Últimas indefectivações

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Evolução...


Quem assistiu com cuidado às exibições do André Almeida na época anterior - os poucos minutos que teve direito -, praticamente todos a defesa direito - só teve direito a uns minutinhos no meio-campo na última jornada com um Leiria de recurso... -, só pode estar espantado, e feliz com a evolução do André...
Cresceu muito, no músculo, e na cabeça... E se o ano passado, a desculpa para não convencer, era o facto de jogar adaptado a defesa direito - fora da sua posição natural... -, este ano apesar de continuar a jogar, na maior parte das vezes, na mesma posição, de defesa direito, já me convenceu, e pelos vistos, também convenceu o treinador e a Direcção!!!
O jogo com o Spartak a trinco, também foi muito bom, nota-se que está confiante, e muito bem fisicamente, já que ganha praticamente todos os duelos defensivamente.
Renovou hoje até 2018, com a justa melhoria salarial, tem tudo para fazer carreira no Benfica - não creio que vá ser assediado pelos grandes Clubes Europeus, por várias razões, inclusive as posições que joga -, se mantiver a cabecinha no lugar, e não cometer os erros de outros - recentemente... -, tem tudo para ser um dos homens da casa, no plantel...

Até chateia tanta normalidade

"Tudo parece normal no mundo do futebol. Nem uma surpresa. O Benfica ganhou com facilidade ao Celtic de Glasgow, porque é muito melhor que os escoceses. Os de Glasgow trouxeram a Lisboa quase 10 000 adeptos em festa porque têm uma das mais fantásticas massas adeptas do mundo. O Chelsea do novo rico russo, despediu o treinador campeão da europa e vencedor da Taça de Inglaterra há quatro meses. O Barcelona ganhou com facilidade na Rússia, como ganhará todos os jogos deste grupo em que se aplique porque é uma equipa óptima.
FC Porto e Benfica conseguiram apuramento sem sobressaltos na Taça de Portugal por serem melhores que  os oponentes. O Benfica não conhece o adversário da Taça de Portugal porque teve em sorteio um algoritmo de tantas variáveis que cansa só de ver.
Jorge Jesus diz que é possível um brilharete em Barcelona e eu acredito no Spartak em Glasgow. Haver duas hipóteses é melhor que uma.
O milionário Manchester City voltou a falhar na Liga dos Campeões mesmo com mais um jogador que o seu adversário. O FC Porto conseguiu o apuramento europeu com a mesma naturalidade com que Braga o não fez. O Zenit com jogadores medianos não sai da mediania porque dinheiro não é tudo. Até fica aborrecido constatar tanta normalidade.
O Benfica tem no Olhanense, no jogo de amanhã, um adversário mais duro que o Celtic. Estou seguro que os algarvios chegam mais de duas vezes à nossa baliza como fizeram os simpáticos escoceses. Sábado teremos um adversário com índices de agressividade muito altos e que só a competência que temos mostrado poderá vencer sem sobressaltos.
No entanto convém, sempre que possível não abusar da vantagem mínima. Em jogos aparentemente controlados, as vantagens escassas prestam-se a perigos desnecessários.
Além disso há várias vantagens cardíacas para os nossos adeptos tão cheios de emoções fortes."

Sílvio Cervan, in A Bola

A comédia dos crónicos anunciadores de tragédias

"Há quem consiga encontrar problemas em todas as soluções, assumindo as dores presentes, os prantos estridentes e os agouros videntes. Agem como se a sua voz fosse a que no Coro da Tragédia Clássica inspirava a catarse feita de horror e piedade.
Recentemente, carpiram-se dores e anunciaram-se desgraças pelas colunas de opinião, porque o nosso Benfica ficaria uns meses sem Luisão. O problema gritava-se na orfandade de uma defesa, no consequente descalabro do meio-campo, na impossibilidade de sucesso do ataque e (só faltou dizerem isso mesmo!) expandir-se-ia até ao esmorecimento do público. Anunciava-se o sofrimento e a catástrofe.
No entanto, a solução chegou, veio de dentro do plantel, sob a forma de uma espécie de “deus ex machina” com mais de uma época de casa e direito a preparação prévia na humilde equipa B. Jardel foi solução e trouxe novas e diferentes valências para a defesa, acabando por se impor naturalmente como mais uma opção válida. Ou seja, contrariando as vozes da tragédia anunciada, encontrou-se mais uma peça angular para a equipa. Como resultado, o coro trágico regressou para dizer que, afinal, nesta solução reside um novo problema: o de ter de escolher apenas dois de um grupo de três excelentes futebolistas.
Chegados a este ponto, observamos que a presença da solução equivale à falta de alimento para crónicas e perorações de quem vive à custa de crises alheias. Logo, há que criar crises sucessivas, provocá-las, espicaçá-las e promovê-las. Apenas assim vão ganhando o sustento. Os ditos inventores de problemas transformam-se numa espécie de relógios parados que, carpindo agoiros ao minuto, nos dizem ufanos duas vezes por dia que eles são os donos da verdade da hora certa. Ou seja, com tanta tragédia anunciada nem se apercebem de que, normalmente, são eles os principais actores de uma comédia em tom de opereta bufa."

Pedro F. Ferreira, in O Benfica

Vitória no último minuto, para manter o suspense !!!


