Últimas indefectivações

sábado, 21 de janeiro de 2012

Finalmente, uma boa notícia neste Sábado...!!!



Benfica 3 - 1 Castêlo da Maia

25-13, 25-19, 22-25, 25-20



Uma vitória mais difícil do que eu esperava, o 3º e 4º Set's foram complicados, mais por culpa dos nossos jogadores, mas mais uma vez o banco ajudou, principalmente o Ché... não tenho informações privilegiadas, mas acho que o Royal vai ser o distribuidor principal da equipa na fase final da época!!! Amanhã temos mais um jogo de grau de dificuldade elevado, a recente vitória para a Taça sobre o Guimarães, não conta para nada... temos que manter a intensidade durante todo o jogo.

PS: Pois eu tinha avisado, depois do Sp. Espinho e do Guimarães na Taça, agora calhou o Fonte Bastardo!!! Se calhar nas Meias-finais jogamos com o Castêlo da Maia, e depois na Final defrontamos uma equipa da 2ª Divisão!!!


Derrota em Itália

Lodi 8 - 5 Benfica


Nada está perdido, agora na segunda volta vamos receber os Italianos e os Espanhóis... a decisão será na Luz, e até nos podemos qualificar antes da última jornada, quando o Vic visitar a Luz.

Sobre o jogo de hoje, depois de entrar a ganhar por 0-3, não é fácil aceitar a derrota, mas um início suicida da segunda parte amputou as nossas possibilidades, num ambiente vulcânico, com a arbitragem condicionada, ficar em desvantagem no marcador foi fatal... agora já venho a escrever à bastante tempo, temos que defender melhor...

A MENTIRA DO EXPRESSO



Como vem sendo habitual alguns BENFIQUISTAS gostam de emprenhar pelos ouvidos e vai daí dão como verdade toda e qualquer noticia que tenha como alvo a ABATER o Presidente LFV.
Hoje foi o caso, o expresso pegou no tema já gasto das negociações das transmissões .entre o BENFICA e a sporkos tv, deram como certo o acordo entre as partes, e lá temos toda a gente a opinar sobre aquilo que não conhece
ACORDO ESSE DESMENTIDO PELO BENFICA.
O que me entristece é que BENFIQUISTAS comentem logo na hora a falsa noticia, pois há um alvo a abater,(LFV) só que no minuto seguinte sai o desmentido OFICIAL e não vejo ninguém a RETRATAR-SE.

MAFARRICO

Fora da final da Taça Hugo dos Santos



Barreirense 84 - 83 Benfica



Desta vez o lançamento no último segundo não entrou, e fomos eliminados. As ausências de vários jogadores estão a provocar um desgaste enorme nos jogadores aptos. O Benfica tem uma equipa com vários veteranos, que com a rotação habitual não se nota, mas quando jogamos somente com 7 jogadores, como foi o caso de hoje, a frescura não é a mesma... por isso mesmo estranho a não utilização do Carreira, e do Ferreirinho que contra este mesmo adversário para o Campeonato fez uma grande exibição.

Horribiles



Benfica 16 - 22 Madeira SAD



Creio que ninguém será capaz de explicar a entrada do Benfica neste jogo... a ausência dos jogadores na Selecção nos últimos dias não será desculpa concerteza. As 'brancas' desta equipa já não são novidade, já era tempo de acabar com estes momentos absurdos!!! Eliminados na Taça, cancelada a Supertaça, resta a Europa sem grandes ambições, e o Campeonato: no qual já estamos em desvantagem...

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Como não havemos de estar felizes?

"Acabou a primeira volta do campeonato. Finalizou a fase de grupos da Liga dos Campeões. E o Benfica cumpriu os dois principais objectivos. Liderar o campeonato sem derrotas, ganhar o grupo e apear o Manchester United. Como não havemos de estar felizes?

O Benfica tem o melhor ataque da competição, tem a melhor diferença de golos e o melhor marcador do campeonato. Como não havemos de estar felizes?

Basta um empate em casa no último jogo para estar nas meias-finais da Taça da Liga e poder, pela primeira vez, ganhar quatro títulos seguidos de uma competição nacional. Como não havemos de estar felizes?

Da última vez que o Benfica terminou a primeira volta em primeiro isolado e sem derrotas eu andava no Liceu e tinha 14 anos. Por vezes nem apreciamos aquilo que conseguimos. Como não havemos de estar felizes?

Nesta primeira volta, Vítor Pereira mostrou não ser tão forte como Villas Boas. Domingos mostrou ser igual a Paulo Sérgio, só Jorge Jesus mostrou ser ainda melhor que Jorge Jesus. Pontuação dixit.

No último mês, o Santa Clara, ao perder 0-2 na Luz, fez o melhor resultado que algum adversário do Benfica conseguiu. Rio Ave, Vitória de Guimarães, UD Leiria e V. Setúbal fizeram pior. Como não havemos de estar felizes?

A fronteira do sucesso e do fracasso é estreita em futebol. O FC Porto está apenas a dois pontos e é adversário capaz, mas não poderemos negar cinco grandes meses deste Benfica. Razões várias de um sucesso colectivo que só fará sentido se culminar em títulos.

Os recordes entretêm e vão mantendo alto o moral e elevado o ânimo mas só títulos são razão bastante de festejo.

Iniciar a segunda volta sem «Galo», ganhar ao Gil Vicente e continuar felizes a ganhar jogos e bater recordes.

Abraço amigo nesta hora de infortúnio para o Nelson Évora, perda olímpica, injustiça cruel."


Sílvio Cervan, in A Bola

Direitos televisivos

"Num momento em que o Benfica domina o campeonato, o nosso Estádio enche e se perspectivam tempos de algum apaziguamento, há um assunto que nos tem preocupado nestes, aparentemente, plácidos tempos de benfiquismo: a anunciada renegociação dos direitos televisivos.

