Últimas indefectivações

sábado, 15 de abril de 2017

Regresso às vitórias no Seixal

Benfica B 2 - 0 Famalicão

Ferreira; Buta, Ferro, Kalaica, Yuri; Pêpê, Dálcio, Digui, Romário (Florentino, 54'); Félix (Jota, 71'), Jovic (Zé Gomes, 76')

Acabámos por ter a 'sorte' que nos tem faltado em alguns jogos! Marcámos cedo, e acabou por ser o Famalicão, desesperado à procura de pontos, a fazer mais por chegar ao golo... dando muito trabalho à nossa defesa, mas o André acabou por segurar tudo... Podíamos e devíamos ter marcado mais em contra-ataque: destaco para o falhanço do Dálcio...!!!

Matematicamente ainda não garantimos a manutenção, mas estamos bem encaminhados... e com a UEFA Youth Cup no próximo fim-de-semana (provavelmente sem o Rúben Dias - lesionado na Selecção, num particular -, mas provavelmente com o Kalaica), vamos perder alguns jogadores... sendo assim, esta vitória foi muito importante, para 'terminar' o ciclo negativo, e para nos fazer 'descansar' para as últimas 5 jornadas...

Empate... outro!!!

Benfica 29 - 29 Sporting
(14-12)

Segundo empate do dia com os Lagartos, e ambos os casos estamos a falar de 'realidades' diferentes!!! Neste caso do Andebol, estamos a falar de um orçamento a multiplicar por 5 (ou mais)!!!

Mais uma vez, a 'rotação' foi-nos fatal... tivemos quase sempre na frente, mas os últimos minutos foram complicados, só com muita superação conseguimos lutar pelo jogo... e tivemos a vitória ao alcance!!!

Com este resultado entregamos praticamente o título aos Corruptos, também ficamos longe do 2.º lugar, mas este pontinho ajuda na luta com o ABC pelo 3.º !!!

Empate...

Benfica 1 - 1 Sporting

Jogo sem implicações na classificação, mas foi importante voltar a 'não perder' para os 'milionários' adversários!!!
Não gostei da forma como defendemos no 1.º tempo, principalmente as 'bolas paradas', o Bebé teve demasiado trabalho... Também não gostei da nossa 'ineficácia' em servir o Elisandro...
A perder ao intervalo (golo às três tabelas, como de costume...), foi importante empatar logo no início do 2.º tempo... A partir daqui, com os Lagartos a usarem e abusarem do 5x4 (já o afirmei várias vezes... aquilo que o Sporting faz com o Marcão, é anti-jogo...), tivemos um treino a defender o 5x4, e parece que encontrámos a melhor solução!

Juniores - 8.ª jornada - Fase Final

Rio Ave 0 - 2 Benfica
Vinícius, Zidane

Duarte; Ramirez, Álvaro, Nuca, Jorginho; Mendes, Pereira, Tavares; Zidane, Vinícius (Lourenço, 90'); Kenedy (Dju, 93')

Uma vitória fora de casa, nada mau...!!!

O que é bom dura 45 minutos

"Benfica resolveu jogo na primeira parte e geriu na segunda, com a cabeça em Alvalade.

Onze a pensar no 'derby'
1. Rui Vitória repetiu, pela primeira vez no campeonato, o onze e deu, dessa forma, confiança à equipa depois da vitória pouco brilhante em Moreira de Cónegos, reforçou as rotinas e deu continuidade a jogadores que voltaram de lesões há pouco tempo, como Grimaldo ou Fejsa. Será, tudo indica, o onze que entrará de inicio no derby.

Marítimo ultra-defensivo
2. Nos primeiros 15 minutos, o Benfica mostrou alguma ansiedade. É certo que encontrou um Marítimo ultra-defensivo, com sete defesas (os alas transformaram-se em laterais e Erden Sen recuava para terceiro central) e nunca se chegou à frente. O Marítimo limitou-se a defender, devia ter criado mais ofensivamente. Depressa o Benfica dominou o encontro, apesar de alguma precipitação na finalização. E foi Rafa, no jogo mais bem conseguido pelo Benfica, quem desbloqueou a partida, Esteve bem no um para um e nos momentos de decisão e mais confiante. O jogo de Jonas (2-0) derrubou defensivamente, a muralha dos insulares.

Gestão na segunda parte
3. Perante um Marítimo encolhido e sem agressividade, o Benfica dominou a seu bel-prazer e podia ter chegado ao intervalo com vantagem ainda maior do que o 3-0. Pizzi a comandar, Rafa bem, Jonas a finalizar e Nélson Semedo e Grimaldo projectados ofensivamente, sentiam-se à vontade. Na segunda parte, houve gestão do Benfica, que baixou ritmo e intensidade, deu mais espaço ao Marítimo (já em 4x3x3 mas sem conseguir criar perigo) e controlou. Pizzi e Jonas saíram mais cedo, certamente com Alvalade no pensamento. O Benfica perdeu os homens da construção e da finalização e as transições ofensivas passaram a ser feitas, quase exclusivamente, por Rafa e Zivkovic. Mas, nessa altura, já o ataque dos encarnados não tinha a mesma continuidade. Foram 45 minutos de serviços mínimos, de fazer o quando baste para segurar a vantagem e descansar. O que foi foi bom durou 45 minutos."

Vítor Manuel, in A Bola

Sinais da bola

"Primeiro alívio
O Benfica estava em cima, mas não conseguia marcar. O Estádio da Luz dava sinais de alguma preocupação, mas suspirou de alívio quando Luís Martins cortou a bola para a sua baliza e fez o primeiro da tarde. O mais difícil estava feito, o caminho estava aberto.

Depois o espectáculo
Feito o mais difícil, as águias partiram então para dez minutos infernais, apaixonantes para os adeptos. Jonas sacou o segundo da cartola, depois o terceiro e os três pontos estavam no bolso. Tudo no espaço de dez minutos. Um Benfica de prego a fundo.

Cabeças a ferver
O jogo estava a todo o gás e os jogadores a vivê-lo com intensidade máxima. E percebeu-se que alguns estavam mesmo a ferver: depois do árbitro apitar para o intervalo houve picardias. Nada que os 15 minutos do intervalo não resolvesse. As cabeças esfriaram.

Tantas cautelas
Construída a vitória, cedo Rui Vitória começou a acautelar o derby, já daqui a uma semana. Primeiro foi Jonas, parece que por precaução, a ser substituído, depois Pizzi, para evitar amarelo que o afastaria de Alvalade. O jogo ficou mais fraco, a águia estará mais forte.

Rafa sempre a abrir
Quando todos pareciam confortáveis a abrandar, Rafa manteve sempre de pé no acelerador. Incrível a velocidade do extremo que o Benfica contratou ao Braga, a destoar do ritmo então imprimido por todos os outros. E também ele foi descansar mais cedo."

Ricardo Quaresma, in A Bola

Irradiação ou diversão?

