Últimas indefectivações

sábado, 10 de maio de 2014

A vitória final depende exclusivamente de nós...

Candelária 1 - 3 Benfica

No outro lado do 'canal' o Hóquei em Patins do Benfica não desiludiu...
Vitória importante, num jogo onde começamos a perder, chegámos ao intervalo empatados, mas com alguma cabeça, conseguimos dar a volta ao marcador... Desta vez, após o 2.º golo fiquei seguro que a vitória não nos ia fugir, jogámos com calma, e na parte final até controlámos bem o tempo de jogo e a posse de bola. O Trabal acabou por ter um jogo relativamente calmo... Contra uma equipa, que já foi mais forte, mas ainda tem um 5 inicial com nomes de respeito, mas falta-lhes banco...
Independentemente do que acontecer amanhã em Oliveira de Azeméis (os Corruptos vão lá...), vamos ficar na frente, a 3 jornadas do fim, continuamos a ter esperança!!! Fica a faltar: Corruptos fora; Valongo na Luz; Braga fora. Os Corruptos na última jornada vão a Valongo. E o Valongo ainda recebe a Oliveirense. Portanto tudo em aberto, numa altura onde a equipa do Benfica parece finalmente estar a jogar com segurança...!!! Neste momento, estou estranhamente confiante, só tenho receio dos apitos!!!

Vitória...

Sp. Horta 25 - 41 Benfica

Na noite em que duas equipas do Benfica jogam nos Açores, não muito longe uma da outra (só o canal pelo meio!!!), calhou ao Andebol jogar no Faial, e cumpriu a obrigação vencendo com muitos golos...
Num Sábado com alguns desaires, finalmente boas notícias vindas dos Açores!!!

Nem a feijões !!!

Corruptos 2 - 1 Benfica

Num jogo a feijões, onde o Benfica utilizou vários jogadores menos utilizados, inclusive alguns jovens da equipa B, o facto mais relevante, para mim, tem que ser a forma como tanto Danilo (aos 10 minutos devia estar na rua, depois de uma simulação de penalty e uma falta grave sobre o André Gomes!!! E depois ainda teve tempo de agredir o Marko, empurrar o Enzo, entre muitas outras faltas...), como Alex Sandro (agressão barbara ao Salvio...) terminaram o jogo somente com 1 amarelo cada!!! Nestes últimos 4 jogos entre o Benfica e os Corruptos, jogados no último mês (praticamente), assistimos a um festival de agressões a jogadores do Benfica, e o resultado foi sempre o mesmo: impunidade!!! Para quem defende que o Sistema está decrépito, não viu de certeza estes 4 jogos. Onde o Benfica, em dois deles, joga 1 hora, com 10 jogadores, e jogadores como Danilo, Alex Sandro (Fernando entre outros...) conseguiram terminar todos os jogos, sem terem levado um único cartão Vermelho!!! Verdadeiramente extraordinário...!!!

Entrámos mal, com pouca intensidade, os Corruptos como de costume levaram uma dose de cavalo da amarelinha, entraram com tudo, e marcaram um golo... Quando o 'efeito' começou a passar, o Benfica subiu um pouco, e 'ganhou' um penalty (o primeiro desde 1997, o 2.º em 35 anos!!! O de 97, tal como hoje, foi num jogo a feijões!!!)... pouco depois, tivemos um momento à Jardel do Jackson, e penalty inventado contra o Benfica (independentemente das repetições, e das intensidades... este é daquele tipo de penalty's, que os árbitros nunca marcam...)... e golo dos Corruptos, que acabou por ser o golo da vitória corrupta.

O Benfica na 2.ª parte, equilibrou o jogo, mesmo com os miúdos, o efeito da 'pastilha' ia passando, mas tivemos mal finalização: enviámos uma bola ao poste, e tivemos pelo menos 3 pontapés estilo '3 pontos para o País de Gales', quando se pedia um pouco mais de calma...

Pessoalmente, a minha expectativa para este jogo, baseava-se em descortinar quais seriam as opções do Jesus para Turim: para o lugar do Enzo, e para as alas. Infelizmente, ainda fiquei mais confuso!!! Se a aposta para Turim, vai ser o André Gomes ou o André Almeida, não fez muito sentido obrigá-los a jogar 90 minutos hoje. Não é impeditivo, mas não havia necessidade de arriscar... Assim, apesar das palavras do Jesus, ontem e hoje no final da partida, sou obrigado a duvidar da indisponibilidade do Fejsa. Será que o Jesus está a fazer bluff, com o sérvio?!!! Será que o Fejsa tem ritmo, para jogar uma Final da Liga Europa?!!! Sinceramente não sei... Em relação ao substituto do Marko/Salvio, tudo ficou em aberto: o Sulejmani está tocado, portanto hoje nunca seria opção, e o Cavaleiro acabou por ser o 1.º a ser substituído, portanto pode também ser opção... Fazendo de treinador de teclado, em Turim, jogava com o André Gomes, e com o Cavaleiro, mas isso sou eu...!!!

Além da estreia no Campeonato do Steven, hoje o Cancelo, o Lindelof e o Bernardo tiveram a oportunidade de se tornarem Campeões Nacionais, com minutos de 'campo'. Se a oportunidade ao Bernardo peca por tardia, a prenda ao Lindelof é muito merecida, nem que seja pela forma empenhada como o sueco joga todas partidas... mas muito sinceramente, discordo da oportunidade dada ao Cancelo. Reconheço talento, mas não lhe reconheço trabalho, nem evolução. Outros jogadores do plantel da equipa B, mereciam esta prenda... o Cancelo, na minha opinião não merecia. Compreendo que é um jogador facilmente valorizado pelo empresário e pela imprensa, e que assim até pode dar ao Clube um bom encaixe financeiro, mas...

Perder nunca é bom, mas o mais importante hoje, era ninguém se lesionar, e ninguém ser expulso, para a Final do Jamor (tenho bilhete: obrigado Tio!!!)

Evitável !!!

Sampaense 90 (1) - (2) 88 Benfica
27-15, 20-31, 17-17, 16-17, 10-8

Sinceramente não se compreende estas 'brancas'. Depois das facilidades na Luz, a equipa do Benfica (treinadores e jogadores) tinha a obrigação de saber, que o adversário a jogar em casa, ia dar tudo para rectificar a imagem dos jogos da Luz... e entramos no jogo a perder por 8-0... e no início do 2.º período chegámos a ter uma desvantagem de 19 pontos (por duas vezes: 34-15; 37-18)!!! Até ao intervalo, recuperámos e terminámos somente a 1 ponto (47-46).
Quando se pensava que o mais difícil estava feito, voltámos a entrar mal na 2.ª parte. Permitimos nova vantagem, grande, para o adversário (56-46)... voltámos a recuperar, no início do último período estava (64-63).
O 4.º período foi equilibrado, mas chegámos a passar para a frente, e tivemos mesmo o lançamento para vencer o jogo nos últimos segundos, mas a bola não entrou... No prolongamento, voltámos a liderar, tivemos um ataque para pelo menos empatar, mas voltámos a desperdiçar!!!

Espero que a exibição e a atitude sejam rectificadas amanhã, não havia necessidade de um 4.º jogo, contra uma equipa que joga basicamente com 6 jogadores!!!

Juniores - 14.ª jornada - Fase Final

Romário Balde
Corruptos 2 - 1 Benfica

Esforço inglório. A maior frustração ao perder este Campeonato, reside no facto do Benfica ser claramente a equipa mais forte em prova, mas o péssima atitude na 1.ª jornada, perante o Leixões (no Seixal), e o empate da semana passada em casa frente ao Sporting, acabaram por ditar o 2.º lugar no Campeonato.
Não dou o parabéns ao Braga, porque os seus adeptos e dirigentes não o merecem... Hoje, no antro Corrupto, voltámos a ter cenas terroristas, junto do banco do Benfica, com o jogo a decorrer!!!
O único ponto positivo que posso encontrar neste resultado, está na possibilidade do ego individual de alguns dos nossos jogadores, diminuir um pouco com esta desilusão!!!

ADENDA: A confirmação está aqui nesta notícia do Nojo. Durante o jogo a claque organizada dos Corruptos, esteve mesmo atrás do banco do Benfica, e diz quem viu, foi o habitual festival da pouca-vergonha com a passividade da autoridade. Explica-se assim o PorcoKanal não ter transmitido o jogo!!! Já no jogo em Braga assistimos a cenas parecidas!!! Estamos a falar do Campeonato de Juniores!!! Dentro do campo, parece que o árbitro também foi na onda, tudo normal...!!!

