Últimas indefectivações

sábado, 15 de março de 2014

Campeões Nacionais de Corta-Mato Curto

Com a temporada de Inverno perto do fim, o Benfica fechou em beleza a época colectiva, com a revalidação do título nacional, de Corta-Mato Curto em Portalegre... Isto depois de já termos conquistado os títulos no Corta-Mato Longo, e no campeonato nacional de Estrada, todos eles pelo segundo ano consecutivo!!!
Hoje, as honras de defender a camisola do Benfica recairam nas pernas do Rui Pedro Silva, no Ricardo Ribas, no Alberto Paulo, e no Rui Pinto

Amanhã, temos 'borrego' para matar!!!

Guimarães 73 - 87 Benfica
10-27, 24-16, 25-26, 14-18

1.ª período perfeito !!! A defender e a atacar, com os lançamentos - dentro ou fora -, todos a entrarem, e ainda com vários contra-ataques... até o Weaver, que hoje foi titular, estava a jogar bem!!!
No 2.º período, com o acumular de faltas, de alguns jogadores, por precaução, foram para o banco, o próprio Jobey teve um problema com uma saída de 'pista', e foi obrigado a sentar-se no banco alguns minutos, e a equipa perdeu a embalagem. Os triplos começaram a não cair, e o Guimarães foi acreditando, chegámos a ter 22 pontos de vantagem, e chegámos ao intervalo, com somente 9 !!!
No início do 3.º período, parecia que a tendência de aproximação ia-se manter, mas finalmente a equipa acalmou, os lançamentos começaram a entrar, a vantagem voltou para a casa das dezenas, e à medida que o jogo se aproximava do fim, o Vitória tinha cada vez mais dificuldades em marcar....

Os jogos com o Vitória são sempre complicados, este não fugiu à regra... mas existem alguns pormenores que acho estranho: porque é que o Pedro Pinto com o Benfica é sempre o melhor marcador do Vitória, com os pontos a caírem quase todos da linha de lance livre?!!!

Ainda não ganhámos a Taça - que tanto nos tem fugido!!! - mas estamos mais próximos. Não podemos desvalorizar o Galitos do Minhava e do António Tavares, esta época, já tivemos jogos 'apertados' com eles. Temos uma equipa com alguns veteranos, que com 3 jogos em 4 dias, pode-se ressentir, e ainda falta o Carlos Andrade, nem que seja para dar 'emoção' aos companheiros... Portanto, amanhã, muita concentração...

Poker !!

Benfica B 4 - 0 Sp. Covilhã

Não é todos os dias que se marca 4 golos, parabéns ao Funes, que hoje soube aproveitar as oportunidades criadas pela equipa, e foram muitas...
O jogo teve 2 minutos 'interessantes': aos 30 minutos, o Funes marca o 1.º, e na jogada seguinte, faz o 2.º; aos 64 minutos, imediatamente a seguir à expulsão de um jogador do Covilhã, o Varela faz duas enormes defesas, primeiro ao sair-se aos pés de um avançado contrário - numa perda de bola infantil do Carlos Martins!!! - e depois no canto que se seguiu, evitou um 'quase' auto-golo do Lindelof, com uma defesa espectacular!!!
No resto do jogo tivemos o Bernardo de volta às grandes exibições, com slalom's empolgantes... e mais um grande jogo do João Teixeira...
Se o Benfica jogasse sempre assim, estaríamos isolados na liderança com uma vantagem enorme, eu sei que em muitos relvados não é fácil, mas tem havido jogos, onde a equipa podia ter feito mais...

Bem encaminhado...

Guimarães 0 - 3 Benfica
25-27, 16-25, 16-25

Primeiro Set muito difícil, com o Benfica a dar a volta ao marcador nos últimos pontos, mas a vitória no parcial acabou por quebrar o espírito ao adversário, e a partir daí, foi em jeito de 'rolo compressor'!!!

Meia-dúzia !!!

 HA Cambra 1 - 6 Benfica

Finalmente uma vitória tranquila...


Juniores - 6ª jornada - Fase Final

Sporting 2 - 1 Benfica

Com o jogo empatado, e a jogar com mais um a partir do minuto 64, o Benfica não podia ter perdido este jogo. É verdade que continuamos líderes, mas... Começa assim mal uma semana complicada, com a deslocação a Manchester a meio da semana, e jogo no Seixal com os Corruptos no próximo fim-de-semana. Com este desaire estamos obrigados a vencer aos Corruptos...
Esta época, nos vários escalões, estamos à frente do Sporting, mas ironicamente, temos perdido a maioria dos Derby's, é preciso encarar estes jogos de outra forma. A uma jornada do final da 1.ª volta, parece óbvio que o Benfica tem a melhor equipa, com os dois jogos onde perdemos pontos com histórias 'excêntricas', será muito frustrante, não vencer o Bicampeonato...

Benfica.............13
Braga.................13
Sporting.............11
Corruptos...........9
Oeiras................8
Leixões..............8
Leiria.................4
Guimarães..........0

sexta-feira, 14 de março de 2014

Live in Red Hart Lane

Alerta

"Os nossos oponentes dizem que renunciaram à discussão do título nacional. Nas últimas horas, multiplicaram-se declarações de jogadores, dirigentes ou personalidades do Sporting e do FC Porto, dando a competição por perdida. Verdade também que aproveitaram a ocasião para apresentar queixumes (mais até pintados de verde), sugerindo que a justeza da liderança benfiquista na prova é um falácia.
A experiência das últimas temporadas tem que nortear o Benfica. Os seus técnicos, jogadores, dirigentes, associados, adeptos. A Liga não está ganha, faltam ainda oito rondas, muitos pontos em discussão. Claro que o avanço é aparentemente confortável, mesmo invejável, mas está interdita qualquer expressão de soberba, de arrogância, de negligência ou laxismo. O Benfica só será campeão se mantiver uma postura humilde, combativa, fogosa.
Dar as contas por encerradas é uma estratégia dos nossos adversários. Eles querem um Benfica adormecido, nós queremos um Benfica em estado de alerta. Cada jogo, a começar pelo próximo despique na Madeira (e apesar do Sporting - FC Porto, em Alvalade), é mais um episódio de uma luta titânica que não se compadece com distracções ou quaisquer deslumbramentos.
O Benfica vai ganhar o Campeonato? Vai, com certeza. Mas vai (e só vai) se mantiver a postura que tem patenteado. No campo e fora dele. Somos melhores, somos competitivamente superiores? Até já demos provas, de resto inequívocas. Só que a etapa conclusiva está aí. Nós aqui. Todos nós. Com modéstia, abnegação, espírito ilimitado de sacrifício. No campo? Também e muito nas bancadas."

João Malheiro, in O Benfica

Para Turim, se faz favor

"Esta semana o Benfica aumentou a vantagem pontual na liderança do campeonato. Sete e nove pontos para o Sporting e FC Porto, respectivamente, não seriam suficientes se estivéssemos a jogar mal, mas a jogar como se jogou contra o Estoril nem os mais pessimistas como o Estoril nem os mais pessimistas como eu deixam de pensar no 33.º título de campeão nacional.
O Estoril fez na Luz o mesmo resultado que FC Porto e Sporting mas jogou melhor. Um dos maiores problemas de Jorge Jesus são os pessimistas e exigentes, nos quais me incluo, que querem mais títulos do que apenas o campeonato.
Esta temporada (como na última) o Benfica é melhor do que a concorrência nacional e pode fazer uma grande época. Ainda não ganhámos nada, mas sonhamos com quase tudo. E merecemos esse sonho.
Uma vitória na Madeira, segunda-feira, deixava praticamente selado o caminho do título. É talvez o jogo mais difícil até ao fim da época, pelo adversário, pelo excesso de jogos e viagens, pela ausência do Fejsa, em suma só um Benfica superlativo vencer na Choupana.
As alterações de treinador do FC Porto, com a chegada de Luís Castro, notaram-se mais na equipa B, que sem a qualidade do novo técnico perdeu em Chaves. Ver um Sporting-FC Porto com esta tranquilidade não é habitual nas hostes benfiquistas mas é muito agradável.
White Hart Lane é uma página que enche de orgulho os benfiquistas, depois da vitória sobre o Tottenham por 3-1.
Jogar bem é bom, jogar muito bem é óptimo. Hoje, dia 14 de Março de 2014, o Benfica disputa todas as provas.
Os analistas façam os rankings de favoritos, que eu, acabado de sair do estádio, apanhei um táxi e, à pergunta do taxista sobre para onde vou, respondi: para Turim por favor."

