Últimas indefectivações

sábado, 12 de outubro de 2013

Vitória Europeia...

Benfica 34 - 19 Haukar

Vitória indiscutível na 2.ª Ronda da Taça EHF, depois de termos ficado isentos na 1.ª. Havia algum desconhecimento sobre o valor do adversário, que veio de um País pequeno, com grande tradição na modalidade.... com grande parte dos Internacionais a jogar nos principais campeonatos europeus, era mais ou menos previsível o favoritismo do Benfica... mas muito sinceramente, não esperava uma vitória por 15 golos. Facilitando assim a viagem à Islândia...
Recordo que o grande objectivo do Benfica, nesta competição é passar a 3.ª Ronda, e ter acesso à Fase de Grupos, algo que o ano passado falhámos por muito pouco, depois da eliminação pelo Nantes, uma das equipas mais fortes em competição... com um bocadinho mais de sorte no Sorteio, tudo é possível!!!
PS1: O comunicado do Carlos Carneiro a meio da semana, passou um pouco despercebido. O Benfica e os Benfiquistas têm que estar muito atentos ao cozinhado que se está a preparar na FPA...!!!


PS2: Tenho que dar os Parabéns à nossa equipa feminina de Hóquei em Patins, que hoje começou a época oficial, com o triunfo na Supertaça, derrotando a Sanjoanense por 4-3 (Inês Vieira, Rute Lopes(2), Marta Vieira). Um bom presságio, para esta nova época, depois do enorme sucesso na época de estreia...

Marcar posição !!!

Sp. Espinho 1 - 3 Benfica
25-20, 17-25, 15-25, 14-25

Vitória muito importante. Com o Sp. Espinho impedido de inscrever jogadores estrangeiros, devido a dividas acumuladas, era muito importante não dar abébias!!! Devido às questões de rivalidade directa, mas também para contribuir para o afastamento do Sp. Espinho dos primeiros lugares, porque se eles neste momento não podem inscrever jogadores estrangeiros, nunca se sabe o que vai acontecer mais para a frente, e com o absurdo calendário competitivo que temos, mais vale prevenir...
O jogo não foi transmitido em nenhuma televisão, portanto não é fácil fazer uma analise ao jogo, mas pelas informações publicadas, depois de uma má entrada no jogo, o Benfica melhorou com substituição do jovem João Oliveira - a jogar devido à lesão do Flávio - pelo Ché.... provavelmente o Gaspar foi para a Zona 4 e o Ché para Oposto, tal como no jogo da Final (o 4.º jogo da Final) do ano passado!!!
Amanhã temos mais um jogo, desta vez na Luz, com o Guimarães. Equipa que se reforçou bem...

Muito mau...

Sampaense 85 - 79 Benfica
21-10, 16-18, 24-25, 24-26

Displicência inaceitável. Foi assim que o Benfica entrou neste jogo, pensado que ele já estava ganho antes de começar.
E depois, sem jogo ofensivo colectivo - algo que não é novo -, mesmo com alguma vontade, já não fomos a tempo. E se a eficácia no lançamento, pode ser atribuída a alguma sorte ou azar, a falta de agressividade nos ressaltos, é muito mais esclarecedora... E o resultado ao intervalo não foi pior porque o Jobey Thomas é realmente um grande atirador... Agora se a estratégia ofensiva do Benfica para esta época, for apostar tudo nos lançamentos longos, então vamos perder vários jogos!!! O Weaver tem mostrado pouco, mas também se a bola não chegar em condições aos nossos Postes, não é fácil marcar pontos!!!
Eu sei que os maus hábitos são contagiantes, mas se o Mário Fernandes veio para o Benfica, para chegar ao ataque, aproveitar um bloqueio, e lançar de 3 pontos (1/7), sem olhar para mais ninguém, é preferível jogar o Carreira, pois o Diogo pelo menos penetra... e costuma fazer algumas assistências.

No início da 2.ª parte parecia que a atitude se tinha alterado totalmente, recuperámos, passámos mesmo para a frente, mas a lesão do Gentry - que teve muito tempo para ser levado de maca para fora do Pavilhão -, voltou a arrefecer o jogo do Benfica, e voltámos a dar uma vantagem proibida ao adversário. Mesmo assim, nos últimos minutos, com o Carlos Andrade inspirado nos Triplos, conseguimos empatar... mas a falta de cabeça fria, e o Luís Lopes - apitador conhecido dos Benfiquistas... -, 'fechou' o jogo contra o Benfica!!!

Desconheço a extensão da lesão do Gentry, mas independentemente disso, é vital a recuperação do Doliboa - o Seth normalmente não facilita -, para ver se mete juízo na cabecinha desta gente...
O ano passado perdemos o Taça de Portugal, vencemos todas as outras competições, este ano com esta eliminação prematura no Troféu António Pratas, gastámos todo o crédito dos desaires, logo na primeira competição... espero, não ter que escrever mais post's deste tipo esta época. 

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Espadas e pescoços

"1. Uma dúvida triste paira sobre o pescoço dos adeptos do Benfica como a espada do velho Dâmocles. Nas suas épocas acreditaram demais e receberam de menos. Agora sentem-se firmes na sua ideia de não voltar a investir emocionalmente numa equipa que, no seu entendimento, os deixou ficar mal. E assim, negam-lhe o seu apoio, ficam em casa, deixam o Estádio da Luz a um inacreditável abandono. «A derrota é uma doença que só a vitória cura», dizia Mário Filho. Talvez só as vitórias sucessivas possam tirar os adeptos do Benfica deste ser medo de novas frustrações. Mas os garotos de cócoras não parecem estar pelos ajustes. E eles é que decidem sob a benção do Madaleno.

2. O Azeiteiro-da-cabeça-d'unto abana a cauda alegremente: ele é o verdadeiro animal de estimação do Sistema.

3. As entrevistas encomendadas do presidente do Porto são quase tão hilariantes como as ordinarices cheias de erros de sintaxe do Copiador-de-livros-alheios. Com que então vai escrever um livro sobre o «Apito Dourado»? Vamos ficar a saber o quê? O câmbio das prostitutas no Calor da Noite? Quantos árbitros foram sempre em frente até à sinistra casa que ficava perto de uma agência funerária? Quem foi o bufo que permitiu uma conveniente fuga para a Corunha?
Esperamos ansiosamente por tão brilhante obra. Mas alguém de bom senso reveja-lhe o português.

4. «Quem vier a seguir a mim só tem que não estragar»: que frase extraordinária. E não estragar o quê? A fruta? Também a espada da honestidade paira sobre o pescoço de tal delfim.

5. Um rapazito excitado e meio histérico que se rebola de gozo por dar uns chutos na bola com profissionais que não têm outro remédio senão aturá-lo embora seja, pelas costas, motivo de chacota, disse do alto da sua inexistência: «Rui Costa? Não conheço.» Cópia barata do Madaleno, não surpreende pela ignorância. Também não sabe quem é o Manuel Fernandes."