Benfica B 2 - 1 Sp. Covilhã
Mais uma vitória arrancada com muito suor... algo já habitual nesta equipa!!!
A Benfica TV só transmitiu o relato - imposição da UEFA que não permite a transmissão de jogos de futebol nos mesmo horários das Competições Europeias!!! Como não vi o jogo, não vou fazer grandes apreciações à partida...
Mas vou fazer uma meia-mea-culpa !!! Sempre achei que o estatuto de semi-Deus, que o Miguel Rosa tem, num determinado grupo de Benfiquistas, exagerado... Nunca duvidei do Benfiquismo do Rosa, nem da sua entrega total aos jogos, mas sempre achei que para um médio-ofensivo lhe faltava alguma coisa, para ser jogador da equipa principal do Benfica. Continuo a pensar que ele tem algumas limitações, para a posição que actualmente joga - nas alas, de preferência na esquerda -, mas em compensação tem demonstrado uma apetência pouco habitual para os golos. No futebol, muita coisa pode ser trabalhada, treinada, melhorada, mas o instinto goleador de cada jogador, é algo que se tem, ou não... e o Miguel Rosa apesar de não ser um ponta de lança, é um goleador!!! Não é um driblador, não é um desequilibrador nas faixas, não tem velocidade supersónica, também não é o organizador de jogo que já foi - nos juniores -, mas além da raça, e do espírito vencedor, é um goleador... O Ola John por exemplo, creio que será um grande extremo do Futebol Mundial, mas não me parece que no futuro seja um goleador, vai marcar golos, mas nota-se alguma 'vergonha' no remate... O Futebol Mundial está cheio de exemplos de grandes goleadores, com limitações técnicas noutras áreas, em Portugal, na formação, este tipo de jogador é normalmente desvalorizado - só gostam dos brinca na areia!!! -, e por isso é que na Selecção Nacional temos que aturar os Postigas desta vida!!!
Para cumulo do azar - do Rosa -, o plantel principal do Benfica tem nalgumas posições poucas opções, mas a de flanqueador ofensivo, é onde temos mais jogadores!!! Creio que em Janeiro o plantel do Benfica vai sofrer alguns ajustamentos, sendo possível a venda do Nolito ou do Gaitán, se isso acontecer, creio que o Rosa vai ter mais oportunidades na equipa A, e ele bem merece...

PS1: Só espero se isso acontecer, que os críticos de sempre, não se queixem dos resultados da equipa B, já que esta equipa sem os golos do Miguel Rosa, irá perder muitos pontos!!!

PS2: Sei que haveria alguns perigos - lesões, castigos -, mas o André Gomes - que tem jogado pouco na equipa principal - poderia ser utilizado neste tipo de jogos...

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

O ex-improvável Ola John e outras histórias

"O Benfica é o furacão 'Sandy' do futebol português. Por onde passa apaga a luz. Aconteceu o ano passado e neste já aconteceu em Paços e em Moreira de Cónegos

O Benfica é o furacão Sandy do futebol português. Por onde passa apaga a luz. Aconteceu em novembro do ano passado em Braga. Este ano já aconteceu em Paços de Ferreira, por finais de setembro, e em Moreira de Cónegos, na última sexta-feira.
Dirão os nossos adversários que é muito bem feito. Que é o merecido castigo pelo apagão no Estádio da Luz que impediu o FC Porto de festejar às claras o título de 2011.
São coisas diferentes, respondemos nós. Na luz, o jogo já tinha acabado e para lá da portentosa exibição de inexistência de fair-play no que ao assunto dizia respeito, ficou claro nessa noite da Luz que a culpa tinha sido do electricista de serviço que, por sinal, permanece anónimo até aos dias de hoje.
Não foi, portanto, falha técnica. Foi falha humana.
Em Braga, Paços de Ferreira e Moreira de Cónegos, foi sempre falha técnica a ditar os cortes na corrente eléctrica que interromperam os três jogos.
Esta é uma grande diferença.
A explicação para o estranho fenómeno tem sido adiantada pela imprensa. Dizem que a culpa é dos ratos que roem os fios e os cabos dos estádios fazendo com que estourem os disjuntores porque, descarnados, não aguentam a pressão.
Como no conto dos irmãos Grimm, o Benfica só se safa dos ratos se contratar o flautista de Hamelin sempre que viajar para os distritos de Braga e do Porto. Isto se o fenómeno não se estender a outros distritos do país. Com o  flautista de Hamelin em acção os ratos, já se sabe, não têm sorte nenhuma. O que seria excelente noticia quer para o Benfica, quer para o público em geral, quer para a reputação dos electricistas.

POR norma não gosto de avançados que jogam de costas para a baliza. Mas há sempre um dia...
O quarto golo do sueco Zlatan Ibrahimovic à Inglaterra é uma violência, é um exagero, um descaramento. Não se faz. Em comparação com a bicicleta de longo alcance do sueco, todos os outros golos do ano parecem pífios. O portento de Ibrahimovic, no entanto, não conta para atribuição do prémio Puskas 2012 com que a FIFA homenageará o melhor golo do ano.
Os dez nomeados já estavam escolhidos e a votação a decorrer quando o sueco apontou daquela forma indescritível o seu quarto golo à selecção inglesa. Regulamentos são regulamentos, nada a obstar. E a justiça, ainda que tardia, haverá de chegar. O golo de Ibrahimovic, garante a FIFA, pode entrar na corrida para o prémio Puskas de 2013 porque no que diz respeito a golos fabulosos o ano civil do futebol mundial vai de novembro a novembro.
Ficamos, assim, perante uma situação curiosa: ainda não se sabe quem vai ganhar o prémio para o melhor golo de 2012 - Messi, Neymar, Falcao, Bem Arfa... etc... - mas o prémio do golo de 2013 já está entregue ao avançado sueco do Paris Saint-Germain. E ainda faltam quarenta e tal dias para o réveillon.
Noutro tipo de concurso que patrocina, a FIFA, no entanto, bem podia emendar a mão em relação ao reconhecimento devido a Ibrahimovic, aproveitando para meter na ordem dois tipos que também jogam maravilhosamente bem à bola mas que se estão a tornar dois grandes chatos com as suas picardias, vedetismos e ciumeiras mútuas: Lionel Messi e Cristiano Ronaldo.
Era dar a Bola de Ouro, troféu que consagra o melhor jogador do ano, ao artista sueco e ver se em Chamartín e em Nou Camp baixavam um bocadinho a garimpa. É que já não se pode ouvir tanta discussão científica sobre quem é o melhor do mundo, se o português se o argentino.
É o sueco, estúpidos.

