Últimas indefectivações

sábado, 13 de julho de 2013

Meia-dúzia na estreia...


Étoile Carouge 1 - 6 Benfica

Pouco a dizer do primeiro treino público da temporada. Dos reforços, o Djuricic na 1.ª parte, e o Miki (Sulejmani) na 2.ª parte tiveram em destaque: o primeiro com assistências, o segundo com golos, e remates para as defesas do noite do guardião contrário - também merece destaque o grande golo do Urreta!!!
Com treinos puxados (ainda hoje de manhã), com novo jogo amanhã contra o Bordéus (e outro na Terça, contra o Sion), com muitos jogadores novos, sem alguns dos titulares ainda de férias, contra um adversário fraquinho, não se podia exigir muito mais...
Nota-se um excesso de opções para o meio-campo ofensivo - com muita qualidade, e ainda falta o Ola... -, mas falta opções para ponta-de-lança (o Rodrigo e o Cardozo ainda não chegaram... a concretizar-se a saída do Tacuara é obrigatório contratar outro jogador com características parecidas), hoje foi o Amorim a substituir o Matic, continuo a crer que necessitamos doutro médio fisicamente imponente para aquela posição, mesmo com a permanência do Matic (corremos o risco de ter que adaptar o Steven ou o Lisandro à posição '6' durante a época, em caso de necessidade...). Gostei dos novos Centrais, apesar do valor acessível do adversário, mas a ser verdade a tal boa proposta pelo Luisão, só poderemos abdicar do nosso Capitão se houver garantias que o Garay não sairá!!! O Sílvio entrou muito bem, o Cortez ainda tem que aprender o posicionamento... mas tem toque de bola.

Benfica 6-1 Etoile-Carouge - All Goals por simaotvgolo12

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Bruno Cortez

Pronto - finalmente -, a pedido de muitas famílias, aí está um defesa-esquerdo!!! Será que desta vez acertámos?!!! Muito sinceramente não sei... as opiniões de quem o viu jogar regularmente não são unânimes. Vamos ter que esperar mais um pouco, para vê-lo em campo, talvez amanhã, já possa dar uns toques!!!
Vem por empréstimo, com opção de compra...
Aceitando as informações que apontam para um jogador muito ofensivo, pelo menos este ano teremos a opção Sílvio, para os jogos onde seja necessário arriscar menos.
Fora do campo, parece ser um bom cara... algo que o Benfica, ultimamente tem tentado conciliar nas contratações...
Assim Bruno Cortês, que foi estranhamente transformado em Cortez em Portugal, vai carregar toda a nossa esperança, para que finalmente o defesa canhoto seja uma posição como qualquer outra no Benfica!!!

Chuva de Bronze !!!

O Marcos Chuva conquistou esta tarde a medalha de Bronze, nas Universíadas, que estão a decorrer na cidade Russa de Kazan. Tão importante quanto a medalha foi a marca: 8,15m, a melhor marca do ano, a melhor marca após a lesão prolongada, um claro sinal de que o Marcos está de volta... e ainda com os mínimos B, para os Mundiais de Moscovo, em Agosto. É preciso dizer que os dois primeiros classificados, com 8,46m e 8,42m fizeram marcas muitíssimo boas, que até podiam dar medalhas em Mundiais e Jogos Olímpicos!!!
São muitos os atletas do Benfica em campeonatos internacionais neste momento: nas Universíadas (Kazan, Rússia), o Europeu de sub-23 (Tampere, Finlândia), e os Mundiais de Juvenis (Donestk, Ucrânia). E ainda falta o Mundial de Juniores!!!
Em Kazan o Marcos Caldeira depois de chegar à final do Triplo, ficou aquém do que pode. Em Tampere, o Diogo Antunes nos 100m ficou-se pelas Meias-finais, a Nádia Cancela nos 20 Km Marcha e o Tsanko Arnaudov no Peso estiveram ao nível esperado, e o Tiago Aperta no Dardo, ficou aquém do que pode. O Rubem Miranda que recentemente fez 5,45m na Vara (grande marca), acabou hoje por fazer somente 4,95m e não se qualificou para a Final!!! Em Donestk nos Mundiais de Juvenis, destaque para o Ricardo Pereira, que foi 11.º nos 100m com 10.79s (em 91 atletas), e que se qualificou, para já, para as Meias-finais dos 200m com um recorde pessoal de 21,93s...

PS: Hoje também foi notícia a desclassificação do José Rocha, atleta do Maratona, que acusou Doping, no Nacional de Estrada, sendo assim o Benfica acaba por se sagrar Campeão Nacional 2013...

