Últimas indefectivações

sábado, 12 de novembro de 2011

Com seriedade (e qualidade), ganha-se prestígio, simples...!!!



Galatasaray 0 - 2 Benfica



Com competência, sem desiludir, com entrega e eficiência... Que bonito ver a braçadeira de capitão no Saviola... continuo a gostar das indicações do Mora (protege muitíssimo bem a bola de costas para o defesa)... o David Simão teve inconstante... Não é dos jovens mais 'falados', mas o Cafú entrou muito bem no jogo (um jogador que tem feito a formação ora jogando a trinco, ora a ponta-de-lança!!!)... tenho muitas esperanças no Paulo Teles, gosto de ver jogadores a jogar de cabeça levantada... tenho pena que o Rúben Pinto continue a não ter oportunidades para jogar alguns minutos na sua posição natural... Missão cumprida.

Invencibilidade

Guimarães 60 - 93 Benfica


Com o adversário, mais uma vez, a apostar tudo nos triplos, respondemos com ainda mais triplos!!! Só houve equilíbrio no 1º período, jogo bastante agradável... Os 33 pontos de diferença até sabem a pouco, tal a diferença, só uns últimos minutos em descompressão explicam vantagem tão curta!!!

Isolados no comando...



Benfica 4 - 1 Braga

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Lamentável

"1. Lamentável. Como é que um estádio (e para mais moderno) de um dos principais clubes nacionais sofre uma avaria na electricidade que aparece e desaparece várias vezes? Culpa do clube? Culpa da autarquia? É, pelo menos, lamentávle, tanto mais que as condições atmosféricas estavam normais. O haverá algo mais?

2. Lamentável também. Enquanto o jogo estava interrompido, a claque bracarense repetiu até à exaustão os insultos ao Benfica que são habituais nas claques do FC Porto. Não apoiam o seu clube, insultam o adversário. Nada a que não estejamos já habituados. O triste é que em Braga se sigam os maus exemplos de um clube que é internacionalmente conhecido pelos piores motivos.

3. Lamentável igualmente. Mais uma vez o árbitro Pedro Proença marcou um penálti forçadíssimo (quase diria inexistente) contra o Benfica e não marcou um outro (sobre Luisão) que a transmissão televisiva mostrou claramente. Mais uma vez fomos fortemente prejudicados.

4. Lamentável ainda. A falta de comparência da formação espenhola do Liceo da Corunha à final da Taça Contimental do Hóquei em Patins, frente ao Benfica. Conquistámos o título mas sem o sabo que constituira uma vitória em campo. Um clube campeão europeu deveria ter mais respeito pela modalidade, a principal prejudicada com esta ausência.

5. Regressando ao Futebol. Um ponto apenas separa os três grandes, concluindo que está o primeiro terço do Campeonato. Mas o Benfica já foi ao Porto e a Braga (para além da sempre complicada Choupana). E, para além do FC Porto-Benfica e do SC Braga-Benfica, ainda faltam todos os restantes jogos entre os quatro primeiros dos últimos campeonatos... As perspectivas são optimistas mas a equipa terá que o confirmar em campo, onde não tem estado tão bem como na primeira fase do Campeonato e em alguns jogos europeus..."


Arons de Carvalho, in O Benfica

Pode ter sido o ponto do título

"O empate em Braga teria sido positivo, mais ainda depois do Porto ter empatado em Olhão, não tivesse sido obtido num jogo tão manhoso. Este Braga, embora organizado, não está tão forte como nas últimas épocas. Aos três minutos houve uma expulsão perdoada ao jogador do Braga, aos 13 penalty sobre Luisão não assinalado, no 30.º minuto de desconto da primeira parte existe penalty muito discutível que marca a atitude de um árbitro cujo critério mais conhecido é prejudicar o Benfica para mostrar isenção. Lamento porque tinha tudo para ser dos melhores árbitros da Europa.

Se não tem condições para arbitrar o Benfica, Pedro Proença pode pedir escusa dos jogos encarnados, é melhor que fazer uma carreira com erros grosseiros e sistemáticos em prejuízo do clube de que se diz adepto. Eu se fosse árbitro não teria capacidade de isenção para arbitrar o Benfica, reconheço, digo isto na profunda convicção que Pedro Proença é dos melhores árbitros portugueses e um homem sério.

Estiveram menos de 18 mil adeptos em Braga, a maior parte dos quais adeptos do clube minhoto, esta realidade é o corolário da derrota da estratégia seguida pelo clube da Cidade dos Arcebispos, sistematicamente satelizado nas suas atitudes e criando um clima de guerra e intimidação constantes nas deslocações do Benfica a Braga. A verdade e que se o Braga tem conseguido resultados desportivos, (o Benfica vinha de três derrotas em Braga) também é verdade que Braga passou a ser um sítio onde a generalidade dos benfiquistas não gostam nem querem ir, um lugar onde o futebol deixou de ser uma festa. Como diz Artur, em Braga «acontecem coisas», ora o túnel é armadilhado, ora os jogadores simulam faltas, ora não há luz, ora falta água quente, ora o speaker irrompe os jogos com provocações. É tudo por acaso, mas também por acaso há quem não acredite. Tenho pena porque gosto do Braga desde pequeno. Espero que este tenha sido o ponto do título."


Sílvio Cervan, in A Bola

O aeroplano

"Certamente todos vocês se recordam daquele filme enlouquecido de perfeito 'nonsense' que levou o nome de 'Airplane', em português 'O Aeroplano', realizado por Jim Abrahams e pelos irmãos Zucker. O 'American Film Institute' considerou-o o décimo filme mais engraçado de todos os tempos. Ora, se os senhores do 'American Film Institute' tivessem visto a versão recente da obra levada à cena há uns dias, sem Leslie Nilsen mas com D. Palhaço numa interpretação inesquecível, talvez o elegessem como o filme mais grotesco de todos os tempos. É verdade que a fita só foi vista pelos próprios actores e que as versões divergem quanto ao conteúdo. Há até quem diga que chegou a ter minutos de suprema pornografia, senão visual pelo menos vocabular, com insultos a esmo e, tal e qual como na versão original de 1980, peixe estragado a ser servido aos passageiros.

A sarrafusca foi de tal ordem que, de repente, o Madaleno começou a esvaziar como um balão. Lembram-se do filme? Lembram-se de Otto, o piloto automático insuflável? Pois eis que o passageiro do lugar 2A começa a largar ventosidades e nem por isso agradavelmente perfumadas. Pânico a bordo! Três pessoas acorrem em auxílio do arfante; as restantes continuam a ler jornais, a dormir ou a jogar às cartas, já enfastiadas de tanto flato por parte da atolambada figura. Entra então em cena a marafona que, tal como a Eleine do filme, trata de lhe soprar flebilmente no pipo que o pândego esconde no umbigo. Há quem vire a cara, enojado, à medida que a jovem flausina arfa no seu esforço de o devolver às medidas convencionais. É um espectáculo deprimente. O Madaleno ganha, finalmente, cor. Aquele tom amarelado de quem tem a bílis a percorrer toda a corrente sanguínea.