Afonso de Melo, in O Benfica

Temos de jogar mais e melhor

"A vitória sobre o Estoril seria até a parte mais importante a conseguir no António Coimbra da Mota, mas aquele sufoco voltou a deixar os adeptos perto do enfarte do miocárdio. Marcar cedo, falhar uma grande penalidade, desperdiçar três ou quatro ocasiões de golo e depois de fazer o 2-0 que nos dava algum sossego, ver o inferno de volta dois minutos depois é de mais...
O Estoril é uma boa equipa, mas vinha cansada de um jogo europeu e só não gelou as hostes encarnadas por milímetros. Temos de jogar mais e melhor. Se há alguém que nos habituou a pôr a equipa a jogar bem foi Jorge Jesus e por isso lhe pedimos essa característica de volta.
Os títulos dos jornais de segunda-feira era: 'Suspiro', 'Alívio', 'Suspense' ora estamos saudosos daqueles outros que seriam: 'Demolidores', 'Nota Artística', 'De Luxo'. Aqui ficam as sugestões para rotular os próximos jogos.
Contra o Estoril houve um grande golo de Cardozo que nos evitou males maiores. Agora que se ganha falta jogar bem.
Não há necessidade de explicar que o terceiro lugar no campeonato não satisfaz um só benfiquista, e por isso são os cinco pontos que nos afastam do único lugar que queremos, que nos empurram para melhorar.
As boas classificações no Benfica são títulos e as excepções podem apenas ser provas europeias de qualidade e prestígio que não alcançam o título. Tudo o resto sabe a pouco para os adeptos encarnados. São grandes a dar, podem e devem ser enormes a exigir.
Esta paragem pode ser benéfica para estabilizar e recomeçar uma série de vitórias. Assim espero, com a certeza de que tal só é possível a jogar bem, a subir o nível das exibições e não fazer de um 2-1 sofrido o Elixir da Juventude da Lucky Luke. Não somos tão ariscos como o Joe Dalton, nem tão burros como o Averrell Dalton. Somos apenas adeptos exigentes e apaixonados sem vocação para Rantanplan."

Sílvio Cervan, in A Bola

Crença rubra

"Horas antes do Estoril-Benfica, tertúlia vermelha, na minha zona de residência. Muito, mas muito ceticismo. Ripostei com firmeza. "Vamos ganhar". Ouvi críticas, demasiadas críticas. Percebi o desalento, depois do empate com o Belenenses, da derrota em Paris. Continuei a objectar. Fui convincente? Não sei, não sei mesmo.
Sei que o Benfica, pouco depois, bateu o seu oponente, num jogo sem casos, disputado num dos recintos mais complicados da nossa actualidade futebolística. Foi uma exibição deslumbrante? Não foi. Foi um triunfo inequívoco? Foi mesmo.
Na mesma roda de comparsas, fizemos a retrospectiva do embate. Voltei a ouvir censuras, muitas censuras. Insisti na réplica. Socorri-me de vários exemplos do nosso historial. Fui convincente? Não sei, não sei mesmo.
Sei que o Benfica é um universo numeroso, disso tenho orgulho incontido. Sei que o Benfica tem adeptos com opinião, muitas vezes desencontrada, disso tenho consciência irreplicável. Mas também sei que um Benfica desunido conduz, fatalmente, à tragédia. Disse-o em tom altissonante. Fui convincente? Sei, sei mesmo que fui.
Um benfiquista, por mais desassossegado que esteja, não pode, não deve, utilizar argumentos de um portista ou de um sportinguista. Tem direito a opinar? Tem, com certeza. Mas, mais do que tudo, tem o dever de procurar fazer a defesa do seu superior património emocional. Os melhores benfiquistas reconhecem-se nos piores momentos. Como? Não descrendo. Antes, querendo. Antes ainda, crendo. Sempre. Sempre mesmo."

João Malheiro, in O Benfica

Cardozo

"1. Já aqui defendi o nosso ponta-de-lança, Cardozo, em mais de uma ocasião,nomeadamente quando era assobiado por numerosos adeptos que não gostavam do seu estilo algo 'molengão'. Muitos desses que o assobiavam são agora os que mais o louvam e mais lamentam quando ele não está em campo. Domingo passado, no Estoril, foi ele quem marcou (de forma excelente) o nosso segundo golo. Lembrei-me disso a propósito de Jorge Jesus, que já foi idolatrado (lembram-se dos aplausos quando o seu nome era referido?) e agora é muito contestado. Não sei se é ou não o treinador ideal para o Benfica. Sei que é o nosso treinador actual e por isso, independentemente dos erros que possa haver, tem que ser defendido. Só quem lá está dentro tem condições para  procurar as melhores soluções para os problemas da equipa.

2. O presidente do Sporting não passa uma semana sem falar uma ou mais vezes. Ou me engano muito, ou ainda se irá arrepender. Lamentável foi ele dizer que não conhecia o nosso Rui Costa, que até foi muito correcto na apreciação que fez... e que foi depois muitas vezes apenas parcialmente reproduzida. Rui Costa disse, a dada altura, respondendo a uma crítica de Bruno Carvalho a Jorge Jesus: 'se o treinador do Benfica é para treinar, o presidente do Sporting é para presidir e já o vi treinar com os jogadores'. Mas acrescentou logo: 'cada um domina a sua casa como bem entende e eu não posso criticar o presidente do Sporting por treinar com os jogadores, mas nem ele nem ninguém pode acusar o treinador do Benfica por tentar defender os interesses do Clube'. Se todos fossem intelectualmente honestos, o Mundo seria bem melhor. Embora muitas vezes os jornais deixassem de ter 'manchetes' para fazer...

3. Não posso deixar de aqui reproduzir a melhor piada crítica que me lembro de ler nos últimos anos. É do site Benfiliado e foi 'descoberta' por Leonor Pinhão, que colocou na sua crónica da semana passada, em A Bola. É a propósito da inauguração do museu do FC Porto, realizada no dia em que (dizem eles) o clube comemorou 120 anos (que na realidade são apenas 107). Museu que, no entanto, ainda não está pronto e apenas poderá receber visitas a partir do final do mês. Diz o site: 'Podem abrir as portas ao público e aproveitam logo para comemorar o 13.º aniversário do museu.' Bem apanhada!"

Arons de Carvalho, in O Benfica

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Ímpar

"O Benfica não é só um Clube e não é apenas Futebol. O Benfica não é só aquela vitória saborosa, ou aquela outra, periclitante, nem apenas aquele empate arreliador, ou aquela derrota amarga, ou o título que fugiu. O Benfica não é o lugar que ocupa na classificação, seja de que modalidade ou de que escalão foi, nem o apuramento ou a eliminação. O Benfica não é somente aquele jogador inesquecível, não é apenas o atleta memorável, ou o atleta injustiçado, o treinador que passou, o atleta que ficou no coração, ou o que ficou na ideia, não é simplesmente aquele lance genial, ou aquela bola falhada, a substituição que deu fruto ou aquela outra, azarada. O Benfica não é só Desporto, nem apenas actividade social ou cultural, ou unicamente mercado.
O Benfica não é simplesmente o dirigente histórico, ou para a história, o técnico responsável, o funcionário zeloso, nem unicamente o árbitro justo, o árbitro vesgo, o azar e a sorte. O Benfica não é somente a claque que grita 90 minutos, os adeptos que seguem a equipa por meio Mundo, ao vivo, na TV ou em pensamento, não é o adepto que se impacienta, ou aquele que perde mesmo a paciência, aquele que sonha, ou aquele que espera para além da razoabilidade, não é só alegria e menos ainda tristeza. O Benfica não é exclusivamente o passado, nem tampouco só o presente, não é unicamente a glória, nem tão só o possível presente, o viável futuro, o que pode ser, agora ou depois. O Benfica não é unicamente memória, não é só nem apenas presença. O Benfica é mais que tudo isso, parcela a parcela e muito para além da soma final. O Benfica, como diz a canção promovida a hino, é o conjunto de «milhões numa só alma». E isso não tem par no Mundo. O Benfica é um, a soma de todos. E o um é ímpar."

João Paulo Guerra, in O Benfica

Lima tem consciência política

"Só faltava marcar um golo beneficiado de uma má decisão do árbitro para passar o resto do campeonato a suportar remoques por causa do penaltizinho no Estoril. Fizeste bem, Lima.