Perdidos na Bruma

"Nas notícias de pré-época há sempre disputas acesas pela contratação de jogadores. Para os jornais é bom, com a falta de outros assuntos, sempre se informa os adeptos das hipóteses, algumas vezes só suposições, que estão na agenda dos clubes. Nos últimos dias qualquer que fosse o tema desportivo sempre seria ultrapassado pelos desvarios políticos. A política tomou conta das notícias e apenas um jogador algures perdido nas brumas conseguiu furar este bloqueio informativo. Perdido na Bruma serve de título político e desportivo. É de aproveitar.
O FC Porto já ganha por 6-0, mas consta que não leva três pontos de avanço. Amanhã entra ao serviço o Benfica no primeiro particular, domingo repete a dose. Adeptos de FC Porto e Benfica estarão curiosos nas entradas e nas saídas de jogadores. Mas no Benfica a maior dúvida está na capacidade de segurar os melhores jogadores. O FC Porto viu partir o fundamental Moutinho e o dispensável James por muito dinheiro. No Benfica como será? Será que vêm os senhores com milhões? Ou para lá do último dia como na última época? E quem querem comprar? O plantel do Benfica que treina hoje conseguirá ter poucas alterações com o que voa dia 18 de Agosto para a Madeira? Se assim for, estou satisfeito.
As compras parecem boas e acertadas, mesmo sabendo que uma aquisição se chama Sílvio (é de desconfiar).
Outra das especialidades da pré-época são os comentários aos equipamentos por parte dos adeptos. Aqui fica o meu registo de interesses. Gosto do Benfica de vermelho e branco e faço apenas um concessão ao preto. Essa coisa do azul, do prateado ou do amarelo à Benfica não existe. Esta coisa do marketing mexer com a história não me agrada. O Benfica é vermelho, o Porto é azul, o Sporting é verde e a água é molhada. Será difícil de perceber?"

Sílvio Cervan, in A Bola

Premium

"Ter um canal televisivo foi, em Portugal, um acto pioneiro do Benfica; ter um canal televisivo com as características da Benfica TV, com emissão de 24 horas e mais de 90% da grelha preenchida com conteúdos próprios, foi um acto de ousadia; ter o canal do Clube a transmitir os jogos em casa da própria equipa sénior e também os jogos da Liga Inglesa é simultaneamente um acto pioneiro, ousado e, mais do que tudo, um desafio lançado aos Benfiquistas.
A nossa Benfica TV mudou, não deixou de ser um veículo de comunicação e promoção do Benfiquismo, mas passou a ser mais do que isso: passou a ser um elemento importantíssimo no jogo “geoestratégico” dos bafientos poderes oligárquicos do futebol português. Com esta nova configuração, a Benfica TV passou a ser uma afronta ao monopólio que outros tentavam eternizar, utilizando o poder que advinha desse monopólio para influenciar decisões dos órgãos de gestão do futebol português (recordem-se, a este propósito, as sucessivas, públicas e publicadas declarações de António Oliveira acerca do seu irmão Joaquim Oliveira). Assim, a BTV é uma afronta a tudo isto e ainda um enorme desafio lançado aos benfiquistas. Depois de tantos, durante tanto tempo terem exigido esta tamanha ousadia, chegou agora a vez de os benfiquistas demonstrarem o seu poder e a sua força. Há indicadores que apontam para um número de aproximadamente treze mil pedidos de subscrição da Benfica TV nos três primeiros dias em que passou a canal “premium”. E estes números referem-se apenas a um dos operadores. É um bom número, é um número que perspectiva um caminho de sucesso. Saibamos todos que este caminho de sucesso depende, agora mais do que nunca, de nós."

Pedro F. Ferreira, in O Benfica

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Chamar-lhe-ia mesmo prosápia

"Este ano o Benfica irá a Alvalade sem Cardozo, que se fartou de marcar golos ao Sporting. Um 'derby' à terceira jornada serve para se saber qual entra primeiro em crise.

