Últimas indefectivações

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Sport Peres e Benfica...

"Cumpriram-se há pouco 40 anos sobre o «Alegre Verão da Minicopa». No Brasil, Portugal e Eusébio voltaram a encantar o Mundo. E no ia 25 de Junho de 1972, a Selecção Nacional entrou em campo com dez jogadores 'encarnados'

Cumpriram-se há pouco quarenta anos. Em Junho de 1972, a Selecção Nacional viajava para o Brasil. Cento e cinquenta anos se comemoravam sobre a data da independência do Brasil e o fim da colonização portuguesa. A Confederação Brasileira de Desporto não deixara a coisa por menos: os 150 anos da Independência seriam motivo para a disputa de uma competição que pouco ficava a dever a um verdadeiro Campeonato do Mundo. Vinte selecções nacionais e continentais disputariam, em 12 estádios, aquela que ficou conhecida como Minicopa. Quinze equipas - Argentina, Selecção de África, França, Selecção da América Central, Colômbia, Equador, Perú, Bolívia, Paraguai, Irlanda, Venezuela, Chile, Irão, Jugoslávia e Portugal - seriam distribuídas por três grupos; outras cinco - Brasil, Uruguai, URSS, Chescolováquia e Escócia - ficariam isentas da primeira fase. Em seguida, formavam-se dois grupos de quatro equipas que decidiam o acesso à final em sistema de 'poule'. Portugal começou por ficar no Grupo II, juntamente com Equador, Irão, Irlanda e Chile.
O Seleccionador Nacional era José Augusto. levou consigo uma equipa inteira do Benfica: José Henrique, Artur, Humberto Coelho, Messias, Adolfo, Jaime Graça, Toni, Matine, (que acabara de cumprir um ano no V. Setúbal), Nené, Artur Jorge, Eusébio e Jordão, juntou-lhe Damas (Sporting), Mourinho (Belenenses), Laranjeira (Sporting), Murça (FC Porto), Peres (Sporting), Chico (Sporting), Abel (FC Porto) e Dinis (Sporting).
O comportamento dos portugueses na Minicopa foi brilhante. Vitórias sobre o Equador (3-0), Irão (3-0), Chile (4-1) e Irlanda (2-1) na primeira Fase; depois um extraordinário jogo contra a Argentina, no Maracanã (3-1). No jornal 'O Globo', o famoso jornalista brasileiro, João Saldanha, escrevia: 'Há muito tempo que não vejo um time jogar tão bem. Nenhumas falhas. Se caprichassem um pouquinho, eram cinco ou seis. Toni tem uma raça impressionante; Eusébio é a calma personificada; os laterais, perfeitos; Peres deu aula; Jordão fez miséria. A Argentina é um bom time, mas Portugal, ontem, não perdia para ninguém.'
Um empate perante o Uruguai (1-1) e novo triunfo, agora frente à URSS (1-0), a garantir lugar na final com o Brasil. Talvez a vitória seja uma doença que só o derrota cura, para seguir os pensamentos de Mário Filho, o grande cronista brasileiro. Portugal perdeu: 0-1, golo de Jairzinho a passe de Tostão no finalzinho do encontro. Eusébio encantara os brasileiros, tão imenso fora o seu futebol...

Aquela tarde, no Recife...
E agora voltemos atrás, recuperando o motivo desta crónica. A final do Maracanã foi no dia 9 de Julho, e eu quero falar do dia 25 de Junho. Cidade de Recife, no Estado do Pernambuco. Estádio do Rego Maciel, conhecido pelo Colosso do Arruda ou por Mundão do Arruda, com capacidade para mais de 60 mil espectadores, propriedade do Santa Cruz Futebol Clube. Foi aí. O árbitro era um argentino, Angél Coerezza. Até então, como já vimos, Portugal batera o Equador o Irão e o Chile (a primeira Fase era disputada em três grupos de cinco equipas). Quanto à Irlanda, a República da Irlanda, como está bem de ver, e não a sua irmã mais pequena Irlanda do Norte, vencera o Irão (2-1) e o Equador (3-2), perdendo com o Chile (1-2). Nada de muito entusiasmante.
Os irlandeses entraram em campo com: Kelly; Kinnear, Martin, Dempsey e Carol; Mulligham e Campbell; Rogers, Treachy, Givens e Leech.  Por seu lado, Portugal alinhava assim: José Henrique (Benfica); Artur (Benfica), Humberto Coelho (Benfica), Messias (Benfica) e Adolfo (Benfica); Toni (Benfica), Matine (Benfica) e Peres (Sporting); Nené (Benfica), Artur Jorge (Benfica) e Eusébio 'cap.' (Benfica).
Nunca uma Selecção Nacional fora tão vermelho-Benfica. Apenas Fernando Peres destoava. Não na qualidade, que tinha muita, mas na cor. Houve quem lhe chamasse o 'Sport Lisboa e Peres'. Ou o 'Sport Peres e Benfica'.
Peres não se acanhou e fez, até, o primeiro golo, aos 35 minutos; Nené fez os 2-0 aos 37'. Depois Leech reduziu, aos 38'. Tudo resolvido em três minutos. Quando às substituições, na primeira mantiveram-se os dez do Benfica; saiu Nené e entrou Jaime Graça. Depois foram reduzidos a nove minutos do final: saiu  José Henrique e entrou Mourinho. Mas nove benfiquistas na equipa titular, voltou a repetir-se. Dez é que não, embora contra a Argentina tivessem sido dez a acabar o jogo. Até à final, Fernando Peres manteve-se teimosamente titular. E Dinis para lá caminhou.
Ilhas verdes numa equipa vermelha..."

Afonso de Melo, in O Benfica

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Lixívia 8

Tabela Anti-Lixívia:
Benfica.........20 (-4 ) = 24
Corruptos......20 ( 0 ) = 20
Braga............17 (+1) = 16
Sporting.........7 ( +3 ) = 4

Na Luz tudo 'normal': o grande erro foi o penalty que ficou por marcar a favor do Benfica - falta sobre o Lima, que por acaso daria o 2º amarelo ao defesa do Guimarães ainda na 1ª parte!!! -, e no final da partida, após muita insistência dos jornaleiros, o treinador adversário lá se queixou do árbitro!!! E no dia seguinte lá apareceu um vice-presidente com a mesma 'cassete'!!!
Extraordinária também a cegueira que afectou os radialistas-lagartos da Antena 1, que mesmo no final do jogo, e após muitas repetições continuaram a afirmar, que não viam qualquer falta sobre o Salvio, quando na repetição de ângulo inverso, nas costas dos jogadores, é perfeitamente visível o contacto - não intencional, admito -, na perna esquerda do Salvio, que depois acaba por tropeçar nele próprio!!!
No Estádio achei a expulsão do André Gomes absurda, mas vendo as imagens, mudei de opinião: a expulsão é justa, não existe intenção, o André chega atrasado à bola, mas devia ter tido mais cuidado, e pelo menos devia ter dado a ideia que queria retirar o pé...
Não posso deixar de passar, as várias faltas e faltinhas, ridículas marcadas a meio-campo, principalmente sempre que o Matic ganhava uma bola de cabeça, um pontapé de canto, a nosso favor, transformado em pontapé de baliza, logo no início do jogo, e um fora-de-jogo mal tirado ao Cardozo...

Os Corruptos não precisaram do apitador, já que o adversário resolveu abdicar dos pontos, desde do primeiro minuto, com uma atitude ridícula... Além de alguns lances de fora-de-jogo muito difíceis de decidir, nada de importante se passou... O Briguel podia ter levado vermelho, mas como retirou o pé quando sentiu a perna do adversário, safou-se!!! Complicado neste lance julgar a intenção, se houve mesmo premeditação, seria sempre vermelho...