FEZ nesta última terça-feira três anos que Paulo Bento se estreou no comando da selecção nacional substituindo Carlos Queirós cujo processo de despedimento foi tudo menos elegante, se é que alguma vez se poderá apelidar de elegante qualquer processo de despedimento.
Processo de despedimento é uma coisa má, todos sabemos. Processo de despedida é outra coisa e bem distinta. E, sem qualquer espécie de dúvida, é bem mais fácil ser-se elegante num processo de despedida do que num processo de despedimento.
Por exemplo, o processo de despedida de Valentim Loureiro da condição de presidente da Câmara de Gondomar foi não só elegante como histórico. Uma pérola do regime, no mínimo.
Condecorando com a medalha de ouro da cidade que foi sua o presidente do FC Porto, o ex-autarca, ex-presidente do Boavista e ex-presidente da Liga de Clubes deixou para os vindouros uma imagem muito expressiva de um Portugal ufano e triunfante da segunda década do século XXI, Portugal esse que se começou a desenhar no final da sétima década do século XX.
Era de Paulo Bento que falávamos, peço desculpa pela incursão noutros domínios.
O balanço de Paulo Bento na qualidade de seleccionador nacional é de 18 vitórias em 35 jogos. Não está mal, mais de metade dos jogos foram ganhos pela equipa sob o seu comando, dirão os defensores do treinador. Está péssimo, dirão os outros, os da oposição.
Nos próximos dias, a selecção terá pela frente os dois jogos que definirão a sua sorte no que respeita à qualificação para o Mundial de 2014 e, por isso mesmo, talvez seja cedo para se fazerem balanços da era Paulo Bento. Olhando para a situação actual, francamente, torna-se difícil acreditar noutra hipótese que não seja a da presença da equipa nacional portuguesa no Brasil embora o conjunto de jogadores que a forma seja, de uma maneira geral, mediano nuns casos e envelhecido noutros casos.
Contra a corrente, Cristiano Ronaldo persiste em mostrar-nos, semana a semana e com a afinação de um metrónomo, que está muito acima, mas mesmo muito acima, dos seus compatriotas da equipa nacional. Sem desprimor para os demais jogadores da selecção, mas às vezes até parece desperdício ter à disposição um Cristiano Ronaldo em grande e mais ninguém de vagamente grande que se lhe compare, excepção feita a João Moutinho.
Tive uma sensação assim parecida, na década de 90 do século passado, quando Michel Preud’homme era o guarda-redes de uma das mais à toa das equipas que o Benfica teve. À sua maneira, outro desperdício. 

NO Benfica de hoje, anda tudo de tal forma às avessas que até Cardozo marcou de pé direito – ele que só tem o pé contrário, dizem os seus detractores – o golão que, no Estoril, garantiu ao Benfica a vitória e os três pontos.
Luisão dedicou a vitória a Luís Filipe Vieira que jamais falta às necessidades dos jogadores. Os jogadores, sabe-o o seu capitão, não têm de passar por necessidades. Recebem sempre o salário a tempo e a horas, independentemente do lugar que a equipa ocupa na tabela. Normalmente, é o primeiro ou o segundo, com mais queda para o segundo. Neste Outubro, por contingências, várias é o terceiro. Mas ainda há muito por andar.
Com dez anos de clube, coisa rara nos tempos que correm, o capitão do Benfica não pensou em si quando disse, na mesma ocasião, que os jogadores tinham corrido «pelo presidente» no jogo com o Estoril. Não foi egoísta, o Luisão. E se há coisa de que os jogadores de futebol são frequentemente acusados é de serem egoístas, de pensarem só em si.
Se tivesse pensado só em si, Luisão não tinha dito aquilo. Porque, tal como acontece a toda gente, Luisão não vai para novo e perdendo velocidade, como é natural, põe-se à bica para ouvir dos adeptos mais intransigentes, sempre que lhe falhem as pernas, ditirambos como: «corre lá um bocadinho mais pelo presidente!»
E isto não é bom nem para o Luisão, nem para o presidente.
O público é e será sempre cruel. Limito-me a antecipar-lhe a crueldade para depois não estranharem.

A vitória no Estoril foi suada e justa. O jogador de que mais gostei foi do Lima. Como, se até falhou um penalti? – perguntam-me os senhores.
Ora, precisamente, por ter falhado um penalti é que eu gostei do Lima. Era crucial falhar aquele pontapé. Como terão tido a oportunidade de ver, o lance que deu origem ao castigo foi mais do que duvidoso à luz da interpretação actual desse tipo de situações de bola na mão ou de mão na bola na área.
Que foi bola na mão, foi. Mão na bola é que não foi, embora a bola se tenha desviado da sua trajectória natural depois de ter embatido na mão de um jogador do Estoril.
Uma coisa é certa: tivesse o lance ocorrido no meio do campo e o árbitro, qualquer árbitro, teria marcado falta. Tendo acontecido na área, aí entram logo as novas teorias que, conforme dá ou não dá jeito, ou se aprovam ou se reprovam.
Pode ser que, um dia destes, Pedro Proença vá até ao Seixal dar uma lição sobre este tema candente aos jogadores do Benfica. Quanto ao Lima, está dispensado da aula. Ele sabe da matéria. Está actualizado. Viu, como muitos vimos, que não houve pecado na área do Estoril e quando foi marcar o castigo decidiu, e bem, que daquilo não podia nascer nenhum golo sob pena de sermos mais tramados no futuro próximo, para compensar o benefício na Amoreira.
Explico-me melhor: com 5 pontos de atraso em relação ao líder e depois de sofrer espoliamentos múltiplos nas primeiras jornadas da Liga, só faltava ao Benfica, para piorar as coisas, marcar um golo beneficiando de uma má decisão do árbitro para, depois, ter de passar o resto do campeonato a suportar remoques por causa de um tal penaltizinho no Estoril.
Fizeste bem, Lima. Bola para um lado, guarda-redes para o mesmo lado. O Lima tem consciência política, qualidade sem a qual não se faz nada de jeito.

A cerimónia de Gondomar terminou de maneira inaudita. O presidente do FC Porto, já depois de medalhado, declarou guerra a Arouca, município delimitado a noroeste precisamente por Gondomar. Tudo ali tão pertinho, o que mais se estranhou.
O que levará um homem que é um ícone deste Portugal, a ser profundamente desagradável com o Arouca momentos depois de lhe ter sido atribuída a medalha de ouro da cidade de Gondomar? É que foi dizer aos jornalistas que o Arouca não jogava nada, mas por outras palavras. Para quê?
Se atirou com o Arouca para a frente de batalha só para provar que não está sempre a pensar exclusivamente no Benfica, ficou-lhe mal o subterfúgio.
Se atirou com o Arouca para a fogueira porque já lá jogou, precisamente no sábado passado, e não tem lá voltar este ano, pior ainda.
A verdade é que o presidente do FCP atirou-se ao Arouca, logo depois de lá ter jogado, e optou por não se atirar ao Sporting de Leonardo Jardim, que é o próximo adversário dos campeões nacionais. O jogo está marcado para o fim do mês. Aguardemos pela evolução dos acontecimentos. Com ou sem medalha de ouro.

DE Miguel Lourenço Pereira e de João Nuno Coelho, acaba de ser publicado um livro muito curioso, obra séria de historiadores e de sociólogos, que se chama Noites Europeias – Uma História das Competições Europeias de Clubes, 1897-2013. A editora tem sede em Guimarães e chama-se Amor à Camisola, está tudo dito. Sim, benfiquistas, podem comprar. Até lá vem a história da conquista da nossa Taça Latina."

