Últimas indefectivações

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Uma semana decisiva...

"Vamos ao que interessa, o regresso ao nosso campeonato, porque dos fracos e dos que não têm competência para a Liga dos Campeões não reza a história.

Benfica-Braga... e os melhores adeptos do mundo!
1. Naquele que poderia ser um dos obstáculos mais difíceis deste fim de época, conseguimos uma importantíssima vitória frente ao Braga. Com uma grande atitude da equipa.
Resolvendo o jogo, contra o adversário que, connosco, melhor futebol pratica no campeonato português. Num jogo sem casos, ao contrário do que, mais tarde, alguns tentaram fazer crer.
Não obstante a vitória clara e expressiva do Benfica - e como os fundamentos tendem a ficar cada vez mais escassos - ouvi por aí alguma contestação (um pequeno levantar de crista???), pelo facto do penalty assinalado, convertido posteriormente pelo Braga, ter sido marcado nos últimos minutos, quando o resultado já era de 5-0.
A esses, aos que se preocupam mais com o Benfica do que com o seu próprio clube, só lhes agradeço a atenção que vão tendo connosco.
Numa repetição de tentar inventar um inimigo externo para manter unido um exército em descrença crescente, farto, até, dos puxa sacos internos que todas as semanas elogiam qualquer coisa de fenomenal... do pequeno líder... ou do mestre...
Se se preocupassem mais com eles...
A esses, ainda, deixo uma dica: já podem colocar os contadores no zero... o penalty que tanto reclamavam contra o Benfica foi marcado.
Mas voltemos ao que é verdadeiramente importante: o Benfica!
E ao apoio incondicional dos adeptos, que, a par das exibições da equipa, vai, também, fazendo os resultados, como, aliás, ninguém se cansa de repetir.
Os melhores adeptos do mundo... sempre!
Que, sexta, na Luz, entoaram o Ser Benfiquista em uníssono, abafando a dada altura, a inconfundível voz de Luís Piçarra.
Momento emocionante vivido no Estádio da Luz, que nos transportou, por minutos, para os excepcionais e exemplares ambientes vividos nos estádios ingleses.
Mais de 61 mil pessoas a uma só voz e com um só objectivo!
Arrepiante!!!
Os tais mesmos adeptos que tão decisivos têm sido nesta fase do campeonato.
Um verdadeiro exemplo de paixão!
De paixão e da esperança que transportam e que invade cada um de nós a cada jogo, em cada competição! 
No Benfica-Braga, da 28.ª jornada, foram, apenas, 61 042 espectadores, o terceiro jogo mais visto, até agora, da Primeira Liga.
E como isso lhes dói, aos outros!!!
Para além do Benfica-Braga da jornada passada, dos 10 jogos com maior número de espectadores - segundo informação disponibilizada no site da LPFP -, sete dizem respeito, como não poderia deixar de ser, ao Maior que Portugal: Benfica-Sporting (63 054), Benfica-Porto (61 536), o já referido Benfica-Braga (61 042), Benfica-Estoril (53 285), Benfica-Arouca (51 511), Benfica- Tondela (51 314), Sporting-Benfica (49 699) e Porto-Benfica (49 209).
Desses oito jogos, apenas dois são fora, que correspondem, como também não poderia deixar de ser, ao clássico e ao derby.
Mais: se analisarmos, ainda, os restantes 10 jogos, ou seja, os 20 com maior número de assistências, em (mais) seis deles jogou... o Maior que Portugal.
O que significa, então, que desses 20, 14 são do Bicampeão!
E isso... é também o que lhes dói!
Para a história deste campeonato, mais uma vitória.
Mas, agora, o jogo mais importante da época será sábado, frente à Académica, em Coimbra.
Só faltam seis finais... mas ainda faltam seis finais!

Bayern-Benfica... e os melhores adeptos do mundo!
2. Regressando às grandes noites europeias, na terça, houve gala, em Munique. Não ganhámos, como todos desejávamos, mas também não fomos esmagados como alguns os outros - ambicionavam. O resultado de um 1-0, em Munique, permite-nos poder continuar a sonhar com a passagem às meias finais da Liga dos Campeões, apesar de não termos conseguido marcar o sempre desejado golo fora, que tanta diferença faz. 
Não tivemos muitas oportunidades, é certo, mas tivemos pelo menos duas de iminente golo...
Além do penalty claro que ficou por marcar.
Se fossemos de outros clubes, e no pressuposto que presidente e treinador nunca têm culpa de nada... diríamos que foi... a Gazprom... (se o ridículo matasse...)
Mas vamos ao que interessa - que dos fracos e dos que não têm competência para a LC não reza a História.
Porque para a história desta LC, e em particular para registo das oito melhores equipas da Europa - como isso lhes dói... - bom jogo do Benfica, seguro, equilibrado e com uma enorme atitude dos nossos jogadores... e adeptos!
Jogadores que foram dignos da camisola que envergam.
Adeptos que tiveram a capacidade - e, diria, o feito, tendo em conta a superioridade do número de adeptos do Bayem presentes - de silenciar o Allianz Arena, onde também estive.
Adeptos, uma vez mais! Cerca de 4 mil benfiquistas, que foram a voz dos milhões espalhados pelo mundo, que desde cedo fizeram a festa pelas ruas de Munique, entoando cânticos de apoio - o tal, incondicional - ao clube. Munique transbordou de Mística, por um dia...
Mas no que ao jogo propriamente dito diz respeito, concretizou-se aquilo que o próprio Pep Guardiola anunciou, talvez sem qualquer convicção, na conferência de imprensa de antevisão do jogo.
O mesmo Guardiola que, no final, confirmou a qualidade do Benfica, e que já tinha deixado escapar, na véspera, a sua admiração pelos números que traduzem o trabalho desta equipa... 33 golos sofridos, até ao jogo com o Bayern, em todas as competições.
De facto, não obstante outros factores - de que é exemplo a nossa linha atacante, que não passa despercebida - uma equipa que sofre tão poucos golos só pode impressionar!
Na terça, apesar do golo sofrido, a organização defensiva do Benfica foi evidente... e que o digam Muller e Lewandowski, por exemplo, bem controlados por Jardel e Lindelof.
Para Lisboa ficará a decisão final.
Onde teremos de voltar às grandes noites europeias, à Benfica.
E a julgar pelo apoio em Munique, a Luz será um autêntico Inferno!!!
O sonho das meias-finais continua!!!

Contas de outros rosários...
3. Mas regressemos à nossa Primeira Liga, até porque o Bayern não tendo sido, anteontem, de outra galáxia, também não é facilmente defrontado por qualquer outra equipa deste nosso campeonato... Desde segunda-feira que a luta pelo título ficou praticamente - para não dizer totalmente - reduzida a dois. De facto, com a derrota do Porto frente ao Tondela, a equipa que está em último lugar no campeonato, mais um capítulo se fechou na já terminada hegemonia nortenha de outrora. Uma vez mais, soaram os alarmes... ou os sinos dos Clérigos.
A estrutura, não tendo já a força que teve, começa a ficar convicta da necessidade de uma urgente mudança, percebendo agora que o reinado está a chegar ao fim.
Os problemas existentes são estruturais... por mais que não queiram, ou possam admitir. E não se resolvem, estou certo, com algumas operações de cosmética, contratando muito, vendendo pouco, e trocando aqui ou ali de treinador.
Não adianta, também, culparem os árbitros, como recentemente o seu presidente o fez. Quem acredita nessa responsabilização está, inevitavelmente, doente dos olhos ou alheado da realidade.
Não sendo um assunto que me preocupa, como é evidente, a mudança será um mal necessário e, ou essa liderança se esgota pela vida do seu presidente, encontrando-se posteriormente um novo líder, ou da maioria actual haverá alguém que perceberá que outro terá de ser o caminho a seguir. Enquanto isso não acontece, aguardaremos as cenas dos próximos episódios, ou dos próximos jogos, no caso, com especial expectativa para o que acontecerá no já não muito distante Porto-Sporting. Por um lado, a evidente questão de honra do Porto em não ser humilhado por um dos seus maiores rivais. Por outro lado, a evidente, também, intenção de impedir a revalidação do título do Benfica.
Por fim, o efeito psicológico, qual fantasma - quase maldição - das Antas sob o treinador do Sporting. Aguardemos com serenidade.

