Últimas indefectivações

sábado, 17 de dezembro de 2011

Maximiliano... mais 3 anos a correr de Águia ao peito

Sinceramente estava preocupado, mas felizmente tudo acabou em bem... não sei como é que o negócio se desenvolveu, e admito que acho estranho o Benfica ser obrigado a comprar os restantes 30%, mas também não gostei de ler nos últimos dias algumas opiniões desvalorizando o valor do Maxi... Como o Presidente disse, o Maxi é um jogador à Benfica, nem todos podem ter o talento do Aimar, numa equipa vencedora é essencial existirem jogadores com a disponibilidade do Maxi, fundamental, nem que seja só pelo exemplo... Um jogador que ficará de certeza absoluta na Gloriosa História do Benfica...

Empate forasteiro



Vic 4 - 4 Benfica



Até pode ter sido um bom resultado (entrámos mal no jogo)... depende, o mais importante será vencer os jogos em casa. Assim com a vitória do Lodi na Alemanhã estamos em 2º no grupo...

Açores Tour - 1º Round !!! Amanhã à mais...!!!




Terceira Basket 73 - 101 Benfica

Sem facilitar



Leixões 0 - 3 Benfica

19-25, 9-25, 16-25

Preocupante



Madeira SAD 28 - 25 Benfica



A diferença pontual começa a ser preocupante - mesmo dividindo os pontos pela metade, aquilo que realmente conta para a 2ª fase. Só vi alguns minutos do jogo, e até estávamos a liderar. Talvez tenha sido azar, mas os Madeirenses 'espumavam pela boca', devido a uma expulsão, o curioso é que o Benfica acabou o jogo com praticamente o dobro das exclusões...!!! Agora não existe margem de erro, o próximo jogo em Braga só pode ter um resultado.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Feliz Natal (antecipado)!!!





Benfica 5 - 1 Rio Ave


Já tinha saudades de um goleada. Depois de vários meses a vencer pela diferença mínima, finalmente um jogo cardiologicamente descansado... mesmo assim começamos a perder!!!
Jogo que ficou marcado por vários regressos: o regresso de Nolito aos golos, o regresso do Saviola aos golos, o regresso da dupla Aimar/Saviola, o regresso do Aimar ao meio campo, e até o 'regresso' do Emerson aos jogos mais conseguidos!!!
PS: Passe mágico do Mago no 3º golo, que delicia!!!


RESUMO - Benfica 5-1 Rio Ave

Tugagolo | Myspace Video

Zenit


Pronto, aqui vamos para a Rússia (a pedido de muitas famílias!!!)... o Zenit não mete medo, o frio será adversário, o treinador é Italiano e por isso podemos esperar 'contenção' e porrada... mas uma equipa que tem no Danny a sua principal arma ofensiva, não pode ser temida. Somos favoritos, jogando com ambição, garra e a concentração no máximo, vamos ganhar...
O facto do campeonato Russo estar parado nos próximos tempos, ao contrário da opinião generalizada, pode não ser benéfico (quando fomos eliminados pelo CSKA o Campeonato também estava parado!!!)... vão fazer muitos jogos particulares, vão estar 'fresquinhos', e será mais complicado a analise por parte da equipa técnica do Benfica, sendo de esperar algumas alterações no plantel da equipa de São Petersburgo...
Deixo aqui a fotografia da ilha que irá ter o privilégio de receber o Glorioso:

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

O nosso homem em Viana do Castelo

"As audiências televisivas quebraram quando Cardozo marcou no Funchal. Até então o jogo era seguido por 7 milhões de espectadores. Depois apenas ficaram 6 milhões agarrados ao ecrã


A Federação Portuguesa de Futebol tem um novo presidente. A arbitragem tem o mesmo presidente: Vítor Pereira ganhou por um voto e poderá agradecer a vitória ao delegado de Viana do Castelo que faltou com a sua presença ao referido acto eleitoral.

Segundo os relatos da imprensa ficou-se com a ideia, porventura errada, de que o delegado de Viana do Castelo viria a Lisboa votar no concorrente que haveria de perder as eleições para a presidência dos árbitros.

São desnecessárias e abusivas as comparações entre este episódio do voto colegial e o episódio mais antigo do deputado que um dia surpreendeu a Assembleia da República e todos os prognósticos ao trocar a sua posição pelas venturas da indústria do Queijo Limiano.

O Minho é o cenário destes dois casos, concluirão os leitores mais expeditos.

Façam o favor de se deixar de conclusões primárias, digo eu.

Entre o deputado do Queijo Limiano e o delegado de Viana do Castelo a única coisa que há em comum é o bola. A bola do queijo, naturalmente.

Se foi o delegado de Viana do Castelo que, por falta de comparência, reconduziu Vítor Pereira na presidência dos árbitros, esse facto não deslustra o resultado eleitoral nem sequer ensombra a próxima gerência do presidente do sector. Vítor Pereira vai continuar a ser o homem mais importante da arbitragem portuguesa.

Embora haja sempre quem em tudo pressinta e veja conspirações do mais alto teor. E para esses, como não podia deixar de ser, o homem mais importante da arbitragem portuguesa é, desde o último fim-de-semana, o delegado de Viana do Castelo.


O Sporting jogou ontem com a Lazio e a sua comitiva directiva que viajou até Roma dividiu-se ao meio.

