Últimas indefectivações

sábado, 18 de abril de 2015

Campeões

Benfica 5 - 1 Corruptos

São 24 vitórias, e 1 empate...!!! A duas jornadas do final do Campeonato. Extraordinário. Com o adversário teoricamente mais difícil, vencemos fora por 3-7, e agora em casa, por 5-1 !!! Alguém tem dúvidas?! A única frustração, foi mesmo a eliminação da Europa, como ficou provado hoje, tínhamos equipa para passar à vontade... os erros no jogo da 1.ª mão, foram fatais.



O Campeão voltou!#UmaCamisolaVáriasEmoções
Posted by Sport Lisboa e Benfica on Sábado, 18 de Abril de 2015
Marcámos cedo, mas durante toda a 1.ª parte, não gostei da exibição, permitimos demasiados contra-ataques aos Corruptos, só não foram fatais porque o Trabal foi resolvendo... Com 1-1 ao intervalo, tudo estava em aberto.
O 2.º tempo foi completamente diferente, estivemos mais seguros na gestão da bola, e marcámos quando tínhamos que marcar... Num jogo, onde as bolas paradas, não tiveram influência: todas falhadas. Isto apesar dos constantes mergulhos para a piscina dos Corruptos...
Era importante resolver o título hoje. O jogo com o Valongo (será em Matosinhos!!!), será sempre complicado... e a memória da vergonhosa derrota do ano passado, ainda está fresca. Assim, podemos começar a preparar a Taça de Portugal, onde somos claros favoritos, com mais antecedência...
São de facto 23 títulos Nacionais, não 22. A situação é clara, esta insistência da Federação, e esta anuência do Benfica deixam-me perplexo. A falta de rigor estatístico é outra característica das instituições deste País.
A renovação do plantel está aí, notou-se hoje a forma especial como o Carlitos e o Tuco jogaram. Friamente, acho que vamos ficar mais bem servidos, principalmente porque a média de idades vai baixar muito... Ainda teremos outras oportunidades para as despedidas, na Final da Taça de Portugal será o ideal, mas deixo já aqui, um grande Obrigado a dois jogadores, que tiveram a 'fortuna' de vestir a camisola do Benfica, num dos momentos mais Gloriosos da secção de Hóquei em Patins...

União...

Belenenses 0 - 2 Benfica

Pode não ser bonito, mas estes 3 pontos valem tanto, como os 3 pontos conquistados a semana passada com a Académica!!!
Fomos eficientes, praticamente não falhámos oportunidades de golo, não tivemos o domínio territorial que normalmente temos na Luz, só após o 0-2 senti a equipa confiante, solta... Voltámos a ter problemas com a pressão do adversário no meio-campo, mas o Belém só criou perigo nas bolas bolas paradas: o Carlos Martins neste jogo, teve mais livres laterais para marcar, do que em toda a sua carreira no Benfica!!!
Mas também temos que nos recordar que hoje jogámos sem o nosso flanco direito: Maxi, Salvio.
Não é fácil fazer destaques individuais (além do goleador...), mas são estas exibições colectivas, que fazem os Campeões.
Destaco a enorme defesa do Júlio César na 1.ª parte (a outra nos descontos também foi boa, mas...): se tivesse entrado (a meio da baliza) toda a gente diria que era um frango, mas a forma como a bola passou pelo Pizzi, e como fez a curva, enganaria qualquer guarda-redes, e só um muito bom, é que teria a capacidade, de em contra-pé, ir buscar esta bola...!!!
Pela negativa, e com uma clara intenção pedagógica, destaco a entrada do Ola John na equipa. Não me queixo da falta de intensidade do Liberiano, já não espero outra coisa... mas também sei, que o Ola John rende o dobro na esquerda. E hoje, nem sequer aquelas trocas de flanco ocasionais com o Nico tivemos... Como a recuperação do Salvio é duvidosa para Domingo, a sua substituição tem que ser bem pensada, e entre o Olha John na direita, ou o Talisca, venha o diabo e escolha...!!! Talvez o Pizzi na direita, e o Fejsa no meio?, talvez...?!
Além do resultado, nenhum dos jogadores em perigo viu amarelo. Estava com bastante receio do Samaris, jogador que neste momento, não tem substituto à altura no plantel... Naquela que no esquema do Jesus, é talvez, a posição mais importante.
Apesar desta 'gentileza' disciplinar (diga-se que não vi nenhum lance onde o Samaris ou Jonas pudessem sequer aproximar-se de um amarelo), a arbitragem foi mázinha. Então no 1.º tempo, a quantidade de livres assinalados contra o Benfica, após simulações dos Pastéis foi exasperante... Mesmo, com a decisão correcta, de não marcar penalty contra o Benfica, numa dupla-simulação do Belém... mesmo, com esta decisão, sou incapaz de gostar desta figurinha...
PS1: Hoje de manhã, mais uma notícia falsa, a merecer desmentido oficial do SL Benfica. É curioso que não é a primeira vez, que o jornal Expresso entra por este caminho!!! Aqui fica o comunicado. O plantel tem que ser protegido destas armadilhas...
PS2: Uma nota para o erro do Pelé no 1.º golo do Benfica. Supostamente já tem contrato com o Benfica para a próxima época. No meio da habitual palhaçada que são as semanas antes dos jogos do Benfica, foi sugerido que não iria jogar... algo, que pessoalmente, nunca acreditei.
Agora, cometeu um erro, que deu em golo do Benfica. Vão dizer que foi de propósito?! E provavelmente serão os mesmos, aqueles que diziam que seria uma vergonha ele jogar, são os mesmos que vão dizer que foi uma vergonha ele ter jogado!!!

A partir de agora, é a doer...

Oliveirense 61 - 86 Benfica
14-32, 15-17, 7-13, 25-24

Acabou a fase regular, o 1.º lugar já estava garantido, talvez por isso, o Slay não tem jogado, hoje o Doliboa também não jogou, e o próprio Jobey está a ser usado a 'meio-gás': mesmo assim, acaba quase sempre por ser o melhor marcador!!!
O jogo de hoje ficou decido, logo no 1.º período, e até por isso, foi possível fazer uma gestão diferente do plantel...
Curiosamente, o nosso adversário no início do Play-off vai ser a Oliveirense. Muito sinceramente, as únicas equipas capazes de criar problemas ao Benfica (num dia mau do Benfica), são o Guimarães e o Barcelos, e esses só se podem cruzar com o Benfica na Final...

Invictos...

Benfica 8 - 1 Rio Ave

Fim da fase regular, com nova vitória: 27 vitórias, 3 empates, e 0 derrotas. Praticamente perfeito. Pelo meio tivemos algumas lesões, mas parece que vamos entrar no Play-off a 100%.
Como já se adivinhava, o primeiro adversário será os sempre complicados Leões de Porto Salvo (como se comprovou a semana passada...). Em caso de vitória, as Meias-finais serão com o vencedor da eliminatória: Olivais-Fundão. Ambos difíceis... Nota para o 2.º lugar do Braga, que ultrapassou os Lagartos, sendo assim numa provável Meia-final, Braga-Sporting, os Arcebispos têm a vantagem de jogar em casa a negra, recordo que esta época, o Benfica foi a única equipa a ganhar em Braga (por duas vezes: campeonato e Taça).

Desfocados...

Fonte do Bastardo 3 - 0 Benfica
25-22, 25-17, 25-19

Para ser sincero, já esperava um resultado negativo na Terceira. A transição da Europa, para o Nacional, em qualquer modalidade, não é fácil... Além disso, jogámos com os Sérvios em esforço, com alguns jogadores tocados e/ou doentes. A única coisa a funcionar contra os Açorianos era uma possível falta de ritmo, devido à paragem nas últimas semanas, mas isso não aconteceu... 
A descompressão acaba por ser natural... mas durante a próxima semana é preciso voltar a focar a emoção do título. É uma Final à maior de 5, portanto temos tempo de rectificar. Pode começar já na próxima partida na Luz, Sábado, 25 de Abril.

Juniores - 9.ª jornada - Fase Final

Flávio Silva
Benfica 5 - 0 Guimarães

Depois deste resultado, somos obrigados a perguntar: como é que empatámos 1-1 em Guimarães?!!!
Parabéns ao Flávio pelo poker, o rapaz tem algumas limitações, mas é um ponta-de-lança... e nós em Portugal tratamos muito mal os nossos pontas-de-lança na Formação (o Benfica incluído), portanto quando alguém aparece com estas características, tem que ser bem tratado...  Tenho quase a certeza se o Tacuara fosse português, estaria a jogar nos Distritais (com alguma sorte...!!!), porque ninguém lhe iria dar oportunidades...