Em Braga, um dos poucos condenados do Apito Dourado - Rui Silva -, voltou a fazer das suas!!! A Micaela protesta penalty, sem razão, leva amarelo, e continua a berrar... logo de seguida, um avançado do Braga atira-se para a piscina, e com as bancadas ainda em ebulição da jogada anterior, o árbitro marca penalty, isto tudo com o resultado empatado...!!!

Em Setúbal, alguns foras-de-jogo mal marcados, o Rinaudo e o Ricardo Silva se calhar deviam te sido expulsos, mas sem influência no resultado...
A notícia Lagarta da semana - e foram muitas -, para mim, foi o arquivamento vergonhoso do processo Pereira Cristóvão/Cardinal !!! Todos ficam a saber que quando um dirigente deposita dinheiro na conta de um árbitro, o CD da FPF, arquiva!!! Vivemos numa verdadeira República das Bananas...

Anexos:
Benfica
1ª-Braga(c) E(2-2), Soares Dias, Prejudicados, Beneficiados, (3-2), (-2 pontos)
2ª-Setúbal(f) V(0-5), Jorge Sousa, Nada a assinalar
3ª-Nacional(c) V(3-0), Bruno Esteves, Nada a assinalar
4ª-Académica(f) E(2-2), Xistra, Prejudicados, (0-3), (-2 pontos)
5ª-Paços de Ferreira(f) V(1-2), Marco Ferreira, Prejudicados, (1-5), Sem influência no resultado
6ª-Beira-Mar(c) V(2-1), Rui Costa, Prejudicados, Beneficiados, (3-1), Sem influência no resultado
7ª-Gil Vicente(f) V(0-3), Vasco Santos, Nada a assinalar
8ª-Guimarães(c) V(3-0), João Ferreira, Prejudicados, (4-0), Sem influência no resultado

Sporting
1ª-Guimarães(f) E(0-0), Capela, Nada a assinalar
2ª-Rio Ave(c) D(0-1), Marco Ferreira, Nada a assinalar
-Marítimo(f) E(1-1), Xistra, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
4ª-Gil Vicente(c) V(2-1), Vasco Santos, Beneficiados, Prejudicados, (2-2), (+2 pontos)
5ª-Estoril(c) E(2-2), Nuno Almeida, Beneficiados, (2-3), (+1 ponto)
6ª-Corruptos(f) D(2-0), Jorge Sousa, Prejudicados, (1-0), Sem influência no resultado
7ª-Académica(c) E(0-0), Bruno Esteves, Nada a assinalar
8ª-Setúbal(f) D(2-1), Paulo Baptista, Nada a assinalar

Corruptos
1ª-Gil Vicente(f) E(0-0), Duarte Gomes, Beneficiado, Prejudicado, (1-1), Sem influência no resultado
2ª-Guimarães(c) V(4-0), Hugo Miguel, Prejudicado, Sem influência no resultado
3ª-Olhanense(f) V(2-3), João Ferreira, Nada a assinalar
-Beira-Mar(c) V(4-0), Manuel Mota, Nada a assinalar
5ª-Rio Ave(f) E(2-2), Bruno Esteves, Nada a assinalar
6ª-Sporting(c) V(2-0), Jorge Sousa, Beneficiados, (1-0), Sem influência no resultado
7ª-Estoril(f) V(1-2), Capela, Nada a assinalar
8ª-Marítimo(c) V(5-0), Cosme, Nada a assinalar

Braga
1ª-Benfica(f) E(2-2), Soares Dias, Beneficiado, Prejudicado, (3-2), (+ 1 ponto)
2ª-Beira-Mar(c) V(3-1), Paulo Baptista, Nada a assinalar
3ª-Paços de Ferreira(f) D(2-0), Pedro Proença, Nada assinalar
4ª-Rio Ave(c), V(4-1), Bruno Paixão, Nada a assinalar
5ª-Guimarães(f), V(0-2), Paulo Baptista, Prejudicados, Sem influência no resultado
6ª-Olhanense(c), E(4-4), Jorge Tavares, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
7ª-Marítimo(f), V(0-2), Benquerença, Nada a assinalar
8ª-Gil Vicente(c) V(3-1), Rui Silva, Beneficiados, Impossível contabilizar

LINK's
1ª jornada
2ª jornada
3ª jornada
4ª jornada
5ª jornada
6ª jornada
7ª jornada

O Baile dos Bombeiros

"D. Palhaço gostou do apagão. Sente-se bem às escuras. Esfregando as mãos sujas, soltou uma casquinada sinistra e disse para a sua habitual plateia de cretinos que apagões lhe davam gozo. O Lambe-Botas-e-Sapatos-de-Verniz deu um salto de felicidade incontida e gritou a plenos gargomilos: 'Genial D. Palhaço! Genial!' E D. Palhaço babou-se de uma baba bovina... Estes episódios repetem-se a esmo lá para os lados de Medancelhe e das Catrinas. Aceitemos como boa a decrepitude de D. Palhaço: os anos atropelaram-se sem piedade, já sem válvulas novas permitem maior circulação do sangue grosso e impuro. Quando ainda fala, na sua voz sumida e gasta de mentiras. E para ouvir os aplausos do grupelho imbecil que já não o suporta.
Podia muito bem ser um Dinossauro Excelentíssimo, como o de Cardoso Pires, mas nele de excelente nada há, bem pelo contrário. E, assim sendo, não passa de um mamífero que patina à toa nas vascas da agonia. O último filme de Milos Forman antes de deixar a Europa e partir para os Estados Unidos, chamou-se 'O Baile dos Bombeiros'. Nele havia uma cena na qual, tirando proveito de um apagão, certo personagem tratava de roubar os prémios do bingo, e que por acaso valiam pouco mais que um caracol. A cena da reposição dos objectos roubados é extraordinária mas não vem aqui à colação. O facto é que quem gosta de roubar também gosta da escuridão, e de apagões. Tal como no filme, na vida de D. Palhaço quem apaga as luzes é inocente e acaba por ser roubado. Geralmente por ele e pelo seu bando de sicários. Por mim, grave não é o momento em que se apagam as luzes. Grave, grave, é o momento em que se apaga a honestidade..."

