Últimas indefectivações

sábado, 3 de maio de 2014

Mais uma Final amanhã... Força Benfica !!!

Benfica 5 - 0 Arsenal Parada

Muitos golos falhados, nesta meia-final da Taça de Portugal, com um adversário de uma divisão menor. Ao intervalo, vencíamos por 1-0, após um golo, onde a bola bateu no poste, bateu nas costas do guarda-redes, bateu no braço do guarda-redes, e só depois na recarga, o Henmi marcou!!!
O Joel e o Gonçalo não jogaram (não sei se estão aptos para amanhã) e fizeram muita falta, principalmente o Joel... Destaco golo do Bruno Coelho, porque depois de início de época a marcar golos, atrás de golos, ultimamente tem estado menos eficiente... o Bruno está a precisar de ganhar confiança no remate...

Amanhã, a Final vai ser jogada com o Fundão. A equipa que eliminou o Sporting. Não vai ser nada fácil, bem pelo contrário... e se os nossos dois veteranos - Joel e Gonçalo -, não jogarem, então será muito complicado... Não podemos facilitar na finalização...

PS: Isto amanhã ao final da tarde, vai ser um fartote de Finais: Futsal, Final da Taça de Portugal; Voleibol, Final do Campeonato... e ainda temos o 2.º jogo das Meias-Finais do Play-off do Basquetebol. Além do último jogo na Luz esta época dos Campeões Nacionais de Futebol...!!! Quase tudo de enfiada!!! Força Benfica...

Primeiro passo...

Benfica 91 - 62 Sampaense
20-10, 21-15, 24-19, 26-18

Jogo competente, sem dar abébias...!!! Este Sampaense não é o 'mesmo' que nos derrotou no início de época, e este Benfica também não é a 'mesma' equipa!!!
Com todos os jogadores aptos, deu para ganhar uma boa vantagem, e dar descanso aos mais utilizados, já que amanhã, temos outro jogo...

Eliminados...

Barcelona 3 - 2 Benfica

Fizemos um bom jogo, mas falhámos demasiados golos (aquela bola do João Rodrigues, que foi aos dois postes, que fazia o 2-0 a nosso favor, ficou atravessada...!!!), mas até conseguimos estar bem na defesa (o nosso sector mais fraco...).
Compreendo que nestes jogos, onde a concentração defensiva é fundamental, exista receio em colocar a jogar, jogadores com menos atributos defensivos, mas o Miguel Rocha merece mais minutos...
Mas o Hóquei em Patins, é uma daquela modalidades, onde o organizador deste tipo de torneios, tem 90% de probabilidades de vencer. O ano passado, contra tudo, e contra todos, conseguimos surpreender, mas isso é algo que acontece de 20 em 20 anos!!! Quando foi conhecido local desta Final 4, fiquei com a convicção que o Campeão Europeu seria o Barcelona. Amanhã os Corruptos, não vão ter hipóteses...
O Barça tem uma boa equipa, mas nada de outro mundo, e hoje o Benfica demonstrou isso.
Só que com 15 minutos de jogo, já o Benfica tinha atingido a 10.ª falta...!!! É verdade que o Trabal defendeu os 3 livres directos, mas a intensidade defensiva do Benfica, teve que baixar, porque se o Benfica defendesse com a mesma agressividade que o Barça, durante todo o jogo, então tínhamos chegado às 50 faltas!!! A partir do momento que o Barça fez o 3-1, o critério mudou (um pouco), mas o mal já estava feito... por exemplo, o 2.º golo do Barcelona (2-1) é num contra-ataque, após uma falta sobre o Valter Neves ter sido 'invertida'!!! Aliás, foram várias as faltas, feitas pelos defesas do Barça, que foram transformadas em faltas ofensivas do Benfica!!! O actual sistema de jogo passivo, é outra das formas 'sujas' de controlar o jogo, hoje, depois do 3-1, foi um espectáculo... também fiquei a saber que se pode jogar a bola com os patins dentro da área, do Barça, pelo menos por duas vezes!!!

Agora temos que nos concentrar no Campeonato, onde surpreendentemente estamos à frente... jogo, a jogo, até ao triunfo final... todos os jogos são fundamentais, o próximo é na Luz com a Oliveirense, na Quara-feira (à hora da Final da Taça da Liga!!!).

Até que a matemática permita !!!

Benfica 31 - 22 Águas Santas

Não deixa de ser irritante, ver esta equipa jogar bem, quando tudo (praticamente...) está perdido... afinal, até sabemos jogar!!!

Décima final

"A maldição de Guttmann assume a importância que cada um lhe quiser atribuir. Primeiro, é preciso acreditar nela, na maldição. Depois, falta saber o que lhe deu «vida»: pelos vistos, uma rfrase avulsa do treinador húngaro, bicampeão europeu pelo Benfica, que muitos poucos terão testemunhado, motivo pelo qual explodiram versões para todos os gostos e feitios.
Em rigor, o que é que terá dito? Presumivelmente que sem ele nunca mais o emblema da águia conquistaria um título europeu. Como a seguir às vitórias de 1961 e 1962 se registou um acumular de derrotas (1963 e 1968, em Londres; 1965, em Milão; 1988, em Estugarda, para a Taça/Liga dos Campeões, e 1983, na Taça UEFA com o Anderlecht) consta que na final de 1990, em Viena, desesperado adepto se predispôs a escaqueirar a referida maldição à força da picareta. Não se conhece o resultado da operação, mas deve ter fracassado porque na capital austríaca, então sob orientação técnica de Eriksson, Benfica somou outro desaire (0-1, com golo de Rijkaard). E em Amesterdão, 23 anos depois, as coisas também não correram bem com o Chelsea.
Versão mais recente sugere que a colocação da estátua de bronze de Béla Guttmann junto da porta 18 do Estádio da Luz foi suficiente para fazer as pazes no céu e serenar as mentes na terra. Não se exigiria tanto... Garantida a décima presença em finais das competições da UEFA, o jornalista Nuno Luz, da SIC, apanhou Luís Filipe Vieira no relvado e questionou-o. «Quem trabalha como nós, é assim...», foi a resposta.
O Benfica avança para a décima final europeia: mais do que ele apenas Barcelona, Real Madrid, Milan, Juventus, Bayern e Liverpool. É o sétimo da Europa, temido e respeitado. Por isso, António Conte fez triste figura ao avaliar deficientemente a riqueza futebolística do adversário português. Por isso, o treinador da Juventus foi ridículo nas desculpas que deu. Vieira tem razão: não há maldição que resista a trabalho sério e competente."

Fernando Guerra, in A Bola

PS: São pormenores, mas continuo a achar que o Benfica devia ser mais pro-activo nestas coisas: esta é a décima Final da UEFA do Benfica, mas é a 12.º Final Europeia do Benfica. Quando o Benfica, ou os Benfiquistas não defendem a nossa história, não podemos estar à espera que os outros o façam por nós...!!! A Taça Latina, era na altura a competição máxima Europeia; foi organizada pelas Federações dos 4 países; e é sempre bom lembrar que o Celtic, no Jamor, foi o primeiro Campeão Europeu, não-Latino, em 1967... na 12.ª edição!!! Antes só Campeões Latinos: 6 vezes o Real Madrid, 2 vezes o Benfica, 2 vezes o Inter e 1 vez o AC Milan.
Ainda por cima, com a Final da Champions em Lisboa, a dualidade ainda é mais evidente: todos falam na possibilidade do Real Madrid conseguir o 10.º título Europeu, quando a tal 1.ª Taça dos Campeões Europeus, ganha pelos merengues, foi organizada pelo jornal Francês L'Equipe, numa altura onde não existia a UEFA tal como aconteceu com a Taça Latina... Ouve equipas convidadas para a Taça Latina, que desportivamente não deveriam ter estado lá?!!! Sim, ouve. Mas na primeira edição da Taça dos Campeões Europeus, a tal organizada pelo L'Equipe, o representante Português: o Sporting... Também não foi o Campeão na época anterior!!! O Benfica tinha sido o Campeão, mas...

Não compreendi a piada com o Maxi !!!

Cuidem-se Nuno's Luz's deste País... quando o homem arrumar as botas, vai agarrar no microfone!!!

Vamos de Porche para a Festa !!!

Quando comecei a ver estes anúncios no canal oficial do Benfica no Youtube, ainda pensei que o Benfica ia oferecer um Porche a cada sócio... mas afinal, quem os quiser vai ter que pagar... fica para a próxma!!!

sexta-feira, 2 de maio de 2014

A história os julgará. Bem!

"Turim - A espuma provocada pelo turbilhão da actualidade, tantas vezes dominada por assuntos insignificantes, é inimiga da capacidade de análise, por impedir uma visão transparente de acontecimentos ou acções. A história é o maior dos juízes e por isso é necessário que os anos passem para se saber olhar para trás e interpretar sem grandes riscos o que se passou. Não acredito, no entanto, que se possa errar muito ao julgar esta época do Benfica como motivo para recordar por muito e muito tempo, mesmo sendo nós todos reféns dos nossos preconceitos, simpatias ou ódios.
Especialmente, os adeptos dos encarnados vão lembrar-se desta equipa, deste jogo. A vitória no Campeonato afastou o peso trágico e sufocante das derrotas na fase final da última temporada e, entre alguns, anunciou um vento de mudança no futebol português. Se o ciclo mudará em Portugal logo se verá. O percurso das águias na Europa voltou a estar à altura da história do clube e ambições dos adeptos. Faltam ainda as finais da Taça de Portugal e da Taça da Liga que podem fazer deste ano um dos melhores de sempre do Benfica, já sendo inesquecível. Depois da derrota com o Marítimo na primeira jornada, muitos não acreditavam. Neles me incluo. E como tantos estavam errados."