Quando desembarca já é chamborgas do costume, cheio de goela e bazófia. Mas todos nós sabemos que é apenas um bufão insuflável."


Afonso de Melo, in O Benfica

Coisas estranhas

"Antes do início do jogo, o treinador do nosso Benfica pediu apenas que, desta vez, em Braga, não ocorressem “coisas estranhas”.

Findo o jogo, constatámos que todo ele foi feito, mais uma vez, de coisas estranhas. Estranhamente faltou a luz por três vezes, durante a primeira parte do jogo. A EDP terá declinado responsabilidades, quem tem responsabilidades em organizar o jogo diz que é alheia a qualquer responsabilidade, o presidente da Liga de clubes demite-se de responsabilidades e de apurar responsáveis – nada de novo, vindo de quem vem – e o próprio Braga, num comunicado que poderia fazer parte do anedotário nacional, ainda acaba por ameaçar quem ousar questionar as suas hipotéticas responsabilidades no sucedido. Pela minha parte, quando as coisas são estranhas, questiono e não é com ameaças mais ou menos veladas que deixarei de as questionar. As coisas estranhas começam a acontecer com uma tal recorrência naquele estádio, aquando das visitas do nosso Benfica, que seria cegueira não as questionar.

Por falar em cegueira, pergunto-me o que terá levado o árbitro do jogo, o inefável Proença, a não querer ver uma grande penalidade sobre Luisão, uma agressão de Djamal a Gaitan, uma entrada violentíssima de Alan sobre Javi Garcia e a querer ver uma muito discutível grande penalidade do Emerson. Não incluo a exibição do senhor Proença no rol das coisas estranhas, pois a sua carreira habituou-nos a decisões deste teor, sempre extremamente criteriosas, que fazem dele um digno sucessor de árbitros da estirpe de Jorge Coroado ou Fortunato Azevedo.

Para finalizar, deixo ainda uma palavra a Alan e à sua indignação perante as palavras que, supostamente, Javi Garcia lhe teria dedicado. Alan habituou-nos a duas coisas: a enganar, através da simulação de agressões, a verdade desportiva; e a obedecer, de forma solícita, às orientações que lhe são dadas pelos seus superiores. Logo, não estranho as suas declarações, estranho o crédito que alguns lhe dão."


Pedro F. Ferreira, in O Benfica

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Foi um extraterrestre que apagou as luzes (ou Artur e as «coisas do outro mundo»)

"Para Artur explicar «coisas do outro mundo» que acontecem em Braga terá de provar que quem desligou a luz foi um alienígena ou um saco de ectoplasma vindo do Além


DE todas as coisas inacreditáveis que se passaram e se disseram em Braga desde que o Benfica foi lá jogar, a mais inacreditável de todas é, por sorte, logo a única que está documentada.

Sim, sim temos foto!

A coisa que seria mais improvável de ocorrer em nome do bom senso, da harmonia e do progresso da civilização, a coisa verdadeiramente mais chocante triunfando sobre as demais nos capítulos da intolerância e da estupidez, é a única coisa que disponibiliza a imagem em flagrante do abuso cometido.

Certamente, será alvo de um inquérito não da Liga dos Clubes, que organiza os jogos de bola, mas do Ministério da Educação que organiza o resto, ainda que menos importante.

Na terça-feira, o bom do Mossoró, que joga no Sporting de Braga, visitou a escola EB 2-2 de Celeirós, uma freguesia bracarense, e um aluno «foi aconselhado a não assistir à sessão de autógrafos, não fosse a sua presença ser confundida como uma provocação», como se podia ler ontem neste jornal. E não só ler.

Ver também porque A BOLA publicou uma fotografia - que aposto que não é forjada - de um rapazinho com uma camisola do Benfica encostado a uma parede a ouvir as explicações, depreende-se, de uma senhora mais velha que não se sabe quem é. Poderá ser uma professora, uma mãe, uma funcionária ou mesmo alguém que goste de aparecer em fotografias.

O rapaz tem um sorriso maravilhoso.

Não mostra o menor temor pelo acto de segregação de que está a ser alvo nas instalações de uma escola do Estado português.

Está a sorrir de frente para eles.


A Comissão de Disciplina da Liga decidiu multar esta semana o Sporting na quantia de 1700 euros por causa da pancadaria entre elementos de uma claque sua e as forças policiais no jogo de Alvalade com o Benfica, a contar para o campeonato de 2010/2011. O tal episódio de violência, amplamente documentado pelas câmaras, ocorreu a 21 de Fevereiro deste ano. Está quase a fazer um ano e a demora da decisão praticamente fez esquecer o despautério infelizmente comum nos nossos bonitos campos.

Assim sendo, ainda bem que a Liga não vai abrir nenhum inquérito às três falhas de luz que obrigaram a interromper o jogo por três vezes numa primeira parte que, por isso mesmo, teve 37 minutos de tempo de compensação.

Aparentemente, ouvindo o presidente da Liga e futuro presidente da Federação a falar, foram mais do que suficientes as explicações fornecidas em pleno camarote VIP do estádio Axa para que Luís Filipe Vieira e o próprio Fernando Gomes se considerassem esclarecidos sobre o invulgar episódio eléctrico.

No entanto, é bem possível que a Liga abra um inquérito às acusações trocadas publicamente entre Artur e Alan.

Artur, por exemplo, está tramado com a analogia que escolheu. Agora vai ter de provar aos juízes da Liga que em Braga, sempre que o Benfica lá vai, «acontecem coisas do outro mundo». Não vai ser fácil para Artur, neste mundo, justificar o que afirmou sobre a recorrência das manifestações anti-benfiquistas do além. Para se safar ao castigo terá de provar, para além de qualquer dúvida razoável, que quem fechou por três vezes a luz do estádio foi um extraterrestre ou um saco de ectoplasma ou um alienígena ou uma alma penada, enfim, qualquer coisa «do outro mundo».

Alan também se desgraçou um bocadinho com a analogia que escolheu em defesa da inocência dos cortes da luz. «Falha de electricidade é um erro técnico o que acontece. Quando o FC Porto foi à Luz ligaram o sistema de rega», disse.

Disse e esticou-se.

Porque não há ninguém que acredite que a ligação do sistema de rega (quando o tal jogo tinha acabado, o que já faz a diferença) na Luz «foi um erro técnico» que aconteceu, pois não?

Alan terá levado longe de mais o seu esforço na ânsia de grande profissional que quer defender o bom nome da sua entidade empregadora mas que, por excesso de voluntariedade e pouco tino, acaba por cometer um lapso de analogia que era absolutamente dispensável.


ALAN não fez uma exibição muito inspirada contra o Benfica e até parece que só acordou para o jogo 24 horas depois de Pedro Proença ter apitado para o fim da contenda. Acordou e acusou Javi Garcia de lhe ter chamado «preto», a ele que «preto eu, não, é negro».

A frase é confusa, admita-se.

