Últimas indefectivações

sábado, 15 de novembro de 2014

Excelente jogo...

Benfica 5 - 2 Oliveirense

Pessoalmente, acho que fizemos um dos melhores jogos da época. Fizemos uma exibição equilibrada, não foi um daqueles jogos cheio de correrias malucas, mas fizemos um jogo consistente... contra um dos melhores plantéis da 1.ª Divisão, que tem feito um campeonato abaixo das expectativas, mas tem muita qualidade.
Marcámos cedo, chegámos aos 4-0, e só depois permitimos os golos do adversário... mas acabou por ser um jogo onde senti-me sempre descansado (o que não é fácil)!!!

No próximo fim-de-semana vamos a França jogar com o Quévert, onde o ano passado tivemos muitas dificuldades...

Dar de avanço...

Benfica 7 - 1 Burinhosa

Começamos praticamente a perder (com muito azar)... mas era impossível os golos não começarem a aparecer, tal o caudal ofensivo do Benfica.
O jogo trauliteiro do Burinhosa, acabou por ajudar (mesmo assim vimos o Patias falhar o 1.º livre de 10 metros!!!), mas a qualidade, a rotação, o ritmo do Benfica... era quase inevitável a vitória.
Com o regresso do Ré, e do Bruno Pinto, e a contratação do Mancuso, finalmente podemos fazer uma rotação normal, e isso acaba por fazer a diferença...
O 4.º lugar da Burinhosa, é a grande surpresa da época, e notou-se qualidade na equipa hoje, mas o comportamento conflituoso que começou no treinador e foi transmitido aos jogadores, não ajuda. Aparentemente o treinador - que foi expulso -, é um adepto Corrupto, anti-benfiquista primário, e assim tá explicado...!!!

2.ª parte

ISMAI 24- 33 Benfica

Fácil de explicar: mau 1.º tempo; muito boa 2.ª parte!!!
Contra uma equipa, que a semana passada venceu os Lagartos 'algures' em Lisboa!!!
Mesmo com a desilusão da semana passada, acho que esta equipa melhorou em relação a épocas anteriores, nota-se uma atitude nova... existe muita juventude, temos muito para melhorar, o plantel tem lacunas, mas este ano temos play-off, portanto temos tempo...

Ritmo Europeu...

Benfica 98 - 71 CAB Madeira
22-18, 27-13, 30-16, 19-24

Por acaso até começamos a perder, mas rapidamente demos a volta, tornando o jogo fácil. A vantagem foi sempre grande, e só não foi maior no final, porque tirámos a 'mão' do acelerador!!!
Deu para rodar todo o plantel, dando descanso aos jogadores com mais minutos na Eurochallenge (mesmo assim acho que o Seth podia ter descansado mais!!!).
Hoje ao contrário do que tem sido habitual as percentagens de lançamentos foram muito boas... principalmente os Triplos com 48%.
Foi claro hoje, um dos benefícios dos jogos Europeus: ritmo...!!! O possível cansaço ainda não se notou, aquilo que foi evidente, é que o CAB não conseguiu aguentar o nosso ritmo de jogo...
Na próxima Terça, novo jogo Europeu, desta vez temos uma viagem longa, até à Finlândia...

3 pontos

Sp. Caldas 0 - 3 Benfica
16-25, 18-25, 22-25

Jogo com alguns percalços, mas que deu para rodar praticamente todo o plantel...
Volto a repetir, é muito importante manter esta 'onda' de 3-0, porque no final da época regular, o equilíbrio entre o Benfica e a Fonte vai ser mínimo, tudo conta... para ficar com a vantagem, de jogar em casa, na Final.

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Temos de jogar muito mais

"Seria mentiroso se dissesse que gostei daquele jogo de domingo na Madeira ou daquela exibição a preto e branco tão distante daquilo que o Benfica sabe e já produziu. Seria hipócrita se não dissesse que gostei muito de ganhar os três pontos na Madeira. Ainda mal retemperado do sofrimento de 90 minutos, próximos do pior desta época, sentei-me a ver os jogos dos rivais, intervalados de outras ofertas desportivas mais atractivas. No final da noite o resultado era excepcional. O Benfica a jogar pouco faz melhor do que os assumidos concorrentes a jogar bem. Sporting e FC Porto ficaram amarelos com Paços de Ferreira e Estoril e no fim da noite a exibição do Benfica nem parecia tão pálida como às 18 horas. O fleumático Bobby Robson diria «three points very good, three points». A classificação é óptima mas teremos que jogar muito mais para ser campeões. Este descanso é um cansaço. Primeiro porque os nossos melhores jogadores actuam sem parar ao serviço das suas selecções e segundo porque todos os dias nos vendem meia equipa no mercado de Janeiro.
Bruno de Carvalho, numa altura em que parecia ter dado alguma estabilidade ao Sporting, resolveu entrar em guerra com 7 dos 10 milhões que habitam Portugal. Para quem está em oitavo lugar na Liga e ainda em todas as provas que quer vencer, não me parece uma estratégia muito sagaz. O FC Porto, que é terceiro classificado e já não disputa o seu segundo maior objectivo, mostra uma estabilidade que me parece bem mais apropriada.
Jonas mostrou mais uma vez ser o joker nas aquisições do Benfica. A mim enche-me as medidas, pelo que joga, pelo que defende, pela qualidade de recepção e passe tanto como pelos golos que marca. Jonas é classe e o futebol com classe é muito mais bonito. Jonas joga assim com a equipa abaixo daquilo que é capaz, imaginem com a equipa a jogar bem."

Sìlvio Cervan, in A Bola

A mesma cantiga

"Há várias tendências que se repetem na história do futebol português das últimas décadas. As arbitragens protegerem o FC Porto nos momentos decisivos é uma delas. O Sporting queixar-se espalhafatosamente das mesmas, exacerbando pequenos prejuízos, e ignorando benefícios, é outra. Mas há uma terceira, verdadeiramente pavloviana, que se repete a cada campeonato que o Benfica lidera, mormente quando a distância para a concorrência começa a ter algum significado.
Sempre que tal acontece, surge um coro de comentadores e escribas mais ou menos encartados, mais ou menos assumidos, pouco ou nada isentos, a entoar uma música já muito batida: 'o Benfica está a ser levado ao colo'. Foi assim em 2005, foi assim em 2010, foi assim a dada altura da temporada passada, pelo que não devemos agora, ficar particularmente surpreendidos.
A melodia não tem graça, mas o concerto é afinado. Ora diz um, ora escreve outro, até fazer vingar a máxima de que uma mentira repetida muitas vezes pode transformar-se numa verdade.
Tomemos por exemplo a última jornada. No Estoril vi um penálti claríssimo ser perdoado ao FC Porto, ainda na primeira parte. Em Alvalade, vi um golo irregular ser bem anulado (sendo essa, por sinal, opinião partilhada por todo o painel de um programa insuspeita Sport TV). Na Choupana, o único erro que recordo foi um fora-de-jogo de centímetros, num lance que, estou em crer, Júlio César deteria. Poderia ainda lembrar a única derrota do Benfica nesta Liga, e uma grande penalidade claríssima sobre Gaitán, que ficou por assinalar na área bracarense. Mas, eles não se calam, nem irão calar-se enquanto o Benfica seguir na liderança.
Nós não nos deixamos impressionar. Mas confesso o meu receio de que árbitros e assistentes encarem as coisas de outro modo, e tendam a procurar dissipar o ruído da pior forma possível. No fundo, uma questão de coragem, ou de falta dela. E é preciso dizer que as minhas expectativas relativamente a essa gente também não são elevadas."

