Últimas indefectivações

sábado, 7 de fevereiro de 2015

Em frente na Taça de Portugal

Benfica 26 - 24 Belenenses

Foi mais uma vitória arrancada a ferros, naquela que está a ser o pior momento da época. Começou logo mal, sem o José Costa e o Carneiro... sendo que o Dario e o Pedroso também não foram opção. Dito isto, é notória a falta confiança na equipa, principalmente nas acções ofensivas (o melhor jogador do Belenenses voltou a ser o guarda-redes!!!)... os passes nunca saem quando devem, existe sempre hesitações, isto era algo que não acontecia há poucas semanas. É necessário recuperar os níveis de confiança rapidamente...
No meio desta 'tempestade' uma nota para o Hugo Figueira, e para o Tiago Pereira que têm sido os melhores, sendo que o Tiago está muito mais rematador... O Semedo, hoje voltou a fazer uma 1.ª parte muito abaixo do normal, mas no 2.º tempo 'acordou'... O Areia que não tinha jogado com o ISMAI, foi o melhor marcador, e dos mais inconformados... O desaparecimento ofensivo do Borragan é outro dos problemas desta equipa...
Mas o mais importante hoje era a qualificação para os quartos-de-final da Taça de Portugal...

Os critérios de arbitragem no Andebol são sempre complicados de analisar, mas se com o ISMAI não beneficiamos de um único Livre de 7 metros...; hoje, o Belenenses não teve uma única exclusão!!! Sempre a inovar...!!!

Equilíbio

Benfica 1 - 1 Sporting

Num jogo muito equilibrado, com poucas oportunidade de perigo, os golos só podiam aparecer de erros... e foi isso que aconteceu: 1.º foi o Ré, que acabou por oferecer um golo aos Lagartos; e depois num canto, o Benfica marcou num auto-golo...
O Benfica voltou a demonstrar muita concentração defensiva, muita solidariedade, e um elevado espírito competitivo... Só está a faltar, no ataque, alguma magia, algo que o Hemni poderá trazer...

O Benfica contratou esta época, um especialista na marcação de livres de 10 metros. Na pré-época, e nas primeiras jornadas o Patias manteve uma eficácia de quase 100%, mas suspeito que daqui até ao final da época, não terá muitas mais oportunidades para comprovar a sua especialidade!!! É que para se marcar uma falta a favor do Benfica, é preciso quase 'matar' o jogador, e mesmo assim depende!!! Então a maneira como o Brandi é defendido é absurdo...!!!

Quase no final da partida, confusão entre jogadores, e a claque do Sporting, a partir mais uma vez a rede por trás da baliza!!! Nada de novo, é raro o jogo na Luz, com a presença destes animais onde isto não acontece... A solução era simples: não entravam, ponto final.

PS: Não vi, mas parece que uma 'mente brilhante', identificado como adepto do Benfica, levou para o Pavilhão uma tarja, que dizia: Very-Light 96. A solução aqui também é simples: se for sócio: deixava de o ser; se for adepto, não entrava mais nas instalações do Benfica. O comportamento dos NN sempre que aparecem nos Pavilhões da Luz, tem deixado muito a desejar... petardos, fumos dentro de um Pavilhão é o cumulo do absurdo... E isto não vai lá com lições de pedagogia: identificar os responsáveis, e não entram.

Vencedores

Bassano 6 - 8 Benfica

Jogo para cumprir calendário, a classificação já estava definida, mas mesmo assim os nossos jogadores não foram passear a Itália!!!
Agora, é preparar os 1/4 de Final com os Corruptos... Mas para já, temos o difícil jogo em Paços de Arcos já na próxima Quarta-feira...

PS: Na Catalunha, a nossa equipa feminina esteve quase a deitar fora a vantagem trazida de Lisboa, mas já no prolongamento, no sistema Golo de Ouro, conseguimos a qualificação para a Final 4, da Champions feminina. Terá sido a 'derrota' mais saborosa desta secção: Voltregá 6 - 2 Benfica.

Vitória...

Sp. Espinho 1 - 3 Benfica
23-25, 18-25, 25-21, 16-25

Com a derrota do Benfica, frente à Fonte do Bastardo, notou-se esta semana alguma esperança em Espinho... na antevisão da partida, até chegaram a 'adivinhar' casa cheia...!!!
Mas o jogo foi 'normal', com o Benfica a comprovar a superioridade... A derrota no 3.º Set, acabou por não fazer mossa, aliás o 4.º Set, foi mesmo o mais desequilibrado.
Amanhã novo jogo em Espinho, desta vez contra o Académico.

Jobey on fire !!!

Illiabum 69 - 95 Benfica
20-31, 14-28, 18-24, 17-13

Vitória normal, em mais um festival Jobey Thomas... na última partida (com o Guimarães na Final da Taça Hugo dos Santos) o Jobey até fez um jogo discreto, mas hoje vingou-se no Illiabum!!! Destaque para a ausência do Mário Fernandes...
Amanhã, temos novo jogo na Maia...

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

As mentiras dos 'derbies'

"Um Sporting-Benfica é sempre um jogo carregado de história e de estórias. Domingo não será diferente. A mentira mais vezes repetida nestes derbies é a que ganha mais vezes o que está pior. De facto em dois terços dos casos ganha o que está melhor. Essa é a regra, e a matemática não engana.
Outra mentira, repetida muitas vezes, é que não há factor casa. Ora ganhou mais vezes quem jogou em casa, por isso está demonstrado o contrário. É assim em todos os clássicos do futebol português.
Domingo haverá uma certeza, sairemos de Alvalade em primeiro lugar. E há uma segunda certeza, para a semana não voltaremos a jogar com o Sporting, na meia-final da Taça da Liga, porque os de Alvalade não chegaram a esse objectivo. Será contra o V. Setúbal que teremos que cumprir esse objectivo, que este ano passou a ser tão prioritário para o rival azul e branco.
Nas últimas três conferências de imprensa Lopetegui nunca se esqueceu desse escopo principal. Parabéns por isso, mesmo que irrite tanto os seus próprios adeptos...
Lamento apenas que o rol de lesionados limite, cada vez mais, o Benfica desta época. Gaitán e Júlio César fazem falta, os melhores fazem sempre falta, por muito bem que joguem os colegas que os substituem. A vitória sobre o Boavista teve a cabeça dos adeptos o sabor amargo da lesão do guarda-redes e por isso ninguém saiu a rir da Luz no último sábado.
O Sporting tem um excelente treinador, mas o objectivo do Benfica domingo só pode ser o de vencer, por muitas adversidades que tenha. Não constatar que é um dos jogos mais difíceis que teremos até ao fim seria não respeitar o Sporting, e essa atitude não seria sensata e não seria digna de campeão.
E é campeões que queremos continuar a ser, este ano, pela trigésima quarta vez. É assim no Benfica, não se festejam jogos festejam-se títulos."