"Para deixar tudo na mesma e alimentar a impunidade, o habitual é tratar de problemas ao lado do que eles são. Dá circo e espectáculo, enquanto há atenção pública; mas, apagadas as luzes das câmaras e desligados os microfones, vê-se tudo na mesma.
É problema geral, não só do desporto. A política roda muito à volta desta moda: o nome é “política-espectáculo”. Às vezes, é técnica para ludibriar o público: fingir que se faz… sem fazer. Outras vezes, é somente um mau hábito instalado.
Um modo típico é exibir confiança no poder salvífico das leis: muda-se a lei… e já está tudo bem. Surge problema grave? Soam e ressoam vozes para apertar leis e agravar penalidades. Não se cuida do essencial: aplicar bem a lei que existe e verificar bem o que possa ter falhado.
Uma lei só merece ser revista, em reacção a qualquer facto, se foi bem aplicada – e, aplicada, não chegou. É tolice ocorrer uma falta, punível com pena de 4 anos, e começar um berreiro para passar a pena perpétua – é o enfezado raquítico a aparentar viril musculatura. Tempos passados, olha-se o caso de novo e o infractor foi punido com 1 ano, ou menos, beneficiando ainda de suspensões de pena ou outras benesses do “sistema”.
O caso recente de Marco Gonçalves, o “Orelhas”, do Canelas 2010, é fresco exemplo desse tique, espectacular e inconsequente. O caso é gravíssimo, mas as autoridades, fingindo alarme e preocupação, passaram ao lado. O clamor do agravamento das penas foi o habitual biombo de circunstância, cortina de fumo para enganar.
Desde dirigentes associativos e federativos até a comentadores encartados e ao secretário de Estado, muitas vozes reclamaram a reintrodução no Direito Desportivo da pena de irradiação: o que todos vimos, uma violentíssima agressão ao árbitro, mereceria irradiação — e logo se montou coro e procissão nesse sentido. A comunicação social recordou mais violências recentes e ecoou — e bem — a preocupação dos árbitros. Outro caso, particularmente chocante, foi um pai (será “encarregado de educação”?) de um jovem atacar à paulada o árbitro no seu carro. O embrulho subiu até uma cimeira do secretário de Estado com associações, Federação e árbitros, que terá adoptado várias medidas – a imprensa destacou reforçar o policiamento.
Muito bem. Mas o que tem uma coisa a ver com a outra? Se houvesse polícia no campo do Rio Tinto (e havia) o Marco não teria dado a joelhada no árbitro, partindo-lhe o nariz em três sítios? Se houvesse mais polícia no desporto juvenil, aquele pai violento não teria dado a paulada? Se houvesse pena de irradiação, o “Orelhas” teria os joelhos sossegados e as emoções e fúrias controladas?
A irradiação é, aqui, discussão inútil. A razão por que foi eliminada do desporto é ter-se considerado que é inconstitucional, uma vez que a Constituição proíbe penas perpétuas. Diz o artigo 30.º, n.º 1: «Não pode haver penas nem medidas de segurança privativas ou restritivas da liberdade com carácter perpétuo ou de duração ilimitada ou indefinida.»
Esta norma é ditada para o direito penal e visa directamente proibir a prisão perpétua. Mas, como o paradigma do direito sancionatório é o direito penal, nomeadamente para o direito disciplinar, entendeu-se, na reforma da disciplina desportiva em geral, que a irradiação devia ser expressamente proibida, por ser pena perpétua e vitalícia. Isto é discutível; mas a discussão é inútil para responder a casos concretos. E constitui distracção perigosa: desfoca-nos do que podemos – e devemos – fazer; e foca-nos no que não podemos fazer, assim amnistiando os responsáveis pelo que não fizeram e não querem fazer.
A verdade é que, se fosse aplicada – e depressa – a Marco Gonçalves a pena disciplinar máxima de suspensão de 4 anos, seria provavelmente suficiente. E exemplar. Por outro lado, a constatar-se, ainda assim, a existência de riscos para o futuro e ter-se por baixo o limite máximo, pode-se aumentá-lo para 10 ou 15 anos, sem necessidade de reabrir a interminável discussão da irradiação e o inerente entretenimento jurídico-mediático.
O problema é outro – e foi outro. A questão é o que fizeram, ou não fizeram, as associações e a Federação a este respeito. E o que fez o governo, por cima, a fiscalizar e a velar pela boa ordem das coisas.
Do Canelas 2010 há, desde, pelo menos, Outubro, denúncias extensas e chocantes dos seus métodos violentos como nova ciência desportiva. Notícia também de doze clubes da sua série se recusarem a defrontá-lo por provada insegurança.
Notícia de esse mal-estar durar já há três anos, tendo vindo a crescer e a atingir este cume. E notícia também de, durante jornadas a fio, a indiferença das autoridades desportivas ter premiado a doutrina de violência do Canelas 2010 com numerosas vitórias por falta de comparência, facilitando-lhe a liderança do perturbado campeonato e, porventura, a ascensão ao escalão superior no final.
Se isto não é impunidade, não sei o que seja impunidade. Creio até que importa estudar e averiguar se não foi — e não é — cumplicidade. Foram líderes e doutrinadores deste Canelas 2010, também membros de conhecida claque clubista, os eleitos pela Federação Portuguesa de Futebol para organizar uma controversa claque da selecção nacional. Esta “claque” deu nas vistas a entrar no estádio do último jogo oficial da selecção, com escolta policial e a desferir insultos inaceitáveis. E a claque clubista de Marco Orelhas, destacou-se agora, num jogo de andebol, a cantar animadamente com a sonoridade de pavilhão, sob regência do amigo da FPF, este mimo: «Ai quem me dera que o avião da Chapecoense fosse do Benfica!»
O caso do Canelas e dos seus atletas (se assim lhes podemos chamar), o que exige é que a Associação de Futebol do Porto e a Federação Portuguesa de Futebol apliquem com todo o rigor e vigor as leis que existem e velem bem pela disciplina e pelo bom senso. O mesmo se diga de casos como o do pai trauliteiro — aqui, sim, afinem o direito desportivo, se for necessário. E, já agora, também o caso do andebol.
Expliquem-nos, tim-tim-por-tim-tim, tudo o que aconteceu e não aconteceu. E poupem as lágrimas de crocodilo. Actuem! E o governo que vigie e faça fazer. A lei fixa: «A actividade desportiva é desenvolvida em observância dos princípios da ética.» Quem o faz valer a sério?"

Conversas à Benfica 2

Benfiquismo (CDXXXIX)

Mais um Caneco...!

Rescaldo da vitória de ontem...

Cadomblé do Vata

"1. Grande jogo do Benfica... isto em termos de exibição, não da mesma forma que se diz "grande jogo do FC Porto" porque teve 12 minutos de compensação.
2. Não digo que Jonas não mereça vestir a camisola 10, mas acho que o SLB devia-a ter deixado vaga por 2 ou 3 anos após a saída do Gaitan... depois de ver um craque como Grimaldo ser dispensado pelo Barcelona, parece-me que é só uma questão de tempo para Messi estar aí à mão de semear a custo zero.
3. Jonas saiu lesionado e a preocupação voltou às bancadas da Luz... com a propensão que ele tem para lesões estranhas como infecções bacterianas ou cervicalgias, a hipótese de ter contraído "retinas em sangue" por causa da cor do equipamento dos insulares, é real.
4. Têm sido muitas as críticas ao treinador do Marítimo pela estratégia adoptada, mas para mim a culpa não é dele... depois da nossa vitória em Moreira de Cónegos, ninguém contava com um SLB catapultado pela velocidade de Sálvio e Rafa.
5. Epístola de S. Mitroglou aos Benfiquistas: capítulo 36: verso 29... "jejuei na Sexta Feira Santa, para enfardar forte e feio na semana seguinte"... amén."

O briefing de Lindelöf, o diálogo sobre Felipe Augusto e o jogo que Samaris podia ter jogado e não jogou porque (...) não quis

"Ederson
Até nos erros faz lembrar Neuer. Uma brincadeira a jogar com os pés aos 12’ por pouco não correu mal. Os colegas não gostaram da atitude displicente e tudo fizeram para que Ederson não voltasse a participar no jogo, numa missão cumprida com responsabilidade, competência e Marítimo.

Nélson Semedo
Perdeu importância na manobra ofensiva com o regresso de Grimaldo, para além de se notar um abaixamento de inspiração. Enquanto não encontrar uma creche para a filha em Munique, vai ser complicado tê-lo a 100%.

