Últimas indefectivações

sábado, 3 de setembro de 2016

Susto !!!

Arsenal Devesa 29 - 30 Benfica
(15-14)

Muito apertado! Jogámos mal, em vários momentos do jogo, mas deu para vencer...
Tivemos na 1.ª parte e na 2.ª parte, boas vantagens, parecia que íamos embalar, mas acabámos por facilitar...
Nos últimos minutos, com alguns jogadores lesionados, com vários 7 metros contra, e com jogadores excluídos, metemo-nos a jeito!!!

Com o fim dos play-off's voltámos a esquema antigo, que penaliza todas as 'brancas' que a equipa tem durante a época... Creio que esta partida, acaba por ser um bom aviso...

Benfiquismo (CCVIII)

Esgotado...

Digo 36

"Finalmente acabou o inferno de um mercado que este ano prometia ser ainda mais desestabilizador. Este mercado aberto, com as provas a decorrer, é um disparate onde quem ganhar não são nem os clubes, nem os jogadores, nem as competições.
Sempre discuti com os meus amigos sportinguistas argumentando que Jorge Jesus substituía com razoável eficácia João Mário e até Slimani, e que só a venda de Adrien seria problemática (que o digam os grandes sportinguistas José Alberto e Luís Coutinho). Os jogadores excepcionais são os que jogam sempre bem, e não os que aparecem mais vezes nos títulos dos jornais. Bas Dost é melhor que Slimani. Markovicé tão bom como João Mário. O Sporting sai muito forte deste fecho de mercado.
O Benfica ganhou sem deslumbrar na Madeira, mas os três pontos eram essenciais. Não há razões para euforia nem para alarmismo. O Benfica tem bons jogadores, há muita qualidade e matéria-prima para se fazer uma temporada em linha com as exigentes expectativas dos adeptos. A contratação de Rafa, nos últimos minutos de mercado, acrescenta qualidade e soluções. Mas como foi o próprio jogador que quis ir para o Benfica acrescenta também alma e vontade que serão decisivos na luta pelos títulos este ano.
Estranho esta massa adepta do FC Porto, que no último ano festejava a derrota com o Sporting em casa, num jogo onde foi bem mais prejudicado, e este ano atira-se ao árbitro por ter perdido com o mesmo Sporting. Nunca sabemos quando os portistas querem ganhar ou quando querem que o Benfica não ganhe. Por mim, não me desvio, continuo a considerar o FC Porto candidato ao título, mesmo sem os desejados e falhados Rafa e Mangala, até porque sem Aboubakar, Reyes, Indy e Licá, que saíram, o FC Porto fica mais forte.
Pode ser um grande campeonato. Espero que sim e de preferência que termine tetra... Digo 36..."

Sílvio Cervan, in A Bola

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Lista para a Champions

Como era expectável, a Lista de jogadores para a Champions ia levantar alguma polémica (no Benfica é sempre assim...!!!).
Recordo que existe a obrigatoriedade de ter jogadores Formados no Clube (Lopes, Lindelof, Guedes) e Formados Localmente (na respectiva Federação...), sobrando somente 17 lugares para os 'estrangeiros'!!!!
O Ederson e o Horta ainda não são considerados Formados no Clube, porque não têm 3 anos de contrato, entre os 15 e os 21 anos.
Sendo assim, era só fazer as contas!!!!!!!!
Além dos esperados Kalaica e Jovic, os poucos utilizados neste início de época Danilo e Zivkovic também ficaram de fora!
Continua a julgar, que ambos, vão ser figuras importantes do Benfica esta época, mas tendo em conta a lesão do Zivkovic e o 'problema' que tem impedido o Danilo de ser convocado, acaba por ser normal estas opções.
Se tudo correr normalmente, após a Fase de Grupos, o Benfica poderá alterar as Listas...

GR: Ederson, Júlio César, Paulo Lopes
DC: Jardel, Luisão, Lindelof, Lisandro
DD: Almeida, Semedo
DE: Grimaldo, Eliseu
MC: Fejsa, Celis, Samaris, Horta
MD: Pizzi, Salvio, Carrillo
ME: Cervi, Rafa
AV: Jonas, Mitroglou, Jiménez, Guedes

Ainda não foi anunciada a Lista B, que vai incluir praticamente todos os jogadores da equipa B.

Cuidados redobrados

"1. Sorteios são sorteios. Não há que lamentar, nem rejubilar. Mas o grupo da Champions que nos calhou não é nada fácil, sobretudo tendo em conta que o Benfica saltava, com todo o mérito, do pote 1. Nápoles, Besiktas e Dínamo de Kiev são adversários a quem podemos ganhar, mas com quem também podemos perder. A afirmação parece um tanto lapalissiana, mas a verdade é que entre estas quatro equipas qualquer classificação será, digamos, normal. É o chamado grupo traiçoeiro, acessível na aparência, mas perigoso a cada esquina. A última vez que algo semelhante nos tocou em sorte (há dois anos, com Zenit, Mónaco e Leverkusen), correu-nos mal. Não há 'pêras doces', como noutros grupos. Não há tubarões que possam retirar todos os pontos a todos os adversários. Cada jogo é decisivo, e pode não haver margem de erro.
Acresce que todos os adversários (dois campeões e um vice-campeão) estão em excelente momento da sua história recente. Dito isto, é óbvio que acredito no Benfica, e em mais um apuramento para a fase seguinte.

2. A arbitragem portuguesa parece estar a mudar... mas para pior. Podem ser apenas sinais. Pode ser precipitado fazer já uma avaliação. Mas o que se percebe destas primeiras três jornadas, quer em termos de nomeações, quer em termos de desempenhos, não augura nada de bom. Estejamos atentos, e não permitamos o regresso a um passado negro, agora com outros protagonistas.

3. A época das modalidades começou da melhor forma, com um triunfo na Supertaça de Andebol. Será certamente o primeiro de muitos títulos, pois a infelicidade que tivemos nas últimas finais não durará para sempre."