Sílvio Cervan, in A Bola

Mais do que um dérbi

"Olhando para as estatísticas, e ao contrário da 'verdade' com que somos anualmente confrontados, um Benfica-Sporting, na Luz, tem sempre um acentuado favorito. Por exemplo, nos últimos nove campeonatos, o Benfica venceu 6 vezes, empatou três, não perdendo em nenhuma ocasião. Mais: nos últimos oito Benficas-Sportingues disputados na Luz, apenas sofremos um golo. Pelo contrário, em Alvalade, e segundo as mesmas estatísticas, o equilíbrio prevalece, não havendo favoritismo a atribuir. Ou não se registassem precisamente três vitórias, três empates e três derrotas, nos últimos nove dérbis para o campeonato jogados no recinto dos nossos vizinhos.
Para este domingo, é pois difícil avançar com prognósticos - até porque, como alguém sabiamente afirmou, em futebol eles apenas devem ser feitos no fim dos jogos.
Já quando à importância do desafio não restam dúvidas. Embora uma vantagem de sete pontos salvaguarde, sob o ponto de vista aritmético, a liderança benfiquistas, sabemos que, na prática, uma derrota em Alvalade traria o Sporting de regresso à luta pelo título (coisa que bem dispensamos), permitindo igualmente a aproximação do FC Porto - que poderia passar a depender apenas de si próprio, situação substancialmente mais motivadora para qualquer perseguidos numa prova desta natureza. Tratando-se de um jogo decisivo para os nossos adversários directos, trata-se, consequentemente, de um jogo decisivo também para nós. E é dessa forma que o teremos de abordar.
Sabemos que do outro lado está uma equipa jovem, e que a pressão de enfrentar o tão odiado quanto temível Benfica costuma pesar-lhe nos ombros. Devemos saber jogar com isso, e com a força que o escudo de campeão transmite aos nossos atletas. A confiança e a maturidade poderão ser a chave para um resultado positivo. Um empate não seria dramático - não abria espaço a qualquer dos perigos acima referidos -, mas as vitórias são a nossa forma de estar na vida, e é para a conquista dos três pontos que teremos de apontar as baterias."

Luís Fialho, in O Benfica

Os satélites da Liga

"Ao longo desta última semana muito se ouviu sobre o desempenho do Paços de Ferreira frente ao FC Porto e sobre a actuação dessa mesma equipa, uma semana antes, frente ao SL Benfica. Todos sabemos que Paulo Fonseca foi treinador do FC Porto e todos sabemos também que o Paços de Ferreira tem - como aliás é do seu interesse - excelentes relações desportivas e institucionais com o FC Porto. Mas, como se diz em português genuíno, 'às vezes é demais'.
Quem visse o Paços de Ferreira jogar nas duas partidas não acreditaria que o espaço temporal que mediou entre as duas fosse de apenas alguns dias. Pareceria, em bom rigor, que estávamos a assistir a uma espécie de canal História do desporto.
Desde jogadores do Paços que ficaram extremamente felizes - e assim o fizeram chegar à imprensa - por ajudar o FC Porto a manter-se na luta pelo título, a um Paulo Fonseca que parece um treinador sem personalidade quando defronta o seu antigo clube, passando ainda por um Sporting de Braga que só correr com afinco quando joga com o Benfica, todo o cenário a que temos assistido nos remete para a ideia de que, na verdade, o Benfica não defronta apenas os seus dois adversários directos na luta pelo título de campeão nacional, mas todo um conjunto de satélites dispersos pela tabela classificativa.
Deve isto desmotivar-nos? Nem pensar! Pelo contrário, deverá tornar-nos conscientes de que, se vencermos o 34.º título de campeões nacionais, nenhum outro clube se aproxima sequer do nosso nível de mérito. Na verdade dos factos, no fundo da questão, o Benfica não terá, nesse dia, vencido apenas o FC Porto e Sporting na corrida ao título, mas todo um conjunto de clubes de pequena ou média dimensão que jubilam de felicidade sempre que colocam mais uma pedra no nosso caminho."

André Ventura, in O Benfica

Fazer História...

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Força, Artur!

"Após a lesão de Júlio César, surgiu a síndroma Artur Moraes. Com inusitada propagação de sucessivas antevisões de um provável desastre na baliza do Benfica.
Certos comentadores, analistas, jornais e televisões parecem ter convergido num inacreditável atestado de inferioridade de Artur. Se não se estivesse atento até daria a ideia de que o Benfica iria jogar no domingo com apenas 10 jogadores, tal a inutilidade outorgada ao guarda-redes brasileiro. Nunca havia visto coisa igual e tão concertada. Caramba, valerá a pena jogar no domingo?
Vamos por partes. Artur é um bom guarda-redes. O Benfica deve-lhe excelentes exibições. Claro que também falha e falhou, como todos. E há o trauma do derby da 1.ª volta em que cometeu um erro com os pés, seguido do azar de ter escorregado, pois teria rectificado o erro. Mas já ninguém se lembra de, como no fim do jogo, segurou o empate com uma notável defesa.
Depois, trata-se de um jogo contra o eterno rival, mas não mais do que isso. Artur já ganhou jogos em Alvalade com a naturalidade e serenidade de boas exibições. Mas a festança anda por aí, de tal maneira que parece que Artur vai enfrentar o mais poderoso ataque do planeta.
E pergunto: se os titulares da baliza do Sporting ou do Porto não pudessem jogar, teriam melhor opção que tem o Benfica com Artur? Creio que não. E haveria alvoroço? Creio que não.
Por tudo isto, só posso pedir a Artur que não leia, não ouça, não veja as conjecturas apocalípticas, algumas delas interesseiramente desestabilizadoras. Responda-lhes à altura de um experiente guarda-redes que é. Sem receios, com confiança, e com fortaleza!
Força, Artur!"

Bagão Félix, in A Bola

1995? O Benfica fez o que pôde e os Calheiros fizeram férias no Brasil (sobre algumas saídas infelizes do treinador Lopetegui)

"Lopetegui falou em 'champagne' - não é necessário a ajuda de nenhum laboratório para nos desvendar o seu significado real porque todos percebemos e à primeira.

MANUEL JOSÉ é o campeão do bom nome dos treinadores portugueses, seus e nossos compatriotas. Só lhe fica bem.
No fim do ano saltou em defesa de Marco Silva, o jovem treinador português do Sporting, quando este se viu envolvido numa querela com o presidente do clube que, aliás, se veio a apurar ter sido toda ela, a dita querela, inventada pelos jornais.
Na semana passada voltou Manuel José à liça para defender Paulo Fonseca, outro jovem treinador português, que, à míngua de resultados, se viu despedido do Dragão a meio da época passada.
De acordo com a opinião de Manuel José, sempre em prol do produto nacional, Paulo Fonseca, a quem o Porto na época passada apenas forneceu «tremoços», seria indubitavelmente o tranquilo líder deste campeonato se tivesse à sua disposição a «lagosta» servida ao basco Julen Lopetegui.
Nos seus tempos de guarda-redes no activo, Julen Lopetegui nunca foi muito bom no capítulo das saídas da baliza, uma valência importante no reportório de qualquer «portero». Uma inesquecível final da Supercopa espanhola entre o Barcelona e o Saragoça é prova disso mesmo.
Lopetegui esteve três temporadas no Barcelona e cumpriu 5 jogos na Liga espanhola. Para muitos foi muito, para outros tantos foi o bastante. E fez o tal jogo na S upercopa que o Barcelona muito suou para conseguir perder por 5-4, com Lopetegui na baliza no jogo da segunda-mão da final com o Saragoça.
Na primeira-mão, em Saragoça, o Barcelona tinha ganho tranquilamente por 2-0 com Busquets na baliza. No jogo de volta, em Camp Nou, Johaan Cruyff substituiu Busquets por Lopetegui, e o Barcelona acabou por conquistar epicamente o troféu com um curioso resultado de 6-5 no agregado.
Foi obra.
A que propósito se recordam aqui as cinco saídas infelizes de Lopetegui num jogo do século passado se o basco, aliás um tipo bem simpático, já nem é guarda-redes?
Servirá este recordar de uma mão-cheia de saídas infelizes para dar força a Artur, o segundo guarda-redes do Benfica; que se apresentará no domingo à noite em Alvalade no lugar de Júlio César, o primeiro guarda-redes do Benfica? E que sentido isso faz, francamente? Nenhum.
Concordarão também que para enervar Fabiano, o actual guarda-redes do Porto, de nada nos vale evocar os frangos do mister numa longínqua espanholada qualquer.
A questão é que as saídas infelizes que marcaram a carreira do guarda-redes Lopetegui continuam a ser um atributo do Lopetegui treinador que, acrescente-se, não deixa de ser um tipo bem simpático em todas as circunstâncias.