Uma camisola, várias emoções... a dar cartas na Europa
4. Não falando, já, no futebol - e na hipotética passagem às meias finais da LC - devemos uma palavra de grande apreço e de felicitação às equipas de hóquei, de andebol, de futsal e de voleibol do Benfica, por toda a raça e ambição que têm demonstrado, a assegurarem a presença nas meias-finais (pelo menos) das competições europeias de cada uma dessas modalidades.
No voleibol, infelizmente, fomos afastados nas meias-finais da Challenge Cup, pelo Calzedonia Verona. No andebol, e depois do grande jogo contra o Porto, na meia-final da Taça de Portugal, que nada teve a ver com o também recente, e igualmente enorme, jogo da meia-final do campeonato nacional, conquistamos a Taça de Portugal - também já contestada, como seria expectável (no campeonato, falta apenas uma vitória para alcançarmos a tão desejada final).
Na Europa, também na Challenge Cup, venham de lá, nas meias-finais, os noruegueses do Fyllingen! No hóquei, o Benfica está na Final Four da Liga Europeia, seguindo-se, nas meias-finais, o Barcelona. E no futsal, o Benfica está, também, na Final Four da UEFA Cup, seguindo-se, nas meias-finais, os russos do Ugra.
O que dirão os que acham que o Benfica não é a maior potência desportiva nacional?
Numa palavra... gigantes!!!
À BENFICA."

Rui Gomes da Silva, in A Bola

Buracos e tacadas

"Há dias, li que, na China, foram encerrados mais de 60 campos de golfe. Segundo a notícia, e não obstante a sua interdição em 2004, continuam a proliferar os campos na razão directa dos novos-ricos e poderosos chineses. De tal modo que as autoridades fazem vista grossa, autorizando os campos desde que não sejam descritos como... de golfe! Uma mestria burocrática para chinês comum (não) ver...
Nunca gostei de golfe, nem aprecio o seu pseudo elitismo. Mas a obsessão contra este desporto, lá considerado factor de corrupção, evidência uma restrição grotesca num país onde, em quase tudo o que cheire a negócio, a ideologia cedeu ligar o lugar ao pragmatismo comercial e do lucro rápido e orientado.
Dizem as autoridades chinesas que o problema é, também, ambiental. Ou seja, não residerá, apenas nos buracos, com também no green. Daí nada melhor que uma boa tacada, clara está acima do par. E, pelos vistos, o handicap depende não do jogador, mas do que está em jogo ditado pela nomenclatura do poder.
Parece que no golf a musculatura é crucial. Eu, que nada percebo deste desporto, transcrevo o que li na Wikipedia: Ter músculos mais fortes nos pulsos pode prevenir que eles acabem torcidos pelo swing, o movimento de rotação feito para realizar uma tacada. Talvez por isso, o partido único da China ache que o golfe é sinónimo de corrupção. Pelo menos muscularmente. Donde há que acautelar o swing das tacadas.
Já no futebol chinês, o par é outro. Brota dinheiro - sabe-se lá de onde - para importar craques futebolistas (mesmo que já em fase de reforma antecipada) e lhes principescamente. Com ou sem tacadas."

Bagão Félix, in A Bola

Os efeitos de uma boa derrota

"Quando ainda ecoam os elogios à prestação do Benfica em Munique, é preciso lembrar aos mais entusiasmados que a conquista da Champions é um paraíso apenas acessível a 4 ou 5 gigantes do futebol europeu. E que o Benfica não está nesse grupo. O que as águias fizeram na Alemanha, no entanto, foi exactamente aquilo que deveriam ter feito - desfrutar o momento, mas com elevado sentido de responsabilidade. Cumpriram-se assim vários objectivos: a equipa ficou a saber que tem condições para criar dificuldades até ao todo-poderoso Bayern (os rivais portugueses sofreram derrotas traumáticas na última vez que pisaram aquele estádio); saiu reforçada a confiança num momento crucial da temporada; o grupo não regressou a casa destroçado; e garantiu-se ainda que a Luz, no jogo da 2.ª mão, vai rebentar pelas costuras, com uma atmosfera especial para um momento também especial.
As consequências do embate com o Bayern não ficam por aqui. Esta exibição da equipa de Rui Vitória representou mais um passo importante na recuperação da dimensão europeia que Vieira sonhou para o Benfica. Por fim, a cereja em cima do bolo foram as palavras de Guardiola nos últimos dois dias. Frases como "Renato Sanches é, de longe, o melhor jogador europeu com a sua idade" ou "há muito tempo que não via uma equipa defender tão bem" chegaram a todos os cantinhos do Mundo. Que valor tem a palavra de Pep? Por fim, quando o Wolfsburgo - 8.º classificado da Bundesliga a 34 pontos do líder Bayern - conseguiu fazer o que ontem vimos frente ao Real Madrid, fica tudo dito em relação ao mérito daquilo que o Benfica fez na Allianz Arena.
Hoje é dia de Sp. Braga-Shakhtar. Um desafio à medida da ambição do presidente António Salvador e da qualidade da equipa de Paulo Fonseca."

Palavra de Octávio

"O tempo acelerou, e o futebol evoluiu, mas há quem teime em não perceber isso. Há quem tenha parado no tempo, agarrado a velhas táticas parolas e provincianas que marcaram uma época no futebol português, mas isso já foi há 20 anos.
Insinuar é demagógico, lançar a suspeição de forma gratuita é abjecto. Para sermos respeitados, temos de saber respeitar.
Octávio Machado questiona as opções do seleccionador nacional, coloca em causa a competência e a independência da FPF e da Liga e, pior, lança de forma cobarde a suspeição sobre o árbitro João Capela, como lançará sobre cada um dos árbitros que até final do campeonato vierem a arbitrar jogos do SL Benfica.
Mas, para sermos credíveis, temos de ser coerentes. Quando a difamação, a insinuação e o insulto passam a fazer parte da nossa pele e da nossa história de vida, o que dizemos deixa de ter sentido ou valor.
Lembram-se do que Octávio Machado já disse de Jorge Nuno Pinto da Costa, de José Roquette e, já agora, de Bruno de Carvalho? Já disse tudo e o seu contrário. O seu curriculum a nível de declarações públicas é o retrato que melhor ilustra a sua credibilidade. Ou, melhor, a falta dela.
O oportunismo da palavra é evidente, lança as mais torpes suspeições sobre quem quer que seja, se achar que disso pode tirar alguns dividendos.
Lançar a suspeição sobre o carácter e a integridade dos árbitros portugueses revela pequenez de espírito, cobardia intelectual e, acima de tudo, uma gritante falta de ética e princípios.
Uma coisa é certa, a aparente impunidade que este tipo de declarações tem merecido por parte dos órgãos jurisdicionais competentes não ajuda a credibilizar o futebol português.
Não se tratou de um ato isolado, mas de uma prática repetida que, apesar de já ter sido denunciada, não mereceu até agora qualquer castigo por parte da Liga ou da FPF. E esta aparente inércia tem-se revelado um convite à repetição deste tipo de práticas que só ajudam os medíocres.
E, sim, Octávio Machado tem razão num ponto. Há uma grande diferença entre João Mário, Adrien Silva e Renato Sanches.
É que Renato Sanches tem, no SL Benfica, dirigentes que sabem respeitar o valor de todos os jovens talentos portugueses, sejam eles de que clube forem. No Benfica, respeitamos e valorizamos o contributo de João Mário e Adrien Silva na selecção nacional, pelos vistos Renato Sanches não conta com esse mesmo reconhecimento por parte dos dirigentes do Sporting Clube de Portugal."

