Últimas indefectivações

segunda-feira, 7 de junho de 2010

King, o pioneiro !!!


Num momento onde o Mundo do futebol vira toda a sua atenção para África, é com muito orgulho que nós Benfiquistas podemos recordar ao Mundo, que alguns dos nossos grandes símbolos vivos, como Guilherme Espírito Santo, Mário Coluna, e Eusébio, têm todos sangue Africano...!!!



"From Africa to posterity: How Eusébio lit up the World Cup
The career of Africa's greatest-ever player began with a chance conversation in a Portuguese barbershop and ended in unfading glory


Last summer Africa's first great footballer was invited by his friend and boyhood idol, Alfredo Di Stefáno, to the unveiling of Cristiano Ronaldo by Real Madrid at the Santiago Bernabéu stadium. An €80m purchase from Manchester United, Ronaldo was Portugal's new global star. Di Stefáno nudged Eusébio and said: "That would have been you."

Long before George Weah, Didier Drogba, Michael Essien or Samuel Eto'o there was Eusébio da Silva Ferreira, who wears a symbolic lustre no footballer can match as Africa's first World Cup approaches. Eusébio affirmed his immortality in the era of Pelé, George Best, Bobby Charlton and Johan Cruyff. Though his 64 international caps were acquired with Portugal – and all his deeds at club level achieved with Benfica, from 1961-75 – Mozambique and Africa can cite him as proof that their continent bred one of the game's all-time top 10 players not in the present age of Drogba and Eto'o, but 68 years ago.

So the "Black Panther" or "Black Pearl", as he was known, dubiously, must sense he is a figurehead for this tournament? "I do, I feel very proud. I don't feel a weight of expectation, but a lot of people are looking to me, with the first World Cup in Africa," he says. "It's something for the whole continent to be proud of, not just South Africa. For anyone born in Africa, any footballer, the biggest party in football is going down there for the first time."

The bare outline is that the first great footballer to leave Africa to pursue European recognition spent 13 seasons at Benfica, where he won seven championships, was Portugal's leading scorer from 1964-68 and helped bring the 1962 European Cup back to the Estádio da Luz, where he is immortalised in statue form and is still an ambassador for Lisbon's biggest club.

Eusébio scored 727 times in 715 appearances for Benfica and won the Golden Boot with his nine goals for Portugal in the 1966 World Cup. Four of those came in a 5-3 quarter-final win against North Korea. Forty-one goals in 64 outings for his adopted country is a record that lasted until 2005, when it was surpassed by Pauleta, a journeyman compared to this son of a railway mechanic, who played for nothing grander than a Coca-Cola and a sandwich until a conversation in a Portuguese barbershop shaped his fate.

The first talker was a coach from São Paulo, the Brazilian side who were touring Portugal after a trip to Mozambique (then Portuguese East Africa). The unidentified scout eulogised a young striker he had seen with a provincial club with ties to Sporting Lisbon. Listening was Bela Guttman, the Benfica coach, who flew within a week to Lourenço Marques (now Maputo). Eusébio could run the 100m in 11 seconds. Guttman outraged Sporting by buying the 18-year-old inside-left for £7,500 (Eusébio now says it was for €2,000, or its equivalent). Two weeks later he was playing for Portugal.

So far, so romantic, but the rancour between the two Lisbon clubs has endured. Even now Eusébio is irritated by the suggestion that Sporting were entitled to his signature. "I used to play in Sporting's feeder club in Mozambique. Benfica wanted to pay me in a contract to go while Sporting wanted to take me as a junior player for the experience with no monetary reward," he says.

"Benfica made a nice approach. They went to speak to my mum, my brother, and offered €1,000 for three years. My brother asked for double and they paid it. They signed the contract with my mother and she got the money. She put it in a bank in Mozambique, with a clause on it, saying that if her son didn't go to Portugal and become a great footballer she would pay the money back, because she had a good heart."

"There was a newspaper picture of her with all the money on the table with her arms round it. I had never seen such money in my life. Sporting tried to spread the story that I'd stitched them up, but it was the other way round, because they tried to take me for free while Benfica were willing to pay." To escape the kerfuffle, Benfica hid him in a house on the Algarve until Sporting had calmed down. At €2,000, or £7,500, whichever is the true figure, Eusébio was to become Portugal's finest player. Ronaldo is unlikely to have left Manchester for less than £200,000 a week.


The world Eusébio left was one of European colonies and lasting exploitation. Portugal's leading clubs farmed the country's overseas "possessions" for African talent. Portugal's imperialism in Africa can be traced to Vasco da Gama landing there in the 15th century on his way to India. Eusébio's pathfinders to Europe were Hilário, Matateu and Mário Coluna, who joined Benfica in 1954. The new star's salary – piffling, by today's standards – was twice the previous highest paid to an African footballer.

The day of his leaving remains in the foreground of his memory. And an anniversary approaches. He says: "Eighteen years old, 17 December 1960. In December of this year I will have been 50 years in Portugal. Always Benfica, it's a family to me. I'm an ambassador for them and the national team. I'm with them all the time."

Like most products of that gilded age, Eusébio describes the deprivations of his early years with pride, rather than regret, perhaps to amplify his achievements to the young and ignorant. "I was already a good footballer, I just wasn't a professional. We played with socks or newspaper rolled into a ball."

He is in London to support the Fifa-backed 1GOAL campaign, which has a target of ensuring 72 million African children can receive an education by 2015. This is no light ambassadorial duty for Eusébio, who has launched numerous charitable programmes in Mozambique and still holds dual nationality. "I have family there, fewer of them with time, and I have my friends. A lot of my family have passed over to the other side but I still have six relatives there," he says. He will be there for a fifth visit this year when he flies in this week.

"Every time I go back it gets a little bit better. You go to Africa now and there are a lot more football pitches and a better infrastructure, but it also depends on how it's managed after the World Cup."

Watching him rise from a table with his bow legs and impossibly tender knees, you see the high physical cost of 20 years in the game in a more brutal era. After Benfica, in 1975, he toured the North American Soccer League, turning out for Boston Minutemen and Las Vegas Quicksilvers among others. In the 1960s, Real Madrid's interest in him ceased when they saw how bad his weaker right knee was (six operations, in the same spot, have left a kind of ruin). His ambition was to emulate Sir Stanley Matthews and play on towards his 50s, but chronic knee pain forced him to stop at the age of 39.