Luisão
Foi claramente o melhor em campo nos lances disputados a mais de 2 metros de altura, incluindo uma espécie de assistência para o terceiro golo da equipa. Na verdade, não temos a certeza se tocou na bola, mas já ganhámos um título desta forma ao Sporting, por isso siga. Como é que se diz? Estorvou o adversário, não é? Parece que resulta. Passaram 12 anos e eles ainda se queixam.

Lindelöf
As exibições de Lindelöf têm tido a emoção de um filme mudo exibido na Cinemateca às três da tarde, o que se deve entender como um elogio ao internacional sueco e uma crítica ao cinema mudo, mas sobre isso falaremos noutra altura. Como bom sueco, Lindelöf preferirá sempre a tranquilidade ao desassossego, que em sueco se diz oro. Epá, desculpem lá. O briefing desta semana não dizia nada sobre o Lindelöf e estamos aqui um bocadinho sem jeito. Jogou bem. Jogou muita bem. Apareceu duas ou três vezes no ataque e pareceu feliz por estar em campo, o que nem sempre tem acontecido. Sei lá.

Grimaldo
Jogou com uma intensidade semelhante à voz do Guilherme Cabral na segunda metade dos seus vídeos. O que é bom, porque o vídeo mais recente do Guilherme Cabral devia ser mostrado no balneário daqui até ao final do campeonato. Se ainda não acontece, Grimaldo já o terá visto umas dezoito vezes no Facebook, pois exibiu, tanto a defender como a atacar, a vontade, a inteligência e a objectividade de quem está disposto a morrer pelo tetra. Antes isso que uma lesão qualquer para ficar de fora mais 6 meses.

Fejsa
não enfrentava um adversário deste nível desde um célebre jogo-treino com os juvenis em que deixou algumas crianças a chorar. Nem por isso facilitou, antecipando as fracas mãos de poker dos adversários mais próximos com uma sequência de all-ins muito confiantes aos quais os madeirenses foram fazendo call, até se acabarem as fichas. Se fôssemos nós a limpar uma mesa assim, ainda estaríamos no relvado a gozar com eles, e esta é apenas uma das razões por que Fejsa é um ser humano superior a nós.

Pizzi
Sempre que lhe dão um espacinho para fazer circular a bola, é capaz de criar desequilíbrios e situações de perigo. Quando lhe dão um loft de 200 metros quadrados com vista sobre o rio, como hoje, consegue pavonear-se em campo com a qualidade dos melhores criadores de jogo que a modalidade já viu, desenhando inúmeros lances em que parecemos ter mais jogadores em campo. Na próxima semana será um bocadinho mais complicado, mas ele lá estará - com os seus quatro amarelos, amigos.

Salvio
Queremos lançar um repto aos nossos rivais da segunda circular. Então é assim: estivemos a ver e vocês já ganharam tudo o que podiam ganhar esta época. Têm quatro novos títulos nacionais, meia dúzia de goleadas morais, a melhor dupla de avançados da liga, e tudo indica que Bas Dost será o melhor marcador. Só vos falta bater o recorde de queixas ao conselho de disciplina. Ora, vocês ambicionam mais um título e nós precisamos de mandar um jogador para a bancada. Desta vez vamos facilitar-vos a tarefa. Aos 23 minutos de jogo, Salvio agrediu Fransérgio. Enfim, não é bem uma agressão. Na verdade, foi falta do Fransérgio, mas vocês já perceberam a ideia. O nosso assistente vai enviar-vos um vídeo em que parece haver uma cotovelada do Salvio ao adversário. Agora é convosco. Saudações desportivas.

Rafa
Hoje merece um daqueles slogans saídos de um anúncio a bancos: quando Rafa cresce, o país cresce com ele, e por país entenda-se o Benfica. É verdade que a falta de coordenação motora de alguns adversários facilitou a tarefa, mas o nosso petiz liderou a ofensiva benfiquista que se instalou no meio-campo do Marítimo durante a primeira parte, incluindo vários dribles de empolgar a malta, combinações estonteantes com Grimaldo, e uma assistência para o primeiro golo de Luís Martins ao serviço do Benfica. Em suma, Rafa reagiu positivamente ao texto em que questionámos os 18 milhões pagos pelo seu passe. Só por isso passou a valer 6. Que foi? Há uma semana valia 2, amigos. Calma. O caminho faz-se caminhando.

Jonas
Uma horinha à Jonas bastou para ser o melhor em campo. A comemoração do seu primeiro golo, que o próprio disse ser alusiva à celebração pascal, foi interrompida abruptamente por Fejsa e Grimaldo, não por acaso dois leitores de Richard Dawkins. Esperemos que não afecte o balneário, porque daqui a 7 dias vamos precisar de um Jonas com #DeusNoComando.

Mitroglou
Os grandes jogadores alimentam-se dos sucessos, mas a verdadeira fome de vencer vem dos seus insucessos. Não sabemos se isto é uma máxima de auto-ajuda, mas soou-nos bem. Mitroglou falhou uma dúzia de golos e pareceu irritado com isso. É um bom começo. Para um jogador com a sua pontaria, a exibição de hoje equivale a uma derrota. Deixem-no estar.

Filipe Augusto
- Quem é este?
- É aquele gajo, pá…
-Ah, já sei! Isto é aquele miúdo que tinha chegado para partir tudo.
- Não, esse foi para o Standard Liége.
- Hã?
- Não?
- Acho que este é outro.
- Epá, sei lá. É mais um para vender ao Atlético Madrid.
- E é mau, queres ver?
- Olha que não joga mal…
- Não inventes, pá. Quase não jogou.
- Olha que eu tenho olho para estas coisas.
- Vai passear. Tu nem o nome dele sabes.
- Ai não? Espera aí.
- Então? Não vale ir à net.
- Calma. - Como é que estás a procurar?
- Escrevi jorge mendes e benfica.
- Ok.
- O que é que eu te disse? É o Danilo!
- Eu ia dizer isso.

Zivkovic
30 minutos em campo, os suficientes para mostrar, pela vigésima segunda vez, que é uma alternativa credível a Salvio. #rumao23

Cervi
A BTV faz uma coisa engraçada após os jogos. Pede aos adeptos para colocarem questões ao treinador. Há pouco, um adepto de tenra idade perguntou a Rui Vitória como é que ele ganha tantos jogos. O mister apressou-se a responder, mas ficámos com a sensação de que a pergunta era irónica. Já agora, esse miúdo tinha mais ou menos a altura do Cervi. Podia parecer que estávamos a desconversar.

Samaris
Não jogou, mas podia ter jogado. Nós é que não quisemos."

Vermelhão: Santa vitória...!!!

