Últimas indefectivações

terça-feira, 23 de maio de 2017

Este titulo é grito de Vitória

"Arregimentou a esmagadora maioria do universo benfiquista: em dois anos ganhou o mesmo que o antecessor em cinco.

Ponto final, disputou-se no fim de semana a última jornada do Campeonato 2016/17 sendo já ténue a poeirada que durante meses lhe lançaram para cima com o evidente propósito de perturbar a campanha e o desempenho do candidato mais forte, o Benfica, o qual, como ficou demonstrado, cedo se apoderou da liderança e transpôs a meta em primeiro lugar com o à-vontade de quem foi mais competente ao longo das 34 jornadas.
Assim sendo: Benfica, campeão nacional pela 36.ª vez, com 82 pontos, menos seis do que na temporada anterior, mas, mesmo assim, revelando extraordinária arte na ampliação da vantagem para os mais próximos perseguidores, ao ponto de ter realizado a festa na penúltima ronda, prova do valor e do mérito que jamais foram contrariados no único local onde os mais fortes costumam sobrepor-se aos mais fracos, o recinto de jogo.
FC Porto, segundo classificado com menos seis pontos, o que representa uma melhoria significativa em relação à época passada, saltando da 3.ª para a 2.ª posição e reduzindo em nove pontos a diferença para o líder.
Sporting, terceiro, com menos 12 pontos, quebra pronunciada em comparação com o primeiro ano de Jesus em Alvalade. Deixou-se ultrapassar pelos portistas na classificação e na contagem final regista substancial atraso para o campeão, passando de dois para doze pontos. Falhou a entrada directa na Liga dos Campeões.
Rui Vitória é o melhor treinador bicampeão de sempre no futebol português, escreveu o jornalista Miguel Cardoso Pereira no Tema do Dia (edição de A Bola de anteontem).
Suplantou, com os 170 pontos alcançados (88+82), a marca de José Mourinho (168) nas épocas douradas do FC Porto em 2002/03 e 2003/04, em que o special one, exactamente por ser muito, muito especial, aos dois títulos nacionais acrescentou uma Taça UEFA em 2003 (vitória sobre o Celtic (3-2) na final de Sevilha) e uma Liga dos Campeões no ano seguinte (vitória sobre o Mónaco (3-0) na final de Gelsenkirchen).
Esta ligação a Mourinho talvez seja premonitória, embora sugerida por mero exercício jornalístico que nenhuma conclusão autoriza. A não ser a curiosidade suscitada pelos números, sendo certo, porém, que esta conquista benfiquista, tendo sido de todos, em obediência à valorização do esforço colectivo, foi, essencialmente, de Rui Vitória. Por via da elegância, da seriedade e do conhecimento conseguiu dar a resposta mais poderosa e demolidora não a quem, como é natural, se interrogou sobre se o seu perfil lhe permitiria ter sucesso no exercício de ingrata e exigente função em emblema de tamanha dimensão, mas, em concreto, a horda agourenta que o massacrou sem descanso, como se ele carregasse todos os defeitos do mundo.
Bater em Vitória tornou-se uma moda que depressa se expandiu, como na altura escrevi, mas foi capaz de resistir. Primeiro pelo sofrimento em silêncio, que não deve ter sido nada fácil. Enquanto lhe faltaram resultados para contrapor, ouviu e calou. Só depois e treinador do Benfica começou a reclamar território e a impor a sua autoridade até à plena afirmação pela força do trabalho. Deixou os cavaleiros da desgraça pregar na imensidão do deserto e, provavelmente por sugestão de Luís Filipe Vieira, expressa em intervenção recente numa das Casas do Benfica, passou a «dar pouca conversa a quem pouco importa».
Portanto:
1. No Benfica continua a desenvolver-se um projecto consistente e grandioso. Há estabilidade e a certeza de que o futuro já não depende de um triunfo, nem sequer de um título. Vitória é um homem do povo e esse traço de personalidade foi a sua arma mais certeira no combate aos artífices da maledicência. Através de uma simplicidade natural arregimentou a esmagadora maioria do universo benfiquista: mais vale apoiar quem promete pouco e dá muito do que acreditar em quem promete muito e dá pouco, ou a diferença entre quem ganha em dois anos o mesmo que o antecessor em cinco.
2. No FC Porto, que melhorou significativamente com Nuno Espírito Santo, o presidente, cada vez mais isolado, cometeu um pecado capital ao colocar o treinador à frente de pelotão de fuzilamento para tentar adiar o inevitável. O dragão vai ter entrada directa na Liga dos Campeões e isso deve-se a Espírito Santo, apesar de repetidamente escaqueirado pela ala mais intelectual dos críticos do Bolhão. O treinador caiu, e o presidente, ao não protegê-lo, fica também ele mais perto da porta de saída.
3. No Sporting, a grande dúvida reside em saber se o presidente controla ou não o que está em causa. Bruno de Carvalho talvez deva distanciar-se de algumas influências e convencer-se de que não haverá quem lhe valha em caso de temporal que traga inundações e trovoadas. Para já, o treinador, ao projectar a terceira época a terceira época, diz que é preciso arranjar condições para «estar ao nível dos rivais». Mais ainda?..."

Fernando Guerra, in A Bola

O balanço na balança

"Acho que esta época o ruído atingiu decibéis a mais. Foi muito mais feio do que o habitual.

E, tal como começou, terminou. Chegámos ao fim de mais uma época. Mais um recheada de estórias e histórias. De momentos altos e baixos. De memórias inesquecíveis e de outras para esquecer. Cada um terá a sua visão sobre este último campeonato, como é óbvio. Tal como eu tenho a minha. Como é óbvio.
O que vos posso dizer? Acho sinceramente que, desta vez, o ruído atingiu decibéis a mais. Foi muito mais feio do que o habitual. Ora estratégico e planeado, ora espontâneo e impulsivo, mas sempre audível. A consequência? Apenas uma: perdeu o futebol. Quando a polémica fora do campo vence a qualidade técnica dos jogadores, quando a guerrilha verbal ganha, em audiências, ao talento individual dos craques, quando as acusações e insinuações ensombram o brilho dos actores de verdade, o futebol perde sempre.
Perde porque as emoções negativas são uma espécie de vírus da gripo. Contagiam com facilidade. E arrastam para essa febre novos e velhos, miúdos e graúdos, iletrados e doutorados. Na mansão ou na barraca, na metrópole ou na aldeia. Não há escapatória possível.
Culpados? Se calhar, somos todos. Culpados são os que nunca pisaram um relvado, nunca sentiram na pele as vivências do jogo jogado, nunca calçaram umas botas de futebol e pensam saber mais de bola do que profissionais com décadas de experiência. Culpados são os funcionários agora promovidos a protagonistas que não olham a meios para atingir os seus fins. Ainda que o caminho que percorram faça tábua rasa do código deontológico a que eticamente estão sujeitos. Culpados são os que lhes dão voz. Os que chamam jornalismo ao incêndio e notícia aos pirómanos. E são também as redes sociais, os blogs e os sites que lhes abrem espaço a uma criatividade sem limites. Culpados são alguns dos intervenientes directos no jogo. Que nem sempre são tão profissionais quanto podiam nem tão competentes como deviam. Culpados são alguns dos avençados que fazem do seu tempo de antena nacional um espectáculo execrável, convencidos que têm graça quando há muito caíram em desgraça. Culpados são os que, durante parte da época, não fizeram nada quando se esperava que fizessem muito. Culpados são aqueles que aceitaram, a qualquer preço, serem reis num país onde não é a monarquia quem dia as regras.
Bem, mas certo, certo é que as coisas entretanto mudaram. As estruturas que gerem o futebol - indiscutivelmente competentes - estão agora mais do que nunca empenhadas em combater a violência, em melhorar a arbitragem, em valorizar o espectáculo e em torná-lo num lugar mais seguro. Estão a caminho fortes medidas disciplinares, maior transparência na arbitragem, reforço inevitável do policiamento e a corajosa entrada em cena do Videoárbitro. O poder político parece também ter percebido, finalmente, que a expressão «apelo ao fair play» é bem inócua do que a velhinha «errar é humano». E deve vir dali um aperto penal a quem não souber estar no futebol. Nem tudo foi mau. Mas caramba... somos tão mais do que isto."