Leonor Pinhão, in A Bola

Um primeiro olhar

"A pausa nas competições de clubes deixa espaço para uma primeira reflexão acerca do início da temporada futebolística da nossa equipa. Há que começar por dizer, sem subterfúgios, que o rendimento atingido tem estado aquém do esperado. E várias podem ser as explicações.
Em primeiro lugar, embora o mercado não nos tenha retirado nenhuma das principais figuras do onze, houve necessidade de integrar novos reforços, grande parte dos quais jovens com vincada qualidade, mas naturalmente sem identificação com os processos da equipa. Markovic, por exemplo, tem um talento que ninguém discutirá, mas que ainda não foi possível adaptar plenamente ao modelo de jogo 'encarnado'. Djuricic será outro caso, ao qual as mesmas palavras poderiam encaixar na perfeição. E a articulação entre Fejsa e Matic está ainda longe de ser uma aposta ganha. As lesões de Gaitán, e sobretudo de Salvio, obrigaram a apressar alguns destes processos, impondo indesejadas experiências em plena competição.
Não podemos também ignorar o calendário que tivemos pela frente neste mês e meio. Deslocações à Madeira, Alvalade, Guimarães e Estoril, em apenas sete jornadas, eram algo que, à partida, seria sempre de impor respeito. Desses jogos, vencemos dois, empatamos um, e perdemos o outro. Não é um bom registo, mas está longe de ser uma catástrofe - e o pior resultado terá mesmo sido o empate caseiro com o Belenenses.
Era também natural que, depois de um fim de temporada decepcionante, os níveis de confiança dos jogadores se ressentissem. Nova derrota a começar o Campeonato foi, nessa medida, o que de pior podia ter acontecido.
Last but not least, as arbitragens têm tido, uma vez mais, um papel determinante. Cinco pontos surripiados não são coisa pouca, e não podem, de modo algum, deixar de figurar em qualquer ponderação deste tipo. Agora vamos olhar para a frente, e, unidos, serenos e determinados, recuperar 'à Benfica', partindo para uma época que nos devolva os sucessos que a infelicidade roubou há poucos meses atrás."

Luís Fialho, in O Benfica

Steven, do Canadá p'ra Luz !!!

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Analise: Museu Cosme Damião



Agora que as competições internas estão em banho-maria, é tempo de cumprir uma promessa, e passar a escrito as minhas sensações, na minha primeira visita ao Museu Cosme Damião.
Como não quero fazer suspense, começo por dizer que a avaliação é muitíssimo positiva. A visita foi feita nas horas que antecederam o jogo da Champions com o Anderlecht, e por isso foi um pouca apressada, 90 minutos (!!!) não foram suficientes, vou ter que regressar, várias vezes...
E tal como muitos outros, penso que esta obra, é mais um motivo de orgulho, que todos os Benfiquistas devem sentir, inequivocamente.

Dito isto, e como foi afirmado pelos responsáveis do Museu, esta não é uma obra acabada. É uma obra viva. Que ao longo do tempo deverá vai ser melhorada, tenha a certeza disso... Tendo em consideração este ponto, deixo aqui as minhas criticas construtivas:
--- Taças - Alguns têm-se referido à ausência de Taças. A percentagem de Taças em exposição é de facto reduzida, mas muito sinceramente é algo que não me incomoda. O Museu, não é um armazém. Apesar disso, poderia haver mais uma 'Torre' (área 3: Orgulho Ecléctico) ou uma grande vitrina (por exemplo no Piso 2), com Taças variadas de menor importância, só para dar a ideia de quantidade... mas repito, não considero esta critica essencial.
--- Fotos - Costuma dizer-se que uma foto vale mil imagens, e no arquivo de fotos do Benfica existem centenas, senão mesmo milhares de grandes fotos... Nos últimos tempos, tanto no Estádio, como nos Pavilhões, e no Seixal, nos corredores, nas escadarias, em qualquer parede, têm-se (bem) usado fotos para colorir o ambiente. Fotos de jogadores, e da festa dos adeptos na bancada.
A cor de fundo no Museu é o preto, compreendo que houve cuidado em não transformar as paredes do Museu num folclore colorido, mas entre as diversas áreas que dividem o Museu tematicamente, algumas das fotos mais míticas, principalmente as mais antigas (a preto e branco) podem ser utilizadas. Espero que não pensem que os ecrãs são substitutos das fotos!!!
A única foto no Museu que se enquadra neste 'estilo', é a que se encontra no Piso 2, junto da área do Penalty (que eu marquei, bem no ângulo direito!!! E repeti...), onde eu e os meus amigos passamos alguns minutos a tentar identificar todos os jogadores...!!! Mais fotos daquela qualidade, deviam e devem ser utilizadas...

Compreendo que não se queira pactuar ou glorificar comportamentos desviantes, mas algumas das fotos mais bonitas, sobre os ambientes no Inferno da Luz, não deviam ser escondidas. Algumas das coreografias feitas pelos adeptos (pelas claques) nas entradas das equipas em campo, devem ser recordadas, inclusive - porque não -, no 'Elevador' (área 13 - Viagem ao coração Benfiquista), desde que seja evitado mostrar simbologia que não esteja ligada ao Benfica (como aconteceu com os Lagartos!!!).