Afonso de Melo, in O Benfica

O 'Euromilhões' oferecido à Olivedesportos

"O Governo acaba de retirar os jogos da Liga de futebol e das competições europeias de clubes da lista dos eventos de interesse público, o que afasta estes espectáculos desportivos das grelhas de programas dos operadores de acesso livre (RTP, SIC e TVI), limitando o direito à informação.
A chamada 'lista de acontecimentos de interesse generalizado do público', anualmente divulgada pelo Governo, ouvida a ERC, representa um limite à aquisição de direitos exclusivos, justificado em nome do direito dos cidadãos à informação.
Prevista na directiva europeia dos Serviços de Comunicação Social Audiovisual, visa assegurar que os operadores que emitem em sinal condicionado ou sem cobertura nacional «não transmitem com carácter de exclusividade acontecimentos que esse Estado-membro considere de grande importância para a sociedade, privando assim uma parte considerável do público (...) da possibilidade de acompanhar esses acontecimentos (...) na televisão de acesso livre».
Em Portugal, na prática, essa lista induz a tradicional detentora dos direitos de transmissão de grande parte dos eventos desportivos mais populares, a Olivedesportos/Sport Tv, a negociar com a RTP, a SIC e a TVI os direitos que possua sobre a sua transmissão, com o objecto de, através desses operadores, tornar esses espectáculos acessíveis a toda a população e não apenas às famílias que disponham de ligação às redes de cabo e similares e paguem os respectivos canais de acesso condicionado. Por outro lado, ao estabelecer que os detentores dos direitos de transmissão teriam de facultar o seu acesso a outros operadores 'em condições normais de mercado' e ao atribuir à ERC poderes para arbitrar com carácter vinculativo a ausência de acordo numa negociação sobre os valores relativos à venda dos direitos, o legislador quis garantir que a transmissão desses eventos em canais de acesso livre não ficaria impossibilitada por qualquer exigência de um pagamento exorbitante.
Neste contexto, a recente lista relativa a 2013, aprovada há poucos dias pelo Governo, é não só absolutamente surpreendente como, sobretudo, gravemente lesiva do direito dos cidadãos ao acesso esses acontecimentos.
Em primeiro lugar, foi retirado o jogo por jornada da Liga de futebol, que constava de todas as listas desde 1997, ano em que este mecanismo foi adoptado. Isso significa que fica reservado à Olivedesportos, que detém actualmente os direitos de transmissão desses espectáculos desportivos, o exclusivo desta competição, cabendo-lhe decidir, sem qualquer mediação ou arbitragem, se vende ou não esses direitos. bem como o restante montante, caso considere a hipótese de os vender. Na prática, Governo acaba de entregar a essa empresa a capacidade de decidir se os portugueses sem ligação às redes de cabo e similares e sem poder económico para a assinatura daquele canal desportivo podem ou não ter acesso a alguns dos jogos da principal competição desportiva nacional. É verdade que, nesta época desportiva de 2012-2013, os direitos de transmissão têm permanecido na Sport Tv, dado o aparente desinteresse dos operadores
RTP, SIC e TVI em os adquirirem pelo preço exigido. No entanto, a exclusão desta competição da lista anual tranquiliza a empresa detentora dos direitos: estes apenas poderão ser negociados pelo preço que ela impuser, inexistindo qualquer arbitragem da ERC que garanta um preço mais baixo e o acesso de todos os portugueses a essa transmissão, se qualquer daqueles operadores ainda ambicionasse transmitir o tradicional jogo por jornada...
Em segundo lugar, a lista relativa a 2013 não inclui a participação nas competições europeias de futebol ou até de um clube português numa final de uma competição europeia de futebol, ao invés do que sucede com outras modalidades desportivas, bem menos populares. Se for de hóquei, basquetebol... o evento é de interesse público. Se for uma final de futebol, já não é de interesse público! Deste modo, o detentor de direitos de transmissão de uma final europeia de hóquei em patins, andebol, ou basquetebol, por exemplo, em que participe uma equipa portuguesa, terá de negociar com a RTP, a SIC ou a TVI, se qualquer um destes operadores assim o quiser, sujeitando-se à arbitragem da ERC que vise garantir a transmissão dessa competição em sinal aberto. Mas se um clube português de futebol chegar à final da Liga dos campeões europeus ou da Liga Europa, o jogo poderá ser emitido por um canal de acesso condicionado como a Sport Tv, se for ele que tiver adquirido os respectivos direitos de transmissão, de nada valendo o direito dos portugueses à informação...
Estas insólitas alterações na lista dos acontecimentos de interesse generalizado do público foram justificadas com 'o actual contexto que o sector da comunicação social atravessa'. O argumento não colhe. As acrescidas dificuldades dos operadores de acesso livre (RTP, SIC e TVI) em adquirirem os direitos de transmissão não invalidam a obrigação do Estado de garantir os direitos dos cidadãos à informação. Ao contrário que alguns pensam a lei não obriga a RTP, a SIC ou a TVI a adquirir direitos de transmissão, mesmo de acontecimentos relevantes.  Mas não deve, como agora sucede, colocar obstáculos se e quando essa intenção existir.
A Olivedesportos tem todas as razões para estar grata ao Governo. Os portugueses, não..."


PS: Em Portugal costuma-se dizer: «Os almoços - ou jantares - nunca são de graça - muito menos no Gambrinus!!!». Nem as homenagens no Coliseu...

As equipas 'B'

"Normalmente, um grande guarda-redes vale por meia equipa. Quem não se lembra da influência de Mlynarczick no FC Porto, campeão europeu em 1987, ou de Schmeichel no Sporting, campeão nacional em 2000? Se, depois disso, essa mesma equipa puder juntar ao guarda-redes um grande ponta-de-lança goleador, tipo Drogba ou Falcao, então qualquer meta fica ao seu alcance. Não é preciso ir muito longe: com Cech e Drogba em grande forma, o Chelsea conquistou a Champions há apenas 5 meses, contra o Barcelona de Messi, o favorito de todos.
Liga dos Campeões que, a partir da próxima época, se vai alargar às formações B (sub-19), por um período experimental de dois anos, das 32 equipas apuradas para a fase de grupos. Por razões económicas, a composição dos grupos será a mesma e os jogos realizados nas mesmas datas. A única diferença verificar-se-à a partir dos oitavos, em que as eliminatórias serão dirimidas num só jogo e em que as meias-finais e a final darão lugar a uma final-four. Se vingará ou não, depois se verá.
Com Blatter na FIFA e Platini na UEFA, escusamos de ter veleidades sobre a entrada da tecnologia no futebol. A única concessão consistirá na introdução de equipamentos que evitem os chamados golos-fantasmas. Os dois boss entendem que a sacralidade do futebol não deve ser violada e, para defenderem a sua tomada de posição, usam de toda a ordem de argumentos, alguns bem caricatos: sociológicas, antropológicos, românticos, técnicos, financeiros... Mas, bem lá no fundo, as únicas razões que os movem são políticas. Ou seja, a tecnologia reduzir-lhes-ia poder e influência. E isso é coisa de que não abdicam."

Manuel Martins de Sá, in A Bola

Sistema

"«O Benfica pode liderar este processo até pela proximidade do término desse compromisso, que pelos vistos amarra toda a gente e ninguém se consegue libertar; tem aqui uma grande oportunidade de acabar com o SISTEMA, com tudo o que está errado para trás no Futebol português». A frase foi recentemente proferida por quem? Luís Filipe Vieira? Rui Rangel? Outro benfiquista envolvido na disputa eleitoral ou no rescaldo da retumbante vitória da Lista A? Nada disso. É da autoria de António Oliveira.
O antigo seleccionador nacional, um dos principais accionistas do FC Porto, destacada personalidade da bola indígena, não teve quaisquer pruridos em dizer o que disse. Oliveira disse e sabe bem o que disse. Tem muitos anos de Futebol, de Futebol visível e de Futebol invisível. Oliveira sabe tanto como os (poucos) que sabem tudo. Quando o Benfica alude ao SISTEMA, nos últimos 30 anos, os seus detractores acusam o Clube de procurar desculpas para algumas debilidades ou fracassos competitivos. E agora? O que dirão esses mesmos anti-benfiquistas da declaração de António Oliveira, sócio em tempos da Olivedesportos, ex-treinador do FC Porto, alguém que só pode conhecer o famigerado SISTEMA na perfeição?
Oliveira, ainda que verbalmente, deu uma valente machadada no SISTEMA e não se esqueceu de citar o Benfica como a estrutura susceptível de liderar o processo de transparência que urge implementar no Futebol lusíada. Oliveira fez bem em vir a terreiro. O Benfica ainda pode fazer melhor. De resto, já começou. A questão dos direitos televisivos é apenas o tiro de partida. A meta ainda está longe. Mas que ninguém subestime um Benfica unido, pujante e arrojado."

João Malheiro, in O Benfica

Objectivamente (cinismo)

"Quando a fanfarronice se junta com cinismo é o que dá! As frases de Pinto da Costa no Estoril depois do seu jogo mil (até rima) não são verdadeiras. Cheiram que tresandam e são apostas nos seus desejos maquiavélicos de sempre criticar, sempre desejar mal ao Benfica, seu ódio de estimação!
Alguém acredita que PC queira o Benfica em finais europeias, ou que estaria de bom agrado no estádio para ver o Benfica ganhar? As pessoas não precisam de ser tão mentirosas para falar da actualidade clubística da nossa terra e de aproveitaram todos os momentos para lançar veneno sobre os seus rivais. Disse PC (sempre gabando-se de uma amizade antiga com o ex-presidente do SLB, Fernando Martins) que até esteve no Estádio da Luz quando o Benfica recebeu e perdeu a final da Taça UEFA com o Anderlecht. Não disse que gostava que o Benfica tivesse ganho. Mas, também, mesmo que o dissesse era mentira!
Este cinismo irrita qualquer pessoa! Que necessidade tem esta figura de constantemente afrontar o Benfica? De que é que lhe serve andar a toda a hora a fomentar e instigar ódios antigos?
Faz parte da sua maneira de ser, dirão alguns dos seus defensores. Mas todas as pessoas de bem, que desejam paz no Futebol, que querem harmonia e SERIEDADE nesta modalidade, dispensam as repetidas observações cínicas, carregadas de ódio deste velho protagonista, chato e embirrante!
E neste seu velho e repetido discurso, aproveitou o facto de estar no Sul, na Capital do Terreiro do Paço do Poder Central, que tanto o preocupa mas não deixa de o exercer no seu pequeno país, sua habitual vítima quando se farta de estar sozinho contra o Benfica.

