Últimas indefectivações

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

caBOOM!!!



Esperança em Jesus

"O FC Porto tem razões para festejar as saídas de Javi Garcia e Witsel, e o Benfica razões para celebrar a saída de Hulk e Álvaro Pereira (pena não ter saído também o Moutinho). Desportivamente ninguém ganha, quando saem jogadores de valor, e os que saíram tinham inegável qualidade. Tenho, no entanto, esperança de que Jorge Jesus remende com êxito uma situação que para o adepto comum parece difícil. De uma coisa não duvido, Matic é um jogador fantástico, sempre o escrevi, fará uma boa época, mas como adepto fico triste sempre que vejo sair os melhores. Sei que é inevitável vender, mas, ainda assim, é uma angústia ver partir os melhores jogadores em troco de saco de notas (desta vez foi um saco grande). Só o futuro dirá quem faz mais falta a quem, por agora resta-me a alegria de estar em primeiro, por mim o campeonato até podia acabar já.
Aqueles que questionaram o valor da aquisição do Salvio estão todos calados à terceira jornada. Caros são os maus jogadores, porque os bons são sempre baratos. Salvio é como o algodão, «não engana». Que jogo fantástico fez contra o Nacional.
Com estas vendas de FC Porto e Benfica, gostava de me atrever a dizer que teremos o Sporting mais perto da luta pelo título, mas constatando que por agora está em lugar de despromoção parece-me demasiado audaz. Teremos que esperar para ver até onde o SC Braga e Sporting conseguem ir. Sem Lima, o Braga que estivera excepcional em Udine, tropeçou na Mata Real.
Este campeonato, e o seu vencedor, será também jogado na gestão que for feita com as competições europeias. O domingo não foi apenas pontuado pela vitória por 3-0 ao bem organizado Nacional, pois quando o jogo começou já o Benfica tinha acrescentado às suas vitrinas a Supertaça de futsal e andebol. Teremos que esperar por Coimbra para alimentar ainda mais a ilusão de voltar a ter o Benfica campeão, passo a passo, sem euforias nem depressões."

Sílvio Cervan, in A Bola

Presidente na Casa do Benfica de Vila Real de Santo António

“Permitam-me que comece a minha intervenção por agradecer a vossa hospitalidade, a vossa dedicação, o vosso trabalho. É um orgulho estar aqui. É um orgulho poder associar-me à inauguração de mais uma Casa do Benfica com a nova imagem, sabendo de antemão todo o esforço que foi necessário da vossa parte. Há uma imensidão de gente que diariamente trabalha para o SL Benfica e que raramente tem o reconhecimento que merece. E esta é uma nota que aqui queria deixar, porque sou testemunha desta realidade, e sou grato – enquanto presidente do SL Benfica – por poder beneficiar do empenho e da entrega de tantas e tantas pessoas. A vossa dedicação deve ser destacada e reconhecida, porque muito do sucesso e da recuperação do Sport Lisboa e Benfica passou pelo esforço diário que sempre colocaram a favor do Clube. A maior parte das vezes é um trabalho invisível, mas fundamental para termos conseguido chegar onde chegámos. Permitam-me por isso que agradeça, na pessoa do presidente da Casa do Benfica de Vila Real de Santo António, César Costa, a toda a Direcção da Casa e a todas as pessoas que trabalharam e tornaram possível chegar até aqui.
Quem me conhece sabe que sempre coloquei as Casas do Benfica como uma das prioridades da nossa estratégia, porque é da soma das muitas Casas do Benfica espalhadas pelo País que conseguimos manter a dinâmica de crescimento de um Clube que é nacional, que une o País, que se afirma como símbolo de Portugal em todo o Mundo. Quando olho para esta sala, descubro aquilo que o Benfica tem de melhor: os seus sócios e adeptos. Sem vocês nada disto faria sentido. Sem vocês, seguramente, não estaríamos aqui hoje.
Nunca fui - enquanto presidente do Benfica - nem demagógico, nem ligeiro. Como em tudo na vida tem de haver ambição, mas ao mesmo tempo equilíbrio e bom senso nas decisões. Por isso e por outras coisas conseguimos trazer o Benfica até aqui. E há uma coisa que quero deixar bem clara para todos os benfiquistas: entre a demagogia e a realidade vou sempre decidir com seriedade e realismo. Decido sempre em função do interesse e do benefício do Clube. O Benfica fez um grande esforço para manter o actual plantel num tempo que todos reconhecem ser muito difícil do ponto de vista financeiro. Há quatro meses pensei que teríamos de fazer um sacrifício maior. Fui dos primeiros a alertar que o futebol não pode viver à margem da realidade e que não pode viver acima das suas possibilidades. Portanto, para mim as opções são claras: A vida do Clube está bem acima de qualquer visão de curto prazo, porque o curto prazo já significou – num passado ainda recente - o princípio do fim do Clube. E isso não quero, nem vou permitir que se repita.
Tenho orgulho em todo o trabalho realizado até aqui e não seria eu, seguramente, a pôr em causa tudo o que até aqui foi feito. Perdemos dois jogadores influentes, sem dúvida! Mas vamos ganhar mais três ou quatro com igual ou maior influência, porque a vida é feita de ciclos e os jogadores que cá ficaram vão provar que têm valor para substituir os que partiram. Só há um jogador na vida do Benfica que não tem substituto, nem a nível de talento, nem ao nível dos afectos, que é Eusébio da Silva Ferreira. Na vida, como no futebol, não há insubstituíveis. Por isso repito aquilo que já disse há alguns dias: confio na equipa do Benfica, no seu talento e na sua dedicação. Para mim, os jogadores mais importantes são os que ficam, os que sentem a camisola, os que nos vão encher de alegrias no futuro. É com eles que vamos continuar a ganhar e é para eles que peço o vosso total apoio.
Confio, ainda, no trabalho que estamos a desenvolver a nível da Formação e da equipa B. Estivemos muitos anos à espera de uma mão cheia de jovens portugueses com a capacidade daqueles que hoje temos na nossa equipa B. Tenho uma grande esperança em que muitos deles possam chegar à equipa principal. Mas há um pedido que quero aqui deixar a todos: não podemos estar sempre a reclamar por jogadores portugueses e depois criticá-los ao primeiro erro, à primeira falha. Eles vão falhar, como todos os outros falham, e a nossa obrigação é redobrar o nosso apoio e o nosso incentivo porque só assim podemos inverter o actual cenário.
Permitam-me uma palavra final dedicada as nossas modalidades para dedicar uma palavra especial às nossas equipas de Andebol e Futsal que iniciaram a presente época conquistando as respectivas Supertaças. Este é um ano em que as modalidades têm de voltar a fazer história. Têm de ganhar mais do que ganharam no ano passado!
Obrigado a todos!”


quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Também estou um pouco triste

"Se Jorge Jesus conseguir ser campeão com um meio-campo entregue aos intermitentes Pablo Aimar e Carlos Martins e recorrendo à miudagem da equipa B, nesse caso é o melhor treinador do mundo

O Mercado de Verão foi penoso para todos os benfiquistas que não são tesoureiros do clube e que são a maioria. E o mercado ainda não fechou, o que é, provavelmente, uma boa notícia para o tesoureiro do clube e pode vir a ser a continuação das más notícias para os adeptos.
O fabuloso Witsel bateu a cláusula dos 40 milhões. Ficámos sem meio-campo porque Javi Garcia também se foi embora por 20 milhões. Que pena, dizem os benfiquistas com toda a legitimidade. Que maravilha, diz o tesoureiro do clube com toda a legitimidade.
Witsel passou pelo Benfica como um meteoro e deixou-nos um rasto de luz e de poeira de estrelas que, dificilmente, servirá de consolação.
Javi foi um daqueles jogadores (raros) que muitos benfiquistas, tenho a certeza, sempre imaginaram que poderia ficar no clube por uma década, acabando a carreira na Luz com a braçadeira de capitão.
Javi, à despedida, disse que haveria de voltar um dia. Talvez, quem sabe? Mas já não vai ser a mesma coisa.
Saviola também se foi embora. Ao contrário de Javi Garcia e de Witsel, dois jogadores fulcrais, o pequeno argentino não vinha prestando qualquer tipo de contributo prático à equipa desde o tempo em que o Benfica foi campeão.
Há coisa de semanas, ficou-se a saber que o Benfica propôs ao Málaga um negócio que envolveria a troca de Saviola por Eliseu. Passados uns dias ficou-se a saber que Eliseu até poderia seguir caminho para o Benfica mas só depois de o Malága se desembaraçar do play-off de acesso à Liga dos Campeões em que se viu envolvido. O Málaga qualificou-se para a fase de grupos da Liga dos Campeões, Eliseu ficou no Málaga e Saviola para lá foi.
Saviola era, portanto, um expendable no Benfica. Os seus serviços não eram indispensáveis e o argentino poderia receber guia de marcha assim que proporcionasse um bom (ou médio) negócio à casa. É a vida, dirão os economicistas.
De Saviola os benfiquistas guardarão durante muitos anos o se inestimável contributo no último título conquistado, em 2009/2010, assinando com Cardozo uma parceria poderosa que rendeu dezenas de golos. Seguiu-se, sem pré-aviso, um ocaso literal de duas temporadas que não entra na cabeça de ninguém. De um momento para o outro viu-se desfeita a dupla mais concretizadora dos últimos tempos no Benfica. Má sina, é o que parece.
Já há coisa de uma década também foi desfeita num ápice, por razões políticas, outra parceria de sucesso no ataque do Benfica, Pierre Van Hooijdonk e João Tomás, lembram-se?
Eram goleadores qualificados com reportórios diferentes dos de Cardozo e Saviola, mas ainda assim temíveis para as redes dos adversários. Van Hooijdonk e Tomás foram levados na mesma enxurrada que despejou com José Mourinho para fora da Luz por causa das tais questões políticas cujas consequências se viriam a revelar desportivamente fatais para o Benfica.
O desaparecimento de Saviola nas duas últimas temporadas é um mistério para o grande público já que nem o jogador nem o treinador alguma vez sentiram necessidade de se explicar. Aparentemente, o jogador esteve sempre mais do que conformado com a situação. Não protestou, não criticou e apresentava-se ao treino todos os dias. Era o suplente ideal que não levantava ondas, estranho estatuto para um artista do seu quilate.
Não terá, certamente, desaprendido de jogar à bola. Ainda no último jogo do último campeonato, em Setúbal frente ao Vitória, apesar de ter passado a época quase toda n banco ou em casa, teve de ser ele a entrar em campo a escassos minutos do fim para oferecer a Cardozo o golo com que o paraguaio haveria de conquistar à tangente a sua segunda Bola de Prata ao serviço do Benfica. Do mal, o menos.
Mas em 2011/2012, a parceria Saviola-Cardozo rendeu apenas um honroso troféu individual para o paraguaio? Não.
Em 2011/2012, Saviola renderia também ao Benfica o único troféu colectivo da temporada, a Taça da Liga, lembram-se? Com um teimoso empate a vigorar a dez minutos do fim da decisão com o Gil Vicente, foi o pequeno argentino quem saltou do banco aos 81 minutos para marcar aos 83 minutos o golo da vitória. E, feito isto, lá voltou para o seu silencioso ocaso.
Felicidades em Málaga, é o que todos lhe desejamos.