Luís Fialho, in O Benfica

Bazófia

"Esta semana aconteceu-me um episódio curioso que quero partilhar convosco e que espelha como vai ser esta temporada no futebol português. Apanhei um táxi em direcção ao Rossio, em Lisboa, e da tagarelice habitual passámos - o condutor e eu - para uma conversa animada sobre futebol. Imaginem vocês que o senhor taxista era adepto do Sporting CP - afinal também os há... - e mostrou a sua filiação clubística com a seguinte expressão: 'O que eu sei é já não vejo ninguém à frente'.
Não resisti e soltei uma bem-disposta gargalhada desde o banco de trás. 'O ano passado também era assim e foi o que se viu', respondi-lhe. A conversa encaminhou-se para uma discussão quando o idoso senhor me perguntou qual seria então o campeão se não fosse o seu clube. Naturalmente atirei-lhe com um lacónico 'o campeão dos últimos anos'. Após alguns momentos de silêncio, o taxista voltou à carga com os negócios de milhões de Alvalade, com a excelência dos dirigentes, com o facto do Adrien ter de 'estar mas é caladinho e cumprir o contrato'. Foi assim que percebi que estava perante um senhor de idade com claros problemas de visão e a sofrer de um mal que assola há quase 15 anos uma pequena franja da sociedade portuguesa: a azia.
A conversa azedou de vez quando lhe fiz ver que a bazófia não leva a lado nenhum, como se provou a temporada passada. Nada. O taxista, sem argumentos, continuava a relembrar que a sua equipa está à frente do campeonato. Estávamos a chegar ao Rossio quando lhe disse: 'Lembre-se de que ainda vamos na terceira jornada e que não há campeões em Setembro'. No fim da corrida deixei um euro de gorjeta, não vá ser preciso uma ajuda para pagar ordenados."

Ricardo Santos, in O Benfica

Previsíveis

"Tanto Rui Vitória como a nossa equipa de andebol são previsíveis, no sentido em que o primeiro procura sempre alterar o que terá contribuído para uma exibição menos conseguida e a segunda nunca se dá por vencida.
Na Choupana, Cervi e Mitroglou deram o lugar a Jonas e Jiménez, e Pizzi alinhou noutra posição. O Benfica surgiu mais solto, dinâmico e esclarecido. O regresso de Jonas fez toda a diferença, todavia as melhorias extravasaram a influência do nosso formidável atacante. Talvez, também, por outra das facetas do Benfica liderado por Rui Vitória ser uma certa previsibilidade na reacção positiva a um desaire recente. Não o esquecemos na próxima infelicidade.
Em Setúbal, frente ao ABC, os nossos andebolistas recuperaram de uma desvantagem de quatro golos a seis minutos do final da partida. O triunfo nesta Supertaça deveu-se à qualidade, à entrega e à recusa em aceitar uma derrota que chegou a parecer inevitável.
'À Benfica', portanto, o que começa a tornar-se previsível na nossa equipa de andebol, independentemente do desfecho final, poderemos sempre depositar nela a confiança de que tudo fará para engrandecer o nosso palmarés na modalidade.
E já que refiro a previsibilidade, uma última palavra para o clássico dos antis disputado na última jornada. Os portistas queixaram-se do árbitro, os sportinguistas não reivindicaram a necessidade da implementação do uso do vídeo-árbitro, e ambos, alegres e contentes numa espécie de irmandade, insultaram os benfiquistas. Não duvido de que sejam rivais... na disputa pelo ceptro do antagonismo ao Benfica. Eles lá saltam para ver quem não é lampião, e nós, sentados em frente ao televisor, sorrimos."

João Tomaz, in O Benfica

Sonhar Tóquio - 2020

"Terminados os Jogos Olímpicos do Rio - 2016, as modalidades ditas amadoras regressam à sombra. Serão desenterradas daqui a quatro anos. Com Tóquio - 2020 no horizonte, voltaremos a falar de medalhas, de resultados de excelência, de apoios, de projectos, de cultura desportiva, da necessidade de reforço do desporto escolar.
Sonhar Tóquio - 2020 deveria ser uma preocupação nacional, desde a tutela a todos os agentes desportivos: dirigentes, atletas e treinadores. A invés de navegação à vista, um projecto com objectivos quantificáveis, mensuráveis, um plano de acção claro e concreto, responsabilidades (bem como direitos e obrigações) distribuídas e bem definidas e um sistema de avaliação continua.
Mas como quem ama o desporto também pensa em 2024, 2028 (...) também espera um trabalho sério - estrutural e estruturante - na aposta de uma verdadeira elevação da prática desportiva dos portugueses, ao nível qualitativo e quantitativo. Só com profundidade de acção no nosso sistema desportivo podemos ambicionar (e exigir) medalhas olímpicas com naturalidade. Sem um presente consciente da importância do futuro, vamos continuar a hipotecar sonhos e ambições.

Tóquio - 2020 já há muito começou para imensos atletas. Mesmo que os objectivos sejam diferentes, todos procuram o seu melhor, a superação. O sonho olímpico dá vida!
Sonhar Tóquio com medalhas? Claro! Temos que ter ambições. Sabemos que há uma relação directa entre os recursos financeiros disponibilizados e os resultados desportivos e que Portugal os tem muito limitados, tal como o seu nível de prática desportiva. E depois? O conhecimento aliado a competência, talento, estratégia, eficácia, eficiência e perseverança, resultaram numa poção mágica que leva muitos países a surpreender. É possível transformar o sonho em realidade."


Mário Santos, in A Bola

Benfiquismo (CCVII)

Braço no ar... golo !!!!

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

A velhice do Padre Eterno

"Bastou que o Porto perdesse para que logo viessem falar das arbitragens. Eu sei que deve ter custado perder assim.

