Últimas indefectivações

domingo, 7 de fevereiro de 2016

Abre alas

"1. Vivemos o tempo do Carnaval. Que antecede o tempo pascal. Ninguém leva a mal, nestes dias, certas ousadias e determinadas fantasias. No dia 3 de Fevereiro de 1899 nas ruas do Rio de Janeiro bailava-se, com o fervor comum para a época, com a música que marca a história do Carnaval carioca. A sua autora, compositora desde a sua infância, chamava-se Chiquinha Gonzaga e o título da música bem sugestivo: O Abre Alas. A vida da autora é um verdadeiro casamento com a música. Saiu de casa, abandonando o marido e perturbando a honra da sua família, dizendo que «não entendia a vida sem a música»! E em cada Carnaval a sua música é tocada. Com o fervor de sempre. Com a alegria contagiante que faz do Carnaval um tempo bem especial. E que justifica, aqui, tolerância de ponto. Daí que no Carnaval se devam abrir alas.
2. O Benfica, na passada sexta-feira, abriu cinco alas no bonito Estádio do Restelo. Com milhares de benfiquistas a acompanharem, com o seu fervor, este momento entusiasmante da sua equipa. Face a algum atrevimento azul surgiu mais uma goleada e outra vitória categórica da equipa liderada por Rui Vitória. O Benfica dominou o jogo. Mostrou a actual qualidade do seu colectivo. Sublinhou a capacidade goleadora de Mitroglou e o faro único da baliza adversária de Jonas. Em vinte e um jogos desta Liga são cinquenta e nove golos marcados. O que mostra a vocação atacante deste Benfica. Que está a cativar alguns que desconfiavam e a entusiasmar certos arquitectos das palavras e dos gestos. Mas o jogo do Restelo evidenciou, uma vez mais, as potencialidades de Renato Sanches que, aliás, já estão a perturbar alguns que, especialistas em comentários de sofá ou, então, habituais entusiasmados com a energia do prazer de teclar, tentam condicionar este imenso talento do futebol português. Agora que, no que respeita a Benfica e Braga, teremos a pausa da meia-final da Taça da Liga todas as atenções se concentrarão no jogo da próxima sexta-feira na Luz em que se defrontarão duas equipas em crescimento claro. Uma, o Benfica, segurou, e bem, e contra as vozes de alguns, Rui Vitória. A outra, o Futebol Clube do Porto, chamou, e bem, e a pedido de muitos, José Peseiro para a liderança técnica. São dois treinadores que admiro. Mas na próxima sexta-feira desejo que seja Rui Vitória e a sua equipa, a proporcionar-me largos minutos de prazer. Afinal quero que seja o Benfica a abrir alas!
3. Convém começar a prestar atenção ao líder da Liga inglesa. O Leicester, bem liderado por uma velha raposa do futebol europeu, Claudio Ranieri, está a perturbar as casas das apostas, a enlouquecer uma cidade de pouco mais de trezentos mil habitantes e a mostrar ao mundo que o futebol é um imenso palco de integração social e de afastamento de comportamentos desviantes. A história de vida do líder dos goleadores da Liga inglesa, o jogador do Leicester Vardy, é uma história comovente e entusiasmante. Uma impressionante história de vida. Que merece que lhe abram alas. O indiscutível é que o Leicester há um ano tinha apenas 17 pontos nesta grande e atractiva Liga. Agora tem 53 pontos. Em Leicester vivem-se momentos de sonho. Mas importa acompanhar este coletivo que impressiona, em qualquer estádio, os verdadeiros amantes do futebol. Mostrando que tudo é possível. E que o sonho, qualquer sonho, se pode tornar realidade. Contra monstros do futebol, como o United, o City, o Arsenal, o Chelsea ou o Liverpool. 
4. Arrancou, ontem, o Torneio das Seis Nações de râguebi. A mais antiga competição do Mundo entre selecções e que vai, assim, na edição com o número 116. É, na realidade, o Europeu desta modalidade. Junta França e Itália, mais Irlanda, País de Gales, Inglaterra e Escócia. Antes era o Torneio das Cinco Nações. A Itália entra em 2000. Há quatro meses acompanhámos o Mundial a partir de Inglaterra e vimos também as grandes selecções do hemisfério sul como a Nova Zelândia, a Austrália, a África do Sul ou a Argentina. Ontem sentimos o fervor escocês no arranque do jogo frente a Inglaterra. Escutar o hino escocês é perceber a singularidade de um povo. E perceber que esta Europa e a Inglaterra não podem ignorar, a partir do desporto - do râguebi ao futebol - as singularidades da Grã-Bretanha. E há filmes históricos que nos ajudam a perceber que há povos que exigem que se abram alas.
5. Na madrugada deste domingo disputa-se a final do Super Bowl, a grande final do futebol americano. Os números são impressionantes. A cidade de São Francisco vai receber um milhão de turistas. Cada segundo de anúncio na televisão custa 156.000 euros. 30 segundos já valem 4,6 milhões de euros. Números que impressionam. Setenta câmaras estão instaladas no Estádio, no Levi's Stadium. Cada lance, cada instante será filmado e analisado. O hino norte-americano será cantado por Lady Gaga. É caso para dizermos: Abram alas! Que emoção! Que festa! Que espectáculo!
6. O nosso artigo da semana passada, Olhos em bico, confirmou-se plenamente esta semana. Os números do futebol chinês entusiasmam tudo e todos. Ramires deixou o Chelsea a troco de 28 milhões de euros. Gervinho o Roma por 18 milhões. Guarin o Inter de Milão por treze milhões. Jackson Martínez o Atlético de Madrid por 42 milhões. Alex Teixeira o Shakhtar Donestsk por 50 milhões. Montero o Sporting por cinco milhões. Estes os números. Bem frios. Que mostram que a China, e o seu poder político, estão a abrir alas a grandes nomes do futebol mundial. E com números de transferências que, pelo valor, em regra impressionam. Tudo e todos!
7. Hoje o Porto defronta o Arouca. Amanhã o Sporting recebe o Rio Ave e o Braga o Estoril. Temos futebol interno de sexta a segunda. Em resultado dos nossos regulamentos e dos detentores dos exclusivos televisivos! Abram alas!!!"

Fernando Seara, in A Bola

Renato Sanches para a Selecção, já!

"O futebol estratosférico de Renato Sanches acabará por deixar Fernando Santos sem alternativa: o nível já atingido pelo jovem médio do Benfica exige um lugar na Selecção Nacional. E não se trata apenas de considerar a presença de Renato entre os 23 convocados para o Europeu de França. É mesmo de um lugar no onze. Talvez Portugal nunca tenha tido tantos médios elegíveis para a sua principal Selecção como agora. Entre mais e menos defensivos, a jogar mais por dentro ou mais por fora, a lista é enorme e roça a excelência: João Moutinho, William Carvalho, João Mário, Adrien, Miguel Veloso, André Gomes, Rúben Neves, Danilo, André André, Pizzi, Manuel Fernandes e, até, Tiago, se ainda recuperar a tempo. Acontece que, actualmente, ninguém está tão perto de tocar o céu quanto Renato Sanches - um júnior que foi capaz de influenciar decisivamente, e no melhor dos sentidos, o futebol do bicampeão nacional.
O Benfica nunca seria este verdadeiro candidato senão existisse Renato. Impossível. É ele, o mais novo de todos, que eleva a qualidade da equipa para uma dimensão superior. A sua saída no final da temporada para o Manchester United - ou para outro colosso da mesma grandeza - já deixou de depender daquilo que as águias fizerem no resto do campeonato ou de um eventual brilharete na Liga dos Campeões. Renato já fez mais do que o suficiente para justificar a transferência milionária que se adivinha. Será justo prémio para a combinação perfeita entre potencia física, intensidade (mental) e qualidade na decisão. O mais impressionante é que, num jogador de 18 anos existe dificuldade em detectar qualquer ponto fraco. O Benfica já não passa sem ele e muito em breve estaremos a falar de uma Selecção com Cristiano Ronaldo, Renato Sanches e mais 9. Vai uma aposta?"