SALVO as devidas distâncias, este Real Madrid de arranque para 2012/2013 tem duas coisas que fazem lembrar o Benfica. A primeira coisa é de índole política e de comunicação.
Em 2011/2012, depois de um início de campeonato com uma série de arbitragens altamente prejudiciais aos seus interesses, o Benfica ameaçou retaliar desistindo de participar na Taça da Liga.
Felizmente arrepiou caminho e a Taça da Liga, de tão desprezada, acabou por ser o único troféu oficial conquistado nesse ano, o que sempre deu muito jeito para aquela contabilidade muito especial de títulos oficiais em disputa histórica e estatística com o FC Porto. Mas não escaparam os benfiquistas de terem de ouvir os seus adversários não lhes dando tréguas com o facto, indesmentível, de o Benfica só ter conquistado um troféu que nem queria disputar.
Na semana passada, o Real Madrid levou vencida a Supertaça espanhola disputada numa final a duas mãos com o arquirrival Barcelona. Antes do primeiro jogo, desdramatizando o duelo, José Mourinho teve o cuidado de classificar o troféu em causa como «o menos importante» da temporada indo ao ponto de afirmar que «preferia perder» a Supertaça se isso fosse garantia de uma vitória na Liga.
Mourinho jogou com palavras cautelosas, é certo. Mas se lhe acontecer só ganhar este ano a Supercopa espanhola não se virá livre da eterna gozação dos aficionados do Barcelona, relembrando aos de Chamartín a conquista solitária do troféu que preferiam perder.
Fábio Coentrão é a segunda coisa do Real Madrid que faz lembrar o Benfica, por absurdo. Tomás Roncero, o director do jornal madrileno As, acusou Fábio Coentrão de ser «uma má influência» para Cristiano Ronaldo e, de seguida, entreteve-se a desfazer as presuntas qualidades futebolísticas do antigo e saudoso jogador do Benfica.
Percebe-se facilmente que o Fábio Coentrão está para os adeptos do Real Madrid como, no ano passado, estava Emerson para os adeptos do Benfica ou como, um dia destes, mais cedo ou mais tarde - e deseja-se que nunca -, pode vir a estar Melgarejo para os adeptos do Benfica, dando-se o caso de se vir a esgotar o tempo de paciência, afecto e generosidade piedosamente concedido ao jovem e talentoso aprendiz paraguaio.
Quanto à acusação de ser Coentrão uma má influência para Ronaldo, só os espanhóis é que podem acreditar numa patetice dessas. Se o Coentrão fosse uma má influência para o Cristiano Ronaldo, a dona Dolores já tinha tratado desse assunto há muito tempo. Oh, se tinha.

DESDE que Pinto da Costa disse que disse a Falcao que o colombiano «ia dar um passo atrás na carreira», não tem feito outra coisa o avançado do Atlético de Madrid.
No Mónaco, na final da Supertaça europeia com o Chlesea, Falcao até exagerou na vontade de emprestar razão ao presidente do FC Porto. E lá deu mais 3 sonoros passos atrás na carreira. Não foram 1, nem 2, foram 3.

HULK também saiu do FC Porto, excelente notícia para o tesoureiro do clube e má notícia para os adeptos do clube. Certamente que à revelia do presidente, para quem o negócio ou se fazia acima dos 50 milhões ou não se fazia, o tesoureiro do clube comunicou à CMVM que o FC Porto encaixou 40 milhões de euros pelos 85% que detinha sobre o passe do jogador e os restantes 15% que eram posse de empresários e de fundos de investimentos por 20 milhões de euros, a fazer fé nos relatos da imprensa.
Serão, certamente, os 15% mais inflacionados de sempre. Mas cada um sabe de si, não é?

SE Jorge Jesus conseguir ser campeão com um meio campo entregue aos intermitentes Pablo Aimar e Carlos Martins e recorrendo à miudagem da equipa B, arrisca-se a ser considerado o melhor treinador do mundo. Carrega Benfica."

Leonor Pinhão, in A Bola

Os Intocáveis

Quando um Sócio Corrupto - Herculano Lima -, com presença assídua no Camarote Corrupto, escreve isto - mesmo que esteja a preparar um castigo 'exemplar' ao Luisão, e isto seja só para distrair!!! -, é sinal que eles se sentem mesmo completamente intocáveis!!! Até dá para 'brincar' !!!

O DESESPERO DOS benfiquinhas

"Adoro o BENFICA, a que gostosamente e há muitos anos chamo o MEU BENFICA. Não posso por isso calar por mais tempo a revolta que vai no meu íntimo.
Em vez de se revoltarem naquilo que o Capital transformou o Futebol, onde impera o dinheiro e tudo se faz a bem dos chamados negócios- dantes, quando começarem os campeonatos já não podia haver mais transferências, depois o Capital exigiu e obteve claro, o mês de Janeiro, para fazer acertos nos "planteis"(mentira, é para que os "grandes" possam melhor lavar o dinheiro e consequentemente roubar os "pequenos")agora já há Países com mais uma semana, e não duvidem qualquer dia serão todos os dias do ano-os benfiquinhas, viram-se aleivosamente contra a DIRECÇÃO e o TREINADOR. Vamos por partes:
1- Contra a Direcção porque dizem que não deviam ter vendido nem o XAVI nem o WITSEL.
Concordo que pessoalmente preferia que não fossem vendidos são os dois melhores centro-campistas em todo o Mundo. Mas foram vendidos. Ponto final. Nem quero lembrar o que foi dito do dinheiro que o BENFICA pagou pelos dois. Do XAVI até disseram que era o refugo do Real Madrid. Do WITSEL que os belgas não sabiam jogar à bola. VERGONHA. Trabalhados pelo "incompetente" JORGE JESUS, deram à volta de 50 leram bem sim, à volta de CINQUENTA MILHÕES de EUROS, de lucro. Esta DIRECÇÃO quer se queira ou não, salvou o BENFICA.
Ainda que mal pergunte, os profetas da desgraça não eram os mesmos que diziam que o BENFICA não tinha portugueses? Que tínhamos tantos Jovens e não lhes davam oportunidades? Que a carrada de sul-americanos era para se ganharem comissões? Que o BENFICA era como a o.n.u. com Jogadores de todas as nacionalidades? Então? Agora há a possibilidade de esses Jovens terem a sua oportunidade e choram baba e ranho pelos estrangeiros que se vão?
2- Contra JORGE JESUS porquê? Porque está vai para 4 anos no CLUBE, ganhou um Campeonato, e fizeram-lhe perder dois. Mas até os antis e os benfiquinhas têm vergonha da forma despudorada como o BENFICA foi roubado. Mas insistem que o JJ foi o culpado. Nunca o GLORIOSO jogou como agora. Nem com o ERICKSON. A diferença é que com o ERICKSON, a máfia ainda não estava implantada, estava a começar.
O (des)Governo de Portugal agradece, porque enquanto se fala no XAVI e no WITSEL, não se fala naquele "pequenininho" pormenor de os filhos da puta da troika dizerem que foram os filhos da outra senhora dos governantes portugueses que tiveram a responsabilidade de implementarem as medidas que empobrecem os portugueses, e de os filhos da p..a dos governantes portugueses dizerem que foram os filhos da puta da troika os culpados dessas medidas.
Falam agora das declarações do WITSEL e do XAVI, que dizem que foram para melhor. Até o grande EUSÉBIO foi a mesma coisa. Não trocou o BENFICA pelo Inter, melhor, pelo comboio de liras do Inter, porque Salazar não deixou.
Todos os que passam pelo BENFICA, querem ir para outro clube ganhar mais. É humano, o que me importa é que enquanto tenham o MANTO SAGRADO vestido dêem tudo em campo. Lutem, suem a SAGRADA CAMISOLA, honrem o SAGRADO EMBLEMA respeitem os DIGNÍSSIMOS ADEPTOS, sejam Jogadores à BENFICA
Depois? Depois vão à vida, façam pela vida, não temos coletes para os manter, mas isso já é um problema deste mísero País que não tem dinheiro para manter os seus melhores, em todas as actividades. Só há dinheiro para manter os piores de todos: os políticos e os mafiosos. Porque não falam da sangria dos grandes cérebros que diariamente emigram? Só falam dos ex-Jogadores do BENFICA. Adeus às minhas encomendas."

