Últimas indefectivações

sábado, 7 de dezembro de 2013

Inequívoca

Benfica 3 - 1 Sp. Espinho
25-19, 25-18, 19-25, 25-20

Curiosamente começamos a perder nos três primeiros Set's !!! Mas enquanto nos primeiros dois, rapidamente demos a volta, no 3.º Set depois de empatarmos o parcial, logo a seguir ao 1.º tempo técnico, voltámos a ter um parcial negativo, e nunca mais conseguimos recuperar...
No 4.º Set, arrancámos muito bem, o Espinho ainda empatou, mas voltámos a dar uma chicotada no jogo, e desta vez foi definitivo...
Com o Miguel na distribuição, o a Ché a Oposto, e o Gaspar na Zona 4, jogámos com a nossa formação mais forte. É a minha opinião.

O Sp. Espinho continua com as novelas salariais. Se o clube não tem capacidade para ter uma equipa competitiva, que lute pelo título nacional, os contribuintes portugueses não devem ser obrigados a subsidiar as ambições desmedidas de meia-dúzia de gatos pingados...

Bom Galo !!!

Barcelos 64 - 77 Benfica
19-20, 14-23, 9-16, 22-18

Obrigação cumprida, começo tremido, mas no 2.º e 3.º períodos conseguimos ultrapassar a menor inspiração do Jobey... recordar que tradicionalmente temos sempre muitas dificuldades em Barcelos. O regresso do Carlos Andrade é uma excelente notícia. Com a derrota do Guimarães em Ovar, somos lideres isolados.

Mistério !!!

Farense 3 - 1 Benfica B

A história do jogo conta-se em poucas palavras: relvado impraticável, muito contacto físico, Benfica entrou adormecido, a perder por 2-0 reagiu, reduziu justamente para 2-1, contra a corrente do jogo sofreu o 3-1 num livre lateral, voltámos a reagir bem, e foi aqui que aconteceu o grande Mistério: golo anulado ao Benfica!!! Lance que só o gabinete de Fox Mulder poderá resolver...!!! Até final, o Dino ainda foi expulso: não discuto a justiça do vermelho directo, mas num jogo onde ficaram tantos amarelos no bolso...!!! Nas últimas 6 jornadas, só terminamos com 11, no jogo contra os Corruptos... nas outras 5 jornadas, 5 expulsões... e na próxima jornada recebemos os Lagartos.

Formação

"O percurso dos Juniores do Benfica na Youth League é fantástico. Defrontando os mesmos adversários com que se bate a equipa principal na Liga dos Campeões, os Juniores do Benfica seguem na frente da classificação do seu Grupo com quatro vitórias e um empate, 14-4 em golos marcados e sofridos, do que resultado uma vantagem de sete pontos(7) para o segundo classificado, o PSG, que visita o Campus do Seixal no próximo dia 10. O encontro é para o espectáculo. Quando faltavam dois jogos para encerrar o Grupo, os Juniores do Benfica já estavam apurados para a fase seguinte.
Isto é um motivo de orgulho para o Benfica e para os Benfiquistas. E se tivermos em conta as recentes convocatórias de escalões mais novos, ficamos a perceber que o sucesso dos Juniores na Youth League é apenas parte de um fantástico trabalho na Formação: seis jovens jogadores do Benfica convocados para a Selecção Sub-20, sete para a Selecção Sub-18, outros sete para a Selecção Sub-16.
É natural que cada miúdo da Formação de Futebol do Benfica - Traquinas, Benjamins, Infantis - como cada jovem da Formação - Iniciados, Juvenis, Juniores - aspire e entrar um dia em campo envergando a camisola principal do Glorioso. E também é natural que os Benfiquistas em geral sonhem ver mais produtos da Formação na equipa profissional deste grande Clube. Aliás, este ano, esse sonho começa a ser um pouco mais visível que em épocas passadas. Mas, como em todos os sonhos, daí à realidade vai um longo e duro caminho.
Acabo de ver a equipa B a ganhar aos lá de cima, por 3-1, com um futebol bonito de se ver, e que grandes promessas de grandes jogadores ali tem o Benfica. É só questão de sonhar."

João Paulo Guerra, in O Benfica

PS: Confirmando esta aposta, nos últimos dias o Benfica anunciou a assinatura de contratos profissionais com 9 jovens jogadores, todos ainda com a idade de Juvenis: Yuri Ribeiro, Rúben Dias, Francisco Ferreira, Gonçalo Rodrigues, Pedro Rodrigues, João Carvalho, Diogo Gonçalves, Aurélio Buta e Renato Sanches

"Sistema" resiste à decapitação

"Que o espírito democrático é pequeno na corporação do futebol português já o sabíamos há muito tempo, mas este movimento do G-14 para destituir Mário Figueiredo da presidência da Liga é a mais recente prova que o futebol em Portugal resiste à mudança e está, há muito, agarrado a estereótipos geradores de injustiças e imparidades, que prejudicam o futebol. O anterior modelo está esgotado mas sobrevive. O poder de Joaquim Oliveira, enquanto guardião e gestor dos direitos televisivos, já não é o que era, está ameaçado (só o Benfica conseguiria infligir os danos que estão à vista no “barco de guerra” da Olivedesportos, o grande bombardeiro que foi vencendo batalhas através do “oxigénio envenenado” distribuído pelos clubes, tornando-os dependentes, solícitos e mansos) e o que está em causa é aceitar um sistema de concorrência mais aberto, com vantagens no campo da verdade desportiva. Joaquim Oliveira não aceitou como verosímil a dimensão do risco assumido pelo Benfica e resiste como pode, tentando agora, a cavalo da ZON e da PT, e com o beneplácito possível da banca, aguentar a estocada final. Já nada é como dantes e os seus eternos aliados mobilizam-se para salvar o que resta do “tesouro perdido”.
Houve um sismo de grandes dimensões no futebol português, cujos danos ainda estão por apurar. Não se registaram vítimas mortais, mas alguns dos feridos acusam sequelas para sempre e desconhece-se o prazo pelo qual vai ser possível determinar se vão conseguir resistir aos ferimentos.
Sem o “porta-aviões” Benfica, esta mudança de rumo não teria sido possível, mas é bom de ver que a UEFA não vai deixar o Benfica comprar os direitos de equipas que joguem no seu escalão competitivo. Se não houvesse essa regulação externa, e devido à baixa ética que existe em Portugal neste tipo de negócios e relações, acredito que teríamos aqui matéria para muita discussão. Sem essa possibilidade, é crível que o próprio Benfica, a prazo, se possa questionar sobre a rendibilidade do negócio do seu canal televisivo. É o único argumento válido para quem defende a solução da centralização dos direitos televisivos. A “Liga TV”, ou uma entidade semelhante, só será viável, contudo, se o Benfica se colocar numa solução inclusiva.
É por isso que, sem embargo de reconhecer que o objectivo da centralização é muito difícil de alcançar a curto prazo, podemos estar a viver uma fase de transição entre a solução que começa, agora, a ser combatida – protagonizada pela PPTV/Sport TV – e a que pode proporcionar uma distribuição mais equitativa dessas receitas.
Muita água, entretanto, vai passar por debaixo das pontes, sendo legítima a conclusão de que o controlo conjunto da ZON e da PT sobre a Sport TV pode diminuir a concorrência entre operadores, acabando por esvaziar a Vodafone e a Cabovisão.
A PT seria, em tese, a empresa com melhores condições para se constituir como alternativa à Sport TV. Acontece, porém, que debaixo de uma cláusula de confidencialidade, a PT parece estar impedida de concorrer com a Sport TV. Temos, assim, que potenciais concorrentes decidiram convergir: Sport TV, ZON e PT, e esta é matéria perante a qual a Autoridade da Concorrência vai ter de se pronunciar, sendo que a alteração dos players vem suscitando impasses e adiamentos sobre a decisão crucial.
Sem querer valorar, nem positiva nem negativamente, os factos de que resultaram a inversão do sistema a favor do Norte, através de uma estratégia bem urdida por aquele que, hoje, deve ser reconhecido não apenas como um visionário – Pinto da Costa – mas sobretudo como alguém que soube interpretar muito bem as debilidades da intelligentsia do país (poder político, muitos sectores da comunicação social, etc.) e um certo – como dizer? – provincianismo cosmopolita dos dois clubes de Lisboa, são certamente escassas as dúvidas de que esse sistema foi impulsionado pelo self made man, Joaquim Oliveira, que teve a perspicácia de construir um grande negócio através dos direitos televisivos (PPTV), ao mesmo tempo que escolhia o aliado-mor e sinalizava o terreno através de uma posição relevante no domínio da imprensa (jornais) e do audiovisual (rádio e televisão), que conhece agora um novo...contra-ciclo.
Esta tentativa de derrubar Mário Figueiredo acontece numa altura em que Joaquim Oliveira tem entre 20 a 25 milhões de euros para depositar nas contas dos clubes no curtíssimo prazo (na maior parte dos casos, até final do ano). O tal “oxigénio envenenado” continua a fazer muita falta, porque vai dando vida enquanto mata, lentamente.
Quem sustentou o “sistema” até hoje quer um verbo-de-encher na Liga e que esta se anule perante os poderes instituídos.
Justa causa? Só se for para manter a mentira em que o futebol português vive mergulhado. A escassa concorrência não estimula a verdade desportiva.

