Últimas indefectivações

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Mais uma final para o Marco...


Começou hoje o Europeu de Pista Coberta em Gotemburgo, com o nosso Marco Fortes, a conseguir a qualificação para a Final do Peso, com a sua melhor marca do ano: 19,78m !!! Marca obtida no último ensaio, com algum drama, mantendo o suspense até ao final da prova... Com o 6.º lugar, o Marco conseguiu ficar nos 8 finalistas... As marcas foram quase todas baixas, o Marco tem estado lesionado, a sua participação esteve em dúvida, mas com estas marcas, a competição está completamente em aberto, podendo qualquer um dos atletas, obter uma medalha... Amanhã logo se vê!!!

Coluna

Justa homenagem ao nosso Eterno Capitão...


Premier League

O Presidente prometeu de manhã, uma surpresa para a tarde, e cumpriu... Ainda não foi, o anuncio que eu espero, mas é mais um passo no caminho certo...
Com a Premier League Inglesa, na Benfica TV, acrescentamos quantidade e qualidade nos conteúdos extra-Benfica, na Benfica TV. Com o Brasileirão (e Paulista), com a MLS, com o Campeonato Grego, e com alguns jogos de Selecções, ficamos com uma quantidade apreciável de jogos Internacionais, creio mesmo que aos fim-de-semana vamos ter problemas de programação, com vários jogos a sobrepor-se!!! Sendo até possível, uma Benfica TV 2 !!!
O ideal, na minha opinião, era a PT assumir-se como concorrente à Sport TV. Recordo que a propriedade da Benfica TV está dividida: 51% para a PT e 49% para o Benfica. Portanto a PT, está por trás desta estratégia de compra dos direitos de várias Ligas estrangeiras pela Benfica TV, algo que numa possível futura divisão da Sport TV, entre a Zon e a Meo (PT), não faz muito sentido - só se esta compra, for simplesmente, um trunfo negocial para a PT!!!
Com a Sport TV a perder clientes - com a crise social -, este é mais um 'prego' no caixão, não é decisivo, mas ajuda... O cenário da Benfica TV passar a ser paga, também ganha força... Pessoalmente preferia uma separação, entre a Benfica TV com conteúdos exclusivos do Benfica, em sinal aberto, e um segundo canal - uma Benfica TV 2, ou um Meo Desporto!!! -, pago, com conteúdos extra-Benfica, e com os jogos em directo do Benfica...
Para o Benfica, o ideal seria vender, em pacote, por um período de 5 anos - mais ano, menos ano!!! -, por um valor alto - 150 milhões!!! -, a acontecer este cenário, o empréstimo obrigacionista anunciado de 80 milhões, estaria pago à partida!!! Creio mesmo que com um contrato televisivo 'normal', este empréstimo seria desnecessário... Neste momento com este empréstimo ganhámos tempo, para encontrar no mercado - actualmente em baixo -, um parceiro, com um preço justo, mas não resolve o problema da divida...
Dito isto, se a estratégia da PT e do Benfica, é tirar o tapete ao Oliveirinha, só falta mais duas 'compras': a Liga Espanhola e a Champions!!! O resto vinha por arrasto...

adenda: Fui informado que afinal a Benfica TV é propriedade da Benfica SAD (49%) e do Clube SL Benfica (50%)... Mas o cenário nacional não muda: 'guerra' Meo/Zon com o Desporto (Sport TV) no meio... e com o Benfica a ser o principal activo nacional.

Relvas

"Hoje o pontapé-de-saída vai directamente para relvas. Sim, no plural. Porque o que por aí se vê, não é um caso, nem dois, mas muitos. Passou a ser uma lastimável regra o estado das coisas a que se chegou. Uma quase epidemia.
Em Portugal, já nem falo apenas dos clubes modestos onde, de há muito, a qualidade dos relvados deixa muito a desejar. Refiro-me aos dos mais importantes clubes, onde se joga em condições que se desfavorecem o espectáculo, menorizam os artistas e facilitam as lesões.
Mas, lá por fora, passa-se o mesmo. Na tão rica Liga dos Campeões há rectângulos indignos de uma divisão secundária doméstica. Por exemplo, ver o Milan-Barcelona foi quase deprimente na ervado de San Siro. Aliás não há relva em Itália que mereça aprovação. Já nem falo dos estádios do leste europeu assolados pela neve e frio que, não raro, constituem um perigo para os atletas (veja-se o caso do Zenit-Benfica há um ano). Mesmo os clubes mais ricos como o Real Madrid oferecem condições de relva que são insulto perante os biliões que se gastam em passes e ordenados dos jogadores e técnicos. No meio desta regressão, ainda é a invernosa e, por regra, pluviosa Inglaterra que, não obstante, melhor procura remediar o mal.
Curiosa a sempre contraditória UEFA: tantos cuidados com minharias, tanta preocupação com o fair-play desportivo e financeiro, tanta discursata pró-espectáculo e nada desassossegada com a falta de fair-play relvático. Que permite vergonhas como a de deixar que um jogo decisivo para o Europeu mudasse de um campo razoável em Sarajevo para um batatal em Zenica, como foi o que aconteceu em 2011 no Bósnia-Portugal!"

Bagão Félix, in A Bola

Covardes voltam a atacar...


...para quando um castiginho ao SC Braga?!!! Nem sou muito exigente, a interdição seria uma surpresa - este jogo por exemplo, se calhar não devia ter sido jogado em Braga...!!! -, mas nem sequer uma multazinha...!!! Os adeptos do Paços são agredidos, fogem para o relvado e são castigados!!! Os adeptos do Leixões, são recebidos à pedrada, respondem, e são presos!!! Em Guimarães - a escumalha é da mesma estirpe!!! -, entram a partir cadeiras, com petardos, atiram tochas para cima dos adeptos da casa, e o Estádio de Guimarães é castigado!!! Ontem, os adeptos do Benfica na Pedreira levaram com cadeiras em cima, e em resposta, ainda tiveram que aguentar uma carga policial em cima!!! No final do jogo, mesmo vencendo a partida, os covardes, imitando os vizinhos criminosos Corruptos, resolvem fazer pontaria ao autocarro do Benfica...!!! Tudo isto nas últimas 3 semanas, tudo isto impunemente...
Numa república das bananas, como aquela onde vivemos, tudo isto é normal... para quando uma resposta séria, das autoridades civis e desportivas?!!! Quando alguém morrer?!!!



PS: Se algum Benfiquista pensar que a resposta, é fazer o mesmo, quando os Corruptos ou as suas filiais visitarem Lisboa... vão para o caralho!!! Vocês não são Benfiquistas. Não sabem o que é ser Benfiquista.

Jorge de Brito

Sport Lisboa e Benfica, desde 1904







"Com 109 anos de idade, que hoje se celebram, o Sport Lisboa e Benfica mantém-se um Clube jovem, com uma vitalidade invulgar, pioneiro nos desafios que enfrenta e vanguardista nos projectos que abraça. 
Gostaria de poder ter assinalado esta data abrindo aos sócios o Museu Cosme Damião, mas entre fazer bem ou fazer depressa, prefiro fazer bem e privar durante mais alguns meses os nossos sócios e adeptos de uma estrutura ímpar em Portugal e das melhores a nível mundial. Esse foi o meu compromisso, esse será um dos legados desta Direcção.
Comemorar um aniversário significa celebrar, o que é próprio de momentos como aquele que hoje assinalamos, mas ao mesmo tempo deve representar um espaço de reflexão, de análise. Um tempo em que, mais do que fazer balanços, devemos continuar a inovar, porque só desta forma podemos continuar a garantir e a aspirar ser o maior e melhor clube português.
Estou certo que dentro de bem pouco tempo vamos voltar a surpreender, quem sabe se ainda esta tarde não vamos poder oferecer a todos os benfiquistas uma boa notícia que vai marcar para sempre os 109 anos do Clube como um marco na nossa história. Mais uma vez vamos fazer diferente, vamos fazer melhor. E mais uma vez, se o conseguirem, outros tentarão seguir o nosso exemplo e o nosso caminho.
Sempre o defendi, devemos celebrar a nossa história, porque ela é a nossa identidade, porque o nosso presente reflecte o nosso passado, mas não se enganem, temos de olhar a nossa história não apenas como algo que se herda, mas como algo que se conquista diariamente, que se renova, que se enriquece. Todos devemos estar conscientes das enormes dificuldades que vamos ter de vencer, mas todos devem estar igualmente conscientes da enorme vontade que todos temos em vencê-las. Não podemos descansar à sombra da nossa história, porque ela só por si não nos garante o futuro.
A mística do Benfica construiu-se de muitas histórias, de muitos nomes, da vontade e do inconformismo de muitos outros, do sacrifício e do esforço de milhares de rostos que, com o seu exemplo, escreveram a memória destes 109 anos. Temos um compromisso com o futuro, sabendo, no entanto, que é no presente que ele se constrói, que ele depende da exigência, do rigor, da inovação que conseguirmos garantir agora! 
Os 109 anos que hoje se comemoram devem-se à persistência, ao trabalho e a uma cultura de exigência que sempre nortearam a grande maioria dos que tiveram responsabilidades na Direcção do Sport Lisboa e Benfica.
O Benfica foi feito de ousadia, de sonho, mas também de muita coragem. Talvez por isso tenha conseguido resistir a tudo.
Quero terminar esta mensagem com uma palavra aos sócios: Neste Clube o lugar mais importante é deles. Os sócios são a alma e a razão de ser do Sport Lisboa e Benfica! O maior património do Benfica são as pessoas, sem elas não teríamos chegado até aqui nem poderíamos aspirar a continuar daqui para a frente. Todos juntos vamos conseguir ganhar o nosso futuro!"