Não é claro se Alan está a querer dizer que não é preto, que é negro. Ou se Alan está a querer simplesmente explicar-nos em que língua é que Javi o insultou, visto que em língua castelhana não existe «preto», só se usa o «negro».

Este vai ser um inquérito difícil para os juízes da Liga. Até porque todos sabemos que não há prova documental dos insultos visto que Alan acabou com o suspense afirmando que o jogador espanhol do Benfica «pôs a mão à frente da boca» quando falou. Para ninguém lhe poder ler os lábios, estão a perceber?

Lá mais para os Santos Populares teremos notícias destes inquéritos.


A selecção começa amanhã o seu mano-a-mano com a Bósnia Herzegovina. Hélder Postiga, que tem sido titular indiscutível na equipa de Paulo Bento, disse no início da semana que «atrapalha mais a chuva» do que as declarações de Bosingwa, o lateral-direito do Chelsea que o seleccionador preteriu em favor de João Pereira e de Sílvio.

Postiga saberá com certeza do que está a falar e bem pode ter razão. Quem lá está dentro é que sabe, como se costuma dizer. Mas a verdade é que se todas as equipas e selecções inevitavelmente se renovam, no caso da selecção portuguesa nos últimos largos tempos não houve renovação que não tivesse o seu quê de contencioso ou de purga, desde o cortejo de abandonos por vontade própria ao vigoroso índex dos malquistos por vontade alheia. Que amanhã não chova para vermos se isto acaba tudo em bem e ao som do Hino Nacional.


O seleccionador da Bósnia-Herzegovina diz que a selecção portuguesa defende mal. É verdade que sim, defendeu muito mal nos últimos jogos. Aliás foi por aí que engrossou o maior caudal de críticas à equipa de Paulo Bento.

Os adeptos portugueses foram logo os primeiros a apontar essa fraqueza e os comentários foram na generalidade produzidos com a maior sem-cerimónia para a qualidade e entrosamento dos nossos jogadores mais recuados.

Agora veio um senhor bósnio-herzegovino dizer exactamente a mesma coisa e o país sentiu-se ofendido. Somos assim. Para dizer mal de nós, estamos cá nós primeiro. Aos outros, exige-se respeito, muito respeitinho.


NAS próximas eleições para a Federação Portuguesa de Futebol o Sporting joga deliberadamente ao ataque em dois tabuleiros. E, portanto, sairá sempre vencedor o que tem as suas virtualidades.

Godinho Lopes reitera a cada momento o seu apoio a Fernando Gomes, de acordo com as notícias de todos os jornais. Luís Duque, de acordo com o Correio da Manhã, mantém-se inabalável na campanha por Carlos Marta ao ponto de «ameaçar mandar regressar a Alvalade já em Dezembro» os jogadores que o Sporting emprestou aos clubes da Associação de Futebol de Lisboa que assinaram a convocatória da assembleia-geral que visa destituir Marta, o actual presidente da AFL.

Estas eleições da FPF estão como o universo, em expansão. Não só vão decidir quem vai suceder a Madaíl na presidência do referido organismo de utilidade pública, como também vão decidir quem manda nos árbitros e nos delegados e, como se já não bastassem tantas decisões num acto só, vão também sufragar quem é que verdadeiramente manda no Sporting.

Atenção, portanto, ao dia 10 de Dezembro."


Leonor Pinhão, in A Bola

Mãos fortuitas

"Os penáltis são golos quase certos. Portanto, os árbitros não podem assinalá-los por dá cá aquela palha ou em lances duvidosos.

Um dia destes, num jogo decisivo – pois decidia o último classificado –, vi o árbitro punir uma mão casualíssima (que ditou o vencedor), ainda por cima 5 minutos depois da hora!

No domingo, em Braga, vi um avançado centrar, um jogador do Benfica virar as costas, a bola bater-lhe num braço encostado ao corpo e o árbitro assinalar penálti. O resultado estava em 0-0.

Hora e meia depois, em Alvalade, vi um jogador do Leiria estender a perna à bola, cortar, a bola raspar-lhe na mão e o árbitro marcar penálti.

Uma vez o árbitro Pedro Henriques explicou que uma bola que ressaltasse do pé do jogador para a mão nunca podia ser penálti – porque o penálti exigia intencionalidade e a distância entre o pé e a mão é demasiado curta para isso. Mas a toda a hora marcam-se faltas destas!

Ora isto, senhores árbitros, não pode acontecer! É um desrespeito para com os jogadores – que andam 90 minutos a correr e veem esse esforço tornar-se inglório por um erro vosso –, um desrespeito para com o público e um desrespeito para com a verdade.

Senhores árbitros: tal como os juízes no tribunal, os árbitros dentro do campo não podem ser executores cegos das leis. Têm de ter bom senso. Não devem transformar mãos fortuitas (e lances inofensivos) em golos quase certos! Só devem marcar penálti quando tiverem a certeza da gravidade da falta e de que houve intenção. Não falseiem os resultados. Isso não dignifica o futebol e não contribui para a verdade desportiva!"


José António Saraiva, in Record

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Caldeirada

"Um plano televisivo sem legendas mostrava-nos os presidentes do Braga, do Benfica e da Liga, firmes, hirtos e com caras de estarem sentados sobre uma almofada de punaises. No relvado, o espetáculo tinha parado por falta de corrente elétrica, enquanto nas bancadas da Pedreira energia era o que não faltava, fazendo ecoar por todo o país os sons da falta de civismo que grassa no reino.

Imaginar o que passava pelas mentes daqueles três Césares à varanda do Circus Maximus transporta-nos para o domínio do surreal, ao invés da premissa de dignificação de um espetáculo de qualidade, credibilidade e seriedade. O estádio de Souto Moura, oitava maravilha da arquitetura desportiva, entrava no anedotário das histórias mal contadas, por negligência do eletricista, com a sua caldeira topo de gama a oferecer aos visitantes o prazer de um duche frio em cima da banhada tática que lhes custara a liderança isolada do campeonato.

Os caprichos de um fusível ou de um termoacumulador não entravam no imaginário do “outro mundo” a que aludiu o guarda-redes Artur Moraes, sem menosprezar o seu conhecimento de causa, mas enfileiram agora na galeria das distrações a que um determinado sector recorre por sistema.

Porém, a falta de água quente que suscitou uma defesa da honra pela SAD minhota e um salomónico esclarecimento do chefe da Liga, testemunha da caldeira danificada, nada significa quando dois dos intervenientes no jogo acusam um adversário de insultos racistas. É uma situação extremamente grave que carece tomadas de posição firmes de cada um dos caudilhos da tribuna Axa, embora tenda a evoluir à revelia das instituições a caminho do poço sem fundo dos processos disciplinares hipócritas em que estes dirigentes normalmente expiam suas gafes e incongruências.