NÃO sei se já se deram conta de que o optimismo dos nossos amigos portistas - e quem não tem amigos do FC Porto? - para a temporada de 2012/2014 está a bater todas as escalas possíveis e imaginárias. Chamar-lhe-ia mesmo prosápia, sem querer ofender ninguém.
Estamos a um mês do arranque da época oficial e há já dois dados adquiridos: o FC Porto voltará a ser campeão, o Benfica voltará a fazer papel de cabeçudo no fecho da prova no Dragão e, melho ainda, do ponto de vista portista, o FC Porto somará a sua terceira Liga dos Campeões no tapete verde do Estádio da Luz.
Lucho Gonzalez, o habitualmente comedido capitão do FC Porto, não se põe à margem deste entusiasmo galopante. «Seria lindo jogar a final da Champions na Luz», disse no início desta semana fazendo coro com as certificadas previsões dos adeptos.
Será assim que tudo vai acontecer?
O sorteio do campeonato oferece, uma vez mais, aquele pratinho especial de um encontro entre os candidatos ao título à beirinha do fim do campeonato. É por causa do sorteio condicionado, dizem os técnicos especializados em sorteios. Na verdade, em termos práticos, tanto faz jogar no princípio, no meio ou no fim. O campeonato é uma prova de regularidade, o importante é ser-se regular. Depois, logo se verá.
O Benfica tem um arranque de campeonato difícil que poderá tornar fácil se ganhar os jogos que a sorte lhe destinou: arranque na Madeira frente ao Marítimo para, à terceira jornada, ir até Alvalade defrontar o rival de sempre.
Jogar no campo do Sporting é sempre uma tarefa de monta. Este ano, tudo assim o indica, o Benfica irá a Alvalade já sem Óscar Cardozo que, enquanto foi jogador do Benfica, se fartou de marcar golos ao Sporting.
Um derby à terceira jornada serve para muita coisa. Por exemplo, para se saber qual dos emblemas entra primeiro em crise.
Do ponto de vista do Sporting, aguarda-se a resposta mais emocional dos adeptos ao populismo bem-disposto de Bruno de Carvalho quando o jovem presidente se vir, pela primeira vez , colocado perante aquela coisa da bola a rolar.
Do ponto de vista do Benfica, os primeiros jogos da prova servirão, para o bem ou para o mal, como teste à popularidade e, sobretudo, à autoridade de Jorge Jesus que parte naturalmente fragilizado pelo cúmulo de infelicidades que lhe custaram tudo nas últimas três semanas da última temporada.
Do ponto de vista do FC Porto, não já crise que lhe chegue. Campeonato, cabeçudos e Liga dos Campeões, já está feito.

VEM  aí o comboio do Benfica. A iniciativa foi revelada no último Congresso das Casas do Benfica. Trata-se de assegurar aos adeptos transporte ferroviário regular para que o maior número possível possa acompanhar a equipa de futebol nas suas deslocações pelo país. É uma boa ideia, sem dúvida.
Por falar em transportes, ainda bem recentemente o jornal I publicou uma curiosa notícia sobre uma das maiores empresas de camionagem do Estádio de São Paulo, no Brasil, que se chama precisamente e tão-só Benfica. Foi fundada nos anos 50 por três irmãos de Alvarelhos, concelho de Carregal do Sal, que emigraram para o outro lado do Atlântico à procura de melhor vida.
Eram do Benfica, naturalmente. A empresa mantém-se nas mãos da família e são hoje os netos quem trata do negócio, que é um bom negócio. Assumem-se como campeões do conforto e o volume do seu tráfego aponta para uma presença imponente nas estradas brasileiras. O jornalista do I que conversou com um dos administradores dos transportes Benfica perguntou-lhe se a frota dava muitos problemas. A resposta foi surpreendente... «Olha, há uns anos a equipa de juniores do FC Porto veio cá a São Paulo para jogar num torneio e recusaram-se a entrar quando viram o autocarro do Benfica à espera deles no aeroporto», disse o herdeiro dos irmãos de Alvarelhos.
Estrutura, meus amigos, estrutura...
A notícia termina com dados logísticos sobre as camionetas Benfica. E impressionam: uma frota de mais de 1500 veículos e cerca de 3500 empregados.
É muita gente. Pode ser que nestes 3500 exista um lateral-esquerdo.