NO preciso momento em que a selecção portuguesa jogava no Gabão, num particular de futebol, jogava também a selecção espanhola - campeã da Europa e do Mundo - o seu agendado particular no Panamá. Portugueses e gaboneses empataram a duas bolas enquanto noutro ponto do mundo - também bem longe do conforto do velho continente - os espanhóis venciam os seus anfitriões panamianos por 5-1, pudera se são campeões do mundo...
A fazer fé na imprensa, também os respectivos cachets reflectiam a disparidade entre as selecções ibéricas. Os portugueses receberam 800 mil dólares e os espanhóis 1 milhão e meio. Aceita-se. Honra aos melhores.
Do lado da roja foi o Barcelona quem emprestou mais jogadores a Del Bosque, seis. Do lado das quinas, foi o Sporting de Braga quem cedeu mais jogadores a Del Bento, outros seis. Não tenho conhecimento de protestos do presidente do Barcelona e do presidente do Sporting de Braga apenas se ouviu uma constatação cheia de senso: um clube não se pode ufanar de ter um montão de jogadores seleccionados e, ao mesmo tempo, protestar contra o abuso das escolhas do maldito seleccionador.
No entanto houve quem se queixasse em Portugal. E escutando os queixosos até parece que a única finalidade da ida da Selecção ao Gabão foi a de provar à sociedade que o doutor Isaltino Morais, que patrioticamente se inscreveu na excursão, não tem medo de andar de avião, nem para lá, nem para cá. Não sei a quem é que isto pode ofender, com toda a franqueza.
O Gabão, que nos recebeu, é um país africano e notou-se algum desdém e soberba branca no modo como alguns queixosos se referiam, por exemplo, às condições de terreno. Foi isto o mais lamentável de toda a polémica. No próximo dia 6 de fevereiro, a Selecção Nacional volta a jogar outro particular, desta vez com a Espanha, provavelmente em Vigo. A Espanha, que nos vai receber, é um país vizinho, europeu. Mesmo que em Vigo o relvado esteja uma grande porcaria ninguém se lembrará de lhe chamar capim.

LEIO num jornal a notícia de que o treinador do FC Porto tem vindo a melhorar em muitos aspectos, essencialmente na comunicação, porque trabalha agora com um coach, ou seja, com um treinador de treinadores. Leio noutro jornal que o treinador do FC Porto comentou o sorteio da Taça de Portugal que lhe pôs o Sporting de Braga no caminho, falando em bolinhas amestradas. Está-se já a ver que o treinador é dos bons.
Ai, Sertanense, Sertanense, Sertanense...

NA terça-feira, o Benfica fez um bom resultado com o Celtic mas foi caso para se dizer, com alegria, que a exibição foi muito melhor do que o resultado. O Benfica entrou bem, fez um golo cedo pelo ex-improvável Ola John - que muito me faz lembrar uma versão juvenil do actor norte-americano Tracy Morgan - e voltou a estar em altíssimo plano na primeira meia hora da segunda parte.
O Celtic não sendo uma equipa extraordinária, longe disso, continua a ser o grande candidato ao apuramento para a fase seguinte da Liga dos Campeões. E a culpa não é do Barcelona por ter perdido em Glasgow. A culpa é do Benfica por ter perdido em Moscovo com uma exibição pardacenta e desconcentrada.
É muito provável que o Benfica, nesta temporada de 2012/2013, prossiga a sua carreira europeia na Liga Europa. Compreendo a angústia do tesoureiro do clube mas para mim, simples adepta, a Liga Europa vem muito mais a calhar em termos competitivos e de hipóteses reais do que a Liga dos Campeões.
Mesmo assim confio numa boa atitude em Barcelona e numa presença dignificante. Com Messi ou sem Messi."

Leonor Pinhão, in A Bola

Natal com Luz

"Aproximamo-nos do Natal. Cada vez mais apressado no seu chegar, na razão directa da nossa idade. Ontem foi e hoje está quase a ser.
Se o Natal na sua versão religiosa está relacionado com a Luz do Verbo, o Natal na sua versão mais mundana e comercial está relacionado com luzes e néones.
Mas este ano, com a crise, não há verba e, por isso, luzes é o que vai minguar. No futebol, já começou tal tendência: no jogo entre o Benfica e o Moreirense houve dois apagões: o primeiro porque o sorteio não quis que o jogo fosse na Luz; segundo porque aos 78m lá veio o oportuno apagão do norte, para copiar o da cidade dos cardeais e de Paços de Ferreira. Má sina quando o Benfica vai da Luz para a luz dos outros... há sempre jogo de luzes! No último jogo com a agravante de o apagão ser em Moreira, imagine-se de... Cónegos em vésperas natalícias. A crise chegou mesmo ao Natal!
Luz houve antes no jogo luzido em Vila de Conde, em que Jesus (Jorge) e seus discípulos se encontraram com Espírito Santo (Nuno) e seus arcanjos. Mas, no fim, fez-se luz por obra e graça de Lima depois de uma epístola de Salvio (seja).
Este fim-de-semana espero bem que Jesus e seus seguidores tenham luz para derrotar em Olhão na Luz. Com Lu(i)são e talvez Lu(i)sinho. E assim lançar mais luz sobre o campeonato e ter luz verde(!) para começar a dar à luz o campeão nacional.
Enquanto isso, com Natal sem luzes e subsídio, só resta a esperança de ainda (quando?) ver uma luz ao fundo do túnel. E saudar quem Jesus vestiu de Pai Natal em versão holandesa para entregar a prenda natalícia... aos católicos do Celtic: «Ola John!»"

Bagão Félix, in A Bola

Olá, John !