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Em frente...


Viseu 2001 0 - 5 Benfica

Qualificação pacifica para os Quartos-de-final da Taça de Portugal.

Eliminados nos penalty's


Braga 0 (3) - (2) 0 Benfica

A lotaria dos penalty's não nos foi favorável... num jogo onde se exigia, essencialmente, rotação do plantel. Espero que aqueles, que no passado recente, fizeram uma 'espera' hostil à equipa, depois de esta ter vencido uma Taça da Liga, não tenham ficado melindrados, com a desvalorização que o treinador, e aparentemente os jogadores, deram a este jogo!!!
Dos titulares indiscutíveis só jogaram 4 (Artur, Luisão, Melga e Cardozo)... e 3 semi-titulares (Jardel, Almeida e Gaitán)... pessoalmente, ainda tinha jogado com o Luisinho na esquerda!!! E provavelmente ainda tinha chamado alguns jogadores da equipa B !!!
É verdade, que não jogámos bem, é verdade que o Artur foi o nosso melhor jogador, acabando por 'salvar' a equipa em algumas ocasiões, mas também tivemos as nossas oportunidades, incluindo uma bola à barra... além da habitual visão enviesada dos apitadores: fora-de-jogo, perigoso, mal assinalado ao Urreta, e dois penalty's sobre o Nico !!! Se no primeiro ainda é aceitável, no limite, a interpretação que os dois se agarram - apesar de só o defesa beneficiar de tal interpretação!!! -, no 2.º, a falta do Salino é óbvia, e daria vermelho directo. O Marco Ferreira depois da boa exibição no Sporting-Benfica, não pode exagerar... senão ainda é considerado um Benfiquista fanático!!! Da dualidade disciplinar e técnica no resto do jogo, nem vale a pena falar... o facto do Benfica passar jogos inteiros, sem um único livre frontal, e praticamente sem livres laterais, em oposição completa, aos livres marcados contra, já é tão normal, que já nem são 'caso'!!!
Já antes do jogo desta noite, aquilo que interessava, é o jogo no Domingo em Aveiro - o Benfica entra em todos os jogos para ganhar, mas neste momento as nossas ambições têm que estar centradas em alvos mais elevados, mesmo que depois o sucesso possa não ser o desejado... a próxima sequência de 5 jogos é fundamental, no Campeonato e na Euroliga, e o 'descanso' de hoje, pode ter sido essencial -, jogo com o Beira-Mar, que não será tão fácil, como alguns podem pensar... Com Garay, Maxi, Matic, Enzo, Salvio, Ola, e Lima de regresso, a vitória ficará mais perto...!!!

PS1: Todos os penalty's marcados pelo Benfica (os que foram falhados...), deviam ter sido repetidos, porque o Quim, em todos eles, andou quase 2 metros para a frente da linha, antes da bola ser batida...!!!

PS2: Talvez agora, com o Benfica fora da Taça da Liga, o Conselho de Justiça da FPF, já possa fazer cumprir os regulamentos, e mandar os Corruptos para fora da competição!!! É que assim, o Benfica já não será Pentacampeão... algo que deixaria marcas psicológicas profundas da psique Corrupta!!!

O último terço

"Esta velha discussão da mão na bola ou da bola na mão começa a ser patológica.
O Campeonato - sei que é Liga, mas nunca simpatizei com o nome - vai ser decidido por detalhes. Benfica e Porto surgem no último terço do dito, apostados no último terço do meio-campo dos oponentes. Verdadeiros irmãos siameses numa luta binomial disputadíssima. Com estilos bem diferentes, mas até agora igualmente eficazes. Olhamos para Inglaterra, Espanha, Alemanha, Itália e é mais ou menos fácil designar o vencedor dos respectivos campeonatos, tal a diferença de pontuação. Aqui o suspense do vencedor é o que alimenta um torneio que vê, por exemplo à 20.º jornada, um outro grande, o Sporting, a uma distância inimaginável de 30 pontos e apenas a poucos da 'linha de água'!
Neste contexto, qualquer falha poderia ter consequências macroscópicas. As dos técnicos, dos jogadores e dos árbitros. Todo o cuidado é pouco para preservar a essência da verdade, se é que esta existe no meio da emoção e dos interesses, por vezes obscuros, do desporto.
A propósito, bom seria que essa coisa dos penalties por causa da anatomia braçal ou manual tivesse um critério uno e não permitisse julgar ao sabor do subjectivismo, por vezes amiguista, de quem decide. Esta velha discussão da mão na bola ou bola na mão, da intencionalidade ou intensidade, do à queima-roupa ou não, começa a ser obsessiva ou mesmo patológica, consoante o olhar mais ou menos enviesado de cada qual. Bom seria que houvesse a aproximação a um critério o mais objectivo possível para marcar ou para não marcar penalty. Prefiro um critério estúpido mas objectivo do que um critério sofisticadamente inteligente mas vulnerável à interpretação casuística ou batoteira."

Bagão Félix, in A Bola

Benfica e Jesus

"No Benfica discute-se hoje muito a continuidade (ou não) de Jorge Jesus. E há um núcleo a defender que o clube só deve renovar com o treinador se o Benfica for campeão. Terá razão?
Vejamos. Quando Jesus chegou, o Benfica estava em apuros. Tinha ficado em 4.º lugar no campeonato (atrás do Porto, do Sporting e do Guimarães), há muito que não fazia um brilharete internacional, os jogadores desvalorizavam-se, os adeptos começavam a descrer.
Ora, passado pouco tempo, Jesus pôs a equipa a jogar um futebol de ataque, com muitos golos, começou a ganhar jogos nas competições nacionais e internacionais, valorizou o plantel, chamou gente aos estádios e recuperou a ‘’mística’’ encarnada. Em três anos, ganhou um campeonato, foi duas vezes segundo, venceu três Taças da Liga, chegou aos quartos-de-final da Champions e às meias-finais da Liga Europa, recuperou muito terreno em relação ao FC Porto.
Isto são os factos. E como será o futuro? Se Jesus sair, a probabilidade de o Benfica arranjar um treinador melhor é mínima, e a de arranjar um pior é grande. Ou seja, fica em sério risco de regressar ao passado. 
Quanto a Jesus, terá facilmente mercado. Depois do que fez no Benfica, qualquer clube sabe que a sua contratação pode trazer milhões aos seus cofres, quanto mais não seja na valorização do plantel.
Assim, atrevo-me a dizer que o Benfica precisa mais de Jesus do que Jesus precisa do Benfica. É que o Benfica tem muito a perder com a sua saída – e Jesus tem pouco a perder se sair do Benfica, pois num clube nacional ou estrangeiro ganhará mais ou menos o mesmo."