VOLTEMOS a Manuel José que com a sua tirada sobre tremoços e lagosta proporcionou, inadvertidamente, a Lopetegui mais uma saída infeliz, aliás, várias saídas infelizes numa uma única frase que lhe foi ditada ou pela consciência ou por alguém que lhe quer mal.
- Com um tremoço ou meio tremoço pagamos o marisco todo e ainda chega para o champanhe – respondeu o treinador basco ao treinador algarvio.
Nestas coisas no Porto, como é do domínio público, quando se mete alimentação ao barulho já se sabe que tudo fica altamente suspeito. Convoque-se, portanto, a autoridade competente para investigar o que é ou, pior ainda, quem é o marisco que Lopetegui diz que vão pagar. E o marisco todo não será demais? 
Reclamam-se com urgência técnicos especializados para traduzir para português corrente a linguagem obviamente codificada do remanescente da mensagem. E digam-nos, por favor, o que significa na verdade «um tremoço»? E quanto vale? E «meio-tremoço» é mais ou menos do que «um tremoço» inteiro no fim do campeonato?
Já no que diz respeito ao termo utilizado no fecho da cifra - «champanhe» - não é necessário requerer a ajuda de nenhum laboratório de investigação para nos desvendar o seu significado real porque todos percebemos perfeitamente e à primeira. Mas não se ficou por aqui o treinador do Porto.
Ei-lo:
- O Benfica tinha caviar em 1995 e ficou a 25 pontos – continuou Lopetegui em mais uma série de saídas que se revelariam, uma vez mais, infelizes.
Concentremo-nos, caros leitores e amigos, no que é importante.
1995 foi um ano em que, em bom rigor, o Benfica ficou a 13 pontos do Porto, 13 pontos não menos vergonhosos do que os alegados 25. E um ano em que Manuel José não era treinador do Benfica, ao contrário do que se poderia supor tendo em consideração que a polémica foi causada pelo treinador algarvio e que o treinador basco poderia querer envergonhá-lo.
No ano seguinte, 1996, o Benfica ficou a 17 pontos do Porto, 17 pontos bem mais vergonhosos do que os anteriores 13 e ainda assim menos vergonhosos do que os alegados 25. E Manuel José também não teve nada a ver com o assunto.
No entanto, vergonhoso, verdadeiramente vergonhoso em 1995 não foi o Benfica, caro Julen. O Benfica fez o que pôde, muito pouco, em 1995 e por toda a década seguinte.
Vergonhoso, vergonhoso mesmo foi aquele engano de um tresloucado funcionário de uma agência de viagens que obrigou a tesouraria do FC Porto a pagar inadvertidamente viagens ao Brasil ao árbitro Calheiros e à família Calheiros, belissimamente instalada quer no Othon Palace do Rio de Janeiro quer no Hotel Sheraton do Recife, saldando-se a fatura transviada n.º 4144 de 18 de Julho de 1995 por um rol de embaraços justa e prontamente arquivados.
Comemora-se no próximo mês de Julho o 20.º aniversário sobre esta data negra para os operadores turísticos nacionais. O tempo voa. Parece que foi ontem.
E mesmo Lopetegui, sendo estrangeiro e sendo o terceiro guarda-redes do Barcelona em 1995 deve lembrar-se com certeza da viagem ao Brasil dos Calheiros, até porque, não jogando, tinha muito tempo livre para acompanhar o noticiário turístico internacional.
Por tudo isto, ouvi-lo agora dizer que o Benfica tinha «caviar» em 1995 é de se lhe tirar o chapéu… de palha.
Seja lá o que «caviar» quer dizer no código de Julen Lopetegui.

NÃO tenho a certeza se será boa ideia explicar aos jogadores do Benfica o que é um derby. Os jogadores do Sporting sabem do que se trata. No seu último jogo o Sporting utilizou nove jogadores portugueses que, por serem de cá, estão perfeitamente a par do significado social, cultural e épico do derby na especialidade e na generalidade.
No seu último jogo o Benfica utilizou dois portugueses sendo que um deles, Pizzi, foi substituído a vinte minutos do fim por outro português, Gonçalo Guedes. Em termos de recurso a portugueses até foi um abundante festim por comparação com a regra.
Jonas ainda esta semana disse numa entrevista a um jornal brasileiro que em Portugal existe muita rivalidade no campeonato «até com o Sporting» mas que «nada supera a rivalidade com o Porto». E disse uma grande verdade para ele e até para uma geração mais nova de adeptos do Benfica que cresceu a discutir títulos exclusivamente com o Porto.
Quanto aos dois treinadores sabem bem o que são derbys o que não espanta porque são portugueses e antes de serem treinadores eram adeptos. Basicamente, um derby é uma coisa que mete nervos a toda a gente porque tem sempre consequências importantes mesmo quando a distância entre os dois rivais na tabela não é insignificante. Por uma questão de bom senso, os protagonistas de um derby coíbem-se de produzir declarações sensacionais nos dias que antecedem esses encontros entre os rivais da Capital que já levam mais de um século de História. No próximo domingo há derby em Alvalade e tem estado tudo calmo nos dois campos tal como convém à ordem e ao sossego no país que já tem muitas outras coisas com que se preocupar.
Curiosamente, e caso raro, as únicas incursões retóricas de cariz metediço na antecipação do derby surgiram do exterior. Da primeira já conversámos, chegou do Porto. Tratou-se de Lopetegui a ressuscitar o caso do pagamento por engano das viagens de Calheiros ao Brasil em 1995 no ano em que, segundo ele, o Benfica tinha o «caviar» todo.
Percebe-se lindamente o que o treinador do Porto quer e, de tão confiante, até já está a contar com o «champanhe» final que será pago com «um tremoço» ou «meio-tremoço».
A segunda incursão de um marginal ao derby chegou ontem pela via do maior empresário do mundo que anunciou o interesse de vários e bons clubes estrangeiros nos serviços de Jorge Jesus deixando no ar a ideia de que o treinador do Benfica, em semana de ir a Alvalade, anda a pensar em mudanças.
Até domingo à hora do jogo é bem provável que apareçam mais uns quantos observadores externos a dizer coisas. Nada disso importa ao Benfica, julgo eu.
O que importa é saber com que opinião ficará o Jonas sobre o seu primeiro derby e sobre a histórica rivalidade que, certamente, não deixará de sentir em campo quando marcar, como desejamos, o seu golinho do costume."