"A história é recorrente no Benfica ou noutros clubes. Jogadores há que, no seu percurso inicial, frustram muitas das expectativas dos adeptos. Recentemente, na Luz, foi assim com Di Maria, com Gaitán, agora com Ola John.
E o que se passou pouco tempo volvido? O jovem internacional argentino concorreu, não poucas vezes de forma determinante, para o último título nacional, mesmo depois de não se ter livrado de alguns assobios assassinos. Depois? Depois, transferido por gorda maquia, assentou arraiais no colosso Real Madrid, permitindo ao Benfica um encaixe financeiro pouco vulgar.
Nico Gaitán, a escolha de Jesus para suceder a Di Maria, também não se impôs logo de começo. Verdade que estamos na presença de um jogador, tecnicamente muito dotado, mas com irregularidade exibicional. Ainda assim, o também internacional da pátria de Maradona, tem causado desequilíbrios competitivos e poderá estar em breve trecho de se transferir e compensar, de forma ampla, o investimento que nele foi feito.
Agora, Ola John. O jovem holandês, de origem liberiana, foi dos nomes mais sonantes do leque de aquisições com vista à presente temporada. Não teve um início auspicioso, mais parecendo injustificar a opção técnica e o correspondente gasto. E agora?
Ola John disparou, nos últimos embates, para embates muito conseguidos. O seu futebol desconcertante pode ajudar, ajudar muito, o Benfica. Está a ganhar confiança, revela uma desenvoltura fora do convencional, transmite alegria e não menos eficácia à corrente ofensiva da equipa rubra.
Casos há em que o tempo se encarrega de corrigir julgamentos precipitados. Ainda é cedo? É, certamente. Mas a pinta futebolística do ala canhoto afigura-se já inquestionável. É o Benfica que ganha. São os aficionados que têm mais uma boa razão para sorrir benfiquismo."

João Malheiro, in O Benfica

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Mais uma roubalheira monumental

Os Vencedores !!!

ABC 23 - 23 Benfica

A roubalheira não foi só no último minuto, durante a 1ª parte - quando o Benfica estava a jogar mal -, só se marcavam violações ao ataque do Benfica: passos, violações da área, faltas ofensivas... só os jogadores do Benfica efectuavam este tipo de erros, a equipa do ABC neste aspecto fez um jogo perfeito!!!
O Benfica ao intervalo acordou, começou a jogar melhor, mas sempre que ameaçava 'fugir', lá vinha um livre de 7 metros contra o Benfica, ou uma exclusão de um jogador do Benfica!!! Mesmo assim chegámos ao último minuto na frente com 2 golos de diferença: que começa com um exclusão absurda do Álvaro Rodrigues, livre de 7 metros contra, vantagem mínima  a 41 segundos do fim. 37 segundos depois os cabrões já estavam a marcar jogo passivo ao ataque do Benfica!!! Mesmo assim o Benfica ia aguentando, e no último segundo, inventam mais um livre de 7 metros, contra o Benfica, expulsando o Dario e o Carneiro!!! E o jogo termina empatado...!!!
Houve momentos do jogo, em que o ABC tinha o dobro dos remates à baliza do que o Benfica, isto porque  'metade' dos ataques do Benfica acabavam em supostas falhas técnicas!!! Isto quando ao contrário valia tudo... Tivemos um livre de 7 metros a nosso favor e 7 livres de 7 metros contra!!! Tivemos 6 exclusões de 2 minutos, e 2 expulsões, contra 3 exclusões de 2 minutos do ABC...!!!
Recordo que daqui a 2 jornadas vamos jogar ao antro Corrupto, este jogo era praticamente a única deslocação onde o Benfica podia perder pontos (além do Águas Santas), obviamente que o objectivo não fui ajudar o ABC!!!
Os brothers Martins, paneleiros Lagartos de Leiria, com o apito na boca, sempre que fazem os jogos do Benfica, fazem isto... repito sempre, o curriculum é vasto... Defendo à muito tempo que a arbitragem do Andebol está ao nível do Futebol e do Hóquei, como o Benfica nas últimas épocas tem dado muitos tiros nos pés, poucos ousam queixar-se, mas hoje creio que ficou evidente...
O Benfica continua na frente, o Campeonato é longo, mas tivemos aqui uma amostra daquilo que nos espera... Estes irmãos Metralha não são os únicos Frutados, mas são os que disfarçam menos, exige-se uma reacção violenta do Benfica...

adenda: Esqueci-me de referir uma falta grave sobre o Tiago Pereira, que devia ter dado livre de 7 metros e exclusão ao jogador do ABC, e que acabou por ser um simples livre de 9 metros, isto a cerca de 1,30m do fim, que teria dado 3 golos de vantagem para o Benfica...!!!

O Mestre

"Há pessoas que, perante o médico, esperam sorrisos, palmadinhas nas costas e palavras doces. Eu, com o meu pragmatismo, valorizo apenas a competência, mesmo quando esta se apresenta besuntada por alguma antipatia. Tal é válido também para os treinadores de Futebol.
O cidadão Jorge Jesus parece tratar-se de uma figura pouco consensual nalguns meios. Acusado de vaidade, de arrogância, e de alguma teimosia, Jesus deixa atrás de si um rasto de opiniões desfavoráveis - que não encontra correspondência na forma (brilhante) como as suas equipas normalmente jogam.
Para analisar o seu trabalho, talvez eu leve a vantagem de conhecer mal a pessoa. Ao contrário de muitos outros escribas e comentadores, posso assim cingir-me àquilo que vejo em campo, e ignorar eventuais estados de alma gerados por uma palavra a mais, ou a menos, que Jesus me tenha dito, ou deixado de dizer.
E os factos não deixam espaço para quaisquer dúvidas. O Futebol benfiquista de hoje, e o de há quatro anos atrás, são realidades incomparáveis. A valorização em série de jogadores é algo sem paralelo na história centenária do Benfica, e se lhe juntarmos as sucessivas presenças na Champions League, percebemos o quão valioso tem sido o trabalho do actual técnico, quer numa perspectiva desportiva, quer na vertente financeira - tão importante para a sustentabilidade do Clube.
Com ele no banco, o Benfica ganhou um Campeonato Nacional, perdeu outro para o melhor FC Porto de todos os tempos, e um terceiro para as arbitragens. À quarta época, com uma equipa despida de Javi Garcia e Witsel, depois de Luisão, e por fim também de Aimar e Carlos Martins, seguimos firmes na liderança. Melhor era difícil. Ou mesmo impossível.
Independentemente o seu ar mais ou menos jubiloso, ou de uma ou outra declaração pouco feliz, gosto muito de o ver no Benfica. Sei que não podemos ter Mourinho ou Fábio Capello no seu lugar. E temo, aima de tudo, que outro entendimento o faça um dia aparecer à nossa frente, mas vestido de outra cor."