Há quem defenda que se deve fazer o melhor negócio possível, independentemente do interlocutor da negociação; há quem defenda que nem se deveria levantar a possibilidade de renegociar com a Olivedesportos; há quem defenda que a Benfica TV, com outro enquadramento, é a melhor solução; há quem defenda que se está a precipitar o tempo da decisão relativamente a este assunto… O tema está longe de ser pacífico e, no meio de tudo isto, surge uma nova personagem na presidência da Liga que defende e promete, demagogicamente e servindo interesses que não me parecem os do Benfica, a negociação colectiva dos ditos direitos.

A informação acerca do assunto é quase diária e nem sempre é credível. Há muito ruído e pouco esclarecimento. Deste modo, defendo que, neste momento, Luís Filipe Vieira deverá encontrar uma solução que permita, dentro da família benfiquista, discutir a situação, esclarecer os sócios acerca das suas intenções e ficar esclarecido acerca das intenções dos associados.

Nem sempre as emoções das massas são o melhor conselheiro na condução racional dos negócios do nosso Clube. Ainda assim, o assunto em apreço é de tal ordem sensível que uma decisão tomada apenas na solidão de um gabinete e indiferente à vontade dos sócios pode colocar em causa a própria decisão."


Pedro F. Ferreira, in O Benfica

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Triste Fado...

O calvário das lesões graves não 'larga' o nosso Campeão Olímpico e Mundial do Triplo Salto. A alta competição não faz bem à saúde dos atletas, o triplo salto especificamente provoca um esforço sobre-humano, principalmente no 2º e 3º apoio... os grandes saltadores dos últimos tempos, a nível mundial, têm sido vitimas de lesões constantemente, infelizmente o Nelson não conseguiu fugir à regra. Como grande admirador do Nelson, tanto do atleta e da sua filosofia de treino, como da maneira como se comporta publicamente, só posso desejar as melhoras o mais rapidamente possível. Já não será a tempo dos Jogos de Londres, mas haverá outras competições...

Carlos Pereira, um sogro do pior?

"MÁRIO FIGUEIREDO é o novo presidente da Liga de Clubes e há quem acredite ter tido peso determinante nesta surpreendente eleição a entrevista concedida recentemente por António Oliveira à RTP. Ao seu jeito de sempre, de admirável anarquista por conta própria, António Oliveira apontou para a Olivedesportos como o berço e o caixão do futebol português e do seu cortejo das mais variadas ruínas.

No entanto parece abusivo concluir que a vitória de Mário Figueiredo resultou da expressão da revolta dos clubes contra a empresa de Joaquim Oliveira que distribui entre todos, em função das respectivas grandezas e pequenezas, os proventos das transmissões televisivas de cujos direitos é proprietária há duas décadas.

Foram os clubes pequenos que elegeram Figueiredo e sobre isso não restam dúvidas. Benfica, FC Porto e Sporting apoiaram formalmente a candidatura do candidato derrotado. António Laranjo, cujo currículo nestas andanças é bem superior e mais impressionante do que o do candidato vencedor.

O Know-how de Laranjo é inquestionável. Foi ele o responsável máximo pela organização do Europeu de 2004, em Portugal. Se alguma coisa correu mal, como, por exemplo, o resultado da grandiosa final com a Grécia, Laranjo está isento de culpas porque não foi ele quem autorizou ou organizou aquele cortejo triunfal, um verdadeiro arraial campino, que acompanhou patrioticamente o percurso do autocarro da selecção nacional entre Alcochete e o Estádio da Luz. E depois foi o que se viu.

O currículo de Mário Figueiredo, em comparação, é bem mais curto. Profissionalmente, fez carreira num famosíssimo escritório de advocacia portuense, o que lhe poderia até valer uma maior consideração e estima por parte de quem, neste processo eleitoral, insistiu em menosprezar a sua candidatura.

Como se Figueiredo, em termos de futebol, não tivesse nada de mais sonante para apresentar do que o facto de ser genro de Carlos Pereira, presidente do Marítimo, um clube muito rebelde como é do conhecimento público.

Carlos Pereira? Já viram o filme, não viram? Valha-nos, um sogro do pior!

A vitória pelo voto dos pequenos contra os grandes é sempre uma alegria, nos tais termos de futebol e nos outros termos também. Os três grandes tinham declarado o seu apoio ao candidato Laranjo e nada fazia prever que esta inesperada troika de interesses muito reais sucumbisse nas urnas como sucedeu.

Laranjo, certamente, não iria ter uma vida fácil porque gerir no terreno os conflitos entre os maiores deve ser uma incomensurável dor de que já se livrou.

Mas o que terá levado os três grandes, por regra sempre desavindos, a apoiar em conjunto uma candidatura de um homem sem telhados de vidro à presidência da Liga de Clubes?

Terá o Benfica apoiado António Laranjo na convicção de que o seu presidente da Liga obrigaria, por exemplo, o Sporting a pagar os trabalhos de recuperação da área vandalizada do Estádio da Luz, tal como os regulamentos da Liga recomendam?

Terá o Sporting apoiado António Laranjo certo de que, por exemplo, jamais seria obrigado a pagar ao Benfica as ditas obras e mais certo ainda de que jamais o seu presidente da Liga mexeria uma palha para que fossem retiradas as polémicas imagens que tão exaltadamente decoram o corredor de acesso aos balneários da equipa visitante no Estádio de Alvalade?

E o FC Porto? Que encantos viu o FC Porto na candidatura de Laranjo para além de poder ufanar-se de que o seu presidente da Liga quase, quase, quase que tinha nome de fruta?

Mas Laranjo perdeu e Figueiredo ganhou. Agora vai ter de ser ele a dirimir estas e outras questões da actualidade sempre conturbada do futebol nacional.

E algumas dessas questões nasceram precisamente com a vitória de Mário Figueiredo no passado dia 12. Como a eminência do alargamento da divisão principal de 16 para 18 clubes, bandeira eleitoral da sua campanha. Foi com esta bandeira que o candidato dos pequenos deu o xito nos grandes.

Não é uma bandeira boa. O alargamento não vai trazer riqueza aos pequenos porque o bolo é o mesmo ainda que o número de convivas possa aumentar.