Jornalismo criativo

"O SL Benfica, através do seu ecletismo, tem contribuído para a divulgação do Desporto, mas lamenta que alguns jornalistas teimem em desrespeitar a profissão, os deveres de rigor e a necessidade do contraditório. 
As modalidades e a actividade de competição para lá do Futebol precisam de visibilidade na imprensa, contribuindo assim para o desenvolvimento desportivo no país e engrandecimento da cultura desportiva. O Sport Lisboa e Benfica, através do seu ecletismo, tem contribuído decisivamente para isso, mas lamenta que alguns jornalistas teimem em ser mais assessores de comunicação - de determinados Clubes, secções, pessoas - e que desaproveitem a pouca cobertura mediática que as modalidades têm com mentiras e invenções.
O jornal A Bola, que merece respeito e consideração institucional, tem nas últimas semanas insistido em alegados interesses do Futsal do SL Benfica em atletas. Infelizmente, tem sido espaço editorial ocupado com "notícias" cheias de criatividade e sem fundamento. Nem mesmo o procedimento de obter o contraditório ou a versão do Clube foi tentado.
Duarte, Déo, Divanei e, agora, Ruiz são atletas de valia internacional, mas não fazem parte dos planos da equipa de Futsal do SL Benfica para a época 2016/2017!
O jornalismo desportivo passa tantas vezes a JORNALISMO CRIATIVO quando uma jornalista com algumas qualidades profissionais prefere dar total crédito e ser usada por fontes anónimas que apenas associam o nome do SL Benfica a certas "informações" para se valorizar ou para servir interesses de contra-informação.
A profissional em causa raramente procura o contraditório, preferindo tecer opiniões subjectivas e mal sustentadas. Por exemplo: considerar “feliz” o sorteio das meias-finais da UEFA Cup para o Benfica, quando calhou em sorte, apenas, a equipa que goleou por 5-1 o actual campeão europeu de Futsal.
O objectivo desta comunicação visa, também, alertar os leitores do jornal A Bola sobre a natureza e as “fontes” de determinadas notícias.
E que fique claro:
- sem colocar em causa o valor do atleta, o Benfica não tem qualquer interesse em José Ruiz;
- ninguém do Clube falou com o jogador, nem com o seu empresário;
- o descrédito é tão grande que identificam um jogador para a mesma posição de um outro que já deram como reforço certo - também sem fundamento, Duarte;
- ninguém do SL Benfica foi contactado para confirmar a informação. A resposta teria sido muito mais curta que a presente comunicação oficial: "É mentira. Não há interesse!"

NOTA FINAL:
Na presente temporada, o SL Benfica já atingiu as meias-finais de competições europeias por equipas em quatro modalidades - Andebol, Futsal, Hóquei em Patins e Voleibol -, estando ainda a disputar o acesso a esta adiantada e prestigiante fase no Futebol. Uma verdade factual e indesmentível, que não necessita qualquer contraditório. E isto sem contar com o Atletismo e as respetivas participações entre a elite europeia nas Taças dos Clubes Campeões Europeus de Corta Mato e Pista, ao ar livre."

Benfiquismo (LXVII)

O bólide amarelo...!!!

Tenho a 'sorte', de ainda hoje, de tempos em tempos,
observar o antigo carro desportivo do King...
... já que o actual proprietário, é meu 'vizinho'!!!

É para lutar até ao fim...

Oriental 1 - 3 Benfica B


Finalmente uma vitória. 1.ª parte boa, com muito desperdício. Deviamos estar a golear ao intervalo, em vez do 0-1. No 2.º tempo, o Oriental empatou logo... e ficámos intranquilos, e o Oriental teve várias oportunidades para passar para a frente... felizmente nos últimos minutos, com 2 grandes golos, conseguimos os 3 pontos...

Uma não-vitória hoje, tornaria a manutenção muito complicada. Continuamos na linha de água, esta vitória ajuda, mas não decide nada, temos que continuar a pontuar... Por este caminho, temos que fazer mais de 55 pontos para garantir a manutenção!!!


A Liga ao rubro

"Está ao rubro a Liga (perdão - está emocionante - não quero ofender o cromo-fundamentalismo). Com o Porto afastado por erros próprios, há muito não se via esta luta taco-a-taco entre os grandes clubes de Lisboa. Seis jornadas que poderão ser mesmo seis para se encontrar o campeão.
O Benfica tem a vantagem de ser líder, dependendo de si próprio, mas sem a folga sequer de um empate. O calendário e a estatística são-lhe, em tese, mais vantajosos. Mas isso é teoria. Afinal um jogo considerado difícil (SC Braga) foi fácil e um dos teoricamente mais acessíveis foi por demais complicado (Boavista). E será que o Sporting vai encontrar um Porto sem motivação e um Braga a pensar mais na semana seguinte (final da Taça)?
O Benfica tem o melhor ataque e melhor defesa (aqui com o SCP). E o maior número de vitórias (23, ou seja 82%). Perdeu 9 p. com os dois rivais, mas apenas 5 com as outras equipas. Já o SCP perdeu apenas 3 p. com os rivais (SLB, falta o jogo no Dragão), mas desperdiçou 13 com os outros (dos quais, 6 em casa). O campeonato é uma prova de regularidade, logo o Benfica vai à frente, justificadamente.
Os leões classificaram o penalty contra o Benfica como «vergonha sem limites». Além de uma ilimitada amnésia sobre um recorde que lhe pertence (o quádruplo dos jogos do SLB!!!), acham que os penalties têm os seus minutos apropriados. Coitado do Nélson Semedo, o autor da vergonha!
A propósito de vergonha, quando se conclui o processo Slimani? Talvez nos limites da vergonha...?

P.S. O Benfica em Munique não igualou o Tondela no Dragão, mas foi sereno e não teve medo. O Schadenfreude dos 6 e 7 não aconteceu."

Bagão Félix, in A Bola

quarta-feira, 6 de abril de 2016

Difícil, mas deixou de ser impossível...

"Mérito de Rui Vitória na capacidade que o Benfica teve de emperrar a mortífera máquina alemã.

Nada é mais irritante em futebol do que um... se. Um se é uma hipótese que não acontece, um facto que não se realiza, uma oportunidade que não surge, uma esperança que não aparece, uma espera que nunca chegará. Assim sendo, não vale muito a pena pensar o que seria esta eliminatória caso Jonas tivesse concretizado uma das duas grandes oportunidades de golo de que dispôs para marcar e deixar o mundo do futebol de boca aberta de surpresa. Nem vale a pena pensar no assunto. Vale a pena, isso sim, admirar o carácter de uma equipa que entra em Munique condenada e sai de Munique com a legítima esperança de discutir a eliminatória até à última gota, no estádio da Luz, ganhando, de pleno direito, o estatuto devido a um grande europeu.
Dê-se, pois, o devido mérito a Rui Vitória pela capacidade que a sua equipa teve de emperrar a mortífera máquina alemã. O Bayern é uma grande equipa de grandes jogadores. Tem um treinador experimentado e vencedor. Não é fácil, para nenhuma equipa do mundo, complicar o sistema alemão, meter um grão de areia na impecável engrenagem, fazer calar o infernal ambiente da Arena. Ora, o Benfica teve esse mérito, mais o de deixar a impressão de que, com um pouco de sorte, até poderia ter ido ainda mais longe. E isso é algo de invulgar e que deve ser devidamente sublinhado e apreciado, tanto mais que ainda há poucos anos, a ideia de um Benfica europeu competitivo e digno parecia, apenas, uma miragem.
Teremos, então pela frente, uma semana de legítima expectativa. O que parecia ser uma impossibilidade transformou-se em algo muito difícil, mas possível. Daí que seja previsível que a segunda mão nos devolva a Luz das grandes noites europeias. Aquelas noites que deixaram saudades e que já se pensava que não mais iriam voltar."