Disse: «A quebra do Sporting está ultrapassada, pois tem Liderança, Capacidade e grandes jogadores»! Oh, que sentimento de ternura! Isto é bom porque é sinal de que o Benfica está muito mais forte e ele precisa de pedir apoio ao nosso velho rival."


João Diogo, in O Benfica

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Quem são? Quem lhes paga?

"Do acto eleitoral do Sport Lisboa e Benfica resultaram duas conclusões muito claras.
Por um lado, a esmagadora maioria dos sócios votantes manifestou a vontade de que a difícil caminhada prosseguida na última década - que levou o Benfica da indigência competitiva, institucional e moral, até a um nível bem mais compatível com a sua história - não seja inflectida, nem deitada para o lixo.
Por outro lado, ficou provado que o ruído que se tem feito ouvir à volta do Clube, e por vezes da equipa de Futebol - recordemo-nos da inacreditável recepção após a Taça da Liga da época passada -, encontra raiz, não num movimento oposicionistas sério, forte e esclarecido, mas tão somente num pequeníssimo bando de arruaceiros, que, sob a forma de petardos, ameaças e insultos, usa a intimidação para fazer ouvir uma voz que, no contexto dos 250 mil sócios do Benfica espalhados pelo mundo, é absolutamente insignificante e residual.
Seria interessante, aliás, identificar tais indivíduos (nomeadamente os dez ou quinze que estiveram no pavilhão naquela sexta-feira, e desrespeitaram o Benfica, o seu Hino, os Órgãos Sociais democraticamente eleitos, e os milhões de benfiquistas que seguiam os acontecimentos via televisão), punindo-os com a expulsão do Clube - isso caso sejam efectivamente associados, e caso sejam efectivamente benfiquistas, coisa que não tenho por adquirida.
Quem procede daquela forma, está a mais no Benfica, envergonha os nossos sócios, e provoca a chacota dos rivais. Não falo aqui necessariamente dos 'No Name Boys', grupo que prezo, que tenho defendido em várias ocasiões, e que quero acreditar não esteja, pelo menos na sua maioria, envolvido no caso. Também não falo de alguns membros da lista perdedora, que, estou certo, não se revêem em tais atitudes.
Por isso mesmo devemos tentar perceber que figura está, de facto, por detrás daquele tipo de movimentações de guerrilha, que se estende igualmente a alguns campos da blogosfera e das redes sociais. Não sei quem é, mas desconfio."

Luís Fialho, in O Benfica

Taça da Liga


Realizou-se hoje o sorteio da Fase de Grupos da Taça da Liga, muito sinceramente não gostei... vamos ser obrigados a duas deslocações longas, que requerem viagens na véspera, a Olhão e a Moreira de Cónegos:
19 de Dezembro em Olhão, 30 Dezembro a 2 de Janeiro em Moreira de Cónegos, e a 9 de Janeiro na Luz com a Académica...
Em caso de qualificação, vamos jogar as Meias-finais, fora, com o vencedor do Grupo B: o Braga, o Guimarães, o Beira Mar e a Naval, provavelmente o grupo mais acessível...

Votação «à Benfica»

"Foi muito triste a campana eleitoral, foi excelente o dia da votação, a qual confirmou o largo favoritismo de Luís Filipe Vieira, que alguns cronistas da nossa praça chegaram a dar como estando em perigo depois da triste Assembleia Geral do relatório!
A campanha eleitoral viveu mais dos ataques às listas adversárias que de ideias novas ou de projectos. Falou-se demasiado de Vale e Azevedo (de um lado) e de montantes (falsos) do passivo (do outro) e de menos do futuro do Clube. Além disso, infelizmente, não houve qualquer debate, nomeadamente na Benfica TV. Se há três anos a lista que se apresentou como opositora à de continuidade não merecia qualquer crédito, a actual era preenchida por vários benfiquistas já com provas dadas e que merecem todo o respeito - e estou à vontade para o afirmar pois apoiei (sem a mínima hesitação) Luís Filipe Vieira. Daí que tivesse apreciado a existência de debates sérios (embora naturalmente acesos), a bem do Clube.
Recordo que em eleições anteriores, o nosso Jornal reservava duas páginas a cada lista, nos dois ou três números anteriores às eleições, as quais eram da inteira responsabilidade de cada uma das candidaturas. Defendo que a Benfica TV, para além de reportagens das cerimónias mais marcantes de cada lista e dos debates que se poderiam ter realizado, deveria ter também reservado algum 'tempo de antena' a cada uma das listas. O Benfica sairia dignificado e tenho a certeza que, no final, os resultados eleitorais não seriam substancialmente diferentes daqueles que se verificaram.
Felizmente tudo foi diferente no dia da votação. Houve uma votação recorde, 'à Benfica'. Houve um sistema electrónico que voltou a funcionar a cem por cento, permitindo uma votação (rápida) em todo o País e com resultados finais logo a seguir ao fecho das urnas (o Benfica fora mais uma vez inovador há três anos e continua muito à frente, também neste aspecto). E, finalmente, houve elevação de parte a parte nas declarações finais.

PS: No FC Porto, os sócios aprovaram por unanimidade o relatório e contas, com 10 milhões de prejuízo. Quanto tempo durou a Assembleia? Os jornais nada disseram sobre a reunião desta sociedade mais ou menos secreta..."

Arons de Carvalho, in O Benfica

Campeão de Democracia

"Para muitos este título pode não significar nada. Para alguns será mesmo algo risível. Um jornal chamou à votação dos sócios do SLB 'romaria' e à eleição 'um velho ritual'. Mas para os Benfiquistas, como se viu, escolher os dirigentes e participar nas decisões faz parte essencial da vida deste grande Clube, em certos aspectos únicos.
Alguém se recorda de ver uma imagem de uma assembleia eleitoral do FCP? Alguém se recorda de mais algum aspecto de eleições no SCP para além da imagem do presidente eleito a fugir da Juve Leo? No Benfica não há eleições à porta fechada, em cerimónias secretas, nem dirigentes e até presidente cooptados. No Benfica, as eleições são um acto levado muito a sério, há liberdade de apresentar listas e liberdade e sigilo de voto. E as eleições são um modelo de organização, de rigor e de eficiência. Tudo perfeito, limpo, rigoroso, transparente e escrutinado.
Os Benfiquistas em geral escolhem bem. O candidato vencido na semana passada disse que a sua candidatura serviu para acordar o Benfica. Pura presunção. O que acorda os Benfiquistas é a consciência de que a dimensão do Clube desperta muita ambição pessoal e aventureirismo e não pode ser entregue à decisão de uma minoria.
Desta vez, como quase sempre, os Benfiquistas escolheram muito bem. Quaisquer que fossem os candidatos em presença, Luís Filipe Vieira merecia sempre a reeleição, pelo que já fez pelo Clube e pelo que se propõe fazer. E obteve a reeleição com um resultado estrondoso na maior participação de sempre em eleições em 108 anos de história do Clube, com os Benfiquistas comprometidos apresentou e submeteu à votação. Isto é um exemplo único no Futebol.
O Glorioso merece juntar à galeria de troféus o título de Campeão de Democracia."