Meia comitiva, sob a liderança de Luís Duque, dirigiu-se à Cidade do Vaticano para uma visita ao Papa e a outra meia comitiva, sob a liderança de Paulo Pereira Cristovão, dirigiu-se à embaixada de Portugal na capital italiana para um almoço com o nosso embaixador em Roma.

Curiosamente, mas ainda fresquinhas eleições para a Federação, o Sporting teve uma atitude muitíssimo parecida. Sob a égide de Godinho Lopes, meio Sporting apoiou a candidatura de Fernando Gomes à presidência, e sob a égide de Luís Duque, o outro meio Sporting declarou todo o seu apoio à candidatura de Carlos Marta, que haveria de sair derrotado no acto eleitoral.

Chama-se a isto altas diplomacias.

Estão sempre bem, venha quem vier.

E o Sporting gosta de ir ao Papa. Sempre gostou.


«QUE joguem assim contra os nossos adversários», disse Jorge Jesus no fim do jogo do Funchal. Referia-se decerto à forma combativa como o Marítimo disputou os dois jogos com o Benfica, vencendo um e perdendo outro, sempre por resultados tangenciais, sofridos, que atestam o equilíbrio das lutas entre os adversários em questão.

Não foi por amor que Jesus disse o que disse. Foi por interesse. E o interesse de Jesus é o interesse de 6 milhões de benfiquistas, mais milhão ou menos milhão.

Ao Benfica interessava muito que o Marítimo chateasse o mais possível o FC Porto e o Sporting, nos jogos que ainda têm de disputar para o campeonato. Embora o Sporting já tenha sido suficientemente chateado pelo Marítimo, ainda por cima em casa, onde estes percalços ainda chateiam mais.

No entanto, devemos ser racionais nestes pormenores de uma prova maior. No domingo, nos Barreiros, o Marítimo, apesar de não ter tido uma oportunidade flagrante de golo, chateou bastante Jesus e os benfiquistas com a persistência e eficácia com que defenderam o 0-0 até quase ao fim da partida.

Mas, de certeza absoluta, que não houve nenhum jogador do Marítimo que tivesse chateado tento Jesus e os benfiquistas, ao ponto da exasperação, como Óscar Cardozo, naquele segundinho ainda na primeira parte, quando o paraguaio encontrando-se diante da baliza, sem nenhum adversário por perto, chutou para fora.

Esse momento fugaz de desconcentração, ou se preferirem os anti-Cardozo, de inépcia, acabou por ser a emoção maior, a grande alegria que viveram os nossos tais adversários na última jornada do campeonato. O mesmo Cardozo haveria de acabar com a chinfrineira e redimir-se na segunda parte, como é do conhecimento geral.

A tabela das audiências televisivas prova isto tudo muito bem provado. O canal da Sport TV que, no domingo, transmitia em directo o Marítimo-Benfica teve cerca de 7 milhões de espectadores grudados ao ecrã até aos 82 minutos de jogo quando Óscar Cardozo, finalmente, acertou com a bola dentro da baliza.

A partir dos 82 minutos, a tabela de audiências registou um abandono de 1 milhão de telespectadores que se desinteressaram do jogo assim que o Benfica se pôs a ganhar.

E desse 1 milhão de desistentes, metade era do Sporting. E dessa metade que era do Sporting, há que contar a facção que foi ao Para, a facção que apoiou Carlos Marta, a facção que foi almoçar com o embaixador e a facção que apoiou Fernando Gomes.

Agora percebe-se a razão de tanta reflexão interna por dá aquela palha.


POR decisão do Tribunal, ficam impedidos de frequentar estádios de futebol durante um ano e obrigados a apresentarem-se à hora dos jogos na esquadra da polícia mais próxima das respectivas residências, aqueles indivíduos que foram caçados em desacatos pela polícia na noite do último derby.

É assim mesmo. Aliás, este foi um dos passos do governo inglês para acabar com o hooliganismo lá na terra deles nos anos 80.

Outro, também eficaz, foi o estacionamento nos arredores dos estádios, em dia de jogo, de vans dissuasoras, ou seja, carrinhas da polícia com grades, a quem os ingleses chamavam de hoolivans e que serviam para arrecadar e levar para o xelindró todos os espectadores que dentro ou fora do recinto apresentassem sintomas declarados de delinquência.

Trata-se, pois, de um problema que só pode ter uma resolução feliz de houver vontade política, não só dos políticos de carreira como dos dirigentes desportivos de carreira.

A confirmarem-se, estas decisões do Tribunal poderiam prometer muito em termos civilizacionais. Mas o cepticismo é grande e os grandes não ajudam nada.

Enquanto houver dirigentes desportivos que se vangloriem de que as suas claques ao menos «estão legalizadas» não haverá progresso.

E um dia ainda alguém, em nome do Estado, terá de vir explicar ao país que Lei é essa que confere enquadramento legal e a honradez de um estatuto aos hooligans portugueses de Norte a Sul do país.


lá vão tantos dias, semanas até, sobre o derby e Godinho Lopes ainda não revelou publicamente o escaldante material áudio e audiovisual que anunciou ter em sua posse 24 horas depois de João Capela ter apitado para acabar com o jogo da Luz.

Não só não houve divulgação pública, mantendo-se o suspense insuportável, como, aparentemente, também não há registo de que o Sporting tenha entregue o seu explosivo e altamente comprometedor material ao departamento de disciplina da Liga dos Clubes para que possa actuar, segundo os regulamentos, sobre o prevaricador.