Vítor Serpa, in A Bola

A luz continua acesa

"Não foi a noite europeia que uma grande maioria esperava, a confirmar assim, mais uma vez, que o futebol é imprevisível e que os resultados só se tornam na expressão definitiva dos jogos quando é dado o derradeiro pontapé na bola.

De facto, a resistência do Benfica, em Munique, frente ao todo-poderoso Bayern que permite trazer para Lisboa a definição da eliminatória por ter perdido por apenas um golo, não estaria no horizonte, inclusive, de muitos muitos adeptos do Benfica.
O mesmo pode concluir-se da derrota do Atlético de Madrid em Barcelona, onde chegou a estar a vencer por 1-0 e acabou com apenas dez jogadores em campo, e que leva para o Vicente Calderón a solução deste cotejo espanhol dos quartos-de-final da Liga dos Campeões Europeus.
Porque o que mais nos interessa é a presença do campeão português no Alianz Arena de Munique, algumas breves notas para fazer subir a primeiro plano esta prestação dos encarnados.
Desde logo, um golo sofrido muito cedo pareceu adensar as nuvens à volta daquilo que poderia vir a ser a sorte do Benfica.
Mas a verdade é que a equipa não se desuniu e foi até capaz de criar alguns embaraços a Pep Guardiola. Reconheça-se, porém, a superioridade do campeão germânico, expressa em todos os vectores, o que permite adivinhar grandes dificuldades no jogo de retribuição.
O Benfica fez um jogo marcado pela qualidade, com uma enorme solidariedade entre todos os atletas, o que tornou possível resistir a uma das melhores equipas do mundo.
Desfrutou até de oportunidades para poder chegar ao empate, mas por essa ausência de golos é também responsável a formação do Bayern.
Terá ficado um penalty por marcar a favor dos comandados de Rui Vitória?
A serem seguidos os critérios dos árbitros portugueses não ficam dúvidas a esse respeito.
Só que o juiz era oriundo da Polónia, e a Champions não é o campeonato português.
Fica a faltar apenas uma semana para se conhecer o destino do Benfica na Europa.
Até lá, a Liga portuguesa vai falar mais alto, e as atenções estão já viradas para o Estádio Municipal de Coimbra."


PS: Ora, aqui está, um dos fundamentalistas do colinho Benfiquista, desta vez a 'desculpar' o penalty de Munique!!! É a coerência...

Identidade

"Se a história contasse, o Benfica não teria saído vivo de Munique nem o Tondela tinha ganho no Dragão

Guardiola não entende as questões do favoritismo alicerçadas na história e tem toda a razão. Pelo prisma histórico, Tondela e Arouca não teriam ganho no Dragão e o FC Porto estaria na luta, em cima do Sporting e com o Benfica por perto. A verdade é que os anais do futebol escrevem-se nos relvados e o que se passou em campo legitima tanto a classificação da I Liga como o facto de o Benfica ter saído vivo e confiante de Munique, merecendo até mais do que aquilo que conseguiu, embora para registo estatístico sobre apenas o resultado.
Para memória de futuro próximo ficam as aflições do Bayern para sair de casa em vantagem, porque teve pela frente um adversário que jogou como gosta, sabe e quer. Ou seja, pôs em prática aquilo que treina, usando o conhecimento do adversário para ajustar pormenores de ordem táctica, que até os oponentes mais modestos exigem, mas mantendo a identidade. Essa foi a arma. Primeiro, entrou em campo com uma predisposição optimista, não se encolhendo na estratégia nem na escolha das peças; depois, sofreu um golo antes de perceber que já estava mesmo a jogar os quartos de final da Champions, mas não se deixou perturbar. E acabou a dividir o jogo e a reclamar da actuação do árbitro por acção na área oposta e não na própria.
O valor atribuído aos plantéis mais a vantagem conseguida continuam a inclinar a balança das probabilidades para o lado alemão, mas o facto de chegar ao intervalo da eliminatória em condições de a discutir em casa é uma vitória para o Benfica. O resto vê-se já a seguir."

Personalidade impõe... carácter

"Em Munique iria ser o diabo! Em Munique confirmaram-se os méritos que levaram o Benfica, após bom rendimento na fase de grupos, seguido de 2 vitórias sobre o Zenit, a colocar-se entre os 8 melhores desta Champions. Firme organização de jogo, forte mentalidade competitiva, nenhum receio de papões, inclusive o de desgastes que o inferiorizem na luta pelo título nacional. Parabéns, Rui Vitória.
O Bayern de Guardiola acompanha o Barcelona no par das mais temíveis equipas (com licença do Real...). O Benfica foi a casa deste colosso enfrentá-lo olhos nos olhos. Não inventou táctica que o descaracterizasse, não reforçou cautelas defensivas com meio-campo mais numeroso, manteve dois pontas de lança... Teve a coragem de não mostrar medo. Em toda a hora e meia. Coragem, filha de enraizada personalidade, ainda mais elogiável por tão poderoso adversário ter marcado logo no 2.º minuto. Poderia ter sido o espoletar de grande descalabro, tão frequente para quem visita o Bayern. Não foi. Porque o Benfica reagiu à pior forma de começar tão duro confronto com absoluta recusa de ser triturado. Acertou agulhas e, decorridos 15/20 minutos, passou a jogar praticamente taco a taco com aquela panóplia de senhores craques. E assim prosseguiu quase sempre.
Tanto poderia ter perdido por 2-0 como poderia ter empatado. Não tem um Ribéry, um Lewandowski, um Vidal, um Douglas Costa... Mas possui a tal firme organização de jogo, miúdos (Ederson, Lindelof, Renato) que não tremem, e, decisivo!, vincou... carácter. Assim saiu de Munique levando para Lisboa o sonho do dito impossível. Mau grado o Bayern ter classe para vencer na Luz e Jonas ir ficar na bancada."

Santos Neves, in A Bola

O Bayern sofreu como nunca tinha sofrido

"1. Qual o principal mérito na exibição do Benfica em Munique?
O facto de ter deixado o Bayern em posição desconfortável durante grande parte do jogo. Criou menos oportunidades do que habitualmente consegue, sentiu problemas na circulação de bola e teve, inclusivamente, de baixar as linhas nos últimos minutos. Em três anos de Guardiola em Munique, nunca tal coisa se tinha visto.
2. Que jogador do Benfica tem mais responsabilidades no golo do Bayern? O maior problema está sempre na origem. E, neste caso, a origem esteve nas facilidades concedidas a Bernat. Jogadores com aquela qualidade, quando têm tempo para executar, colocam a bola onde os olhos 'decidem'. Eliseu ficou com dois para vigiar (Müller e Vidal) e pouco mais podia fazer. Faltou foi alguém (André Almeida ou mesmo Pizzi)que tivesse 'apertado' mais cedo o homem que fez o cruzamento.
3. O Benfica ainda tem condições para chegar às meias-finais?
Continua a ser uma missão muito complicada, mas é justo dizer que conquistou ontem mais legitimidade para sonhar. O Benfica terá de fazer um jogo perfeito para que o Bayern não marque um golo na Luz.
4. Sem Jonas na 2.ª mão, o que pode fazer Rui Vitória?
Não é líquido que aposte na troca directa por Jiménez. Pode colocar Gaitán nas costas de Mitroglou e lançar Carcela, por exemplo. Tudo em aberto."

