Últimas indefectivações

sábado, 23 de abril de 2016

No bom caminho...

Benfica 35 - 22 Fyllingen Bergen
(16-9)

A onda vermelha no Andebol, continua!!!
Recordo que o ano passado, jogámos com estes Noruegueses, nesta mesma competição, vencemos os dois jogos (ambos na Luz), mas com resultados muito apertados!!! Hoje, só vamos com 13 golos de vantagem para Bergen !!!

Mesmo sem o Ales, com o Mitrevski sem sair do banco (grande jogo do Figueira), atacámos bem, mas na minha opinião, defendemos muito, mas mesmo, muito bem... Os Noruegueses têm um jogador acima da média, e rematam quase sempre dos 9 metros, mantendo esta intensidade defensiva, não devemos ter problemas na 2.ª mão no próximo Sábado...
Estamos com meio-pé na Final...

Mais um passo de gigante, rumo ao título...

Valongo 4 - 5 Benfica

Este era o jogo em que os nossos adversários 'acreditavam' que nós podiamos escorregar! Como de costume, os jogos do Benfica em Valongo nunca são 'normais'... É verdade que já houve 'roubos' muito maiores, mas hoje a inclinação esteve lá, desde do 1.º minuto...
Ainda sem o Nicolia, a equipa soube reagir... só com muito coração seria possível ganhar este jogo, e foi isso mesmo que aconteceu...

Início do Play-off...

Benfica 96 (1) - (0) 61 Lusitânia
27-18, 20-23, 26-8, 23-12

O cansaço do Lusitânia 'ajudou', mas neste jogo tivemos os dois Benficas: o que deixa os adversários disputar o resultado na 1.ª parte; e o Benfica avassalador na 2.ª parte...!!!

1-0 na entrada nos Paly-off's, espera-se o 3-0 nos próximos dois jogos!

Desilusão...

Benfica 2 - 3 Fonte do Bastardo
30-28, 19-25, 25-20, 19-25, 13-15

É muito frustrante acabar a época desta forma. Ganhámos a Supertaça, ganhámos a Taça, estivemos muito bem na Europa, ganhando inclusive em Itália... e agora, perder um Campeonato na negra por 2 pontos, é frustrante!

É verdade que a Fonte acabou por ganhar com justiça, o Benfica praticamente 'abdicou' dos dois jogos na Terceira, e hoje cometemos demasiados erros, principalmente no 4.º e 5.º Set... Também é verdade que o Russo, sozinho, fez a diferença, mas em condições normais o Benfica tinha dado a volta...

Nem tudo está bem quando se ganha tudo, e nem tudo está mal, quando se perde... mas é evidente, que o Benfica o plantel desta época, perdeu qualidade na Distribuição e nos Centrais... com a Fonte a manter o investimento, o Benfica terá que se reforçar...

PS: Independentemente do que se passou hoje, será que os jogadores e principalmente o treinador da Fonte, são imunes aos Cartões?!

Juniores - 8.ª jornada - Fase Final

Benfica 2 - 1 Rio Ave
Alfa, Zé Gomes


Finalmente, uma vitória...

Meia dúzia de almofadas

"Sob o patrocínio do Sporting decorreu a meio da semana o 'congresso internacional sobre o futuro do futebol' que serviu lindamente o que dele se pretendia. É verdade que as comunicações passaram praticamente despercebidas mas, à entrada e à saída dos trabalhos, figuras de proa do Estado verde-e-branco correram a todos os microfones para debitar mais umas quantas desconsiderações ao Benfica. Foi, assim, um sucesso o tal congresso sobre o futuro do futebol que, para os seus organizadores, seria certamente um futuro bem mais risonho se (foi esta a conclusão a que chegaram) o vizinho do lado não existisse.
Mas existe e lidera o campeonato depois de se atrever a recuperar dez pontos a quem já se anunciara campeão um mês e meio antes do Natal. "Olhem bem para nós que não vamos sair do primeiro lugar!" Lembram-se?
Voltemos ao congresso, na esperança de que tenha produzido conclusões relevantes sobre os tormentos que afligem o futebol neste mísero presente. A justiça, ninguém duvide, tem de melhorar muito. Desconhece-se se, porventura, algum dos congressistas abordou o tema das penas disciplinares a aplicar no futuro a um clube cujo vice-presidente, entre outros mimos, se veja acusado de corrupção activa por devassa de dados confidenciais de 196 árbitros de futebol.
Como se decidirão estes casos no século XXII? O clube desce de divisão ou, por exemplo, não desce de divisão? E o suposto vice-presidente é ou não é irradiado? E se já não estiver no activo, poderá vir a ser homenageado com um jantar de desagravo? E o que pensa sobre isto tudo o presidente da Liga, que até foi árbitro? Pois sobre estes temas capitais, nada, silêncio. O que se ficou a saber é que, no futuro, o presidente do Sporting tem "duas almofadas" para fazer face à despesa com a Doyen. Almofadas, na realidade, não têm faltado nestas jornadas finais do campeonato. Por força das circunstâncias -ou será mania? -, os adversários desmaiam antes de jogar com o Sporting. O Belenenses esvaiu-se em guerras internas de dirigentes. O Marítimo debilitou-se em arrufos entre jogadores e para hoje já está confirmado o empalidecimento do União da Madeira que, por ser do seu interesse, apresentará uma equipa menos garrida em Alvalade.
Somadas às almofadas da Doyen, já vai quase em meia dúzia de almofadas. Carrega, Benfica, que o Rio Ave é que é do nosso campeonato!"

Benfiquismo (LXXXIII)

1 de Dezembro de 1954
Inauguração da Catedral...

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Sem armadilhas em Vila do Conde

"O último jogo, na passada segunda-feira, contra o Vitória de Setúbal, levou o mais calmo adepto ao desespero. Sofrer um golo aos 14 segundos foi o tónico para uma meia hora de sonho, do melhor que se viu esta época. Depois de se conseguir a reviravolta no marcador, não percebo porque não se procurou o terceiro golo com a mesma intensidade, para aí sim, poder baixar o ritmo com a segurança do resultado. A equipa foi perdendo força e lucidez e aquele atraso de Pizzi a isolar o quase rico avançado do Setúbal fica na memória como o momento da época.
Fiz a viagem Lisboa-Porto em processo de descongelamento. Se repetirmos os primeiros 30 minutos da Luz durante o jogo de Vila do Conde estaremos muito perto do objectivo.
Neste campeonato, sem erros de arbitragem, já teríamos oito pontos de avanço do segundo classificado, mas sabemos que será assim até ao fim, só ganhando os jogos todos seremos campeões.
Moreira de Cónegos foi mais um episódio repetido, daquilo que começou no primeiro jogo contra o Tondela ao minuto 94. Mas o Benfica optou por não protestar, por tentar jogar bem e fazer a sua parte ganhando os jogos. É um caminho civilizado, veremos o resultado.
Vila do Conde parece ser o palco mais difícil de toda a empreitada que nos falta. Todos esperamos que reapareça o melhor e mais consistente Benfica nos Estádio dos Arcos, que nos consiga pôr a salvo de armadilhas e percalços. Esse é o rumo do 35.
O apuramento para a final do play-off de andebol, vencendo um Porto que vinha de um período hegemónico na modalidade, é mais uma página de luxo do nosso ecletismo vencedor. Quarta-feira na Luz, com um ambiente fantástico, houve uma grande vitória de quem defende essa tradição ecléctica e vencedora no Benfica.
Pode haver mais páginas para escrever este fim de semana."

Sílvio Cervan, in A Bola

Jogo ingrato...

Ugra 4 (3) - (2) 4 Benfica

Não éramos favoritos, o orçamento de 12 milhões dos Russos assustava...!!! Tivemos uma abordagem paciente e humilde no jogo... Ser eliminado nunca seria um 'crime' e pensar em vencer numa potencial Final com o Inter a jogar em casa, seria sempre, em qualquer circunstância, algo de transcendental...