As he tells that story about the Ronaldo unveiling, the question of envy creeps into the interviewer's mind. But he is straight on to it, like a loose ball in the box: "There is no jealousy. The generation I played with was the best generation ever. You don't have that now and I wouldn't change it for the money. It was all heart and that's why there were so many great players. Portugal, England, Brazil, Argentina: so many. That's why I'm so happy with what I had, to have been a great player. I'm happy to have been part of that era."

"Football nowadays is just commercial. Television commands the times of the games. The players are very good, obviously. I'm happy for the modern-day player who signs his contract and makes lots of money. The players of my era helped make that possible."

"I respect the football of today but the football of my time was better. Football hasn't got better, it has just evolved, from the ball to the boots to the shirts to the training methods – everything around them. Pelé, George Best, Cruyff, Garrincha would have been amazing players today."

"When we played Real Madrid and won 5-3 [in the 1962 European Cup final – Eusébio scored two] it was soaking wet and the ball ended up weighing a kilo. It didn't have a brand. That's why Pelé or Garrincha, if they played now, would be so wonderful. Consider their boots. There was no personalised footwear from Adidas. We'd have one pair for all surfaces, and the kitman would change the studs according to the conditions. Sometimes they'd do it in a rush and a nail would still be in there. You'd take your boot off and there would be blood from where the nail had penetrated your foot. Back then we made money, but we played for the love, it was all heart."


In this fraternal spirit he urges Africa's World Cup contenders to assume a strong group mentality: "The problem is that the players are quite individual. I wish the players would get together and work together. If that happened African football would take another leap forward." And he chafes when asked why Portugal have failed to convert talent into international trophies: "What a lot of people don't know is that Portugal have won tournaments, just not at senior level. Their juniors have always been very strong in World Cups and European Championships."

"The problem is that when people think of Portugal and these great players they forget it's a very small country. It's not easy. Portuguese clubs have won European trophies, but it's a very fine line between success and failure at international level and it's a very small country. Compare Brazil to Portugal and it's David and Goliath. The colonies in Africa – Angola and Mozambique – had four players in the Portugal side in 1966 and that's gone now because these countries have their own national sides. You've lost that stream of players."

Of Ronaldo he says: "I know him very well, he's a very good professional, a hard worker. At Real Madrid when all the players leave training he stays there and takes free-kicks, takes penalties, takes the ball on his own, dribbles. His work ethic is very good, without the coach asking him to do it. When my colleagues were back at home eating I'd still be practising and Ronaldo is the same, a real hard worker. I'm not a Barcelona fan but I very much admire Lionel Messi. I haven't seen him train. I know Ronaldo a lot better. Currently, Messi is the best player in the world. He writes his name all over the pitch."

To summon the spirit of his era – the 60s and early 70s – just ask whether Ronaldo might surpass him as Portugal's nonpareil. "I'm a footballer, not a pundit", he says. "Seven-times best footballer [in Portugal], top scorer at the World Cup, voted into the all-time Fifa top 10. Those are just the facts. I'm not sure whether anyone can surpass that. It's up to you guys to decide. I'm proud to say I've done something for the good of football. I don't compare myself to anyone."

He points to Carlos Alberto – Brazil's 1970 World Cup-winning captain, who is with him in London, and who scored arguably the greatest of all World Cup goals. "There are things you can't forget, moments in history like that.".

Paul Hayward guardian.co.uk,
Sunday 6 June 2010 00.06 BST"


O 'nosso' Ramires continua a 'facturar'!!!

domingo, 6 de junho de 2010

Juniores, 4ª jornada

Rafael Costa



Uma palavra para o Rafael Costa, que sendo um defesa/médio tem sido decisivo a marcar golos, e a assistir, tanto em jogo 'corrido', como nas bolas paradas...!!!

Voltámos à luta, estamos dependentes de uma escorregadela dos Lagartos, mas como temos 2 jogos em casa, e o Sporting ainda tem que ir a Guimarães, vamos ter esperança...

A Selecção Nacional deste escalão é maioritariamente composta por jogadores do Benfica, mesmo abdicando do Nelson Oliveira temos na minha opinião melhores jogadores(claramente) do que os nossos adversários, 'não ganhar' este titulo será frustrante. Vamos ver se os 3 empates nos 3 primeiros jogos, não são decisivos...
Sporting.......7
Benfica........6
Corruptos.....4
Guimarães....4



Iniciados, 4ª jornada

João Gomes



O Bi-Campeonato está somente à distância de um pontinho, e ainda faltam 2 jornadas...!!!


Benfica........12

Corruptos.....6

Guimarães....3

Sporting......3

Quarta-Feira, na Luz, pode ser o 'dia' do Bi-Campeão !!!


Juvenis, 2ª jornada

Diego Lopes

Empatámos a 6 minutos do fim pelo inevitável Diego Lopes(ainda condicionado só jogou os últimos 17 minutos) , mas 3 minutos depois voltamos a sofrer um golo, já nos descontos sofremos outro golo numa recarga a um penalty...




Corruptos....6

Sporting......4

Benfica.......1

Guimarães...0




sábado, 5 de junho de 2010

Vitória Saborosa !!!




E já estamos na final...
A jogar assim dificilmente o titulo vai fugir, foi uma eliminatória sem espinhas, mas com muita azia para os lados de Belém...!!!

Ramires


"Ex-auxiliar de pedreiro, Ramires teve na bola a chance de fugir da marreta
Volante, criado em Boa Sorte de Barra do Piraí (RJ), conta, em série do Jornal Nacional, que ganhou velocidade fugindo das broncas da avó



Marreta, pá, tinta. Tudo isso faria parte de seu cotidiano se não virasse jogador de futebol. A bola, contudo, fez um menino franzino do bairro Boa Sorte, do município de Barra do Piraí (RJ), mudar de rumo. Estamos falando de Ramires, personagem da série de reportagens especiais do Jornal Nacional sobre os convocados por Dunga para a Copa do Mundo de 2010.

De origem humilde, Ramires, ainda no início da adolescência, teve que ajudar no sustento da casa. Para isso, foi trabalhar junto com seus dois tios, Jairo e José, como auxiliar de pedreiro. Função que o garoto desempenhava não com muita vontade.