A venda de Hulk ou a queda de um mito

"Com a venda de Hulk e a consumação de um negócio muito abaixo das expectativas, o FC Porto não conseguiu potenciar a fama (e o proveito) de grande clube vendedor. E, mais do que isso, suscita uma questão: afinal, com um tão grande volume de negócios, não deveria o FC Porto ter as contas equilibradas?

Seja como diz o FC Porto (vai receber 40M€ por 85% dos direitos económicos), seja como diz o Zenit (paga 40M€ pela totalidade da operação), há uma conclusão que se pode tirar neste negócio entre os campeões nacionais de Portugal e da Rússia: a elevadíssima cláusula de rescisão do contrato de Hulk, de 100M€, absolutamente desenquadrada da realidade que caracteriza actualmente o mercado futebolístico à escala global, uma forma de proteger, em tese, os interesses do FC Porto, não serviu para quase nada. Serviu apenas para criar a ilusão, durante algumas épocas, que o FC Porto iria conseguir fazer, na senda do que aconteceu nas últimas temporadas com um lote considerável de ’activos’, ‘o negócio dos negócios’. Isso, como é óbvio e se tornou cada vez mais previsível à medida que o tempo foi passando, não aconteceu.
Fala-se agora da natureza e da qualidade do respectivo negócio e, como sempre, há opiniões para tudo. Há quem veja o assunto valorizando o que Hulk custou, o que Hulk proporcionou em termos de rentabilidade desportiva e a mais valia conseguida nesta venda. Há quem veja o assunto apenas pelo lado do valor da cláusula de rescisão. É preciso olhar, contudo, para todas as variáveis e, com elas, perceber que o FC Porto gerou uma expectativa com este negócio que não foi cumprida, sobretudo se se considerar outros negócios, que colocaram o clube presidido por Pinto da Costa na crista da onda, em matéria de ‘encaixes’ com transferências.
Grande negócio foi, por exemplo, a venda ao Chelsea, há 8 anos, do lateral direito Paulo Ferreira, por 20M€. Ou de Ricardo Carvalho, ao mesmo Chelsea, em 2007, por 30M€. Ou ainda de Bosingwa por 20,5€, novamente ao clube londrino, também em 2007 ou os 30M€ de Pepe ao Real Madrid, nesse ano mágico de 2007, que atirou, definitivamente, o empresário Jorge Mendes para a dimensão máxima, no âmbito do ‘negócio-futebol’.
O FC Porto-campeão-da-Europa-em-2004 marcou uma nova era em termos da expansão da ‘marca Portugal’ no futebol europeu (com José Mourinho, Jorge Mendes e os jogadores que deram corpo ao sucesso do clube português na esfera internacional, anteriormente protagonista de outros êxitos, na crista da onda) e esse ano correspondeu, também, ao começo da afirmação de Cristiano Ronaldo como ‘jogador de elite’, o que acabaria por criar novos impactos na indústria do futebol. Temos, pois, um ‘eixo-Portugal’ na lógica do mercado futebolístico.
Há que contar, obviamente, com a crise económica global, com os excessos cometidos no passado e com a ameaça do ‘fair play financeiro’, que obrigaram as sociedades anónimas a mais cautelas no momento da efectivação das compras. Basta olhar quem fez mexer o mercado nos últimos tempos: o dinheiro árabe [PSG] ou o dinheiro russo da exploração de gás natural; há excepção mas ainda e sempre o dinheiro dos magnatas e não o dinheiro gerado pelas receitas do futebol propriamente ditas.
O dinheiro dos direitos televisivos, que é muito e o dinheiro resultante da venda de bilhetes e lugares anuais, mais publicidade e merchandising, não chega para tudo. Essa é uma questão que os responsáveis do futebol, mais tarde ou mais cedo, vão ter de equacionar, porque já há demasiadas variáveis a criar condições de ausência de equidade competitiva, porque não é justo nem saudável nem correcto colocar equipas de tostões a competir com equipas de milhões...
É público que o FC Porto conseguiu encaixar cerca de 450 milhões de euros, com as suas melhores 20 transferências (para além disso, só o FC Porto conseguiria encaixar cerca de 10 milhões de euros, em 2003 (!), pela venda de Postiga ao Tottenham!). Isso contribuiu, e muito justamente, para afectar positivamente à imagem do clube do Dragão uma aura de intocável capacidade de negociação. Agora que os contornos da transferência de Hulk estão a ser discutidos na praça pública (o que vai fazer a CMVM perante declarações não coincidentes produzidas pelas partes interessadas?!...) e sobretudo perante a inevitável decepção em torno dos números, muito distantes dos 100 milhões, talvez estejamos perante a queda de um mito: com efeito, o FC Porto, ao longo dos tempos, vendeu muito e bem.
A verdade é que, não obstante essas vendas e o produto das receitas de qualificações sucessivas para a Champions, o passivo anda na ordem dos 200 milhões de euros. Nestas condições, podemos falar em boa gestão? Afinal a ‘boa gestão’, que vem sendo dada como um dado adquirido na opinião publicada, não será apenas um ‘módulo de propaganda’ e dar como certo algo que não está plasmado nas contas? Não teria o FC Porto a obrigação, num quadro de encaixes tão significativos, e com esta capacidade de realizar transferências de indiscutível impacto financeiro, de apresentar contas equilibradas? Com tantas receitas, não estará o FC Porto a gastar mais do que pode? Sem oposição externa e interna, este é um assunto condenado a não dar discussão."

Vender os craques

"Não sou bruxo, mas pareço: na semana passada falei sobre as eventuais transferências de Hulk e Witsel. Pois bem, ambos foram transferidos no mesmo dia e para o mesmo clube! E mantenho inteiramente o que escrevi: Hulk vai fazer muito mais falta ao FC Porto do que Witsel ao Benfica.
Sucede que, além de Witsel, o Benfica vendeu Javi García. E os adeptos estão naturalmente preocupados.
É preciso entender, porém, que a viabilidade dos clubes portugueses passa por comprar jogadores jovens, trabalhá-los, mostrá-los nas grandes montras do futebol europeu – e vendê-los com grande margem de lucro.
É isto que o FC Porto faz há muito tempo e é isto que o Benfica começou a fazer com Luís Filipe Vieira e Jorge Jesus. Ainda estão frescos o tempos em que o Benfica era um cemitério de jogadores: em vez de se valorizarem, depreciavam-se. Esse é o caminho da ruína.
O caminho do sucesso é o trilhado nos últimos anos. Di María, Ramires, David Luiz, Coentrão, Javi García e Witsel renderam ao Benfica muitos e muitos milhões.
Há quem não entenda o investimento que o Benfica faz todos os anos em jogadores que ainda não deram provas, achando que seria preferível conservar os bons valores do plantel. Só que isso não é possível: a partir de certa altura, os craques querem voar para outros campeonatos. Assim, a política certa é transferi-los quando estão no auge e podem render mais dinheiro, comprando ao mesmo tempo jogadores por descobrir que, bem trabalhados, poderão valer milhões dentro de dois ou três anos.
Claro que esta política exige continuidade e estabilidade. Continuidade directiva e estabilidade da equipa técnica."

O campeonato da TV

"Anda algo no ar que se respira. Percebe-se que se movimenta algo mais do que a discussão do “controlo” da exploração mediática do futebol profissional. Alguns dizem estar na hora de colocar a nu a rede do monopólio na aquisição dos direitos televisivos e, pelo caminho, contestar a “mão longa” dos financiamentos travestidos de letras de câmbio sacadas ao momento. A hora, portanto, de dissecar os contratos que desenharam um mercado impenetrável e tendencialmente perpétuo na transmissão televisiva dos nossos campeonatos profissionais.
É certo que os contratos que cedem os direitos de transmissão dos jogos de futebol são para se cumprir. Mas a regra do cumprimento não é imune aos vícios que ferem um contrato. Por agora, a maioria dos clubes (pressionados pelas insuficiências financeiras) começa a tomar consciência das possíveis ilegalidades dos contratos que assinaram com o monopolista, liderados pela convicção jurídica de um presidente da Liga que apregoa a alternativa da negociação e gestão centralizada dos direitos televisivos. Na verdade, os acordos sucessivamente celebrados entre a PPTV/Controlinveste/Sport TV e os clubes/SAD confrontam-se com mais do que uma frente de potentes dúvidas em face do princípio legal que proíbe os acordos que impedem, falseiam ou restringem a concorrência no mercado nacional: (1) as cláusulas de exclusividade obstam a entrada de potenciais adquirentes de direitos televisivos; (2) as cláusulas de duração por muitos anos parecem ser desproporcionadamente restritivas de um mercado concorrencial, especialmente se tivermos em conta que já se decidiu para campeonatos europeus que esse prazo não podia ser superior a 2 ou 3 anos; (3) as cláusulas que dão preferência à Controlinveste na aquisição dos direitos de transmissão dos jogos durante os 3 anos seguintes ao fim dos contratos tendem a reforçar um privilégio abusivo na exploração comercial desses direitos; (4) a cessão dos direitos dos jogos para todas as plataformas de exploração dos direitos “multimédia” faz aproximar perigosamente a invocação da nulidade de todo o contrato.
Se for declarada, pelas autoridades competentes, a nulidade e/ou a redução temporal dos contratos firmados pelo monopolista, estará encontrada a oportunidade para se entrar na era do leilão dos direitos televisivos. E, pensarão alguns, encontrar um outro modelo e novos protagonistas. Será? Teremos de esperar pelos desenvolvimentos desta espécie de “campeonato da TV”, porventura o mais desafiante da presente época desportiva!"