Sílvio Cervan, in O Benfica

Um jogo digno de quadro de honra

"A exibição de ontem do Benfica em White Hart Lane teve entrada directa no livro das melhores memórias europeias do clube da Luz. O Tottenham, uma das equipas mais caras da Premier League, foi varrido do mapa por uma versão A+B dos encarnados, que deixaram Maxi Pereira em Lisboa e remeterem Enzo Pérez, Gaitán e Lima ao banco de suplentes. Não sei o que dará o jogo da segunda volta, tão-pouco sou capaz de adivinhar o que vai acontecer o que vai acontecer na próxima segunda-feira na Choupana. Sei, contudo, que quando se falar, daqui em diante, de grandes proezas de equipas nacionais nas provas da UEFA a noite de 13 de Março de 2014 jamais será olvidada. De Maio de 2013 aos dias de hoje, árduo foi o caminho trilhado pelo Benfica, um percurso que foi da ilusão à depressão em menos de nada e, depois, lentamente, foi sendo cumprido a pouco a pouco mais de gás, a seguir, e a todo o vapor, agora, mérito de um presidente que apontou um rumo e de um treinador que soube introduzir as correcções de percurso necessárias.
O Benfica, que ainda não ganhou nada, está no caminho certo na qualidade de candidato a tudo. Mas não deve perder o foco e persistir no discurso da primazia do campeonato nacional. Garantindo esse desiderato, poderá apontar a outras metas, sem o perigo de a perna ser mais curta que o passo. Jorge Jesus, beneficiando da experiência acumulada, parece agora muito mais seguro na definição de objectivos, manejando com à-vontade o plantel homogéneo de que dispõe e onde o crescimento de vários jogadores é notável.
PS - No Dragão, Luís Castro somou a segunda vitória em dois jogos. Alvalade, no Domingo, vai dizer em que ponto está a convalescença do FC Porto."

José Manuel Delgado, in A Bola

JJ é um cómico

"Jorge Jesus, consagrado em título de livro como Mestre da Táctica, continua a dar espectáculo.
Desta vez em directo e a cores, aquando do último golo do Benfica em Londres, onde espetou 3 batatas ao milionário Tottenham que já foi orientado pelo antigo jogador do Clube Marechal Gomes da Costa.
Depois, na conferência, JJ quis explicar o gesto dizendo que se estava a referir a Luisão. Mas Luisão é o n.º 4, entendido?
Todos percebemos o alcance do gesto, que pode ser traduzido num simples "chupa lá três".
Nada disto é especialmente insólito em Jorge Jesus e muito menos no show futebolístico, que também vive destas coisas a que podemos chamar palhaçadas.
O que irrita mesmo é o coro de padrecos que já se levantou por aí a criticar a má educação do próximo treinador do Barcelona.
Isto está mesmo entregue à malta das banalidades, do óbvio e do politicamente correto. Vai tudo bater no famoso "saber ganhar é tão importante como saber perder". Tretas. Como o fair-play. Como todos sabemos, qualquer adepto não se importa nada de ganhar com um penálti mal marcado dois minutos para além da hora. O que custa é perder nessa situação ou então levar três e com dois golos da autoria do Luisão.
Em Londres, o Benfica de JJ mostrou o seu poder. É uma equipa que dá gosto ver jogar e, o que também ajuda, soma e segue.
Quem aqui anda não precisa de me lembrar que também já nadei a favor da corrente e que me declarei fartinho de JJ e das suas coisas.
Emendo a mão.
Este gajo tem muita piada. Anima os nossos dias. Mas fiquei com água na boca pois ainda não foi desta que o vimos a revolucionar por completo a língua de Shakespeare. Por ora ficou-se por um simples e fácil one, two, three..., o que nos dá a entender que JJ já vai pelo menos no nível dois de inglês em cassete pirata."

Todos à Luz

"Gostei da forma decidida como o Benfica entrou a jogar frente ao Estoril, veloz, ligado, criativo, atacante, não dando hipóteses a quaisquer veleidades do adversário em surpreender a melhor equipa do campeonato, já agora, a melhor equipa do Mundo no mês de Fevereiro, segundo a Federação de História e Estatística do Futebol. A pressão deve ter surpreendido a equipa-surpresa dos últimos campeonatos, de tal maneira que, aos 20 minutos, o Benfica já tinha facturado dois golos fulgurantes de Luisão e Rodrigo, o primeiro na sequência de um livre de canto, o segundo ao cabo de uma jogada de futebol espectáculo envolvendo Gaitán, Siqueira e o fulminante marcador, Rodrigo.
Depois, o Benfica deixou o adversário jogar. Ou, melhor dizendo, deixou-o recrear-se com a bola. Nos 90 minutos, o Estoril fez um remate à baliza, num lance de bola parada que tabelou na barreira e foi ao poste. O Benfica, mesmo dando de barato a posse de bola, não deixou de ameaçar, chegando mesmo ao terceiro golo que a equipa de arbitragem, num erro calamitoso, anulou. A posição do árbitro auxiliar que dá indicação de fora de jogo é de todo incompatível com a avaliação criteriosa da jogada: o indivíduo ficou pregado ao chão no paralelo da entrada da área, o lance desenrola-se junto à linha de cabeceira.
O Benfica joga bem, embora por vezes perdulário na concretização, mas dá um pouco a ideia de que joga o necessário. E cumprido o necessário levanta o pé do acelerador. Talvez a questão tenha a ver com o calendário: 7 jogos em Fevereiro, 8 jogos em Março, um excesso.
Agora, o que não pode faltar, e não faltará à equipa, é o apoio dos Benfiquistas. De maneira que, dê por onde der, custe o que custar, todos nos próximos compromissos. Todos à Luz."

João Paulo Guerra, in O Benfica

Uma questão de honra

"1. Por ter escrito num livro que o presidente do FC Porto era o campeão dos arguidos do futebol português vi-me enfiado num sarilho judicial que demorou quase sete anos a resolver-se com os custos respectivos para a carteira e para a paciência. Fiquei, então, a saber que o presidente do FC Porto era uma pessoa muito sensível e susceptível chegando mesmo, segundo uma das suas testemunhas no processo, médico de profissão, a desfalecer quando se viu perante o meu tão avacalhante insulto.

2. Ao longo do tempo - e da sessões do julgamento (desse e doutros da mesma estirpe) - e susceptibilidade do presidente do FC Porto foi-se pelos vistos diluindo, tanto que confessou pública e alegremente tratar os melhores amigos por filhos da prostituta da Babilónia (ou algo mais vernáculo, já não me recordo), sublinhando a pilhéria com o jocoso dito e umas palmadas nas costas de um pobre jornalista (não sei se as imagens do Youtube são válidas, mas eu vi-as).

3. Na última Assembleia-Geral da Liga de Clubes, o presidente do Marítimo não se coibiu - dizem os relatos da ocorrência - de se dirigir ao presidente do FC Porto utilizando termos que não reproduzo aqui por respeito a todos os envolvidos, especialmente os meus leitores. Das duas, uma: ou irá dar com os costados em tribunal ou foi uma conversa de amigos. Assim são as questões de honra..."

Afonso de Melo, in O Benfica

Um olival de eucaliptos

"Os dirigentes dos clubes profissionais reúnem em consílio com o intuito de “reformar” o futebol português. Aglomeram-se em torno de um poder bafiento, com métodos camorristas, e, no final, enviam um moço de recados anunciar ‘urbi et orbi’ que querem fazer um “25 de Abril” no futebol. Ou seja, pudemos todos observar gente que se aproveita da liberdade conquistada para escarrar na democracia e, em nome dela, anunciar uma revolução que pretende perpetuar no poder os que atiraram o nome do futebol português para o anedotário em que se encontra.
Os dirigentes do Benfica, Sporting e Marítimo afastaram-se daquilo. Garantidamente, nesse momento, os adeptos destes três clubes sentiram orgulho nos seus dirigentes. Pois, ao contrário do que alguns pensam, a maioria dos adeptos não se revê neste futebol que mais parece um olival feito de oliveiras com raízes de eucalipto, das que secam tudo em seu torno.
Ao quererem atirar para o poder mais um títere do olival, pretendem garantir que o bolo dos direitos televisivos se mantenha nas mãos que distribuem migalhas aos serviçais que lhe sustentam a negociata. A falência moral do futebol português tem rostos e nomes que se preparam para deixar herança. Disfarçado numa espécie de manto de vitalidade esconde-se o fervilhar de podridão de um pântano estagnado há três décadas e em que aforismos de falência moral como “o que hoje é verdade amanhã é mentira” são publicamente assumidos e vividos entre gargalhadas boçais, fina ironia e charutos mamados (como escrevia o Eça) em prostíbulos e lupanares sobejamente conhecidos."