Dito isto, voltar a perder nos penalty's numa Final Four, é muito, mas mesmo muito frustrante!!! Em 2010/11, também perdemos o jogo do 3.º lugar em penaltys, parece que se está a formar mais uma 'tradição'!!!
Por acaso até entrámos bem no jogo, com remates fáceis, objectivos, e a dar muito trabalho aos Russos. Com a 'rotação' o Ugra meteu as suas principais armas, e tivemos algumas dificuldades, com algumas falhas graves de marcação, mas o Juanjo foi nos mantendo no jogo... Mesmo jogando mais atrás, criámos sempre perigo... Até que marcámos...
Sofrer o golo do empate, nos primeiros segundos da 2.ª parte foi frustrante... quando sofremos o 2.º golo, num canto, muito mal defendido, a equipa podia ter perdido a cabeça... mas, não! Voltámos a empatar, de bola parada... E mais uma vez, numa desconcentração, segundo depois de empatar, permitimos ao Ugra passar para a frente...
A meio do 2.º tempo (estava 1-1), o guarda-redes do Ugra, foi bem expulso... mas o Benfica foi extremamente incompetente a atacar o 4:3 !!! Não marcámos, e a melhor oportunidade foi mesmo dos Russos!!! Assim, quando o Benfica arriscou o 5:4 no final, fiquei desconfiado, mas desta vez, resultou, com o Jefferson a encostar ao 2.º poste...
Grande entrada no prolongamento... mas mais uma vez, tivemos pouco tempo em vantagem...
Penalty's. E fomos eliminados...
Foi notório a maior capacidade técnica dos brasileiros do Ugra, além de fisicamente existir uma grande diferença de peso entre os jogadores, o Fernando e o Gonçalo foram muitos importantes a defender os Pivot's (algo que em Portugal acontece pouco, porque a maior parte das equipas joga em 4:0).
Como já referi cometemos alguns erros defensivos (2.º e 3.º golos!!!), mas fomos conseguindo manter a equipa na luta, com muito coração... como esta equipa, nos tem habituado, e é mesmo por nos termos 'aguentado' no jogo, com tanta garra, que esta derrota nos penalty's, ainda é mais frustrante...!!!

Com os super-investimentos Russos e Espanhóis (além dos nossos vizinhos Lagartos!!!), não será nada fácil o Benfica voltar a vencer o título máximo...

No Domingo vamos disputar o 3.º lugar, quase de certeza com os Italianos do Pescara, é um daqueles jogos ingratos, mas no Benfica joga-se sempre para vencer...

A sorte e a "sorte"

"Vale tudo! Se alguém, um dia, se dedicar a escrever a história deste campeonato, recomendo que evite dedicar um capítulo à vertente comunicacional. Já perdi a conta às tentativas "leoninas" de destabilização do Benfica e tenho que lhes reconhecer a criatividade e a insistência, tendo em conta a ineficácia total. Passo o exagero, têm mais ideias que doadores para o pagamento da construção do pavilhão.
Na semana passada foi a sorte, referindo-se aos triunfos Benfiquistas no Bessa e em Coimbra, eles que vão já em 11 jogos, no presente Campeonato, ganhos pela diferença mínima, um deles com a "sorte" do seu adversário contar com o Tonel, outro com a "sorte" do fiscal de linha não ter assinalado fora-de-jogo no único tento apontado, ou ainda outro pela "sorte" do árbitro ter feito vista grossa a uma grande penalidade evidente nos minutos finais, e mais um lance "sortudo" de um fora marcado um metro dentro de campo ter originado o golo da vitória. Dessa "sorte" não falam eles, que a criatividade é selectiva e desonesta intelectualmente.
Agora, a sorte voltou à baila porque o Vitória de Setúbal, na Luz, dispôs de uma boa ocasião para empatar a partida perto do final. Dos setubalenses terem concretizado um golo aos 14 segundos não reza a sorte. Nem sequer das seis oportunidades flagrantes de golo desperdiçadas pelo Benfica na primeira meia hora da partida. Foi Futebol, claro, que falar na sorte só interessa se servir os interesses de quem, por não ser Benfiquista e torcer por um clube que faz pouco pela sua sorte, mas muito pela "sorte", merece ter somente azar.

P.S.: A causa do vídeo-árbitro, esta semana, não teve sorte."

João Tomaz, in O Benfica

Mais do que um jogo


"Faltam quatro.
Apenas quatro jornadas para o fim de um dos campeonatos mais empolgantes dos últimos anos, e, provavelmente, o mais importante da última década. Cada jogo é uma "final", como há muito afirma Rui Vitória.
Mas a "final" deste domingo é especial, e pode definir muito mais do que os três pontos em disputa. Pode muito bem ser a verdadeira "final". O momento chave na decisão do título. O Cabo da Boa Esperança na rota para o Marquês.
O Rio Ave está em 5.º lugar, a lutar arduamente por uma vaga na Liga Europa (os adversários seguintes estão do 10.º lugar para baixo, e já sem objectivos). O estádio do Rio Ave é difícil, e tradicionalmente problemático para o Benfica (ainda na época passada lá perdemos). O Rio Ave tem uma equipa muito coesa, onde pontuam jogadores emprestados pelos nossos rivais. O treinador, excelente, diga-se, é também ele um antigo jogador do Sporting, valha isso o que valer. A equipa vila-condense apresenta-se praticamente na máxima força (apenas Roderick não jogará). Esta jornada antecede um FC Porto-Sporting, cuja abordagem em muito depende do que se vier a passar em Vila do Conde. Não são precisos mais condimentos para olharmos para a partida de domingo como uma das mais importantes da temporada.
O jogo com o V. Setúbal evidenciou algum desgaste da nossa equipa. Após tão exigente compromisso europeu, não seria de esperar outra coisa. Felizmente, chegou para vencer.
Agora, com uma semana de repouso, teremos de entrar "a matar" no Estádio dos Arcos, como se de cada lance dependesse toda uma vida. Só assim podemos trazer a vitória. Só assim chegaremos ao 35.º."


Luís Fialho, in O Benfica

Respeito

"Ai que horror, o Benfica só ganhou por um golo ao Vitória de Setúbal. Atirem já abaixo o Carmo e a Trindade porque o Bicampeão sofreu para conseguir os três pontos. Inacreditável. É só isto que consigo escrever depois do que li e ouvi no dia seguinte à 25.ª vitória do SLB em 30 jornadas de Campeonato. 
Cinco dias após um jogo quase épico com o Bayern de Munique, sofre-se um golo aos 14 segundos de jogo e dá-se a volta ao resultado em 25 minutos, com um nível de Futebol que mais nenhuma equipa portuguesa mostrou até agora. Consegue-se a vitória com uma exibição tristonha na segunda parte e, de repente, aponta-se o dedo? Mas está tudo doido? Estamos a quatro jogos da conquista do Tricampeonato e, como mostraram os quase 55 mil na segunda-feira, agora é apoiar até ao fim.
É isso que vai acontecer no Estádio da Luz de Vila do Conde no próximo domingo. Não vai ser fácil, como já sabemos. São os prémios por vitória, as limpezas de amarelos, os ódios de estimação, o clubismo dos treinadores... está tudo preparado. Não é isso que nos vai afectar nesta hora da verdade. Nem isso, nem os golos em fora-de-jogo para manter o Sporting na corrida.
O Bicampeão já mostrou que é superior a tudo isso. E vai continuar a fazê-lo. Com a cultura de vitória, com o hábito de ganhar, com os estádios a encher por onde passe, o Glorioso tem que estar imune às críticas e seguir em frente. A caravana passa sempre."

Ricardo Santos, in O Benfica

Os regulamentos são para cumprir?