Nestes últimos dias (independentemente das polémicas, dos objectivos da obra original e do momento da sua publicação), veio-me à memória 'A velhice do Padre Eterno', de Guerra Junqueiro.
A história conta-se, como em todas as ligadas ao futebol, em poucas palavras, porque, normalmente, por aqui há mais acções (não confundir com boas acções) que pensamentos.
Recentemente, a propósito de um jogo do Benfica, em que não participava nenhum dos clubes da velha aliança, um presidente, com o sarcasmo (e a impunidade) a que há muito nos habituou, afirmou que «arbitragem vai ser discutida sempre que o Benfica não ganhar».
Sabem o que aconteceu, no fim de semana seguinte, com a derrota do seu clube, com lances polémicos em seu claro prejuízo.
Com a sem vergonha a que nos habituou, por dizer tudo e o seu contrário, sem ninguém ter coragem de o questionar sobre tanta incoerência, o tal presidente lá mandou arrasar a arbitragem, apesar de o Benfica ter ganho.
Uma semana foi o tempo que mediou entre essa declaração e a quebra dessa convicção!
Bastou que o Porto perdesse para que logo viessem falar de arbitragem.
Eu sei que deve ter custado perder assim!
Como a mim me custa perder (ou empatar, como foi o caso da jornada anterior) com erros gritantes dos árbitros.
Mas quem, na época passada afirmava que o Sporting é que devia ser campeão, não pode estranhar, agora, que julguem que a declaração ainda estará em vigor.
O ódio ao Benfica turva-lhes o pensamento.
E as vitórias, que «não soem já como soíam» (o Camões dá sem jeito para responder a um intelectual que se julga superior num mundo pouco dado a essas coisas) agravam-lhes a hipocrisia.
Eu devo preocupá-los muito.
Porque de uma previsão (iguais às deles, mas sem a disfarçar com posturas pensativas, para esconderem os risos alarves do desejo das nossas derrotas) fazem um caso de lesa majestade.
E porque sabem que os lambe botas do costume, os que precisam deles para sobreviver, lhes servirão fatias de subserviência disfarçadas de solidariedade.
Estou tranquilo quanto sem medo de os voltar a desafiar.
Tentarão uma e outra e outra vez a minha saída dos lugares que ocupo, na comunicação social, na estrutura do Benfica, em tudo quanto a minha imagem e as minhas posições os possam ameaçar, com a conivência dos que estão sempre dispostos a fazer-lhes a vontade.
Aprendi, lá dentro, em muita conversa, mas com muitos factos, tudo o que sei hoje sobre esta realidade (e, já agora, que não conhecia em 2004, quando era Ministro, como alguns gostam de relembrar).
Por isso recordei, perante tanta virgem ofendida e tanta hipocrisia, 'A velhice do Padre Eterno', de Guerra Junqueiro.
Reli, citando o autor, a suspeita de que «o velhote dança e sabe assobiar».
Ao toque desse assobio, lá vieram os do costume com a solidariedade bacoca e provinciana, mesmo que alguns sejam da capital (que não a de Eça).
Guerra Junqueiro alude ao pisar do «dragão pecado», com um «sorriso divino» e um leão.
Por mim, nem tanto ao mar nem tanto à terra.
Bem sei que as pessoas, talvez com a idade, tenham menos percepção da inconsequência e da incontinência verbal em que, não raras vezes, incorrem.
Sei, também, que o que defendem hoje nada têm a ver com o que disseram anteriormente.
Talvez porque julguem - e bem - que o futebol é a área da vida onde mais vemos aplicados os ensinamentos de Nicolau Maquiavel: «os fins justificam os meios».
Bem sei que a falta de carácter potencia a inteligência, e por isso não me preocupo com o que vão dizendo e fazendo.
Excepto quando, sob a capa da «graçola e da parolice», passam os dias a dizer reiteradamente mal do meu clube.
Durante a época passada foram sucessivos os ataques, semana após semana, para tentar desestabilizar o Benfica, para evitarem o tricampeonato.
Este ano vão pelo mesmo caminho.
Por isso, poderão continuar os ataques cerrados que me fazem.
Poderão, até continuar a aprovar leis na Liga contra mim, por iniciativa de clubes que só querem que o Benfica perca, fazendo tábua rasa da liberdade de expressão e correndo o risco de serem publicamente envergonhados - se a aplicarem - quando virem anulada a iniciativa por um tribunal, por manifesta inconstitucionalidade.
Até porque ao julgador se exige um juízo prévio de conformidade da norma com as que lhe são superiores. Ou não será?
Já agora (e para ver se eu tenho mesmo medo) porque não sancionar a minha presença no 'Dia Seguinte', na SIC, com a pena de morte?
Era tão inconstitucional como a norma que aprovaram e resolviam o problema que têm comigo de vez.
Por mim, e se o não fizerem (vontade e ameaças nesse sentido, nas redes sociais, não faltam), cá continuarei e lutar e a defender, de forma intransigente, os interesses do Sport Lisboa e Benfica.

A velha aliança
Na época passada,«ambos os dois» (o futebolês não me sai da cabeça) decidiram adoptar uma estratégia de comunicação em que reinava a maledicência e a insinuação, com várias manobras de desestabilização do Benfica.
Sabemos, hoje, que essa estratégia não chegou para nos derrotar.
Esta época não será diferente, com os meios a serem os mesmos, já que o importante será atingir os fins: que o Benfica não ganhe.
Nós continuaremos a querer ganhar, apenas e só.
Não obstante, e depois do primeiro confronto da época entre os membros da velha aliança, será que a estratégia - e, por maioria de razão, velha aliança - cedeu perante o resultado?
Em circunstâncias normais, diria que tudo cede perante o resultado, porque, como diria José Mourinho, «o resultado é que faz o espectáculo».
Terá sido assim, no domingo passado?
Em Alvalade, como todos suspeitávamos venceu o elogio recente o desesperado.
Confesso que, durante o jogo, temi que o tempo em que a equipa do Porto corria atrás dos árbitros quando se sentia prejudicada voltasse.
Velhos tempos (sem qualquer graça à velhice do padre eterno) que, afinal, não voltaram.
Uma certeza apenas: a não perder as cenas dos próximos capítulos.
Até porque ainda vamos ver uns a queixarem-se de as reuniões de pais de uma equipa de um escalão de formação dos outros se confundir com uma cimeira da arbitragem portuguesa.
Mas, como isso não se passa no Benfica, «ditosa pátria, que tais filhos tem»!

Filhos e enteados
desconfiávamos. Os outros presidentes, podem dizer tudo o que quiserem, contra o árbitro e tudo à volta. Vale tudo e tudo lhes é permitido.
Quem não pode - sequer - desabafar, depois de um jogo em que o árbitro prejudicou (como já o havia feito anteriormente, em 2 jogos da época passada) o Benfica, é Luís Filipe Vieira.
Uns são corruptos, outros são invejosos, outros são obedientes por não terem cabeça para mais, mas todos eles coincidem num só objectivo: vale tudo, mesmo tudo, para o Benfica não ganhar!
Ele há filhos e enteados!
E depois querem que me cale???"