Luís Fialho, in O Benfica

Ibrahi-bola-vic

"O último dos 4 golos que Zlatan Ibrahimovic marcou à Inglaterra é de uma genialidade que ficará para os anais do futebol. Uma obra-prima que marcará indelevelmente a carreira de Ibra, seu petit nom. Jogando pela Suécia, é filho de mãe croata católica e de pai bósnio muçulmano, de origem cigana, com o nome do pai tatuado em árabe! Um jogador que tem tanto de estranho e irreverente quanto possui de mágico e artista da bola. Sendo tão bom de bola parece que não é bom da bola, o que, em parte, explica porque não ia à bola com Guardiola no Barça.
A pensar nesta subtileza da preposição que antecede a bola em expressões populares, lembrei-me do jargão futebolístico a ela associada. Não tanto pela forma (o esférico, a redondinha), mas por expressões de dela se falar pela ausência ou mutilação.
Diz-se que há grandes jogadores que jogam «sem bola». Será que eu próprio perdi uma boa oportunidade de jogar bem à bola... sem bola?
Ou que há «bolas divididas», só não se sabe, quanto ao quociente em quantas partes e quanto ao resto em quantas lesões. Ou, ainda, que há «bolas perdidas», às vezes nas nuvens como na Choupana do Nacional quando, amiúde, o nevoeiro surge.
Se há «bolas divididas», manda a boa educação que haja «bolas repartidas», embora às vezes com a intromissão do árbitro. Há dias ouvi até um comentador dizer que um certo jogador é tão bom que até «descansa com bola». Ou será a bola que descansa do jogador? Enfim, melhor será por aqui ficar, não vá este «pontapé-de-saída» em A BOLA transformar-se numa bola de neve...
Prefiro, rever a bola (verdadeira) do chapéu do Ibrahi-bola-vic."

Bagão Félix, in A Bola

Na luta...


Benfica 2 - 1 Celtic

Fica um sabor amargo na boca, comparando estas duas equipas, e saber qual delas tem maiores probabilidades de seguir em frente na Champions... O Benfica nos dois jogos demonstrou ser muito superior a este Celtic - mesmo com todas as nossas fraquezas -, ganhou 4 pontos, contra 1 dos Católicos, e mesmo assim estamos mais perto da Euroliga do que da Champions!!!

Hoje, o resultado só peca, por ter sido escasso, o Celtic só nos descontos fez alguma coisa para marcar um golo, antes só deu Benfica, com várias oportunidades desperdiçadas... O empate do Celtic caiu do céu, e até ao tiro do Garay ter dado justiça ao resultado, na Luz, pairou a ideia de esta época Europeia estar enguiçada!!!

O Matic voltou a fazer um jogão, de longe o melhor em campo, a defender e a atacar - só espero que a lesão não seja grave. O Ola John já marca golos, e até nos despiques corpo a corpo, nota-se uma evolução. Luisão e Garay estiveram muito bem, o capitão só foi ultrapassado já perto do fim, num sprint, mas não está a demonstrar falta de ritmo... O Almeida voltou a fazer um excelente jogo na Champions, dando inclusive mais segurança nas tarefas defensivas do que o Maxi... O Melga continua a calar os críticos da sua adaptação... O Enzo teve discreto, pareceu-me jogar ainda condicionado fisicamente, melhorou na 2ª parte. Continuo a achar que o Salvio está num mau momento - apesar de uma assistência, de um falhanço monumental, e uma bola na barra -, mas pelo menos ajudou a defender com eficácia... O Lima apareceu muitas vezes fora da zona de finalização, teve uma grande oportunidade, mas um adversário tirou a bola em cima da linha. O Cardozo que com equipas britânicas costuma facturar muito, hoje encontrou um guarda-redes inspirado que lhe 'roubou' vários golos!!! O Maxi entrou bem, o Jardel entrou nos últimos minutos para o jogo aéreo. O Gaitán, entrou, e foi o melhor jogador do Celtic!!! Várias perdas de bola 'parvas', e perigosas!!! Contra o Moreirense jogou a parte final no meio, nas costas do Cardozo, e até resultou, mas o Nico não tem 'cabeça' para jogar a '10' - o Aimar e o Martins em condições normais teriam sido a opção -, nos flancos as perdas de bola, não são tão graves, agora quando se perde uma bola na zona central o perigo potencial, é enorme, a aselhice Escocesa ajudou...!!!

Já faltam adjectivos para qualificar as arbitragens nos jogos Europeus do Benfica!!! Hoje, além da 'novela' do Enzo... voltámos a apreciar a imputabilidade do Wanyama, que imagine-se, viu um amarelo a 5 minutos do fim!!! No golo do Celtic, o Artur foi 'passsarinho', mas o Hooper fez-lhe um bloqueio, na pequena área... Na 1ª parte, num lance onde o Salvio e o Cardozo se atrapalharam, conseguiu ver uma falta, contra o Benfica, quando o Óscar já estava isolado....!!! Repito, não quero ser beneficiado, mas para quando uma arbitragem 'caseira' na Luz? Só para saber, como é...!!!


segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Madamileno e o regime

"Madaleno mil. Madamileno. Sentado no seu trono de farroupilha solta pilhérias e flatos à vontadinha perante a adoração do seu séquito de lambe-botas. Ao apagar as mil velas tremeluzentes, estavam lá todos, desde o Copiador-Descarado-de-Livros-Alheios ao Banqueiro-Apatetado e ao Merceeiro-de-Tiques-Estranhos que nunca faltam a estes estúpidos salsifrés empunhando felizes as suas esferográficas sempre ao serviço de tão aberrante figurão. Depois o Madamileno faz um dos seus discursos meio ininteligíveis meio néscios, e perora contra  emblema do velho regime que não existe mais. O Madamileno não tem mil anos, mas quase. É antigo como um psiché vitoriano e nunca ninguém lhe conheceu, ao tempo desse tal regime que se finou, uma palavra de afronta, um gesto de desafio, uma paródia corajosa contra aqueles que perseguiam, prendiam, torturavam.
Nunca de tal foi capaz tão desabrido personagem. Nada de nada de nada se regista no seu currículo. Foi um, como tantos outros: submisso, escondido, fingindo ignorância e distracção. Nada do que se passou de vergonhoso, de indecente, mereceu o seu interesse. Talvez as flausinas o mantivessem demasiado ocupado, quem sabe? Mas também talvez fosse apenas a visível poltroneria de que é feito. Calou, amouchou, escondeu-se. Depois veio um tempo novo e a liberdade serviu-lhe para abusar da grosseria.
Quem o ouve diria que foi um campeão da Democracia, um arauto dos direitos de cada um. É apenas farronca. O Madamileno sempre foi um manso. Só ganhou coragem quando os mercenários se postaram a seu lado, protegendo-lhe as costas, agredindo qualquer um que cometa a desfeita de o enfrentar. É um títere do regime. Do seu próprio regime..."