Pedro F. Ferreira, in O Benfica

Jorge Nuno

"1. Jorge Nuno Pinto da Costa (assim mesmo, com o nome todo) tem sido vítima de uma grande injustiça nos últimos dez anos. Suspenso pela justiça desportiva por factos relacionados com aquilo a que malevolamente chamaram 'Apito Dourado', viu além disso o seu clube castigado com seis pontos, que por um simples acaso (não pode ter sido outra coisa...) não aqueciam nem arrefeciam. Foi castigado quem, em gestos que reflectem o seu grande coração, ofereceu generosamente umas férias no Brasil a uma pessoa (por um simples acaso era um árbitro), pagou o colégio ao filho de uma outra (por coincidência outro árbitro), oferecia 'senhoras' a outros (uns árbitros, outros simples assistentes), fora todas as outras ofertas e favores que nunca foram tornados públicos pois, além de generoso, o senhor era de uma notável discrição. Ouviram-se umas coisas em telefonemas que nunca se deveriam ter ouvido, escreveram-se muitas aleivosias denegrindo a imagem de tão impoluto cidadão, enfim, foram dez anos de injustiças que o Conselho de Justiça da Federação agora quer reparar.
Acho , no entanto, que não seguiu o melhor caminho, ao devolver o processo ao Conselho de Disciplina? Não era mais simples expressar um voto de louvor ao senhor Jorge Nuno Pinto da Costa por tão generosas dádivas aos tão injustiçados árbitros, alguns dos quais também vão vilipendiados ao longo destes anos? Ainda há dias recebi um mail com as velhas glórias dos três grandes e, a par dos benfiquistas Coluna, Eusébio e Chalana e dos sportinguistas Travassos, Manuel Fernandes e Figo, aparecem os portistas Fortunato Azevedo, Carlos Calheiros e Martins dos Santos. É manifestamente injusto o esquecimento de várias outras antigas glórias dos três clubes, na linha dos citados... O nosso Futebol está repleto de injustiças.

2. Hoje resolvi dar prioridade na crónica ao presidente do clube que segue na 3.ª posição do Campeonato, ao invés de realçar a nossa agradável (mas ainda não definitiva!) vantagem. Ganhámos bem ao Estoril, com uma boa primeira parte e um descansado segundo tempo, mas para ficarmos com o título na mão ainda é necessário ganhar na Madeira o difícil jogo com o Nacional. Mais do que discutirmos o resultado que mais interessa no Sporting - FC Porto da véspera..."

Arons de Carvalho, in O Benfica

quinta-feira, 13 de março de 2014

Red London !!!

Tottenham 1 - 3 Benfica

Num País onde são poucos os jogos onde as equipas portuguesas conseguem triunfar (em jogos oficiais a contar para as competições Europeias), num relvado onde nenhuma equipa portuguesa tinha ganho um jogo, o Benfica, esta noite, venceu... categoricamente. Mesmo mantendo a rotação do plantel, mesmo com alguns titulares de fora, mesmo sofrendo defensivamente um pouco mais (no início), do que aquilo que estamos habituados (nos últimos tempos) a equipa manteve-se sólida, e desta vez, foi mortal no conta-ataque, e nas bolas paradas (que tantas vezes no deixam desesperados com tanta ineficácia!!!)...
Provavelmente, a conclusão dos do costume, é que este Tottenham é muito fraquinho... o mesmo Tottenham que no início de época, treinado pelo Aldeias-Reles, era a 8.ª maravilha do mundo!!! Foi só a equipa que mais gastou em contratações na pré-época, que tem alguns lesionados (nós também), e que antes da derrota azarada com o Chelsea (no último fim-de-semana), ainda tinha aspirações no apuramento para a Champions...!!!
Tanto o Rodrigo como o Luisão, tal como o Rùben pelas assistências, vão ser mais destacados, mas muito sinceramente a equipa merece o elogio colectivo. O melhor em campo foi a 'equipa'.
Só três notas individuais: o golo do Eriksen é um grande golo, mas o Oblak já sofria golos 'destes' em Leira!!! Eu sei que não é fácil, mas o jovem Esloveno tem mais dificuldades nos remates de longe, é uma questão de leitura da trajectória da bola...; o Rúben fez um grande jogo, mas na Segunda na Madeira tem que fazer um jogo ainda melhor, porque não terá a muleta do Fejsa, espero que recupere totalmente do esforço; com o castigo do Sílvio para a 2.ª mão, será preferível apostar na titularidade do Sìlvio com o Nacional, a defesa-esquerdo, e depois com o Tottenham teremos o Siqueira...
Como é óbvio, não acredito numa eliminação, não estou a ver o Benfica sofrer 3 golos na Luz, mas o jogo da próxima Quinta terá que ser jogado, e estas equipas Inglesas, joguem bem ou mal, dão aos jogos sempre muita intensidade, e assim obrigam os adversários a correr também... Portanto, mesmo com a eliminatória encaminhada, ainda faltam 90 minutos de entrega, só estamos no intervalo!!! Pode parecer demasiado prudente, mas esta tem que ser mensagem.
Mas antes do jogo da 2.ª mão, vamos ter o jogo mais 'importante da época': na Choupana!!! Sim, não se deixem enganar pelos parabéns antecipados, pelo título no Campeonato, por parte dos avençados e dos nossos adversários, ainda não ganhámos nada... e se por acaso no futuro próximo, permitirmos uma aproximação, a pressão será muito grande...
E além disso, depois da exibição de hoje, depois de ver o jogo do Nápoles no Dragay, depois de saber que a Juventus está em desvantagem na eliminatória (e joga a 2.ª mão em Florença), depois de especular quais serão os outros Clubes que vão estar nos Quartos-de-final da Liga Europa, temos que decidir o mais depressa possível o Campeonato, para nos podermos concentrar a 100% na Europa, porque com o Benfica a apostar tudo na Europa, a única equipa que me mete 'respeito' é a Juve (principalmente se for na Final...), o resto está perfeitamente ao nosso alcance.
Fazendo de Zandinga, depois da 1.ª mão, aposto para os Quartos: Valência, Basileia, AZ, Lyon, Bétis, Fiorentina e o Nápoles (estas últimas duas equipas, é mais um desejo, do que uma fezada)!!! 

Sofrimento !!!

Barcelos - 61 - 64 Benfica
19-20, 17-16, 17-14, 8-14

Sinceramente não esperava um jogo tão sofrido nestes Quartos-de-final da Taça de Portugal... Jogo decidido, nos últimos 5 minutos, com muitos erros nos últimos ataques para os dois lados!!!
O Benfica tem dominado o Basquetebol nacional nas últimas épocas, mas por alguma estranha razão, ainda não conseguimos vencer a Taça de Portugal (desde do regresso da secção aos triunfos)!!! E a jogar assim, no Sábado, com o Vitória de Guimarães, corremos o sério risco de voltarmos a ter uma desilusão!!!

Com ou sem punhos de renda

"É difícil discordar de Carvalho quando diz que o futebol precisa de coisas novas. Mas do que o futebol não necessita é de um 'banditómetro'.