--- Ecrãs... - Existe uma grande quantidade de ecrãs tácteis, em todas as áreas do Museu, com muita informação. Nas minhas próximas visitas, vou ter que 'navegar' pela informação disponível, desta vez tive pouco tempo. Se este tipo de tecnologia é acessível para as gerações mais novas, existem pessoas que pela idade, ou por teimosia, não gostam de tecnologia, por isso, para complementar a visita, acho que em cada área, além dos ecrãs actualmente disponíveis, deveria existir um ecrã maior (principal) que tivesse em 'loop' os vídeos (ou a funcionar como moldura digital) temáticos. As pessoas são por natureza comodistas, e assim a informação era 'escarrapachada'... sendo que nos vídeos deveria haver disponível um sistema de auscultadores para se poder ouvir a narração das imagens...
Sendo que na zona central, a Chama que atravessa o Piso 0 e o Piso 1, podia ser usada para mostrar as grandes imagens da nossa História.
Uma nota também sobre a ausência de audio-guias, tanto no 'Elevador' como no Voo da águia, podia existir um sistema de traduções automáticas. Os visitantes estrangeiros, devem ser um dos públicos alvo que o Museu deve atrair.
--- O Voo da Águia - As minhas expectativas para o filme eram elevadas, e admito, fiquei um pouco desiludido. As recriações históricas estão bem feitas... mas a parte do filme, sobre as actuais infra-estruturas, é completamente desajustado ao local. Mais parece um qualquer anúncio televisivo. Naquele espaço, deverá-se contar a História do Benfica, uma referência à construção do actual Estádio da Luz é justa, mas isso não deve ocupar quase metade do filme. Aquilo que eu esperava, era uma reconstituição da História do Benfica pré-TV !!! Os primeiros jogos, os primeiros grandes triunfos, as atribulações com as constantes mudanças de Campo, incluindo a expropriação das Amoreiras, a épica construção do antigo Estádio da Luz, as grandes vitórias desportivas, principalmente as Europeias (Futebol e modalidades),e até as exóticas digressões que o Benfica efectuou pelo Mundo fora... e claro os grandes golos, nas grandes vitórias: como o do Carlos Manuel no antro da Corrupção na Final da Taça, como o do Simão em Liverpool, o do Luisão aos Lagartos, etc., etc,...
--- Inesquecíveis - A área 24 chama-se: Inesquecíveis. Estão ali os grandes atletas do Benfica (Futebol). Não discuto - para já - a escolha dos jogadores, o 'nosso' Alberto Miguéns, trabalhou nesta área, e eu confio no seu julgamento. A minha critica está na maneira como esta área está apresentada. O mecanismo estilo 'tômbola' até é engraçado, mas pessoalmente acho que este tema merecia maior dignidade.
O Eusébio é o Eusébio, todas as homenagens que são feitas ao King pelos Benfiquistas são poucas, mas o Eusébio não foi o nosso único grande jogador. Este assunto é delicado, mas deve ser discutido. A área 24 (O 'Pantera Negra' e outras Lendas) funciona como uma continuação da área anterior, e a distinção que é feita entre o King e os outros, na minha opinião é injusta. A área principal no Museu devia ser dedicada aos nossos ídolos, de todas as gerações... O Eusébio merece uma área só dele? Sim. Mas o Coluna, o Vítor Silva, o Rogério Pipi, o Humberto Coelho, o Chalana... entre tantos outros, merecem um espaço onde a sua importância seja verdadeiramente reconhecida, com a máxima exposição dentro do Museu. O actual 'cantinho', com 4 'tômbolas' (creio que são 4!!!) é muito pouco.
Dou um exemplo, na área 28 (Homens do Leme), temos umas placas em circulo, com todos os Presidentes do Benfica, pois bem, pessoalmente acho que a área 23 (Inesquecíveis) devia ter a mesma (ou mais) dignidade, e relevo, na disposição do Museu, do que a área 28 - dos Presidentes!!!
Inclusivamente a maneira como na área 2 (Ídolos de Sempre), os nossos melhores atletas das modalidades são apresentados, acaba por ser mais 'relevante' do que os nossos ídolos do Futebol!!! Bastava repetir a 'estrutura' para eu ficar semi-contente... Como existe muitos vídeos da maior parte dos jogadores de futebol, até seria 'fácil' acrescentar a cada 'coluna' um mini-documentário por jogador...
E depois temos a questão da escolha desses jogadores referência. Em toda a história deste blog, o 2.º post com mais visualizações, faz amanhã 2 anos (!!!), chama-se: 'Hall of Fame - Galeria dos nossos Campeões'!!! Pessoalmente julgo que o Benfica devia institucionalizar um sistema tipo Hall of Fame. Todo o ritual devia ser criado: a nomeação, a votação, a eleição, a cerimónia de 'entrada', todo o processo...!!! Sendo que os escolhidos democraticamente pelos Sócios, ficariam para sempre, dignamente representados no nosso Museu. Na net existem 'processos' similares: o Vedeta ou Marreta, e a secção Imortais no Forum do Ser Benfiquista... Defendo que a introdução desta 'modalidade' no Benfica seria um enorme sucesso, já que todos nós somos 'treinadores de bancada' todos nós temos uma opinião, e na maior parte das vezes não estamos de acordo (!!!), seria sucesso (e polémica nas escolhas) garantido.
E depois com uma placa, ou com um busto (o meu Hall of Fame favorito são os bustos da NFL), esta área seria a mais importante do Museu para os visitantes. Aposto com quem quiser que os Benfiquistas, iriam mais passar tempo nesta área, do que admirando as Taças!!!

Calcanhar de Jesus

"É notório que o Benfica perdeu a alegria de jogar. Antes era uma equipa que fazia constantes cavalgadas, marcava um golo e ia à procura do 2.°, do 3.°, do 4.°... Mas os comentadores começaram a dizer que a equipa devia ser mais calculista e Jesus terá ido um pouco na conversa.
Além disso, nesta época, julgo que Jesus se desorientou com tantas opções. Veio uma mão-cheia de sérvios que ele quis pôr a jogar e, como não saiu ninguém, Jesus lançou-os à pressão. E os sérvios, em vez de servirem para melhorar o rendimento da equipa, funcionaram como grãos de areia numa máquina que carburava bem.
Mas o problema principal é outro - e está nos corredores laterais. A dinâmica do futebol de Jesus assentava nas combinações constantes entre os defesas e os extremos do mesmo lado. O Benfica já teve grandes pares nas alas, como Fábio Coentrão/Di Maria ou Maxi Pereira (em melhor forma)/Salvio, mas agora não tem. A verdade nua e crua é que, apesar de tantas compras, o Benfica não conseguiu resolver o problema dos corredores, que ainda por cima se agravou muito com a lesão de Salvio. A equipa não tem laterais nem extremos para jogar como Jesus quer. Vejam-se os defesas: Maxi está exausto, André Almeida e Siqueira são bons a defender mas fracos a atacar, Cortez é mau a defender, Sílvio lesionou-se cedo; quanto aos extremos, Salvio está no estaleiro, Ola John é para esquecer, Sulejmani não parece grande coisa, Urreta não se impôs, Gaitán não é um extremo típico, Enzo Pérez rende pouco junto à linha, Markovic na ala é um zero, Nolito saiu...
No fraquíssimo rendimento dos corredores laterais está o grande calcanhar deste Benfica. Por aí é que a equipa canalizava o seu jogo, abria as defesas adversárias e criava oportunidades que depois Cardozo, sobretudo, concretizava. Ainda hoje, sempre que as alas funcionam - vejam-se as jogadas dos dois golos no Estoril -, o Benfica parece outro. O conjunto só se reencontrará se, à direita e à esquerda, surgirem pares de jogadores que combinem bem e sejam capazes de arrastar a equipa para a frente. Doutro modo, continuaremos a assistir ao mesmo futebol triste e pastoso."

Bem-vinda interrupção

"Bem-vindas as três semanas de pausa no Campeonato. Sobretudo para o meu clube.
Ao fim de oito jornadas, vemos um Benfica regularmente medíocre, um Porto mediocremente irregular e um Sporting que, embora com melhoria substancial, alterna a mediocridade e a excelência a espaços.
O Benfica jogou mal contra o Estoril. É certo que venceu num campo difícil e, se não recuperou pontos em relação aos rivais, ultrapassou na jornada o maior obstáculo de entre os três.
Mas é legítimo reconhecer que muito terá que melhorar para aspirar ao título. Não sei as razões (se é que as há), mas a equipa continua, anémica. Passou das cavalgadas da época passada para a sonolência intermitente. Isto com os mesmíssimos jogadores mais uma legião de sérvios que sabem jogar à bola. O que se passa afinal? Que terapia é necessária?
O jogo no Estoril foi desesperante. Custou-me ver a equipa a ganhar e a jogar contra dez num ritmo entre a letargia e o medo. Sofrer 9 cantos contra, salvo erro, um. Nos últimos 3 jogos (Belenenses, PSG, Estoril) dos 5 golos sofridos pelo Benfica, 4 resultaram de cantos! Há jogadores que até parece que desaprenderam o que bem souberam evidenciar na passada época. Cansaço de quê? Entrementes, discute-se se Rui Costa ou outros dirigentes devem ir para o banco, como se aí estivesse o elixir para jogar bem. Um clube com a dimensão do Benfica não pode, com as competições em andamento, entreter-se com estas (des)organizaões. Para que servem afinal as pré-épocas?
Falar de evidências não é dizer mal. É simplesmente exigir mais e melhor. É o que os benfiquistas querem de um plantel de excelência e principiscamente pago."

Bagão Félix, in A Bola

Moralizar...

Sp. Horta 22 - 36 Benfica

Jogo que era para ser disputado no Faial, mas que acabou por ser jogado na Luz. Tal como se previa, vitória fácil, que deu para dar minutos aos mais jovens...
Na próxima jornada, recebemos o ABC terminando assim, nesta primeira metade da 1.ª volta, os encontros com as equipas mais competitivas do Campeonato, os Bracarenses perderam somente por um golo na sua recente deslocação ao antro Corrupto, reforçaram-se, não será um jogo fácil, mas temos que ganhar.

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Paris sera toujours Paris

"Tal como em Outubro de 2013, em Março de 1975 o Benfica estava em Paris, cidade que faz parte da sua enorme história. Vitória sobre o FC Porto, por 5-1, e Eusébio a marcar o seu último golo com a camisola 'encarnada'.

