Últimas indefectivações

terça-feira, 6 de maio de 2014

Sócios

Porque o trinta e três começou com o primeiro de três

"Em 1935/36 o Benfica sagrava-se Campeão Nacional. O treinador era húngaro, chamava-se Lipo Herczka e já tinha ganho em Espanha com o Real Madrid.

EM tempo de 33 vamos ao 1. Ou melhor: em tempo de 33 vamos até 35/36. Sim, porque para chegar a este número tão redondo de 33 Campeonatos ganhos, foi preciso começar por algum lado.
E o Benfica começou por 1935/36: é essa a época do seu primeiro título nacional.
Nessa altura o presidente era Vasco Ribeiro. E o treinador, um húngaro: Lipo Herczka. Herczka era conhecido pelo seu mau feitio. Já tinha sido campeão pelo Real Madrid. Pelo Benfica foi três vezes de enfiada. Depois viria a treinar também o FC Porto, mas sem tanto sucesso. Morreu em Montemor-o-Velho no dia 14 de Março de 1951. E lá está sepultado.
Dizem os velhos senhores da crónica de então que Herczka era um amante do Futebol bonito, de toque de bola, à húngara.
Na época anterior, o técnico do Benfica tinha sido Vítor Gonçalves, jogador de méritos, internacional por Portugal, pai do general Vasco Gonçalves, esse mesmo!, o da «Força, força companheiro Vasco/Nós seremos a muralha d'aço».
A época anterior também fora a da estreia do primeiro Campeonato Nacional, denominado I Liga. O Benfica não foi além do terceiro lugar, atrás do Sporting e do campeão FC Porto.
Mas as coisas estavam para mudar. E de que maneira.

Os primeiros Campeões foram estes!
LIPO Herczka chegou e o Benfica arrancou logo para três títulos consecutivos. Mas é o primeiro dos três que nos traz aqui.
Entra agora a lista dos campeões: Tavares foi o único guarda-redes utilizado. Depois: Gatinho, Valadas, Gustavo, Albino, Torres, Xavier, Rogério de Souza, Vítor Silva, Francisco Costa, Gaspar, Guedes, Cardoso, Domingos Lopes, Correia e Baptista.
Pois... Enquanto revêem as imagens da festa do Marquês e por aí fora, lembrem-se que estes fora os primeiros.
Valadas foi o melhor marcador da equipa: fez 12 golos. Seguiram-se Torres, com 9, e Vítor Silva com 7.
O Campeonato era disputado por oito equipas: 14 jornadas, portanto.
O Benfica foi Campeão com 21 pontos (44 golos marcados e 23 sofridos); o FC Porto segundo com 20; o Sporting terceiro com 18; Belenenses em quarto com 17. Seguiram-se por esta ordem: Vitória de Setúbal, Boavista, Carcavelinhos e Académica.
Vejamos, então, como decorreram as coisas. Na primeira jornada, o Benfica recebe o Vitória de Setúbal e vence por 5-3 nas Amoreiras. Em seguida vai às Salésias defrontar o Belenenses e perde por 1-3. Arranque titubeante. Até porque a terceira jornada dita um FC Porto-Benfica, no Campo do Ameal: empate 2-2. Nada de muito entusiasmante. Era preciso encarrilar vitórias. E surgem logo três bem gordas: em Coimbra, frente à Académica (6-2), no Campo Grande, frente ao Sporting (4-2), e nas Amoreiras, frente ao Boavista (8-2). A primeira volta fecha com uma vitória caseira às custas do Carcavelinhos (2-1).
O Benfica reata o Campeonato com um empate em Setúbal (3-3) e outro, nas Amoreiras, com o Belenenses (0-0).
É preciso reagir. E a equipa reage: goleia o FC Porto por 5-1. Segue-se um empate inesperado, na Tapadinha, à custa do Carcavelinhos (0-0). Finalmente duas vitórias que abrem os portões do título: ambas em casa, com a Académica e com o Sporting, e ambas por 3-1. Na última jornada, no Bessa, o empate frente ao Boavista (2-2) garante o primeiro título de Campeão Nacional aos 'encarnados'.
Outros se seguiram. Muitos outros. Precisamente mais 32..."

Afonso de Melo, in O Benfica

Lixívia 29

Tabela Anti-Lixívia:
Benfica......74 (-7) = 81
Sporting........67 ( 0) = 67
Corruptos...58 (+3) = 55
Braga.........37 (+1) = 36

Na despedida da Luz, levámos com o Duarte Gomes, que como é habitual gosta sempre de demonstrar, que a fama de ser Benfiquista não o impede de decidir 'contra' o Benfica. O penalty do Maxi foi indiscutível, mas no resto do jogo foi a típica miséria franciscana, onde as regras são diferentes conforme a cor das camisolas: o critério das faltas a meio-campo foi simplesmente vergonhoso. Conseguiu mesmo, irritar as bancadas, num jogo de grau de dificuldade baixíssimo...

O Cosme em Olhão voltou a espalhar 'competência': 2 penalty's contra os Corruptos não marcados, e 1 penalty a favor dos Corruptos também não assinalado!!!
Na Choupana, o único lance discutível, foi mais um mergulho do Capel... o contacto não me parece suficiente para marcar penalty.
Não vi, nem ouvi, queixas do jogo de Braga.

PS: A nomeação do Hugo Miguel para a Final da Taça da Liga, é mais um episódio escabroso das nomeações para jogos do Benfica, nos últimos tempos!!! Tenho avisado os meus amigos que o jogo será muito complicado: pela qualidade do adversário, pela  - muito - provável falta de qualidade do relvado... e agora com este a apitar, acho mesmo que o favoritismo do Benfica, não é mais do que 55-45!!!

Anexos:
Benfica
1.ª-Marítimo(f), D(2-1), Jorge Sousa, Prejudicados, (2-2), (-1 ponto)
2.ª-Gil Vicente(c), V(2-1), Paulo Baptista, Prejudicados, Sem influência no resultado
3.ª-Sporting(f), E(1-1), Hugo Miguel, Prejudicados, (0-2), (-2 pontos)
4.ª-Paços de Ferreira(c), V(3-1), Paixão, Nada a assinalar
5.ª-Guimarães(f), V(0-1), Bruno Esteves, Prejudicados, Sem influência no resultado
6.ª-Belenenses(c), E(1-1), Jorge Tavares, Prejudicados, (2-0), (-2 pontos)
7.ª-Estoril(f), V(1-2), Manuel Mota, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
8.ª-Nacional(c), V(2-0), Jorge Ferreira, Nada a assinalar
9.ª-Académica(f), V(0-3), Hugo Pacheco, Prejudicados, Sem influência no resultado
10.ª-Braga(c), V(1-0), Nuno Almeida, Prejudicados, Sem influência no resultado
11.ª-Rio Ave(f), V(1-3), Paixão, Nada a assinalar
12.ª-Arouca(c), E(2-2), Rui Costa, Prejudicados, Beneficiados, (3-2), (-2 pontos)
13.ª-Olhanense(f), V(2-3), Vasco Santos, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
14.ª-Setúbal(f), V(0-2), Paulo Baptista, Prejudicados, (0-3), Sem influência no resultado
15.ª-Corruptos(c), V(2-0), Soares Dias, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado
16.ª-Marítimo(c), V(2-0), Hugo Miguel, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
17.ª-Gil Vicente(f), E(1-1), Paixão, Prejudicados, (1-2), (-2 pontos)
18.ª-Sporting(c), V(2-0), Marco Ferreira, Nada a assinalar
19.ª-Paços de Ferreira(f), V(0-2), Duarte Gomes, Prejudicados, Sem influência no resultado
20.ª-Guimarães(c), V(1-0), Nuno Almeida, Prejudicados, Sem influência no resultado
21.ª-Belenenses(f), V(0-1), Jorge Ferreira, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
22.ª-Estoril(c), V(2-0), Paulo Baptista, Beneficiados, Prejudicados, (3-1), Sem influência no resultado
23.ª-Nacional(f), V(2-4), Manuel Mota, Prejudicados, (1-4), Sem influência no resultado
24.ª-Académica(c), V(3-0), Rui Costa, Prejudicados, (4-0), Sem influência no resultado
25.ª-Braga(f), V(0-1), Proença, Prejudicados, Sem influência no resultado
26.ª-Rio Ave(c), V(4-0), Cosme Machado, Nada a assinalar
27.ª-Arouca(f), V(0-2), Hugo Miguel, Nada a assinalar
28.ª-Olhanense(c), V(2-0), Xistra, Prejudicados, (3-0), Sem influência no resultado
29.ª-Setúbal(c), E(1-1), Duarte Gomes, Nada a assinalar