DE acordo com as aparências, o presidente do Concelho de Arbitragem não ficou minimamente impressionado com as palavras proferidas pelo presidente do Sporting passadas vinte e quatro horas sobre o jogo de Setúbal, na noite de domingo.
Evitando ajuizadamente os calores do momento, Bruno de Carvalho deu a si próprio um dia de reflexão e de serenidade para se apresentar ao país em prime time, e com a cobertura televisiva devida a um presidente de um clube grande, apelando à mobilização dos sportinguistas de todos os quadrantes contra a quadrilha da arbitragem nacional que impede o Sporting, feitas as contas, de ser o líder do corrente campeonato.
Vítor Pereira, o presidente dos árbitros, respondeu-lhe no dia seguinte, na terça-feira, com a nomeação do paciente Olegário Benquerença para o clássico. Julgo ser prática rara a indigitação de árbitros à terça-feira. Mas foi precisamente isso que aconteceu. Digamos que foi uma espécie de experiência corrigida imediatamente no dia seguinte.
Ficou decidido ontem, quarta-feira, que se Pedro Proença não se lesionar até domingo será ele o árbitro do Sporting-FC Porto.
Tinha ficado decidido na terça-feira que seria Olegário Benquerença mas Olegário meteu atestado médico e ficará em casa a recuperar.
Com 8 jornadas e 24 pontos por disputar, institui-se levianamente que o Sporting-FC Porto de domingo é o jogo decisivo para a atribuição do segundo lugar, o tal lugar que dá acesso directo à Liga dos Campeões e a um prémio assegurado de 8 milhões de euros. E é este o jogo que mereceria a nomeação de Olegário Benquerença vindo de uma prestação lamentável no jogo que afastou o Braga da Taça da Liga, isto se o mesmo Benquerença não tivesse metido baixa.
Quanto ao primeiro lugar, conluiaram-se de uma maneira geral os nossos adversários para o considerar entregue ao Benfica à laia de agouro, a ver se não pega.
Dizem em coro que o campeão está encontrado mas, lá no fundo, acreditam que nas tais 8 jornadas com os tais 24 pontos em disputa, os 7 e os 9 pontos que o Benfica tem de avanço sobre, respectivamente, o Sporting e o FC Porto podem ver-se reduzido a zero num piscar de olhos. Vá lá, em dois piscares de olhos.
E é por esta mesma razão que o presidente do Sporting não demorou a reagir às nomeações de terça-feira, não reagindo à nomeação de Olegário Benquerença para o jogo que lhe diz directamente respeito – Bruno de Carvalho já saberia que Olegário estava doente? - mas reagindo indirectamente à nomeação do árbitro para o Nacional-Benfica da próxima segunda-feira, apodando-o de «fanático» benfiquista sem lhe citar o nome.
Cá está a subtil evidência de que, no próximo fim-de-semana, o jogo grande, o jogo que importa, o jogo em que vale a pena tudo apostar é o Nacional-Benfica e não o Sporting-FC Porto que, em função do resultado a verificar-se, elegerá a equipa melhor cotada para a perseguição ao primeiro lugar.
Os primeiros três lugares da prova estão longe de estar decididos e quem acreditar nisso ou é muito ingénuo ou é muito religioso.
O designado árbitro «fanático» do Benfica que vai dirigir o jogo de segunda-feira dos líderes da prova no campo do Nacional é o tal árbitro, talhante de profissão, a quem a sempre renovada campanha em prol da verdade desportiva já vandalizou dois talhos com grande aparato cénico.
Na sua alocução na noite de segunda-feira, o presidente do Sporting não admitiu comparações entre a vandalização de talhos de árbitros e a vandalização do carro de Augusto Inácio e até as ameaças de morte que ele próprio tem recebido, tal como as anunciou publicamente.
São coisas diferentes, na sua opinião. Na verdade, não são. São exactamente a mesma coisa e que muito se lamenta.
É difícil não concordar com Bruno de Carvalho quando diz que o futebol português precisa de muitas coisas novas.
Mas, certamente, do que o futebol português não necessita é de um banditómetro para medir, julgar e decidir quais são vandalizações-criminosas e quais são as vandalizações-legitimadas pela pertinência da ira popular acicatada por terceiros.
Não venham, portanto, aspirar por fins de regime e por amanhãs que cantam quando os inícios de regime, bem vistas as coisas, com punhos de renda ou sem punhos de renda, lhe são em tudo semelhantes.

O Benfica joga esta noite em Londres para a Liga Europa. É o regresso a White Hart Lane cinquenta e dois anos depois de uma histórica meia-final da Taça dos Campeões disputada com o Tottenham que terminou com a qualificação muito sofrida do Benfica para a final que haveria de conquistar ao Real Madrid.
Não vem isto a propósito da recente inauguração de uma estátua de Bella Guttman no Estádio da Luz nem, muito menos, da lenda da alegada maldição que o treinador húngaro terá lançado sobre o Benfica de onde saiu, rezam as crónicas, francamente aborrecido com qualquer coisa.
Guttman merece a estátua. Quanto à maldição se, de facto, ocorreu está neste momento desativada. Com punhos de renda ou sem punhos de renda, Eusébio e Coluna terão tratado do assunto assim que se reencontraram com o velho mestre.
Também não vem isto a propósito, embora possa ter parecido, de considerar a presente edição da Liga Europa um objectivo primordial do Benfica nesta temporada de 2013/2014.
Admitindo, no entanto, que haja muito benfiquista para quem ganhar uma competição europeia, seja ela qual for, é uma meta, um sonho, uma urgência.
E, se bem se recordam, no ano passado o Benfica esteve bem perto de o conseguir.
Vem isto a propósito, agora sim, do que verdadeiramente preocupa nesta viagem do Benfica a Londres, no tal regresso a um palco onde já foi extraordinariamente feliz. Trata-se de Lazar Markovic.
É de temer que se jogar hoje com o Tottenham e se, eventualmente, assinar uma exibição, ou mesmo só meia-exibição, do género das que nos tem vindo a habituar, fique logo em Inglaterra.
Diz-se que o Chelsea e o Liverpool e mais uns tantos andam de olho no jovem sérvio. E sendo verdade que o nosso campeonato, embora extraordinariamente animado, não tem grande visibilidade para lá de Badajoz, é certo e sabido que um brilharete, ou mesmo meio-brilharete, de Markovic esta noite em Londres, venha a significar um adeus muito rápido à Luz.
Lazar Markovic, portanto, é a minha única preocupação com o jogo de White Hart Lane. Obviamente que gostaria de seguir em frente na Liga Europa. E se não seguir frente gostaria de sair da competição fazendo boa figura.
Mas mais importante do que a boa figura é que não se lesione ninguém nestes dois jogos com o Tottenham. E neste ponto, confesso também reside uma preocupaçãozinha. Do meu ponto de vista, nesta época, e falando com franqueza, o primeiro, o segundo, o terceiro e o quarto objectivo do Benfica é o campeonato nacional. Quer isto dizer que a Liga Europa, a Taça de Portugal e a Taça da Liga, por muita graça que tenham, não têm, todas juntas, metade da graça da prova maior de trazer por casa na edição 2013/2014.
Por isso me ralo menos. É a vida santa dos adeptos dos clubes que só têm uma coisa com que se preocupar.
Na próxima jornada da dita competição tem o Benfica de ir jogar à Madeira com o Nacional, uma equipa muito sólida que dificilmente perde um jogo na sua casa. É bom recordar aos adeptos mais esfusiantes – se os houver – que no ano passado o Benfica empatou com o Nacional na Madeira.
Não será preciso lembrar o mesmo aos nossos jogadores porque, de certeza, que se lembram.

O madeirense Cristiano Ronaldo marcou por duas vezes aos Camarões e ultrapassou o açoriano Pedro Pauleta chegando, finalmente, ao topo da tabela dos melhores goleadores de todos os tempos da selecção nacional. Cristiano Ronaldo é único. E agora já se lhe pode chamar, com toda a propriedade, o melhor do mundo, o melhor de Portugal e o melhor das ilhas adjacentes. Não se vislumbra no horizonte quem o venha destronar em termos de selecção. E noutros termos também não se vê."

Leonor Pinhão, in A Bola

Poupanças

" «O último treino dá ideia definitiva de como alguns jogadores estão depois do jogo de domingo com o Estoril, a partir daí vou ajuizar aqueles jogadores (...) que ainda não recuperaram totalmente.»
Jorge Jesus, treinador do Benfica, ontem, antes do jogo com o Tottenham

Já se sabe, a prioridade do Benfica é o campeonato. Jorge Jesus não se cansa de o dizer e reforçou-o ontem, em Londres, antes da primeira mão dos oitavos de final da Liga Europa. Mas no ano passado também era.
Na recta final de 2012/2013, talvez porque as vitórias consecutivas na Liga se acumulavam, fazendo adivinhar facilidades, Jesus foi poupando cada vez menos na Europa - mas com o Bordéus, na primeira mão dos oitavos de final, deu descanso a Maxi, Matic, Enzo, Salvio e Lima, apresentando Roderick como médio defensivo.
O treinador das águias já admitiu que este será o melhor plantel (com mais opções) desde que chegou à Luz, não necessariamente a melhor equipa, ou o melhor onze. Ou seja, será aquele em que a substituição de um habitual titular menos se fará notar.
Tomando Maxi, que não foi convocado para o jogo de hoje, como exemplo: há um ano, não tendo jogado qualquer das partidas contra o Bordéus (André Almeida e Melgarejo foram os laterais), poder-se-ia falar em poupanças para a Liga. Este ano tenho dúvidas: creio que, depois do jogo com o Estoril, e nem que o Benfica só jogasse daqui por um mês, Sílvio seria sempre melhor opção, nem que fosse por estar mais fresco.
Uma coisa é poupar a pensar no futuro. Outra é mudar a pensar no presente, em quem está melhor. Com a quantidade de soluções que este Benfica tem, mesmo ganhando na segunda-feira ao Nacional, mesmo que Sporting e FC Porto empatem e fiquem os dois praticamente fora da corrida para o título, a melhor equipa para a segunda mão contra o Tottenham não é necessariamente a que tem jogado sempre. E isso não é poupar, é escolher os melhores caso a caso."