SAIU um livro do Oriental. Na verdade, não é bem um livro. É um álbum profusamente ilustrado com fotografias e recortes de notícias de jornais, um volume de dimensão considerável com uma belíssima capa grená que sustenta o emblema do clube e ainda o título da obra em letras brancas: Clube Oriental de Lisboa, História do Nosso Clube.
O Oriental, em si, também é obra. E das grandes. Nasceu na noite magnífica de 8 de Agosto de 1946 da fusão de três clubes vizinhos da zona oriental da capital, o Chelas, o Marvilense e Os Fósforos, que decidiram congregar-se tendo em vista um poderio maior e, consequentemente, um futuro melhor.
Conseguiram-no, sem qualquer espécie de dúvida. Quatro meses depois da fusão, o novinho em folha Clube Oriental de Lisboa, C.O.L. para os fãs entre os quais me incluo, foi ao Campo do Lima vencer o FC Porto por 6-1 num jogo amigável e três anos mais tarde já o C.O.L. conquistava o acesso à divisão principal ombreando com os grandes, como se costuma dizer com toda a beleza e propriedade.
Muito à frente no seu tempo, o oriental foi a primeira equipa de futebol a usar números nas costas das camisolas, uma novidade arrebatadora à época como se constata pelo comentário de Cândido de Oliveira ao acontecimento: «A decisão do Oriental de numerar os jogadores merece relevo e é digna de ser seguida por todos os clubes. O número facilita grandemente a identificação por parte dos espectadores.»
Todos estes acontecimentos e dizeres nos surgem documentados no livro do Oriental de autoria de Vítor Figueiredo. No que diz respeito à goleada imposta pelo Oriental ao FC Porto na sua própria casa, termina assim a crónica do jogo reproduzida de um jornal da época: «Arbitragem à vontade do senhor Abel da Costa.»
A primeira curiosidade a assinalar é, obviamente, de tudo isto se passar num tempo em que os árbitros eram tratados pela imprensa por senhores. E mais nada.
A segunda não é propriamente uma curiosidade. É uma interrogação, uma grande interrogação.
- O que significaria em 1946 a expressão arbitragem à vontade?
Pois não sabemos. À luz da actualidade imaginar uma arbitragem à vontade no Dragão não é coisa do outro mundo. Mas já imaginar uma arbitragem à vontade terminando o jogo com uma derrota por 6-1 para os donos da casa é qualquer coisa de estratosférico.
Gosto do Oriental. Há muito que se deixou das altas instâncias do futebol profissional mas continua a ser uma força viva e aglutinadora de um conjunto de bairros de Lisboa. E contonua a ter aquela camisola grená que é todo um mundo.
O meu avô era da zona e, por razões lá dele e que nunca esmiuçou, foi sempre contra a fusão do Chelas, do Marvilense e d'Os Fósforos que deu origem ao Oriental. Pegando neste livro tentei perceber o porquê daquela velhíssima resistência mas não cheguei a conclusão alguma cobre as razões do meu avô que nem era pessoa de ser do contra, antes pelo contrário, e que era sobretudo 100 por cento benfiquista.
A quase sete décadas de distância desses acontecimentos, agora que os aprendi a fundo, com documentação e tudo, posso, no entanto, de um ponto de vista estritamente romântico avançar com as minhas razões pessoais, caso as tivesse, para ser contra a fusão.
É que Os Fósforos não podiam morrer.
Que nome maravilhosamente inusitado para um clube de futebol, os fósforos! Que pena terem acabado. Na assembleia geral d'Os Fósforos em que se votou a extinção do clube em prol do clube único que haveria de nascer, ainda houve 9 sócios que votaram contra. Mas houve 172 que votaram a favor e adeus fósforos. Na crónica de um jornal que cobriu o melancólico acontecimento apelidava-se de minoria sentimental o grupo dos 9 resistentes ao progresso. Passa agora a 10, apenas por literatura."

Leonor Pinhão, in A Bola

O Circo

"Longe vão os tempos em que cada manhã de pré-temporada trazia com ela a sofreguidão de conhecer as capas dos jornais, para saber quem entrava, quem podia entrar, quem saía, ou quem podia sair, do plantel do Benfica.
Eram tempos em que a imprensa desportiva mantinha alguma respeitabilidade. E eram tempos em que as “notícias” encomendadas por “Agentes FIFA” (esses parasitas do Futebol) não tinham ainda tomado conta das páginas publicadas – que, pouco a pouco, se foram transformando numa plataforma de interesses negociais e especulações várias.
Hoje, uma espécie de casamento de conveniência entre esses interesses e a aflitiva necessidade de vender papel (agravada pela cruel crise económica em que vivemos), ditou uma verdadeira hemorragia especulativa, que primeiro perdeu a credibilidade, e depois perdeu a piada. Até porque a distância para a mentira mais desavergonhada passou a ser demasiado curta, e, consequentemente, mais fácil de ultrapassar.
Para este estado de coisas contribui também a gritante falta de cultura desportiva do nosso país - capaz de empurrar um Tour de France, um Wimbledon, uma Fórmula 1, um título europeu de Hóquei, um Mundial de Sub-20, ou até mesmo uma Final da Champions, para notas de rodapé face a um qualquer Herrera, Quintana ou Tejada, que ninguém conhece, que quer ir para onde lhe paguem mais, mas que é impingido como objecto jornalístico primário a um povo com coisas bem mais graves com que se preocupar.
Creio que esta lógica comunicacional tem os dias contados. Falando por mim, devo confessar que já nem compro diários desportivos. Leio apenas o nosso “O Benfica”, que além dos artigos de opinião dos meus ilustres parceiros, fornece informação sobre todas as modalidades e escalões de formação do Clube. De resto, procuro na Internet aquilo que me interessa, esperando pelo fim do defeso futebolístico para conhecer os plantéis definitivos. Isto, enquanto vou lamentando a morte anunciada de uma imprensa desportiva que, em tempos, me ajudou a crescer."

Luís Fialho, in O Benfica

O verbo e a verba (II)