Reconhecimento com humildade

"HÁ, devemos reconhecer com humildade, um receio generalizado entre os comentadores, em particular, e os jornalistas desportivos, em geral, sobre a efectiva responsabilidade de Rui Vitória nesta fase de surpreendente qualidade competitiva da equipa do Benfica. Em primeiro lugar, porque sendo verdade que o momento transcende as melhores previsões - o que não é difícil porque todas as previsões eram francamente más - o Benfica ainda não conquistou nada de relevante, e todo este fulgor e esplendor goleador de pouco servirá se não render títulos; em segundo lugar, porque as dúvidas e reticências desde logo surgidas pela maneira formal e oficialmente desastrada como Vitória substituiu o, então, titular Jorge Jesus, levaram a que desde logo se tivessem antecipado juízos de valor que, independentemente do que vier a acontecer no futuro se demonstraram manifestamente despropositados, precipitados e injustos.
É óbvio que comentadores e jornalistas, entre os quais, obviamente, me incluo, contam com a memória curta dos portugueses e, de modo especial, dos portugueses que gostam de futebol. Para não dizer que, alguns, contam ainda com a oportunidade, que se avizinha, de ver como Vitória resolverá problemas maiores nos jogos com o FC Porto e com o Zenit.
Venha o que vier, e em função do que já se viu, é justo dizer-se que muitas das opiniões anunciadas e publicadas no início da época, incluindo as de Jorge Jesus, eram manifestamente exageradas e careciam de um fundamento essencial: o tempo. E valerá a pena dizer isto, antes que seja tarde ou venha a provar-se uma falsa razão."

Vítor Serpa, in A Bola

Era Rui Derrotas, não era?

"Passaram apenas três meses e meio. Nem isso: três meses e 12 dias. A 25 de Outubro de 2015, o Benfica perdia, na Luz, com o Sporting por 0-3 e Rui Vitória era o pior treinador do mundo. Pior que os piores treinadores que o Benfica, na sua história centenária, já conhecera. Pior que Pal Csernai ou Ebbe Skovdhal, por exemplo. Era o Rui Derrotas. Ou o chamem-me só Rui, por favor. Passaram, entretanto, três meses e meio. Nem isso: 105 dias. E passou a ser, de novo, Rui Vitória. Que aconteceu, entretanto? OK, seguiram-se 13 vitórias seguidas para a liga. E 43-7 em golos. Ou seja, 3,30 golos marcados por jogo e 0,54 sofridos por jogo. Esta sequência ajuda? Muito. Sem vitórias nada se faz. Só isso? Não. Rui Vitória sempre foi bom treinador e está agora a caminho de ser excelente treinador. Quem não viu as coisas assim tem de meter a viola no saco. Isto não quer dizer que o Benfica vá ser campeão. E, também com ele, é verdade a história de que, não havendo João, joga o Manel. Quem inventou Lisandro López? RV. Quem inventou Lindelof? RV. Quem inventou Renato Sanches? RV. Quem inventou Pizzi (este Pizzi)? RV. E Nelson Semedo? RV.
Passaram quase cinco meses. Um pouco menos: quatro meses e 23 dias. A 13 de Setembro de 2015 André Carrillo realizava o seu último jogo pelo Sporting. A equipa de Jorge Jesus tinha dez pontos, os mesmos do FC Porto e mais um do que o Benfica. Carrillo era visto, por muitos, como um jogador como o Sporting raramente tivera. Ao nível de Keita ou Balakov, por exemplo. Passaram, entretanto, quase cinco meses. Um pouco menos: 147 dias. E a histeria acalmou. Carrillo voltou a ser apenas Carrilo: um bom jogador. Que se passou, entretanto? O Sporting continuou a crescer como equipa e, sem Carrillo, apareceram Gelson e Matheus Pereira. Se tivesse havido Carrillo, haveria menos Gelson e quase nenhum Matheus Pereira. Não se sabe em rigor, se o Sporting perdeu algo desportivamente com a exclusão de Carrillo. Sabe-se que, na classificação da Liga, nada perdeu. Perdeu, sim, dinheiro: à roda dos 20/25 milhões de euros. O Benfica ganha, para já, um bom jogador. E só daqui a muitos meses se saberá se ganhou um grande jogador. Se Carrillo evoluir no Benfica o que Pizzi evoluiu nos últimos meses teremos grandíssimo jogador. Mas é preciso que o peruano deixe de ter açúcar nas veias e passe a ter também um pouco de sal.
Passaram seis meses e um dia. A 6 de Agosto de 2015, Mitroglou assinava pelo Benfica. E agora, mais de 180 dias depois, confirma-se: o grego é grande goleador. Um furacão que destrói defesas."

Rogério Azevedo, in A Bola

O estatuto dos árbitros

"1. Quem exerce funções de arbitragem desempenha função essencial para a prática do desporto. Esta verdade incontestável impõe que o estatuto do agente de arbitragem reflicta tal relevância. Essa importância vê-se reconhecida nos diversos textos regulamentares, mormente os de natureza disciplinar, onde o árbitro ou juiz surge com uma voz acrescida de autoridade e o cometimento de infracções disciplinares que o têm como destinatário são agravadas ou alvo de sanções mais severas.
2. O que passa despercebido é o reconhecimento que as normas públicas igualmente concedem. Vejamos alguns exemplos retirados do Código Penal. O crime de difamação preenche-se quando alguém, dirigindo-se a terceiro, imputar a outra pessoa, mesmo sob a forma de suspeita, um facto, ou formular sobre ela um juízo, ofensivos da sua honra ou consideração, ou reproduzir uma tal imputação ou juízo. O agente pode ser punido com pena de prisão até 6 meses ou com pena de multa até 240 dias.
3. Outro exemplo: quem injuriar outra pessoa, imputando-lhe factos, mesmo sob a forma de suspeita, ou dirigindo-lhe palavras, ofensivos da honra ou consideração, é punido com pena de prisão até 3 meses ou multa até 120 dias.
4. Ora, estes crimes (e outros) vêem as penas elevadas de metade nos seus limites mínimo e máximo se a vítima for juiz ou árbitro desportivo sob a jurisdição das federações desportivas, no exercício das suas funções ou por causa delas.
5. Ou seja, vale o regime aplicável caso a vítima fosse, por exemplo, membro de órgão de soberania, magistrado, agente das forças ou serviços de segurança, funcionário público, civil ou militar, agente de força pública ou cidadão encarregado de serviço público."

José Manuel Meirim, in A Bola

Dar o exemplo

"Agora que se aproximam os momentos das deliberações nas provas do nosso futebol, sabemos que a tendência para aumentar a gritaria é proporcional à importância dos jogos e à sua repercussão nos efeitos finais da época. O jogo é visto como algo que se joga em muitos tabuleiros, sendo certo que a importância da palavra (por acção ou pelo silêncio) se presta a múltiplas utilizações e diversos meios e plataformas. Curiosamente, contrariando a clássica menorização no que toca às virtudes da sua linguagem, são os jogadores os intervenientes que, como regra, mais conservam a serenidade nas suas declarações. Mesmo depois dos calores do jogo, são os atletas que aparentam ter as afirmações mais sóbrias e apaziguadoras. 
Durante o jogo, correm, suam, decidem, usando o vernáculo como meio de expressão habitual e a ofensa verbal como bengala preferida. Porém, acabado o jogo, transmitem para o exterior uma lucidez que cada vez mais se sublinha. Comparadas as suas análises com as 'conferências' inflamadas ou as atitudes desabridas dos dirigentes (nomeadamente quando delegados dos seus clubes) e dos treinadores - antes, no intervalo, no decurso e depois das partidas -, são esses mesmos dirigentes (que exigiriam conduta digna ao seu trabalhador) e treinadores que mais usam e abusam do comportamento censurável em sede do insulto e da insinuação.
Por isso não se pode ceder na hora de fiscalizar e sancionar a declaração injuriosa ou difamatória. Nem a afirmação que divulga uma suspeita que atinge a reputação alheia. Nem o calão que encerra uma carga lesiva da honra e do bom nome alheio. Nem sequer a 'grosseria', que, não por acaso, é infracção equivalente à injúria ou à difamação nos regulamentos. Os códigos disciplinares (como em tempos se quis fazer crer) não admitem que o futebol seja um mundo de juridicidade à parte, em que a tolerância exigiria menos ilicitude do que noutros mundos, tendo em conta a paixão, o descontrolo emocional, a falta de consciência e a sensibilidade (ou falta de reação) dos ofendidos.
Ao invés. O futebol é seguido por milhões, sendo que o seu efeito multiplicador de exemplos é avassalador. Se os agentes desportivos falham clamorosamente no exemplo, há que pedir aos órgãos jurisdicionais e ao TAD que apliquem o direito estatuído e não enveredem por uma omissão de pronúncia ou por construções de desculpabilização. Seja para condenar quem deve ser condenado, seja para zelar pelo cumprimento efectivo das punições. Se assim não for, segue-se o precipício."