Nuno Paralvas, in A Bola

A récua

"1. A torpe imagem de um grupelho de sicários ocupando uma praça do Porto para impedir os festejos dos adeptos do Benfica foi das coisas mais ignóbeis que me recordo de ver fotografada nos últimos quarenta anos. Quarenta anos porque são aqueles que se comemoram sobre o 25 de Abril e não foi certamente para javardices destas que se fez o 25 de Abril.

2. Há gente (gente?) que ainda não percebeu - nem alguma vez perceberá, tão churda é a sua massa encefálica - as regras básicas da convivência humana e os princípios lineares da Democracia.

3. Não é de estranhar. Os exemplos que seguem são sórdidos; as figuras que idolatram são intelectualmente insanas. E as forças da ordem, que se reclamam pela lei e pela grei, preferem olhar para o lado e procurar um carro mal estacionado para multar do que fazer o seu serviço de permitir que qualquer cidadão percorra tranquilamente as ruas da sua cidade. Estão bem uns para os outros. E a imagem fica por aí, espalhada, como marcada a ferro em brasa na pele da nossa sociedade emporcalhada.

P.S. - O chefe da arbitragem veio a público dizer que o trabalho dos seus apitadores ficou aquém do esperado, talvez porque o Campeonato Nacional não levou o rumo habitual. Um pingo de dignidade fá-lo-ia assumir a sua responsabilidade e pôr a hipótese de se demitir."

Afonso de Melo, in O Benfica

Plantel de heróis e o sonho continua

"O Benfica não pode pensar que a final da Taça da Liga contra o Rio Ave vai ser tão fácil como a meia final no Dragão, senão perde a competição. Se o Benfica perder a Taça da Liga tem a terceira pior prestação da sua história na prova. Pelo contrário o FC Porto, com a eliminação nos penalties do passado domingo, conseguiu a sua terceira melhor prestação na prova. Por isso terá que ser com onze, e com alguns titulares a final, dia 7, em Leiria.
Diga-se em abono da verdade que o futebol azul e branco não está à altura do seu departamento jurídico.
Foi com trabalho que o departamento jurídico colocou o FC Porto nas meias finais, vencendo os argumentos leoninos, para os jogadores desperdiçarem a oportunidade de igualar o palmarés de V. Setúbal e SC Braga na prova. Eu por mim não tenho hesitação. Quero muito ganhar ao Rio Ave e vencer a quinta Taça da Liga.
Como adepto não estive à altura da equipa. Nunca pensei possível com aqueles jogadores, reduzidos a dez, vencer no Dragão e por isso aqui me confesso e peço desculpa. Como desabafava um grande amigo portista à saída do estádio no domingo, no último ano deve ter custado aos benfiquistas ver Jesus ajoelhado no Dragão. Mas este ano custou-me muito mais ver o Dragão ajoelhado perante Jesus.
Se o Benfica quer manter o caminho do êxito não pode esperar que o FC Porto não vá melhorar muito, tem que fazer de tudo para se manter com igual qualidade. Não podemos vencer porque os adversários estão fracos, temos que ser competentes.
Só essas vitórias têm real valor.
Estamos na final da Liga Europa porque temos uma equipa de heróis. Em Turim, contra a Juventus, reduzidos a nove, é ainda melhor que no Dragão, contra o FC Porto, reduzidos a dez. Ficámos sem meio campo para a final mas num plantel de heróis só o sonho continua."

Sílvio Cervan, in A Bola

Em Turim, houve aula de mística

"O Benfica vai estar, pela décima vez, na final de uma competição europeia de futebol. Em Turim, onde o favoritismo estava do lado da Juventus, a equipa de Jorge Jesus começou por ser atrevida, a seguir foi pragmática e acabou heróica, reduzida a nove elementos e a suportar oito minutos de compensação (que não se discutem). Na vida, há momentos para tudo e prevalece quem melhor sabe adaptar-se a cada um deles. O Benfica, perante dificuldades tremendas - além da categoria da vecchia signora a expulsão de Enzo e a lesão de Garay - soube apresentar argumentos para vencer, numa aula prática de mística. Em Turim, os jogadores do Benfica não ficaram, em garra, vontade de vencer e respeito pela camisola, atra´s dos que construíram para o clube, um património desportivo tão rico.
Aliás, 2014 é, para o Benfica, o ano das finais: na próxima quarta-feira, em Leiria a da Taça da Liga; no dia 14, em Turim, a da Liga Europa, a 18, no Jamor a Taça de Portugal e, de certeza, em Agosto, a da Supertaça nacional (se ganhar a Liga Europa terá também a final da Supertaça europeia).
Em Turim, no próximo doa 14 de Maio, o Benfica vai ser confrontado com uma situação pouco usual no seu percurso europeu: chega a uma final e é considerado favorito. Creio que apenas na final de 1963, em Wembley (derrota com o AC Milan por 2-1) isso aconteceu. Por isso, o jogo com o Sevilha deverá ser preparado, do ponto de vista psicológico, com todos os cuidados. A descompressão é, neste caso, o pior inimigo dos encarnados. Para vencer a Liga Europa, a equipa de Jorge Jesus tem de entrar em campo, num estádio onde ontem foi tão feliz, munida de dois instrumentos essenciais: fome de vitória e respeito pelo adversário.
Se tal acontecer, o céu é o limite."

José Manuel Delgado, in A Bola

Heróis!

"O Benfica confirmou a dimensão da equipa que construiu. Tem alma, é realista, luta e tem paixão. O treinador também!

uma ano, tudo perdido; um ano depois, de novo perto de ganhar tudo. Agora, talvez melhor se compreenda a fantástica época que o Benfica de Jesus fez, afinal de contas, em 2013, apesar de tudo ter perdido, à semelhança da fantástica época que vem realizando até este Maio de 2014, já com título de campeão no bolso e mais três finais para jogar. Impressionante!
O que o Benfica conseguiu ontem em Turim foi absolutamente heróico. Primeiro com onze, depois com dez, por fim com nove, talvez até se ficasse com oito ou sete estou convencido que os encarnados teriam trazido na mesma para Lisboa o passaporte para regressarem ao estádio da Juventus.
Heróico porque a equipa de Jesus defrontou o mais poderoso clube italiano de sempre e a mais poderosa equipa italiana do momento; heróico porque jogava no campo onde vai jogar-se a final desta Liga Europa; heróico porque não há pior do que a sensação de que um golo sofrido deita tudo a perder; heróico porque a dada altura chovia copiosamente em Turim e só um coração gigante suportaria tanto sofrimento.

MAIS do que isso, heróico porque os senhores da Juventus ainda devem julgar que estão no tempo em que os árbitros deveriam fazer o que eles desejariam... Se não, revejam-se as declarações do treinador Conte já na sala de imprensa, quando considerou, de forma impensável, que o árbitro permitiu tudo ao Benfica e que parecia, disse Conte, «estar a gozar» com os jogadores da Juventus.
Conte não sabe mesmo o que diz. Ou melhor, saber, sabe. Não sabe é que perdeu uma boa oportunidade de estar calado. Conte e a Juventus deviam, em primeiro lugar, ter vergonha das histórias que levaram a equipa italiana para a segunda divisão não há muito tempo. Se tivessem vergonha, não falariam de árbitros. E muito menos dos árbitros desta meia-final com o Benfica.

O Benfica de ontem à noite foi o Benfica dos grandes momentos desta época, o Benfica que soube sofrer para chegar ao título e, sobretudo, o Benfica que soube sofrer, com dez, para se bater com o grande rival FC Porto, quer na Taça de Portugal, quer na Taça da Liga. Nos últimos dez anos, muitos poucas equipas conseguiram nas competições europeias finais consecutivas. Como o Benfica, agora, apenas Sevilha, em 2006 e 2007 na Liga Europa, e Manchester United, em 2008 e 2009, e Bayern, em 2012 e 2013, na Liga dos Campeões, estiveram em finais consecutivas, o que ilustra bem a dimensão do que acaba de fazer a equipa portuguesa.
Em matéria de competições europeias, a coisa, este ano, fica reduzida à Península Ibérica - três equipas espanholas e uma portuguesa nas finais, com a particularidade de aos dois maiores clubes, Real Madrid e Benfica, estar associado o número 10 a estas presenças. Porque o Benfica somará a 14 de Maio, em Turim, a décima final europeia da história, e porque o Real Madrid procura na final de Lisboa, a 24 de Maio, a décima Taça dos Clubes Campeões Europeus.