Hugo Vasconcelos, in A Bola

Cadê as goleadas (II)

"A média de golos marcados por jogo nos campeonatos europeus ilustra bem o que ontem escrevi. Em primeiro lugar e solidamente destacada surge a Alemanha com 3,17 golos por encontro, sempre com os estádios cheios e apesar de o campeão estar há muito encontrado. Seguem-se a Espanha (2,82), a surpreendente Itália com 2,70 e a Inglaterra com 2,68. Por fim, o sorumbático campeonato francês com 2,43 e Portugal na última posição com 2,38.
Embora com mais algumas jornadas, os actuais 1.ºs classificados daqueles campeonatos (Real, Bayern, Chelsea, PSG e Juventus) têm quase os mesmos golos que, por cá, se marcaram em 176 jogos.
O certo é que na nossa Liga só há tempo para fulanizações bloqueantes, guerrilhas intestinais, suspeições arbitrais, minudências regulamentares, divergências jurisdicionais, ou agora esse naco de puerilidade egocêntrica de um hiato de 9 dias entre a data estatutária e a data dos amotinados na eleição para a Liga. Às vezes quase parece que a essência do futebol - os jogos - é o que menos interessa tratar.
Voltando aos tentos (expressão curiosa e em desuso) na Europa, os oitavos de final da Champions evidenciaram eloquentemente a fome de golos. Espantoso o score acumulado da 1.ª mão: 6 golos, dos quais 20(!) marcados pelas equipas forasteiras. Todavia, estes resultados parecem evidenciar o perigo de se cavar um fosso entre a meia-dúzia de clubes ultra-ricos e outras boas equipas europeias mas que apenas podem almejar, como regra, ultrapassar a fase de grupos. Uma Europa cada vez mais desigual entre os que aspiram a vencer a Champions, os que querem vencer a Liga Europa e... o resto."

Bagão Félix, in A Bola

quarta-feira, 12 de março de 2014

Alguém duvida ?!!!

Verdades de La Palisse !!!


Obrigado boloposte, estes últimos dias tem sido uma delícia!!!

Demasiado mau...

Águas Santas 23 - 22 Benfica

Não se compreende... hoje, conseguimos falhar os últimos 8 ataques da partida, quando estávamos somente a perder por 1, inclusive um livre de 7 metros (4 no total!!!)... a quantidade de falhanços aos 6 metros é inacreditável... Isto tudo depois de um jogo, onde tivemos sempre a correr atrás do prejuízo, e que nos minutos finais conseguimos passar para a frente, para depois perder a vantagem estupidamente, puro masoquismo...!!!
Com os resultados dos outros jogos, continuamos a depender somente de nós (matematicamente não é bem assim, mas o ABC vai perder pontos...), mas neste momento deveríamos estar à frente com uma vantagem confortável,... e a continuar a jogar assim, vamos perder mais jogos nas próximas jornadas...

Ao rubro

"A jornada deste fim-de-semana pode dizer muito acerca do futuro do Campeonato. Estamos na frente, e os dois principais perseguidores jogam entre si em Alvalade. Pelo menos um deles perderá pontos, mas isso só nos trará benefícios se vencermos a difícil batalha da Choupana. Difícil por várias razões:
- Antes de mais, pelo valor do adversário, que é, indiscutivelmente, uma das melhores equipas da Liga, orientada por um técnico que, desde há largos anos, mantém uma certa rivalidade com o nosso;
- A deslocação envolve uma sempre desgastante viagem de avião, tão só algumas horas depois de uma outra;
- O estádio do Nacional é tradicionalmente difícil, quer pelas dimensões, quer pela altitude, quer pelo clima, e ainda na temporada passada lá deixámos dois pontos;
- Não contaremos com Fejsa, elemento chave no meio-campo encarnado;
- O jogo surge entalado a meio de uma muito exigente eliminatória europeia, e sabemos bem o quanto isso normalmente pesa nas pernas… e na cabeça, de alguns jogadores;
- A vantagem pontual obtida nas anteriores jornadas é susceptível de causar algum deslumbramento;
- Last but not least, veremos quem é, e como se comporta, o árbitro de uma tão importante partida.
Se conseguirmos ultrapassar todos estes circunstancialismos, vencermos o Nacional, e, paralelamente, tivermos boas notícias de Alvalade (um empate?), não ficando o Campeonato desde logo resolvido, as contas do mesmo ficarão muito bem encaminhadas, e a vantagem pontual permitirá até algum risco, com vista a uma aposta forte nas outras provas que ainda disputamos. Ao invés, um resultado negativo na Choupana pode deixar-nos novamente à mercê do segundo classificado, sabendo-se que ainda temos deslocações a Braga e ao Porto, entre outros difíceis compromissos.
Os dramas do ano passado ainda estão bem presentes na nossa memória. Só com o pássaro na mão poderemos cantar vitória. Mas é de jornadas com esta que a decisão final se alimenta. E isso terá de estar na mente de todos aqueles que entrarem em campo."

Luís Fialho, in O Benfica

Cadê as goleadas? (I)

"Uma equipa ganha por 3 (ou mesmo 2) golos de diferença e, vai daí o título nos media é «goleada»! Uma hipérbole literária, bem distante das verdadeiras goleadas de outros que significavam, essas sim, resultados desnivelados e muitas bolas dentro da baliza.
Decorridas 22 jornadas do campeonato, o que aconteceu? Nos 176 jogos já realizados a maior diferença de golos foi de 4 e aconteceu apenas por 7 vezes, 4% das partidas. Numa só delas, curiosamente na 1.ª jornada, uma equipa (Sporting) marcou 5 golos (5-1 ao recém-chegado Arouca). O máximo de golos aconteceu num encontro em que não intervieram nenhum dos grandes: Marítimo, 3 - Paços de Ferreira, 4. Mesmo o incontestado líder Benfica ainda não ultrapassou a diferença de 2 golos em casa e só o conseguiu uma vez e fora da Luz (3-0 à Académica).
O que significa isto? Maior nivelamento das equipas? Aparentemente a pontuação desmente-o, pois o fosso entre os maiores e os menores é acentuado. Jogar para perder por poucos? Talvez. Basta olhar para os golos marcados por sete equipas do fundo da tabela que ainda não atingiram os 20 golos à 22.ª jornada (o Belenenses só marcou por 11 vezes...). Menor capacidade das melhores equipas ou - voltando ao que aqui escrevi a semana passada - gestão dos 90 minutos? É provável. Péssimo estado dos relvados? Talvez, também.
Por cá o instinto matador esbate-se. Faltam golos, falha alegria, escasseia o espectáculo. Olhem para Espanha, Inglaterra e Alemanha e percebemos a diferença na demanda do golo. Até o cinzentão Calcio já virou mais amigo dos golos. Amanhã voltarei ao assunto."

Bagão Félix, in A Bola

Mikey !!!

terça-feira, 11 de março de 2014

Lixívia 22

Tabela Anti-Lixívia:
Benfica......55 (-7) = 62
Sporting.....48 (-3) = 51
Corruptos...46 (+7) = 39
Braga.........30 (+2) = 28

O trauma é antigo, e já me convenci há muito tempo, que não tem cura: um Lagarto será sempre Lagarto, e consequentemente anti-Benfiquista primário!!! Nasceram assim, vivem assim, e vão morrer assim...!!! A vida é deles...
Independentemente de todas as estratégias de alianças, para derrubar o Sistema, já começa a ser cansativo, semana sim, semana não, ouvir o Presidente (chefe de claque, humorista-mor, matemático...) Lagarto a vomitar imbecilidades... sempre com o Benfica na ponta da língua. Como eu não faço parte da Direcção do Benfica, estou liberto dessas restrições, e como adepto (ao contrário de alguns Benfiquistas) nunca me iludi com a personagem... Já assisti a muitas outras estratégias de vitimização de gente sem coluna vertebral, e se a esta personagem trágico-cómica, for dado o mesmo espaço de manobra, daqui a alguns anos, teremos um clone-do-Pinto vestido de verde... sem a oratória seminarista, mas com um sotaque queque, ainda mais irritante!!!
Uma equipa que ainda não venceu qualquer jogo, com qualquer um dos 5 primeiros classificados (Benfica, Corruptos, Estoril e Nacional), vir 'exigir', quase por decreto, o 1.º lugar, é o cumulo da cegueira!!!