Braga..............31
Benfica..........30
Sporting..........27
Corruptos........24
Oeiras............13
Leiria..............12
Leixões...........9
Guimarães-......9

Toni, Príncipe da Pérsia

sexta-feira, 9 de maio de 2014

Época excelente e inolvidável

"Ao ganhar a Taça da Liga, em Leiria, o Benfica de Jorge Jesus cumpriu mais um objectivo desta época. Ao ganhar a Taça da Liga sem derrotas, sem golos sofridos, num estádio cheio de adeptos, em clima de festa, o Benfica cumpriu o objectivo de forma brilhante. Alma a classe e de Luisão ao convidar Sílvio para levantar a Taça em Leiria, revelador do estado de união e espírito de grupo. Quando alguém cai é levado ao colo, porque são precisos todos os heróis, porque as vitórias são de todos e para todos. Onde os nossos adversários vêem fantasmas, nós vemos azia, mas contra isso nada se poderá fazer. O ridículo de considerar pouco chegar a uma final, para quem não conseguiu lá estar, é por si só revelador do estado de alma do segundo maior clube português, o anti-Benfica. (reúne várias tendências com especial incremento na área dos invejosos)
Para quarta-feira, na final da Liga Europa, o Sevilha é claramente favorito. Primeiro porque nos últimos anos ganhou duas vezes e prova, depois porque o Benfica tem praticamente o meio campo todo dizimado. Não ter um jogador importante é grave, não ter dois é muito grave, não ter quatro é dramático. Fejsa, Markovic, Salvio e Enzo é muita baixa para a final de Turim. Imaginem o Real Madrid a jogar sem Ronaldo, Bale, Alonso e Di Maria. Era favorito na Liga dos Campeões? Vamos a Turim para ganhar, mas não somos nada favoritos. Aliás é contra equipas espanholas, e quando não somos favoritos, que costumamos ganhar finais. Espero ter Eusébio a tratar de Bella Guttman, enquanto Jorge Jesus tratará do resto com os valentes disponíveis para Itália. Qualquer que seja o resultado dos dois jogos que faltam, esta época será excelente e inolvidável. Agora estamos só a tratar de um detalhe, fazer a melhor de sempre da nossa história. O resto é azia ou inveja. Há... mas não é bonito."

Sílvio Cervan, in A Bola

O jogo da nossa vida

"Não cheguei a tempo de ver Eusébio, Coluna ou José Águas. Nem a minha, nem as gerações posteriores – nem mesmo as imediatamente anteriores – viram o Benfica erguer um troféu europeu, excepto em fotografias ou vídeos, quase sempre a preto e branco.
Recordo, sim, o amargo empate caseiro com o Anderlecht em 1983. Recordo, também, o fatídico penálti de Veloso, e as lágrimas incontidas em 1988. Recordo, ainda, o super-Milan de 1990, e o golo de Rijkaard que nos liquidou a esperança. Tenho bem presente o terrível Maio de 2013, que por enquanto ainda me vai atormentando a alma. De finais perdidas, penso já ter a minha conta.
Na próxima quarta-feira, em Turim, o Benfica tem nova hipótese de desafiar a história, e de enterrar velhos fantasmas. Acredito que não seja a última. Mas esta tem a singularidade de nos fazer acompanhar de algum favoritismo. Ou, dito de outro modo, de participar numa final europeia, não para a jogar, mas sim para a ganhar.
Ninguém pense, todavia, que as favas estão contadas, e os noventa minutos se resumem a uma formalidade prévia à entrega da taça. Lamento, mas é preciso lembrar que podemos perder. Trata-se de um jogo, contra uma excelente equipa, formatada à medida de uma das mais competitivas ligas do mundo, transportando um sonho igualzinho ao nosso. Também eles ficaram felizes ao ver a toda-poderosa Juventus eliminada da “sua” final. Também eles estarão optimistas. E, já agora, foram eles que venceram este mesmo troféu em 2006 e 2007. Tenho a certeza que os nossos profissionais estão despertos para toda a envolvência competitiva e emocional da ocasião. Sabem aquilo que ela representa, quer para eles, quer para o universo benfiquista. Conhecem os seus limites e as suas potencialidades.
Precisamos também que a sorte - que tão mal nos tratou há um ano atrás - queira, desta vez, recompensar-nos com a dose que sempre alimenta os campeões.
Se tal acontecer, far-se-á história. E 14 de Maio de 2014 será então o dia pelo qual esperámos uma vida inteira."

Luís Fialho, in O Benfica

Força mental e muitas 'ganas'

"Não faço a mínima ideia se o Benfica vai mesmo fazer o poker. O que posso afirmar é isto: estou como Nuno Espírito Santo no que diz respeito à final da Liga Europa, pois tudo o que sejam vitórias do futebol português no estrangeiro contribuem para que os dividendos sejam maiores. Já no que diz respeito à final da Taça de Portugal... tenho o meu pressentimento e fico-me por aqui. Mas, pode questionar, e bem, o leitor, para quê este palavreado? Para abrir caminho ao que pretendo escrever sobre Jorge Jesus, o meu «mestre da táctica» desde 9 de Dezembro de 2005, altura em que fez o favor de me conceder uma entrevista, era então treinador da União Leiria, como se pode confirmar nas páginas de A BOLA e contraria em absoluto o que já vi por aí escrito. Jorge Jesus, para lá dessa qualidade indiscutível e determinante no futebol - ser mais inteligente, arguto e espertalhão no arquitectar dos planos de jogo - é também o grande responsável pela enorme força mental que a equipa encarnada tem evidenciado. Independentemente dos múltiplos esforços a que tem sido sujeita. Como me dizia um grande amigo meu na noite do triunfo em Leiria, as pernas até podem vacilar, mas desde que a cabeça esteja fresca... as ganas fazem o resto. Terá sido assim, aliás, que Jorge Jesus revitalizou o chip e colocou a equipa no trilho dos triunfos reerguendo vigorosamente uma nação que ficou em cacos no final da última época. E é por isso, também, por força dos seis títulos conquistados na Luz (seis!!!), que me permito fazer uma brincadeira, na despedida do presidente da Liga: a Taça da instituição podia passar a chamar-se Taça Jorge Jesus, pois sempre são quatro triunfos.

Por falar em treinadores, o FC Porto já resolveu o seu problema, fala-se que Espírito Santo vai para o Braga, que Couceiro regressa à Rússia e que se Leonardo Jardim deixar Alvalade... alô Marco Silva. Será?"

José Manuel Freitas, in A Bola

A senhora e os lacaios

"1. Há mais de vinte anos que se instituiu nos jornais e nas televisões a moda do PIM-PAN-PUM. Escolhem-se mais ou menos a dedo (e são quase sempre os mesmos) meia dúzia de figurinhas menores da sociedade que, agitando um canudo de médico, de advogado ou de director de «jornal de referência», se sujeitam a gritar como carroceiros, a insultar-se como frequentadores de tabernas a cuspir banalidades em defesa do seu clube em troca de belas maquias.

2. É triste o PIM-PAM-PUM escalamistrados adeptos de Benfica, Sporting e FC Porto (por esta ordem só porque o Pum encaixa por razões históricas recentes melhor ao respeitável clube nortenho), mas reconheça-se que ao que toca aos adeptos do PUM há uma directiva que os faz escrever e dizer ao mesmo tempo precisamente as mesmas coisas, algo que dá destaque à sua vontade de serem obedientes.

3. A Velha Senhora defrontou o Benfica e não faltou quem quisesse comparar um com o outro, embora o Benfica não tenha equipamentos às riscas nem se tenha envolvido num sem fim de escândalos e tranquibérnias como a velhinha italiana, seu treinador e muitos dos seus dirigentes.

4. E a rapaziada do PUM escandalizou-se em matilha: «Ah! Também nos quiseram fazer descer de divisão! E tirar-nos da Europa! Sevandijas! Gente de pouca fé!» Pois... A Juventus equipa às riscas e vive envolta em trampolinices. Mas em Itália a Justiça funciona e não há herculanos. Uma com maiúscula, os outros com minúsculas."