Duarte Gomes, in A Bola

É impossível não chorar contigo, Tiago!

"Os festejos, entre os abraços. Saltos aos pares, trios. Quartetos. Quintetos. O sprint para o lado dos adeptos, que descem apressados os degraus, já de braços esticados. Os gritos, os cânticos. A explosão das bancadas. Os passou-bem aos desconhecidos, de outras famílias da mesma tribo. Mercury a deixar sair a canção eterna.
O espumante, um banho antes do banho. A tarde a continuar tarde, a noite a aguentar-se dia. Até despejar-se tudo. Um ano inteiro acumulado, recalcado.
Depois, o silêncio.
Ou os braços caídos, os olhos no chão. Lágrimas. A cabeça por cima dos pulsos, assentes em cima dos joelhos. Todos sentados na relva. Caneleiras na mão. As palmadas de consolação no pescoço, nas costas, de adversários ou companheiros aparentemente mais resistentes à desilusão. Os olhos a secarem-se, aos poucos. A resignação. As bancadas a esvaziar, sem olharem para trás. Injustas. Tão injustas.
O banho, sem palavras. Os frames a passar à frente dos olhos. Os ses em forma de slide, para quem sabe o que são slides, a consciência a apertar o botão para passar-se ao seguinte. Conversas de circunstância, enquanto se esconde a decepção num caixote no quarto-dos-fundos da memória.
Por fim, o silêncio. Chegará também.
O verão. Desligar da corrente. A praia, longe. A paz naquelas águas a deixar ver o fundo, absorventes. Ao lado, os rivais, agora de novo amigos antes de voltarem a ser rivais.
Os jornais. As manchetes e os 300 caracteres na última página, a uma coluna. As cachas jornalísticas. E as não-notícias, no meio das simples notícias. O telefone a tocar. Decidir atender ou deixar tocar. A silly-season.
A oportunidade.
A dispensa.
Ainda, silêncio, mas um preenchido, que não é para todos. Porque pior é o silêncio no meio do vazio. No meio do nada. E esse, é só para quem diz adeus de vez, entre as lágrimas que teimosamente não param de cair.
Francesco Totti. Xabi Alonso. Philipp Lahm.
O adeus será, aparentemente, definitivo. Já não haverá um depois. Foi apagado o recomeçar, a possibilidade de fazer restart, fosse depois da festa ou da tristeza. As chuteiras ficaram presas na parede, não se conseguem de lá arrancar. É um vazio que não se torna a encher, e que precisa de uma metadona qualquer, um substituto do vício até que desapareça. Uma carreira de treinador. Ou empresário. Dirigente.
E há algo que nunca desaparece. A tentação que os persegue de tocar numa bola a saltar do outro lado da estrada, que se esconde debaixo do encolher dos ombros. De uma irritação na pele.
Não conheço Totti. Ou Alonso. Mesmo Lahm. Ou melhor, conheço a classe, o talento, a personalidade em campo. Vibrei com muitos golos-em-verso do italiano, inúmeros passes de atirador-furtivo do espanhol e centenas de cortes eficazes do alemão. Acompanhei Francesco e Philipp nos seus clubes de sempre, tal como Alonso, desde a Real Sociedad. De Anoeta até o Arena. Se conheço essa sua parte, reconheço o quanto o futebol de que gosto fica mais pobre. Agora que este se começa a ir embora, ainda a olhar para trás, também sinto o vazio.
A Tiago também o conheço há muito tempo. Desde que deu o primeiro pontapé televisionado. Também o conheci finalmente em Majadahonda, há sete anos. Entrevistei-o, conversámos depois enquanto caminhávamos a caminho dos carros. Sempre gentil. Prestável. Humilde.
Se daquele futebol simples, racional, sempre maduro era impossível não ser fã e não achar que fazia sentido em todos os campos e em todas as equipas, da pessoa só podia continuar a dizer bem. A sentir que todas as peças encaixavam. Tinha estado com um dos grandes.
Sei que ele sabe que podia ter sido ainda maior, e podia. Mesmo assim, que carreira fantástica! De uma grandeza ímpar, ao alcance de poucos. Acredito que tenha sido o fim, quando o Calderón até se foi com ele.
O tempo não perdoa nem a quem o merece. O adeus, mesmo que seja apenas ao Atleti, foi duro. Demasiado duro, e não deixou ninguém indiferente. Há gente assim, a quem ficamos a querer sempre bem, mesmo que nunca mais nos cruzemos.
É impossível não chorar contigo, Tiago!"

Benfiquismo (CDLXXVII)

Faz hoje 56 anos que vestiu
pela primeira vez o Manto Sagrado...
... e logo com um 3 golos!!!

Alvorada...

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Lixívia 34

Tabela Anti-Lixívia
Benfica.......... 82 (-12) = 94
Corruptos..... 76 (+13) = 63
Sporting........ 70 (+12) = 58

Com o Campeão definido, tivemos uma última jornada tranquila (alguns cartões que podiam ter sido mostrados no Bessa e em Moreira de Cónegos)... só o último penalty a favor do Sporting me deixou muitas dúvidas. Mas sem influência no resultado...

Tempo de balanços... e nesta época, onde passámos todos os dias a ouvir falar de 'colinhos', 'Ligas Salazar' o afins, nada melhor do que os números: matematicamente cruéis, para os sem carácter:
Penalty's a favor:
Sporting - 13
Corruptos - 9
Benfica - 7
Expulsões a favor:
Corruptos - 9
Sporting - 2
Benfica - 1
Minutos em superioridade numérica:
Corruptos - 284'
Sporting - 100'
Benfica - 1'
Expulsões contra:
Sporting - 3
Corruptos - 3
Benfica - 2
Minutos em inferioridade numérica:
Benfica - 50'
Sporting - 26'
Corruptos - 5'

Bastante claro, só faltam os penalty's contra, onde realmente o Benfica só teve 1 (sem influência no resultado),
Só discordo de uma 'estatística': o minuto que o Benfica teve em superioridade numérica, aconteceu no Benfica 4 - 0 Tondela, onde o Central do Tondela, foi expulso, o árbitro marcou penalty, o Jonas marcou golo... e o jogo terminou, a bola nem sequer foi ao centro... Sendo assim, o Benfica acabou por não beneficiar da vantagem numérica!

Recordo, mais uma vez, que a última expulsão que beneficiou o Benfica, com impacto no resultado, em tempo útil, aconteceu, num Benfica 2 - 0 Braga, a 14 de Março de 2015...!!! O Judas ainda era o treinador do Benfica!!! Estávamos a caminho do 34... Bicampeonato!!! Rui Vitória, sendo Bicampeão pelo Benfica, ainda não fez um único jogo no campeonato, em superioridade numérica...!!! Deve ser um recorde do Guinness...!!!

Uma das formas mais desonestas de argumentar, é projectar nos outros, aquilo que os 'seus' fazem ou fizeram...! Os adeptos Corruptos (e os seus compadres...), recorrentemente afirmam ou insinuam que o Benfica actualmente ganha, porque controla as instituições (principalmente a arbitragem...), tal como os Corruptos o fizeram no passado.
Pois bem, os 'números' de penalty's e expulsões, desta época, são iguais (idênticos) às das últimas épocas... as épocas onde o Benfica ganhou...
Nunca, repito nunca, no auge do Sistema Dourado... (repito nunca), os Corruptos foram a equipa estatisticamente menos 'beneficiada' nos penalty's e expulsões!!! Bem pelo contrário, foram sempre a mais beneficiada... Neste caso os números não mentem...