Aquilo que se passou em Setúbal foi grave, ninguém duvida disso. Agora a forma como alguns conseguem na mesma frase, separar os erros que prejudicaram o Sporting, dos erros que prejudicaram o Setúbal, classificando os primeiros como escândalos épicos, e os segundos, como erros menores, é digno de um qualquer Ministro da (Des)informação Iraquiano!!! Mais grave ainda, é que acéfalos Lagartos, acreditam mesmo, naquilo que dizem!!! Esta forma de auto-ilusionismo, é uma arte difícil de dominar, mas os Lagartos são mestres!!!
- Golo mal-anulado ao Sporting. Óbvio na TV. Não tão fácil ao vivo, já que a 1.ª bola é defendida pelo guarda-redes...
- Golo mal-validado ao Sporting. Nenhum árbitro, valida um golo destes. Eu, hoje, não sei se a bola entrou, mas repito: nenhum árbitro, sem um árbitro de baliza, ou sem uma indicação do fiscal-de-linha, valida um golo destes... ainda por cima a bola não bateu no chão, uma das formas de 'calibrar' este tipo de decisões.
- Golo bem validade ao Setúbal. Não existe fora-de-jogo no 1.º golo do Setúbal, Jefferson está a colocar o Rafael Lopes em jogo...
- Penalty mal assinalado a favor do Sporting. Não existe qualquer falta sobre o Capel, a queda é completamente teatral. Mesmo havendo um contacto involuntário na perna do defesa do Setúbal, não é penalty...
- Penalty mal assinalado a favor do Setúbal. Só compreendo este penalty, como uma compensação pelo penalty mal assinalado minutos antes...
- Durante o jogo pediu-se ainda 3 penalty's, 1 para o Setúbal e 2 para o Sporting, nenhum existiu: a bola bate involuntariamente no braço do Cedric; existe um toque no Silimani, mas é um contacto normal, na luta pela posição... além disso, esta jogada, é o ataque imediatamente anterior ao penalty sobre o Capel, portanto se este penalty fosse marcado, o mergulho do Capel não existiria...; a bola bate no braço de um jogador do Setúbal na barreira, mas o braço está junto do corpo, na posição natural de quem está na barreira, o jogador do Setúbal não aumentou a 'área' com o braço...
Conseguir transformar, um jogo com tantos erros, para os dois lados, num roubo épico é de uma hipocrisia a toda  prova. Uma equipa que marca dois golos ilegais, e chega ao fim a chorar baba e ranho, disparando para todo o lado... não merece o meu respeito. Quando ao fim destes anos todos, ainda não perceberam quem manda no Sistema em Portugal, é porque nunca o vão perceber... mesmo quando o seu próximo adversário no Campeonato, que foi o principal beneficiado deste 'empate', é também o principal beneficiado pelo Sistema nos últimos 30 anos...!!!
Não é preciso ser um génio de matemática, nem de economia, para perceber que o qualificação para a Champions League da próxima temporada é super-importante, para todos os Clubes, principalmente aqueles onde o seu máximo responsável financeiro, demitiu-se recentemente, e que apresentaram prejuízos enormes no último semestre... E com as vendas que vão ser obrigados a fazer no final da temporada, o 3.º lugar, e consequente ida ao Play-off da Champions, é um risco que eles não querem tomar...!!!


Na Luz, tivemos mais uma actuação matreira do Paulo Baptista. Basta analisar a forma impetuosa como mostrou os cartões amarelos ao Fejsa e ao Maxi, ao contrário da forma 'quase contrariada' como amarelou os jogadores do Estoril!!!
Além dos erros nos foras-de-jogo: um para cada lado...!!! Recordo ainda outro lance: logo nos primeiros minutos, o Lima aparece isolado na cara do Vágner, falha, a bola saí pela linha lateral, e o árbitro marcou qualquer coisa, que eu, hoje, ainda não percebi...!!!
É verdade que nos 3 lances dentro da área do Benfica (Rodrigo, Fejsa, livre ao poste), que com o Coroado provavelmente seriam penalty, ele não marcou: e fez bem!!! Se calhar faltou-lhe coragem... o próprio Olarápio já 'admitiu', que para 'roubar' num Estádio cheio, é preciso ter 'tomates'!!!
Voltando ao fora-de-jogo e golo mal anulado ao Lima: ao contrário de outros lances, este é daqueles foras-de-jogo fáceis de analisar ao vivo. Só compreendo esta decisão, com o visionamento ao intervalo, do fora-de-jogo mal assinalado ao ataque do Estoril, e depois da polémica da semana passada no Restelo, o fiscal-de-linha quis compensar...!!! O mesmo fiscal-de-linha que o ano passado não viu o fora-de-jogo no golo golo do Estoril na Luz, que nos retirou o título!!!
ADENDA: No Estádio tinha ficado com a clara impressão que tinha sido falta, mas só hoje vi com atenção na TV: Garay, quando se encontra isolado, é derrubado pelo Rúben Fernandes. É verdade que o toque é depois do Garay ter feito um 'pseudo-remate', mas a falta existe... e seria cartão vermelho!!!


No Dragay, nada melhor para dar confiança a um novo treinador, do que o Hugo Miguel, é como uma super-aspirina: cura tudo!!!
Os dois penalty's marcados a favor dos Corruptos não existiam. Então o primeiro sobre o Varela é um absurdo... absurdo maior só mesmo aqueles que vendo as imagens defendem a marcação do penalty!!! O movimento de bailarina do Jackson no segundo penalty (que até foi falhado) é bem feito, mas não vejo intensidade no contacto com o Nuno Coelho, suficiente para a queda...
Recordo ainda, mais uma entrada para vermelho do Quaresma. Já é a 3.ª ou 4.ª entrada assassina do palhaço, desde que regressou, e como era esperado, mantém o cadastro limpo...!!!

Nada a assinalar em Braga...

Anexos:
Benfica
1.ª-Marítimo(f), D(2-1), Jorge Sousa, Prejudicados, (2-2), (-1 ponto)
2.ª-Gil Vicente(c), V(2-1), Paulo Baptista, Prejudicados, Sem influência no resultado
3.ª-Sporting(f), E(1-1), Hugo Miguel, Prejudicados, (0-2), (-2 pontos)
4.ª-Paços de Ferreira(c), V(3-1), Paixão, Nada a assinalar
5.ª-Guimarães(f), V(0-1), Bruno Esteves, Prejudicados, Sem influência no resultado
6.ª-Belenenses(c), E(1-1), Jorge Tavares, Prejudicados, (2-0), (-2 pontos)
7.ª-Estoril(f), V(1-2), Manuel Mota, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
8.ª-Nacional(c), V(2-0), Jorge Ferreira, Nada a assinalar
9.ª-Académica(f), V(0-3), Hugo Pacheco, Prejudicados, Sem influência no resultado
10.ª-Braga(c), V(1-0), Nuno Almeida, Prejudicados, Sem influência no resultado
11.ª-Rio Ave(f), V(1-3), Paixão, Nada a assinalar
12.ª-Arouca(c), E(2-2), Rui Costa, Prejudicados, Beneficiados, (3-2), (-2 pontos)
13.ª-Olhanense(f), V(2-3), Vasco Santos, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
14.ª-Setúbal(f), V(0-2), Paulo Baptista, Prejudicados, (0-3), Sem influência no resultado
15.ª-Corruptos(c), V(2-0), Soares Dias, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado
16.ª-Marítimo(c), V(2-0), Hugo Miguel, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
17.ª-Gil Vicente(f), E(1-1), Paixão, Prejudicados, (1-2), (-2 pontos)
18.ª-Sporting(c), V(2-0), Marco Ferreira, Nada a assinalar
19.ª-Paços de Ferreira(f), V(0-2), Duarte Gomes, Prejudicados, Sem influência no resultado
20.ª-Guimarães(c), V(1-0), Nuno Almeida, Prejudicados, Sem influência no resultado
21.ª-Belenenses(f), V(0-1), Jorge Ferreira, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
22.ª-Estoril(c), V(2-0), Paulo Baptista, Beneficiados, Prejudicados, (3-1), Sem influência no resultado