MAS as finais europeias deste mês de Maio não serão apenas uma coisa ibérica, serão uma coisa latina, porque Benfica e Sevilha (inacreditável como o Sevilha de Beto, Daniel Carriço e Fiogo Figueiras chegam à final!!!) vão encontrar-se naquela que foi conhecida durante anos como a capital italiana do trabalho, e Real e Atlético de Madrid jogam em Lisboa, uma das capitais europeias que mais está na moda, e esta, sim, uma bela Velha Senhora da Europa.
Coisa Ibérica, coisa latina mas também coisa portuguesa, porque está o Benfica numa das finais, mas estão também os portugueses Ronaldo, Pepe e Coentrão, do lado do Real, mais Tiago do lado do Atl. Madrid, e ainda, repito, Beto, Daniel Carriço e Diogo Figueiras, do lado do Sevilha.
Michel Platini não deve achar graça nenhuma.
Quem também deve estar a lamentar-se de alguma coisa são os defensores do TGV entre Lisboa e Madrid, porque certamente justificariam com a final madrilena do Estádio da Luz toda a argumentação a favor do projecto.
E na verdade o TGV - de que o Benfica se tem servido para mais uma época em grande... -, daria, agora, um certo jeito, quando se espera que Madrid desapareça praticamente do mapa espanhol para reaparecer no mapa português...
Quanto à liga Europa... desde que é Liga Europa - 2009/10 - já contou com equipas portuguesas em trÊs das cinco finais, FC Porto - SC Braga em 2011, e Benfica em 2013 e este ano.
É, mais uma vez, muita fruta!
Boa fruta!

A mesma boa fruta que levou também Jorge Jesus a construir na Luz uma das melhores equipas europeias da actualidade. Grande a equipa e grande, indiscutivelmente, o treinador!
Sim, têm sido enormes Luisão e Garay, enorme Enzo, tem sido bem maior Gaitán, sim, mas nem pensar esquecer Maxi Pereira e, muito em particular, Lima e Rodrigo, sem os quais dificilmente o Benfica teria andado como andou para aqui chegar.

Não tem faltado nada.
Nem a ironia.
Agora que o Benfica descobriu finalmente um grande lateral-esquerdo... o lateral não é do Benfica.
Seria perfeito demais.

(...)"

João Bonzinho, in A Bola

Benfica épico, heróico, campeão

"De chorar por mais o apuramento do Benfica para a final da Liga Europa, agora em Turim, depois de na época passada ter estado em Amesterdão. De chorar por mais porque foi épico (pela forma como se bateu com um adversário também muito poderoso), heróico (porque acabou o jogo com apenas nove elementos, já que a juntar à expulsão de Enzo Pérez também perdeu Garay, atingido involuntariamente por Pogba) e à campeão, pela forma inquestionável como soube conviver com um jogo de bastidores deplorável, como tivemos oportunidade de constatar. E foi assim que a equipa de Jorge Jesus chegou à terceira final da época - o que é curioso e que também nos outros dois apuramentos o conseguiu com menos um jogador, prova real da qualidade da equipa, mas também da sua crença e vontade de vencer. Agora só faltam 90 minutos e, como as finais são para se jogar e vencer, o Sevilha que se cuide.

Fez ontem 20 anos que morreu Ayrton Senna. A sua morte foi horrorosa, para mais vista em directo. Tenho todo o respeito por quem foi tricampeão mundial, mas não conseguia suportar o seu feitio. Como tenho todo o respeito por aqueles que acham que ele foi o maior de todos. Espero, então, que me respeitem por assumir que o maior para mim há de ser sempre Michael Schumacher. Por quem continuo a torcer pelo regresso o melhor possível à vida.

(...)"

José Manuel Freitas, in A Bola

A Juventus teve medo

"No momento em que escrevo este artigo, não sei, nem de perto nem de longe, qual o resultado que aconteceu na 2.ª mão da meia-final da Liga Europa em Turim.
Sei que a grande 'Vecchia Signora', fundada em 1 de Novembro de 1897, com a sua postura imagética (...) acabou por ter MEDO do Benfica.
O que sei é que a Juventus, esteve envolvida no Calciocaos, com condenações pesadas como foi aquela do antigo director-executivo da Juventus Antonio Giraudo, que foi condenado a três anos de prisão pelo seu envolvimento no caso de resultados combinados em Itália. Giraudo foi considerado culpado de associação criminosa para fraude desportiva.
O actual treinador da Juventus, Antonio Conte, foi suspenso por dez meses pela Federação de Futebol Italiana devido ao seu envolvimento no chamado caso 'Calciocommesse', relacionado com apostas ilegais.
Conte foi suspenso por uma decisão da Comissão Disciplinar da Federação de Futebol Italiana, pelo facto do nome do treinador da equipa de Turim integrar uma lista de pessoas alvo de sanções por causa do mesmo processo.
O castigo aplicado a Conte, justificou-se por o treinador não ter informado as autoridades sobre o 'arranjo' de dois jogos quando era treinador do Siena na época 2010/2011, apesar de estar a par da situação.
O Siena estava então na segunda divisão e defrontou o Novara e o Abinoleffe nesses dois jogos, segundo a Federação de Futebol Italiana.
Por outro lado, o defesa da Juventus, Leonardo Bonucci, acusado de delito desportivo no mesmo processo, foi absolvido.
E foi esta insuspeita Juventus, que se armou em 'queixinhas' e apresentou uma participação contra Enzo Pérez por suposta agressão do médio argentino ao defesa Chiellini, durante o jogo da primeira mão das meias-finais da Liga Europa em que o Benfica ganhou por 2-1.
O Comité de Disciplina da UEFA antecipou para o dia 30 de Abril uma reunião ordinária que tinha agendada para o dia 15 de Maio, para analisar a situação da eventual punição do atleta Enzo Pérez.
As águias foram notificadas pelo organismo que tutela o Futebol europeu ao final da tarde de segunda-feira e têm até às 21 horas do dia 29 de Abril para responder à acusação do clube de Turim.
Por alguma razão, foi escolhido o estádio da Juventus para final da Liga Europa. Será que a justiça das coisas conseguiu ultrapassar a justiça do martelo?

(...)"

Pragal Colaço, in O Benfica

PS: Está na altura de actualizar as fotos que ilustram este excelente video, e até podem incluir algumas destas personagens da Juventus. Fica aqui o desafio para o pessoal dos vídeos!!!

Na soberania do mestre Ângelo

"O Benfica é Campeão. Luís Filipe Vieira, emocionalmente dedicou o título a Eusébio e a Coluna. Uma dedicatória incontroversa no universo vermelho. As duas grandes figuras mereciam comemorar este desidrato. Nós, todos, nós, comemoramos por eles, inspirados nas suas prestações magnânimas, nas suas sensibilidades de incontido benfiquismo.
Quis o calendário que Ângelo Martins, Bicampeão Europeu, aniversariasse no dia da conquista da Liga. Horas depois, numa cerimónia de grande intimismo, acompanhado pelo António Simões, associei-me à efeméride, na qual o presidente do Clube não esteve, mas fez questão de contactar o aniversariante, felicitando-o por um trajecto que honra todos os apaniguados rubros.
Ângelo merece todas as honrarias. Essa e outras. É o único Bicampeão Europeu nascido na cidade do Porto (mesmo ao pé do Dragão), que nunca foi homenageado pela autarquia da cidade nortenha. Razão? Notabilizou-se na defesa do Manto 'encarnado'. O provincianismo portuense explica o resto.
Sobre ele, escrevi um dia, depois de tecer muitas loas pelos desempenhos competitivos, já era treinador das camadas jovens do nosso Benfica: do prelo de Ângelo Martins saíram algumas das melhores criações do Benfica; ele era um burilador de diamantes, criador de craques; mostrou sempre cartão vermelho à incompetências; as suas impressões digitais podiam ver-se em Humberto Coelho ou Nené, Alves ou Jordão, Artur ou Shéu, Vítor Martins ou Chalana; e tantos, tantos outros. Se benficómetro houvesse, atingiria o limite dessa ardência que vida fora o acompanhou.
Também agora, ainda agora. Agora e sempre."

João Mallheiro, in O Benfica

Engraçado...

"1. Entre dois jogos importantíssimos da Liga Europa, a meia-final da Taça da Liga apareceu na pior altura. Compreensível, portanto, a utilização de jogadores que não entram nas contas europeias. É sempre agradável ganhar a Taça da Liga mas a Liga Europa é bem mais importante. Pois, apesar de o jogo se ter realizado no campo do FC Porto, que até tinha nesta competição a sua derradeira oportunidades de uma época frustrante, apesar de termos alinhado com oito ou nove jogadores que actualmente não são titulares; apesar de termos ficado reduzidos a dez elementos antes da meia-hora de jogo; apesar de tudo isto, conseguimos passar à final, ganhando no desempate por grandes penalidades depois do 0-0 final! A Taça da Liga não deixa de ser um objectivo secundário da época, mas acabou por ser uma vitória muito saborosa. E, agora, vamos tentar ganhá-la mais uma vez, frente ao valoroso Rio Ave...

2. Jogo bem intenso o da passada semana, com a Juventus, escassos três dias depois do encontro de título e dos inevitáveis (e bem justificados) festejos. A equipa começou muito bem, fez uma excelente primeira meia-hora mas, na segunda parte, a classe da formação italiana e algum desgaste nosso acabaram por proporcionar o golo adversário, que complica a eliminatória. Mas foi excelente a nossa reacção e precioso (espera-se...) o grande golo de Lima, a dar-nos a vitória. Entretanto, já se terá realizado o jogo em Turim. Antevejo muitas dificuldades mas tenho esperanças...