Benquerençada

"Imagine-se que o resultado estava 0-0 e não aparecia nem Salvio, nem outro companheiro para 'remarcar' o golo. Que consequência? Óbvia, menos dois pontos...

lá vão oito anos, mas, de repente, o que se passou no Estádio da Luz, a 17 de Outubro de 2004, volta à colação e, outra vez, devido a erro grosseiro de arbitragem.
Na temporada 2004/2005, decorria a 6.ª jornada com honras de clássico: Benfica-FC Porto. Resultado final, 0-1, com golo de McCarthy, ao minuto nove. O problema é que, mais adiante, Petit rematou de longe e Vftor Baía voou para o interior da sua baliza na infrutífera tentativa de evitar o golo do empate que não contou pela simples razão de Olegário Benquerença, o árbitro do jogo, ao captar o lance de ângulo extraordinário, ter tido o engenho de não ver o que foi uma evidência para quem se sente capaz de assistir a um jogo de futebol sem perda de lucidez. A manchete de A BOLA do dia seguinte expressou a realidade da situação - «Foi golo!» -, mas, à falta de imagens televisivas esclarecedoras, a dúvida foi habilidosamente adornada até se transformar em coisa irrelevante e ser despejada na lixeira das incomodidades.
Mesmo com esse prejuízo pontual, um Benfica preso por arames, comandado pela fina sabedoria de Trapattoni, foi campeão nacional, o primeiro no ministério Luis Filipe Vieira, e o assunto acabou por diluir-se no tempo. Anteontem, porém, outra benquerençada aterrou na Luz, a demonstrar que o vírus continua por aí. Creio não ter a asneirada do árbitro Capela colhido o reparo devido. A marcha do marcador que, na altura, assinalava urna vantagem de dois golos para o Benfica, jamais pode ser esgrimida como atenuante. O que a Sport TV mostrou, o que A BOLA escreveu e o que eu vi só admite uma conclusão: o terceiro golo 'pertence' a Lima! Porque ele rematou para a baliza adversária e o defesa pacense Ricardo jogou a bola, inequivocamente, além da linha de baliza. Devia ter sido o terceiro do Benfica, mas não foi. Salvio, de supetão, recargou e confirmou o golo, a bem da verdade... Tudo esclarecido? Errado, o lance é uma descarada mentira que não pode ser engolida pelo esquecimento. Imagine-se que o resultado estava em zero-zero e não aparecia nem Salvio, nem outro companheiro para 'remarcar' o golo. Que consequência? Óbvia, a perda de dois pontos como se verificou há quase oito anos...

NA primeira reacção sobre os incidentes de Guimarães, o presidente da Liga de Clubes, Mário Figueiredo, disse o seguinte: «É lamentável que alguns políticos só se sirvam do futebol para passearem pelas zonas VIP (...) mais preocupados em defender o monopólio - o abuso da posição dominante - e em aproveitar-se do futebol do que em servir, com sentido de Estado e responsabilidade, o sector que mais promove Portugal»; «está na altura de encontrar novos actores para a tutela desportiva»; «há uma aliança para destruir a Liga e que tem como ponta de lança os próprios responsáveis pela tutela do desporto em Portugal»; «abertura à concorrência do mercado dos direitos de transmissão televisiva». E acerca da pancadaria em Guimarães? Nada lhe ocorreu de mais interessante do que despejar o ónus sobre as costas do Governo? Quer dizer que  comportamento dos clubes neste caso particular tem sido exemplar? Posição estranha, quando o próprio presidente vimaranense decide, primeiro, não requisitar força policial e promete, agora, dar caça aos responsáveis até ao limite das suas capacidades, «sejam eles quem forem»...

A jornada vinte, que abre a porta de entrada ao último terço do campeonato, reuniu dois jogos de reconhecida importância: o FC Porto (1.º) - Rio Ave (5.º) e o Benfica (2.º) - Paços de Ferreira (3.º). Justificado entusiasmo em redor de especial tivesse acontecido. Ganharam os mais fortes, face a digno desempenho dos mais fracos. Aqueles tiveram de aplicar-se a estes, embora derrotados, saíram de cabeça levantada, conscientes do dever cumprido com distinção. Ao destacar o atrevimento de vila-condenses e pacenses mais deprimente se me afigura a Briosa na visita que fez à Luz na outra semana. É uma opinião reiterada, apesar dos insultos e ameaças que as chamadas redes sociais da cidade dos doutores e engenheiros queiram vomitar...

PS. O Benfica joga amanhã a meia-final da Taça da Liga e o FC Porto espera por uma decisão do Conselho da Justiça. Será que vai haver final, esta época?..."

Fernando Guerra, in A Bola

Mais fácil do que se previa

"Benfica vence (3-0) e reduz desvantagem nos golos.
É sempre olhado com grande desconfiança o jogo para o Campeonato que se segue a uma noite europeia. O desgaste a que esta por norma obriga aconselha um teste moderado, daqueles de não "fazer faísca", de forma a não trazer muito à superfície o cansaço acumulado. Ora, não era bem essa a situação no caso presente, já que o adversário dava pelo nome de Paços de Ferreira, que, como grande revelação da época e detentor do 3º lugar da tabela, não prometia as facilidades desejadas.
Face ao exposto, entendeu o Benfica resolver cedo o assunto e não estar à espera que quaisquer acasos o fizessem por ele. Entrando num 4.1.3.2, um luxo a que se podia abalançar, dado o regresso de Matic para as tarefas de contenção, a equipa pressionou forte de início e logo daí retirou dividendos, chegando ao golo (Enzo, 7'), após jogada envolvente do seu ataque.
As pretensões do Paços em prolongar o 0-0 e, com isso, pressionar o opositor desvaneceram-se por completo, já que, da admissível contenção com que de início terá encarado o jogo, a atitude passou a ter que ser mais participativa no ataque, sem que o visitante revelasse, contudo, maiores argumentos para a levar a cabo.
Grande responsável por tal facto foi a própria dinâmica do miolo da casa, com Salvio e Ola John nas alas e Matic e Enzo nos vértices a meio terreno, este último no apoio à dupla atacante Lima-Cardozo. Um quarteto que chegou, assim, para estancar os propósitos ofensivos dos pacenses, onde a acção inconformada de André Leão, bem acolitado por Vítor e Luis Carlos, se revelou insuficiente.
O golo da tranquilidade só surgiria no 2º tempo, mas Jesus viu-se obrigado a refrescar a equipa ao intervalo, com a troca de Enzo por C.Martins e não teve de esperar muito para confirmar a razão de ser de tal alteração. Logo no recomeço, Cardozo, que já espreitara o golo (teve uma bola no poste, ainda na 1ª parte), fez o 2-0 e, a partir daí, o Benfica pôde descansar e começar a pensar já na Taça da Liga, próxima etapa desta corrida alucinante.
Cardozo e Ola John foram os outros dois poupados (entraram Gaitán e Aimar), numa altura em que a palavra de ordem era gerir o resultado e a condição física de cada activo. Mesmo assim, já em fase de descompressão, o Benfica ainda chegaria ao 3-0 (Salvio, 84') e, de novo, em lance com a participação de vários jogadores, desde o arranque de Maxi ao toque final de Salvio, já depois da bola ter sido colocada lá dentro por Lima, após passe de Aimar. Tudo isto com a defesa do Paços a ver em que paravam as modas.
Em resumo, vitória indiscutível do Benfica, que soube resolver o problama sem recorrer a horas extraordinárias, como sucedeu frente à Académica. Mas do Paços, com tão bons executantes, também se esperaria muito mais, sobretudo no ataque, cuja modéstia permitiu uma noite tranquila a todo sector defensivo encarnado."

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Lixívia 20

Tabela Anti-Lixívia:
Benfica.........52 (-6 ) = 58
Corruptos......52 (+6 ) = 46
Braga...........34 ( +2 ) = 32
Sporting.........22 (+6 ) = 16


Jornada exemplar da imundice do Futebol Português: Penalty descarado contra os Corruptos, e a maior parte da (des)comunicação social desportiva esconde, ignora, não fala sobre o assunto!!! Imagine-se que só vi o pasquim do Rascord e a SIC - através do Paulo Garcia -, a referirem-se ao atropelamento do Otamendi ao Ukra!!! Se por parte do treinador do Rio Ave - ex-porta-voz Corrupto!!! - não esperava qualquer reacção - isto num jogo onde foram marcados 2 penalty's contra a sua equipa!!! -, depois dos dislates do Censor Serpa sobre as injustiças da justiça desportiva, ainda pensei que n'A Bola pudesse mudar alguma coisa... erro meu!!! Quando supostamente o Benfica é beneficiado por uma qualquer decisão dos árbitros, é um massacre de resumos, hora a hora nas TV's, nos debates, nos jornais, um autêntico circo... os Corruptos beneficiam de 2 penalty's, e vêm um penalty descarado contra, ser-lhes perdoado. E nada de passa!!! Aliás, continuam sem ter uma única grande penalidade contra!!!
Se o primeiro penalty é óbvio, o 2.º penalty a favor dos Corruptos, entra naquela categoria, onde eu acho que não é penalty, porque não houve intenção de jogar a bola com a mão, mas no Campeonato Português este tipo de penalty's são quase sempre marcados. A única excepção é quando as grandes penalidades são contra os Corruptos: este ano, para o Campeonato já foram dois!!!
A novela da camisola do Soares Dias é só mais um exemplo do sentimento de impunidade total que os canalhas sentem...


Na Luz, como afirmei na crónica do jogo, assistimos a mais uma má arbitragem, essencialmente incompetente. Mas com uma tendência gritante para prejudicar o Benfica. A dualidade de critérios nos contactos físicos é absurda... mas felizmente não houve grandes casos, alguns foras-de-jogo mal marcados para as duas equipas, cartões amarelos perdoados aos de Paços, e nada mais...