Nuno Farinha, in Record

O Benfica não mordeu a maçã

"Quando ouvi os elogios que Pep Guardiola fez ao Benfica e aos seus jogadores na conferência de antevisão do jogo da Liga dos Campeões, pensei logo: é estratégia. Imaginei o treinador catalão tal e qual a rainha má na história em que aparece transformada em velhinha amorosa a oferecer uma maçã envenenada à coitada da Branca de Neve.
Gostei, depois, de escutar Rui Vitória dizer que não se deixaria embebedar com os elogios e garantir que pelo menos determinação não iria faltar ao Benfica. E não faltou. Não desiludiu a equipa portuguesa, porque jogou o que conseguiu frente a um adversário muito superior, perdeu apenas pela margem mínima e até esteve perto de marcar um golo. Desiludiu, sim, o Bayern, como provam alguns assobios que se ouviram aos adeptos nas bancadas.
O Benfica manteve, como pretendia, a eliminatória em aberto; e conseguiu-o não apenas pela sua qualidade, mas sobretudo pela sua atitude. A atitude, a personalidade, como ontem ficou provado, fazem mesmo a diferença e não raras vezes suplantam o talento quando se joga futebol. Que o diga o FC Porto, por exemplo, que perdeu em casa contra o último classificado, o Tondela, para a Liga.
Não me parece que o FC Porto de José Peseiro jogue um futebol assim tão pior que o que joga o Benfica, mas não coloca determinação no que faz, não acredita nele mesmo. Casillas não consegue evitar um constante ar de fastio, Brahimi não mostra os dentes há meses, Herrera é capitão sem carisma e tudo isso ajuda a desviar das balizas os remates de Aboubakar.
No Sporting, por outro lado, a qualidade e a atitude têm andado de mãos dadas, mesmo que isso não signifique que tenha de ganhar os jogos todos. No fundo, estes últimos jogos ajudam a explicar como estão realmente Benfica, FC Porto e Sporting."

Nélson Feiteirona, in A Bola

Benfica esteve muito perto do sonho

"O Benfica merecia mais. Mais do jogo, mais do árbitro, mais sorte no confronto da 2.ª mão na Luz. A equipa de Rui Vitória podia e devia ter saído de Munique com um empate, o que lhe abriria melhores perspectivas de chegar às meias-finais da Champions, algo que parecia impossível antes do jogo na Allianz Arena mas está provado não ser missão para Tom Cruise.
O treinador encarnado estudou muito bem o Bayern. Mais, soube trabalhar a mente dos jogadores para as dificuldades esperadas. Só uma equipa muito bem psicologicamente aguentaria sem tremer aquele golo madrugador. É claro que os alemães foram superiores em todos os aspectos do jogo, os números provam-no, mas eles não são lei no futebol. O Benfica podia ter marcado, teve duas excelentes ocasiões para isso, e viu ainda ser-lhe sonegada uma grande penalidade evidente. Foi o único grande erro do árbitro, é verdade, mas decisivo. Podia fazer toda a diferença em Lisboa. Um empate a zero na Luz daria passagem automática. Assim vai ser preciso assumir.
Esperança? Claro. Complicadíssimo? Evidente. A equipa de Guardiola já mostrou fragilidades em jogos fora esta época. Em Londres, frente ao Arsenal. saiu derrotada por 2-0. Com a Juventus, na ronda passada, empatou em Turim e perdia em Munique aos 90'. Vai depender muito do Benfica e da forma como abordar a decisão. Será preciso assumir sem perder o equilíbrio. Jogar ao ataque... a partir da defesa. Repetir a receita de ontem, com algo mais de ambição e risco. Não demasiado, pois um golo alemão deitará tudo a perder. Parece impossível. Mas não é.
A exibição em Munique foi mais um excelente cartão de visita para o Benfica europeu. Vieira deve estar delirante. E quem sabe os olheiros de Renato Sanches tenham visto Ederson, ele sim um gigante."

PC a jeito

"Pela primeira vez em 34 anos Pinto da Costa está na linha de fogo. Cresce o movimento de contestação à sua gestão. Porque o filho, Alexandre, tem mantido negócios com o FC Porto? Porque o passivo da SAD não desce para valores razoáveis? Não. Simplesmente porque a equipa somará em maio o terceiro campeonato sem ganhar. Claro que agora tudo vai servir aos que procuram colocar-se numa posição de destaque na linha da sucessão, mas a grande verdade é que tudo é amplificado ao sabor dos desastres do futebol e este cenário negro não está fácil de inverter. O problema não se resolve com 'Maregas' e 'Suks'. O líder colocou-se a jeito...
PC vai ser reconduzido para um novo mandato, de 4 anos, sem apresentar programa eleitoral. Mas alguma vez teve necessidade de elaborar e/ou divulgar as suas linhas de ação? Cada troféu conquistado foi sempre mais útil do que qualquer frase de propaganda. E como todos sabemos, o que não lhe faltaram foram troféus nacionais e internacionais.
É evidente que hoje não lhe é tão fácil escapar aos protestos quanto o foi na viragem do século, quando esteve três anos em branco no futebol. Agora existe o fenómeno das redes sociais e os milhares que não tinham 'voz pública' passaram a tê-la. Fazer colecção de laterais-esquerdos ou encher o plantel de 'Ntsundas', 'Mogrevejos' ou 'Quintanas' já não é possível sem os adeptos manifestarem discordância. E se outra forma não encontrarem, fazem como na 2.ª feira: não vão ao estádio."

Benfiquismo (LXVI)

Com as mesmas cores, no Olímpico de Munique, em 17 de Março de 1976
Bayern 5 - 1 Benfica

Na 1.ª mão em Lisboa tinha sido 0-0.
Em Munique ao intervalo estava 0-0 !!!
Mas depois...

Às vezes temos a tendência para só nos recordarmos das boas memórias...
...desvalorizando o presente!
Ontem, foi só o melhor resultado de sempre do Benfica em Munique!!!

Lixívia 28

Tabela Anti-Lixívia:
Benfica........... 70 (-5) = 75
Sporting........ 68 (+15) = 53
Corruptos.......61 (+13) = 48

Semana de goleadas, e portanto com pouca polémica... até os Corruptos, já estão na fase de criticar a Direcção em vez de chorar pelos erros dos árbitros!!!

Na Luz, tivemos um Nuno Almeida muito preocupado em que os Livres a favor do Benfica fossem sempre marcados alguns metros mais atrás...!!! Mas no resto este razoável!!!
O único erro grave, foi o penalty não assinalado sobre o André Almeida, já com 5-0 no marcador: agarrão claro...
Bem no penalty a favor do Benfica: o André Pinto primeiro mete os braços atrás das costas, e depois abre os braços...
Bem ao não assinalar penalty do Jardel sobre o Wilson... o Bracarense já está em desequilíbrio antes do contacto, além disso parece que o contacto é fora da área...
Bem ao marcar o penalty contra o Benfica, o Semedo toca mesmo no pé do Pedro Santos!!!
A reacção à marcação do penalty a favor do Benfica, é uma das coisas mais absurdas que alguma vez vi... é uma daquelas anedotas dignas de uns quaisquer Monty Pythons!!!
Dos tantos títulos reclamados pelo Babalu para o Sporting, o recorde dos quase 5 anos, sem penalty's contra, é um dos poucos 'títulos' que dificilmente alguém irá retirar ao Sporting...!!!

No Dragay, penalty a favor dos Corruptos logo no início do jogo não assinalado... e penalty perto do fim, contra os Corruptos não assinalado!
No 'meio', o Brahimi devia ter sido expulso por acumulação de Amarelos.
E agora para 'relaxar', fiquem com a crónica à arbitragem do Corruptos-Tondela, do Jornal de Notícias:

Em Belém, jogadas muito confusas: golo em fora-de-jogo do Sporting, na sequência de corte com o Braço de um jogador do Belenenses!!!!!
Penalty bem assinalado a favor do Sporting... Ricardo Dias podia ter levado o 2.º amarelo, tal como o Adrien (para não variar!!!)...
O Cotoveleiro até podia ter marcado mais um golo, mas um daqueles foras-de-jogo, onde os pés estão atrás da 'linha' mas o corpo está inclinado para a frente, acabou por anular o golo!!!
Nada confuso, foi a agressão do Teo ao Ventura: agressão pura... a bola já não está lá!!! Jogador com lesão grave, e nem Amarelo... Esta é claramente uma jogada para Sumaríssimo!!! Mas se o outro terrorista ainda não foi castigado...