Compromissos

"A CMVM não se pronunciou esta semana relativamente a diversas situações relevantes do empresariado futebolístico nacional, abrindo agora o espírito para uma maior compreensão das diatribes características deste negócio. Nos primeiros anos das sociedades cotadas, a entidade reguladora do mundo de sombras e sussurros das finanças evidenciou muita dificuldade em lidar com o papaguear destravado dos dirigentes da bola, mas agora já não lhes passa crédito.
A intervenção mais surpreendente foi do presidente do Porto, ao assumir ter sido o clube português e não o licitador russo a recusar 50 milhões de euros por Hulk. É verdade que corresponderia apenas a 50% da cláusula de rescisão, mas custa a entender que a maioria dos acionistas concorde com esta gestão.
O retorno desta aposta temerária seria desportivo. Com Hulk (e Moutinho, por junto) o FC Porto persegue um desígnio compensatório, através do triunfo no campeonato e, eventualmente, da Liga dos Campeões.
No polo oposto, o Benfica não conseguiu resistir ao assédio a um dos poucos jogadores que realmente incomodavam a concorrência, o espanhol Javi García, justificando o desfalque pela necessidade de fazer face às despesas, incluindo os erros gritantes do seu sector de compras, ao jeito de quem fica feliz com os dedos quando perde os anéis.
Pinto da Costa nunca diria que vendeu os melhores jogadores por ter necessidade de “honrar os compromissos” do clube. Enquanto a fiscalização da UEFA ao fair play financeiro não aperta esta malha, os compromissos dos emblemas, confundindo-se as SAD com os clubes, a frieza dos números com a paixão dos sócios, continuam a ser com a vontade de ganhar, sem olhar a preços. Primeiro ganha-se, depois fazem-se as contas – ficam os dedos e guardam-se os anéis."


PS: Esta crónica já tem alguns dias, e já está desatualizada, mas os factos que ocorreram depois, reforçam ainda mais, a estranheza pelo silêncio da CMVM...!!!

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Palhaçada

Este castigo de 15 dias ao Jorge Jesus é um bom exemplo para o estado da Justiça Portuguesa - desportiva e não só...!!! -, um autêntico Circo...!!!
Seis meses depois - noutra época -, castiga-se um treinador, que no final de uma partida criticou uma equipa de arbitragem - com toda a razão do Mundo... Não me recordo de ouvir, ou ler, o árbitro, ou o árbitro-auxiliar, pedir desculpa pelo erro descomunal que cometeram... que por acaso, é só por acaso, acabou por decidir um Campeonato!!! -, algo que todas as semanas acontece na maioria dos campos deste País - muitas vezes com razão... -, mas como castigar um treinador, tem um efeito relativo no resultado final das partidas, resolveu-se dar a aparência de um certo favorecimento ao Benfica, ao aplicar o castigo, numa altura, onde não existe jogos, ficando assim sem efeito - desportivamente - o castigo...
Ficando para mais tarde - já falta pouco...!!! -, um castigo exemplar ao Benfica... noutros processos - provavelmente o caso Luisão -, tentando assim, condicionar uma presumível reacção do Benfica, contra o CD da FPF!!!
Estes senhores Juízes e advogados, são das criaturas com a espinha mais torta neste cantinho à beira mar plantado... uns verdadeiros Palhaços.

Elogio de Saviola

"Neste rodopio de transferências, Javier Saviola saiu do Benfica. Tenho pena. Percebo a perspectiva do clube, bem como a posição do jogador. Atleta fundamental na conquista da Liga de 2010, foi sendo progressivamente relegado para um segundo plano perante outras tão discutíveis quanto legítimas opções técnicas.
Saviola sai como entrou: discreto, sensato, sereno, correcto. Qualidades que aprecio em qualquer pessoa e muito mais no futebol onde impera o contrário. Nunca se lhe ouviu publicamente um queixume. Foi sempre um profissional sem alardes ou tiques de vedetismo disparatado. Leal e correcto para com colegas e adversários. Não precisa de se tatuar alarvemente ou de usar outros adereços ou penteados artísticos, nem de aparecer em tudo o que não é futebol.
Ouvi-o numa curta declaração após ter assinado pelo seu novo clube. Com o sentimento de gratidão como memória de coração. Com o sentido de responsabilidade de quem sabe ponderar todas as circunstâncias.
Em Fevereiro de 2011, escrevi nesta coluna que não conhecendo pessoalmente Saviola, acho que ele é nos relvados o que é na rua, em casa, na sociedade: um homem recatado responsável e simples. Avesso à ilusão, à quimera, ao deslumbramento efémero, ao aplauso de ocasião. Sem espalhafatos inconsequentes. Com 1,68 m de altura e muito mais de personalidade.
Como em tudo o resto, a idade é cada vez mais uma ditadura. No alto futebol chegar aos 30 anos é meio-caminho andado para a desqualificação. Saviola faz falta ao nosso futebol. Mas irá longe quando os holofotes se apagarem. Porque tem vida e carácter para além da bola redonda."

Bagão Félix, in A Bola

As primeiras palavras...

As opções na Champions

Equipa A:
Guarda-redes: Artur, Paulo Lopes;
Defesas: Maxi Pereira, Luisão, Garay, Miguel Vítor, Jardel, Luisinho, Melgarejo;
Médios: Matic, Carlos Martins, Aimar, Bruno César, Nolito, Gaitán, Enzo Peréz, Ola John, Salvio;
Avançados: Cardozo, Lima, Rodrigo.

Equipa B, Juniores:
Guarda-redes: Bruno Varela, José Costa;
Defesas: Fábio Cardoso, João Nunes, João Cancelo, Bruno Gaspar, Luís Martins, Daniel Martins;
Médios: Cafú, André Almeida, André Gomes, João Teixeira, Raphael Guzzo, Miguel Rosa, Hélder Costa, Ivan Cavaleiro;
Avançados: Sancidino Silva.

São estes os jogadores inscritos para a Liga dos Campeões. Existem várias regras da UEFA que condicionaram esta Lista. Como só são permitidos 17 jogadores não-formados localmente - noutra Federação -, o Kardec ficou de fora. Da equipa B - e Juniores -, os 'não-portugueses' também não foram inscritos: Coppeti (Bra), Lindelof (Sue), Carole (Fra), Luciano Teixeira (Gui), Elvis (Bra), Derlis (Par), João Mário (Gui), Correa (Par). O André Almeida, o André Gomes e o Miguel Rosa foram inscritos na Lista A, como se fossem jogadores do plantel principal... Para mim a grande surpresa foi a não inscrição do Mika. Talvez devido a uma qualquer regra que desconheço.

Ainda sobre os possíveis jovens que podem jogar no meio-campo do Benfica, os nomes mais falados têm sido o André Almeida e o André Gomes. Mas existe uma outra forte possibilidade, que me 'escapou': o Cafú !!! O ano passado num particular na Suíça o Cafú foi utilizado - com sucesso -, no meio-campo. É verdade que o ano passado nos Juniores jogou a ponta-de-lança, mas a sua posição 'normal' (para mim!!!) é a de trinco. Chegou à formação do Benfica - vindo do Guimarães -, como Central, depois foi testado a Ponta-de-lança, recuou para Trinco e depois devido à falta de opções voltou a Ponta-de-lança!!! De todas as posições creio que o futuro do Cafú é no meio-campo. Esta pré-época fez parte de uma Selecção Nacional que esteve no Japão, quando voltou apanhou o 'comboio' da equipa B a meio, e talvez por isso tenha sido pouco utilizado... Tem uma enorme vantagem em relação aos Andrés (!!!), é fisicamente muito superior. É raçudo, joga de 'peito feito', parece-me ser um jogador com enorme auto-confiança, não me parece que fosse acusar a responsabilidade de jogar na equipa principal...

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Desolado...

Nunca pensei ficar com este estado espírito, após o Benfica vender um jogador por 40 milhões de euros - um ano depois de o ter comprado por 8,5 milhões!!!
Assumo as minhas limitações - se calhar é o meu coração Benfiquista -, mas não entendo um jovem jogador que tem a possibilidade de jogar em qualquer equipa em Inglaterra, Espanha ou Itália, com um ordenado altíssimo - bastava esperar, no máximo 1 ano -, prefira ir para a Rússia... por muito dinheiro que vá receber... muito sinceramente não entendo.