O peru (Carrillo) pode ir às galinhas?!

"No meio de tantas mentiras, deturpações, manipulações e falsas declarações atribuídas a determinadas figuras do nosso futebol, frequentado por muita gente que faz os possíveis para colocar a modalidade num nível muito baixo-sem regras, sem valores, sem desportivismo e sem educação-, às vezes torna-se difícil distinguir o que é real do que é postiço, sobre-tudo agora que as redes sociais vieram combinar, no âmbito da comunicação, uma parte útil com uma parte absolutamente inútil e alarmantemente perigosa.
Quando consultava a imprensa de ontem deparou-se-me uma estória de leões, galinhas e perus. Não queria acreditar. Por momentos, ainda pensei que poderia ser um equívoco ou uma metáfora usada com bom gosto. Depressa me desiludi. Não se tratava de um entre milhares de posts colocados no Facebook por um qualquer garoto ou de mais um perfil falso criado deliberadamente, como acontece amiúde, para lesionar a reputação de alguém. Não havia margem para engano. Eram mesmo publicações do presidente do Sporting na sua página pessoal, no Facebook. A asserção das galinhas e dos perus tinha a ver com uma dura reacção de um dirigente do Sindicato dos Jogadores do Peru. Bruno de Carvalho considerou que o citado presidente "está eufórico com a ida de Carrillo para o Benfica" e que se "compreende, porque finalmente o peru pode ir às galinhas"... O peru pode ir às galinhas?!
As declarações de mau gosto produzidas pelo presidente do Sporting são mais do que muitas. Poderíamos estar perante um ciclo de adaptação a um cargo difícil num clube difícil (afinal, só agora se aproxima o cumprimento do terceiro ano no cargo), mas em vez de se detectar uma melhoria no sentido de um maior aconchego institucional, o que vemos? A insistência na capacidade de surpreender e chocar, o que vai produzindo cada vez menor impacto, porque o que se torna repetitivo acaba por se banalizar- e ninguém atribuir qualquer centelha de importância.
É uma questão de idiossincrasia mas é também uma questão de foco. Bruno de Carvalho acha que tem de ir a todas. Que tem de responder a tudo e a todos. Não me parece que essa seja a melhor postura. Mesmo para quem precisa de viver o Sporting durante 24 horas por dia, não é preciso explorar até ao limite a presença pública. Ao teclado ou através das mais diversas formas de comunicação. É um exagero, mesmo para quem tem a convicção de que o Sporting é uni clube muito susceptível de ser atacado e prejudicado, por razões que têm a ver com a própria dimensão do mercado e os réditos que ele tem para distribuir...
A novela Carrillo ainda não acabou. Já conheceu demasiados episódios lamentáveis e nenhum dos protagonistas se deve sentir de consciência tranquila. O presidente do Sporting entrou em Alvalade decidido a acabar com as perversões subjacentes às operações de transferências de jogadores, nomeadamente no âmbito das intermediações. Tem razão de fundo. Esse mundo é um mundo opaco e à conta dele as finanças dos clubes e das SAD estão exauridas e os comissionistas a viver à grande e à francesa.
Segundo é público, o empresário Elio Casareto recebe 2M€ do Benfica. É uma barbaridade, é quase um insulto para uma intermediação, e o futebol só vai resolver estes pornográficos mecanismos quando os clubes quiserem. E é estranho que não queiram. Casareto, contudo, convidou Bruno de Carvalho a explicar qual a forma que propunha para pagar a continuidade de Carrillo no Sporting e, ontem, a imprensa dava conta de parcelas suplementares, direitos de imagens e paraísos fiscais. Afinal onde está e quem defende a transparência? Esta é uma daquelas coisas que Bruno de Carvalho não devia deixar passar. À margem de estórias de galinhas, perus e outras 'capoeiras'.
A novela começou mal, pelo lado da gestão do Sporting, e nunca mais se endireitou. Houve um 'pecado original' que nunca foi reparado. Por mais engulhos que se queiram detectar no comportamento do jogador e dos representantes, há uma parte de responsabilidade que não pode deixar de ser assacada nem ao Sporting nem ao seu presidente.
O Benfica 'comprou' um jogador livre. Estava no seu direito. Como Sporting esteve no seu direito em garantir os serviços de Jorge Jesus. Cabe ao Benfica rentabilizar desportiva e financeiramente o avançado, e isso também não é certo. Ainda há muitas poeiras na engrenagem e a ver vamos se o Atlético Madrid não terá um papel em toda esta história.
NOTA - Organização, método, capacidade finalizadora impressionante e... Mitroglou e Jonas 'em grande'. O Benfica chega a um momento crucial da época num bom momento. Vêm aí FC Porto e Zenit- e esse vai ser um grande teste à capacidade do bi-campeão nacional.


PS: Quando o Lagarto Santolas se sente obrigado a escrever uma crónica destas, é porque o Palhacito já ultrapassou todos os limites...

Benfiquismo (VII)

Vermelho no branco...!!!

Sujidade verde

"(...)
A Auditoria Especial WB2 da consultora Deloitte ao BES Angola não deixa dúvidas. Quando cruzada com o despacho de acusação do Banco de Portugal e com as 12 inquirições de altos quadros do BES, é notório o cenário de descontrolo total no BESA. Os documentos, a que a SÁBADO teve acesso, podem levar Ricardo Salgado e outros administradores do BES a responder por gestão danosa, infidelidade e branqueamento de capitais.
A análise da Deloitte nota a ausência de mecanismos de controlo do BES quanto a várias movimentações financeiras do BESA, como as operações a débito de cinco transferências a favor da Sporting SAD.
Em 2011, o BESA transferiu 7 milhões de euros para a SAD do clube de Alvalade e o banco central manifestou dúvidas quanto a irregularidades no preenchimento das operações. Contudo, os pedidos de esclarecimento interpostos pelo departamento de compliance do BES nunca tiveram resposta.
Em 2012, o BESA voltou a destinar milhões para a SAD sportinguista: desta vez, 6,7 milhões de euros transferidos em seis movimentos. A SÁBADO não apurou se foram estas operações que levaram à entrada de Sobrinho como accionista de referência no Sporting.
(...)"

Redirectas XXIII - Tenha Cuidado Dona Leonor Pinhão

Essa coisa de ter corruptos assumidos e esquizofrénicos descarados com falinhas mansas para cima do Glorioso é algo que me deixa perplexo porque depois assiste-se a benfiquistas ilustres como a senhora Leonor Pinhão a retribuir os elogios. Quem não os conheça que os compre. Eu sinceramente não gosto de hipocrisias e tudo isso me soa a falso. Então os corruptos agora são pela não violência no desporto? Estão a brincar comigo? Os mesmos do 'Só queremos ver Lisboa a arder?'. Os mesmos dos pedregulhos a cada jogo que vamos fazer lá na pocilga? Alguma vez ouvimos esses indivíduos a condenar algo? Pelo amor da santa. E esse esquizofrénico vem elogiar o Luisão? Partem-lhe o braço e esse senhor agora tem a lata de vir elogiar? Faça-me um favor e fique no facebook a mandar postas de pescada que eu prefiro. Muito obrigado. Hipócritas.  

sábado, 6 de fevereiro de 2016

Passeio para os Quartos-de-final

Benfica 8 - 0 Merignac

Ritmo calmo, contra o adversário mais acessível do grupo, vitória clara e 1.º lugar garantido... Além do novo Poker do Ardoher, o destaque foi mesmo para os muitos minutos do João Sardo, premiado com um golo (o único 'beneficio' da lesão do João Rodrigues, têm sido os minutos do Sardo!!!).
Vamos jogar os Quartos-de-final com os nossos conhecidos do Vendrell. Somos favoritos, mas o Vendrell foi uma das últimas equipas a vencer na Luz!!!

PS: As nossas meninas do Hóquei em Patins, foram eliminadas esta tarde da Taça Europeia, nos Quartos-de-final, pelo Plegamans. Sendo assim, não vamos revalidar o título Europeu. Depois da derrota em Espanha, por um golo de diferença, estava à espera que conseguíssemos dar a volta, mas tudo correu mal, e fomos derrotados por (2-5) e até marcámos primeiro!!!