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Deslize é igual a perda do título

"Diz a tradição que o Benfica tropeça antes do clássico. Aconteceu em quatro das últimas cinco vezes. Diz a tradição, na era Jorge Jesus, que quando a tradição não é boa, muda-se a tradição. O jogo do Restelo é a saída mais difícil e o jogo com mais riscos nas deslocações que iremos ter.
Jogar no Restelo e pensar no Benfica-FC Porto seria uma tragédia. O único Benfica-FC Porto importante para sábado é o de hóquei em patins.
Ser campeão, para o Benfica, passa por ganhar em Belém. O último jogo contra a Académica deixou excelentes indicações a que nenhum benfiquista ficou indiferente. Aliás, também como no tempo dos nosso avós, quem chegou ao Estádio da Luz dez minutos atrasado perdeu os dois primeiros golos. Era assim que nos contavam o Benfica.
Exibição segura e próxima de uma goleada nunca vista, podiam mesmo ter sido dez, tantas foram as ocasiões desperdiçadas no passado sábado.
Contra a Académica, o jogo do Benfica roçou a perfeição. Não me lembro de ter um jogo ganho aos dez minutos e estar a golear aos vinte. Mas apenas valeu três pontos e faltam dezoito. Espero que os 56 mil de assistência tenham sido a pior assistência da Luz até ao fim do campeonato. Há um colinho tremendo, está em linha com a vontade que os adeptos têm de ser bicampeões.
Mas nada disso valerá neste sábado no Estádio do Restelo, se não entrar a mesmo Benfica, com a consciência de que o Belenenses é muito melhor que a Académica, mas com a mesma vontade de ganhar, cedo e bem.
Não haverá mais deslizes nos candidatos ao título e quem os tiver perderá o campeonato. Temos de fazer a nossa parte e, nesta fase, ganhar ao Belenenses no Restelo é toda a nossa parte."

Sílvio Cervan, in A Bola

Fama e proveito !!!

Estrela de Belém

"É já amanhã que o Benfica joga no Restelo. Depois de dois recitais de Futebol com Nacional e Académica, os campeões nacionais vão para mais um jogo fora antes da recepção ao segundo classificado num estádio que já ultrapassou, esta época, os 600 mil espectadores. Frente ao Belenenses é tempo de a equipa mostrar fora o brilhantismo que tem exibido em casa. E não vai ser fácil. Até ao fim da temporada não há jogos fáceis, mas a verdade é que também não os houve durante as 28 jornadas que já passaram. Com o Benfica nada é fácil, nada é oferecido, há sempre que mostrar o dobro da qualidade para convencer os críticos. É a única equipa em Portugal a quem é exigida nota artística. Os rivais passam incólumes por exibições paupérrimas, más decisões técnicas, escandaleiras com jogadores emprestados e declarações incendiárias.
A Jorge Jesus e ao Benfica é sempre exigido que sejam perfeitos, que ganhem, goleiem e maravilhem os adeptos. Dos outros, só se espera que ganhem. Bem ou mal, mas que ganhem.
É tempo de, mais uma vez, vencer, dar espectáculo e não dar azo a críticas. A equipa que tem tantos pontos como golos marcados não pode falhar fora de casa. Já chegaram os avidos de Paços de Ferreira e Vila do Conde. Os adeptos sabem disso, o presidente sabe disso, os jogadores sabem disso, o treinador sabe disso.
Resta esperar que os três reis magos - Gaitán, Jonas e Lima (que também poderiam ser Salvio, Júlio César e Luisão) - sigam na senda da estrela que os leva amanhã a Belém. E que, em vez de ouro, incenso e mirra, ofereçam a Jesus e a nós, seus acólitos e seguidores, o santo Bicampeonato."

Ricardo Santos, in O Benfica

A febre de sábado à tarde

"As últimas partidas disputadas na Luz têm enchido as medidas aos Benfiquistas, quer pelas vitórias sucessivas, quer pela qualidade de jogo apresentada, quer pelos muitos e bons golos, quer pelo ambiente vivido antes, durante e após os jogos. Uma verdadeira febre de sábado à tarde, que pretendemos manter até ao fim da época.
O horário é o ideal, como se comprova pelos números da bilheteira. E as exibições têm correspondido à expectativa dos adeptos mais exigentes, resgatando o Futebol para a sua pureza festiva - que, em Portugal, a dada altura, e por motivos que não vêm ao caso, terá sido hipotecada. Trata-se, no fundo, de fazer coincidir um bom espectáculo dentro das quatro linhas, com bancadas cheias de entusiasmo, jovialidade e fervor clubista. É isso que temos conseguido. É isso que este grande Benfica (desportiva, institucional e socialmente) tem conseguido.
Amanhã, queremos ver reproduzida toda esta intensidade e alegria no Restelo. Não há razão para que, num estádio pintado de vermelho (como certamente será o caso), a equipa não entre em campo com a autoridade que tem demonstrado na Luz, e que mal deixa respirar os atónitos adversários.
Não é possível jogar dois jogos ao mesmo tempo: por agora é este, e apenas este, que teremos de vencer. Um Benfica à altura do escudo de campeão que ostenta, e em harmonia com aquilo que tem evidenciado nas últimas partidas em casa, corresponderá com certeza ao imperativo de conquistar os três pontos, dando mais um passo rumo ao 34.ª título.

PS: Para o Voleibol (e, já agora para o Hóquei) deixo apenas três palavras: Vamos ser Campeões!"

Luís Fialho, in O Benfica

Benfica, glorioso em várias frentes

"Nem nas previsões mais optimistas Jonas teria marcado tantos golos de águia ao peito. Exímio goleador, é também nele que se situa o epicentro do futebol avassalador que tem siso infligido aos nossos adversários na Luz. Faz parecer fácil jogar futebol. É a definição de classe futebolística. É simultaneamente Cardozo e Aimar, é o melhor a actuar em Portugal. E há a genialidade de Gaitán, a raça do Lima, a verticalidade do Salvio, o talento do Pizzi, a segurança do Samaris, a utilidade do André Almeida, o empenho do Maxi, a eficiência do Jardel, a presença do Júlio César e, sobretudo, a liderança do Luisão, a um jogo de igualar Coluna no ranking dos que mais vezes capitanearam a equipa principal de futebol do Sport Lisboa e Benfica. E há Fejsa, um ano depois, ainda a tempo de desempenhar um papel importante na desejada conquista do Campeonato.
Faltam seis jornadas, por certo complicadas. Não pela qualidade do nosso rival, que a tem, sem sequer pelas tentativas bacocas do seu treinador em condicionar as arbitragens, mas porque, como sabemos, é contra o Benfica que todos os clubes disputam o seu jogo da época. Só focados, humildes e competitivos seremos campeões.
Quanto ao Voleibol, se, no imediato, é normal que nos sentimos decepcionados com a derrota na final da Challenge Cup, no futuro prevalecerá o orgulho no percurso europeu da nossa equipa e a satisfação por, também nesta modalidade, o Sport Lisboa e Benfica ser extremamente competitivo, cumprindo, em qualidade e quantidade, um dos seus pilares fundacionais, o ecletismo.
Para terminar, faço votos que os nossos hoquistas nos dêem uma grande alegria este fim-de-semana. Lá estarei no pavilhão a apoiá-los, eles merecem!"

João Tomaz, in O Benfica

Modalidades Gloriosas

"No ano que nos preparamos para celebrar o Bicampeonato nacional da primeira Liga de Futebol, não podemos esquecer o excelente desempenho das nossas modalidades na presente temporada.
No Voleibol, estamos perante um facto inédito! A final da Taça Challenge foi alcançada e, não obstante nos ter escapado o troféu, ficou a imagem de valentes e esforçados guerreiros que se degladiaram até ao último segundo do jogo para contribuir com mais uma grande vitória no palmarés das modalidades do Sport Lisboa e Benfica. Luís Filipe Vieira traduziu melhor do que ninguém o sentimento geral, na missiva à equipa: orgulho! Orgulho que sentimos todos pelo trabalho dos jogadores e da equipa técnica de Voleibol.
No Andebol, mais do mesmo! Um trabalho notável que permitiu alcançar a (meia-) final da Taça (Challenge) e gerar uma enorme onda de apreço em todos os quadrantes da sociedade desportiva. Sem descurar o trabalho de todos, não podemos deixar de sublinhar o extraordinário desempenho do goleador António Areia e a capacidade e dedicação exclusivas do grande treinador que é Mariano Ortega.
Finalmente, o Hóquei em Patins. Modalidade tradicional e querida dos portugueses, não tem escapado à atenção dos adeptos benfiquistas... e os resultados estão à vista. Dúvidas? A equipa está na final four da Taça de Portugal (23 e 24 de Maio), onde estou seguro de que oferecerá mais um troféu para o Museu Benfica-Cosme Damião. Já para não falar claro, do excelente desempenho da equipa técnica, cujos resultados são já notórios: os jogadores do Benfica Carlos Nicolia e Carlos López estarão no Mundial com a selecção argentina. Bem se pode concluir: modalidades gloriosas!"