3. A propósito do 25 de Abril de 1974, veio mais uma vez à baila a odisseia da equipa do Sporting, que na véspera desta data histórica foi eliminada na Alemanha, em jogo da então existente Taça dos Vencedores das Taças, e depois não conseguiu reentrar em Portugal, pois o aeroporto e a fronteira estavam fechadas, tendo que permanecer em Badajoz. Foi um episódio curioso, que fica na história, mas, ao contrário do que eventualmente se possa pensar, não afasta o clube de Alvalade de uma triste realidade: foi o clube, de longe, mais conotado com o antigo regime. Não só pelas suas origens (o Benfica foi um clube do povo, o Sporting um clube das classes mais abastadas), como pela sua vivência (no Benfica houve eleições democráticas bem antes de existirem no país) e também pelas efectivas relações dos elementos mais representativos do Sporting com o regime de então."

Arons de Carvalho, in O Benfica

Ambição

"O Benfica era a ´nica equipa que merecia a final da Taça da Liga porque nunca amesquinhou a competição, nem fez da disputa deste troféu um mero lenitivo para as desgraças de uma época. Em campo, o Benfica também mostrou que merecia a final porque jogou mais e melhor, mesmo com 10 contra 11, e jogando mais limpo. O Benfica mostrou no relvado que é mais equipa, porque foi a casa do adversário jogando, em primeiro lugar, com a composição do plantel e em segundo com a pressão de um opositor complexado ante a grandeza do Campeão.
Já Campeão Nacional e finalista da Taça de Portugal, o Benfica conquistou também o direito a disputar a final da Taça da Liga. E fê-lo contra diversas adversidades, a primeira das quais foi o calendário da meia-final que fez do Benfica a verdadeira e única equipa castigada por um atraso da entrada em campo no jogo dos quartos-de-final entre o FC Porto e Sporting: a Liga andou semanas a arrastar a questão do atraso e acabou por decidi-lo e agendar o jogo seguinte penalizando forte e unicamente o Benfica, que seguira na competição sem atropelos nem trapalhadas. O Benfica jogou a meia-final da Taça da Liga no Porto três dias após jogar em casa com a Juventus e quatro dias antes de jogar em Turim a segunda mão da meia-final da Liga Europa.
Esta vitória do Benfica é um grande sucesso do Clube, da equipa e muito especialmente do treinador. Jorge Jesus mostrou naquele relvado, em que foi tão infeliz no ano passado, a razão pela qual o Benfica o quer e outros o cobiçam. Muito dificilmente qualquer outro treinador conseguiria gerir o plantel e conceber a táctica para um jogo de tão elevada parada.
Mas também talvez em nenhuma outra equipa portuguesa o treinador tivesse meios para voos tão ambiciosos."

João Paulo Guerra, in O Benfica

Do futuro

"No final do jogo em que eliminámos o FCP na meia-final da Taça da Liga (tal como na meia-final da Taça de Portugal com 10 jogadores durante mais de uma hora) Jardel, o nosso 33, disse que “a época de sonho já começou na época passada, quando chegámos às finais”. Foi uma frase marcante que nos demonstra como o Benfica fez o que teoricamente é mais difícil: alicerçou as vitórias desta época nos insucessos do final da época passada. Ou seja, a gestão do insucesso foi essencial na conquista do sucesso.
A questão, agora, é como lidar com o sucesso. Como gerir o sucesso, para garantir novo sucesso? Aquando da conquista do primeiro campeonato da era Jorge Jesus, a gestão do sucesso foi feita olhando mais para o caminho percorrido do que para o caminho a percorrer. E neste erro de perspectiva radicou algum do insucesso que se lhe seguiu. Neste momento, é essencial que a consciência benfiquista se obrigue a perceber que a época em curso não é um ponto de chegada, não é uma meta, mas apenas um alicerce importante na construção do futuro. Exige-se que se festeje sem soberba, que se conquiste com ambição e que se faça do momento da vitória um anseio de ir mais além. Que não acreditemos na ladainha de que o nosso principal rival está em fim de ciclo, pois no hipotético menosprezo da força do adversário pode residir a nossa maior fraqueza.
Em suma, percebamos que, tal como escreveu Zeca e cantou Sérgio Godinho, «Quando uma cobra tem sede (…) corta-lhe logo a cabeça (…) encosta-a bem à parede». Neste caso, esta época vitoriosa encostou-a à parede, mas ainda faltam muitas vitórias nossas para que a cobra seja decapitada."

Pedro F. Ferreira, in O Benfica

Voltaremos...

Nascemos para enrabar corruptos !!!

Juventus 0 - 0 Benfica

É um destino como qualquer outro, nem sempre ganhamos, mas esta época - 2013/14 - está a ser um fartote... Três jogos praticamente consecutivos contra corruptos condenados: três vitórias, sempre em inferioridade numérica!!! Hoje, a expulsão foi mais tarde... mas para compensar, à entrada dos descontos, ficámos por lesão, sem o Garay... Com 10, o Benfica ganha; com 9 o Benfica ganha; vamos esperar para ver, se na Final, vamos terminar com 8...!!!
Mais uma grande exibição colectiva. Entrámos muito bem, a pressionar alto, a intimidar os Italianos, que como prevíamos estavam mesmo com medo: uma equipa que precisava de marcar, a jogar em casa, devia ter arriscado muito mais... Mas o medo de sofrer um golo do Benfica, foi superior, à vontade em marcar!!!
O Oblak (a surpresa do onze) voltou a transmitir muita confiança... isto sem fazer muitas defesas complicadas. Aliás a melhor defesa da noite, foi feita mesmo pelo Luisão!!! Aqueles últimos minutos da 1.ª parte, foram o nosso pior período, e o capitão foi decisivo. Os nossos Centrais voltaram a fazer uma exibição monstruosa. Espero que a lesão do Garay não seja grave, até porque a Final é já a seguir!!!
O Maxi e o Siqueira, tiveram menos ofensivos do que é costume... mas devido à estratégia dos 3 centrais da Juventus, com dois alas que fazem todo o corredor, os nossos dois defesas, foram obrigados a muitos piques laterais, nas mudanças de flanco da Juve.
O Rúben voltou a entrar muito bem na equipa, muito sólido a defender, e muito seguro no passe, e na posse de bola. Com a entrada do Vidal na equipa da Juve, o Pogba recuou um pouco, e isso até ajudou o Rúben. Não é fácil comentar a exibição do Enzo... depois da polémica, antes do jogo, parece que lhe faltou cabeça naqueles 7 minutos, com dois amarelos... talvez o melhor elogio, que lhe posso fazer, é que vai fazer muita, mas mesmo muita falta, na Final de Turim com o Sevilha!!! O Nico e o Marko, foram muito importantes principalmente a defender. No ataque tiveram em algumas jogadas, mas faltou sempre um último passe eficiente...
O Rodrigo acabou por ser o nosso maior perdulário!!! O Benfica raramente não marca, e hoje quem esteve mais perto de marcar, foi o Rodrigo... O Lima, como também é costume, foi um trabalhador incansável...
A arbitragem tecnicamente esteve bem... muito melhor daquilo que eu estava à espera. Mas a meio da 2.ª parte, perdeu a cabeça, e o 'mexilhão' (nós) lixou-se!!! A expulsão do Enzo, dentro do critério que foi aplicado no resto do jogo e absurda; o amarelo ao Salvio tendo em conta o critério que usou no resto do jogo é assassino; a expulsão do Markovic, apesar das imagens não serem claras, parece-me igualmente absurda, já que é o Vucinic que irritado com a demora da substituição do Marko, que o confronta fora do relvado...!!!
Recordo também, que na Luz, tivemos um árbitro que ousou um critério disciplinar larguíssimo, que por exemplo poupou o Pogba de vários amarelos... Mas hoje tivemos um Inglês zeloso na 2.ª parte!!! Coincidências...
Esclareço, que naquele lance inicial com o Rodrigo a rematar, e a bola a bater no braço do defesa do Juve, acho que não é penalty, já que o remate é à queima. Só é pena que no lance do Salvio o árbitro não tenha decidido da mesma forma!!!
As declarações do Conte no final da partida (que estou a ouvir neste momento...) são alucinantes!!! Como é que é possível um gajo ser beneficiado nos dois jogos, e mesmo assim, acaba a eliminatória a chorar?!!! Ainda por cima, com todas as movimentações que foram tentadas fora do campo?!!! Estamos a falar de um Clube condenado por Corrupção, e de um treinador (Conte) que também já foi condenado por combinação de resultados (máfia das apostas)... O Benfica não tem nenhum estatuto especial, mas é um Clube com uma história muito rica, com muitos grandes exemplos, e que não tem nenhuma mancha nos títulos que conquistámos... mas mesmo assim, até podemos receber lições de dignidade de outros Clubes, com historiais idênticos. Agora se existe alguém que não dá lições de dignidade e honestidade ao Benfica, é a Juventus e o seu treinador.
Já agora: temos pena Pilro...!!! A azia corrupta em Portugal ou em Itália é sempre bem-vinda... Aquilo que se calhar os Italianos ignoram, é que nós já estamos habituados a defrontar equipas desta estirpe: são penuts!!!
Vamos voltar a Turim, sem Enzo, sem Markovic e sem Salvio !!! É um 'galo' enorme!!! E vamos ver se o Garay não tem nada de grave. E até Turim, ainda vamos ter 3 jogos, 1 deles muito importante: a final da Taça da Liga. 
Dizer que as estas ausências não vão ter influência é ser demasiado optimista. Até pode ter graça, dizer que se não jogam estes, jogam os Manéis... mas são demasiados impedimentos. Prevejo uma Final com Gaitán a extremo direito, e Sulejmani na esquerda, com o Cavaleiro no banco. E com o André Gomes no lugar no Enzo, com o André Almeida no banco como opção.
Vamos para a 12.ª Final Europeia (sim 12.ª... a 10.ª Final da UEFA, mas 12.ª Final Europeia, porque as duas Finais da Taça Latina também contam, apesar da muita azia dos ignorantes revisionistas históricos ao serviço dos Corruptos e dos Lagartos!!!), perdemos as últimas 7 !!! O Bélla Guttmann já tem a sua merecida estátua na Luz, espero que finalmente nos deixe em paz...!!!
Mas antes de Turim, vamos ter Leiria!!! O jogo de Domingo com o Setúbal será obviamente para gerir, recuperar, descansar, e recuperar... mas na Quarta-feira, em Leiria, na Final da Taça da Liga, temos que jogar com tudo, e todos. Teremos uma semana para recuperar... O clima nestes dois próximos jogos, vai ser de festa, muita festa nas bancadas, mas é importante que os jogadores, se mantenham afastados dos festejos...
Já o disse, antes e depois do jogo do título com Olhanense: a grande festa da época, tem que ser no dia 18 de Maio, após a Final da Taça de Portugal no Jamor... até lá, é trabalhar, e ganhar.