"O futebol português tem melhorado em muitos aspectos mas sente-se que ainda há muito por fazer. E não é por falta de regulamentação que as coisas não correm melhor. Por exemplo, uma situação que tem servido para crispar o ambiente passa pelas dúvidas levantadas, em múltiplas ocasiões, antes dos jogos, quanto aos árbitros nomeados. Trata-se de uma circunstância prevista e punida pelo regulamento disciplinar e, nem assim, os prevaricadores são punidos. Imagine-se que era dito o que tem sido proclamado sobre os árbitros no contexto de uma competição europeia de clubes. A mão seria célere e pesada. E é por isso que ninguém pia em relação às escolhas da UEFA, deixando os árbitros mais à vontade e o ambiente desanuviado... Mas há mais: está indicada uma nova equipa para o Conselho de Disciplina da FPF, liderada por José Manuel Meirim (boa sorte!) que deverá ser diferente, pela pedagogia, daquela que agora se despede. Teria sido do interesse comum que fossem explicadas à opinião pública as razões jurídicas que levaram, por exemplo, a que a terceira expulsão da época de Jorge Jesus tenha sido punida com um punhado de euros; e que Petit, também expulso, tenha apanhado 25 dias de suspensão. Não alinho, por um instante, em teorias da conspiração, nem em influências estranhas. Mas tenho a firme convicção de que os adeptos merecem ser esclarecidos, com frontalidade, por quem toma as decisões. Derradeira questão: será que na próxima época a Liga vai fazer alguma coisa no âmbito do controlo de qualidade dos relvados? O estado de calamidade pública devia ser decretado..."

José Manuel Delgado, in A Bola

Benfiquismo (LXXXII)

Grandes recordações...
nos locais mais inesperados!!!

Londonderrey, Irlanda do Norte, 1989
Foi aqui que começou a caminhada até à Final de Viena!

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Em Vila do Conde, rumo a mais uma final... que só o melhor Benfica poderá vencer


"Benfica-V. Setúbal... mais final que as outras?
1. Mantendo o raciocínio, já só faltam 4 finais, mas ainda faltam 4 finais!!! E apesar de o Benfica ter feito uma primeira parte com uma grande intensidade e com um futebol que encantou quem lá esteve ou quem viu, o jogo acabou por ser mais complicado (até do que se estava à espera...), como o serão todos até ao final da época.
Foi - reconheçamos - uma vitória sofrida, muito sofrida, mesmo... quase imprópria para cardíacos. A desconcentração, momentânea, do primeiro minuto (para ser verdadeiro, dos primeiros 15 segundos do jogo) custou-nos um golo. Entrando a perder, como se começássemos este jogo a ter que fazer 2 golos para ganhar... pela diferença de 1.
Mas como também destes pequenos acidentes de percurso se fazem os campeões - à semelhança do que acontece algumas vezes quando há má fortuna - a reviravolta não tardou. Com paciência e classe. Com um futebol de encantar e de entusiasmar. À Benfica!
Mas - digo eu - com alguma fadiga à mistura (apesar de serem jogadores do Benfica, deuses dos nossos sonhos futebolísticos... são humanos), que poderá justificar algumas falhas de concentração, alguns passes errados e, até, alguma falta de concretização. E como quem não marca, sofre...
O que sofremos...
Mas, para registo deste Benfica-Setúbal, e para memória futura, fica a atitude do jogador sadino Arnold, no final do jogo!
Confesso que não percebi a reacção... Como se o Setúbal lutasse por algum campeonato, tentasse evitar uma despromoção ou jogasse o acesso a uma competição europeia! Que estranho, aquele choro convulsivo por falhar um golo que não mudaria - em nada - a vida dele e do seu clube, mas, apenas, a possibilidade de um outro clube - que não o Benfica - passar a depender só de si para poder ser Campeão. O que agora acontece, precisamente, ao Benfica.
Que estranho!!!
Nunca vi ninguém chorar assim (nem mesmo Bryan Ruiz, quando falhou o golo do empate... a meio metro da linha de baliza)!
E muito menos um golo que - para aquele jogador e para a sua equipa - era só... um golo!!! Ou será que... poderia ser mais do que isso??? Seria?
Nem Jorge Jesus, quando ajoelhou no Dragão, ao ter perdido, de forma infantil, o título de 2012/2013, chorou (e muito menos convulsivamente), apesar de, com aquele golo... não ter ganho muito dinheiro! Mas regressando ao futebol-espetáculo - o que verdadeiramente importa - Ederson fez, nesse falhanço do desespero de Arnold, uma defesa enorme! Quase tão grande como o apoio dos adeptos, ao longo de todo o jogo! Esses que, novamente numa segunda-feira, compareceram em massa no Estádio da Luz... 55 mil a uma só voz!!! E, ao fim de mais uma jornada, continuamos... líderes! É a vida!

Como a UEFA não percebe de futebol...
2. Estamos na recta final do campeonato, a lutar pela renovação do título, depois de uma grande campanha na Liga dos Campeões, monde fomos eliminados pelo todo poderoso Bayern, jogando olhos nos olhos e sem medo desse hipotético futuro(??? a tradição para isso aponta) Campeão Europeu. Estamos nas meias-finais da Taça da Liga - ainda que, para alguns, esta competição, talvez por já não participarem nela, seja irrelevante. Fomos eliminados da Taça por causa de um penalty não assinalado a beneficiar... imaginem quem... .
Podem, por isso, continuar a dizer que o Benfica apenas vence por sorte e não por ser (manifestamente) superior aos adversários. Mas, continuamos a vencer... sem ajudas dos árbitros.
Ora, como diria Rui Vitória, o futebol tem de ser tratado com elevação!!! Podem fazer os jogos psicológicos que quiserem... em vez de estarem preocupados em vencer de forma legítima. Vencer deveria ser a obrigação de todos, sobretudo para aqueles que só lutam por uma competição - seja por terem sido precocemente eliminados das outras, seja por não terem tido a capacidade (e a superioridade futebolística) para ultrapassar os diferentes e contínuos obstáculos. Até porque só o Benfica e o Braga - nesse aspecto - tiveram uma intensa campanha europeia.
Relembro, por isso, os mais distraídos que, até a esta última jornada, não jogámos apenas uma vez por semana. Mas, ainda assim, o Benfica foi capaz de gerir física e emocional o seu plantel. Numa prova de que temos um grande treinador. Porque o que diferencia - na Europa, como no Mundo - os grandes treinadores... dos outros... é o facto de os grandes técnicos conseguirem gerir a equipa em várias competições, ao mesmo tempo. Os normais, os de trazer por casa, esses... só se conseguem focar numa única competição.
Ano após ano!
Por isso a UEFA nos reconhece e nos coloca onde estamos, por direito próprio. Ou será que a classificação da UEFA (onde somos 6.º, com todo o mérito) não valerá nada? Por muito que isso custe a alguns - e como me custou, a mim, em 3 dos últimos 6 anos - o título de campeão nacional é atribuído a quem tem, efectivamente, mais pontos e não a quem se auto intitula como equipa a praticar... melhor futebol!
E, por muito que os mestres da táctica não gostem, essas duas realidades não têm necessariamente de coincidir.
Por nós, e para nós, opiniões - sempre subjectivas - à parte, relembro que o Benfica depende apenas de si. Se ganhar todos os jogos até ao final da época, como é a minha previsão e aposta, o Benfica será tricampeão. Sem ajudas, sem artimanhas, sem choros.
Não obstante, não posso deixar de reparar na generosidade que por aí anda... mas só com alguns! E não é que a «equipa que melhor futebol joga em Portugal» ganhou - pasme-se - com um fora-de-jogo escandaloso???
Com tantos pontos ganhos assim, também os outros estariam na luta. É só uma questão de fazer contas... Mesmo que para isso tenham a necessidade de interiorizar que nós ganhamos apenas por sorte... Mal sabem eles... que a sorte protege os audazes.