JARDIM DAS ESTRELAS
Exemplo Mandela
O exemplo Mandela, pela sua mensagem e pelas acções, é talvez o maior de todos os exemplos que, novos e velhos, devemos seguir nesta comunidade multirracial que é o Mundo. O Desporto tem um lado muito bom, de aproximação dos povos, que Mandela soube estimular. Mas o lado bom só pode vencer e prevalecer combatendo o lado mau. O lado mau é a corrupção, o ganhar a qualquer preço, a intolerância, a violência, o racismo, o agiotismo e a discriminação, seja ele qual for. Mandela o que nos disse é que as sociedades podem ser melhores e o Desporto pode ajudar-nos a alcançar esse objectivo.
É uma responsabilidade de todos. A FIFA não tem estado à altura do desafio que Mandela preconizou. Fazer o bem (não) está ao alcance de todos.

O CACTO
Sorteio?
O sorteio do Mundial’2014 realizado ontem fica marcado por uma interpretação abusiva da FIFA relativamente à distribuição das equipas pelos 4 potes e que beneficiou claramente a selecção francesa. São estes critérios convenientes que exibem os poderes atrás da cortina. Se o ranking da FIFA serve para a colocação das equipas nos respectivos potes, então a que tinha a pior classificação entre as europeias tinha de ir obrigatoriamente para o pote 2. Blatter está em má forma e deixa-se ultrapassar. Platini deve estar feliz: assim, ainda se arrisca a ser campeão do Mundo."

Escolher o caminho mais difícil !!!

Benfica 2 - 2 Arouca

Isto começou a correr mal, quando os Corruptos perderam a semana passada em Coimbra... normalmente após 'não vitórias' importantes dos Corruptos, com tochadas, pontapés e murros no autocarro, no treinador, ou nos jogadores, nas jornadas seguintes assistimos a um festival de vilanagem.
Depois levámos com o habitual discurso do facilitismo: o Arouca parecia que ao minuto zero já estava a perder por 5-0, tais seriam as facilidades, quando todos nós sabemos como é que o treinador do Arouca gosta de jogar, com vários autocarros à frente da baliza...
Logo a seguir, foi anunciada a nomeação do Rui Costa...
Tudo isto deveria ter obrigado, toda a estrutura técnica do Benfica, a dar durante toda a semana um 'banho' explicando o Apito Dourado a todos os jogadores... uma daquelas explicações forçadas, estilo lavagem cerebral!!!
Nada disto foi feito.
Ainda por cima, além da ausência dos lesionados de longa duração (Salvio, Cardozo, Amorim, Siqueira e Sílvio, além do treinador principal...), tínhamos o Matic castigado. Em 11 posições, temos 5 titulares de fora. Para mal nos nossos pecados, não sendo tudo isto suficiente, voltou-se a apostar no Cortês, quando já se percebeu que ele no Benfica não dá... sendo que os próprios Frutados percebem a antipatia dos adeptos do Benfica com o jogador, marcando falta praticamente a todos os lances que ele disputa. Tal como já aconteceu com outros jogadores, ajudando a queimar o atleta.

Como é óbvio o Benfica pôs-se a jeito. Esta é a expressão mais adequada a tudo o que se passou esta noite. Não é novidade para ninguém que para o Benfica ganhar, tem que jogar 20 vezes melhor (ou 100) que os adversários, jogando um pouquinho melhor, arrisca-se a não ganhar...
Eu sei, que nestes jogos não é fácil, criticar os árbitros, mas este jogo foi totalmente marcado pelo árbitro. Mesmo jogando mal, o Benfica em condições normais tinha ganho por 3 ou 4...  e mesmo sofrendo golos absurdos, poderia ganhar facilmente por 5-2, ou algo parecido...
Bastava marcar o penalty no início no jogo, bastava marcar a Mão na bola no lance do 1.º golo do Arouca, bastava agir disciplinarmente nas primeira faltas duras dos jogadores do Arouca, bastava ter um árbitro imparcial, que não fosse directamente responsável, por 95% das ocasiões que o Arouca chegou aos últimos 30 metros: ou marcando faltas ridículas contra o Benfica, ou não assinalando faltas ao Arouca... A cereja acabou por ser os descontos: 4 minutos!!! Substituições, massagistas, penalty, golo, tudo situações onde se perdeu mais de 6 minutos, além dos pontapés de baliza, dos lançamentos laterais, na demora nos livres contra o Benfica (que foram muitos... muitos mesmo)... com um relógio 'parado' dava mais de 15 minutos, e o filho-da-puta teve a coragem de dar 4 minutos!!!

No Benfica o Artur voltou a ficar mal na foto, após um período onde parecia ter encarreirado novamente... O Maxi teve um pouco menos afoito, algo estranho, mesmo assim, foi essencial na parte final... O Garay também esteve algum intranquilo na saída da bola... O Luisão falha um golo inacreditável mesmo no fim... O Fejsa não esteve mal, ao seu jeito, bastante lutador, mas com o árbitro a marcar qualquer contacto contra o Benfica, deveria ter sido mais inteligente na maneira como se fazia aos lances... O Enzo foi dos melhores, muito bem na primeira parte, na 2.ª com as substituições muito ofensivas, foi recuando... O Nico esteve mal,  e mesmo a lateral, com uma marcação menos apertada tudo lhe saiu mal... O Markovic nestes jogos sem espaços, é quase uma nulidade... O Sulejmani entrou bem, denota pouca velocidade, mas os cruzamentos são muito bons... O Rodrigo dos avançados foi o melhor, quando recuou demonstrou lentidão nas decisões, preferia que tivesse ficado sempre no meio... O Lima tem muitas dificuldades em jogar de costas para a baliza, e depois quando tudo é permitido aos defesas... O Funes entrou com muita vontade, mas pouca coisa lhe saiu bem... O Cavaleiro entrou tarde, mandou uma ao poste, e efectuou um cruzamentos letal, desperdiçado pelo Capitão!!!

Ouvi o treinador do Arouca no final da partida, falar em honra e dignidade, ouvi jornaleiros a concordar com as declarações do treinador!!! Como é que uma equipa que durante 90 minutos limitou-se a fazer anti-jogo do mais suíno possível, vem falar em honra e dignidade?! E ainda por cima levam com palmadinhas nas costas... Só mesmo em Portugal.

Disto isto, somos lideres isolados. Hoje, perdemos uma oportunidade para colocar mais pressão sobre os nossos adversários, e arriscamos ver os bazófias distanciarem-se... Podemos não ter perdido o título esta noite, mas tornamos tudo muito mais difícil... desnecessariamente.

PS: O mau augúrio esta noite para mim, começou na A8 com um filho-da-mãe em contra-mão, que fechou a auto-estrada, e que depois de bater e ter mandado com vários feridos em estado grave para o hospital,  fugiu, obrigando a GNR a correr atrás dele no meio dos pomares!!! Cheguei ao Estádio poucos minutos antes do golo do Rodrigo!!! Mal me vi naquela situação, comecei logo a temer o pior para o nosso Benfica!!!

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Como é difícil ser Campeão

"O Benfica tem uma semana difícil de gerir. Jogos muito importantes com o Arouca e o Olhanense e um jogo para rodar jogadores e descansar titulares contra o PSG.
Uma final europeia no Estádio da Luz seria monótono para o Benfica, Turim é um destino muito mais internacional. Se contra os franceses qualquer resultado serve, já nos jogos da primeira Liga só a vitória interessa.
O Benfica venceu sem deslumbrar em Vila do Conde, mas seria difícil deslumbrar um benfiquista no último domingo, pois no sábado à noite os benfiquistas estavam quase todos deslumbrados. Com excepção do empenhado João Capela que tudo fez para inverter o curdo da história. Deve estar para se descobrir que João Capela é sócio do Benfica desde o dia em que Pedro Proença se fez associado.
A ver aquele penalty em Coimbra no minuto 82, poucos têm dúvida da dificuldade em ser campeão. Ainda assim, há que lutar para ver como será desta vez.
Quarta-feira o FC Porto perdeu um jogo de andebol com o Benfica e a culpa deverá ter sido de Paulo Fonseca, pois tal não sucedia há 23 anos.
Quem poderá ver a sua sanção agravada é Jorge Jesus pois ficou claro que agrediu Rui Costa com um abraço na altura do terceiro golo de Vila do Conde.
O treinador do Rio Ave, que se notabilizou por ter sido noutros tempos o porta-voz da indignação, cansado de ser prejudicado, resolveu falar depois de jogar com o Benfica.
O presidente do Arouca, cansado de ser prejudicado desde que iniciou o campeonato, resolveu falar antes de jogar com o Benfica.
O Benfica está para o futebol, como o meridiano de Greenwich para a contagem do tempo, é a referência."

Sílvio Cervan, in A Bola

Dos ideais de uns e das ânsias de outros

"Rui Moreira – recém-eleito presidente da Câmara da cidade do Porto, portista conhecido por ter fugido de um estúdio de televisão quando confrontado com as escutas do caso de corrupção denominado “Apito Dourado” – afirmou que o FCP espelha o que é a cidade do Porto. Os portuenses não mereciam esta ofensa, na linha da de Mourinho quando designou o Porto como Palermo. São dois equívocos afinal tão próximos e tão míopes. Da miopia de quem confunde o cotão no umbigo com a Torre dos Clérigos.
Após mais um insucesso, um grupo de adeptos do FCP recebeu a sua própria equipa (o presidente da mesma seguia prudentemente à parte) com insultos, murros no autocarro, arremesso de tochas e ameaças várias. Esperaria o observador incauto que a ‘estrutura perfeita’ condenasse esses actos, mas, ao invés, arranjou-se um ex-treinador adjunto chamado Rui Quinta para dizer que “um número enorme de treinadores gostariam de estar naquele autocarro a levar com tochas". Sem dúvida, uma declaração edificante. Pelo caminho, puseram o actual treinador a prestar contas dos insucessos perante membros da SAD que gere o Clube e também perante membros de uma… claque. Estas práticas espelham os ideais da ‘estrutura perfeita’ e nunca demasiadamente louvada.
Entretanto, o Benfica passou para o primeiro lugar, garantindo às carpideiras que anunciavam a sua morte como um facto consumado que estavam ligeiramente enganadas e histericamente ansiosas.
Enfim, como escreveu o semi-heterónimo Bernardo Soares: “Tantos nobres ideais caídos entre o estrume, tantas ânsias verdadeiras extraviadas entre o enxurro!” "

Pedro F. Ferreira, in O Benfica

Pedalar em Timor !!!