"Cardozo tem sido dos jogadores mais úteis no Benfica dos últimos anos. Li ontem que está na lista (da UEFA) dos melhores 26 jogadores 2012/13. Avançado com assinalável número de golos, duas vezes Bola de Prata, o que no SLB já não acontecia desde 1991 com Rui Águas! Tem outra característica: está na fronteira entre o jogador que é possível reter no plantel apesar de cobiçado por outros clubes. Não é um ás do tipo chega e adeus, nem um cepo de custo elevado e fraco rendimento.
O seu gesto no final da Taça foi lastimável e deve ser exemplarmente punido. Um acto surpreendente, porque a ideia que se tem do jogador é mais de apatia do que de rebeldia. Mas o que aconteceu desde o Jamor? Que se saiba não houve qualquer procedimento disciplinar. Antes a catadupa de condenações mediáticas sem direito a defesa, por parte de dirigentes e técnicos. Ou seja, muito verbo. Acontece que tanto verbo associado à pelo menos implícita decisão de venda sem apelo nem agravo, acaba por ter um efeito contraproducente: desvaloriza o que agora se chama um activo do clube. Em suma: quanto mais verbo, menos verba. Apesar da meritória teimosia do presidente em não o ceder por baixo preço.
Repito: Cardozo merece uma punição exemplar. Mas no silêncio da gestão do clube. Se sai ou não sai, logo se verá.
Duas notas finais: 1ª) Se o avançado merece ser sancionado, não deveria também ser punido todo o grupo que, num gesto inqualificável de descortesia, abandonou o relvado quando o Vitória recebeu a Taça? 2.ª) Não foi um tal Kelvin (que veio a decidir a Liga) que teve um gesto de grande indisciplina no Porto B (também filmado) resolvido internamente?"

Bagão Félix, in A Bola

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Sílvio

Já na época anterior se falou desta possibilidade, infelizmente não concretizada. É um empréstimo por um ano, sem cláusula de opção, portanto nada garante que o Sílvio faça carreira no Benfica, mesmo assim, creio que foi uma boa decisão.
Só temo, as lesões... Nas últimas épocas o Sílvio teve várias lesões, entre elas uma pubalgia... Espero que o departamento médico, consiga prevenir situações desagradáveis.
Com as notícias, a apontarem para a contratação de mais um defesa esquerdo, tudo leva a crer que o Sílvio será usado principalmente na direita, rodando com o Maxi. Mas poderá fazer os dois lados, aliás tem sido na esquerda que o Sílvio tem marcado grandes golos, aproveitando jogar com o pé trocado!!!
Depois de ter feito toda a Formação no Benfica, este é um regresso a casa... Recordo-me bem da entrevista de 2011, não fiquei contente com as palavras usadas, mas onde, mais do que tudo, o Sílvio mostrou mágoa, por não ter tido oportunidade de se mostrar no Benfica.
A história, recentemente divulgada, onde se recordou a 'convocação' do Sílvio, então iniciado, para um jogo do Benfica de Mourinho, após ter perdido o seu pai, entre outras coisas prova que o Benfiquismo estava lá... tem tudo para ser uma das contratações mais úteis para esta época... As equipas não se constroem só com estrelas, é necessário ter plantéis equilibrados... Com a forte possibilidade de ser convocado para o Mundial (caso Portugal se qualifique!!!), teremos aqui um jogador super-motivado...

O verbo e a verba (I)

"O defeso prossegue, já na sua fase II. Depois das férias, os jogadores voltaram, as esperanças renasceram, as transferências prosseguem e os novos equipamentos vendem-se.
Por excesso de oferta de espaço e de tempo, é o período indicado para entrevistar os que entram, os que ficam e os que saem. Cada qual debitando as banalidades do costume, entre frivolidades mundanas e juras de fidelidade eterna. O verbo assume todo o seu esplendor, entre verbas que uns têm e de que outros precisam para sobreviver.
O meu clube já treina, ainda que desfalcado. Com a indefinição habitual do que será o plantel definitivo no dia 1 de Setembro. O treinador já deu uma extensa entrevista ao canal do Benfica curiosa mas estranhamente feita por um administrador da SAD. Falando-se de muitos temas, desejos e convicções. Ainda aqui o verbo no seu expoente.
Tenho para mim que esta fase inicial deveria ser mais recatada possível. Verbo só para dentro, verbo que não empole verba, ou ao invés, não desvalorize (vide Cardozo de que falarei amanhã). O Benfica não precisa de estar sempre a apregoar ser o melhor ou ser hegemónico (que infelizmente agora não o é pelo número de títulos). Acho que se fala de mais. E quando assim acontece lá surge o dia em que se percebe porque não se deveria ter falado. Quando aprendemos com a força e o mistério de um silêncio bem gerido?
Os gestos simples têm mais força do que a propagação mediática de palavras sobre palavra. Por exemplo, a presença no momento inicial de uma nova época transmite liderança, coesão, robustez por parte de quem tem esse dever e vale mais do que muitos concilábulos e panegíricos de efeito repetido."

