletas de altíssima competição, não são atletas de baixa competição. Por isso mesmo tem-lhes faltado jogar na Europa e testarem-se naquele frisson internacional que dá balanço para os grandes cometimentos. Foi o que aconteceu no ano passado. E no ano anterior ao ano passado.
Esta coisa de não ter nada que fazer a meio da semana amolece os espíritos mais audazes."

Leonor Pinhão, in A Bola

Alarme na Luz: perigo amarelo

"Meia equipa à beirinha de exclusão, problemão nos 3 jogos antes do dito dia D... (ou até nesse...). Aqui reside a maior esperança portista.

Corrida pelo título apenas a oito passadas da meta e distância encurtada entre os dois protagonistas que podem, e tanto desejam, receber louros de campeão. Tropeçar é-lhes definitivamente proibido. Ou como isto está de gritos!
Tem-se falado do calendário que resta a Benfica e FC Porto, com decorrente análise de qual deles terá mais difíceis obstáculos. Muito subjectivo, até por já haver provas de flagrante erro nas opiniões que os consideravam intraváveis por adversários por adversários deles tão distantes em capacidade, como, é verdade, a classificação tão vincadamente expressa (até o SC Braga, tão cómodo no 4.º lugar, já a 15 pontos do FC Porto e a 18 do Benfica...). Ora essas recentes provas do contrário chamam-se Paços de Ferreira e Rio Ave (ambos derrotaram o líder), Marítimo e Nacional (vitória e empate enfrentando supostas labaredas do dragão).
Com muito maior firmeza se tem dito que a chave do título estará no directo confronto entre ambos, no estádio da Luz, daqui a 4 jornadas. Bem provável, mas não certeza. Depende de, sim ou não, ao Benfica bastar empate; que é como quem diz de o FC Porto ter de vencer e de, sim ou não, ter de fazê-lo por diferença de 2 golos, no mínimo. Em qualquer dos casos, ainda ficando a faltar 4 passadas...
Em primeiro lugar: depende do que acontecer até lá... Que programa antes do choque directo? Benfica recebe Nacional e Académica e visita Belenenses. FC Porto joga, em sua casa, com Estoril e Académica, pelo meio vai ao terreno do Rio Ave. Parecem equilibrados no grau de dificuldades, não assustador (Belenenses e Rio Ave estão lado a lado, a 1 ponto do 6.º lugar). Grande diferença: neste espaço de tempo, o FC Porto terá dois jogos com o Bayern, decidindo acesso ao tão prestigiante e lucrativo luxo e meia-final da Champions. Desgaste físico inevitável. Num ápice ultrapassado por fabuloso choque vitamínico se o FC Porto cometer a proeza de eliminar um dos gigantes europeus/mundiais.
Intensa expectativa: neste decisivo Abril, como irá o FC Porto analisar a gerir prioridades entre ataque à fortaleza do colosso alemão (dificílimo levar a melhor) e aposta em recuperar o título nacional, seu máximo objectivo da temporada (sobretudo para não consentir Benfica bicampeão).
Neste momento, total responsabilidade de cortar a grande meta nacional como campeão é do Benfica. Por ter avanço de 3 pontos (eventualmente equivalentes a 4, face ao 2-0 do seu triunfo no Dragão), por disputar no seu estádio o dito jogo do título e, ainda, por não ter qualquer desgaste extra campeonato... Nestas privilegiadas condições, perca do título daria terramoto na Luz

Porém, convirá colocar foco no intenso perigo amarelo que alastra sobre o Benfica e muitíssimo o ameaça nas próximas semanas (crucial no jogo com o FC Porto incluído). Num plantel com quantidade de qualidade bem inferior ao portista, a densidade de importantes jogadores à beirinha de disciplinar exclusão é enorme dor de cabeça para Jorge Jesus. Para além de não poder contar com Luisão depois de amanhã, tem os defesas laterais Maxi e Eliseu, o médio Samaris e os avançados Salvio e Jonas no limite de cartões amarelos. Meia equipa, 5 titulares e logo estes... Impossível passarem incólumes por 3 jogos antes do tal dito dia D (e o despique imediatamente anterior será em casa do Belenenses).
Que gestão deste problemão irá Jorge Jesus fazer? Decerto não arriscará poupar alguém perante Nacional que está em fase ascensional e até acaba de empatar com o FC Porto. De segunda, face a Académica com espectacular pedalada nas últimas semanas e na visita a Belenenses quiça ainda com sonho europeu, que capacidade para vencer sem quase meia equipa?
Ora Benfica que entre no directo confronto com o FC Porto não dispondo da actual salvaguarda de 3 pontos estará num fiozinho de débil arame... Aqui reside a maior esperança portista: os próximos 3 jogos deste Benfica sob alarme de tremendo perigo amarelo."