Com o alargamento irá haver uma nova distribuição da pobreza e, de modo nenhum, uma nova distribuição da riqueza. E cá estaremos todos para ver acontecer.

As maiores felicidades ao novo presidente da Liga são, no entanto, os votos de todos os bons desportistas e de todos os democratas, que ainda são alguns.


O Benfica fez um belo jogo com o Vitória de Setúbal. Sem Aimar, Javi Garcia, Garay e Gaitán no onze titular e com sete jogadores que só chegaram à Luz no Verão passado - Artur, Emerson, Matic, Witsel, Nolito, Bruno César e Rodrigo -, a equipa produziu um espectáculo de qualidade e ganhou expressivamente depois de ter começado o jogo a perder graças a uma bola que, embatendo na aresta errada do crânio do nosso Luisão, traiu o nosso guarda-redes, poker face Artur.

O lance foi infeliz, pois foi. Mas não houve choraminguices. O Benfica reagiu com um espírito adulto, com um futebol que dá gosto ver e voltou a golear.


PESSOALMENTE, assaltam-me grandes dúvidas sobre este Benfica de 2011/2012.

É que não sei se gosto mais de Rodrigo ou se gosto mais do Cardozo. Sim, são dúvidas luxuosas, reconheço. E acho que vou andar nesta feliz indecisão até ao final da temporada.

Peço perdão aos assobiadores do paraguaio se os ofendi.

Mas, olhem, foi de propósito.


POR falar em choraminguices, ontem Domingos Paciência ultrapassou-se a si próprio, o que é muito difícil. Um treinador de uma equipa grande, vir fazer queixas de dois jogadores do Braga porque lhe disseram «toma!» no túnel, no fim do jogo, é francamente de mais.

Toma?! É que nem «toma lá e vai almoçar» ou «...embrulha» ou «enxerga-te». Apenas «toma!» e deu logo direito a choradeira e a discurso sentido sobre a ingratidão de Hugo Viana e de Mossoró, jogadores que já teriam acabado as respectivas carreiras se Domingos não os tivesse feito ressuscitar do limbo em que penavam.

No seu vale de lágrimas, o treinador do Sporting ainda teve discernimento para se insurgir contra os «médicos, fadistas e carpinteiros» da casa que lhe moem a paciência todos os dias com os seus comentários na comunicação social.

Tomem!


«QUEM me dera escrever como o Messi joga», disse António Lobo Antunes um dia destes.

O nosso maior escritor é um esteta. A sua ambição é puramente literária, não provoca celeumas entre os seus pares e foi facilmente entendida pelos literatos do mundo inteiro. Lobo Antunes tem como émulo um futebolista excepcional, provavelmente o melhor de todos os tempos.

E qual o sarilho? Nenhum.

Bom, pensando melhor, há sarilho, sim senhores. Mas apenas com Cristiano Ronaldo que não deve ter achado lá muita graça à declaração de António Lobo Antunes. E todo o mundo literário, e não só, sabe bem como Cristiano Ronaldo é suscetível quando se trata de Lionel Messi.


E ontem a coisa ainda ficou pior. Embora Cristiano Ronaldo tenha marcado o golo do Real Madrid que pode não ser suficiente para a decisão da eliminatória da Taça do Rei visto que o Barcelona foi outra vez ao Santiago Bernabéu fazer aquela coisa do costume...

O Javi Garcia e o Rodrigo fazem muita falta ao Real Madrid.

E bonito bonito, foi ver o Fábio Coentrão aos 70 minutos desarmar o Messi.

Entretanto, praticamente à mesma hora no Estádio da Luz, o Benfica venceu o Santa Clara para a Taça da Liga. O jogo foi sensaborão. Só quando Nolito entrou em campo é que a coisa animou e de que maneira.

O Nolito poderá não fazer muita falta ao Barcelona. Mas faz sempre falta ao Benfica quando não joga ou quando jogo menos bem."


Leonor Pinhão, in A Bola

Gestão e indigestão

"No fecho da primeira volta, em que os pontos ultrapassam os conquistados em igual período na época do último título (em 2009-2010) e em que os desempenhos começam a aproximar-se dos alcançados pela máquina de ataque concebida por Jorge Jesus e municiada por Luís Filipe Vieira para essa temporada, o Benfica começou a partida com o Vitória de Setúbal com sete recrutas de primeiro ano. Ou seja, com sete jogadores que foram chegando à Luz por volta das últimas férias de verão. A saber: Artur, Emerson, Matic, Witsel, Nolito, Bruno César e Rodrigo. As quatro exceções foram Maxi Pereira, Luisão, Jardel e Oscar Cardozo. Dir-me-ão alguns que, em circunstâncias normais, estariam em campo Javi García, Aimar, Gaitán, até Saviola, todos com mais vasta quilometragem de Benfica nas pernas. É verdade, mas também não podemos esquecer Garay, reforço que pegou de estaca até à lesão.

Arredondando, para cima ou para baixo, é louvável a capacidade de integração e aproveitamento que o técnico do Benfica consegue num plantel que aguenta sem sobressaltos de maior a rotação dos avançados, que resiste às lesões de uma estrela como Gaitán e de um verdadeiro maestro como Pablo Aimar, que sobrevive às ausências de Luisão e Garay, hoje a melhor dupla de centrais a jogar em Portugal. Mais: que ainda dispõe de margem de crescimento interna, bastando para tanto que Enzo Pérez tenha regressado com disposição de mostrar que é um homem e um profissional, sem recaídas depressivas. Neste quadro dinâmico – e de valorização dos atletas, como vai ficando provado pelas vendas alcançadas, se pensarmos em Di María, Ramires, David Luiz, Fábio Coentrão – só custa entender como ainda há gente que não compreende que a titularidade é um bem escasso e a utilização um prémio pelo qual é preciso lutar, treino após treino. Não haverá quem explique a Ruben Amorim que mais vale integrar um elenco destes, mais vale um jogo na montra da Champions ou num clássico da Liga, do que a utilização regular numa equipa mediana e sem ambições? É que estamos a falar de um daqueles casos em que o jogador precisa mais do clube do que o contrário.