Afonso de Melo, in O Benfica

Um «pormaior»

"1. O nosso presidente tem sido muito elogiado por ter mantido a confiança em Jorge Jesus no final da infeliz época passada. Justíssimo. No entanto, considero essa sua decisão de há quase um ano um pormenor (ou, antes, um... 'pormaior') no meio de uma acção que venho louvando há vários anos, ao ponto de já aqui ter considerado Luís Filipe Vieira como o melhor presidente do Clube desde Joaquim Bogalho, há 60 anos. Não é (apenas nem principalmente) pelos êxitos do futebol - deste ano e dos anteriores - que devemos apreciar a actuação de um presidente. Ao longo dos anos e começando não do zero mas do menos muitos (primeiro houve que salvar o Clube e neste campo Manuel Vilarinho não pode ser esquecido), a acção de Luís Filipe Vieira foi assinalável, do Estádio e do Centro de Treinos à Benfica TV e ao Museu, passando pelo apoio às modalidades. Os êxitos do Futebol são a cereja no topo do bolo.
Outro grande vencedor da época é Jorge Jesus. 2013 foi um ano de azares. Com uma pontinha de sorte, apenas ma pontinha, teríamos sido campeões nacionais e vencedores da Liga Europa. Creio que tirou ilações importantes e mudou bastante esta época. Terá apontado o pico da forma para mais tarde (e não logo para o início das épocas como anteriormente) - e isso ter-nos-á custado uns pontos na fase inicial do campeonato - e aplicou uma forma de jogar mais reservada e menos desgastante, porventura menos entusiasmante também. Além disso, fez uma maior rotação entre os jogadores, aproveitando o excelente plantel que temos (e que ele potenciou). Resultado: chegámos à altura crucial da época em grande plano, ganhámos jogos com dez (e até com nove!) jogadores, substituímos alguns elementos considerados importantíssimo sem que se dê conta (espero que a final de Turim seja disso mais um exemplo).
Esperemos que as três finais (escrevo antes da Taça da Liga) nos tragam ainda mais alegrias..

2. O nosso Voleibol 'antecipou-se' às demais modalidades e já conquistou o título nacional desta época, repetindo idêntico feito da temporada anterior. O jogo só terminou quando se disputava a 1.ª parte do Benfica - V. Setúbal e foi pena que o feito não tivesse sido de imediato (ou, o mais tardar, ao intervalo) divulgado no Estádio, nomeadamente através dos painéis electrónicos, já que a instalação sonora continua inaudível em vários pontos."

Arons de Carvalho, in O Benfica

Grandeza

"No momento em que o Campeão voltou, a mensagem do Presidente Luís Filipe Vieira foi muito clara e assertiva: «Os jogadores não são campeões sem um bom treinador; o treinador não ganha campeonatos sem o suporte da direcção; a direcção não garante títulos sem o apoio do Benfica. E o clube? O clube não é nada sem os sócios».
E está assim lançada a campanha para a filiação de novos sócios do Sport Lisboa e Benfica, com o objectivo de chegar aos 300 mil associados. A meta parece muito ambiciosa mas o Benfica tem alma, coração e genica para lá chegar. Actualmente o Benfica é já uma comunidade de cerca de 250 mil associados e nenhum clube se lhe assemelha em Portugal - na Europa e no Mundo também não deve ser vulgar um tal universo.
Luís Filipe Vieira dá a face por esta campanha, lançada em cima de um assinalável sucesso desportivo. Vieira dirige o Clube com os sócios, antes de mais porque no Benfica os sócios elegem de facto o Presidente. Os desígnios do Clube, para serem alcançados, exigem a legitimidade que o sufrágio dos sócios confere. Depois porque o Benfica é uma sociedade transparente que o contribui com uma percentagem da quotização do Clube para o financiamento da SAD.  Mais sócios para o Benfica significam mais força e mais meios para um projecto de Clube vocacionado para vencer.
Esta é a verdadeira grandeza do Benfica: a soma do número de sócios pode recontar-se mas o querer de todos os Benfiquistas é algo incomensurável. O Benfica é a soma de todos os Benfiquistas mais o potencial que a união de todas as vontades acrescenta. Vamos então responder a este desafio e trazer mais Benfiquistas para a associação desportiva, cultural e social que é o Sport Lisboa e Benfica. O Campeão. O Glorioso."

João Paulo Guerra, in O Benfica

Dos Sócios

"Ser sócio do Benfica não é, obrigatoriamente, um atestado de amor ao Clube (muitos dos mais acérrimos benfiquistas que conheci não eram sócios). É, antes, oficializar uma relação de amor. É neste momento de euforia pelo presente e optimismo no futuro que surge uma interessante campanha de captação de novos sócios para o Benfica. O amor incondicional, a generosidade dos benfiquistas, o apelo do benfiquismo e a missão de ajudar o Benfica a crescer é, certamente, um desígnio a que saberemos responder. Como sócios, participamos mais activamente na vida do Clube e ganhamos uma legitimidade extra para podermos ser exigentes para com os profissionais que servem o Benfica.
Como sócios, pedimos aos profissionais do Benfica que sejam competentes no seu espírito de missão, na mesma medida em que os profissionais pedem aos legitimamente amadores (aos que amam) que participem, apoiando, na vida do Clube. Assim, é essencial que os profissionais que servem de apoio aos sócios acompanhem os excelentes níveis de desempenho que observamos nos outros sectores do Clube e que não repitam demonstrações de amadorismo como as que testemunhámos na organização da venda de bilhetes para a Final da Liga Europa. É nesta exigente e apaixonante relação de pertencer ao que nos pertence que se vive o Clube. É nesta medida que se percebe a mensagem repetida e vivida permanentemente pelo presidente Luís Filipe Vieira de que o Benfica é dos benfiquistas e de que são os sócios a pedra angular do nosso Clube. Nesta cultura benfiquista de nos darmos na medida do que pedimos, chegaremos aos trezentos mil sócios, numa demonstração ímpar de oficialização do amor pelo Benfica."

Pedro F. Ferreira, in O Benfica

UEFA open day !!!


A UEFA tem muitas coisas parvas, mas esta é uma boa ideia. Assim hoje, tivemos vários jogadores a falar à comunicação social: Lima, Nico, Maxi, André Gomes, André Almeida e o Sulejmani... além do Jota Jota.

É sempre bom recordar... a caminho do Turim, por caminhos já antes trilhados:

Regimes e apitos...!!!



Esta é uma das discussões mais absurdas que se pode ter sobre o Futebol português, então quando é um Lagarto a discutir comigo (a tentar...) este assunto, tira-me do sério!!!
As comparações são sempre subjectivas, mas quando um Lagarto defende tal parvoíce, só é comparável, quando os Nazi's dos nossos dias, argumentam que o Hitler foi o maior defensor dos Judeus durante a II Guerra Mundial!!! Por mais exagerado que esta comparação possa parecer, é justa... A única diferença, é que nenhum Nazi tem o descaramento de defender tal coisa!!!
Os Corruptos também não se podem queixar muito do Regime (a um nível bastante diferente do Sporting...), foram muitas as figuras sinistras que os defenderam nas instâncias do Futebol e do Governo. Mas estes, com menos influência real, e mais lambe-botismo militante!!!

O SL Benfica foi sempre considerado o Clube do Povo, foi sempre a instituição mais rebelde, o símbolo da Democracia e das eleições livres em Portugal foi sempre o Benfica. O activismo politico de vários dos nossos dirigentes, nunca teve paralelo nos outros clubes, nunca...
A única coisa que me irrita mais (das acusações infundadas dos Lagartos e dos Corruptos), são os Benfiquistas, que deixam sem resposta, como que envergonhados, os mentirosos dos Lagartos e Corruptos... A ignorância, é um crime, que os Benfiquistas do passado, não merecem.

O futuro...

quinta-feira, 8 de maio de 2014

De Turim a Leiria passando por Lisboa

"Foi importante para o Benfica experimentar a ousadia alheia para lhe saber dar a volta. Não há benfiquista que não veja na vitória de ontem uma espécie de balanço para o que aí vem.

ONTEM, na primeira parte perdi a conta aos pontapés de canto a favor do Rio Ave. Mas acabou por ser o Benfica quem foi para descanso a ganhar graças a Rodrigo e ao seu golo do costume a poucos minutos do intervalo. Na segunda parte houve menos Rio Ave e mais Benfica, que voltou a marcar graças a Luisão e a uma bonita tolada a um quarto de hora do fim.
Resumindo: o Benfica conquistou em Leiria frente a um valoroso Rio Ave a sua quinta Taça da Liga e somou ao título de campeão, reconquistado há coisa de duas semanas, mais um título oficial.
Acresce, em louvor dos vencedores, que em todo o seu percurso até à final de ontem o Benfica não sofreu um único golo nesta edição da Taça da Liga.
Concluindo: estamos contentes.
Os dois finalistas de ontem vão voltar a encontrar-se daqui a semana e meia no Jamor para a final da, desta vez, Taça de Portugal.
Penso que poderá ter feito bem ao Benfica, tendo em conta o que se avizinha, aquele início guerreiro do Rio Ave que pôs em sentido a equipa favorita durante grande parte do primeiro tempo. Contar com facilidades é sempre um erro e foi importante para o Benfica experimentar a ousadia alheia para, depois, lhe saber dar a volta como acabou por dar.
Não há benfiquista que não veja na vitória de ontem uma espécie de tomar balanço para o que aí vem. Por isso a celebrámos com muito encanto.