Leonor Pinhão, in A Bola

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Seis milhões... de adeptos!

"Não é normal dedicar espaço e tempo a quem o não merece e muito menos a esta hora, mas também não é normal que pessoas normais tratem por credível uma notícia que, de tão falsa, tresanda a encomenda.
Posto isto, resta acrescentar que Jorge Jesus não fez nenhuma exigência salarial, nem abordou com o presidente do SL Benfica o tema relativo à renovação do seu vínculo contratual.
De resto, basta recordar as palavras do presidente do SL Benfica, ainda em Janeiro, para “matar” de vez qualquer especulação relativa ao tema.
“Antes de iniciar a época disse, e isso ficou registado, que o Jorge poderia renovar mantendo as actuais condições. Ele entendeu que não era o momento e eu respeito isso, portanto, vamos falar no final de época. E não comecem a dizer que é um tema tabu, não há nada de tabu. No final de época o Benfica e o seu treinador vão avaliar a continuidade do vínculo contratual, como sempre o fizeram até aqui”.
Quanto aos 6 milhões, seguramente que o jornal O Jogo se queria referir ao número de adeptos do SL Benfica, em Portugal. É quase certo que a errata de amanhã do referido jornal fará referência a este involuntário lapso."

Preocupante...

Benfica 23 - 26 ISMAI

Este é o primeiro resultado negativo inesperado da época (a derrota com o ABC na Luz, foi uma meia-surpresa, na altura...). Não deixa de ser preocupante, mas é preciso não esquecer que até hoje a equipa tinha demonstrado uma regularidade, que em épocas anteriores não teve.
A miserável eficácia aos 6 metros, é algo muito estranho... Já no jogo com o Águas Santas tinha sido notório, e as crónicas do jogo de Braga, falam do mesmo. É normal os guarda-redes adversários serem os melhores em campo, quando jogam contra o Benfica, mas não posso deixar de pensar, que a inépcia no momento do remate dos nossos jogadores, ajuda...!!!
Hoje, a rotação começou cedo demais, o  resultado estava demasiado próximo... E depois, quando parecia que estávamos finalmente a abrir uma boa vantagem, uma dupla-exclusão (Costa/Moreno) deixou a equipa de cabeça perdida...!!!
Obviamente que o Benfica tinha a obrigação de ganhar este jogo fácil, mesmo com estes apitadores, mas ajudava a marcar as faltas sobre os nossos jogadores (não tivemos um único Livre de 7 metros... a percentagem de concretização dos Livres de 7 metros também tem sido miserável, diga-se!!!), marcar as invasões da área defensiva do ISMAI, o constante jogo passivo ao nosso adversário...!!!
Mas pronto, bastava ter tido uma eficácia de 50% aos 6 metros e tínhamos ganho o jogo, de forma confortável... Marcar 11 golos na 2.ª parte, é muito pouco!!!

Para o campeonato, este resultado não tem implicações, o 4.º lugar já era o nosso destino, mas a jogar assim, dificilmente conseguiremos ganhar ao Águas Santas ou ao Madeira SAD nos play-off's!!!

Substituições 'à la minuta'

"Uma substituição é uma substituição, dir-se-á tautologicamente. Porém, nem sempre é assim, ainda que o acto de substituir seja, de forma, idêntico.
Detenho-me nas substituições nos derradeiros minutos de uma partida. Muda-se de atleta por variadas razões. Ou porque se magoou e esta contingência é independentemente do minuto em que aconteceu. Ou porque, feito o resultado, se quer poupar um indesejado cartão, tendo em vista o próximo desafio. Ou porque se quer dar uma primeira oportunidade (às vezes, a única) para uma estrela no plantel, para mais tarde recordar, pisando o relvado e nem sempre tocando na bola (recorrente na selecção nacional, para se dizer que se foi internacional...). Ou porque se quer queimar tempo e arrefecer o ímpeto adversário nos instantes finais (prática que bem acabaria com a cronometragem apenas do tempo jogado). Ou porque se quer defender um resultado com mais um calmeirão no autocarro perante o sôfrego chuveirinho da outra equipa. Ou porque se quer presentear uma exibição individual antes da apoteose colectiva. Ou - e é aqui que me quero deter um pouco - porque se mete um avançado para, em 60 ou 120 segundos, ser milagreiro e marcar um golo.
Não percebo a (in)utilidade desta substituição à la minuta. Ou faz-se mais cedo se nela acredita ou não se faz, até porque lá se vão mais uns segundos que o árbitro pode não compensar. Percebo (embora não goste) a substituição para destruir, para confundir, mas não a entendo para construir por escassos segundos. Foi o que aconteceu, por exemplo, com o promissor Gonçalo Guedes em Paços de Ferreira. Sem resultado, como é regra."

Bagão Félix, in A Bola

Uma curiosidade

"Por uma combinação de preservação da sanidade mental e da paixão pelo futebol, faço os possíveis por dedicar muito pouca atenção a questões de arbitragem e, menos ainda, a disputas de dirigentes. O futebol tem apenas três protagonistas - jogadores, técnicos e adeptos. Todos os outros ficam, na melhor das hipóteses, a meio caminho entre figurantes a actores secundários. Bem sei que dirigentes e árbitros fazem, demasiadas vezes, os possíveis por se tornarem figuras centrais. Com isso, só prejudicam o futebol. Por isso mesmo, é dever dos adeptos devolvê-los ao seu papel secundário.
Mas, esta semana, houve uma notícia breve que veio ter comigo e que achei curiosa. Na edição de quinta-feira de Record, uma fotografia com um caloroso abraço entre Inácio e Manuel Mota ilustrava um texto sobre as pazes feitas entre Sporting e o árbitro de Braga, Manuel Mota, que havia sido excomungado pelo Sporting em Dezembro de 2013, após um empate caseiro com o Nacional, ao ponto de nunca mais ter arbitrado um jogo dos leões, era agora, mais de um ano passado, recebido de braços abertos em Alvalade, quando regressava para um Sporting-Setúbal da Taça da Liga. Comovente.
O curioso é que Manuel Mota tinha, dois dias antes, praticado um acto verdadeiramente inovador como 4.º árbitro. A crer na primeira página do Record de terça-feira, o penálti marcado na Mata Real contra o Benfica não foi assinalado pelo inefável Bruno paixão (lá está, um dos que não perde uma oportunidade para ganhar protagonismo), nem pelo assistente do lado da jogada, mas, sim, imagine-se, pelo 4.º árbitro. Colocado exactamente do outro lado do campo. Mota teve a lucidez de vislumbrar a grande penalidade que os seus colegas não avistaram. Talvez tenha sido este novo papel para os 4.ºs árbitros que os dirigentes do Sporting tenham querido saudar. Nunca se sabe."

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Voando de costas para um ponto final!

"Aos 36 anos, em New Jersey, Eusébio faz um golo fantástico, de pontapé de bicicleta. Antes venceu em Alvalade o Sporting, comandado pela última vez a equipa do Benfica num jogo de homenagem a Carlos Lopes.