Sim, é obsceno

"O Figueiredo acertou uma!

O argumento de que regulamentar as apostas em Portugal vai reduzir as possibilidades de manipulação de resultados não colhe. A manipulação de resultados funciona tanto sobre sistemas regulamentados como sobre sistemas clandestinos: é obra de profissionais treinados e assimila sem dificuldade as regras de qualquer estrutura, desde logo porque funciona à margem dela. Se querem um exemplo quase benigno, nunca foi por a Lotaria ser legal que deixou de existir Jogo do Bicho. Em quase tudo o resto, porém, Mário Figueiredo tem razão. Até porque o que aqui está em causa não é legalizar ou não as apostas: é conservar ou não o jogo no estrito domínio do oligopólio Santa Casa da Misericórdia/Casinos. Urge desfazê-lo: por uma questão de justiça, por uma questão de oportunidade económica e, já agora, por uma questão de fiscalidade também. Não sei se a cifra de cem milhões de euros de impostos está bem calculada. Não acredito que parte dos apostadores não continuasse a jogar através de casas estrangeiras, assim como não acredito que a legalização de novos modelos de apostas não provocasse a derrocada do Totobola, hoje com atividade residual, mas ainda assim com facturação não negligenciável. Agora, que é obsceno, é. É obsceno andar a massacrar a classe média e os pensionistas e, depois, não regulamentar um jogo que existe, que nem sequer é propriamente ilegal e que apenas é mantido na marginalidade para proteger a oligarquia do costume. É obsceno e é preciso ter lata.

Sem espinhas ou com elas?
O que nós arranjámos foi isto. Quando Platini diz que "se calhar a FIFA alargou o prazo [da votações para a Bola de Ouro] para agradar a Ronaldo", o que está a insinuar é que a pressão que andámos a fazer estes meses todos, insultando Blatter e invetivando a Pepsi e reagindo com ódio a todo aquele que pudesse manifestar preferência pelos adversários, resultou. Portanto, Cristiano Ronaldo ganha, mas com coação. Ou seja: ganha mais ou menos. E eu acho que Ronaldo merecia ganhar este ano em absoluto, com os aplausos rendidos de toda a gente, sem espinhas ou torceres de nariz. Platini já tem o seu torcido e só o destorcerá se o português perder. O que seria irrelevante se não se tratasse do presidente da UEFA e próximo presidente da FIFA."

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Vermelho

"O presidente do Sporting disse, com graça, que «há uma solução simples para (...) começar a resolver os problemas de Portugal: tiramos o vermelho da bandeira e é tudo nosso».
Pondo de lado a sugestão sobre a bandeira e o simbolismo patriótico do seu vermelho, porque não aprofundar os seus desejos íntimos do líder leonino?
Os semáforos vermelhos seriam suprimidos e a Cruz Vermelha mudaria de cor. A Selecção Nacional voltaria ao grená (por sinal, bem mais bonito) e seria decretado o fim do vermelho no sangue (quando ao sangue azul, tenho dúvidas desde que vi o SCP equipar de um tom azulado).
Os grandes deveriam ser proibidos, sob pena de extinção, de ter as contas no vermelho. A começar pelo Sporting, evitando bancos credores com logótipo encarnado.
Quanto à recorrente fruta, a maça vermelha (incluindo a podre) deveria ser toda exportada. A melancia verde por fora e vermelha por dentro seria banida. A cereja em cima do bolo desapareceu ou ficava cor de azeitona. O vinho tinto seria irradiado e só o verde passaria a estar disponível, mesmo que travestido de tinto. Um jogador que ficasse vermelho que nem um tomate seria substituído, excepto no Verão em que se poderia apresentar vermelho que nem uma lagosta. Os cartões vermelhos teriam que ser substituídos por cor de burro quando foge. E Rojo ou muda de nome ou não pode jogar no Sporting.
O touro deveria ser promovido a touro-leão pelo sua dupla aversão ao vermelho.
O lanterna vermelha acabaria, pelo que o último da Liga passava a penúltimo.
O Pai Natal passaria à clandestinidade. E, por fim, Jesus (Cristo) deixaria de ser o Verbo Encarnado para gáudio dos ateus."

Bagão Félix, in A Bola

Estamos em segundo e nem há discussão

"Paulo Fonseca foi aposta do presidente. Terá sido contratado não pelo que fez na 30.ª jornada, quando os dois emblemas se encontraram, mas certamente, pelo que fez nas primeiras 20.

NA noite de sábado, enquanto o FC Porto jogava em Coimbra com a Briosa, dei comigo a pensar em que, na verdade, não sou uma boa benfiquista. Estou, aliás, muito longe desse estado de perfeição.
O desafio aproximava-se do fim com um resultado absolutamente inesperado visto que a Académica ganhava por 1-0. Foi então que o árbitro descortinou e foi mesmo um grande descortinanço tal era a espessura da cortina, uma falta passível de pontapé de grande penalidade a favor dos visitantes e mais não digo. 
Grande alvoroço na sala de estar. Revolta! De penalty poderia o FC Porto igualar facilmente a partida quando já pouco dela restava.
Ao contrário dos meus amigos, zangadíssimos com a iminência do empate limpinho, limpinho, confessei-me logo contente com o 1-1 avant la lettre. Excelente e surpreendente resultado para os interesses das nossas cores, afirmei perante o repúdio geral.
Explicaram-me que, para além da questão pontual – e tratava-se do acesso à eventual co-liderança do campeonato! -, estava também em causa o recorde de invencibilidade em jogos do campeonato nacional, pertença do Benfica de Jimmy Hagan, e que estava à beira de ser batido pelo FC Porto, correntemente de Paulo Fonseca.
Retorqui sem disfarçar o enfado:
- Um empate do Porto já é muito bom nesta altura do campeonato. E estou-me perfeitamente nas tintas para o recorde do Hagan.
Assim que pronunciei a palavra Hagan o guarda-redes da Académica atirou-se para o chão e defendeu com garbo a bola disparada por Danilo da marca de onze metros.
Pela amostra da sala de estar, os bons benfiquistas estavam conscientes de que defender o recorde de invencibilidade em jogos do campeonato, recorde que é nosso, era tão ou mais importante do que, mera circunstância, ver o FC Porto esbulhar pontos à 11.ª jornada da actual edição da prova.
E eu, desatenta aos pormenores da História, já me contentava com o empate. Frouxa.
Hagan, peço-te desculpa.
Jimmy Hagan, um bonito nome.

JORGE JESUS vai ou não vai preso? Esta última semana não trouxe novidades sobre o inquérito em curso. Como é do conhecimento de todos, o treinador do Benfica foi visto em Guimarães a atirar uma tochada que acertou em cheio na cabeça de um polícia. Há imagens que o provam. A televisão passou e repassou o incidente.
Que os braços mais avançados da Justiça nacional não se detenham perante o despautério. Uma agressão, ainda por cima à tochada, a um agente da autoridade não pode passar impune.

QUANDO o Rio Ave empatou o jogo, por Ukra, aconteceu o que é normal acontecer nestas situações. Diz-se mal do guarda-redes.
- O Artur demora sempre cair.
- Já no jogo da semana passada com o Anderlecht demorou a cair no primeiro golo deles.
- Demora a cair?
- Sim, demora a chegar ao chão.
- Ponham-lhe pedras nos bolsos.
É o que dá quando se vê futebol com muita gente.

MAIS uma situação que me vem demonstrar como não sou uma boa benfiquista. E esta é grave, ao que suponho.. Cá vai:
Aceito estar em segundo lugar no campeonato e, com toda a franqueza, até levo a mal quando me dizem que é o Benfica o primeiro da tabela por causa disto ou por causa daquilo.
Estamos em segundo e ponto final. A discussão é de um mau gosto atroz e só diminui quem nela participa. 
Estamos em segundo, estamos em segundo e estamos em segundo! – repito.
Por mim, nem há conversa.

A rua mais falada em Portugal desde o último fim-de-semana é a rua Paulo Fonseca. Em inglês, Paulo Fonseca Street.
Estas coisas da rua, rua, rua, como se sabe, acontecem em todos os clubes. Mais nuns do que noutros, também é verdade.
Amigos portistas atiram-se agora com unhas e dentes ao seu treinador porque não tem dimensão para comandar tamanha nau e atiram-se também aos jogadores, nomeadamente aos contratados ao Paços de Ferreira e ao Estoril, exactamente pelas mesmas razões. A tal questão da dimensão do homem e da dimensão da nau.
Parecem-me injustos estes ataques.
Há que confiar no líder.
Paulo Fonseca foi uma aposta pessoal do presidente do FC Porto. Na época passada treinou o Paços de Ferreira com muito sucesso levando a equipa da Capital do Móvel à Liga dos Campeões.
Terá sido, certamente, contratado pelo FC Porto não pelo que fez na 30.ª e última jornada – quando os dois emblemas se encontraram – mas pelo que fez nas primeiras 29 jornadas da prova.
Tal como terá acontecido com Licá e com Josué. Não se transferiram para o FC Porto graças às exibições que os dois assinaram quando, respectivamente, ao serviço do Estoril e do Paços de Ferreira deram nas vistas na antepenúltima e na última ronda do campeonato de 2012/2013.
Nada disso. Josué e Licá são hoje jogadores do FC Porto pelo muito que fizeram nas demais 29 jornadas da Liga anterior.
O problema, portanto, não está na estrutura.
São fases.
E continuo a acreditar firmemente que o FC Porto, mesmo depois deste valente tropeção, continua a ser o mais forte dos candidatos ao título. No sábado teve mais um benfiquista a ajudá-lo embora de nada lhe valesse, por incompetência exclusivamente própria.
Por estes dias tem corrido grande debate entre benfiquistas. Trata-se da questão do momento a que ninguém fica indiferente:
- Proença ou Capela, quem é o maior benfiquista?
As opiniões dividem-se, esgrimem-se argumentos de um lado e do outro.
A meu ver, uma perda de tempo.
Mas alguém consegue ser prior nesta freguesia?