Afonso de Melo, in O Benfica

Objectivamente (terceiros...!!!)

"A visita guiada ao museu do Sporting da dupla de presidentes, Godinho Lopes/ António Salvador, foi uma maquiavélica manobra que fica muito mal à aristocrática classe leonina!
Tanto se gabam da grandeza de carácter dos adeptos do Sporting que não se percebe esta arrogante imposição, à martelada, da história do Clube, perante um atónito Salvador que mais não conseguiu fazer do que reagir com civismo a um acto de grande enxovalho.
No lugar dele não sei se conseguiria reagir com tanta elegância!
Quando na parte final da visita Godinho Lopes chamou os jornalistas para fazerem perguntas, Salvador ainda tentou disfarçar a coisa com um grande elogio à história do clube verde e branco. Mas não soube ou não teve habilidade suficiente para se esquivar à humilhação. Disse que o Sporting tinha uma grande história mas que em termos desportivos o Braga estava melhor nos últimos anos. E, logo ali à frente de todos, Godinho reagiu como se tratasse de um debate ao vivo e disse-lhe que o Desporto não é só Futebol...
Pena é que o presidente do Braga não lhe tenha refrescado a memória com a história do Belenenses, por exemplo, que também é infinitamente superior à dos Bracarenses e, no entanto... está na II Divisão!
É claro que não está em causa quem tem mais taças no Museu! O que está em causa é a mesquinhez de certas pessoas que sentem necessidade de se afirmarem assim, IMPONDO a sua valia à força!
Apesar de entender que Salvador nem sempre tem sido simpático com alguns adversários (ele é mais azul e branco), desta vez tem razão quando diz que os resultados do Futebol do SC Braga (e não desportivos como disse por lapso) têm sido bem mais positivos que os do Sporting.
O resto são cantigas para embalar meninos!"

João Diogo, in O Benfica

Ponto a ponto

"1. Depois de excelente exibição de quarta-feira, para a Liga dos Campeões, uma vitória conquistada com muita luta no difícil (e com péssimo relvado) campo do Rio Ave. Vai ter que ser assim, jornada a jornada, ponto a ponto, até ao fim.

2. Normalmente, os jogos são à noite, há muita gente, vamos com pressa para chegar ao nosso lugar ou, depois, para regressar a casa e não tomamos atenção ao que nos rodeia. Mas eu convido os benfiquistas e irem de dia ao nosso Estádio e a darem uma volta, não tanto pela Praça Centenário mas principalmente pela zona contígua à II Circular e Avenida Lusíada, começando pelo acesso frente ao Colombo, por baixo da II Circular, com uns bonitos e imponentes murais. Depois, subindo para o Estádio, vê-se como a parte de jardinagem está bem tratada, dando um bonito aspecto àquela zona menos frequentada aos dias da semana. Vale a pena dar por lá uma volta. E os meus parabéns aos responsáveis por esse trabalho... que infelizmente passa normalmente despercebido.

3. Um antigo elemento de uma claque benfiquista, tornado infelizmente conhecido pelo acidente que vitimou um adepto sportinguista numa final da Taça de Portugal (acidente que não desculpa a utilização de um 'very light') foi novamente detido pela polícia aquando do jogo com o Spartak. Lamento mais uma vez a sua actuação, que só mancha o nome do Clube e da respectiva claque e espero que o referido elemento já tenha sido definitivamente afastado. E chamo a atenção para um facto que, no meio de tudo isto, passou despercebido: aquando desse jogo, a polícia deteve, por distúrbios, 31 adeptos russos e apenas esse adepto português. Mas, infelizmente, quem leu os jornais ficou com a sensação de que foram os nossos que pior se portaram. O que não impede que se lamente, mais uma vez, a utilização de petardos que vão implicar mais multas para o Clube. Quando é que as claques se capacitam que estão lá para apoiar - e nesse aspecto são inexcedíveis -, dispensando-se o resto?

4. Curioso este Sporting - Sp. Braga. Pela oportuna (eu faria o mesmo) visita ao museu do clube da casa proporcionada ao presidente minhoto, para mostrar que este, apesar de forte no Futebol, está muito longe de ser o terceiro 'grande' (o seu muito apreciado presidente até acabou com as equipas de Atletismo que eram imagens de marca do Clube). E curioso também pela sorte que o Sporting teve no jogo - sorte nas jogadas de perigo e sorte nas decisões do árbitro. E andam eles sempre a queixar-se..."

Arons de Carvalho, in O Benfica

Luisão, Artur e Matic

"1. (...)

2. Mas, esta semana, falemos dos homens que merecem registo. Um deles é Zlatan Ibrahimovic. Marcou os quatro golos com que a sua Suécia derrotou, em casa, a Inglaterra. O jogo era, como quase todos os outros desta semana, amigável. Mas, o seu último golo é, sem qualquer dúvida, um dos grandes golos deste século e será referenciado no ranking do futebol mundial. O seu fabuloso pontapé de bicicleta, de longa distância, e que surpreendeu Joe Hart, é uma verdadeira 'obra arte'. Para ser visto e revisto. Guardado e recordado. E, para ele, decerto, um reforço da sua já elevada auto-estima. Que o tem acompanhado e condicionado na sua vida de profissional de futebol.