Segundo Godinho Lopes, que apoiou Fernando Gomes e nem foi ao Para nem foi almoçar com o embaixador de Portugal em Roma, prevaricador foi, nem mais nem menos, o próprio presidente do Benfica, acusado de ter mantido um diálogo aceso e sabe-se lá o que mais com Luís Duque, que apoiou Carlos Marta e foi ao Para.

Também é verdade que Godinho Lopes, quando afirmou ter a posse de material audiovisual comprometedor para o presidente do Benfica, logo acrescentou que o mesmo material iria ser alvo de profunda «análise interna».

Oh, já dizia o poeta:

-O que farei com esta espada?

Por amor de Deus, façam lá qualquer coisinha."


Leonor Pinhão, in A Bola

As diferenças

"Benfica e Sporting, em Portugal, Real Madrid e Barcelona, em Espanha, protagonizam o jogo de todos os jogos. Independentemente do momento e das circunstâncias, a sua tradição, rivalidade e simbolismo são insuperáveis.

Quiseram os calendários que, no espaço de duas semanas, cá e lá, acontecessem estes jogos. Com notórias diferenças.

As mais impositivas e incontornáveis: a do retorno do espectáculo e a do dinheiro dos plantéis. Quinhentos milhões de pessoas terão visto o clássico espanhol! Quanto aos jogadores, basta referir alguns dos jogadores nos bancos: Kaká, Higuain, Khedira, Albiol, Mascherano, Keita, Pedro, Villa, Thiago Alcântara!

Mas evitáveis serão as diferenças de certas atitudes. No Santiago Bernabéu basta citar A BOLA: «os presidentes dos dois clubes reuniram-se num hotel e aproveitarem para lançar apelos de tolerância e falar da rivalidade sã entre os dois clubes». Aqui, foi o que se sabe.

Cá correu tinta a rodos por causa de uma caixa de segurança. Lá estiveram 5000 catalães numa estrutura semelhante à da Luz, sem que tal se notasse.

Lá os adeptos manifestaram-se vibrantemente pela sua equipa. Cá, além dos estragos, o apoio é sempre uma forma de insulto à equipa oponente.

Lá o jogo terminou com 11 de cada lado, com um árbitro inteligente que sabe que dirigir um espectáculo é também preservá-lo. Cá, expulsam-se jogadores por dá cá aquela palha ou um murro na relva.

PS - A propósito, lembrou-me de Domingos Paciência, no fim da Liga de há dois anos, se queixar de o Benfica ter sido campeão a jogar contra 10 em muitos jogos. Que dirá agora? Nos últimos 4 jogos, o SCP acabou sempre em superioridade: Feirense, Leiria, Benfica e Nacional, para além de P. Ferreira e Rio Ave..."


Bagão Félix, in A Bola

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

De Todos, Um



Tenho seguido o Vitórias e Património religiosamente, nada mais do que a minha obrigação... serviço público de altíssima qualidade... ontem o programa sobre a fundação do Sport Lisboa e Benfica merece uma avaliação positiva, mas (e este é um 'mas' sentido!!!)... o nosso lema 'E Pluribus Unum', merecia uma interpretação mais 'cuidada'!!! Não ficava mal, fazer-se uma rectificação nas reposições do episódio... a repetição de uma mentira pode transformar-se numa verdade!!! O lema do Benfica não tem nenhuma ligação a qualquer conto sobre Mosqueteiros.



De Todos, Um






PS: Até pode ter havido outras imprecisões, mas esta doeu!!!

No rescaldo da Champions

"Terminada a fase inicial da milionária competição europeia, algumas curiosidades e um desejo:

1. Este ano, a Liga dos Campeões transformou-se quase numa Liga dos Não Campeões. Ficaram de fora dos oitavos-de-final muitos clubes que haviam ganho os seus campeonatos. De entre eles, e além do Porto, o Manchester United, o B. Dortmund e o Lille (que nem à Liga Europa vão), o Ajax, ou mesmo o Olympiakos e o Shakhtar.

2. Dos 16 apurados, só 5 ganharam os seus campeonatos: o Barcelona, evidentemente, o Milan, o Zenit e... os outsiders Basileia e APOEL!

3. Assim, a Liga Europa Orangina vai ter muitos campeões domésticos... Como escreveu Vítor Serpa, é «uma Europa do avesso».

4. Nos 96 jogos efectuados a média de golos por jogo foi de 2,7, tendo havido apenas 7 jogos sem o sal que os condimenta.

5. Duas equipas (das 32) - Barcelona e R. Madrid - marcaram 39 golos (15% do total) e as melhores defesas foram as do Real Madrid (2 golos), Benfica e Marselha (4 golos). Curioso, o facto de o Benfica ter sofrido 0,66 golos por jogo quando na Liga sofreu 1 golo por jogo nas primeiras 10 jornadas. Problemas de concentração?

6. Não perderam jogos apenas o R. Madrid, Barcelona e Benfica e entre os que não pontuaram está o Villareal!

7. De um modo geral, os erros de arbitragem não condicionaram as classificações. A excepção foi a de Jorge Sousa no Ajax-Real Madrid, onde foram anulados dois preciosos e válidos golos holandeses. Se a isto juntarmos a displicência(?) do Zagreb frente ao Lyon...