Tive a sorte de escrever muito sobre Eusébio. Tive também a sorte de ler muito sobre Eusébio, de ouvir muito sobre Eusébio, de ouvir o próprio Eusébio.
Publiquei dois livros sobre ele que foram uma espécie de presentes. Foi certamente maior a minha satisfação em oferecer-lhos do que a dele em recebê-los.
Busco na «Viagem em Redor do Planeta Eusébio» alguns dos momentos finais da sua carreira extraordinária. Assim como forma de encerrar Janeiro, mês de Eusébio, um ano após a sua morte, o ano em que completaria 73 anos.
E que encontro?
Um Eusébio triste.
À beira de um ponto final. Um ponto final cada vez mais final...
Eusébio em Tomar, com António Simões. 75 contos por mês para cada um, diz-se.
José Maria Barbosa, dirigente do União de Tomar, não confirma as verbas. Mas também não as desmente. Eusébio e Simões foram oferecidos ao clube por um grupo de amigos...
Em 1978, o União de Tomar jogava na II Divisão. Sonhava em regressar à I, de onde caíra na época anterior. Eusébio viaja pelo país, de autocarro.
Joga na Covilhã e enche o estádio. Deve ter-se recordado da sua chegada à Metrópole, dezoito anos antes, e da viagem que fez com o Benfica, ainda sem poder jogar, ainda sem roupa que lhe minorasse o frio da serra no Inverno português.
Eusébio ainda vai a tempo de marcar dois golos na II Divisão. Mas já não corre o risco de aceitar o convite do seu velho companheiro de equipa, Malta da Silva, para jogar no Benfica de Castelo Branco.
Os parêntesis: devagarinho, mas fecham-se. A gente lê, escuta, revê os momentos, e compreende. De certa forma, compreende.
Eusébio perdido na confusão absurda do futebol das Américas: as marjorettes, as flâmulas, as bandas, os instrumentos de sopro, as mascaradas. Mas Eusébio também no balneário, com os camaradas de equipa, escutando o treinador, sentido a relva, o prazer da bola nos pés.
Futebol e Eusébio são quase sinónimos: na América, o futebol era diferente, mas futebol apesar de tudo.
Eusébio: «No Toronto Metros-Croatia, na véspera da final do campeonato, eu estava com um problema no pé e sem condições para jogar no dia seguinte. Estava deitado no meu quarto, batem-me à porta, era a equipa toda para me pedir para jogar. Disseram "Eusébio, desde que o senhor é o 'capitão', nunca mais perdemos um jogo. Amanhã é a final e o nosso 'capitão' não joga!?" Respondi-lhes que não podia ser, que estava cheio de dores, que ganhariam na mesma sem mim mas, quando chegámos ao vestiário e vi aquele ambiente de desânimo, toda a gente calada, com ar de 'funeral', disse por minha vez: 'Bom! Que não se perca por minha causa. Vamos lá para dentro, vamos a eles!' Fomos. E ganhámos. E marquei o primeiro golo. É isto que me faz feliz!»
A gente compreende, de certa forma a gente compreende.

«Eu jogo sempre a sério!»
Esse livro que escrevi não é só feito de letras: é som e imagens.
Não é apenas para ser lido: é para ser ouvido e visto.
Sentem-se, portanto, e vejam: vou agora transmitir dois dos últimos momentos da carreira de Eusébio. Quadros irretocáveis que poderemos pendurar nas paredes brancas da aldeia da nossa memória.
Estádio de Alvalade: festa de homenagem a Carlos Lopes, o medalha de prata dos 10.000 metros dos Jogos Olímpicos de Montreal.
Estádio de Alvalade: mais de 40.000 pessoas.
Eusébio com a camisola do Benfica. Ele não o sabe ainda, mas é a última vez que vestirá a camisola do Benfica. Ele tem ainda a esperança, viva, de voltar a jogar pelo Benfica nos grandes jogos do campeonato, quem sabe se na sua Taça dos Campeões...
Na cabine, antes do jogo começar, pede a Mortimore para usar da palavra. E diz:
- O futebol, para mim, nunca pode ser uma brincadeira. Eu jogo sempre a sério! E mais: não gosto de perder! Venham comigo, vamos ganhar mais este jogo!
Ganharam. Logo de entrada, o Benfica faz dois golos; faria ainda mais um, contra outro do Sporting.
É o último jogo de Eusébio com a camisola do Benfica: vence em Alvalade por 3-1.
A História raramente é injusta para com os seus filhos dilectos.
Roosevelt Stadium, em Neu Jersey: o New Jersey Americans recebe o Indiana Daredevils.
Eusébio joga com a camisola do New Jersey Americans. Tem 36 anos.
O New Jersey Americans vai perder por 2-3, mas isso não é muito importante.
Estamos na segunda parte: há uma bola que vem da direita e sobrevoa a área do Indiana Daredevils; alguém a corta de cabeça para a frente e Eusébio está lá, no local para onde a bola se dirige; sem tempo para se virar, para dominar, Eusébio voa; voa de costas, como se tivesse, por um passe qualquer de mágica, desfeito o poder imenso da gravidade; por segundos está parado, em segundos as suas pernas multiplicam-se sobre a sua cabeça, em segundos está consumado o seu pontapé de bicicleta, insubmisso, imperdoável.
Golo!!! O último grande golo de Eusébio.
Desmond Hackett, jornalista inglês, chamou-lhe um dia «Black Panther». A «Pantera Negra»: o nome pegou. Nenhum outro, aliás, lhe ficaria tão bem. Vejam as fotos: os seus movimentos plásticos, elegantes, intuitivos. Uma «Pantera Negra» que persegue a bola e à qual a bola não foge nunca.
Eusébio: talvez não seja um nome e sim um adjectivo.
Eusébio da Silva Ferreira.
O seu nome tornou-se tão grande que merecia ocupar mais espaço do que o de um parágrafo."

Afonso de Melo, in O Benfica

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Lixívia IXX

Tabela Anti-Lixívia:
Benfica.............. 49 (+1) = 48
Sporting........... 42 (+10) = 32
Corruptos........ 43 (+11) = 32
Braga............... 34 (+2) = 32


A saga continua, nas últimas 3 jornadas, assistimos a um fartar de vilanagem nos jogos dos Corruptos e dos Lagartos... O Campeonato vai-se decidir nas próximas jornadas (até já podia estar decidido), e a 'preparação' tem sido impecável!!! Os Lagartos nos últimos três jogos (Rio Ave, Académica e Arouca) foram beneficiados em 6 pontos!!! Mesmo com os pontos perdidos pelo Benfica em Paços, o Sporting devia estar neste momento a 17 pontos (+6 só nas últimas 3 jornadas)... sendo que os Corruptos, deviam estar com os mesmos 32 pontos!!! Tudo isto se passou à descarada... Tudo isto se passou com total cumplicidade dos mérdia avençados... Tudo isto se passou com total silêncio!!!
No mesmo espaço temporal (últimas 3 jornadas) levámos com o Xistra, e o Hugo Miguel, dois dos piores corruptos anti-Benfica... Na Madeira com o Xistra, o 4-0 não deixou margem para 'roubo', e as debilidades do Boavista não deixaram o Huguinho cumprir o seu desígnio... mas aquilo que ressalta nestas 3 jornadas, é o critério disciplinar: impunidade total para os nossos adversários!!! E não foi por falta de agressividade... os jogadores do Benfica nestas 3 jornadas fartaram-se de levar porrada, mas a já habitual complacência, acabou por ser ainda mais zelosa...!!!