3. Foi uma defesa impossível. Mas, afinal, não necessária. O lance foi anulado, já que a bola havia ultrapassado, no momento do cruzamento, a linha de fundo. Por mim, nesse instante adepto de sofá, saltei e dei graças a Artur. Mas, a defesa  de Artur Moraes, guarda-redes do Benfica, no jogo frente ao Rio Ave, foi uma defesa de outro mundo. Sabemos que todos nós, seres humanos, sentimos a necessidade de nos apreciarmos. E a auto-estima, na linha de Luis Rojas Marcos, é um elemento determinante do nosso equilíbrio emocional, da nossa integridade como cidadãos e do nosso sentido de segurança. Artur Moraes tem crescido, e muito, no Benfica. É legítimo que sonho, desde já, com uma convocatória para a Selecção brasileira de futebol. Estou certo que continuará a ser um dos baluartes de um Benfica que ambiciona chegar longe em todas as competições em que participa nesta época.

4. Moreira de Cónegos significou a passagem do Benfica aos oitavos de final da Taça de Portugal, mas, acima de tudo, significou o regresso, à competição, de Luisão. E regressou com convicção e galhardia. A mesma com que voltou a envergar a braçadeira de capitão. Acrescendo, aqui, o orgulho evidente. Mas, também, vimos confiança. A mesma que sentimos que cresce, jogo a jogo, em Matic. E, neste jogador, vimos garra. Sentimos atitude. E sentido de equipa. O que nos tranquiliza.

5. Em Moreira de Cónegos voltou a falar a luz. Parece que o Benfica provoca, de vez em quando, apagões. Não temos notícia de incidências semelhantes em outros jogos ou situações. O Benfica, em vez de ser um factor de tranquilidade para as frágeis tesourarias dos clubes que visita, parece ser um elemento de desassossego para as linhas eléctricas que abastecem os estádios que o acolhe. Não será caso para pedir inquéritos. Nem para fazer julgamentos precipitados ou apressados. É caso para se dizer que são fases eléctricas de infelicidade. Mas que não perturbam nem os atletas, nem os árbitros envolvidos. Que variam. O que permanece é o apagão em três jogos do Benfica. Mas, na Luz, e com muita luz e fé, teremos que ultrapassar o Celtic. É bom não esquecermos que foi uma das poucas equipas que, nesta época, derrotou o Barcelona em que Messi continua a fazer das suas. Como, ontem, o Saragoça percebeu.

6. (...)"

Fernando Seara, in A Bola

domingo, 18 de novembro de 2012

A «Outra Senhora» não gostava de vermelho

"José Águas e Costa Pereira foram perseguidos e ameaçados, Santana foi preso e torturado pela PIDE. A cor das camisolas foi banida, o hino do clube silenciado. Mas o tom da resistência continuou vivo.

" «No tempo da Outra Senhora», dizia-se. E ainda se diz... Uma senhora salazarenta, sinistra. O hino do Benfica, «Avante p'lo Benfica», da autoria de Félix Bermudes e Alves Coelho foi silenciado pelo regime fascista. Soava a comunismo.
Os vermelhos deixaram de ser vermelhos. Era, também, excessivamente comunista. Passaram a ser «encarnados».
A «Outra Senhora» não gostava de vermelho. E muito menos que houvesse gente com coragem para gritar »Avante!»
»Fui à António Maria Cardoso por diversas vezes», contava José Águas, antigo «capitão» do Benfica. Antónoi Maria Cardoso foi um oficial da Marinha, explorador de África. O seu nome não tinha nada de sinistro. Depois a PIDE instalou-se num edifício da Rua António Maria Cardoso, ali ao Chiado. E, para sua desgraça, uma aura sinistra envolveu a sua graça.
José Águas, nascido em Angola, sempre foi conhecido por expor francamente os seus pontos de vista. Num tempo em que a expressão podia ser crime, isso trouxe-lhe amargos de boca: «Houve um 'bufo' que transmitiu à PIDE o teor de algumas conversas que eu tinha tido num café no qual costumava encontrar-me com um grupo de amigos», contava Águas. «Fui interrogado por várias vezes. Aconselharam-me a não me meter na Política. Cheguei a ver o caso muito mal parado. Felizmente, o Futebol sempre influenciou fortemente aqueles que era mais susceptíveis de serem influenciados. E os senhores da PIDE nunca foram mais esclarecidos. Mas chegue a sentir medo. Muito medo!»
A participação do Benfica nas Taças Europeias também deixava a PIDE em estado de alerta máximo. Sobretudo quando metia deslocações aos países que ficavam para lá da «Cortina de Ferro». Costa Pereira costumava contar que, antes de uma deslocação do Benfica à Bulgária os principais jogadores da equipa tinham sido chamados à PIDE para uma sessão de esclarecimento. «Disseram-nos que os comunistas era todos vigaristas e que nós precisávamos de ter muito cuidado. Davam o exemplo do brasileiro Vavá que tinha distribuído uns autógrafos e alguém pegara numa das suas assinaturas e a colocara no final de um artigo no qual contava mentiras incríveis sobre as barbaridades praticadas nos países fascistas. E davam-nos uma ordem terminante: concediam-nos todas as facilidades para nos deslocarmos, mas impunham uma condição - não dávamos autógrafos a ninguém! E se um dia aparecesse nos arquivos deles um artigo qualquer em desabono da nossa situação Política com a assinatura de algum de nós, iríamos ter problemas gravíssimos».