8. Quanto ao sorteio, arrisco a minha preferência: o Milan. Por duas razões: não acho que seja equipa superior à do Benfica e se ultrapassá-los é motivante, ser eliminado não é traumatizante."


Bagão Félix, in A Bola

O ridículo tem limite

"Disse-o na altura e repito-o agora: o grande problema do FC Porto, em termos de produtividade/competitividade, tanto em Portugal como na Europa, seria, como foi, a saída de Falcao. Viu-se na Champions e na Taça e vai ver-se na Liga Sagres. A escolha do treinador, crassa e supinamente errada e foco de permanente instabilidade no seio da equipa, também é grave, mas ainda não teve os efeitos devastadores da dispensa do colombiano. Agora, fala-se muito na venda de Álvaro Pereira, Rolando e Fernando, cujas receitas serviriam de balão de oxigénio para libertar a tesouraria do sufoco de liquidez em que vive. Foi a ruinosa gestão da SAD que conduziu a esta asfixia financeira do clube, embora os seus administradores se auto-remunerem como profissionais altamente qualificados. O ridículo também tem limite. Alguém compreende - vai a época a meio - que ainda ninguém saiba o que valem Danilo e Alex Sandro que no Verão passado custaram, em conjunto, quase 30 milhões de euros?

Em Itália quem distribui as verbas consignadas no Orçamento para o movimento desportivo é o Comité Olímpico. Em 2012, a austeridade vai obrigá-lo a repartir pelas respectivas federações menos 38 milhões de euros, i.e., menos 20 por cento em relação a 2011 (150 milhões em vez de 188). O futebol, que sempre recebeu a maior talhada (cerca de 40 por cento), é a modalidade que sofre o maior corte (63 milhões em vez de 79). Não surpreende que a crise se tenha lá instalado e prometa ficar por muitos anos. Reparem nestes indicadores: é o país com a idade de reforma mais baixa e com as pensões mais altas, que absorvem 14,1 por cento do PIB, mais 2 do que a França e mais 4 do que na Alemanha! Belas perspectivas."


Manuel Martins de Sá, in A Bola

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Vitória em casa... na Azambuja

Benfica 37 - 30 Fafe

Tavares(10), Pais(7), Carneiro(7), Pedroso(4), Zaikin(3), Grilo(3), Roque(1), Silva(1), Costa(1), Lopes, Areia, Carmo, Candeias, Andersson


Início tremido, mas com o tempo a natural superioridade do Benfica reflectiu-se no resultado. Nota para o reencontro com o Luís Nunes, e os 6 golos do Pedro Peneda, nosso jovem emprestado, que foi melhor marcador do Fafe.

Distinção

O Departamento de Reserva, Conservação e Restauro do SL Benfica, foi distinguido pela Associação Portuguesa de Museologia, pela sua intervenção na área da Conservação e Restauro. Parabéns a toda a equipa liderada pelo vice-presidente Alcino António, e espero que no próximo ano, já com o Museu aberto, o Benfica possa candidatar-se a outros prémios em áreas diferentes...

Lixívia Extra-Forte XII

Tabela Anti-Lixívia Extra-Forte:
Benfica.......30 ( -2)...32
Corruptos..30 (+1)...29

Sporting......26 (0)...26
Braga........22 ( +4)...18



Nos Barreiros tivemos um Jorge Sousa bastante preocupado com o jogo da próxima jornada, Corruptos-Marítimo, assim rapidamente o meio-campo insular ficou amarelado!!! Não foram cartões injustos, mas normalmente nos jogos com o Benfica, este tipo de jogo é permitido, com os cartões a surgirem somente nos últimos minutos!!! A expulsão só pecou por tardia, no segundo amarelo na repetição parece que não houve contacto, mas um jogador quando entra daquela maneira, e não toca na bola, o amarelo é sempre mostrado. Ainda na primeira parte, num pontapé de canto, parece que o Garay é empurrado: como seria penalty a favor do Benfica, não houve caso!!! Não houve repetições, não houve zoom's, não houve conversa da treta!!! Ainda foram mal assinalados pelo menos dois foras-de-jogo ao Benfica, que curiosamente também 'desapareceram' das analises após o jogo!!! Sobre o golo do Benfica e a suposta falta do Aimar sobre o Peçanha, com alguma preguiça minha, transcrevo as palavras do Luís Fialho, no Vedeta da Bola: "No lance que antecede um lançamento, (que antecede um alivio, que antecede um cruzamento do Maxi, acrescento eu!!!) que antecede o cabeceamento de Jardel, que antecede a grande defesa de Peçanha, que antecede o cruzamente de Nolito, que antecede o ressalto nas pernas do defesa do Marítimo, que antecede o remate final de Cardozo, há uma possível falta de Aimar sobre o guarda-redes. A acontecer, seria fora da área (pequena área), pelo que o critério a considerar terá de ser mais lato. Mas dizer-se que o golo foi irregular por causa dessa possível falta soa a ridículo."