Ó Platini...

AGUENTA!!!

quinta-feira, 1 de maio de 2014

Homenagem...



Não compreendi a forma irritada como a Juventus e a comunicação social Italiana, comentaram a forma digna e justa, como os adeptos e dirigentes do Torino e do Benfica, trocaram homenagens. Ainda por cima a poucos dias, do aniversário da tragédia de Superga... O Benfica só fez aquilo que qualquer Clube, digno e com memória, faria no mesmo lugar... assim talvez, se compreenda o facto da Juventus não ter compreendido!!!

Levando o recurso ao extremo

"Dando graças pelos dois golos de Lima ao Olhanense que permitiram ao Benfica resolver o título e, assim, relaxar intensamente.

FOI muito importante para o Benfica ter arrumado com o campeonato no domingo de Páscoa, a 20 de Abril, triunfando sobre o Olhanense e recuperando o título que lhe fugia há três temporadas.
Foi já campeão, tranquilo e feliz, que o Benfica partiu para as eliminatórias com o FC Porto, a contar para a Taça da Liga, e com a Juventus, a contar para a Liga Europa. Faz toda a diferença e fez toda a diferença.
A questão com o FC Porto decidiu-se no último domingo no Dragão a favor das nossas cores e a questão com a Juventus, incomparavelmente mais difícil, ficará decidida esta noite em Turim onde o Benfica chega com um resultado muito magrinho ainda que honroso e motivador.
Não tivesse o Benfica ganho ao Olhanense a 20 de Abril, como lhe competia, e tivesse adiado a decisão do título para o jogo com o Vitória de Setúbal, no próximo domingo, certamente que não se teria apresentado tão descontraído e confiante quer na recepção à Juventus quer na deslocação ao Porto.
Antes pelo contrário, teria sido um Benfica nervoso, instável e crente em bruxas, obrigado a esperar quinze dias de angústia pelo jogo com o Vitória sadino na Luz, tendo sempre em mente o jogo com o Estoril na Luz na temporada passada.
E neste estado de espírito, com a prioridade número um em suspenso, dificilmente conseguiria o Benfica concentrar-se para resolver a contento a sua prioridade número quatro (o acesso à final da Taça da Liga) ou partir para Turim ainda confiante do que a sua prioridade número dois (ou três, conforme se preferir) poderá até ter um final feliz com o acesso a mais uma final, neste caso europeia, o que é sempre chique.
Certo, certinho é que o Benfica vai estar na final da Taça de Portugal no dia 18 de Maio tendo pela frente a valorosa equipa do Rio Ave. Por isso, para mim, a Taça de Portugal é a prioridade número dois. E também porque faz muitos anos que o meu clube não ganha as duas mais importantes competições nacionais e, francamente, até já parece mal.
Dando graças pelos dois golos de Lima ao Olhanense que permitiram ao Benfica resolver o título e, assim, intensamente relaxado, continuar a alimentar o sonho de uma época de sonhos, preparemo-nos, intensamente relaxados, para tudo o que vier.
E «tudo virá a seu tempo de tivermos a capacidade de esperar», como dizia Joseph de Villèle que foi um ministro francês do século XIX. Do período da Restauração, naturalmente.

ENTRE a final da Taça da Liga, a 7 de Maio, e a final da Taça de Portugal, a 18 de Maio, o Benfica voltará ao Dragão a 11 de Maio para fechar o campeonato num jogo que nada decide porque já está tudo decidido.
Voltará, certamente, Jorge Jesus o gestor do ano, a apresentar na casa do ainda campeão em título uma equipa de recurso como o fez no último domingo. Levando o recurso ao extremo, pode até fazer entrar em campo uma equipa já só com 10 jogadores. Poupar-se-la assim a maçada de mais uma expulsão entre os vinte minutos e a meia  hora de jogo. Por mim, nada a obstar.

PARECEU-ME manifestamente exagerado o burburinho anti-UEFA e anti-Platini decorrente da queixa apresentada pela Juventus procurando o impedimento de Enzo Pérez para o jogo desta noite em Turim.
No fim de contas a UEFA validou a presença do argentino em campo e é caso para se dizer que, pelo menos na secretaria, a coisa começou por nos correr de feição. O que não é muito habitual a este nível internacional.
Em 1988, quando o Benfica jogou a final da Liga dos Campeões com o PSV Eindhoven, a UEFA limpou surpreendentemente o castigo que impediria Ronald Koeman, à época o melhor jogador dos holandeses, de defrontar o Benfica em Estugarda.
Ou seja, neste capítulo da secretaria, até estamos a melhorar. Registe-se com agrado.
Fosse o Enzo Pérez um jogador banal, certamente que a Juventus não se preocuparia em pô-lo fora de acção. Fosse o Benfica uma equipa medíocre, certamente que nada disto se teria passado.
Entendamos, portanto, esta manobra legítima da Juventus como uma homenagem a Enzo Pérez e ao Benfica. Eu entendo-a assim e não lhes levo a mal.

VOLTEMOS à nossa querida Taça da Liga. E ao jogo com o FC Porto que terminou de forma absurda com a expulsão de Folha que foi um excelente jogador e que hoje é adjunto de Luís Castro. Folha foi expulso já o árbitro tinha apitado para o fim e foi expulso pela intensidade dos seus protestos.
E que protestos?
Protestou Folha, muito transtornado, porque tendo o árbitro concedido 3 minutos de tempo extra resolveu acabar com o jogo quando ainda faltavam 17 segundos para se completarem os tais 3 minutos.
Em termos de relógio, dou inteira razão a Folha. Três minutos são três minutos, não são 2 minutos e 43 segundos.
Em termos de futebol, não dou razão a Folha. Porque a uma equipa, a do FC Porto, que em três eliminatórias (uma com o Sevilha e duas com o Benfica) jogou 2 horas e 40 minutos contra 10 adversários num total de 4 horas e 30 minutos de futebol, até fica mal exigir mais 17 segundos contra 10 para, pelo menos, poder sorrir uma vez.

NA noite de terça-feira, Cristiano Ronaldo marcou dois golos em Munique o que somado aos dois golos marcados por Sérgio Ramos perfez uma goleada daquelas bem sonoras e que ficam para a lenda da Liga dos Campeões.
O segundo golo do madeirense aconteceu ao cair do pano na cobrança de um livre directo. Previa-se um tomahawk típico do reportório do melhor jogador do mundo. Bola disparada a mil a sobrevoar a barreira em direcção à baliza de Manuel Neuer, enfim, o costume.
E, por isso, tudo a saltar! Tudo a saltar na barreira do Bayern e Cristiano Ronaldo, sádico, a cobrar o livre com a bola a passar rentinha à relva por baixo das botas dos alemães. Lindo!
Choveram elogios dos quatro cantos do mundo ao engenho e arte do português. Mais do que merecidos. «Um lance só ao alcance de um predestinado!»
Ouviste, Óscar Cardozo?
És um predestinado, nem mais nem menos!
Ou será que não se lembram que foi exactamente da mesma maneira, rente à relva, que o nosso paraguaio marcou, na cobrança de um livre, o primeiro dos seus três golos Sporting num jogo em Novembro a contar para a Taça de Portugal?
Tudo a saltar! Tudo a saltar!