Na Luz, assistimos a uma daquelas trágico-comédias épicas...!!! O resultado nunca esteve em causa, porque a diferença entre as duas equipas é abismal, mas com um adversário mais nivelado, o Benfica iria ter enormes dificuldades em vencer o jogo. Durante os 90 minutos, o critério das faltas foi completamente absurdo, tão absurdo que nas bancadas, em vez dos habituais assobios e impropérios, a cada decisão absurda, os Benfiquistas riam-se!!!
A primeira falta assinalada a favor do Benfica foi aos 26 minutos... Já estávamos a vencer por 1-0!!! Até num daqueles lances para um Amarelo alanrajado já tinha passado em claro (entrada por trás ao Jonas)!!! E nesse mesmo lance, quando o Salvio isolado, atira ao lado, na televisão parece-me que houve contacto com as pernas do Toto... o que seria Vermelho!!! Ao mesmo tempo, que nada marcava a favor do Benfica, qualquer contacto ao contrário era imediatamente assinalado...
No 2.º tempo, o critério manteve-se, e ainda tivemos os penalty's!!! Os dois não assinalados sobre o Lima, são inacreditáveis... ainda por cima sobre um jogador que não tem o hábito de se fazer às penalidades. Já com o resultado feito, resolveu marcar um penalty a favor do Benfica, mas mesmo aí teve 'azar', já que a falta foi cometida fora da área!!! Pelo caminho ainda passou em claro mais um cotovelada na cabeça do Jonas, nem sequer marcou falta...!!!
O curriculum do Huginho é longo, começou num jogo na Amadora, onde marcou 2 penalty's a favor do Benfica, e ficou a fama de ser pró-Benfica!!! Mas depois disso, nunca mais caiu no mesmo erro... até numa Eusébio Cup, com o Atlético de Madrid não perdeu a oportunidade de prejudicar o Benfica. O ponto alto, é o famoso jogo em Coimbra, onde entre muitas outras decisões 'roubadas' (erros premeditados), quando o Aimar foi pontapeado dentro da área da Académica, teve a 'coragem' de marcar falta contra o Benfica!!!
É um Lagarto rasteiro nojento, um dos afilhados do Desdentado, que não pode ver o vermelho à frente dos olhos... e que infelizmente, é uma das 'estrelas' do Tugão, e vamos ter que o aturar por muitos anos...

Em Arouca, tivemos mais um festival de penalty's não assinalados, e cartões perdoados aos Lagartos... nada de novo, portanto. No primeiro lance - empurrão do Cedric ao Kayembe - eu até acho que o contacto não é suficiente para ser marcado penalty, mas agora todos os Lagartos, que defenderam com unhas e dentes, o penalty assinalado a favor do Sporting, no jogo com o Rio Ave, se tiverem o mínimo sentido de decência, têm que defender que ficou um penalty por marcar contra ao Sporting, com 0-0... e um cartão por mostrar ao Cedric. No penalty assinalado, a única coisa que faltou foi o Amarelo ao Tobias... Sendo que durante todo o jogo, o critério disciplinar foi do mais manso possível... Aos 70 minutos, o Kayembe sofre penalty do Jonathan Silva, o árbitro marca canto!!! O argentino toca na bola, mas também toca no pé de apoio do extremo do Arouca, penalty claro... A semana passada o Eliseu também tocou na bola, mas depois derrubou o adversário. Seria também o 2.º amarelo para o Silva, o jogo ficaria 2-2, e o Sporting jogaria com 10 os últimos 20 minutos!!! O defesa-esquerdo dos Lagartos acabaria por ser expulso no final, com um 2.ª amarelo, após uma patada num adversário, quando devia ter levado o Vermelho directo...
ADENDA: Os dois primeiros golos do Sporting deixaram algumas duvidas em relação ao Fora-de-jogo, principalmente o 2.º... pessoalmente, não acho que exista fora-de-jogo, o Carrilo estará pelo menos em 'linha'.


Como era expectável, o Paços de Ferreira, após vencer o Benfica, foi fazer um treino ao Dragay... tudo normal. Mesmo assim a vitória confortável dos Corruptos, só aconteceu devido aos vários empurrões do Marco Ferreira. O mais grave aconteceu aos 26 minutos, quando perdoou a expulsão ao Jackson, quando ainda estava 0-0!!! Logo o Jackson, que marcou o 1.º golo com o Braço (apesar de mais uma vez, a PorkosTV ter escondido uma repetição esclarecedora... Aliás, o facto do ângulo por trás da baliza, não ter aparecido, é o mais forte indicio, que houve mesmo braço na bola!!!); Jackson que sofreu a falta que deu no penalty no 2.º golo dos Corruptos... Mais um daqueles penalty's onde existe um ligeiro contacto fora da área, e depois o jogador deixa-se cair... o facto de só ter mostrado Amarelo ao jogador do Paços, é a prova, que a consciência pesou!!!
Com a atitude que o Paços jogou, os Corruptos nunca iriam perder este jogo, mas jogarem com 10 durante 60 minutos, com o resultado 0-0, a história poderia ter sido diferente!!!


Porto 5-0 Paços de Ferreira Um Jogo Viciado from EUSEBIO KING on Vimeo.
Anexos:
Benfica
1.ª-Paços de Ferreira(c), V(2-0), Cosme, Prejudicados, Sem influência no resultado
2.ª-Boavista(f), V(1-0), Marco Ferreira, Prejudicados, (2-0), Sem influência no resultado
3.ª-Sporting(c), E(1-1), Proença, Nada a assinalar
4.ª-Setúbal(f), V(0-5), Capela, Nada a assinalar
5.ª-Moreirense(c), V(3-1), Luís Ferreira, Prejudicados, (4-1), Sem influência no resultado
6.ª-Estoril(f), V(2-3), Vasco Santos, Nada a assinalar
7.ª-Arouca(c), V(4-0), Hugo Miguel, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
8.ª-Braga(f), D(2-1), Marco Ferreira, Prejudicados, (2-3), (-3 pontos)
9.ª-Rio Ave(c), V(1-0), Manuel Mota, Nada a assinalar
10.ª-Nacional(f), V(1-2), Bruno Paixão, Prejudicados, Beneficiados, (2-2), (+2 pontos)
11.ª-Académica(f), V(0-2), Jorge Ferreira, Beneficiados, (0-1), Sem influência no resultado
12.ª-Belenenses(c), V(3-0), Manuel Oliveira, Nada a assinalar
13.ª-Corruptos(f), V(0-2), Jorge Sousa, Nada a assinalar
14.ª-Gil Vicente(c), V(1-0), Capela, Beneficiados, (0-0), (+2 pontos)
15.ª-Penafiel(f), V(0-3), Paulo Baptista, Nada a assinalar
16.ª-Guimarães(c), V(3-0), Rui Costa, Nada a assinalar
17.ª-Marítimo(f), V(0-4), Xistra, Nada a assinalar
18.ª-Paços de Ferreira(f), D(1-0), Paixão, Nada a assinalar
19.ª-Boavista(c), V(3-0), Hugo Miguel, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado

Sporting
1.ª-Académica(f), E(1-1), Soares Dias, Beneficiados, (2-1), (+1 ponto)
2.ª-Arouca(c), V(1-0), Nuno Almeida, Prejudicados, (2-0), Sem influência resultado
3.ª-Benfica(f), E(1-1), Proença, Nada a assinalar
4.ª-Belenenses(c), E(1-1), Cosme Machado, Nada a assinalar
5.ª-Gil Vicente(f), V(0-4), Xistra, Beneficiados, (1-4), Sem influência no resultado
6.ª-Corruptos(c), E(1-1), Benquerença, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
7.ª-Penafiel(f), V(0-4), Rui Costa, Beneficiados, Impossível contabilizar
8.ª-Marítimo(c), V(4-2), Manuel Oliveira, Beneficiados, (4-3), Sem influência no resultado
9.ª-Guimarães(f), D(3-0), Hugo Miguel, Prejudicados, (2-0), Sem influência no resultado
10.ª-Paços de Ferreira(c), E(1-1), Bruno Esteves, Beneficiados, (1-2), (+1 ponto)
11.ª-Setúbal(c), V(3-0), Soares Dias, Beneficiados, Impossível contabilizar
12.ª-Boavista(f), V(1-3), Jorge Sousa, Nada a assinalar
13.ª-Moreirense(c), E(1-1), Jorge Ferreira, Nada a assinalar
14.ª-Nacional(f), V(0-1), Duarte Gomes, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
15.ª-Estoril(c), V(3-0), Soares Dias, Nada a assinalar
16.ª-Braga(f), V(0-1), Hugo Miguel, Nada a assinalar
17.ª-Rio Ave(c), V(4-2), Nuno Almeida, Beneficiados, (2-2), (+2 pontos)
18.ª-Académica(c), V(1-0), Rui Costa, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
19.ª-Arouca(f), V(1-3), Jorge Ferreira, Beneficiados, (2-2), (+2 pontos)

Corruptos
1.ª-Marítimo(c), V(2-0), Xistra, Nada a assinalar
2.ª-Paços de Ferreira(f), V(1-0), Mota, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
3.ª-Moreirense(c), V(3-0), Bruno Esteves, Nada a assinalar
4.ª-Guimarães(f), E(1-1), Paulo Baptista, Nada a assinalar
5.ª-Boavista(c), E(0-0), Jorge Ferreira, Nada a assinalar
6.ª-Sporting(f), E(1-1), Benquerença, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
7.ª-Braga(c), V(2-1), Proença, Beneficiados, (2-2), (+2 pontos)
8.ª-Arouca(f), V(0-5), Xistra, Beneficiados, Prejudicados, (1-6), Sem influência no resultado
9.ª-Nacional(c), V(2-0), Nuno Almeida, Nada a assinalar
10.ª-Estoril(f), E(2-2), Soares Dias, Beneficiados, (3-2), (+1 ponto)
11.ª-Rio Ave(c), V(5-0), Benquerença, Beneficiados, (1-2), (+3 pontos)
12.ª-Académica(f), V(0-3), Manuel Mota, Nada a assinalar
13.ª-Benfica(c), D(0-2), Jorge Sousa, Nada a assinalar
14.ª-Setúbal(f), V(4-0), Manuel Oliveira, Beneficiados, (2-0), Sem influência no resultado
15.ª-Gil Vicente(f), V(1-5), Nuno Almeida, Nada a assinalar
16.ª-Belenenses(c), V(3-0), Manuel Mota, Nada a assinalar
17.ª-Penafiel(f), V(1-3), Soares Dias, Beneficiados, (1-0), (+3 pontos)
18.ª-Marítimo(f), D(1-0), Capela, Nada a assinalar
19.ª-Paços de Ferreira(c), V(5-0), Marco Ferreira, Beneficiados, Impossível contabilizar 

Braga
1.ª-Boavista(c), V(3-0), Vasco Santos, Beneficiados, (1-0)?!, Impossível contabilizar
2.ª-Moreirense(f), E(0-0), Paixão, Prejudicados, (1-0), (-2 pontos)
3.ª-Estoril(c), V(2-1), Hugo Miguel, Prejudicados, (3-1), Sem influência no resultado
4.ª-Arouca(f), D(1-0), Proença, Nada a assinalar
5.ª-Nacional(f) E(1-1), Jorge Tavares, Prejudicados, Impossível contabilizar
6.ª-Rio Ave(c), V(3-0), Bruno Esteves, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
7.ª-Corruptos(f), D(2-1), Proença, Prejudicados, (2-2), (-1 ponto)
8.ª-Benfica(c), V(2-1), Marco Ferreira, Beneficiados, (2-3), (+3 pontos)
9.ª-Académica(f) E(1-1), Bruno Paixão, Nada a assinalar
10.ª-Gil Vicente(c), V(2-0), Manuel Oliveira, Beneficiados, (0-0), (+2 pontos)
11.ª-Penafiel(f), V(1-6), Hugo Miguel, Nada a assinalar
12.ª-Guimarães(c), E(0-0), Xistra, Nada a assinalar
13.ª-Belenenses(f), V(0-1), Paulo Baptista, Nada a assinalar
14.ª-Paços de Ferreira(c), V(3-0), Manuel Mota, Nada a assinalar
15.ª-Marítimo(f), D(2-1), Jorge Sousa, Nada assinalar
16.ª-Sporting(c), D(0-1), Hugo Miguel, Nada a assinalar
17.ª-Setúbal(f), V(1-3), Paulo Baptista, Nada a assinalar
18.ª-Boavista(f), D(0-1), Duarte Gomes, Beneficiados, Sem influência no resultado
19.ª-Moreirense(c), V(1-0), Soares Dias, Nada a assinalar

Aposta...

Nas ultimas horas do mercado de Inverno, o Benfica resolveu apostar na Campeonato Nacional de Seniores, actual 3.ª divisão, e assinou 3 contratos com jovens promissores: o ponta-de-lança Flávio Silva (ex-Torrense) a título definitivo, e por empréstimo contratámos o médio Carlos David (Vilafranquense) e o central Vitali Lystsov ao U. Leiria.
É uma aposta interessante, os jogadores vão evoluir na equipa B, com a saída/empréstimos de vários dos nossos jovens da B, abriu-se algum espaço... As informações sobre estes 3 jogadores, como é habitual nestas circunstâncias são boas, mas o nível de competitividade do CNS é completamente diferente das exigências do Benfica. Recordo que recentemente também fizemos uma aposta no Haramiz, que apesar de alguns bons pormenores, acabou por não convencer...

Estátua de Eusébio

domingo, 1 de fevereiro de 2015

10.ª !!!

Benfica 73 - 62 Guimarães
20-16, 19-10, 13-20, 21-16

A estratégia do Vitória passava toda pela agressividade defensiva, portanto a resistência do Guimarães, dependia do critério dos contactos... Se os árbitros tivessem sido mais rigorosos, ao intervalo o Vitória teria a equipa toda à 'bica', assim tivemos jogo até ao início do 4.º período, já que no 3.º período, com algum azar à mistura, permitimos a recuperação do adversário...