- Não era de correr do trabalho, mas também não era firme. Tinha sempre que alguém pegar no pé. Em campo, ele não se esconde. Aparece até demais. Se ele não batesse a bola, ia ter que bater a marreta. Melhor bater a bola, neh? – brinca o tio Jairo.

O jogador não esconde que não gostava da profissão que aprendia e diz que sempre teve a intenção de mudar de rumo

- Servente de pedreiro faz bastante coisa. Debaixo de sol quente, carrega pedra, tijolo... Eu gostava mais de jogar bola, mas não tinha jeito, tinha que ajudar em casa. E foi isso que apareceu. Nunca me importei com serviço pesado, mas sempre falei que não ia ficar só naquilo. Meu sonho era ser jogador de futebol, mas se não desse, eu ia estudar.

A obstinação de Ramires enche sua mãe de orgulho.

- Se ele não tivesse insistido no objetivo dele, não teria conseguido. Mesmo com as dificuldades que enfrentou, não desistiu. Ele não queria ser pedreiro, então foi atrás. Mérito dele – conta Dona Judite.

Para sorte de Ramires e dos brasileiros que estarão torcendo por ele na Copa do Mundo, os caminhos do futebol foram abertos para o volante. Conhecido por sua velocidade, o jogador passou a "treinar" esse atributo quando ainda era criança.

- Para minha mãe não dar uns pegas nele, ele tinha que correr. Para não levar uns esfregas dela - brinca Dona Judite.

Criado pela avó

A história contada por Dona Judite ilustra um pouco a importância de Dona Teresinha, avó do volante, na vida dele. Como a mãe trabalhava em outra cidade, o jogador e seus irmãos foram entregues aos cuidados da matriarca da família.

- Minha avó foi minha mãe. Fui criado com ela. Eu gostava muito dela. Mas ela teve um derrame e não conseguiu fazer toda a fisioterapia que precisava para voltar a ter os movimentos. Eu estudava de manhã, chegava à tarde e ficava até de madrugada cuidando dela. Aquela ali, não tem jeito, está no coração - conta, emocionado o jogador.

Em 1999, Dona Teresinha piorou de saúde e acabou falecendo. Fato que mexeu muito com o jogador.

- Minha mãe tomava conta dele. Foi um baque muito forte. Até hoje, ele sente. Tem uma ligação fortíssima com ela. Ele se emociona muito quando fala da minha mãe – diz Dona Judite.

- É a pessoa que eu queria muito que estivesse aqui hoje, vendo o que está acontecendo comigo. As mudanças que estão ocorrendo. De onde ela está, tenho certeza que está vendo todo o esforço que estou fazendo, toda a luta – afirma Ramires.

Apoio de toda a família

Apesar do carinho por Dona Teresinha, não foi só a avó quem apoio o volante em sua luta para se profissionalizar. Irmãos, pais, amigos e tias acreditavam no talento do menino. Tanto que uma delas lembra até hoje da primeira chuteira que Ramires usou.

- Todos os coleguinhas tinham chuteira, aí ele ficava me empetelhando. Ele ia ter um jogo no dia seguinte e dei a chuteira. Foi dado de bom coração. Família é assim: um dia não pode, outro pode. A gente faz porque a gente ama. Mas, graças a Deus, deu certo – lembra tia Janete.

Objetivos grandes

Tia Janete apostou no sonho de Ramires. E, hoje, toda a família tem orgulho de onde o craque chegou. Mas ninguém acredita que ele atingiu tudo aquilo que queria. Para os familiares, o volante ainda vai buscar muito mais.

- Ele não vai parar tão cedo. Vai muito longe ainda. Não chegou nem na metade do caminho do que ele quer. Vai muito mais longe – garante o pai, Maurílio Marquês.

- Eu ainda não cheguei mesmo. Sinceramente, quando eu pensava em ser jogador, pensava em ser um jogador normal. Pensava que não ia ter muito nome, muita repercussão. Depois que fui convocado para a sub-23, vi que poderia ir mais longe. Hoje, o objetivo é ir para uma Copa e ser campeão – revela Ramires.


O sonho da Copa do mundo

Pai, mãe e toda família de Ramires estarão na torcida para que o filho atinja esse objetivo já na África do Sul, durante a próxima Copa. Embora os parentes já esperem um grande sofrimento durante as partidas do Brasil no torneio.

- Se não enfartar, acho que aguento assistir tudo. Ver meu filho na Copa do Mundo vai ser diferente – diz o Sr. Maurílio.

- Eu acho que não vou aguentar. Daquela vez que ele foi para a África (na Copa das Confederações, em 2009), eu já não consegui me conter. Me emociono vendo ele jogar. – diz Michelle, irmã de Ramires.

A cara do pai

Para o Sr. Maurílio, assistir aos jogos da Copa do Mundo vai ser quase como se estivesse participando dela. Afinal, basta olhar para o filho para ter a impressão de estar vendo sua própria imagem.

- Todo mundo fala isso. Às vezes, eu olho no espelho, para ver se acho mesmo. Mas pareço, sim – brinca.

Ramires também se acha parecido com o pai, mas tem outro modelo masculino.

- Sou bastante parecido com meu pai. Mas a figura que me criou mais foi meu irmão. Eu ia atrás dele. Queria ter convivido mais com meu pai, mas eu gosto dele um monte – diz o jogador.

Ramires e o pai sempre moraram distantes um do outro. Maurílio Marquês, de outra cidade, sempre visitou o filho e deu ajuda financeira, mas acabava ficando por fora da vida de Ramires.

- Quando eu vi a primeira vez ele jogando (como profissional) foi em um bar de Volta Redonda. Estava passando um jogo do Cruzeiro e ouvi falar “Ramires”. Aí eu pensei “eu tenho um filho Ramires que joga naquelas bandas”. Quando eu vi que estava focalizando ele, parecia que eu estava saindo do chão - conta o pai.

- Futebol ele gosta, mas não acompanha muito. Quando eu fui para o Cruzeiro, foi muito rápido. Muita gente não sabia. E eu não tinha muito nome, ainda estava começando. Por isso ele não sabia – relata Ramires.