No Estoril, os Lagartinhos voltaram a perder... a semana passada os putos eram uns heróis  esta semana, já não prestam para nada!!! Os penalty's foram bem marcados, mas o Patrício podia ter sido expulso - recordo-me da expulsão do Júlio César, na Luz, contra o Setúbal, numa jogada parecida!!! -, o critério disciplinar acabou por ser o principal problema do árbitro: Patricio e Rojo deviam ter sido expulsos, Steven Vitória e Mano também...

Em Braga, entre as equipas A's dos vizinhos, foi tudo 'pacifico'!!!


Anexos:
Benfica
1ª-Braga(c) E(2-2), Soares Dias, Prejudicados, Beneficiados, (3-2), (-2 pontos)
2ª-Setúbal(f) V(0-5), Jorge Sousa, Nada a assinalar
3ª-Nacional(c) V(3-0), Bruno Esteves, Nada a assinalar
4ª-Académica(f) E(2-2), Xistra, Prejudicados, (0-3), (-2 pontos)
5ª-Paços de Ferreira(f) V(1-2), Marco Ferreira, Prejudicados, (1-5), Sem influência no resultado
6ª-Beira-Mar(c) V(2-1), Rui Costa, Prejudicados, Beneficiados, (3-1), Sem influência no resultado
7ª-Gil Vicente(f) V(0-3), Vasco Santos, Nada a assinalar
8ª-Guimarães(c) V(3-0), João Ferreira, Prejudicados, (4-0), Sem influência no resultado
9ª-Rio Ave(f) V(0-1), Bruno Esteves, Nada a assinalar
10ª-Olhanense(c) V(2-0), Rui Silva, Nada a assinalar
11ª-Sporting(f) V(1-3), Marco Ferreira, Nada a assinalar
12ª-Marítimo(c) V(4-1), Hugo Pacheco, Prejudicados, (5-0), Sem influência no resultado
13ª-Estoril(f) V(1-3), Duarte Pacheco, Nada a assinalar
14ª-Corruptos(c) E(2-2), João Ferreira, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar no resultado
15ª-Moreirense(f) V(0-2), Capela, Nada a assinalar
16ª-Braga(f) V(1-2), Bruno Esteves, Nada a assinalar
17ª-Setúbal(c) V(3-0), Vasco Santos, Beneficiados, Sem influência no resultado
18ª-Nacional(f) E(2-2), Proença, Prejudicados, (2-4), (-2 pontos)
19ª-Académica(c) V(1-0), Nuno Almeida, Prejudicados, Sem influência no resultado
20ª-Paços de Ferreira(c) V(3-0), Capela, Nada a assinalar

Sporting
1ª-Guimarães(f) E(0-0), Capela, Nada a assinalar
2ª-Rio Ave(c) D(0-1), Marco Ferreira, Nada a assinalar
-Marítimo(f) E(1-1), Xistra, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
4ª-Gil Vicente(c) V(2-1), Vasco Santos, Beneficiados, Prejudicados, (2-2), (+2 pontos)
5ª-Estoril(c) E(2-2), Nuno Almeida, Beneficiados, (2-3), (+1 ponto)
6ª-Corruptos(f) D(2-0), Jorge Sousa, Prejudicados, (1-0), Sem influência no resultado
7ª-Académica(c) E(0-0), Bruno Esteves, Nada a assinalar
8ª-Setúbal(f) D(2-1), Paulo Baptista, Nada a assinalar
9ª-Braga(c) V(1-0), Proença, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
10ª-Moreirense(f) E(2-2), Hugo Miguel, Nada a assinalar
11ª-Benfica(c) D(1-3), Marco Ferreira, Nada a assinalar
12ª-Nacional(f) E(1-1), Soares Dias, Nada a assinalar
13ª-Paços de Ferreira(c) D(0-1), Rui Silva, Nada a assinalar
14ª-Olhanense(f) V(0-2), Hugo Pacheco, Beneficiados, Impossível contabilizar no resultado
15ª-Beira-Mar(c) V(1-0), Cosme, Nada a assinalar
16ª-Guimarães(c) E(1-1), Xistra, Beneficiados, (1-2), (+1 ponto)
17ª-Rio Ave(f), D(2-1), Capela, Beneficiados, Sem influência no resultado
18ª-Marítimo(c) D(0-1), Duarte Gomes, Nada a assinalar
19ª-Gil Vicente(f) V(2-3), Soares Dias, Prejudicados, Beneficiados, (3-4), Sem influência no resultado
20ª-Estoril(f) D(3-1), Hugo Miguel, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado

Corruptos
1ª-Gil Vicente(f) E(0-0), Duarte Gomes, Beneficiado, Prejudicado, (1-1), Sem influência no resultado
2ª-Guimarães(c) V(4-0), Hugo Miguel, Prejudicado, Sem influência no resultado
3ª-Olhanense(f) V(2-3), João Ferreira, Nada a assinalar
-Beira-Mar(c) V(4-0), Manuel Mota, Nada a assinalar
5ª-Rio Ave(f) E(2-2), Bruno Esteves, Nada a assinalar
6ª-Sporting(c) V(2-0), Jorge Sousa, Beneficiados, (1-0), Sem influência no resultado
7ª-Estoril(f) V(1-2), Capela, Nada a assinalar
8ª-Marítimo(c) V(5-0), Cosme, Nada a assinalar
9ª-Académica(c) V(2-1), Hugo Pacheco, Beneficiados, (2-2), (+2 pontos)
10ª-Braga(f), V(0-2), Xistra, Beneficiados, Impossível contabilizar no resultado
11ª-Moreirense(c) V(1-0), Vasco Santos, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
12ª-Setúbal(f) V(-3), Proença, Beneficiados, Impossível contabilizar no resultado
13ª-Nacional(c) V(1-0), Rui Costa, Prejudicados, (2-0), Sem influência no resultado
14ª-Benfica(f) E(2-2), João Ferreira, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar no resultado
15ª-Paços de Ferreira(c) V(2-0), Jorge Sousa, Nada a assinalar
16ª-Gil Vicente(c) V(5-0), Paulo Baptista, Beneficiados, Sem influência no resultado
17ª-Guimarães(f) V(0-4), Marco Ferreira, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar no resultado
18ª-Olhanense(c) E(1-1), Cosme Machado, Beneficiados, Impossível contabilizar no resultado
19ª-Beira-Mar(f) V(0-2), Xistra, Beneficiados, Impossível contabilizar no resultado
20ª-Rio Ave(c) V(2-1), Soares Dias, Beneficiados, (2-2), (+2 pontos)

Braga
1ª-Benfica(f) E(2-2), Soares Dias, Beneficiado, Prejudicado, (3-2), (+ 1 ponto)
2ª-Beira-Mar(c) V(3-1), Paulo Baptista, Nada a assinalar
3ª-Paços de Ferreira(f) D(2-0), Pedro Proença, Nada assinalar
4ª-Rio Ave(c), V(4-1), Bruno Paixão, Nada a assinalar
5ª-Guimarães(f), V(0-2), Paulo Baptista, Prejudicados, Sem influência no resultado
6ª-Olhanense(c), E(4-4), Jorge Tavares, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
7ª-Marítimo(f), V(0-2), Benquerença, Nada a assinalar
8ª-Gil Vicente(c) V(3-1), Rui Silva, Beneficiados, Impossível contabilizar
9ª-Sporting(f) D(1-0), Proença, Prejudicados, (1-1), (-1 ponto)
10ª-Corrutpos(c) D(0-2), Xistra, Prejudicados, Impossível contabilizar no resultado
11ª-Académica(f) V(1-4), Soares Dias, Nada a assinalar
12ª-Estoril,(c) V(3-0), Nuno Almeida, Beneficiados, (3-1),Sem influência no resultado
13ª-Moreirense(c) V(1-0), Jorge Sousa, Nada a assinalar
14ª-Nacional(f) D(3-2), Hugo Miguel, Nada a assinalar
15ª-Setúbal(c) V(4-1), Duarte Gomes, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
16ª-Benfica(c) D(1-2), Bruno Esteves, Nada a assinalar
17ª-Beira-Mar(f) E(3-3), Hugo Pacheco, Beneficiados, Prejudicados, (4-2), (+1 ponto)
18ª-Paços de Ferreira(c) D(2-3), Paulo Baptista, Nada a assinalar
19ª-Rio Ave(f) E(1-1), João Ferreira, Beneficiados, (1-0), (+1 ponto)
20ª-Guimarães(c) V(3-2), Jorge Sousa, Nada a assinalar

LINK's
16ªjornada
17ªjornada
18ªjornada
Épocas anteriores:

FC Porto e Benfica são gémeos siameses?