Anexos:
Benfica
1.ª-Estoril(c), V(4-0), Tiago Martins, Nada a assinalar
2.ª-Arouca(f), D(1-0), Nuno Almeida, Prejudicados, (1-2), (-3 pontos)
3.ª-Moreirense(c), V(3-2), Jorge Ferreira, Prejudicados, (4-1), Sem influência no resultado
4.ª-Belenenses(c), V(6-0), Bruno Paixão, Nada a assinalar
5.ª-Corruptos(f), D(1-0), Soares Dias, Prejudicados, (-1 ponto)
6.ª-Paços de Ferreira(c), V(3-0), Rui Costa, Beneficiados, (3-1), Sem influência no resultado
8.ª-Sporting(c), D(0-3), Xistra, Prejudicados, (3-3), (-1 ponto)
7.ª-União(f), E(0-0), Cosme, Nada a assinalar
9.ª-Tondela(f), V(0-4), Veríssimo, Nada a assinalar
10.ª-Boavista(c), V(2-0), Esteves, Prejudicados, (3-0), Sem influência no resultado
11.ª-Braga(f), V(0-2), Hugo Miguel, Prejudicados, (0-3), Sem influência no resultado
12.ª-Académica(c), V(3-0), Luís Ferreira, Prejudicados, (4-0), Sem influência no resultado
13.ª-Setúbal(f), V(2-4), Manuel Mota, Prejudicados, (2-5), Sem influência no resultado
14.ª-Rio Ave(c), V(3-1), Manuel Oliveira, Prejudicados, (5-1), Sem influência no resultado
15.ª-Guimarães(f), V(0-1), Xistra, Prejudicados, Beneficiados, Impossível de contabilizar
16.ª-Marítimo(c), V(6-0), Veríssimo, Nada a assinalar
17.ª-Nacional(f), V(1-4), Tiago Martins, Nada a assinalar
18.ª-Estoril(f), V(1-2), Vasco Santos, Prejudicados, (1-3), Sem influência no resultado
19.ª-Arouca(c), V(3-1), Manuel Mota, Nada a assinalar
20.ª-Moreirense(f), V(1-4), Manuel Oliveira, Prejudicados, (1-5), Sem influência no resultado
21.ª-Belenenses(f), V(0-5), Nuno Almeida, Nada a assinalar
22.ª-Corruptos(c), D(1-2), Soares Dias, Nada a assinalar
23.ª-Paços de Ferreira(f), V(1-3), Jorge Ferreira, Prejudicados, (0-4), Sem influência no resultado
24.ª-União(c), V(2-0), Cosme, Nada a assinalar
25.ª-Sporting(f), V(0-1), Soares Dias, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
26.ª-Tondela(c), V(4-1), Luís Ferreira, Nada a assinalar
27.ª-Boavista(f), V(0-1), Veríssimo, Nada a assinalar
28.ª-Braga(c), V(5-1), Nuno Almeida, Prejudicados, (6-1), Sem influência no resultado

Corruptos
1.ª-Guimarães(c), V(3-0), Veríssimo, Nada a assinalar
2.ª-Marítimo(f), E(1-1), Hugo Miguel, Nada a assinalar
3.ª-Estoril(c), V(2-0), Duarte Gomes, Prejudicados, (3-0), Sem influência no resultado
4.ª-Arouca(f), V(1-3), João Capela, Nada a assinalar
5.ª-Benfica(c), V(1-0), Soares Dias, Beneficiados, (+2 pontos)
6.ª-Moreirense(f), E(2-2), Vasco Santos, Nada a assinalar
7.ª-Belenenses(c), V(4-0), Jorge Ferreira, Nada a assinalar
8.ª-Braga(c), E(0-0), Soares Dias, Nada a assinalar
9.ª-União(f), V(0-4), Paixão, Beneficiados, Prejudicados, (1-4), Sem influência no resultado
10.ª-Setúbal(c), V(2-0), Tiago Martins, Nada a assinalar
11.ª-Tondela(f), V(0-1), Manuel Mota, Nada a assinalar
12.ª-Paços de Ferreira(c), V(2-1), Xistra, Beneficiados, (1-1), (+ 2 pontos)
13.ª-Nacional(f), V(1-2), Jorge Sousa, Beneficiados, (3-2), (+3 pontos)
14.ª-Académica(c), V(3-1), Bruno Esteves, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
15.ª-Sporting(f), D(2-0), Hugo Miguel, Prejudicados, Beneficiados, (2-1), Impossível contabilizar
16.ª-Rio Ave(c), E(1-1), Rui Costa, Nada a assinalar
17.ª-Boavista(f), V(0-5), Veríssimo, Beneficiados, (1-5), Sem influência no resultado
18.ª-Guimarães(f), D(1-0), Manuel Oliveira, Prejudicados, Sem influência no resultado
19.ª-Marítimo(c), V(1-0), Jorge Ferreira, Beneficiados, (0-0), (+2 pontos)
20.ª-Estoril(f), V(1-3), Tiago Martins, Nada a assinalar
21.ª-Arouca(c), D(1-2), Rui Costa, Prejudicados, Beneficiados, (2-3), Impossível contabilizar
22.ª-Benfica(f), V(1-2), Soares Dias, Nada a assinalar
23.ª-Moreirense(c), V(3-2), Luís Ferreira, Beneficiados, (2-2), (+2 pontos)
24.ª-Belenenses(f), V(1-2), Capela, Nada a assinalar
25.ª-Braga(f), D(3-1), Xistra, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
26.ª-União da Madeira(c), V(3-2), Manuel Oliveira, Beneficiados, (2-2), (+2 pontos)
27.ª-Setúbal(f), V(0-1), Manuel Mota, Nada a assinalar
28.ª-Tondela(c), D(0-1), Bruno Esteves, Prejudicados, Beneficiados, (1-2), Impossível contabilizar

Sporting
1.ª-Tondela(f), V(1-2), Xistra, Prejudicados, Beneficiados, (0-1), Sem influência no resultado
2.ª-Paços de Ferreira(c), E(1-1), Manuel Oliveira, Nada a assinalar
3.ª-Académica(f), V(1-3), Bruno Esteves, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado
4.ª-Rio Ave(f), V(1-2), Hugo Miguel, Nada a assinalar
5.ª-Nacional(c), V(1-0), Veríssimo, Beneficiados, Impossível contabilizar
6.ª-Boavista(f), E(0-0), Soares Dias, Nada a assinalar
7.ª-Guimarães(c), V(5-1), Rui Costa (Hélder Malheiro), Nada a assinalar
8.ª-Benfica(f), V(0-3), Xistra, Beneficiados, (3-3), (+2 pontos)
9.ª-Estoril(c), V(1-0), Jorge Ferreira, Prejudicados, Beneficiados, (1-0), Sem influência no resultado
10.ª-Arouca(f), V(0-1), Cosme, Beneficiados, (2-1), (+3 pontos)
11.ª-Belenenses(c), V(1-0), Soares Dias, Nada a assinalar
12.ª-Marítimo(f), V(0-1), Rui Costa, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
13.ª-Moreirense(c), V(3-1), Paulo Baptista, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
14.ª-União(f), D(1-0), Vasco Santos, Nada a assinalar
15.ª-Corruptos(c), V(2-0), Hugo Miguel, Beneficiados, Prejudicados, (2-1), Impossível contabilizar
16.ª-Setúbal(f), V(0-6), Jorge Ferreira, Nada a assinalar
17.ª-Braga(c), V(3-2), Sousa, Beneficiados, (1-2), (+3 pontos)
18.ª-Tondela(c), E(2-2), Luís Ferreira, Nada a assinalar
19.ª-Paços de Ferreira(f), V(1-3), Soares Dias, Nada a assinalar
20.ª-Académica(c), V(3-2), Cosme, Prejudicados, Beneficiados, (3-1), Sem influência no resultado
21.ª-Rio Ave(c), E(0-0), Xistra, Beneficiados, Sem influência no resultado
22.ª-Nacional(f), V(0-4), Paixão, Beneficiados, Sem influência no resultado
23.ª-Boavista(c), V(2-0), Rui Costa, Nada a assinalar
24.ª-Guimarães(f), E(0-0), Tiago Martins, Beneficiados, (1-0), (+1 ponto)
25.ª-Benfica(c), D(0-1), Soares Dias, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
26.ª-Estoril(f), V(1-2), Manuel Mota, Prejudicados, Beneficiados, (2-2), (+2 pontos)
27.ª-Arouca(c), V(5-1), Manuel Oliveira, Prejudicados, (5-0), Sem influência no resultado
28.ª-Belenenses(f), V(2-5), Tiago Martins, Beneficiados, Prejudicados, (2-5), Sem influência no resultado