COM toda a franqueza não valia a pena mas já veio pedir públicas desculpas o aspirante a Pedro Mendes (não confundir com o verdadeiro Pedro Mendes a quem os adeptos do Tottenham chamavam rocket man) jogador do Sassuolo de Itália (não confundir com o Sassoeiros de Carcavelos) a quem a qualificação do Benfica (esse mesmo!) para a final da Liga Europa provocou uma fortíssima reacção alérgica.
Disse o jogador do Sassuolo que não pretende ofender ninguém e que só por ser um defensor acérrimo da qualidade dos jogadores portugueses (e quem é que não é?) se lembrou de protestar contra o exíguo número de compatriotas seus (e nossos) na equipa do Benfica que venceu a Juventus na Luz, há quinze dias, e na equipa do Benfica que empatou com a Juventus em Turim, na semana passada.
Está no pleno direito de se indignar. Nesta meia-final que disputou tão brilhantemente com os tricampeões de Itália, é verdade que o Benfica (esse mesmo!) «apenas» utilizou quatro jogadores portugueses.
Ivan Cavaleiro é um produto da formação do Benfica. Rúben Amorim começou também no Benfica mas foi no Restelo que fez grande parte da escola. André Gomes é um produto das escolas do FC Porto onde não lhe viram grande potencial. André Almeida, tal como o próprio Pedro Mendes, passou pelas escolas do Sporting mas, ao contrário de Pedro Mendes que foi parar ao honrado Sassuolo, André Almeida acabou por vir parar ao Benfica e não deve estar nada arrependido.
São poucos portugueses? São os que se conseguiram arranjar. E são bons, muitos bons.
Tendo até em conta que o Benfica, há coisa de uma década, fechou as portas à sua formação, dá-nos grande alegria estas presenças efectivas de compatriotas nossos (e do Pedro Mendes) na equipa que acabou de reconquistar o título nacional e de se apurar para uma final europeia.
E ainda há mais um português campeão pelo Benfica em 2013/2014. Trata-se do veterano guarda-redes Paulo Lopes que jogou no domingo passado contra o Vitória de Setúbal. É verdade que foram só 90 minutos num campeonato inteiro mas inteiramente merecidos para este nosso compatriota que, com uma grande pinta, se empoleirou na trave da baliza do topo Norte do estádio da Luz consumado o título no jogo com o Olhanense.
Por isso mesmo Paulo Lopes é hoje um jogador português invejável. Porque é campeão. Pelo Benfica.
No Sassuolo, por exemplo, há mais italianos do que estrangeiros que são só seis. Ele próprio, Pedro Mendes, e mais cinco, um brasileiro, um romeno, um ganês, um paraguaio e, finalmente, um suíço a quem Pedro Mendes trata por «relógio de cuco» na brincadeira, isto sem o querer minimamente ofender.
No dia em que Pedro Mendes jogar uma final europeia pelo Sassuolo, e que não demore esse dia a chegar, não venha nenhum jogador italiano, muito patriota e indignado, achar que é uma vergonha. Porque não é. Longe disso.

JOGOS na Luz, agora, só na próxima época. O Benfica de 2013/2014 fez o seu último jogo em casa no domingo e completou invicto o seu calendário no domicílio. Dizem os jornais que um percurso destes, limpo, não acontecia há vinte anos. na verdade, foram vinte anos que custaram muito a passar.

ONTEM, em Leiria, Rúben Amorim ia marcando um belo golo de cabeça mas a bola saiu um bom bocado por cima da trave. Fica para a próxima, Rúben Amorim.

FAZ hoje uma semana que o Benfica foi a Turim jogar, empatar e passar a eliminatória. Confesso sem pudor que de todos os resultados possíveis para que o Benfica eliminasse a Juventus o 0-0 foi aquele de que nunca me lembrei poder acontecer.
Mas aconteceu.
Cinco minutos depois do árbitro ter dado por findo o jogo em Itália não houve estação de televisiva que não estivesse em directo da praça do Marquês de Pombal apelando aos adeptos do Benfica por uma ajuda na guerra das audiências que travam entre si. Apareceram alguns, não muitos, sendo o grosso da festiva barulheira entregue aos automóveis que circulavam no local. E mais as respectivas buzinas.
Parece-me bastante incorrecto à laia de acusação de fanfarronismo, afirmar-se que os benfiquistas invadiram o Marquês na noite da última quinta-feira quando, falando verdade, quem invadiu o Marquês foram as câmaras e os repórteres na ânsia, muito legítima, de mais uma noite de grandes audiências à pala do Sport Lisboa e Benfica.
Os benfiquistas andam contentes pela simples razão de que têm razões para isso. No entanto, a alegria do Benfica não precisa das televisões para ser grande. Já no contrário não se pode dizer o mesmo.

NO último fim de semana e no que diz respeito às competições internas, nenhuma das quatro equipas apuradas para as duas finais europeias da UEFA logrou ganhar os seus respectivos jogos para os seus respectivos campeonatos.
Os empates do Benfica e do Sevilha não fizeram mossa nem a um nem a outro. Ambos têm as suas situações bem definidas na Liga e em La Liga.
Já a derrota do Atlético de Madrid só não foi absolutamente catastrófica para as suas legítimas pretensões ao título espanhol porque o Real Madrid (o outro finalista da Liga dos Campeões) e o Barcelona (o outro candidato ao título) empataram os seus jogos.
Simeone, na tentativa de manter a chama acesa, disse que a derrota com o Levante foi «a melhor coisa que podia ter acontecido» ao Atlético de Madrid porque assim a festa final «vai ser mais divertida». Gabo-lhe a coragem de proferir uma sentença tão ousada e que lhe poderá valer um eterno ridículo caso as coisas não lhe corram bem.

GOSTAVA de ver Steven Vitória jogar no sábado no Porto para, também ele, poder ser legitimamente campeão nacional. Merece inteiramente. E tem de ser titular. Depois até pode ser expulso aos dois minutos do jogo mas a verdade é que esse dois minutos já ninguém lhe tira. Nem a ele nem a nós."

Leonor Pinhão, in A Bola

A primeira das três, já está!

"O Benfica conquistou ontem a sua quinta Taça da Liga, num total de sete edições realizadas (Vitória de Setúbal e Sporting de Braga foram os outros vencedores) e triunfou na primeira das três finais que terá de disputar num espaço de semana e meia: a segunda na quarta-feira, em Turim, com o Sevilha (Liga Europa), e a terceira, quatro dias depois, no Jamor, outra vez com o Rio Ave (Taça de Portugal).
Em Leiria, vitória merecida do Benfica, embora dificultada e valorizada por um Rio Ave que se assumiu como finalista de corpo inteiro: ciente dos seus limitados argumentos diante de adversário de classe superior, mas sério e destemido. Não se assistiu, por isso, a um jogo de sentido único. Pelo contrário, Nuno Espírito Santo preparou bem a sua equipa, tendo obrigado os jogadores benfiquistas a intensa aplicação e advertiu que mais problemas poderá criar na tarde da festa do futebol, dia 18, no Estádio Nacional.
Em conclusão, novo troféu para o emblema da águia, sabendo-se que a história dos grandes clubes se enriquece apenas com títulos. A primeira já está!

(...)"

Fernado Guerra, in A Bola

Taças

"Estando a acabar os campeonatos seguem-se as taças, para depois se iniciar a nova época com mais taças. E, pelo meio, a taça mais desejada a nível mundial a disputar no Brasil.
Por cá, a curiosidade de as taças (três: da Liga, de Portugal e Supertaça) só passarem por dois clubes: um esperado, o Benfica, e outro, inesperado mas merecido, o Rio Ave. Onde a lei das probabilidades ditará se, no fim, vai ganhar o ditado popular 'não há duas sem três' ou o alternativo 'à terceira é de vez'.
O tacismo do Benfica é caso único, ao que julgo: em jogos oficiais seguidos (retirando apenas o burocrático jogo de sábado no Porto) tem quatro finais, e até chegará às cinco se vencendo a Liga Europa atingir a Supertaça Europeia.
Às vezes que pergunto-me que hierarquia têm no meu benfiquismo estas quatro taças que, desde já, o SLB está a disputar. Racionalmente até consigo ter uma resposta: por ordem decrescente, Liga Europa, Taça de Portugal, Supertaça, Taça da Liga. Mas, emocionalmente, tenho mais dificuldades. Taça é taça, vitória é vitória, desaire é desaire. Este ano, jogar a feijões só  mesmo no sábado, não por desrespeito pelo adversário mas - ironia das ironias - por o associar ao mar da tranquilidade depois do lunar pesadelo do minuto 92 da época transacta, curiosamente também na véspera de uma final europeia.
Quanto ao resto, estou com Jorge Jesus: fantasmas é ficar pelo caminho. Ainda que para o Benfica o caminho tenha que passar pela vitória final. Porque as finais são para se ganhar, jogue-se bem ou mal. É o que fica para a história e para as, agora tão reclamadas, estatísticas.
A primeira já está. Sem sofrer golos em qualquer dos jogos."