Dos times do bairro ao título português no Benfica

Ramires começou jogando futebol em um campinho perto de sua casa, no bairro de Boa Sorte. Antes de jogar, precisava afugentar as vacas que passavam pelo local. A habilidade do garoto começou a chamar a atenção desde essa época. Com isso, foi chamado para atuar em alguns times locais, antes de ser contratado pelo Joinville (SC).

Do time catarinense, Ramires se transferiu para o Cruzeiro, onde ficou conhecido no cenário nacional e atraiu a cobiça de grandes clubes europeus. Contratado pelo Benfica, o jogador se sagrou campeão português da temporada 2009/2010.

Na seleção, o jogador teve destaque na Copa das Confederações 2009, já sob a batuta de Dunga. Nas eliminatórias, também fez parte do grupo que se classificou em primeiro lugar, com três rodadas de antecedência. Todos essas conquistas são compartilhadas com a mãe, que segurava as medalhas do filho durante a entrevista. Mas falta uma na coleção de Dona Judite: a da Copa do Mundo.

- Vou segurar ela também – garante.

Se o ditado que diz que coração de mãe não se engana estiver certo, o Brasil já pode começar a preparar a comemoração."



in Globo Esporte




3ª lugar no Campeonato, menos mau, mas aquém da obrigação...


5º lugar no Campeonato, muito mau...


Buffon no Sporting?

Ahahaahaahahaahahaahahaahahahaahahahaah.

Não é mesmo para rir?

À Campeão !!!





Extraordinário espírito de luta, mesmo com os erros nos lances livres(demasiados), mesmo com os lançamentos de 3 pontos a não entrarem como de costume, mesmo com jogadores fisicamente condicionados, mesmo com uma lesão grave de um colega esta semana, mesmo com critérios diferentes na agressividade permitida pela equipa de arbitragem, a equipa não se deixou abater, correu, e lutou até à vitória final...!!! O Benfica jogou verdadeiramente 'à Campeão', demonstrando um tremendo 'mau perder'...

Só falta mais uma vitória, parece que mais uma vez vamos festejar o titulo fora da Luz!!!

Nico Gaitán


"Médio-ofensivo argentino
Nicolás Gaitán: “É um clube muito grande”

O argentino Nicolás Gaitán, um dos reforços dos “encarnados” para a temporada 2010/2011, está impressionado com a grandeza do Clube. Em entrevista ao Jornal ‘O Benfica’, o atleta assegura que está preparado para o nível de exigência que vai encontrar no Benfica.

Que expectativas tens para esta nova etapa da tua carreira?
- Sei que venho para uma equipa que está bastante forte, que foi campeã e vai estar presente na Liga dos Campeões. Ter logo no meu ano de estreia na Europa a possibilidade de jogar esta competição vai ser muito bom. Espero que a equipa continue na senda das vitórias que vem tendo, isso era bom para mim e para todos os meus companheiros, e para o Clube claro.

- O que é que conheces do Benfica?
- Estou muito impressionado com tudo o que tenho visto e sabido sobre o Benfica. Com este dia em Lisboa aprendi muito sobre o clube, confesso que antes deste dia não sabia tão bem como era o Benfica, mas a primeira impressão, tendo em conta este dia que passei aqui em Lisboa é óptima. A cidade é muito bonita e o Clube muito grande. Sei que os adeptos são muito fanáticos e apaixonados, espero corresponder às expectativas e fazer um bom trabalho.

- Viste imagens das comemorações que houve em relação à conquista do título, conseguiste aperceber-te da grandeza do Clube?
- Sim, pude ver através da Internet. Um dia pesquisei em casa na Internet e na verdade fiquei muito surpreendido. Estava muita gente no Estádio, nas ruas, foi algo que considero até mesmo mais argentino que europeu. Foi uma festa muito bonita e isso deixou-me ainda mais expectante para que comece já a treinar, e à espera que arranquem todas as competições onde o Benfica está inserido.

- Sentes que após a conquista do título a exigência agora é ainda maior, estás preparado para corresponder a essa mesma exigência?
- As exigências, estejas em que clube for, a exigência é sempre que entras em campo tens que dar o máximo, ou tentar dar o máximo de ti. Na verdade eu cheguei ao Boca Juniors ainda muito novo, lá a exigência é muito grande, e como disse cheguei à equipa prinItálicocipal, onde joguei dois anos sempre ao mais alto nível, o que não é nada fácil. Na verdade foi mesmo o concretizar de um sonho, o conseguir cumprir um sonho de criança, jogar dois anos na primeira equipa do Boca Juniors e como disse no Boca Juniors a exigência é sempre muito alta.

Texto: Nuno Amaral Saraiva
Leia a entrevista na íntegra na edição do Jornal ‘O Benfica’"


adenda: O Corsair do Blog Benfica 73, publicou a entrevista na sua totalidade, quem a quiser ler é favor de clicar aqui.

Novo Record Nacional...


O Marco Fortes ganhou a prova do lançamento do peso dos Campeonatos Ibero-Americanos com uma nova melhor marca Nacional de 20,69...

Luisão


"O duelo contra Portugal, no dia 25 de junho, em Durban, pela última rodada da primeira fase da Copa do Mundo, vai ser especial para Luisão. O zagueiro da seleção brasileira mora há sete anos em Lisboa, se sente em casa nas terras lusitanas. A esposa Brenda Mattar nem tem vontade de voltar a morar no Brasil. A filha Sophia já fala um português com sotaque.

- Ela já diz "queres", chega e fala "dá licença, pá (pai)" - lembra Brenda Mattar.

Não é só a filha de dois anos de Luisão que já incorporou no vocabulário palavras típicas de Portugal. O zagueiro também já fala...

- Guarda-rede (goleiro); golo (gol); avançado (atacante)... no início estranhei um pouco, fiquei meio perdido com as instruções dos treinadores. Mas agora estou acostumado com tudo - garante.

Se perguntar a Sophia qual é o seu clube do coração, ela vai responder de primeira: "Benfica". Aos dois anos, a filha do casal adora ir ao estádio torcer pelo pai e ver a famosa águia, símbolo do time português. Luisão já tem dupla nacionalidade. Adora comer peixe, curte o bom vinho e o azeite português.

- Já tenho o passaporte e agora só falta o bigode (risos). Mas isso nem pensar - disse Luisão, que tem tatuado no antebraço direito o nome da filha.