Em Vila do Conde rumo a mais uma final
3. Domingo, véspera, do 25 de Abril, dia da liberdade, segue-se outra final. O Estádio dos Arcos será, uma vez mais - estou certo - um pequeno Estádio da Luz. Perante cerca de 9 mil adeptos, o Benfica jogará em casa. Até porque o Norte (também) é vermelho!
E como isso lhes dói!
Com a certeza que daremos tudo em campo, com raça e ambição (e já sem qualquer pensamento numa próxima quarta feira europeia). Mas isso não poderá invalidar a ideia que... só o melhor Benfica, de um nível muito elevado, poderá ganhar.
Mais do que nunca, e nestas quatro finais, eles, no relvado, e nós, nas bancadas, teremos de dar tudo o que temos... e o que não temos! Pelo Benfica! Tal como Rui Vitória prometeu, no seu discurso de apresentação como treinador do Sport Lisboa e Benfica.
Tudo, então... pelo tricampeonato. Com a crença de que podemos ganhar, mesmo quando os adversários são teoricamente melhores - o que, também com o devido respeito pelo Rio Ave, não é o caso. É tudo uma questão de crença e de mentalidade!
Mais uma final, rumo ao 35.

Jogadores 'à Benfica'
4. Não tenho por hábito individualizar jogadores. Mas permito-me fazer pequena referência àquele que tem sido, não raras vezes, o melhor jogador do mês, o homem do jogo e... ainda, o atual melhor marcador. Só para a Liga já lá vão 31 golos!!!
Nada nem ninguém está acima do Benfica, mas espero que Jonas vença a Bota de Ouro. Com a humildade com que, desde que é um dos nossos, sempre nos habituou a defender o que realmente importa: o Benfica e, neste caso, a conquista dos 3 pontos, em cada jogo. Para que, daqui a uns anos, depois dos muitos que espero que por cá vá andar, o possamos ovacionar, como a Luz fez, na segunda-feira, a Fabrizio Miccoli, que confessou, com lágrimas nos olhos, ser, para sempre, mais um dos nossos!
Um jogador à Benfica, que tantas alegrias nos deu (eu estive em Liverpool...)

Podem explicar a diferença?
5. Petit, treinador do Tondela, foi suspenso por 25 dias e multado em € 1.535,00 euros por ter sido expulso frente ao Braga, na sequência de uma reclamação, perante o quarto árbitro, de uma alegada dualidade de critérios. No entanto, o treinador do Sporting, reincidente, na sequência da sua expulsão na pretérita jornada, foi multado em € 192,00 e... não foi suspenso.
Conseguem explicar-me a diferença de... critérios (sem ser com citações do Acórdão Slimani)???"

Rui Gomes da Silva, in A Bola

Pela Europa

"Entre paraísos, infernos e purgatórios, aproximam-se do fim os campeonatos na Europa.
Não abordando aqui o nosso, o que vemos? Confirmações, surpresas, desilusões.
Em Itália, apesar de um péssimo arranque, a Juventus vai festejar mais um título. Já o AC Milan continua a percorrer a penosa calçada sem Europa, onde já foi a maior referência. O Arouca transalpino é o Sassuolo, em excelente lugar.
Em Espanha, vai haver sprint entre os habituais candidatos, depois da débacle do Barça. Nada de novo na luta pela sobrevivência. Surpresa pela negativa o aportuguesado Valência (11.º!) e pela positiva o galego Celta (6.).
Em França, mais do mesmo, com PSG tão à vontade, mas incapaz de chegar às meias da Champions. Pela positiva, o Nice luta por um segundo lugar na mesma competição, assim fazendo lembrar os seus velhos tempos. Ao invés, outro icónico clube passado, de Fontaine e Kopa - Stade de Reims - luta para não descer e o Marselha é o 15.º, já não ganhando em casa há 14 jogos, como há dias, referia A Bola.
Na Alemanha, a boa surpresa vem do clube berlinense - Hertha - mais habituado a lutar pela sobrevivência e agora em 4.º lugar, atrás só do Bayern, do regressado Dortmund e do habitual clube do quase (Leverkusen). Pela negativa, o antes consagrado Werder Bremen e o bem conhecido Eintracht Frankfurt, em posição de despromoção.
Por fim, o melhor campeonato o inglês. Da surpresa do quase campeão - Leicester - já aqui escrevi. Do Chelsea (10.º), Liverpool (8.º) e até Everton (11.º) vêm as surpresas negativas. Vai descer, o Aston Villa, um dos poucos clubes que ainda não havia provado o amargo da divisão secundária."

Bagão Félix, in A Bola

Benfiquismo (LXXXI)

O desejo....

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Finalistas, com um enorme coração vermelho..

Benfica 22 - 20 Corruptos
(10-8)

Tudo aquilo que esta equipa conquistou nas últimas semanas, foi sempre com muito coração... na luta, com muita garra e espírito colectivo.
Hoje, o Figueira, o Ronny e o Belone evidenciaram-se, mas 'amanhã' outro poderá ser o herói...!!!

Provámos que as vitórias nos primeiros jogos (e na Taça) não foram por acaso, os Corruptos tiveram mais do que tempo, para se prepararem para estes jogos (com a paragem das Selecções...). Não sei se eles estão com ordenados em atraso (ou algo parecido), mas o Benfica está na Final, por muito mérito próprio... e com muita competência...
Grande ambiente a empurrar os nossos para a vitória, até porque jogámos em 'inferioridade' numérica, durante os 60 minutos!!! Os cânticos acabaram por nivelar...!!!

Vamos ficar à espera do outro Finalista, com a vitória do ABC esta noite, vamos ter 'negra' (em Braga) na outro Meia-final... Tal como eu já escrevi noutra crónica, seria engraçado jogarmos com o ABC as duas Finais...!!!

Não existe tempo para festejar, já no próximo sábado, temos a 1.ª mão, das Meias-finais da Challenge Cup, na Luz, com os Noruegueses do Fyllingen Bergen... será muito importante voltar a ter as bancadas repletas.

PS: Como tem sido habitual na FPA, já se preparam alterações regulamentares para a próxima época, e imagine-se quem será o mais beneficiado... isto se entretanto não acabarem com a secção!!!

Despautérios

"O Benfica - que só de si depende - procura voltar a ser tricampeão. O Sporting persegue a possibilidade de ser campeão. Independentemente do vencedor, este campeonato retoma, 30 anos depois, uma emocionante luta dos grandes rivais da capital. Óptimo!
E o que vemos? Uma série de despautérios, em crescendo. Alguns pirosos, outros deselegantes, outros ainda inconsequentes.
O SCP agora sentencia sobre os dias a que joga o Benfica. Por causa da Taça da Liga (o SCP já lá não mora), por causa do jogo contra o Vitória. Insinua que este fez o jeito ao Benfica. Sem comentários... O SCP agora comenta árbitros, antes dos jogos. Não para os condicionar, claro. Os dele e os do Benfica. Para estes, aqui d'el rei que árbitro é sempre suspeito. Para eles «sai um elogio prévio», curiosamente para o mesmo árbitro que havia sido, há semanas, alvo de insidiosas suspeitas antecipadas. Os erros que favoreceram o SCP podem «ser ou não regulares» (oh! tão inocente indulgência), ao contrário de categóricas certezas, se o mesmo acontecer ao Benfica.
Depois há a saga dos penalties contra o Benfica, pelos campeões dos marcados a seu favor (11!). E, cereja em cima do bolo, eis que tudo está gizado para suspensões cirúrgicas nos oponentes do SLB. Não, isso nunca acontece com o SCP! E, já agora, os castigos a Ukra e Wakaso do Rio Ave na penúltima jornada e limpos, na última, podendo assim jogar contra o Benfica, não terão o dedo do Sporting?
Será que a seguir virá alguma suspicácia por causa dos equipamentos? E será que o preço dos bilhetes para os jogos fora dos dois clubes favorece a maior afluência dos benfiquistas?"