E se formos ao pormenor, de identificar os momentos das decisões (penalty's e expulsões), como por exemplo, se o resultado estava em aberto, se a 'decisão' desbloqueou ou não o jogo, então nesse caso, a estatística ainda é mais desequilibrada, a favor dos Corruptos...
Isto não é um pressentimento, são estatísticas...

Aliás, se a lenga-lenga da Liga Salazar tivesse sido dita com alguma convicção, hoje, não teria sido anunciado o despedimento oficial do treinador dos Corruptos!

A partir de Domingo, vamos ter o vídeoárbitro! Apesar de sempre ter defendido o VAR, estou muito apreensivo... A coacção vai-se manter, talvez até aumentar... só que agora, provavelmente o alvo vão ser as carrinhas do VAR estacionadas fora do Estádio!!!!
Na NFL, por exemplo, para uniformizar o critério nas decisões do VAR, nas últimas duas épocas, todas as decisões são tomadas, na mesma sala, pelas mesmas pessoas, na sede da Liga (Nova Iorque), em todos os jogos... espero que se caminhe nesta direcção...
Estou curioso, para perceber duas situações especificas:
- o protocolo define que todos os golos vão ser analisados, a minha dúvida é perceber quantos segundos vão 'rebobinar' o filme do jogo... e se houver uma irregularidade 30 segundos antes?!!! Ou 2 minutos?!!!
- segunda dúvida, o protocolo define que o árbitro principal é que pede a ajuda do VAR... o que vai acontecer, quando acontecer um erro, o árbitro de campo não pede ajuda ao VAR, e o VAR vê o erro...!!! Vão deixar passar?!!! Ou depende...?!!!


Anexos:

Benfica
1.ª-Tondela(f), V(0-2), Pinheiro, Nada a assinalar
2.ª-Setúbal(c), E(1-1), Oliveira, Prejudicados, (1-0), (-2 pontos)
3.ª-Nacional(f), V(1-3), Soares Dias, Nada a assinalar
4.ª-Arouca(f), V(1-2), Veríssimo, Prejudicados, (0-3), Sem influência no resultado
5.ª-Braga(c), V(3-1), Sousa, Prejudicados, (4-1), Sem influência no resultado
6.ª-Chaves(f), V(0-2), Martins, Prejudicados, (0-3), Sem influência no resultado
7.ª-Feirense(c), V(4-0), Luís Ferreira, Prejudicados, (5-0), Sem influência no resultado
8.ª-Belenenses(f), V(0-2), Hugo Miguel, Nada a assinalar
9.ª-Paços de Ferreira(c), V(3-0), Esteves, Nada a assinalar
10.ª-Corruptos(f), E(1-1), Soares Dias, Prejudicados, Impossível contabilizar
11.ª-Moreirense(c), V(3-0), Godinho, Prejudicados, Sem influência no resultado
12.ª-Marítimo(f), D(2-1), Vasco Santos, Prejudicados, (1-4), (-3 pontos)
13.ª-Sporting(c), V(2-1), Sousa, Prejudicados, Sem influência no resultado
14.ª-Estoril(f), V(0-1), Paixão, Prejudicados, (0-4), Sem influência no resultado
15.ª-Rio Ave(c), V(2-0), Rui Costa, Prejudicados, (5-0), Sem influência no resultado
16.ª-Guimarães(f), V(0-2), Almeida, Nada a assinalar
17.ª-Boavista(c), E(3-3), Luís Ferreira, Prejudicados, (3-0), (-2 pontos)
18.ª-Tondela(c), V(4-0), Esteves, Nada a assinalar
19.ª-Setúbal(f), D(1-0), Pinheiro, Prejudicados, (1-1), (-1 ponto)
20.ª-Nacional(c), V(3-0), Godinho, Prejudicados, Sem influência no resultado
21.ª-Arouca(c), V(3-0), Mota, Prejudicados, Sem influência no resultado
22.ª-Braga(f), V(0-1), Tiago Martins, Prejudicados, (0-4), Sem influência no resultado
23.ª-Chaves(c), V(3-1), Almeida, Prejudicados, Beneficiados, (3-2), Sem influência no resultado
24.ª-Feirense(f), V(0-1), Soares Dias, Nada a assinalar
25.ª-Belenenses(c), (4-0), Esteves, Prejudicados, Beneficiados, (4-0), Sem influência no resultado
26.ª-Paços de Ferreira(f), E(0-0), Pinheiro, Prejudicados, (0-1), (-2 pontos)
27.ª-Corruptos(c), E(1-1), Xistra, Prejudicados, Beneficiados, (2-1), (-2 pontos)
28.ª-Moreirense(f), V(0-1), Tiago Martins, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
29.ª-Marítimo(c), V(3-0), Almeida, Prejudicados, (4-0), Sem influência no resultado
30.ª-Sporting(f), E(1-1), Soares Dias, Prejudicados, (1-4), (-2 pontos)
31.ª-Estoril(c), V(2-1), Hugo Miguel, Nada a assinalar
32.ª-Rio Ave(f), V(0-1), Pinheiro, Beneficiados, Prejudicados, (1-2), Sem influência no resultado
33.ª-Guimarães(c), V(5-0), Sousa, Nada a assinalar
34.ª-Boavista(f), E(2-2), Almeida, Nada a assinalar

Sporting
1.ª-Marítimo(c), V(2-0), Nuno Pereira, Nada a assinalar
2.ª-Paços de Ferreira(f), V(0-1), Hugo Miguel, Beneficiados, Impossível contabilizar
3.ª-Corruptos(c), V(2-1), Martins, Beneficiados, (0-1), (+3 pontos)
4.ª-Moreirense(c), V(3-0), Almeida, Beneficiados, (2-0), Impossível contabilizar
5.ª-Rio Ave(f), D(3-1), Pinheiro, Nada a assinalar
6.ª-Estoril(c), V(4-2), Capela, Beneficiados, (4-3), Sem influência no resultado
7.ª-Guimarães(f), E(3-3), Soares Dias, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
8.ª-Tondela(c), E(1-1), Rui Costa, Beneficiados, (0-1), (+1 ponto)
9.ª-Nacional(f), E(0-0), Vasco Santos, Prejudicados, (0-1), (-2 pontos)
10.ª-Arouca(c), V(3-0), Xistra, Beneficiados, Impossível contabilizar
11.ª-Boavista(f), V(0-1), Veríssimo, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
12.ª-Setúbal(c), V(2-0), Rui Costa, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
13.ª-Benfica(f), D(2-1), Sousa, Beneficiados, Sem influência no resultado
14.ª-Braga(c), D(0-1), Hugo Miguel, Beneficiados, Sem influência no resultado
15.ª-Belenenses(f), D(0-1), Tiago Martins, Nada a assinalar
16.ª-Feirense(c), V(2-1), Esteves, Beneficiados, (1-2), (+3 pontos)
17.ª-Chaves(f), E(2-2), Almeida, Nada a assinalar
18.ª-Marítimo(f), E(2-2), Pinheiro, Prejudicados, (2-3), (-2 pontos)
19.ª-Paços de Ferreira(c), V(4-2), Veríssimo, Beneficiados, (3-2), Impossível contabilizar
20.ª-Corruptos(f), D(2-1), Hugo Miguel, Prejudicados, (1-1), (-1 ponto)
21.ª-Moreirense(f), V(2-3), Oliveira, Beneficiados, (2-2), (+2 pontos)
22.ª-Rio Ave(c), V(1-0), Esteves, Beneficiados, (0-0), (+2 pontos)
23.ª-Estoril(f), V(0-2), Rui Costa, Beneficiados, (0-1), Sem influência no resultado
24.ª-Guimarães(c), E(1-1), Sousa, Beneficiados, (1-2), (+1 ponto)
25.ª-Tondela(f), V(1-4), Paixão, Nada a assinalar
26.ª-Nacional(c), V(2-0), Jorge Ferreira, Nada a assinalar
27.ª-Arouca(f), V(1-2), Godinho, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
28.ª-Boavista(c), V(4-0), Mota, Nada a assinalar
29.ª-Setúbal(f), V(0-3), Pinheiro, Beneficiados, Impossível contabilizar
30.ª-Benfica(c), E(1-1), Soares Dias, Beneficiados, (1-4), (+1 ponto)
31.ª-Braga(f), V(2-3), Almeida, Nada a assinalar
32.ª-Belenenses(c), D(1-3), Paixão, Beneficiados, Sem influência no resultado
33.ª-Feirense(f), D(2-1), Vasco Santos, Beneficiados, Sem influência no resultado
34.ª-Chaves(c), V(4-1), Jorge Ferreira, Beneficiados, (3-1), Sem influência no resultado