André Ventura, in O Benfica

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Terá o Valência vindo à Luz observar Jonas?

"Os nossos rivais, em se podendo agarrar aos árbitros, insinuam sempre que o adversário estava feito com o Benfica quando o resultado é uma goleada. São os nervos...

O Valência voltou à Luz no sábado. Lá estiveram sentadinhos os seus prospectores cheios de euros e de dólares e de vontade de os gastar. Não conhecem local mais aprazível para ir às compras do que o Estádio da Luz. São as singularidades do mercado. Nada a obstar.
Entretanto regressaram a casa e, certamente, já apresentaram a Peter Lim o relatório de tudo o que lhes foi dado observar na hora e meia do jogo do Benfica com a Académica.
Se foram sérios na análise às exibições individuais dos jogadores do Benfica, e é para isso que lhes pagam, a esta hora os olheiros do Valência já devem ter sido todos despedidos.
E com justa causa.
O senhor Lim pode ter muito bom feitio e ser dono de uma generosidade sem limites mas, caramba, virem-lhe dizer que o melhor jogador do Benfica e da Liga portuguesa é aquele brasileiro de 31 anos chamado Jonas e que, no fim de contas, se trata exactamente do mesmíssimo Jonas que o Valência teve consigo e que castigou, isolou, humilhou e chutou para o mercado sem proventos nem dividendos, digam lá se isto não é coisa para confundir e fazer perder a compostura a todo e qualquer magnata de Singapura.

AS emoções de um campeonato como este, disputado taco-a-taco com o rival das últimas três décadas, distraem-nos de outros temas que não se prendam directamente com a luta em vigor pelo título nacional.
É compreensível que assim seja, acho eu.
No entanto, bastou uma notícia vinda dos confins da Alemanha para despertar em todos ou, pelo menos, em quase todos, memórias de situações que, em tempos idos, fizeram furor. E que furor.
O caso das agressões aos stewards no Benfica-Porto de 20 de Dezembro de 2009, por exemplo, já foi resolvido na Justiça ou continua a vaguear pela sua senda gloriosa rumo à prescrição?
Os cinco arguidos já se apresentaram em tribunal? E terão conseguido fazer valer a tese de que se agrediram os stewards foi em legítima defesa do seu bom nome? E quanto aos stewards, propriamente ditos, sempre são «agentes» do espectáculo ou provocadores contratados ou sacos de pancada para alívio de frustrações?
Há novidades deste episódio, passados que são mais de cinco anos sobre a original ocorrência?
A bem da verdade, a ocorrência nem sequer é extraordinariamente original. Ainda na semana passada, num jogo a contar para Taça da Alemanha entre o Leverkusen e o Bayern de Munique, o internacional bósnio Emir Spahic viu-se substituído nos instantes finais da partida e, a caminho do balneário, agrediu um steward que lhe apareceu pela frente.
O defesa-central do Leverkusen alegou que tinha sido provocado pelo dito steward mas, para não perdermos mais tempo, o melhor será passar já a palavra ao senhor Michael Schade, director-geral do clube que Spahic representa. Ou melhor, representava.
- A análise do caso através das imagens das câmaras de vigilância deixaram-nos sem outra escolha que não fosse a rescisão do contrato com Emir Spahic a quem desejamos as maiores felicidades para a sua carreira futura.
E, como se não bastasse, ainda acrescentou o dirigente do Leverkusen:
- O vídeo do incidente chocou-nos e embaraçou-nos e como não podemos esperar pelas decisões do processo legal entretanto instaurado tivemos de pensar numa resposta imediata a dar pelo nosso clube. 
Estes alemães, coitadinhos, devem ser malucos.

NA última jornada da Liga o Benfica venceu por 5-1 a Académica. Dizer que foi melhor a exibição do que o resultado, que foi farto, já é dizer tudo sobre a exibição. Foi, na verdade, muito boa.
A Académica apresentou-se na Luz teoricamente escalada para não sofrer golos mas cedo se viu goleada e desanimou.
Para além do caso sério que foi o Benfica a jogar à bola, o jogo não teve casos.
Os nosso rivais em não se podendo agarrar a decisões da arbitragem, argumento recorrente quando a nossa vitória é tangencial, insinuam sempre que o adversário estava feito com o Benfica quando o resultado é uma goleada como a que aconteceu no sábado.
Rapazes da Académica, é que nem se ofendam com isto. São os nervos.
Adiante.

POR questão de lesões e também, provavelmente, de feitio, Enzo Pérez não tem sido feliz nestes seus primeiros tempos em Valência. Sosseguem, valencianos. O argentino também não foi nada feliz nos seus primeiros tempos no Benfica e depois foi o que viu.
É provável, no entanto, que o dono do Valência, o tal magnata de Singapura, seja uma pessoa impaciente e se exaspere por ver justificados os milhões investidos em Enzo.
E mais exasperado ficou, certamente, se os seus emissários lhe apontaram, em letra de relatório, que o substituto para Enzo inventado no Benfica, um tal Pizzi, enfim, é tão bom ou melhor do que a mercadoria entretanto adquirida.
Se não é, olhem bem, é o que parece.
Carrega, Pizzi!

ANTIGAMENTE, os jogos eram todos ao domingo e à mesma hora. Os adeptos iam sabendo pela rádio os resultados nos outros campos do país. Era emocionante.
Depois de amanhã vamos ter coisa parecida. Depois de muitas curiosas hesitações, a recepção do Porto à Académica ficou, finalmente, marcada para a mesma hora da visita do Benfica ao Restelo.
Vão, assim, os dois que discutem o título jogar ao mesmo tempo. Vai haver uma corrida aos transístores de bolso. E não se esqueçam das pilhas.

A linha da frente do Benfica fez maravilhas no sábado passado mas, em prol daquele espírito indispensável à revalidação do título, o melhor jogador em campo foi o André Almeida.
Pelo que jogou, pelos dois golos que ofereceu, por ter sabido uma vez mais responder em pleno à necessidade de substituir um companheiro, por saber ser suplente sem nunca se queixar, por estar sempre disponível para a equipa em cada momento do jogo, por não nos deixar ficar mal.
Quando, já perto do fim do jogo com a Académica, Maxi Pereira conseguiu ver o pretendido cartão amarelo que o afasta do Restelo e o garante para o clássico seguinte, não deve ter havido adepto do Benfica que não pensasse com grande tranquilidade: 'Não faz mal, com o Belenenses joga o André Almeida a defesa-direito …'
E este é um grande elogio porque, com toda a franqueza, substituir Maxi Pereira não é para qualquer um.

E o colinho que o Bayern deu ontem ao Porto? Tantas facilidades. Até pareciam a Académica na Luz.
Ou não pareciam?
Transpondo para o jogo de ontem no Dragão as palavras a que recorreu Miguel Sousa Tavares, por exemplo, para descrever a sugerida renúncia da Académica no jogo com o Benfica, também os jogadores do Bayern «assim que ouviram o apito inicial, não descansaram enquanto não viram a derrota feita, consumada e garantida».
E nisso gastaram os alemães apenas 5 penosos minutos enquanto, voltando ao jogo da Luz, os jogadores da não-Briosa «nisso gastaram apenas 18 minutos».
Estou, no entanto, plenamente convencida de que a Académica conseguirá fazer melhor do que o Bayern de Munique fez no Dragão.
Aliás, está no seu pleno direito."