Depois da gestão, a indigestão sportinguista. Depois da Luz, de Coimbra, da receção ao FC Porto e da viagem a Braga, é vital rever os objetivos, com o terceiro lugar na Liga e a Taça de Portugal à cabeça. Não cerrar fileiras desde já pode significar um naufrágio semelhante ao da última época. Com duas diferenças essenciais: uma tem a ver com as expectativas que se alimentaram. Quanto maior a queda, mais séria a zanga. A outra prende-se com o investimento. Tantos milhões sem retorno são um estado transitório que não augura nada de bom para o que vem a seguir."


O Sporting vai jogar à porta fechada com o Beira-Mar

"1. Depois de tornadas públicas imagens criteriosamente colocadas no corredor de acesso aos balneários da equipa visitante, no Estádio José Alvalade, que retratam adeptos das claques em poses agressivas, desafiando os seguranças, outros de cara tapada e com tochas na mão e ainda poses que sugerem uma saudação fascista ou tatuagens com a cruz de ferro, um símbolo que está muito associado a movimentos da extrema-direita, teve lugar uma oportuna e urgente reunião do Conselho para a Ética e Segurança no Desporto.

2. Tal órgão, presidido pelo insubstituível presidente do Comité Olímpico de Portugal, é composto, ainda, entre outros, por Fernando Seara, Augusto Baganha, ex-presidente do defunto IDP, Carlos Cardoso, presidente da Confederação do Desporto de Portugal, Fernando Gomes, Joaquim Evangelista, Mário Saldanha, Nuno Delgado, Rosa Mota e Salomé Marivoet.
3. Vicente Moura, que convocou essa reunião, relembrou palavras proferidas ao PÚBLICO: “Tenho dificuldades em acreditar que as fotografias que me enviou tenham sido colocadas nos corredores de acesso aos balneários onde se equipam as equipas visitantes no estádio do Sporting. (...) Estou convicto que a direcção do SCP, na senda das tradições do clube as mande retirar.” Falou ainda em “formas de pressão dispensáveis”.
4. Mais longe foi Salomé Marivoet, especialista em violência no desporto: “As imagens falam por si. O painel de fotos veicula uma imagem dura de adeptos, seguramente uma minoria dos adeptos do Sporting, expressando uma hostilidade violenta para com as equipas visitantes, que contrasta com a mensagem escrita de ‘bem-vindos’. Trata-se de um painel numa zona de acesso reservado e, por isso, certamente sujeita a uma decisão dos órgãos directivos. Não posso deixar de concluir, como socióloga, que esta enfatiza a sublimação de uma subcultura de adeptos hostil e violenta por parte dos responsáveis do clube comprometidos com tal escolha, denotando conivência e exaltação da mesma. O caso assume ainda maior gravidade, dada a selecção de fotos veicular símbolos nacionalistas de extrema-direita.”
5. Perante tão firmes posições, os membros do CESD deliberaram, de acordo com o disposto no artigo 14.º, n.ºs 4, 6 e 7, da Lei n.º 39/2009, propor ao IPDJ a aplicação da sanção de realização de espectáculos desportivos à porta fechada, enquanto a situação se mantiver, sem prejuízo da aplicação de outras sanções, disciplinares ou outras, que venham a ter lugar.
6. O IPDJ agiu em conformidade.
7. Também o conselho de disciplina da FPF se apressou a instaurar um processo disciplinar. Declarações de vivo repúdio foram proferidas pelo presidente da FPF e pela LPFP.
8. Tudo, aliás, na linha, das declarações de viva censura proferidas no próprio dia do conhecimento público, pelo ministro Relvas e pelo seu secretário Alexandre Mestre. Outra coisa não podia deixar de ser, ou não tivesse o secretário pré-lançado, a 2 de Dezembro, as Linhas Gerais do Plano Nacional de Ética no Desporto (PNED).
9. Ineficaz, a UEFA pediu ao Sporting que removesse ou tapasse as imagens de cariz violento. Parece que “as imagens contrariam os valores de respeito e tolerância que a UEFA promove. A UEFA tem uma política de tolerância zero em relação à violência e as imagens mostram, no mínimo, uma posição ambígua quanto à violência provocada por adeptos”.
10. Em 2007, numa comunicação que tive a honra de apresentar em Espanha, iniciei o meu texto dando conta que o combate à violência no desporto e o posicionamento das entidades nacionais, face à lei portuguesa e às directrizes da UEFA/FIFA, fazia-me lembrar o tempo em que eu ia à bola. Quando os jogos eram nacionais, os bares serviam cerveja com álcool, mas, aquando de competições europeias, a cerveja era sem álcool.
11. Infeliz país. Pura ficção."