Rui Gomes da Silva, in A Bola

Gibraltar aqui tão perto

"Com o habitual interregno setembrista para dar lugar a jogos particulares e de apuramento das selecções, interrompe-se a preparação consistente dos clubes que, pelo mundo, mais atletas dão às formações nacionais. Por cá, Benfica, Sporting e Porto socorrem-se de jogadores secundários para garantir o número mínimo necessário para treino colectivo e rezam para que não haja lesões dos seleccionados. Entretanto, os clubes mais modestos, passam mais um tempinho sem receitas de bilheteira por ausência de jogos.
Não é fácil compatibilizar tudo, evidentemente. Todavia, não percebo por que razão é necessário interromper os campeonatos europeus por causa de um jogo oficial de apuramento, para o Mundial de 2018. Poderiam fazê-lo a meio da semana, tal qual as competições europeias de clubes, não houvesse a obrigatoriedade de um jogo dito de preparação.
No caso de Portugal, o tal jogo prévio só pode ser entendido como piada. Hoje, vamos defrontar a poderosa selecção do rochedo de Gibraltar, em 2013 admitida na UEFA! Os gibraltinos têm jogado em casa no Algarve e nos 10 encontros do seu grupo para o Euro 2016, somaram zero pontos... 56 golos sofridos e... 2 marcados. Não sendo certamente um adversário representativo para homenagear os valorosos campeões europeus, nem parecendo ser o oponente ideal para preparar o jogo com a Suíça - louvando, todavia, a consignação parcial da receita para o IPO - só vejo duas explicações futebolísticas: inchar as internacionalizações e municiar tacticamente o nosso plantel para defrontar dois temíveis adversários na poule para o Mundial: Ilhas Faroé e Andorra!"

Bagão Félix, in A Bola

PS: O problema das interrupções dos Campeonatos, devido aos jogos das Selecções resolvia-se facilmente:
- Criação no final da época, de uma 'season' das Selecções, como acontece no Rugby! Um mês, ou um mês e meio, seria suficiente para cumprir todos os compromissos com as qualificações, no final da cada época... Até a questão das lesões seria atenuada, já que as 'pequenas' lesões, seriam recuperáveis, antes do início da época seguinte...
Além disso o quadro competitivo das Selecções também devia ser alterado, realmente não faz sentido estes jogos com Gibraltar, Andorra, Ilhas Faroé, São Marino...

O Circo visto por dentro...


A personagem no video, não tem muita credibilidade é verdade, mas neste assunto, até não tem muitas razões para inventar...
Depois de alguém dizer isto em público, num País a sério, no dia seguinte, haveria uma investigação para se saber, quem são os proprietários do tal fundo, que comprou ao Braga uma percentagem do passe do Rafa, por €250 mil... e depois vendeu a mesma percentagem por €4 milhões!!!
E ainda o gajo a trabalhar...

Benfiquismo (CCVI)

Alguns estavam com frio...!!!

Rafa

Fechou a loja!!!
Finalmente, o Mercado fechou (pelo menos nas principais Ligas...)!
Sendo que é provável aparecerem alguns jogadores livres (sem contrato), estilo Jonas, disponíveis para assinar...!!!

Como era espectável a novela Rafa, só terminou a poucos minutos da meia-noite, tal como já tinha acontecido com o Lima...!!! Muito sinceramente. tenho dificuldade em compreender o facto do Benfica continuar a fazer negócios com o Braga... as más recepções que o Benfica tem sido brindado, repetidamente em Braga, por parte da 'estrutura' (já existiu a tentativa de 'separar' o Salvador dessa animosidade, mas a mim, não me enganam...!!!), parece que não fazem mossa na 'estrutura' do Benfica...!!!
A novela Rafa foi vergonhosa, a constante ameaça e alterações das condições, foi brincadeira de mau gosto, e deverá servir de lição para o futuro...
O Benfica neste defeso, até conseguiu definir o plantel bastante cedo... independentemente do valor do Rafa, tinha sido preferível encontrar outro jogador parecido no Mercado internacional, tenho a certeza que com os €16 milhões, havia jogadores disponíveis... e tínhamos poupado o nome do Benfica, a esta novela...

A tolerância no Benfica é sempre curta, mas a favor do Rafa nesta 'confusão' toda, a vontade do jogador, deve ser realçada! Os jogadores não tem Clube (como hoje ficou provado, noutro negócio...!!!), o Rafa até parece ter tido uma infância 'difícil' como adepto do Sporting... mas, nestes últimos dias, e horas, acabou por manter a sua palavra, e mesmo com a intromissão de terceiros, não mudou de opinião (como outros já o fizeram...)! Independentemente de tudo o resto, esta posição do jogador, é sinal de integridade...

Futebolisticamente falando, o Rafa é claramente um bom reforço. Pode parecer estranho, já que o Benfica tem muitos extremos... mas extremos com rotinas a jogar na esquerda, não temos ninguém!!! O Cervi jogava essencialmente no meio, o Zivkovic sendo canhoto, joga preferencialmente na direita, o Carrillo e o Pizzi nunca jogaram na esquerda!!! Mesmo jogando na esquerda com o 'pé trocado', o Rafa é partir de agora, o jogador com mais rotinas para a posição!
Mais: a utilidade do Pizzi no onze do Benfica, na última época, deveu-se essencialmente ao seu jogo 'interior'! Jogando muitas vezes como falso-ala, aparecendo 'entre-linhas' no meio... dificultando as marcações adversárias, e ajudando muitas vezes a nossa zona central do meio-campo (que joga quase sempre em 'inferioridade' numérica...!). Pois bem, o Rafa pode fazer o mesmo, mas na esquerda... abrindo assim espaço no onze, para ter um Salvio 'encostado' à linha no flanco oposto! Defensivamente, o Rafa dá menos que o Pizzi... mas ofensivamente dá mais!!!
Agora, este jogo 'interior' do Rafa (com o Grimaldo a descer no flanco, até faz sentido...), não pode ser confundido com a capacidade para substituir o Jonas, como alguns expert's defendem!!! Uma coisa é 'começar' no flanco e 'aparecer' no meio, outra coisa é jogar no 'meio' ficando exposto a marcações mais cerradas. Além disso Rafa não tem o 'faro' pelo golo do Jonas (dentro da área...), aliás poucos no Mundo têm... a jogar em 442, o Guedes e o Jiménez são claramente as melhores opções no plantel para o lugar do Jonas.
E mesmo num possível Plano B (um 433, nos jogos mais difíceis...), o Rafa nunca será o 3.º homem do meio-campo! Nessa situação o André Horta é claramente a melhor opção, e dos extremos o Carrillo será aquele com melhor perfil para ser adaptado!

Os detalhes completos da negócio ainda não são oficiais, mas se se confirmar os €16 milhões, por 90% do passe, mais 50% do Rui Fonte, mais o empréstimo do Benitez, acho o valor inflacionado, mas tendo em conta a contra-informação dos últimos dias, temi ser bastante pior!!! Ainda se falou de um possível empréstimo do Celis... É verdade que o Colombiano ainda não me convenceu, mas tendo em conta o potencial de lesões do Fejsa, fiquei contente com a permanência do Celis.