A Direcção fez tudo para evitar este negócio, só faltou desligarem os telefones e avariarem a maquina dos faxes (hoje, provavelmente, só desligando a Net!!!)... Nos próximos dias vão ser lembrados jogadores como o Airton ou o Nuno Coelho... são os famosos prognósticos feitos no final das partidas!!! Como não tenho acesso a informação privilegiada, sou obrigado a especular: as dificuldades de financiamento que neste momento existem em Portugal, não permitiram ao Benfica a contratação antecipada de jogadores, para precaverem possíveis vendas - em todos os sectores -, assim só as alas foram reforçadas, prevenindo a mais provável de todas as vendas: Gaitán!!! Que - até agora!!! - acabou por não acontecer!!! Isto não serve de justificação, serve essencialmente de tentativa de explicação...

A FIFA e a UEFA devem ser provavelmente as organizações mais 'incompetentes' que existem na Mundo desportivo... Demitem-se à partida - descaradamente -, de regular aquilo, para qual foram criadas... Não deve existir no Mundo, mercado mais desregulado que envolve tantos Milhões. Existe por parte da UEFA e da FIFA a clara intenção, premeditada, de facilitar a entrada de dinheiro sujo no Futebol... Permitir que exista na Europa, equipas que jogam as mesmas competições, com datas diferentes para o fecho das inscrições, é criminoso... Anarquia total, só estão preocupados com as suas 'contas' pessoais... E deixo uma profecia: o fair play financeiro nunca será aplicado.

E agora?
Primeiro é melhor redefinir os objectivos da equipa. Champions: 3º no grupo, será um grande resultado. Campeonato: a grande prioridade da época, a qualificação para a Champions... melhor, depende de como a equipa chegar a Janeiro...!!!
Segundo fazer aquilo que muitos exigiam (os anti-Jesus e anti-Vieira) à muito tempo: aposta na juventude com a promoção imediata do André Almeida e do André Gomes ao plantel principal. Podem até continuar a jogar no equipa B, mas têm que ser opção para a equipa principal. Jogar com o Aimar, ou o Carlos Martins, ou até o Bruno César a '8' só será possível em alguns jogos... Penso até que o Filipe Oliveira - recentemente contratado ao Leiria... que tem jogado nos Juniores -, também é um jogador a levar em conta, além do Luciano Teixeira para a posição '6'. O Miguel Rosa, tal como o Ivan Cavaleiro têm sido dos jogadores em maior destaque nos Bês, mas jogam nas alas, onde o plantel principal tem mais soluções. O Miguel Rosa na formação jogou quase sempre a '8' ou a '10', mas hoje não me parece que seja solução para o lugar do Witsel.
Como já escrevi várias vezes, tenho muita confiança no André Gomes, de todos é o jogador mais parecido com o Witsel, o potencial é enorme, mas ainda é Júnior... O André Almeida é mais experiente, se o jogo de Glasgow fosse hoje, jogava com o Matic e o André Almeida no meio-campo, mas o treinador é que vai decidir... De uma coisa tenho a certeza, os jovens vão dar tudo para merecer a oportunidade...
No meio disto tudo, espero que pelo menos, os anti-Jesus, deixem o treinador em paz nos próximos tempos...!!! (duvido!!!) O ano passado, uma das melhores exibições do Benfica, foi em Londres, num jogo cheio de 'remendos', pelo menos até Janeiro, vamos passar por algo parecido...
Em Janeiro, não estou à espera de grandes contratações... os melhores jogadores nessa altura estão indisponíveis... além disso o dinheiro que hoje recebemos deve ter outras aplicações mais imediatas...

Durante os próximos meses não será fácil ser Benfiquista, direi mesmo que o Benfiquismo dentro de cada um de nós, vai ser testado, como à muito não era...!!! Durante o dia de hoje, li algumas frases muito infelizes, típicas dos últimos tempos... Como escrevi na crónica da primeira jornada com o Braga, estou cansado do Futebolês... Mas podem ter a certeza, que não será neste momento difícil que deixarei de apoiar o Clube... a militância nunca foi tão importante... Ir para a Rua festejar títulos, é para os 'amadores', derrotar os prognósticos mais negativos, é marca fundadora do Benfica, foi para isso que fomos criados... tenho fé, que das fragilidades, vamos fazer forças... mesmo com as agendas eleitoralistas pelo meio!!!

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Lixívia 3

Tabela Anti-Lixívia:
Benfica.........7 (-2 ) = 9
Corruptos......7 ( 0 ) = 7
Braga............4 (+1) = 3
Sporting.........1 ( 0 ) = 1 (-1 jogo)

Hoje não me apetece falar muito de arbitragens, até porque esta semana não houve 'casos' graves... além disso só vi o jogo do Benfica... Não li, nem ouvi queixas dos jogos dos Corruptos e do Braga... Deixo só duas referências:
-Para a mudança do jogo dos Corruptos para o Estádio Algarve, supostamente devido ao mau estado do relvado. Ficarei atento para as condições do relvado quando o Benfica jogar em Olhão!!!
-E para o comportamento do atrasado mental Givanildo que foi pastar para a Rússia, ajudando assim o pagamento dos ordenados em atraso no seu Clube (mais um balão de oxigénio, que provavelmente vai durar pouco tempo...!!!):



Na Luz, apesar da unanimidade nas cronicas, acho que a exibição do senhor Bruno Esteves foi vergonhosa!!! Não teve nenhum erro grave, mas a sua atitude durante os 90 minutos foi claramente intimidatória para com os jogadores do Benfica. A permissividade disciplinar com o Nacional foi constante, o 'carrinho' que o Salvio sofreu junto do banco do Benfica, foi na minha opinião, tão grave como o do Amoreirinha a semana passada!!! E desta vez nem amarelo - já no início do jogo o Rondon teve uma entrada a pés juntos sobre o Maxi, que nem falta foi!!! Bastava um jogador do Benfica 'simular' um protesto, para que o árbitro autoritariamente o mandasse calar, ostensivamente... com os jogadores do Nacional era estilo: '...já fizeste 10 faltas, se fizeres 15 levas amarelo!!!...' O Enzo agarra-se demasiado à bola, mas isso não autoriza os adversários, a dar-lhe porrada, inclusive quando ele já não tem a bola!!! E ontem isso aconteceu por duas vezes, ambas, sem falta!!! E depois ainda tivemos que levar com um fiscal-de-linha, que marcou mal, um fora-de-jogo ao Cardozo, o mesmo fiscal que na 1ª parte deixou passar um fora-de-jogo ao Rondon e que logo nos primeiros minutos levou 'horas' a marcar um fora-de-jogo claro ao Nacional...!!!
O engraçado, é que mesmo com tudo isto, esta terá sido uma das arbitragens mais 'inofensivas' que vamos ter esta época!!! Imagine-se como serão as outras...!!!



Anexos:
Benfica
1ª-Braga(c) E(2-2), Soares Dias, Prejudicado, Beneficiado, (3-2), (-2 pontos)
2ª-Setúbal(f) V(0-5), Jorge Sousa, Nada a assinalar
3ª-Nacional(c) V(3-0), Bruno Esteves, Nada a assinalar

Sporting
1ª-Guimarães(f) E(0-0), Capela, Nada a assinalar
2ª-Rio Ave(c) D(0-1), Marco Ferreira, Nada a assinalar

Corruptos
1ª-Gil Vicente(f) E(0-0), Duarte Gomes, Beneficiado, Prejudicado, (1-1), Sem influência no resultado
2ª-Guimarães(c) V(4-0), Hugo Miguel, Prejudicado, Sem influência no resultado
3ª-Olhanense(f) V(2-3), João Ferreira, Nada a assinalar

Braga
1ª-Benfica(f) E(2-2), Soares Dias, Beneficiado, Prejudicado, (3-2), (+ 1 ponto)
2ª-Beira-Mar(c) V(3-1), Paulo Baptista, Nada a assinalar
3ª-Paços de Ferreira(f) D(2-0), Pedro Proença, Nada assinalar

Para continuar...

"1. Confesso. Fiquei admirado com a prontidão com que o árbitro Jorge Sousa expulsou o jogador do Vitória de Setúbal Amoreirinha, após aquela entrada 'a matar' sobre o nosso Melgarejo. E ainda não percebo, revendo as imagens com a linha imaginária, como se conclui que o mesmo Melgarejo (grande exibição!) pudesse estar fora-de-jogo no lance do primeiro golo. Seja como for, mesmo com estas 'facilidades' iniciais, o Benfica jogou muito bem em Setúbal - do que gostei mais ainda foi da atitude, sempre em cima do adversário que tinha a bola e jogando rápido. A equipa acabou por fazer um excelente 'jogo-treino'. Pede-se continuação...

2. Aproximando-se eleições no Clube, começaram a surgir críticas quanto a uma das bastantes alterações efectuadas aquando da última revisão estatutária: aquela que obriga a 25 anos ininterriptos de filiação clubística para se ser candidato a presidente. Há as críticas legítimas (de sócios do Benfica, livres de exprimirem as suas opiniões... desde que não desvirtuem a verdade dos factos) e as ilegítimas, de que são exemplo as de Pinto da Costa, que se deveria antes preocupar com as eleições do seu clube. É que na última vez em que realizaram algo a que chamaram acto eleitoral, só houve uma candidatura (a de Pinto da Costa) e apenas se soube que havia sido eleito, não tenho sido revelado, sequer, o número de sócios que votaram. Ficou no segredo dos deuses...
Mas, voltando ao Benfica. Eu afirmei-o na altura e repito agora: considero (muito) exagerados os 25 anos (que ainda por cima contam a partir dos 18 anos de idade) e estou em crer que, mais tarde ou mais cedo, essa determinação será alterada. Mas ela foi proposta por uma comissão e democraticamente votada pelos sócios em assembleia geral, como sempre aconteceu no Clube, e por isso tem toda a legitimidade para vigorar. Foram muitas as alterações estatutárias aprovadas. Concordei com a larga maioria, discordei de algumas (como, por exemplo, os 50 votos aos sócios com mais de 25 anos de filiação).
Agora, só tenho que respeitar... e esperar que, um dia, a maioria entenda que se deve proteger o Clube de quem se queira aproveitar de lacunas dos estatutos, mas não se deve cair no exagero."