Não vi mais nenhum jogo, portanto só posso comentar os resumos: em Braga parece que nada de especial aconteceu, no Alvalixo além de mais um vermelho, com muito teatro por parte do Capel, e da inimputabilidade do João Pereira, nada aconteceu!!! Em Aveiro, houve um penalty sobre o Djalma não marcado, e um segundo amarelo perdoado ao Givanildo por simulação (sendo que no primeiro amarelo, por protestos, até tinha razão, já que sofreu falta)!!! E o Givanildo pouco depois marcou o segundo golo!!!
Adenda: Indesculpavelmente esqueci-me que o Givanildo está em fora-de-jogo activo no primeiro golo dos Corruptos!!! Não toca na bola, não tapa a visão, mas retarda a reacção do guarda-redes, que só depois da bola passar pelo Givanildo é que reage ao lance, portanto participa activamente no lance...



Anexos:

Benfica
1ª-Gil Vicente(f) E(2-2), João Ferreira, Nada a assinalar
2ª-Feirense(c) V(3-1), Hugo Pacheco, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
3ª-Nacional(f) V(0-2), Soares Dias, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado
4º-Guimarães(c) V(2-1), Duarte Gomes, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado
5ª-Académica(c) E(4-1), Vasco Santos, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
6ª-Corruptos(f) V(2-2), Jorge Sousa, Nada a assinalar
7ª-Paços de Ferreira(c) V(4-1), Bruno Esteves, Prejudicados, Sem influência no resultado
8ª-Beira-Mar(f) V(0-1), Paulo Baptista, Prejudicados, Sem influência no resultado
9ª-Olhanense(c) V(2-1), Marco Ferreira, Prejudicados, Sem influência no resultado
10ª-Braga(f) E(1-1), Proença, Prejudicados, (0-2), -2 pontos
11ª-Sporting(c) V(1-0), Capela, Prejudicados, Sem influência no resultado
12ª-Marítimo(f) V(0-1), Sousa, Nada a assinalar

Corruptos
1º-Guimarães(f) V(0-1), Olegário, Beneficiados, (0-0), +2 pontos
2ª-Gil Vicente(c) V(3-1), Rui Silva, Beneficiados, Impossível contabilizar
3ª-Leiria(f) V(1-4), Capela, Prejudicados, Sem influência no resultado
4ª-Setúbal(c) V(3-0), Marco Ferreira, Beneficiados, Sem influência no resultado
5ª-Feirense(f) E(0-0), Bruno Esteves, Beneficiados, (1-0), +1 ponto
6ª-Benfica(c) E(2-2), Jorge Sousa, Nada a assinalar
7ª-Académica(f) V(0-3), Paulo Baptista, Nada a assinalar
8ª-Nacional(c) V(5-0), Cosme Machado, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
9ª-Paços de Ferreira(c) V(3-0), Hugo Miguel, Beneficiados, Sem influência no resultado
10ª-Olhanense(f) E(0-0), Capela, Prejudicados, (0-1), -2 pontos
11ª-Braga(c) V(3-2), Soares Dias, Prejudicados, Sem influência no resultado
12ª-Beira-Mar(f) V(1-2), Xistra, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar

Sporting
1ª-Olhanense(c) E(1-1), Xistra, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
2ª-Beira-Mar(f) E(0-0), Fernando Martins, Nada a assinalar
3ª-Marítimo(c) D(2-3), Proença, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
4ª-Paços Ferreira(f) V(2-3), Paulo Baptista, Prejudicados, Sem influência no resultado
5ª-Rio Ave(f) V(2-3), Hugo Miguel, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
6ª-Setúbal(c) V(3-0), Cosme Machado, Nada a assinalar
7ª-Guimarães(f) V(0-1), Bruno Paixão, Nada a assinalar
8ª-Gil Vicente(c) V(6-1), João Capela, Beneficiados, Sem influência no resultado
9ª-Feirense(f) V(0-2, Gralha, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
10ª-Leiria(c) V(3-1), Manuel Mota, Beneficiados, Impossível contabilizar
11ª-Benfica(f) D(1-0), Capela, Beneficiados, Sem influência do resultado
12ª-Nacional(c) V(1-0), Vasco Santos, Nada a assinalar

Braga
1ª-Rio Ave(f) E(0-0), Duarte Gomes, Beneficiados, (1-0), +1 ponto
2ª-Marítimo(c) V(2-0), Soares Dias, Beneficiados (1-0), Sem influência
3ª-Setúbal(f) V(0-1), Hugo Miguel, Beneficiados (0-0), +2 pontos
4ª-Gil Vicente(c) V(3-1), Rui Costa, Nada a assinalar
5ª-Guimarães(f) E(1-1), Pedro Proença, Nada a assinalar
6ª-Nacional(c) V(2-0), Xistra, Nada a assinalar
7ª-Leiria(f) D(1-o), Marco Ferreira, Nada a assinalar
8ª-Feirense(c) V(3-0), João Ferreira, Nada a assinalar
9ª-Académica(f) E(0-0), Jorge Sousa, Nada a assinalar
10ª-Benfica(c) E(1-1), Proença, Beneficiados, (0-2), +1 ponto
11ª-Corruptos(f) D(3-2), Soares Dias, Beneficiados, Sem influência no resultado
12ª-Paços de Ferreira(c) V(5-2), Marco Ferreira, Nada a assinalar

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

O fungagá da bicharada

"A meio da manhã, ainda entontecido pelos vapores do alcoól da véspera, o Madaleno espreguiçou-se vigorosamente abrindo mais uma costura do seu velho roupão turco. A semana tinha sido agradável.