Liga e Federação vêm há anos encolhendo os ombros ao recrudescimento do fenómeno decorrente das manipulações em torno da famigerada Regionalização que foi colocando os genuínos em pé de guerra contra “mouros” e “espanhóis”, consoante as cores das camisolas. Os insultos contínuos, histriónicos e provocadores animaram a banda sonora daquele jogo até ao primeiro apagão, gritando seu ódio agudo para todo o país ouvir e se amedrontar.

Apesar da aposta declarada numa divisão dos portugueses em azuis e encarnados como forma de fortalecer as lideranças, ninguém, até ontem, associara tal antagonismo regionalista em sementes de racismo, perturbadores da sociedade. As hostes “organizadas” com o patrocínio dos clubes e SAD violam a lei antiviolência com assustadora frequência sem que, até hoje, esse mecanismo, dos mais avançados da Europa, tenha sido acionado por quem de direito, custando milhões ao erário público em operações de segurança pública.

Nenhum dos candidatos a presidente da Federação mostra preocupação com o perigo de explosão desta caldeira de intolerância que vem transformando as confortáveis bancadas das nossas pérolas de arquitetura desportiva em trincheiras para uma comandita alienada. A caldeirada que os desassossega é diferente, embora também vista de preto."


Ter razão?

"Tinha razão Jorge Jesus quando afirmou que o Fussball Club Basel 1983, mais conhecido por Basileia, era «como um relógio suíço». Vem de muito longe a fama dos ditos relógios da Confederação Helvética: são absolutamente certinhos. Não adiantam nem atrasam. Tal como o jogo da Luz, que acabou como começou: empatado. Não adiantou (não garantiu o apuramento), nem atrasou (não prejudicou a probabilidade de apuramento).

Tinha também razão Vítor Pereira quando, após o jogo no Porto contra o Athletic Football Club of Greeks of Nicósia, mais conhecido pelo acrónimo Apoel, disse que o empate não tinha sido contra «uma equipa qualquer» (é o 75.º clube do ranking da UEFA). Em Nicósia, capital de Chipre (e não do Chipre, como teimosamente se ouve amiúde e se escreve até em A BOLA), viu-se por que razão o treinador portista tinha razão. O APOEL não é uma equipa qualquer.

Tinha, por fim, razão Domingos Paciência quando antes do jogo nos Cárpatos romenos contra o FC Vaslui, fundado há 9 anos e ocupando o lugar 141.º da UEFA, afirmou que «será jogo difícil pois o Vaslui a jogar em casa á complicado e vai querer fazer um grande jogo». De facto, o Vaslui fez um «grande jogo» e o Sporting não alcançou a sua 11.ª vitória consecutiva perante o mais poderoso dos seus últimos onze adversários.

Num contexto assim tão adverso, Portugal fez 4 em 12 pontos na jornada europeia, graças ao Braga que derrotou o gigante Maribor (206.º do ranking).

Paulo Bento não quer ficar atrás: «temos 50% de hipóteses» disse sobre o jogo com a 32.ª selecção europeia: a Bósnia.

Basta de ladainhas de autodefesa perante equipas sofríveis ou mesmo liliputianas. Metam pressão sobre os adversários e não medo aos vossos jogadores."


Bagão Félix, in A Bola

Já nada me surpreende...



Quando a Escola serve para pregar este tipo de comportamentos racistas (sim, isto é discriminação... focada na cor do coração deste jovem), como é que podemos esperar atitudes civilizadas dos adultos?!!!

Terá o jovem sido malcriado? Terá atirado pedras, ou bolas de golfe? Terá agredido alguém no corredor de acesso à sala de aula? Terá proferido acusações infundadas altamente difamatórias sobre outros? Terá este jovem simulado ter sido agredido? Terá ameaçado ou agredido visitantes na sua casa?

Na História do Humanidade já se viveram vários momentos de retrocesso civilizacional, em Portugal estamos novamente a regredir... numa sociedade com algum sentido de responsabilidade, em vez de uma notícia em jeito de graçola num jornal, chamava-se os educadores profissionais presentes na Escola à responsabilidade... mas em Portugal...

Os meus parabéns ao jovem, não só pelo seu sentido apurado no saber vestir, mas principalmente pela sua capacidade de intervenção cívica... algo que infelizmente é raro por estas bandas...

Alto e bom som !!!

"Esta cerimónia que celebra a lusofonia é o local certo para dizer, alto e bom som, que o racismo, pela história do Benfica e pelo valor das pessoas, não cabe no Clube. Nem sempre quem mais grita é quem tem razão. Para que não fiquem dúvidas, o Javi García é um grande profissional e tenho toda a confiança na sua palavra e carácter."

Luís Filipe Vieira, in Site do Sport Lisboa e Benfica (16.ª edição da Gala da Confederação do Desporto)


Acho que o Benfica e os Benfiquistas não se devem alongar em grandes dissertações sobre este caso, porque isso seria dar troco a quem não merece, seria contribuir para esta nojenta manobra de diversão, seria ser cúmplice no branqueamento daquilo que verdadeiramente vergonhoso se passou mais uma vez naquele antro... Mas como é óbvio a defesa pública do Javi tem que ser feita, mas da forma mais curta e grossa possível, e esta declaração do presidente vai nesse sentido, mas também alarga o âmbito da 'acusação'... não podemos ser ingénuos, apesar do alvo ser o Javi, já foram feitas algumas declarações de outras pessoas, de que maneira encapotada (suja), através de insinuações subtis, tentam ligar nome da instituição Benfica, com o racismo!!! O Benfica não recebe lições de cidadania de nenhuma outra instituição neste País, bem pelo contrário... e esta defesa do Benfiquismo tem que ser feita pela Direcção, e por todos nós... sem qualquer complacência, agressivamente, sendo mal criado se for preciso, para com todos ou quaisquer papagaios amestrados, brancos, pretos, amarelos, verdes, azuis... ás riscas verticais ou horizontais...

PS: ...e já agora, já que estamos a falar do assunto, e como anda por aí muita gente com amnésia: sempre fui um enorme admirador de George Weah!!! Um verdadeiro Homem... que diferença para com uma qualquer marioneta...

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Boa exibição

Objectivamente (Lagartada)

"Já ninguém atura os sportinguistas com a sua desmesurada euforia em torno dos bons resultados obtidos ultimamente. Esfregar as mãos e recuperar caminho já não chega. É preciso sempre exagerar um pouco dar graça a estes nossos tão entusiastas rivais.

Querem muitos bilhetes para verem o jogo da Luz. Querem ter vários representantes no novo elenco da Federação Portuguesa de Futebol. Querem, igualmente, dar pontas de lança na nova Direcção da Liga. E na Arbitragem, na Justiça e Disciplina também querem, querem, etc, etc...

Bom, mas não seria mais interessante ajudarem a melhorar o Futebol português, colaborando com as propostas, participando seriamente na revolução, em vez de andarem a pedinchar lugares?

E, depois, não o conseguem fazer em silêncio. Têm de ajudar a elevar o ruído da discórdia e da confusão que vai reinando na escolha do melhor candidato para a FPF.