«PARIS sera toujours Paris», cantava Maurice Chevalier. Voltemos a Paris. Voltemos a Paris como o Benfica volta sempre, cidade encantadora para o Futebol 'encarnado', cidade maravilhosa para Eusébio, cidade que ficará para sempre ligada à história do mais famoso Clube português.
Em Março de 1975, tal como em Outubro de 2013, o Benfica estava em Paris. Jogaria no Estádio Columbes um particular contra o FC Porto. Nesse tempo ainda havia entendimento, quem sabe se mesmo amizade. Foi um tempo antes de o FC Porto ser ocupado pela inveja e a pequenez de gente mesquinha e inculta.
Eusébio ainda não o podia saber, mas marcaria nesse jogo o seu último golo com a camisola do Benfica. Seguiria depois a sua vida nos Estados Unidos do Futebol nascente, regressando episodicamente a Portugal para jogar pelo Beira-Mar e pelo União Tomar. Mas já lá vamos.
Nesse mesmo ano, a 30 de Agosto, o Benfica já estivera em Paris e Eusébio com ele. Outro particular, dessa vez com a selecção principal de França. Derrota, por 2-4 com Eusébio a marcar um golo. Talvez por isso continue a dizer: «Sempre fui feliz em Paris».
Aí recebeu duas botas de ouro, a última já depois de ter ultrapassado os 30 anos.
O Benfica seria Campeão nessa época. Tinha uma linha avançada temível, embora Eusébio, a conta com lesões, tenha falhado demasiados jogos. Fora à Final da Taça de Portugal e, na Taça das Taças, sujeitou-se a uma eliminação bisonha à conta do PSV Eindhoven.

Uma folha seca para a história
VEJAMOS, para já, como jogaram as equipas no Estádio Columbes, cheio de emigrantes, nesse tempo exacerbado de uma liberdade portuguesa ainda tão jovem.
BENFICA - José Henrique; Bastos Lopes, Malta da Silva, Humberto Coelho (depois Messias) e Barros (depois Artur); Toni, Eusébio (depois Vítor Baptista) e Simões; Moinhos, Artur Jorge (depois Móia) e Diamantino.
FC PORTO - Tibi; Nino (depois Rolando), Teixeira, Vieira Nunes e Gabriel; Marco Aurélio (depois Rodolfo), Simões (depois Seninho) e Peres; Laurindo (depois Flávio), Gomes e Cubillas.
Belas equipas. Esperava-se um confronto equilibrado. Não foi.
O árbitro era francês, como está bem de ver. Chamava-se Bancourt.
Aos 10 minutos já o Benfica vencia: golo de Artur Jorge. Depois, aos 17 minutos, Eusébio tomou conta do estádio e do calor das bancadas. Como sempre o fizera ao longo de uma carreira incrível. Livre directo à entrada da área do FC Porto. Eusébio corre para a bola no seu estilo inconfundível, ameaça o pontapé feroz e certeiro. Mas à última hora decide diferentemente. Abranda o «sprint», aplica o pé por debaixo da bola, fá-la subir sobre a barreira, sobre o guarda-redes Tibi, e cair em folha seca para lá da linha de golo, refugiando-se no conforto das redes.
Golo lindo. Golo de Eusébio! O último pelo Benfica, embora ele não o soubesse, embora ninguém o soubesse. Talvez tivesse, nesse caso, sido comemorado de outra forma, mais íntima, mais sensível.
Só que o jogo não estava para isso. O Benfica dominava por completo o seu adversário e prometia mais golos. Teve-os nos pés, mas não cumpriu a promessa. O seu golo seria único, irrepetível.
Até ao intervalo, o Benfica marcaria mais dois golos: por Humberto Coelho (23 minutos) e Toni (34 minutos). 4-0 em 45 minutos! Até onde poderia chegar a goleada ameaçadora, já concreta?
Tudo mudou no segundo tempo. O Benfica abrandou o ritmo, as substituições em cadeia confundiram a clareza do jogo.
Além disso, Eusébio não regressou para a última metade do confronto.
Também ainda não o sabia, mas só voltaria a jogar pelo Benfica mais uma vez, em Junho, em Marrocos, contra uma selecção de jogadores africanos. Um jogador chegava ao fim, nasceria o mito.
O FC Porto equilibra-se e equilibra a contenda. Gomes reduz para 1-4, aos 60 minutos, mas a desvantagem é demasiado larga para que ainda possa ser dobrada.
Aos 81 minutos há um penálti contra o FC Porto. Eusébio já não está, Humberto Coelho é chamado a marcar e faz o 5-1. A vitória é gorda, indiscutível.
Para o Benfica, como para Maurice Chevalier, «Paris sera toujours Paris»."

Afonso de Melo, in O Benfica

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Lixívia 7

Tabela Anti-Lixívia:
Benfica......14 (-5) = 19
Sporting.....17 (-1) = 18
Corruptos...19 (+4) = 15
Braga.........12 (+2) = 10

A nomeação de Manuel Mota para  o nosso jogo, deixou-me muito preocupado... é que o Mota já foi publicamente 'desmascarado' como sendo Benfiquista!!! E como o outro que está nas mesmas circunstâncias, apita como apita, qualquer verdadeiro Benfiquista avisado, tem que ficar preocupado, quando estes senhores, se assumem Benfiquistas!!!
Na época anterior, o Manuel Mota foi o único árbitro que 'conseguiu' ser responsável directo pela perda de pontos aos Corruptos, com um erro próprio: nos Barreiros com um penalty que ficou por marcar a favor dos Corruptos!!! Pouco tempo depois, foi novamente nomeado para os Barreiros, desta vez para o jogo com o Benfica, um jogo supostamente decisivo, na altura... Na dias que antecederam o jogo, muitas foram as páginas dedicadas ao Manuel Mota, incluindo como é óbvio, o seu suposto clubismo... Felizmente o Benfica venceu esse jogo, com alguma sorte é verdade, mas sem ajudas arbitrais, e no final do jogo, ainda ficaram 2 penalty's por marcar sobre o Cardozo, mas a semente estava lançada, e o Manuel Mota a partir desse jogo, passou a ser visto como um árbitro Benfiquista!!! A verdade é que nos jogos do Benfica que apitou, nunca foi muito 'amigo'... e ainda bem, porque senão estava desgraçado!!! Mas tenho que admitir, que em comparação com outros apitadeiros, o Manuel Mota não Roubou o Benfica à descarada (vários jogos com o Beira-Mar!!!), alguns erros, critério disciplinar torto, mas nenhum daqueles lances demasiado evidentes para ser só incompetência e que lesam pontos...
Esta minha opinião sobre o árbitro, ainda me deixou mais preocupado, até porque a semana passada apitou os Corruptos B - Santa Clara, com uma actuação vergonhosa, favorável como é óbvio aos Corruptos... Sabendo como se fazem as carreiras em Portugal, mais tarde ou mais cedo, o Manuel Mota vai ter que mostrar 'obediência' ao Sistema, num jogo 'grande', num momento importante... felizmente, ainda não foi ontem.