Sporting
1.ª-Arouca(c), V(4-1), Rui Costa, Nada a assinalar
2.ª-Académica(f), V(0-4), Soares Dias, Beneficiados, Sem influência no resultado
3.ª-Benfica(c), E(1-1), Hugo Miguel, Beneficiados, (0-2), (+1 pontos)
4.ª-Olhanense(f), V(0-2), Benquerença, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
5.ª-Rio Ave(c), E(1-1), Xistra, Prejudicados, (2-1), (-2 pontos)
6.ª-Braga(f), V(1-2), Paulo Baptista, Nada a assinalar
7.ª-Setúbal(c), V(4-0), Duarte Gomes, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
8.ª-Corruptos(f), D(3-1), Soares Dias, Nada a assinalar
9.ª-Marítimo(c), V(3-2), Bruno Esteves, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
10.ª-Guimarães(f), V(0-1), Paulo Baptista, Nada a assinalar
11.ª-Paços de Ferreira(c), V(4-0), Jorge Ferreira, Nada a assinalar
12.ª-Gil Vicente(f), V(0-2), Jorge Sousa, Nada a assinalar
13.ª-Belenenses(c), V(3-0), Hugo Pacheco, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
14.ª-Nacional(c), E(0-0), Miguel Mota, Nada a assinalar
15.ª-Estoril(f), E(0-0), Proença, Nada a assinalar
16.ª-Arouca(f), V(1-2), Cosme Machado, Beneficiados, Impossível contabilizar
17.ª-Académica(c), E(0-0), Paulo Baptista, Prejudicados, (1-0), (-2 pontos)
18.ª-Benfica(f), D(2-0), Marco Ferreira, Nada a assinalar
19.ª-Olhanense(c), V(1-0), Hugo Miguel, Prejudicados, Sem influência no resultado
20.ª-Rio Ave(f), V(1-2), Jorge Ferreira, Nada a assinalar
21.ª-Braga(c), V(2-1), Soares Dias), Nada a assinalar
22.ª-Setúbal(f), E(2-2), Vasco Santos, Prejudicados, Beneficiados, (1-1), Impossível contabilizar
23.ª-Corruptos(c), V(1-0), Proença, Beneficiados, (0-1), (+3 pontos)
24.ª-Marítimo(f), V(1-3), Jorge Sousa, Prejudicados, (1-4), Sem influência no resultado
25.ª-Guimarães(c), V(1-0), Nuno Almeida, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
26.ª-Paços de Ferreira(f), V(1-3), Xistra, Nada a assinalar
27.ª-Gil Vicente(c), V(2-0), Bruno Esteves, Nada a assinalar
28.ª-Belenenses(f), V(0-1), Cosme Machado, Nada a assinalar
29.ª-Nacional(f), E(1-1), Rui Costa, Nada a assinalar

Corruptos
1.ª-Setúbal(f), V(1-3), João Capela, Beneficiados, Impossível contabilizar
2.ª-Marítimo(c), V(3-0), Jorge Ferreira, Beneficiados, Sem influência no resultado
3.ª-Paços de Ferreira(f), V(0-1), Rui Costa, Beneficiados, (0-0), (+2 pontos)
4.ª-Gil Vicente(c), V(2-0), Hugo Pacheco, Prejudicados, (3-0), Sem influência no resultado
5.ª-Estoril(f), E(2-2), Rui Silva, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
6.ª-Guimarães(c), V(1-0), Proença, Beneficiados, (0-0), (+2 pontos)
7.ª-Arouca(f), V(1-3), Vasco Santos, Beneficiados, Impossível contabilizar
8.ª-Sporting(c), V(3-1), Soares Dias, Nada a assinalar
9.ª-Belenenses(f), E(1-1), Miguel Mota, Beneficiados, (2-1), (+1 ponto)
10.ª-Nacional(c), E(1-1), Xistra, Nada a assinalar
11.ª-Académica(f), D(1-0), Capela, Beneficiados, (2-0), Sem influência no resultado
12.ª-Braga(c), V(2-0), Paulo Baptista, Nada a assinalar
13.ª-Rio Ave(f), V(1-3), Bruno Esteves, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
14.ª-Olhanense(c), V(4-0), Hugo Miguel, Prejudicados, (5-0), Sem influência no resultado
15.ª-Benfica(f), D(2-0), Soares Dias, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
16.ª-Setúbal(c), V(3-0), Hugo Pacheco, Nada a assinalar
17.ª-Marítimo(f), D(1-0), Nuno Almeida, Nada a assinalar
18.ª-Paços de Ferreira(c), V(3-0), Cosme Machado, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado
19.ª-Gil Vicente(f), V(1-2), Paulo Baptista, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
20.ª-Estoril(c), D(0-1), Vasco Santos, Nada a assinalar
21.ª-Guimarães(f), E(2-2), Marco Ferreira, Nada a assinalar
22.ª-Arouca(c), V(4-1), Hugo Miguel, Beneficiados, Impossível contabilizar
23.ª-Sporting(f), D(1-0), Proença, Prejudicados, (0-1), (-3 pontos)
24.ª-Belenenses(c), V(1-0), Xistra, Beneficiados, Impossível contabilizar
25.ª-Nacional(f), D(2-1), Capela, Prejudicados, Beneficiados, (1-1), (-1 ponto)
26.ª-Académica(c), V(3-1), Manuel Mota, Nada a assinalar
27.ª-Braga(f), V(1-3), Rui Costa, Prejudicados, (1-5), Sem influência no resultado
28.ª-Rio Ave(c), V(3-0), Nuno Almeida, Nada a assinalar
29.ª-Olhanense(f), D(2-1), Cosme Machado, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado

Braga
1.ª-Paços de Ferreira(f), V(0-2), Bruno Paixão, Nada a assinalar
2.ª-Belenenses(c), V(2-1), Xistra, Beneficiados, Impossível contabilizar
3.ª-Gil Vicente(f), D(1-0), Vasco Santos, Beneficiados, Sem influência no resultado
4.ª-Estoril(c), V(3-2), Capela, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
5.ª-Arouca(f), V(0-1), Marco Ferreira, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
6.ª-Sporting(c), D(1-2), Paulo Baptista, Nada a assinalar
7.ª-Nacional(f), D(3-0), Soares Dias, Nada a assinalar
8.ª-Académica(c), D(0-1), Benquerença, Beneficiados, Sem influência no resultado
9.ª-Rio Ave(c), D(0-1), Jorge Tavares, Nada a assinalar
10.ª-Benfica(f), D(0-1), Nuno Almeida, Beneficiados, Sem influência no resultado
11.ª-Olhanense(c), V(4-1), Soares Dias, Nada a assinalar
12.ª-Corruptos(f), D(2-0), Paulo Baptista, Nada a assinalar
13.ª-Setúbal(c), V(2-0), Xistra, Nada a assinalar
14.ª-Marítimo(f), E(2-2), Rui Costa, Nada a assinalar
15.ª-Guimarães(c), V(3-0), Benquerença, Nada a assinalar
16.ª-Paços de Ferreira(c), E(1-1), Proença, Nada a assinalar
17.ª-Belenenses(f), D(2-1), Jorge Tavares, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
18.ª-Gil Vicente(c), V(4-1), Capela, Nada a assinalar
19.ª-Estoril(f), D(2-1), Xistra, Nada a assinalar
20.ª-Arouca(c) E(2-2), Duarte Gomes, Nada a assinalar
21.ª-Sporting(f), D(2-1), Soares Dias, Nada a assinalar
22.ª-Nacional(c), V(2-1), Nuno Almeida, Nada a assinalar
23.ª-Académca(f), E(1-1), Marco Ferreira, Nada a assinalar
24.ª-Rio Ave(f), E(1-1), Rui Silva, Beneficiados, (2-0), (+1 ponto)
25.ª-Benfica(c), D(0-1), Proença, Beneficiados, Sem influência no resultado
26.ª-Olhanense(f), V(0-2), Duarte Gomes, Nada a assinalar
27.ª-Corruptos(c), D(1-3), Rui Costa, Beneficiados, (1-5), Sem influência no resultado
28.ª-Setúbal(f), E(1-1), Hugo Miguel, Prejudicados, (1-2), (-2 pontos)
29.ª-Marítimo(c), E(1-1), Capela, Nada a assinalar

Jornadas anteriores:

Épocas anteriores:

segunda-feira, 5 de maio de 2014

If you...