Agora, que terminou as novelas (até Janeiro), em jeito de balanço, considero este defeso um dos melhores para o Benfica, nos últimos tempos!!!
Primeiro resolvemos as contratações, muito cedo...
Em segundo lugar, contratámos bons jogadores...
Em terceiro lugar, e se calhar mais importante, conseguimos segurar: o Ederson, o Lindelof, o Jardel, o Fejsa e o Jonas! Além do regressado à boa forma: Salvio!
Todos jogadores que foram dados como certos fora do Benfica, durante o defeso!!!
Acrescento ainda os nomes de Samaris, Jiménez, Mitroglou, jogadores com mercado, e que são grandes mais-valias no plantel...
Juntamente com o Samaris, ainda ficámos com o Luisão e o Eliseu, jogadores experientes, e com voz de comando no balneário!
A minha posição sobre o Luisão é conhecida, desportivamente acho que já não deverá ser titular no Benfica, mas a liderança no balneário é indiscutível. E tenho a certeza, que não sendo primeira opção, não fará disso, um escândalo! O ordenado já é outra conversa...!!!

Tal como o ano passado, a grande 'esperança' de muitos Benfiquistas para este final de mercado, era a contratação de um '8' !!! Mas isso não aconteceu (apesar da hipótese Hernanes ainda não estar totalmente descartada, já que o mais provável é o Brasileiro rescindir com a Juventus, e ficar livre...!!!)... Tal como tenho escrito nas crónicas dos jogos, tenho muitas esperanças no Danilo... mas este 'treino' invisível está a deixar-me nervoso!!!
Recordo também, que aquela que considero a melhor contratação do defeso, foi a do Zivkovic! Jogador que ainda não jogou devido a lesão...!!!

GR: Ederson, Júlio César, Paulo Lopes
DC: Jardel, Lindelof, Luisão, Lisandro, Kalaica
DD: Almeida, Semedo
DE: Grimaldo, Eliseu
MD: Fejsa, Samaris, Celis
MC: Danilo, Horta
ED: Salvio, Zivkovic, Pizzi, Carrillo
EE: Rafa, Cervi
AV: Jonas, Mitroglou, Jiménez, Guedes

Este será o plantel para atacar o Campeonato, prevejo alguns 'sacrificados' para entrar na Lista da Champions...!!!

Das saídas confirmadas hoje, destaco o Carcela! Fez uma boa época, demonstrou profissionalismo, quando foi chamado, jogou bem... foi mesmo decisivo em alguns jogos, e sempre com 'boa cara'!!! Falta-lhe alguma 'chama' para ser um jogador de altíssimo nível, desportivamente a saída não me afecta, mas deixa boas recordações...

Infelizmente, o maior cancro na nossa folha salarial, ficou (para já...), e temo que vai ficar por muito tempo... A situação do Taarbat é grave, e não sendo advogado, acho que o Benfica deveria tomar medidas mais radicais...!!!
Além do Franco-marroquino, ainda ficámos com várias situações indefinidas, com o Jovic à cabeça!!! Mas também Vera, Bilal, Romário, Lima, Scholl, Amorim... e o lesionado Pelé! Creio que alguns serão integrados na equipa B, mas seria importante encontrar colocação para os outros...


quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Acaba hoje...

"Acaba hoje o frenesim transferidor. Mas, como de costume, muita água (que dizer, dinheiro) ainda vai passar por debaixo da ponte até à meia-noite.
As notícias e os programas televisivos sobre estes negócios vão despedir-se até que venha o impostor, mercado de Inverno. Por alguns meses, deixaremos de ter factos (alguns), teorias (abundantes) e especulações (até fartar) sobre negócios, intenções e comissões.
Há dias, num dos canais do cabo informativos, vi vastas dissertações televisivas sobre o caso Rafa à volta de mísera intermediação de 1,6 milhões de euros. Com os comentadores (aliás, bem preparados) em janelinhas de lado no ecrã, como agora é estúpida moda, com imagens repetidas até à exaustão do Benfica - SC Braga da Supertaça e, como se não chegasse, com uma música de fundo entre palavras ditas e um oráculo abundantemente preenchido.
Um mercado a funcionar com as competições a decorrer é um logro, com a tirania do dinheiro todo-poderoso (de alguns clubes, poucos e sempre os mesmos), trocas e baldrocas, empréstimos simulados, fair-play driblado, despedidas lacrimosas e proclamações de amor eterno.
O expoente desta batota atinge-se no sorteio das competições da UEFA, que se realiza antes do fim do mercado. No intervalo entre estas datas, um jogador de uma equipa pode já não defrontar, mais tarde, um seu oponente no sorteio, porque para este vai ser transferido ou emprestado (é o caso de Talisca). Ou um jogador do Porto (Aboubakar) vai para um adversário do Benfica (Besiktas) e Slimani do Sporting parece estar de malas aviadas para um concorrente do Porto. Etc."

Bagão Félix, in A Bola

Benfiquismo (CCV)

O Velho e o Novo...!!!

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Lembrando o homem de ferro forjado

"No dia 20 de Maio de 1973, frente à CUF, no Estádio da Luz, Augusto Matine despedia-se sem saber da equipa do Benfica. Eusébio marcava dois golos que lhe dariam a sua segunda Bota de Ouro. Os encarnados eram campeões sem derrotas.