Santana foi preso e torturado
Mas houve mais, muito mais. Sempre com o Benfica no centro dessa doentia aversão que a «Outra Senhora» tinha pelo vermelho. Santana, outro dos principais jogadores do Benfica dos anos 60, era também uma figura conhecida da António Maria Cardoso. Por razões diferentes, no entanto. As suas ligações aos movimentos de libertação de Moçambique eram fortes. Numa das viagens do Benfica a Praga encontrou-se clandestinamente com o teu velho amigo Marcelino dos Santos e com o tenente Veloso, um dos comandantes de Frelimo. Ambos lhe pediram para trazer determinadas mensagens para elementos que estavam em Portugal. A PIDE não lhe perdoou. Puseram-lhe o telefone sob escura. Um dia, os agentes surgiram no Estádio da Luz para o levarem. Esteve preso durante muito tempo. Foi torturado. Emagreceu quase dez quilos. Por mais de uma vez, brigadas da Polícia do Estado estiveram no seu quarto do Lar do Benfica, no qual moravam muitos dos jogadores da época, procurando documentos que o comprometessem. Nunca os encontraram.
«Quando foi o caso do Santana, aconteceu que eu tinha telefonado na véspera para casa dele», contava José Águas. «No dia seguinte tive de me identificar na PIDE. Quando o prenderam, percebi que também eu estava metido num sarilho. Dois ou três dias depois, notei que andava a ser seguido. O homem tinha uma cara que nunca mais esquecerei. Escondido atrás de um jornal, parecia um daqueles agentes secretos dos filmes. Nem posso dizer o que senti nesse momento...»
Palavras únicas. Registos óbvios de grandes e insuspeitas figuras. Sinistra «Senhora» essa dada a perseguições e a torturas.
Mas o vermelho continuou vivo."

Afonso de Melo, in O Benfica

adenda:  Rectifiquei o local de nascimento do José Águas (Angola seguramente...), no caso de Santana, sei que também nasceu em Angola, mas creio que as ligações à Moçambicana Frelimo existiram mesmo...!!!

Uma noite no Museu

Enquanto o Sporting e o Sporting de Braga se mantém entretidos com a discussão sobre quem é o terceiro e quem é o quarto entre os grandes, os presidentes dos indiscutivelmente primeiros e segundos por ordem de grandeza perfilam-se calados e distraídos desta luta que não lhes diz por agora respeito. Quanto ao futuro, nunca se sabe.
Desde que ganhou as presidenciais 2012, Luís Filipe Vieira não mais foi visto nem ouvido e a vida no clube prossegue com normalidade. Pinto da Costa, por motivos clínicos remeteu-se ao silêncio na antevéspera da venda de Hulk ao Zenit de São Petersburgo por 40 milhões de euros e só regressou à fala há coisa de quinze dias, quando festejou os seus 1000 jogos à frente do FC Porto no final do Estoril-FC Porto a contar para o campeonato. Foi tão surpreendentemente longo o período de silêncio absoluto e de desaparecimento físico do presidente do FC Porto que, quando voltou ao activo, no Estoril, já nenhum jornalista entre os muitos presentes se lembrou de lhe perguntar, com o devido respeito, pelo abate de 60 milhões à cláusula de rescisão judiciosamente estabelecida para Hulk.
É verdade que, ao contrário do que é costume, não se têm ouvido os presidentes do Benfica e do FC Porto nestes primeiros meses da competição a sério. A culpa é do Sporting, obviamente. Os sobressaltos da equipa de futebolistas de Alvalade a que se somam os sobressaltos da equipa de dirigentes de Alvalade têm ocupado de tal forma, massivamente, as atenções dos "media" que pouco ou nenhum espaço tem sobrado para Vieira e Pinto da Costa poderem vir dizer das suas, em caso de necessidade.
Com o Sporting em baixo, encheu o peito de ar o Sporting de Braga e veio reclamar a promoção a terceiro grande. E os Sportings andaram assim entretidos por toda a semana que antecedeu o encontro entre os dois em Alvalade. Ficou apenas por saber o que terá aborrecido mais António Salvador: a derrota pela diferença mínima que o atrasou na tabela ou a visita guiada por Godinho Lopes que foi convidado a fazer ao Museu do Sporting antes do jogo. E como no Museu do Sporting não há falta de material, Salvador nem teve de esperar pelo golo anulado a Alan do jogo para saber que há grandes e grandes...

ERRAR É HUMANO
Há gente muito exagerada
No rescaldo da última jornada da Liga e olhando para o campo do adversário, os benfiquistas dividem-se entre os que se congratularam pelo golo anulado ao Sporting de Braga porque assim o Braga ficou mais para trás e os que se congratularam pelo mesmo golo anulado ao mesmíssimo Sporting de Braga porque assim ficou provado que teve de ser um reputado benfiquista, como é o árbitro Pedro Proença, a vir em socorro dos velhos rivais da Segunda Circular para lhes poupar num gesto magnânimo uma série absurda de nove jogos sem vitórias.
Este Sporting de 2011/2012 parece ser um caso muito dado ao exagero. Não que possa ser considerada exagerada a razão que levou o presidente Godinho Lopes a reunir-se com o presidente dos árbitros nas vésperas do jogo com o Sporting de Braga. Todos os presidentes dos grandes, dos médios e dos pequenos fazem precisamente a mesma coisa quando os resultados em campo não são animadores. Exagero terá sido, 24 horas depois do jogo e da vitória tão sofrida, a emergência de um comunicado oficial do clube denunciando de forma veemente as atrocidades cometidas pelos árbitros contra o Sporting e a favor dos rivais neste primeiro terço do campeonato. Está visto que por facciosismo ignoraram o favor do árbitro benfiquista.
POSITIVO
Artur brilha
Depois do pesadelo-Roberto, o Benfica encontrou em Artur uma solução de categoria para a sua baliza. Em Vila do Conde, o guarda-redes brasileiro fechou o jogo com uma defesa de altíssimo nível.
Patrício também
Será injusto que se considere Pedro Proença como a figura decisória do jogo de Alvalade quando o guarda-redes do Sporting não se cansou de defender bolas dificílimas no jogo com o Braga
NEGATIVO
Helton nem tanto
Há sempre um dia em que um bom guarda-redes dá um frango. Aconteceu a Helton no jogo com a Académica no Dragão. O brasileiro do FC Porto ficou muito mal na fotografia do golo de Wilson Eduardo.
PÉROLA
"Nunca seria insultuoso com os adeptos."RICKY VAN WOLFSWINKEL
Foi apenas uma ilusão de óptica. Uma partida pregada pelos sentidos, melhor dito, pela visão. Uma partida tão bem pregada que até iludiu objectivas de máquinas fotográficas. O holandês do Sporting nem sequer tem dedo do meio. O que o Photoshop pode fazer a um gesto inocente, essa é que é essa."