João Paulo Guerra, in O Benfica

domingo, 4 de novembro de 2012

Pleno histórico...!!!


Benfica 68 - 53 Académica
17-11, 15-19, 21-11, 15-12

Até ao intervalo a Académica ainda sonhou, mas depois do descanso não demos hipótese  com a inspiração do Franklin nos triplos e do Betinho nos afundanços, vencemos categoricamente a 10ª Supertaça de Basket para o curriculum do Sport Lisboa e Benfica.
Voltámos a demonstrar dificuldades no ataque, à defesa à zona do adversário, algo que deve ser rectificado, já que é bastante provável que vamos encontrar muitas defesas à zona durante a época, tendo em conta a nossa superioridade no jogo interior, é normal que os treinadores adversários apostem na zona... não podemos querer resolver estas situações sempre com os triplos. Bola dentro, bola fora, passes sem dribles, e depois a penetração, ou o triplo no final do tempo de ataque, pegar na bola e lançar à primeira, normalmente dá mau resultado...

Este Benfica esta época será sempre favorito, em todos os jogos, tem a obrigação de os vencer. Os adversários vão lutar com tudo, sempre. Em alguns jogos já foi notório que não será fácil manter a motivação, este Benfica vai cometer erros, e até poderá perder, um, ou outro jogo, agora espero que quando isso aconteçer seja mérito do adversário e demérito do Benfica. Digo isto, porque hoje mais uma vez assistimos a uma arbitragem quase sobrenatural!!! Eu sei que existe uma tendência natural nestes jogos - desequilibrados - dos árbitros tentarem equilibrar as coisas, como se tivessem com pena dos coitadinhos!!! Mas como nós sabemos o que a casa gasta, não podemos ficar descansados... As faltas técnicas ofensivas marcadas ao ataque do Benfica,  e o critério nos contactos defensivos, foi absurdo. Com uma arbitragem equilibrada, o jogo teria ficado decidido bem cedo, mesmo com o Benfica a cometer alguns erros, a emoção teria sido menor, mas não faz parte das responsabilidades dos árbitros equilibrar as partidas...!!!

Provavelmente a estatística mais impressionante nesta vitória, são as 5 Supertaças, este ano, nas 5 principais modalidades de Pavilhão, creio ser a primeira vez que tal coisa acontece em Portugal... Se juntarmos as vitórias no Atletismo, podemos afirmar sem falsas modéstias, que o Benfica actualmente domina claramente as modalidades mais importantes em Portugal... Haverá sempre aqueles que vão defender que isto aconteceu devido ao desinvestimento dos nossos adversários, a azia tem destas coisas!!! Se o Benfica manteve - ou até aumentou o investimento nas modalidades -, isso deve-se exclusivamente à competência da Direcção, e à militância dos adeptos, o Benfica não vive à custa de subsídios públicos, nem mecenas regionais, os sócios do Benfica são o suporte financeiro das modalidades do Benfica, o mérito do Clube nestes conquistas é total... 

Sem abébias !!!


Benfica 3 - 0 Guimarães
25-19, 25-20, 25-15

Mais um triunfo, e no segundo dia consecutivo - em modalidades diferentes -, nova vitória por 3-0 ao Vitória de Guimarães!!!

Perder, mas deixar mais sinais positivos do que o adversário...


Benfica B 1 - 3 Sporting B

Não segui o jogo com atenção, mas daquilo que me apercebi - e tendo em conta as crónicas ao jogo -, tivemos o Benfica a assumir o jogo, e o adversário a jogar como qualquer equipa pequena, a apostar tudo no erro contrário... Como já comentei aqui antes, o Benfica B sem o André Almeida, sem o André Gomes - nos A's -, e com o Luciano castigado, fica mais fragilizado...
O objectivo das equipas B's é formar jogadores para os A's, algo que esta equipa do Benfica está a fazer - hoje jogámos com 4 Juniores -, e para isso temos que assumir os jogos, não é fazendo anti-jogo que os jogadores evoluem...
Como não vi o jogo todo, não deveria comentar o apitador - Hugo Pacheco -, mas parece que tivemos mais uma arbitragem 'frutada'!!! Aliás estes Lagartos B's tem sido levados ao colo desde da primeira jornada, só assim se explica a classificação, seria interessante comparar as estatísticas dos penalty's das duas equipas!!! Ainda por cima na semana onde os Corruptos B, voltaram a pontuar às custas do 'apito'!!!

A fórmula do sucesso

Considerações optmistas sobre a promessa de Vieira de 3+1+50.

Nós, os benfiquistas, vamos estar neste fim-de-semana muito atentos ao basquetebol. E os que não são benfiquistas, também. É certo que há uma jornada da Liga de futebol e o futebol é o desporto-rei, nada mais conta, nada mais consegue despertar o interesse das massas e dos noticiários para além do velho e fiável pontapé na bola. Mas este fim-de-semana vai ser diferente porque se dá início a um campeonato retórico especial, uma competição com quem ninguém sonhava e que vem abrilhantar as nossas discussões e, adivinha-se, dar asas a sonhos ou a pesadelos, conforme se posicionem os afectos da multidão.
O culpado desta novidade que promete animar a malta é Luís Filipe Vieira que na sexta-feira passada foi reeleito presidente do Benfica para os próximos quatro anos. Vieira prometeu aos benfiquistas 3 campeonatos de futebol, 1 final europeia de futebol e 50 títulos nas modalidades no espaço de uma olimpíada. Não precisaria de puxar desta fórmula de 3+1+50 para ganhar de largo as eleições a Rui Rangel porque o conservadorismo dos sócios do clube (na ressaca de tumultos passados) somado ao anúncio do fim da ligação com a Olivedesportos, para isso bastavam. Concluiu-se que Luís Filipe Vieira acredita convictamente que o seu Benfica vai recuperar em 4 anos a hegemonia perdida para o FC Porto nos primeiros 10 anos do seu consulado na Luz.
Será esse, portanto, o objectivo número 1 deste mandato de Luís Filipe Vieira como presidente do Benfica: o sucesso desportivo. Se o atingir, Vieira pode-se dar por feliz e os adeptos do Benfica também. Se ficar longe, o presidente do Benfica, que não é tolo, sabe bem o que terá de ouvir dos seus adversários externos e também dos seus adversários internos por se ter posto a jeito para remoques. Acreditemos, portanto, que tudo vai correr pelo melhor.
Comecemos já a fazer contas porque há muita coisa a conquistar em pouco tempo. E é, precisamente, por não haver tempo a perder que todos os benfiquistas (e os seus adversários) estão com os olhos postos na final da Supertaça de basquetebol que se disputa no domingo, em Almada, entre o Benfica e a Académica de Coimbra. É que já conta para os 3+1+50. E em caso de vitória ficamos com 3+1+49 o que sempre é um começo.
ERRAR É HUMANO
Um onze verdadeiramente imbatível
Correm serenos os dias da arbitragem. Em primeiro lugar porque o campeonato esteve interrompido durante duas semanas o que é uma grande ajuda. Em segundo lugar porque na jornada do último fim-de-semana, os resultados foram aquilo que se podem considerar “normais”. Os três da frente ganharam os seus respectivos jogos – que, à partida não eram nada fáceis – e o Sporting interrompeu uma série absurda de derrotas com um empate frente à Académica num jogo não menos absurdo. Tudo normal, portanto.
A única coisa que falhou no fim-de-semana foi a celebrada “ironia do costume” do presidente do FC Porto que festejou no fim do jogo com o Estoril o seu milésimo jogo na condição de líder do clube. Vieram jornalistas perguntar-lhe, muito a propósito, quem elegeria para o seu “onze” ideal ao cabo de tantos anos em funções e Pinto da Costa, sem grande esforço, lá desfiou boas memórias… Vítor Baía, na baliza, João Pinto a defesa-direito, etc…. Foi um exercício curioso de se ver mas ficou aquém da reputação de humorista do presidente do FC Porto. Giro, giro era se Pinto da Costa tivesse começado assim: Calheiros na baliza, Garrido a lateral-direito, Martins dos Santos e Augusto Duarte a centrais, etc…, etc…. Isso sim, isso é que era humor e fair-play.
POSITIVO
Golos de cá
De uma assentada, o Benfica livrou-se da fama de não ter marcadores de golos com cartão de cidadão da nossa república. Em Barcelos, Luisinho e André Gomes quebraram o enguiço patriótico.
Éder bomba
Início de época de sonha para Éder que o Braga foi buscar a Coimbra depois de ter vendido Lima ao Benfica. Para além de ter chegado à selecção, Éder, com 6 golos, lidera a tabela dos goleadores a par de Jackson Martínez.
NEGATIVO 
Lopes aflito
Nem ao pior inimigo se deseja aquilo por que Godinho Lopes está a passar neste seu mandato como presidente do Sporting, um desastre consumado do ponto de vista desportivo e político.
PÉROLA
“As pessoas é que pensam que entra o António, sai o Joaquim e pronto.”: JORGE JESUS
A análise do treinador do Benfica às prestações de Luisinho e de Ola John em Barcelos deixou muito boa gente perplexa. É sabido que Jesus não usa rodeios quando quer fazer passar uma mensagem mas no rescaldo da vitória sobre o Gil Vicente esteve particularmente inspirado."