Bagão Félix, in A Bola

Fé no pau...!!!

O 5.º "Caneco" em 7 possíveis, mas ainda não acabou !!!

Benfica 2 - 0 Rio Ave

O Rio Ave acabou por surpreender o Benfica tacticamente, tal como o seu treinador tinha insinuado ir fazer... tivemos dificuldade em encaixar as marcações durante a 1.ª parte, e por isso, o Oblak fez na minha opinião o seu melhor jogo com a camisola do Benfica. Na 1.ª parte, até acho que teve mais trabalho do que em Turim!!! A estratégia do Espírito Santo, não é nova, mas com praticamente 3 semanas para preparar este jogo, conseguiu mecanizar a equipa, para aproveitar as costas dos nossos laterais, com várias combinações, em ataque planeado, ou em contra-ataque, mas sempre a obrigar os nossos Centrais a duelos nas laterais com jogadores mais rápidos...
Mas ao intervalo tudo mudou, os posicionamentos foram rectificados, o Rio Ave foi perdendo gás, mesmo com a substituição dos dois avançados Vilacondenses (obrigados a uma pressão enorme, sobre a nossa defesa, desde do 1.º minuto!!!), o Oblak não voltou mais a ter trabalho!!! Não creio que o golo do Rodrigo, mesmo a fechar a 1.ª parte, tenha influenciado a 2.ª parte, muito mais importante foi a melhor capacidade de demonstrámos a recuperar a bola rapidamente...
O jogo só não foi resolvido mais cedo, devido à ineficácia dos nossos jogadores... sendo que o Lima, já com 2-0, acabou por fazer o impossível: praticamente em cima da linha de golo, 'rematou' para trás!!! O passe foi um pouquinho atrasado, mas o Lima tem que verificar os 'travões'!!!
Para mim, o Rodrigo estava a ser o nosso pior jogador até ao golo!!! Mas, depois melhorou... agora, defensivamente, o Rodrigo é incansável nas compensações aos colegas. Do Oblak já disse tudo: muito bom. O Luisão e o Garay tiveram muitas dificuldades no início do jogo, foram obrigados a fazer muitas faltas, algo que raramente acontece, mas com o meio-campo a rectificar as marcações, os Centrais acabaram por fazer um grande jogo... O Siqueira começou muito mal, a ser 'comido' nas costas, várias vezes, mas lá acabou por compreender o sistema adversário... O Maxi, fez mais um jogo incansável... mesmo assim, continuo a pensar que o Maxi podia defender-se um pouquinho mais, já que às vezes anda a fazer 'piscinas' sem necessidade nenhuma... e depois, obriga o Luisão a trabalho redobrado.
O Rúben e o  Enzo, viram a bola passar-lhes ao lado no arranque do jogo, mas à medida que o Rio Ave foi perdendo gás, os nossos dois patrões do meio-campo, acabaram por pegar na bola, e fazer uma grande partida...
Ver hoje o Markovic a recuperar bolas, no lado contrário... é maravilhoso. Independentemente do talento que o Sérvio tem, a maneira como se transformou num jogador colectivo, é mais um milagre do Jesus... O Nico acabou por fazer um jogo discreto, e falhou uma das nossas grandes oportunidades... Neste momento, com todos os impedimentos para a Final da Liga Europa, o Nico tem que ser protegido (e o Rúben também!!!), felizmente o Jesus tem a mesma opinião, e acabou por substituir os dois, logo a seguir ao 2-0. Acredito que em Turim, num relvado em melhores condições, com um Sevilha que 'deixa' jogar, o Nico possa ser o nosso 'abre-latas'!!!
Os nossos avançados tiveram uma noite menos boa!!! A bola não lhes chegou nas melhores condições, mas levaram demasiado tempo a perceber os 'buracos' do Rio Ave... Não foi por acaso que os golos surgiram de bola parada!!! Apesar disso, mais uma vez, defensivamente, foram ambos inexcedíveis!!!
A 5.ª Taça da Liga, em 7 possíveis, sendo que o ano passado, fomos eliminados em Braga nos penalty's, após terem ficado 2 penalty's por marcar perto dos 90 minutos!!! Os aziados, vão continuar a rebaixar a Taça da Liga, mas se alguma vez a conseguirem conquistar, vão celebrar como fossem Campeões do Mundo!!!
O nosso Museu agradece... Tal como foi dito no final da partida, pelos nossos: temos que jogar jogo a jogo, Final a Final... ainda faltam duas. Sábado no antro Corrupto, é fundamental que nenhum dos titulares, também o seja contra o Sevilha, a preparação para Turim começa amanhã...

Com a confirmação do castigo ao Markovic (não acredito no recurso), não podemos considerar o Benfica favorito. O Sevilha não tem nenhum titular indisponível. Nós temos 5 lesionados ou castigados, vão ser pelo menos 3 posições com jogadores alternativos: os 2 médios (Fejsa, Enzo seriam os titulares), e o extremo-direito. Não são posições secundárias, bem pelo contrário... Vencer a Liga Europa, nestas condições, será sempre épico...!!! Como já é tradicional, na antevisão do jogo com o Sevilha, os merdia Tugas, vão desvalorizar do nosso adversário... será um erro ir na onda...!!! No Jamor, vamos ser novamente favoritos, mas em Turim, não!!! Só um jogo épico, igual ao último jogo, no mesmo Estádio, nos poderá trazer o 'Caneco' Europeu, que nos foge à tanto tempo...
Sangue, suor e alegria, é o meu pedido para Turim!!!

Entre a estranheza e a alegria !!!

Benfica 6 - 4 Oliveirense

Não é habitual o Benfica estar a perder por 0-4, ainda por cima na Luz, também não é normal, recuperar esta desvantagem, e acabar por triunfar por 6-4 !!! Entre o demérito dos golos sofridos, e o mérito da remontada, o mais importante acabam por ser os 3 pontos, e a manutenção da liderança partilhada...
Não vi o jogo, só soube desta 'montanha russa' no intervalo do Benfica-Rio Ave, nas bancadas do Estádio Municipal de Leiria... portanto, não me posso pronunciar sobre os pormenores do jogo, mas recordo que estamos a entrar na fase decisiva do Campeonato, não temos tempo para 'brancas'!!!

Voleibol também conta

"Nesta fase derradeira do planetário futebol em que há de tudo - emoção, alegria, desilusão, amargura, espanto - viro-me hoje para uma modalidade (nome que contém em si uma certa menorização face ao chamado desporto-rei...) de que muito gosto: o voleibol.
Trata-se de um desporto de grande beleza, muito competitivo e emocionalmente. Felizmente, o Benfica resolveu nele investir duradouramente e emocionante. Felizmente, o Benfica resolveu nele investir duradouramente e acaba de se consagrar bicampeão (pela 1.ª vez) com todo o mérito.
O voleibol é, dos desportos colectivos, o que não envolve contacto físico entre as equipas, para além do jogo de rede. Ao contrário da norma, é jogado por pontos e não por tempo. Por isso, a manha de lesão, a procura da falta, o deixar passar o tempo, a subjectividade arbitral de certas faltas não têm lugar. É onde a união e o trabalho solidário melhor se exprimem no jogo jogado e no abraço colectivo que se segue a cada ponto conquistado. Também a alteração da regra de os pontos terem passado a ser independentes da posse do serviço vieram favorecer a dinâmica do jogo. O voleibol é um desporto insuperável nos grandes torneios, como os mundiais e as olimpíadas.
Voltando ao nosso reduto, tenho presente o tempo em que o Técnico dominava o voleibol nacional, a importância do voleibol em Espinho e os 9 campeonatos consecutivos ganhos pelas Marias do Benfica.
Através de José Jardim, o competente e incansável benfiquista treinador e treinador benfiquista, felicito vivamente dirigentes, técnicos e jogadores. E saúdo a excelência e coragem da equipa açoriana da Fonte do Bastardo, bem como o regresso à 1.ª Divisão do Leixões com historial na modalidade."

Bagão Félix, in A Bola

terça-feira, 6 de maio de 2014

Sócios

Porque o trinta e três começou com o primeiro de três

"Em 1935/36 o Benfica sagrava-se Campeão Nacional. O treinador era húngaro, chamava-se Lipo Herczka e já tinha ganho em Espanha com o Real Madrid.