Bagão Félix, in A Bola

Objectivamente (nova época)

"Fortes para enfrentar a nova época que aí vem! É o que se pede ao grupo que esta semana e garra para levar de vencida os títulos que, por escassos milímetros, nos fugiram a época passada.
A preparação da equipa para esses tão emocionantes desafios deve ser feita na base das experiências negativas dos últimos anos e corrigir os erros então cometidos. Há que aprender com os erros e entrar concentrados desde a primeira hora, nunca descurando o que se passa à volta, nunca menosprezando os adversários, nunca falando demais provocando a ira de quem gosta sempre de criar inimigos para guerrear com raiva!
Ponderação, moderação e tento na língua são necessários! O resto deixamos com os nossos jogadores, técnicos e estrutura directiva para que cumpram, pelo menos, na linha do que fizeram a época passada.
Alguns 'tubarões' já andam de volta dos nossos melhores jogadores. Matic, Garay e Cardozo são os mais cobiçados e não vai ser fácil substitui-los.
Luisão continuará no eixo da superestrutura e Enzo, Salvio e Gaitán continuarão a trazer a magia necessária para o espectáculo que todos queremos.
Há que confiar nas novas aquisições que, por certo, foram rigorosamente seleccionadas.
Os jogadores serão acarinhados e integrados como sempre foram os que viveram de novo.
A única coisa que se lhes pede é que trabalhem muito e tenham muita sorte.
Nós cá estaremos para os apoiar!"

João Diogo, in O Benfica

Um passo à frente

"A disponibilização da Benfica TV em novas plataformas, a sua evolução para canal Premium, a entrada na Alta Definição, e o pacote de transmissões prometido para as próximas temporadas desportivas, marcam um novo tempo na vida de um projecto nascido em 2008, do qual muitos duvidavam, e que, passados cinco anos, já é citado na imprensa internacional como ousado, corajoso e pioneiro.
O prato forte desta mudança é, naturalmente, a transmissão, em exclusivo, dos jogos da nossa equipa principal de futebol. Algo que, devo confessar, há pouco tempo atrás não me parecia possível, mas que neste momento é uma realidade que ninguém – dentro ou fora do Benfica – pode ignorar, ou desvalorizar.
O caminho escolhido pelos nossos dirigentes envolve riscos, como, aliás, acontece com qualquer projecto inovador. Numa primeira fase, será difícil obter as receitas que outras opções poderiam proporcionar. Mas - e isso sempre foi assumido -, as razões desta decisão vão muito para além do plano estritamente financeiro.
Por aquilo que tem sido a história recente do nosso Clube, pela espantosa recuperação estrutural e institucional da última década, a qual nos resgatou o grande Benfica do passado, pela força competitiva que nos devolveu o orgulho de lutar por todos os títulos (só pequenos detalhes nos impediram de consumar uma das melhores temporadas desportivas em mais de 100 anos de história), temos todos os motivos para crer que também este importante passo esteja criteriosamente calculado, e conduza efectivamente a uma mudança na correlação de forças que envolve os bastidores do Desporto português.
Assim sendo, espera-se dos benfiquistas um envolvimento correspondente ao esforço que o Clube está a fazer. A situação do país leva, infelizmente, a que muitos não possam aderir. Mas aqueles que são hoje clientes de outros canais desportivos - por sinal, bem mais dispendiosos - não terão razões para ficar de fora. Este projecto está feito a contar connosco, e só depende de nós para ser bem sucedido."

Luís Fialho, in O Benfica

Alternativo

Lisandro López


Finalmente, o nosso novo central Argentino foi apresentado !!! Depois, de muitas primeiras páginas, de muitos rumores, temores, desvios, pseudo-desvios e afins... depois de confirmações e declarações de amor... O jogador foi oficialmente apresentado pelo Benfica. Isto, depois de frequentar o Caixa Futebol Campus nos últimos dias.
Daquilo, que conheço do jogador- admito que não é muito -, gostei da contratação. Vi alguns vídeos com alguns 'erros' - jogos com um muito forte Atlético Mineiro -, mas como o Benfica tem uma forma de defender à zona, bastante posicional, e colectiva, creio que o Lisandro irá adaptar-se bem ao nosso esquema.
Mas ao contrário de muitos, não creio que este seja uma opção para substituir o Garay, até porque o pé esquerdo do Lisandro é completamente cego, vejo muito mais facilmente o Lisandro substituir o Luisão!!!
Com o Lisandro ganhamos também poder ofensivo nas bolas paradas, agora temos é que marcar bem estas jogadas!!!

terça-feira, 9 de julho de 2013

Vendaval vermelho em Badajoz

"O Benfica venceu por duas vezes o Troféu Ibérico, que começou a disputar-se em 1967. Uma dessas vezes ficou para a história dos «veraniegos» espanhóis.