Tranquila a viagem ao Alentejo !!!

Eléctrico 75 - 92 Benfica
16-25, 15-16, 21-26, 23-25

Ainda sem o Radic e o Andrade, mas com um Wilson muitíssimo inspirado...
Vamos regressar a Ponte de Sor para a Taça de Portugal.


1.º lugar

Benfica 3 - 0 Madalena
25-20, 25-21, 25-23

Com o Voleibol e o Andebol na última jornada da 1.ª fase, com os jogos a terem que ser disputados em simultâneo, como as duas modalidades usam o mesmo Pavilhão na Luz, calhou ao Voleibol ter que se 'deslocar' na recepção ao Atlético da Madalena.
Vitória esperada, e 1.º lugar garantido...

Armas diferentes !!!

Benfica 31 - 32 Sporting
(16-14)

Já falei muitas vezes sobre as limitações desta equipa, e a incapacidade de nos momentos decisivos se superarem... Hoje, perdemos, caímos para o 4.º lugar, lugar que não queríamos, mas quem ganhou o jogo, não foi nenhum jogador do Sporting, os 'heróis' foram o Ricardo Fonseca e o Duarte Santos: 'profissão' apitadeiros!!! A inclinação foi consistente durante toda a partida, mas no início da 2.ª parte, foi demais, e alterou completamente a dinâmica do jogo... Entre muitos 'pormaiores', destaco a complacência com o jogo passivo Lagarto, constante, mas que no último minuto foi gritante...
Voltámos a cometer alguns erros, mas não fomos inferiores em nada, aos nossos adversários... só não beneficiámos do mesmo critério arbitral!!! O 'silêncio' do Benfica, sobre este tipo de situações, recorrentes nesta secção, deixa-me perplexo! Sejam os Irmãos Martins, seja a dupla Caçador/Nicolau, sejam os artistas de hoje, a merda é sempre a mesma... e nós continuamos a ser coniventes.
O resto é treta...

1904 no Restelo !!!

Bom dia "meu povo" !!!#carrega_benfica !!!

Publicado por Tó Monteiro em Sábado, 6 de Fevereiro de 2016

Um rufia sem escrúpulos

"Rui Vitória tirou ontem Pizzi a dez minutos do fim e os adeptos do Benfica que foram ao Restelo premiaram-no com grande ovação. Os que ficaram em casa a ver o jogo pela televisão também bateram palmas quando Pizzi saiu, depois de produzir uma exibição muito séria e de oferecer mais uns quantos golos aos colegas avançados. Pizzi, sim, esse mesmo. Quem haveria de supor uma coisa destas?
Fredy Montero, assim que se apanhou a caminho da China, disse aos jornalistas que no Sporting "ninguém tem o direito de julgar Carrillo". E pronto. Lá 'desencheu' o colombiano as medidas do presidente.
Um rufia sem escrúpulos envergonhou o Benfica em Inglaterra. Por ocasião de um jogo entre os juniores do Benfica e do Porto a contar para uma competição internacional um muito jovem adepto portista sem capacidade de defesa foi vilmente assaltado por um adepto do Benfica. Não foi a primeira vez nem será a última que um delinquente - ou um bando de delinquentes - a coberto de um emblema de um clube se atreve a infringir a lei, certo de que a impunidade inexplicavelmente devida ao futebol o protegerá das consequências.
Gostará esta gente dos seus clubes? Não. Esta gente nem sequer gosta de futebol. A criminalidade ama o futebol porque o futebol lhe oferece a protecção de uma causa, de uma bandeira e de uma cor. Como todos sabemos, pela experiência histórica, não há maiores aflições para a humanidade do que as congeminadas por pequenos e grandes bandidos a coberto de uma causa. E pobre da causa, seja ela da importância que for, sempre abusada sem pingo de altruismo ou bondade.
Foi tão triste este último episódio inglês do futebol português que acabou por resolver-se num inusitado momento de urbanidade e bom senso que mais pareceu um milagre. O Benfica tomou rapidamente a palavra para pedir as devidas desculpas à vítima e condenar sem remissão o meliante sob as suas cores, tendo o Porto respondido com elevação e carisma, dando-se o assunto por encerrado. Na realidade, se todos quisessem acabava-se num instante com os rufias do futebol.
Ontem, no Restelo, Jonas esteve quase em noite-não perante o esplendor do hat trick grego de Mitroglou. Mas à beira do fim lá fez o seu segundo golo e as coisas compuseram-se. É que se o Jonas apenas marcar um golo, enfim, só pode ser crise. Quanto ao Lindelof, parabéns."

Leonor Pinhão, in Record

Águia de ataque: 2,81 golos por jogo

"Começou ontem a disputar-se a 21.ª jornada da Liga. A contagem decrescente está activada e a partir daqui mais importante do que saber quantas se realizaram é contar as que falta cumprir, na medida em que, dada a rara e empolgante corrida a três pelo título, fica cada vez mais apertado o campo de manobra para diluir as consequências de eventuais tropeções. E quanto mais perto estiver a linha de meta melhor se avaliará a diferença entre quem desfruta o prazer de olhar para baixo e quem tem de sujeitar-se ao incómodo de olhar para cima, ainda que o desnível pontual seja pouco expressivo. É verdade que sim, mas enquanto quem tem seguido na frente pode dar-se ao luxo de um desempenho menos conveniente, os que o perseguem estão obrigados a facturação máxima em todos os jogos, sem garantia de, mesmo assim, alcançarem o objectivo supremo. Porque caso o leão vença nesta jornada, se não der sinais de cansaço e repita a nota positiva no campeonato dos três (vitórias sobre Benfica e FC Porto na primeira volta), águia e dragão, que se reencontram dentro de uma semana, estarão destinados a missões pouco possíveis...
O Benfica, cabendo-lhe o teste mais complicado, foi o primeiro a subir ao palco, no Restelo, e fê-lo com a classe e a autoridade que o caracterizam: outra chuva de golos (59 em 21 jogos, média fantástica de 2,81!) e a liderança na classificação até, pelo menos, segunda-feira. Amanhã é a vez do FC Porto receber o Arouca, em noite despida de sobressaltos, e no dia seguinte cabe ao Sporting defrontar o Rio Ave, igualmente com grau de dificuldade moderado. Mas em matéria de previsões o futebol é como o tempo: nem sempre acontece o que promete. Fica o aviso à navegação..."

Fernando Guerra, in A Bola

O futebol e as redes sociais

"As redes sociais existem para serem usadas e não para serem abusadas. A ausência de compromisso com qualquer regulação é causa de preocupação.