Luís Fialho, in O Benfica

Os números...

"Não são apenas os números que geram certezas nem consolidam tendências incontornáveis. Não se trata apenas dos três pontos de diferença do FC Porto ou os expressivos sete pontos face ao nosso rival da Segunda Circular. Trata-se de consolidar um espírito de vitórias e de solidez.
A instabilidade ou a rotatividade excessiva prejudicam o normal funcionamento dos clubes e, a jusante, o próprio desempenho desportivo, minando a confiança dos jogadores, da equipa técnica e dos próprios adeptos. A grande virtude do Benfica esta época não é sequer a de conseguir agrupar um conjunto de jogadores imbatíveis, mas a de consolidar uma rotina de sucesso, de credibilidade que percorrer os alicerces do Benfica, desde a direcção até ao banco de suplentes.
E deve ter sublinhado um elemento que tenho vindo a enfatizar: a capacidade de Jorge Jesus no desenvolvimento e adaptação do potencial dos jogadores à sua disposição. A extraordinária performance de Talisca no decurso da presente época ai está para confirmar isso mesmo, assim como o desenvolvimento claro do instinto concretizador de Jonas. Quando a instituição se consolida e se credibiliza, os resultados surgem naturalmente, sem necessidade de declarações patéticas ou manobras financeiras duvidosas. Quando os dirigentes se afirmam como líderes naturais, toda a estrutura se ressente e todos os órgãos, todos os funcionários, todos os sócios se mobilizam para um apoio incondicional que só pode resultar em mais obtenção de títulos.
Termino com os parabéns à nossa BTV, órgão de comunicação de excelência, que chegou, com apenas seis anos de existência à final da categoria de 'melhor canal desportivo do ano'. Mais uma vez, a lição a retirar é apenas esta: quando a liderança é firme, credível e sonhadora, os resultados surgem. Na televisão e no estádio.
A partir daqui, já o sabemos sonhar é possível... e o céu o limite!"

André Ventura, in O Benfica

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Para o Tozé este vai ser o campeonato do túnel

"Quando Tozé se encaminhou para cobrar o 'penalty' muitos pensaram: «Se o rapaz falhar vai haver falatório quinze dias.» Poucos pensarem no contrário, porém...

TALVEZ não seja mera questão de fé mas sim um dado instruído por uma vida cheia e experimentada o que me leva a acreditar que, entre os candidatos ao título, a equipa capaz de vencer o maior número de jogos com exibições medíocres é a que tem mais hipóteses de vir a ser campeã feitas as contas.
Superstição? Chamem-lhe o que quiserem.
O que importa é que, à luz desta minha singela convicção, a carreira do Benfica neste campeonato está a ser verdadeiramente empolgante.
Sucedem-se as vitórias tangenciais em jogos de fraca intensidade e de raro acerto, lastimosos pecados temperados pela já tradicional aflição dos minutos finais.
Indiscutivelmente, custou tanto ganhar ao Nacional como já tinha custado ganhar ao Rio Ave na jornada anterior. E o campeonato fica agora a marinar durante duas semanas para o bem e para o mal.
Sem ainda ter jogado nada de especial o Benfica fica a marinar para o bem porque segue no primeiro posto da tabela e tem essa posição garantida até 30 de Novembro, dia em que joga em Coimbra com a Académica no reatamento da prova.
Depois se verá o que acontece. Que há entre os benfiquistas uma grande saudade de ver a equipa jogar bem, isso há. Que venha depressa esse Benfica que nos sabe encantar porque isto assim como tem estado só serve para enervar toda a gente, inclusivamente os rivais. E serve também para liderar a prova, o que não deixa de ter valor.

PARA os adeptos do Benfica este último Sporting - Paços de Ferreira ficará como aquele jogo em que o Sporting jogou contra 10 e não conseguiu ganhar, o que é grave em termos retóricos.
Não ganhando o Sporting contra 10, roubou-nos a possibilidade de acusarmos o rival de só conseguir ganhar quando joga contra 10 como, aliás, eles fazem connosco quando o Benfica joga contra 10 e ganha.
Ou não é assim?

POR comparação com o percurso da época passada na Liga nacional, o Sporting-candidato faz pior do que o Sporting-não-candidato.
Já na Liga internacional, a dos Campeões, o Sporting faz melhor do que na época passada até porque em 2013/2014 nem compareceu. Passou o ano inteiro a jogar dentro de portas, um sabido descanso.
O Sporting do último ano lutou com o Benfica pelo título até tarde por estar folgado. E também por não ter de suportar a pressão da imprensa e do presidente do clube a exigir-lhe que fosse campeão vindo, como vinha, de um inaudito 7.º lugar no campeonato.
Também, e pelas mesmas razões, o Liverpool lutou pelo título em Inglaterra em 2013/2014. Livre de compromissos europeus, a equipa de Anfield Road por pouco, por muito pouco, falhou o título que persegue já há uma quantidade de anos.
Correctamente, temos em Espanha e em Inglaterra mais casos de equipas que por estarem fora das competições europeias brilham nas respectivas provas internas. Trata-se do Valência e do Southampton que andam nos lugares cimeiros das respectivas tabelas a surpreender quem ainda se surpreende com estas coisas.
Neste último fim de semana o Valência, ao contra´rio do que vinha fazendo, até nem esteve particularmente inspirado. Empatou em casa sem golos com o Atlétivo de Bilbau. Fez-lhes falta, certamente, o Jonas cujos serviços dispensaram, imprudentes.
Nesta última jornada do nosso campeonato, ficou bem patente essa questão do cansaço que as idas à Europa a meio da semana provocam nas equipas que têm muito afazeres. O Benfica arrastou-se por toda a segunda parte no jogo da Madeira e o Sporting viu o Paços de Ferreira mandar no resultado e no jogo de Alvalade até Montero conseguir empatar com um golo 100% legal, assinale-se.