"FC Porto e Benfica parecem este ano gémeos siameses, inseparáveis e praticamente idênticos em tudo. "Apenas uns ligeiros pormenores os diferenciam. O registo de ambos é quase igual, nas várias competições. No total, o FC Porto já fez 34 jogos esta época, para todas as competições em que participou. Venceu 26 jogos, empatou 6 e apenas perdeu 2 jogos (em Paris e em Braga). Este registo dá uma percentagem de vitórias de 85 por cento, o que é muito bom.
Já o meu Benfica fez mais jogos, ao todo 36, obteve 27 vitórias, cedeu 7 empates e também teve duas únicas derrotas (em casa, com o Barcelona, e em Moscovo). Assim, tem uma percentagem de vitórias de 84,7 por cento, praticamente idêntica à do FC Porto.
Ambos estão a fazer uma temporada muito forte, e não há forma de se gerarem distâncias relevantes entre os dois. Ontem, por exemplo, muita gente temia o Paços de Ferreira, que está a fazer um extraordinário campeonato, mas a verdade é que o Benfica não deu qualquer hipótese, e venceu facilmente por 3-0. 
Benfica e FC Porto estão claramente noutra galáxia futebolística de todos os outros clubes nacionais, e mesmo Braga e Sporting têm muitas dificuldades para conseguir bater o pé aos dois grandes. Embora o FC Porto vá a Alvalade na próxima jornada, ninguém acredita que não vai ganhar aos leões.
É evidente que ainda faltam 10 jornadas, e há muitos jogos difíceis pela frente, mas se as duas equipas mantiverem este registo, a coisa vai ferver até ao fim! Quem separa este gémeos siameses? Será que temos mesmo de esperar pelo jogo no Dragão? Isto é o que se passa dentro do campo. Já fora do campo há claras diferenças. Enquanto Pinto da Costa dá moral e confiança a Vítor Pereira, para as bandas da Luz começam os disparates, e lá veio um vice-presidente do clube. o senhor Varandas Fernandes, fazer ultimatos a Jorge Jesus, dizendo que o contrato dele só será renovado se ele ganhar títulos!
O Benfica continua cheio de gente que não percebe que esse tipo de ameaças só desestabilizam, e podem desconcentrar o treinador e os jogadores, num momento em que todos precisam de estar focados no presente, e não no futuro. Jesus é o melhor treinador do Benfica das últimas três décadas, o melhor desde Eriksson, e só pessoas que não percebem nada de futebol acham que ele se deve ir embora! O senhor vice-presidente devia era estar calado!"

Nunca houve um 'Caso Calabote'. Houve, isso sim, um 'Caso Guiomar'!

"No campo das Covas, em Torres Vedras, o FC Porto marcou os três golos que precisava para ser campeão: o primeiro e o segundo contra dez, o terceiro contra nove, no último minuto. Estávamos no dia 22 de Março de 1959.

Dia 22 de Março de 1959 – última jornada do Campeonato Nacional. Teimam alguns, de escassa honestidade intelectual, em falar de um fantasioso "Caso Calabote". Aceitemos o repto porque a mentira espalhou-se como um cancro, aproveitada por aqueles que têm tanta porcaria a esconder sob o diáfano véu da sua fantasia. Nunca houve um "Caso Calabote"; houve, isso sim, um "Caso Guiomar"! As mentiras destroçam-se com factos. E os mentirosos viajam com elas para as sarjetas sujas da cidade.
Facto – O Benfica comandou largamente o Campeonato de 1958/59.
Facto – Ao entrar para última jornada o FC Porto gozava de vantagem perante o Benfica apenas na diferença entre golos marcados e sofridos: FC Porto (78-22); Benfica (71-19).
Facto – Supondo-se que o FC Porto ganharia o seu último jogo (em Torres Vedras, frente ao Torreense) por 1-0 o Benfica ficaria obrigado a ganhar em casa à CUF pelo menos por seis golos de diferença.
Factos – Tanto CUF como Torreense estavam nos últimos lugares da tabela – o Torreense concluiria mesmo o Campeonato na última posição, descendo de Divisão; a CUF ficaria no 4.º lugar a contar do fim. 
Facto – Tanto FC Porto como Benfica eram claros favoritos nos seus jogos.
Factos – O árbitro do Benfica-CUF foi Inocêncio Calabote; o do Torreense-FC Porto foi Francisco Guiomar.
Facto – A equipa do Benfica entrou em campo com cerca de cinco minutos de atraso em relação ao FC Porto em Torres Vedras.
Facto – Aos 14 minutos de jogo já o Benfica vencia, por 1-0, golo de Águas, de grande penalidade, considerada absolutamente indiscutível por Alfredo Farinha, o cronista de "A Bola".
Facto – Mais golos se seguiram: aos 26 minutos, de novo Águas de penálti a fazer o 2-0 – "penalidade algo forçada" segundo a opinião do mesmo Alfredo Farinha. O 3-0 surgiu aos 35 minutos, por Mendes, a passe de Águas.
Facto – Aos 14 minutos de jogo no Campo das Covas, António Manuel e Noé saltam a uma bola e o jogador do Torreense é obrigado a sair do relvado. A equipa de Torres Vedras joga largos minutos reduzida a dez elementos.
Facto – Aos 24 minutos, na sequência de um canto de Hernâni Perdigão faz o 1-0 para o FC Porto.
Facto – Dois minutos mais tarde António Manuel regressa de cabeça ligada. Assistira ao golo do FC Porto fora do campo, queixando-se com dores.
Facto – Alfredo Farinha considerou de lastimar as atitudes de exacerbada hostilidade dos jogadores da CUF.
Factos – Quando chega o intervalo, num campo e noutro, o nervosismo mantém-se. O FC Porto continua em vantagem e, enquanto no Estádio da Luz os cufistas tudo faziam para queimar tempo, segundo Alfredo Farinha; no Campo das Covas, Aurélio Márcio, outros dos "monstros" de "A Bola" criticava a falta de qualidade da exibição portista.

Calabote???? Reparem antes em Guiomar...
Facto – Três minutos após o intervalo, Chino, com um remate de longe, marca um golo de classe e põe o Benfica a ganhar, por 4-0.
Facto – Aos 56 minutos, Quaresma, com uma cabeçada vigorosa, faz o golo da CUF e torna tudo mais complicado para o Benfica.
Facto – Aos 58 minutos, Cavém entra na área e é rasteirado. Penálti claro, segundo o cronista, que Águas converteu.
Facto – Escutam-se pelos transistores notícias de um estádio e de outro.
Facto – Aos 64 minutos, em Torres Vedras, Francisco Guiomar expulsou Manuel Carlos por carga sobre Carlos Duarte. Com António Manuel em esforço, o Torreense quebra no seu entusiasmo.
Facto – Na Luz o Benfica corre desesperadamente à procura de mais golos. Os jogadores da CUF continuam a exagerar nas quedas e nas perdas de tempo. Aos 65 minutos, Águas, num remate estupendo, faz o 6-1. O impossível parecia à beira de acontecer.
Facto – Apesar de jogar contra 10, o FC Porto não assume a sua nítida superioridade. O Torreense defende-se de forma galharda e mantém a sua baliza a salvo. Os adeptos portistas começam a sentir que podem perder o título que já consideravam ganho.
Facto – Aos 83 minutos, Mendes faz o 7-1 na conversão de um livre directo. O Benfica está na frente, mas ainda há muito para jogar.
Facto – O tempo escoa-se com rapidez. O Benfica cumpriu o seu trabalho, está na frente do Campeonato, o FC Porto luta contra o destino. O Torreense, com menos um jogador em campo, fraqueja.
Facto – A dois minutos do fim do jogo em Torres Vedras, um livre apontado por Hernâni dá o golo a Noé. Saldanha procura atrasar o recomeço do encontro: Francisco Guiomar dá-lhe ordem de expulsão.
Facto – Na Luz, Inocêncio Calabote dá mais quatro minutos de descontos. Para quem está no estádio pecam por pouco. Alfredo Farinha escreve: "No que se refere ao prolongamento de quatro minutos cremos ter deixado ao longo da crónica justificação bastante para o critério do senhor Inocêncio Calabote".
Facto – O FC Porto joga o que falta contra um adversário desfeito (com apenas nove em campo e António Manuel diminuído. Só lhe falta um golo. Já não é assim tão difícil.
Facto – No último minuto da partida, Carlos Duarte tira um centro e Teixeira cabeceia por entre os defesas do Torreense. O título está ganho, ainda que tivesse sido necessário devastar o já condenado Torreense. 
Facto – Os jogadores do FC Porto esperam pelo fim do jogo da Luz para comemorarem. Onze para onze, não tinham conseguido fazer um golo: foi preciso contar com a saída temporária de António Manuel, primeiro, e depois com as expulsões definitivas de Manuel Carlos e Saldanha para marcar o segundo e o terceiro.
Facto – Toda a gente conhece o nome de Calabote... Ninguém parece querer recordar o nome de Francisco Guiomar.
Conclusão – Alguns cronistas ligados ao FC Porto sabem pouco ou nada da história do Futebol português. Por isso insistem alegremente nas mentiras repetidas."