O FC Porto esteve, de facto, em maré de falhar penaltis no fim-de-semana passado. Até no jogo da sua equipa B, precisamente contra o Benfica B, com 0-0 à meia hora, o juiz da partida descortinou um castigo máximo contra os vermelhos que os azuis se encarregaram de desperdiçar.
O clássico dos B’s terminou com uma robusta vitória do Benfica (3-1 é robusto, não é?) e, na minha opinião, com três factos dignos de relevo:
1 – Tratou-se de um Benfica-FC Porto que não foi dirigido por Pedro Proença, coisa raríssima de se ver.
2 – Hélder Costa, um jovem benfiquista, marcou um golo sensacional, o terceiro, ultrapassando em corrida Reyes, uma das contratações milionárias do último defeso portista. Parecia um foguete o Hélder Costa que tanto joga a extremo como a lateral, sempre do lado esquerdo.
3 – O melhor momento do jogo, filosoficamente falando, aconteceu com o resultado já feito e quando o guarda-redes do FC Porto acudiu em auxílio de um jogador do Benfica que se estatelou na área portista e não ficou em bom estado. O jogo prosseguiu mas as câmaras da Benfica TV por mais de uma vez mostraram o atleta do FC Porto a fornecer os primeiros socorros ao adversário e colega de profissão.
Só sevandijas é que não gostam deste género de coisas.

ANTEONTEM, A Bola noticiava na sua primeira página que o portista Danilo «custou mais do que todo a equipa do Sporting». Que péssima semana para se fazer este tipo de comparações com o infeliz Danilo."

Leonor Pinhão, in A Bola

PS: Não questiono o Benfiquismo da Leonor, nem depois de saber que não se importava com o empate dos Corruptos em Coimbra no penalty inventado pelo Capela, muito menos por achar que a discussão sobre quem está actualmente em 1.º lugar, é absurda (aliás concordo)... Agora, já é mais grave ter confundido o Jimmy Hagan com o John Mortimore !!! São ambos Ingleses, e ambos deixaram boas memórias aos Benfiquistas... sendo assim, só temos que perdoar o deslize... O treinador do Benfica durante os 56 jogos invictos do Benfica foi John Mortimore: entre a 6.ª jornada de 76/77 e 1.ª jornada de 78/79 !!!

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Borrego para a ceia !!!

Corruptos 23 - 25 Benfica

Parece que as modalidades do Benfica encontraram um novo salão de festas...!!! A vitória desta noite, não nos deu nenhum título, mas não deixa de ser saborosa... Hoje, matou-se um borrego de 23 anos!!! A derrota na 1.ª jornada na Luz, não foi normal. Apesar dos 'não títulos' das últimas épocas, na Luz temos ganho praticamente todos os jogos... hoje foi a vingança!!!

O nosso jogo não foi perfeito: voltámos a falhar demasiados remates fáceis aos 6 metros, principalmente na 1.ª parte; falhámos 2 livres de 7 metros; voltámos a não aproveitar com a eficácia desejada as situações de superioridade numérica; no 2.º tempo tivemos algumas perdas de bola absurdas, sem qualquer interferência do adversário!!! Dito isto, fomos melhores, e ao contrário de outros jogos, nos momentos decisivos, não perdemos a concentração.

O Pedroso tem andado a jogar bem, já o escrevi aqui, aliás já tinha previsto na pré-época, que sendo o último ano com contrato, seria de esperar que assim fosse. Não o digo com satisfação, mas já não é a primeira época que isto acontece!!! Com o Cláudio a jogar bem, ganhamos poder de remate, e o jogo do Benfica muda completamente... e com o Semedo, na 2.ª parte, a entrar muito bem na partida, ficámos com 2 laterais concretizadores, algo que muitas vezes não temos. Hoje marcámos 13 golos de 2.ª linha, uma raridade...
O José Costa teve uma noite de muito trabalho, mas poucos golos, os Pivot's do Benfica, raramente conseguem marcar muitos golos contra os Corruptos, o tipo de marcação que é permitido ao adversário, não deixa muito espaço de manobra...!!! O Areia na 1.º parte esteve muito mal, mas melhorou com o decorrer do jogo... Curiosamente este foi um dos jogos onde o Álamo esteve menos inspirado!!!

O resultado ao intervalo era de 14-12 para os Corruptos (lisonjeiro para nós), a entrada na 2.ª parte foi muito boa... passámos para a frente, tivemos mesmo 14-17 a nossa favor, permitimos o empate a 20... E este foi o momento decisivo da partida, em vez de irmos abaixo com a vantagem perdida, acreditámos, e fomos novamente para frente...

Uma palavra para os árbitros, que tiveram alguns erros, mas nada de especial... inclusive com 4 exclusões para cada lado...equilíbrio muito raro, para aqueles lados!!!

Somos lideres, mas é importante não entrar em deslumbramentos. Os Corruptos têm 2 jogadores importantes lesionados... o Tiago Rocha regressou de lesão recentemente, hoje não marcou qualquer golo, algo anormal... E a presença na Liga dos Campeões tem desgastado os Corruptos... Dito isto, só 50% dos pontos 'passam' para a Fase Final, e será aí que o Campeonato vai ser decidido. Agora, é recuperar do esforço, e começar já a preparar o jogo com os Lagartos na Luz, que será muito importante, não vencer ao Sporting será deitar todo este trabalho pela janela fora!!!

Crise invernal

"O que parecia improvável aconteceu: O Porto perdeu 7 pontos nas últimas 3 jornadas, desperdiçou 5 de avanço e está agora a 2 dos rivais lisboetas. Só Olhanense e Arouca fizeram menos pontos. 2 golos marcados e 3 sofridos. Mesmo com Capela-juiz - nas bocas do dragão etiquetado de encarnado - a ver capela-jogador - academista 'fazer' penalty. E Sérgio Conceição a não querer comentar a arbitragem. O respeito ainda é o que era. E o poder também...
Nestas mesmas jornadas, só o Benfica e o Sporting fizeram o pleno. O Benfica com 2 jogos fora e o Sporting com 2 jogos em casa. Com alguma fortuna, reconheça-se. Do Benfica contra o Braga e do Sporting em Guimarães. Nos 3 jogos em que até agora o Benfica perdeu 7 pontos, Jorge Sousa não assinalou no Funchal um penalty mil vezes mais claro do que Capela apitou na Lusa Atenas, em Alvalade a gravata sobre Cardozo virou fraque para Hugo Miguel e o Belenenses empatou com um fora-de-jogo que um míope de 20 dioptrias teria visto. Seriam - talvez - mais 5 pontinhos.
Voltando ao Porto a crise já vem de trás, ainda que muito disfarçada. É certo que foi bicampeão com Vítor Pereira. Mas na 1ª época, foi a coligação 'Benfica, Proença, Maicon-fora-de-jogo' que lhe ofereceu o título. Na 2ª, foi mais uma vez o Benfica que o perdeu ingloriamente. Na Taça de Portugal foi eliminado pelo Braga. Na Taça da Liga, soçobrou perante o Benfica e numa final com os minhotos. Na Champions, ficou em 3° num grupo ganho pelo... Apoel (e depois eliminado pelo Man. City por 6-1 nos 1/16 da Liga Europa) e, no ano seguinte, foi eliminado pelo Málaga nos 1/8 de final.
O mercado de Inverno promete..."

Bagão Félix, in A Bola

O.J. !!!