Escalada...

Os três trabalhos de Jorge Jesus

"O treinador do Benfica tem em agenda um desafio que poucos enfrentaram: preparar uma equipa para três finais em 11 dias.

O Benfica inicia na próxima quarta-feira, em Leiria, uma caminhada que pode levá-lo a um cume nunca antes atingido. No limite, os encarnados jogam para vencer tudo, proeza jamais escrita no livro de honra da Luz.
Há um ponto em comum entre as três finais que a equipa de Jorge Jesus tem de disputar entre 8 e 18 de Maio: o favoritismo. Esse é o primeiro inimigo que o Benfica deve combater, se quiser levar a sua nau a bom porto. Bastará que os jogadores e técnicos encarnados se recordem da última passagem pelo Jamor para captarem o sentido do que acabei de escrever.
O segundo inimigo é a confusão: se o Benfica jogar a final de Leiria a pensar na final de Turim e a final de Turim a pensar na final do Jamor, arrisca-se a dar-se mal. Isto não invalida que Jorge Jesus, até pelos castigos, separe as águas. Mas - num caso como este, pouco visto até em termos internacionais, de tantas decisões em tão pouco tempo - a clareza e a concentração para cada objectivo são absolutamente fundamentais.
Além dos inimigos, já identificados, há os adversários, Rio Ave e Sevilha, duas equipas diferentes, mais cerebral e organizada a turma de Vila do Conde, mais na base da alma e do coração a turma andaluza. Uma e outra sem deverem nada a ninguém no caminho para as finais onde terão o Benfica como adversário.
Jorge Jesus, ao longo da época (especialmente em 2014), tem mostrado mestria na gestão de cada partida. A ver vamos como se aguenta perante o supremo desafio que é ter três finais em 10 dias...

(...)

E os Italianos encarregaram-se de responder-lhe
«Se calhar a estratégia do Benfica de se queixar muito antes do jogo acabou por resultar. Acho que o árbitro não esteve à altura do jogo...»
António Conte, treinador da Juventus

ONTEM, perante a derrota da Roma em casa do Catania, António Conte celebrou, mesmo sem jogar, o tricampeonato como técnico da Vecchia Signora, que teve um discurso patético depois de ter sido eliminado pelo Benfica e foi criticado, sem dó nem piedade, pelos media italianos, que acharam que não esteve à altura da Juve.

(...)"

José Manuel Delgado, in A Bola

Parabéns...

"O Benfica volta a estar na final de uma competição europeia ultrapassando com classe a poderosa Juventus.
O jogo de Turim foi de enorme exigência sendo este empate um dos mais saborosos da história do Benfica.
Jogou com 10 desde o minuto 66, por expulsão de Enzo, e terminou com 9 em campo após a lesão de Garay.
O Benfica precisou de ser muito competente para chegar à final de Turim.
Coesão, garra e determinação foram fundamentais para o sucesso que pode transformar o actual momento numa época de sonho onde já conquistou o título nacional e tem três finais para jogar.
Saber sofrer é uma virtude extraordinária. É isso que tem acontecido numa impressionante e inesquecível época desportiva. Este sucesso desportivo também contribui para que Portugal ganhe prestígio internacional no futebol.
Já aqui escrevi sobre Luís Filipe Vieira, Jorge Jesus e Luisão e o seu papel na vitória do campeonato. Hoje acrescento o nome do jovem Oblak que fez uma exibição soberba mostrando coragem e segurança não dando qualquer hipótese aos avançados da Juventus.
O presente mês de Maio vai ser certamente de enorme intensidade para as águias de Jesus. Se não, vejamos: na quarta-feira joga em Leiria a Taça da Liga; no dia 14 vai a Turim discutir a Liga Europa com o Sevilha; e poucos dias depois, mais concretamente a 18 de Maio, joga no Jamor a final da Taça de Portugal frente ao Rio Ave.
Poderá ser uma época de sonho vencendo no mesmo ano um conjunto significativo de troféus nacionais e internacionais.
Ficará na história o ano de 2014, marcando de forma indelével os protagonistas do sucesso. Podem ser mesmo considerados heróis.
Parabéns."

Hermínio Loureiro, in A Bola

270 minutos

"O Benfica tem pela frente duzentos e setenta minutos de finais. Como escreveu Miguel Zamora «sem fé, o futuro era uma ilusão»!


1. Hoje, à tarde, o Estádio da Luz viverá, no fervor legítimo das suas bancadas bem coloridas, o seu penúltimo jogo oficial da presente época desportiva. Mas o último que envolve o Benfica. Com transmissão natural na Benfica TV. O campeão voltou! E acolherá um Vitória de Setúbal bem liderado por José Couceiro e com um conjunto de jogadores, bem jovens, que merecem particular atenção e acrescido respeito. E veremos, desde já, e na sua envolvência, um conjunto significativo de alterações que preparam o ambiente para a realização, no centenário da nossa Federação, da final da Liga dos Campeões. O jogo que encerra a época. De hoje a vinte dias Lisboa será a capital do futebol europeu e a montra global da indústria, bem capitalista, do futebol mundial. Os dois grandes clubes de Madrid arrastarão a Lisboa milhares de adeptos. Por terra e pelo ar. E pelos carris! E nós teremos o gosto e a satisfação de acolher Cristiano Ronaldo e Pepe, Bale e Diego Costa e, em particular, dois nomes que o mundo benfiquista não esquece e que são Fábio Coentrão e Tiago. Nas próximas duas semanas o Estádio da da Luz passará a ser o Estádio da UEFA. É uma honra para o Benfica, para a nossa Federação e para Portugal! Mesmo que alguns intelectuais não gostem nem de futebol nem das suas tertúlias. Como nós poderemos não gostar, ou estar cansado, das suas repetidas afirmações!


2. Mas o Benfica tem pela frente duzentos e setenta minutos de finais. Como escrever Miguel Zamora «sem fé, o futuro era uma ilusão»! Tenho fé nestes noventa vezes três. Nestas três finais que nos esperam. Duas em Portugal. E ambas contra o mesmo adversário, o Rio Ave. A primeira decorrerá já na próxima quarta-feira em Leiria e nela estará em causa a conquista da Taça da Liga. Taça que o Benfica sempre respeitou e que merece continuar no calendário desportivo português. Só merece mais carinho e, logo, ser apetecível para os potenciais patrocinadores. A segunda final decorrerá no emblemático Estádio Nacional. Será de hoje a quinze dias. E com os primeiros minutos a serem transmitidos pela RTP a preto e branco. Recordando outros tempos do futebol. E acompanhado o centenário da Federação Portuguesa de Futebol. E dando sinal que o mundo mudou. É que eu sou filho de uma televisão que era única. Era à sua volta que se reunia a Família e assistia, em conjunto, aos programas. Fui criança com a televisão a preto e branco e assisti à guerra do Vietname, à chegada do homem à Lua, à presença de Portugal no Mundial de 66 e às duas primeiras finais europeias do Benfica. Eu cresci e comigo cresceu a televisão. Mais tempo de emissão. Outro canal, primeiro o dois. De preto e branco passou a cores. Deixou de ser única e passou a ser múltipla. Canais privados. Canais temáticos. Canais de todo o mundo. E, agora, até programamos o nosso tempo de televisão. O que significa, na linha de uma frase célebre de Barak Obama que, sim, nós pudemos. Frase que deu lugar a uma canção interpretada pelos Black Eyed Peas e que, de certa forma, - assumo a ousadia! - representou o caminho do Benfica nos últimos meses. Caminho que envolveu humildade - reduzindo a euforia - sofrimento, convicção, paixão, fidelidade a um modelo e sentimento de equipa. E é este caminho que nos trouxe de Turim e que nos levará, no próximo dia 14, de novo, à bonita cidade que chegou a ser, no final do século XIX, capital de Itália. Ali fomos felizes, muito felizes, na quinta-feira passada. Com sofrimento como vimos em Garay. Com fidelidade a um modelo com sentimos no momento da expulsão de Enzo Pérez. E com a convicção que irradiava de Luís Filipe Vieira ao arranque do jogo: «Acreditai que voltaremos a este Estádio neste mês!» Ali regressaremos. Com ânimo. Para disputar, frente a um Sevilha com a fúria da Andaluzia espanhola, a final da Liga Europa. Para desgosto, com insultos, de alguns furiosos adeptos da Juventus. Como bem senti na passada quinta-feira, perto das onze da noite, em Turim! Mas logo a seguir reli uma reedição de um livro de Tim Parks que nos relata a Itália através do futebol. Dos seu calcio! Que relato!