Benfica 3 - 0 Marítimo


Finalmente, um jogo 'decidido' antes do intervalo, sem sustos, nem rezas... tão descansado, que quando o jogo acabou, mais de metade dos espectadores já tinham saído das bancadas (inacreditável)!!!
O único 'susto' foi mesmo a 'finta' do Ederson, ainda com 0-0 !!! De resto, um Marítimo a fazer anti-jogo desde o primeiro segundo, a fazer pontaria aos calcanhares dos nossos avançados... e quando ficou em desvantagem, provou não ter um 'plano' ofensivo... a intenção era mesmo, o 0-0 !!!
O Benfica nem começou muito bem, com dificuldades em ultrapassar a última linha do adversário... com as quebras de ritmo constantes, o jogo até estava morno, mas mesmo assim o guarda-redes ia tendo algum trabalho... até que o 1.º entrou... Foi um daqueles auto-golos que deve ser 'perdoado' pois se o Luís Martins, não faz o corte, tinha o Mitro nas costas para empurrar...
Com 3-0 ainda pensei que o Benfica fosse à procura de mais golos, mas optámos por fazer uma gestão mais 'calma'... mesmo assim tivemos oportunidades descaradas, com o Mitro em dia não... e até podia ter havido um 2.º auto-golo!!!
Recordar que a diferença de golos pode decidir o Campeonato, e neste momento, estamos em desvantagem em relação aos Corruptos!!!
Gostei da forma 'unida' como a equipa festejou os golos!!!
O Ederson fez uma exibição com várias desconcentrações... algum excesso de confiança!
O Semedo, não está no topo de forma... parece-me cansado... a mudança de velocidade ofensiva está 'perra'!!! Luisão continua imperial nas bolas paradas defensivas, mesmo sofrendo bloqueios constantes...!!! O Lindelof subiu novamente de forma nos últimos jogos... Este regresso do Grimaldo é muito bem vindo, principalmente neste tipo de jogos... mas muito sinceramente, na próxima jornada, eu escolhia o Eliseu...!!! Podem-me chamar maluco... mas ao Grimaldo, ainda lhe falta alguma velocidade... e a 'ratice' do Eliseu nos jogos grandes faz sempre falta!!!
Fejsa a recuperar o ritmo... mesmo assim ainda 'falhou' algumas recuperações, mas está a recuperar... e até a confiança de fazer passes longos está de volta... Bom jogo do Pizzi, contra um meio-campo muito povoado, soube recuar e procurar os espaços...
O Salvio fez um dos melhores jogos dos últimos tempos... ainda longe do seu melhor, mas hoje até ganhou vários ressaltos nas fintas, algo que sempre fez... E até gostei de ver o Salvio atrás do Mitro!!! O melhor jogo do Rafa, sem contar os jogos 'grandes'...!!! Sempre que recebe a bola parado, faz asneira... se acelerar com o esférico, é um perigo... Este tem a titularidade garantida em Alvalade!
Regresso aos golos do Jonas... mesmo sem as movimentações entre linhas que ele nos habituou... volta a dizer: parece-me fisicamente limitado! Imagino que esteja a treinar condicionado durante a semana... O Mitro 'decidiu' guardar os golos para a próxima semana!!!
Tenho que rever os lances na televisão, mas parece-me que ficou por marcar um penalty sobre o Mitro... e ainda houve um braço na bola que me deixou dúvidas... Agora, o critério disciplinar foi mais uma vez absurdo: basicamente 'cancelou' as leis... Isto de acabar um jogo sem mostrar um Amarelo, até pode ser 'bonito', mas quando isso é feito contra as 'leis' não faz sentido... Felizmente, o jogo ficou decidido cedo...
O jogo dos Corruptos amanhã é indiferente, o jogo de Alvalade vai ser sempre decisivo... A notícia da não convocação do Marafona (com o Goiano e o Baiano também metidos ao barulho...) aparece quando já tinha aparecido notícias de Malas... Quando me dizem que as Malas para 'ganhar' não é ilegal nem é eticamente reprovável, farto-me de rir... Quem recebe para para ganhar, também recebe para perder...!!!
Finalmente, vamos ter uma semana para completa para preparar um jogo... algo muito mais importante do que se pode pensar! Aliás, os recentes 'bons' resultados dos Lagartos, deve-se muito ao facto de estarem desde do final de Janeiro a fazer um jogo por semana...!!!
A pressão fora de campo, será enorme, espero que os comunicados Lagartos, e post's não desapareçam esta semana... já toda a gente sabe que o árbitro será Soares Dias, e que o meio-campo e defesa Lagarta vão ter 'carta branca' como gostam... e como tiveram na Luz! Portanto muito cuidado com a estratégia...
Com o Jonas em forma, eu teria dúvidas... mas assim, eu apostava no reforço do meio-campo, com o Samaris ou o Augusto... com o Rafa e o Salvio a apoiar o Mitro!

Mais uma vitória...

Benfica 87 - 70 Corruptos
22-6, 12-21, 28-27, 25-16

Mais um daqueles jogos irritantes, com um final feliz... Depois do início demolidor, era impensável o 'empate' no 3.º período, mas mesmo assim tivemos a força (nos Triplos do Tomas...) para voltar a cavar a diferença...
Tudo isto, sem o Mário, sem o Lonkovic... ainda sem o Cláudio... e com o Hollis claramente limitado...

Iniciados - 3.ª jornada - Fase Final

Benfica 3 - 0 Corruptos


3 jogos, 3 vitórias, 10 golos marcados e nenhum sofrido...
Na próxima jornada em Alcochete, uma vitória será um passo gigante para o renovação do título!

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Não há que levar a mal

"A luta pelo título nacional será disputada entre o Benfica e o clube daqueles que queriam que fosse o Benfica no avião do Chapecoense. São desejos diferentes, nós queremos ganhar-lhes, eles querem que o Benfica morra. Há até um elemento nacional no desejo, pois a nossa inexistência seria a única hipótese de os rivais serem os maiores. Não há que levar a mal, pois há uma perturbadora questão de dimensão.
Não sei quem tem vantagem nesta luta pelo título, mas, por agora, somos nós que temos um ponto de vantagem. Jogámos pouco em Moreira de Cónegos e não vale a pena entrar por sofismas ou aldrabices argumentativas. O Moreirense jogou bem acima das expectativas e parabéns ao Petit (grande Armando Teixeira). O Benfica jogou bem abaixo do nosso desejo e teremos que melhorar. Curiosamente valeu ao Benfica em Moreira de Cónegos uma entrega individual sem mácula e o resultado sem dano. Todos os benfiquistas queriam uma exibição mais conseguida e a boa solução estará em conseguir hoje esse objectivo com o Marítimo. Bem sei que jogámos melhor contra o FC Porto e não vencemos, bem sei que por agora vencer é fundamental, mas logo, frente ao Marítimo, quero mesmo vencer e jogar muito bem. O adversário tem imensa qualidade, é uma das nossas derrotas nesta Liga e, para carrascos completos, já temos os cinco pontos perdidos com o V. Setúbal. Estamos avisados e não podemos facilitar. São seis jogos para o Campeonato e um para Taça de Portugal. 630 minutos para uma época de sonho. Não é fácil mas é possível.
Em semana de Liga dos Campeões, fica uma sugestão a Karl-Heinz Rummenigge: há dez treinadores portugueses que se forem contratados pelo Bayern o fazem campeão europeu dois em cada três anos. A continuar assim poderá muito bem ser a Juventus, como defendo desde o início da época."

Sílvio Cervan, in A Bola

É importante apoiar!

"O ambiente do futebol português, à semelhança do vivido na temporada passada, está irrespirável. A diferença é que, se há um ano as acusações torpes e as insinuações constantes brotavam somente em Alvalade, agora germinam também nas Antas.
Que há e sempre houve anti-benfiquismo por essas bandas, já nós sabemos. E nem sequer é novidade ser tão notória a instrumentalização desse sentimento na comunicação desses clubes, servindo simultaneamente de pressão aos diversos agentes, de auto-motivação e de desresponsabilização dos seus insucessos. O que eles não percebem é que, tendo nós a capacidade desportiva para lutar por títulos, só nos motivam em prol da prossecução dos nossos objectivos. Criticando-nos e acusando-nos constantemente, mais do que induzirem comportamentos autofágicos entre nós, antes nos unem. Tornam evidente, para nós, que há um objectivo maior - sermos campeões - do que a exigência connosco próprios que tanto gostamos de sentir, apregoar e praticar. Essa terá o seu tempo, o qual ainda não chegou. E, com isso, ofereceremos a necessária tranquilidade e o indispensável apoio que a nossa equipa tanto necessitará quando a desinspiração for a nota dominante, como aconteceu em Moreira de Cóengos no passado fim-de-semana, não pondo em causa, no entanto, a justiça da nossa vitória. Pela minha parte, obrigado aos anti-benfiquistas.
Entretanto, a nossa equipa de voleibol disputará mais uma final dos play-off's, a oitava consecutiva, numa temporada em que tem sido afectada por uma quantidade inusitada de lesões. Para um clube com pouca tradição na modalidade como o Benfica, é impressionante o percurso feito nos últimos anos."