O Jobey teve menos espaço, e num jogo muito físico o MVP acabou por ser o Carlos Andrade (ao seu estilo: 13 pontos, 9 ressaltos - 3 ofensivos -, 1 assistência, 3 roubos de bola, 1 desarme de lançamento... e muito trabalho que fica fora da estatística). Tenho que destacar mais uma vez o Gentry, que pode parecer lento, pode parecer 'tosco', mas ao nível nacional, no jogo interior, continua a ser dominador, apesar da idade. Esta época estou mais a gostar da rotação que o Lisboa está a impor, hoje só o Jobey e o Carlos jogaram mais de 30 minutos, com um banco tão profundo, com vários jogadores veteranos não existe a necessidade de forçar...
A Taça Hugo dos Santos, começou por se chamar Taça da Liga, esta é a 10.ª Taça que o Benfica traz para casa... O objectivo esta época, é o pleno interno, já só faltam 2: Campeonato e Taça de Portugal.

PS: As nossas equipas de Atletismo (sénior e juniores masculinos), esta manhã em Guadalajara, Espanha, ficaram ambas no 4.º lugar na Taça dos Clubes Campeões Europeus de Corta-Mato por equipas. Já se sabia que o 1.º lugar seria muito complicado, mas o pódio era possível. Ficámos a 7 pontos da vitória e a 2 pontos do 3.º lugar... Uma nota de destaque para o Rui Pinto, que sendo o mais novo, acabou por ser o melhor, com um 9.º lugar. Recordar que as equipas que ficaram à nossa frente estão recheadas de corredores, nascidos, ou com origem no Magrebe, o que torna estas corridas muito mais difíceis...

Imbatíveis

Braga 3 - 5 Benfica

Esta equipa está mesmo com um espírito inacreditável. Hoje, mesmo com alguns tiros nos pés: 1.º golo do Braga, numa falta completamente desnecessária do Patias no último segundo da 1.ª parte; 2.º golo do Braga um erro do Gonçalo; 3.º golo do Braga um erro do Brandi.

No 1.º tempo defendemos bem, mas fomos demasiados tímidos no ataque... O Braga marcou na entrada da 2.ª parte, mas a atitude do Benfica foi diferente, atacámos muito melhor, fomos atrás do resultado, o Braga jogou somente no erro... o jogo foi-se arrastando cheio das palhaçadas do holligan Pli... os apitadores inventaram a 4.ª e 5.ª falta do Benfica no 2.º tempo (como já tinha inventado algumas na 1.ª parte), ficámos à 'bica', mas soubemos sofrer, e nos últimos fomos eficazes. Com o golo do Bruno Coelho a fechar a partida, isto depois do Bruno ter sido o mais perdulário do 2.º tempo!!! Mas o golo do dia, foi mesmo a bomba do Jefferson...

Além do habitual coro de nojentos na bancada, que confundem apoio, com comportamento ofensivo... Além da azia monumental, do treinador do Braga, que mesmo ajudado, criticou os árbitros (a única situação onde podia ter razão, foi numa falta do Gonçalo, que seria a 6.ª perto do final do jogo... no resto da partida, os erros foram sempre a favor da equipa visitada, e foram vários...)!!! Além de tudo isto, a prémio AZIA vai mais uma vez, para o duo de papagaios da RTP, que mais uma vez, confundiram Serviço Público, com anti-Benfiquismo primário... Se isto fosse caso isolado, ainda se podia aceitar, agora em todas modalidades, em todos os Pavilhões onde o Benfica se desloca, com as transmissões televisivas a serem da responsabilidade da televisão pública, somos obrigados a 'desligar' o som... Vergonhoso.

Para a semana recebemos os Lagartos, num jogo que não vai alterar a nossa classificação (1.º lugar), mas que será importante para 'marcar território'. Nas últimas duas épocas vencemos todos os jogos oficiais com os Lagartos, será importante manter os Lagartos psicologicamente 'alterados'... além disso podemos 'ajudar' os nojentos do Braga, a ficar em 2.º lugar, e assim dificultar a já difícil Meia-final entre o Sporting e o Braga!!!
A única 'quase-debilidade' que encontro da nossa equipa actualmente, é as dificuldades que temos às vezes, em pautar os ritmos de jogo... Nem sempre se pode jogar com o 'prego a fundo', às vezes é preciso 'congelar' o jogo... Por isso a ausência do Hemni acaba por ser notar. Mesmo assim, no Sábado é para ganhar, nem que sejamos obrigados a jogar com as linhas baixas...

Ingenuidade...

Benfica B 1 - 2 Leixões

A equipa B serve para 'educar' os nossos jovens nos caminhos do Tugão... Hoje, por acaso, o nomeado para apitador foi um 'velho' conhecido dos nossos jovens, pois na AFL fartou-se de apitar jovens da nossa Formação nas últimas épocas, sempre com roubalheiras monumentais: Rui Rodrigues. Um daqueles Lagartos do mais anti-Benfiquista possível, na mesma linha do Huginho...!!!
Sendo assim a ingenuidade da nossa equipa não tinha razão de ser... Gerir um 1-0 com um apitador destes é muito perigoso: andou o jogo todo a perdoar cartões aos jogadores do Leixões, 2 minutos antes do 1.º amarelo ao Teixeira, perdoou um amarelo a um jogador do Leixões, por rasteira grosseira ao Teixeira, quando este se isolava pela direita... 2 minutos depois, num corte limpo do Teixeira, dá-lhe o 1.º amarelo!!! Nos últimos minutos, para a estatística, andou à procura de todos os jogadores do Leixões que ainda não tinham amarelo, e amarelou-os quase todos!!!
Infelizmente, vamos ter que levar com mais este artista, na 1.ª categoria, durante muitos anos...

O Benfica entrou bem no jogo, marcou um golo, e podia ter marcado mais... Com o Renato, o Rebocho e o Fonte em destaque... Tanto o Renato como o Rebocho nos últimos meses evoluíram imenso. O Renato então com 17 anos (1.ª júnior) está com uma potência física enorme... O Nuno Santos continua a mostrar qualidade, mas ainda falta alguma coisa... o mesmo se pode dizer do João Carvalho, que na minha opinião na Fase Final do Campeonato de Juniores, e na UEFA Youth Cup deverá se juntar à equipa de Juniores. O Dawidowicz continua a demonstrar fragilidades, principalmente a defender!!! E hoje o Teixeira, esteve menos interventivo, além disso foi 'burro', depois de ver um amarelo injusto, facilitou o trabalho ao Ladrão e em poucos minutos levou o 2.º amarelo!!! Expulsão que acabou por ser decisiva no resultado do jogo... Com a saída do Renato no início da 2.ª parte, o Benfica já tinha perdido o controle total do jogo, mas mesmo assim éramos a equipa mais perigosa, com 10, perdemos o controle completo do jogo...

Com 10, sofremos o 1.º golo num 'frango' do Varela (o 2.º da época... são poucos, mas são dois em demasiado pouco tempo), e sofremos um 2.º golo, numa jogada onde me parece existir fora-de-jogo (ainda me ficou a impressão que foi auto-golo!!!)...

Varela; Semedo, Lindelof, Valente, Rebocho; Dawidowicz, Sanches (Menga, 52'); Teixeira, Carvalho (Alfaiate, 71'), Santos (Clésio, 86'); Fonte.