Corruptos
1.ª-Rio Ave(f), V(1-3), Veríssimo, Nada a assinalar
2.ª-Estoril(c), V(1-0), Luís Ferreira, Prejudicados, Sem influência no resultado
3.ª-Sporting(f), D(2-1), Martins, Prejudicados, (0-1), (-3 pontos)
4.ª-Guimarães(c), V(3-0), Sousa, Nada a assinalar
5.ª-Tondela(f), E(0-0), Hugo Miguel, Beneficiados, (1-0), (+ 1 ponto)
6.ª-Boavista(c), V(3-1), Almeida, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
7.ª-Nacional(f), V(0-4), Rui Costa, Beneficiados, Sem influência no resultado
8.ª-Arouca(c), V(3-0), Manuel Mota, Nada a assinalar
9.ª-Setúbal(f), E(0-0), Pinheiro, Nada a assinalar
10.ª-Benfica(c), E(1-1), Soares Dias, Beneficiados, Impossível de contabilizar
11.ª-Belenenses(f), E(0-0), Oliveira, Beneficiados, (1-0), (+1 ponto)
12.ª-Braga(c), V(1-0), Xistra, Beneficiados, Sem influência no resultado
13.ª-Feirense(f), V(0-4), Luís Ferreira, Beneficiados, Impossível contabilizar
14.ª-Chaves(c), V(2-1), Vasco Santos, Beneficiados, (2-2), (+2 pontos)
15.ª-Marítimo(c), V(2-1), Esteves, Prejudicados, Sem influência no resultado
16.ª-Paços de Ferreira(f), E(0-0), Soares Dias, Beneficiados, (1-0), (+1 ponto)
17.ª-Moreirense(c), V(3-0), Veríssimo, Beneficiados, Sem influência no resultado
18.ª-Rio Ave(c), V(4-2), Sousa, Beneficiados, (0-2), (+3 pontos)
19.ª-Estoril(f), V(1-2), Oliveira, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
20.ª-Sporting(c), V(2-1), Hugo Miguel, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
21.ª-Guimarães(f), V(0-2), Xistra, Beneficiados, (1-2), Impossível contabilizar
22.ª-Tondela(c), V(4-0), Luís Ferreira, Beneficiados, (0-1), (+ 3 pontos)
23.ª-Boavista(f), V(0-1), Veríssimo, Beneficiados, Prejudicados, (1-1), (+2 pontos)
24.ª-Nacional(c), V(7-0), Paixão, Beneficiados, (6-0), Sem influência no resultado
25.ª-Arouca(f), V(0-4), Hugo Miguel, Nada a assinalar
26.ª-Setúbal(c), E(1-1), Oliveira, Beneficiados, Impossível contabilizar
27.ª-Benfica(f), E(1-1), Xistra, Beneficiados, Prejudicados, (2-1), (+1 ponto)
28.ª-Belenenses(c), (3-0), Veríssimo, Beneficiados, Impossível de contabilizar
29.ª-Braga(f), E(1-1), Hugo Miguel, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
30.ª-Feirense(c), (0-0), Rui Costa, Prejudicados, Beneficiados, (1-0), (-2 pontos)
31.ª-Chaves(f), V(0-2), Xistra, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
32.ª-Marítimo(c), E(1-1), Sousa, Beneficiados, Impossível contabilizar
33.ª-Paços de Ferreira(c), V(4-1), Beneficiados, Impossível contabilizar
34.ª-Moreirense(f), D(3-1), Veríssimo, Nada a assinalar

Jornadas anteriores:
1.ª jornada
2.ª jornada
3.ª jornada
4.ª jornada
5.ª jornada
6.ª jornada
7.ª jornada
8.ª jornada
9.ª jornada
10.ª jornada
11.ª jornada
12.ª jornada
13.ª jornada
14.ª jornada
15.ª jornada
16.ª jornada
17.ª jornada
18.ª jornada
19.ª jornada
20.ª jornada
21.ª jornada
22.ª jornada
23.ª jornada
24.ª jornada
25.ª jornada
26.ª jornada
27.ª jornada
28.ª jornada
29.ª jornada
30.ª jornada
31.ª jornada
32.ª jornada
33.ª jornada

Épocas anteriores:
2015-2016

Campeonato, o que foi e o que será...

"O futebol como o conhecíamos acabou ontem. No próximo domingo, no Jamor, começa a era do 'big brother' do apito.

Caiu o pano sobre mais uma edição do campeonato nacional e ninguém poderá queixar-se de falta de emoção. O título apenas ficou resolvido na penúltima jornada e a decisão da despromoção durou até ao derradeiro segundo. A edição 2016/17 da I Liga ficou também marcada pelo terrorismo verbal, que criou um clima crispado, contrário aos interesses do futebol. Porém, a necessidade que cada clube foi sentido de, por um lado, se justificar perante os seus adeptos e por outro tentar criar condições que pressionassem os árbitros, falou mais alto. Infelizmente não é crível que a próxima temporada traga, nesse particular, boas notícias, já que as vagas para a Champions vão diminuir e, por consequência, a pressão vai aumentar.
Ontem despedimo-nos do futebol, como o conhecemos desde sempre; no domingo a final da Taça trará já o vídeoárbitro e a próxima temporada será toda julgada com o auxílio do Big Brother do apito. Se bem que a polémica vá de certeza continuar, a verdade é que os erros passarão a ser menos frequentes e a suspeição sistemática poderá ser combatida com maior eficácia. Pode ser que os adeptos percebam que quanto mais os seus clubes falarem de problemas laterais, menos chegam ao cerne da questão. Tapar o sol com a peneira e atirar poeira para os olhos pode resultar pontualmente, mas acaba sempre por dar meu resultado.
Dois dos três candidatos crónicos ao título vão começar 2017/18 com um nó na garganta. O Sporting porque terminou a época com mais dúvidas do que certezas e sem que se perceba ainda muito bem quem vai mandar em quê, nem quais os meios que vão ser colocados à disposição de Jorge Jesus. Bruno de Carvalho, que já abdicou do Facebook, irá também abdicar de ir para o banco? Essa é apenas uma das muitas questões que se levantam em torno do clube de Alvalade.
Quanto ao FC Porto, que tinha hábitos recentes de vitória que estão a desvanecer-se, enfrenta problemas de fim de ciclo presidencial, complicados de resolver, a que se junta uma necessidade de fazer face ao fair play financeiro da UEFA que terá consequências na construção do plantel. Pinto da Costa já é abertamente contestado e por muito que os adeptos se sintam gratos pelo passado, começa a ser entendimento geral que é já tempo de preparar o futuro...

Fim da linha para Nuno no dragão?
«Agora é o momento de nos sentarmos, olharmo-nos nos olhos e ver o projecto»
Nuno Espírito Santo, treinador do FC Porto
O FC Porto terminou mais uma época sem títulos e o ambiente em torno da continuidade do treinador está carregado. Bem estariam os dragões se os problemas que os afligem se resolvessem com a mera mudança de técnico. Porém, é a saída mais fácil para uma SAD fragilizada e não surpreenderá se Nuno Espírito Santo for o bode expiatório de pecados essencialmente alheios.