Leonor Pinhão, in A Bola

A paleta das selecções

"Cada vez que vejo uma selecção nacional, descubro uma qualquer diferença no equipamento usado. A começar no futebol, em que se muda a uma velocidade elevada. Não apenas no alternativo que vai do preto ao branco e outras variedades, mas também no principal que inventa tons de vermelho e exuberantes adereços coloridos que mais parecem de um clube.
E, conforme o desporto, encontramos uma verdadeira salgalhada, sem qualquer preocupação de homogeneização. Há dias, a nossa selecção de hóquei em patins, além de exibir uma camisola mais grená que vermelha, teve um alternativo com camisola branca e calções azul celeste (por sinal bonito, quase ao estilo da bandeira monárquica). No atletismo, a dança entre o verde, o vermelho e o amarelo é constante entre provas e, inacreditavelmente, na mesma prova, entre atletas. Se olharmos para o futsal, râguebi, voleibol, andebol ou ciclismo podemos idealizar uma farta paleta de vermelhos, verdes e amarelos em combinações variadas de camisolas, calções e até meias. Uma fartura!
Por que razão não há uma orientação geral definida superiormente que evite esta descaracterização das representações nacionais? Custa assim tanto? Ou o merchandising é também aqui imperativo? Até se podem discutir as cores, que não têm necessariamente que coincidir com as bandeiras. Mas uma vez definidas, ponto final.
Aliás, lembro-me de belíssimos equipamentos que, ao longo de décadas, não mudam no essencial. Por exemplo, a laranja holandesa, a squadra azurra (nestes dois casos nem coincidem com as cores das bandeiras destes países), a mannschaft alemã, o equipamento inglês."

Bagão Féllix, in A Bola

Memória...

Arrepiem-se Um Bocado !!BENFICA SEMPRE!!!

Posted by Benfica Lovers on Quinta-feira, 9 de Abril de 2015

quarta-feira, 15 de abril de 2015

A diferença

"Qualquer equipa deseja receber o Benfica no seu estádio. É sempre uma festa para a respectiva cidade e seguramente uma boa bilheteira. Esta expectativa é reforçada quando o Benfica comanda a classificação e luta pelo título.
Também qualquer equipa recebe na sua casa o Benfica como o momento alto da temporada para os seus jogadores e técnicos. É-lhes gostoso tirar pontos ao Porto e ao Sporting, mas uma vitória (às vezes até um golinho) contra o Benfica é sempre inolvidável e um marco na sua carreira.
Os jogadores lutam com forças, entusiasmo e empenho que parece sempre estarem guardados para aqueles sempre tão esperados noventa minutos. Este ano vimos isso em Braga, Paços de Ferreira, Arouca, Moreira de Cónegos, Vila do Conde e noutros campos. Por isso, o clube da Luz tem dificuldades acrescidas que, enigmaticamente, os seus rivais não costumam encontrar tão expressivamente.
Percebo o lado icónico de um sucesso perante o Benfica. O que me custa a perceber é o lado aparentemente acomodado e quase burocrático com que, por vezes, as mesmas equipas encaram outros jogos. Basta comparar as partidas com clubes atrás citados para ver a diferença...
O mesmo se passa, não raro, com os treinadores e certos dirigentes. Nos jogos com o Benfica, o mérito de uma vitória nunca é reconhecido e há sempre uma qualquer questiúncula para o tentar menorizar. Nos jogos, por exemplo, com o Porto, antes ou depois, o que se diz é com muito cuidado, respeitinho e quase um pedido de desculpas se alguma coisa corre mal para os portistas. E, por regra, sobre a arbitragem nem um sussurro..."

Bagão Félix, in A Bola

Será prudente mudar agora?

"O final da época está cada vez mais próximo e no Benfica volta a discutir-se a continuidade ou não de Jorge Jesus. Não é um tema fácil para os adeptos e percebo que também não o será para o clube e para o próprio treinador, porque em causa está mais do que um nome e nos pratos da balança pesam muitos factores, alguns deles ainda não definidos, como a conquista deste campeonato. Se o Benfica o perder, calculo que Jesus só ficará se Luís Filipe Vieira, o presidente, insistir, porque o desgaste emocional será grande. Se o vencer, pelo segundo ano seguido, então acredito que seria um disparate dispensar Jesus.
É verdade que ganha muito dinheiro para a realidade do futebol português, é claro que tem defeitos, que já são muitos anos com a sua liderança e que isso também satura, mas, num contexto anunciado de mudança de paradigma, de aposta na formação e redução de despesas, não vejo melhor solução do que manter um treinador perfeitamente consciente do que se pretende. Jesus conhece o trabalho que está a ser feito, conhece os jovens e sabe quais são os melhores para uma aposta a curto ou médio prazo, já deu provas de ser capaz de rentabilizar jogadores e equipas, resistindo às inevitáveis (e desejáveis) vendas dos melhores a troco de muitos milhões. E com esta estabilidade desportiva o Benfica voltou a andar ao lado do FC Porto.
Será tarefa difícil encontrar a pessoa certa para encaixar no perfil quando é tão urgente não correr riscos sem medir as consequências. Por outro lado, há, evidentemente, que contar com a vontade de Jorge Jesus, que pode querer outro desafio ou ganhar ainda mais dinheiro. O que digo, agora, é que o Benfica perderá muita coisa se não quiser continuar com Jorge Jesus e não sei o que poderá ganhar se não renovar com ele. Mas, admito, primeiro é preciso saber se vence esta Liga."

Nélson Feiteirona, in A Bola

1.º lugar mais longe...

Tondela 2 - 1 Benfica B

Sofremos o golo cedo, mas conseguimos empatar... Na 2.ª parte voltámos a ficar em desvantagem, e pelas informações recebidas, acabámos o jogo a massacrar, mas sem conseguir concretizar.
A equipa voltou a melhorar com a entrada do Sarkic. Ou estão a tentar fazer do Guedes um ponta-de-lança, que não é, ou então não faz sentido: a equipa perde profundidade, e o próprio Guedes acaba por não ganhar rotinas nas posições onde pode ter futuro: extremo, ou 2.ª avançado...
Foi pena, porque não perder hoje - com o líder -, era fundamental para manter a esperança no título de Campeão.

Varela: Lindelof, Nunes (Alfaiate), Lystcov, Rebocho; Teixeira, Sanches; Andrade (Elbio), Carvalho (Sarkic), Santos Guedes.


ADENDA: Três jogos consecutivos a sofrer golas da mesma forma!!! Já é tempo de rectificar...

A metáfora do futebol

"Depois de ler a coluna do Miguel Cardoso Pereira, n'A BOLA de sábado, o meu pai disparou uma frase que haveria de assolar o lado filosófico da minha mente por todo o fim de semana: «um dia haverá um sistema com câmaras, por satélite, nem sei como, que avaliará os lances de todos os jogos e decidirá bem, sem ser preciso haver árbitros em campo».
Não deixa de ser curioso que, horas mais tarde, à conversa com um amigo sobre práticas médicas ele tenha expressado profundo cepticismo para com o que diz ser uma cada vez maior especialização, já que entende que esta leva à aplicação de algoritmos (baseados em casos passados) para decidir como tratar cada doente.
Num e noutro caso parece-me levantar-se uma série de questões éticas fundamentais. Em ambos, a desumanização coincide com os cenários apocalípticos de uma humanidade dominada por computadores por si criados. A verdade é que num e noutro caso tendemos a aceitá-lo se nos garantirem que desta forma se elimina o erro: que deixa de haver penalties por marcar, que deixa de haver gente a morrer por mau acompanhamento médico - veja-se como chegámos a admitir, depois da tragédia German Wings, que os aviões podiam até ser mais seguros se totalmente pilotados de forma automática.
De trás para a frente, desmonte-se a desumanização. Milhares de acidentes de avião são evitados pela perícia dos pilotos; o olho clínico de um bom médico acerta mais que os melhores livros todos juntos e, por fim, vamos à arbitragem. Discordo que o erro seja parte integrante do jogo (é algo a erradicar, se possível), mas atenção: se for possível um computador decidir (bem) todos os lances, é provável que a Justiça dos Estados também possa ter uma máquina por juiz. Estaremos dispostos a aceitar tal coisa?"