Reviver o passado

"Esta jornada da Liga assistiu a duas ressurreições, a uma semi-reconciliação, a uma confirmação e à preparação de um funeral. As ressurreições foram de Lima e de Rodrigo, a semi-reconciliação foi dos adeptos do Benfica com Jesus, a confirmação foi o Sporting e a preparação do funeral envolveu Paulo Fonseca.
Lima marcou dois grandes golos, um deles num livre directo portentoso, o que levanta uma dúvida: por que não marca mais vezes esses livres? Quanto a Rodrigo, o golo em Vila do Conde (depois de outro em Bruxelas) é um raio de esperança após o apagão iniciado em S. Petersburgo.
As duas vitórias do Benfica também contribuíram para a reaproximação entre os adeptos e Jorge Jesus. Olhado com desconfiança desde o final infeliz da época passada, Jesus tornou-se no domingo o melhor técnico da história do clube - exceptuando o mítico Janos Biri - com 160 vitórias em 233 jogos. A seguir vem Eriksson, com 159 êxitos nos mesmos jogos. E Jesus tem enfrentado uma época dificílima, pois não consegue manter a mesma equipa (e o mesmo modelo) de um jogo para outro.
Quando as coisas parecem estabilizar, lá vêm mais umas lesões que estragam tudo. Cardozo, Salvio, Siqueira, Sílvio, Enzo, Gaitán, Amorim, Markovic, Sulejmani, Fejsa - todos já se lesionaram esta época com alguma (ou muita) gravidade. É de mais!
De qualquer modo, penso que o modelo ensaiado nos últimos jogos, com três jogadores no meio-campo (Matic, Enzo e um terceiro - seja Fejsa, Amorim ou um dos Andrés), torna a equipa muito mais equilibrada, aumentando as hipóteses de ser campeã. Quanto a Paulo Fonseca, não tem tido sorte. Mas desceu tão baixo na cotação dos adeptos portistas que estes já começaram a preparar-lhe o enterro. Se Jesus renasceu das cinzas, Fonseca parece moribundo. Mas, no futebol, as mortes e as ressurreições são muitas vezes temporárias.
O Sporting voltou a mostrar que é a melhor equipa, a mais estável, a mais agressiva, a mais confiante, e goleou com naturalidade a grande desilusão desta época, o Paços de Ferreira.
Depois de um período longo de hegemonia do Porto, seria interessante ver um campeonato disputado a dois entre o Benfica e o Sporting. Reviver-se-iam velhos tempos."

O inexplicável

"Na quarta-feira, bastaram escassos minutos em campo para Rodrigo desbravar uma alameda rumo à baliza do Anderlecht. Subitamente, um jogador desaparecido, vai quase para dois anos, ressurgia, a passe letal de Sulejmani. No domingo, num jogo pálido em Vila do Conde, Rodrigo surgiu no lugar exacto para empurrar uma bola de golo oferecida. Depois, os dribles enganadores e em velocidade estonteante reapareceram e, num instante, era também Lima, que nas palavras do próprio já andava “engasgado”, que voltava a marcar, para depois marcar de novo.
No Record de ontem escrevia-se que “mais de um ano e meio depois, a procura da forma que o destacava como um dos avançados mais promissores da Europa parece ter chegado ao fim. O melhor de Rodrigo reapareceu em Bruxelas, confirmou-se em Vila do Conde, enchendo o campo com vivacidade e objectividade”.
Note-se bem: Rodrigo e Lima não foram melhorando de jogo para jogo. Pelo contrário. Andavam engasgados, com a confiança pelas ruas da amargura para, de repente, por força de um golo decisivo, de uma finta de belo efeito ou de uma bola que saiu com a direcção adequada, readquirirem a vivacidade, a objectividade e o instinto matador. Ou seja, se quisermos encontrar uma relação de causalidade, não é a “melhoria dos índices físicos”, “o trabalho na vertente técnico-táctica” ou “a familiarização com os processos tácticos” que devolve um jogador às boas exibições. Pelo contrário, é um remate que, com uma forte dose de acaso, encontra o seu lugar no fundo da baliza que confere sentido a tudo o que um jogador andava a fazer.
Lima e Rodrigo estão aí para provar que ajuda estar em forma, mas são os remates certeiros e as fintas que saem que fazem toda a diferença. Bem podem os treinadores dizer que anteciparam as movimentações do adversário, que esperaram pelo momento certo para lançar o jogador ou que sabem tudo do impenetrável mundo das tácticas. No essencial, o futebol é inexplicável e o seu fascínio está nisso mesmo: uma irracionalidade que se repete ao longo de 90 minutos que somos incapazes de antecipar ou de prever."

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Deslizando sobre patins vermelhos

"A Taça dos Campeões Europeus de Hóquei em Patins (da qual o Benfica é titular) é quase um feudo espanhol - 42 vitórias contra cinco portuguesas e uma italiana. Ainda assim, a história das 'águias' é brilhante, com seis presenças na Final.

EM 1973 já o Benfica tinha estado presente por duas vezes na Final da Taça dos Campeões Europeus de Hóquei em Patins. Convém dizer que esta competição viu a sua primeira edição ser disputada na época de 1965/66. Por seu lado, o Campeonato Nacional disputou-se pela primeira vez em 1938/39, e o primeiro campeão foi o Sporting. Porque vou encher esta página com factos, números e datas (a vossa paciência que me perdoe), há que ser bem explicativo. Já começámos pela Taça dos Campeões, ideia base desta crónica, mas para já assentemos arraiais no Campeonato Nacional. O Benfica conquistou o seu primeiro título em 1950/51. E o segundo logo a seguir: 1951/52. Daí para cá somou mais 19 vitórias num total de 21. É de estalo!, diria o João da Ega. Pois é. Mas voltemos aos primórdios.
Se o primeiro campeão nacional foi o Sporting, precisaram de esperar os leões até à época de 1973/74 para serem campeões outra vez. Pouco depois venceram a Taça dos Campeões, tornando-se no primeiro clube português a consegui-lo, mas já lá iremos. Nesses tempos primevos, o grande dominador do Hóquei em Patins neste jardim à beira mal plantado era o Paço de Arcos, muito graças ao estilo único dos primos Correia, o Jesus Correia (que foi um dos Cinco Violinos) e o Correia dos Santos. Aliás, Correia dos Santos jogou nos dois Paços de Arcos: no Paços de Arcos Hóquei Clube e no Clube Desportivo Paço de Arcos, depois da fusão de ambos em 1945. Ou seja, até 1950/51, época do tal primeiro título 'encarnado', o Paço de Arcos tinha somado seis campeonatos (cinco de enfiada), cabendo os outros ao Sporting (1), Hóquei de Sintra (2) e Futebol Benfica (2). Tempos em que a Linha mandava no Hóquei.
Depois veio o Benfica: o Sport Lisboa. E a realidade mudou.

Como areia por entre dedos
NOS dias que correm, o Benfica acumula os títulos de Campeão Europeu (Taça dos Campeões), Campeão Continental (Supertaça Europeia) e Campeão Intercontinental (Taça Intercontinental). Falhou o título nacional para melhor ser impossível.
Foram  precisos muitos anos para que o Benfica conquistasse a Taça dos Campeões Europeus que teimou em fugir-lhe por entre os dedos como areia por uma, outra e outra vez. Aliás, e para que conste e aqui fique registado com selo de garantia, o Benfica foi a primeira equipa portuguesa a chegar à Final de tal competição, em 1969, perdendo com o Reus (1-7; 3-0), Reus esse que cometeu a proeza de vencer seis Taças dos Campeões consecutivas, sucedendo ao Voltregá (primeiro vencedor, batendo o Hóquei Clube de Monza) e sendo depois destronado pelo Barcelona em 1973, ano em que o Benfica voltou a ser finalista, precisamente contra o Barcelona como é mais do que óbvio (3-2; 7-7). O Benfica começava a cumular derrotas na Final da maior prova internacional, tal como o Hóquei português que, na época seguinte, viu o Desportivo de Lourenço Marques ser batido pelo Barcelona (5-8; 4-5). Já íamos na décima primeira edição da competição e os clubes espanhóis somavam onze vitórias. Lá está, era de estalo!
Finalmente veio o Sporting. Primeira Final, primeira vitória, sobre o Vilanova (6-0; 6-3) - os leões só voltariam a jogar mais uma final, em 1988/89, frente ao Noia (4-7; 1-3).
Já o Benfica somou mais finais e mais derrotas. Em 1979/80, de novo contra o Barcelona (2-5; 3-6); em 1992-93, frente ao Igualada (1-4; 3-8); em 1994-95, outra vez perante o Igualada /3-4; 1-3). Cinco finais, cinco momentos tristes. A sexta Final do Benfica seria a Final feliz. No Porto, já com o novo sistema de disputa da prova («Final Four», meias-finais e Final a um só jogo, fundido-se as equipas da Taça dos Campeões com as da Taça das Taças), batendo primeiro o Barcelona e sem seguida o FC Porto.
Ah! Era a vingança perante a história.
Uma história que, conclua-se, foi sempre madrasta para com os clubes portugueses na Taça dos Campeões Europeus. Veja-se: vamos na 49.ª edição (e o Benfica defende o título) e só há cinco vitórias lusitanas (Sporting - 1976/77; FC Porto - 1985/86 e 1989/90; Óquei de Barcelos - 1990/91; Benfica - 2012/13). Quanto a finais perdidas, além das do Benfica, da do Sporting de Lourenço Marques e da do Sporting, às quais já fizemos referência, sobram as do FC Porto (1984/85, contra o Barcelona; 1986/87, contra o Liceo da Corunha; 1996/97, de novo contra o Barcelona; 1989/90, frente ao Igualada; 1990/00, perante o Barcelona; 2003/04 e 2004/05, ambas frente ao Barcelona; 2005/06, frente ao Follonica e 2012/13 frente ao Benfica: nove finais na situação de derrotado - é de estalo!), e do Óquei de Barcelos (1993/94, contra o Igualada e 2001/02 frente ao Barcelona). Isto é, só quatro equipas portuguesas foram campeãs da Europa, só cinco equipas portuguesas chegaram à Final da prova. Os espanhóis somam seis vencedores (Voltregá, Sentmenat e Vic), mas somam 42 títulos contra os tais nossos cinco. Sobra uma vitória italiana, a histórica de 2006 contra o FC Porto, e nove equipas italianas que atingiram a Final mas perderam (Novara, Monza, Triestina, Giovinazzo, Amatori Lodi, Roller Monza, Seregno, Amatori Vercelli e Bassano). O único país a fugir à ditadura destes três grandes foi a Bélgica: o Sundays Vanstahl conseguiu o feito extraordinário de atingir a Final na época de 1977/78 - foi inevitavelmente batido pelo Barcelona, por 3-8 e 1-5.
Não ficam por aqui as aventuras europeias do Benfica. Há presenças brilhantes na Taça CERS, no Torneio de Montreux e até na extinta Taça das Taças.
Histórias que ficam para a próxima que a prosa vai longa..."