FÁBIO COENTRÃO ficou no coração dos benfiquistas. São coisas que não se explicam. Ou se fica ou não se fica. Coentrão ficou.
A meio do mês passado, numa quarta-feira de boa memória em que o Benfica recuperando de um resultado negativo afastou o FC Porto da final da Taça de Portugal, nessa mesma quarta-feira em que o Rio Ave também se qualificou para o Jamor a expensas do Sporting de Braga e tudo isto enquanto, em Valência, o Real Madrid conquistava a Taça do Rei numa final com o Barcelona, ouvi muitos benfiquistas proclamar com enorme satisfação:
- Hoje o Coentrão fez o triplete! Ganhou o Real Madrid, o Benfica e o Rio Ave!
Está bem visto, sim senhor.
Tem sido um prazer ver Fábio Coentrão em grande plano neste Real Madrid de Carlo Ancelotti, jogando que se farta, sentando Marcelo no banco, calando as más-línguas merengues, dando sólidas garantias a Paulo Bento quando se aproxima o Mundial.
Coentrão em festa, onde quer que esteja, é sempre um bocadinho uma festa também nossa. Nasceu entre nós uma amizade e não foi por acaso."

Leonor Pinhão, in A Bola

Turim em dose única ou dupla?

"É hoje o encontro decisivo entre o Benfica e a Juventus. Em Turim decide-se quem lá vai voltar a jogar na final da Liga Europa.
Na Luz, em grande jogo mais próprio da Champions, estiveram duas excelentes equipas europeias. Isto apesar de antes, durante e após a vitória encarnada ter ouvido e lido indignos comentários de quem parece ter visto jogar um colosso italiano contra um coitadinho português!
Entretanto foi ultrapassado o folhetim Enzo Pérez - sujeito à última hora a uma espécie de um uefeiro sumaríssimo - através do qual a Juve tentou aproveitar o modo como foi repetido à exaustão na televisão em directo um lance entre Enzo e um jogador italiano, com sentença inapelável dada pelo jornalista de serviço de que «houve agressão».
O Benfica vai entrar esta noite com a vantagem mínima. E terá que contar com quase tudo contra ele. Aquilo que é visível e natural, o ambiente no estádio, a pressão do adversário, mas sobretudo aquilo que não se vê mas pode ser decisivo. O árbitro, embora inglês, sentirá, no seu íntimo, o que poderá ser uma final no estádio da Juventus sem a Juventus: uma provocação que o poder nem quer imaginar.
Espero que o Benfica seja capaz de rasgar a proto-certidão de passagem administrativa da Juventus à final que, nos corredores da UEFA em Nyon, alguns gostariam de assinar. O Benfica tem à vista a sua 10.ª final europeia, 2.ª consecutiva na Liga Europa. Neste Dia do Trabalhador, exige-se muito trabalho, união e competência dos jogadores encarnados, para regressar a Turim. Porque, como diria Mário Jardel com invulgar eloquência, «as coisas difíceis nem sempre são fáceis»."

Bagão Félix, in A Bola

Juniores - 12.ª jornada - Fase Final

Filipe Nascimento
Oeiras 0 - 2 Benfica

Seguros na liderança, num jogo onde falhámos um penalty, quando estava 0-0...
Nada está ganho, faltam duas jornadas complicadas, recebemos o Sporting e vamos ao antro Corrupto, enquanto o Braga, recebe os Corruptos e vai a Leira na última jornada... O destino está nas nossas mãos, podemos até empatar uma partida, mas todo o cuidado é pouco, e o Braga parece não desarmar, hoje parece que venceram com um auto-golo!!!

Benfica..........29
Braga.............27
Sporting.........23
Corruptos.......21
Oeiras...........11
Leiria..............8
Leixões...........8
Guimarães.......7

Iniciados - 4.ª jornada - Fase Final

Pedro Correia
Benfica 1 - 1 Sporting

Salvação nos descontos... após um jogo menos conseguido, com demasiado individualismo na nossa equipa. Não tenho dúvidas que temos melhores jogadores individualmente, mas os putos, não podem jogar cada um para si...!!!
O Sporting marcou cedo, tentou jogar em contra-ataque, mas criou pouco perigo, foi o Benfica a desperdiçar várias oportunidades, principalmente na 2.ª parte... O Sporting ainda beneficiou de um estranho critério disciplinar, muitíssimo largo, que retardou em muito, os cartões amarelos!!!
E foi já nos descontos, num livre lateral, que o nosso ponta-de-lança que saltou do banco, antecipou-se a todos, e com um ligeiro toque, igualou a partida.
Podíamos ter festejado o título hoje, não conseguimos. Mas a derrota tinha sido terrível, já que deixava o nosso destino, nas mãos do Sporting, assim com o empate, continuamos a depender exclusivamente de nós. Nas duas jornadas que faltam, temos que vencer um jogo: e pode ser já o próximo, em Leiria!!!

Benfica.................10
Sporting.................7
Corruptos...............3
Leiria.....................3

Vieira e Jesus já ganharam

"Altíssimo risco correu Vieira (sozinho...) ao renovar com Jesus. Este aceitou repto de se desafiar e impôs a sua marca... decisiva.

INDEPENDENTEMENTE do que acontecer hoje no decisivo confronto em Turim, o Benfica liderado por Luís Filipe Vieira e Jorge Jesus é o indiscutível grande vencedor da temporada futebolística nacional.
Campeão com substancial avanço, finalista das duas Taças nacionais (com o superior mérito de, em ambas, directamente se ter imposto ao grande rival FC Porto quando circunstâncias dos jogos se tornaram muitíssimo favoráveis aos portistas) e, pela 3.ª vez em 4 anos, semifinalista na Liga Europa, hoje se decidindo se irá disputar segunda final consecutiva.
Que falhou neste Benfica? Passar a fase de grupos na Champions. Mas até aí foi muito melhor que o FC Porto, ficando a dois fiozinhos do objectivo: excelente exibição de ataque em casa do Olympiakos merecia triunfo, até por goleada (a jogatana da vida do guarda-redes Roberto); e os 10 pontos que o Benfica totalizou costumavam chegar para entrada nos oitavos de final.
Sim, ao Benfica ainda falta vencer duas finais perante Rio Ave tão bem comandado pelo jovem Nuno Espírito Santo que quase fez esquecer serem bem escassos os seus recursos...
O que já não falta ao Benfica é demonstração de alta qualidade táctica e técnica, a par de forte mentalidade competitiva, no futebol que exibe há largos meses. Com máxima tónica na versatilidade táctica; ora impetuoso (amiúde brilhante) nas cavalgadas de ataque, ora pragmático e seguríssimo na capacidade para muito bem defender. Muito difícil conseguir alta eficácia em tão diferentes versões de como atingir o triunfo (frequentemente até o fazendo no mesmo jogo). Significa treino intenso e... muitíssimo bem feito. Se isto não obriga a ter por base a excelência do treinador nadinha percebo de futebol.

VIEIRA é o n.º1 dos vencedores neste Benfica. Primeiro, aprendendo com os seus erros, estendidos à estrutura do futebol ao longo de anos (um dos erros, e grave! - como várias vezes já reconheceu publicamente - foi ter despedido o treinador Fernando Santos logo à 1.ª jornada!, por empate fora de casa, após campeonato em que discutir o título quase até ao fim, tendo fraquinho plantel).
N.ª 1 dos vencedores porque, no final da época passada, em tempos de terrível desalento, e revolta!, nas hostes benfiquistas, tomou decisão muitíssimo impopular. Sozinho contra o mundo (adeptos e dirigentes do clube e da SAD), renovou contrato com Jorge Jesus. Altíssimo risco! Mas não menor - como então frisei - seria o de mudar o treinador que já fora campeão na Luz e acabara de reerguer o Benfica a temporada, quase de ouro.
Não sei como Luís Filipe Vieira analisou motivos do fiasco nas duas últimas semanas. Para mim, Jesus foi muito mais vítima do que réu. Vitima da fífia de Artur e do descontrolo de Carlos Martins (2 amarelos em 7 minutos...), frente ao Estoril. Vitima da sorte do FC Porto naquele inesperadíssimo e inspiradíssimo pontapé do miúdo Kelvin, a 1 minuto de o campeão de chamar... Benfica. De seguida, gala de futebol atacante na final com o Chelsea. E o descalabro, aí sim, na final do Jamor, perante o V. Guimarães (incapacidade para espivitar equipa acabrunhada, desolada, já nem ali querendo estar...).

JESUS aceitou o repto de se desafiar a si próprio quando subitamente passara a mal-amado. Recriou Benfica com qualidade táctica ainda superior à que já mostrara. Vieira deu-lhe plantel também melhor. Quantos reforços se tornaram firmes titulares? Dois: Siqueira (enfim, um bom defesa esquerdo!) e Markovic (porque Salvio esteve 6 meses lesionado). Nos últimos meses, também Fejsa (porque Matic saiu em Janeiro) e Oblak. Ainda importantes, permitindo períodos com boas alternativas: regresso de Rúben Amorim e entrada de Sílvio (ambos infelizes na série de lesões). Sulejmani tem vontade e dura pouco...; Djuricic, ao que tudo indica, nem vontade...
Decisiva nesta equipa tem sido a marca do seu treinador. Tal como a Jardim no Sporting. Pela negativa, o mesmo se diga no FC Porto.