Os jogadores do Benfica estão tão pouco habituados a beneficiar de penalty's, que nem sequer os sabem marcar!!! Vou repetir aquilo que já escrevi sobre estes lances. A regra da Mão da Bola é explicita: tem que existir um acto deliberado, que inclui as situações onde os defesas aumentam a volumetria do seu corpo para impedir a passagem da bola. A regra é clara, a interpretação dada à regra, é que é subjectiva. Em Portugal, normalmente marca-se tudo... excepto quando é contra os Corruptos. Nas discussões dos paineleiros, defende-se quase sempre, que deve-se marcar sempre penalty. Mas isso, não muda a regra: tem que existir um acto deliberado. Neste caso especifico, na minha opinião o jogador do Estoril, não teve qualquer intenção de jogar a bola com a Mão, assim sendo, o penalty foi mal marcado. 'Felizmente' o Lima falhou!!!
No capitulo disciplinar o Manuel Mota esteve muito mal. Aliás noutros jogos que ele apitou do Benfica, nunca esteve bem neste capitulo, sempre em prejuízo do Benfica:
- A falta mais grave, merecedora de vermelho directo, não foi bem decidida: Seba sobre Siqueira. 'Tesoura' por trás, e sem bola, quem tinha a bola era o Garay, vermelho directo, claro... e ficou pelo amarelo!!!
- Filipe Gonçalves, foi bem expulso, com 2 amarelos justos. O sentimento de impunidade que os Estorilistas sentiram em termos disciplinares, que permitiu várias entradas duras durante a partida, neste caso, levou ao exagero, e deu em vermelho!!!
- Não posso concordar com a expulsão do Maxi. No 1.º amarelo, até concordo, o problema é que 99% dos jogadores naquelas circunstâncias, nunca levavam amarelo, depois de se ter dado a lei da vantagem... No 2.º amarelo, foi tudo teatro do Gerso, que levou uma chapada no peito, e ficou agarrado à cara!!!
- Alguns pedem vermelho directo para o João Pedro Galvão, pela chapada na cara do Maxi, pessoalmente acho um exagero. Os jogadores normalmente utilizam os braços, para afastar os adversários, para proteger a bola, o objectivo é colocar os braços no tronco dos defesas, mas às vezes, sem intenção, as Mãos batem nas caras dos adversários, que foi o que aconteceu neste caso... Existe uma teoria radical que defende vermelho directo nestes casos, acho que é um exagero, sem intenção para magoar o amarelo fica bem... agora, deveria era ser sempre o mesmo critério, porque se fosse o Maxi a dar uma chapada ao adversário, tínhamos tema para a semana toda!!!
- Uma nota ainda sobre o golo do Estoril. Se o braço do Balboa em cima do ombro do Luisão, pode ser explicado pela má leitura do Capitão sobre a trajectória da bola, e consequente 'não salto' do Luisão, já o aparente agarrão ao Matic parece-me falta. É verdade que as imagens não são claras, mas dá claramente a ideia que o jogador do Estoril, 'encostou-se' ao Matic com a única intenção de impedir o salto do Sérvio... e parece que agarrou mesmo...


Os Corruptos quando jogam fora, normalmente são sempre apitados por um consócio, e mesmo em Arouca, casa amiga, com um Presidente amigo, um treinador amigo, e vários jogadores amigos, não se esqueceram do consócio!!!
Houve vários casos disciplinares, quase todos decididos bem - o Helton jogou a bola, não fez falta -, o mais extraordinário foi o critério das Bolas na Mão. Houve várias, e só o Lucho levou amarelo... Sendo a mais grave o caso do Mangala. Além do amarelo que levou, no início da 2.ª parte fez Mão na Bola - aumentou a volumetria do corpo -, e no final da partida, atingiu com uma cotevelada um adversário na cabeça, quando já tinha o amarelo. É inacreditável como é que este jogador continua a passar impunemente pelos campos Portugueses, um digno sucessor do Bruto Alves!!!
O principal erro do árbitro, acabou por ser a cuspidela do Josué, que ainda pode acabar em Sumaríssimo, vamos ver... neste caso o árbitro tem a desculpa, de não ter visto.
Uma nota para o Hugo Miguel, que no Corruptos B - Sp. Covilhã, depois de validar um golo aos Serranos, por indicação do 4.º árbitro alterou a decisão!!! Vendo na televisão até parece que a decisão foi correcta, mas eu pergunto, será que ele teria a coragem de fazer o mesmo, numa situação inversa?!!!

Em Alvalade, quando não marcam em fora-de-jogo, lá aparece uma oferta dos adversários... a vaca não vai durar para sempre!!! Duarte Gomes 'trocou' os penalty's!!! Primeiro marcou um penalty, a favor do Sporting, quando foi o Marcelo a fazer falta sobre o jogador do Setúbal, e depois não quis marcar outro penalty a favor do Sporting, sendo que o 2.º existiu mesmo!!!

O Juju chegou a dizer que ganhar para ele era como lavar os dentes - quando tinha os Proenças e afins no plantel, jornada após jornada... -, agora, em Braga, com ajudas em menor escala, julgo que só vai lavar os dentes uma vez por mês!!! Nada a assinalar na Choupana...


Anexos:
Benfica
1.ª-Marítimo(f), D(2-1), Jorge Sousa, Prejudicados, (2-2), (-1 ponto)
2.ª-Gil Vicente(c), V(2-1), Paulo Baptista, Prejudicados, Sem influência no resultado
3.ª-Sporting(f), E(1-1), Hugo Miguel, Prejudicados, (0-2), (-2 pontos)
4.ª-Paços de Ferreira(c), V(3-1), Paixão, Nada a assinalar
5.ª-Guimarães(f), V(0-1), Bruno Esteves, Prejudicados, Sem influência no resultado
6.ª-Belenense(c), E(1-1), Jorge Tavares, Prejudicados, (2-0), (-2 pontos)
7.ª-Estoril(c), V(1-2), Manuel Mota, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado

Sporting
1.ª-Arouca(c), V(4-1), Rui Costa, Nada a assinalar
2.ª-Académica(f), V(0-4), Soares Dias, Beneficiados, Sem influência no resultado
3.ª-Benfica(c), E(1-1), Hugo Miguel, Beneficiados, (0-2), (+1 pontos)
4.ª-Olhanense(f), V(0-2), Benquerença, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
5.ª-Rio Ave(c), E(1-1), Xistra, Prejudicados, (2-1), (-2 pontos)
6.ª-Braga(f), V(1-2), Paulo Baptista, Nada a assinalar
7.ª-Setúbal(c), V(4-0), Duarte Gomes, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado

Corruptos
1.ª-Setúbal(f), V(1-3), João Capela, Beneficiados, Impossível contabilizar
2.ª-Marítimo(c), V(3-0), Jorge Ferreira, Beneficiados, Sem influência no resultado
3.ª-Paços de Ferreira(f), V(0-1), Rui Costa, Beneficiados, (0-0), (+2 pontos)
4.ª-Gil Vicente(c), V(2-0), Hugo Pacheco, Prejudicados, (3-0), Sem influência no resultado
5.ª-Estoril(f), E(2-2), Rui Silva, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
6.ª-Guimarães(c), V(1-0), Proença, Beneficiados, (0-0), (+2 pontos)
7.ª-Arouca(f), V(1-3), Vasco Santos, Beneficiados, Impossível contabilizar

Braga
1.ª-Paços de Ferreira(f), V(0-2), Bruno Paixão, Nada a assinalar
2.ª-Belenenses(c), V(2-1), Xistra, Beneficiados, Impossível contabilizar
3.ª-Gil Vicente(f), D(1-0), Vasco Santos, Beneficiados, Sem influência no resultado
4.ª-Estoril(c), V(3-2), Capela, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
5.ª-Arouca(f), V(0-1), Marco Ferreira, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
6.ª-Sporting(c), D(1-2), Paulo Baptista, Nada a assinalar
7.ª-Nacional(f), D(3-0), Soares Dias, Nada a assinalar

Jornadas anteriores:

Épocas anteriores:

3 pontos, só para contrariar !!!