Ídolo no Benfica, Luisão vai viver uma emoção diferente quando for enfrentar Portugal. Para completar, ele deve enfrentar o amigo Liedson na Copa do Mundo.

- Agora estou bastante identificado com o país, com tudo. É o país que eu vivo, que acolheu toda a minha família. Então não queria que tivesse o duelo. Espero que cheguem os dois países classificados. Mas quero vencer para voltar por cima (risos) - disse Luisão, que é o 19ª personagem da série de reportagens especiais do Jornal Nacional sobre os 23 convocados pelo técnico Dunga.

Aos 29 anos, Luisão está bem adaptado a Lisboa. A família sente-se feliz em Portugal. Em casa, não falta picanha e feijoada. Ao contrário da maioria dos jogadores brasileiros que jogam na Europa, voltar a morar no Brasil não está nos planos.

- São dez brasileiros aqui no Benfica. A gente até brinca que pode virar uma escola de samba.

Luisão é uma pessoa caseira e que adora ficar com a família. No pescoço, o zagueiro carrega um cordão com as letras "L" e "B", inicias do próprio nome e da esposa.

- Fico aqui sem problema. Adoro aqui. Me adaptei super bem. Se ele quiser ficar aqui para sempre, eu fico. Adoro fazer compras (risos). Aqui é muito parecido com o Brasil. A única diferença é que não tem a nossa família. Às vezes só sinto saudade de algumas comidas. E quando está frio, do clima de lá - disse a esposa Brenda.

Luisão, que é fã do Grupo Fundo de Quintal, é de uma família que tem o futebol no sangue. O pai Amaral jogou no Amparo na década de 80 e atualmente é professor de uma escolinha. O irmão Alex Silva faz sucesso no São Paulo, já fez até companhia a Luisão na seleção. E o caçula Andrei está começando a fazer sucesso nas divisões de base do Benfica.

- Só a Andressa se salvou. Minha filha não joga bola. A Andressa, não (risos) - brinca Dona Arlete, mãe do zagueiro.

- São três jogadores de futebol na família. Eu cheguei bem, o Alex Silva também. E o Andrei está começando. A sorte dos meus pais é que a outra é menina (risos). O futebol está no sangue, na genética. A gente acostumava seguir o meu pai. Ele já tinha parado, mas sempre vivia neste ambiente. E a gente foi indo pelo mesmo caminho. Não éramos cobrados pelo meu pai para sermos jogadores. Mas a gente seguiu o mesmo caminho. - completa Luisão.

A família Silva parece combinar em tudo. Os três irmãos não apenas seguiram no futebol como escolheram a mesma posição.

- Só não saiu nenhum atacante para ganhar muito dinheiro. Todo muito joga atrás. A gente sempre preferiu defender (risos) - disse Luisão.

Até no visual, os irmãos Silva parecem estar entrosados. Luisão, Alex Silva e Andrei preferem o estilo "máquina zero".

- As únicas pessoas que têm cabelo aqui em casa sou eu e minha filha. Só as mulheres na família também tem cabelo. Faz muito tempo que comecei a raspar. Desde a Taça São Paulo sou assim. É o meu visual. Acho que também não teve muita escolha (risos).



-Cabelo só em foto de criança. (o pai de Luisão também raspa o cabelo). Desde os 16, ele começou a raspar. O Alex e o Andrei seguiram o mesmo caminho - conta a mãe Arlete.

Nascido em Amparo, cidade do interior de São Paulo, Luisão teve uma infância sem luxo.

- Tivemos momentos difíceis. E não tínhamos recursos para dar os presentes que eles queriam. O mais importante é a educação, que conseguimos dar bem isso para eles. Essa experiência de vida de que passamos foi muito bom - disse Arlete.

A família Silva morava em uma casa simples em Amparo. Não tinha asfalto. Para sair de casa, os irmãos usavam uma tática para não sujar os pés até acabar a estrada de terra.

- Era quase um quilômetro até o asfalto e, às vezes, a gente queria ir para o centro da cidade. Para não chegar com o tênis cheio de poeira ou de lama quando chovia, a gente colocava um saco de plástico em cada pé. Quando chegava no asfalto era só tirar e chegar com o pé brilhando (risos) - lembra o zagueiro do Benfica.

O futebol era a principal diversão na infância. O problema era arrumar um campinho. Por isso, Luisão improvisava um gol na rua mesmo. Azar de Dona Jacira, a vizinha da família Silva.

- Como era uma rua de terra, sem saída, a gente fazia o gol bem em frente a porta da casa dela, onde ficavam umas flores. A gente acabava com tudo. Batia e quebrava. Mas ela sempre se dava bem com a gente. Era uma ótima vizinha. Tenho que comprar um jardim novo para ela (risos) - lembra Luisão.

- Esses garotos jogavam bola e acabavam com minhas flores. Botei uma cerquinha até para ver se adiantava. Mas eles nunca fizeram malcriação - garante Dona Jacira.

Chamado de Ander pelos pais, outra diversão era colecionar álbuns de futebol. Luisão gostava de imaginar como seria ser famoso e ser uma das figurinhas.

- Falava para meus pais que um dia vou estar aqui. E hoje eu sou uma figurinha. Até brincamos porque saiu um álbum lá e ela logo tirou a minha figurinha.

Agora, o zagueiro é uma figurinha carimbada. Alvo de desejo de fãs por todo o mundo."

in Globo Esporte




quinta-feira, 3 de junho de 2010

EUREKA, foi 'isto' que provocou os Murros, e os Pontapés ?!!!

Via Vermelho

Iniciados - 3ª jornada

Guzzo

Maurício


Benfica.........9
Corruptos....6
Guimarães..3
Sporting......0

Juvenis, 1ª jornada





A lesão do Diego Lopes ainda na primeira parte condicionou muito o jogo ofensivo do Benfica, fazendo do nosso 'goleiro' Ederson Moraes o herói da partida defendendo um penalty(muito duvidoso), entre outras intervenções de muita qualidade...

Relembro que a Selecção Nacional deste escalão é praticamente a equipa titular Lagarta, seria de esperar um 'massacre', mas afinal...!!!

Uma palavra para a equipa de arbitragem, a sua exibição foi tão má, mas tão má, que tenho quase a certeza que vão chegar à 1ª categoria, e muito provavelmente a internacionais!!!