3. O Benfica desta época, mesmo faltando estes duzentos e setenta minutos - sem prolongamentos! - é um dos exemplos da tripla liderança. Liderança do seu Presidente. liderança do seu treinador. Liderança dos seu capitão. Liderança, individual, liderança de equipa e liderança organizativa. Aquilo que em termos empresariais determina, e impõe, o fluir, o in-fluir e o con-fluir! O que nos leva a Menandro quando escreveu que «quem tem vontade, tem força»! Muita força!

4. (...)"

Fernando Seara, in A Bola

Amorim, o Nené do século XXI

"Há um instante do jogo de Turim que definiu tudo: Amorim avançou cinco metros. Nem precisou de tocar na bola para decidir a eliminatória.

ERA adolescente quando comecei a ouvir a frase que ficou encostadinha aos meus tímpanos durante anos e anos: Nené é muito bom a jogar sem bola. Demorei a perceber o que era, exactamente, jogar sem bola, sobretudo porque via Nené a marcar golos atrás de golos, logo a jogar pouco sem bola e muito com ela. Mais tarde, claro, percebi. Era, no fundo, não precisar da bola para enganar um adversário, deslocar um outro ou abrir espaços na defesa para outros marcarem. Para mim, portanto, Nené passou a ser craque: marcava golos como poucos e, sem bola, era considerado um dos maiores. Lembrei-me dele (como se fosse possível esquecê-lo) há três dias, pouco antes das 22 horas de quinta-feira. Pirlo recebeu a bola sobre a esquerda e, instantes antes de a cruzar para a área, Pogba estava em jogo. Quem o colocava em posição regular? O Nené do século XXI: Rúben Amorim. Entre o momento em que Pilro recebeu a bola e a cruzou, passaram décimos de segundo: um, dois, três, não consegui contabilizar. Mas Amorim, apesar de cansado física e mentalmente, fez o que se tornaria decisivo: avançou cinco metros e colocou Pogba em fora-de-jogo. Na sequência, Osvaldo marcou, mas o 1-0 foi invalidado. Houve grande Oblak em Turim, houve enormíssimos Luisão e Garay e houve o movimento de Rúben Amorim, muito bem a jogar sem bola. É um exagero, claro, mas para mim Rúben Amorim é o Nené do século XXI.

(...)"

Rogério Azevedo, in A Bola

Bicampeões

Benfica 3 - 1 Fonte do Bastardo
25-22, 22-25, 25-16, 25-23

É o primeiro Bicampeonato da história do Voleibol Benfiquista, este facto, é suficiente para demonstrar a importância do título conquistado esta tarde.
Só vi o início da partida (1.º set... depois tive que me fazer à estrada...), e muito sinceramente não gostei!!! A equipa pareceu-me demasiado nervosa, e com muitos erros não forçados... Mas o mais importante, é a vitória. Depois de uma época de total domínio, seria de uma injustiça tremenda, a não conquista do Campeonato. Este formato da competição não ajuda nada, mas a equipa parece que se põe a jeito...!!!
Este ano voltámos a ter algumas lesões durante a época (menos que o ano passado), mas na fase decisiva ficámos com praticamente todo o plantel disponível...
Se mantivermos os nossos principais jogadores, creio mesmo, que temos quase a obrigação de 'tentar' as competições europeias. O plantel merece, e não creio que exista conflitos de calendário, o único problema será os custos financeiros... mas repito o plantel merece.
Internamente, para o ano creio que o grau de dificuldade vai aumentar, porque suspeito que os problemas financeiros que impediram os caloteiros do Sp. Espinho, de formar uma equipa forte no início da época, vão desaparecer...!!!

PS: Parabéns ao Flávio, que depois de várias épocas, a representar o derrotado na Final, desta vez, acertou!!!

Descompressão...

Benfica 1 - 1 Setúbal

Era expectável que o jogo de esta tarde, fosse encarado como um jogo treino/festa... Tinha consciência, de que estes ambientes de euforia não são bom conselheiros, só desejo que a descompressão que hoje foi evidente, não tenha efeitos nas próximas Finais, começando na próxima Quarta em Leiria com o Rio Ave.
O resultado até acaba por ser justo, demos demasiadas abébias, mas depois do 1-0, podíamos ter 'morto' a partida, com alguns falhanços escandalosos...
Nem num jogo a feijões, o Duarte Gomes, disfarça a incompetência/vontade em demonstrar que não é Benfiquista!!!
Tenho pena que o Djuricic continue a desperdiçar todas as oportunidades que o Jesus lhe tem dado!!! O Cardozo continua completamente fora de forma, sem confiança, e mais lento do que é habitual(!!!)... hoje, apesar da festa (perdoaram quase tudo...), conseguiu mesmo assim, irritar os adeptos!!!
O André Gomes marcou um excelente golo (curiosamente assistência do Cardozo!!!), porque foi agressivo na jogada, objectivo, e notou-se que após o golo, manteve essa agressividade positiva. Basta manter esta filosofia, durante 90 minutos, e será um enorme jogador... Apesar do individualismo em excesso gostei de ver o Salvio a fazer os 90 minutos, depois de braço partido, e dos dias que passou sem se treinar, demonstrou hoje que podemos contar com ele, nas 3 Finais que faltam... Parabéns ao Paulo Lopes pela estreia no Campeonato, excelente exibição, e com bastante trabalho. Espero que o Maxi ainda tenha combustível na Quarta!!!
Este jogo, em momentos, pareceu-me a Final do Jamor do ano passado!!! Este tipo de descompressão mental, quando ainda temos objectivos pela frente, pode ser perigosa... Quando for preciso, voltar a jogar a 'sério' as pernas podem não responder!!! Espero que ninguém se esqueça disso dentro da equipa... o facto de amanhã haver treino às 10 da matina, é bom sinal...!!!

PS: Alguém tem de me explicar muito devagarinho, como é que num jogo a feijões, os jogadores do Setúbal sentiram a necessidade de fazer anti-jogo para garantir o empate!!! A mediocridade mental destes profissionais é extraordinária...

domingo, 4 de maio de 2014

Festival ofensivo...!!!

Benfica 124 - 57 Sampaense
33-12, 27-8, 30-22, 34-15

124 não é um número habitual, muito menos em jogos da Liga Portuguesa. Um autêntico festival de pontos, com 65% nos Triplos (17/26); 70% nos 2 pontos; mais do dobro nos ressaltos (43-20); mais do triplo em número de assistências (33-10)!!!
Logo no 1.ª período tivemos direito a várias jogadas de espectáculo com afundanços, e jogadas aéreas... contra-ataques rapidissimos, e o adversário completamente fora da partida, logo nos primeiros minutos!!! Deu inclusive para uma grande rotação, sendo o Jobey o jogador mais utilizado, com somente 23 minutos!!!
Mas ainda falta mais uma vitória, e eles vão querer limpar a imagem do jogo de hoje.

Juniores - 13.ª jornada - Fase Final

Romário Balde
Benfica 1 - 1 Sporting

Empate comprometedor. Parece que gostamos de tornar as coisas mais difíceis!!! Estivemos a perder, e só empatámos a 8 minutos do fim...
É verdade que continuamos à frente, é verdade que continuamos a depender exclusivamente de nós, mas agora estamos obrigados a vencer na próxima semana no antro Corrupto (o Braga vai a Leiria), que como é norma, vão-se esfarrapar todos, para que isso não aconteça, mesmo quando não têm nada a ganhar com isso...!!! Mas será engraçado, se o Benfica voltar a festejar o título no Olival... em ambas equipas existem vários jogadores, que faziam parte das equipas de Juvenis o ano passado, e como se devem recordar, o jogo do título, terminou com mais um festival de azia (e porrada!!!), em doses industriais!!!