O pai de Carrillo respondeu ao presidente do Sporting, chamando-lhe «mentiroso barrigudo», enquanto a esposa de Pinto da Costa respondeu a Vítor Baía, questionando o gosto da namorada para saias curtas, e o presidente dos leões registou, em seu nome, um texto de no sense a imitar os Monty Phython, onde fala de jornalistas incontinentes de tanta excitação por verem um carro bloqueado na garagem. Eis, senhoras e senhores, a expressão do puro deleite das redes sociais que se tornaram, em pouco tempo, num fenómeno desregrado e descontrolado, onde tudo se mistura, numa caldeirada de loucuras, que pode incluir a injúria gratuita, a piada de mau gosto, a ofensa sem lei, a opinião irresponsável, a ordinarice avulsa, o desafio dos cobardes, a provocação dos incógnitos, o deslumbramento dos tímidos, a oração dos fanáticos, o destrambelho dos vencidos da vida, a evidência dos medíocres ou a vaidade suburbana dos indígentes.
E isso torna impraticável e indesejável o uso das redes sociais?
A resposta é um veemente não. Porque também nos oferece a evidência de ideias inovadoras, de textos de enorme criatividade, da revelação de talentos escondidos, de magníficas manifestações estéticas, de informações úteis e estimáveis, de opiniões lúcidas, de expressões literárias notáveis, de humores imperdíveis.
Portanto, as redes sociais, em si mesmas, não são boas nem são más. Existem para serem usadas e não para serem abusadas, mas o seu compromisso com qualquer regulação é nulo e, por isso, levanta razões de dúvida, inquietação, discussão.
Na última Quinta da Bola tivemos um momento especial em que o José Manuel Delgado leu um surpreendente texto de Duarte Gomes, reconhecido árbitro internacional português e que recentemente deixou a arbitragem. Um texto publicado nas redes sociais, com uma estrutura poética interessante, onde o árbitro desafiava ao exercício da troca de lugares, levando o leitor (espectador) a sentir-se árbitro e ele próprio a fazer o papel de adepto furioso.
O texto era manifestamente significativo e sintomático de uma certa forma de se falar sobre futebol, sem recorrer aos instintos mais básicos e às tentações mais grotescas que, em muitos casos, invadem opiniões e comentários sobre futebol nas redes sociais.
Não deixava de ter uma marca de personalidade, mas continha, pelo conteúdo e pela forma, uma expressão de valor, de dignidade e, acima de tudo, de inteligência.
E este o ponto essencial a que quero chegar. Não aceito, mas posso compreender a vulgaridade intelectual de um qualquer anónimo que se satisfaz com a maledicência, a boçalidade do arrazoado, a manifestação pública de uma mente desoladoramente desértica. Não aceito nem compreendo que o exercício de uma função de responsabilidade, seja no futebol, seja na vida social, mesmo quando travestida de opiniões supostamente individuais, seja compatível com a vulgaridade e, muito menos, com a manifestação gratuita da ofensa.
Não posso, nem quero aceitar que o cidadão que exerce uma missão de responsabilidade pública não tenha deveres cívicos mínimos de respeito pelos outros, pela entidade que representa e, até, por si próprio. E que não compreenda, no caso concreto do futebol, que a sua actividade deva estar regulada por um compromisso moral e cívico, capaz de contribuir para o crescimento e credibilidade do espectáculo, da indústria, do negócio.
Não entender isso é não perceber o essencial. Não perceber o essencial é a confissão mais comprometedora de que não se está preparado, nem qualificado, para o cargo que se desempenha.
(...)"

Vítor Serpa, in A Bola

Benfiquismo (VI)

Bota de Ouro... ao serviço do Benfica.
Será que está outra a caminho?!

Eusébio, em Prata ou em Ouro !!!

A Imprensa Nacional - Casa da Moeda, vai colocar à venda no próximo mês de Maio, uma Moeda evocativa da memória do nosso King! Aqui fica a informação para os interessados...

Para os obcecados!!!

Redirectas XXII - Faltam 304 assinaturas

5 golos valem quantas assinaturas na petição? São só mais 304 assinaturas. Quanto tempo demorará até que as mesmas estejam reunidas? Será este fim-de-semana? Aceitam-se apostas. Para quem não sabe do que estou a falar, podem ir ler as Redirectas antigas aqui e aqui.
Que dia maravilhoso este que agora desponta. Um grande fim-de-semana para todos os benfiquistas. E boa sorte a todas as restantes modalidades para mais uma barrigada de vitórias. Assim o desejamos.
Viva o Benfica e não esqueçam: Se ainda não assinaram a petição hoje é uma excelente oportunidade para o fazer. E como sempre não sejam tímidos e passem a palavra.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Golo, golo, golo, golo e golo...!!!

Belenenses 0 - 5 Benfica


Mais uma goleada natural...!!! O que mais impressiona, é que estas goleadas estão a aparecer sem forçar muito!!! Os golos vão aparecendo naturalmente... Sabendo aproveitar os erros adversários (nem sempre se consegue aproveitar os erros não-forçados do adversário ...), mas construindo muito jogo ofensivo, e sabendo proteger a nossa área...
Curiosamente, o Júlio César na segunda parte, até fez duas excelentes defesas, algo que nos últimos tempos, não tem tido necessidade de fazer (uma delas na sequência de um fora-de-jogo escandaloso não assinalado)!!!
Entrámos muito bem no jogo, merecíamos ter marcado logo nos primeiros minutos. A meio da 1.ª parte, o jogo ficou feio, com muitas faltas, muita bola no meio-campo... Mas a partir do minuto 30, voltámos a mandar no jogo, o Renato subiu no terreno, e o golo acabou por finalmente aparecer...
A entrada do 2.º tempo, foi repartida, notou-se um Belém mais atrevido, mas o Jonas marca o segundo... o Belém podia ter reduzido logo a seguir (o tal fora-de-jogo...), mas o Benfica tinha o jogo na mão...
A partir do 0-3, baixámos um pouco a concentração, falhámos alguns passes parvos... mas a disponibilidade dos jogadores nas transições defensivas acabou por acabar o jogo sem sofrer golos, algo que não tinha acontecido nos últimos tempos. O facto de o Benfica ter mantido a pressão alta, pressionando a saída de bola do Belém, todo o jogo, mesmo após estarmos em vantagem, acabou por facilitar a nossa vida...
Bom jogo do Lindelof (somente um erro grave, e por acaso até me pareceu que o Miguel Rosa estava milimetricamente adiantado!). Já tinha demonstrado qualidade e confiança nos dois jogos e meio que tinha feito... Agora, o grau de dificuldade do jogo com os Corruptos é completamente diferente. Curiosamente acabou mesmo por ser o Jardel, a ter alguns erros parvos...!!!
Nas Laterais tenho que destacar a vontade ofensiva do André, mesmo nos últimos minutos continuou a 'fazer piscinas'!!! Tenho a certeza que está a ser incentivado pela equipa técnica para ser mais ofensivo...
Tenho que destacar também a subida de rendimento do Samaris, que tinha perdido a titularidade para o Fejsa... nos poucos minutos que tinha para se mostrar, dava sinais de pouca confiança, mas com estes jogos consecutivos, parece ter recuperado o seu nível normal... O Renato, depois de alguns jogos, onde parecia 'cansado', está a voltar ao normal, hoje demorou algum tempo a ganhar ritmo, mas quando 'pegou' no jogo, não mais o largou...!!
O Pizzi voltou a ser decisivo... o Nico tem uma assistência bonita, mas neste momento é jogo com rendimento mais baixo do onze titular... O Carcela nos poucos minutos que teve, jogou melhor!!!
Cinco golos, para os nossos dois avançados... nem vale a pena comentar!
Fora das quatro linhas, tivemos uma aula de como condicionar o debate pós-jogo pelos senhores da PorkosTV!!! Basicamente tudo o que o Benfica fazia ofensivamente era 'potencialmente' polémico. As repetições mostravam que o árbitro tinha decidido bem, mas eles insistiam, em construir a narrativa dos debates televisivos dos próximos dias... Não é nada de novo, mas hoje foi tão evidente, que meteu nojo!!!
Outro ponto que será seguramente discutido, será as opções do treinador do Belenenses, em escolher o Rúben Pinto para Central, e o Fábio Nunes para Lateral: dois jogadores 'adaptados'... Eu também achei estranho, ver o Rúben a Central, mas um facto é que o Belenenses desde da chegado deste treinador, melhorou bastante... e ele lá saberá os jogadores que tem disponíveis!
Vamos passar os próximos dias em primeiro lugar, mas independentemente do resultado de Segunda dos Lagartos, aquilo que interessa é a preparação para o jogo da próxima Sexta com os Corruptos. A única dúvida é mesmo a recuperação do Lisandro, de resto a equipa está definida, mesmo com a recuperação do Fejsa, não acredito que o Samaris saia da equipa... Com o novo treinador dos Corruptos, o problema do nosso meio-campo com dois jogadores, estará na cabeça dos nossos Treinadores e adeptos, reforçar o meio-campo, ou manter os dois avançados?! Com o Pizzi a encostar junto do Renato e do Samaris, penso que estamos 'seguros'... o problema mesmo poderá ser o momento menos bom o Nico, neste momento o Carcela rende mais... 