Corruptos...3
Benfica........1
Sporting......1
Guimarães..0

Juniores, 3ª jornada




3 jogos, 3 empates !!!
Está na hora de ganhar, e pode ser já no Domingo no Alvalixo, se isso não acontecer o titulo ficará muito longe...!!!


Sporting.......7

Guimarães....4

Benfica.........3

Corruptos.....1

Agora em Castelhano !!!

"EL ENTRENADOR DEL BENFICA TIENE CLARO QUE ES IMPOSIBLE RETENER AL ARGENTINO

Jorge Jesús: "Claro que sé que Di María se va a marchar del Benfica"

SERGIO FERNÁNDEZ. Lisboa 03/06/10

Jorge Jesús (Amadora, 24 de julio de 1954) es, con permiso de Mourinho, el entrenador de moda en Portugal. Acaba conquistar la Liga y la Copa con el Benfica y su objetivo es repetir triunfos esta temporada. A sus órdenes juegan futbolistas contrastados como Aimar y Saviola, y también varias grandes estrellas de los próximos años, como Di María, Fabio Coentrao o David Luiz. Aunque sabe que la próxima temporada no va a poder contar con todos ellos.



Está de moda el Benfica, no sólo por los títulos, sino también porque parece que muchos clubes quieren llevarse a sus jugadores.
El equipo ha jugado este año con mucha calidad. Muy creativos, con mucho gol. Ha sido uno de los dos equipos europeos que han dado ejemplo de juego ofensivo y de técnica: Barcelona y Benfica. Es normal que este estilo guste.



"No hay otro jugador como él en su posición, el futuro es suyo"



Qué nombres le pondría al éxito del Benfica?
Nuestro éxito pasa por el colectivo, no por las estrellas. Fomentamos la idea del vencedor colectivo. Y el público: Portugal tiene 10 millones de habitantes. Pues seis millones son de Benfica.



Muchos conocidos de la Liga española en su once titular. Empecemos por Javi García.
Yo creo que a Javi García no le conocen bien en España. Es un jugador excelente, y ha demostrado toda su calidad en Benfica. Tiene que crecer todavía mucho, porque es un jugador joven.



"Sólo tiene dos equipos para jugar: el Real Madrid o el Barcelona"



Le da miedo que el Real Madrid quiera repescarlo si el próximo año vuelve a jugar así de bien?
Pero el Madrid ya le respescó de Osasuna. Si lo quieren volver a hacer...bueno. Será bueno para las arcas del club. Significará que hemos revalorizado al jugador, y eso es también mérito nuestro.



Saviola también ha brillado.
La afición del Real Madrid conoce muy bien a Saviola, pero esta año ha hecho la mejor temporada desde que es profesional, quizá la primera que hizo en River, pero este año ha estado fantástico. Lo mismo que Aimar, que ya es un hombre contrastado, que ha resurgido con nosotros.



Ha hecho un gran trabajo de recuperación de unos jugadores, que parecían no tener mayor recorrido en la Liga española.
El trabajo de un entrenador es global. Tienes que estar pendientes de todos los aspectos, no sólo de la táctica y la física. Convencer a Saviola de que podía volver a su nivel. Es un niño que precisa mucho cariño del entrenador y yo creo que con nosotros está muy cómodo, y el año que viene va a ser todavía mejor.



"Casillas no me gusta mucho, prefiero a Víctor Valdés. El que de verdad me gusta mucho es Diego López"



Cómo ve a su equipo en la Champions?
Si no perdemos muchos jugadores, uno o dos a lo sumo, Benfica va a ser un equipo fuerte. Hay mucha igualdad en la Champions, quitando uno o dos equipo. Lo que no quiero es encontrarme ni con el Madrid ni con el Barça en esta trayectoria. Esos son para mi los peores rivales.



Veo que está totalmente volcado en el Benfica, a pesar de que su nombre se ha escuchado como posible entrenador de clubes más grandes, incluso como sustituto de Mourinho en el Inter.
Yo lo que quiero esta temporada es quedarme aquí porque la afición del Benfica me tocó en el corazón. Benfica no es campeón dos años seguidos desde el año 1981 y 82. Eso es lo que quiero lograr ahora. Después ya se verá. Me gusta mucho la Liga española, por encima de la italiana y desde luego más que la inglesa.



Es decir, que le atrae la idea de entrenar fuera de Portugal.
Lo que me atrae es ganar la Championes League. Si un equipo en Portugal me puede dar esa opción, bien. Es difícil, pero no imposible. Si Benfica me diera esa opción, no cambiaría Benfica por otro. Si no, tendré que intentarlo fuera.



"Portugal tiene una metodología de entrenamientos que está diez años avanzada con relación al resto del mundo"



Hay muchas diferencias entre Mou y usted?
Sí. Somos completamente diferentes. Él es más joven que yo. Podemos parecernos en algunas cosas, pero tenemos ideas diferentes a la hora de analizar el juego. Mou es el mejor entrenador del mundo porque los mejores son aquellos que ganan. No hay duda.



Los entrenadores portugueses están de moda también
Pienso que Portugal tiene una metodología de entrenamientos que está diez años avanzada con relación al resto del mundo. No todos, somos tres o cuatro, pero estamos mucho más avanzados que los entrenadores del resto del mundo. Ya verás como aparecerán muchos más Mourinhos en el futuro.



Y los españoles, qué opinión le merecen?
Hay tres o cuatro buenos. Pero el mejor de todos, no está entrenando ahora. Luís Aragonés es para mi una referencia de toda la vida. Muchas cosas empiezan con él. Es un genio. Luego Guardiola, por supuesto, y alguno más.



Cuál diría que es la máxima estrella de su equipo?
Es difícil, individualmente diría que Di María. Él es un genio. Tiene las condiciones y la creatividad para ser diferente. No hay un jugador en el mundo como él en su posición. No es el mejor del mundo, porque son Ronaldo y Messi, pero en su puesto, es sin duda el mejor. Es muy fuerte en el uno contra uno, hace goles, asiste, es determinante. Si Di María va al Madrid, va a enamorar a toda la afición. Es un artista con la bola. Tiene 22 años, ¡es un niño! El futuro es suyo.