ÁS
Vítor Oliveira
O Portimonense é o novo campeão nacional da II Liga, cereja no topo do bolo de uma temporada magnífica. E Vítor Oliveira, principal artífice do sucesso algarvio, já fez saber que vai continuar no Barlavento na próxima temporada, o que representa uma nuance importante numa carreira de treinador de sucesso

ÁS
Vicente de Moura
Perante as circunstâncias, a demissão era a única saída digna que restava ao antigo presidente do Comité Olímpico de Portugal. E o comandante não desiludiu quem se habitou a admirá-lo. Há momentos na vida em que, quem anda de espinha direita, não admite curvar-se perante a arbitrariedade e a prepotência.

ÁS
Cristiano Ronaldo
O português que já foi considerado quatro vezes pela FIFA melhor jogador do mundo conquistou mais um título importante ao sagrar-se ontem, em Málaga, campeão de Espanha. CR7 fica agora apenas dependente do que acontecer em Cardiff, na final da Champions, para poder subir ao Olimpo pela quinta vez.

Pepa e Petit
Ontem foi um dia particularmente bom para os treinadores Pepa, do Tomdela e Petit, do Moreirense. Contas feitas, as suas equipas mantiveram-se na I Liga e as suas ex-equipas, também. É que Pepa começou a época no Moreirense e Petit no Tondela. Depois, ambos foram engolidos pelo turbilhão de chicotadas psicológicas que assolou o futebol português e acabaram por 'trocar' de clube. Celebraram a dobrar, com os triunfos da tarde de ontem sobre FC Porto e SC Braga, respectivamente, porque ficam ligados a duas 'salvações' e a nenhum 'funeral'...

Venezuela, o futebol no meio da crise
Começou, na Coreia do Sul, o Mundial de sub-20 e as surpresas têm-se sucedido. Além da derroa de Portugal frente à Zâmbia, a prova ficou, até agora, marcada pelo triunfo da Venezuela sobre a Alemanha (2-0). Com o país nas ruas há 50 dias a protestar contra Maduro a 'vinotinto' deu uma alegria a um povo que sofre."

José Manuel Delgado, in A Bola

PS: O elogio a Vicente de Moura até pode ser politicamente correcto... Mas, como é que é possível que o antigo Presidente do COP, tenha estado ao lado de um atrasado mental, apoiando tudo, durante mais de 4 anos?! E não esteve calado...! Deu aval a tudo... e ainda promoveu ele próprio, comportamentos eticamente reprováveis, aliciando atletas de outros clubes...!!!

Aperitivo Genial...!!!

Capitão, na primeira pessoa...

Vitória e a estabilidade, reflexões à volta da Liga

"Mais do que falar da vitória do Benfica nesta Liga, é perceber o que as últimas Ligas nos têm proporcionado para aprender para a próxima época desportiva. Partindo do princípio que Benfica e Sporting mantêm os treinadores (FC Porto ainda não o confirmou, mas também não o tem de fazer já que o treinador tem contrato), o que retirar do que se tem passado?
Gerir e decidir a vencer é mais fácil do que gerir e decidir na derrota ou no não sucesso. A partir daqui, o Benfica encontra-se numa zona de conforto que apenas é modificada pela sede que as equipas que vencem mais vezes criam, tal como o Porto do penta o fazia. Sabemos que a vida tem ciclos e por isso, sabe-se que mais tarde ou mais cedo outra equipa aprenderá e conseguirá responder de forma mais eficiente às exigências que um campeonato tão longo cria. A questão é saber como é que neste caso o Benfica vai adiar essa mudança de ciclo ou como é que o Porto ou Sporting aparecerão novamente na lista dos campeões, considerando este aspecto importante: Porto não vence nada há quatro épocas e o Sporting foi campeão a última vez em 2001/02.
O que as últimas épocas nos têm ensinado é algo semelhante a isto: a escolha de um treinador é fundamental, o treinador tem um impacto fundamental no sucesso de um clube, mas mais do que estar a discutir quem é o mais importante, é perceber que um precisa do outro e vice-versa. E aqui o Porto tem escolhido vários treinadores que não eram maus (Paulo Fonseca mal apoiado internamente, Lopetegui não percebeu o que era treinar um clube ou o que era o Porto), mas percebe-se que as duas peças do puzzle (clube e treinador) muitas vezes não encaixavam.
O clube de Alvalade tem tido o dom de escolher bons treinadores nos últimos anos, mas existem vários aspectos que o têm impedido de atingir o sucesso. Com Leonardo Jardim estiveram na luta até bem próximo do fim e com um plantel mais curto que os rivais, mas mesmo assim não chegou para que os interesses internos fossem mais importantes para que a estabilidade fosse atingida. Marco Silva venceu uma Taça de Portugal mas mesmo isso não chegou para que o treinador não saísse a mal do clube. Jorge Jesus esteve bem próximo na época anterior, mas mais do que a má gestão do sucesso virtual que o Sporting ia possuindo com várias intervenções para o outro concorrente, o clube de Alvalade não soube – na minha opinião – colocar um travão naquilo que era as acções de um treinador mais experiente que o próprio clube.
No Benfica, percebe-se que mais do que andar a discutir os méritos de Jorge Jesus e Rui Vitória no tetra, há outros denominadores comuns no sucesso. Percebe-se sim, que com Rui Vitória há mais estabilidade entre aquilo que é o modo de estar da estrutura benfiquista através do seu presidente e do seu actual treinador. Que houve o cuidado de escolher um treinador, que para lá de ter qualidade na perspectiva do clube benfiquista, tinha a receptividade e interesses comuns em termos de gestão dos recursos humanos do clube. E isso traz estabilidade que gera mais probabilidades de sucesso. A partir daí, o ciclo é mais lógico.
Por fim, estabilidade na luta da descida. Duas equipas que descem tiveram três treinadores. Não há coincidências…"

Primeiro em tudo

"Benfica deve ser considerado o justo vencedor do campeonato da primeira Liga, ainda que isso nem sempre seja bem aceite pela sua concorrência mais directa.
Chegou ao fim mais um campeonato nacional de futebol, arduamente disputado ao longo de 34 jornadas e que teve um vencedor justo em todos os domínios do jogo.
Com efeito, o Benfica conseguiu a maior pontuação entre os 18 concorrentes, e é aí que começa verdadeiramente a vitória final. Depois, olhando para a classificação final verificamos que a equipa liderada por Rui Vitória somou o maior número de triunfos, 25, teve o maior número de golos marcados, 72, foi a defesa menos batida, 18 golos.
Os tetra-campeões nacionais terminaram a maior prova do calendário português com seis pontos de vantagem sobre o segundo classificado, o Futebol Clube do Porto, e 12 pontos sobre o seu tradicional rival lisboeta, o Sporting Clube de Portugal.
Não adianta, pois, tentar encontrar razões que pretendam contrariar a verdade dos números.
O Benfica comandou a classificação geral desde a quinta jornada, mantendo-se portanto no comando da mesma durante trinta jornadas consecutivas.
O triunfo de agora dos benfiquistas é sobretudo o resultado de um trabalho bem estruturado por pessoas competentes e atentas a todas as realidades. Mas seria injusto não colocar em plano de destaque duas figuras do universo encarnado, Luis Filipe Vieira e Rui Vitória.
O primeiro, porque teve a capacidade de saber interpretar a ambição dos seus adeptos adoptando medidas adequadas em todos os domínios e aparecendo apenas quando as circunstâncias assim o recomendavam.
O treinador, porque foi a pedra angular de uma estratégia que traçou um rumo e o manteve, sem desvios, até ao fim. O facto de ter sabido preservar o grupo sob seu comando, e conseguido mantê-lo coeso em todos os momentos, é, talvez, a sua maior virtude.
Por tudo isto o Benfica deve ser considerado o justo vencedor do campeonato da primeira Liga, ainda que isso nem sempre seja bem aceite pela sua concorrência mais directa."

Tetra com sotaque...

Benfiquismo (CDLXXVI)

Genial...

Nortada...

domingo, 21 de maio de 2017

Vitória, mas...