Afonso de Melo, in O Benfica

PS: Trabalho 'quase' completo do Afonso de Melo, faltou o contexto pré-jogo (com o Benfica a ser obrigado a jogar em Belém na Quinta-feira anterior, num jogo 'repetido'!!!), e o contexto pós-jogo (com o inquérito ao Calabote no jogo de Juniores Belenenses-Sporting!!!)... Sobre as incidências dos jogos, também merecia referência, o penalty que ficou por marcar a favor do Benfica nos últimos minutos, já com o jogo de Torres Vedras terminado. Penalty tão claro, que até o treinador da CUF o reconheceu no final da partida...

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Benfiquismo...

Um futebol à beira de prescrever...

"A receita do sucesso? Segurança nos estádios; horários decentes; bilhetes acessíveis; justiça compreensível; arbitragem credível...

FUTEBOL sem adeptos nos estádios é para onde, cada vez mais, caminhamos. Por mais que os responsáveis garantam pugnar pelo contrário, a verdade é que continuam por ser tomadas medidas que, na prática, revitalizem a vontade de ver o espectáculo ao vivo. E que medidas são essas? Basicamente, passam pela segurança - e aqui incluem-se agressões físicas e verbais -, pelo preço dos ingressos; e pela adopção de horários compatíveis com a generalidade dos cidadãos. Como nada disto é feito, e como, para cúmulo, a situação da insegurança continua a agravar-se (os Bês de Guimarães e Braga, pois claro, mas também muitos outros exemplos tristes que não só afastam as famílias dos estádios como afugentam muitos dos habituais espectadores), como os jogos são disputados à hora que mais convém às televisões, e como o dinheiro cada vez pesa menos nos bolsos dos portugueses, aquilo a que assistimos é um caminhar inoxorável para o abismo. Para cúmulo, as decisões da Justiça Desportiva estão a contribuir para o descrédito da indústria do futebol e um dia destes prescreve a paciência dos adeptos e os dirigentes acabam a falar apenas uns com os outros, alheios a uma realidade que exige condições de várias ordem - da credibilidade da justiça à verdade da arbitragem, à transformação dos estádios em espaços amigáveis - para que o futebol ao vivo não se fine. Como é que alguém pode mostrar-se minimamente surpreendido com a diminuição drástica de espectadores se os responsáveis falam, falam, falam, mas não fazem nada de concreto? Quem tem um rumo? Ponham os olhos nos jogos da Selecção Nacional, que conseguem juntar, deitando mão a modelos imaginativos, milhares de portugueses. Assim, pelo caminho que está a ser trilhado, o desastre é inevitável.
Quem percebe as prescrições no caso do Boavista (que ainda fará correr muita tinta, acreditem), sem que se refira o mérito da causa? Quem compreende a discrepância de interpretação entre órgãos da Liga e da FPF no caso do FC Porto na Taça da Liga? Quem aceita que se convidem os adeptos para ir aos estádios e depois não sejam garantidas condições de segurança? Falei da Selecção como bom exemplo. Querem mais? Ponham os olhos na Bundesliga, transponham os conceitos para cá e num ápice verificarão uma melhoraria nítida no estado da nação do futebol.
Nestes tempos de crise, quando ainda estão na retina as imagens de Guimarães e de Braga (com o Paços o delegado da Liga não viu nada!!!), não vale a pena apontar o dedo a este àquele, especificamente. Antes fosse possível resolver os problemas dessa forma...
Infelizmente, só uma alargada conjugação de boas vontades poderá conduzir o nosso futebol a um futuro sustentado.
Infelizmente, porque não acredito que tal seja possível...

(...)

DUAS semanas depois, onde para a Polícia?
«O computador portátil de Vítor Pereira, presidente do Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol, também foi furtado no assalto à sede do organismo?»
A Bola, 14 de Fevereiro de 2013

RECAPITULEMOS: há mais de DUAS semanas a sede da FPF foi assaltada, pensava-se que só tinham sido roubados dois computadores, de oitavo andar, mas o portátil do presidente dos árbitros, no sexto andar, também desapareceu. O ladrão, de cara destapada, foi caçado pela videovigilância. Deixou um rasto de sangue e impressões digitais. E nada?

(...)"

José Manuel Delgado, in A Bola

Prioridades

"Escrevo estas linhas antes da 2.ª mão da eliminatória do Liga Europa. O resultado obtido na Alemanha deixou as coisas bem encaminhadas, mas neste tipo de competição, contra este tipo de adversário, não é possível cantar vitória antes do tempo.
O que quer que se diga aqui não perderá, porém, aplicabilidade. Nesta época (seria bom sinal), ou nas próximas, e sempre que nos virmos envolvidos em várias frentes, sabendo que dificilmente temos condições para triunfar em todas elas. Está em causa a dicotomia entre o sonho e a realidade, e a escolha entre o bom e o possível, sabendo que o óptimo tem poucos amigos.
Se alguém me perguntar se prefiro ganhar a Liga Europa ou o Campeonato, escolho, sem hesitações, a primeira hipótese. Avaliamos a dimensão histórica de cada conquista, e lembramo-nos que um Título Europeu é algo que nos escapa há mais de 50 anos. Sobretudo para a minha geração, que não viu José Águas erguer a Taça dos Clubes Campeões, seria muito importante ver Luisão com um troféu internacional nas mãos - e manda o pragmatismo perceber que só na Liga Europa tal sonho tem condições de se concretizar.
Mas este desejo não pode chocar com o grande desígnio estratégico do Benfica do presente, que passa por  disputar a liderança do Futebol português com o FC Porto. E sabemos que um plantel como o nosso terá dificuldades em aguentar a exigência de dois jogos de alta intensidade por semana, condição fundamental para conciliar o Título.
Creio, pois, que só um Campeonato prematuramente resolvido (a bem ou a mal, que é como quem diz, ganho ou perdido) permitiria apostar todas as fichas numa aventura europeia. No ponto em que estamos, onde cada jogo doméstico é absolutamente decisivo, não podemos levantar os pés do chão.
Se, com rotatividade e sorte, conseguíssemos porventura chegar a umas meias-finais, então seria de reequacionar prioridades. Até lá, não deve haver lugar a dúvidas. Nem na estrutura do clube, nem, sobretudo, na cabeça dos jogadores."

Luís Fialho, in O Benfica

Campeão sofre

"O recente triunfo frente à Académica não foi apenas um triunfo, foi uma lição, uma lição triunfal.
O Benfica poderia ter jogado mais? Talvez pudesse, pelo menos a espaços. A Académica poderia ter querido jogar? Talvez pudesse, pelo menos a espaços. O Benfica jogou, nem sempre bem, a Académica não jogou, quase sempre bem. O Benfica ganhou na justiça do último minuto, premiada a sua ambição.
A Académica perdeu na desforra do último minuto, castigada a sua limitação.
O embate foi mesmo um ensinamento. Não existe Campeão, vem em todos os manuais da coisa, que não seja sempre Campeão do sofrimento. O despique da Luz chegou a ser exasperante, com uma equipa inteira atrás da linha da bola. À medida que a competição se aproxima da fase decisória, situações destas tendem a repetir-se. Um ponto, será a ambição gigante de alguns adversários. Um golo, um mero golo, será a ambição mínima do Benfica.
As bancadas da Luz também deram uma lição. Nos dias que correm, com o sustento de um futebol ofensivo de grande qualidade, os adeptos não anseiam por golos, têm nos golos a certeza da razão do futebol atacante da equipa. Só que um ou mais golos não são fáceis de obter perante antagonistas que se dedicam, tempo inteiro, a preencher apenas trinta metros do relvado. O que fizeram os correlegionários vermelhos? Ainda que dando mostras de inusitada ansiedade, jamais deixaram de apoiar o colectivo até ao apito final.
O Benfica recuperou a urgência da vitória, o imperativo da vitória, o charme da vitória. Os sócios e simpatizantes cultivam o apego, a teimosia, o afecto. E não são também as razões subjectivas que espicaçam as razões objectivas na direcção do êxito? Na direcção do Benfica Campeão?"