Os 2 pontos perdidos estupidamente na 1.ª jornada com o Leixões, podem vir a fazer falta... Será de uma injustiça tremenda se o Braga for Campeão... será provavelmente dos Campeões mais fraquinhos da história da competição. Para que isso não aconteça, o Benfica tem que jogar com tudo no antro Corrupto, sem complexos, e com muita garra... Merecemos o título.

Benfica.............30
Braga................30
Sporting............24
Corruptos..........21
Oeiras...............12
Leiria................11
Leixões...............9
Guimarães...........7

Empatas !!!

Sporting B 1 - 1 Benfica B

As crónicas, falam em jogo equilibrado, com o Benfica a ser mais objectivo, mas sem grandes oportunidades. O jogo ficou marcado por várias lesões: Urreta, Filip Markovic...

Desilusão...

Benfica 6 - 7 Fundão

Não vi o jogo, estava na Luz, mas as informações que me iam chegando, diziam mais ou menos isto: Benfica a falhar golos inacreditáveis e o Marcão a facilitar...!!! Não sei se a critica é justa, mas que pelo menos este resultado sirva de aviso... sofrer 7 golos do Fundão, uma equipa que normalmente nestes jogos, defende com muitos, é obra!!!
O nome do adversário não dignifica a derrota, mas este Fundão eliminou desta Taça o Sporting, e tem inclusive hipótese de chegar à Final do Play-off (onde provavelmente jogará as Meias com os Lagartos...). O Benfica, não pode facilitar, o jogo de ontem talvez tenha sido demasiado fácil... os problemas físicos do Joel e do Gonçalo não ajudam, mas tínhamos a obrigação de vencer esta Taça.

PS: Em sentido contrário a nossa equipa feminina, venceu hoje a Final da Taça de Portugal de Futsal. As coisas no Campeonato não estão a correr bem, mas hoje não demos hipóteses e derrotámos as nossas grandes rivais a Quinta dos Lombos, por 5-0. Parabéns meninas...

sábado, 3 de maio de 2014

Mais uma Final amanhã... Força Benfica !!!

Benfica 5 - 0 Arsenal Parada

Muitos golos falhados, nesta meia-final da Taça de Portugal, com um adversário de uma divisão menor. Ao intervalo, vencíamos por 1-0, após um golo, onde a bola bateu no poste, bateu nas costas do guarda-redes, bateu no braço do guarda-redes, e só depois na recarga, o Henmi marcou!!!
O Joel e o Gonçalo não jogaram (não sei se estão aptos para amanhã) e fizeram muita falta, principalmente o Joel... Destaco golo do Bruno Coelho, porque depois de início de época a marcar golos, atrás de golos, ultimamente tem estado menos eficiente... o Bruno está a precisar de ganhar confiança no remate...

Amanhã, a Final vai ser jogada com o Fundão. A equipa que eliminou o Sporting. Não vai ser nada fácil, bem pelo contrário... e se os nossos dois veteranos - Joel e Gonçalo -, não jogarem, então será muito complicado... Não podemos facilitar na finalização...

PS: Isto amanhã ao final da tarde, vai ser um fartote de Finais: Futsal, Final da Taça de Portugal; Voleibol, Final do Campeonato... e ainda temos o 2.º jogo das Meias-Finais do Play-off do Basquetebol. Além do último jogo na Luz esta época dos Campeões Nacionais de Futebol...!!! Quase tudo de enfiada!!! Força Benfica...

Primeiro passo...

Benfica 91 - 62 Sampaense
20-10, 21-15, 24-19, 26-18

Jogo competente, sem dar abébias...!!! Este Sampaense não é o 'mesmo' que nos derrotou no início de época, e este Benfica também não é a 'mesma' equipa!!!
Com todos os jogadores aptos, deu para ganhar uma boa vantagem, e dar descanso aos mais utilizados, já que amanhã, temos outro jogo...

Eliminados...

Barcelona 3 - 2 Benfica

Fizemos um bom jogo, mas falhámos demasiados golos (aquela bola do João Rodrigues, que foi aos dois postes, que fazia o 2-0 a nosso favor, ficou atravessada...!!!), mas até conseguimos estar bem na defesa (o nosso sector mais fraco...).
Compreendo que nestes jogos, onde a concentração defensiva é fundamental, exista receio em colocar a jogar, jogadores com menos atributos defensivos, mas o Miguel Rocha merece mais minutos...
Mas o Hóquei em Patins, é uma daquela modalidades, onde o organizador deste tipo de torneios, tem 90% de probabilidades de vencer. O ano passado, contra tudo, e contra todos, conseguimos surpreender, mas isso é algo que acontece de 20 em 20 anos!!! Quando foi conhecido local desta Final 4, fiquei com a convicção que o Campeão Europeu seria o Barcelona. Amanhã os Corruptos, não vão ter hipóteses...
O Barça tem uma boa equipa, mas nada de outro mundo, e hoje o Benfica demonstrou isso.
Só que com 15 minutos de jogo, já o Benfica tinha atingido a 10.ª falta...!!! É verdade que o Trabal defendeu os 3 livres directos, mas a intensidade defensiva do Benfica, teve que baixar, porque se o Benfica defendesse com a mesma agressividade que o Barça, durante todo o jogo, então tínhamos chegado às 50 faltas!!! A partir do momento que o Barça fez o 3-1, o critério mudou (um pouco), mas o mal já estava feito... por exemplo, o 2.º golo do Barcelona (2-1) é num contra-ataque, após uma falta sobre o Valter Neves ter sido 'invertida'!!! Aliás, foram várias as faltas, feitas pelos defesas do Barça, que foram transformadas em faltas ofensivas do Benfica!!! O actual sistema de jogo passivo, é outra das formas 'sujas' de controlar o jogo, hoje, depois do 3-1, foi um espectáculo... também fiquei a saber que se pode jogar a bola com os patins dentro da área, do Barça, pelo menos por duas vezes!!!

Agora temos que nos concentrar no Campeonato, onde surpreendentemente estamos à frente... jogo, a jogo, até ao triunfo final... todos os jogos são fundamentais, o próximo é na Luz com a Oliveirense, na Quara-feira (à hora da Final da Taça da Liga!!!).

Até que a matemática permita !!!

Benfica 31 - 22 Águas Santas

Não deixa de ser irritante, ver esta equipa jogar bem, quando tudo (praticamente...) está perdido... afinal, até sabemos jogar!!!

Décima final

"A maldição de Guttmann assume a importância que cada um lhe quiser atribuir. Primeiro, é preciso acreditar nela, na maldição. Depois, falta saber o que lhe deu «vida»: pelos vistos, uma rfrase avulsa do treinador húngaro, bicampeão europeu pelo Benfica, que muitos poucos terão testemunhado, motivo pelo qual explodiram versões para todos os gostos e feitios.
Em rigor, o que é que terá dito? Presumivelmente que sem ele nunca mais o emblema da águia conquistaria um título europeu. Como a seguir às vitórias de 1961 e 1962 se registou um acumular de derrotas (1963 e 1968, em Londres; 1965, em Milão; 1988, em Estugarda, para a Taça/Liga dos Campeões, e 1983, na Taça UEFA com o Anderlecht) consta que na final de 1990, em Viena, desesperado adepto se predispôs a escaqueirar a referida maldição à força da picareta. Não se conhece o resultado da operação, mas deve ter fracassado porque na capital austríaca, então sob orientação técnica de Eriksson, Benfica somou outro desaire (0-1, com golo de Rijkaard). E em Amesterdão, 23 anos depois, as coisas também não correram bem com o Chelsea.
Versão mais recente sugere que a colocação da estátua de bronze de Béla Guttmann junto da porta 18 do Estádio da Luz foi suficiente para fazer as pazes no céu e serenar as mentes na terra. Não se exigiria tanto... Garantida a décima presença em finais das competições da UEFA, o jornalista Nuno Luz, da SIC, apanhou Luís Filipe Vieira no relvado e questionou-o. «Quem trabalha como nós, é assim...», foi a resposta.
O Benfica avança para a décima final europeia: mais do que ele apenas Barcelona, Real Madrid, Milan, Juventus, Bayern e Liverpool. É o sétimo da Europa, temido e respeitado. Por isso, António Conte fez triste figura ao avaliar deficientemente a riqueza futebolística do adversário português. Por isso, o treinador da Juventus foi ridículo nas desculpas que deu. Vieira tem razão: não há maldição que resista a trabalho sério e competente."