Nuno Perestrelo, in A Bola

PS: A iliteracia informática, misturada com a ficção-cientifica, e as profecias apocalípticas, que vendem livros e filmes, tolda muitas vezes as opiniões.
O uso da tecnologia na arbitragem do Futebol, será sempre uma ferramenta, a decisão final será sempre humana, até porque na maior parte das decisões existe subjectividade. Algo que já se passa, em várias outras modalidades, sem que mal venha ao mundo por isso...
No Ténis, aquilo que o programa faz, é uma medição... no Futebol existem algumas decisões idênticas, mas a maior parte, nunca será decidida por um 'computador'. O problema do uso do video no Futebol, é saber se as pessoas que vão operar esse sistema, são tão incompetentes ou corruptas como os apitadeiros que andam dentro do campo... Bastar compilar os bitaites dos especialistas (ex-árbitros...) nos pasquins todas as semanas, para chegar à conclusão que mesmo com muitas repetições e zoom's, continuam vesgos na mesma!!!

Cota... as bilhas, os borracholas, o bullying, e fé no pau!!!

Eliseu bombardeiro!!!

terça-feira, 14 de abril de 2015

122$700 de passagem de navio e o Marítimo veio a Lisboa há 103 anos

"Os jogos entre o Benfica e o Marítimo são velhinhos, velhinhos: datam de 1912. E foi o Benfica o primeiro clube continental a visitar a Madeira - em 1922. Quanto ao Marítimo já ganhou um Campeonato de Portugal (depois passou a chamar-se Taça de Portugal) com um 7-1 ao FC Porto na meia-final.

Se as conversas são como as cerejas, as crónicas são como as ginjas. Para meu gosto, até bem mais saborosas.
Vem tudo a propósito: ter falado aqui nas últimas semanas das vitórias do Benfica no Campeonato de Portugal (que depois se passou a chamar Taça de Portugal) e da final entre Benfica e Marítimo para a Taça da Liga.
Já veremos como uma coisa puxa a outra.
Para já, faço notar: os jogos entre Benfica e Marítimo disputam-se há mais de 100 anos e a primeira viagem das 'águias' à ilha foi em Abril de 1922. Muito respeito portanto por tão vetusto adversário!
Sobre a tal visita à «Pérola do Atlântico» já escrevi nestas páginas - e note-se também que o Benfica foi o primeiro Clube do continente a ir à Madeira. Vamos, por isso, ainda mais atrás. A 1912.
Diz Adelino Rodrigues na «História do Clube Sport Marítimo»: «No ano de 1912, o acontecimento mais importante da vida do clube foi a deslocação da sua equipa de honra a Lisboa, onde realizou vários jogos que deixaram boa impressão, segundo a crítica de alguns jornais da época. A iniciativa partiu do Sport Lisboa e Benfica, tendo por principal animador o Sr. Cosme Damião, capitão-general daquele Clube, pois toda a correspondência que consta para a realização deste empreendimento está assinada por aquele senhor.
Dionísio da Câmara Lomelino, representante do Marítimo, e Fernando Câmara, madeirenses, entusiasmados pelos «marítimos» e ao tempo residentes na capital, enviaram cartas sobre cartas, recomendando todo o cuidado na preparação da equipa, pois na era da máxima importância 'fazer boa figura' perante os valorosos continentais».
Cumpria-se História.
Pagou o Benfica as despesas da passagem para Lisboa, no valor de 122$700, além da estadia (158$500) e diversos (31$545). Dinheiro recuperado pelas receitas nos jogos, nada menos de cinco, dois frente ao Benfica, um contra o Lisboa FC, outro contra o CIF e ainda mais um face a um misto destes três clubes.
No primeiro dos dois jogos frente ao Benfica, nas Laranjeiras, no dia 10 de Outubro, perderam os insulares por 1-3. Nos segundo, a derrota foi mais pesada: 2-5.
Houve certa desilusão na imprensa de Lisboa. Recorde-se que, apesar de as equipas madeirenses não terem contactos com o continente, beneficiavam da forte presença de ingleses na ilha, de tal forma que foi no Largo da Achada, freguesia da Camacha, que se disputou o primeiro jogo de futebol em Portugal, em 1875, iniciativa de Harry Hinton, treze anos antes do famoso encontro promovido por Guilherme Pinto Basto, em Carcavelos.
Mas Benfica e Marítimo estreitavam laços - os 'encarnados' eram nomeados sócios honorários dos «Leões da Almirante Reis» - e jogadores como José Barrinhas, Augusto Viveiros, Moisés de Sousa e João Pimenta recebiam elogios.

7-1 ao Porto e confusão no Porto
Em 1922 foi o Benfica à Madeira - perdendo dois jogos com o Marítimo, 2-3 e 3-6 - e começava a disputar-se o Campeonato de Portugal (que assou a chamar-se Taça de Portugal em 1938/39).
E antes que os 'encarnados' conquistassem o seu primeiro título (como vimos nestas últimas prosas, em 1929/39), já o Marítimo fora campeão de Portugal.
Na primeira edição da prova União Portuguesa de Futebol decidiu «democraticamente» que dos quatro campeões regionais FC Porto, Sporting, Olhanense e Marítimo, só os de Lisboa e Porto disputassem a pseudo-final. Depois a prova democratizou-se.
Enfim, mais ou menos.
Como depois na Taça de Portugal com os representantes das colónias, o campeão da Madeira recebeu nos primeiros tempos a benesse de só entrar na meia-final da competição - sempre se poupava nas viagens...
Em 1925/26, foi exactamente isso que sucedeu. Os quartos-de-final foram coxos - Belenenses, 4 - Sp. Espinho, 1; Olhanense, 5 - Luso de Beja, 0; FC Porto 3 - Sp. Braga, 0.
Depois o Belenenses defrontou e bateu o Olhanense por 2-1.
Quanto ao FC Porto, vencedor na época anterior, era favoritíssimo perante os rapazes do Funchal - a história repete-se muitas vezes, não é?
Em Lisboa, no Campo Grande, o Marítimo treinado pelo húngaro Francisco Ekker esmagou o FC Porto do também húngaro Akos Tezler - em resposta ao golo inicial de Hall, António Alves (4), Marques Ramos (2) e Camarão fixaram o resultado num incrível 7-1!
A final foi no Campo do Ameal, no Porto. O Marítimo venceu novamente, derrotando o Belenenses de Pepe por 2-0, golos de José Fernandes e Marques Ramos. Depois do segundo golo, os lisboetas armaram um sururu. Augusto Silva foi expulso e recusou-se a abandonar o campo. O árbitro, José Guimarães, queixa-se de ter sido mordido. O público, na sua maioria apoiando os madeirenses, revolta-se. Não há mais condições para que a partida prossiga. O Marítimo é declarado vencedor, mas não recebe o troféu. É triste. Só virá a recebê-lo em 1944, embora na Madeira se faça a festa.
Porque os adversários leais merecem sempre respeito, aqui ficam os campeões de Portugal de 1926: Ângelo Ortega; Ranfão e José Correia; Domingos Vasconcelos «Beiçolinhas», Francisco Lopes e José Sousa; José Ramos, António Alves, António Teixeira «Camarão», José Fernandes e Marques Ramos.
Mais de cem anos após o primeiro jogo, Benfica e Marítimo têm lugar marcado numa final. Com muito de histórica!"

Afonso de Melo, in O Benfica

Caos criativo

"O saxofonista Ornette Coleman disse um dia que o 'jazz é a única música em que a mesma nota pode ser tocada noite após noite, mas de forma diferente de cada vez'. Lembrei-me do criador do free-jazz quando este fim-de-semana assistia, pela enésima vez, ao carrossel atacante do Benfica. E a questão é mesmo a repetição do 'carrossel atacante'.
Há quatro anos que se usa a expressão para caracterizar a forma como o Benfica ataca, envolvendo um grande número de jogadores em movimentações imprevisíveis. Ora parece-me bem que estamos perante um problema de denominação: se as movimentações são imprevisíveis, não podemos falar de um carrossel - por natureza uma formação em movimento circular e sem variação.
Quando, depois de 20 minutos de jogo, a Académica em asfixia implorava por uma pausa para respirar, ficou, para mim, claro que a gramática à qual obedece o Benfica não é a de um carrossel, aproxima-se mais do caos criativo, próprio do jazz. Reparem, há um equilíbrio colectivo, mas que está ao serviço dos desequilíbrios individuais aos solistas e que radica num método muito trabalhado, mas quase invisível.
A agressividade com que o Glorioso encara os jogos não se aproxima do movimento repetitivo do carrossel. Pelo contrário, o objectivo é sempre alterar as convenções tácticas: como sugeria Coleman, tocar a mesma nota, mas fazê-lo sempre de forma diferente. Umas vezes, com Lima a cair nas alas, outras com Gaitán e flectir para o meio, outras com Salvio na zona de finalização e, claro está, com Jonas a fazer tudo bem em todo o lado.
Tal como no jazz, mesmo nas suas variações mais radicais, esta criatividade pressupõe uma organização que é tão complexa e eficaz, quanto mais invisível e trabalhada. Afinal, nada é tão exigente como uma boa improvisação.