Afonso de Melo, in O Benfica

Lixívia 11

Tabela Anti-Lixívia:
Benfica......26 (-5) = 31
Sporting.....26 (-1) = 27
Corruptos...24 (+5) = 19
Braga.........15 (+2) = 13

Quando nem os árbitros conseguem 'salvar' os Corruptos da derrota, é porque a incompetência é realmente muito grande!!!
Agora reparem bem na Tabela lá em cima. Seriam 12 pontos de vantagem em relação aos Corruptos!!!

O Capela tudo fez para reabilitar a sua carreira, mas nem assim... Penalty por marcar logo no primeiro minuto contra os Corruptos, falta de Josué (que se levasse amarelo aqui, provavelmente seria expulso mais tarde!!!), penalty inventado a favor dos Corruptos, perto do final da partida... minutos antes já o Licá se tinha atirado para a piscina, Capela nada marcou, mas não conseguiu resistir ao segundo protesto em poucos minutos (falando verdade, neste lance, nem houve protestos...!!!).
Agora o Capela pode ficar descansado, porque não lhe vai acontecer o mesmo que aconteceu ao Bruno Paixão, após a penúltima derrota dos Corruptos: até hoje, quase 2 anos depois, nunca mais apitou um jogo dos Corruptos!!! O Capela vai ter outra oportunidade de reabilitação, nos tempos mais próximos, tenho a certeza....
A recepção aos Corruptos no seu próprio antro também foi notícia. Quem tem um pouquinho de memória sabe perfeitamente, que uma recepção daquelas só é possível com ordens superiores!!! A ordem deve ter sido mais ou menos assim: 'Apertem lá um bocadinho com os gajos...!!!' E tanto os macacos, como os seus colegas da PSP deram 'espaço' aos pontapés e murros no autocarro... a única coisa que correu mal, foi a tocha, que fez ricochete e 'queimou' um dos 'funcionários' dos Corruptos (a.k.a. PSP)!!! Mas tenho a certeza que tudo se resolverá tranquilamente...

Em Vila do Conde, o Paixão fez uma arbitragem relativamente normal. Relativamente porque não houve grande casos, e como nós já conhecemos a peça, os exageros disciplinares, já nem chateiam... como por exemplo no amarelo ao Gaitán!!!
As Lagartas, induzidas em erro pela SportTV - surpresa...!!! - fartaram-se de gemer, por causa da falta que dá o 2.º golo do Benfica. A falta sobre o Nico é clara... acho que o Paixão não deu a lei da vantagem, não sei se o Matic foi tocado, antes de escorregar, mas no pior dos cenários, marcou a 'falta' errada, praticamente no mesmo sitio!!!
Ainda houve um possível penalty na área do Rio Ave: a bola na Mão do Tarantini acho que foi casual, mas na mesma jogada, o Rodriguez empurra claramente com as duas mãos o Matic... mas nós sabemos como é que este tipo de empurrões são ignorados a maior parte das vezes.
Achei graça ao Bin Espírito Santo Laden, no final da partida, falar das variáveis!!! Insinuando que a barreira do Rio Ave estava demasiado afastada da bola... quando no grafismo da SportTV se viu claramente, que a distância estava correcta. Mas quando se está habituado nos jogos contra o Benfica, em não sofreu livres frontais (o Cardozo é perigoso... e agora o Lima!!!), e nas poucas vezes que beneficiamos de um livre, a barreira costuma ficar a 8 metros, quando se está habituado a isto tudo, levar com um árbitro, que marca o livre, depois mete a barreira nos 9,15m, e ainda por cima a bola entra, é preciso ter mesmo galo!!!

Em Alvalade, além da vantagem física da equipa que está fora da Europa, não se passou nada de especial!!!
Mas se quisermos ser rigorosos, o ataque que dá o pontapé de canto, de onde nasce o 1.º golo do Sporting, nasce de uma falta do William. E o vermelho directo ao Filipe Anunciação é exagerado...

O Braga se calhar já nem devia fazer parte desta tabela, mas vamos ver como decorre o jogo da próxima jornada, contra os amigos Corruptos!!! Este jogo com o Olhanense parece que foi tranquilo... como curiosidade só mesmo a não expulsão de nenhum jogador do Braga, tendo em conta o próximo adversário!!!

Anexos:
Benfica
1.ª-Marítimo(f), D(2-1), Jorge Sousa, Prejudicados, (2-2), (-1 ponto)
2.ª-Gil Vicente(c), V(2-1), Paulo Baptista, Prejudicados, Sem influência no resultado
3.ª-Sporting(f), E(1-1), Hugo Miguel, Prejudicados, (0-2), (-2 pontos)
4.ª-Paços de Ferreira(c), V(3-1), Paixão, Nada a assinalar
5.ª-Guimarães(f), V(0-1), Bruno Esteves, Prejudicados, Sem influência no resultado
6.ª-Belenense(c), E(1-1), Jorge Tavares, Prejudicados, (2-0), (-2 pontos)
7.ª-Estoril(f), V(1-2), Manuel Mota, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
8.ª-Nacional(c), V(2-0), Jorge Ferreira, Nada a assinalar
9.ª-Académica(f), V(0-3), Hugo Pacheco, Prejudicados, Sem influência no resultado
10.ª-Braga(c), V(1-0), Nuno Almeida, Prejudicados, Sem influência no resultado
11.ª-Rio Ave(f), V(1-3), Paixão, Nada a assinalar

Sporting
1.ª-Arouca(c), V(4-1), Rui Costa, Nada a assinalar
2.ª-Académica(f), V(0-4), Soares Dias, Beneficiados, Sem influência no resultado
3.ª-Benfica(c), E(1-1), Hugo Miguel, Beneficiados, (0-2), (+1 pontos)
4.ª-Olhanense(f), V(0-2), Benquerença, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
5.ª-Rio Ave(c), E(1-1), Xistra, Prejudicados, (2-1), (-2 pontos)
6.ª-Braga(f), V(1-2), Paulo Baptista, Nada a assinalar
7.ª-Setúbal(c), V(4-0), Duarte Gomes, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
8.ª-Corruptos(f), D(3-1), Soares Dias, Nada a assinalar
9.ª-Marítimo(c), V(3-2), Bruno Esteves, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
10.ª-Guimarães(f), V(0-1), Paulo Baptista, Nada a assinalar
11.ª-Paços de Ferreira(c), V(4-0), Jorge Ferreira, Nada a assinalar

Corruptos
1.ª-Setúbal(f), V(1-3), João Capela, Beneficiados, Impossível contabilizar
2.ª-Marítimo(c), V(3-0), Jorge Ferreira, Beneficiados, Sem influência no resultado
3.ª-Paços de Ferreira(f), V(0-1), Rui Costa, Beneficiados, (0-0), (+2 pontos)
4.ª-Gil Vicente(c), V(2-0), Hugo Pacheco, Prejudicados, (3-0), Sem influência no resultado
5.ª-Estoril(f), E(2-2), Rui Silva, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
6.ª-Guimarães(c), V(1-0), Proença, Beneficiados, (0-0), (+2 pontos)
7.ª-Arouca(f), V(1-3), Vasco Santos, Beneficiados, Impossível contabilizar
8.ª-Sporting(c), V(3-1), Soares Dias, Nada a assinalar
9.ª-Belenenses(f), E(1-1), Miguel Mota, Beneficiados, (2-1), (+1 ponto)
10.ª-Nacional(c), E(1-1), Xistra, Nada a assinalar
11.ª-Académica(f), D(1-0), Capela, Beneficiados, (2-0), Sem influência no resultado

Braga
1.ª-Paços de Ferreira(f), V(0-2), Bruno Paixão, Nada a assinalar
2.ª-Belenenses(c), V(2-1), Xistra, Beneficiados, Impossível contabilizar
3.ª-Gil Vicente(f), D(1-0), Vasco Santos, Beneficiados, Sem influência no resultado
4.ª-Estoril(c), V(3-2), Capela, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
5.ª-Arouca(f), V(0-1), Marco Ferreira, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
6.ª-Sporting(c), D(1-2), Paulo Baptista, Nada a assinalar
7.ª-Nacional(f), D(3-0), Soares Dias, Nada a assinalar
8.ª-Académica(c), D(0-1), Benquerença, Beneficiados, Sem influência no resultado
9.ª-Rio Ave(c), D(0-1), Jorge Tavares, Nada a assinalar
10.ª-Benfica(f), D(0-1), Nuno Almeida, Beneficiados, Sem influência no resultado
11.ª-Olhanense(c), V(4-1), Soares Dias, Nada a assinalar

Jornadas anteriores:

Épocas anteriores:

Parabéns, João Fonseca. Não é para todos esta coragem!