Carrillo num grande

"A lesão de Lisandro fez da deslocação a Moreira de Cónegos um dia mau para o Benfica, pese embora a vitória clara. O árbitro do Porto Manuel Oliveira voltou a não marcar dois penalties a favor do Benfica neste jogo (tinham ficado três por marcar contra o Rio Ave), no fim da época só este árbitro, com os seus erros, pode estar em dívida de uma Bola de Ouro a Jonas. Fez bem o Benfica em não protestar. Temos de ser muito mais fortes para ganhar, ser melhor não chega. Hoje, no Restelo, contra um Belenenses que vem melhorando, também tem que ser assim. O Belenenses é tradicionalmente difícil e passa por uma excelente fase. Terá que ser o melhor Benfica para vencer.
A novela de André Carrillo chegou ao fim e com um final feliz. Carrillo encarrilhou para um clube grande, dando um passo em frente na sua carreira. É o natural num jogador com talento. Ficará para o próximo presidente do Sporting aplicar o critério do actual e processá-lo por gestão danosa.
Quando finalmente se esperava que o mercado tivesse fechado e os planteis estabilizassem eis que o novo mundo do futebol mantém Rússia e China com mercados abertos e por isso tudo é possível a qualquer hora e em qualquer momento. Para os lados de Alvalade, Montero, que segurou a liderança dos verde e brancos a quatro minutos do fim, contra uma Académica reduzida a dez, viu o seu esforço premiado na China. Não concordo com esta incerteza permanente que distorce as competições.
Neste defeso assinar com Fejsa (jogador que foi sempre campeão por onde passou) e manter Jonas e Gaitán já me deixam muito satisfeito. Gosto é do futebol jogado e quero é ganhar logo ao Belenenses, jogando bem e marcando muito de preferência. Nas três competições que disputamos o nosso destino e o nosso futuro teremos de ser nós, Benfica, a construi-lo."

Sílvio Cervan, in A Bola

Benfiquismos

"56.º melhor marcador de sempre do Benfica, com 54 golos em apenas época e meia, Jonas vai comprovando, semana após semana, o acerto de uma contratação que muitos se apressaram, ainda o homem não tinha pisado o relvado, a rotularem de falhanço. Sete vitórias consecutivas e 12 triunfos nos últimos 13 jogos disputados no Campeonato Nacional perfazem o percurso recente que nos aproximou da liderança da competição, contrariando os arautos da desgraça, mais lestos a apontarem culpados e a insultarem os optimistas e pacientes que a reconhecerem a extemporaneidade e a desfaçatez dos seus juízos. 
54 golos marcados, à 20.ª jornada, "sem" ideia de jogo (seja lá o que isso for!), treinador, plantel ou estrutura, a boicotarem o botabaixismo militante, tão inútil quanto comum, próprio de uma estranha forma de vivência Benfiquista. Estou certo que se farão notar à primeira escorregadela. Ou, quem sabe, no Marquês, que também é preciso quem critique a festa mais desejada.
Por falar em atitudes demasiado gastas de tão vistas que estão, encontrei, por andar a pesquisar jornais publicados em 1986, uma declaração de Octávio Machado: "Têm sido cometidas muitas maldades para que o FC Porto não seja campeão". Trinta anos deste discurso patético e ainda há quem o leve a sério? Diz o ditado que homem pequenino, ou velhaco ou dançarino. E já houve quem, referindo-se ao agricultor de Palmela, tenha afirmado que não consta que saiba dançar. Por acaso até terá dançado quando, há poucos meses na BTV, e ainda sem clube, se fartou de elogiar o Benfica. Deve ser frustrante para um "Benfiquista", nas pausas do cuidado das hortas, andar sempre a atacar o Benfica."

João Tomaz, in O Benfica

Gato escondido

"Todos percebemos como pretende o Sporting chegar ao título: pressão incessante sobre a arbitragem, e lobbying nos media, para que se faça eco do discurso oficial de vitimização, repetindo-o até à náusea, até parecer verdade.
No meio da fumarada, muitos casos ficam esquecidos. Relembro os penáltis por assinalar nos três jogos com o Benfica, sobre Gaitán na Supertaça, e sobre Luisão no Campeonato e na Taça; o golo irregular que lhes valeu a vitória em Tondela; o off-side no golo ao Estoril; o escandaloso penálti que ficou por marcar em Arouca; o bloqueio no livre de que resultou o primeiro golo frente ao Moreirense; o penálti fora da área que Jorge Sousa ofereceu na partida com o SC Braga (jogo em que ficaram por expulsar três jogadores do Sporting); ou ainda as sucessivas e impunes agressões de Slimani a vários adversários, em várias jornadas. 
Porém, as vendas proporcionadas pela gritaria do bando de Alvalade parecem tocar fundo no coração de editores e directores de jornais - que não olham a esforços no momento de dar destaque a casos, ou pseudo-casos, em que o Sporting se diz prejudicado. Fazem-no de uma forma insultuosa para com o rigor e a independência. Gozam com os leitores. A primeira página do jornal "A Bola" do passado domingo poderia muito bem ser a do jornal "Sporting", tal o modo parcial como tratava uma questão de arbitragem. Fosse uma final europeia entre Sevilha e Benfica, e nem o patriotismo os levaria a tanto. No "Record", já nos habituáramos à tonalidade esverdeada. A coisa agora disseminou-se. Podem continuar. Não só não nos enganam, como perdem o nosso respeito."

Luís Fialho, in O Benfica

Bom vinho!

 
"Palmela tem coisas boas, como o castelo do período romano, queijarias com produtos deliciosos, um centro histórico imaculado, vistas de mar e de serra, gente boa, doces apetitosos e bom vinho. É, aliás, o seu vinho que torna esta vila portuguesa do distrito de Setúbal, tão conhecida fora das suas fronteiras. Mas como no melhor pano cai a nódoa, Palmela também tem quem lhe estrague a imagem. É o caso de um antigo jogador e treinador palmelão que ama a sua terra como poucos, mas que se esquece hoje do que disse ontem e cai tantas vezes em contradições absurdas. Vem isto a propósito das declarações de Octávio Machado após o jogo entre Sporting e a Académica de Coimbra: "Aqui aconteceu algo que nunca tinha visto e ando há muitos anos nisto." Falava da arbitragem de Cosme Machado e de o seu clube ter sido prejudicado num lance polémico. Tem piada, este senhor. Esquece-se do trabalho deste mesmo árbitro na deslocação do Sporting a Arouca, quando ficaram duas grandes penalidades por marcar frente à equipa que não é campeã nacional desde 2002. Esquece-se Octávio Machado, dos sucessivos jogos em que o Sporting foi beneficiado neste Campeonato. Esquece-se também do período em que fez parte do corpo técnico do FC Porto quando ficaram conhecidas as suas qualidades de espião de jogadores e defensor acérrimo do clube mais mencionado nas escutas do Apito Dourado. A memória selectiva vai ao ponto de se esquecer dos elogios rasgados que fez ao SL Benfica quando Jorge Jesus era o treinador. Diz o homem de Palmela que nunca tinha visto nada assim. Ele que já viu e fez de tudo no Futebol português... É melhor falarmos de vinho, provavelmente o melhor que vem de Palmela."

Ricardo Santos, in O Benfica

Valeu a pena afastar Carrillo?

"Continuam a fazer-se sentir as ondas de choque provocadas pela passagem de André Carrillo de Alvalade para a Luz.
Se procurarmos com atenção, ao longo da história, têm sido raras as vezes em que uma primeira figura de um dos clubes passou directamente para o rival. Há Paulo Sousa, há também João Vieira Pinto, e mesmo assim em processos com contornos diferentes dos que hoje se verificam com Carrillo. Porém, para encontrar situações semelhantes noutras paragens, não haverá que recuar muito tempo: a forma como o FC Porto não desistiu de Fernando, acabando não só por beneficiar do seu contributo desportivo como ainda das mais-valias criadas com a transferência do trinco brasileiro para o Manchester City; e a maneira com Maxi Pereira terminou a época na Luz, criando o Benfica uma total separação entre o departamento técnico e o processo negocial, ilustram bem que é possível fazer diferente e melhor.
Concluída esta novela (embora haja ameaças de demandas judiciais), uma pergunta impõe-se: o que ganhou o Sporting com o tratamento que deu a André Carrillo?
Não logrou a renovação; não impediu a partida do internacional peruano para o principal rival; não beneficiou do contributo desportivo do jogador ao longo da época; e, pelos vistos, criou uma situação de tensão no balneário que Jorge Jesus teve de gerir com pinças. É isso que se depreende das declarações, na hora da partida para a China, de Fredy Montero, que não teve dúvidas em defender a posição de André Carrillo, afirmando mesmo que «ninguém no Sporting tem o direito de julgá-lo, tomou a decisão dele»."