Estoril 1 - 2 Benfica

Esta vitória não vai servir para acabar com a turbulência em volta do Benfica, mas pelo menos adiou a festa de muita gente... incluindo, muitos supostos Benfiquistas!!!
Tendo em conta a pressão que foi colocada em cima da equipa esta semana, tendo em conta os erros que cometemos durante este jogo - penalty falhado, mais um golo sofrido num canto, Lima sozinho volta a falhar... -, tendo em conta mais uma onda de lesões, esta vitória, mesmo jogando sem convencer, é muito saborosa...

Em Alvalade, as consequências da lesão do Salvio foram analisadas por todos, mas muitos esqueceram-se de somar ao tremendo azar do Toto, a lesão do Gaitán, que por acaso nesse jogo até estava a ser o melhor jogador em campo. Ficámos sem os nossos dois alas, os dois principais criadores de jogo ofensivo. É verdade que no caso do Nico, a regra, é a irregularidade... mas nestes minutos que jogou após a lesão, principalmente hoje, mostrou que estava a fazer falta, mesmo com todas as 'brancas' que lhe passam pela cabeça!!!

O Jesus tinha razão, quando disse que o Cardozo quando voltasse a marcar, não parava mais... hoje, mais um golaço, e com o pé direito. Recordo-me de um grande golo em Matosinhos com o mesmo pé, o Tacuara tem pouca confiança no pé direito, mas devia tentar mais...

Já o disse muitas vezes, o futuro do Benfica, está na Militância dos nossos adeptos. A guerra que está a ser travada contra o Benfica, é tremenda. Relembro os mais esquecidos - ou aqueles que se recusam lembrar -, as últimas equipas que se recusaram vender os Direitos Televisivos ao Oliveira, desceram todas de Divisão...!!!
Ainda por cima os nossos 'amigos' - por exemplo os nossos parceiros da CMTV!!! - parece que estão convencidos que a mudança de treinador no Benfica, irá criar uma nova onda de entusiasmo, que trará mais gente ao Estádio, e mais audiências na TV...!!!
Nestes períodos conturbados nascem também as teorias mais malucas, para explicar o que cada um quer, ou deseja. Desde dos jogadores estarem a fazer a cama ao treinador - por acaso hoje esqueceram-se de a fazer, calões!!! -, até às divisões entre os dirigentes, etc, etc,... Uma das mais famosas esta semana, foi a teoria onde todos nós já descobrimos, agora, que foi um erro renovar com o Jesus...!!! Acho este argumento engraçado, até porque se o Vieira não renova com o Jesus, e contrata outro treinador qualquer... e a Roubalheira que o Benfica tem estado a sofrer neste início de época se mantém, então os mesmo 'oráculos', iriam dizer: 'Depois do despedimento do Fernando Santos, a não renovação com o Jesus foi o maior erro do Vieira'!!! Nos dois cenários, o Benfica, não renovava com a SportTV, portanto a Roubalheira 'amplificada' (a roubalheira existiria sempre, com o clubezeco Corrupto a fazer tudo para ser Campeão, mas agora com o Oliveirinha contra, o Roubalheira é amplificada!!!) seria sempre uma constante, independentemente do treinador, portanto como o Jesus ficou, argumenta-se que foi um erro, se ele tivesse ido embora, o erro teria sido em mandá-lo embora...!!! É tão fácil ser 'manager' de teclado, ou do café!!!

PS: Agora no final do jogo, posso afirmar: ainda bem que o Lima falhou o penalty (muito mal marcado diga-se, com uma paradinha até tinha sido fácil, já que o Vagner atirou-se muito antes da bola ser rematada)!!! Senão seria mais um penalty 'duvidoso' a favor do Benfica!!! Por mais estúpido que possa parecer, tenho a certeza que esse seria o principal argumento de todos os paineleiros durante a semana, tentando provar que as criticas do Benfica à arbitragem são despropositadas!!!
Pessoalmente acho que não era penalty, já que o acto não foi deliberado, mas em Portugal, normalmente marca-se este tipo de Mão na Bola, principalmente a favor dos Corruptos - nunca contra -, inclusive neste jogo, no lance da lesão do Markovic, a Mão na Bola, na minha opinião, é 'mais' deliberada, e a falta não foi marcada...!!!

domingo, 6 de outubro de 2013

Golos, e golos...

Benfica B 5 - 1 Ac. Viseu

Mais um bom jogo da nossa equipa B, com muitos golos marcados, e outros tantos falhados. O Ivan Cavaleiro continua em grande, e com a onda de lesões nos extremos da nossa equipa A, pode até ser promovido durante esta época... Em relação ao ano passado, temos claramente um estilo de jogo mais positivo.
O resultado é algo enganador, marcámos cedo, e talvez por isso a equipa de Viseu nunca demonstrou vontade em colocar o 'autocarro', e por isso tivemos um jogo aberto com várias oportunidades nas duas balizas, tanto assim, que o Oblak foi um dos melhores em campo, com 4 a 5 defesas de grande nível!!! É verdade que o nosso meio-campo defensivamente podia ter feito melhor, mas também temos que dar o mérito ao adversário - com vários jogadores com experiência de 1.ª divisão!!! -, que ao contrário da maior parte das equipas, tentou jogar futebol positivo...

Na final...

Galitos 54 - 102 Benfica
16-31, 12-24, 18-21, 8-26

Jogo fácil - tivemos quase a dobrar a pontuação!!! - mas que demonstrou, que o Jobey Thomas veio para o Benfica, para jogar Basket... e ao contrário de tantos jogos nas últimas épocas tivemos 48% nos triplos com o Mário Fernandes a ajudar o veterano Americano...
A Final-Four do Troféu António Pratas, além do Benfica, terá a Ovarense, o Sampaense e o Maia Basket.

Injusto

Benfica 2 - 2 Leões de Porto Salvo

Não vi o jogo, mas pelas informações que recolhi, este resultado é extremamente injusto. A falta de eficácia ofensiva, e 1 minuto de desconcentração onde sofremos dois golos, parece que explicam o empate... e perto do final foi o Leões de Porto Salvo a beneficiar de um livre de 10 metros, que podia ter dado ao marcador um aspecto ainda mais injusto!!! Não foi por falta de atitude, tivemos momentos muito bons, mas a bola não quis entrar...!!!
Foi pena, perder o registo 100% vitorioso, até porque psicologicamente era importante manter a distância de 2 pontos para os Lagartos, mas este Campeonato só se decide no Play-off... e por outro lado, é bom a equipa do Benfica saber, que ainda existe muito trabalho pela frente.

PS1: As informações sobre o jogo, dão conta de mais uma arbitragem vergonhosa, principalmente na 2.ª parte. Como não vi, não comento, agora estatiscamente, não deixa de ser engraçado que mais uma vez o Benfica não tenha tido um livre de 10 metros à disposição!!! Se bem me recordo, até agora em todas as jornadas, tivemos 2... eu até costumo defender que falta ao Benfica, um especialista em livres de 10 metros, mas realmente com a quantidade de faltas que são marcadas aos nossos adversários, não é preciso!!!

PS2: Nunca mais chega o dia 15 de Outubro, a suposta data de estreia da nova Benfica TV2, assim este tipo de problemas com a sobreposição de directos deixará de acontecer. Espero que exista coordenação entre os Pavilhões da Luz e o Caixa Futebol Campus, e não se marque jogos para a mesma hora, no passado isso chegou a acontecer entre as modalidades e os jogos de formação no Seixal...!!!

PS3: Uma nota para a vitória do Hóquei Patins no Torneio das Vindimas, onde derrotámos o Sporting e o Candelária, apesar do curtíssimo tempo de treino conjunto, entre o treinador e os jogadores, a maior parte deles ocupados com o Mundial de Angola.
A outro nível, parece que o sofrimento, com os Livres Directos falhados em catadupa, vai continuar!!!

Andas a brincar connosco, ó Jorge!