Santos Neves, in A Bola

Cartão branco

"A policromia faz parte dos cartões exibidos no desporto. Desde o temido cartão vermelho, ao avisado amarelo, passando por um alaranjado que não existe nos regulamentos mas exprime a cor da dúvida algures entre o amarelo e o vermelho, passando ainda pelo azul (por exemplo, no hóquei) para 2 minutos fora do rinque.
Platini anunciou a hipótese de um cartão por suspensão temporária no futebol. De cor branca. Imagino o que seria, na prática, esta ideia bizarra. É que este tipo de suspensão, além de ser de difícil aplicação (como se definiria o intervalo entre o amarelo e o vermelho para se aplicar esta zona de purgatório?), não vejo como medir 10 minutos fora do campo sem ser através da contagem do tempo efectivamente jogado, coisa que não existe no futebol.
Aqui chegado, quero saudar um outro cartão branco: o português. Várias organizações (AF Setúbal, várias organismos de árbitros e a Direcção do Plano Nacional de Ética no Desporto) lançaram um projecto-piloto do Cartão Branco Fair Play, incidindo, nesta fase, nos escalões mais jovens e no futsal e que será igualmente testado pelas Federações de Basquetebol, Patinagem e de Andebol.
Pretende-se valorizar as atitudes e conduta exemplares, visando a centralidade da componente humana e ética do desporto, não só dos atletas, como dos treinadores, dirigentes e até expectadores.
Excelente iniciativa com um carácter pedagógico e polinizador dos bons exemplos. Também para os árbitros é um cartão que permite associá-los não só à sanção punitiva, como a ter um papel na explicação das boas práticas e do fair play."

Bagão Félix, in A Bola

Pára tudo...

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Dia das mentiras

"Hoje é o Dia das Mentiras. Parece que a origem deste dia vem de França, há alguns séculos. E, por cá, tornou-se, numa versão mais pitoresca e benigna, o consagrado dia das petas. Porque, para mentiras propriamente ditas, há dias todo o ano.
Lembro-me, menino e moço, da aposta que fazia com colegas para descobrir, em primeiro lugar, a peta dos jornais que folheávamos sofregamente. Hoje, creio que se terá perdido esse cândido fascínio adivinhador. Provavelmente porque a peta se espalhou por todos os dias do calendário, no meio de notícias em catadupa que ora aparecem, ora logo desaparecem. A mentira espalha-se virulentamente, como que metarmorfoseada numa nova especiaria comportamental. Vestindo-se ou transvestindo-se de muitas e sofisticadas formas: omissão, meia verdade, exagero, rumor, incoerência, quimera, ilusão, insinuações e até, às vezes, uma versão oficial por via do Diário da República.
Aparentemente estamos perante uma contradição. Há mais informação, a notícia corre célere, a imagem documenta até em excesso, e, todavia, a mentira floresce, a cada instante, em toda a parte. As redes sociais e as novas tecnologias transformam facilmente uma mentira numa aparente e leviana verdade.
Se, no futebol, tivesse que eleger a mentira mais repetida diria que é o amor declarado de uma esmagadora maioria de jogadores ao clube em que vêm jogando. Uma mentira do coração no coração da mentira! E a mentira mais técnica é a costumeira frase 'enquanto for matematicamente possível...'. Uma mentira aritmética na aritmética da mentira.
Chega de conversa. Vamos, agora, descobrir a peta de A Bola..."

Bagão Félix, in A Bola

PS: A mentira da Bolha foi demasiado descarada, o Brunão não fará as pazes com ninguém, seja o Duque ou outro qualquer... Agora a mentira do Rascord, apesar de parecer absurda (o regresso do Desdentado da 'reforma'!!!), tenho de fonte segura, que houve alguém a pensar seriamente no assunto...!!! Mas o próprio, achou que a actual campanha em seu favor, poderia sair prejudicada!!!

No mundo da ficção

"Ao contrário do que foi sugerido pelo seu empresário (?), o SL Benfica não está interessado no jogador sérvio Aleksander Mitrovic. Ao contrário do que o seu empresário (?) afirmou, não houve qualquer reunião com dirigentes do SL Benfica. Desejamos as maiores felicidades ao jogador, mas, a pessoa que se diz seu empresário, deve rever a sua forma de agir. O SL Benfica não pode ser usado para promover jogadores e invocar reuniões que nunca aconteceram dá sempre mau resultado. Já agora, convém igualmente esclarecer que Isaac Cuenca não é, nem foi opção para o SL Benfica."