Si usted fuese Mourinho, ¿le elegiría antes que a Jesús Navas?
Sin ninguna duda. No hay comparación posible. Navas es un buen jugador. Di María es un gran jugador, con mayúsculas.



Tiene usted claro que va a perder a Di María para la próxima temporada, por lo que veo.
Claro qué lo voy a perder. Cualquier entrenador con capacidad financiera querría a Di María, porque no hay jugador de su posición en el mundo como él.



Por qué club le aconsejaría que fichase?
Si él me pide consejo, él sólo tiene dos equipos para jugar: Madrid o Barcelona. Y Benfica, pero Benfica no puede ser"

in Marca
PS: No dia em que os Corruptos confirmaram a contratação do novo treinador, o jornal A Bola, publicou a história que já 'corria' nos bastidores do futebol Português: Os Corruptos tentaram contratar o Jorge Jesus. Dois dias após o Benfica se ter sagrado Campeão Nacional, quando o nosso treinador ainda tinha dois anos de contrato para cumprir...
Mais uma vez falharam, o ano passado após a derrota na Figueira chegaram a ter um acordo verbal, com uma 'segunda volta' positiva, não tiveram coragem de despedir o Juju. Quando o Benfica aproximou-se do Jesus. ainda tentaram 'amedrontar' o Profeta, ameaçando o Jesus: 'se fores para o benfica a tua carreira acaba(!!!)', ao que o nosso actual treinador terá respondido: 'As vossa vitórias é que acabaram, porque comigo no Benfica, não vamos dar abébias!!!'

Fantochada

O Crime compensa, ninguém tenha dúvidas, pelo menos em Portugal o Circo da Impunidade, é Rei...
Quando indivíduos que exercem poderes públicos, manipulam nomeações e classificações de árbitros, quando deveriam ser imparciais. E mesmo sendo apanhados com a 'boca no trombone', com escutas CONCLUSIVAS, onde Presidentes de Clubes escolhem árbitros, fiscais-de-linha, observadores, controlam as avaliações, mudam as classificações no final da época premiando os 'afilhados', e mesmo assim são absolvidos?!!
Pouco se pode fazer...!!!
O desfile emocionado, e supostamente indignado das 'vitimas', à saída da Casa da Injustiça, foi só mais um dos tristes episódios da nossa História, onde os Ratos tentam passar por corajosos!!!
A Injustiça Portuguesa é a melhor propaganda que qualquer Organização Criminosa pode desejar, com decisões destas, o recrutamento é extremamente fácil...!!!
Se a Meretíssima Juíza, depois de ouvir estas Escutas, acha 'duvidoso', a existência dos crimes de falsificação de documentos(!!!), então o que mais seria necessário para a convencer?!!!




"Todos os 16 arguidos do processo de alegada viciação de classificação de árbitros de futebol nas épocas de 2002/03 e 2003/04 foram absolvidos pelo coletivo de juízes da 2.ª Vara do Tribunal Criminal de Lisboa, no Campus da Justiça.

O coletivo de juízes, presidido por Clarisse Gonçalves, ilibou os arguidos por entender "ser duvidoso" concluir pelas práticas de falsificação de documento nas formas consumada e tentada "mesmo que fossem provados todos os factos consubstanciados nos crimes na acusação".

Os juízes consideraram as "provas insuficientes" para que se pudesse comprovar "as condutas dos arguidos" na alegada adulteração das classificações de árbitros, influenciando as promoções e descidas de categorias.

O tribunal considerou admissíveis as escutas telefónicas, mas não as valorou por as interceções serem "inconcludentes" e constituirem "meros elementos probatórios".

A defesa de Pinto de Sousa, presidente do Conselho de Arbitragem (CA) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) de 1983 a 1989 e de 1998 a 2004, e a de António Henriques e António Azevedo Duarte, conselheiros do órgão de 1998 a 2004, requereram a nulidade das interceções na primeira audiência, a 03 de fevereiro.

Nas alegações finais, realizadas a 03 de maio, o procurador contrapôs que as escutas telefónicas foram uma peça importante no apuramento da verdade dos factos e referiu que "a maior prova vem através das escutas".

Além de Pinto de Sousa, António Henriques, António Azevedo Duarte, Francisco Costa e Paulo Torrão, foram absolvidos Luís Nunes, conselheiro do órgão de 1998 a 2004, os observadores João Penicho, Pita da Silva, José Mendonça, Manuel Nabais, Manuel da Cunha e Joaquim Soares e os árbitros António Resende, João Henriques, Marco Santos e António Fernandes.

Na leitura parcial do acórdão, a juíza Clarisse Gonçalves revelou ainda que foram julgados improcedentes os pedidos de indemnização de Fernando Castro Alves e José Arnaldo Silva, ambos da Associação de Futebol do Porto, e de Paulo Alves, da Associação de Futebol de Leiria.

Estes ex-árbitros tinham-se constituídos assistentes no processo, pedindo indemnizações cíveis por, em consequência da alegada viciação de classificação de árbitros, terem perdido rendimentos (cerca de 6000 euros/ano) por terem sido despromovidos de categoria.

Paulo Alves, despromovido à terceira categoria na época de 2002/03, pedia uma indemnização de 120 000 euros a Pinto de Sousa, António Henriques, António Azevedo Duarte, Luís Nunes e Francisco Costa, elementos do CA da FPF de 1998 a 2004.

António Castro Alves e José Arnaldo Silva, despromovidos aos distritais em 2003/04, pretendiam ser ressarcidos em 40 mil euros cada.

Este julgamento foi originado pela certidão 51 do Apito Dourado, um processo judicial sobre eventual corrupção na arbitragem e no futebol profissional e outros crimes associados, uma investigação da equipa da procuradora geral adjunta Maria João Morgado."

in Jornal I

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Discurso para Deputado ouvir !!!

“Deixem-me que comece por agradecer a vossa presença aqui hoje. Sinto-me reconhecido – em nome do Clube – por terem promovido este encontro, mas, sobretudo, por terem aceite que este encontro se realizasse fora da Assembleia da República.

Pode parecer um pormenor, mas é nos pormenores que se afirmam os valores e a ética. É nos pormenores que se revela o carácter das pessoas. É nos pormenores que podemos ver as verdadeiras intenções dos seus protagonistas.