Apesar das queixas de parte da empregadagem de que já faltava dinheiro para as côdeas, o colchão de palha às risquinhas, oferecido pelo seu compincha de Manzanares na sequência da mascambilha da ave predadora que valera muita fuga de capital, estava gordo de notas de mil. O Madaleno sentia-se feliz. Como de costume, na noite anterior, cosera-se às paredes e às sobras com o seu bando de varrões e surpreendera um solitário rapaz das letras em plena azáfama da sua profissão. Sabe-se como o Madaleno não gosta de letras.

Analfabeto como é, irrita-lhe que simples sinais possam fazer sentido pelo facto de se juntarem numa ordem pré-estabelecida.

Vai daí e gritou a plenos pulmões uma série volumosa de obscenidades que atingiram o moço com a violência de um sopapo. Sopapos esses que se seguiram de imediato por parte dos cerdos que obedecem ao assobio do Madaleno como rafeiros gruins.

O poltrão deixou-se ficar atrás, acoitado, babando-se como um impubescente de gozo e de perfídia. Era mais um para juntar à sua lista infinita e desta vez nem precisara de o atropelar.

Por isso, nessa manhã, sentia-se na plenitude dos seus bordalengos recursos. Voltou a espreguiçar-se, o corpo evolando uma fedentina insustentável, e preparou uma piadola revoltante sobre jaulas e animais para soltar na primeira oportunidade em que um pé-de-microfone lhe surgisse pela frente. Riu-se intimamente da sua própria porcaria sem graça.

Repetiu o gesto de se espreguiçar-se, voltando a cheirar insuportavelmente. E depois só pediu a todos os santinhos que o outro não se lembrasse, mais uma vez, de fingir que era um cãozinho a urinar-lhe nas bandeirolas de canto..."


Afonso de Melo, in O Benfica

Mudanças

"Com a tomada de posse dos membros dos órgãos sociais da FPF eleitos ontem, a FPF abandonará em definitivo o manto de ilegalidade com que se cobriu nos últimos anos e terminará um processo caricato de desafio da lei (que entrou em vigor em janeiro de 2009!) e dos poderes públicos. Por sua vez, em melhor posição no que toca à legalidade não estiveram a Comissão Disciplinar e a Comissão de Arbitragem da Liga de Futebol Profissional, de tal sorte que deixarão de exercer funções para as quais, segundo alguns, não tinham competência desde 1 de julho de 2010 (!) – se assim tiver sido, apenas foram os seus titulares, desde então, uma espécie de “gestores de facto” (“tolerados” pelas instâncias competentes e pelos agentes desportivos) desses dois sectores das competições profissionais. Pois bem: com a legalização da FPF e da Liga, o adepto do futebol terá que se habituar a algumas novidades.

A mais notória é a competência exclusiva do Conselho de Disciplina da FPF para instaurar procedimentos e julgar as infrações disciplinares de todas as competições nacionais (com uma secção profissional e outra secção não profissional), assim como a competência única para administrar e avaliar a arbitragem, que se aglutina no Conselho de Arbitragem (com três secções, sendo uma delas reservada para a observação e classificação dos árbitros). A Comissão de Arbitragem da Liga desaparece; a Comissão Disciplinar da Liga continua, mas só para a apreciação dos ilícitos praticados pelos clubes e sociedades desportivas enquanto associados da Liga. Assim sendo, os Estatutos da Liga determinam que todos os processos pendentes na Comissão Disciplinar sejam remetidos para o Conselho de Disciplina da FPF no prazo de 10 dias úteis após a tomada de posse dos membros do Conselho de Disciplina. O mesmo procedimento deve ser feito pela Comissão de Arbitragem, que, dizem esses mesmos Estatutos, se extingue automaticamente pelo decurso desse prazo de 10 dias. No dia 2 de janeiro de 2012 começará, portanto e salvaguardadas eventuais impugnações, uma outra vida. Faltará dar corpo ao “regimento interno” de cada um desses Conselhos da FPF, que desenhe o funcionamento, as regras processuais e a logística de cada um desses órgãos (bem como do seu corpo de instrutores e colaboradores), que deverão ser aprovados urgentemente pela federação.

A direção da FPF passa a ter a competência para aprovar os regulamentos e regimentos das competições não profissionais e da organização interna da FPF, em detrimento da assembleia geral; ainda assim, a requerimento de 20% dos delegados, a assembleia geral pode alterar esses regulamentos. Por sua vez, a Liga mantém a competência para aprovar os regulamentos aplicáveis nos campeonatos profissionais e definir os pressupostos de acesso às suas provas. Porém, a autonomia da Liga está em parte condicionada pelos delegados da FPF, uma vez que os regulamentos da disciplina e da arbitragem têm que ser ratificados pela assembleia geral da FPF, sob pena de não produzirem quaisquer efeitos.

Um novo tempo com novas e velhas pessoas: um novo ciclo?"


A morte do Dr. Sócrates

"O Benfica foi ao Funchal tropeçar e deixar pelo caminho o sonho da Taça, interrompido um promissor ciclo de invencibilidade. Foi pena, muita pena. Agora falta o resto, e felizmente ainda é muito, a perfilar-se no horizonte como esperança e desafio.