Dentro da Direcção há quem apoie os dois candidatos. E em público vão-se degladiando dando uma mostra de quem não tem rumo nem sabe o que quer. Os chamados «papagaios» (que falam em nome do clube nos variados debates televisivos e radiofónicos) já foram criticados pelo presidente da Direcção.

Godinho Lopes deu duro no presidente da Assembleia Geral por causa da crítica pública ao 'funcionário' Luís Duque. E Barroso reclamou, dizendo que apenas queria proteger o presidente. Barroso sempre foi assim. Não quer perder influência e protagonismo no clube e vai papagueando umas coisas para cair na graça de todos. O problema é que nem sempre têm paciência para o aturar. Mas, o certo é que conseguiu nas últimas eleições apoiar um candidato e ganhar lugar na lista do que venceu. Ele e outros que aparecem aí pelas TV's.

Há, pois, que rever o protagonismo dos «papagaios», esses psitaciformes tão insurrectos!!!"


João Diogo, in O Benfica

Quantidade e qualidade

"Esta coisa de escrever antes de um jogo importante e só ser lido depois do embate só não constitui um aborrecimento (e um risco) porque o móbil responde pelo nome de Sport Lisboa e Benfica. Escrever sobre o Benfica, afinal, é como jogar pelo Benfica. Escrever sobre o Benfica, afinal, é como vibrar pelo Benfica. Sempre, sempre mesmo.

O Benfica já está na segunda fase da Liga dos Campeões? Era esse, de resto, o meu vaticínio. Até ao encontro da última quarta-feira, pelo menos, Benfica e Barcelona tratavam-se dos únicos emblemas europeus invictos na Europa com Futebol mais... civilizado. Contabilizados todos os jogos oficiais da presente temporada, o pior registo que se poderia encontrar no percurso dos dois colossos eram apenas igualdades. No caso vertente do Benfica, perante o Gil Vicente (o único desfecho deveras negativo, ainda que averbado extra-muros), o FC Porto (no Dragão) e o Manchester United.

O Benfica, versão 2011/2012, mais a sua trajectória imaculada, tem entusiasmado os adeptos. Ainda falta alguma constância exibicional? Certamente que sim. Em todo o caso, o colectivo de Jorge Jesus já demonstrou que esta poderá, e deverá ser, uma época com mais vermelho no sonho bonito da gente. Ademais, o actual plantel não apenas exibe qualidade, condição fundamental para o triunfo.

Trata-se, também, de um elenco com quantidade indesmentível de valores individuais, outra circunstância decisiva para o êxito. Este Benfica tem qualidade e tem quantidade. Tem o que deveria ter. Tem, por via disso, amplas condições para rubricar um ano competitivo de excelência. As primeiras amostras são já mais do que prometedoras, são mesmo a garantia de sucesso."


João Malheiro, in O Benfica

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Lixívia Extra-Forte X

Tabela Anti-Lixívia Extra-Forte:
Benfica.......24 ( -2)...26
Corruptos..24 (+1)...23

Sporting......23 (0)...23
Braga........19 ( +4)...15






Cada vez tenho menos vontade de falar das roubalheiras... na Pedreira este ano em vez das bolas de golfe, tivemos os apagões: Expulsão perdoada do Djamal; penalty não assinalado sobre o Luisão; Penalty mal assinalado contra o Benfica (por exemplo no jogo com o Basileia o Suíço no momento do cruzamento do Maxi, levanta o braço ao nível da cabeça, por exemplo no jogo do Guimarães na Luz o Alex antes do cruzamento estica o braço, e o N'Daye levanta o braço, algo que o Emerson não fez. O Brasileiro roda, protegendo-se, com o braço encostado ao corpo)...
(mais uma semana em alta da porkalhadaTV: num lance onde o Javi corta a bola com a perna, com o ângulo por trás da baliza do Artur a provar inequivocamente, a SportTV resolve censurar essa imagem, ainda por cima num lance anulado por fora-de-jogo; na TBI o suposto elemento neutro dos paineleiros, afirma ostensivamente que o penalty sobre o Luisão não existe, porque o agarrão é mútuo, e portanto nem vale a pena mostra as imagens!!!)
adenda: Já me esquecia, esta semana até o Coroado concorda comigo!!!!! Algum dia tinha que acontecer...!!!
Adenda2: O monte de merda, Alan, também deveria ter sido expulso, por agressão ao Javi.






Os Lagartos depois de toda a choradeira continuam a beneficiar, desta vez o João Pereira pisa propositadamente sem bola um adversário. No segundo golo do Sporting, existe uma falta do Capel no início da jogada...








O Vitinho já está com os patins calçados, a prova é que esta semana até foram prejudicados pela arbitragem!!! Milagre!!! O penalty marcado, foi bem marcado. O Kléber no final mergulha, mas como ganha a frente do Maurício (por preguiça deste) fica com o direito a 'reclamar'!!! Logo de seguida não existe penalty por mão na bola. O canto é marcado e o Maicon desvia a bola de cabeça, o Mexer não tem hipotese de retirar o braço. Golo bem anulado ao Mangala por falta de Rolando. Penalty não assinalado por falta do Mexer sobre o Hulk!!!

Anexos:

Benfica
1ª-Gil Vicente(f) (2-2), João Ferreira, Nada a assinalar
2ª-Feirense(c) (3-1), Hugo Pacheco, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
3ª-Nacional(f) (0-2), Soares Dias, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado
4º-Guimarães(c) (2-1), Duarte Gomes, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado
5ª-Académica(c) (4-1), Vasco Santos, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
6ª-Corruptos(f) (2-2), Jorge Sousa, Nada a assinalar
7ª-Paços de Ferreira(c) (4-1), Bruno Esteves, Prejudicados, Sem influência no resultado
8ª-Beira-Mar(f) (0-1), Paulo Baptista, Prejudicados, Sem influência no resultado
9ª-Olhanense(c) (2-1), Marco Ferreira, Prejudicados, Sem influência no resultado
10ª-Braga(f) (1-1), Proença, Prejudicados, (0-2), -2 pontos


Corruptos
1º-Guimarães(f) (0-1), Olegário, Beneficiados, (0-0), +2 pontos
2ª-Gil Vicente(c) (3-1), Rui Silva, Beneficiados, Impossível contabilizar
3ª-Leiria(f) (1-4), Capela, Prejudicados, Sem influência no resultado
4ª-Setúbal(c) (3-0), Marco Ferreira, Beneficiados, Sem influência no resultado
5ª-Feirense(f) (0-0), Bruno Esteves, Beneficiados, (1-0), +1 ponto
6ª-Benfica(c) (2-2), Jorge Sousa, Nada a assinalar
7ª-Académica(f) (0-3), Paulo Baptista, Nada a assinalar
8ª-Nacional(c) (5-0), Cosme Machado, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
9ª-Paços de Ferreira(c) (3-0), Hugo Miguel, Beneficiados, Sem influência no resultado
10ª-Olhanense(f) (0-0), Capela, Prejudicados, (0-1), -2 pontos