Ao contrário de alguns que acham que a política e o futebol devem viver separados, sou daqueles que defendem que devem colaborar, que devem até empenhar-se em projectos comuns, mas sempre com transparência, sem oportunismos e com a consciência de que a política não deve servir para branquear comportamentos menos sérios, nem o futebol deve apenas servir para promover os políticos em tempo de campanha eleitoral.

Ao contrário de muitos, não sou daqueles que olha com desconfiança os políticos. Acho que devemos muito aos políticos que souberam consolidar a nossa democracia nos últimos 35 anos.

Alguns maus exemplos que possam existir, não nos devem fazer cair na tentação de tomar a parte pelo todo! Porque também no futebol há maus exemplos, mas não é por isso que deixa de haver gente séria e trabalhadora entre nós.

Devemos muito aos políticos, porque a democracia depende deles. Não há democracia sem instituições representativas e políticos fortes. É por isso que quero, nesta representação de deputados, prestar uma homenagem a toda a Assembleia da República.

Servir o Estado é uma função de grande dignidade que exige um profundo sentido de responsabilidade. Administrar o que é público exige rigor e transparência. Exige sentido de dever.

A Casa da Democracia tem por obrigação servir os cidadãos deste país, e a última coisa que deve permitir é que alguns cidadãos se sirvam dela. Tal como a política, o futebol deve ser uma ponte que ajude a transmitir valores a sociedade.

O futebol é, seguramente, o desporto mais poderoso e mais eficaz na transmissão de qualquer mensagem. É por isso que o futebol deve ser posto ao serviço de algumas causas. Dou-vos dois exemplos de como a política e o futebol podem colaborar sem qualquer tipo de promiscuidade.

Recentemente – como devem saber - estive em Timor, numa visita verdadeiramente emotiva. Estamos a trabalhar no sentido de levar a Benfica TV até Timor. Será – sem dúvida - a medida mais eficaz na defesa e promoção da língua portuguesa naquele território que alguma vez se tomou desde que Timor se tornou independente.

A Benfica TV pode e deve ser um instrumento da lusofonia, ao serviço da língua portuguesa, e desta forma o futebol torna-se um instrumento político de enorme potencial sem nunca reclamar nada à política. Sem nunca lhe pedir nada em troca. É assim que as coisas devem funcionar!

A Fundação Benfica tem um projecto junto das crianças e jovens em risco. Num primeiro momento o projecto está a ser implementado na Amadora, mas a nossa intenção é alargar o projecto ao maior número de Câmaras do país.

É uma política de integração e ajuda aos mais carenciados que o Benfica promove sem nada pedir e sem nada esperar do poder político! Política significa decidir, optar, assumir responsabilidades. São verbos que também valem para o futebol. A política deve ser orientada por princípios e deve ser assumida sempre com verdade. O futebol também.

Quer na política como no futebol a desonestidade não deve caber. É de pessoas íntegras que se deve construir a política e o futebol. Esse é o meu desejo!!

Sobre o Benfica, quero dizer-vos que estamos optimistas e apesar de saber que o futebol é uma dialéctica constante entre a realidade e o desejo, creio que tal como este ano, o nosso desejo vai continuar a coincidir com a realidade.

Vivemos tempos em que a única certeza parece ser a da mudança. Tempos de oportunidades, mas também de perigos, porque há novos riscos e ameaças.

A diferença como encaramos estes dois cenários diz muito do que somos. Temos duas opções: ou somos um clube aberto, seguro, confiante no futuro, ou então assumimos uma postura deprimida, fechada, derrotada.

Pela minha parte posso-vos garantir que o Benfica está optimista e seguro das suas capacidades. O Clube voltou a ter futuro, o Clube recuperou a sua história e cresce todos os dias.

Podem ter a certeza, e assim quero concluir, que estamos a trabalhar no sentido de garantir uma equipa competitiva que revalide o título de campeão nacional da presente temporada.

Sabemos onde estamos e para onde queremos ir. Sabemos o que devemos fazer e aquilo que devemos evitar. É com esta garantia que termino esta minha intervenção, reiterando a minha gratidão pela vossa presença aqui esta noite!”

in Site do Spot Lisboa e Benfica- Luís Filipe Vieira

terça-feira, 1 de junho de 2010

Inimputáveis !!!

"O jornalismo deve, em todos os momentos, ser rigoroso, é uma trave mestra da profissão. Infelizmente, e cada vez mais, o problema com que diariamente nos deparamos é a falta de rigor com que os media tratam os factos que evocam.

A época do ano que vivemos pode, efectivamente, servir de atenuante para a falta de rigor que alguns jornais evidenciam. Na verdade, o interesse de muitos protagonistas que vivem do futebol (Presidentes de Clubes, empresários, assessores de comunicação) – contaminam e induzem - muitas vezes de forma propositada - em erro os respectivos jornalistas.

É evidente que um Clube como o Benfica não pode desmentir todas as notícias que diariamente e sem qualquer fundamento são publicadas nos mais diversos meios, de outra forma, os seus profissionais desperdiçariam grande parte do seu tempo. Mas sendo isso certo, devem, no entanto, quando os factos o justificam, alertar os respectivos jornalistas para a falta de rigor ou para o facto de estarem a ser usados por determinado tipo de agentes desportivos.

Vem isto a propósito da edição de hoje do jornal Record em que, mais uma vez, o guarda-redes do Sporting de Braga, Eduardo, é apresentado como potencial alvo do Sport Lisboa e Benfica.

Já uma vez desmentimos publicamente tal interesse, tamanha a insistência do jornal. Já várias vezes, de forma privada, avisamos do erro grosseiro em que se estavam a deixar enredar.

De nada parece ter adiantado. Tal comportamento só nos pode levar a concluir que o 'Record' não se importa de enganar os seus leitores! Para que fique claro de uma vez por todas e usando uma terminologia do próprio jornal: o guarda-redes Eduardo não está na primeira, segunda ou trigésima linha do Sport Lisboa e Benfica. E já agora, o guarda-redes Vítor também não!

Ninguém do Benfica alguma vez manifestou ou estabeleceu, com os responsáveis do Sporting de Braga, qualquer contacto. A partir daqui, e se insistirem no tema, os leitores do Record ficam a saber que só são enganados se quiserem!!"

in Site Sport Lisboa e Benfica