AS equipas portuguesas que jogam na Liga Europa não se queixam de cansaço. O Rio Ave teve pernas para se desembaraçar tranquilamente da Académica depois de ter jogado com Steaua. Mas, curiosamente, foi o Estoril que melhor deu provas de arcaboiço para sobreviver fisicamente a um jogo internacional a meio da semana.
O Estoril jogou na quinta-feira em Moscovo, bem longe, e no domingo só não ganhou ao FC Porto, que jogara na terça-feira em Bilbau, bem mais perto, porque Julen Lopetegui lançou Oliver para os minutos finais do jogo da Amoreira dando-lhe ordens estritas para só marcar no tempo de descontos não fosse o Estoril, mais fresco do físico e das ideias, ter tempo para se colocar de novo em vantagem.
Lopetegui será, certamente, um excelente treinador mas como actor é fraco. Quase diria, com o devido respeito, que roça o canastrão. Quando Lopetegui é espicaçado para improvisar sobre um qualquer tema soprado dos bastidores normalmente perde toda a naturalidade, arregala os olhos em jeito de desculpa e a coisa saiu-lhe sem brilho, sem pinga da convicção.

FOI, portanto, de olho arregalado que Julen Lopetegui, a quem sopraram uma bucha institucional mal terminou o jogo na Amoreira, lá se viu forçado a improvisar sobre o sempre cadente da arbitragem para convencer a sua plateia de que é por causa dos árbitros que o FC Porto está a 3 pontos do líder do campeonato.
- De árbitros não falo, vi o jogo do Benfica - disse na pele desconfortável de quem tem de se justificar e de arregimentar solidariedade para a causa pessoal e colectiva em consequência de um resultado menos bom.
Há gente francamente susceptível em todos os emblemas, gente exagerada e pronta a reagir ofendida sempre que ao lado do adversário tocam no nome do seu mais que tudo. Aconteceu assim na noite do domingo. Houve muito benfiquista que não gostou da referência ao nome do seu clube emitida pelo treinador do FC Porto.
Houve também quem corresse a isentar Lopetegui de qualquer pecado realmente sério porque, tendo em conta as circunstâncias, ao treinador basco até poderia ter tocado um papel pior do que aquele a que se viu coagido pelo 2-2, assim tivesse ele oportunidade de dar asas em público aos seus pensamentos.
Que sarrabulho grassaria pela nação se Lopetegui, no lugar de dizer que viu o jogo do Benfica, dissesse isto:
- Meus amigos, quando a grandes penalidades, o Jackson que ponha os olhos no Tozé!
Ou perguntasse isto:
- Mas, amigos, onde é que está a tal grande organização de que me falaram?
Ou se despedisse de todos com isto:
- Besitos! Besitos! Besitos!
Em Novembro, 3 pontos de avanço ou de atraso não definem o nome do campeão, é verdade. Mas definem uma impressão, uma dúvida. Será que o mundo está a mudar? Não, não acreditem nisso.

QUANDO Tozé se encaminhou para cobrar a grande penalidade tendo diante de si a baliza e o enorme Fabiano, muitos pensaram:
- Se o rapaz falhar vai haver falatório durante quinze dias.
Mas poucos, nem os mais ousados, terão pensado:
- Se o rapaz NÃO falhar vai haver falatório durante quinze dias.
No entanto, foi o que veio a suceder. O rapaz não falhou e o falatório está instalado.
Conclusão:
Para o Tozé este vai ser o campeonato do túnel. Sobre isso é que não há dúvida nenhuma.

DUNGA levou Talisca para a Turquia com os grandes do Brasil mas o actual líder dos goleadores do campeonato português viu ontem sentado no banco os seus colegas darem cabo dos donos da casa. O Brasil joga na próxima terça-feira na Áustria e, provavelmente, o jovem Talisca continuará sentado no banco a ver os seus colegas dar cabo dos austríacos. Não desmoralizes, jovem Talisca. Quando voltares tens um jogo muito importante com o Moreirense para a linda Taça de Portugal."

Leonor Pinhão, in A Bola

André Almeida

No Benfica sempre tivemos jogadores, que faziam a diferença... e outros que fazem os equilíbrios. Parabéns ao André Almeida pela renovação, merecida...

Tento e tentos

"No futebol, à semelhança desta mesmo palavra e de muitas outras, adaptámos vocábulos ingleses. Um deles, por sinal e mais fascinante, é golo, importado do goal/inglês, que quer dizer objectivo ou alvo. Tal como no idioma francês (but) ou, mais forçadamente, no alemão (tor), mas nestes casos sem sombras de anglicismo.
De facto, o golo é o propósito, o fim a alcançar. Com os pés, cabeça, joelho, barriga, costas, excepto com a parte do corpo, por sinal, a mais apetrechada: mãos e braços.
Curioso é que, de vez em quando, ainda que em decrescendo, se diz também tento em substituição de golo. Até acho interessante este termos que tem várias e diferentes significações. No futebolês, tento está associado a um instrumento que se usava para marcar pontos num jogo. Já com outra origem etimológica, e enquanto substantivo, tem outros sentidos. Por exemplo, ter tento ou, em versão mais anatómica, ter tento na língua. Ou, com ar crítico, sem tento nem propósito.
O interessante é que nestas últimas acepções, o tento (ou falta dele) também está muito presente no futebol. Observem-se as fartas declarações de jogadores, treinadores, presidentes para ver como poderíamos medir o superávite ou o défice de tento. Aliás, o tento na língua dos protagonistas varia na razão dos tentos a menos na baliza.
Passando do substantivo para o verbo, há jogadores que dizem «eu bem tento» no período de jejum entre dois tentos. Uma versão semelhante ao «quase». O problema é que não há «quase tentos». Só lhes resta «levantar a cabeça» à espera de tentar um novo tento. E nestes casos, há adeptos que só se acalmam com um golo, ainda que seja de água..."

Bagão Félix, in A Bola

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Golos traiçoeiros

"Está na moda um jogador transferido não festejar um golo que venha a marcar contra a sua anterior equipa. É, para alguns, uma espécie de amálgama de virtudes: a gratidão, o profissionalismo, o pudor. Os adeptos da nova equipa são compreensivos e os da anterior não sibilam perante tal 'deslealdade' de se lhes marcar um golo.Sobretudo quando ainda estão frescos na memória os óculos tão apaixonados que davam ao emblema do precedente clube na sua suada camisola. Em suma, um comportamento cauteloso qb e uma atitude pc. Todas as semanas temos exemplos empolgantes destes comoventes resguardados. Confesso que sou indiferente a estas expressões de 'bigamia' clubista. Um fingimento, no meio de tantos, que se vêm observando no futebol!
Caso diferente é o do golo marcado por um jogador ao seu clube contratual que, antes, o havia emprestado ao clube oponente. Neste caso, compreendo o recato da coreografia do golo, entalado que está a jogador entre o patrão de facto. Mas daí até se insinuar 'falta de profissionalismo' do atleta que marca ao seu clube de origem vai a distância entre desportivismo e um insuportável facciosismo.
No domingo o excelente jogador Tozé emprestado pelo Porto ao Estoril foi encarregado de marcar um penalty. Decisão destemida e, ao mesmo tempo, venenosa. Marcando - como foi o caso - uma traição para os mais sectários; falhando, um atoarda de suspeições ainda que injustas. Por esta e por outras razões, deveria haver duas regras: 1) jogador do clube 'comodatário' não joga contra o clube 'comodatário'; 2) deveria haver um limite para estes 'comodatos'. Acabavam-se as dúvidas e suspeições."

Bagão Félix, in A Bola

Saber jogar mal

"Lembro-me bem quando Jesus chegou ao Benfica e logo prometeu que, com ele, a equipa ia 'jogar o dobro'. A promessa, é um facto, não se concretizou. O Benfica de Jesus, quando comparado com o do inenarrável Quique Flores, não jogou o dobro, mas sim, no mínimo, o quádruplo. Por estranho que possa parecer, jogar bem passou também a ser o principal dos problemas do Benfica das últimas temporadas.
Não me entendam mal. Como qualquer adepto, sou muito sensível à nota artística e o futebol precisa de equipas capazes de dar espectáculo. O problema é que o Benfica dos últimos anos tem dificuldade em jogar mal. E uma equipa para ganhar títulos precisa mesmo de saber jogar mal - gerir resultado e manter os ritmos dos jogos em cadência baixa.
Tem sido sempre assim com Jesus: temos a avalanche ofensiva, com um carrossel estonteante que deixa os adversários à banda; já quando é preciso controlar o jogo, o Benfica apresenta problemas. Na maior parte das partidas, a questão nem se coloca. O balanceamento atacante da equipa revela-se a melhor defesa e a qualidade individual e a organização colectiva chegam e sobram para as encomendas.
Este ano, contudo, a questão é diferente. Com um plantel mais curto, com menos talento em posição-chave e com muitas rotinas ainda por aprimorar, o Benfica vai precisar de saber jogar mal para conquistar títulos. Como, aliás, se viu na Choupana este fim de semana: assim que demos a volta ao marcador, passámos a sofrer.
Construir uma equipa 'resultadista', capaz de gerir jogos, é o principal desafio que se coloca a Jesus, hoje. Convenhamos que, mesmo assim, é uma tarefa comparativamente pouco exigente. Afinal, o que é ensinar a jogar mal quando comparado com o que foi montar o carrossel atacante que caracteriza o Benfica dos últimos anos?"

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Derrota em França

Nanterre 80 - 68 Benfica
27-15, 17-19, 18-21, 18-13

Não acompanhei o jogo desta noite. Só posso analisar o jogo pelas estatísticas. O resultado não envergonha, mas parece que o próprio Nanterre após a vantagem inicial também geriu o esforço. Recordo que defrontámos supostamente a equipa mais forte do nosso grupo...
Pela positiva tenho que realçar a subida de forma do Slay, depois de algumas indicações muito negativas, parece que está a ganhar espaço na equipa...
Pela negativa, as percentagens de lançamentos. Todos, começando pelos Lances Livres!!!

Já afirmei anteriormente, que esta participação Europeia é um risco, devido à veterania do nosso plantel. Talvez por isso o Lisboa usou uma estratégia 'estranha' onde o Fonseca e o Carreira, não foram usados, poupando-os para os compromissos internos?! Hoje, até o João Soares, teve poucos minutos... É uma estratégia aceitável, mas não ficará bem ao Benfica uma participação Europeia sem vitórias, ainda por cima após as boas indicações que demos, nesta competição, na última vez que participámos... Hoje chegámos a reduzir para 4 pontos no 3.º período, mas depois aparentemente não aguentámos a pedalada nos últimos minutos, com outra rotação, a história podia ter sido outra...

Nico & Talisca

Duas boas notícias: a renovação do Nico era esperada, seria 'perigoso' ir para o último ano de contrato sem a renovação. Tentaram criar um caso com a nova clausula de rescisão €35 milhões (menos €10 milhões), mas não estou minimamente preocupado, já que dificilmente alguém irá dar esse dinheiro pelo Nico... Suspeito que o Gaitán vai fazer toda a sua carreira Europeia no Benfica, é uma suspeita pessoal, não tenho acesso a informações confidenciais, nem sou adivinho!!! Mas num momento onde muitos se questionam das razões da liderança do Benfica na Liga, mesmo jogando feio, é curioso que Lagartos, Corruptos e analistas supostamente independentes, ninguém, elogie a estabilidade directiva, da equipa técnica, e até no 11 inicial que o Benfica tem conseguido nas últimas épocas, mesmo com algumas vendas milionárias... Jogadores como o Luisão, Maxi, Amorim, Jardel, Gaitán, Salvio... entre outros que caminham a mesma estrada, fazem do balneário do Benfica, um balneário com referências claras... E esse caminho só pode ser trilhado, com renovações de contratos...
Em relação ao Baiano Talisca, foi com surpresa que recebi a noticia da sua convocatória para a Selecção principal Brasileira. O Jesus, pedagogicamente, afirmou recentemente, que o Talisca ainda tinha que melhorar muito, para chegar à selecção A, mas acabou por durar pouco tempo... nos tempos que correm a pressão mediática, acaba por afectar todos os seleccionadores!!! Felizmente em todas as suas declarações públicas o Talisca parece ser um rapaz com 'cabeça', humilde, e trabalhador (ainda antes de assinar pelo Benfica, eram essas as informações off-the-record directamente da Baía!!!), portanto estou confiante que esta convocatória não lhe vai subir à cabeça... Do lado do Benfica, ficamos com um jogador valorizado... portanto Parabéns aos dois.

"Bienvenidos Rey Eusébio y su corte"

"A América foi sempre um dos destinos mágicos do Benfica nas suas viagens em redor do planeta. Colômbia, Paraguai, Brasil, Argentina, Estados Unidos... Não houve céu por onde a águia não voasse.

Vamos lá a mais uma viagem no tempo. E na história do Benfica e das suas viagens pelo planeta. Lá está: «Se Mais Mundo Houvera...» Camões tinha razão.
Estava previsto que o Benfica visitasse a Argentina em Agosto de 1967, para participar no Torneio Internacional de Buenos Aires, mas a viagem ficou adiada um ano. O que não impediu os encarnados de seguirem outra vez para a América do Sul, demandando à Colômbia, segundo o seu dirigente, engenheiro Cavaleiro Madeira, com grandes benefícios financeiros para o clube. O voo é longo, faz escala em Caracas e Maracaíbo. No dia 12 de Agosto, o Benfica aterra em Barranquilla, no norte da Colômbia, junto ao Mar das Caraíbas, um dos portos mais importantes do continente americano, mais uma cidade nova a juntar a tantas que já conhece. «Bienvenidos Rey Eusébio y su corte», pode ler-se num pano desfraldado frente ao Hotel Majestic, onde a equipa se instala.
Mas o tempo não é muito. O Benfica defronta o Deportivo Junior, vence por 2-1, e segue de imediato para o aeroporto. Viaja em direcção a Bogotá onde faz a primeira escala, e depois um «stop over» em Lima, no Peru, antes de partir para Assunção, no Paraguai. Nossa Senhora Santa Maria de Assunção, na margem esquerda do Rio Paraguai. O Benfica desembarca, joga, derrota o Guarani (4-0) frente a mais de 30.000 espectadores, o segundo mais antigo clube do Paraguai, depois do Olmipia, com as suas camisolas de riscas pretas e amarelas inspiradas nessoutro velho conhecido do Benfica, o Peñarol de Montevideo, e retorna à Colômbia, repetindo escalas, para se dirigir, desta vez, a Guayaquil, no Equador, para jogar com o Barcelona Sporting Club, ou Barcelona de Guayaquil, fundado em 1925 por emigrantes catalães, como está bem de ver. 20.000 pessoas enchem o Monumental Pichincha para ver Eusébio. E vêem. Com o resultado em 2-2, Eusébio faz um golo extraordinário de mais de 40 metros que leva os equatorianos ao delírio. Será a sua recordação.

Sempre, sempre em viagem...
De Guayaquil a São Francisco, paragem seguinte, a comitiva benfiquista leva 21 horas ininterruptas. Os jogadores estão cansados, mas não desiludem os muitos portugueses da região, empatando (1-1) com o Boca Juniors. Em Los Angeles repete-se o resultado (1-1) e é tempo de regressar a casa, mesmo em cima da data de jogar a final da Taça de Honra com o Sporting. E partir, pouco depois, para Belfast, e defrontar o Glentoran para a primeira eliminatória da Taça dos Campeões Europeus.
O Benfica voa. Poder-se-ia dizer que voa como o Tempo. Não é por acaso que o seu símbolo é uma águia e que a ela cabia percorrer os céus do Mundo.
Nessa época de 1967-68, o Benfica atingirá a sua quinta final da Taça dos Campeões. Perderá em Wembley, para o Manchester United após prolongamento (1-4). Mas entre as eliminatórias com o Saint-Etiènne e com o Vasas de Budapeste, arranja tempo para dar uma saltada a São Paulo e para um particular com o São Paulo (2-3). A América do Sul estava na massa do sangue dos encarnados. No dia 7 de Agosto de 1968 está em Belém do Pará, na Amazónia, provando que não há destino que fique longe demais e visitando assim uma das cidades brasileiras com maior património cultural português do tempo da colónia. Faz um jogo com o Remo, empatando 1-1, e segue finalmente para Buenos Aires, correspondendo ao convite feito no ano anterior. É um torneio de grande fôlego. Um pentagonal que conta com as duas melhores equipas argentinas, River Plate e Boca Juniors, com o Santos de Pelé e com o Nacional de Montevideu. Mas o Benfica não está no seu melhor, Eusébio acaba de ser, mais uma vez, operado ao menisco e encontra-se, positivamente, preso por arames. Durante o torneio vão rebentar discussões, com os organizadores que não querem cumprir com os pagamentos combinados por causa da inferioridade visível de Eusébio que joga com um pano amarrado ao joelho e sacrifica-se até ao suportável da dor para não desiludir os que nele acreditam.
O torneio é um verdadeiro campeonato intercontinental com um pormenor - todos são do mesmo continente menos um, o Benfica. Vai disputar-se entre 11 e 25 de Agosto, com todos jogando contra todos. O Benfica entra em campo dia 11, frente ao Boca Juniors. Otto Glória é novamente treinador, Eusébio não aguenta o jogo inteiro e é substituído por Calado. Para o futuro, ficará a famosa fotografia de Eusébio, de joelho enfaixado, abraçado a Rattin, o grande defesa da selecção argentina. Ao golo de Suñe, de «penalty», aos 74 minutos, responde Jacinto, também de «penalty» quatro minutos depois. Entretanto, o Santos batia o River Plate por 2-1 e o Boca Juniors goleava o Nacional por 5-1.
Depois veio o sempre tão ansiado Santos-Benfica. Mas o Santos tem Pelé e o Benfica só tem algum Eusébio. Mais um vez será substituído por Calado. Os brasileiros fazem 3-0, com três golos de Toninho; Toni reduz, mas logo no início do segundo do tempo Toninho 4-1. O 4-2 é de Calado, a três minutos do fim. O Benfica está desde logo arredado da hipóteses de conquistar o troféu. Mas os seus jogos continuam a ser entusiasmantes, mesmo que Eusébio não possa ser o Eusébio do costume. O Santos empata em seguida com o Nacional (2-2), e o Benfica empata igualmente com o River Plate (3-3), com Eusébio a marcar um golo, de «penalty», e Torres a marcar dois. Os dois clubes argentinos empatam (0-0) e o Benfica soma nova derrota, frente ao Nacional (1-2), golo de Jacinto. Simões e Eusébio não jogam e perdem a possibilidade de reencontrar o guarda-redes brasileiro Manga, que tinham batido no Mundial de 1966, agora a jogar pelos uruguaios. Nacional, 1 - River Plate, 0; e Boca Juniors, 1 - Santos, 1, são os últimos resultados. O Santos leva o troféu. Para o infeliz Eusébio o consolo medíocre de também Pelé não ter marcado mais do que um golo durante o torneio.
Eusébio pode estar lesionado, mas é preciso seguir viagem, seguir sempre viagem. A equipa voa para Caracas, para um amigável com o Botafogo (0-2), para a Colômbia e para Bogotá, para jogar com o Independiente de Santa Fé (0-0), e finalmente para Nova Iorque, no Yankee Stadium, perante mais de 40.000 pessoas, novo Benfica-Santos, desta vez com um espectacular empate (3-3)."

Afonso de Melo, in O Benfica 

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Lixívia X

Tabela Anti-Lixívia:
Benfica............. 25 (-1) = 26
Corruptos......... 22 (+5) = 17
Braga................18 (+2) = 16
Sporting........... 17 (+2) = 15


A palhaçada continua, é impressionante, nem é uma questão de coluna vertebral torta, é uma questão de total ausência de coluna vertebral!!! Transversal, a 99% dos azeiteiros, que têm um microfone à frente, ou um teclado qualquer com acesso directo aos pasquins!!!
Os Benfiquistas têm denunciado à muito tempo a forma corrupta, inquinada, como a PorkosTV realiza os jogos, com funcionários do PorkoKanal a condicionarem repetições, ângulos... e ainda a fazer desaparecer 'cassetes'. É uma história antiga. Os supostos canais abertos, incluindo a televisão pública, há muitos anos, condicionam os resumos das partidas: jogos onde o Benfica remata com perigo 10 vezes, e o adversário remata 3 vezes, quando chega o momento de escolher as imagens para o resumo de 2 minutos, mostra-se os 3 remates mais perigosos do Benfica (30%), e os 3 remates do adversário (100%)!!! Além da definição de 'oportunidade de perigo' ser diferente: para o Benfica só um golo salvo por milagre; enquanto um remate de 30 metros à nossa baliza, que passa a 10 metros ao lado da baliza, é uma jogada perigosíssima...!!!
Como é óbvio esta visão inclinada dos jogos, foi sempre visível na analise dos erros de arbitragem... nada de surpreendente. Os contactos, as intensidades, as linhas tortas... as leituras foram sempre enviesadas. Antigamente a maioria de Lagartos em tudo o que era televisão, rádio e jornais era indiscutível... Nos últimos anos, através de interesses empresariais (Oliveirinha...); de um jornal que se dizia ser um Bíblia, mas que permitiu a entrada de uma quantidade enorme de analfabetos adoradores de Satanás...; e através de um canal público que em nome de uma suposta descentralização delegou o Desporto a um grupo de avençados Corruptos... o número de jornaleiros, colunistas ignorantes e mentirosos, e paineleiros amantes de Corruptos na (des)comunicação social desportiva aumentou exponencialmente. E assim chegámos ao actual cenário: onde o Clube mais representativo a nível nacional, não tem mais de 5% de todo o 'espaço' na comunicação social desportiva; 5% talvez sejam verdadeiramente independentes; 50% são Lagartos; e os outros 40% são Corruptos!!! Assim, quando se trata de 'atacar' o Benfica, temos uma coligação negativa de pelo menos 90%, diariamente, em horário nobre nos canais de notícias, a usar todas as técnicas possíveis e imagináveis, mentindo, truncando, tentando criar uma onda negativa, anti-Benfica...
E que nas últimas semanas, chegou a patamares nunca antes vistos: além de interpretações tortas sobre contactos, intensidades, linhas tortas... agora, a moda, é simplesmente ignorar as Leis do Jogo!!! Agora, para insinuar que o Benfica foi supostamente beneficiado (ou não foi prejudicado), inventar Leis que não existem passou a ser normal... E ignorar Leis que existem, para afirmar que os Lagartos foram supostamente prejudicados, também é legitimo!!!
Eu até posso desculpar reacções 'a quente' de treinadores, jogadores no banco, ou até de dirigentes nos minutos após o final do jogo. Posso desculpar (ignorar) adeptos em discussões de café... Agora, profissionais, ex-árbitros, com acesso a várias repetições, que são pagos a peso de ouro para darem a sua opinião 'independente', com tempo para analisar, mesmo assim, não conseguem despir a camisola... Já não tenho paciência, vão todos para o caralho.

Numa semana, onde os 3 ditos grandes, todos, beneficiaram pelo menos de um erro grave de arbitragem, só se fala de um fora-de-jogo mal assinalado ao adversário do Benfica!!! E ainda dizem que eu sou 'maluco' por acreditar que existe uma cabala contra o Benfica, construída diariamente, por formiguinhas avençadas...

O Bruno Paixão na Choupana fez uma exibição razoável, mas foi mal auxiliado, pelos dois fiscais-de-linha. Pessoalmente, acho que demorou demasiado a 'sacar' o 1.º amarelo, beneficiando o Ghazal, o Boubakar e até o Zainadine... mas tirando o amarelo ao Samaris, na primeira falta que fez, até fez uma exibição tecnicamente e disciplinarmente equilibrada. Pelo menos comparando com outros artistas que normalmente temos que aturar. Em relacção aos foras-de-jogo houve várias más decisões: na 1.ª parte pelo menos dois ataques do Nacional deviam ter sido parados... por acaso, não deram golo; houve um fora-de-jogo marcado ao Luisão que me deixou dúvidas, mas o Lima acabou por rematar para as nuvens; no 2.º golo do Benfica, o Jonas está em jogo, como a foto prova; no lance anulado ao Marco Matias foi cometido um erro, não havia fora-de-jogo, e também não não acho que tenha sido pé em riste. O Júlio César parou, portanto nunca saberemos se seria golo... mas era uma jogada muito perigosa...
Uma das coisas que mais me irrita, quando oiço adeptos Corruptos a discutir as arbitragens, é a tendência que eles têm para misturar tudo: erros todos comentem, o problema é quando os erros são sempre para o mesmo lado... e quando são comprovadamente 'comprados'!!! E neste caso da Choupana, é o caso típico onde os Fiscais-de-linha erraram para os dois lados. Prefiro ganhar sem erros de arbitragem, mas não me envergonho destas vitórias, quando são erros honestos.
Eu sei que estes conceitos, são de difícil compreensão para qualquer adepto Corrupto, pois na cabeça deles, são todos iguais, corruptos como eles, mas o problema é deles...!!!



No Alvalixo assistimos a mais um banho de bola. Depois de Guimarães, agora foi o Paços a dar um banho aos Lagartos... supostamente a melhor equipa a jogar futebol à face do planeta, os Reis do Tiki-Taka...!!!
O ano passado, os Benfiquistas andavam enamorados pelo Marco Silva, pessoalmente, sempre tentei ser cuidadoso. A minha dúvida foi sempre a forma como o Marco Silva jogaria contra equipas, que jogassem com as linhas baixas, em bloco, e tentassem partir rápido para o ataque... e parece que a época está-me a dar razão...
Em relação à choradeira no final, e às entrevistas aparvalhadas que bêbados vão dando a jornaleiros, só me posso rir...
Vamos lá ver: o jogo começou com um fora-de-jogo mal tirado ao Paços de Ferreira, quase 3 metros em jogo; durante o jogo tanto o João Mário, como o Adrien deviam ter visto vários Amarelos e os respectivos Vermelhos; aliás bastava que o critério que foi usado para expulsar (bem) o Sérgio Oliveira fosse usado para os dois lados; tivemos um ataque do Sporting, com 6 jogadores em fora-de-jogo, repito 6 jogadores em fora-de-jogo... peço desculpa mas tenho que repetir, 6 jogadores em fora-de-jogo, que não foi assinalado... que culpa tem o árbitro do Carrilo ter feito as vezes do defesa?!...; o Mané também teve um remate por cima da baliza, sozinho, depois de partir em posição de fora-de-jogo; o fiscal-de-linha marca bem um fora-de-jogo ao Slimani, que mesmo sem tocar na bola, teve influência no lance: além de ter deixado dúvidas no guarda-redes do Paços, sobre quem iria dominar a bola, chegou mesmo a 'bloquear' o defesa do Paços, permitindo um remate à vontade do Montero...;  mas ainda houve outros lances que a PorkosTV não deu relevância: o Cedric empurrou um jogador do Paços na área aos 14 minutos, penalty por marcar...; por volta do minuto 28 o Sarr domina mal uma bola, divide a bola com o Jailson, o brasileiro vai ao chão, não houve qualquer repetição, portanto não sei se houve falta.

Resumindo: Sporting com várias decisões favoráveis, inclusive um penalty contra que ficou por marcar (pelo menos um!!!)... mas como o fiscal-de-linha tomou uma decisão certa, conforme as regras e as indicações de fora-de-jogo que são dadas aos árbitros, temos que aturar o choradinho do costume...!!!


No Estoril, tivemos mais uma grande exibição do Floptegui, dentro e fora do campo!!! No fim do jogo não resistiu à provocação do jornaleiro e lá mandou uma posta pescada sobre a arbitragem do jogo do Benfica... também aqui, nada de novo!!! O que ele gostaria é que o seu amigo Angel Villar fosse o chefe da arbitragem em Portugal!!!
Além da impunidade disciplinar do Casemiro e do Indi que já estamos habituados (verdadeiros herdeiros de uma 'antiga' tradição naquela organização...); de um fora-de-jogo mal assinalado ao Sebá (sem muita consequência); ficou um penalty clarissímo por marcar contra os Corruptos, por falta de Casemiro sobre o 'benfiquista' Kuca, que leva um toque no pé, quando tenta o remate. A repetição de frente, com a câmara da linha de fundo, é clara... Curiosamente, foi o ângulo menos usado nas repetições!!!

O único lance que os Corruptos se podem queixar, foi de um Amarelo que ficou por mostrar ao Sebá, por uma entrada aparvalhada!!!
Os Corruptos, em maré de saldos, pediram 3 penalty's!!! Aos 45 minutos, o Jackson disputou a bola no ar com o Rúben Fernandes, num lance perfeitamente normal, bem decidido. Aos 54 minutos, no mesmo lance aparecem dois jogadores Corruptos no chão, Danilo e e Brahimi... a repetição prova que não houve qualquer falta, num primeiro momento houve um corte na bola, e depois uma disputa de braços normal. No penalty assinalado contra os Corruptos, tudo normal... Agora a forma 'empalada' como o Fabiano sprintou para o penalty foi engraçada!!!
Apesar do erro principal ter beneficiado os Corruptos, tenho que admitir a minha surpresa e admiração, pelo trabalho do Soares Dias!!! Teve várias oportunidades de apitar favoravelmente aos interesses do Clube do seu coração (e a crítica especializada iria lhe dar cobertura), mas resistiu à tentação!!! Se calhar ainda está chateado com as críticas do Pintinho no jogo na Luz, do época anterior...!!!
O Rascord publicou hoje, que o Tozé foi apertado no túnel, por pessoas ligadas aos Corruptos, por ter marcado o penalty, alegando que terá sido acusado de falta de profissionalismo!!! Também aqui, tudo normal... a definição de profissionalismo para aqueles lados, foi sempre dúbia. Aliás as melhores profissionais que os Corruptos conhecem normalmente estão de perna aberta...!!!
Pelo que sei o Tozé não está emprestado, creio que os Corruptos ainda têm 50% da passe, mas o jogador pertence ao Estoril. Pelo que sei também, o rapaz antes de ter ido jogar para a Formação Corrupta, era Benfiquista, portanto esta 'falta' de profissionalismo está explicada...!!!
Uma nota ainda para mais uma falta de respeito do Cigano, que desta vez cuspiu em direcção aos adeptos do Estoril... nada de novo!!!
ADENDA: Esqueci-me de um episódio engraçado, também com o Cigano... mas que foi totalmente ignorado pelos jornaleiros: se por acaso num jogo do Benfica, um jogador tirasse a bola das mãos do nosso melhor marcador de livres directos (neste caso Brahimi), só porque sim... e depois desperdiçasse a oportunidade, teríamos novela para semanas...!!!

O Braga beneficiou de um duplo-amarelo em poucos minutos, jogando mais de 55 minutos contra 10. E mesmo assim só marcou perto do final da partida... Uma equipa como o Braga que só dá pau, beneficiar de expulsões adversárias, é um contra-senso!!!

Anexos:
Benfica
1.ª-Paços de Ferreira(c), V(2-0), Cosme, Prejudicados, Sem influência no resultado
2.ª-Boavista(f), V(1-0), Marco Ferreira, Prejudicados, (2-0), Sem influência no resultado
3.ª-Sporting(c), E(1-1), Proença, Nada a assinalar
4.ª-Setúbal(f), V(0-5), Capela, Nada a assinalar
5.ª-Moreirense(c), V(3-1), Luís Ferreira, Prejudicados, (4-1), Sem influência no resultado
6.ª-Estoril(f), V(2-3), Vasco Santos, Nada a assinalar
7.ª-Arouca(c), V(4-0), Hugo Miguel, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
8.ª-Braga(f), D(2-1), Marco Ferreira, Prejudicados, (2-3), (-3 pontos)
9.ª-Rio Ave(c), V(1-0), Manuel Mota, Nada a assinalar
10.ª-Nacional(f), V(1-2), Bruno Paixão, Prejudicados, Beneficiados, (2-2), (+2 pontos)

Sporting
1.ª-Académica(f), E(1-1), Soares Dias, Beneficiados, (2-1), (+1 ponto)
2.ª-Arouca(c), V(1-0), Nuno Almeida, Prejudicados, (2-0), Sem influência resultado
3.ª-Benfica(f), E(1-1), Proença, Nada a assinalar
4.ª-Belenenses(c), E(1-1), Cosme Machado, Nada a assinalar
5.ª-Gil Vicente(f), V(0-4), Beneficiados, (1-4), Sem influência no resultado
6.ª-Corruptos(c), E(1-1), Benquerença, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
7.ª-Penafiel(f), V(0-4), Rui Costa, Beneficiados, Impossível contabilizar
8.ª-Marítimo(c), V(4-2), Manuel Oliveira, Beneficiados, (4-3), Sem influência no resultado
9.ª-Guimarães(f), D(3-0), Hugo Miguel, Prejudicados, (2-0), Sem influência no resultado
10.ª-Paços de Ferreira(c), E(1-1), Bruno Esteves, Beneficiados, (1-2), (+1 ponto)

Corruptos
1.ª-Marítimo(c), V(2-0), Xistra, Nada a assinalar
2.ª-Paços de Ferreira(f), V(1-0), Mota, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
3.ª-Moreirense(c), V(3-0), Bruno Esteves, Nada a assinalar
4.ª-Guimarães(f), E(1-1), Paulo Baptista, Nada a assinalar
5.ª-Boavista(c), E(0-0), Jorge Ferreira, Nada a assinalar
6.ª-Sporting(f), E(1-1), Benquerença, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
7.ª-Braga(c), V(2-1), Proença, Beneficiados, (2-2), (+2 pontos)
8.ª-Arouca(f), V(0-5), Xistra, Beneficiados, Prejudicados, (1-6), Sem influência no resultado
9.ª-Nacional(c), V(2-0), Nuno Almeida, Nada a assinalar
10.ª-Estoril(f), E(2-2), Soares Dias, Beneficiados, (3-2), (+1 ponto)

Braga
1.ª-Boavista(c), V(3-0), Vasco Santos, Beneficiados, (1-0)?!, Impossível contabilizar
2.ª-Moreirense(f), E(0-0), Paixão, Prejudicados, (1-0), (-2 pontos)
3.ª-Estoril(c), V(2-1), Hugo Miguel, Prejudicados, (3-1), Sem influência no resultado
4.ª-Arouca(f), D(1-0), Proença, Nada a assinalar
5.ª-Nacional(f) E(1-1), Jorge Tavares, Prejudicados, Impossível contabilizar
6.ª-Rio Ave(c), V(3-0), Bruno Esteves, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
7.ª-Corruptos(f), D(2-1), Proença, Prejudicados, (2-2), (-1 ponto)
8.ª-Benfica(c), V(2-1), Marco Ferreira, Beneficiados, (2-3), (+3 pontos)
9.ª-Académica(f) E(1-1), Bruno Paixão, Nada a assinalar
10.ª-Gil Vicente(c), V(2-0), Manuel Oliveira, Beneficiados, (0-0), (+2 pontos)

domingo, 9 de novembro de 2014

Sofrimento...