MOURINHO e Guardiola não podem rir-se um do outro...; fora da final da Champions e sendo triturados em suas casas! Madrid açambarcará a Luz. Logo após entre si discutir o título de campeão espanhol."

Santos Neves, in A Bola

Vamos à 'negra' !!!

Fonte do Bastardo 3 - 1 Benfica
25-20, 21-25, 25-15, 25-18

Autêntica Final do Campeonato, no próximo Domingo na Luz, após mais uma derrota nos Açores. Não vi o jogo, mas os parciais não deixam espaço para muitas dúvidas, creio que nunca tivemos dentro do jogo...!!! Nesta altura não vale a pena falar, mais uma vez, do absurdo quadro competitivo do Voleibol português, agora, temos que nos concentrar, e ganhar no Domingo...

quarta-feira, 30 de abril de 2014

Arquivado, mas...


Infelizmente o futebol está repleto de corruptos. Em Portugal, na UEFA, na FIFA... As máfias das apostas parecem invisíveis em Portugal, mas eles andam por aí... Doping em dose industriais... Entre muitas outras coisas, que nós adeptos, não merecemos.
Mas existe algumas diferenças entre os corruptos internos, e os pavões da UEFA (e da FIFA). Enquanto em Portugal, chamar corrupto (ou outra coisa parecida...) a um corrupto na cara, é recebido na maioria das vezes com indiferença, ou mesmo orgulho... Na UEFA, eles ainda têm algumas preocupações com as aparências!!! Quando acusados publicamente, ficam incomodados... e quando são desmascarados, tremem...
Se o Benfica tivesse ficado calado com esta tentativa de castigar o Enzo: o Enzo tinha sido castigado. Se em Portugal, não tivesse havido uma reacção imediata da comunicação social (especialmente da A Bola... sou critico em muitas ocasiões, mas desta vez tenho que elogiar a atitude da redacção da A Bola, e nós sabemos que A Bola, é lida atentamente em Nyon!!!), se os Benfiquistas não se tivessem mobilizado, nas redes sociais (e em Nyon, à porta da UEFA), muito provavelmente o Enzo tinha sido impedido de jogar.

Mas todo este folclore serviu pelo menos para confirmar mais uma vez, o tratamento rasteiro, que alguns dão ao Benfica. Ontem o Santolas, mais uma vez, resolveu armar-se em paladino do anti-Benfiquismo e 'exigiu' o castigo do Enzo... mas não pediu o castigo do Chiellini!!!

Agora, não se pense que o pior já passou... Já vi muitos jogos da Juventus, para saber que para eles 'vale tudo' para ganhar... e amanhã vai ser preciso, uma equipa muito personalizada do Benfica, para sair de Turim com a qualificação para a Final... No jogo da semana passada, na Catedral, descrevi uma reacção patética do banco da Juve, a um suposto erro do Turco na Luz (depois de todos os erros efectivos que os beneficiaram)!!! Amanhã, essa pressão será ainda mais descarada... e o Inglês que foi nomeado, apesar de à partida não fazer parte dos piores, também ainda não me convenceu...
Por tudo o que fizemos esta temporada, estou convicto que vamos honrar as nossas camisolas. A mensagem antes do jogo é simples: concentração, inteligência, garra, e ambição... O jogo de ontem do Real em Munique, até pode facilitar a compreensão: ontem foram os jogadores da casa, que entraram nervosos, depois dos seus dirigentes, terem tentado incendiar o ambiente... Amanhã, só temos que ter a mesma atitude, sabendo que marcando um golo, temos tudo para triunfar.

Não resisto a deixar o meu bitaite técnico-ou-táctico: se eu fosse o treinador, escolhia o André Almeida para jogar ao lado do Enzo!!! Não tenho nada contra o Rúben, bem pelo contrário, mas o nosso '6' amanhã, vai ter muitos confrontos físicos com o Pogba... e para esse papel, o André parece-me mais qualificado.

Por ti, Eusébio

Senhor Roubado e Anfield Road

"Do final da Calçada de Carriche até ao mítico estádio do Liverpool vai a distância entre a história que esteve na origem do Senhor Roubado e a história que Anfield Road transporta do clube dos Reds.
Com as épocas futebolísticas perto do fim, por cá ainda alguns (cada vez menos, diga-se) insistem na teoria aritmético-conspirativa dos erros de arbitragem unilateralmente apreciados e, na ausência de contrafactual, ousam imaginar resultados, classificações e taças diferentes. Por lá, na Velha Albion assistiu-se, no domingo, a um jogo de um notável índice de competitividade, em que a sagacidade de Mourinho bateu a generosidade do seu ex-colaborador e agora treinador do Liverpool Brendan Rodgers, pelo que, no fim, o Liverpool não pôde saborear a vitória que seria uma via verde para festejar a Premier League.
Por cá, a conspiração, a inveja, a desculpa. Por lá, a competência, a ousadia, a responsabilidade.
Lá, em Anfield Road e apesar da derrota comprometedora, os indefectíveis adeptos continuaram a aplaudir a equipa e a cantar You'll Nerver Walk Alone.
Cá, o senhor Roubado (agora escrevo senhor com minúscula para não confundir com o Menino Jesus Roubado da Igreja de Odivelas em 1671 e que está na origem daquele nome) continua a estar no subconsciente de quem tem dificuldade em aceitar a supremacia dos outros.
Dirão os mais distraídos que é apenas uma questão geográfica: Anfield Road, onde se espera à 24 anos, versus a estação do Metro do troço Campo Grande/Odivelas que dá pelo nome sugestivo de Senhor Roubado, onde parece não haver tempo para saber esperar. Será?"

Bagão Félix, in A Bola

terça-feira, 29 de abril de 2014

Final em Turim sem a Juventus?


"A UEFA é fantástica. E trabalha bem. E depressa. Bastou uma reclamação da Juventus - esse paladino do fair-play - para que em Nyon se antecipasse em uma semana a reunião do Comité Disciplinar para julgar um lance, envolvendo Enzo Pérez, descortinado numa repetição televisiva do recente Benfica-Juventus. Não há memória de tanto zelo por parte da organização presidida por Michel Platini (que bela carreira fez ele pela Juve, 147 jogos, Bolas de Ouro, campeão europeu no Heysel Park...), que concedeu ao Benfica 24 horas para apresentar defesa. Provavelmente, bastaria aos encarnados, se tivessem tempo, mostrar mil lances daqueles que não receberam qualquer reparo a posteriori da UEFA. Em tempo útil, é duvidoso que o consiga...
Sejamos absolutamente claros. À UEFA não basta ser séria. precisa parecê-lo. E esta decisão em cima da hora, que objectivamente pode favorecer a Juventus, que por acaso tem por estádio a sede da final da presente Liga Europa, cheira a esturro à distância. Como se não bastasse terem enviado a Lisboa, para dirigir a primeira mão, um dos árbitros de maior confiança do italiano Pierluigi Collina, surge agora esta tentativa atabalhoada (mas, se calhar, eficaz, porque a justiça de Nyon nunca se prendeu com pormenores como a equidade ou os precedentes...) de tirar Enzo Pérez do jogo de Turim.
A vitória do Benfica sobre a Juventus, na passada quinta-feira, foi mal digerida pelos italianos que pareceram surpreendidos por verem posta em causa uma eliminatória que davam por garantida. Provavelmente por ter uma boa equipa - a caminho do terceiro scudetto consecutivo - que jogou bastante bem em Lisboa, aliás, à Vecchia Signora nunca passou pela cabeça falhar a final marcada para o seu estádio. Porém, esse cenário passou a tomar forma após a desvantagem na Luz, que só não foi pior porque o apito do turco Cuneyt Cakir teve um problema técnico, ficando sem som, quando Cáceres fez uma falta claríssima sobre Enzo Pérez, dentro da área bianconera, num lance que poderia dar o 2-0 para o Benfica. Já alguém imaginou o que seria uma final da Liga Europa, marcada para o estádio da Vecchia Signora, entre o Benfica e o Sevilha ou o Valência?
Do ponto de vista do clube italiano, que depois de ter sido despromovido à Série B em 2006 pelo pior caso de corrupção de que há memória no futebol - o calciocaos - tem vindo a regenerar-se e aponta agora aos holofotes da UEFA, seria uma tragédia. E do ponto de visita da UEFA? Manda o politicamente correcto que se diga que a UEFA não tem, nessa matéria, ponto de visita. Manda o senso comum que se diga que uma final em Turim sem a Juventus seria como ir a Roma e não ver o Papa."