EM tempo de 33 vamos ao 1. Ou melhor: em tempo de 33 vamos até 35/36. Sim, porque para chegar a este número tão redondo de 33 Campeonatos ganhos, foi preciso começar por algum lado.
E o Benfica começou por 1935/36: é essa a época do seu primeiro título nacional.
Nessa altura o presidente era Vasco Ribeiro. E o treinador, um húngaro: Lipo Herczka. Herczka era conhecido pelo seu mau feitio. Já tinha sido campeão pelo Real Madrid. Pelo Benfica foi três vezes de enfiada. Depois viria a treinar também o FC Porto, mas sem tanto sucesso. Morreu em Montemor-o-Velho no dia 14 de Março de 1951. E lá está sepultado.
Dizem os velhos senhores da crónica de então que Herczka era um amante do Futebol bonito, de toque de bola, à húngara.
Na época anterior, o técnico do Benfica tinha sido Vítor Gonçalves, jogador de méritos, internacional por Portugal, pai do general Vasco Gonçalves, esse mesmo!, o da «Força, força companheiro Vasco/Nós seremos a muralha d'aço».
A época anterior também fora a da estreia do primeiro Campeonato Nacional, denominado I Liga. O Benfica não foi além do terceiro lugar, atrás do Sporting e do campeão FC Porto.
Mas as coisas estavam para mudar. E de que maneira.

Os primeiros Campeões foram estes!
LIPO Herczka chegou e o Benfica arrancou logo para três títulos consecutivos. Mas é o primeiro dos três que nos traz aqui.
Entra agora a lista dos campeões: Tavares foi o único guarda-redes utilizado. Depois: Gatinho, Valadas, Gustavo, Albino, Torres, Xavier, Rogério de Souza, Vítor Silva, Francisco Costa, Gaspar, Guedes, Cardoso, Domingos Lopes, Correia e Baptista.
Pois... Enquanto revêem as imagens da festa do Marquês e por aí fora, lembrem-se que estes fora os primeiros.
Valadas foi o melhor marcador da equipa: fez 12 golos. Seguiram-se Torres, com 9, e Vítor Silva com 7.
O Campeonato era disputado por oito equipas: 14 jornadas, portanto.
O Benfica foi Campeão com 21 pontos (44 golos marcados e 23 sofridos); o FC Porto segundo com 20; o Sporting terceiro com 18; Belenenses em quarto com 17. Seguiram-se por esta ordem: Vitória de Setúbal, Boavista, Carcavelinhos e Académica.
Vejamos, então, como decorreram as coisas. Na primeira jornada, o Benfica recebe o Vitória de Setúbal e vence por 5-3 nas Amoreiras. Em seguida vai às Salésias defrontar o Belenenses e perde por 1-3. Arranque titubeante. Até porque a terceira jornada dita um FC Porto-Benfica, no Campo do Ameal: empate 2-2. Nada de muito entusiasmante. Era preciso encarrilar vitórias. E surgem logo três bem gordas: em Coimbra, frente à Académica (6-2), no Campo Grande, frente ao Sporting (4-2), e nas Amoreiras, frente ao Boavista (8-2). A primeira volta fecha com uma vitória caseira às custas do Carcavelinhos (2-1).
O Benfica reata o Campeonato com um empate em Setúbal (3-3) e outro, nas Amoreiras, com o Belenenses (0-0).
É preciso reagir. E a equipa reage: goleia o FC Porto por 5-1. Segue-se um empate inesperado, na Tapadinha, à custa do Carcavelinhos (0-0). Finalmente duas vitórias que abrem os portões do título: ambas em casa, com a Académica e com o Sporting, e ambas por 3-1. Na última jornada, no Bessa, o empate frente ao Boavista (2-2) garante o primeiro título de Campeão Nacional aos 'encarnados'.
Outros se seguiram. Muitos outros. Precisamente mais 32..."

Afonso de Melo, in O Benfica

Lixívia 29

Tabela Anti-Lixívia:
Benfica......74 (-7) = 81
Sporting........67 ( 0) = 67
Corruptos...58 (+3) = 55
Braga.........37 (+1) = 36

Na despedida da Luz, levámos com o Duarte Gomes, que como é habitual gosta sempre de demonstrar, que a fama de ser Benfiquista não o impede de decidir 'contra' o Benfica. O penalty do Maxi foi indiscutível, mas no resto do jogo foi a típica miséria franciscana, onde as regras são diferentes conforme a cor das camisolas: o critério das faltas a meio-campo foi simplesmente vergonhoso. Conseguiu mesmo, irritar as bancadas, num jogo de grau de dificuldade baixíssimo...

O Cosme em Olhão voltou a espalhar 'competência': 2 penalty's contra os Corruptos não marcados, e 1 penalty a favor dos Corruptos também não assinalado!!!
Na Choupana, o único lance discutível, foi mais um mergulho do Capel... o contacto não me parece suficiente para marcar penalty.
Não vi, nem ouvi, queixas do jogo de Braga.

PS: A nomeação do Hugo Miguel para a Final da Taça da Liga, é mais um episódio escabroso das nomeações para jogos do Benfica, nos últimos tempos!!! Tenho avisado os meus amigos que o jogo será muito complicado: pela qualidade do adversário, pela  - muito - provável falta de qualidade do relvado... e agora com este a apitar, acho mesmo que o favoritismo do Benfica, não é mais do que 55-45!!!

Anexos:
Benfica
1.ª-Marítimo(f), D(2-1), Jorge Sousa, Prejudicados, (2-2), (-1 ponto)
2.ª-Gil Vicente(c), V(2-1), Paulo Baptista, Prejudicados, Sem influência no resultado
3.ª-Sporting(f), E(1-1), Hugo Miguel, Prejudicados, (0-2), (-2 pontos)
4.ª-Paços de Ferreira(c), V(3-1), Paixão, Nada a assinalar
5.ª-Guimarães(f), V(0-1), Bruno Esteves, Prejudicados, Sem influência no resultado
6.ª-Belenenses(c), E(1-1), Jorge Tavares, Prejudicados, (2-0), (-2 pontos)
7.ª-Estoril(f), V(1-2), Manuel Mota, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
8.ª-Nacional(c), V(2-0), Jorge Ferreira, Nada a assinalar
9.ª-Académica(f), V(0-3), Hugo Pacheco, Prejudicados, Sem influência no resultado
10.ª-Braga(c), V(1-0), Nuno Almeida, Prejudicados, Sem influência no resultado
11.ª-Rio Ave(f), V(1-3), Paixão, Nada a assinalar
12.ª-Arouca(c), E(2-2), Rui Costa, Prejudicados, Beneficiados, (3-2), (-2 pontos)
13.ª-Olhanense(f), V(2-3), Vasco Santos, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
14.ª-Setúbal(f), V(0-2), Paulo Baptista, Prejudicados, (0-3), Sem influência no resultado
15.ª-Corruptos(c), V(2-0), Soares Dias, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado
16.ª-Marítimo(c), V(2-0), Hugo Miguel, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
17.ª-Gil Vicente(f), E(1-1), Paixão, Prejudicados, (1-2), (-2 pontos)
18.ª-Sporting(c), V(2-0), Marco Ferreira, Nada a assinalar
19.ª-Paços de Ferreira(f), V(0-2), Duarte Gomes, Prejudicados, Sem influência no resultado
20.ª-Guimarães(c), V(1-0), Nuno Almeida, Prejudicados, Sem influência no resultado
21.ª-Belenenses(f), V(0-1), Jorge Ferreira, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
22.ª-Estoril(c), V(2-0), Paulo Baptista, Beneficiados, Prejudicados, (3-1), Sem influência no resultado
23.ª-Nacional(f), V(2-4), Manuel Mota, Prejudicados, (1-4), Sem influência no resultado
24.ª-Académica(c), V(3-0), Rui Costa, Prejudicados, (4-0), Sem influência no resultado
25.ª-Braga(f), V(0-1), Proença, Prejudicados, Sem influência no resultado
26.ª-Rio Ave(c), V(4-0), Cosme Machado, Nada a assinalar
27.ª-Arouca(f), V(0-2), Hugo Miguel, Nada a assinalar
28.ª-Olhanense(c), V(2-0), Xistra, Prejudicados, (3-0), Sem influência no resultado
29.ª-Setúbal(c), E(1-1), Duarte Gomes, Nada a assinalar