3 golos, 3 pontos. Parece que é a receita!!!


Benfica 3 - 0 Guimarães

Vitória indiscutível, num jogo de um sentido só... mas com o Benfica a demonstrar um estranho sintoma!!! Muitas vezes as equipas parecem que têm medo em rematar, e depois complicam o fácil, esta noite, principalmente na 1ª parte, o Benfica demonstrou um estranho receio, em cruzar a bola para a área!!! Sendo que o Salvio foi um dos principais culpados, complicando sempre que possível!!! E quando a bola foi para a área, sem grandes 'reviengas', foi golo!!!

Se o Maxi tem subido de forma, o Salvio para mim tem vindo a baixar de rendimento... os Centrais tiveram bem, o Matic voltou a fazer um excelente jogo, o Carlos Martins estava a ser um dos jogadores mais esclarecidos em campo... O Cardozo e o Lima estão a entender-se muito bem, sendo que o Lima quando sai da zona da finalização, perde eficiência na definição das jogadas. O Luisinho mostrou hoje as suas qualidades e as suas insuficiências, teve 3 erros graves, que só não foram mais notórios porque o Artur 'salvou-o'!!! O Ola John esteve nos 3 golos, mesmo assim voltou a levar o Jesus ao 'limite', quando denota medo nas disputas de bola... melhorou na 2ª parte, quando ficou mais solto, e apareceu em zonas diferentes - quando o Luisinho sobe, o Ola deve sair da linha, e ocupar a 'meia', ou vice-versa... tal como acontece com o Maxi e o Salvio no outro lado -, mas os arranques, e os passes não enganam - bola sempre redondinha: à Barça!!! -, tem tudo para ser um grande jogador... O André Gomes teve hoje os seus primeiros minutos na Luz, tem muita qualidade, mas falta-lhe velocidade na tomada de decisões, antes de receber a bola tem que saber o que vai fazer, na zona onde joga não pode perder a bola... O Bruno César voltou a entrar mal, é verdade que o ano passado o Bruno rendeu mais, jogando na Direita, quando jogou na esquerda ou no meio, nunca convenceu, e este ano com o Salvio na equipa tem sido obrigado a jogar 'longe' da sua melhor posição, mas tem que demonstrar mais empenho... O Nico entrou para o Circo, espero que na Quarta, na Champions, tenha a cabeça no sítio, como é habitual nos jogos Europeus!!!

PS: Sem o Matic - amarelo absurdo em Moscovo -, na Quarta com o Spartak, eu apostava no André Almeida, acho que uma dupla André Gomes, Enzo é muito 'soft'!!! O Almeida é mais agressivo do que o Gomes, e está rotinado a jogar a '6'...

Adenda: Não gosto, e nunca gostei dos Olés (!!!), acho que são uma falta de respeito... Mas ontem na Luz, aconteceu uma rara excepção!!! Para quem não esteve no Estádio pode não se ter apercebido, mas os Olés não foram para os jogadores do Vitória, os Olés tiveram como destinatários os Animais que ontem estiveram na Jaula!!! Que a perder 3-0, e com o Benfica a jogar com menos 1, resolveram começar a entoar cânticos ofensivos ao Benfica...!!!

Vitória em Gaia


Gulpilhares 2 - 7 Benfica

Começamos a perder, mas até acabou por ser um jogo bem controlado...

Amanhã temos mais uma partida...


Benfica 3 - 0 Vilacondense
25-19, 25-16, 25-17

Estou a gostar dos nossos jogos, em relação à época anterior, noto uma maior rotação do plantel, algo que poderá ser muito importante na parte decisiva desta época... Amanhã temos jogo com o Guimarães. Só estranho a hora da partida, já que temos a equipa B, e o Basket a jogar ao mesmo tempo...!!!

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Parabéns Cosme !!!


Cosme Damião - nascido a 2 de Novembro de 1885 - foi um dos co-fundadores do Sport Lisboa e Benfica, foi numa das fases mais criticas da nossa História, o principal impulsionador da nossa instituição - evitando assim o nosso fim precoce -, demonstrando sempre uma enorme dedicação à causa Benfiquista. Defendeu sempre os nossos princípios fundadores, mesmo quando desportivamente não seria o mais conveniente. A humildade e altruísmo também fazem parte da grande herança do Cosme...
A realidade desportiva de hoje, é completamente diferente - profissionalismo/amadorismo -, mesmo assim o Benfica de hoje, mantém na sua essência muito daquilo que Cosme - e muitos outros... -, defendia para o Clube, mas tentar comparar posições ideológicas - ou políticas -, é um exercício muito perigoso. Os tempos são outros.
Nos últimos anos temos assistido a um saudável revivalismo Histórico no Benfica, com todos os notáveis feitos em equipa ou no individual, executados em nome do Benfica, a serem exaltados, o pecado aqui, seria ignorar o passado. Não interessa se os registos históricos sejam em recortes de Jornais que já não existem, ou na Net, não interessa se as imagens são a Preto e Branco, ou se são em Alta Definição, os Benfiquistas têm a obrigação de se orgulharem de todas as nossas vitórias: dentro e fora do campo, as de hoje e as de ontem. Se os outros não o fazem, o problema é deles...
Agora, o passado do Benfica, pertence ao Benfica, a todos os Benfiquistas, não é propriedade de nenhum grupo, ou tendência. A utilização do Cosme como arma de arremesso política, é por definição, uma traição à própria herança do Cosme. O Cosme não nos deixou discursos com boas intenções, preferiu deixar as suas acções falarem por ele. A liderança através do exemplo é o método mais eficaz e honesto... E se hoje temos uma Clube com uma tradição verdadeiramente Democrática - e respeitadora -, muito devemos ao Cosme, que tanto fez pelo Clube, que inclusive até chegou a 'perder' eleições, mas acabou por nunca 'perder' o Benfica!!!