Fernando Guerra, in A Bola

PS: São pormenores, mas continuo a achar que o Benfica devia ser mais pro-activo nestas coisas: esta é a décima Final da UEFA do Benfica, mas é a 12.º Final Europeia do Benfica. Quando o Benfica, ou os Benfiquistas não defendem a nossa história, não podemos estar à espera que os outros o façam por nós...!!! A Taça Latina, era na altura a competição máxima Europeia; foi organizada pelas Federações dos 4 países; e é sempre bom lembrar que o Celtic, no Jamor, foi o primeiro Campeão Europeu, não-Latino, em 1967... na 12.ª edição!!! Antes só Campeões Latinos: 6 vezes o Real Madrid, 2 vezes o Benfica, 2 vezes o Inter e 1 vez o AC Milan.
Ainda por cima, com a Final da Champions em Lisboa, a dualidade ainda é mais evidente: todos falam na possibilidade do Real Madrid conseguir o 10.º título Europeu, quando a tal 1.ª Taça dos Campeões Europeus, ganha pelos merengues, foi organizada pelo jornal Francês L'Equipe, numa altura onde não existia a UEFA tal como aconteceu com a Taça Latina... Ouve equipas convidadas para a Taça Latina, que desportivamente não deveriam ter estado lá?!!! Sim, ouve. Mas na primeira edição da Taça dos Campeões Europeus, a tal organizada pelo L'Equipe, o representante Português: o Sporting... Também não foi o Campeão na época anterior!!! O Benfica tinha sido o Campeão, mas...

Não compreendi a piada com o Maxi !!!

Cuidem-se Nuno's Luz's deste País... quando o homem arrumar as botas, vai agarrar no microfone!!!

Vamos de Porche para a Festa !!!

Quando comecei a ver estes anúncios no canal oficial do Benfica no Youtube, ainda pensei que o Benfica ia oferecer um Porche a cada sócio... mas afinal, quem os quiser vai ter que pagar... fica para a próxma!!!

sexta-feira, 2 de maio de 2014

A história os julgará. Bem!

"Turim - A espuma provocada pelo turbilhão da actualidade, tantas vezes dominada por assuntos insignificantes, é inimiga da capacidade de análise, por impedir uma visão transparente de acontecimentos ou acções. A história é o maior dos juízes e por isso é necessário que os anos passem para se saber olhar para trás e interpretar sem grandes riscos o que se passou. Não acredito, no entanto, que se possa errar muito ao julgar esta época do Benfica como motivo para recordar por muito e muito tempo, mesmo sendo nós todos reféns dos nossos preconceitos, simpatias ou ódios.
Especialmente, os adeptos dos encarnados vão lembrar-se desta equipa, deste jogo. A vitória no Campeonato afastou o peso trágico e sufocante das derrotas na fase final da última temporada e, entre alguns, anunciou um vento de mudança no futebol português. Se o ciclo mudará em Portugal logo se verá. O percurso das águias na Europa voltou a estar à altura da história do clube e ambições dos adeptos. Faltam ainda as finais da Taça de Portugal e da Taça da Liga que podem fazer deste ano um dos melhores de sempre do Benfica, já sendo inesquecível. Depois da derrota com o Marítimo na primeira jornada, muitos não acreditavam. Neles me incluo. E como tantos estavam errados."

Nuno Paralvas, in A Bola

A récua

"1. A torpe imagem de um grupelho de sicários ocupando uma praça do Porto para impedir os festejos dos adeptos do Benfica foi das coisas mais ignóbeis que me recordo de ver fotografada nos últimos quarenta anos. Quarenta anos porque são aqueles que se comemoram sobre o 25 de Abril e não foi certamente para javardices destas que se fez o 25 de Abril.

2. Há gente (gente?) que ainda não percebeu - nem alguma vez perceberá, tão churda é a sua massa encefálica - as regras básicas da convivência humana e os princípios lineares da Democracia.

3. Não é de estranhar. Os exemplos que seguem são sórdidos; as figuras que idolatram são intelectualmente insanas. E as forças da ordem, que se reclamam pela lei e pela grei, preferem olhar para o lado e procurar um carro mal estacionado para multar do que fazer o seu serviço de permitir que qualquer cidadão percorra tranquilamente as ruas da sua cidade. Estão bem uns para os outros. E a imagem fica por aí, espalhada, como marcada a ferro em brasa na pele da nossa sociedade emporcalhada.

P.S. - O chefe da arbitragem veio a público dizer que o trabalho dos seus apitadores ficou aquém do esperado, talvez porque o Campeonato Nacional não levou o rumo habitual. Um pingo de dignidade fá-lo-ia assumir a sua responsabilidade e pôr a hipótese de se demitir."

Afonso de Melo, in O Benfica

Plantel de heróis e o sonho continua

"O Benfica não pode pensar que a final da Taça da Liga contra o Rio Ave vai ser tão fácil como a meia final no Dragão, senão perde a competição. Se o Benfica perder a Taça da Liga tem a terceira pior prestação da sua história na prova. Pelo contrário o FC Porto, com a eliminação nos penalties do passado domingo, conseguiu a sua terceira melhor prestação na prova. Por isso terá que ser com onze, e com alguns titulares a final, dia 7, em Leiria.
Diga-se em abono da verdade que o futebol azul e branco não está à altura do seu departamento jurídico.
Foi com trabalho que o departamento jurídico colocou o FC Porto nas meias finais, vencendo os argumentos leoninos, para os jogadores desperdiçarem a oportunidade de igualar o palmarés de V. Setúbal e SC Braga na prova. Eu por mim não tenho hesitação. Quero muito ganhar ao Rio Ave e vencer a quinta Taça da Liga.
Como adepto não estive à altura da equipa. Nunca pensei possível com aqueles jogadores, reduzidos a dez, vencer no Dragão e por isso aqui me confesso e peço desculpa. Como desabafava um grande amigo portista à saída do estádio no domingo, no último ano deve ter custado aos benfiquistas ver Jesus ajoelhado no Dragão. Mas este ano custou-me muito mais ver o Dragão ajoelhado perante Jesus.
Se o Benfica quer manter o caminho do êxito não pode esperar que o FC Porto não vá melhorar muito, tem que fazer de tudo para se manter com igual qualidade. Não podemos vencer porque os adversários estão fracos, temos que ser competentes.
Só essas vitórias têm real valor.
Estamos na final da Liga Europa porque temos uma equipa de heróis. Em Turim, contra a Juventus, reduzidos a nove, é ainda melhor que no Dragão, contra o FC Porto, reduzidos a dez. Ficámos sem meio campo para a final mas num plantel de heróis só o sonho continua."

Sílvio Cervan, in A Bola

Em Turim, houve aula de mística

"O Benfica vai estar, pela décima vez, na final de uma competição europeia de futebol. Em Turim, onde o favoritismo estava do lado da Juventus, a equipa de Jorge Jesus começou por ser atrevida, a seguir foi pragmática e acabou heróica, reduzida a nove elementos e a suportar oito minutos de compensação (que não se discutem). Na vida, há momentos para tudo e prevalece quem melhor sabe adaptar-se a cada um deles. O Benfica, perante dificuldades tremendas - além da categoria da vecchia signora a expulsão de Enzo e a lesão de Garay - soube apresentar argumentos para vencer, numa aula prática de mística. Em Turim, os jogadores do Benfica não ficaram, em garra, vontade de vencer e respeito pela camisola, atra´s dos que construíram para o clube, um património desportivo tão rico.
Aliás, 2014 é, para o Benfica, o ano das finais: na próxima quarta-feira, em Leiria a da Taça da Liga; no dia 14, em Turim, a da Liga Europa, a 18, no Jamor a Taça de Portugal e, de certeza, em Agosto, a da Supertaça nacional (se ganhar a Liga Europa terá também a final da Supertaça europeia).
Em Turim, no próximo doa 14 de Maio, o Benfica vai ser confrontado com uma situação pouco usual no seu percurso europeu: chega a uma final e é considerado favorito. Creio que apenas na final de 1963, em Wembley (derrota com o AC Milan por 2-1) isso aconteceu. Por isso, o jogo com o Sevilha deverá ser preparado, do ponto de vista psicológico, com todos os cuidados. A descompressão é, neste caso, o pior inimigo dos encarnados. Para vencer a Liga Europa, a equipa de Jorge Jesus tem de entrar em campo, num estádio onde ontem foi tão feliz, munida de dois instrumentos essenciais: fome de vitória e respeito pelo adversário.
Se tal acontecer, o céu é o limite."