BADAJOZ é perto. Só por isso já se justifica que o Troféu Ibérico, organizado pelo Club Deportivo Badajoz, tenha tido sempre grande afluência de clubes portugueses. À beira do Guadiana, este «veraniego» disputou-se pela primeira vez em 1967, tendo tido a sua última edição em 2005, no ano da comemoração do centésimo aniversário do Badajoz. A verdade é que, depois de alguns anos de vida entusiasmante, o Troféu Ibérico estava moribundo. Entre 1986 e 2005 não se disputou. Enfim, estava ligado à máquina até que alguém caridoso desligou o botão.
Mas falemos de tempos bem melhores. De tempos em que algumas das melhores equipas da Europa e do Mundo passaram por Badajoz. De tempos em que as equipas portuguesas dominaram o torneio, obtendo quatro vitórias nas primeiras quatro edições - Sporting, 1967; Vitória de Setúbal, 1968; Benfica, 1969 e Sporting 1970. Se a primeira edição teve apenas três participantes, as seguintes ganharam a estrutura de torneio quadrangular, sempre mais interessante por ter meias-finais e Final.
Em 1969, ano da primeira visita dos 'encarnados', os outros três clubes presentes foram o Atlético de Madrid, a Real Sociedad e o Vitória de Setúbal. Enquanto o Atlético de Madrid se libertava do Vitória, por 2-0, o Benfica vencia a Real Sociedad, por 1-0, golo de Torres, aos 35 minutos. No Estádio Municipal Vivero, no dia 27 de Junho, o ataque do Benfica foi brilhante como tantas vezes costumava ser. Aos 3 minutos já Eusébio tinha feito o 1-0. Os madrilenos revoltaram-se e empataram, aos 17'. De nada serviu. Antes do intervalo chegar, já Eusébio (40 minutos) e Jaime Graça (45 minutos) tinham dado uma confortável vantagem ao Benfica. Do lado espanhol também havia um Eusébio, mas não chegava aos calcanhares do autêntico. E havia Ufarte, Garáte, Irureta e Adelardo. De pouco serviu. Os 'encarnados' dominaram os acontecimentos e impediam as ameaças contrárias. A segunda parte estendeu-se sob um calor tórrido. E António Simões, aos 89 minutos, impôs o 4-1 final. Vitória larga, indiscutível. O Benfica conquistava pela primeira vez o Troféu Ibérico, mas não iria ficar por aqui.

Uma vitória brilhante
EM 1973, o Benfica estava de regresso a Badajoz. Para oferecer aos espectadores do Estádio Municipal Vivero um espectáculo de futebol ofensivo jamais visto por aquelas bandas. Os outros participantes eram o Málaga, o Espanhol de Barcelona e o Estrela Vermelha de Belgrado. Os então jugoslavos caminharam para a Final à custa do Espanhol. Por seu lado, o Benfica lançou-se sobre o Málaga com uma fúria digna de um touro na arena: 7-1! 1-0 por Eusébio (2 minutos), 2-0 por Eusébio (13), 3-0 por Adolfo (18), 4-0 por Nené (20), 5-0 por Nené (37), 5-1 por Perroné (45), 6-1 por Toni (61), 7-1 por Jordão (63). Uma entusiasmo forte e uma admiração segura tomaram conta dos que assistiram a tal vendaval de golos e de lances espectaculares.
A Final, contra o Estrela Vermelha fazia crescer água na boca. E mais um vez, o Benfica foi sublime. Aos 26 minutos já vencia por 3-0, com golos de Eusébio (12 minutos), Jordão (18) e outra vez Eusébio, desta vez de penálti. Karasi reduziu para 1-3, Nené assinou o 4-1, também de penálti Jorki fez 2-4, e, aos 49 minutos, Eusébio fechou as contas.
O Benfica conquistava o seu segundo Troféu Ibérico com um brilhantismo indiscutível. Quem assistiu ao vivo às exibições de Eusébio, Jaime Graça, Nené, Jordão, Simões ou Humberto Coelho tão cedo não as esqueceria.
O Benfica regressaria a Badajoz em 1975 - eliminado nas meias-finais pelo Standart de Liége (2-2, perdendo no desempate por grandes penalidades), assegurando o terceiro lugar frente ao Badajoz (1-1, ganhando no desempate por grandes penalidades), em 1977 - eliminado nas meias-finais pelo Ferencváros (1-1, perdendo no desempate por grandes penalidades), ficando em quarto lugar após derrota com o Badajoz, por 1-2, e em 1979 - batendo o Bétis, por 5-1, e sendo derrotado na Final pelo Sporting de Gijón, por 2-4.
Não voltaria a conquistar o troféu, mas o seu nome já tinha ficado registado a letras de ouro em mais um «veraniego», lado a lado com o Barcelona, Real Madrid, Estrela Vermelha ou Huracán da Argentina. Porque, nesse tempo, os torneios de Verão em Espanha não só traziam dinheiro como prestígio."

Afonso de Melo, in O Benfica

domingo, 7 de julho de 2013

Estreia Campeã !!!


A nossa secção de Hóquei em Patins feminina, em ano de estreia, acabou, hoje, por se sagrar Campeã Nacional, após um empate a 2, em São João da Madeira. Treinadas por Paulo Almeida, as nossas meninas fizeram história. É verdade que no nosso plantel temos várias atletas com alguma experiência (Nafarros), mas no início de época, poucos apostariam na conquista do título máximo... Muitos Parabéns a todas, foi uma entrada à Benfica!!!