José Manuel Delgado, in A Bola

Controlo orçamental

"Está na ordem do dia o Orçamento de Estado (OE) para 2016. Hoje é entregue na Assembleia da República o documento aprovado em Conselho de Ministros, para que seja debatido pelos deputados. Claro que certas alterações resultantes da negociação com a Comissão Europeia (CE), ou propostas pelo Parlamento, serão introduzidas em sede de especialidade.
O Orçamento é um instrumento previsional fundamental para a gestão. Quer para o sector público quer para o privado. Claro que quando estamos inseridos numa comunidade, como é o caso de Portugal na União Europeia, temos que cumprir e respeitar os acordos existentes. Por isso se fala do Pacto de Estabilidade e Crescimento. No fundo procura-se que um conjunto de regras permitam evitar o excessivo endividamento e défices orçamentais acima de um determinado limite. As conhecidas derrapagens, sempre resultantes de problemas que não foram devidamente acautelados na realização do documento inicial, têm que se tornar travagens suaves.
Fazendo o paralelismo com a organização de um campeonato de futebol, temos que os concorrentes são os Estados membros e o Parlamento e a Comissão Europeia os órgãos de gestão da competição, Federação e Liga. Pretende-se que a competição seja leal, que a concorrência esteja regulada, da mesma forma que se controla o défice público ou o endividamento exagerado.
O problema é essencialmente de regulação. Lembram-se das opiniões da CE nos anos de 2005, 2006, 2007? E das agências de rating? Estava tudo bem, o mercado funcionava de forma eficaz, contudo a crise rebentou em 2008. Que o futebol perceba este mecanismo e não se deixe enganar pelo aumento de receitas sem grande sustentabilidade. Nós trabalhamos para o público e sem ele nada tem suporte. Tal como os Governos devem trabalhar para o bem estar dos seus cidadãos."

José Couceiro, in A Bola

O Leonardo que nos une

"É verdade que estamos num Mundo de vale tudo, onde os valores morais são cada vez mais desconsiderados, em que o desrespeito e a falta de educação atingem proporções que incomodam e perturbam gente de bem ou pelo menos gente que ainda se rege por alguns princípios. O futebol é o reflexo da sociedade em que vivemos e o nosso futebol, especialmente esta época, tem-nos oferecido alguns péssimos exemplos.
A discussão nivela-se por baixo (muito por baixo), o insulto e a ofensa saltam de forma gratuita, tudo isto para gáudio de uma ruidosa maioria que se delicia quando os 'seus' amesquinham e espezinham os 'inimigos'. A batalha tribal tem direito a espaço nobre porque joga com os piores instintos e dá audiências. Não há debate de ideias. há apenas gritos, insinuações e injúrias.
É com esta realidade que temos coexistido. Uns de forma confortável, outros não: uns colaborando na algazarra, outros preferindo o silêncio. Mas todos assistimos e testemunhamos, todos somos culpados e todos somos vítimas destas guerras.
Sendo assim, não nos podemos espantar com comportamentos como aquele que um grupo de energúmenos supostamente adeptos do Benfica, protagonizou ao roubar uma camisola oferecida por um jogador do FC Porto a uma criança com deficiência motora. Leonardo, o rapazinho cuja paixão pelo futebol e pelo seu clube o levou a ir a um estádio, viveu um sonho e um pesadelo. Na idade da inocência, talvez ele perdoe. Nós temos de nos indignar e, para já, aplaudir a posição do Benfica, que pediu desculpas por um ato de que não é responsável, e do FC Porto, para que o pequeno Leo construa uma imagem positiva do futebol. Ainda podemos ter alguma esperança."

Benfiquismo (V)

Hoje temos derby... sem chuva, mas com o Glorioso

Redirectas XXI - Um Benfica Maior e Melhor

Um Benfica maior e melhor. Esta a ambição de quem é Benfica. Ser Benfica é fazer parte da família. Estar sempre perto, nem que seja de coração, lutando por algo em que se acredita. Dando o seu melhor a cada instante. O Benfica é sempre um projecto em movimento e o resultado da soma de todas as partes que dele fazem parte. Como na sociedade, também na nossa família existe uma grande diversidade de ideias e vontades. Todas as pessoas são diferentes umas das outras. Todos são únicos. Mas a nós existe uma coisa que nos une. O ser Benfica. Então para mim esse é o ponto de partida para a união que se deseja o mais forte possível, porque unidos somos mais fortes e porque essa é a nossa divisa. E Pluribus Unum. 
Vem isto a propósito dos últimos desenvolvimentos em torno de actos reprováveis de alguns elementos ligados aos No Name, alguns dos quais foram comunicados em primeira mão aqui no Indefectível pelo 'Ricardo' e que tiveram tal repercussão nos media que a direcção tomou a decisão de emitir um comunicado a repudiar o facto.
Tais desacatos não são virgens e muito menos são exclusivos de um clube ou mesmo de um específico grupo organizado. Mas enquanto Benfica eu sinto-me sempre atingido quando algo como o sucedido é perpetrado por quem deveria de igual modo ser Benfica antes de tudo e em primeiro lugar.
O debate sobre os No Name e a sua natureza já foi iniciado aqui neste espaço de debate livre. Muito já foi dito mas o problema continua por resolver. Deixo aqui de novo o espaço aberto para que a voz de quem é Benfica se possa fazer ouvir uma vez mais, sempre com o propósito de tornar a nossa família cada vez mais forte e mais capaz.

A prova de que vale a pena levantar a voz é que a petição está quase a atingir as 4500 assinaturas. Será hoje o dia D? Faltam somente 320. Tendes vós a palavra! Esta que é também uma bandeira que o Indefectível hasteia, tem mostrado ser um objectivo difícil de atingir mas, aos poucos, as assinaturas vão chegando e ultrapassado o número mágico das 4000. Com pouco mais de 300 para atingir as 4500 desejadas, tenho a certeza absoluta que o número final vai ser atingido e, por esse motivo, daqui envio desde já os parabéns ao Frederico Cordeiro e os votos de boa sorte, para que tudo dê certo e esse debate na assembleia da república, que desejamos todos profícuo, possa na realidade acontecer e dar frutos. Por um Benfica maior e melhor e por Portugal também, porque o Benfica é maior que Portugal mas é Portugal por inteiro. Viva o Benfica! Viva Portugal!

Star Lisbon & Benfica !!!

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

O radicalismo, doença infantil...

"Também no futebol, aqueles que desenham a sua estratégia com base em discursos populistas acabam sempre por ser desmascarados.

Movimentos radicais e antissistémicos, tanto na política...
Dos anos do associativismo académico e das leituras dos anos 70, voltamos a recordar o livro de Lenine A doença infantil do comunismo: o radicalismo de esquerda.
De facto, na política - e para além da tese leninista de combate a quem, então, queria ser mais papista que o Papa - existe uma realidade a que poderemos chamar de movimentos anti sistémicos, que se caracteriza pela sua posição dissidente e subversiva face ao sistema que, em dado momento, impera, tendo por objectivo a imposição de uma ideologia contrária aos princípios instituídos.
Já longe da realidade que preocupava Vladimir Ilitch Ulianov, tais movimentos encontram-se, hoje, alicerçados na conjugação de forças de diferentes grupos políticos, cívicos, associativos, ou de qualquer outra área da sociedade, que convergem no entanto, quanto à sua finalidade: o desejo e a busca pela confrontação ou a mudança face às instituições estabelecidas, o que fazem, ou pelo menos tentam fazer, através de acções ou manifestações de protesto, por forma a conseguirem alcançar alguma notoriedade e posicionamento.
Mas não só: para evitar a marginalização e a falta de relevância política, estes grupos ou movimentos, são levados pela tentação de enveredar por posições radicais.
Por seu turno, à frente de tais movimentos dissidentes, encontram-se pessoas que possuem uma enorme ânsia de poder, cujo grande desiderato é ascender a cargos que lhes concedam o protagonismo que tanto ambicionam.
Contudo, quando finalmente o conseguem, percebem que a posição a que ascenderam (e que tanto ambicionaram) não lhes permite assumir, afinal, tanta relevância.