José Manuel Delgado, in A Bola

Heróis!

"O Benfica confirmou a dimensão da equipa que construiu. Tem alma, é realista, luta e tem paixão. O treinador também!

uma ano, tudo perdido; um ano depois, de novo perto de ganhar tudo. Agora, talvez melhor se compreenda a fantástica época que o Benfica de Jesus fez, afinal de contas, em 2013, apesar de tudo ter perdido, à semelhança da fantástica época que vem realizando até este Maio de 2014, já com título de campeão no bolso e mais três finais para jogar. Impressionante!
O que o Benfica conseguiu ontem em Turim foi absolutamente heróico. Primeiro com onze, depois com dez, por fim com nove, talvez até se ficasse com oito ou sete estou convencido que os encarnados teriam trazido na mesma para Lisboa o passaporte para regressarem ao estádio da Juventus.
Heróico porque a equipa de Jesus defrontou o mais poderoso clube italiano de sempre e a mais poderosa equipa italiana do momento; heróico porque jogava no campo onde vai jogar-se a final desta Liga Europa; heróico porque não há pior do que a sensação de que um golo sofrido deita tudo a perder; heróico porque a dada altura chovia copiosamente em Turim e só um coração gigante suportaria tanto sofrimento.

MAIS do que isso, heróico porque os senhores da Juventus ainda devem julgar que estão no tempo em que os árbitros deveriam fazer o que eles desejariam... Se não, revejam-se as declarações do treinador Conte já na sala de imprensa, quando considerou, de forma impensável, que o árbitro permitiu tudo ao Benfica e que parecia, disse Conte, «estar a gozar» com os jogadores da Juventus.
Conte não sabe mesmo o que diz. Ou melhor, saber, sabe. Não sabe é que perdeu uma boa oportunidade de estar calado. Conte e a Juventus deviam, em primeiro lugar, ter vergonha das histórias que levaram a equipa italiana para a segunda divisão não há muito tempo. Se tivessem vergonha, não falariam de árbitros. E muito menos dos árbitros desta meia-final com o Benfica.

O Benfica de ontem à noite foi o Benfica dos grandes momentos desta época, o Benfica que soube sofrer para chegar ao título e, sobretudo, o Benfica que soube sofrer, com dez, para se bater com o grande rival FC Porto, quer na Taça de Portugal, quer na Taça da Liga. Nos últimos dez anos, muitos poucas equipas conseguiram nas competições europeias finais consecutivas. Como o Benfica, agora, apenas Sevilha, em 2006 e 2007 na Liga Europa, e Manchester United, em 2008 e 2009, e Bayern, em 2012 e 2013, na Liga dos Campeões, estiveram em finais consecutivas, o que ilustra bem a dimensão do que acaba de fazer a equipa portuguesa.
Em matéria de competições europeias, a coisa, este ano, fica reduzida à Península Ibérica - três equipas espanholas e uma portuguesa nas finais, com a particularidade de aos dois maiores clubes, Real Madrid e Benfica, estar associado o número 10 a estas presenças. Porque o Benfica somará a 14 de Maio, em Turim, a décima final europeia da história, e porque o Real Madrid procura na final de Lisboa, a 24 de Maio, a décima Taça dos Clubes Campeões Europeus.

MAS as finais europeias deste mês de Maio não serão apenas uma coisa ibérica, serão uma coisa latina, porque Benfica e Sevilha (inacreditável como o Sevilha de Beto, Daniel Carriço e Fiogo Figueiras chegam à final!!!) vão encontrar-se naquela que foi conhecida durante anos como a capital italiana do trabalho, e Real e Atlético de Madrid jogam em Lisboa, uma das capitais europeias que mais está na moda, e esta, sim, uma bela Velha Senhora da Europa.
Coisa Ibérica, coisa latina mas também coisa portuguesa, porque está o Benfica numa das finais, mas estão também os portugueses Ronaldo, Pepe e Coentrão, do lado do Real, mais Tiago do lado do Atl. Madrid, e ainda, repito, Beto, Daniel Carriço e Diogo Figueiras, do lado do Sevilha.
Michel Platini não deve achar graça nenhuma.
Quem também deve estar a lamentar-se de alguma coisa são os defensores do TGV entre Lisboa e Madrid, porque certamente justificariam com a final madrilena do Estádio da Luz toda a argumentação a favor do projecto.
E na verdade o TGV - de que o Benfica se tem servido para mais uma época em grande... -, daria, agora, um certo jeito, quando se espera que Madrid desapareça praticamente do mapa espanhol para reaparecer no mapa português...
Quanto à liga Europa... desde que é Liga Europa - 2009/10 - já contou com equipas portuguesas em trÊs das cinco finais, FC Porto - SC Braga em 2011, e Benfica em 2013 e este ano.
É, mais uma vez, muita fruta!
Boa fruta!

A mesma boa fruta que levou também Jorge Jesus a construir na Luz uma das melhores equipas europeias da actualidade. Grande a equipa e grande, indiscutivelmente, o treinador!
Sim, têm sido enormes Luisão e Garay, enorme Enzo, tem sido bem maior Gaitán, sim, mas nem pensar esquecer Maxi Pereira e, muito em particular, Lima e Rodrigo, sem os quais dificilmente o Benfica teria andado como andou para aqui chegar.

Não tem faltado nada.
Nem a ironia.
Agora que o Benfica descobriu finalmente um grande lateral-esquerdo... o lateral não é do Benfica.
Seria perfeito demais.

(...)"

João Bonzinho, in A Bola

Benfica épico, heróico, campeão

"De chorar por mais o apuramento do Benfica para a final da Liga Europa, agora em Turim, depois de na época passada ter estado em Amesterdão. De chorar por mais porque foi épico (pela forma como se bateu com um adversário também muito poderoso), heróico (porque acabou o jogo com apenas nove elementos, já que a juntar à expulsão de Enzo Pérez também perdeu Garay, atingido involuntariamente por Pogba) e à campeão, pela forma inquestionável como soube conviver com um jogo de bastidores deplorável, como tivemos oportunidade de constatar. E foi assim que a equipa de Jorge Jesus chegou à terceira final da época - o que é curioso e que também nos outros dois apuramentos o conseguiu com menos um jogador, prova real da qualidade da equipa, mas também da sua crença e vontade de vencer. Agora só faltam 90 minutos e, como as finais são para se jogar e vencer, o Sevilha que se cuide.

Fez ontem 20 anos que morreu Ayrton Senna. A sua morte foi horrorosa, para mais vista em directo. Tenho todo o respeito por quem foi tricampeão mundial, mas não conseguia suportar o seu feitio. Como tenho todo o respeito por aqueles que acham que ele foi o maior de todos. Espero, então, que me respeitem por assumir que o maior para mim há de ser sempre Michael Schumacher. Por quem continuo a torcer pelo regresso o melhor possível à vida.

(...)"