Benfica 90 - 81 Oliveirense
(2-0)
20-13, 17-13, 25-25, 28-30

Ganhámos, cumprimos a nossa obrigação, temos agora 3 jogos para vencer 1 !!!
Apesar do triunfo, não posso de chamar a atenção para alguns dados 'estranhíssimos'!!!! Para não dizer outra coisa:
O Benfica hoje marcou 4 lançamentos de 2 pontos, em 16 tentativas!!!! 25%... Mais uma vez, aquilo que nos safou foram os Triplos: 18/34, 53%. Além disto, fizemos 20 Turnovers, contra somente 8 da Oliveirense...!!! A Oliveirense lançou ao cesto 76 vezes, nós lançamos 50, um diferença de 26 lançamentos e mesmo assim ganhámos, com alguma vantagem... que só não foi maior, porque nos últimos 2 minutos, tivemos mais uma daquelas 'paragens cerebrais'!!!!
Por isso é que nos dias, onde os Triplos estão 'desafinados', perdemos!!!

PS1: Parabéns à Melanie Santos que voltou a sagrar-se Campeã Nacional de Triatlo, como era esperado...

PS2: Em Montemor-o-Velho realizou-se este fim-de-semana a primeira Taça do Mundo de Velocidade, de Canoagem, da temporada. Com os nossos Canoístas em destaque:
- Teresa Portela, com o Ouro no K1 200m
- O João Ribeiro, no K4 500m ganhou a Prata (Emanuel Silva, João Ribeiro, David Varela, David Fernandes), mas no K1 5000m, ganhou o Ouro, batendo por 0,220 o Fernando Pimenta...!
- A Joana Vasconcelos, fazendo dupla com a Francisca Laia, conseguiu 2 Pratas, no K2 200m, e no K2 500m
Excelentes resultados...

TetraGolos !!!




PS: Aproveitem, antes da PorkosTV 'cancelar' o vídeo!!!
O autor decidiu não 'considerar' os auto-golos!!!

Cair do pano

"Foi também esta 'comunidade' que ganhou o tetra. Uma família. Um colectivo que irradia felicidade.

1. (...)

2. (...)

3. Pelo que vi ontem o Estádio do Bessa não encheu. Acredito que os dirigentes do Boavista tudo fizeram para que as bancadas estivessem repletas. O que seria uma boa notícia para a sua tesouraria. 
Os jogadores do Boavista merecem um cumprimento bem especial pela louvável atitude que tiveram no arranque do jogo ao saudarem, de forma bem especial, os novos campeões nacionais. Os tetracampeões nacionais. E a cidade do Porto soube receber os campeões. Em festa e com sorrisos. Com alegria e com prazer. Com paixão e, digo eu, com alguma vaidade. E digo-o já que durante alguns anos dei aulas no Porto e senti aquela paixão e pressenti, poucas vezes na altura, assumo-o, aquela vaidade. Como escreveu Ernesto Sábato «a vaidade é um elemento tão subtil da alma humana que a encontramos onde menos se espera: ao lado da bondade, da abnegação e da generosidade»!

4. O Benfica foi ao Porto e soube sofrer. Foi um justo empate. Primeira parte do Boavista. Segunda do Benfica. Justa igualdade. Mas ontem, no Bessa, Rui Vitória entregou legitimamente a faixa de campeões nacionais aos jogadores que ainda não tinham minutos nesta Liga. Foram trinta e dois os campeões! Pedro Pereira, Hermes e Kalaica - grande golo! - foram titulares frente ao Boavista. Eliseu foi, com orgulho dele e alegria nossa, o capitão da equipa. E desta vez sem a vespa que já deu uma volta ao mundo e não apenas à Luz! E Paulo Lopes, que também envergou a braçadeira, e com satisfação global, defendeu por largos minutos a baliza do seu Benfica. Ele que é, ano após ano, o homem que ergue no topo da baliza - entre a barra e o poste e abanando bem as redes - o troféu que o Benfica há quatro anos conquista. Foi também esta comunidade que conquistou o tetra. Uma família. Um balneário. Um colectivo. Uma comunhão que irradia felicidade e mostra fidelidade. Já Johann Goethe escrevia que «quem faz com alegria e se alegra com o efectuado é feliz»! E acrescenta Edgar Allan Poe que «para se ser feliz até certo ponto é preciso ter-se sofrido até esse mesmo ponto». Foi o que aconteceu ao Benfica ao longo da época. Sofreu e sorriu. Foi fiel e foi feliz. E irradiou felicidade. A muitos milhões. Que teriam gostado, porventura, de outro resultado no Bessa. Mas como escutamos tantas vezes «é a vida...». Ao cair do pano!"

Fernando Seara, in A Bola

PS: O Seara usou bem a 'arma' da 'fina ironia' no primeiro parágrafo do ponto 3! Aquilo que os dirigentes do Boavista fizeram, foi vender bilhetes ao público em geral e depois não os deixar entrar... Burla...!!!

A festa do Bessa, Madeira e Feira

"Fantástico! Um jogo que não contava para nada, pareceu um jogo que contava para tudo. Grande ambiente, grande competitividade e, acima de tudo, uma grande espectáculo no Bessa, onde o Benfica de despediu de um entusiástico benfiquismo nortenho e o Boavista se despediu, em glória e em esperança, de um sempre fiel público boavisteiro.
Confirmação de que o Benfica fez bem em não adiar a decisão do campeonato para esta última jornada. Pode dizer-se que Rui Vitória, se tivesse estado perante um jogo decisivo, não teria escolhido um onze festivo e alternativo, mas a verdade é que este Boavista de Miguel Leal - que grande campeonato fez! - é uma equipa com um espírito de luta notável e, por isso, capaz de fazer frente aos maiores.
Assinalável, também, a maneira digna e profissional como o Benfica lutou até ao último minuto pelo resultado, em merecida e reconhecida homenagem ao seu público do norte. Com um golo, já no final do jogo, a evitar uma derrota decepcionante, o Benfica conseguiu compensar a grande manifestação de apoio que lhe foi prestada pelos seus adeptos do norte do país.
Duas notas finais, mas essenciais: a primeira, para felicitar o Marítimo e o seu festejado regresso à Europa. É uma excelente notícia para o clube e uma não menos excelente notícia para a Madeira e para o seu turismo; a segunda, para felicitar o Feirense pelo extraordinário campeonato que fez, desde que Nuno Manta assegurou o comando da equipa. Ontem, fecho com chave de ouro, em Guimarães, sétima vitória fora de casa e um total de 48 pontos, apenas a dois escassos pontos de um lugar europeu. Simplesmente notável!"

Vítor Serpa, in A Bola

Derrota... no final de uma época positiva!

Guimarães B 3 - 2 Benfica B


Mau resultado, num jogo onde estivemos a vencer 1-2, a jogar contra 10, e mesmo assim permitimos a reviravolta!

Dito isto: grande temporada! Sim, fizemos uma grande temporada, com a equipa mais jovem e mais portuguesa da II Liga, que nas últimas jornadas ainda se tornou mais 'jovem', com todos os lesionados (e foram muitos...) e os convocados para o Mundial de Sub-20 de fora. O Hélder teve que recorrer a adaptações e a mais Juniores... e mesmo assim, fomos a melhor equipa B, por larga margem, com uma classificação confortável... 4.º lugar, num campeonato tão competitivo, é um excelente resultado...