Bagão Félix, in A Bola

Falida só a lógica

"As contas não deviam ser um tema confortável para o Sporting
1 - O presidente do Sporting fez mira às contas do Benfica, o que não é cem por cento estranho: quando se fala tantas vezes, os temas esgotam-se. Bruno de Carvalho também deu uma entrevista em que menciona um milagre financeiro. Milagre é o termo, porque existe apesar da decisão de manter Jesus; apesar do disparo da massa salarial quase para o nível do Benfica; apesar da intenção de não vender os melhores jogadores; apesar da tutela bancária que tinha prometido mão de ferro; apesar do forte indício de dificuldades que foi a venda de Montero em Janeiro; apesar da dívida à Doyen; apesar de ter falhado o apuramento para a Liga dos Campeões esta época. E, no entanto, o futebol não mudou. Os "melhores jogadores" continuam a ser pressionados pelos ordenados lá de fora; os reforços continuam a custar dinheiro; e Jesus continua viciado em laterais-esquerdos.
2 - O desencontro prossegue: os árbitros expulsam treinadores e o Conselho de Disciplina da Federação passa-lhes (aos treinadores, não aos árbitros) uma multazinha de estacionamento. Petit, do Tondela, foi suspenso por 25 dias, mas é a excepção. A regra são os 192 euros que Jesus vai pagar por ter sido mandado para a bancada em Moreira de Cónegos, embora até seja duplo reincidente. Para além de, claramente, não falarem a mesma língua, é muito provável que árbitros e juízes estejam ambos a desrespeitar as gramáticas. Os primeiros, porque estão a expulsar muitas vezes sem motivo e a esgotar os efeitos de dissuasão (os treinadores vão ralar-se, sabendo que na semana a seguir estão no banco outra vez?); os segundos, porque seguem, eles próprios com ternura, um regulamento carinhoso e compreensivo."

José Manuel Ribeiro, in O Jogo

O Bayern foi um milagre

"Pode-se pensar
Mas ainda se quer?
O curioso é que, entre aqueles que incendiaram as ditas redes sociais em torno de Arnold Issoko, muitos se reclamavam adeptos do Sporting. Ou seja: do mesmo sítio de onde há meses brotou uma sensação de afronta ao ver posta em causa a honra do jogador do Belenenses - Tonel - que cometeu o erro que salvou o Sporting vêm agora as injúrias à honra do jogador do V. Setúbal que não foi capaz de fazer naufragar o Benfica. Digo "mesmo sítio" por facilidade. Felizmente, os clubes ainda são vários sítios diferentes cada um. Ainda é possível exercer o pensamento próprio, se se quiser. Mas é cada vez menos possível. E se não é, não me parece que sejam cada vez mais os interessados em exercê-lo.

Arrepiante
Insegurança (também) é isto
A história que o "DN" ontem contava sobre o subcomissário de Guimarães e o modo como terá forjado provas para se ilibar das agressões a um adepto do Benfica é arrepiante. Põe em perspectiva a segurança no futebol, a segurança em Portugal e a segurança em geral. No mundo em que vivemos, o sentimento de segurança é um bem cada vez mais escasso. E o problema está sobretudo, mas não apenas do lado do terrorismo.

Nos limites
O Bayern foi um milagre
Três vezes foi o cântaro à fonte, três vezes rachou e três vezes se aguentou. É impressão minha ou, se há mais um jogo ou dois da Champions, o Benfica já não se aguenta? "

Joel Neto, in O Jogo

Responsabilidade atirada ao outro...

"Qual deles, Benfica e Sporting, tem mais obrigação de conquistar este campeonato em que travam renhidíssimo duelo no regresso às décadas de ouro da mais intensa e enraizada rivalidade portuguesa? Digo: mútua e igualzinha responsabilidade. Porém, o tema surge porque cada um deles atira a maior carga para cima do outro...
Jorge Jesus desde o início prudente, não se colando a Bruno Carvalho na entusiástica exigência de Sporting campeão... já. Certeza de Sporting regressado a renhida discussão do título, isso sem dúvida; mas... Jesus sempre insistiu: máxima obrigação sobre Benfica, por ser bicampeão (implícito auto-elogio ao trabalho deixado na Luz).
Rui Vitória, arranque tão atribulado!, liderou em pezinhos de lã espectacular recuperação, fugindo a acesas trocas de palavras/argumentos/contra-argumentos. No entanto, de hostes benfiquistas, embora muito mais serenas pós-conquista de liderança, vão saltando remoques sobre a responsabilidade de Sporting que muito investiu. O que é verdade. Gritantemente, no treinador. Evidente nas iniciais aquisições - Bryan Ruiz, Naldo, João Pereira, Teo Gutiérrez, Aquilani, Bruno Paulista - e nas de Janeiro: Bruno César, Schelotto, Coates, Marvin, Barcos, regresso de Rúben Semedo. Mas isso não é mérito? Benfica limitou-se a Mitroglou, Jiménez, Carcela, Taarabt, Grimaldo, Jovic. Metade dos reforços adversários. Só Mitroglou habitual titular... Contraponto: rotundo êxito no lançamento de mão-cheia de miúdos prata da casa: Nélson, Gonçalo, Renato, Lindelof, Ederson!
Por rotas diferentes, mútuo e nítido mérito. Igual responsabilidade. E o resto é conversa..."

Santos Neves, in A Bola

Benfiquismo (LXXX)

A 'famosa' troca de camisolas entre Eusébio,
e o seu grande ídolo Di Stefano,
após o triunfo em Amesterdão...
Segundos antes do nosso Rei,
ter sido erguido nos ombros...!!!

A humildade dos Campeões!

terça-feira, 19 de abril de 2016

O alegre romance dos golos

"O «derby» (e como tem história essa palavra «derby») entre Benfica e Sporting é escrito a golos. Uns mais importantes; outros menos. Mas muitos. Alguns arrastam consigo episódios inesquecíveis...

O romance dos Benfica-Sporting é um romance de golos. De golos, golos e mais golos. Repare-se.
No período curto de um ano e um mês, de 20 de Janeiro de 1946 e 16 de Fevereiro de 1947, em apenas seis jogos marcaram-se 36 golos.
Foi um exemplo. Como outro qualquer.
Mas dentro desse período curto de um ano e um mês, Benfica e Sporting defrontaram-se três vezes para o Campeonato Nacional, marcando 23 golos.
O romance dos golos.
Sporting, 4 - Benfica, 3
Benfica, 7 - Sporting, 2
Sporting, 6 - Benfica, 1
Golos e golos e golos.
Nove-golos-nove: é como o máximo atingido num Benfica-Sporting. Em qualquer um deles, seja para que competição for, mesmo nos amigáveis.
Houve um 5-4 para o Campeonato Nacional, em 1944.
Houve esse dos 7-2, também para o Campeonato Nacional, em 1946.
Houve outro de 5-4, para a Taça de Portugal, em 1952.
Houve o dos 6-3 para o Campeonato Nacional, em 1994.
Foi de golos que se fizeram os Benficas-Sportings e não de infames zero-a-zero.
No jogo dos 6-3, em Alvalade, no dia 14 de Maio de 1994, João Pinto, ainda no Benfica, assinou um dos mais fantásticos hat-trick que se registaram num Benfica-Sporting.
Hat-trick o truque do chapéu.
Parece que era hábito, na Câmara dos Lordes da velha Inglaterra deixar o chapéu no assento para demonstrar a presença na câmara mesmo apesar da ausência.
Era esse o hat-trick.
Os ingleses transpuseram a expressão primeiro para o Cricket, depois para o Futebol.
Hat-trick: de início não era preciso que se tratasse de três golos. Podiam até ser cinco. Ou apenas um, extraordinário, de meio-campo, ou de pontapé de bicicleta. Enfim, um truque do chapéu.
Depois estabeleceu-se que eram três golos num jogo. Assim ficou.

