Últimas indefectivações

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Lixívia 7

Tabela Anti-Lixívia:
Benfica......14 (-5) = 19
Sporting.....17 (-1) = 18
Corruptos...19 (+4) = 15
Braga.........12 (+2) = 10

A nomeação de Manuel Mota para  o nosso jogo, deixou-me muito preocupado... é que o Mota já foi publicamente 'desmascarado' como sendo Benfiquista!!! E como o outro que está nas mesmas circunstâncias, apita como apita, qualquer verdadeiro Benfiquista avisado, tem que ficar preocupado, quando estes senhores, se assumem Benfiquistas!!!
Na época anterior, o Manuel Mota foi o único árbitro que 'conseguiu' ser responsável directo pela perda de pontos aos Corruptos, com um erro próprio: nos Barreiros com um penalty que ficou por marcar a favor dos Corruptos!!! Pouco tempo depois, foi novamente nomeado para os Barreiros, desta vez para o jogo com o Benfica, um jogo supostamente decisivo, na altura... Na dias que antecederam o jogo, muitas foram as páginas dedicadas ao Manuel Mota, incluindo como é óbvio, o seu suposto clubismo... Felizmente o Benfica venceu esse jogo, com alguma sorte é verdade, mas sem ajudas arbitrais, e no final do jogo, ainda ficaram 2 penalty's por marcar sobre o Cardozo, mas a semente estava lançada, e o Manuel Mota a partir desse jogo, passou a ser visto como um árbitro Benfiquista!!! A verdade é que nos jogos do Benfica que apitou, nunca foi muito 'amigo'... e ainda bem, porque senão estava desgraçado!!! Mas tenho que admitir, que em comparação com outros apitadeiros, o Manuel Mota não Roubou o Benfica à descarada (vários jogos com o Beira-Mar!!!), alguns erros, critério disciplinar torto, mas nenhum daqueles lances demasiado evidentes para ser só incompetência e que lesam pontos...
Esta minha opinião sobre o árbitro, ainda me deixou mais preocupado, até porque a semana passada apitou os Corruptos B - Santa Clara, com uma actuação vergonhosa, favorável como é óbvio aos Corruptos... Sabendo como se fazem as carreiras em Portugal, mais tarde ou mais cedo, o Manuel Mota vai ter que mostrar 'obediência' ao Sistema, num jogo 'grande', num momento importante... felizmente, ainda não foi ontem.

Os jogadores do Benfica estão tão pouco habituados a beneficiar de penalty's, que nem sequer os sabem marcar!!! Vou repetir aquilo que já escrevi sobre estes lances. A regra da Mão da Bola é explicita: tem que existir um acto deliberado, que inclui as situações onde os defesas aumentam a volumetria do seu corpo para impedir a passagem da bola. A regra é clara, a interpretação dada à regra, é que é subjectiva. Em Portugal, normalmente marca-se tudo... excepto quando é contra os Corruptos. Nas discussões dos paineleiros, defende-se quase sempre, que deve-se marcar sempre penalty. Mas isso, não muda a regra: tem que existir um acto deliberado. Neste caso especifico, na minha opinião o jogador do Estoril, não teve qualquer intenção de jogar a bola com a Mão, assim sendo, o penalty foi mal marcado. 'Felizmente' o Lima falhou!!!
No capitulo disciplinar o Manuel Mota esteve muito mal. Aliás noutros jogos que ele apitou do Benfica, nunca esteve bem neste capitulo, sempre em prejuízo do Benfica:
- A falta mais grave, merecedora de vermelho directo, não foi bem decidida: Seba sobre Siqueira. 'Tesoura' por trás, e sem bola, quem tinha a bola era o Garay, vermelho directo, claro... e ficou pelo amarelo!!!
- Filipe Gonçalves, foi bem expulso, com 2 amarelos justos. O sentimento de impunidade que os Estorilistas sentiram em termos disciplinares, que permitiu várias entradas duras durante a partida, neste caso, levou ao exagero, e deu em vermelho!!!
- Não posso concordar com a expulsão do Maxi. No 1.º amarelo, até concordo, o problema é que 99% dos jogadores naquelas circunstâncias, nunca levavam amarelo, depois de se ter dado a lei da vantagem... No 2.º amarelo, foi tudo teatro do Gerso, que levou uma chapada no peito, e ficou agarrado à cara!!!
- Alguns pedem vermelho directo para o João Pedro Galvão, pela chapada na cara do Maxi, pessoalmente acho um exagero. Os jogadores normalmente utilizam os braços, para afastar os adversários, para proteger a bola, o objectivo é colocar os braços no tronco dos defesas, mas às vezes, sem intenção, as Mãos batem nas caras dos adversários, que foi o que aconteceu neste caso... Existe uma teoria radical que defende vermelho directo nestes casos, acho que é um exagero, sem intenção para magoar o amarelo fica bem... agora, deveria era ser sempre o mesmo critério, porque se fosse o Maxi a dar uma chapada ao adversário, tínhamos tema para a semana toda!!!
- Uma nota ainda sobre o golo do Estoril. Se o braço do Balboa em cima do ombro do Luisão, pode ser explicado pela má leitura do Capitão sobre a trajectória da bola, e consequente 'não salto' do Luisão, já o aparente agarrão ao Matic parece-me falta. É verdade que as imagens não são claras, mas dá claramente a ideia que o jogador do Estoril, 'encostou-se' ao Matic com a única intenção de impedir o salto do Sérvio... e parece que agarrou mesmo...


Os Corruptos quando jogam fora, normalmente são sempre apitados por um consócio, e mesmo em Arouca, casa amiga, com um Presidente amigo, um treinador amigo, e vários jogadores amigos, não se esqueceram do consócio!!!
Houve vários casos disciplinares, quase todos decididos bem - o Helton jogou a bola, não fez falta -, o mais extraordinário foi o critério das Bolas na Mão. Houve várias, e só o Lucho levou amarelo... