Últimas indefectivações

sábado, 16 de agosto de 2014

Zurique: medalhas...

Foi preciso esperar pelo penúltimo dia de competição para a delegação Portuguesa conquistar medalhas nestes Europeus, e foram logo duas, ambas na Maratona feminina: Jéssica Augusto, Bronze individual; e selecção Portuguesa - Jessica Augusto, Filomena Costa, Marisa Barros (ex-Benfica), e Doroteia Peixoto -, com a Prata.


Tivemos 6 Benfiquistas em competição no dia de hoje, destaco o excelente 8.º lugar da Susana Costa, na Final do Triplo Salto feminino. Acima das expectativas claramente... A prova foi muito interessante, já que a Susana fez nulo, no primeiro salto, fez 13,72m no 2.º salto, o que lhe dava somente a 9.º posição, e portanto de fora dos últimos 3 saltos... mas, à 3.ª tentativa, saltou 13,77m, exactamente a marca que precisava, e assim 'saltou' para 8.ª!!! No 4.º salto, ainda melhorou para 13,78m... mas ficou por aqui.
Se a Susana tivesse aproximado a sua melhor marca do ano, só teria subido para 6.ª tal a diferença para as outras competidoras... Este foi um excelente Campeonato para a Susana, e agora só espero que consiga manter este nível, para que nos próximos Campeonatos (incluindo os Jogos...) possamos ter 2 atletas Portuguesas no Top 8 Mundial...

Nas estafetas Portugal bateu um recorde nacional - antes somente o Ricardo dos Santos nos 400m o tinha feito -, os rapazes, nos 4x100m, começaram por ter 'azar' na Pista que lhe foi destinada: 1. Depois uma distribuição das Selecções pelas duas Meias-Finais um pouco 'torta' para facilitar a qualificação da Suíça (a equipa da casa) para a Final, tornou tudo mais complicado, mas mesmo assim deu para ser a última equipa a ser repescada. Com o recorde nacional, em 38,79s (melhor que a Holanda, que qualificou-se automaticamente na 1.ª Meia-final!!!), tivemos em pista o Diogo Antunes, o Arnaldo Abrantes, o Yazaldes Nascimento, e o único não-Benfiquista: Francis Obikwelu!!! Vamos assim amanhã 'defender' o nosso 6.º lugar dos últimos Europeus, não será fácil, mas é possível...
Nos 4x400m femininos já se sabia que a qualificação seria quase impossível, mas mesmo assim as meninas não desistiram... mas ficaram longe. Se tivessem aproximado o recorde nacional feito nos Jogos Olímpicos de 1992 em Barcelona, estávamos na Final e a lutar pelas medalhas, mas neste momento isso parece impossível... A nossa Dorothé Évora, fez o 3.º percurso, com a Filipa Martins, a Vera Barbosa, e a Cátia Azevedo a completarem a equipa, que fez 3:35.41 min.

O outro Benfiquista a competir em Zurique hoje, foi o Diogo Ferreira (12.º), e as coisas não lhe correram bem. Na Final do Salto à Vara, não conseguiu um salto válido, falou as 3 tentativas a 5,40m, marca perfeitamente ao seu alcance. Mas não podemos ser muito criticos, o Diogo no seu primeiro grande Campeonato conseguiu a qualificação para a Final... algo que outros antes dele, tiveram que penar para conseguir!!! Agora, é começar a pensar nos Mínimos para os Mundiais do próximo ano, e nessa altura fazer melhor na Final... algo perfeitamente possível.
O Edi Maia, finalmente, num grande Campeonato conseguiu estar perto do seu melhor nível, terminou em 8.ª com 5,60m, igualando a sua melhor marca deste ano (perdeu quase sempre para o Diogo Ferreira este ano!!!), depois de vários Campeonatos onde desiludiu, neste esteve bem... somando mais um Top 8 para a comitiva Portuguesa, e já são vários... ainda hoje a Sara Moreira, terminou em 6.ª nos 5000m...

Amanhã, no dia do fecho dos Europeus, vamos ter mais 6 Benfiquistas em acção: os 3 velocistas na Final dos 4x100m (Diogo Antunes, Arnaldo Abrantes, Yazaldes Nascimento), e os 3 Maratonistas José Moreira, Rui Pedro Silva e o Ricardo Ribas.

Tacuara...

O mais insólito clube em crise

"Escrevo de Valência, eu sou um benfiquista que acompanha os movimentos migratórios do meu clube. A vitória da Supertaça faz do Benfica o mais insólito clube em crise. Campeões nacionais, vencedores da Taça de Portugal, vencedores da Taça da Liga e da Supertaça nos últimos três meses. Detentores hoje, de apenas todos os títulos nacionais existentes, o que deixa para a nossa concorrência toda junta, nada, nenhum título, apenas os títulos dos jornais.
Mas ainda assim, eles (a concorrência) estão muito bem e nós muito mal. Quero sempre crises destas. Assim é que eu gosto de estar em crise. A vencer títulos. Quando estávamos muito bem e não ganhávamos nada era bem pior. Neste momento é que se pode dizer com verdade que vamos perder, pois temos tudo para perder. Pelo contrário os nossos rivais não podem perder um único título, não têm.
Mesmo sendo a Supertaça a menos prestigiante prova nacional, foi uma boa vitória e conseguida em Aveiro, diria excelente por muitas razões. Primeiro porque o Benfica jogou bem, muito acima da expectativa generalizada de adeptos e comentadores. Segundo porque ganhar um título é óptimo. Terceiro porque é invulgar ganhar o primeiro jogo oficial da época, já perdi na memória essa ocorrência. Quarto porque em penalties tem sido mais frequente perder do que vencer competições. Por fim porque relança a nova época em moldes muito mais desanuviados e deixa para trás um conjunto de treinos de pré-época de pouca saudade.
Certo que o dia 31 de Agosto continua um fantasma na cabeça dos adeptos, mas será justo dizer o mesmo de todos os clubes, pois há uma incerteza que permanece. Mais ainda depois da excelente exibição de Enzo Pérez. Domingo contra o Paços de Ferreira, sugiro tentar uma coisa verdadeiramente difícil e rara, ou seja, ganhar o primeiro jogo do campeonato."

Sílvio Cervan, in A Bola

Zurique: pela manhã...

Hoje só tivemos atletas nas provas da manhã, em Zurique. Já se esperava resultados modestos...
O Pedro Isidro madrugou nos 50 Km Marcha, terminou na 25.ª posição com 4:07.44 min. O Pedro ficou praticamente a 10 minutos da sua melhor marca obtida em Maio último, pode parecer muito, mas se o Pedro fizesse uma marca idêntica ao seu recorde pessoal, subia somente ao 20.º lugar!!! Nunca é demais recordar que o Pedro é um atleta paraolímpico, e que a participação nestes Campeonatos é já um triunfo...
Destaque ainda nesta prova para o recorde do Mundo do Yohan Diniz (mesmo parando, perto do final...!!!), um luso-descendente que terminou a prova com a bandeira Portuguesa na mão, em homenagem ao seu avô paterno. Será muito provavelmente o único recorde mundial dos Campeonatos, executado por um grande atleta que nos últimos anos, tem estado em todos os grandes Campeonatos, obtendo grandes resultados com regularidade...

O jovem Emanuel Rolim, natural do lugar da Estrada (!!!), estreou-se nos grandes Campeonatos na prova dos 1500m, e não conseguiu a qualificação para a Final. Ficou em 11.º na sua série, com 3:42.22 min. Já se esperava muitas dificuldades, o Emanuel para ter algumas ambições a este nível, tem que pelo menos melhorar 5 segundos... já que não tem ponta final, para fazer a diferença, a este nível. Parece-me que o Emanuel poderá 'subir' para os 5000m com algum sucesso, vamos ver... Hoje, estrategicamente cometeu um erro: colocou-se bem no meio do pelotão, mas na penúltima volta entusiasmou-se, tentou aproximar-se da frente, por fora, desgastou-se, e na última volta ficou no elástico... se tivesse mantido uma posição interior, mesmo na parte de trás do pelotão, se calhar teria chegado com mais gás aos últimos metros...
Nos 1500m também tivemos um luso-descendente a correr na selecção Francesa, mas desta vez o Florian Carvalho também não se conseguiu qualificar para a Final!!!

O que se aprende por aí

"Esta semana em que o Benfica conseguiu vencer a Supertaça aprendemos na imprensa coisas muito interessantes. Por exemplo, Jorge Jesus disse «Não formo jogadores por cor, idade ou religião». O jornal 'Público', na edição 'online', subtitulava que JJ dissera «Não formo jogadores».
É, enfim, um pormenor de somenos na vida de um jornalista, é uma espécie de impreparação bondosa ao nível da paráfrase. Deixando as questões da Língua e passando para a Matemática, aprendemos que a SAD do FCP comunicou que alienou 56,37% do passe de Mangala por 30,5 milhões de euros. O que faria com que o M. City tivesse pago pela totalidade do passe do dito futebolista qualquer coisa como 53 milhões de euros... mais 3 milhões do que a cláusula de rescisão. São uns 'mãos largas' os dirigentes do City. No entanto, em Inglaterra e no 'site' da FIFA escreve-se que o City pagou 32 milhões de libras, o que equivale a 40 milhões de euros. Acrescente-se que recentemente a SAD portista divulgara que o passe de Mangala estava dado como garantia a um empréstimo de 30M€ do BES, tendo de reembolsar o Banco, numa primeira tranche, em 23M€, em Julho. Obviamente que estas contas não levantam dúvidas a ninguém e muito menos aos jornalistas da amestrada imprensa desportiva que regurgitam palermices no 'twitter'. 
Deixando a matemática a falando de comédia, aprendemos ainda, ao ler a imprensa cor-de-rosa-desportiva, que Rojo continua feliz em todos os treinos (com uma felicidade idêntica à do Varela ou do Rolando...) e que, num mundo imaginário onde vive, o presidente do SCP considera que pode falar de contas alheias sem que o país futebolístico ria às gargalhadas. Pelo caminho, lá conquistámos mais um troféu e preparamo-nos para defender o título de Campeão num campeonato em que a credível comunicação social desportiva já nos condenou."

Pedro F. Ferreira, in O Benfica

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Diz por aí... (campeões da pré-época)

"Diz-se por aí que vencemos a Supertaça. O troféu merece ser erguido com toda a pompa e circunstância. Especialmente nestes dias em que os nossos adversários e os nossos inimigos disfarçados nos apontavam (ou desejavam, no último caso) uma época desastrosa.
Este ano a Supertaça tem, por isso, um sabor especial: não apenas porque deveria calar os pessimistas de sempre em relação à época 2014/15, mas também porque era o único troféu português que faltava a Jorge Jesus.
A consistência, o trabalho, a persistência e a responsabilidade venceram definitivamente sobre o derrotismo, a verborreia futebolística fácil e os prognósticos dos vários doutores do Futebol que povoam os jornais e as televisões. Não devemos embandeirar em arco. Devemos concentrar-nos na época que se aproxima, conscientes das dificuldades impostas por uma política de gestão séria num contexto financeiro extremamente difícil, mas empenhados no sacrifício máximo em prol deste clube-nação que é o Benfica. É isso que temos inelutavelmente que fazer, ignorando o ruidoso espalhafato dos nossos adversários, campeões da pré-época, dos bruxos do desporto ou das previsões dos analistas. O Benfica tem de ser campeão dentro das quatro linhas do campo e não no seio das quatro linhas dos jornais.
Aqui damos alegremente o lugar aos nossos adversários principais, que certamente já negoceiam entre si os despojos desta época. Recordo aos supramencionados doutores um dado facilmente verificável: em mais de 65% dos casos que, no contexto do futebol europeu, uma equipa tinha vencido as três competições principais da época passada, venceu o Campeonato da nova época. Sei que é apenas estatística. Alguns dirão fogaça. No entanto, atendendo ao espectáculo em Aveiro, recomendo que meditem nestes números. Porque podem bem estar a caminho de se concretizar de novo. Parabéns Glorioso!"

André Ventura, in O Benfica

Inevitável

"Olhando friamente para o que foi sendo noticiado na imprensa relativamente a cada um dos casos, e deixando de lado os estados de alma originados por uma pré-época desoladora, é de concluir o seguinte: 
Oblak saiu pela cláusula de rescisão, contra a vontade do clube, e com uma atitude pouco digna das qualidades que revela na baliza. Nada a fazer.
Siqueira terá sido convidado a ficar, colocando exigências salariais incompatíveis com o mercado português. É natural que preferisse actuar no vice-campeão europeu, numa liga com muito maior visibilidade. Pouco ou nada a fazer.
Garay tinha apenas mais um ano de contrato. Terá sido convidado a renovar, e não aceitou a proposta, pelo que, em breve, poderia sair a custo zero. Tinha um dos mais elevados salários do plantel. O Benfica detinha apenas metade do passe. Pouco ou nada havia a fazer.
André Gomes e Rodrigo haviam sido vendidos em Janeiro, num acto de gestão que então suscitou os mais rasgados elogios, e que permitiu ao Benfica encaixar uma verba considerável, contando ainda com os préstimos dos atletas na conquista dos títulos. A decisão havia sido tomada, e bem tomada.
Markovic saiu pela cláusula de rescisão. Apenas metade do passe pertencia ao Benfica, e a escolha não estaria na mão dos responsáveis encarnados. Nada a fazer.
Cardozo não chegou a recuperar do problema físico que o afectou há uns meses. Tinha um dos mais elevados salários do plantel. Com uma percentagem do passe alocada ao Fundo, a SAD estaria obrigada a desembolsar cerca de quatro milhões de euros para o manter. Decisão bem tomada.
Contas por alto, e juntando aqui Matic, o Benfica terá arrecadado nos últimos meses mais de cem milhões de euros, verba importantíssima para fazer face aos constrangimentos decorrentes de uma crescente dificuldade na obtenção de crédito – à qual não serão alheios os conhecidos acontecimentos num dos pilares do sistema bancário português. Nada disto foram boas notícias. Mas todas foram notícias que o Benfica dificilmente poderia ter evitado."

Luís Fialho, in O Benfica

Entrevista do Presidente...

O Presidente deu mais uma entrevista à BTV. E como é normal nestas coisas, quem está no 'contra' ficou no 'contra'...
Falou-se muito do BES, tentou-se desmistificar tudo o cenário catastrofista que foi montado nas últimas semanas em redor da relação do Benfica com BES, mas suspeito que o Circo vai continuar... Aliás, o Papoila Saltitante recordou hoje uma noticia da Visão, onde se esclarece como é que actualmente em Portugal, se joga sujo nas redes sociais, e por tabela, se contagia os famosos - incompetentes -, opinion makers da nossa praça, com calúnias, mentiras, falsidades... tudo obedecendo a estratégias de poder. Aquilo que se tem passado este Verão com o Benfica: com os resultados da pré-época, e com a tal suposta obrigatoriedade do Benfica em liquidar todos os empréstimos e obrigações com o BES (Novo Banco) até Janeiro, é a prova mais evidente, de como as redes sociais do Benfica, estão inundadas por agências de comunicação... e idiotas úteis para as propagar.

Talvez as únicas novidades, foram mesmo a confirmação das negociações com o Karnezis; a vontade em contratar um Trinco; e a oferta do 'regresso' do Oblak (subentende-se que seria em troca do Nico + algum dinheiro)!!! Acabou também por ser obrigado a falar do óbvio: grande parte das vendas, foram pela clausula, não foi por opção do Benfica...


Entretanto quando andamos distraídos, com estes fait-divers, lá se soube as nomeações para a 1.ª jornada:
- Na Luz vamos ter o Cosme Machado, curioso, após o título de 2010, na época seguinte, na 1.ª jornada, na Luz, com a Académica, levámos com o Cosme Machado, perdemos com um golo do Laionel, após o Cosme não ter visto 5 grandes penalidades a favor do Benfica!!!
- Os Corruptos vão apadrinhar a estreia do Lopetegui com o Xistra!!!
Agora digam lá, se o futebol português não é uma grande merda!!!

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Zurique: cidade das Finais...

Depois da Final do Marco Fortes (7.º), depois da Final do Yazaldes Nascimento (8.º), depois das Finais directas da Dulce (12.ª) e do Ribas (12.º), hoje tivemos o regresso às grandes Finais do Nelson Évora (6.º)... e ainda ficámos a saber que o Diogo Ferreira, na sua estreia ao mais alto nível, também vai disputar a Final da Vara, juntado-se assim à também estreante em Finais, Susana Costa no Triplo. É verdade que as medalhas ainda não apareceram, nem parece que vão aparecer, mas pelo menos, o numero de presenças em Finais é significativo... quase todas em disciplinas técnicas!!!

O maior prémio do Nelson Évora foi disputar a Final. Pode parecer redutor, pouco ambicioso, mas depois de todas as lesões, estar aqui, a competir, sem limitações, é quase um milagre. Não é um milagre completo, porque não foi obra do espírito santo (!!!), foi essencialmente resultado do muito trabalho do Nelson...
A prova podia ter corrido melhor, o Nelson está época já saltou 16,95m, mas também não ficou muito longe do seu actual melhor. Os saltos foram consistentes, entre os 16,55m e os 16,78m (6.º), com somente um nulo... mas sempre pareceu que o Nelson não estava com a 'explosão' para aproximar-se das Medalhas. 
Depois de este trabalho de consolidação da recuperação, vamos esperar que na próxima época o Nelson consiga voltar a saltar acima dos 17 metros, algo que está nos seus genes.
A prova hoje, ficou decidida no primeiro salto, com o Francês a bater a sua melhor marca, e o melhor registo Europeu da época, a luta acabou por ser pelos lugares secundários, com poucos centímetros a separar os outros...

Logo pela manhã tivemos uma grande notícia, com a qualificação do Diogo Ferreira para a Final do Salto com Vara, com 5,50m (11.º). Na estreia absoluta em competições deste nível o Diogo não tremeu (apesar de alguns falhanços 'evitáveis'!!! Todos os derrubes são 'evitáveis'!!!). Sou obrigado a recordar que o registo dos Varistas Portugueses em grandes Campeonatos não é famoso, com vários 'bloqueios' nas qualificações...!!!
O Edi Maia, também com 5,50, mas com a 14.º posição, acabou por ter alguma sorte, e foi repescado. Assim a Final vai ter 14 atletas, e não os 12 habituais. Não é habitual ter dois portugueses, em Finais nestes Campeonatos, vamos ver como se adaptam os nossos atletas à pressão, sendo que esta prova, por tradição, é bastante aberta... atrás do Lavillenie tudo pode acontecer!!!

PS: Uma nota para a realização televisiva dos Campeonatos. Mais uma vez, horrível. Esta incompetência começou nos Mundiais de Daegu na Coreia, desde então em todos os Campeonatos da Europa, do Mundo e Jogos Olímpicos, as Finais dos principais concursos, são transmitidas em diferido, com compactos dos Saltos ou dos Lançamentos... Isto tudo para não atrapalhar os super-slow-motion!!! Não sei se é uma questão de preguiça, ou simplesmente ignorância, mas assistir a provas em diferido, não é a mesma coisa... Eu sei que existem stream's em directo, concentrados nos concursos, na Net, mas isso não pode servir de alibi para a TV simplesmente 'desistir' de mostrar os momentos mais importantes da provas em directo.

Tantas vezes o cântaro vai à fonte

"O FC Porto pode ter já conquistado muitas Supertaças mas não tem nenhuma como a nossa, partida. Era isto que fazia a diferença e era isto que ficava a matar no nosso Museu.

LAMENTO que o Benfica tenha concordado em trazer para casa uma réplica inteira da Supertaça conquistada no domingo em Aveiro quando ficaria bem melhor no seu Museu a Supertaça originalmente recebida das mãos do presidente da FPF e que não durou mais de cinco minutos inteira nas mãos do nosso guarda-redes Paulo Lopes.
Foi a quarta vez no espaço de três meses que Paulo Lopes se empoleirou na barra de uma baliza exibindo, contentíssimo ele e contentíssimos nós, uma taça conquistada pelo Benfica.
E tantas vezes o cântaro vai à fonte que um dia deixa lá a asa, assim reza um provérbio popular. Foi precisamente o que aconteceu em Aveiro, felizmente.
Como utente do Museu do Benfica teria mais vontade em ir lá ver em exposição a taça partida – porque, essa sim, faz parte das nossas memórias -, do que a taça inteira, que é uma segunda via da primeira.
Aliás estas novas taças envidraçadas das provas da Federação – como a do campeonato e a da supertaça – são feíssimas. Gostos não se discutem é bem verdade, mas registam-se.
Triste ideia esta de reformar os bonitos troféus inquebráveis em madeira e casquinha – prata não seria com certeza – que durante tanto tempo valiam por símbolo de títulos. Vá lá que escapou, por enquanto, a Taça de Portugal que, como objecto, mantém o seu esplendor de décadas.
Compreendem, por todo este arrazoado, que não lamentei minimamente o facto de o nosso guarda-redes ter partido o caneco que, sendo de vidro, agora é mais caneca. Francamente, até gostei.
O FC Porto pode ter já conquistado muitas Supertaças mas não tem nenhuma como a nossa, partida. Era isto que fazia a diferença e era isto que ficava a matar no nosso Museu.
A Supertaça é a Taça da Liga do FC Porto. Certamente que causou impressão aos portistas ver o Benfica ganhar aquilo que é deles. Também um dia nos fará, com certeza, impressão ver o FC Porto ganhar uma Taça da Liga. Mas os adeptos têm sempre de estar preparados para tudo. Até para estas coisas que envolvem os troféus menores do futebol português.
No entanto, a conquista de um troféu oficial no arranque da temporada soube muito bem ao Benfica depois de uma pré-temporada sem motivos para exaltações triunfais, antes pelo contrário.
Há três meses que o Benfica e os benfiquistas não ganhavam um título, há três meses que o Paulo Lopes não subia a uma baliza e tudo isto já estava a deixar as nossas gentes inquietas, incomodadas.
Mas no domingo, em Aveiro, o campeão voltou. Já não era sem tempo.

TEM sido muitas as vozes a defender Artur depois de o instável guarda-redes do Benfica ter defendido três grandes penalidades na decisão da última Supertaça.
Quim, que já foi guarda-redes do Benfica e por uma vez guarda-redes campeão, Diamantino que foi “capitão” do Benfica e tantas vezes campeão, foram dos primeiros a exercer a sua solidariedade para com o guarda-redes brasileiro.
Ambos, por palavras diferentes, chegaram à mesma conclusão: a pressão dos adeptos é terrível e não é fácil ser-se guarda-redes do Benfica.
Concordo plenamente com a primeira parte da mensagem. De facto, a pressão dos adeptos é terrível. Em parte porque sendo adeptos de um clube que se afirma candidato a todos os títulos que disputa são adeptos, por natureza, avessos a qualquer tipo de debilidades funcionais, seja em que posição for da sua equipa.
Com a segunda parte das mensagens de solidariedade para com Artur, que me desculpem, mas já não concordo assim, de ânimo-leve, embora aceite e abrace o espírito benevolente que a inspirou.
Não é fácil ser-se guarda-redes do Benfica?
Depende.
Se alguém se lembrar de ir perguntar ao Zé Gato, ao Michel Preud’homme e ao Jan Oblak se, para eles, foi fácil ou difícil ser guarda-redes do Benfica, a resposta todos sabemos qual é. E se ainda se pudesse perguntar a Manuel Bento e a Robert Enke precisamente a mesma coisa, a resposta todos saberíamos qual ia ser.
Não é pelo prazer infame da crueldade que os adeptos do Benfica, ou de outro emblema qualquer, agonizam ruidosamente nas bancadas perante a instabilidade de um guarda-redes ou de um titular de qualquer outra posição. Não é por maldade. É dos nervos.

DA instabilidade do guarda-redes está tudo dito. Da instabilidade dos adeptos ainda falta dizer uma coisinha. Sim, porque os adeptos são tão instáveis quanto o são os guarda-redes. Um exemplo? Na noite de domingo, assistindo à decisão da Supertaça no desempate por grandes penalidades, quantos de nós não chegámos à conclusão, por ventura precipitada, de que, se calhar, teria sido melhor pôr a jogar o Artur em vez do Oblak na final da Liga Europa com o Sevilha?
- É que o Oblak não defendeu nem um penalty! – ouvi logo dizer assim que o Artur agarrou pela terceira vez a bola.
É maldade? Não, é dos nervos.

O Real Madrid venceu a Supertaça europeia com dois golos e uma bela exibição do Cristiano Ronaldo que não víamos jogar desde o Mundial, envergando bisonhamente com a camisola da selecção portuguesa.
Na verdade, o futebol, por muitos príncipes de que disponha, é será sempre um jogo colectivo, um jogo de equipa. E que equipa tem o Real Madrid.

O Sevilha fez o que pôde. Também é verdade que, tal como acontece com o Benfica, venderam meia equipa. Não é que tenham saído meia-dúzia de jogadores da equipa que nos tirou a Liga Europa, nada disso. É que Rakitic, que valia por meia-equipa, foi vendido este Verão ao Barcelona.

UM zapping rápido na noite de terça-feira e na Sporting TV um locutor anuncia a iminência da transmissão de uma entrevista exclusiva com o presidente do clube onde, entre outros assuntos, revelará «de quem é a culpa de o passaporte do Shikaba ainda não ter o carimbo que lhe permitirá sair do Egipto». Irresistível. 
Anteontem, Bruno de Carvalho concedeu, portanto, uma entrevista à Sporting TV. Não é coisa do outro mundo. É, precisamente, o que fazem os outros dois presidentes dos dois outros grandes com as suas respectivas estações televisivas sempre que o consideram necessário.
Resume-se em poucas palavras a mensagem transmitida por Bruno de Carvalho:
A poucos dias do início da sua época oficial e depois de ter ganho três troféus na pré-temporada, o Sporting, apesar dos jornalistas, dos jornais, dos fundos financeiros, da anterior Direcção, do Dier e do pai do Dier, está a 99 por cento e «vai investigar a falha do carimbo no passaporte do Shikabala».

O presidente do Sporting vai, certamente, ganhar muitos actos eleitorais. Ganhar campeonatos nacionais é que lhe vai ser mais difícil porque já não depende apenas da sua verve metálica.

NO final da semana passada, no mesmo dia em que os jornais davam conta de um suposto envolvimento de emblemas nacionais num «esquema de manipulação de resultados com o objectivo de retirar proveitos das apostas desportivas», o secretário de Estado do Desporto e da Juventude confiava aos mesmos jornais que está para ser aprovada «nos próximos meses» a legislação com vista a regular a prática de jogo e de apostas online.
«Já temos autorização legislativa da Assembleia da República para fazermos agora a legislação», disse Emídio Guerreiro a A BOLA. Vai passar a funcionar, assim, num quadro legal, aquela que é a maior ameaça que o crime organizado faz pender sobre a indústria do futebol na actualidade. É o que garantem todos os especialistas na matéria dentro e fora de portas. Tema-se o pior.

«PINTO DA COSTA é o Al Pacino da FC Porto», afirmou Benni McCarthy, que jogou no FC Porto entre 2003 e 2006, numa entrevista à RTP. Trata-se de um elogio. Escusam de se atirar para conclusões precipitadas."

Leonor Pinhão, in A Bola

PS: Temos que perdoar ao Sul-Africano McCarthy este ligeira confusão!!! O que ele quis dizer é que o Pintinho é parecido com Al Capone... mas saiu-lhe da boca o Al Pacino...!!! Confusão que o actor que protagonizou no cinema a personagem do Scarface, não merecia!!!

Filhos e enteados

"Estão a decorrer os Europeus de atletismo em Zurique. Competição sempre bela e, em regra, com sublime ética desportiva. Na semana em que passam 30 anos sobre o inolvidável ouro de Carlos Lopes na maratona dos Olímpicos de Los Angeles.
No dia que antecedeu o início dos Europeus, li e ouvi com atenção as palavras de Nélson Évora, também ilustre campeão olímpico. Palavras que merecem ser reflectidas quando denuncia, sem eufemismos, a diferença de tratamento perante delegações nacionais em competições internacionais.
E com razão. O futebol tudo absorve, tudo domina. Qualquer minudência é amplificada até ao insuportável. A iconografia (às vezes mesmos sob forma subtis de culto de personalidade) alimenta os egos. Qualquer chuto, defesa ou coisas ridículas fora do campo são transformados em feitos só ao alcance dos eleitos por uma qualquer divindade.
Este ano é elucidativo. Portugal esteve no Mundial de futebol, onde semanas a fio, só ouvimos noticiários sobre o tendão rotuliano de Cristiano Ronaldo ou os penteados dos jogadores. Foram recebidos por Presidente, primeiro-ministro, ministros e secretários de Estado. Tiram-se selfies, oferecem-se camisolas, empolgaram-se os discursos perante 23 jogadores, técnicos, dirigentes e restante séquito.
Chegados aos Europeus de atletismo, nem recepções, nem discursos, nem mensagens. Silêncio e desprezo perante uma grande delegação de 44 atletas que, com abnegação, sonho e pouco dinheiro, atingiram patamares elevados. Talvez haja um telegrama caso um dos nossos venha medalhado da Suíça...
Enfim, no desporto português há filhos e enteados. E na política, pais e padrastos."

Bagão Félix, in A Bola

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Zurique: ao centésimo...!!!

No segundo dia dos Europeus de Zurique, mais um grande recorde nacional, mais duas Finais históricas... e mais umas Finais perdidas por - literalmente -, uma unha negra!!!

Podem não concordar, mas para mim, o grande resultado do dia, voltou a ser da exclusiva responsabilidade do Ricardo dos Santos, com um novo recorde nacional dos 400m planos: dois recordes nacionais em dois dias!!! O facto do Ricardo ter ficado fora da Final - por uma unha negra!!! -, não retira em nada o mérito. Aliás, olhando para as marcas, o Ricardo fez o 7.º tempo das 3 Meias-Finais, e mesmo assim ficou de fora!!! O vencedor da 1.ª meia-final fez pior tempo que o Ricardo... aliás não percebi a distribuição dos atletas pelas meias-finais, a 3.ª meia-final teve os 3 atletas mais rápidos...!!!
O Ricardo acabou por ficar a 0,16s da qualificação, do Espanhol, Samuel Garcia. Mas isso agora não interessa, 45,74s é o novo recorde... aos 19 anos de idade.
Tenho que destacar mais uma vez a forma como o Ricardo no final da corrida não aparenta estar cansado... com mais alguns anos poderá ser um grande corredor de 800m, mas para já é procurar chegar aos 44s. Espero que o Ricardo nas próximas semanas faça algumas corridas, porque na forma que se encontra, em condições climatéricas melhores, poderá ainda bater o recorde nacional (novamente) esta época...



A forma como o Yazaldes Nascimento terminou a Final dos 100m poderá deixar a impressão errada. A Final não lhe correu bem, mas ter chegado à Final foi espectacular... Foi pena, hoje não ter conseguido repetir a excelente partida, que teve ontem na qualificação. Nas Meias-Finais, ainda conseguiu reagir nos metros finais, fazendo uma recuperação inacreditável nas últimas passadas, mesmo assim não chegou, e ficou em 3.º (10,30s), a 1 centésimo do Romeno que ficou em 2.º... tivemos que ficar à espera das outras duas Meias-Finais, para saber se o tempo era suficiente para ser repescado, e foi...!!! Deixando de fora por exemplo o holandês-caribenho Churandy Martina (especialista a fazer as Finais, de grandes Campeonatos, inclusive a nível Mundial).
A Final foi atribulada, o Yazaldes pensou que tinha feito falsa partida, já se encaminhava para fora da pista, já estava a arrancar o dorsal, quando percebeu que não foi desclassificado!!! O Inglês 'culturista' Aryeetey tinha-se mexido nos blocos, ainda antes do Yazaldes: a organização podia ter excluído o Inglês; podia ter excluído os dois (já que a falsa partida do Yazaldes pareceu ser 'independente' do movimento do Aryeetey); mas decidiu não desclassificar ninguém!!! Acho que fez bem, pois uma Final é uma Final... e o Inglês ainda chegou ao Bronze, o Yazaldes foi 8.º com 10,46s!!!
Não creio que esta situação tivesse desconcertado o Yazaldes. Esta foi a primeira grande competição do Yazaldes, a este nível... com a pista molhada, e com muitas rajadas de vento, quase sempre contra, o tempo do Yazaldes acabou por ser normal, tendo em conta a carga de corridas em dois dias.
Foi pena, na qualificação, o Yazaldes ter 'descomprimido' antes de cruzar a meta, pois retirou-lhe a hipótese de bater a sua melhor marca, pois nas outras duas corridas nunca mais conseguiu partir da melhor forma... Mas mesmo assim, este Europeu será um Campeonato marcante na carreira do Yazaldes, espero que não seja o último...!!!
Mas agora, ainda vamos ter a Estafeta, onde Portugal tem o 6.º lugar de Gotemburgo como referência...



A Susana Costa no Triplo acabou por salvar a honra nacional... com a favorita às medalhas Patrícia Mamona a ficar no 13.º lugar, portanto fora da Final, por uma unha negra (6 centímetros)!!! Assim foi a atleta do Benfica, com um salto de 13,76m a conseguir a 9.ª posição, e a levar Portugal à Final.
As medalhas são quase impossíveis para a Susana, já que as Russas e a Ucraniana parecem imparáveis, mas se a Susana passar os 14 metros, algo que já fez este ano, tudo é possível...


O Ricardo Ribas não quis problemas lá em casa, e assim nos 10000m acabou por repetir o 12.º lugar (29:09.47min), o mesmo lugar que a sua esposa, a Dulce Félix, obteve na véspera!!!
O Ribas ainda vai fazer a Maratona - a prova principal -, mas o veterano atleta, não quis deixar passar a oportunidade de se estrear num grande Campeonato, na pista: correr a Maratona na estrada, não é a mesma coisa, do que correr dentro de um Estádio...!!!




A desilusão do dia veio da Marcha. Os gémeos Vieira acabaram por desistir, as lesões, e as dificuldades em treinar acabaram por deitar tudo a perder nos 20 Km... No final da prova, o Sérgio Vieira e o irmão estavam bastante emocionados, espero que os desabafos, tenham sido isso mesmo desabafos, e que eles continuem a marchar... Mas compreendo que não é fácil, quando o profissionalismo, é uma ilusão!!!!

O 'poker' e o futuro

"O Benfica termina a época 2013/14 com o pleno. Quatro títulos, o primeiro poker do futebol português, que, desde há 7 anos, é possível alcançar com a introdução da Taça da Liga.
Pela segunda vez na sua história - se bem me lembro - o Benfica conquista a final de um troféu oficial através da marcação de pontapés da marca de grande penalidade. Só havia acontecido na Taça da Liga contra o SCP. Em outras ocasiões, foi derrotado: contra o PSV para a Taça dos Campeões Europeus, contra o FCP na Supertaça (2) e este ano contra o Sevilha para a Liga Europa.
Artur Moraes desafiou o sismógrafo emocional dos benfiquistas. De inseguro vilão a seguríssimo herói, ao defender 60% dos pontapés decisivos. É assim o futebol, alimentado por estas e tantas outras circunstâncias imponderáveis, inesperadas ou até paradoxais.
O Benfica jogou bem. Fez até o melhor jogo nas 3 finais contra o meritório Rio Ave. Bastou ter Luisão, Enzo Pérez e até Jardel para ser uma reedição do Benfica da época que acabou. A maturidade de Eliseu, vindo do exigente futebol espanhol, vai ser muito útil ao colectivo. Talisca e Tiago (Bebé) têm potencial que, por certo, Jorge Jesus vai saber explorar.
Mas com a previsível saída de Enzo (e esperando que Gaitán por cá fique), o sucesso na temporada (sobretudo para ser bicampeão nacional) exige vários reforços. Na baliza, no meio campo e no ataque, sobretudo. O que se estranha é que ainda não esteja fechado o plantel, sabendo-se que tudo isto era previsível e planeável com mais tempo e racionalidade. Agora, o mercado estreita-se, o preço sobe e a adaptação dos jogadores faz-se já em plena competição."

Bagão Félix, in A Bola

Boas notícias de Zurique...

No primeiro dia dos Campeonatos da Europa de Atletismo em Zurique tivemos vários Benfiquistas em acção.
De todos os resultados, tenho que destacar o Recorde Nacional do Ricardo dos Santos nos 400m planos: 45.81s o primeiro Português na casa dos 45s, batendo um recorde nacional com 18 anos. Afirmei há pouco tempo que o Ricardo era atleta para fazer 45 baixos, mas agora tenho que rever a minha 'profecia': se com 19 anos já faz 45 altos (e o Campeonato ainda não acabou!!!), acredito que o Ricardo chegará mais tarde ou mais cedo aos 44s...!!! Mas hoje além do recorde, aquilo que me também impressionou foi a forma descontraída como o Ricardo se apresentou poucos segundos após o final da corrida, nem parecia que tinha feito uma corrida...!!!
As Meias-Finais de amanhã vão ser muito complicadas, apesar do recorde, o Ricardo fez o 11.º tempo das qualificações... hoje, acabou por ter 'sorte' na pista, ficando com o Polaco à sua frente a servir de 'lebre'...!!! Com somente os 2 primeiros de cada Meia-Final (são 3) a passar, e os 2 melhores tempos não vai ser fácil...



A outra grande marca do dia, foi feita pelo Yazaldes Nascimento nos 100m. Ficou a 2 centésimos da sua melhor marca, com 10,27s. E só não bateu esta marca, porque nos últimos metros, descomprimiu e olhou para o lado... foi pena!!! Amanhã nas Meias-Finais não vai ser fácil, apesar de hoje ter feito a 7.ª marca... vão ser 3 corridas, onde passam os 2 primeiros, e são repescados os 2 melhores tempos. Mas se voltar a sair dos blocos como hoje, será meio caminho andado!!! 

Na mesma prova também participou o nosso Diogo Antunes, que não fez melhor que 10,61s ficando em 7.º... podia ter feito melhor marca, partiu muito bem, mas quebrou no final...


Quem voltou a estar numa Final num grande Campeonato, foi o Marco Fortes: de manhã na qualificação fez 20,03m (10.º) e ao final da tarde, na Final ficou pelo 7. lugar, com 20,35m... Num Europeu nivelado por baixo nas marcas, foi pena o Marco não se ter aproximado dos 21 metros, pois teria conquistado ou a medalha de Prata, ou a de Bronze, estava ao seu alcance... mas dentro das últimas marcas do Marco, este acaba por ser um resultado normal...


A outra grande notícia do dia, foi o regresso do Nelson Évora às grandes Finais, nos grandes Campeonatos... Depois do calvário das sucessivas lesões, parece que desta vez o Nelson vai voltar a lutar pelas medalhas, vamos esperar para ver...
Hoje, só precisou de dois saltos para conseguir a qualificação com 16,82m, sendo a 3.ª melhor marca da qualificação... Tudo em aberto, sendo que os 17 metros devem dar medalha, e o Nelson esta época já ficou muito perto várias vezes...

O único resultado do 1.ª dia de competição que ficou abaixo das expectativas, foi a prova da Dulce Félix nos 10 000 metros, 12.ª com 32:35.12min. A Dulce era Campeã da Europa em título, é verdade que os últimos resultados não foram extraordinários, mas pelo menos a medalha estava no horizonte...  A minha desilusão deve-se essencialmente à forma como a corrida decorreu: só houve prova a partir dos 9000 metros!!! A Dulce nunca foi uma terminadora, mas agora que treina para a Maratona ainda pior... desconheço como têm decorrido os treinos da Dulce, mas a estratégia para estar corrida tinha sempre que passar por uma corrida rápida... em conjunto com a Sara Moreira (5.ª), as duas, deveriam ter imposto um ritmo alto, deixar tudo para a velocidade final, nunca poderia dar certo...

O outro Benfiquista em acção foi o Alberto Paulo, nos 3000m Obstáculos, fazendo uma corrida modesta, abaixo do seu potencial normal, mas com todas lesões que lhe têm apoquentado, acaba por não surpreender... Terminou a sua corrida no 13.º lugar com 8:47.18min. O Alberto Paulo no final anunciou que vai ser operado a uma hérnia inginal.

terça-feira, 12 de agosto de 2014

E a propósito de morcegos...

"Benfica e Valência, até ao jogo do passado domingo, só se tinham cruzado três vezes: duas na Venezuela e uma no Estádio da Luz. Com uma curiosidade: todos esses jogos se disputaram em 1955.

OS morcegos estão para Valência como os corvos estão para Lisboa. E isto a propósito do reencontro do Benfica com o Valência Club de Futbol, reencontro esse que se deu quase 60 anos depois de ambas as equipas se terem defrontado. Curiosamente, a história de confrontos entre encarnados e ches (che é uma interjeição muito popular na comunidade valenciana e que depois se espalhou pela Argentina e pelo Uruguai, algo que poderíamos sem grande custo atribuir ao portugusíssimo pá), resume-se a três jogos disputados em 1955, em Julho e Dezembro, respectivamente, mas já lá vamos.
Para já, ainda os morcegos: os murciélagos, dizem eles. Está lá o lídimo represente dessa classe de mamíferos voadores, tanto na heráldica da cidade como na do clube, aliás como igualmente na do vizinho Levante. Há quem explique a presença ilustre do morcego por via de Pedro IV de Aragão, apelidado de O Cerimonioso, rei de Aragão e de Valência e conde de Barcelona (também há o morcego em Barcelona, pois então!), cujo símbolo era um dragão. O tempo deixou esfumar o dragão, pelos vistos. Agarraram-se os valencianos a um bicho mais terreno, menos fantasioso. E veio o morcego. Orgulhoso no peito daqueles que pertencem a um dos maiores clubes de Espanha, seis vezes campeão, sete vezes vencedor da Taça do Rei, vencedor de três Taças UEFA (duas delas ainda Taça das Feiras), de uma Taça das Taças e de duas Supertaças da Europa, sem falar das presenças na final da Liga dos Campeões - logo duas de enfiada, perdidas para o Real Madrid (2000) e Bayern de Munique (2001), esta última só na marcação das grandes penalidades. Foi com este Valência que o Benfica perdeu em Londres, no passado domingo, depois de ter estado tantos e tantos anos sem lhe pôr a vista em cima, apesar de na época anterior quase se terem cruzado na Liga Europa.