O Sporting faz muita falta

"O desafio do Sporting não é o de começar de novo, mas sim o de não acabar de vez. Esse é o drama de milhões de sportinguistas, e de outros como eu, que defendem um Sporting vivo e autónomo, com capacidade para disputar competições e servido por dirigentes com nível. O que se assistiu até agora foi o desaparecimento de um grande clube, mas aquilo que estamos a assistir já é ao desaparecimento do clube. É muito mau para o desporto, é péssimo para Portugal que assim seja. A rivalidade não pode cegar os adeptos, o Sporting faz muita fala. Posso até ser o único benfiquista a defendê-lo, mas gostava de ver o velho Sporting de volta.
Em Barcelos o Benfica deixou perto de uma apoplexia aqueles que viram a equipa inicial. Eu fiquei lívido. Com jogadores castigados e outros lesionados, Jorge Jesus teve a coragem de mesmo assim ainda alterar algumas peças mais habituais. Arriscou e ganhou. Sem Luisão, foi com Luisinho! Eu sou como Eurípedes para quem a coragem era a prudência. Mas Mark Twain também dizia que um homem com uma ideia novo era um louco até essa ideia triunfar. Mais importante do que a vitória, foram as declarações no final da partida em que Jorge Jesus mostrou não se inebriar por manchetes de jornais nem por heróis feitos à pressa.
Os mesmos que elogiam hoje um jogo conseguido de um jovem jogador serão os que dirão não haver maturidade no dia em que algum falhasse. É assim no futebol.
Amanhã contra o V. Guimarães é preciso manter a ambição para não permitir surpresas aos de Rui Vitória. Parece que há alguns jogadores recuperados e aumentam as soluções.
Na próxima semana voltamos a Guimarães, à freguesia de Moreira de Cónegos, para tentar continuar na Taça. Hoje com verdade alguém consegue dizer que seria mais difícil ir a Alvalade que a Moreira de Cónegos? Estamos ainda a cinco degraus do topo da escada do Jamor. Este é o próximo."

Sílvio Cervan, in A Bola

Rescaldo das eleições


"O nosso Benfica foi a eleições e cumpriu-se a tradição democrática. Destas eleições gostaria de salientar alguns aspectos.
Uma primeira abordagem prende-se com o papel das redes sociais da internet nestas eleições. O tema é muito vasto e não se esgota em poucas linhas, mas será importante que futuros candidatos percebam a real dimensão deste fenómeno sem o sub ou sobrevalorizarem. Há, de facto, uma evidente diferença entre a sensibilidade benfiquista presente no mundo “virtual” da internet e no mundo real. Não perceber a real dimensão deste fenómeno pode levar, como se viu em alguns momentos por parte do candidato Rui Rangel, a discursos equívocos, baseados numa percepção completamente iludida da realidade. No entanto, não perceber que, independentemente de serem minoritárias, há vozes críticas bastante válidas no meio do ruído pode levar a que se cometa o erro de ficar autista perante opiniões bem interessantes e pertinentes.
Num outro plano, registo que a campanha eleitoral resvalou muitas vezes para campos que ultrapassaram o bom senso. Ainda assim, teve vários méritos. Um deles, talvez o maior, foi ter precipitado o anúncio de que a recém-eleita Direcção do Benfica vai procurar caminhos diferentes do actual no que concerne à cedência dos direitos televisivos. Há muito que defendo, perante diferentes assembleias, que há vida para além da Olivedesportos. A decisão teria de ser uma decisão em função da política desportiva, mesmo que, hipoteticamente, esta se sobreponha à razão da política financeira. Luís Filipe Vieira percebeu que esta decisão maioritariamente apoiada pelos sócios e adeptos poderá vir a ser a pedra angular da futura relação do Benfica com os poderes instituídos no futebol português. Preparemo-nos para que esta decisão abale alguns alicerces apodrecidos do ‘bas-fond’ do nosso futebol e saibamos reagir perante os golpes baixos que se adivinham como represália. Esta reacção só será eficaz se soubermos estar unidos na defesa do Benfica."

Pedro F. Ferreira, in O Benfica

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Complicado


Benfica 70 - 66 Algés
16-10, 20-20, 17-18, 17-18 

Depois do jogo na Madeira, este foi o 2º jogo 'apertado' da época... Na pré-época, tendo em conta o nosso orçamento e os planteis dos adversários, muito estariam à espera de 'capotes' em todos os jogos, mas  o jogo de hoje prova que o Benfica não vai vencer jogos antecipadamente.
Tal como hoje, vamos encontrar, sempre: equipas super-motivadas - então se tiverem ex-jogadores do Benfica!!! -; e tal como hoje, vamos encontrar equipas que com poucas armas no jogo interior, vão apostar em defesas à zona, e em muita mobilidade no ataque, obrigando o Benfica a mudar o plano de jogo normal...!!! Com o Benfica a atacar mal, a zona adversária - apostando tudo nos triplos, com uma percentagem baixíssima -, e a retirar os Postes do jogo, deixando o Doliboa 'sozinho' a fazer os 40 minutos, corremos o risco sério de não ganhar este jogo... 

Invictos


Sp. Caldas 0 - 3 Benfica
11-25, 14-25, 15-25

Sem forçar, a rodar todo o plantel, mantendo a invencibilidade...

Um fiscal de linha de fora dos prémios

"Bem faria Maicon em dividir o Dragão de Ouro com o fiscal de linha Ricardo Santos, em sinal de respeito pela justiça e pelos direitos de autor ficava cada um com metade do troféu

QUALQUER centrocampista que entrasse agora na equipa do Benfica arriscava-se a ser considerado genial. Foi isto o que tive de ouvir assim que André Gomes marcou o terceiro dos três golos com que o Benfica venceu tranquilamente o Gil Vicente e o seu segundo golo nos dois jogos consecutivos em que alinhou pela equipa principal: em Freamunde, para a Taça de Portugal, e em Barcelos, para o campeonato.
Entende-se o remoque. O Benfica andou a jogar com falta de material no meio do campo desde que Javi Garcia e Axel Witsel se foram embora e desde que Carlos Martins e Pablo Aimar encostaram no estaleiro. Foram muitos jogos assim. Com Matic a desdobrar-se em vários papéis e com Enzo Pérez às aranhas tentando segurar toda uma zona vastíssima que não é genuinamente a sua.
Talvez um dia, mais tarde - e era bom que assim acontecesse - venha André Gomes, já feito uma vedeta do panorama internacional, recordar que teve as suas primeiras oportunidades no Benfica beneficiando de um momento raro de sorte na carreira de um jovem talento nacional sem espaço para se afirmar.
-Tive a sorte de estar no Benfica quando a equipa perdeu todos os seus centrocampistas de uma penada! - poderá dizer um dia, quem sabe?
A verdade é que André Gomes beneficiou do agravamento dessas circunstâncias e agarrou muitíssimo bem as duas oportunidades que lhe foram concedidas por Jorge Jesus. Os factos do presente provam até que o jovem Gomes, que tem 19 anos, nem sequer precisou de «tempo de adaptação». Entrou e fez logo dois golos, um em cada jogo. O que se pode pedir mais a um miúdo?

LUÍS FILIPE VIEIRA vai ser o presidente do Benfica nos próximos quatro anos e estabeleceu para si próprio uma agenda ambiciosa no plano desportivo e no plano político.
Pode-se dizer que a agenda desportiva do presidente do Benfica - 3 campeonatos, 1 final europeia e 50 títulos nas modalidades - não causou qualquer tipo de apreensão ao rival FC Porto. O dragão não vê motivos para descrer da longevidade dos princípios que lhe têm garantido o domínio no campo dos resultados.
Sem a ironia do costume (não sei se repararam...), o presidente do FC Porto limitou-se a dizer que não queria comentar as promessas do presidente do Benfica porque não era pessoa de fazer promessas. O que não é bem verdade. Ainda há coisa de três anos ouvimos Pinto da Costa prometer um título a José Maria Pedroto e, mais recentemente, ouvimo-lo garantir que Hulk não sairia do clube por valores abaixo da cláusula de rescisão de 100 milhões de euros.
Também para Maicon as promessas de sucesso desportivo do presidente do Benfica pouco ou nenhum significado têm. O jogador brasileiro foi agraciado na noite de segunda-feira com um Dragão de Ouro por ter sido considerado o «futebolista do ano», distinção que só se justifica, num ano em que Hulk foi rei e senhor, pelo facto de Maicon ter marcado ao Benfica aquele golo que lançou o FC Porto para a revalidação do título. E se a razão foi essa, como parece, bem faria Maicon em dividir o Dragão de Ouro com o fiscal-de-linha Ricardo Santos, em sinal de respeito pela justiça e pelos direitos de autor ficava cada um com metade do troféu.
Maicon também se pronunciou sobre a tal promessa de Vieira dos 3 campeonatos em 4 anos sem se mostrar impressionado. Disse o jogador que, pela parte dele, iria fazer tudo para ajudar o FC Porto a ganhar 4 campeonatos em 4 anos, o que faz todo o sentido.
A agenda política de Vieira não viria, no entanto, a suscitar qualquer tipo de reacção por parte dos rivais. O presidente do Benfica anunciou a 48 horas da sua reeleição que o contracto de concessão de direitos televisivos com a Olivedesportos não iria ser renovado. Esta vai ser uma questão fulcral do mandato de Vieira. Os benfiquistas e os outros todos que não são benfiquistas aguardam com muito interesse pela evolução deste extraordinário acontecimento. E sobre o assunto o silêncio já pesa. Aguardemos.