João Malheiro, in O Benfica

Objectivamente (passarinhos!!!)

"O último jogo do Benfica na Luz frente à Académica trouxe várias situações para análise que demonstram bem da dificuldade que o Clube terá sempre de enfrentar se quiser ser Campeão!
Em primeiro lugar, o jogo em si. A equipa nunca poderá facilitar em jogos onde o adversário só vem para não sofrer golo. O Benfica não pode facilitar nem um minuto e deverá atacar o jogo desde o primeiro momento, voltando ao velho princípio do '15m à Benfica' sem dó nem piedade!
Depois, a postura dos adversários. Fazem o seu papel. Querem pontos. Mas para conseguirem esse objectivo é preciso que nós deixemos. O Benfica tem de ser mandão! Já sabemos que há determinados 'amigos' que não se empenham tanto quando jogam contra outras equipas... Por isso nunca poderemos contar com o amolecimento de certos camaradas de armas.
Quanto ao comportamento de alguns jogadores da Académica foi intrigante o desespero com que viveram os momentos seguintes ao golo sofrido. Parecia que já tinham descido de Divisão! Ou será que tinham um chorudo prémio pelo empate/vitória no jogo e que por uma burrice do colega, João Dias, perderam ali um dinheirinho?!
Mas o que mais me irritou foram as declarações do presidente da Académica. Quer dizer, para Simões tudo isto foi uma manobra congeminada propositadamente para prejudicar a Académica - que é de facto uma equipa extraordinariamente atacante, que dominou o jogo, rematou vezes sem conta à baliza do Benfica e foi roubado pelo árbitro - pois não merecia nada ter perdido! Será isto que o homem quis dizer?!
Depois de tudo isto ainda se vem queixar de palavras insultuosas de alguns elementos do banco do Benfica no final da partida.
Ele, e outros como ele, vão ter de perceber que o tempo do Benfica de 'passarinhos', em que todos vinham à Luz fazer números de circo e brincar com a grandeza do Glorioso, ACABOU!"

João Diogo, in O Benfica

Triste Académica

"1. Estudante em Coimbra, o meu pai tinha dois clubes: Benfica e Académica. E lembro-me de, muito miúdo, ver dois jogos da (então) simpática equipa de Coimbra, um Belenenses - Académica nas Salésias e um Benfica - Académica no Jamor. Também estive (com o coração dividido!) na célebre final da Taça (que ganhámos) de contestação ao antigo regime. Daí que sempre tenha respeitado esse clube, apesar das diferenças entre a antiga Académica dos estudantes e a formação actual, já bem pouco ligada às tradições locais.
Pois, domingo passado, perdi o já pouco respeito que tinha pela Académica. Há muitos anos que não via uma equipa apresentar um futebol (futebol?) tão negativo. Aquilo foi só destruir e tentar queimar tempo. Nem uma jogada (ou tentativa...) de ataque, nada. Com bastante felicidade à mistura, manteve o 0-0 até quase ao final.
Depois, teve a sorte que mereceu: uma (indiscutível) grande penalidade e, finalmente, a derrota. O Benfica não fez um grande jogo mas criou mais oportunidades para garantir um triunfo tranquilo. O guarda-redes, a trave e alguma inépcia própria mantiveram o 0-0 até demasiado tarde. Mas seria tremenda injustiça se o resultado fosse outro. Mais que o Benfica, foi o futebol que ganhou!

2. Extraordinário o apoio que os nossos adeptos deram à equipa na Alemanha, nem audível ao longo de toda a transmissão televisiva. Parecia que estávamos a jogar em casa! Infelizmente, no meio de tantos esforçados benfiquistas, houve mais uma vez algumas 'ovelhas ranhosas' que voltam a colocar o Clube em problemas, ao terem feito rebentar (bem audíveis) petardos, apesar dos constantes apelos da UEFA (em português), através da instalação sonora do estádio.
Felizmente, a polícia alemã deteve quatro desses elementos, que agora estarão a contas com a justiça. Só não percebo é como é que é possível à polícia alemã, identificar esses elementos e, por cá, nada se passar. Alguns elementos da nossa claque teimam em lançar petardos, a polícia nada faz (ou não quer fazer...) e o Benfica paga multas atrás de multas...

3. Fiquei satisfeito ao saber que o Benfica tinha reactivado a Secção de Xadrez (que até já ganhou ao Sporting por claros 3,5 - 0,5), com António Fernandes como principal jogador."

Arons de Carvalho, in O Benfica

A culpa não é do Relvas, é dos clubes

"Os incidentes registados durante  SC Braga - Paços de Ferreira podiam ter alertado os restantes clubes para o perigo que se adivinhava, caso se mantivesse a habilidosa interpretação sobre o decreto-lei que estabelece o regime de policiamento de espectáculos desportivos e satisfação dos respectivos encargos. Toda a gente assobiou para o lado, de uma forma irresponsável, a começar pelo presidente do Gil Vicente, o qual, logo a seguir, abdicou da requisição da PSP no estádio de Barcelos na visita do Sporting.
Ontem, em jogo cheio de rivalidades locais mal digeridas e num recinto em que, em situações anteriores, mesmo na presença de força significativa da autoridade, arrancar cadeiras tem-se revelado um dos passatempos preferidos das claques vimaranenses, qualquer pretexto serviu para espoletar a barbaridade dessa turba violenta. Escusa o presidente da Liga de vir, apressado, agitar fantasmas. Tenha paciência, a culpa não é do Relvas, nem do Macedo. A culpa não é da lei, mas de quem a espezinha. A culpa é dos clubes (não de todos, felizmente) e do aproveitamento economicista que dela retiram. Os presidentes, ou quem os representar na promoção do espectáculo, que teimem em brincar com a segurança das pessoas, devem ser responsabilizados. A lei também diz isso. É aplicá-la."

Fernando Guerra, in A Bola

Não largamos os "gajos"!


Aqui o Jorge "Robocop" Jesus não larga os gajos!
Mais uma vitória do Benfica!

O jogo ideal !!!


Benfica 3 - 0 Paços de Ferreira

Após o desgastante jogo de Quinta-feira com os Germânicos, este acabou por ser um jogo ideal para o Benfica: golo cedo; ritmo baixo; Paços a jogar sem autocarros; 2.º golo no momento 'certo'; jogo decidido prematuramente, sem dramatismos...
Deu inclusive para a nossa equipa cometer vários erros de passe, em zonas proibidas, tudo resolvido pela inoperância adversária, ou pela segurança do Artur... mas confesso: aquelas 'brincadeiras' de passe e repasse junto da nossa área, irritam-me profundamente!!! E hoje, praticamente todas as semi-oportunidades do Paços, foram consequência de perdas de bola infantis do Benfica!!! Estou mais descansado com o Benfica a defender posicionalmente, sem bola, do que a tentar controlar o jogo com trocas de bola em zonas proibidas!!!
O Luisinho voltou a confirmar o mau momento; se é verdade que o Lima merecia, que o 3.º golo lhe fosse atribuído, pois a bola atravessou a linha, a verdade é que os árbitros só marcaram golo, após o remate do Salvio!!!
Como é possível, num jogo tão fácil de dirigir, com baixos níveis de agressividade, o Capela tenha sido tão irritante?!!! A dualidade de critérios, entre aquilo que é permitido fazer nas costas dos nossos avançados - Cardozo, Lima... -, e aquilo que é permitido aos nossos defesas, fazer nas costas dos avançados contrários, é de bradar aos céus...
Aquele momento, em que o Carlos Martins ganha no confronto físico com o adversário, recupera a bola, limpo, fica com a bola, e o Capela marca falta, todo o Estádio - e o Carlos também... -, ficou convencido, que apesar do absurdo da situação, tinha sido marcada falta contra o Benfica, quando afinal a falta era a favor do Benfica!!! É tão raro, em lances divididos, marcar faltas a favor do Benfica, que a reacção instintiva é de protestar sempre que se ouve o apito...!!!

Rezo a todos os santinhos: Jesus, o jogo de Quarta é para ganhar, mas com todos os jogadores menos utilizados... Usar esta semana para recarregar as baterias, pode ser decisivo, na série de jogos que se segue: Beira-Mar, Bordéus, Gil, Bordéus e Guimarães. Existem algumas obrigações para a Taça da Liga, que desconheço em pormenor: jogar com jogadores formados localmente; jogar com jogadores que foram titulares no último jogo do Campeonato. Dito isto, quero: Lopes; Almeida, Luisão, Jardel, Luisinho; Gomes, Martins, Urreta, Rosa; Gaitan, Rodrigo.


domingo, 24 de fevereiro de 2013

Pequena vingança !!!