Nomes a letras douradas...
Os Benficas-Sportings não estão cheios de hat-tricks. Pelo contrário. Quem os assinou, merece ter aqui o nome escrito a letras douradas. E palavra de honra que tê-lo-ia, se tal fosse possível.
O primeiro foi de Espírito Santo, nuns 5-0 do Benfica ao Sporting, no dia 3 de Dezembro de 1939, para o Campeonato de Lisboa.
No ano seguinte, também nas Amoreiras, no dia 3 de Março, o inevitável Peyroteo faz os três golos do Sporting da vitória por 3-1 no campo do rival.
Quem diria? Seria preciso esperar 37 anos para vermos um jogador do Sporting fazer outro hat-trick num derby.
Em 1 de Novembro de 1942, já no Estádio do Campo Grande, era vez de Francisco Pires cometer a proeza na vitória encarnada por 4-1 para o Campeonato de Lisboa.
Mas, a 28 de Abril de 1946, a proeza foi a dobrar. O Benfica recebeu o Sporting no Campo Grande e venceu por 7-2.
Pois sabem vocês qual era o resultado ao intervalo? Zero-a-zero!
Isso mesmo. Zero-a-zero. E, depois, em 39 minutos, explodiu o dique dos golos: nove. Hat-tricks houve dois. De Arsénio e Mário Rui.
E porque foram logo dois, só em 1970, voltaríamos a ter um jogador capaz de fazer três golos num Benfica-Sporting. Vitória por 5-1, na Luz, para o Campeonato Nacional. O homem do truque do chapéu foi Artur Jorge.
Dois anos depois, em Junho de 1972, Eusébio não quis deixar de figurar nesta lista, com os três golos da vitória por 3-2 da final da Taça de Portugal - faria outros três num jogo particular.
Finalmente, gente da camisola às riscas.
Manoel, naquela eliminatória da Taça de Portugal, em Março de 1977, na qual ganhou o nome de MANOOOEL, com uma vitória por 3-0 toda à sua conta, e Jordão, que já fora do Benfica mas, em 1982, vestia a camisola do Sporting e seria o responsável máximo por uma vitória por 3-1 para o Campeonato Nacional, em Alvalade, num jogo que também ficou para os anais pela agressão de Bento a Manuel Fernandes quando tinha a bola agarrada em plena grande-área.
Jordão: poucos terão sido assim grandes com qualquer uma das camisolas.
Durante cinco anos consecutivos melhor marcador do Sporting em todas as competições.
Em 1975/1976 vence «A Bola de Prata» pelo Benfica. Marca 30 golos. Nené marca 29. Os dois marcam mais golos do que toda a equipa do Sporting nesse campeonato (54).
Golos e golos.
O romance dos golos.
Neste caso dos três-golos-três."

Afonso de Melo, in O Benfica

Estágio com direito a copo-d'água

"À beira do lago Como, nem só de treinos viveram os jogadores de Futebol.

Em Maio de 1965, o Benfica rumava a Itália para discutir uma final da Taça dos Clubes Campeões Europeus.
Dias antes, a comitiva 'encarnada' partiu de Lisboa de estômago confortado por 'arroz à valenciana e bacalhau com grão', rumo ao estágio na província de Como, 'longe do bulício dos grandes centros', a cerca de cinquenta quilómetros de Milão.
A viagem 'a bordo do confortável «Caravela» da TAP', decorreu pelo melhor. 'Até aqueles que normalmente mais «sofrem» com estes passeios esqueceram (...) os seus complexos. Torres, por exemplo, contra o que é hábito, até comeu'.
Chegados ao destino, 'as exclamações surgiram espontâneas'. O Hotel Villa d'Este, escolhido para acolher a equipa era uma antiga residência principesca do século XVI, situada na margem do lado Como. Ao seu redor, 'a paz edénica de perfumados jardins e verdejantes arvoredos' convidavam ao repouso e, entre treinos as cadeiras de baloiço e os barcos a remos foram a distracção predilecta dos atletas. Destaque para José Augusto que, segundo O Benfica, remava 'com uma energia que metia inveja a... uma tartaruga'.
Nos restantes tempos livres, houve ainda tempo para as habituais compras, os muito requisitados autógrafos e até... 'copos d'água'. Durante o estágio, foram vários os casamentos que se realizaram no hotel e os jogadores 'encarnados' não perderam a oportunidade de dar uma 'perninha' nas festas. Eusébio foi 'quase promovido a convidado de honra, a tirar fotografias com os padrinhos só faltando beijar a noiva'. Consta até que os convidados de uma das bodas foram brindados com um momento musical 'a cargo de quatro «vedetas» benfiquistas': Eusébio e Germano foram vocalistas, 'José Augusto tomou a seu cargo a «guitarra eléctrica»', e Torres fez '«miséria» na bateria'.
Reza a história que existia a superstição que 'os jogadores portugueses, quando vêem um casamento antes de um jogo, quase que podem mandar só as camisolas que a vitória está mais do que certa'. Porém, desta vez, a crença não surtiu efeito.
Ao longo dos seus 112 anos, foram vários os pontos do globo onde a equipa de Futebol do Benfica se deslocou. Conheça-os no Museu Benfica - Cosme Damião, na área 26. Benfica Universal."

Mafalda Esturrenho, in O Benfica

Lixívia 30

Tabela Anti-Lixívia:
Benfica........... 76 (-5) = 81
Sporting........ 74 (+17) = 57
Corruptos.......64 (+12) = 52

Mais uma jornada onde os Lagartos são mantidos na luta pelo título, através dum apitadeiro! E mais uma vez, tenta-se por todos os meios desviar as atenções...
Bruno Paixão, continua com a seu quase perfeito aproveitamento nos jogos dos Lagartos!!! O homem que gosta dos churrascos em casa do Panelão, não desarma... E nem estou a falar do golo em fora-de-jogo (o terrorista está mesmo à frente da linha da bola...), porque os foras-de-jogo são responsabilidade dos fiscais-de-linha (bem marcado o fora-de-jogo ao Teo)... agora a não expulsão do Coates e do Marvim, é da total responsabilidade do apitadeiro!!! Além daquele mergulho do Adrien (tão mal dado...) que deu livre directo perigoso, ainda com 0-0, no único remate enquadrado com a baliza do Moreirense durante os 90 minutos!!!!
Até o Miguel Sousa Tavares (como escreve hoje na sua crónica), já descobriu a 'pólvora'!!!
Mas como é óbvio o grandes 'destaque' foi a expulsão do Judas do banco (que não terá consequência alguma...). Como mesmo assim a imagem do golo irregular ainda aparecia em alguns fóruns, nada melhor que o Babalu inundar o Facebook de comunicados absurdos, mentirosos, complexados...

A outra notícia do fim-de-semana foram os 'incentivos' monetários, oferecidos pelos Lagartos aos adversários do Benfica. Aparentemente o comissionista do Judas que é o 'homem da mala' (Costa Aguiar), aparentemente ao Setúbal não foram 200 mil, foram 600 mil... aparentemente o Setúbal como muitos outros Clubes não recebem à vários meses... e bastou ver a reacção do Arnold ontem, para perceber que o dinheiro faz falta!!!
Nada disto é surpresa, mas é inacreditável como estas situações são vistas como 'normais' e aceitáveis em Portugal!!!
Se recebem para ganhar, também recebem para perder!!!
Se ficam mais motivados para ganhar, então são maus profissionais, porque deviam sempre jogar motivados em todos os jogos...
E neste caso, com um Setúbal-Sporting nas próximas semanas, quando é que o pagamento seria efectuado?!!!
Isto é vergonhoso... Isto é que por em causa a Verdade Desportiva...
Veja-se as dificuldades que o Benfica tem tido nas últimas semanas, com adversários super-motivados, e os autênticos passeios que o Sporting tem tido, jogando com adversários mansos... com um Arouca em 'testes'; os Pastéis sem Luz e sem água...; um Marítimo transformado em secção de MMA (mesmo assim foram os que deram mais luta); e um Moreirense apático... sem 6 titulares!!!
(mais uma expulsão no próximo adversário dos Lagartos... União)
Também extraordinário é como os Jornais Desportivos ignoraram por completo esta história dos incentivos!!! Só mesmo o Correio da Manhã é que pegou no assunto...

Nuno Silva, Leixões, merece ser recordado, pois nos últimos tempos, foi o único que teve a coragem, a dignidade de expôr estes esquemas... Infelizmente, são cada vez menos as pessoas de bem...


Na Luz, como eu escrevi na crónica, Rui Costa sentiu um Benfica 'frágil' e tentou tudo, nas faltinhas a meio-campo para empurrar o Benfica para trás, tanto no critério técnico como na disciplina... Mas não houve Casos graves, sendo que na oportunidade do André Claro no 2.º tempo, parece-me existir um fora-de-jogo milimétrico, mas o Ederson evitou discussões...