Javi Garcia: Touro e toureiro

"Javi Garcia divide os aficionados do futebol e há quem o considere violento, apesar do baixo recurso ao jogo faltoso.
Aficionados da bola, adversários ou adeptos, comparam Javi Garcia a um Miura espanhol, pela força e pela combatividade no jogo. Mas o trabalho dele é à frente das trincheiras como a lida de um toureiro, com ocupação precisa dos espaços, intervenções calculadas e estocadas certeiras.
E a estatística, cada vez melhor interpretada pelos treinadores, contraria a ideia empírica e confirma que o espanhol do Benfica é mais «diestro» do que besta, mais cirúrgico do que genérico.
O primeiro papel dele em campo é o de recuperador de bolas e base da circulação no meio-campo, revolucionando o início da armação do ataque com o seu posicionamento entre os centrais, para libertar os laterais. Está entre os principais recuperadores da Liga.
Mas o estilo agressivo, com resposta rápida e em força a provocações ou emergências, tem contribuído para a construção de uma imagem de jogador brutal, às vezes violento, e protegido por negligência dos árbitros. No entanto, as estatísticas contrariam a opinião que se tem formado, em particular após os seus despiques com Porto, Braga e Guimarães, os adversários que menos o apreciam.
Surpreendentemente, o autor do golo decisivo do último derbi lisboeta é, de todos os clubes da Liga, quem menos faltas comete naquela posição, embora seja dos mais penalizados com cartões - eventualmente por as suas infracções serem mais duras.
Comparando com os principais adversários, Javi Garcia vê um amarelo a cada três faltas cometidas, enquanto Rinaudo (Sporting) leva um cartão por 4 infracções e Fernando (Porto) apenas por cada cinco.
Na terceira temporada no Benfica, apresenta um rendimento uniforme. Tudo indica que esta época, agora a meio, não andará longe dos 46 jogos e 14 cartões no final, repetindo os dois primeiros anos.
RANKING DAS FALTAS
Adrien, médio do Sporting emprestado à Académica, é nesta altura o mais faltoso da Liga, à frente dos brasileiros Wires (Rio Ave) e Michel (Paços de Ferreira). No ranking absoluto, há 78 jogadores com mais faltas cometidas do que Javi Garcia.
MAIS GOLOS NA TAÇA DA LIGA
Na Taça da Liga da época passada, Javi Garcia teve um papel preponderante na concretização, a ponto de no global somar mais golos (4) do que cartões amarelos (3) em 9 partidas disputadas até agora.
MENOS CASTIGOS NA UEFA
Nas provas europeias, vê um cartão amarelo a cada seis partidas, o dobro em comparação com a Liga portuguesa (um a cada 3 jogos). Na Liga dos Campeões cometeu 12 faltas em cinco partidas, sem qualquer cartão.
O TRINCO MENOS FALTOSO DA LIGA
Surpresa: de todos os médios defensivos titulares dos 16 clubes da Liga, Javi Garcia é aquele que cometeu menos faltas, embora esteja entre os cinco mais penalizados com cartões.
UM PROCESSO E UMA EXPULSÃO
Alvo do último sumaríssimo

Javi Garcia foi um dos últimos jogadores punido (2 jogos de suspensão) em consequência de um «processo sumaríssimo». Aconteceu a meio da época de 2009-10, após uma agressão a pontapé ao jogador Valdomiro, do Guimarães, não sancionada em campo pelo árbitro Elmano Santos. Actualmente é investigado por alegações de racismo, em Braga.
Rivalidade acesa com Alan
Em 114 jogos oficiais, Javi Garcia foi expulso apenas um vez, no Braga-Benfica da época passada, na sequência de um lance mal avaliado pelo árbitro Carlos Xistra. A expulsão foi provocada por Alan, do Braga, o mesmo que agora o acusa de provocações racistas na partida desta temporada, dirigida por Pedro Proença."
João Querido Manha, in Correio da Manhã

Speedy Nolito !!!


Benfica 2 - 0 Santa Clara
Nelson Oliveira, Witsel


Rotação quase total da equipa, dos actuais titulares só o Javi e o Bruno jogaram de início. Jogo tranquilo, demasiado tranquilo talvez... adversário ofensivamente fraquinho.

Acabou por ser a intensidade de jogo do Nolito a decidir o jogo com duas assistências - neste momento Rodrigo e Nolito jogam a uma velocidade completamente diferente do resto dos jogadores!!!

Provavelmente o pior jogo da carreira do Gaitán!!! Eu sei que existe uma grande obsessão de muitos Benfiquistas em relação ao lugar de defesa esquerdo, mas eu muito sinceramente, espero que as notícias vindas do Chile em relação a um polivalente defesa direito sejam reais, pois o Maxi precisa de uma alternativa...



quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Não é Distância, É Benfica!

Não é Distância, É Benfica! - Escrito por Ricardo Caldas (Edição de Guilherme Cabral) by user1746932

Alargamento

"A surpreendente eleição de um presidente da Liga sem apoio dos clubes grandes trouxe à ribalta alguns nostálgicos do antigo grupo da sueca, com xitos e tudo. A ideia campeã foi a do alargamento da 1.ª Liga, à revelia da lei e do Conselho Nacional de Desporto.

O absurdo é um lugar-comum no pândego mundo do futebol português, mas nada poderia ser mais desprovido de fundamentos do que negar a evolução positiva desencadeada pela redução de 2006, precisamente na semana em que, pela primeira vez na história, a Liga portuguesa foi considerada a quarta melhor do Mundo e terceira da Europa, apenas atrás da espanhola, inglesa e brasileira.

As variáveis da equação são óbvias. Por um lado, qual o interesse desportivo, comercial e mediático da junção de mais dois emblemas de dimensão reduzida, audiências televisivas residuais e incapacidade orçamental para fixar jogadores portugueses? Por outro, a introdução de mais quatro jornadas de baixa competitividade no calendário dos clubes principais ser-lhes-ia benéfica ou acabaria por devolvê-los às enormes dificuldades em competir a nível internacional, sentidas durante os anos 90.

Esta questão do alargamento surge, ciclicamente, por dois motivos empíricos, a necessidade de proteger um emblema importante em risco de despromoção e a melancolia de alguns agentes em períodos de menor actividade. Por isso, também são agora fáceis de esvaziar e ultrapassar, se a experiência nos diz que os campeonatos não morrem pelo ocaso conjuntural de um Boavista ou de um Belenenses e que, de facto, não existe público nem clima para jogos de futebol no Natal.

A imposição reguladora de reduzir as Ligas profissionais para 16 clubes visou torná-las mais competitivas e melhorar-lhes os resultados financeiros – e foi bem sucedida. Assim, para voltar à estaca anterior, seria necessário demonstrar que os campeonatos se tornaram menos interessantes, quando toda a gente reconhece um valor desportivo crescente na actual Liga de Honra, a ponto de ter passado a ser patrocinada e televisionada em directo, e quando a 1.ª divisão aumentou a média de espectadores e tem representantes permanentemente em grande destaque nas provas da UEFA.