Resta agora superar um desafio: exibir este caos criativo em todos os palcos e não apenas na Luz."


segunda-feira, 13 de abril de 2015

Lixívia XXVIII

Tabela Anti-Lixívia:
Benfica............... 71 ( 0) = 71
Corruptos........ 68 (+13) = 55
Braga................ 53 (+1) = 52
Sporting.......... 60 (+10) = 50


Mais uma jornada, onde o jogo do Benfica, beneficiou de um critério disciplinar, praticamente sem cartões. Para ambas as equipas. Suspeito que no próximo, nas vésperas do jogo com os Corruptos, o critério vai mudar radicalmente...!!!

Na Luz, a primeira falta assinalada a favor do Benfica, foi o penalty!!! Já tínhamos marcado 2 golos, quando o árbitro apitou a nosso favor!!! Até ao intervalo, beneficiámos de mais duas faltas, ambas assinaladas pelo fiscal-de-linha!!! Curiosamente, o mesmo fiscal-de-linha recusou-se a assinalar fora-de-jogo no ataque da Académica por 4 vezes!!! Na segunda parte, conseguiu ver um fora-de-jogo ao Lima, que não existiu!!!
Alguns analistas criticaram a falta de agressividade da Académica, usando a estatística das faltas (6), o problema é que a Académica cometeu muito mais faltas, o árbitro é que não as marcou!!!
O único lance potencialmente polémico, foi o tal penalty sobre o Lima. A falta é evidente. Houve rasteira (pé esquerdo do Fernando Alexandre na perna esquerda do Lima), e empurrão. Infelizmente as imagens, não são as melhores, porque a falta é cometida sem bola... Mas a forma como o Fernando se desequilibra no lance, e até a expressão corporal do Fernando na reacção ao apito, indiciam que a decisão é correcta. Os próprios jogadores da Académica quando protestam, apontam para o centro do terreno, reclamando uma falta sobre o Rafa Lopes... assumindo a falta sobre o Lima (até o Tribunal do Nojo, admite o penalty).
Já agora, não existe qualquer falta na recuperação de bola do Benfica.
Uma chamada de atenção: faltam 6 jogos; valem 18 pontos; deveríamos ter 16 pontos de vantagem; o jogo de Belém deveria ser o jogo do título!!!

No treino que os Corruptos foram efectuar a Vila do Conde, Vasco Santos voltou a estar em grande.
Logo nos primeiros minutos, na minha opinião ficou por marcar um penalty contra os Corruptos, e respectivo Vermelho ao Marcano. O lance é parecido (não é igual) ao penalty do Eliseu em Paços de Ferreira: aqui o Marcano inicialmente até joga a bola, mas num segundo movimento, já dentro da área, derruba o Jebor. Não é um lance de fácil juízo, mas na televisão é claro...
Depois, por erro do fiscal-de-linha, anulou um golo limpo aos Corruptos.
Para compensar, o mesmo fiscal-de-linha, não assinalou um fora-de-jogo claro, no lance do penalty, que deu o 1.º golo aos Corruptos.
Quase todos consideraram a falta do penalty clara. Eu discordo. O contacto com o Danilo existe, mas a queda é completamente teatralizada. O jogador caiu, porque esticou a perna, com ou sem contacto, iria-se desequilibrar seguramente... Recordo, que Vasco Santos no Arouca-Benfica, não assinalou dois penalty's gigantes a favor do Benfica, quando o jogo ainda estava em aberto: sobre Gaitán, e Mão na Bola... Mas repito, este lance, deveria ter sido anulado por fora-de-jogo.
Além destas questões arbitrais, este jogo ficou marcado, pela diferença abismal de atitude dos jogadores do Rio Ave, em relação ao jogo com o Benfica. O canal Inglês que transmitiu o jogo, referiu isso... O Rio Ave jogou a meio da semana, a 1.ª mão da Meia-final da Taça de Portugal em Braga. Este jogo estava marcado inicialmente, para uma Quarta-feira que antecedia o Benfica-Braga!!! Como o Braga-Corruptos, da jornada anterior, foi adiado para satisfazer a vontade dos Corruptos devido ao jogo com o Basileia, o Braga alegou que tinha pouco tempo para preparar o jogo com o Benfica...!!! Resumindo para o Braga chegar à Luz mais folgado, o Rio Ave foi obrigado a receber os Corruptos com menos tempo de descanso...!!!
Esta novela tem vários capítulos, porque além dos lesionados (Marcelo e Hassan), o Rio Ave ainda teve dois titulares castigados (Tiago Pinto e Vilas Boas - expulso no jogo da Taça, graças a mais um festival de provocações da Micaela...!!!). Sendo que antes do Rio Ave-Benfica, na deslocação dos Vila-condenses a Penafiel, Cosme Machado, um dos árbitros que mais cartões mostra, resolveu não mostrar um único cartão, durante toda a partida, ficando assim o Rio Ave, sem qualquer impedimento para o jogo contra o Benfica. Mas não satisfeito com todas estas alterações, o treinador do Rio Ave ainda decidiu deixar no banco outro dos titulares do jogo com o Benfica: Pedro Moreira, jogador emprestado pelos Corruptos que ainda o ano passado jogava nos Corrutpos B. Que até acabou por entrar na partida quando o jogo estava 1-2... poucos minutos depois, numa perda de bola infantil, permitiu o 1-3 aos Corruptos!!! Agora, imaginem um jogador ligado ao Benfica, fazer alguma coisa parecida?!!!
Com todas estas incidências, seria de esperar um rescaldo do jogo escaldante, com declarações inflamadas, insinuações, capas indignadas, e afins... Mas nada disso aconteceu. Aliás, para os jornaleiros, o único destaque digno de registo, foi o golo mal anulado aos Corruptos...!!!

Em Setúbal, mais um jogo desinteressante, com um dos piores e mais corruptos árbitros que alguma vez pisou os relvados lusitanos: não é fácil receber este 'titulo' mas o Olarápio merece, tem sido uma carreira focada unicamente neste objectivo...!!!
Critério técnico incompetente e sem critério disciplinar... Mal ao mostrar o 2.º amarelo ao Ewerton. Devia ter mostrado Vermelho directo ao Venâncio, e o Tanaka devia ter visto amarelo na entrada de Karaté sobre o Raeder!!!

Nada a assinalar, no Braga-Penafiel...

Anexos:
Benfica
1.ª-Paços de Ferreira(c), V(2-0), Cosme, Prejudicados, Sem influência no resultado
2.ª-Boavista(f), V(1-0), Marco Ferreira, Prejudicados, (2-0), Sem influência no resultado
3.ª-Sporting(c), E(1-1), Proença, Nada a assinalar
4.ª-Setúbal(f), V(0-5), Capela, Nada a assinalar
5.ª-Moreirense(c), V(3-1), Luís Ferreira, Prejudicados, (4-1), Sem influência no resultado
6.ª-Estoril(f), V(2-3), Vasco Santos, Nada a assinalar
7.ª-Arouca(c), V(4-0), Hugo Miguel, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
8.ª-Braga(f), D(2-1), Marco Ferreira, Prejudicados, (2-3), (-3 pontos)
9.ª-Rio Ave(c), V(1-0), Manuel Mota, Nada a assinalar
10.ª-Nacional(f), V(1-2), Bruno Paixão, Prejudicados, Beneficiados, (2-2), (+2 pontos)
11.ª-Académica(f), V(0-2), Jorge Ferreira, Beneficiados, (0-1), Sem influência no resultado
12.ª-Belenenses(c), V(3-0), Manuel Oliveira, Nada a assinalar
13.ª-Corruptos(f), V(0-2), Jorge Sousa, Nada a assinalar
14.ª-Gil Vicente(c), V(1-0), Capela, Beneficiados, (0-0), (+2 pontos)
15.ª-Penafiel(f), V(0-3), Paulo Baptista, Nada a assinalar
16.ª-Guimarães(c), V(3-0), Rui Costa, Nada a assinalar
17.ª-Marítimo(f), V(0-4), Xistra, Nada a assinalar
18.ª-Paços de Ferreira(f), D(1-0), Paixão, Nada a assinalar
19.ª-Boavista(c), V(3-0), Hugo Miguel, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado
20.ª-Sporting(f), E(1-1), Sousa, Nada a assinalar
21.ª-Setúbal(c), V(3-0), Manuel Oliveira, Prejudicados, Sem influência no resultado
22.ª-Moreirense(f), V(1-3), Jorge Ferreira, Prejudicados, Beneficiados, Sem influência no resultado
23.ª-Estoril(c), V(6-0), Capela, Nada a assinalar
24.ª-Arouca(f), V(1-3), Vasco Santos, Prejudicados, (1-5), Sem influência no resultado
25.ª-Braga(c), V(2-0), Soares Dias, Prejudicados, (3-0), Sem influência no resultado
26.ª-Rio Ave(f), D(2-1), Marco Ferreira, Prejudicados, (1-1), (-1 ponto)
27.ª-Nacional(c), V(3-1), Xistra, Nada a assinalar
28.ª-Académica(c), V(5-1), Luís Ferreira, Nada a assinalar