Sporting
1ª-Olhanense(c) (1-1), Xistra, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
2ª-Beira-Mar(f) (0-0), Fernando Martins, Nada a assinalar
3ª-Marítimo(c) (2-3), Proença, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
4ª-Paços Ferreira(f) (2-3), Paulo Baptista, Prejudicados, Sem influência no resultado
5ª-Rio Ave(f) (2-3), Hugo Miguel, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
6ª-Setúbal(c) (3-0), Cosme Machado, Nada a assinalar
7ª-Guimarães(f) (0-1), Bruno Paixão, Nada a assinalar
8ª-Gil Vicente(c, (6-1), João Capela, Beneficiados, Sem influência no resultado
9ª-Feirense(f) (0-2, Gralha, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
10ª-Leiria(c) (3-1), Manuel Mota, Beneficiados, Impossível contabiliza


Braga
1ª-Rio Ave(f) (0-0), Duarte Gomes, Beneficiados, (1-0), +1 ponto
2ª-Marítimo(c) (2-0), Soares Dias, Beneficiados (1-0), Sem influência
3ª-Setúbal(f) (0-1), Hugo Miguel, Beneficiados (0-0), +2 pontos
4ª-Gil Vicente(c) (3-1), Rui Costa, Nada a assinalar
5ª-Guimarães(f) (1-1), Pedro Proença, Nada a assinalar
6ª-Nacional(c) (2-0), Xistra, Nada a assinalar
7ª-Leiria(f) (0-1), Marco Ferreira, Nada a assinalar
8ª-Feirense(c), (3-0), João Ferreira, Nada a assinalar
9ª-Académica(f), (0-0), Jorge Sousa, Nada a assinalar
10ª-Benfica(c), (1-1), Proença, Beneficiados, (0-2), +1 ponto

Voz experiente...

"Caro Benfiquista

Eu sei que, à semelhança da maioria dos benfiquistas, ferves em pouca água. E, como a maioria dos benfiquistas, és ansioso e depressivo. É natural: os mais velhos, como eu, habituámos-mos a ganhar, a ser um exemplo de desportivismo e a ganhar - pela simples razão de que éramos superiores. Em tudo. Dentro e fora do campo. Mas, quase trinta anos de dirigentes incompetentes e da muita batota que tomou conta do futebol, foram o bastante para nos fazer andar com a cabeça baixa, a viver de ilusões e de promessas, de raros sucessos e de muita frustração. Por isso, os mais novos como tu e como os meus filhos e netos, perdem a confiança com muita facilidade.

Mas gostava que registasses o que te digo: O Benfica ganhou o campeonato, ontem, em Braga. O Porto vai acabar em quarto. O Sporting em terceiro. O Braga em segundo. Talvez não seja exactamente esta ordem, mas acho que não me engano muito. O Benfica já jogou com dois candidatos ao título, fora de casa, e não perdeu. Aliás, esta época ainda não perdeu! Mesmo com apagões (cirúrgicos?), não perdeu. Não te esqueças que tinhamos o jogo dominado quando começou aquela farsa. E foi preciso que o Pedro Proença inventasse aquele penalti para eles conseguirem chegar à baliza! (Aliás, é sempre assim, os árbitros portistas favorecem o Porto, os benfiquistas têm que mostrar que são isentos!).

Já jogámos com dois dos três rivais. E ambos no campo dos adversários, os mesmos que, nos anos anteriores, nos roubaram pontos, em jogos que foram verdadeiras batalhas campais, dentro e fora do estádio. E estamos em primeiro, ex-aequo com o Porto, que só jogou connosco. O Braga também. E o Sporting não jogou com nenhum dos três. Acrescento que já se começa a perceber que o Sporting não tem um futebol consistente e que o Domingos não é o treinador que muitos se precipitaram a pôr no pódio.

O problema do Benfica é que nunca soube respeitar os treinadores portugueses. É curioso que uma equipa que, desde o Cosme Damião, durante anos, fez gala em só ter jogadores portugueses, sempre tenha tido treinadores estrangeiros. E, agora que praticamente só joga com estrangeiros, teve dois dos três melhores treinadores portugueses e não os soube estimar como mereciam: primeiro foi o Fernando Santos, que fez milagres com uma equipa medíocre e sem banco, e agora o Jesus (o outro é, obviamente, o Mourinho, goste-se ou não do futebol das equipas que ele treina). Foram os melhores treinadores que o Benfica teve desde, vá lá, o primeiro Erickson!

O Jesus é um treinador de topo, convence-te disso, mas um treinador que está a fazer a sua habituação ao sucesso e ao convívio com um grande clube e uma grande equipa. Mas o que ele sabe de bola não cabe em dez enciclopédias e em vinte manuais. O modo como ele percebe as qualidades dos jogadores e os potencia é de um fora de série: pensa no David Luís, no Di Maria, no Fábio Coentrão, agora no Gaetan, e por aí fora, tudo jogadores que ele valorizou de um ano para o outro. O que se passa, este ano, é que ele aprendeu a jogar cínico (Manchester, Porto, Braga), o que tira nota artística às exibições, mas garante resultados. Este ano, além de ganhar o campeonato, vamos longe em todas as provas. E olha que, em relação ao Benfica eu nunca me enganei (Artur Jorge, Vale e Azevedo, Fernando Santos, Camacho, Quique, agora o Jesus). Regista isso e mais esta: muitos benfiquistas, no ano passado, sem tentar perceber o que nos levou àquele mau começo e péssimo final (mas lembra-te que, no meio da época, o Benfica praticou um futebol de luxo), pediram a cabeça do Jesus, esquecendo o que ele fizera em 2009/10! E posso dizer-te com orgulho que fui um dos que sempre o defendeu contra ventos e marés; e, sobretudo, contra os que pediam a sua cabeça.

Só acrescento uma coisa: o Benfica, este ano, só tem um problema: não tem substitutos para os centrais, e não tem um lateral esquerdo! A equipa fica coxa, sobretudo com o modelo de jogo do Jesus: só ataca pela direira, e fica nas mãos (aliás, nos pés) do Maxi Pereira, que é um jogador esforçado (que o Jesus fez crescer muito), mas que não é o Coentrão. E o Emerson também é um jogador esforçado, mas que não sabe subir com bola e que, por muito trabalho que se faça, dificilmente nos resolve esse problema. O que significa que, provavelmente, temos que ir ao mercado em Janeiro fazer este ajustamento, a menos que o Jesus, neste três meses que tem pela frente, com a matéria prima que tem à disposição, fabrique um lateral esquerdo, como fez com o Fàbio Coentrão.

Mas isso são pequenos problemas, ao lado da grande equipa que o Jesus está novamente a fabricar (e não te esqueças que nos falta o Enzo Peres, que seria um titular indiscutível).