Nelson Rodrigues, o grande mestre brasileiro da crónica chamar-lhe-ia «Príncipe Etíope de Rancho». Era assim que ele definia, dentro do campo, aqueles negros grandes imperiais, rochosos.
Matine, era um deles: Augusto Matine.
Jogou cinco épocas no Benfica. No dia 20 de Maio de 1973, estava no seu posto: no Estádio da Luz, defrontando a CUF.
Cumpria-se a 28.º Jornada. O Benfica somava 27 vitórias e um empate. Nada a dizer de tamanha superioridade. O Belenenses vinha e segundo lugar,a dezanove pontos.
Superioridades destas não se explicam. Recordam-se e nada mais.
Matine jogava no meio-campo, como outro granítico Toni. E dois homens de arte nos pés: Vítor Martins e Jaime Graça. Não tarda e falarei aqui de Vítor Martins: poucos como ele o merecem tanto.
Na frente,havia Nené e Eusébio. Eusébio disputava com Muller, do Bayern de Munique, a sua segunda Bota de Ouro.
Viria a ganhá-la. Nesse jogo, frente à CUF, marcou dois golos: vitória encarnada por 2-0.
Augusto Matine era tranquilo, calmo. Uma força em vaga, como no mar. Arrastava à sua frente os adversários, cansado-os, tirando-lhes a bola, entregando-a aos companheiros. Dir-se-ia silencioso, por vezes. Impressionava a sua figura, luzidia de suor, erguendo-se em altura por entre todos os outros.
Nesse Benfica do dia 20 de Maio de 1973, havia outro «Príncipe Etíope de Rancho»: Messias Júlio Timula, Vinham ambos de Moçambique: Lourenço Marques dizia-se então.
Moçambique foi sempre um dos grandes alfobres do futebol benfiquista.
Membro de uma equipa invencível
Matine não o sabia; naturalmente, mas fazia frente à CUF, nessa tarde de Maio, com o campeonato pintado de vermelho em flor, o seu último jogo oficial pelo Benfica. Pela segunda vez sagrava-se campeão nacional, fazia parte de uma equipa invencível que nunca mais nenhuma conseguiu imitar em Portugal. Na época que se seguiu, mandou no meio-campo do Vitória de Setúbal, clube ao qual já tinha sido emprestado.
Recordo-me de Matine. Nesse tempo e no de agora seleccionador que é de Moçambique, alvo de homenagens mais do justas no país que o viu nascer.
Tinha uma passada larga e uma presença impressionante. Um rochedo inquebrável de força e vontade. Era um tempo em que jogar no Benfica requeria uma exigência única. Campeões sem derrotas, plantéis de imensa qualidade, jogadores para todos os palmos de terreno. E Eusébio, também de Moçambique, Mafalala, melhor goleador da Europa aos 31 anos, quase a partir para a sua aventura definitiva nos Estados Unidos da América.
A despeito de toda a sua qualidade, não era a CUF que podia fazer frente ao Benfica. Nem sequer o Sporting a vinte pontos de distância, o o FC Porto a vinte e um.
Era campeonato de um Benfica só.
Nessa tarde de Maio, estiveram na Luz José Henrique e Humberto Coelho, Malta da Silva e Adolfo, jogando nas costas de Matine e Toni. Havia uma mecânica de poder físico e de arte ao mesmo tempo. Matine dava-se bem com essa regra imposta por Jimmy Hagan, o inglês que dizia: «Vão lá para dentro e joguem».
Jogavam como sempre, como nunca.
O Benfica conquistava o campeonato apenas com dois empates, e Matine dizia adeus. Sem mágoas. Cumprira o seu dever, fora ele próprio. Faltavam duas jornadas para o final, não voltaria a estar em campo com a camisola da águia ao peito. Mas a imagem ficou: homem de ferro forjado, príncipe negro, etíope de rancho, diria Nelson Rodrigues, o rei de todas as imagens.
Campeão único, como foram todos os Benfiquistas nessa época sem igual. Augusto Matine dizia adeus sem o saber. São sempre as despedidas que mais marcam: as que se fazem em silêncio.

Erguia-se no meio-campo em todo o seu tamanho. Era grande e silencioso: como uma rocha."


Afonso de Melo, in O Benfica

Modernistas e jazz-band

"Bristol Club, um cabaret dos 'loucos anos vinte' na secretaria do Sport Lisboa e Benfica.

No início do século XX começaram a surgir em Lisboa os primeiros night clubs. Predicados dos grandes núcleos cosmopolitas, rompiam com a boémia popular 'vivida nas casa de fado e tabernas'. No topo sul da actual Rua das Portas de Santo Antão, juntamente com outros equipamentos de fazer - restaurantes, teatros e cinemas -, foram instalados alguns dos principais clubs. Entre eles, o Bristol Club.
Inaugurado em Março de 1918 com uma decoração tradicional fin-de-siécle, o Bristol viria a conquistar um lugar na história, anos depois, como 'o clube dos modernos'. Após ter sido remodelado pela arquitecto Carlos Ramos, em 1926, 'uma equipa de jovens artistas que pretendiam romper com a estética tradicional e académica' foi desafiada a criar obras de arte para a decoração interior, entre eles: Almada Negreiros, Eduardo Viana, Lino António, António Soares, Canto da Maya e Leopoldo de Almeida. Como, à época, o Museu de Arte Contemporânea era impermeável aos modernistas, espaços como o Bristol Club assumiam-se como museus alternativos, cujas salas eram tidas como 'verdadeiras exposições'. Actualmente, parte dessas obras pertence a instituições museológicas de renome como o Museu Nacional de Arte Contemporânea e a Fundação Calouste Gulbenkian/Colecção Moderna.
Mas 'o Bristol, a casa dos artistas, dos modernos, era também como todos os outros, um clube de jogo, de prostituição cara e de cocaína', um cabaret aberto até altas horas, onde se podia beber, comer, fumar e dançar ao som do jazz-band. Entre os seus habitués, encontravam-se artistas plásticos, escritores, jornalistas, artistas de teatro e 'gente influente política e financeiramente, aristocratas, novos-ricos, (...) papilons e prostitutas elegantes'.
Devido ao novo contexto político-social do país o Bristol encerrou em 1928. Pouco tempo depois, em Dezembro de 1933, o Sport Lisboa e Benfica instalou a sua secretaria nesse mesmo edifício.
Até 15 de Outubro, pode visitar o edifício e ficar a saber mais sobre o Bristol Club na exposição Um Sítio com História. No local ainda se encontram alguns vestígios do Bristol Clube. Para além da porta do n.º 9 da Rua do Jardim do Regedor, no interior pode ver, entre outros, o cimo da 'porta de entrada giratória', uma das portas que 'lembram pequenas portas interiores de navio', da autoria do arquitecto Carlos Ramos, e duas figuras femininas em baixo-relevo do escultor Leopoldo de Almeida."

Mafalda Esturrenho, in O Benfica

Benfiquismo (CCIV)

Passada de Pantera...

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Lixívia 3

Tabela Anti-Lixívia:
Benfica.......... 7 (-2) = 9
Corruptos...... 6 (-3) = 9
Sporting........ 9 (+3) = 6


As evidências vão-se acumulando. Ou muito me engano, ou esta época, vamos novamente bater o recorde pontos acrescentados com erros de arbitragem... E o recordista, vai ser o mesmo do ano passado: os Lagartos!!!
A forma como estes escândalos nas primeiras jornadas têm-se sido varridos para baixo do tapete, a forma como o Benfica leva com 3 'Super-Dragays' nas 3 primeiras jornadas, a forma como os Lagartos levam com 3 adeptos confessos do Sporting nas 3 primeiras jornadas... o silêncio de todos, inclusive do Benfica... a forma como diariamente temos os advogados de defesa desta gentalha, nos pasquins e nas televisões a defender os apitadeiros que vão fabricando resultados... Tudo isto junto deixa-me muito preocupado...!!!