Sporting
1.ª-Arouca(c), V(4-1), Rui Costa, Nada a assinalar
2.ª-Académica(f), V(0-4), Soares Dias, Beneficiados, Sem influência no resultado
3.ª-Benfica(c), E(1-1), Hugo Miguel, Beneficiados, (0-2), (+1 pontos)
4.ª-Olhanense(f), V(0-2), Benquerença, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
5.ª-Rio Ave(c), E(1-1), Xistra, Prejudicados, (2-1), (-2 pontos)
6.ª-Braga(f), V(1-2), Paulo Baptista, Nada a assinalar
7.ª-Setúbal(c), V(4-0), Duarte Gomes, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
8.ª-Corruptos(f), D(3-1), Soares Dias, Nada a assinalar
9.ª-Marítimo(c), V(3-2), Bruno Esteves, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
10.ª-Guimarães(f), V(0-1), Paulo Baptista, Nada a assinalar
11.ª-Paços de Ferreira(c), V(4-0), Jorge Ferreira, Nada a assinalar
12.ª-Gil Vicente(f), V(0-2), Jorge Sousa, Nada a assinalar
13.ª-Belenenses(c), V(3-0), Hugo Pacheco, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
14.ª-Nacional(c), E(0-0), Miguel Mota, Nada a assinalar
15.ª-Estoril(f), E(0-0), Proença, Nada a assinalar
16.ª-Arouca(f), V(1-2), Cosme Machado, Beneficiados, Impossível contabilizar
17.ª-Académica(c), E(0-0), Paulo Baptista, Prejudicados, (1-0), (-2 pontos)
18.ª-Benfica(f), D(2-0), Marco Ferreira, Nada a assinalar
19.ª-Olhanense(c), V(1-0), Hugo Miguel, Prejudicados, Sem influência no resultado
20.ª-Rio Ave(f), V(1-2), Jorge Ferreira, Nada a assinalar
21.ª-Braga(c), V(2-1), Soares Dias), Nada a assinalar
22.ª-Setúbal(f), E(2-2), Vasco Santos, Prejudicados, Beneficiados, (1-1), Impossível contabilizar

Corruptos
1.ª-Setúbal(f), V(1-3), João Capela, Beneficiados, Impossível contabilizar
2.ª-Marítimo(c), V(3-0), Jorge Ferreira, Beneficiados, Sem influência no resultado
3.ª-Paços de Ferreira(f), V(0-1), Rui Costa, Beneficiados, (0-0), (+2 pontos)
4.ª-Gil Vicente(c), V(2-0), Hugo Pacheco, Prejudicados, (3-0), Sem influência no resultado
5.ª-Estoril(f), E(2-2), Rui Silva, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
6.ª-Guimarães(c), V(1-0), Proença, Beneficiados, (0-0), (+2 pontos)
7.ª-Arouca(f), V(1-3), Vasco Santos, Beneficiados, Impossível contabilizar
8.ª-Sporting(c), V(3-1), Soares Dias, Nada a assinalar
9.ª-Belenenses(f), E(1-1), Miguel Mota, Beneficiados, (2-1), (+1 ponto)
10.ª-Nacional(c), E(1-1), Xistra, Nada a assinalar
11.ª-Académica(f), D(1-0), Capela, Beneficiados, (2-0), Sem influência no resultado
12.ª-Braga(c), V(2-0), Paulo Baptista, Nada a assinalar
13.ª-Rio Ave(f), V(1-3), Bruno Esteves, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
14.ª-Olhanense(c), V(4-0), Hugo Miguel, Prejudicados, (5-0), Sem influência no resultado
15.ª-Benfica(f), D(2-0), Soares Dias, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
16.ª-Setúbal(c), V(3-0), Hugo Pacheco, Nada a assinalar
17.ª-Marítimo(f), D(1-0), Nuno Almeida, Nada a assinalar
18.ª-Paços de Ferreira(c), V(3-0), Cosme Machado, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado
19.ª-Gil Vicente(f), V(1-2), Paulo Baptista, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
20.ª-Estoril(c), D(0-1), Vasco Santos, Nada a assinalar
21.ª-Guimarães(f), E(2-2), Marco Ferreira, Nada a assinalar
22.ª-Arouca(c), V(4-1), Hugo Miguel, Beneficiados, Impossível contabilizar

Braga
1.ª-Paços de Ferreira(f), V(0-2), Bruno Paixão, Nada a assinalar
2.ª-Belenenses(c), V(2-1), Xistra, Beneficiados, Impossível contabilizar
3.ª-Gil Vicente(f), D(1-0), Vasco Santos, Beneficiados, Sem influência no resultado
4.ª-Estoril(c), V(3-2), Capela, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
5.ª-Arouca(f), V(0-1), Marco Ferreira, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
6.ª-Sporting(c), D(1-2), Paulo Baptista, Nada a assinalar
7.ª-Nacional(f), D(3-0), Soares Dias, Nada a assinalar
8.ª-Académica(c), D(0-1), Benquerença, Beneficiados, Sem influência no resultado
9.ª-Rio Ave(c), D(0-1), Jorge Tavares, Nada a assinalar
10.ª-Benfica(f), D(0-1), Nuno Almeida, Beneficiados, Sem influência no resultado
11.ª-Olhanense(c), V(4-1), Soares Dias, Nada a assinalar
12.ª-Corruptos(f), D(2-0), Paulo Baptista, Nada a assinalar
13.ª-Setúbal(c), V(2-0), Xistra, Nada a assinalar
14.ª-Marítimo(f), E(2-2), Rui Costa, Nada a assinalar
15.ª-Guimarães(c), V(3-0), Benquerença, Nada a assinalar
16.ª-Paços de Ferreira(c), E(1-1), Proença, Nada a assinalar
17.ª-Belenenses(f), D(2-1), Jorge Tavares, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
18.ª-Gil Vicente(c), V(4-1), Capela, Nada a assinalar
19.ª-Estoril(f), D(2-1), Xistra, Nada a assinalar
20.ª-Arouca(c) E(2-2), Duarte Gomes, Nada a assinalar
21.ª-Sporting(f), D(2-1), Soares Dias, Nada a assinalar
22.ª-Nacional(c), V(2-1), Nuno Almeida, Nada a assinalar

Jornadas anteriores:

Épocas anteriores:

Tudo errado

"O tempo dos atalhos
Sim: é ridículo que a justiça desportiva não possa servir-se dos mesmos meios de obtenção de prova que a justiça comum e é duplamente ridículo que os meios de obtenção de prova de que não pode servir-se como a justiça comum incluam escutas telefónicas feitas legalmente. Mas é mais ridículo ainda que as escutas que conduziram à condenação de dirigentes desportivos e árbitros de futebol e consumaram um suposto terramoto no desporto-rei nacional, incluindo inevitável sentimento de vingança consumada por parte de dois terços dos adeptos portugueses, fossem afinal ilegais, inválidas ou mesmo apenas inúteis. Como podemos nós chegar aqui, não sei. Talvez a Comissão Disciplinar da Liga de Clubes, e o Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol que ratificou a sua primeira decisão, tenham achado que, face às provas existentes, a da praça pública era, na verdade, a única condenação que conseguiriam obter. Eu pergunto-me se não há sanções para isto. E pergunto-me também, já agora, se não é suposto, quando se parte para a batalha das nossas vidas, certificarmo-nos de que não seremos vencidos por uma questão processual qualquer, maior ou menor. O atalho pode ser a grande imagem deste tempo, mas a Justiça devia saber resistir-lhe.
A comunicação
Não há Revolução sem ela
Não sei se o futebol português precisa de uma revolução ou, para nos mantermos no campo metafórico proposto por José Eduardo Simões, de uma evolução na continuidade. Sei de uma coisa: se os clubes efetivamente estão empenhados em promover um "novo 25 de Abril", deviam pelo menos ter-se certificado de que era outro revolucionário a comunicá-lo ao país que não o presidente da Académica. Metade do romantismo da coisa já se foi."

segunda-feira, 10 de março de 2014

Rebotalho a Oeste de Pecos

"1. Há quatro anos um grupo de selvagens - uma horda pouco ordeira portanto - invadiu o túnel de acesso às cabinas do Estádio da Luz e resolveu pontapear tudo o que esteve ao seu alcance pouco se importando se eram placares de plásticos ou crânios humanos. Como de costume, a justiça do futebol, formada pelo rebotalho dos tribunais, tratou de branquear a bestialidade dos brutos. Os tribunais civis, que fornecem ao futebol as raspas judiciais que atentam contra a nossa paciência e boa vontade, vieram tarde e a más horas condenar os protagonistas da estolidez. Entretanto pudemos ouvir e ler coisas tão cavalares como os coices distribuídos a torto e a direito nessa noite de cabeças perdidas.

2. Houve quem defendesse a chavasquice com unhas e dentes e erros de ortografia. Faz parte. A horda traz consigo a matilha que ladra à ordem do Madaleno. Nem um único desses opinadores que emporcalham a língua portuguesa e o nosso bom senso foi capaz de condenar os actos boçais. pelo contrário: transformaram as vítimas das patadas em conspiradores contra a liberdade regional que se pretende acima da lei e dos costumes.

3. Outros continuarão a negar os factos até ao fim da Humanidade à qual logicamente não pertencem. Querem ser bestas do Apocalipse mas não passam de meros pilha-galinhas que vivem à sombra dessa lei que não existe a Oeste de Pecos."