Objetivamente, não se vislumbra qualquer pressuposto favorável ao alargamento de uma Liga em que a assistência total de mais de metade dos participantes, apesar da evolução, não daria para encher um estádio da Luz. Muito menos que o bolo dos direitos de televisão possa ser distribuído, em conjunto, por ainda mais gente, quando a tendência é a da pulverização das audiências nacionais, num contexto de concorrência global com as transmissões das ligas europeias, a que apenas o Benfica e o Porto conseguem resistir.

Só havia uma reivindicação interessante para os novos dirigentes da Liga, agora que o eixo do poder regressou à Federação, que passava pela atribuição de um lugar europeu ao vencedor da Taça da Liga, mas ninguém a colocou porque não oferecia votos nem perspetivas de mais dinheiro do que cada um justifica e merece."


terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Mais um 'golo' para o Benfica !!!


Lixívia Extra-Forte XV

Tabela Anti-Lixívia Extra-Forte:
Benfica.......39 ( -2)...42
Corruptos..37 (+1)...36

Sporting......28 (0)...28
Braga........31 ( +4)...27


Na Luz tivemos o 'afilhado' do Proença!!! (recordo uma fotos mútuas tiradas nas bancadas da Luz!!!) E pela amostra o puto tem futuro!!! Com um critério larguíssimo, perdoando amarelos atrás de amarelos aos Setubalenses, permitindo muita porrada, a Ney, a Andersson do Ó, a Ricardo Silva, Bruno Amaro... e a 5 minutos do fim resolve expulsar o Cardozo, com um duplo-amarelo absurdo. Pois o Tacuara não 'pediu' penalty (curiosamente hoje soube-se que o Cardozo está lesionado com um traumatismo, tenho quase a certeza que a cacetada que lesionou o Tacuara, foi uma entrada do Ney, ainda na primeira parte, que nem sequer foi assinalado falta...!!!!)...


Não vi mais nenhum jogo, e no caso dos Corruptos nem sequer resumos vi!!! Em Braga o Capela parece que perdoou alguns cartões aos Lagartos (com o critério apertado do Cardozo, metade da equipa ia para rua!!!), tirou um fora-de-jogo erradamente ao Sporting, e foi enganado pela aselhice do Evaldo nos últimos minutos!!! No jogo 'tranquilo' dos Corruptos, ouvi o relato durante alguns minutos, e tirando alguns foras-de-jogo mal assinalados, nada de especial se passou!!!



Anexos:

Benfica
1ª-Gil Vicente(f) E(2-2), João Ferreira, Nada a assinalar
2ª-Feirense(c) V(3-1), Hugo Pacheco, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
3ª-Nacional(f) V(0-2), Soares Dias, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado
4º-Guimarães(c) V(2-1), Duarte Gomes, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado
5ª-Académica(c) E(4-1), Vasco Santos, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
6ª-Corruptos(f) V(2-2), Jorge Sousa, Nada a assinalar
7ª-Paços de Ferreira(c) V(4-1), Bruno Esteves, Prejudicados, Sem influência no resultado
8ª-Beira-Mar(f) V(0-1), Paulo Baptista, Prejudicados, Sem influência no resultado
9ª-Olhanense(c) V(2-1), Marco Ferreira, Prejudicados, Sem influência no resultado
10ª-Braga(f) E(1-1), Proença, Prejudicados, (0-2), -2 pontos
11ª-Sporting(c) V(1-0), Capela, Prejudicados, Sem influência no resultado
12ª-Marítimo(f) V(0-1), Sousa, Nada a assinalar
13ª-Rio Ave(c) V(5-1), Bruno Esteves, Nada a assinalar
14ª-Leiria(f) V(0-4), Cosme, Nada a assinalar
15ª-Setúbal(c) V(4-1), Malheiro, Prejudicados, Sem influência no resultado


Corruptos
1º-Guimarães(f) V(0-1), Olegário, Beneficiados, (0-0), +2 pontos
2ª-Gil Vicente(c) V(3-1), Rui Silva, Beneficiados, Impossível contabilizar
3ª-Leiria(f) V(1-4), Capela, Prejudicados, Sem influência no resultado
4ª-Setúbal(c) V(3-0), Marco Ferreira, Beneficiados, Sem influência no resultado
5ª-Feirense(f) E(0-0), Bruno Esteves, Beneficiados, (1-0), +1 ponto
6ª-Benfica(c) E(2-2), Jorge Sousa, Nada a assinalar
7ª-Académica(f) V(0-3), Paulo Baptista, Nada a assinalar
8ª-Nacional(c) V(5-0), Cosme Machado, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
9ª-Paços de Ferreira(c) V(3-0), Hugo Miguel, Beneficiados, Sem influência no resultado
10ª-Olhanense(f) E(0-0), Capela, Prejudicados, (0-1), -2 pontos
11ª-Braga(c) V(3-2), Soares Dias, Prejudicados, Sem influência no resultado
12ª-Beira-Mar(f) V(1-2), Xistra, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
13ª-Marítimo(c) V(2-0), Duarte Gomes, Prejudicados, Sem influência no resultado
14ª-Sporting(f), E(0-0), Proença, Nada a assinalar
15ª-Rio Ave(c), V(2-0), Marco Ferreira, Nada a assinalar


Sporting
1ª-Olhanense(c) E(1-1), Xistra, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
2ª-Beira-Mar(f) E(0-0), Fernando Martins, Nada a assinalar
3ª-Marítimo(c) D(2-3), Proença, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
4ª-Paços Ferreira(f) V(2-3), Paulo Baptista, Prejudicados, Sem influência no resultado
5ª-Rio Ave(f) V(2-3), Hugo Miguel, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
6ª-Setúbal(c) V(3-0), Cosme Machado, Nada a assinalar
7ª-Guimarães(f) V(0-1), Bruno Paixão, Nada a assinalar
8ª-Gil Vicente(c) V(6-1), João Capela, Beneficiados, Sem influência no resultado
9ª-Feirense(f) V(0-2, Gralha, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
10ª-Leiria(c) V(3-1), Manuel Mota, Beneficiados, Impossível contabilizar
11ª-Benfica(f) D(1-0), Capela, Beneficiados, Sem influência do resultado
12ª-Nacional(c) V(1-0), Vasco Santos, Nada a assinalar
13ª-Académica(f) E(1-1), Rui Costa, Nada a assinalar
14ª-Corruptos(c) E(0-0), Proença, Nada a assinalar
15ª-Braga(f) D(2-1), Capela, Nada a assinalar