Sporting
1.ª-Arouca(c), V(4-1), Rui Costa, Nada a assinalar
2.ª-Académica(f), V(0-4), Soares Dias, Beneficiados, Sem influência no resultado
3.ª-Benfica(c), E(1-1), Hugo Miguel, Beneficiados, (0-2), (+1 pontos)
4.ª-Olhanense(f), V(0-2), Benquerença, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
5.ª-Rio Ave(c), E(1-1), Xistra, Prejudicados, (2-1), (-2 pontos)
6.ª-Braga(f), V(1-2), Paulo Baptista, Nada a assinalar
7.ª-Setúbal(c), V(4-0), Duarte Gomes, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
8.ª-Corruptos(f), D(3-1), Soares Dias, Nada a assinalar
9.ª-Marítimo(c), V(3-2), Bruno Esteves, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
10.ª-Guimarães(f), V(0-1), Paulo Baptista, Nada a assinalar
11.ª-Paços de Ferreira(c), V(4-0), Jorge Ferreira, Nada a assinalar
12.ª-Gil Vicente(f), V(0-2), Jorge Sousa, Nada a assinalar
13.ª-Belenenses(c), V(3-0), Hugo Pacheco, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
14.ª-Nacional(c), E(0-0), Miguel Mota, Nada a assinalar
15.ª-Estoril(f), E(0-0), Proença, Nada a assinalar
16.ª-Arouca(f), V(1-2), Cosme Machado, Beneficiados, Impossível contabilizar
17.ª-Académica(c), E(0-0), Paulo Baptista, Prejudicados, (1-0), (-2 pontos)
18.ª-Benfica(f), D(2-0), Marco Ferreira, Nada a assinalar
19.ª-Olhanense(c), V(1-0), Hugo Miguel, Prejudicados, Sem influência no resultado
20.ª-Rio Ave(f), V(1-2), Jorge Ferreira, Nada a assinalar
21.ª-Braga(c), V(2-1), Soares Dias), Nada a assinalar
22.ª-Setúbal(f), E(2-2), Vasco Santos, Prejudicados, Beneficiados, (1-1), Impossível contabilizar
23.ª-Corruptos(c), V(1-0), Proença, Beneficiados, (0-1), (+3 pontos)
24.ª-Marítimo(f), V(1-3), Jorge Sousa, Prejudicados, (1-4), Sem influência no resultado
25.ª-Guimarães(c), V(1-0), Nuno Almeida, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
26.ª-Paços de Ferreira(f), V(1-3), Xistra, Nada a assinalar
27.ª-Gil Vicente(c), V(2-0), Bruno Esteves, Nada a assinalar
28.ª-Belenenses(f), V(0-1), Cosme Machado, Nada a assinalar
29.ª-Nacional(f), E(1-1), Rui Costa, Nada a assinalar

Corruptos
1.ª-Setúbal(f), V(1-3), João Capela, Beneficiados, Impossível contabilizar
2.ª-Marítimo(c), V(3-0), Jorge Ferreira, Beneficiados, Sem influência no resultado
3.ª-Paços de Ferreira(f), V(0-1), Rui Costa, Beneficiados, (0-0), (+2 pontos)
4.ª-Gil Vicente(c), V(2-0), Hugo Pacheco, Prejudicados, (3-0), Sem influência no resultado
5.ª-Estoril(f), E(2-2), Rui Silva, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
6.ª-Guimarães(c), V(1-0), Proença, Beneficiados, (0-0), (+2 pontos)
7.ª-Arouca(f), V(1-3), Vasco Santos, Beneficiados, Impossível contabilizar
8.ª-Sporting(c), V(3-1), Soares Dias, Nada a assinalar
9.ª-Belenenses(f), E(1-1), Miguel Mota, Beneficiados, (2-1), (+1 ponto)
10.ª-Nacional(c), E(1-1), Xistra, Nada a assinalar
11.ª-Académica(f), D(1-0), Capela, Beneficiados, (2-0), Sem influência no resultado
12.ª-Braga(c), V(2-0), Paulo Baptista, Nada a assinalar
13.ª-Rio Ave(f), V(1-3), Bruno Esteves, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
14.ª-Olhanense(c), V(4-0), Hugo Miguel, Prejudicados, (5-0), Sem influência no resultado
15.ª-Benfica(f), D(2-0), Soares Dias, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
16.ª-Setúbal(c), V(3-0), Hugo Pacheco, Nada a assinalar
17.ª-Marítimo(f), D(1-0), Nuno Almeida, Nada a assinalar
18.ª-Paços de Ferreira(c), V(3-0), Cosme Machado, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado
19.ª-Gil Vicente(f), V(1-2), Paulo Baptista, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
20.ª-Estoril(c), D(0-1), Vasco Santos, Nada a assinalar
21.ª-Guimarães(f), E(2-2), Marco Ferreira, Nada a assinalar
22.ª-Arouca(c), V(4-1), Hugo Miguel, Beneficiados, Impossível contabilizar
23.ª-Sporting(f), D(1-0), Proença, Prejudicados, (0-1), (-3 pontos)
24.ª-Belenenses(c), V(1-0), Xistra, Beneficiados, Impossível contabilizar
25.ª-Nacional(f), D(2-1), Capela, Prejudicados, Beneficiados, (1-1), (-1 ponto)
26.ª-Académica(c), V(3-1), Manuel Mota, Nada a assinalar
27.ª-Braga(f), V(1-3), Rui Costa, Prejudicados, (1-5), Sem influência no resultado
28.ª-Rio Ave(c), V(3-0), Nuno Almeida, Nada a assinalar
29.ª-Olhanense(f), D(2-1), Cosme Machado, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado

Braga
1.ª-Paços de Ferreira(f), V(0-2), Bruno Paixão, Nada a assinalar
2.ª-Belenenses(c), V(2-1), Xistra, Beneficiados, Impossível contabilizar
3.ª-Gil Vicente(f), D(1-0), Vasco Santos, Beneficiados, Sem influência no resultado
4.ª-Estoril(c), V(3-2), Capela, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
5.ª-Arouca(f), V(0-1), Marco Ferreira, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
6.ª-Sporting(c), D(1-2), Paulo Baptista, Nada a assinalar
7.ª-Nacional(f), D(3-0), Soares Dias, Nada a assinalar
8.ª-Académica(c), D(0-1), Benquerença, Beneficiados, Sem influência no resultado
9.ª-Rio Ave(c), D(0-1), Jorge Tavares, Nada a assinalar
10.ª-Benfica(f), D(0-1), Nuno Almeida, Beneficiados, Sem influência no resultado
11.ª-Olhanense(c), V(4-1), Soares Dias, Nada a assinalar
12.ª-Corruptos(f), D(2-0), Paulo Baptista, Nada a assinalar
13.ª-Setúbal(c), V(2-0), Xistra, Nada a assinalar
14.ª-Marítimo(f), E(2-2), Rui Costa, Nada a assinalar
15.ª-Guimarães(c), V(3-0), Benquerença, Nada a assinalar
16.ª-Paços de Ferreira(c), E(1-1), Proença, Nada a assinalar
17.ª-Belenenses(f), D(2-1), Jorge Tavares, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
18.ª-Gil Vicente(c), V(4-1), Capela, Nada a assinalar
19.ª-Estoril(f), D(2-1), Xistra, Nada a assinalar
20.ª-Arouca(c) E(2-2), Duarte Gomes, Nada a assinalar
21.ª-Sporting(f), D(2-1), Soares Dias, Nada a assinalar
22.ª-Nacional(c), V(2-1), Nuno Almeida, Nada a assinalar
23.ª-Académca(f), E(1-1), Marco Ferreira, Nada a assinalar
24.ª-Rio Ave(f), E(1-1), Rui Silva, Beneficiados, (2-0), (+1 ponto)
25.ª-Benfica(c), D(0-1), Proença, Beneficiados, Sem influência no resultado
26.ª-Olhanense(f), V(0-2), Duarte Gomes, Nada a assinalar
27.ª-Corruptos(c), D(1-3), Rui Costa, Beneficiados, (1-5), Sem influência no resultado
28.ª-Setúbal(f), E(1-1), Hugo Miguel, Prejudicados, (1-2), (-2 pontos)
29.ª-Marítimo(c), E(1-1), Capela, Nada a assinalar

Jornadas anteriores:

Épocas anteriores:

segunda-feira, 5 de maio de 2014

If you...

Escalada...

Os três trabalhos de Jorge Jesus

"O treinador do Benfica tem em agenda um desafio que poucos enfrentaram: preparar uma equipa para três finais em 11 dias.