Afonso de Melo, in O Benfica

A agradável visita do Comércio e Indústria

"O Campeonato de Portugal foi a primeira prova verdadeiramente nacional do futebol português. O Benfica conquistou-a por três vezes, apesar de haver quem nem contabilize no palmarés. Adversários foram vários e curiosos.

ORA muito bem, quem faz o favor de me ir lendo por estas páginas, semana após semana, vai dando conta que mais do que a prosa em si o que me preocupa é trazer até ao estimadíssimo leitor acontecimentos, pormenores ou personagens ligados de uma forma ou de outra à história do Benfica. Assim sendo, desta vez vou falar do Comércio e Industria. Originalmente União do Comércio e Indústria, mais tarde União de Futebol Comércio e Indústria, fundado no dia 24 de Junho de 1917 (sem invenções, como uns e outros!) pelos empregados da indústria conserveira de Setúbal, e respectiva actividade comercial, como está bem de ver.
Se há nome que liga umbilicalmente o Benfica ao Comércio e Indústria, esse é o de Jaime Graça, natural de Setúbal, falecido faz agora no dia 28 de Fevereiro dois anos, médio de ataque de águia ao peito entre 1966 e 1975 e com sete títulos de campeão no bornal. Quando houver a oportunidade, falaremos dele aqui com mais pormenor. Sim, porque em 1978, depois de ter pendurado as chuteiras como jogador do seu Vitória de Setúbal, conseguiu conduzir como treinador o Comércio e Indústria ao título de campeão da Associação de Futebol de Setúbal, algo que foi para proeza de truz para o simpático clube nascido nesses tempos alegres em que ainda havia comércio e ainda havia indústria. «Ai que saudades, ai, ai», diria o bom Carlos Pinhão.

Campeonato de Portugal
HOUVE um dia que o Comércio e Indústria se cruzou oficialmente com o Sport Lisboa e Benfica. Ou melhor, houve dois. Jogava-se o Campeonato de Portugal de 1932/1933. Foi a primeira competição verdadeiramente nacional organizada entre nós, inicialmente apenas destinada aos campeões regionais de Lisboa, Porto, Algarve e Funchal (os únicos que se disputavam em 1921).
O Campeonato de Portugal tinha pouco de campeonato. Era disputado em sistema de eliminatórias, ou em sistema de taça, pelo que não é de estranhar que, a partir de 1938/1939 tenha adoptado precisamente essa designação: Taça de Portugal.
Com o decorrer dos anos, o número de participantes foi crescendo. Na época de 1927/1928 já tínhamos 1.ª eliminatória, oitavos-de-final, quartos-de-final, meias-finais e final. Sempre jogados a uma só mão.
Até 1926/1927, a participação estava resumida aos campeões de seis distritos: Lisboa, Porto, Algarve, Coimbra, Braga e Funchal. Na época seguinte, são 28 os clubes inscritos, 12 dos quais apurados num torneio de qualificação realizado entre os meses de Outubro e Fevereiro. Entre Março e Junho, a fase final englobava estas 12 qualificados e as 16 equipas presentes nos oitavos-de-final da época anterior, sendo que o representante da Madeira, devido às dificuldades de deslocação, só entrava na liça a partir dos quartos-de-final.
A partir de 1928/1929, só a primeira eliminatória era disputada a uma só mão. Todas as outras a duas mãos. A partir de 1934/1935, reduziu-se o número de participantes a 16, com todas as eliminatórias a serem disputadas a duas mãos.
As explicações estão dadas. Mas ainda há quem ignore a prova. E nem a acrescente ao palmarés do Benfica que a conquistou por três vezes: 1929/39, 1930/31 e 1934/35.
Vamos então, depois deste relambório que tem a sua importância, até ao dia 14 de Maio de 1933. Depois de ter eliminado o Marinhense por 6-0 na primeira eliminatória, o Benfica recebe o Comércio e Indústria no Campo das Amoreiras. Vitória curta mas suficiente: 2-0. Golos de João Oliveira e Vítor Silva, ambos no último quarto-de-hora, o que revela a resistência oferecida pela rapaziada de Setúbal.
No dia 21 de Maio, no Campo da Bela Vista, jogou-se a 2.ª mão: vitória exactamente idêntica à anterior - 2-0, com os dois golos a serem apontados por Vítor Silva. E assim sendo, o velhinho Comércio e Indústria saiu do Campeonato de Portugal de cara lavada. Já o Benfica, enfim... Nos quartos-de-final vai ao Porto ser goleado por 8-0 pelo FC Porto. A vitória no jogo de resposta seria insuficiente: 4-2.
Malhas que o futebol tece..."

Afonso de Melo, in O Benfica

domingo, 9 de março de 2014

Mais uma Final ultrapassada !!!

Benfica 2 - 0 Estoril

Excelente jogo, sem correrias malucas, com um bom aproveitamento no início do jogo, e depois soubemos controlar os ritmos... a estratégia de dar a bola ao Estoril, resultou em pleno, já que em ataque planeado o Estoril não conseguiu criar qualquer perigo (algo que eu já defendi noutras ocasiões: o Estoril de Marco Silva, defende bem, pressiona muito bem, mas não tem rotinas de ataque apoiado)... Foi sempre o Benfica, com mais ou menos bola, que criou as oportunidades de perigo...
Um raro golo de Canto, e um regresso aos golos do Rodrigo, após uma 'seca' prolongada, só o Amarelo ao Fejsa, destoou, numa tarde de futeobl, com estádio quase cheio...
Mais um jogo praticamente sem trabalho para o Oblak; Centrais imperiais; Laterais muito bem na marcação, e com subidas sempre perigosas e com uma assistência para golo do Siqueira; Fejsa, atrapalhou-se e levou amarelo (que é o 5.º), mas soube controlar os ímpetos no resto da partida, muito bem a defender, mas também nas trocas de bola; Enzo menos ofensivo, mas importante nos equilíbrios defensivos; Markovic, voltou às exibições discretas (más!!!), mas pelo menos já defende; o Nico não marcou, mas voltou a ser o nosso principal desequilibrador, mas teve duas perdas de bola perigosas, numa delas ficou a pedir falta (que realmente existiu...), e na consequência do lance, deu-se o 1.º (e único, creio!!!) remate perigoso do Estoril; o Rodrigo marcou, podia ter marcado outro, após um sprint enorme... se as coisas ofensivas nem sempre lhe saem bem, voltou a ser muito importante a defender, principalmente a compensar o Nico; o Lima continua longe dos golos (na verdade até marcou... surreal fora-de-jogo inexistente!!!), mas trabalha muito, a defender e a abrir espaços para os colegas do ataque.
A arbitragem voltou a ser má, muito má. O facto de não ter tido influência no resultado, não deve servir para desculpar os erros... e principalmente a diferença de critérios...
Com o empate Lagarto, o objectivo principal está mais perto, mas... Neste momento, na minha opinião, só podemos pensar que temos uma derrota de margem de erro!!! Matematicamente, são 'oito' pontos para o Sporting, e 9 (que podem ser 10) para os Corruptos, mas como não podemos contar com a última jornada, apitada pelo Proença, neste momento a margem de erro é menor... Com os jogos da Liga Europa, e as Meias-Finais da Taça de Portugal pelo meio, todas as jornadas vão ser difíceis, e as deslocações à Choupana e à Pedreira vão ser, mesmo, muito complicadas... Compreendo, que após esta jornada, alguém possa pensar (inclusive o Jesus!!!) que já podemos apostar tudo na Liga Europa, eu discordo... depende, por exemplo, do resultado do clássico do próximo Domingo: empate, ou vitória Corrupta, pode fazer-me mudar de opinião?!!! Rodar plantel na Choupana e jogar com todos na Luz com o Tottenham, no jogo da 2.ª mão?!!! Talvez sim, talvez não...!!! Em condições normais, se após o jogo de Braga, a diferença se manter (ou aumentar), então aí, sim, se ainda estivermos na Europa, poderíamos mudar as prioridades... até lá, deveremos ser prudentes...
Faltam 8 Finais: 4 em casa, e 4 fora, não precisamos de vencer todas, matematicamente, 6 vitórias são suficientes, mas com a mais que provável perda de pontos dos nossos principais perseguidores, até 5 vitórias podem chegar!!! Mas quando mais cedo melhor garantirmos o título, melhor!!!
Uma nota ainda para o castigo ao Fejsa: sem jogar na Choupana, o Fejsa vai jogar em Londres. Mas cuidado com a escolha do outro centro-campista!!! Com a provável poupança do Enzo, escolher o Amorim para o Tottenham pode ser perigoso, pois sem o Fejsa na Madeira, é fundamental a presença do Rúben na Choupana... assim, a escolha mais prudente para Londres, na minha opinião deverá ser o André Gomes.