Na Choupana não houve lances graves, mas a tendência natural do Soares Dias foi visível... Neste primeiros 3 jogos, o Benfica ataca mais, tem mais bola, joga conta equipas muito mais agressivas, mas no final das partidas, é o Benfica que faz mais faltas, e é  Benfica que leva com mais cartões... Inacreditável, como se vai perdoando cartões em catadupa aos nos adversários, e depois na primeira infracção os nossos jogadores são amarelados...
Isto não é um acontecimento esporádico, isto é a 'filosofia' actual dos apitadeiros. Quem quiser ter boa nota nos jogos do Benfica, sabe o que tem que fazer...!!!

O clássico mais amigável do planeta, terminou com o resultado completamente invertido pelo árbitro. Aparentemente isso não foi suficiente, para haver indignação generalizada na 'estrutura' Corrupta... Se fosse contra o Benfica, imagino o discurso...
Os dois golos do Sporting são ilegais... Bruno César devia ter sido expulso no início da partida... Coates e Slimani andaram a distribuir 'cotovelos'.... e ainda houve tempo para um fora-de-jogo muito mal tirado ao atraque dos Corruptos!
No 1.º golo dos Lagartos, existem 2 erros claros e uma dúvida: Coates dá uma cotovelada no André Silva, até pode ter sido sem intenção, mas era sempre falta... Logo a seguir Slimani atira-se descaradamente para a piscina, sem qualquer contacto. O mergulho até é mal dado... Da falta que não devia ter sido marcada, a bola bate na barra, e Gelson controla a bola aparentemente com a barriga... muito sinceramente, depois de ver as repetições, não tenho a certeza absoluta, se existiu ou não Mão na bola...
No 2.º golo, Bryan Ruiz controla a bola com o braço... a única dúvida é se foi ou não deliberado. Como logo a seguir, a meio-campo, numa jogada parecida, o árbitro marcou falta de Adrien numa situação 'à queima', sou obrigado a pensar que com o mesmo critério, o lance do 2.º golo devia ter sido anulado!!!
Recordo que antes disto tudo o Bruno César devia estar na Rua!!! A falta é exactamente igual àquelas faltas que em Roma, deixaram os Corruptos a jogar contra 9!!! Recordo que ninguém em Portugal (nem em Itália) pôs em questão a justiça das expulsões de Roma... portanto, esta também deveria ter sido Vermelho directo...
Pelo meio, houve outras faltas e bolas nas Mãos... principalmente do Adrien e do William (3 entradas de 'sola' alta, e nada...!!!) que foram passando em claro... com muitos protestos, sempre dos mesmos, e muita intimidação, sempre dos mesmos!!!
A única coisa que me agradou, foi a forma passiva como os Corruptos foram enrabados e calaram...!!! Já não assustam ninguém...

Surreal, a forma como o Judas é expulso, e fica 3 minutos no banco a dar instruções, e só depois vai para a bancada... a consciência da impunidade, dá nisto!!!

Ao fim de 3 jornadas, temos a classificação totalmente invertida, imaginem ao fim de 34...!!!

Anexos:

Benfica
1.ª-Tondela(f), V(0-2), Pinheiro, Nada a assinalar
2.ª-Setúbal(c), E(1-1), Oliveira, Prejudicados, (1-0), (-2 pontos)
3.ª-Nacional(f), V(1-3), Soares Dias, Nada a assinalar

Sporting
1.ª-Sporting(c), V(2-0), Nuno Pereira, Nada a assinalar
2.ª-Paços de Ferreira(f), V(0-1), Hugo Miguel, Beneficiados, Impossível contabilizar
3.ª-Corruptos(c), V(2-1), Martins, Beneficiados, (0-1), (+3 pontos)

Corruptos
1.ª-Rio Ave(f), V(1-3), Veríssimo, Nada a assinalar
2.ª-Estoril(c), V(1-0), Luís Ferreira, Prejudicados, Sem influência no resultado
3.ª-Sporting(f), D(2-1), Martins, Prejudicados, (0-1), (-3 pontos)

Jornadas anteriores:
1.ª jornada
2.ª jornada

Épocas anteriores:
2015-2016

Benfiquismo (CCIII)

Reconhecem alguma cara?!

domingo, 28 de agosto de 2016

7.ª Supertaça

ABC 24 - 25 Benfica
(15-13)

O ano das modalidades não podia ter começado melhor! Com uma vitória, mais um troféu... e uma remontada épica!!!
O Figueira foi mais uma vez o herói, defendendo tudo nos últimos minutos, permitindo a reviravolta... o marcador chegou aos 24-20 (!!!), mas depois só deu Benfica... e até o golo do Figueira de baliza a baliza, no último segundo, devia ter sido validado...!!!
Vencer um jogo destes com os Brothers Martins a apitar, também, vai ficar para a História!!!

Estivemos muito perto de fazer História o ano passado, a derrota da Europa deveu-se a um jogo desastrado na Luz, e no Campeonato aqueles últimos segundos do tempo regulamentar do último jogo, foram suicidas!!! O plantel não sofreu grandes alterações, o Terzic ainda parece 'fora' do ritmo (mas o Vidrago está completamente integrado), mas com este espírito, apesar do super-investimento dos outros, vamos lutar até ao fim seguramente...

ADENDA: Após o aviso deixado na caixa de comentários, foi verificar ao Blog do Miguéns, e de facto esta foi a 7.ª Supertaça do Andebol do Benfica, e não a 5.ª como o Benfica anunciou!!!!

A subir...!!!

Aves 1 - 2 Benfica B


Duas vitórias consecutivas, e logo a jogar fora!!! Nestes dois jogos, houve uma mudança de 'atitude': em vez de ser o Benfica a ter a bola, e levar golos em contra-ataque... aconteceu o oposto! Os nossos adversários com bola, e o Benfica B a jogar no erro... E deu resultado!

Destaque óbvio para o Heri, que tem demonstrado ter sido uma excelente contratação... Continuamos a dar espaços junto da nossa área, mas com muito suor e muito 'coração' temos resolvido os problemas... Hoje, saímos quase sempre bem para o contra-ataque, mas falhámos demasiados golos... e alguns porque não passámos a bola ao companheiro solto...!!!