O Benfica inicia na próxima quarta-feira, em Leiria, uma caminhada que pode levá-lo a um cume nunca antes atingido. No limite, os encarnados jogam para vencer tudo, proeza jamais escrita no livro de honra da Luz.
Há um ponto em comum entre as três finais que a equipa de Jorge Jesus tem de disputar entre 8 e 18 de Maio: o favoritismo. Esse é o primeiro inimigo que o Benfica deve combater, se quiser levar a sua nau a bom porto. Bastará que os jogadores e técnicos encarnados se recordem da última passagem pelo Jamor para captarem o sentido do que acabei de escrever.
O segundo inimigo é a confusão: se o Benfica jogar a final de Leiria a pensar na final de Turim e a final de Turim a pensar na final do Jamor, arrisca-se a dar-se mal. Isto não invalida que Jorge Jesus, até pelos castigos, separe as águas. Mas - num caso como este, pouco visto até em termos internacionais, de tantas decisões em tão pouco tempo - a clareza e a concentração para cada objectivo são absolutamente fundamentais.
Além dos inimigos, já identificados, há os adversários, Rio Ave e Sevilha, duas equipas diferentes, mais cerebral e organizada a turma de Vila do Conde, mais na base da alma e do coração a turma andaluza. Uma e outra sem deverem nada a ninguém no caminho para as finais onde terão o Benfica como adversário.
Jorge Jesus, ao longo da época (especialmente em 2014), tem mostrado mestria na gestão de cada partida. A ver vamos como se aguenta perante o supremo desafio que é ter três finais em 10 dias...

(...)

E os Italianos encarregaram-se de responder-lhe
«Se calhar a estratégia do Benfica de se queixar muito antes do jogo acabou por resultar. Acho que o árbitro não esteve à altura do jogo...»
António Conte, treinador da Juventus

ONTEM, perante a derrota da Roma em casa do Catania, António Conte celebrou, mesmo sem jogar, o tricampeonato como técnico da Vecchia Signora, que teve um discurso patético depois de ter sido eliminado pelo Benfica e foi criticado, sem dó nem piedade, pelos media italianos, que acharam que não esteve à altura da Juve.

(...)"

José Manuel Delgado, in A Bola

Parabéns...

"O Benfica volta a estar na final de uma competição europeia ultrapassando com classe a poderosa Juventus.
O jogo de Turim foi de enorme exigência sendo este empate um dos mais saborosos da história do Benfica.
Jogou com 10 desde o minuto 66, por expulsão de Enzo, e terminou com 9 em campo após a lesão de Garay.
O Benfica precisou de ser muito competente para chegar à final de Turim.
Coesão, garra e determinação foram fundamentais para o sucesso que pode transformar o actual momento numa época de sonho onde já conquistou o título nacional e tem três finais para jogar.
Saber sofrer é uma virtude extraordinária. É isso que tem acontecido numa impressionante e inesquecível época desportiva. Este sucesso desportivo também contribui para que Portugal ganhe prestígio internacional no futebol.
Já aqui escrevi sobre Luís Filipe Vieira, Jorge Jesus e Luisão e o seu papel na vitória do campeonato. Hoje acrescento o nome do jovem Oblak que fez uma exibição soberba mostrando coragem e segurança não dando qualquer hipótese aos avançados da Juventus.
O presente mês de Maio vai ser certamente de enorme intensidade para as águias de Jesus. Se não, vejamos: na quarta-feira joga em Leiria a Taça da Liga; no dia 14 vai a Turim discutir a Liga Europa com o Sevilha; e poucos dias depois, mais concretamente a 18 de Maio, joga no Jamor a final da Taça de Portugal frente ao Rio Ave.
Poderá ser uma época de sonho vencendo no mesmo ano um conjunto significativo de troféus nacionais e internacionais.
Ficará na história o ano de 2014, marcando de forma indelével os protagonistas do sucesso. Podem ser mesmo considerados heróis.
Parabéns."

Hermínio Loureiro, in A Bola

270 minutos

"O Benfica tem pela frente duzentos e setenta minutos de finais. Como escreveu Miguel Zamora «sem fé, o futuro era uma ilusão»!


1. Hoje, à tarde, o Estádio da Luz viverá, no fervor legítimo das suas bancadas bem coloridas, o seu penúltimo jogo oficial da presente época desportiva. Mas o último que envolve o Benfica. Com transmissão natural na Benfica TV. O campeão voltou! E acolherá um Vitória de Setúbal bem liderado por José Couceiro e com um conjunto de jogadores, bem jovens, que merecem particular atenção e acrescido respeito. E veremos, desde já, e na sua envolvência, um conjunto significativo de alterações que preparam o ambiente para a realização, no centenário da nossa Federação, da final da Liga dos Campeões. O jogo que encerra a época. De hoje a vinte dias Lisboa será a capital do futebol europeu e a montra global da indústria, bem capitalista, do futebol mundial. Os dois grandes clubes de Madrid arrastarão a Lisboa milhares de adeptos. Por terra e pelo ar. E pelos carris! E nós teremos o gosto e a satisfação de acolher Cristiano Ronaldo e Pepe, Bale e Diego Costa e, em particular, dois nomes que o mundo benfiquista não esquece e que são Fábio Coentrão e Tiago. Nas próximas duas semanas o Estádio da da Luz passará a ser o Estádio da UEFA. É uma honra para o Benfica, para a nossa Federação e para Portugal! Mesmo que alguns intelectuais não gostem nem de futebol nem das suas tertúlias. Como nós poderemos não gostar, ou estar cansado, das suas repetidas afirmações!


2. Mas o Benfica tem pela frente duzentos e setenta minutos de finais. Como escrever Miguel Zamora «sem fé, o futuro era uma ilusão»! Tenho fé nestes noventa vezes três. Nestas três finais que nos esperam. Duas em Portugal. E ambas contra o mesmo adversário, o Rio Ave. A primeira decorrerá já na próxima quarta-feira em Leiria e nela estará em causa a conquista da Taça da Liga. Taça que o Benfica sempre respeitou e que merece continuar no calendário desportivo português. Só merece mais carinho e, logo, ser apetecível para os potenciais patrocinadores. A segunda final decorrerá no emblemático Estádio Nacional. Será de hoje a quinze dias. E com os primeiros minutos a serem transmitidos pela RTP a preto e branco. Recordando outros tempos do futebol. E acompanhado o centenário da Federação Portuguesa de Futebol. E dando sinal que o mundo mudou. É que eu sou filho de uma televisão que era única. Era à sua volta que se reunia a Família e assistia, em conjunto, aos programas. Fui criança com a televisão a preto e branco e assisti à guerra do Vietname, à chegada do homem à Lua, à presença de Portugal no Mundial de 66 e às duas primeiras finais europeias do Benfica. Eu cresci e comigo cresceu a televisão. Mais tempo de emissão. Outro canal, primeiro o dois. De preto e branco passou a cores. Deixou de ser única e passou a ser múltipla. Canais privados. Canais temáticos. Canais de todo o mundo. E, agora, até programamos o nosso tempo de televisão. O que significa, na linha de uma frase célebre de Barak Obama que, sim, nós pudemos. Frase que deu lugar a uma canção interpretada pelos Black Eyed Peas e que, de certa forma, - assumo a ousadia! - representou o caminho do Benfica nos últimos meses. Caminho que envolveu humildade - reduzindo a euforia - sofrimento, convicção, paixão, fidelidade a um modelo e sentimento de equipa. E é este caminho que nos trouxe de Turim e que nos levará, no próximo dia 14, de novo, à bonita cidade que chegou a ser, no final do século XIX, capital de Itália. Ali fomos felizes, muito felizes, na quinta-feira passada. Com sofrimento como vimos em Garay. Com fidelidade a um modelo com sentimos no momento da expulsão de Enzo Pérez. E com a convicção que irradiava de Luís Filipe Vieira ao arranque do jogo: «Acreditai que voltaremos a este Estádio neste mês!» Ali regressaremos. Com ânimo. Para disputar, frente a um Sevilha com a fúria da Andaluzia espanhola, a final da Liga Europa. Para desgosto, com insultos, de alguns furiosos adeptos da Juventus. Como bem senti na passada quinta-feira, perto das onze da noite, em Turim! Mas logo a seguir reli uma reedição de um livro de Tim Parks que nos relata a Itália através do futebol. Dos seu calcio! Que relato!

3. O Benfica desta época, mesmo faltando estes duzentos e setenta minutos - sem prolongamentos! - é um dos exemplos da tripla liderança. Liderança do seu Presidente. liderança do seu treinador. Liderança dos seu capitão. Liderança, individual, liderança de equipa e liderança organizativa. Aquilo que em termos empresariais determina, e impõe, o fluir, o in-fluir e o con-fluir! O que nos leva a Menandro quando escreveu que «quem tem vontade, tem força»! Muita força!

4. (...)"

Fernando Seara, in A Bola