Jornadas anteriores:
1.ª jornada
2.ª jornada
3.ª jornada
4.ª jornada
5.ª jornada
6.ª jornada
7.ª jornada
8.ª jornada
9.ª jornada
10.ª jornada
11.ª jornada
12.ª jornada
13.ª jornada
14.ª jornada
15.ª jornada
16.ª jornada
17.ª jornada
18.ª jornada
19.ª jornada
20.ª jornada
21.ª jornada
22.ª jornada
23.ª jornada
24.ª jornada
25.ª jornada
26.ª jornada
27.ª jornada

Épocas anteriores:

terça-feira, 5 de abril de 2016

Vermelhão: ainda não acabou...!!!

Bayern 1 - 0 Benfica


Este é daqueles resultados, que antes de jogo, até não era mau... mas agora, depois de tudo o que se passou, acaba por saber a pouco!!!
Este sentimento, de que podiamos ter feito um pouquinho mais, jogando com o mesmo 11 que jogamos com os Tondelas e Uniões desta vida... jogando com putos como o Renato o Ederson e o Lindelof... sem autocarros, repito, este sentimento, acaba por ser o maior elogio, a tudo o que o Benfica tem feito esta época... A ambição Benfiquista está bem viva... e nem golos sofridos no primeiro minuto, nos abatem!
Eu faço parte daquela minoria, que não se entusiasma com o jogo de posse do Barça de Guardiola (o jogo do Barça na Luz, já com o Vilanova, foi uma das maiores 'chatices' que assisti ao vivo!!!). Já sabíamos que íamos ter pouca bola, a minha dúvida seria saber se os nossos jogadores iam ter 'paciência' para não se desorganizar defensivamente... e tirando os primeiros minutos (novamente, tal como aconteceu com o Braga...), mantivemos a concentração... Durante o jogo, ficamos sempre com a sensação, que com um bocadinho mais de calma, podíamos ter saído mais vezes com a bola controlada, fugir à primeira linha de pressão do Bayern, e criar perigo... mas isso, é muito mais complicado do que aparenta!!!

Se calhar, o resultado mais justo teria sido um 2-1... Além do penalty que ficou por marcar, tivemos 3 claras oportunidades, bastava ter 33% de eficácia e jogo da Luz seria completamente diferente...!!!
Mais um grande jogo do Ederson: personalidade, calma, confiança, excelente. Tanto entre os postes, como a sair com rapidez da linha... E além das qualidades defensivas, o pontapé longíssimo que usa com frequência, foi muito importante... até para ganhar Cantos a favor do Benfica!!!
Centrais, com grande jogo... espero que aquela lesão do Lindelof, tenha sido só um susto!!!
Os laterais começaram mal, o golo é 'culpa' dos dois... o Eliseu reagiu tarde, à entrada do Vidal... mais tarde numa jogada parecida, o André mesmo chegando atrasado, 'incomodou' o Vidal e este cabeceou por cima...
Fejsa, com um jogo 'ingrato', pois o Bayen joga quase sempre pelos flancos... e o Fejsa costuma ser dominador na zona central do relvado! Hoje, foi obrigado a cair sempre na direita, na ajuda ao André, onde acabou por ser importante para 'fechar' a nossa área... O Renato, acabou por fazer o mesmo, junto do Eliseu... Tem que melhorar no passe.
Pizzi e Gaitán foram importantíssimos defensivamente, mas depois faltaram as saídas... Aquela perdida do Nico, mesmo antes do intervalo...!!!
O Mitro bem tentou, mas teve pouca bola... agora a nossa dupla atacante fica marcada, pelos dois falhanços: primeiro o remate do Jonas que o Neur defendeu... e depois, o cruzamento do Almeida, onde na mesma jogada 'falhámos' 3 remates: 2 do Jonas, e 1 do Mitro !!! Um golo tinha feito toda a diferença na eliminatória...
Infelizmente, fomos novamente prejudicados pelo um árbitro, num jogo da UEFA. Já no Mónaco-Benfica do ano passado, não tinha gostado deste apitador... Além do penalty, o facto do Vidal ter chegado ao fim sem Amarelo, deixou-me muito irritado...
Enquanto isto se passou em Munique, o nosso 'amigo' Félix Bitch andou a 'espalhar' magia em Barcelona... Depois do sorteio, cada vez estou mais convencido que existe uma vontade deliberada da UEFA, em 'escolher' as 4 equipas que vão estar nas Meias...
Vamos ter a Catedral cheia como um ovo, temos hipóteses, mas o Bayern continua a ser claramente o grande favorito para passar às Meias. Creio que o jogo será parecido... o Bayern vai ter muita bola, a nossa paciência sem bola, será muito importante... e não vamos ter o nosso melhor marcador!!! Preferia não ter tido o Jonas hoje, do que no jogo da próxima semana, mas é a vida...
Provavelmente vamos ter o Nico atrás do Mitro, com o Carcela na esquerda, mas uma dupla Mitro/Raul deve ser considerada!!!

Mas antes do grande jogo na Luz, vamos ter um jogo fundamental em Coimbra no próximo Sábado. É muito importante, o treinador os jogadores e os adeptos 'esquecerem' o Bayern, 'esquecerem-se' da euforia, e entrar com tudo no jogo contra a Académica...!!! Académica, que tem perdido muitos pontos, mas na última jornada, após perder em Arouca, na véspera de receber o Benfica, já tivemos o Presidente no balneário a fazer discursos de motivação... Os nossos adversários, não vão ter a luz e água 'cortada' na semana antes do jogo, disso podem ter a certeza...!!!
Mais uma grande 'actuação' dos nossos adeptos em Munique, nunca se calaram... Sem pressões extra, sem fatalismos exagerados, temos que tentar levar o Benfica ao colo até às Meias... Mesmo perdendo, mesmo jogando muitos minutos sem bola, creio que o bicho-papão Alemão, neste momento pós-jogo já aparenta ser menos 'impossível'!!!




Vivos e incansáveis
Publicado por Red Pass blogspot em Terça-feira, 5 de Abril de 2016


Agradecimento Adeptos Munique
OBRIGADO, Benfiquistas! Confiança até ao último minuto, atitude competitiva e apoio incrível no Allianz Arena. Parabéns aos adeptos que estiveram no estádio, mais uma vez, ao nível do desempenho da equipa.Sábado, às 18h30, em Coimbra, há mais uma final para apoiar. #SejaOndeFor
Publicado por Sport Lisboa e Benfica em Terça-feira, 5 de Abril de 2016

GLORIOSO SLB em Munique
Até em Munique...! Os melhores do mundo, #SejaOndeFor.Benfica fans are taking over Munich for the UEFA Champions League match!#JUNTOS
Publicado por Sport Lisboa e Benfica em Terça-feira, 5 de Abril de 2016

Corre pela planície da eterna saudade

"Hendrik Johannes Cruyff! Assim mesmo, com ponto de exclamação. Em Fevereiro de 1969, num relvado coberto de neve, limitou-se a ver jogar um grande Benfica. Vingar-se-ia na segunda mão, em Lisboa...