Mas é de Sócrates que hoje vou falar. Não do da política, nem do filósofo da Grécia antiga que escolheu a cicuta para não ter de renunciar aos seus princípios e valores. Este Sócrates era brasileiro, tinha 57 anos e morreu num hospital depois de três internamentos, com uma infecção generalizada, após anos de excessos no consumo de álcool. Recordo-me dele como se fosse hoje, elegante, inteligente, tecnicamente irrepreensível, a deixar a marca da sua presença e do seu estilo na selecção brasileira, nos mundiais de 1982 e 1986.

Ainda por cima, tirando os médicos das selecções, ele era o único a ter esse título académico, coisa raríssima entre jogadores de Futebol de qualquer época, mas sobretudo nessa em que o grau de profissionalização já não permitia acumular uma carreira nos estádios com um percurso académico com êxito. Ele era uma excepção admirável. Ainda por cima, tinha esse nome que rapidamente fica na memória por ser raro e por ter forte carga histórica e filosófica.

Vi-o numa fotografia recente, alquebrado, envelhecido, claramente enfermo. O excesso a que se rendeu, apesar de, sendo médico, saber que caminhava para o abismo, acabou por matá-lo quando já nada tinha para dar ao mundo do Futebol, embora fizesse e continue a fazer parte, por direito pleno, do panteão dos seus heróis e mitos.

A sua morte faz-nos pensar no modo como, terminadas carreiras gloriosas, os grandes craques lidam com o vazio, com o esquecimento e com a nostalgia. Alguns fazem grandes carreiras como treinadores ou dirigentes, mas outros morrem assim ou suicidam-se, porque não é fácil passar da luz ofuscante para a sombra que tudo obscurece e esconde. Paz à sua alma, onde quer que esteja, com a glória do que um dia foi."


José Jorge Letria, in O Benfica

domingo, 11 de dezembro de 2011

Cardozo, ainda foi a tempo...!!!




Marítimo 0 - 1 Benfica
Cardozo


Vitória muito importante. Não vi o jogo todo, mas pareceu-me que criámos mais perigo a jogar contra 11, do que contra 10!!! Lendo os primeiros post's na Gloriosasfera, parece-me que o bota-abaixo vai continuar!!! Repito sem ver o jogo na sua totalidade, duvido que atitude tenha sido tão má, como alguns 'pintam', o Marítimo defende muito bem, dá muita cacetada, o Artur desta vez não foi obrigado a nenhuma defesa milagrosa (parece-me), e o Cardozo além do golo, falhou outro que 'nunca' falha!!! (curiosamente, nos Barreiros o ano passado, o Cardozo falhou um golo praticamente igual, talvez ainda mais escandaloso, mas o Coentrão marcou pouco depois...!!!) 3 pontos, num local onde os nossos adversários vão deixar alguns pontos, nada mau...

Nestes jogos com o Marítimo e o Sporting existe um denominador comum: a estratégia defensiva dos nossos adversários foi sempre a mesma: fazer faltas constantes, parar o jogo constantemente, não deixar o Benfica trocar a bola, principalmente os nossos médios ofensivos. Hoje o apitadeiro, como estava a pensar no jogo da próxima jornada no Dragay, não teve problemas em mostrar o primeiro amarelo aos caceteiros, e assim relativamente cedo o Benfica ficou em vantagem numérica!!! Mas quando os cartões só aparecem no final, a estratégia resulta...!!!
Falta um jogo para as férias de Natal, será mais uma final, a classificação do Rio Ave não é importante, todos os jogos do Benfica têm que ser encarados como mais uma final... aliás o Benfica tem demonstrado dificuldades de intensidade nos jogos, no final de cada 'Bloco' de jogos: desde da última paragem para as Selecções, fizemos 3 jogos fisicamente muito complicados (Naval, Manchester e Sporting) e depois a equipa parece que baixou de intensidade. Já no 'Bloco' anterior começamos muito bem em Basileia, e depois com o Basileia em casa, e em Braga a equipa pareceu menos intensa... tem sido esta regra. Se esta variação se manter, o jogo da próxima Sexta-feira, tem que ser preparado com redobrada atenção!!!


RESUMO - Marítimo 0-1 Benfica

Tugagolo | Myspace Video

Garra



Benfica 79 - 69 Corruptos

18-20, 24-21, 10-11, 27-17



Nem sempre bem jogado, mas com muita luta, e desta vez o Benfica foi quem mais lutou pela vitória, como desta vez não houve a roubalheira habitual (houve erros, mas pareceram-me 'honestos', apesar de alguns disparatados!!!), principalmente nos jogos no antro da Corrupção, jogar melhor e lutar, foi suficiente para a vitória... curioso o facto dos nossos 4 melhores marcadores serem todos, contratações para esta época, sinal que houve 'olho'!!!

Os 10 pontos da vantagem também podem ser decisivos, com um Campeonato desnivelado será normal estas duas equipas não perderem com mais nenhum adversário, assim para garantir o primeiro lugar na fase regular - além de ganhar todos os outros jogos com todos os outros adversários, algo perfeitamente possível (o mais difícil será em Ovar) -, o Benfica até pode perder por 9 pontos no antro dos Corruptos!!! E assim manter a vantagem para o Play-Off...

PS: Não sei porquê, mas fico com um sorriso na cara quando se fala que esta equipa Corrupta não recebe ordenados desde do início da época!!! O João Santos merece!!!

Em frente na Taça...