João Tomaz, in O Benfica

Sem medo

"Todos nos lembramos da temporada passada. De um lado estava o Bicampeão, com um treinador novo e uma pré-época minada pelos erros de preparação de quem cá estava antes. Do outro lado estava um clube mais pequeno, com um treinador novo que se julgava o rei Midas e que prometia este mundo e o outro com o apoio de um dirigente obcecado com o vermelho. Contra uma campanha orquestrada por dirigentes rivais, contra favores na comunicação social, contra insultos de baixo nível, conseguimos aquele que eu e muitos como eu considerámos o mais delicioso título de campeão da história.
Hoje, vejo que estava enganado. Em 2016/17 estamos a assistir ao mais desesperado plano de ataque de que há memória no futebol português. De um lado está o Tricampeão e líder do campeonato desde a 5.ª jornada. Do outro, está o 2.º classificado - ainda com hipóteses reais de chegar ao 1.º posto - e o 3.º classificado, com sonho megalómano de que ainda é grande e com a azia de sempre.
Além deles, estão também todas as outras equipas que têm defrontado o SL Benfica com a motivação suplementar de dar o litro, o quilo e o quilómetro para roubar pontos ao líder. Não têm conseguido e isso vê-se nas acentuadas quebras de forma que apresentam na jornada seguinte ao embate com o SL Benfica - pura e simplesmente deixam de saber jogar, correr e dar cacetada. O que uma mala não faz...
É por isso que vos digo: este é o mais importante campeonato na história do SL Benfica. E não apenas por ser o Tetra, mas por ser aquele que todos os outros querem evitar legal e ilegalmente. 
Hoje, com o Marítimo, podemos ficar um degrau mais perto de fazer História. E de os calar de vez."

Ricardo Santos, in O Benfica

Orgulho!

"Repleto de macacos e papagaios, quer a norte, quer a sul, o futebol português tem vindo a transformar-se num triste Jardim Zoológico.
São membros de claques a agredir e a intimidar tudo o e todos, como um exército profissional do crime (o que falta para prender certos indivíduos? É para isto que serve o registo das claques?).
São dirigentes a incitar constantemente ao ódio, com a cumplicidade de um sistema mediático decadente, e numa tentativa desesperada de vencer a qualquer preço. São sinistros directores de comunicação, de estilo apalhaçado, a chafurdar no lodo e à procura de protagonismo pessoal (o caso das 'cartilhas' é das discussões mais ridículas dos últimos anos).
São as televisões a aproveitar para transformar lixo em audiências - à custa dos clubes, do desporto, e da nossa sanidade mental.
A porcaria é já demasiada, e o clima começa a ficar irrespirável. Quem quisesse acabar como futebol não faria melhor.
Alheio a tudo isto, o Benfica lá vai trilhando o seu caminho. Enquanto eles berram, incendeiam, ameaçam, e tentam desestabilizar, aqui, na nossa casa, trabalha-se. E essa atitude, que tanto nos orgulha, e tanto nos distingue, deve-se, sobretudo, à conduta de um homem o nosso líder, Luís Filipe Vieira.
Vieira é hoje um farol de bom sendo que se destaca no meio da poluição em que vive o futebol luso, e o empurra para o abismo.
Temos sido campeões no campo. Mas também no discurso, na razão, no equilíbrio e no respeito.
Força, presidente! Os benfiquistas estão consigo, e orgulham-se da sua postura. Já não é apenas o Benfica que precisa de si. O desporto português também."

Luís Fialho, in O Benfica

Contra factos

"Moreira de Cónegos, 9 de Abril. Moreirense-SL Benfica. Factos:
2'15 - Entrada dura de Dramé sobre Rafa;
8'28 - Falta de Dramé sobre Salvio;
10'44 - Caué atinge Nélson Semedo com uma cotovelada;
13'45 - Bouba Saré atinge Jonas, derrubando-o;
24'24 - Rafa é derrubado por Sagna;
25'07 - Luisão é impedido por Diego Ivo e Bouba Saré de cabecear a bola em plena área do Moreirense. Penálti;
26'28 - Rafa é puxado por Sagna;
27'36 - Boateng simula sofrer falta inexistente de Fejsa e Nélson Semedo, enganando o árbitro;
29'16 - Dramé comete falta sobre Nélson Semedo;
30'08 - Falta de Luisão sobre Boateng. Capitão advertido com carão amarelo;
36'01 - Boateng comete falta sobre Rafa;
36'50 - Salvio corta a bola sem falta sobre Pedro Rebocho;
39'08 - Nova falta cometida sobre Rafa;
40'39 - Nélson Semedo sofre entrada dura de Dramé, que é admoestado com cartão amarelo;
58'56 - Rafa é derrubado por Sagna;
69'38 - Grimaldo sobre falta dura de Bouba Saré, que vê amarelo;
82'43 - Cervi é atingido por Sagna;
84'59 - Dramé pontapeia Cervi e não vê segundo amarelo;
90'59 - Roberto provoca Ederson, encostando-lhe a cabeça;
91'18 - Samaris responde a provocação de Diego Ivo com tentativa de agressão.
Vinte lances polémicos que permitem tirar conclusões óbvias! O Sport Lisboa e Benfica vence graças a uma prestação operária e um momento de inspiração de Pizzi e de Mitroglou. Vergonhosamente, FC Porto e Sporting, através dos seus pontas-de-lança oficiais e oficiosos, passa a imagem que os Tricampeões foram beneficiados pela arbitragem. Como um dia escreveu o Padre António Vieira, 'muitas vezes a mentira hoje no mundo é mais poderosa que a verdade'."

Pedro Guerra, in O Benfica

Abominável Homem das Neves

"A calota Polar está a derreter a boa velocidade.
Mas o Abominável Homem das Neves está a tentar tapar o sol com a peneira. Ai! Descobriu que afinal nem sol têm!
A Miss Piggy vocifera frases e frases sem sentido, para justificar o seu ordenado chorudo pago pelos sócios do clube. Convenhamos, ele tem mesmo cara de cromo!
Cartilha para ali, cartilha para aqui, eis quanto senão alguém lhedisse:
- Chefe! Nós temos uma cartilha e é escrita directamente por si!
- Lá estás tu a turvar-me o pensamento! És mesmo da oposição, que só teve 18%. Por qué no te callas?
- Eh, Presidente! Uau! Sabe falar castelhense!
- Ó cromo, é castelhano!
Conversa da Treta era um programa excepcional desempenhado também por um saudoso actor que infelizmente já faleceu! Mas a conversa que apresentámos vai certamente radicar nos anais da história da breheirice.
(...)"

Pragal Colaço, in O Benfica

Benfiquismo (CDXXXVIII)

Todos... juntos!!!

Aquecimento... Tugão Maximus!