Sporting
1.ª-Académica(f), E(1-1), Soares Dias, Beneficiados, (2-1), (+1 ponto)
2.ª-Arouca(c), V(1-0), Nuno Almeida, Prejudicados, (2-0), Sem influência resultado
3.ª-Benfica(f), E(1-1), Proença, Nada a assinalar
4.ª-Belenenses(c), E(1-1), Cosme Machado, Nada a assinalar
5.ª-Gil Vicente(f), V(0-4), Xistra, Beneficiados, (1-4), Sem influência no resultado
6.ª-Corruptos(c), E(1-1), Benquerença, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
7.ª-Penafiel(f), V(0-4), Rui Costa, Beneficiados, Impossível contabilizar
8.ª-Marítimo(c), V(4-2), Manuel Oliveira, Beneficiados, (4-3), Sem influência no resultado
9.ª-Guimarães(f), D(3-0), Hugo Miguel, Prejudicados, (2-0), Sem influência no resultado
10.ª-Paços de Ferreira(c), E(1-1), Bruno Esteves, Beneficiados, (1-2), (+1 ponto)
11.ª-Setúbal(c), V(3-0), Soares Dias, Beneficiados, Impossível contabilizar
12.ª-Boavista(f), V(1-3), Jorge Sousa, Nada a assinalar
13.ª-Moreirense(c), E(1-1), Jorge Ferreira, Nada a assinalar
14.ª-Nacional(f), V(0-1), Duarte Gomes, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
15.ª-Estoril(c), V(3-0), Soares Dias, Nada a assinalar
16.ª-Braga(f), V(0-1), Hugo Miguel, Nada a assinalar
17.ª-Rio Ave(c), V(4-2), Nuno Almeida, Beneficiados, (2-2), (+2 pontos)
18.ª-Académica(c), V(1-0), Rui Costa, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
19.ª-Arouca(f), V(1-3), Jorge Ferreira, Beneficiados, (2-2), (+2 pontos)
20.ª-Benfica(c), E(1-1), Sousa, Nada a assinalar
21.ª-Belenenses(f), E(1-1), Paulo Baptista, Nada a assinalar
22.ª-Gil Vicente(c), V(2-0), Jorge Tavares, Nada a assinalar
23.ª-Corruptos(f), D(3-0), Soares Dias, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
24.ª-Penafiel(c), V(3-2), Bruno Esteves, Beneficiados, Impossível contabilizar
25.ª-Marítimo(f), V(0-1), Rui Costa, Nada a assinalar
26.ª-Guimarães(c), V(4-1), Jorge Sousa, Beneficiados, (3-1), Sem influência no resultado
27.ª-Paços de Ferreira(f), E(1-1), Cosme Machado, Nada a assinalar
28.ª-Setúbal(f), V(1-2), Benquerença, Prejudicados, Sem influência no resultado

Corruptos
1.ª-Marítimo(c), V(2-0), Xistra, Nada a assinalar
2.ª-Paços de Ferreira(f), V(1-0), Mota, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
3.ª-Moreirense(c), V(3-0), Bruno Esteves, Nada a assinalar
4.ª-Guimarães(f), E(1-1), Paulo Baptista, Nada a assinalar
5.ª-Boavista(c), E(0-0), Jorge Ferreira, Nada a assinalar
6.ª-Sporting(f), E(1-1), Benquerença, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
7.ª-Braga(c), V(2-1), Proença, Beneficiados, (2-2), (+2 pontos)
8.ª-Arouca(f), V(0-5), Xistra, Beneficiados, Prejudicados, (1-6), Sem influência no resultado
9.ª-Nacional(c), V(2-0), Nuno Almeida, Nada a assinalar
10.ª-Estoril(f), E(2-2), Soares Dias, Beneficiados, (3-2), (+1 ponto)
11.ª-Rio Ave(c), V(5-0), Benquerença, Beneficiados, (1-2), (+3 pontos)
12.ª-Académica(f), V(0-3), Manuel Mota, Nada a assinalar
13.ª-Benfica(c), D(0-2), Jorge Sousa, Nada a assinalar
14.ª-Setúbal(f), V(4-0), Manuel Oliveira, Beneficiados, (2-0), Sem influência no resultado
15.ª-Gil Vicente(f), V(1-5), Nuno Almeida, Nada a assinalar
16.ª-Belenenses(c), V(3-0), Manuel Mota, Nada a assinalar
17.ª-Penafiel(f), V(1-3), Soares Dias, Beneficiados, (1-0), (+3 pontos)
18.ª-Marítimo(f), D(1-0), Capela, Nada a assinalar
19.ª-Paços de Ferreira(c), V(5-0), Marco Ferreira, Beneficiados, Impossível contabilizar
20.ª-Moreirense(f), V(0-2), Xistra, Nada a assinalar
21.ª-Guimarães(c), V(1-0), Nuno Almeida, Nada a assinalar
22.ª-Boavista(f), V(0-2), Hugo Miguel, PrejudicadosBeneficiados, Impossível contabilizar
23.ª-Sporting(c), V(3-0), Soares Dias, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
24.ª-Braga(f), V(0-1), Jorge Sousa, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
25.ª-Arouca(c), V(1-0), Jorge Tavares, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
26.ª-Nacional(f), E(1-1), Manuel Oliveira, Nada a assinalar
27.ª-Estoril(c), V(5-0), Bruno Esteves, Beneficiados, (3-0), Sem influência no resultado
28.ª-Rio Ave(f), V(1-3), Vasco Santos, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar

Braga
1.ª-Boavista(c), V(3-0), Vasco Santos, Beneficiados, (1-0)?!, Impossível contabilizar
2.ª-Moreirense(f), E(0-0), Paixão, Prejudicados, (1-0), (-2 pontos)
3.ª-Estoril(c), V(2-1), Hugo Miguel, Prejudicados, (3-1), Sem influência no resultado
4.ª-Arouca(f), D(1-0), Proença, Nada a assinalar
5.ª-Nacional(f) E(1-1), Jorge Tavares, Prejudicados, Impossível contabilizar
6.ª-Rio Ave(c), V(3-0), Bruno Esteves, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
7.ª-Corruptos(f), D(2-1), Proença, Prejudicados, (2-2), (-1 ponto)
8.ª-Benfica(c), V(2-1), Marco Ferreira, Beneficiados, (2-3), (+3 pontos)
9.ª-Académica(f) E(1-1), Bruno Paixão, Nada a assinalar
10.ª-Gil Vicente(c), V(2-0), Manuel Oliveira, Beneficiados, (0-0), (+2 pontos)
11.ª-Penafiel(f), V(1-6), Hugo Miguel, Nada a assinalar
12.ª-Guimarães(c), E(0-0), Xistra, Nada a assinalar
13.ª-Belenenses(f), V(0-1), Paulo Baptista, Nada a assinalar
14.ª-Paços de Ferreira(c), V(3-0), Manuel Mota, Nada a assinalar
15.ª-Marítimo(f), D(2-1), Jorge Sousa, Nada assinalar
16.ª-Sporting(c), D(0-1), Hugo Miguel, Nada a assinalar
17.ª-Setúbal(f), V(1-3), Paulo Baptista, Nada a assinalar
18.ª-Boavista(f), D(0-1), Duarte Gomes, Beneficiados, Sem influência no resultado
19.ª-Moreirense(c), V(1-0), Soares Dias, Nada a assinalar
20.ª-Estoril(f), V(0-2), Manuel Oliveira, Prejudicados, (0-3), Sem influência no resultado
21.ª-Arouca(c), V(2-0), Tiago Martins, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
22.ª-Nacional(c), V(3-1), Bruno Esteves, Beneficiados, Sem influência no resultado
23.ª-Rio Ave(f), V(0-2), Xistra, Nada a assinalar
24.ª-Corruptos(c), D(0-1), Jorge Sousa, Prejudicados, (1-1), (-1 pontos)
25.ª-Benfica(f), D(2-0), Soares Dias, Beneficiados, (3-0), Sem influência no resultado
26.ª-Académica(c), E(0-0), Paixão, Prejudicados, (1-0), (-2 pontos)
27.ª-Gil Vicente(f), V(0-2), Capela, Nada a assinalar
28.ª-Penafiel(c), V(4-0), Marco Ferreira, Nada a assinalar

A responsabilidade dos profissionais

"Em muitos jogos o profissional mais bem pago dentro das quatro linhas é o árbitro; deixaram de ser os 'coitadinhos' do futebol.