Benfica 3 - 1 Sp. Espinho
25-22, 24-26, 25-23, 25-17


O sorteio da Taça colocou as duas melhores equipas nacionais da actualidade, uma contra outra, e os melhores venceram: o Benfica venceu... não foi fácil, mais uma vez o banco foi muito importante, o Royal e o Ché voltaram a entrar bem no jogo, o 2º e o 3º set foram muito equilibrados... depois de 3 jogos em 4 dias, com adversários valorosos, e uma viagem longa pelo meio, o Benfica continua invencível, demonstrando consistência...

Nunca é bom perder, mas...

"1. Perdemos com o Marítimo com um golo (quase) impossível, com outro (muito) consentido e com numerosas oportunidades desperdiçadas. Embora também com alguma sobranceria (ou menor empenho...) na segunda parte. Quebrou-se uma longa série de jogos sem perder (algum dia haveria de ser...) e ficámos fora da Taça de Portugal, o que também não é agradável. No entanto, se analisarmos todos os jogos oficiais desde início da época e até ao Natal, este seria, sem dúvida, aquele que todos escolheríamos, a ter que optar por uma derrota. A competição é a menos importante das três em que estávamos empenhados, não perdemos pontos em nenhuma das outras e teremos alguma folga num ritmo de jogos 'impossível'. Mas fica o 'aviso' para o jogo da Liga...

2. Soube-se há dias: Falcao só rendeu ao FC Porto 20 milhões de euros. O clube já havia pago 6,5 milhões pela renovação do contrato que o jogador não viria a cumprir e mais 3,7 milhões em comissões pela transferência. Quanto o Danilo, que chegará em Janeiro, custou quase 18 milhões, dos quais quase 5 milhões (mais concretamente 4,8) em encargos relacionados com a transferência, entre os quais comissões. Também se soube há dias que o clube deve vários meses de ordenados aos seus jogadores das modalidades (andebol, basquetebol, hóquei, já que não tem futsal). Enfim, não deixa de ser curioso...

3. Felizmente, o Sporting parece ter arrepiado caminho, depois de tão tristes declarações de responsáveis seus, antes e depois do jogo da Luz e do incêndio que alguns dos seus adeptos atearam na bancada do nosso Estádio. O Benfica fez um pormenorizado comunicado respondendo às infelizes declarações do vice-presidente do Sporting, colocando os pontos nos is nomeadamente no que toca aos lugares reservados aos adeptos; as alegadas atitudes do nosso Presidente junto ao balneário visitante não devem ter sido tão graves assim, já que não houve nem posterior reclamação nem divulgação da alegada gravação, enfim, tudo ficou (felizmente, repito) calmo, a bem de uma sã convivência entre as direcções dos dois clubes.

4. Deve ser um fenómeno. Não há semana em que não haja um clube de topo nele interessado. Só na semana passada, por exemplo, na terça-feira era o Tottenham; na quarta, o Barcelona. João Pereira, defesa-direito do Sporting, é bom jogador, reconheço. Mas não sabia que era um fenómeno. Assim ao jeito de Beto que, quando jogava, não passava um defeso sem que o Real Madrid não estivesse muito interessado nos seus serviços. Por acaso, nunca calhou transferir-se..."


Arons de Carvalho, in O Benfica

Maldição?

"Em 2004/05, na ressaca da conquista do título, o Benfica perde a final da Taça de Portugal para o V. Setúbal, depois de estar a vencer desde os minutos iniciais. Em 2005/06 é eliminado em casa pelo V. Guimarães, com um golo irregular. Em 2006/07, sai da Taça na Póvoa do Varzim, sem brio, perante um adversário da segunda divisão. Em 2007/08 perde em Alvalade (5-3), nas meias-finais, quando a meio da segunda parte vencia por 0-2. Em 2008/09 é eliminado nos penáltis, em Matosinhos, após uma das muitas arbitragens desastrosas de Olegário Benquerença. Em 2009/10 volta a perder em casa com o V. Guimarães (única derrota na Luz em toda a época), ficando uma vez mais arredado da prova. Em 2010/11, uma dramática derrota caseira diante do FC Porto (1-3) impede-o de chegar à final, depois de um brilhante, mas inútil, triunfo no Dragão. Agora, no Funchal, nova eliminação na Taça, novamente depois de estar em vantagem, e com o jogo aparentemente controlado.

Há oito temporadas que o Benfica não levanta uma Taça de Portugal, e há sete que não chega sequer à final. Passaram entretanto pelo clube Giovanni Trappatoni, Ronald Koeman, Fernando Santos, Chalana e Quique Flores. Temos agora Jorge Jesus. Nenhum deles conseguiu terminar uma época em festa, com a consagração do Jamor. Todos eles saíram da Taça em circunstâncias dramáticas ou, no mínimo, estranhas. Se não é maldição, parece. Como não sou supersticioso, tento encontrar, tanto explicação racional para todos estes sucessivos desaires. E a única que me ocorre é uma certa ligeireza com que por vezes a competição tem sido encarada. Sem o brilho da Champions League, sem a revelância do Campeonato, a Taça talvez nem sempre tenha sido objecto central da atenção de jogadores e técnicos. Algum azar complementa o triste quadro.

O que é certo é que estamos fora desta prova, e, assim sendo, a aposta nas restantes tem de ser total. Perdemos uma preciosa almofada para o final da época. Temos, pois, de conquistar a época."


Luís Fialho, in O Benfica