José Manuel Freitas, in A Bola

A Juventus teve medo

"No momento em que escrevo este artigo, não sei, nem de perto nem de longe, qual o resultado que aconteceu na 2.ª mão da meia-final da Liga Europa em Turim.
Sei que a grande 'Vecchia Signora', fundada em 1 de Novembro de 1897, com a sua postura imagética (...) acabou por ter MEDO do Benfica.
O que sei é que a Juventus, esteve envolvida no Calciocaos, com condenações pesadas como foi aquela do antigo director-executivo da Juventus Antonio Giraudo, que foi condenado a três anos de prisão pelo seu envolvimento no caso de resultados combinados em Itália. Giraudo foi considerado culpado de associação criminosa para fraude desportiva.
O actual treinador da Juventus, Antonio Conte, foi suspenso por dez meses pela Federação de Futebol Italiana devido ao seu envolvimento no chamado caso 'Calciocommesse', relacionado com apostas ilegais.
Conte foi suspenso por uma decisão da Comissão Disciplinar da Federação de Futebol Italiana, pelo facto do nome do treinador da equipa de Turim integrar uma lista de pessoas alvo de sanções por causa do mesmo processo.
O castigo aplicado a Conte, justificou-se por o treinador não ter informado as autoridades sobre o 'arranjo' de dois jogos quando era treinador do Siena na época 2010/2011, apesar de estar a par da situação.
O Siena estava então na segunda divisão e defrontou o Novara e o Abinoleffe nesses dois jogos, segundo a Federação de Futebol Italiana.
Por outro lado, o defesa da Juventus, Leonardo Bonucci, acusado de delito desportivo no mesmo processo, foi absolvido.
E foi esta insuspeita Juventus, que se armou em 'queixinhas' e apresentou uma participação contra Enzo Pérez por suposta agressão do médio argentino ao defesa Chiellini, durante o jogo da primeira mão das meias-finais da Liga Europa em que o Benfica ganhou por 2-1.
O Comité de Disciplina da UEFA antecipou para o dia 30 de Abril uma reunião ordinária que tinha agendada para o dia 15 de Maio, para analisar a situação da eventual punição do atleta Enzo Pérez.
As águias foram notificadas pelo organismo que tutela o Futebol europeu ao final da tarde de segunda-feira e têm até às 21 horas do dia 29 de Abril para responder à acusação do clube de Turim.
Por alguma razão, foi escolhido o estádio da Juventus para final da Liga Europa. Será que a justiça das coisas conseguiu ultrapassar a justiça do martelo?

(...)"

Pragal Colaço, in O Benfica

PS: Está na altura de actualizar as fotos que ilustram este excelente video, e até podem incluir algumas destas personagens da Juventus. Fica aqui o desafio para o pessoal dos vídeos!!!

Na soberania do mestre Ângelo

"O Benfica é Campeão. Luís Filipe Vieira, emocionalmente dedicou o título a Eusébio e a Coluna. Uma dedicatória incontroversa no universo vermelho. As duas grandes figuras mereciam comemorar este desidrato. Nós, todos, nós, comemoramos por eles, inspirados nas suas prestações magnânimas, nas suas sensibilidades de incontido benfiquismo.
Quis o calendário que Ângelo Martins, Bicampeão Europeu, aniversariasse no dia da conquista da Liga. Horas depois, numa cerimónia de grande intimismo, acompanhado pelo António Simões, associei-me à efeméride, na qual o presidente do Clube não esteve, mas fez questão de contactar o aniversariante, felicitando-o por um trajecto que honra todos os apaniguados rubros.
Ângelo merece todas as honrarias. Essa e outras. É o único Bicampeão Europeu nascido na cidade do Porto (mesmo ao pé do Dragão), que nunca foi homenageado pela autarquia da cidade nortenha. Razão? Notabilizou-se na defesa do Manto 'encarnado'. O provincianismo portuense explica o resto.
Sobre ele, escrevi um dia, depois de tecer muitas loas pelos desempenhos competitivos, já era treinador das camadas jovens do nosso Benfica: do prelo de Ângelo Martins saíram algumas das melhores criações do Benfica; ele era um burilador de diamantes, criador de craques; mostrou sempre cartão vermelho à incompetências; as suas impressões digitais podiam ver-se em Humberto Coelho ou Nené, Alves ou Jordão, Artur ou Shéu, Vítor Martins ou Chalana; e tantos, tantos outros. Se benficómetro houvesse, atingiria o limite dessa ardência que vida fora o acompanhou.
Também agora, ainda agora. Agora e sempre."

João Mallheiro, in O Benfica

Engraçado...

"1. Entre dois jogos importantíssimos da Liga Europa, a meia-final da Taça da Liga apareceu na pior altura. Compreensível, portanto, a utilização de jogadores que não entram nas contas europeias. É sempre agradável ganhar a Taça da Liga mas a Liga Europa é bem mais importante. Pois, apesar de o jogo se ter realizado no campo do FC Porto, que até tinha nesta competição a sua derradeira oportunidades de uma época frustrante, apesar de termos alinhado com oito ou nove jogadores que actualmente não são titulares; apesar de termos ficado reduzidos a dez elementos antes da meia-hora de jogo; apesar de tudo isto, conseguimos passar à final, ganhando no desempate por grandes penalidades depois do 0-0 final! A Taça da Liga não deixa de ser um objectivo secundário da época, mas acabou por ser uma vitória muito saborosa. E, agora, vamos tentar ganhá-la mais uma vez, frente ao valoroso Rio Ave...

2. Jogo bem intenso o da passada semana, com a Juventus, escassos três dias depois do encontro de título e dos inevitáveis (e bem justificados) festejos. A equipa começou muito bem, fez uma excelente primeira meia-hora mas, na segunda parte, a classe da formação italiana e algum desgaste nosso acabaram por proporcionar o golo adversário, que complica a eliminatória. Mas foi excelente a nossa reacção e precioso (espera-se...) o grande golo de Lima, a dar-nos a vitória. Entretanto, já se terá realizado o jogo em Turim. Antevejo muitas dificuldades mas tenho esperanças...

3. A propósito do 25 de Abril de 1974, veio mais uma vez à baila a odisseia da equipa do Sporting, que na véspera desta data histórica foi eliminada na Alemanha, em jogo da então existente Taça dos Vencedores das Taças, e depois não conseguiu reentrar em Portugal, pois o aeroporto e a fronteira estavam fechadas, tendo que permanecer em Badajoz. Foi um episódio curioso, que fica na história, mas, ao contrário do que eventualmente se possa pensar, não afasta o clube de Alvalade de uma triste realidade: foi o clube, de longe, mais conotado com o antigo regime. Não só pelas suas origens (o Benfica foi um clube do povo, o Sporting um clube das classes mais abastadas), como pela sua vivência (no Benfica houve eleições democráticas bem antes de existirem no país) e também pelas efectivas relações dos elementos mais representativos do Sporting com o regime de então."

Arons de Carvalho, in O Benfica

Ambição

"O Benfica era a ´nica equipa que merecia a final da Taça da Liga porque nunca amesquinhou a competição, nem fez da disputa deste troféu um mero lenitivo para as desgraças de uma época. Em campo, o Benfica também mostrou que merecia a final porque jogou mais e melhor, mesmo com 10 contra 11, e jogando mais limpo. O Benfica mostrou no relvado que é mais equipa, porque foi a casa do adversário jogando, em primeiro lugar, com a composição do plantel e em segundo com a pressão de um opositor complexado ante a grandeza do Campeão.
Já Campeão Nacional e finalista da Taça de Portugal, o Benfica conquistou também o direito a disputar a final da Taça da Liga. E fê-lo contra diversas adversidades, a primeira das quais foi o calendário da meia-final que fez do Benfica a verdadeira e única equipa castigada por um atraso da entrada em campo no jogo dos quartos-de-final entre o FC Porto e Sporting: a Liga andou semanas a arrastar a questão do atraso e acabou por decidi-lo e agendar o jogo seguinte penalizando forte e unicamente o Benfica, que seguira na competição sem atropelos nem trapalhadas. O Benfica jogou a meia-final da Taça da Liga no Porto três dias após jogar em casa com a Juventus e quatro dias antes de jogar em Turim a segunda mão da meia-final da Liga Europa.
Esta vitória do Benfica é um grande sucesso do Clube, da equipa e muito especialmente do treinador. Jorge Jesus mostrou naquele relvado, em que foi tão infeliz no ano passado, a razão pela qual o Benfica o quer e outros o cobiçam. Muito dificilmente qualquer outro treinador conseguiria gerir o plantel e conceber a táctica para um jogo de tão elevada parada.
Mas também talvez em nenhuma outra equipa portuguesa o treinador tivesse meios para voos tão ambiciosos."

João Paulo Guerra, in O Benfica