Os Corruptos, foram prejudicados num penalty sobre o Corona... no último golo dos Corruptos não existe fora-de-jogo.


Anexos:
Benfica
1.ª-Estoril(c), V(4-0), Tiago Martins, Nada a assinalar
2.ª-Arouca(f), D(1-0), Nuno Almeida, Prejudicados, (1-2), (-3 pontos)
3.ª-Moreirense(c), V(3-2), Jorge Ferreira, Prejudicados, (4-1), Sem influência no resultado
4.ª-Belenenses(c), V(6-0), Bruno Paixão, Nada a assinalar
5.ª-Corruptos(f), D(1-0), Soares Dias, Prejudicados, (-1 ponto)
6.ª-Paços de Ferreira(c), V(3-0), Rui Costa, Beneficiados, (3-1), Sem influência no resultado
8.ª-Sporting(c), D(0-3), Xistra, Prejudicados, (3-3), (-1 ponto)
7.ª-União(f), E(0-0), Cosme, Nada a assinalar
9.ª-Tondela(f), V(0-4), Veríssimo, Nada a assinalar
10.ª-Boavista(c), V(2-0), Esteves, Prejudicados, (3-0), Sem influência no resultado
11.ª-Braga(f), V(0-2), Hugo Miguel, Prejudicados, (0-3), Sem influência no resultado
12.ª-Académica(c), V(3-0), Luís Ferreira, Prejudicados, (4-0), Sem influência no resultado
13.ª-Setúbal(f), V(2-4), Manuel Mota, Prejudicados, (2-5), Sem influência no resultado
14.ª-Rio Ave(c), V(3-1), Manuel Oliveira, Prejudicados, (5-1), Sem influência no resultado
15.ª-Guimarães(f), V(0-1), Xistra, Prejudicados, Beneficiados, Impossível de contabilizar
16.ª-Marítimo(c), V(6-0), Veríssimo, Nada a assinalar
17.ª-Nacional(f), V(1-4), Tiago Martins, Nada a assinalar
18.ª-Estoril(f), V(1-2), Vasco Santos, Prejudicados, (1-3), Sem influência no resultado
19.ª-Arouca(c), V(3-1), Manuel Mota, Nada a assinalar
20.ª-Moreirense(f), V(1-4), Manuel Oliveira, Prejudicados, (1-5), Sem influência no resultado
21.ª-Belenenses(f), V(0-5), Nuno Almeida, Nada a assinalar
22.ª-Corruptos(c), D(1-2), Soares Dias, Nada a assinalar
23.ª-Paços de Ferreira(f), V(1-3), Jorge Ferreira, Prejudicados, (0-4), Sem influência no resultado
24.ª-União(c), V(2-0), Cosme, Nada a assinalar
25.ª-Sporting(f), V(0-1), Soares Dias, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
26.ª-Tondela(c), V(4-1), Luís Ferreira, Nada a assinalar
27.ª-Boavista(f), V(0-1), Veríssimo, Nada a assinalar
28.ª-Braga(c), V(5-1), Nuno Almeida, Prejudicados, (6-1), Sem influência no resultado
29.ª-Académica(f), V(1-2), Capela, Nada a assinalar
30.ª-Setúbal(c), V(2-1), Rui Costa, Nada a assinalar

Corruptos
1.ª-Guimarães(c), V(3-0), Veríssimo, Nada a assinalar
2.ª-Marítimo(f), E(1-1), Hugo Miguel, Nada a assinalar
3.ª-Estoril(c), V(2-0), Duarte Gomes, Prejudicados, (3-0), Sem influência no resultado
4.ª-Arouca(f), V(1-3), João Capela, Nada a assinalar
5.ª-Benfica(c), V(1-0), Soares Dias, Beneficiados, (+2 pontos)
6.ª-Moreirense(f), E(2-2), Vasco Santos, Nada a assinalar
7.ª-Belenenses(c), V(4-0), Jorge Ferreira, Nada a assinalar
8.ª-Braga(c), E(0-0), Soares Dias, Nada a assinalar
9.ª-União(f), V(0-4), Paixão, Beneficiados, Prejudicados, (1-4), Sem influência no resultado
10.ª-Setúbal(c), V(2-0), Tiago Martins, Nada a assinalar
11.ª-Tondela(f), V(0-1), Manuel Mota, Nada a assinalar
12.ª-Paços de Ferreira(c), V(2-1), Xistra, Beneficiados, (1-1), (+ 2 pontos)
13.ª-Nacional(f), V(1-2), Jorge Sousa, Beneficiados, (3-2), (+3 pontos)
14.ª-Académica(c), V(3-1), Bruno Esteves, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
15.ª-Sporting(f), D(2-0), Hugo Miguel, Prejudicados, Beneficiados, (2-1), Impossível contabilizar
16.ª-Rio Ave(c), E(1-1), Rui Costa, Nada a assinalar
17.ª-Boavista(f), V(0-5), Veríssimo, Beneficiados, (1-5), Sem influência no resultado
18.ª-Guimarães(f), D(1-0), Manuel Oliveira, Prejudicados, Sem influência no resultado
19.ª-Marítimo(c), V(1-0), Jorge Ferreira, Beneficiados, (0-0), (+2 pontos)
20.ª-Estoril(f), V(1-3), Tiago Martins, Nada a assinalar
21.ª-Arouca(c), D(1-2), Rui Costa, Prejudicados, Beneficiados, (2-3), Impossível contabilizar
22.ª-Benfica(f), V(1-2), Soares Dias, Nada a assinalar
23.ª-Moreirense(c), V(3-2), Luís Ferreira, Beneficiados, (2-2), (+2 pontos)
24.ª-Belenenses(f), V(1-2), Capela, Nada a assinalar
25.ª-Braga(f), D(3-1), Xistra, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
26.ª-União da Madeira(c), V(3-2), Manuel Oliveira, Beneficiados, (2-2), (+2 pontos)
27.ª-Setúbal(f), V(0-1), Manuel Mota, Nada a assinalar
28.ª-Tondela(c), D(0-1), Bruno Esteves, Prejudicados, Beneficiados, (1-2), Impossível contabilizar
29.ª-Paços de Ferreira(f), D(1-0), Veríssimo, Beneficiados, Prejudicados, (1-1), (-1 ponto)
30.ª-Nacional(c), V(4-0), Luís Ferreira, Prejudicados, (5-0), Sem influência no resultado