Por que é que o Benfica vai continuar à frente nos próximos anos

"Não sei se repararam, mas há dias saiu uma notícia interessante que passou pelos pingos da chuva: anunciava o Benfica que a aposta para os próximos anos é a estratégia digital.
Basicamente a SAD encarnada garante que 50,4 por cento de todas as receitas já chegam do mercado internacional: contando-se nesta definição de mercado internacional tudo o que vem do estrangeiro, receitas de Champions, vendas de jogadores, merchandising, enfim. É um número admirável que indica o caminho para o futuro.
Mas o Benfica quer mais, quer mais adeptos, mais consumidores, mais receitas.
Diz ter um estudo feito por ele - que vale muito pouco externamente, portanto - que 50 milhões de pessoas em todo o mundo têm interesse no Benfica: ou seja, para 50 milhões de pessoas o nome do Benfica não é indiferente, tendo existido algum tipo de contacto.
É a esses milhões de pessoas que quer chegar, provocando algum envolvimento delas com a marca. Em linguagem técnica chama-se engagement.
É aqui que entra a estratégia digital.
O Benfica anunciou que está a trabalhar em parceria com empresas como a MacKenzie e a Microsoft, tendo um total de 40 pessoas envolvidas directamente no projecto.
Ora a estratégia digital é nesta altura fundamental em qualquer grande organização.
Olhando de fora para FC Porto e Sporting, parece-me que o Benfica já é dos três grandes o clube que trabalha melhor as redes sociais. Mas isso não chega: não chega por que há por aí muitas empresas que trabalham de facto muito bem as redes sociais.
A social media, e o marketing digital em particular, tornou-se uma parte medular no crescimento de qualquer empresa. Permite comunicar melhor e chegar a mais gente.
É uma comunicação sem barreiras e sem fronteiras, muito mais eficaz do que as formas tradicionais de promoção. Permite utilizar várias ferramentas que tornam a mensagem mais sedutora, mais direccionada, mais emotiva. Falam directamente ao coração. A social media é enfim um mecanismo admirável de comunicação e comprometimento.
Vale a pena lembrar que Cristiano Ronaldo, por exemplo, facturou segundo a Forbes 164 milhões de euros com as redes sociais no último ano.
Anunciar que a estratégia digital é a grande aposta para os próximos três anos é um sinal de saúde, inteligência e planeamento.
Infelizmente para eles, os rivais parecem estar nesse aspecto um passo atrás. Um porque está demasiado ocupado em colocar a casa na ordem para ter tempo para pensar no futuro, outro porque já teve uma estratégia clara de valorização da marca mas perdeu-a com o desmantelamento da estrutura mais forte do futebol português, elogiada até na Europa.
Enquanto o isso, o mundo evolui a uma velocidade vertiginosa: e o mercado português é curto para sustentar um clube de topo europeu.
É preciso encontrar novos públicos que comprem merchandising, mas sobretudo que gerem audiências: para o clube, para a marca e para os patrocinadores.
É um caminho longo que é preciso percorrer.
É claro que a internacionalização traz inconvenientes: não gera adeptos, gera consumidores. Podem ter simpatia, mas não têm paixão. No dia em que não estiverem contentes com o produto, afastam-se dele. Mas esse é o preço a pagar.
Importante é aumentar o auditório.
Até porque permite posicionar o clube na primeira linha de uma futura liga europeia: que será, mais tarde ou mais cedo, o presente. Mais simpatizantes, mais audiência, mais dinheiro, mais peso. Um clube assim é música para os ouvidos da UEFA.
Por isso, lá está, apostar na estratégia digital é um sinal de inteligência e perspicácia.
Vale a pena gastar menos tempo a discutir insignificâncias e pensar um bocadinho nisso."

“Sigo atrás de ti, vigilante”

"Meu querido amigo e companheiro Zé da Europa:
Aceita o meu abraço fraternal. Abraço destes, grande José Augusto, já te dei mais de meia centena de vezes.
Vais conquistando pontos nesse jogo tão bonito que é a vida. Octogenário? Para o que deu, insistes em ganhar o campeonato da longevidade. Fazes bem, fazes muito bem mesmo. Tu és um campeão, tens a fibra, tens o músculo, tens a alma. Estás fresco e ágil. Estás fino e resoluto. Mas olha que no nosso Benfica, o Rogério Pipi já vai com mais de noventa. E o Zé Bastos? E o Ângelo? Segue o trilho da conquista, quero e sei que te vou dar muitos mais abraços de parabéns.
Continuas a ser um irrepreensível homem de família, não te esqueças de dar um beijo à tua mulher, que de forma exemplar dignificas. A ela e a todos os teus descendentes, eles que transportam um sangue vermelho-vivo, carregado de intensidade bonita.
E o teu Barreiro? Tanto amor declarado, tu que és um dos grandes filhos dessa terra emblemática, património de ideias que fazem agitar as boas vontades. Sou teu vizinho sentimental, recordo-te, ou não tivesse nascido na Cruz de Pau, dentro das fronteiras do belo Seixal, que hoje até serve de fábrica de talentos desses meninos que soubeste inspirar.
Que dizer do Benfica, o grande amor que partilhamos? Somos tricampeões, caminhamos para o tetra. Não é treta, amigo, é mesmo tetra. Podemos lá chegar daqui a um mês, algo que nem tu nem eu conseguimos, nem os nossos saudosos Eusébio e Coluna.
O Benfica está um clube imenso com todos os traços de modernidade, orgulho maior da nossa condição lusitana. E a Selecção Nacional, tal como nós na epopeia de 66, tem brilhado a grande altura, muito na esteira do teu exemplo, enquanto responsável máximo, na Minicopa de 72, no Brasil.
Sigo atrás de ti, vigilante. Sabes que o apreço é sentido. Vou querer apanhar-te na idade, mas tenho consciência de que, por maior o esforço, jamais saberei contar histórias de forma brilhante, um dos teus traços distintivos.
Abraço rubro do teu amigo"

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Contra tudo e contra todos... Vamos lá jogar à Benfica

"Há uma agenda secreta com um guião ultraconfidencial das centrais de comunicação (e avençados) que não quer o Benfica campeão.

1. Das agendas secretas dos impolutos do futebol português
De repente, as virgens do futebol português descobriram - num conluio que nenhuma cartilha poderia imaginar - que é preciso derrotar o Benfica.
Apelam a todas as forças, chamam todos os ajudantes, clamam por indulgência, invocam cumplicidades... porque é preciso derrotar o Benfica!
Não se sabe bem porquê - nem o explicam - mas há uma agenda secreta com um guião ultraconfidencial das respectivas centrais de comunicação (e avençados) que não quer o Benfica campeão.
Onde, na época passada, habitava a defesa intransigente do melhor treinador do mundo, vive hoje a ataque grátis e infundado contra o Benfica!
Porque todos podem ganhar... menos o SLB!
E é contra essa agenda secreta de comprometidos - constituída em cima de vínculos emotivos ou remunerados - que temos de lutar.
Não basta derrotar os adversários!
Temos, também, de esmagar estas agendas secretas, que têm como único objectivo - como tinham no ano passado - que... não ganhemos!
O verdadeiro motivo?
Vejam os títulos conquistados, nos últimos 3 anos; adicionem-lhe a inveja que sempre tiveram da nossa grandeza, que, mesmo durante os tempos da nossa crise, não conseguiram ultrapassar e superar; juntem-lhe o cumprimento do fair play financeiro da UEFA!!!
Explosivo, não é?
Perceberam, agora, toda esta pressão, todo este criar de casos, esta aliança contra nós?