Arons de Carvalho, in O Benfica

Final feliz...



Benfica 3 - 0 Nacional

Muito sinceramente, não gostei...!!! E discordo daqueles que dizem que foram duas partes distintas. O Benfica deu demasiado espaço ao Nacional em grande parte do jogo: em toda a 1ª parte, e depois do segundo golo - já na 2ª parte -, voltámos a cometer os mesmos erros, mesmo com o Matic em campo... felizmente o Nacional demonstrou ser inofensivo perto da baliza do Artur!!! Também não acho que a ausência do Javi seja a razão para tudo isto... É óbvio que com a dupla Matic/Witsel a equipa ficou mais equilibrada, principalmente na recuperação de bola, mas os jogadores jogaram muito distantes uns dos outros, perdíamos todos os ressaltos, e o habitual sufoco que damos aos nossos adversários na Luz, esteve longe de acontecer... O Nacional teve alguma culpa, jogou praticamente num 4-5-1, com o Mateus e o Candeias muito recuados, e três centro-campistas muito agressivos no meio - com a passividade do árbitro, iam distribuindo 'fruta' em quantidades industriais!!! O Caixinha nestes jogos costuma jogar mais 'aberto', é verdade... mas o factor que me pareceu mais importante, foi a menor forma física de alguns jogadores do Benfica, que acabaram o jogo todos 'rotos' (a óbvia excepção foi o Maxi!!!): por exemplo o Witsel!!! E não terá sido só do 'bafo quente' da noite quase tropical de Lisboa!!! A pré-época do Benfica este ano foi diferente, jogámos menos jogos, a intensidade foi menor. Espero que este menor fulgor físico, seja derivado, de uma nova estratégia da equipa técnica, para a gestão das cargas físicas dos jogadores, para evitar a quebra significativa, que a equipa tem sentido, nos finais, das últimas 3 épocas.
O Carlos Martins voltou a lesionar-se, mas antes da infelicidade estava a jogar mal... alguns podem justificar a exibição com o facto de ser o Witsel a jogar atrás dele, ou da equipa estar desequilibrada, ou da marcação cerrada do meio-campo adversário, ou ainda de ter jogador a '8' e não a '10'!!! Pessoalmente acho que isso é irrelevante!!! O Carlos é claramente um jogador de 'engate', não é um jogador regular, sempre foi... Portanto, quando o treinador mete-o no banco e a equipa tem um resultado negativo, a alternativa - se ele tivesse jogador -, nunca é garantida...
Mais um grande jogo do Salvio - está em dois golos, é só o nosso melhor jogador... para quem duvidou da oportunidade da sua contratação...!!! -, o Melga tirando dois passes suicidas no mesmo minuto, esteve muito bem... especialmente no ar, o passe de trivela no 1º golo para o Salvio, foi fundamental no desmontar da estratégia do Nacional... O Enzo tem que despachar a bola mais depressa, as voltas e voltinhas são perigosas... O Cardozo continua a marcar no meio dos assobios!!! O Rodrigo quando se afasta da área tem que ser mais colectivo... O Maxi é o Maxi - com 11 Maxi's vencíamos o Barcelona, com uma goleada...!!! O Garay esteve muito bem, o Luisão não me parece concentrado!!! O Artur esteve seguro... O Nolito entrou mal... O Aimar é uma delicia!!! Falta 'maldade' ao Witsel para um trinco eficaz!!! Um jogador naquela posição não pode perder uma bola dividida: se passa a bola, não passa o jogador!!! Na sua posição habitual esteve melhor, enquanto teve pernas... continua de vez enquanto a agarrar-se demasiado à bola... O Matic tem que ser o nosso novo-Javi!!! Tem qualidade para isso, sem lesões, será titular indiscutível...
Dito isto, com mais uma longa paragem do Campeonato, esta vitória foi muito importante, porque permite, nos próximos dias, um ambiente no 'trabalho', um pouco, mais 'pacifico'...

Início de época perfeito... Com a Supertaça



Sporting 26 - 29 Benfica

Não vi o jogo... Depois da 'seca' de títulos da época anterior, é muito moralizador começar a nova época com um 'caneco'!!! Espero que a felicidade, sentida por todos - bem evidente -, no final da partida, sirva de alavanca, para uma época de muito trabalho, mas com um final feliz: com o título de Campeão...

Repito não vi o jogo, mas analisando a estatística, não posso deixar de registar mais uma 'obra de arte' da dupla Nicolau/Caçador!!! Conseguiram excluir por 2 minutos, numa partida inteira, 1 jogador do Sporting e 5 do Benfica!!! Nada de novo...!!!


18º...!!!



Benfica 5 - 3 Modicus

Mais um título... num jogo que não foi bonito, mas que apesar do sofrimento, acabou bem!!!
O Benfica cometeu vários erros defensivos - algo normal nesta altura da época -, os jogadores pareceram ainda não estar na sua melhor forma física - algo normal... -, mas como acontece com equipas que se habituam a ganhar... perder? Nem a 'feijões', mesmo quando nem tudo corre bem...
Como também é normal, os nossos adversários confundem atitude ganhadora, com provocações e agressões... que com a também normal passividade - cooperação activa.. -, dos árbitros, transforma os jogos em batalhas campais!!! Esta equipa do Benfica já sofreu várias vezes na pele esta situação, infelizmente nem sempre a reacção dos jogadores foi a melhor, hoje, felizmente tivemos cabeça fria, e não reagimos 'a quente'!!! Por exemplo, no primeiro golo do Benfica, existiram 3 faltas a favor do Benfica não assinaladas - a lei da vantagem, neste caso, foi útil para 'lavar as mãos'!!! Se não tivesse sido golo, duvido que a falta tivesse sido acumulada!!! -, a primeira falta foi sobre o Nené, e depois as outras duas sobre o Gonçalo, uma delas um pontapé, premeditado - pura agressão...
Gostei do Vítor Hugo - até acho que devia ter mais minutos; gostei do Nené - vai dar muitos minutos de descanso ao Imperador; acho que o Teka - nota-se uma clara melhoria, mas... - teve minutos a mais; o Joel a jogar a ala, tem que defender mais!!!
Um aviso para o Nené: quando um jogador do Benfica é descaradamente agarrado, e depois leva algumas bofetadas, não pode desistir do lance, porque raramente os árbitros marcam falta!!! E se reagires, ainda arriscas levar com o 'banco' adversário 'em cima'!!! És jogador do Benfica, não és jogador Lagarto - onde um ligeiro sopro normalmente dá falta!!!
Não gosto das estatísticas que confundem Campeonatos com Supertaças, mas fazendo as contas que os 'outros' utilizam para atacar o Benfica, no Futsal, já somos o Clube com mais títulos -18 -, apesar da juventude da nossa secção... Parabéns a todos...


Ora vamos lá questionar...

"Às vezes sinto uma necessidade extrema de me afastar da gritaria nacional das contratações e vendas para me questionar sobre algumas das coisas que julgo serem pertinentes e contrárias à ideia de uma verdade desportiva neste futebol português. Há de facto questões que a ninguém parecem incomodar e a que poucos se darão ao cuidado de procurar resposta. Aqui deixo algumas dessas minhas apreensões:
Podem um clube ou uma SAD ser oficialmente administrados por empresários de jogadores encartados pela FPF, ainda que essa gestão seja feita sob tutela de um qualquer investidor que aceitou dar a cara por um projecto negocial atractivo?
Podem um clube ou uma SAD ser devedores de alguns ordenados aos seus profissionais e, ainda assim, liquidar os meses de Julho e Agosto, ficando, apesar de tudo, e em falta, os de Abril, maio e Junho, para dessa forma conseguir inscrever novos contractos na Liga?
Podem os dirigentes de clube ou SAD, quaisquer que sejam as suas funções nessas colectividades, requerer, manter e impor os serviços especializados de agentes e comissionistas a quem estão maritalmente ligados, mas sem dessa actividade informarem os seus sócios e accionistas?
Podem um clube ou SAD eleger democraticamente os seus corpos gerentes mas continuar a depender dos parceiros/ordens do autarca da cidade e, por consequência, verem-se de repente nas mãos de um conhecido agente que decide investir num entreposto de jogadores nessa região?
Pode um campeonato profissional ficar entregue a uma entidade exclusiva que das imagens dos jogos está à vontade para difundir o que muito bem lhe aprouver, em função dos seus interesses comerciais, editoriais ou meramente estratégicos?
Poder, parece que até podem. Mas acho que não deviam."