CAB Madeira 50 - 74 Benfica
14-20, 14-18, 11-20, 11-16

A única derrota que temos esta época, foi na Luz, contra esta equipa do CAB, sendo assim esta vitória nos Oitavos-de-final da Taça de Portugal, teve um saborzinho especial...!!!
O Carlos Andrade, depois da longa ausência por lesão, regressou com as 'pilhas' todas !!!

Goleada das 'novas' !!!


Benfica 21 -  4 Gulpilhares

Os golos foram tantos, que até 'atrapalhou' a contabilidade oficiosa do jogo!!! Parece que um dos golos do Benfica foi de autoria anónima!!! (adenda: parece que já descobri o autor do golo 'fantasma': Tuco) !!!
Já se esperava uma goleada, o Gulpilhares está em grande dificuldades (muitos Juniores e até Juvenis!!!)... serviu para o Zorro somar golos!!!  A única nota estranha, foi mesmo os 4 golos sofridos!!!

Salvou-se 1 ponto !!!


Benfica 2 - 3 Sp. Espinho
19-25, 19-25, 29-27, 25-23, 14-16

Voltámos a perder um jogo com o Espinho na negra... hoje, regressou o Vinhedo, mas a equipa entrou muito mal no jogo, quando no 3.º Set o Espinho teve vários 'match point's' - depois de o Benfica ter desperdiçado uma boa vantagem!!! - pensou-se que o jogo estaria perto do fim, mas a equipa não desistiu e conseguiu empatar a partida...  no último Set, até começamos bem, mas logo a seguir 'oferecemos' uma vantagem ao adversário, ainda recuperámos, mas não fomos a tempo...
Ainda estamos na frente do Campeonato, mas além do jogo em Espinho, ainda temos que ir aos Açores, neste momento o mais provável, é ficar em 2.º lugar, e portanto perder o factor casa na Final... Até lá temos que dar ritmo aos Distribuidores lesionados... É verdade, as expectativas neste momento são menores, do que o ano passado, mas isso até pode ser benéfico, está tudo nas nossas mãos...

sábado, 23 de fevereiro de 2013

Passada segura...!!!


Passos Manuel 23 - 33 Benfica

Boa réplica por parte da equipa do Passos Manuel - da 2.ª divisão -, mas o Benfica mesmo com alguns erros evitáveis, nunca perdeu o controle do jogo...
E assim estamos na Final-Four da Taça de Portugal, que como é óbvio: é para ganhar...

Juniores - 2.ª jornada - Fase Final


Benfica 2 - 2 Setúbal

Revoltante, assistir a jogos de Juniores com o mesmo tipo de cretinos a apitar os jogos, verdadeiros seguidores dos Proenças e dos Xitras. Este chama-se Baixinho!!! Tem nome de artista!!! Uma cambada de corruptos, que não pode ver o vermelho à frente...
O Benfica até pode não ter começado bem, contra o autocarro de dois andares que veio de Setúbal, mas com a absurda expulsão do Rudy, e com a 'proibição' de marcar qualquer falta a favor do Benfica, o jogo tornou-se muito difícil... os miúdos perderam a cabeça, e sofremos dois golos, em contra-ataques.
Na 2.ª parte a equipa organizou-se, a jogar em inferioridade numérica, e mesmo com muitos golos falhados, conseguimos empatar o jogo, e com um bocadinho de cabeça até podíamos ter vencido...
Nada disto me surpreende, o Sistema também está instalado nos jogos de formação!!! Só não vê, quem não quer...

Benfica.............4
Sporting.............4
Braga................3
Guimarães..........2
Rio Ave.............2
Corruptos..........1
Nacional...........1

O Boavista e as injustiças da justiça

"Naquele tempo o futebol português viveu sem lei e nenhum dos mandantes foi devidamente julgado e condenado.

A decisão do Conselho de Justiça da FPF em devolver ao Boavista o seu lugar na I Liga tem por fundamento principal e essencial o da prescrição dos procedimentos disciplinares instaurados pela anterior Comissão Disciplinar da Liga e que remontavam ao ano de 2008. Temos, assim, que a última e julgamos que definitiva decisão, tomada cinco anos depois do anúncio da pena de descida de divisão do Boavista, não se baseia no julgamento dos factos, mas na impossibilidade temporal de os julgar.
O acórdão do Conselho de Justiça é longo e seria ridículo da nossa parte apreciá-lo, como leigos, em matéria de direito. Mas isso não nos impede, nem a nós, nem a qualquer cidadão, de julgar a justiça (neste caso desportiva) como ineficaz, inapta e incompetente, na linha, aliás, do que recentemente já tínhamos escrito, naquilo que poderia ser considerado uma indignada acusação ao sistema judicial e ao sistema da justiça desportiva, em nome de uma cidadania que não dispensamos e em nome da necessária dignidade nas competições desportivas, em especial, das competições profissionais.
Dito isto, escrito e assinado para que não restem dúvidas sobre o que verdadeiramente penso da injusta justiça portuguesa, passarei ao que considero ser o essencial da questão, visto à luz do senso comum e atendendo a que, ao menos, este não terá prazo de prescrição.
O período a que se referem os factos (época de 2003/2004) pertence a um tempo dramático para o futebol português. Admiro-me, aliás, muito sinceramente, que alguns cidadãos activos e responsáveis neste país ainda teimem, por pura cegueira clubista, em libertar-se dessa responsabilidade e procurem apagar com uma vergonhosa borracha da consciência o que toda a gente sabe que aconteceu nesse tempo desgraçado de influências, pressões, jogos de bastidores, lóbis de malfeitores, mandantes 'alcaponianos', manipuladores, que coagiram, violentaram, perseguiram e desvirtuaram a verdade desportiva e criminosamente acossaram árbitros, treinadores, jogadores, dirigentes desportivos, jornalistas.
É preciso dizer com a maior clareza que esse foi um tempo em que o futebol português viveu sem lei, onde os vilões do jogo viveram felizes e impunes. Felizmente, não para sempre. A chegada repentina e não anunciada à justiça desportiva de gente jovem e corajosa, disposta a mudar esse estado de coisas, mesmo que se admita algum espírito justiceiro, tenha sido decisiva para acabar com o estado de impunidade.
Infelizmente, no tempo em que a justiça desportiva procurou ser activa e eficaz, a justiça do país não a protegeu, nem sequer a acompanhou. Não discuto a razão legal em que desgraçadamente se sustentou a decisão de recusar todas as escutas e os eventuais erros processuais cometidos pelo Ministério Público. O que discuto é a injustiça da justiça. O que discuto, como cidadão revoltado e como analista objectivo, é a nulidade de uma justiça que não julga o que é óbvio, o que é evidente, o que é claro para qualquer cidadão com a quarta classe. E isso é dramático. Quando um crime que aconteceu em frente dos olhos de dez milhões de portugueses não é julgado por falha do sistema judicial a justiça deixa de ser apenas cega, para passar a ser cega, surda e muda.
Há que ter consciência de que o que foi considerado como a 'inadmissibilidade da utilização das escutas como meio de prova' foi a decisão mais grave e mais bloqueadora do acto de justiça. Foi a vitória do crime e dos prevaricadores. Foi a derrota das pessoas de bem, do futebol português e de Portugal, enquanto estado de direito.
Ora, entre todos os despenalizados, apenas o Boavista, talvez por ter sido eleito o bode expiatório do sistema corrupto foi condenado. Não a uma pena qualquer, mas à pena de morte. Foi essa pena que agora foi levantada. No quadro sério e verdadeiro que descrevemos, acaba por ser mais justo não condenar ninguém."

Vítor Serpa, in A Bola

PS: Não sei se é a aproximação do aniversário do Benfica, e a respectiva Gala - com comes e bebes !!! -, que fez o Serpa abrir os olhos!!! Mas já que o cidadão Serpa está tão indignado com a injustiça da justiça, e com a impunidade do 'alcapones' do futebol português, que tal o seu jornal em vez de dar guarida aos Corruptos - sendo no mínimo cúmplice por omissão... -, começar a denuncia-los abertamente?
Sim, porque apesar do Serpa falar do período das escutas do Apito Dourado, como se fosse um passado longínquo, os seus principais actores continuam todos em actividade... e os seus defensores sujos, têm todo o tempo de antena que querem, tanto no jornal como na nova televisão...!!!
E já agora tenho que elogiar a capacidade contorcionista do cidadão Serpa, que consegue estar indignado com a injustiça da justiça, e ao mesmo tempo, diariamente, edita um jornal, que analisa e valoriza, resultados desportivos, troféus conquistados, vitórias e derrotas, ignorando por completo, a influência maléfica do tal Sistema em toda esta palhaçada que se chama futebol...