2. ... Até à olímpica ignorância das ameaças aos árbitros que apitam o Benfica...
Navegando pela net, longe das cartilhas, encontrei no blogue Novo Geração Benfica, um texto de um tal Shadows, em que era referida a situação a que eu próprio aludira na SIC, na segunda-feira passada.
As minhas dúvidas do dia anterior foram transformadas em perguntas concretas.
Afinal... onde há fumo... pode haver fogo!
Então, será verdade que (e cito) «... o árbitro Tiago Martins, que apitou o Moreirense-Benfica, está a ser alvo de intimidação e ameaças de violência por parte de adeptos do FC Porto»?
Sendo notícia - como é - não seria normal que fosse este um dos temas de quem tem programas de desporto na televisão, por exemplo?
Pois devia, mas não foi!
Porque isso não serve para atacar o Benfica... e só isso lhes interessa!
Então não seria obrigatório para quem fala de futebol ter referido e analisado que «... foi ontem divulgado o domicílio profissional de Tiago Martins» numa página ligada expressamente a uma claque de um dos clubes desta santa aliança, contra o Benfica?
Ou o que importa é falar do Samaris (sempre na expectativa de poder não jogar em Alvalade, como se o Benfica, sem ele, passasse a jogar com 10, desde o 1.º minuto), porque só o Benfica dá audiências e dizer mal do Benfica não dá direito a umas bofetadas?
Preocupado com os ataques permanentes ao Benfica, esqueceram (e volto a citar) «... mais um episódio de intimidação a árbitros... Depois de Soares Dias e Jorge Ferreira, também Tiago Martins é ameaçado».
Aqui sim, poderiam perguntar, porque não tomam medidas a FPF ou o IPDJ, para impedir actos de intimidação ou coacção das claques de futebol?
Coragem, ... só contra o Benfica.
No resto, ... o medo, sempre o medo!!!

3. ... Passando pela impunidade do Canelas... Futebol Clube, do Porto
E quando o País (e o mundo... ou... algum mundo) se preparava para aprofundar a discussão sobre a agressão violenta do jogador do Canelas... Futebol Clube, do Porto, ao árbitro José Rodrigues, que resultou numa tripla fractura no nariz - onde acabaríamos, com toda a certeza, a discutir as suas ligações a uma claque e a um clube - eis que os avençados conseguem, com êxito, diga-se, desviar as atenções desse escândalo... mundial!
Desde O Globo que refere que os «... episódios de agressões a árbitros e adversários são recorrentes na trajectória do Canelas», um clube que «... vira líder em Portugal ao assustar adversários, que nem aparecem para jogar», passando pela catalão Sport, que relembrou o «carácter violento da equipa», ou pelo El País, que toca na ferida e menciona que o Canelas «agrupa o líder dos Super Dragões», até à Gazzeta TV que a qualificou como sendo a «equipa mais agressiva da Europa», vamos tendo de tudo.
Lá por fora, porque, por aqui, ninguém se mexe!
Muito menos a Associação de Futebol do Porto (AFP), que sabe que, desde o ano da fundação, em 2010, o Canelas... Futebol Clube, do Porto, tem subido regularmente de divisão.
A não ser que todos os dirigentes dos clubes (12 em 13) que se recusaram a jogar com o Canelas... Futebol Clube, do Porto, sejam todos... do Benfica!
Querem ver???
Ora, por que razão não perguntou a AFP a esses clubes o motivo que os levou a não querem jogar contra o Canelas... Futebol Clube, do Porto, preferindo perder pontos e pagar multas em consequência de não comparência?
Já não falo das carrinhas que foram incendiadas, ou da necessidade de policiamento excepcional nos jogos deles, onde chegaram a estar 3 delegados da AFP!!!
A impunidade - que não acredito que tenha a ver com relações entre advogados e clientes - continua!
Agora, imaginem lá que o capitão de equipa do Canelas... Futebol Clube, do Porto, era o líder de alguma claque do... Benfica!
Lá vinham as virgens do nosso futebol falar, semanas seguidas, sobre isso!
Assim, uns dias na semana, uns minutos nuns programas... e... siga a atacar o Benfica, que é para isso que nos pagam!
Continuo a aguardar uma posição do presidente da AFP.
E, repito, o que disse há uma semana, sobre não o considerar como alguém com medo ou conivente...
E não ser que, com a sua inacção, não dê razões para pensar o contrário!
Porque, se está à espera que o assunto seja condenado pelo tal pequeno jornal electrónico diário que o clube principal dos adeptos dos Canelas... Futebol Clube, do Porto, disponibiliza... então... tem de esperar sentado.

4. ... Para terminar com chave de ouro com a conclusão do canal da equipa principal dos adeptos do Canelas... Futebol Clube, do Porto, sobre o apito dourado!
Mas nada como acabar em beleza.
Ouvi dizer - porque, obviamente, não vejo - que, no canal do clube principal dos adeptos do Canelas... Futebol Clube, do Porto, terça à noite, chegaram à conclusão que o Apito Dourado foi uma ficção montada para prejudicar o Porto.
Disseram-me que foi assim que terminou o Programa.
Está tudo explicado!
Já George Orwell, em 1984... falava destas coisas, ... 1949 (ano em que um despacho ministral do governo do Estado Novo - à força??? - o litígio com a família Andrade, sobre os terrenos do Estádio das Antas)!

Com ou sem cartilha, com ou sem Samaris, com ou sem ameaças a árbitros...
Nos seis jogos que faltam, vamos lá jogar à Benfica.
Rumo ao Tetra e ao trinta e seis."

Rui Gomes da Silva, in A Bola

Inovação queixista

"O Sporting continua a sua caminhada de títulos. De jornal, claro. Queixam-se de tudo contra o Benfica. Do que só a sempre atenta inteligentsia leonina perscruta nos jogos. Ou de palavras de Rui Vitória, que, em Fevereiro (!) se exprimiu de um modo que, na boca de outros, seria elegante. Ou reclamando junto do Instituto para Juventude e Desporto, assim descobrindo a pólvora sobre claques, como se as houvesse boas e más.
Neste ritmo patológico de queixumes, há agora uma inovação. A queixa sobre jogos com terceiros, desde que um seja o SLB. Deve haver leoninos guardiões da moral desportiva ou olheiros de putativas infracções, mais atentos aos jogos do Benfica do que do seu clube.
Por outro lado, oficialmente, ou por via das redes sociais, há sucessivas investidas de funcionários não eleitos, em particular dos chamados directores de comunicação. Tornou-se uma moda, perigosa moda. Já lá vai o tempo em que apenas assessoravam quem tem o direito de falar em nome do clube. Agora debitam por eles, pelos outros e por tudo e nada. Foi também assim que se pôde ouvir hilariante charla sobre cábulas que alguns comentadores benfiquistas usam (depreciando-se, é certo), como se isso fosse virgem e constituísse um crime (nota pessoal: jamais receberia uma palavrinha sequer).
Contra o Benfica, marchar, marchar. Ora agora bates tu, ora agora bato eu. Cá por mim, até acho queé um factor de união dos benfiquistas que, agradecem, penhoradamente, generosas alianças.

P.S. O Benfica - se quiser ser tetracampeão - tem de jogar muito mais do que no domingo. E Samaris merece ser castigado."