Paulo Montes, in A Bola

Problema menor

"O que faz, normalmente, a diferença, quando duas boas equipas se defrontam? A técnica? A tática? A estratégia? Todas estas alíneas são importantes, mas há algo ainda mais relevante, (mais ainda do que os detalhes, que têm a ver, sobretudo, com a concentração competitiva) que separa as águas: a percentagem de concretização. E quando este exercício teórico sai do âmbito do equilíbrio de forças e se transfere para um jogo entre fortes e fracos, este item assume ainda maior relevância.
Ontem, no Mónaco, (se quisermos um exemplo prático, fresquinho...), Falcao levou ao limite esta tese e inclinou o prato da balança colchonera para o lado da vitória. Ou seja, quem tiver quem marque golos com naturalidade estará sempre mais perto do triunfo. Quando o Benfica decidiu contratar Lima deu um passo importante na direção certa. Porque deixa de estar tão dependente de Cardozo (vénia ao paraguaio, bi-Bola de Prata!!!), espicaça-o, motiva ainda mais o ambicioso Rodrigo e coloca à disposição de Jesus um dos melhores goleadores da Liga portuguesa nos últimos anos.
Quem jogará, que dupla será escolhida, sendo que há, agora, na Luz, três potenciais titulares? Problema menor. Porque problema seria não ter quem empurrasse a bola para lá do risco fatal..."

José Manuel Delgado, in A Bola

sábado, 1 de setembro de 2012

À coca

"Não se deixam enganar. Eles andam por aí, à coca, preparando o salto assassino, o estrago brutal, a vingança sobre aqueles que os denunciam e apontam na rua. Talvez surjam, para começar, mansos como cordeiros, mas por debaixo da lã abrem-se bocas ávidas escorrendo a baba famélica dos lobos. Não acreditem nesta sua súbita bondade. Esta canalha não tem sentimentos que vão além do prato da sopa. Vendem-se por um tacho de lentilhas. E são submissos, servis, reverenciosos a D. Madaleno que os recebe em casa de pires de café na mão e envelope de dinheiro na outra. Os homenzinhos de cócoras terão tempo para lançar o seu veneno, ainda que agora se mantenham inertes, esperando a sua hora maldita. Num mundo de anões, eles são os mais pequenos dos anões; num universo corrupto, eles são o elo mais fraco, a corda mais fina e desfiada, o fio mais puído e quebradiço. Lembrem-se: eles não têm vontade própria. Obedecem. Quanto menos se conta, atacam.
E destroem sem contemplações, porque esa é a sua missão. Basta um estalar de dedos do Gaseificado, o verdugo. É ele que lhes dobra a espinha, a sinistra figura perante a qual vergam a cerviz, deploráveis e obsequiantes. E os homenzinhos de cócoras rebolam-se de felicidade como cãezinhos rafeiros à espera que lhes faça festas na barriga. Cuidado! Muito cuidado! É preciso estar atento, dia a dia, semana a semana. Uma simples palavra do Madaleno transformará os cordeiros em feras enraivecidas. É assim que eles são e serão sempre.
Fiquem atentos! Com o açaimo nas mãos..."

Afonso de Melo, in O Benfica

PS1: Com toda esta histeria interna, poucos se indignaram com a nomeação de Bruno Esteves para o jogo de amanhã... O ano passado nos dois jogos do Benfica com o Paços teve duas arbitragens horrendas. Mesmo assim vencemos os respectivos jogos, mas teve que ser com esforço redobrado!!! Por pura coincidência nos dois jogos que apitou dos Corruptos, beneficiou os Corruptos: em Aveiro com o Feirense na 1ª volta, perdoando um penalty descarado contra os Corruptos, e quando já estava tudo praticamente decidido no Campeonato, ainda deu uma ajudinha no jogo do Beira-Mar no Dragay!!! Outro daqueles com um futuro promissor...!!!

PS2: Também parece que ninguém reparou, que um dos principais responsáveis pela eliminação do Benfica, o ano passado, na Champions, foi o árbitro da Supertaça Europeia!!! Skomina já tinha tido sido premiado no Europeu, agora foi no Monaco, e assim se fazem grandes carreiras internacionais...

PS3: Villas-Reles, hoje, voltou a empatar. Ainda não venceu uma partida oficial. Porque será?!!! 

Mais uma exibição muito agradável...


U.Madeira 0-1 Benfica B por jimbrasalonso
U.Madeira 0-2 Benfica B por jimbrasalonso


U. Madeira 0 - 2 Benfica

Mais uma vitória, num campo difícil, sem relva em várias zonas - que com as actuais bolas de 'praia', com que se joga futebol, aumenta em muito a dificuldade... -, e ainda por cima, numa tarde muito ventosa... E foi contra o vento, na 2ª parte, que conseguimos marcar os golos - e que grandes golos...!!!
Com a entrada do Pimenta - após a lesão do Luciano na Figueira, que estava a jogar muito bem... -, a equipa parece mais equilibrada. Também é verdade que em cada jornada a equipa vai-se tornando mais experiente, e os erros infantis, já são menos...
O fecho do mercado de transferências, foi provavelmente uma boa notícia para alguns jogadores desta equipa!!! O André Almeida - grande golo -, e o Carole podem ser chamados a qualquer momento... Sobre o Cancelo, continuo a dizer: tem que melhorar muito na fase defensiva... infelizmente as boas exibições do Cavaleiro e do Rosa dificilmente vão dar uma chamada à 1ª equipa, já que estão 'tapados' pelo número exagerado de extremos no plantel principal!!!

PS: Os Juniores estão a ter um início de época muito bom - ao contrário do que aconteceu o ano passado. Ainda por cima estão a jogar vários jogadores de 1º ano. Vários Juniores de 2º ano estão a jogar na equipa B. Mesmo assim o plantel é vasto, são vários os jogadores de qualidade, que nem sequer têm lugar no banco!!! Hoje, vencemos por 6-0 o União de Coimbra. Tenho visto os resumos dos jogos fora, vi o primeiro jogo em casa, e agora vi alguns minutos do jogo de hoje. Existem vários jogadores que merecem uma palavrinha: o Derlis está em fase de adaptação, tem alguns vícios difícil de deixar, mas é jogador; mas o grande destaque a marcar e a dar a marcar é o Bernardo Silva. Evoluí bastante esta época, neste tipo de jogadores franzinos, existe sempre a dúvida na componente física, mas este jogador tem tudo para ser um grande jogador de futebol...!!!

O tempo da quarta cadeira

"Os três grandes já estão na frente, disse Jorge Sequeira, um licenciado, especialista reconhecido da formação para a competição. Jorge Sequeira é adepto do Sporting (de Braga) e foi nessa qualidade que disse, na TVI, a frase que irritou o representante do Sporting (de Lisboa) no programa “Prolongamento”, um dos muitos talk-shows que animam os serões ao fim de cada jornada. A fórmula desses entretenimentos é velha e simples. Um moderador imparcial e três figuras públicas, cada uma defendendo o seu clube com a maior dose de parcialidade disponível no mercado.
Há uma razão para estas discussões se cingirem exclusivamente aos representantes dos clubes a quem se convencionou chamar grandes: os três emblemas juntos reúnem um vastíssimo número de adeptos e garantem a esses programas um nível de audiências satisfatório. E como os preços da publicidade em televisão se medem pelas audiências e como os programas em causa são de baixo orçamento, porque o elenco ainda assim é curto, a receita está aprovadíssima.
Saliente-se, portanto, a ousadia da TVI ao convidar um adepto do Braga, o único emblema que nos últimos anos têm lutado com o FC Porto e o Benfica, intrometendo-se na questão do título com um descaramento que é de saudar. O Braga tem vindo, certamente, a ganhar muitos adeptos com as suas proezas. Mas não tem um número de adeptos suficiente para convencer as televisões de que um adepto seu em estúdio é encaixe certo. Por isso mesmo surpreendeu e bem a TVI ao apresentar Jorge Sequeira na qualidade de adepto do Braga, com direito ao seu emblema em fundo.
Era engraçado que fosse para manter esta ideia dos quatro representantes, dava um retrato mais fidedigno da realidade competitiva do futebol português. Julgo, no entanto, que esta solução colhe mais votos a favor entre benfiquistas e portistas do que entre os sportinguistas que, ao verem chegar o Braga à mesa, podem sentir o estatuto histórico ameaçado. Jorge Sequeira, que sabe destas coisas todas, entrou a matar e foi direito ao assunto: os três grandes já estão na frente, disse excluindo o Sporting do grupo sem parcimónia. Se isto continuar assim quem gostar deste género de programas vai ter muito com que se entreter.

ERRAR É HUMANO
Dois árbitros dormiram em paz
Só há uma maneira de os árbitros serem ilibados de culpa nas derrotas das nossas equipas. É quando as nossas equipas jogam tão mal, tão mal que se chega ao ponto de os maus da fita passarem a ser os nossos jogadores ou os nossos treinadores em vez de serem os árbitros, como é mais tradicional. Deve ser um grande alívio para os árbitros quando uma coisa destas sucede e, para descanso deles, a verdade é que estas coisas sucedem mesmo.
Neste último fim-de-semana sucedeu, por exemplo, ao Real Madrid e ao Sporting. Jogaram mal, perderam e não há "hincha" do Madrid nem adepto do Sporting que percam tempo a dizer ou a convencerem-se de que a culpa foi do árbitro. Curiosamente, José Mourinho e Sá Pinto, com estilos diferentes, reagiram de maneira próxima aos respectivos infortúnios. Mourinho disse que os seus jogadores tinham feito uma partida "inaceitável" e nem quis ouvir falar de uma eventual mão de um jogador do Getafe no lance do terceiro golo. Sá Pinto nem falou do árbitro e mandou os seus jogadores cumprimentar as claques no fim do jogo para delas ouvirem a opinião sobre o seu trabalho. E ouviram mesmo. Puderam assim dormir em paz o senhor Marco Ferreira e o señor Pérez Lasa, os juízes inocentados dos jogos com o Rio Ave e com o Getafe.