Mas, caro benfiquista, acredita em mim: este ano, se não houver batota por fora, vamos ser campeões. E, daqui para a frente, se estivermos unidos e mantivermos a confiança na equipa e no seu treinador, podemos estar no começo de uma nova era de Glória, de liderança e de vitórias. Um abraço"


Resposta ao monte de merda:

“Tenho respeito por todos os jogadores, como profissionais e colegas, infelizmente, pelo que acabo de ser informado, respeito alguns em demasia. Sou um jogador leal, incapaz de fazer aquilo que hoje alguém me acusa. Estranho até, com acusações tão graves, que o jogador em causa só se tenha lembrado delas hoje. As declarações que foram produzidas são totalmente falsas e reveladoras do carácter do jogador que as produziu, o mesmo que no ano passado simulou uma agressão dentro de campo. Quem simula dentro de campo é bem capaz de fazer o que ele fez hoje fora dele.”

Javi García, in Site do SL Benfica

Dois ministros na festa dos pacóvios

"Os dois ministros puseram-se à estrada. Não se sabe se cada um na sua viatura cedida pelo Governo, conduzidos por motoristas cedidos pelo Governo, ou se, tendo em conta a fase difícil em que o País vive, os dois na mesma viatura cedida pelo Governo conduzida por um só motorista cedido pelo Governo. O facto é que se puseram ao caminho, garbosos na sua função ministerial, para representar o Governo, que lhe cedeu carros e motoristas, ou carro e motorista, numa festarola de pacóvios.

Poder-se-á perguntar: indo em representação do Governo, representaram os dois ministros o próprio País? Ao ver os dois ministros aos beijos e abraços com senhores de má fama e condutas absolutamente reprováveis, qualquer impoluto cidadão deste cantão desacreditado teria tendência a sentir um arrepio de nojo.

Há que convir que a função de ministro deveria poupar os seus titulares e representações sinistras numa bambochata levada a cabo por gentalha profundamente corrupta. É verdade que de há muito a esta parte que qualquer um é ministro e já não esperamos deles gestos de decência. Mas também não lembra ao diabo que dois ministros de enfiem num carro cedido pelo Governo (vamos dar de barato que foi só um) e conduzido por um motorista cedido pelo Governo e ala país acima para andar às palmadas nas costas com um jarreta devasso e putredinoso e com um matulão retardado que se entretem a partir a soco e a pontapé a boca de qualquer honrado trabalhador que queira respeitar o seu ofício. A cena foi degradante. Os dois alegres ministros foram patéticos. Figurinhas grotescas num palco de cavalgaduras...


PS: Continuo a seguir muitos jogos de futebol ao vivo, e muitos mais na televisão. Nunca mais vi quem quer que seja repetir o gesto torpe e repulsivo de recusar dar a mão aos meninos que costumam entrar em campo com os jogadores. Parece que, nesse aspecto, Portugal tem o exclusivo de tal corja de velhacos."


Afonso de Melo, in O Benfica

Reforços

"No mercado à procura de defesas? Ansaldi ainda nas cogitações da Águia? Lateral-esquerdo e defesa-central são alvos prioritários? Bazan para crescer a partir de Janeiro? Soriano apresenta-se? Bruninho e Ogbonna na agenda? Maxwell associado ao Benfica? Colazo na rota da Luz? Patito para a reabertura do mercado? Benfica segue jóia argentina de 17 anos? As notícias deixaram de exigir fontes identificadas? E, existindo uma fonte, será dispensável ouvir o outro lado? Ou será preferível não cumprir as regras da técnica e da deontologia do jornalismo para não dar cabo da cacha jornalística? Ou será, muito simplesmente que o jornalismo nem sequer é para aqui chamado pois do que se trata é tão só de vender papel?

Verdade é que o Benfica tem um plantel de 27 jogadores que oferecem à equipa numerosas soluções, conjugando experiências e juventude, especialização e polivalência.

Mas o mercado do papel ressente-se e nada vende mais que a marca Benfica. Vem daí a enxurrada de nomes com que diariamente se especula como supostos reforços... para aumentar as vendas de papel impresso. Há feitiços que se voltam contra os feiticeiros e nada quebra mais o crédito dos jornais que o descrédito das falsas notícias, boatos e atoardas.

Adiante. Segue o Campeonato e mantém-se o Sistema. O Benfica ganhou ao Olhanense, apesar de tirar o pé de acelerador na segunda parte, é certo, mas também a despeito de um golo mal anulado e não obstante sofrer um golo na sequência de uma jogada em que a bola passou fora das quatro linhas.

E, já agora, alguém sabe dizer-me se o jogador Kléber vai ser alvo de um sumaríssimo pela cabeçada com que agrediu um adversário do Paços de Ferreira? Ou será que o sumaríssimo foi uma instituição destinada apenas a ser usado contra os atletas ao serviço do Benfica como Derlei, Cardozo e Luisão?"

João Paulo Guerra, in O Benfica

Catedral e Museu

"1. A nossa Catedral vai ser palco do jogo do 'play-off' do Europeu, frente à Bósnia. Obviamente. É o Estádio que leva mais adeptos, com uma grande diferença sobre os segundos (mais 20 por cento de lotação) e que, por isso, é aquela que mais apoio pode proporcionar à selecção. E até é justo que o Clube que mais investiu em infra-estruturas (e não foi só no Estádio...) seja recompensado. Como é que outros podem ficar zangados?

2. Ainda não vi realçado mais é uma óptima notícia: o nosso futuro Museu - o Museu Cosme Damião - será instalado onde ficava a Catedral do Automóvel, numa espaçosa área correspondente aos antigos stands das várias marcas, junto aos nossos pavilhões, em dois andares. Inicialmente, a área prevista era demasiado pequena para o Museu do Benfica e ficava dentro do Estádio. Felizmente, sugestões inicialmente feitas foram (ou puderam ser) agora concretizadas e a libertação do novo espaço vai permitir um Museu à altura do Benfica. 'Aqui vai nascer o futuro Museu Cosme Damião', referem alguns grandes cartazes ali afixados. Fazem crescer água na boca aos benfiquistas!...

3. O FC Porto pagou, o FC Porto não pagou, o Standart de Liège recebeu, o Standart Liège não recebeu, a primeira 'tranche' na transferência de Defour foi paga, a primeira 'tranche' da de Mangala (por sinal mais elevada) ainda não foi. Na semana passada, dia sim, dia sim, foi isso que se leu.

Mas também se leu que, segundo o próprio relatório e contas, os administradores da FC Porto SAD tiveram, ao longo da última época, como ordenados e prémios, um total de 3,3 milhões de euros, dos quais 1,1 milhão cabem ao presidente. Ou seja, feitas as contas, este teve direito a 92 mil euros por mês ou... mais de três mil euros por dia. Problema deles, neste caso, e também do Standart no outro...

4. Ao longo das últimas semanas, os diários desportivos fizeram sucessivas manchetes de jogadores que interessariam ao Benfica, que estavam a ser seguidos pelo Benfica, que estavam próximos do Benfica. A Direcção cansou-se e fez sair um comunicado negando a possibilidade de se reforçar em Janeiro. No dia seguinte, os três jornais 'escondiam' o teor do comunicado, que apareceu noticiado em pequenas notas tendo como títulos uma referência secundária do texto: que o Benfica não queria voltar a ser conhecido como Clube incumpridor. Quase nem se dava conta do desmentido. Curioso..."