O anti-jogo que o Benfica B, fez hoje (e já tinha feito em Vizela) não é bonito, mas andar nas últimas jornadas com a corda ao pescoço para não descer, também não é bonito...!!! Também não é 'bonito' ter um árbitro constantemente a empurrar o Benfica para trás... perdi a conta aos lances perigosos do Aves consequência de claras faltas ofensivas não assinaladas!!!

Os sinais da Europa e a nossa Liga

"Importa fazer tudo para que o futebol português na Liga dos Campeões não fique representado apenas pelo campeão nacional.

1. Hoje, Lisboa vive o primeiro confronto entre grandes desta época desportiva. E com sinais que alguns jogadores estarão a despedir-se e outros a serem apresentados no arranque ou no intervalo de um jogo entre clubes que marcam legitimamente presença na fase de grupos da Liga dos Campeões.

Nesta terceira jornada não há jogos amanhã, ou seja, não há jogos à segunda-feira. Em razão do arranque do primeiro período da época para os jogos oficiais e particulares das selecções nacionais. E, aqui, com as novidades de João Cancelo e André Silva na convocatória do convicto seleccionador Fernando Santos, a par da recuperação dos nomes de Luís Neto e Bernardo Silva. E com a sugestiva e atractiva cidade do Porto a merecer um jogo da Selecção e o momento efectivo da condecoração dos campeões europeus pelo Presidente da República. E com a nota, bem pessoal, que, aqui, nesta prova, estiveram todas - repito todas! - as selecções europeias qualificadas para o Europeu de França e todas elas com os seus melhores atletas! É um gesto de reconhecimento ao Porto, às suas gentes, ao seu amor ao desporto e, em particular, ao futebol. E merece um sincero aplauso o professor Marcelo Rebelo de Sousa - que hoje inicia uma nova visita à martirizada ilha da Madeira e, em especial, à sempre hospitaleira cidade do Funchal! - e também o doutor Fernando Gomes!
E a partir do Porto, mas em concreto da Suíça, arranca o novo sonho do futebol português: marcar presença no Mundial da Rússia. Com a consciência assumida que somos os campeões da Europa! E com Ronaldo a ser reconhecido, com toda a justiça e mais uma vez, o melhor jogador da Europa para a UEFA! E com números esmagadores face a Bale e a Griezmann. E como disse Charles de Gaulle: «a glória só chega àqueles que com ela sonharam!»


2. Na quinta e na sexta-feira passadas ficámos a saber os grandes confrontos da Liga dos Campeões e da Liga Europa. E Lisboa e Porto vão receber de Setembro a Dezembro milhares de adeptos - que são, aqui, velhos turistas! - de grandes marcas da Europa do futebol. O Porto, e o Estádio do Dragão, receberão um dos estreantes absolutos - a par do russo Rostov - desta edição da Liga dos Campeões: o campeão inglês em título o Leicester! E a 22 de Novembro Lisboa recebe, decerto com a devida pompa e a certa circunstância, o campeão europeu em título, o Real de Madrid. E Cristiano Ronaldo regressa, com aplauso geral, a Alvalade. Mas Lisboa acolherá, com a hospitalidade de sempre, alemães e turcos, ucranianos e polacos, italianos e espanhóis. E o Porto, para além dos ingleses que globalizaram o seu néctar, receberá, com a sua fidalguia, belgas e dinamarqueses e, com eles, a paixão singular do futebol! E Braga, e seu dinâmico município, e o seu Sporting bem liderado por António Salvador, acolherá o seu antigo treinador, Paulo Fonseca, e o seu ucraniano Sakhtar, mais os belgas do Gent e os turcos do Konyaspor. O futebol é, também, um meio de diferentes fluxos turísticos. Como a Madeira, e o seu Estádio da Choupana, ontem perceberam com milhares de benfiquistas a subirem, com fervor, e no meio de perturbantes cinzas, ao topo da cidade do Funchal! E muitos dos adeptos fiéis regressam depois com a Família. Com a Querida Família! E Portugal - Lisboa e Porto, Douro e Algarve, Minho e Alentejo, Madeira e Açores - é, cada vez mais, um destino que está na onda. Alguns andam preocupados com esta onda. Mas basta perguntar a um surfista se não aproveita uma boa onda. Como na praia de Ribeira de Ilhas, ali bem colada à singular e vetusta Ericeira. Tão bem retratada já em 1876 por Ramalho Ortigão no bonito livro As Praias de Portugal. Que vale a pena ler nestes dias finais de Agosto. Vale mesmo! Para regressarmos, nós mesmos, à Granja e a Espinho, à Costa Nova e à Figueira da Foz! Agora com a água bem menos fria!

3. As grandes potências do futebol exigem mudanças nas principais competições europeias de clubes. As quatro grandes ligas querem ficar com cinquenta por cento dos trinta e dois clubes que marcam presença na fase de grupos da Liga dos Campeões. Espanha, Inglaterra, Alemanha e Itália querem que os seus quatro primeiros tenham lugar certo na fase de grupos. Ou seja que o Roma esteja na Liga dos Campeões e não na Liga Europa e que não seja sujeito como aconteceu nesta semana a uma justa eliminação pelo Futebol Clube do Porto.
Importa que o futebol português não ignore os sinais que chegam da Europa do futebol. Os grandes querem ser maiores. Parece um Euro de primeira e um outro de segunda! E os quatro clubes portugueses que resistem na Europa do futebol são fundamentais para o futuro próximo do nosso futebol. Importa lutar pelo quinto lugar no ranking da UEFA. E os nossos adversários são França e a Rússia. Que têm melhores resultados nas duas últimas épocas! É que se olharmos para o quadro que apresentamos o futebol português está em grande na Europa nos últimos três anos. Benfica, Porto e, também, Sporting, lá estão. A par dos nomes habituais da Alemanha e de Espanha, da Juventus, do Arsenal, do PSG, do Lyon, do CSKA de Moscovo e do Manchester City. E se olharmos para Estados relevantes da Europa, apenas encontramos, em regra, um representante. Da Turquia, à Bulgária, da Polónia à Escócia, da Bélgica à Holanda, da Ucrânia à Grécia, da Suíça à Croácia. Sem esquecermos a Dinamarca! Importa fazer tudo para que o nosso futebol não fique reduzido ao nosso campeão. Tudo mesmo! Já que como escreveu Jean Giraudoux, «a bola não admite truques, só efeitos sublimes!».
(...)"

Fernando Seara, in A Bola

Benfiquismo (CCVII)

E assim começou...