Braga
1ª-Rio Ave(f) E(0-0), Duarte Gomes, Beneficiados, (1-0), +1 ponto
2ª-Marítimo(c) V(2-0), Soares Dias, Beneficiados (1-0), Sem influência
3ª-Setúbal(f) V(0-1), Hugo Miguel, Beneficiados (0-0), +2 pontos
4ª-Gil Vicente(c) V(3-1), Rui Costa, Nada a assinalar
5ª-Guimarães(f) E(1-1), Pedro Proença, Nada a assinalar
6ª-Nacional(c) V(2-0), Xistra, Nada a assinalar
7ª-Leiria(f) D(1-o), Marco Ferreira, Nada a assinalar
8ª-Feirense(c) V(3-0), João Ferreira, Nada a assinalar
9ª-Académica(f) E(0-0), Jorge Sousa, Nada a assinalar
10ª-Benfica(c) E(1-1), Proença, Beneficiados, (0-2), +1 ponto
11ª-Corruptos(f) D(3-2), Soares Dias, Beneficiados, Sem influência no resultado
12ª-Paços de Ferreira(c) V(5-2), Marco Ferreira, Nada a assinalar
13ª-Olhanense(f) V(3-4), João Ferreira, Nada a assinalar
14ª-Beira-Mar(f) V(1-2), Rui Costa, Nada a assinalar
15ª-Sporting(c) V(2-1), Capela, Nada a assinalar

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

O Gnu

"De tempos a tempos, geralmente mais sobre o final do ano, as televisões fazem umas reportagens sobre o bicho. E os jornais, por simpatia, publicam-lhe os mugidos entaramelados. Por isso, de repente, vemo-nos frente a frente com o seu olhar de carneiro mal-morto, as pálpebras desencontradas, tapando meia córnea, deixando-nos da dúvida se o animal dorme ou se já se debate nas vascas da agonia. Por esse olhar semicerrado é possível traçar-lhe a obtusidade do raciocínio. Visceralmente bronco, naturalmente lorpa, o gnu baba-se. Por entre a espuma dessa baba bovina, soltam-se insinuações e mentiras canalhas. Relho, decrépito, já não tem pêlo: meia-dúzia de repas espalham-se em redor dos chavelhos.

Felizes, submissos, os repórteres de pacotilha rastejam em frente ao chefe da manada, tirando fotografias, captando imagens, desfazendo-se em elogios, lambendo-lhe os cascos. A história mete nojo, mas repete-se do princípio ao fim dos tempos. O velho gnu rebola-se de gozo na lama fétida desses dejectos humanos. Para sobreviver, precisa que lhe afaguem o ego descomunal. O seu cérebro caliginoso não o deixa tomar noção da sua tão grande pequenez. Vive num mundo só dele e da sua súcia. Há quem garanta que tem a língua bífida das cascavéis, mas não saberia dizê-lo. Os documentários que de vez em quando o retratam, mostram-no em murmúrios, em resmoneios, em rosnidos, em mugidos. A língua mantém-se dentro da boca, segurando a placa e o falso palato. Há quem se entretenha estudar o espécime em todo o esplendor da sua estupidez. Outros, ao ver imagens tão cruas da imbecilidade do gnu, agoniam-se, são acometidos por vómitos e diarreias. É assim a National Geographic: mostra-nos os seres mais repelentes da natureza sem subterfúgios. O que faz que muitos de nós duvidem que bichos como o velho gnu tenham sido sequer concebidos por Deus."


Afonso de Melo, in O Benfica

Sem Vergonha

"Factos são factos, e, uma vez provados, tornam-se irrefutáveis, podendo, quando muito, ser explicados. Refiro-me àquilo que li, numa excelente peça jornalística publicada pelo 'Público', na edição do passado dia 6, que dá conta da forma como o corredor das equipas visitantes, no Estádio de Alvalade, foi redecorado com imagens hostis e agressivas que incitam ao ódio, ao confronto e que fazem mesmo uso de símbolos que nos remetem para a memória mais trágica do século XX, com cruzes de ferro e saudações fascistas.

O texto assinado por Hugo Daniel Sousa é construído com grande objectividade e indiscutível suporte factual, o que torna inaceitável por parte dos dirigentes sportinguistas.

Opções como esta, ou seja a de fazer da sala de visitas para quem vem de fora, um espaço de crispação e violência anunciada, nunca surgem por acaso, ainda que nos queiram fazer crer o contrário. A escolha dos símbolos e do clima que eles geram e dos sentimentos que induzem nunca pode resultar apenas da opção estética de uma equipa de decoradores e 'designers'.

Comprovada esta situação, é bom que se recorde que isto acontece num momento em que, no Mundo do Futebol, na Europa e noutros continentes, decorrem campanhas contra o racismo, contra violência e contra qualquer forma de discriminação ou confronto que possa tornar os estádios perigosos e infrequentáveis.

Imagine-se que é uma pessoa receber visitas em casa e decorar o quarto onde pernoitam com fotografias que as intimidam.

As opiniões de Ricardo Costa, presidente da Comissão Disciplinar da Liga, e do prestigiado jurista José Manuel Meirim, inseridas na peça jornalística citada, têm de ser lidas e levadas à letra, pois não deve haver passividade cúmplice perante aquilo que as fotos que ilustram o artigo eloquentemente documentam. Já agora, o que têm a dizer sobre o assunto ex-presidente do clube como o Pedro Santana Lopes, agora a dirigir a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. É que um caso como este nada tem de misericordioso."


José Jorge Letria, in O Benfica

Mais campeão

"A uma ronda da primeira volta da Liga, o Benfica garantiu a liderança isolada na prova. A equipa continua invicta, numa trajectória excelente, que até já passou pelos testes exigentes, que se saldaram em duas igualdades, nas deslocações ao Porto e a Braga.