PS1: O Mundial de Sub-20 começou mal para Portugal esta madrugada na Coreia, com uma derrota por 1-2, contra os Campeões Africanos, a Zâmbia. Foi um jogo onde criámos muito mais oportunidades do que o adversário, mas fomos demasiados perdulários...
Agora, quando se deixa o Pêpê no banco (provavelmente o melhor jogador desta equipa), arrisca-se... já nem falo do Ferro!!!
Nos últimos meses tivemos o Pedro Álvaro a jogar o Youth League pelo Benfica, e a ficar no banco da selecção de sub-17; o Félix aparentemente não é convocado para nenhum escalão!!! Tudo isto é muito estranho... o Benfica actualmente domina claramente a formação em Portugal, independentemente dos títulos (temos vários jogadores a jogar no escalão acima...!!!), temos os melhores jogadores em praticamente todas as gerações, o numero de jogadores convocados reflectem isso mesmo, mas depois nos jogos 'importantes' temos algumas decisões inacreditáveis!!!
Esta selecção sem o Buta e o Guga já era mais fraca... se juntarmos a ausência esperada do Renato e a opção 'duvidosa' de não convocar o João Carvalho (além do Fábio Duarte), ficámos definitivamente mais fracos... e se depois, ainda deixamos no banco os nossos melhores jogadores!!! Tudo fica mais complicado...!!!

PS2: Os nossos Juniores D (Infantis) sagraram-se hoje Campeões Distritais, em Futebol 9...

PS3: Gosto sempre de ver as nossas escolinhas no relvado da Luz... Talvez daqui a alguns anos, alguns regressem ao relvado para jogar na equipa principal...!!!

Iniciados - 7.ª jornada - Fase Final

Benfica 5 - 2 Académica

Mais um grande jogo dos nossos 'putos'... sempre com muitos golos! A única nota de 'desagrado' foram os golos sofridos, algo que só aconteceu nas últimas duas jornadas, nas primeiras 5 estávamos com a 'ficha limpa'!!!

Temos tido muito caudal ofensivo, mas 'cheira-me' que temos ponta-de-lança: o Fábio Silva, independentemente das qualidades técnicas, tem claramente faro pelo golo... deve estar nos genes!!!

Juvenis - 5.ª jornada - Fase Final

Benfica 0 - 2 Sporting


O pior jogo da fase final, tudo correu mal... não jogámos bem, mas tivemos mais bola... e acabámos por não ter 'cabeça' para ultrapassar as adversidades! O Sporting jogando em contra-ataque e abusando do anti-jogo, acabou por ser eficaz!
Alguns lesionados, o Kevin acabado de chegar do Euro... e aparentemente o Umaro já está na 'onda' do seu empresário!!!
Mesmo assim, com 0-1, ficou um penalty descarado por marcar a nosso favor...! O Renato Paiva foi expulso pela primeira vez na sua carreira...!!!

Até aqui, estávamos com um registo perfeito... agora, temos menos um ponto, mas ainda faltam muitos jogos, temos tudo para ir ganhar a Alcochete... só não podemos escorregar nos outros jogos, creio que o jogo de Gaia será decisivo!

Rescaldo do Bessa...

Cadomblé do Vata

"1. Empatar no Bessa na jornada a seguir à conquista do Tetra é o resultado perfeito... não perdemos mas de qualquer forma permite que os críticos do Rui Vitória não tenham que estar 2 semanas seguidas sem pedir a contratação do Marco Silva.
2. Quando ainda há gente que discute a justiça do título conquistado pelo Glorioso, nós respondemos assim... somos tão melhores que até os nossos juniores resolvem jogos.
3. Num pessimista crónico como eu, foi estranho sentir que tínhamos empatado, no momento em que Zivkovic ganha o canto... é capaz de ser aquele feeling de "na cidade do Porto, os nossos centrais salvam-nos em cantos nos descontos".
4. O festejo da Vespa valeu ao Eliseu o prémio de ser capitão na última jornada... na próxima temporada festeja o Penta com um Scania de 12 rodados e senta-se na poltrona presidencial na despedida da Liga.
5. Acho que um clube da dimensão do SLB deve-se sempre reger pelos valores do respeito pelos rivais e por isso não posso deixar de demonstrar aqui a minha vergonha pelo que fizemos hoje ao nosso adversário… o Boavista passou a semana toda a pedir que os Benfiquistas não levassem adereços para o estádio e nós aparecemos lá com o escudo de Tetra Campeões a enfeitar-nos a camisola…"

Uma ode (...) a Paulo Lopes, o homem que há quase três anos não parte uma taça (apesar de todas as oportunidades)

"Júlio César
Bem a ir buscar a bola ao fundo da baliza duas vezes e ainda melhor na saída do relvado para ceder o lugar a Paulo Lopes. São as únicas coisas que nos lembramos de o ver fazer.

Pedro Pereira
Tem o toque de bola de um futuro titular do Real Madrid, o talento de um suplente não utilizado de Jorge Jesus e a verdura de um titular da equipa B. Aguardemos serenamente pela próxima época ou, como um amigo nosso costuma dizer a propósito de miúdas na noite: deixa-as pousar.

Kalaica
Lindequem? Está encontrado o próximo titular da defesa do Benfica. E que não se pense que isso se deve somente ao golo da jornada. Chega atrasado a alguns lances mas na segunda liga ainda estaria à espera do adversário directo. Já o imaginamos no final da próxima época a ser entrevistado por Jardel em directo para a BTV no relvado da Luz, sem conseguir dizer duas palavras de português enquanto Cervi lhe despeja champanhe em cima e o monster truck de Eliseu se passeia no relvado. 

Lisandro
Foi patrão da defesa por um dia, no entanto mostrou a postura de um assalariado com a mania das grandezas. Foi comido de cebolada no segundo golo do Boavista. Por este andar ainda acaba a criar uma startup.

Eliseu
Qualquer perito em psicologia organizacional vos dirá que devemos que os colaboradores de uma empresa devem ser diferentes entre si. Precisamos do tipo com pensamento matemático que é um bocadinho arrogante quando alguém não percebe o que ele está a dizer, precisamos de um, precisamos de estrategas que não fazem nenhum, precisamos de criativos que um dia se despedirão para perseguir aquele sonho numa agência de publicidade, precisamos de pessoas que marquem as reuniões, e acima de tudo precisamos de um tipo que saiba mexer em computadores e perceba o que se passa com o raio da impressora. No entanto, décadas de investigação não foram suficientes para concluir o que nós, colaboradores das ditas empresas, estamos cansados de saber. Toda a firma precisa de um palhaço, e Eliseu demonstrou na semana passada que é o nosso. Pode não estar a jogar um charuto, mas, se há homem neste plantel disponível para entrar no estádio da Luz de parapente no último jogo em casa da próxima época, é Eliseu. E isso, meus caros, é um valor intangível que não aparece nas notas individuais do Football Manager, e muito menos nos manuais de psicologia organizacional. Vem nos livros de história, amigos. É matéria de museu. Renovação já.

Hermes
Chegou a meio da época e foi apresentado como lateral esquerdo, donde se infere que a titularidade no meio-campo não passou de uma partida pregada por Rui Vitória. Isso e já nem nos lembrávamos que o tal Hermes fazia parte do plantel. Tem ali qualquer coisa de titular do Arouca na próxima época.

Filipe Augusto
A titularidade na última jornada é um pau de dois bicos. Por um lado não queremos apressar conclusões num jogo a feijões, por outro lembramo-nos que Filipe Augusto esteve na iminência de substituir Pizzi no meio-campo e falhou em mais lances do que Pizzi na segunda volta. Um abraço onde quer que estejas, quinto amarelo.

Samaris
E não é que foi um dos melhores em campo? Acompanhou os centrais nas tarefas defensivas e nas saídas a jogar, uma espécie de Fejsa com menos 7 títulos nacionais. Começou o jogo apresentando níveis de concentração elevados mas depressa se lembrou que já é campeão. A partir daí foi vê-lo descontrair, um lance gingão atrás do outro, um passe à Pirlo atrás do outro. Perdão, à Pizzi, que até isso ele fez melhor que o colega Filipe Augusto. Lembramo-nos de ouvir a certa altura o comentador da Sport TV dizer de um lance disputado junto à área "Samaris numa zona que não é a dele". Mas como, se o grego encheu o campo?