A ameaça dos árbitros, que paira sobre o normal funcionamento do campeonato nacional de futebol, não é minimamente justificável e traduz uma mentalidade incompatível com as responsabilidades decorrente do novo estatuto da classe.
Os árbitros não podem fazer chantagem sobre o futebol porque são parte da estrutura, vivem dela e, com tal envolvimento, não podem deixar de ser solidários. Longe vão os tempos em que os juízes de campo eram o elo mais fraco do futebol. Eram tempos em que recebiam ao quilómetro e dependiam da boa vontade de quem os nomeava para, em função da distância de casa a que iam actuar, receberem mais uns trocos. Eram tempos em que os jogadores podiam olhar para os árbitros como o parente pobre da festa; e muitas vezes não os tratavam com o respeito que lhes era devido. Hoje, nada disso corresponde à realidade. Como o advento do profissionalismo, em muitos jogos da I Liga portuguesa, o profissional mais bem pago dentro das quatro linhas é o árbitro, prestigiado nas condições de trabalho que passou a ter, na forma como se desloca para as competições e fica instalado, e sobretudo na maneira como, ao fim do mês, vê engordar a conta bancária. Os árbitros deixaram de ser os coitadinhos do futebol nacional e têm de deixar de comportar-se como tal. Por tudo isto, não têm legitimidade para colocar em causa as competições.
Se têm razão de queixa, se querem reivindicar direitos que entendem assistir-lhes, devem fazê-lo num quadro coloquial, sem apontarem uma arma ao coração da entidade que os sustenta, sem morderem a mão que os alimenta.
E é esta diferença, do tempo em que tinham dificuldade em sobreviver legitimamente no futebol para os dias de hoje em que são muito bem pagos, que os árbitros e quem os representa parecem não entender.
Ao aceitarem ser profissionais, auferindo salários que oscilam entre os seis e os sete mil euros mensais, os árbitros devem assumir todas as consequências daí decorrentes, nomeadamente tudo fazerem para o sucesso da indústria que lhes paga.
Quanto ao que reivindicam - um valor que dizem ser-lhes devido por uma publicidade nem tem suporte documental - têm o direito de suscitar a questão e de defender aquilo que entendem ser a sua verdade. Mas não podem fazê-lo sob a capa da pressão oportunista, como está a suceder. A Liga deve conversar com os árbitros. Mas não deve ceder a chantagens.

Não há dúvida, em Inglaterra é outra coisa!
«Real Madrid e Barcelona não têm jogos tão difíceis contra os últimos classificados. É isso que faz da Premier League um campeonato fantástico»
Joey Barton, jogador do Queens Park Rangers

Ontem, o Chelsea, líder da Premier League, teve de esperar até ao minuto 88 para se superiorizar ao QPR, um dos últimos. E não foi a excepção que confirma a regra, em Inglaterra todos os jogos são muito disputados e é essa a principal diferença, que torna este campeonato o melhor do mundo.
(...)"

José Manuel Delgado, in A Bola

domingo, 12 de abril de 2015

Ansiedade fatal...

Benfica 3 - 2 Novi Sad
24-26, 21-25, 25-16, 25-23, 15-10

As competições europeias foram um prémio, que a Direcção este ano, decidiu dar aos jogadores. Os objectivos da equipa, nunca passaram por uma vitória Europeia. O grande objectivo foi sempre o Campeonato, e todos os outros troféus internos. Chegar a uma Final Europeia, já foi histórico no Benfica.

Nos rescaldos, é fácil determinar o que não foi feito, que poderia ter sido... Pessoalmente, a grande diferença para os jogos com o Ravenna, foi a alegria. Com os Italianos jogámos sem pressão, com um sorriso na cara. Com os Sérvios, jogamos sempre com muita ansiedade. E por isso, poucas coisas saíram bem...
A começar pelo Serviço. Tal como aconteceu no 1.º jogo, voltámos a oferecer pontos atrás de pontos aos Sérvios. Só quando eliminatória ficou decidida, é que melhorámos no Serviço... Tarde demais!!!
Internamente, mesmo quando falhamos, temos margem para recuperar, mas contra uma equipa, que praticamente não errou, e ainda por cima sem a vantagem que normalmente temos no Bloco, era impossível triunfar... A ansiedade foi tanta, que até o Vinhedo falhou alguns passes, que normalmente não falha...

O momento do jogo foi aquele final do 1.º Set, onde o Benfica conseguiu uma excelente recuperação, de 20-23, para 24-23. E depois, permitimos que o Novi Sad, voltasse a virar o jogo, e vencesse por 24-26!!! A equipa ficou abalada, e no início do 2.º Set voltámos a falhar, permitindo aos Sérvios ir de 4-5, para 4-11!!! O resto do Set foi o Benfica a recuperar estoicamente 2 ou 3 pontos de cada vez, para logo a seguir oferecer 1 ou 2 !!! Estivemos próximos de dar a volta, mas nunca conseguimos...

O Professor Jardim, tentou desde cedo mudar a tendência do jogo, com várias alterações, o Ché e o Kibinho até entraram bem, mas faltou hoje um Honoré dominador no Bloco, e o um Gaspar mortífero... Não estamos habituados a jogar contra equipas, onde todos os jogadores adversários têm Serviços fortíssimos, e principalmente batem a bola muito acima da rede...
Não deixa de ser 'galo', voltar às competições europeias tantos anos depois, e perder para a mesma equipa!!! Sabendo ainda, que no percurso (perfeito diga-se...), para chegar a esta Final, vencemos o Partizan Belgrado, o vencedor da fase regular do Campeonato Sérvio, onde esta equipa ficou em 4.º!!!
Com estas regras da CEV, não faz sentido uma Final Europeia a duas mãos. Com o 0-2 a Final ficou decidida. Ambas as equipas rodaram o plantel... O Benfica acabou por querer mais a vitória, e acabámos por vencer o jogo.

Apoio à equipa de Voleibol
Luís Filipe Vieira: “Orgulho na equipa de Voleibol e nos adeptos”Lê a mensagem completa do Presidente em goo.gl/mlkKxv
Posted by Sport Lisboa e Benfica on Domingo, 12 de Abril de 2015

Tenho também que destacar, infelizmente, o comportamento asqueroso de alguns dos jogadores do Novi Sad, e não foi só o Stankovic(17), tanto o Libero, como o Katic, também foram recorrentes, nas faltas de respeito para com os jogadores do Benfica e para com os adeptos. Inacreditável como a equipa de arbitragem assistiu a tudo isto impávida e serena. Só reparei numa chamada de atenção, no 4.º Set!!!
Aliás a arbitragem de hoje foi completamente diferente do jogo na Sérvia. Errou para os dois lados, como é normal (mesmo assim foi complacente com os protestos Sérvios), não teve medo de marcar faltas na rede à equipa da casa, em momentos decisivos da Final (por exemplo no 2.º Set), e ainda tivemos várias chamadas na linha decididas contra nós, erradamente... Algo que na Sérvia nunca aconteceu, contra a equipa da casa...
Nas competições mais importantes a nível Mundial, já existe a possibilidade de apelar às repetições, em algumas situações. Se querem continuar a fazer Finais a dois jogos, enviando árbitros inexperientes e influenciáveis, um TV refere seria útil...!!!

Como ficou provado esta época, temos equipa para Europa, principalmente na Challenge. É provável que o Benfica receba um convite da CEV para jogar CEV Cup, pessoalmente acho que devíamos recusar... Para o nível do Voleibol Português, actualmente, é aqui que devemos ficar...