Este Benfica, versão 2011/2012, tem mais três pontos, na mesma altura da competição, do que aquele Benfica que, há dois anos, se sagrou Campeão Nacional. O registo é sensacional e auspicioso. A equipa está firme, vende saúde, exibe ideias, carrega talento, transporta emoção.

Nas duas próximas jornadas da Liga, a Luz vai ser o palco dos embates frente ao Vitória de Setúbal e ao Gil Vicente. Está desenhado um excelente ensejo para o Benfica reforçar a condição de guia na pauta do Campeonato e acrescentar mais dois degraus ao seu percurso ascendente.

Afinal, a que se deve este Benfica tão exclamativo? A uma liderança técnica competente? Sem dúvida. Ao melhor guarda-redes da Liga? Também. À mais competente dupla de centrais que actua em Portugal? Também ainda. A uma intermediária sagaz e desequilibrante? Igualmente. A um ataque explosivo e certeiro? Sem dúvida.

O Benfica está bem e recomenda-se. Os adeptos estão bem e emocionam-se. Todo o Universo Vermelho está mergulhado numa atmosfera positiva e não menos entusiástia. Ainda assim, este Benfica-mais-Campeão não pode distrair-se. Se conseguir manter o rigor competitivo que vem patenteando, só pode haver uma certeza. E qual é? 2012 vai ser mesmo um ano vermelho."


João Malheiro, in O Benfica

domingo, 15 de janeiro de 2012

Três secos... em frente na Taça

Benfica 3 - 0 Guimarães
25-13, 25-14, 25-21


Contra um adversário que nas últimas semanas tem conseguido excelentes resultados, esperava-se mais dificuldades... mas não foi isso que aconteceu: nos dois primeiros Set's demos 'baile', no terceiro relaxamos um pouco, demos confiança ao opositor, mas mesmo assim, vencemos...

Estou curioso para saber qual será o nosso adversário nos Quartos-de-final da Taça, depois do Sp. Espinho e do Vitória de Guimarães, começam a faltar opositores difíceis!!!

4.º melhor? Hã?

"Pior que acharem a liga portuguesa a 4.ª melhor do Mundo é alguém acreditar


A Federação Internacional de História e Estatística do Futebol, além de ter um nome extraordinário, faz distinções extraordinárias, a última a eleição da liga portuguesa como a quarta melhor do Mundo, à frente de França, Alemanha e Itália. Mesmo considerando o desempenho internacional recente na segunda divisão europeia, não vejo como, ainda que a classificação tenha sido sublinhada até pelo presidente da FPF, ex da Liga.

Comparemo-nos com a liga alemã, 6.ª na lista. Na Alemanha há 36 clubes profissionais e só três tiveram dificuldades financeiras nos últimos quatro anos. Na Bundesliga o volume de negócios cresce há anos e em 2010 atingiu o valor recorde de 700 milhões de euros. As receitas de publicidade crescem na casa dos 20 por cento desde 2007 e com a dependência dos direitos televisivos que é metade dos espanhóis e um terço da dos italianos. A diferença pontua média entre o vencedor e o quinto classificado na Alemanha na última década é de 16,4 pontos. Em Portugal é de 24, ilustrador da competitividade. A média de golos nos últimos anos foi de 2,83 por jogo, acima de Inglaterra, Espanha, Itália ou Portugal. A de assistências nos jogos é de 42790. Em Portugal é de 10894. E concentrada em três, enquanto na Alemanha há sete com lugar nos vinte europeus com mais gente nos estádios: Dortmund, Bayern, Schalke, Hamburgo, Monchengladbach, Colónia e E. Frankfurt (mesmo na segunda!), todos acima dos 46 mil. Os alemães têm mais dinheiro para bilhetes? Têm. E têm bilhetes mais baratos. Rondam os 15 euros e incluem transporte público. Quando se admitiu a possibilidade de aumentá-los os patrocinadores impediram-no; preferem estádios cheios. Quarta melhor do Mundo? Hã?

E, já agora, quando se iludirem com o poder da formação e a supremacia dos nossos orientadores, olhem para Espanha, que tem, realmente, campeões do Mundo em qualquer modalidade. É cinco vezes maior e tem cinco vezes mais gente, sim. E faz quantas vezes mais? Tenham juízo. Ou pelo menos vergonha."


Miguel Cardoso Pereira, in A Bola

A surfar a onda !!!



Benfica 4 - 1 Setúbal



Jogo tranquilo, nova goleada, após começar a perder, só faltou mais um golo para este jogo ter sido um copy/paste do jogo com o Rio Ave... talvez só a absurda expulsão do Cardozo impediu o 5º golo!!! (num jogo onde os visitantes fartaram-se de dar porrada impunemente... onde praticamente no intervalo o árbitro ainda andava a avisar, que para a próxima é que dava amarelo... num daqueles jogos onde os comentadores para desculparem a incompetência - ou más intenções - dos apitadores, dizem que foi uma arbitragem à Inglesa!!! Como é que num jogo destes, o Cardozo é expulso com duplo amarelo, sem efectuar uma única falta?!!!)

Entre lesões e castigos a equipa continua a 'rodar' jogadores e a verdade é que o rendimento tem sido sempre o mesmo... Apesar de não ter marcado, Rodrigo fez talvez o seu melhor jogo ao serviço do Benfica (tem melhorado muito nas recepções de bola a meio-campo de costas para a baliza).

Os Benfiquistas fizeram a vontade aos jogadores, e num momento economicamente difícil, quase encheram a Luz, num ambiente festivo, só não gostei da 'onda': porque a equipa entrou na festa, e naqueles minutos que se seguiram ao 4º golo tiveram algumas perdas de bola, imperdoáveis (não compreendo porque é que o Benfica, a ganhar, arrisca sair a jogar nos pontapés de baliza!!!). Mas é preciso continuar a apoiar, porque este Campeonato só vai ser decidido no fim...