Horta
Os pézinhos do costume. O líder dos No Name do Seixal trata a bola como poucos nesta equipa e hoje não foi excepção. Notou-se ainda assim aquela lentidão de quem passou uns meses a fazer treino específico no Fifa 17. É mais um de uma linhagem de craques do Benfica esta época que vão perdendo gás ao longo do jogo, até alguém perguntar onde estão e der por si a chamar a Polícia Judiciária. Miúdo: vê lá se atendes as chamadas do Jorge que a malta quer-te no plantel da próxima época.

Zivkovic
Apetece-nos dizer "aquela máquina", mesmo não sendo verdade.

Mitroglou
Marcou, não marcou? Então parem de lhe pedir que sorria.

Rafa
Perdeu a bola que resulta no segundo golo e redimiu-se com um contra-ataque que devolveu a esperança ao Benfica. Não, não é essa. Queremos lá saber do jogo. Falamos da esperança de um dia ganharmos dinheiro com o seu passe. Mas vamos com calma. Talento não lhe falta e vai ter muitas oportunidades. Depois do hexacampeonato falamos.

Raul Jiménez
Mais uma participação preciosa, desta vez a apoiar Rafa no lance do primeiro golo. Fez o suficiente nas últimas duas semanas para nos convencer de que 40 milhões pelo seu passe talvez seja pouco, que é como quem diz, para continuar no plantel. Os chineses que voltem a tentar em Janeiro.

Paulo Lopes
O que dizer deste herói? Que o adoramos? Que já não conseguimos viver sem ele? Tudo isso e muito mais. Ninguém fala disto, mas Paulo Lopes tem vindo a melhorar consistentemente ao longo destes últimos anos. Há quase 3 anos que não parte uma taça e oportunidades não faltaram. A sua carreira segue de vento em popa. É, provavelmente, o único guarda-redes do futebol mundial com mais títulos do que golos sofridos em toda a sua carreira sénior. Sorte? A sorte dá trabalho, amigos. Hoje, cerca de 12 meses após uma exibição contra o Nacional maculada por um golo dos madeirenses, chegou ao fim da partida não apenas com zero golos sofridos e pelo menos duas intervenções atentas que ajudaram o Benfica a empatar. Mas querem saber a melhor parte? É um lance em que Rafa quase marca de trivela e a câmara da Sport TV filma Paulo Lopes, angustiado ao ver que a bola não entrou como se isto fosse a contar. E não é que foi mesmo? Parabéns meu grandessíssimo tetracampeão. 

Uma nota final: isto foi uma das coisas mais divertidas que já fizemos. Desculpem se ofendemos alguém, se nem sempre tivemos piada, e acima de tudo desculpem se levámos alguém a pensar que isto era jornalismo, ou sequer uma coisa séria. Muito obrigado à Tribuna por nos ter convidado."

Vlog do Tetra !

Benfiquismo (CDLXXV)

King... na casa dos Patriots !!!

Tetracampeões...

Vermelhão: Todos somos Campeões !!!

Boavista 2 - 2 Benfica


Muitas alterações, preparando a Final do Jamor, não permitiram uma Festa 'total' no Porto... mesmo assim, a perder por 2-0, conseguir chegar ao empate ao minuto 90, acaba por ser uma 'quase' vitória! Este empate, na forma como foi obtido, depois de uma semana de 'festa' atrás de 'festa', acaba por ser um excelente indicador... Estamos a precisar de uma semana 'tranquila' para preparar o Jamor!
Uma coisa é 'meter' um jogador pouco rotinado, no meio do 'onze' titular... outra coisa totalmente diferente, é meter um 'onze' totalmente diferente... principalmente na defesa. Sendo que a forma como o Benfica defende, ainda 'agrava' mais o problema... os dois golos do Boavista, são dois 'erros' de coordenação da nossa 'linha' defensiva!
O outro 'problema' foi a posição do Horta!!! O André até jogou bem, 'encheu' o campo, mas o Benfica tem que jogar sempre com dois avançados... tendo em conta como os nossos adversários internos, constroem as equipas contra nós, temos que jogar sempre com dois avançados, sempre... Quando isso não acontece, perdemos potencial de remate...
Tudo isto num jogo, onde o Boavista, optou pela estratégia habitual, de dar a 'bola' ao Benfica, e ficar à espera do erro... dificultando muito as nossas transições defensivas, que necessitam de muitas coordenação entre os jogadores...
Mas um dos objectivos foi cumprido: Paulinho, Kalaica, Pedro e Hermes jogaram e são oficialmente Campeões!!! Pode parecer um pormenor secundário, mas não é... O sucesso recente do Benfica, prova, que o ambiente de balneário é determinante... Os festejos após o golo são a prova que a coesão deste grupo é enorme!
Haverá a tentação de criticar a exibição do Benfica, mas eu recordo que na equipa titular, só o Samaris e o Mitro tinham ritmo competitivo... o Eliseu, o Zivkovic e o Rafa, têm jogado pouco nos últimos tempos... o Kalaica tem feito alguns jogos na B. Pedro Pereira, Lisandro, Augusto e o Horta não faziam 90 minutos à muitos meses... o Hermes fez dois jogos na B, mas hoje jogou na sua posição natural, e não a Extremo Esquerdo... E juntos, nunca tinham jogado!!!
Das 'novidades' destaco claramente o Kalaica, e não foi por causa do golo! Foi claramente o nosso melhor defesa... tem alguma 'vantagem', porque tem ritmo competitivo, devido à equipa B (e à Youth League). Prevejo alguns 'problemas' na decisão sobre quais os 4 Centrais que vão fazer parte do plantel na próxima época, o Kalaica hoje, deu um passo de gigante para 'ganhar' um lugar nos 4 Centrais de 2017/18. Recordo que estamos a falar de um miúdo de 18 anos...
O Pedro Pereira não me surpreendeu... continuo a pensar, que para o Benfica, é 'curto'! É um bom 'atleta', mas falta-lhe capacidade de desequilíbrios ofensivos... é claramente um Lateral que em Itália, na Alemanha ou na Inglaterra terá 'lugar', mas duvido que tenha sucesso no Benfica. Com a mais que provável saída do Semedo, prevejo que vamos ter um problema nesta posição...
O Hermes teve uma 'estreia' ingrata. Jogou fora de posição e demonstrou bastante ansiedade... Nos jogos da B, deixou-me 'preocupado' nas coberturas defensivas... Com a mais que provável 'não renovação' do Eliseu, com um Grimaldo que abre o 'apetite' do mercado... podemos ter outro problema aqui...
O Júlio César sofreu dois golos, e praticamente não fez uma única defesa...!!! O Paulinho, entrou, e teve duas intervenções fundamentais...
Não posso deixar de realçar, num jogo a 'feijões', a forma como o Boavista não deixou de fazer anti-jogo!!! Faz parte do ADN... a falta de respeito pelo espectador, é total...
Além da forma como a estratégia de fazer faltas recorrentemente é recompensada pelo árbitro... é um 'mistério' como é que o Idris consegue 'terminar' um jogo!!!
Rui Vitória terminou hoje o seu 2.º Campeonato pelo Benfica, e não jogou um único minuto em superioridade numérica (em tempo 'útil')!!!
Já agora, hoje fui 'Inácio' e assisti o jogo 'online', num link da RTP Internacional: bem, tenho que deixar o aviso, se o pessoal queixa-se dos comentários da PorkosTV, então não oiçam a RTP (televisão pública)... uma vergonha... Anti-Benfiquismo primário!!!
Mais uma vez (pelo menos em Chaves já tinha acontecido...), os Benfiquistas foram impedidos de entrar para o Estádio com adereços do Benfica. Isto é vergonhoso, num jogo a 'feijões' onde o ambiente era de festa, Benfiquistas que pagam bilhete (caríssimo), num Estádio sem condições, ainda são obrigados a 'despirem-se' para entrar no Estádio!!! Vergonhoso... este ambiente 'militarista' do Tugão, instigado pelos agentes e pela própria PSP, é vergonhoso... Quem devia estar impedido de entrar nos Estádios são os dirigentes que permitem estas situações...