Sporting
1.ª-Tondela(f), V(1-2), Xistra, Prejudicados, Beneficiados, (0-1), Sem influência no resultado
2.ª-Paços de Ferreira(c), E(1-1), Manuel Oliveira, Nada a assinalar
3.ª-Académica(f), V(1-3), Bruno Esteves, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado
4.ª-Rio Ave(f), V(1-2), Hugo Miguel, Nada a assinalar
5.ª-Nacional(c), V(1-0), Veríssimo, Beneficiados, Impossível contabilizar
6.ª-Boavista(f), E(0-0), Soares Dias, Nada a assinalar
7.ª-Guimarães(c), V(5-1), Rui Costa (Hélder Malheiro), Nada a assinalar
8.ª-Benfica(f), V(0-3), Xistra, Beneficiados, (3-3), (+2 pontos)
9.ª-Estoril(c), V(1-0), Jorge Ferreira, Prejudicados, Beneficiados, (1-0), Sem influência no resultado
10.ª-Arouca(f), V(0-1), Cosme, Beneficiados, (2-1), (+3 pontos)
11.ª-Belenenses(c), V(1-0), Soares Dias, Nada a assinalar
12.ª-Marítimo(f), V(0-1), Rui Costa, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
13.ª-Moreirense(c), V(3-1), Paulo Baptista, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
14.ª-União(f), D(1-0), Vasco Santos, Nada a assinalar
15.ª-Corruptos(c), V(2-0), Hugo Miguel, Beneficiados, Prejudicados, (2-1), Impossível contabilizar
16.ª-Setúbal(f), V(0-6), Jorge Ferreira, Nada a assinalar
17.ª-Braga(c), V(3-2), Sousa, Beneficiados, (1-2), (+3 pontos)
18.ª-Tondela(c), E(2-2), Luís Ferreira, Nada a assinalar
19.ª-Paços de Ferreira(f), V(1-3), Soares Dias, Nada a assinalar
20.ª-Académica(c), V(3-2), Cosme, Prejudicados, Beneficiados, (3-1), Sem influência no resultado
21.ª-Rio Ave(c), E(0-0), Xistra, Beneficiados, Sem influência no resultado
22.ª-Nacional(f), V(0-4), Paixão, Beneficiados, Sem influência no resultado
23.ª-Boavista(c), V(2-0), Rui Costa, Nada a assinalar
24.ª-Guimarães(f), E(0-0), Tiago Martins, Beneficiados, (1-0), (+1 ponto)
25.ª-Benfica(c), D(0-1), Soares Dias, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
26.ª-Estoril(f), V(1-2), Manuel Mota, Prejudicados, Beneficiados, (2-2), (+2 pontos)
27.ª-Arouca(c), V(5-1), Manuel Oliveira, Prejudicados, (5-0), Sem influência no resultado
28.ª-Belenenses(f), V(2-5), Tiago Martins, Beneficiados, Prejudicados, (2-5), Sem influência no resultado
29.ª-Marítimo(c), V(3-1), Nuno Almeida, Beneficiados, (2-1), Sem influência no resultado
30.ª-Moreirense(f), V(0-1), Bruno Paixão, Beneficiados, (0-0), (+2 pontos)

Jornadas anteriores:
1.ª jornada
2.ª jornada
3.ª jornada
4.ª jornada
5.ª jornada
6.ª jornada
7.ª jornada
8.ª jornada
9.ª jornada
10.ª jornada
11.ª jornada
12.ª jornada
13.ª jornada
14.ª jornada
15.ª jornada
16.ª jornada
17.ª jornada
18.ª jornada
19.ª jornada
20.ª jornada
21.ª jornada
22.ª jornada
23.ª jornada
24.ª jornada
25.ª jornada
26.ª jornada
27.ª jornada
28.ª jornada
29.ª jornada

Épocas anteriores:

Agora é a sorte...

"O Sporting ganhar o campeonato será normal pela aposta que a SAD fez. Surpresa será o contrário. Isto é, se Jesus não for capaz de dar vida ao sonho da família leonina.

As expectativas criadas para a presente época futebolística foram de tal maneira elevadas que, por esta altura, os adeptos sportinguistas esperariam andar já a festejar o título nacional, mas a verdade é que, a quatro jornadas do final do campeonato, essa questão central continua por decidir.
Como o que foi prometido tarda em descer à terra é preciso reforçar a imaginação e, semana após semana, ir descortinando explicações que mantenham viva a esperança, empreitada essa que, assinale-se, tem sido levada a cabo com sucesso, na medida em há sempre um espreitar de olho para ver se alguma coisa de errado acontece em casa do vizinho, se há decisão de arbitragem discutível, ou redacção de regulamento merecedora de reparo.
Qualquer coisa que o imaginário sugira para justificar os pontos que seria suposto apresentar e os resultados não alcançam. Tem sido essa a política de comunicação, do género nós contra todos, com forte investimento na pressão sobre agentes internos e externos do espectáculo futebolístico. Trata-se de uma estratégia pensada e assumida e que, creio eu, de vida curta, por não se vislumbrar projecto de suficiente solidez que lhe sirva de alicerce. Não é uma crítica; apenas uma observação, devido ao meu cepticismo em relação a efeitos de ilusionismo que tudo parecem transformar da noite para o dia.

O Sporting foi quem mais investiu no reforço da sua estrutura profissional de futebol, sobretudo no que se refere ao número de jogadores contratados, o que lhe permite mais alternativas e, como é moda dizer-se, um plano de gestão de esforço menos problemático, em comparação com os rivais Benfica e FC Porto. O mercado de inverno foi aproveitado para introduzir mais praticantes (Bruno César, Schelotto, Marvin, Barcos, Coates, além do regresso de Rúben Semedo). A defesa foi toda mudada e em cada posição uma falta é imediatamente preenchida sem sobressalto no desempenho do colectivo.
Observado o movimento do fiel da balança, é notório que o prato do Sporting, em afirmação, pesa mais do que o do Benfica, em renovação. Porquê? Simples: Rui Vitória forma uma equipa e dispõe de mais quatro a cinco elementos no máximo, sem ferir os padrões de competitividade, e Jorge Jesus pode formar duas equipas sem preocupação alguma.

Perante as realidades, o Sporting ganhar o campeonato será a consequência normal da aposta feita pela administração leonina (em meios financeiros e humanos) no sentido de concretizar essa legítima aspiração. Surpresa será o contrário. Isto é, se Jesus não for capaz de dar vida ao sonho da família leonina. A propósito, apesar de não me incluir na franja de apoiantes da retórica bruniana, geralmente excessiva e agreste, defendo que, caso não seja atingido o objectivo supremo, não é ao presidente a quem se deve pedir contas, mas sim a quem não conseguiu apresentar obra feita dentro do prazo. Sei que esta ideia diverge de outras já em circulação, mas é assim que penso.
Penso eu e... pensa Jesus, cuja última descoberta para justificar a sombra que Vitória lhe faz reside na sorte deste, socorrendo-se dos resultados recentes do Benfica no Bessa (1-0, golo de Jonas, minuto 90) e em Coimbra (2-1, golo de Jiménez, minuto 85). Poderá fazer sentido, ou talvez não...
Golos do Benfica marcados nos últimos dez minutos e que corresponderam a vitórias tangenciais (3): 3-2 ao Moreirense, 1-0 ao Boavista e 2-1 à Académica.
Golos do Sporting marcados nos últimos dez minutos e que corresponderam a vitórias tangenciais (6): 2-1 ao Tondela, 1-0 ao Nacional, 1-0 ao Arouca, 1-0 ao Belenenses, 3-2 ao SC Braga e 3-2 à Académica. Se o aprendiz está com sorte, ao génio saiu o euromilhões.

Nota - Que me lembre, foi a quarta vez em que o Benfica se deixou surpreender no primeiro lance de ataque dos adversários: SC Braga, Bayern, Académica e, ontem, Vitória de Setúbal. Então, os trabalhos de casa?..."

Fernando Guerra, in A Bola

E só sorte?

"A sorte é um factor claramente sobrevalorizado e, contas feitas, no fim, nem sequer protege os audazes. O Benfica, ontem, teve uma vitória sofrida frente ao Vitória e, se pensarmos na defesa final de Ederson, podemos mesmo dizer que foi bafejado pela sorte. Mas a verdade é que a sorte procura-se e, esta temporada, o Benfica não tem feito outra coisa.
É mais um daqueles casos em que os números não enganam e um bom indicador para avaliar o papel da sorte no futebol são os jogos que são decididos pela margem mínima. Nestes casos, sim, uma bola da equipa adversária que não entrou mas poderia ter entrado e, assim, ter feito a diferença. Em trinta jornadas, o Benfica venceu sete jogos pela margem mínima; já o Sporting - o clube que, de acordo com Jorge Jesus, "tem ganho de forma convincente, enquanto os adversários têm ganho com sorte" - leva onze vitórias por um golo de diferença. Se acrescentarmos que muitos destes resultados foram alcançados no último minuto ou já nos descontos, estamos falados quanto à sorte.
Da mesma forma que é justo reconhecer que, aquando do início da temporada, o Benfica perdeu vários jogos e não foi por azar, também se deve reconhecer que a notável recuperação iniciada com a vitória fora em Braga (lá está, por 2-0) é fruto do trabalho que permitiu formar uma equipa coesa e com sentido colectivo. E, já agora, uma equipa que é espelho de um treinador que demonstra elevação e respeito pelo trabalho dos adversários."