"Há um mês atrás, estava eu no estádio do Restelo, para começar o meu trabalho de reportagem no Belenenses-Porto.
Há um mês, este mesmo jogo terminou empatado a 1 golo.
Há um mês, no final da partida, e cumprindo o meu papel de repórter, dirigi-me a um dos capitães do FC Porto, Hélton, e pedi-lhe um comentário ao jogo.
Há um mês, disse eu: "Hélton, não foi uma noite feliz para o FC Porto".
Há um mês, Hélton respondia assim: "Não, infelizmente não conseguimos os nossos 3 pontos, mas..."
Há um mês, a resposta não teve final porque uma pessoa responsável, não permitiu que outra com a mesma responsabilidade explicasse aos seus adeptos e ouvintes da Renascença, porque tinha sido uma noite infeliz. 
Há um mês, isso aconteceu porque essa pessoa agiu de forma agressiva, arrogante e autoritária, impedindo um repórter de fazer o seu trabalho e "silenciando" a todo o custo um dos capitães do FC Porto.
Há um mês, fui "agarrado" por algo que já vivi vezes demais no jornalismo e em particular na minha área, o desporto.
Há um mês, e por causa deste episódio, fui, aos 45 anos de idade e aos 23, quase 24 de profissão, e pela 1ª vez dentro de um estádio (e fora dele) identificado, juntamente com os restantes colegas das outras rádios, pela PSP.
Há um mês, ninguém sabia quem tinha mandado identificar.
Há um mês, percebi quem tinha dito o que não disse e que depois passou a dizer.
Há um mês, mais uma vez, constatei que, felizmente, há raros delegados da Liga que só ouvem, mas que não vêm.
Há um mês, lembrei-me de tantos e bons amigos que fiz e que são delegados da Liga. Lembrei-me há poucos dias que alguns cada vez vejo menos nos campos de futebol, gostava de saber porquê. Tenho a certeza que alguns deles é porque para além de ouvirem bem, também vêm com clareza e justiça.
Há um mês, voltei a lembrar a colegas de profissão que "jornalista não é notícia". Apesar disso e por interesse de alguém eles escreveram o que lhes disseram. Uns melhores que outros, mas também isso não é notícia, para já.
Há um mês tive e tenho até hoje a solidariedade do meu chefe e da minha empresa.
Há um mês que o mundo não pára e há uns dias que a Liga me pediu para falar do assunto, mas que por não ter instalações em Lisboa, eu teria que me deslocar ao Porto.
Há um mês que tomei uma decisão, depois de ter sido "ameaçado" e por respeito a mim e aos meus não me desviarei dela. Contudo, assumirei sempre o que prometi fazer, desde que cumpridos os "mínimos olímpicos" do respeito.
Há um mês que num flashback pela minha vida, lembrei a mim próprio que não sou perfeito, nem eu nem ninguém e que por isso mesmo devo perdoar os outros, quando eu próprio já o fui tantas vezes.
Há um mês que disse que o faria desde que me fosse demonstrado respeito.
Há um mês que me anda atravessado o obrigado que devo a todos aqueles que me ligaram, enviaram sms, postaram no face ou por mail manifestaram a sua solidariedade. OBRIGADO!
Há um mês que ando engasgado com o obrigado para com aqueles que nunca disseram nada, fosse por medo, respeito ao outro lado, devoção ou sei lá mais o quê. Agora sei quem são e por isso, OBRIGADO! 
Há mês que me lembrei da paixão pela profissão e do respeito que tenho e que ganhei por quase a generalidade daqueles com que me tenho cruzado na minha vida profissional.
Há uns dias que parei e pensei "AGORA A FRIO" não fui eu que errei e as coisas começam pelo princípio e não pelo meio, muito menos pelo fim. Tudo o resto é um CIRCO.
João Fonseca, Jornalista RR."

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

O Costa do Marfim

"1. Houve, in illo tempore, o Costa do Castelo que valeu saudáveis gargalhadas. Depois surgiu o Costa do Marfim, incapaz de explicar conversas gravadas e encomendas estranhas vindas de África. E também houve o Costa de África, que tratava o criado por Bijagós. Hoje em dia o Bijagós do Costa do Marfim, nos intervalos de mentir em tribunal e de oferecer cargas de porrada a jornalistas, entretêm-se a fazer relatórios médicos. Martelados como é hábito na casa. Eu sou daqueles que deseja sempre saúde aos seus inimigos. Mesmo quando, mais do que saúde, o que lhe falta é carácter.

2. Algum génio bizantino resolveu levar para o Estádio da Luz umas amostras de bandas filarmónicas ligadas a colunas gigantes de forma a que cada vez que o povo começasse a gritar «Portugal! Portugal!» pudesse abafar as vozes com modinhas e fadinhos tão pacóvios como a inteligência de tal iluminária. Para ser igual à Festa do Pau, lá da minha vizinha Assequins, só faltou um bacalhau pendurado no lato do pau de sebo à espera do valente que por ele trepasse a justificar a iguaria. Há gente que gosta de barulho. Sinal que dentro das suas cabeças confusas nunca se ouviu o som suave do silêncio.

3. O barulho também faz eco contínuo no cérebro daquele jovem que ainda não se decidiu se quer ser jogador, treinador, presidente ou roupeiro do seu clube. Por isso grita. E cada grito é mais alto do que o anterior. Grita tanto que já nem se ouve a si próprio. No dia que parar para se ouvir, achar-se-á ridículo. Tal como nós o acharmos."

Afonso de Melo, in O Benfica

Unidade Benfiquista

"Quanto vale um ponto de vantagem na Liga? Pouco, muito pouco. Ou talvez muito, mesmo muito, se recordarmos o desfecho do último Campeonato. O Benfica, a par do Sporting, morde, agora, os calcanhares ao FC Porto. Um ponto? O que vale? Muito ou pouco?
Valha o que valha, importa recordar que estamos ainda com um terço de competição. Como joga o FC Porto? Mal, muito mal. E tem beneficiado de preciosas ajudas da arbitragem, caso assim não fosse estaria distante da liderança. E o Benfica? Não tem sido persuasivo, pelo menos de forma continuada, mas percebe-se que o clima emocional é mais favorável, que o conjunto está mais próximo da rentabilidade que patenteou na última época, excepção feita ao fatídico mês de Maio. O Sporting? Está voluntarioso, demonstra carácter e ambição, conquanto sabe-se que não dispõe dos mesmos recursos dos seus principais oponentes.
O que se exige aos benfiquistas nesta fase da prova? Apoio incondicional. O horizonte próximo contempla desafios de alguma envergadura, só que muito susceptíveis de se saldarem em triunfos importantes. A recepção ao FC Porto, na última ronda desta primeira volta, afigura-se decisória. Não é de enjeitar que o Benfica receba o seu antagonista na liderança ou a um passo da sua consumação.
O momento é de unidade. Está tudo em aberto e os últimos indicadores são preciosos, fazem recrudescer o clima de entusiasmo. Vamos todos dar um pouco mais à equipa? Não será que a dívida dos jogadores pode ser saldada, atraindo também eles os apaniguados vermelhos? A combinação, a cumplicidade adeptos/equipa é mesmo decisiva. O Benfica justifica, o resultado só pode ser o sucesso."

João Malheiro, in O Benfica

Sofrida...

"1. Vitória sofrida mas bem importante, a do passado sábado, frente ao SC Braga, com uma formação que se mostrou muito acima dos pontos que vem amealhando no Campeonato. A nossa equipa lutou muito (honra lhe seja feita) embora não estivesse nada inspirada. Mas vieram os três pontos, que era o mais importante, e, com o empate do FC Porto, a diferença para liderança, que estava em cinco pontos, já está reduzida a um só. Temos Campeonato! Promete ser disputado ponto a ponto e, por isso, todas as vitórias são importantes.

2. Cardozo não jogou e muita falta fez. Ele conseguiu calar todos quantos o assobiavam e não gostavam da sua forma de jogar. E seria curioso, agora, ler tudo quanto se escreveu a seguir à Final da Taça de Portugal. Que Jesus perderia o balneário se Cardozo voltasse, que seria um péssimo exemplo para todos os outros jogadores, que por muito menos outros jogadores foram afastados, etc., etc. Afinal, Cardozo até tem estado a fazer a sua melhor época de sempre, a correr mais, a lutar mais, até a marcar mais golos. Espero bem que recupere depressa da sua lesão. Faz muita falta à equipa, tal como Sálvio (e Rúben Amorim) - em termos de lesões (e estas traumáticas, não musculares) a época está a ser bem infeliz.

3. Espero que os ecos da arbitragem do Benfica-Sporting para a Taça de Portugal se tenham extinguido. Esquecendo o que se passou no Sporting-Benfica para o Campeonato (e até os sucessivos golos em fora-de-jogo de Montero), o Sporting fez uma das suas habituais campanhas contra as arbitragens. Já cansa...

4. Há dias, dei comigo a recordar o que se disse e escreveu aquando da operação a que Salazar foi sujeito, na sequência da sua célebre queda da cadeira, em 1968. No primeiro dia, jornais e rádios anunciavam que havia sido operado e que a intervenção havia corrido bem. Depois, dia após dia, que as melhoras eram evidentes. Uma semana depois, o seu médico pessoal anunciava (e os jornais faziam grandes parangonas): 'Devolvo Salazar definitivamente curado à Nação'. Duas semanas depois, era Marcelo Caetano o novo Presidente do Conselho, como então se chamava ao primeiro-ministro...
(Qualquer relação com um facto actual é pura coincidência...)"