Poucos como ele exibiram a elegância inconfundível de um astro em movimento. No seu rastro de cometa imparável havia arte e talento misturados com uma velocidade sem sentido. Ah! E os seus pés em concha! Recolhendo a bola como mãos, escondendo-a do adversário, trazendo-a de volta do seu esconderijo por detrás do calcanhar para galgar com ela a distância que separa a realidade da lenda.
No dia 12 de Fevereiro de 1969, Johan Cruyff foi, no entanto, mais espectador do que actor.
Um Benfica que todos achavam moribundo, o velho Benfica das cinco finais da Taça dos Campeões Europeus, subiu ao relvado do Estádio Olímpico de Amesterdão para uma exibição de gala, talvez a última dessa extraordinária geração de jogadores.
Relvado? Que digo eu? Branca e leve, branca e fria, a neve pôs tudo da cor do linho, como escreveria Augusto Gil.
Havia um barulho ensurdecedor em volta do campo, os espectadores holandeses eram partidários da matracas de madeira que fazia um ruído inusitado, mas os jogadores 'encarnados' estiveram-se nas tintas para isso, tal como estariam para tulipas, diques e moinhos desse país baixo que cresce sob o mar.
Estavam cinco graus negativos em Amesterdão. O Benfica iria arrefecer ainda mais a temperatura.
Pobre Ajax, perdido em campo sem saber o que fazer, na busca incessante de uma bola que teimava em não largar os pés dos adversários de Lisboa.
Rinus Michels, o «General», mostrava-se enfadado no final do encontro: «Fui completamente surpreendido por este Benfica. Jogou infinitamente melhor do que nas partidas que observei em Portugal. E tem enorme experiência nestes confrontos internacionais».
O primeiro golo foi de «penalty»: uma falta bruta sobre Simões. Estranhamente, Eusébio não quis marcar: «Confesso que tive medo de falhar e fui à linha lateral pedir ao senhor Otto para ser outro a marcar».
Foi Jacinto: «O Eusébio disse-me - vai lá tu. Eu nunca tinha marcado um 'penalty' na neve, mas não me assustei. Fui calmo e fiz o golo».
A partir daí, houve Benfica e não houve Ajax. Estava decorrida meia-hora de jogo e Eusébio chuta de muito longe para uma defesa apertada do guarda-redes holandês; no minuto seguinte, Torres cabeceia à barra.
Era o Benfica das grandes noites! «Gatos vermelhos em campo de neve», escreveu Mário Zambujal citando Erico Veríssimo
Torres corta um passe arriscado da defesa local e parte isolado para a baliza: 2-0. Já ninguém acredita que a vitória fuja ao Benfica no momento em que as equipas descem aos balneários para o retemperador intervalo.
Por onde andou Cruyff?
É Danielsen, o dinamarquês, que substituíra Swart, a devolver a esperança aos holandeses com um pontapé formidável.
Cabe agora a José Henrique, Humberto Coelho, Toni e Coluna serem as traves mestras de uma nau que enfrenta uma tempestade de Futebol ágil e físico.
São quinze minutos de aperto. Vagas alterosas pedem atenções redobradas. E um acréscimo de entusiasmo daqueles que Eusébio tão bem sabe dar: um remate de potência tremenda obriga Bals a um desvio aflitivo para canto. É o próprio Eusébio que marca o canto. Um lance tantas vezes repetido com êxito pelo Benfica de então: bola para a cabeça de Torres e daí para o pontapé exemplar de José Augusto.
O golpe fatal.
Danielsen foi claro: «Não me parece que a defesa do Benfica seja muito forte. Podíamos e devíamos ter marcado mais golos. Enfim, há que dizer que a vitória do Benfica foi justíssima. Pode ser ganhemos em Lisboa».
Ganharam, como se recordam. Pelo mesmo resultado, obrigando a um jogo de desempate em Paris.
Mas fiquemo-nos, por hoje, nessa noite de Amesterdão.
Eusébio, a contas com  mais uma lesão no seu joelho massacrado, mostrou a categoria de sempre. Um esteio de classe numa equipa fundamentalmente operária: «O meu problema foi que gelei por completo» - queixava-se Raul - «Fiquei paralisado. Não sei o que aconteceria se o jogo durasse mais tempo».
José Henrique viu o tronco enfaixado no final do encontro: «Os avançados do Ajax são muito duros e provocaram as cargas. Ainda por cima, junto à baliza, a neve estava dura como pedra. De cada vez que tinha de me lançar para o chão era um sofrimento».
E Cruyff? Por onde andou Cruyff?. perguntarão vocês, leitores estimados. Perdido no meio-campo resistente do Benfica. Investindo aqui e ali em correrias solitárias e destinadas ao fracasso. Cruyff não foi ele mesmo. Viria a sê-lo, não tardaria muito, na segunda mão da eliminatória, no Estádio da Luz.
Cruyff: Hendrik Johannes Cruyff! Com ponto de exclamação. Corre hoje pela planície da eterna saudade..."

Afonso de Melo, in O Benfica

Um «F-R-A» da Académica, e para o Benfica... tudo!

"Os estudantes de Coimbra esgotaram a lotação do Estádio Nacional para assistirem a uma edição história da Taça de Portugal.

Não era a primeira vez que o Benfica e a Académica de Coimbra se defrontavam numa final da Taça de Portugal, mas o encontro de 1968/69 teve um significado especial para ambas as equipas. A crise estudantil de 1969 estava no seu auge e a chegada da Académica à final da prova abria novos horizontes para a causa dos estudantes. Era inevitável o pensamento de quão longe chegaria a luta estudantil com a conquista da Taça de Portugal pela sua equipa de futebol.
Na 1.ª mão da meia-final da prova, a Académica entrou em Alvalade equipada de branco e com braçadeiras negras em sinal de protesto contra a repressão exercida sobre os estudantes de Coimbra. A vitória por 2-1 frente ao Sporting contribuiu para que, na semana seguinte, com um triunfo por 1-0, a Académica garantisse o seu lugar na final. O Benfica tinha goleado a CUF na 1.ª mão da meia-final por 5-1 e o empate a duas bolas na semana seguinte permita que os 'encarnados' alcançassem a final da prova, o que não acontecia desde a época 1964/65.
A 22 de Junho de 1969, as duas equipas entraram no relvado do Jamor para a disputa do ambicionado troféu. O Benfica equipado de 'vermelho e branco', os estudantes com o habitual equipamento preto e de capas negras ao ombro em sinal de luto pelo estado do ensino superior.
As bancadas completamente esgotadas do Estádio Nacional contrastavam com a tribuna presidencial vazia, numa final que não foi transmitida em directo na televisão conforme tinha sido noticiado na véspera do encontro. O jogo decorreu sem grande emoção, mas nas bancadas ecoavam os «F-R-A» dos estudantes que incentivavam a sua equipa para a vitória, entre faixas onde se liam frases como: 'Estão 36 estudantes presos', 'Melhor ensino, menos polícias', 'Estudantes unidos por Coimbra' e 'Universidade livre'.
A dez minutos do final do encontro, o marcador registava o empate a zero e perspectivava-se um prolongamento, mas a defesa 'encarnada' permitiu que Manuel António marcasse o golo que colocava a Académica em vantagem. O Benfica reagiu e pouco depois Simões marcava o golo do empate. Seguiu-se o prolongamento. A animação e o nervosismo cresciam nas bancadas do Jamor, quando aos vinte minutos do prolongamento Eusébio marcou o golo que deu ao Benfica a sua 13.ª Taça de Portugal e a quinta 'dobradinha'.
Seguiu-se a 'festa da amizade'. Nas bancadas todos festejavam e no relvado os 'encarnados' vestiam de negro e os 'estudantes' envergavam as 'camisolas berrantes', numa invulgar troca de equipamentos colectiva que foi símbolo da amizade e respeito que uniu os dois emblemas.
Esta e outras histórias podem ser recordadas na área 5. A 'Taça' no Museu Benfica - Cosme Damião."

Marisa Manana, in O Benfica