POSITIVO
Salvio justifica
Não foi consensual entre os benfiquistas a urgência do regresso de Salvio, mais um ala para juntar aos muitos de que a equipa dispõe. Mas o argentino tem justificado e bem a contratação. E com golos.

Peseiro também
Notável proeza do Sporting de Braga de José Peseiro eliminando, em Itália, a Udinese no desempate por grandes penalidades e assegurando a presença na fase de grupos da Liga dos Campeões.

Pepe ainda mais
Sem Pepe o Real Madrid perdeu em Getafe e a sua defesa foi mais do que vulgar. Com Pepe o Real Madrid ganhou ao Barcelona a Supertaça e o central luso-brasileiro foi o melhor em campo.

PÉROLA
"OS ÁRBITROS TÊM DE SER MAIS CONTEMPLATIVOS COM ALGUMAS SITUAÇÕES DE JOGO", Fernando Oliveira
O presidente do Vitória de Setúbal não gostou de ser goleado pelo Benfica. Para Fernando Oliveira a arbitragem foi o factor decisivo. Jorge Sousa deveria ter-se limitado a contemplar a acção de Amoreirinha sobre Melgarejo. Não tinham dito que este Melgarejo era pau para toda a obra?"

Lima



Só mesmo o clima terrorista/histérico/pré-eleitoral que se vive actualmente no Benfica, poderá explicar a desvalorização - ou mesmo, a crítica... -, ao valor acrescentado desportivo, que o Benfica conseguiu com a contratação de Lima.
Posso até duvidar se um jogador de 29 anos, merecia o esforço financeiro, mas não posso questionar a contratação de um jogador que nas últimas épocas, tem sido um dos melhores marcadores do Campeonato Nacional, e que na época anterior, até acabou 'empatado' com o Cardozo!!!
A falta de velocidade do Cardozo, é normalmente a principal crítica ao Paraguaio, com o Rodrigo e agora com o Lima ficamos com opções suficientes para um tipo de jogo diferente sendo que o Lima por exemplo tem um remate na passada - de longe -, melhor que o Rodrigo... Ainda por cima estamos a falar de um jogador, que regularmente marca golos aos Corruptos, algo que nem sempre é fácil para os avançados do Benfica!!!
Esta época tanto o Cardozo como o Rodrigo vão ainda ter várias chamadas à Selecção - sendo que no caso do Cardozo, isso costuma deixar marcas... -, o Lima ainda tem o facto de não ser internacional a seu favor...!!!
Comparar o Lima, com o Jara, o Mora e o Nelson Oliveira é um outro exercício hipócrita, porque o Lima nas últimas épocas marcou mais golos, que os três juntos!!! O Nélson tem potencial, mas neste momento, não vai marcar tantos golos... O Jara e o Mora se tivessem ficado no Benfica, seriam os 'patinhos feios' da equipa para os adeptos, mas como saíram, são os 'salvadores da pátria'!!! Fenómeno típico do Benfiquismo!!!

A Direcção do Benfica - e os adeptos -, no final da época, tinham a perfeita consciência que seria necessário vender um jogador, por valores altos. O negócio desejado por todos era o do Gaitán. A Direcção preparou-se para isso. E assim reforçou as 'alas' do Benfica. O negócio não se realizou. E o Benfica ficou numa situação fragilizada nestes últimos dias de mercado, a precisar de encaixar dinheiro. Aparentemente a grande dúvida foi entre a venda do Javi ou a venda o Witsel. Os dois tinha sido desportivamente criminoso, assim foi um mal menor... Teria sido preferível comprar antecipadamente alguém, para prevenir as futuras supostas vendas, mas o risco teria sido grande já que se não houvesse vendas, ficaríamos também no 'meio' com jogadores em excesso... Assim, com o plantel principal desequilibrado - é um facto -, o treinador deverá promover os jovens da equipa B, para ir tapando os 'buracos'...
Foi curioso, acompanhar o último dia de transferências, as notícias iam surgiam em catadupa, umas verdadeiras e outras falsas... o mais curioso, é que as supostas decisões da Direcção eram sempre criticadas, conseguindo muitos, em poucos minutos, contradizer-se sem pejo nenhum... por exemplo, a suposta troca de 'emprestímos' entre o Nolito - um jogador que gosto particularmente -, e o Sílvio - que aparentemente nunca esteve na mesa!!! -, tendo em conta o excesso de 'extremos', e a falta de laterais, até tinha sido uma boa maneira de equilibrar o plantel. Mas criticou-se quando a noticia foi dada como certeza absoluta e criticou-se quando foi desmentida!!! É esta a saga dos críticos... que há muito passaram os limites do razoável, com acusações a nível pessoal de muito mau gosto... Eu mantenho a minha opinião: as eleições deveriam ter sido, mais uma vez antecipadas, os comportamentos de quem discorda, dão-me razão, a instabilidade até Outubro será muita, mas se a Direcção tivesse antecipado as eleições, estariam alguns a escrever crónicas a alegar 'golpe de estado'!!! Os que afirmaram, que esta janela de transferências seria usada pela Direcção - para garantir a vitória nas eleições -, contrando jogadores sonantes, garantido sucesso desportivo no imediato, mesmo que o futuro do Benfica ficasse hipotecado financeiramente, agora os mesmos, afirmam que a Direcção só se preocupou com o dinheiro, descurando a vertente desportiva!!! Já não há pachorra...!!!

Até sempre... Javi



Já estou com saudades!!! O tempo dos jogadores fazerem toda a sua carreira no mesmo Clube, já lá vai... Hoje, um Clube com a dimensão financeira do Benfica na Europa, só em casos especiais pode aspirar a ter jogadores de altíssimo nível durante muito tempo, assim, o critério para eleger os jogadores 'imortais' mudou... a imediata empatia com os adeptos, passou a ser fundamental, e se a a qualidade futebolística for indiscutível, juntamente com uma entrega ao jogo total, então temos fenómenos de popularidade como David Luíz... e Javi Garcia.
Chegou ao Benfica um desconhecido - para muitos -, mas em três épocas, passou a ser uma das figuras mais importantes da histórica recente do Benfica.
Curiosamente os mesmos que então acusaram a Direcção de gastar dinheiro em negócios - no mínimo -, obscuros com o Real Madrid - em jogadores de duvidosa qualidade -, sempre com as insinuações de comissões, são os mesmos que hoje criticam a venda do Javi, usando os mesmos termos!!! Decidam-se...
O Benfica vendeu abaixo da cláusula de rescisão - algo que acontece a maioria das vezes, com todos os clubes -, o Javi e o empresário - que sempre teve um comportamento público exemplar -, obviamente pressionaram o Benfica para vender, o próprio City já percebeu que oferecendo ordenados altos aos jogadores, não precisa de fazer ofertas 'malucas' aos clubes... O Benfica, com a necessidade de fazer um encaixe financeiro, cedeu. O timming foi mau, mas o valor é muito bom, tirando alguns casos completamente absurdos, 23 milhões - é curiosa como as vendas do Benfica são sempre apresentadas pelo valor mais baixo possível, e as dos outros até incluem os ordenados que se deixam de pagar!!! -, por um trinco, é um super-valor... Alguém tem que pagar as contas!!!
O Javi leva ainda uma 'medalha' difícil de obter: durante o tempo que vestiu de Águia ao peito foi um dos jogadores mais cobardemente atacado pela manada Corrupta e afins... agora que vai jogar futebol num país civilizado, provavelmente vai ser julgado, exclusivamente pelo seu trabalho...!!!

O substituto do Javi será o Matic - algo que começou a ser preparado no final da época passada -, uma infeliz lesão no primeiro jogo da pré-época impediu o Matic de confirmar a evolução clara que se notou no final da época anterior... a este nível acho que ficamos bem servidos, o problema será outro: quem será o substituto do Matic?!!! Qual será o jogador, que poderá reforçar o meio-campo defensivo, num plano B de contenção?!!! Com a dupla Matic/Witsel a titular, com o Carlos Martins e o Aimar como opções para um plano B mais ofensivo, não temos no plantel ninguém para fazer o mesmo, numa estratégia defensiva. E se a nível nacional isso irá acontecer poucas vezes, na Europa poderá ser fundamental... O Witsel em caso de lesão ou castigo do Matic, será o primeiro substituo natural, mas isso obriga o Benfica a um esquema muito ofensivo... assim o normal seria a promoção de jogadores da equipa B - algo que todos 'exigem'!!! -, neste caso o André Almeida, o Luciano Teixeira ou o Leandro Pimenta. Não sei se o Jesus vai ter estas preocupações, mas pelo menos na Champions seria importante ter uma destas opções no banco. Existe ainda uma variável interessante: o jogo do Campeonato com os Corruptos na 1ª volta será disputado no fim-de-semana do 13 de Janeiro de 2013, numa altura onde o mercado estará novamente aberto... até lá a nível interno o jogo teoricamente mais complicado será com os Lagartos!!!

Toda a sorte do Mundo para ti Javi...