Bagão Félix, in A Bola

Como ganhar credibilidade

"Sou cada vez mais defensor do modelo inglês: arbitragem e disciplina fora da Liga e Federação. Veja-se o caso da arbitragem: em 2001 foi criada a PGMO (Professional Games Match Officials Board). Um organismo que reúne 109 árbitros profissionais e 206 assistentes e que responde directamente ao governo. Deste lote, 18 formam o Grupo de Selecção: a nata da nata sem limite de idade - 2 têm mais de 50 anos, 11 com mais de 45 e apenas dois têm menos de 35 - avaliados por uma equipa de ex-árbitros (presidida por Mike Riley), de antigos jogadores e treinadores e com o apoio de um programa informático. As classificações são feitas internamente, sem pressões ou gritarias, e se for necessário que o melhor (Martin Atkinson, por exemplo) apite todos os derbies, fá-lo. Os bons para os grandes jogos. Isto não faz dos juízes ingleses os melhores da Europa, mas faz deles provavelmente os mais credíveis. Porque funcionam como uma bolsa de árbitros ao estilo da NBA: são autónomos.
Comparemos agora com Portugal: um grupo de árbitros em que mais de metade tem menos de 35 anos (está provado que aos 40 é quando eles atingem o auge da carreira), com limite de idade até aos 48, uma série de condicionalismos (só podem apitar três vezes um clube numa volta, só podem apitar um clube se tiverem passadas três jornadas desde o último jogo desse emblema) e permanentemente com a espada de Dâmocles sobre a cabeça consoante os ventos ou as cores dominantes. Culpa dos clubes, que aprovaram os regulamentos.
O que seria preciso mudar? Lei de Bases e regime jurídico da Federação. Empreitada dura. Mas estejamos descansados: confrontado com as 44 agressões a árbitros, o secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Paulo Rebelo, disse há três dias: «Temos de pôr em perspectiva: foram 44 em centro e tal mil jogos».

Fernando Urbano, in A Bola

Devemos aprender com a Champions

"Um olhar atento por estes últimos jogos da Champions. Ver jogar Juventus, Real Madrid, Bayern, Atlético, até o próprio Mónaco. Uma conclusão: falta intensidade competitiva, em todos os momentos do jogo, na acção de ataque e, sobretudo, na acção defensiva às principais equipas portuguesas.
Houve um tempo em que os célebres trinta metros que faltavam ao futebol português nos distanciavam quilómetros das melhores equipas europeias, agora falta-nos intensidade. Claro que há momentos de jogo intensos no futebol nacional, mas a intensidade é intermitente, falta acção constante a ritmo elevado e falta ter a noção de que é preciso mudar a ideia de que a defesa posicional e a marcação tradicional do espaço é suficiente.
Não ponho em causa a qualidade dos treinadores portugueses - era só o que faltava. Ponho em dúvida se pelo facto do futebol, em Portugal, ser tão desequilibrado, se as principais equipas não se viciaram num futebol de picos de ritmo e de intensidade, mas sem uma entrada constante ao jogo, muito especialmente quando a missão é procurar e conquistar a bola.
Por cá, procura-se a bola com paciência dos que esperam pelo erro, em especial, nas zonas de construção do adversário, mas já não é assim. A resposta adequada ao jogo deve ser precisamente o contrário, ou seja, a impaciência em ganhar a bola.
Os grandes jogos, com grandes equipas decidem-se, evidentemente, com jogadores de excepção, como Ronaldo, mas os jogadores que desequilibram são os que mais precisam de equipas consistentes e que fazem os 90 minutos em constante aceleração."

Vìtor Serpa, in A Bola

Lanças... Patetas e Palermas Unidos FC

Benfiquismo (CDXXXVII)

Este penalty não foi assinalado...
e mesmo assim, a Taça foi nossa!!!

Satisfação pela demarcação

"O Sport Lisboa e Benfica registou e manifesta satisfação por ter verificado a forma célere como a instituição Futebol Clube do Porto se demarcou do muito grave e lamentável cântico que ontem se ouviu.
Que este triste episódio, que a todos nos envergonha e que estamos certos em que ninguém se pode rever, sirva para todos reflectirmos sobre as nossas responsabilidades e contribuirmos para parar este clima de tensão.
O desporto e o futebol congrega a paixão de todos os praticantes e adeptos pela alegria e sã competição e rivalidade entre clubes que promove. E são estes os valores que estamos certos todos comungam."

6 Benfiquistas no '11' do SJPF de 2015/16

Os danos da porcaria

"Ultrapassou todos os limites éticos e deontológicos o que se passa em programas ditos desportivos. Falo de alguns da CMTV, mas  infelizmente, não só. É confrangedor ver pessoas respeitáveis no meio de touradas de sangue onde só falta o touro. Ali, o que importa é excitar a discussão pela discussão, dar argumentos de ódio para ouvintes mais propensos à acefalia, repetir imagens de 'enorme importância' vezes sem conta até se ficar nauseado. Há profissionais respeitáveis, é certo, no meio de tudo aquilo. Mas também há os que nem se esforçam um milímetro por serem imparciais como é seu dever deontológico e que se comportam como adeptos, mais parciais que os representantes dos clubes. Os oráculos que se lêem debaixo de ecrãs divididos aparvalhadamente em 3 ou 4 partes são um pré-incitamento à violência, que depois se crítica angelicamente. Dá-se guarida a declarações de energúmenos que são tratados como heróis. E há quem tenha sido afastado por falta de 'capacidade' para incendiário, pois o que importa é atirar acendalhas para cima do fogo tão artificial, quanto teatral. Tudo vale em nome das audiências. Uma vergonha!
O mimetismo é uma doença, por natureza, contagiosa. Se exceptuarmos a RTP 3, bem mais contida, os outros canais afzem por copiar o original. A TVI24, com excelentes jornalistas, deixa-se enlevar por discussões patetas e patéticas, onde tudo se discute menos os jogos. E a SIC Notícias, também com bons jornalistas, é cada vez mais um 'canal de bola'. Inimaginável é a SIC Radical transmitir o Brasileirão de futebol, pervertendo assim todas as regras fundacionais e de licenciamento deste canal Vale tudo!"

Bagão Félix, in A Bola

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Na frente

"Do “clássico” da semana passada resultaram duas evidências. Depois do chamado “jogo do ano”, que iria, ou poderia, decidir o campeonato, o Benfica permaneceu isolado no primeiro lugar. Além desse facto, os encarnados são agora os únicos a depender de si para alcançar o título.
Chegará isto para nos satisfazer? Não!
Queríamos obviamente a vitória, aumentado, com ela, a vantagem para o segundo classificado. E a nossa equipa fez por merecê-la, jogando melhor, dominando a maior parte do tempo, criando várias oportunidades de golo, falhando apenas na concretização – muito por mérito do guarda-redes rival, que, à semelhança do que ocorrera na época transacta, voltou a ser o melhor em campo. Os festejos dos jogadores do FC Porto no fim do encontro são, aliás, bastante reveladores quanto ao alívio que sentiram por não saírem derrotados da Luz.
Este jogo passou, sem a glória que pretendíamos, mas também sem qualquer mácula. Estamos firmes na frente, e temos sete finais para chegar ao ambicionado “Tetra”. Aquilo que a equipa mostrou em tão solene ocasião – desmentindo algum cepticismo que começava a adensar-se em torno dela – dá-nos plena confiança quanto ao caminho que falta percorrer. Temos etapas difíceis, mas todas são para vencer, como, de resto, diante dos mesmos adversários, nos mesmos campos, aconteceu há um ano atrás.
Neste domingo, em Moreira de Cónegos, joga-se mais uma “final”, perante um conjunto que luta vigorosamente para não descer de divisão, e que tem um treinador especializado em tirar pontos aos mais fortes.
Não esperamos facilidades, mas…temos de ganhar. E vamos ganhar!

Luís Fialho, in O Benfica

PS: Os 'clientes' habituais d'O Indefectível devem ter reparado que na última semana não 'postei' aqui os colunas de opinião do jornal O Benfica. Pois bem, normalmente recebo o jornal via CTT, à Quinta-feira e 'posto' aqui no blog na Sexta. Mas esta semana o carteiro ainda não me 'visitou'!!!! Se calhar amanhã vou receber dois jornais...!!! Vamos ver... Os CTT continuam-me a surpreender!!!
Sendo assim, aqui fica a crónica do Luís Fialho, que 'pesquei' no seu blog pessoal!!!