Em 1955, foi assim
EM Caracas, no Verão de 1955, o Benfica - que acabara de fazer uma digressão pelo Brasil - participa num torneio de prestígio, acompanhado pelo La Salle (Venezuela), pelo Valência (Espanha) e pelo São Paulo (Brasil) - jogando a duas «mãos» como um verdadeiro campeonato. Chamaram-lhe a Pequena Copa do Mundo / Copa Marcos Pérez Giménez. Resultados, jornada a jornada: 1.ª jornada: La Salle, 4 - São Paulo, 1; Valência, 4 - Benfica -3; 2.ª jornada: La Salle, 1 - Valência, 1; Benfica, 0 - São Paulo, 0; 3.ª jornada: La Salle, 1 - Benfica, 4; Valência, 0 - São Paulo, 2; 4.ª jornada: Valência, 4 - La Salle, 0; Benfica, 2 - São Paulo, 4; 5.ª jornada: São Paulo, 3 - La Salle, 1; Benfica, 2 - Valência, 1; 6.ª jornada: Benfica, 0 - La Salle, 0; São Paulo, 1 - Valência, 1.
O São Paulo sagra-se vencedor do torneio e a cerimónia final é cheia de pompa e circunstância, como se de um verdadeiro Campeonato do Mundo se tratasse. Disputara-se entre 17 de Julho e 2 de Agosto. O troféu principal, a Copa General Marcos Pérez Giménez é entregue aos brasileiros, treinados por Vicente Feola, e que contam com nomes de enorme categoria como De Sordi, Bauer, Mauro, Dino Sani, Canhoteiro ou Pé de Valsa. Outros 16 troféus são distribuídos pelas equipas, cabendo três ao Benfica. Águas impunha-se como grande goleador e assinou exibição memorável contra o Valência, na vitória por 2-1, marcando os dois golos. O regresso voltava a ser saboroso após mais uma viagem esgotante: também em Caracas os jogos em que o Benfica participou foram os que atraíram mais público.
Passaram depressa, os meses. Em Dezembro, primeiro dia, comemorou-se um ano sobre a inauguração do Estádio da Luz. Convidado? O mesmo Valência que em Julho, na Venezuela, defrontara o Benfica por duas vezes. Vitória dos da casa por 3-2, com golos de Garrido, Águas e Cavém. O treinador Otto Glória, o único antes de Jesus a jogar contra os ches. E, por falar em Cavém, registou-se nesse jogo a sua estreia: Domiciano Barrocal Gomes Cavém, natural de Vila Real de Santo António. Dificilmente algum outro terá sido tão adaptável como ele a qualquer lugar na equipa.
Pois é, pois é... já lá vão quase 59 anos. Mas, como dizia Iva Delgado, filha do General-Sem-Medo, a memória nunca prescreve. Pelo menos no que nos diz respeito."

Afonso de Melo, in O Benfica

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Penalty's justiceiros...!!!

Benfica 0 (3) - (2) 0 Rio Ave

Pois é, parece incrível, mas a equipa que aparentemente vai lutar pela manutenção, a equipa do plantel destruído, a equipa do treinador desorientado, a equipa dos Fundos, a equipa dos incompetentes, o Clube falido, além de ter enchido mais um Estádio de Futebol em Portugal, além de ter vencido mais um troféu, além de tudo isso... massacrou completamente o adversário (adversário valoroso diga-se... que nos últimos dias foi elogiado por todos, devido aos seus resultados Europeus)... Se no Futebol houvesse justiça, o Benfica teria vencido pelo menos por 4-0... e não teria havido penalty's, nem prolongamento...
Mas pronto, esta noite os trolls do 'fim-do-mundo' vão amochar um pouco, mas tenho a certeza que amanhã, o mais tardar na Terça-feira, a lenga-lenga do fim-do-mundo-benfiquista vai voltar, para felicidade de muitos... com as TV's a fazerem programas especiais todas as noites, dando tempo de antena aos profetas do 'fim' do Benfica; os jogadores do Benfica vão voltar às capas dos jornais, anunciando vendas, que por acaso já foram anunciadas por mais de 90 vezes, garantido em quase todas, o agendamento dos testes médicos para o dia seguinte!!! E assim irá continuar o festival online, com felizes 'benfiquistas' anunciado o cancelamento da BTV, o não pagamento de quotas, a marcação de manifestações, a criação de movimentos contestatários, todos os dias, com nomes diferentes... propondo medidas, que no FM por acaso até resultam...!!!
Tenho consciência, que muito do barulho online, é feito por trolls Lagartos e Andrades infiltrados, sei que as agências de comunicação (pagas por inimigos do Benfica, ou por aspirantes a Tacho no Benfica), têm departamentos profissionais, especialistas na desinformação, na calúnia, na mentira, nas conspirações... que muitos idiotas úteis bebem, como não houvesse amanhã, mas muito sinceramente a paciência começa a faltar... Considero-me uma pessoa q.b. tolerante, mas festejar vitórias do Benfica ao lado de gente que passa o ano todo, todos os dias, todos os minutos, a denegrir o Benfica, os seus dirigentes, os seus treinadores, e os seus jogadores... já não tenho estômago!!!
Não vale a pena analisar ao pormenor o jogo, nem as exibições individuais. O massacre foi tal... concordo totalmente com o Jesus: das 3 Finais com o Rio Ave este foi o nosso melhor jogo, por larga margem!!! O regresso do Luisão, do Jardel e do Enzo, foi o suficiente para a equipa voltar a ter equilíbrio... Talvez ainda por falta de confiança, o Jesus tardou em fazer as substituições, mas notei, que neste momento será difícil fazer a rotação que fizemos o ano passado... Com o decorrer da época, é provável que este problema possa ser minimizado... mas até final de Agosto precisámos pelo menos 3 reforços.
O Eliseu mostrou que para consumo interno, deve ser suficiente... o Talisca jogou na sua posição natural. O Ola entrou bem, mas continua a mostrar fraco poder de decisão... O Bebé vai ser útil, noutro tipo de jogos.
O Artur acabou por ser o herói da Supertaça, defendendo 3 grandes penalidades, mas durante o jogo voltou a testar o coração dos Benfiquistas... Já vi o Platini, e o Roberto Baggio decidir jogos, falhando penalty's, depois de terem sido os melhores em campo, hoje com tanto desperdício, só podia ser o Artur a decidir o jogo a nosso favor... mas isto não pode influenciar a politica de contratações do Benfica até o dia 31 de Agosto!!!
Uma nota final para os 3 lances onde os jogadores do Rio Ave jogaram a bola com os braços dentro da área, e nada foi marcado... sendo que em 2 situações, ficaram dois penalty's por marcar... daqueles que até da Lua se viam... e não era preciso estarmos em período de Lua Cheia!!!

domingo, 10 de agosto de 2014

Prata Mundial...

Grande resultado do quarteto nacional, no Mundial de Canoagem, em Moscovo, na distância Olímpica de K4 1000m... com o nosso João Ribeiro a bordo, Portugal conquistou a medalha de Prata. Tendo como companhia o Fernando Pimenta, o Emanuel Silva e o David Fernandes...
Depois de ter falhado a participação nos Jogos Olímpicos de Londres, o João tem estado imparável, já tem uma colecção muito interessante, entre Mundiais e Europeus. Mas desta vez, foi numa prova, que está no calendário Olímpico para o Rio 2016.
Creio que o 'mau' resultado no K1, e no K2 acabou por ajudar o K4...
A Teresa Portela não conseguiu chegar às medalhas, mas também merece referência, com o 5.º lugar na Final de K1 500m e o 7.º lugar no K1 200m... A Teresa é uma das melhores Canoístas a nível Mundial, e no futuro próximo vai continuar a trazer grandes resultados para o Benfica e para Portugal.