...como no futebol
Ora, este raciocínio poderá ser transportado, também, para o futebol. É verdade que, para muitos dos que vibram com o desporto-rei, em particular com os clubes que apoiam, esta modalidade desportiva não passa de uma mera paixão, alheada da razão.
Mas o futebol é muito mais que isso. De facto, o futebol também é política. Por essa razão, também no futebol podemos falar em movimentos antissistémicos, dissidentes, que tentam romper com a ordem natural. 
Fazem-no numa tentativa desesperada de trazer para si o protagonismo e à custa de manobras que, para os mais desatentos, podem parecer legítimas e plenas de razão.
No entanto, para quem cá anda há muitos anos, é perceptível que todo o alarido provocado por quem pretende tal protagonismo, mais não é do que uma tentativa de demonstração de uma aparência de poder que tentam ver reconhecida, com recurso a discursos e atitudes populistas e radicais.
Por vezes, quando se percebe que, afinal, não se é tão bom como se pensava, ou quando o sucesso parece cada vez mais difícil de alcançar, é comum surgir um tipo de discurso mais inflamado, de confrontação contra tudo e contra todos, que apenas se poderá explicar pelo receio e pelo sentimento de que a sua própria liderança se encontrará em perigo.
E no futebol (que é o que aqui nos interessa) é possível identificar tais fenómenos quando, por exemplo, a contestação sobe, jogo após jogo, em relação à prestação das equipas de arbitragem - que erram, inevitavelmente, e têm o direito de errar por serem compostas por seres humanos.
Mas não sejamos hipócritas.
Mais uma vez, aqueles que andam atentos facilmente concluem, de uma forma objectiva - sem necessidade de ser grande entendido na matéria - que, com raras excepções (lá nos vem à cabeça o Apito Dourado) as equipas que, de facto, são melhores e conseguem praticar bom futebol de um modo consistente, acabam por ganhar.
E não é porque o árbitro A, B, ou C no jogo X, Y ou Z, marcou ou deixou de marcar aquele penalty ou aquele fora-de-jogo.
E isso, só não vê quem não quer. E se não quer ver, significa que é tão deslumbrado quanto aqueles que o querem fazer acreditar nessa realidade.
Mas não espanta que o façam.
Porque no fundo, o que está em causa é alcançar o sucesso a todo e qualquer custo.
Não importa por que meios, apenas interessa o fim.
Trata-se de um caso de vida ou morte, porque se no final a vitória não for alcançada, então tudo desmoronará num ápice.
Lideranças destas são facilmente desacreditadas quando aquilo que se promete, aos demais seguidores que as sustentam, afinal, não puder ser cumprido.

Cenas dos próximos capítulos
Na verdade, já todos sabemos qual será o próximo capítulo desta história. Citando o ditado popular que diz, e bem, que «tudo que é de mais enjoa», quando já não for coerente, até para aqueles mais deslumbrados, colocar as culpas do insucesso nas exibições do árbitro, então assistiremos, com normalidade, à culpabilização dos que, em tempos, lutaram ao seu lado nesta cruzada contra ao sistema. Refiro-me, obviamente, à estrutura, começando pelos vice-presidentes, continuando pelos directores, depois pelos assessores, até aos treinadores e aos jogadores.
Aliás, nos últimos dias pudemos constatar que alguns já foram apelidados de ingratos e até acusados de, propositadamente, terem causado sérios prejuízos económicos.
Não deverá faltar muito para que as armas sejam apontadas aos que lá estão. Com certeza, serão os próximos visados.
Quem sabe se não serão acusados de falta de brio ou de profissionalismo. No limite, não espantaria ser-lhes atribuído o rótulo de infiltrados e lá colocados por terceiros, com o objectivo de destabilizar e garantir que o tão desejado sucesso desportivo não seja alcançado.
Será por isso que alguns já estarão a preparar o seu futuro, quando em entrevistas a revistas internacionais mostram abertura em abraçar novos projectos?
Acredito que sim.
Até porque os protagonistas dessas entrevistas nunca o fizeram anteriormente. Pelo menos, durante os últimos seis anos...

Há 15 meses
Mas se esses andam por lá há pouco tempo, mesmo para os menos avisados tudo se tornou evidente no início de Novembro de 2014, quando depois de uma derrota pesada, o Facebook se vingou na equipa e começou o processo de intenções contra o então treinador.
Tudo ficou mais claro, num processo sempre em crescendo.
De declaração em declaração, de provocação em provocação, não percebendo que, nestas como noutras coisas,... pela boca morre o peixe!
Há cerca de um ano, lemos declarações que são elucidativas desta nova realidade a que se assiste no futebol português e que representam o tipo de discurso característico de quem se apresenta como a voz da mudança contra o sistema, sem saber que sistema quer ou sequer que isso lhe importe, desde que ganhe... o que é bem mais difícil.
Por ocasião de uma entrevista a um jornal desportivo, quando se falava a propósito de um jogador (que curiosamente, à data da referida entrevista era um dos principais artífices das boas exibições e resultados alcançados, e considerado um pilar da equipa), com contrato até ao final desta época, foi dada a certeza que, caso não se chegasse a acordo para renovar o contrato do jogador em causa, este não sairia... «de borla».
Ora, conforme se poderá constatar pelos mais recentes desenvolvimentos do mercado de transferências que agora encerrou, o tempo é o melhor remédio contra a demagogia.
A promessa em tempos feita por alguém que dizia que o mesmo jogador (que, afinal, acabou mesmo por sair de borla) valerá ouro, como jogará mais e melhor, afinal vai ser cumprida... mas não por quem o prometeu.
Aqui chegados, torna-se inevitável concluir que, tanto no futebol como na política, aqueles que desenham a sua estratégia com base em discursos populistas acabam sempre por ser desmascarados. E quase sempre através dos seus próprios actos ou declarações.
Para que não digam que não estavam avisados!"

Rui Gomes da Silva, in A Bola

Força Capitão



Nova lesão, nova operação... Amanhã o substituto será o Lindelof... mais tarde, com o regresso do também lesionado Lisandro, o Benfica vai seguir em frente, seguramente... Até porque será com o braço agora partido, que iremos levantar o Caneco lá mais para o fim da época

Trocas e baldrocas de inverno

"O Inverno ainda não acabou, mas o mercado da mesma estação já fechou na futebolândia. Com a excepção (a UEFA e a FIFA adoram excepções para quase tudo) de alguns países compradores como a China e a Rússia.
Ainda bem que acabou. Confesso a minha animosidade para com estes mini-defesos que abalam a serenidade competitiva dos clubes e baralham a cabeça e carteira de jogadores. Além disso, é uma espécie de batota consentida (ou mesmo estimulada) em que uns poucos beneficiam do aperto da maioria e se desvaloriza a essência dos planeamentos anuais e estratégicos que deveriam ser a regra. Sempre mais trocas e baldrocas, com comissões a rodos sobre tudo e sobre as eufemísticas aquisições a custo zero.
Adiante. Por cá, fiquei descansado com a sobriedade do Benfica. Aguentou bem os assédios sobre os melhores jogadores, pôs a rodar alguns atletas esperançosos e aposta sobretudo na coesão do plantel que Rui Vitória tem vindo a gerir com acrescida competência e nos reforços internos vindos de lesões prolongadas. O FC Porto fez trocas do tipo Marega por Tello ou Suk por Osvaldo, que só o futuro dirá se foram proveitosas ou não e concretizou um negócio surpreendentemente lucrativo com a mais cara e a maior desilusão das contratações de Verão (Imbula). Isto, visto de fora, e sem esmiuçar os detalhes da engenharia financeira. O Sporting continua no retalho de ilustres desconhecidos e outros seguros atletas (é o caso de Bruno César). Estranha foi a saída do proveitoso caçador de pontos do SCP, o colombiano Montero. Ah, falta Carrillo. Mas esse é um assunto para futura crónica..."

Bagão Félix, in A Bola

Ser do Benfica, não é para todos!

Ontem, no jogo disputado em Londres com as equipas B do Benfica e dos Corruptos surgiram noticias inquietantes, que foram discutidos por aqui, na caixa de comentários da crónica do jogo.
Existem pessoas que não compreendem que quando se deslocam a um Estádio com um cachecol ou bandeira do Benfica, estão a representar o Benfica...!

"O Sport Lisboa e Benfica lamenta e repudia as acções atribuídas a adeptos do clube, ontem, em Londres, no jogo a contar para a Premier League International Cup.
O desporto exige respeito, muito mais para com aqueles que lutam com limitações físicas de qualquer ordem. Temos o direito a exigir respeito, quando respeitamos. Infelizmente, há sempre alguns que não sabem respeitar nem a história, nem a grandeza do Clube.
Ao jovem adepto do FC Porto que ontem foi cobardemente incomodado, o SL Benfica endereça um pedido de desculpas e espera que uma situação destas nunca mais se repita."