Nacional 1 - 2 Benfica

Mais um ciclo de jogos complicados ultrapassado, com mais um vitória sofrida. Entre o jogo de Braga, e este da Choupana, sempre a jogar 2 vezes por semana, não tivemos um único jogo fácil. Ao contrário da 2.ª parte da época anterior, também não efectuamos uma rotação pronunciada, entre os jogos internos e os jogos Europeus. Uma coisa é defrontar equipas que também estão desgastadas pelos jogos Europeus, outra coisa é defrontar equipas como o Braga e o Nacional, que têm normalmente 7 a 9 dias de preparação. E hoje foi visível, a diferença na disponibilidade física... 

Começamos mal, não é todos os dias que se sofre um golo no 1.º minuto, mas soubemos reagir rapidamente... Com alguma ajuda do guarda-redes do Nacional, marcámos dois golos, e demos a volta marcador... Mas o jogo nunca foi fácil, o Nacional jogava duro, tentava aproveitar as transições rápidas, o Júlio César foi obrigado a mais uma grande defesa... mas o Salvio, com um bocadinho de mais calma, podia ter feito o 1-3.
Além do défice físico, notava-se que faltava gente no meio-campo do Benfica, onde o Enzo tinha que fazer quase tudo, já que o Talisca tem muitas dificuldades na marcação. No 2.º tempo com a entrada do Samaris para o lugar do Lima, a equipa não melhorou muito. Mesmo que o treinador mandasse a equipa para a frente, o subconsciente dos jogadores não queria arriscar, afinal estávamos em vantagem... É verdade que o Nacional nesta fase foi superior, e que o Benfica atacou muito pouco na 2.ª parte, mas o Júlio César também não teve muito trabalho...
Acabou por ser um jogo calculista, que podia ter corrido mal... mas repito, a maior parte das equipas que participam nas competições Europeias, demonstraram dificuldades neste fim-de-semana nos seus respectivos campeonatos. No nosso caso, os problemas que temos no plantel, acabam por ser amplificados nestas situações...

Apesar do golo sofrido no 1.º minuto, o Júlio César foi dos jogadores mais importantes na Choupana. Só fez mais uma grande defesa, numa jogada parecida com o golo, mas a tranquilidade que transmite, aos colegas, acaba por intimidar os adversários, por isso é que na 2.ª parte os remates do Nacional, nem acertaram na baliza...!!!
Mas se tiver que escolher o melhor Benfiquista em campo, tenho que indicar o Enzo Pérez. Não fez uma exibição folclórica, mas foi de uma entrega incrível... Isto numa altura onde mais uma vez, é presença diária nos jornais... Com pouca ajuda, acaba por ter que fazer o trabalho dele, e o dos outros...
O jogo ficou marcado por um fora-de-jogo mal assinalado ao Nacional, que daria muito provavelmente golo (o Júlio César não se fez a lance...). Depois da patranhice da semana passada, vamos ter Circo outra vez. A agressividade do Nacional, durante todo o jogo, foi mais uma vez premiada pelo árbitro: como é que o Ghazal e o Boubacar chegaram ao fim do jogo sem amarelos, é mistério... Ainda por cima com um árbitro que até costuma mostrar cartões a torto e a direito!!! Mas o critério disciplinar, que permitiu ao Nacional impor uma intensidade ao jogo, que o Benfica não conseguiu acompanhar, disso, ninguém irá falar...

Agora vamos para mais uma paragem para jogos das Selecções. São duas semanas, com um jogo para a Taça de Portugal no regresso, na Luz, com o Moreirense, e depois mais uma deslocação complicada a Coimbra. Espero que ninguém se lesione nas Selecções, e espero que pelo menos o Sílvio regresse à competição. Com o André Almeida deslocado para a esquerda, ficamos mais fracos em 2 posições: defesa-esquerdo, e meio-campo. Porque ficamos sem alternativas defensivas para a posição 6 no banco. Hoje por exemplo, com o André no banco, tenho a certeza que teria sido uma alternativa... Também será importante a recuperação do Ola John ou do Sulejmani, pois o Salvio e Nico têm feito os jogos todos...

Remontada em Belém...

Belenenses 2 - 5 Benfica

Jogo muito difícil, com muitos remates do Benfica, alguns desperdiçados, outros defendidos por mais um guarda-redes 'possuído' (normalmente é assim contra o Benfica)!!! Tivemos a perder por 2-0, mas antes do intervalo reduzimos para 2-1.
No 2.º tempo, só deu Benfica, mesmo assim o empate levou algum tempo. Quando finalmente empatámos, apostámos no 5x4, e desta vez correu bem!!! Finalmente conseguimos marcar um golo em 5x4 !!! Pouco depois, os ladrões dos árbitros finalmente marcaram a 6.ª falta ao Belenenses, e como já nos habituou o Patias: não falhou... Nos últimos segundos, ainda marcámos mais um!!!
Independentemente das boas ou más exibições da equipa, ou ainda das dificuldades em cada jogo, é notória a evolução da equipa... o Joel Rocha, está a conseguir mudar - para melhor -, o 'funcionamento' da equipa. E até ao play-off ainda teremos tempo, para ficarmos ainda mais fortes.

Nulo

Chaves 0 - 0 Benfica B

Este foi um daqueles jogos, onde podemos afirmar claramente, que o resultado foi melhor que a exibição. O Chaves foi superior, mais agressivo na recuperação de bola, e atacou muito... O Benfica não conseguiu ter a bola, a dupla Rúben Pinto, João Teixeira foi curta... se calhar, um dos jogadores mais criticados (João Amorim), fez falta no 11 titular...!!!
Mas este Benfica, soube manter a calma. Parece-me uma equipa mais adulta... também é preciso saber defender, quando ofensivamente as coisas não saem bem. O ano passado, provavelmente, num jogo destes, teríamos perdido por vários...!!!
No último minuto, houve um lance polémico na área do Benfica. O árbitro podia ter marcado penalty, o Varela pôs-se a jeito, mas felizmente não marcou... na repetição é visível que é o avançado do Chaves, que esticou a perna direita, à procura do contacto, o Varela quando reparou que não ia chegar à bola, tentou recolher os braços. Mas o árbitro só não marcou, porque a queda foi muito mal dada...!!!

Varela; Semedo, Cardoso, Lindelof, Rebocho; Pinto, Teixeira (Andrade, 79'); Costa, Menga (Amorim, 66'), Guedes (Rochinha, 90'); Fonte.