José Manuel Delgado, in A Bola

Arrogância e despudor

"1. O futebol italiano vive em sobressalto. Encara como uma ignomínia que o seu ranking da UEFA possa ser superado pelo de um pequeno e arruinado Portugal. Para eles, tetracampeões mundiais, seria o auge da humilhação. Por isso, fazem cálculos às milésimas e concluem que, neste preciso momento, temos 0,455 de vantagem porque na próxima época deixarão de contar os pontos acumulados em 2009/10. Uma só frase de La Gazzetta dello Sport basta para avaliar o drama: «Fomos alcançados na classificação pelos portugueses, que nem sequer deveriam estar à altura de atar os atacadores das nossas chuteiras.» Parente este quadro tão chauvinista, é de crer que não faltarão milhares de preces à Virgem do Loreto para que quinta-feira a Juventus elimine o Benfica e conquiste a Liga Europa na final de 14 de Maio. Mais valia que as suas preocupações incidissem sobre a situação alarmante a que chegaram: só 34 por cento das transferências são feitas a título oneroso; a idade média dos jogadores é a mais elevada da Europa; os estádios (propriedade dos municípios em mais de 90 por cento) ameaçam ruína; vários clubes estão à venda ou já foram vendidos (Roma e Inter) e outros como o Milan procuram sócios endinheirados...
2. O futebol não merece os dirigentes que tem, gente corrupta e desonesta, desde logo nas altas instâncias da FIFA e UEFA. Platini lançou o pânico nos clubes europeus ao anunciar urbi et orbi a criação de um fair play financeiro que excluísse das competições europeias os clubes que contraíssem dívidas excessivas e passivos incapazes de pagar. O ano passado o Málaga e o Besiktas já pagaram por isso. Esperava-se que agora fosse a vez do PSG e do Man. City, mas não. Basta ver o que diz o roi: «Se esperais lágrimas e sangue ficareis desiludidos. Haverá penas duras mas não a exclusão das provas europeias»! Vejam até onde vai a hiperbólica falta de vergonha destes senhores a quem estamos entregues. A justiça para os pobres é uma e para os ricos é outra. Tudo isto é um enorme bluff."

Manuel Martins de Sá, in A Bola


Uma velha Julieta e um Romeu negro

"O interesse da Juventus em Eusébio em 1962 foi um caso que encheu páginas de jornais. Dinheiro grande! Dinheiro gordo! Vinte mil, trinta mil, cinquenta mil, cem mil contos!!!!

JUVENTUS outra vez. A semana passada falei daquele golo extraordinário de Eusébio à Juventus em Turim para a Taça dos Campeões, um pontapé quase de meio-campo, livre directo e imparável. Isso em 1968. Hoje falo da paixão que a Juventus sempre teve por Eusébio. Talvez não tão grande como a do Inter, e do histórico presidente Moratti, mas uma paixão que durou anos a fio.
Franklin Foer: jornalista norte-americano, editor no «New Republic», escreveu um livro interessantíssimo - «How Soccer Explains the World».
Franklin Foer: «A Juventus é conhecida pela alcunha da 'Velha Senhora', um nome estranho para uma equipa governada com tanto estilo por Gianni Agnelli. Exceptuando algumas 'estrelas' estrangeiras de grande qualidade que lhe deram, em certas ocasiões, uns laivos de futebol espectacular, a Juventus tem um estilo de jogo que não é mais do que a extensão dos seus maçadores uniformes pretos e brancos. A sua obsessão por tácticas defensivas deixa uma pequena margem para o erro e muito na mão dos árbitros».
Ah! Quem diria?
Por isso a Juventus é das equipas mais detestadas no Mundo. Sempre envolta em escândalos, em polémicas, condenada a descer de divisão por via de resultados combinados. Uma mancha muito negra num emblema a preto e branco.
A Juventus está aí, a jogar com o Benfica outra vez. E está também na memória de muitos de nós.
Por isso recordo. Recordo a paixão intensa de uma velha Julieta pelo Romeu negro Eusébio.
Vamos até 1962, por exemplo...

A propaganda italiana saiu de graça
FEVEREIRO. Fevereiro de 1962.
O Benfica era convidado para jogar em Itália, frente à selecção italiana. Cachet: 700 contos; despesas de deslocação e estada pagas para vinte pessoas durante três dias. Valores impressionantes. O jogo fica marcado para Milão, no dia 14 de Março. Os italianos vão ver Eusébio ao vivo. Afiança a imprensa que emissários da Juventus e do Inter estarão presentes, talvez com propostas em branco no bolso dos casacos.
Uma súbita febre de milhões parece trepar no mercúrio dos termómetros da Juventus, do Inter e dos jornais italianos e portugueses.
Como distinguir a verdade da mentira; a realidade da mistificação?
«Vinte mil contos, oferece a Juventus por Eusébio», diz-se à boca cheia.
Maurício Vieira de Brito, presidente do Benfica: «Fantasia. Nada mais do que fantasia. Já ouvi de tudo: oito, dez, quinze, vinte mil contos. Pois eu digo: o Benfica exige cinquenta mil. E se continuam com essa história, nada me custa passar para cem mil».
A Juventus desmente. Desmente de forma categórica.
Mas a seguir já não desmente tão categoricamente.
Depois, confirma. Finalmente revela, com requebros de Velha Senhora: tem interesse em Eusébio, mas Eusébio é caro demais.
Entretanto deixa correr tinta numa jogada publicitária. É um dirigente do clube de Turim, Barone Mazzonis, que confessa a estratégia: «Tenho que reconhecer que sim, que a Juventus gostaria de assegurar o concordo de Eusébio porque sabemos que se trata de um grande jogador. Mas não fizemos junto do Benfica nenhuma tentativa para negociar a sua transferência. O facto de os jornais portugueses, franceses, ingleses, espanhóis e italianos afirmarem que a Juventus está disposta a pagar vinte mil contos por um jogador, constitui uma tremenda propaganda para o nosso clube, pois só um clube muito rico e muito poderoso poderia pagar tão importante soma por um futebolista. De mais a mais, é uma propaganda que não nos custa um centavo. Logo, por que haveríamos nós de nos dar ao incómodo de o desmentir? Falem de trinta, quarenta, ou cinquenta mil contos. Quanto mais, melhor! Não mexeremos um só dedo para o desmentir».
Valores extremos para um tempo de pobreza. Eusébio no topo do Mundo. Namorado por uma senhora velha e rica..."

Afonso de Melo, in O Benfica

Coragem, união e determinação

"Não existem receitas mágicas para se concretizarem objectivos. Mas que existe magia no Benfica, lá isso existe! Sociologicamente, a articulação dos factores sociais é um incógnita. Nada melhor do que a metáfora da Fig.I.
(-Você não tem vergonha de gostar destas músicas?
- Teria vergonha se deixasse os outros controlarem o que eu gosto.
...)
Psicologicamente a resiliência define-se como a capacidade que uma pessoa tem de interagir com os problemas, superando obstáculos ou resistindo à pressão de situações adversas sem que isoo lhe provoque caos psicológico.
Essa relação passa obrigatoriamente pela tomada de decisões emergentes da dicotomia entre a tensão envolvente do ambiente e a vontade de vencer. Essas decisões propiciam capacidade na pessoa para enfrentar a adversidade.

Contextualização, percepção, força, psicológica, capacidade de análise e entendimento persistência, vontade, anti-depressão, sorte e principalmente, coragem, 'lots and lots' de coragem!
Os parabéns são endereçados a todos sem excepção, mas que existe um, ou dois, que os tem bem colocados no lugar correcto, isso ninguém poderá negar!


E pluribus unum
Literalmente quer dizer «De muitos, um'.
Analisado por outro prisma, significa que as partes permitiram a existência de um todo único! As partes fomos todos nós, sem excepção e o todo único, é, obviamente, o Sport Lisboa e Benfica.
E curioso observar que o Grande Selo dos Estados Unidos, (em Inglês, Great Seal os the United Stades) que é utilizado para autenticar determinados documentos emitidos pelo governo dos Estados Unidos, ou seja, o equivalente ao nosso selo branco, tem o desenho que reproduzimos:
Lá está a inscrição E PLURIBUS UNUM.
Ninguém pode ficar indiferente ao reconhecimento que para as gerações vindouras, possa ficar aqui escrito no nosso Jornal para todo o sempre.
Qualquer leitor futurista, que leia, seja em que momento, forma ou modo for, terá acesso a esta frase indesmentível!
O Benfica foi Campeão Nacional de futebol de 2013/2014 e fica a devê-lo a todos os Benfiquistas, todos sem excepção, parafraseando o presidente: 'A vitória é de todos, mesmo dos que não acreditaram.'
Isto é o Benfica!
Uma lição para o presente, retirada do passado e com uma lança no futuro.
Nunca nos poderemos esquecer que somos todos diferentes, mas simplesmente, somos todos iguais numa coisa - no Benfica!
O momento em que sentimos que fazemos parte da mesma comunhão, esse é o momento mágico! Mítico!
Jamais nos poderemos esquecer que a luta continua e temos de continuar a 'batalhar' e a viver em função dessa luta e dessa crença. Os tempos que se avizinham não serão fáceis, mas creio que todos aprendemos com os nossos próprios erros cometidos.
Para a história ficará a bravura de um conjunto de Homens, pertencentes ao tal todo que sempre irei defender até à morte!
Há muito a aprender na vida e jamais alguém poderá dizer que é dono da verdade eterna e definitiva.
Mas existe uma verdadeira indesmentível - o Sport Lisboa e Benfica é afinal o que nos une, mesmo perante aqueles que não acreditaram!
Mas que eles existiram um, ou dois, que os tiveram bem colocados no lugar correcto, isso ninguém poderá negar!
A última diferença do Sport Lisboa e Benfica é que de todos rezará a História!
É isso que nos faz ser Benfica! Sempre!"

Pragal Colaço, in O Benfica