Arons de Carvalho, in O Benfica

Perros

"From: Domingos Amaral
To: Jorge Jesus

Caro Jorge Jesus
Com 18 jogos oficiais realizados, o que podemos dizer sobre o nosso Benfica? Ao contrário do ano passado, começámos bem. Bem nos playoff da Champions, qualificando-nos para a fase de grupos, onde também avançámos bem. E bem no campeonato e na Taça de Portugal.
Temos 12 vitórias – 7 na Liga, 4 na Champions e uma na Taça – e 6 empates – 4 na Champions e 2 na Liga. Marcámos muitos golos e talvez tenhamos sofrido mais do que devíamos, mas até hoje não perdemos, partilhando com o Barça o título de únicas equipas sem derrotas na Europa. E dos empates, apenas dois foram desagradáveis, contra Gil Vicente e Basileia em casa, e dois deles foram importantes, contra FC Porto e Manchester.
A equipa conseguiu isto graças a um excelente guarda-redes, Artur, que rapidamente fez esquecer o trauma Roberto, e uma defesa formada por Maxi, Luisão, Garay e Emerson que só pontualmente, por castigo ou lesão, foi alterada. Quanto ao meio-campo, é sempre mais seguro (uma dupla, com Javi ou Matic e Witsel), ou então é seguro e criativo, quando se lhe junta Aimar. E o ataque é produtivo, embora viva de pequenos ciclos de protagonismo individual – primeiro Nolito, depois Gaitán, Cardozo, Bruno César e agora Rodrigo.
Contudo, os últimos três jogos foram fracotes. Contra Beira-Mar, Olhanense e Basileia, a equipa esteve menos dinâmica e inspirada. Embora sem melodramas, chegamos a Braga mais perros do que desejaríamos. O jogo na Pedreira irá esclarecer se continuamos perros ou se metemos o turbo. Seja como for, evitaram-se os múltiplos erros iniciais do ano passado, e isso já é muito bom."


domingo, 6 de novembro de 2011

Só em Portugal !!!





Braga 1 - 1 Benfica



Sim, só em Portugal com uma regularidade impressionante, temos primeiras partes de 80 minutos!!! O Benfica esta época, depois da Choupana já vai em dois jogos com 2 ou 3 interrupções extra...!!! Acompanho a maior parte das Ligas Europeias civilizadas, e não me recordo de assistir jornada sim, jornada não, a situações destas... se calhar o empreiteiro das luzes da Pedreira é sobrinho do Mesquita, se calhar o jogo estava a correr mal aos da casa, se calhar... não me interessa, é vergonhoso.

Como era esperado, o Benfica entrou no jogo com algumas alterações, uma equipa menos ofensiva, igual à que jogou com o Manchester, mas mais consistente defensivamente... com as paragens (foram 3!!!) o jogo perdeu qualquer sentido, mesmo assim foi o Cardozo a falhar de cabeça por milímetros a melhor oportunidade construída até àquele momento. Na segunda parte em desvantagem o Benfica atacou mais, sem grandes oportunidades, isto sem o Gaitán que se sentiu mal ao intervalo (vómitos), mas com o Rodrigo a dar mais velocidade. E o golo acabou por surgir com alguma sorte no remate, mas com inteira justiça... O Benfica nesta altura voltou a 'recuar' no terreno, mas as melhores oportunidades nos últimos minutos voltaram a ser do Benfica. O Braga no final tinha mais bola, mas só em 'bolas paradas' criava algum perigo...

O 'desdentado' teve uma actuação ao seu nível: o Gaitán é agredido ao murro, para o Proença é amarelo; o Luisão é agarrado dentro da área, não se passa nada; o Emerson 'encolhe-se' e o Pedrito marca penalty contra o Benfica (algo normal em toda a sua carreira. Só é pena que na área dos adversários do Benfica não mostre tanto zelo!!!); Alan 'tenta' acabar com a carreira do Javi, e o 'dente-postiço' dá amarelo!!! Estes foram os lances mais significativos, mas durante o resto do jogo, a intimidação foi constante, enquanto os jogadores do Benfica ao mínimo contacto são castigados, os outros sentem-se impunes... a influência no desenrolar das partidas, que esta estratégia premeditada tem nos jogos é enorme, e esta noite tivemos mais um exemplo... (não deixa de ser interessante recordar os últimos golos que o Benfica sofreu em jogos com o Braga: o ano passado para o Campeonato em Braga: falta marcada ao contrário, que deu a expulsão de Javi; segundo golo após atropelamento ao Airton. Para a Euroliga na Luz: falta inexistente dá em golo, que ainda por cima deu um amarelo ao Aimar, que o impediu de jogar o segundo jogo. Nessa segunda mão, golo marcado de canto, com o Cardozo a ser carregado em falta ao primeiro poste!!!. Será possível sofrer um golo do Braga regular?!!!)

O Benfica podia ter começado a abrir um fosso para os Corruptos, podíamos ter mantido os Submissos à distância, mas não conseguimos... Ficou 'quase' tudo na mesma... a grande diferença é que esta época para o Campeonato já não vamos aos antros dos Corruptos (A e B!!!), e na próxima jornada defrontamos os Lagartos... Nas restantes jornadas até ao final da primeira volta, vamos ver à distância os nossos inimigos a jogarem uns contra os outros... O Benfica ofensivamente não está a deslumbrar, aquele Benfica que falhava mil oportunidades de golo por jogo, e ganhava por um ou por dois (ou mais...), desapareceu... mas apesar da intensidade ofensiva ter baixado, o Artur tem tido vários jogos sem qualquer trabalho. Hoje, fez somente um defesa complicada (após um erro de Gaitán), este Benfica não goleia, mas dá poucas abébias defensivas... Sem recorrer aos registos, recordo uma série de mais de um ano sem empates, creio que começou em Setúbal no ano do título do Jesus, e acabou somente em Março passado com o empate em Paris!!! Esse Benfica marcava mais golos, mas também perdia jogos de vez enquanto, este Benfica marca menos, mas raramente perde... Hoje, estamos frustrados, porque queríamos ganhar, mas se calhar este jogo, com as interrupções, e com o Proença, no ano passado, tínhamos perdido!!!
PS: Leiam o inespugnabile ele sabe o que diz!!!


RESUMO - SC Braga 1-1 Benfica

Jimbras | Myspace Video

JJ este empate É TEU

Independentemente do penalti, caso ter sido na outra area não era marcado.
O JJ não "soube" ganhar o jogo.
PORRA sempre a mesma treta!!!

Tragam o Preu d'Homme...

Já agora OU PAPA não queres o JJ por 7,5 Mlh é desconto de Natal

Invictos



Ac. Espinho 0 - 3 Benfica

17-25, 16-25, 21-25


Mais um bom 'treino', confirmando-se a profundidade do plantel... Mais uma excelente exibição do Kock... era escusado, a entrada a 'dormir' no 3º set!!!