PS1: A Teresa Portela sagrou-se Campeã Nacional de Canoagem em K1 200m e em K1 500m. Confirmando o favoritismo, ainda por cima com a Joana Vasconcelos ausente. O João quedou-se pelo bronze no K1 1000m. 

PS2: Épica vitória dos Juvenis do Hóquei em Patins em Valongo, contra o Valongo, sagrando-se Campeões Nacionais - isto depois da também gigante vitória dos Juniores a semana passada... -, a 2:40min do fim do tempo regulamentar estávamos a perder 1-3, mas conseguimos empatar, e levar o jogo para o prolongamento, com golo de ouro. Logo de entrada levámos com um cartão azul, o Valongo falhou, ficámos a jogar com menos 1, mas mesmo assim aguentámos, e o Gonçalo Conceição ainda foi a tempo de concluir o hat trick, dando o título nacional aos nossos jovens... Grande triunfo... Parabéns a todos!!!

PS3: Mesmo com 3 atletas na Taça do Mundo - João Silva após a lesão, e após toda controvérsia à volta da sua presença na Áustria, não foi além do 11.º -, o Benfica dominou a 8.º etapa do Nacional de Triatlo, disputada em Abrantes, garantido os três lugares do pódio: (1.º) João Pereira, (2.º) Bruno Pais, (3.º) Alexandre Nobre(Junior).


PS4: No Atletismo, voltámos a dominar os Nacionais de Juniores, com vitórias nos Masculinos e nos Femininos. Depois de termos feito o mesmo nos Juvenis e nos Sub-23... Domínio total:

Masculinos:

1.º Benfica: 265
2.ª Sporting: 164

100m - 4.º - Ricardo Pereira (5.º José Lopes) - 10,66s
110m Barreiras - 13.º - Eduardo Lima - 16,83s
200m - 1.º - Luís Neves - 21,59s
400m - 1.ª - Luís Neves (5.º Daniel Reis) - 48,60s
400m Barreiras - 4.º - André de Sá (6.º Daniel Reis) - 56,36s
800m - 3.º - Pedro Santos (9.º Carlos Lopes) - 1.55,29min
1500m - 3.º - Luís Borges - 3.59,10min
3000m - 1.º - Paulo Rosário - 9.46,40min
3000m Obstáculos - 1.º - Luís Borges - 9.22,66min
5000m - 1.º - Hélder Costa - 16.14,84mim
10Km Marcha - Não paticipámos
4x100m - 1.º - Benfica (Ricardo Amaral, José Lopes, Natanael Mendonça, Ricardo Pereira) - 42,31s
4x400 m- 1.º - Benfica (José Tavares, Daniel Reis, Angelo Marques, Andre de Sá) - 3.22,46min
Comprimento - Não paticipámos
Triplo Salto - 4.º - Gil Manuel - 14,32m
Altura - 12.º - Davidson Borges (16.º Edmir Varela) - 1,85m
Vara - 1.º - Ícaro Miranda - 4,35m
Peso - 2.º - Fábio da Silva - 14,25m
Dardo - 6.º - Davidson Borges - 48,52m
Martelo - Não participámos
Disco - 5.º - Fábio da Silva (6.º Edujose Lima) - 40,97m

Femininos:

1.ª Benfica: 254
2.ª Sporting: 243

100m - 3.ª - Rivinilda Mentai (8.ª Joana Vieira)- 12,08s
100m Barreiras - 1.ª - Vera Fernandes (4.ª Rafaela Vitorino) - 13,96s
200m -2.ª - Rivinilda Mentai - 24,99s
400m - 2.ª - Neuza Reis - 57,21s
400m Barreiras - 1.ª - Neuza Reis - 1.01,19min
800m - 4.ª - Carla Mendes (6.ª Ana Fernandes) - 2.19,62min
1500m - 3.ª - Carla Mendes - 4.42,85min
3000m - 1.ª - Diana Almeida (2.ª Jessica Matos) - 9.58,43min
3000m Obstáculos - 1.ª - Jessica Matos - 11,14,37min
10Km Marcha - Não participámos
4x100m - 3.ª - Benfica (Vera Fernandes, Bruna Varela, Joana Vieira, Rivinilda Mentai) - 48,59s
4x400m - 2.ª - Benfica (Bruna Varela, Carla Mendes, Ana Fernandes, Neuza Reis) - 3.57,97min
Comprimento - 4.ª - Teresa Carvalho (8.ª Khrystyna Resler) - 5,70m
Triplo Salto - 7.ª - Bruna Varela - 10,68m
Altura - 4.ª - Nadia Sena (5.ª Rafaela Vitorino) - 1,60m
Vara - 1.ª - Filipa Choon (9.ª Nadia Sena) - 3,30m
Martelo - Não participámos
Disco - Não participámos
Peso - 5.ª - Carolina Henriques - 11,06m
Dardo - 3.ª - Lara Clochet - 36,50m