Arons de Carvalho, in O Benfica

Vermelhos

"Quem como eu, por dever de ofício, leia todos os jornais todos os dias, terá eventualmente reparado que nos últimos tempos se intensificaram na Imprensa, para designar o Benfica, as expressões 'os encarnados' ou a 'equipa encarnada'. E o mais curioso é que tais expressões até já contagiaram algumas publicações, impressas ou na Internet, afectas ou próximas do Benfica ou Benfiquistas. Os pequenos vícios, como os grandes, apanham-se por involuntário contágio.
Vermelho e encarnado são sinónimos por terem significado aproximado. Em rigor não querem dizer exactamente a mesma coisa. O vermelho é a cor do sangue vivo, o encarnado é a origem, a cor do sangue, que dá à carne a cor encarnado.
Ora, o 'encarnado', para designar o Benfica, em função da cor das camisolas, surgiu como uma imposição ideológica e uma carga censória. O Clube, os dirigentes, atletas e adeptos Benfiquistas eram os 'vermelhos' até que a Censura e a manipulação salazarista, nos pós-guerra mundial de 1939-1945, proibiram a referência 'vermelho' para designar o Benfica, impondo a expressão 'encarnado'. Do mesmo modo que proibiu o hino original e oficial do Clube, 'Avante, Avante pelo Benfica' que, no vazio criado, ceio pouco a pouco sendo substituído pelo belíssima canção 'Ser Benfiquista' interpretada por Luís Piçarra. Houve nestes casos uma manifesta intenção de escamotear a matriz popular do Benfica que o distinguia, e distingue, dos clubes de barões de Alvalade e de lordes da Foz.
Nos tempos difíceis que vivemos, o Benfica é uma imensa família de gente do povo que neste grande Clube procura, em colectivo, uma força solidária que transmita o amparo de algum calor humano. Os vermelhos nunca estão sozinhos perante a tormenta. Como dizia o hino original dos Vermelhos,
'Todos por um, eis a divisa'."

João Paulo Guerra, in O Benfica

Setenta e um anos, pouco tempo.

"Jornal semanário oficial do Sport Lisboa e Benfica, quando foi criado, foi para sempre. Porque para para todo o tempo, para sempre, é o nosso Glorioso Clube. Diante da eternidade, portanto, os setenta e um anos do nosso Jornal O BENFICA que este número celebramos, são realmente pouco tempo.
Quantos são, em Portugal inteiro e por esse mundo de Cristo e os grandes Clubes mesmo dos maiores de todos os tempo, que podem orgulhar-se de dispor de um órgão oficial de imprensa como este? Poucos. Raros são. E muito menos serão, certamente, aqueles que semanalmente se apresentam aos dedicados leitores-cultores-e-donos do Clube, com esta regularidade constante?
E deste muito poucos, quantos podem ser elogiados como nós, por informar com este registo tão singular que é precisamente este e nunca poderá vir a ser outro, de noticiar e comentar, entrevistar e reportar, com a Verdade sempre de mãos dadas com a paixão pelo rigor, com o permanente drive da 'primeira mão', com o empenho competente de 'não falhar uma' e de estar sempre 'em todas'.
Tantas vezes correndo por foro, porque os meios nem sempre são os devidos nem os mais aconselháveis, aqui, nesta Redacção, nunca ninguém precisou de nos vir cá falar ao ouvido para fazermos exactamente o que temos de fazer. Sem descanso. Sempre pelo Benfica. Pela defesa do Benfica e pela afirmação do Benfica. Sempre pelo Benfica, ainda achamos sempre, que ainda é sempre pouco para tão grande mister. E para um tão grande orgulho naquilo que nos move e naquilo que sempre temos para fazer. Mas sabe deus...
Nem sempre nos chegam as páginas que temos para tudo o que precisamos de dizer. Em defesa do Benfica e em defesa do Jornal. Muitas vezes não nos chegam as palavras; ou não nos basta o espaço. Mas cá vamos, sempre dando o exemplo de que não é com fastios que se cumprem os desígnios da Informação Benfiquista. Não é com desmazelos, nem com incompetência que se diz o que temos para escrever. Não é sentados nas cadeiras que se conseguem as grandes imagens, as notícias palpitantes, ou as vibrantes reportagens. Não é com prosápias, com ilusões, ou arrogância.
Procuramos observar os nosso desígnios e cumprir a nossa missão com profissionalismos dedicado, competente e experto daqueles que a cada semana vemos no coração, no esforço e no desempenho dos nossos melhores atletas, técnicos e dirigentes. Sobretudo olhamos para esses, embora tendo presente que o Desporto por vezes, também se cumpre no insucesso. Mas são os nossos heróis que tomamos sempre como referência e como exemplo. Dos outros, apenas registaremos os empates e as derrotas.
E é com este sentido que, mesmo assim, ainda continuaremos a achar neste septuagésimo segundo ano de vida que hoje se inicia, que tudo é pouco tempo e que as páginas são sempre poucas."

José Nuno Martins, in O Benfica

domingo, 1 de dezembro de 2013

Na liderança, sozinhos ou mal acompanhados, não faz mal...!!!

Rio Ave 1 - 3 Benfica

Não foi um jogo deslumbrante, mas dentro de todos os condicionalismos, mais 3 pontos, muito saborosos.
Além da desvalorização de todos os adversários do Benfica, outra estratégia dos Anti's é desvalorizar as ausências no Benfica: estamos a jogar sem o nosso melhor marcador (Cardozo), estamos a jogar sem o nosso maior desequilibrador ofensivo - que também tem um papel importante no equilíbrio defensivo do nosso meio-campo -, provavelmente o nosso jogador mais valioso (Salvio), estamos a jogar sem o jogador que melhor equilibra a equipa (Amorim), hoje ainda tivemos 3 laterais esquerdos lesionados!!! Por acaso, o golo sofrido, até foi da responsabilidade do jogador adaptado a defesa esquerdo!!! São poucas as equipas que ultrapassariam todas estas ausências, com vitórias...

O Rio Ave em casa, tem tido muitas dificuldades, mas isso só acontece porque os Vila-condenses são obrigados a 'pegar' no jogo... a especialidade do Rio Ave - tal como a grande maioria das equipas portuguesas -, é jogar em contra-ataque, no erro do adversário, fechadinhos lá atrás, e com saídas rápidas. Tal como tentaram hoje, contra o Benfica. Portanto todos os títulos no pré-jogo sobre esta estatística, só serviram para tentar desvalorizar uma potencial vitória do Benfica, ou enfatizar um potencial desaire do Benfica...

Na 1.ª parte houve poucas oportunidades. O Artur foi quase um espectador, mas o Benfica no ataque teve muitas dificuldades, não havia espaço nas costas dos centrais, e no meio-campo as sucessivas faltas, emperravam o ritmo do jogo. Nestas circunstâncias, os golos ou aparecem de bola parada, ou num erro defensivo, foi o que aconteceu... O Ederson ficou mal na foto - mas no intervalo do jogo, vi um bocadinho do Juventus-Udinese e o Buffon cometeu um erro igualzinho, mas ainda foi a tempo de recuperar e fez uma enorme defesa!!! -, mas o Rodrigo não desistiu da jogada e 'cheirou' o golo...
Ao intervalo estava desconfiado, o Benfica tem demonstrado uma enorme incompetência a gerir resultados... e mais uma vez confirmámos isso mesmo. Mas por outro lado, temos demonstrado saber reagir muito bem a golos sofridos, e desta vez, voltámos a provar isso mesmo!!! E ainda por cima, deu para o Lima, desbloquear a série negativa... e que golo: à Cardozo!!! O Lima com dois golos e uma assistência, acaba por ser o homem do jogo...
A expulsão do Vila-condense acabou com o jogo. Marcámos mais um, e podíamos ter marcado mais...
Apesar do triunfo, continuo a não gostar da deslocação do Enzo para a direita.

A liderança (sozinhos ou acompanhados) é importante, mais não decisiva. Mais importante que os desaires dos outros, o importante é vencer os nossos jogos, e recuperar os jogadores lesionados. Depois de todo o rebuliço interno, depois de maus resultados, depois de más exibições, o Benfica lidera. Nada está ganho, mas também nada está perdido, como muitos previram para estar altura!!!

Cosme desiludido !!!

Benfica B 3 - 1 Corruptos B

Se ontem nem o Capela conseguiu dar a vitória aos Corruptos, hoje, nem o Cosme conseguiu dar os 3 pontos aos Corruptos B !!! A novidade é mesmo, a ineficácia dos apitadores!!!

O jogo começou repartido, o Benfica mais rápido e mais objectivo, e os Corruptos a tentarem ter posse de bola, quebrando o ritmo inicial do Benfica. Em Portugal, este tipo de jogo, pouco objectivo, e com muitos passes laterais é muito elogiado, serve muitas vezes para mascarar outro tipo de xico-expertices...
Quando já todos tínhamos visto que os critérios de faltas a meio-campo, e o critério dos amarelos, iria ser totalmente diferente, ao primeiro mergulho dentro da área do Benfica: penalty para os Corruptos!!! Nada de novo... sorte teve o Steven em não expulso!!! Felizmente o Tozé mandou a bola para o Alfeite!!!
O Benfica respondeu com uma boa ao travessão... e a fechar a 1.ª parte, num canto, muito bem marcado pelo Urreta, o Steven inaugurou o marcador.
O início do 2.º tempo não podia ser melhor, novamente num canto do Urreta, Lolo faz o 2.º golo. A partir daqui o Benfica soube gerir bem a vantagem... e num ataque rápido o Hélder Costa em velocidade, fez o 3.º.
Já depois de ter ficado um penalty por marcar a favor do Benfica, os Corruptos marcaram um golo...

O Benfica reforçou os B's com o Steven, o Mitrovic e o Cavaleiro (já é A !!!), e ainda com o Urreta... mas ficámos sem o André Gomes, e sem o Funes Mori ultimamente muito utilizados... No lado dos Corruptos, jogaram sem o Carlos Eduardo e o Herrera, mas mesmo assim sobraram muitas outras 'estrelas': Kléber, Kelvin, Reyes, Ricardo...
Destacar o facto do Benfica ter conseguido chegar ao fim do jogo com 11 jogadores!!! Pois quebrámos um série de 4 jogos, 4 expulsões!!! Lindelof, Rudi, Hélder Costa e o Bernardo que hoje fez falta...