O ministro-adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas foi um dos convidados da gala dos Dragões de Ouro. Lá esteve sentado na primeira fila da plateia, em lugar de destaque entre a nomenclatura, aparentado boa disposição. Pode pôr mais esta no seu currículo.
Falta só saber quantas equivalências para licenciatura, no curso superior, ganhou Miguel Relvas com a sua presença atenta no Coliseu do Porto. E já agora, falta saber o nome do curso.

RESPEITEM-SE sempre os critérios dos árbitros, mas a expulsão de Enzo Pérez em Barcelos não cabe na cabeça de ninguém. Nem meio-cartão amarelo fizeram por merecer as duas faltas que somadas haveriam de ditar a expulsão do extremo argentino. Ou do médio argentino, como preferirem.
O Benfica já ganhava por 3-0 e da decisão do árbitro não veio mal ao mundo, ainda bem. Menos um mau assunto para as discussões. E mais mais uma vez ressaltou a grande evidência: se o Benfica resolver em campo, em bom tempo e com golos os problemas com os adversários, difícil será que venha um árbitro com critérios ou sem critérios estragar-lhe o jogo e o resultado.
No fundo, trata-se de jogar à bola.

NA época passada, o Benfica foi eliminado de maneira muito parva e displicente da Taça de Portugal perdendo com o Marítimo, um jogo em que ganhava ao intervalo, logo nas primeiras andadas da prova. Que não se repita a brincadeira agora no jogo com o Moreirense, é o que todos os benfiquistas desejam.
A Taça de Portugal é uma competição muito bonita e antiga, obrigatória de respeitar. Foi difícil não detectar, na segunda-feira, a onda absurda de optimismo que varreu os espíritos dos nossos adeptos assim que se soube ser o Moreirense o próximo adversário do Benfica na corrente edição da Taça de Portugal.
Estou contra. A ideia peregrina de que o Moreirense que eliminou o Sporting será uma presa fácil para o Benfica «porque sim» está instalada entre os das nossas cores. Desenganem-se. Ao contrário do que se possa pensar, em prol do prazer puro e mesquinho da rivalidade, o Benfica não vai entrar em Moreira de Cónegos já a ganhar o jogo só porque o Sporting lá se perdeu na mesma prova.
Este ano gostava de ir ao Jamor.

LÊ-SE nos jornais que o presidente do Sporting, no âmbito das medidas de reestruturação que está a tomar, convidou Luís Figo (esse mesmo!) para ingressar no clube de modo a poder atrair com o seu nome os capitais dos investidores que fazem tanta falta em Alvalade e um pouco por toda a parte. Noutros jornais lê-se que o convite feito a Luís Figo vai no sentido da colaboração do ex-jogador com o projecto de expansão internacional da Academia do Sporting.
Nada leva a crer que Figo não fosse de grande utilidade para o Sporting quer numa área quer na outra. De todo o universo do Sporting, Luís Figo, hoje um reputado dirigente do poderoso Inter Milão, é, sem qualquer espécie de dúvida, o único rosto carismático leonino em acção que garante o respeito devido a uma enorme figura nacional e internacional.
Melhor ideia do que esta ideia que o presidente Godinho Lopes teve ao convidar Figo para atrair capital ou para formar jovens talvez fosse convidá-lo para presidente. Ou não?"

Leonor Pinhão, in A Bola

A 'Refundação Televisiva'

"Hoje, 1 de Novembro, todos-os-pecadores usufruem do direito ao descanso no último feriado do Dia de Todos-os-Santos.
Pondo de lado os direitos celestiais, este meu pontapé-de-saída tem mais a ver com outros direitos bem terrenos. Se ontem falei da poupança, hoje trato da cobrança. De uma cobrança sui generis.
Refiro-me a essa anomalia de, em tempos de globalização e louvaminhas à concorrência, haver, em Portugal, um monopsónio relativo aos direitos televisivos dos jogos de futebol. Durante muito tempo, assim se foi forjando uma teia de um sistema que tudo veio condicionando (e por aqui me fico...), de uma prática de «regime parabancário» que adiantando fundos aos clubes em estado de necessidade os colonizou e amordaçou e de uma ironia jamais desmentida de certos contratos indexados ao maior, o do SLB.
Por isso, saúdo a decisão corajosa e verdadeiramente fracturante do sistema anunciada pelo presidente do Benfica de cortar com este estado de coisas e ir ao coração do sistema (embora não tenha apreciado ter sido usada como arma eleitoral, pois mandam as boas práticas que, em período eleitoral, o candidato incumbente de limite à mera gestão corrente!).
Não se conhecem os detalhes do que se vai seguir, mas com esta medida vai revolucionar-se o futebol luso. Será no curto prazo e em tempo de crise económica, uma decisão de alto risco. Estamos a falar de 15 jogos da Liga e mais uns poucos que terão que render uns largos milhões de euros. Tarefa ciclópica. Mas, a médio prazo, esta refundação dos direitos televisivos será uma aposta ganha, espero. Pelo meu clube e pela verdade desportiva."

Bagão Félix, in A Bola

A coragem de JJ

"Jorge Jesus entrou no relvado de Barcelos, onde estava obrigado a ganhar, com três estreantes absolutos na 1.ª Liga (Luisinho, André Gomes e Ola John). Isto define a coragem de um treinador.
Jesus faz no Benfica o que treinadores como Ferguson ou Mourinho fazem nos maiores clubes europeus: lançar novos valores em jogos de risco.
A grande diferença é que, enquanto os outros podem depois conservar as estrelas, o Benfica tem de as vender, por razões de sobrevivência económica. Imagine-se o que seria se Jesus tivesse hoje à disposição Ramires, Di María, David Luiz, Javi García, Fábio Coentrão e Witsel. Aí, sim, poderia sonhar com uma final europeia.
Mas isto mostra que há agora no Benfica um rumo, uma orientação, o que só é possível com tempo e tranquilidade. Muito mais importante que conquistar um campeonato ou uma taça, é hoje consolidar esta estratégia.
Passando a notas individuais, Luisinho é um excelente jogador. Já tinha reparado nele: tecnicamente bom, seguro a defender, rápido a subir. André Gomes ainda não tem ritmo de 1.ª Liga, perdeu várias bolas em zona proibida, mas tem um invulgar sentido posicional. Está sempre no lugar certo. Ola John está muito verde. Pode jogar contra adversários macios, mas a alto nível é um risco enorme.
Lima é hoje o melhor avançado do Benfica. Disse-o quando ainda não era titular e tem-se visto. Uma nota triste: depois de S. Petersburgo, Rodrigo nunca mais foi o mesmo. Perdeu o seu principal trunfo, a capacidade de explosão, e é hoje um jogador quase vulgar. “Bruto” Alves deveria ter esse peso na consciência."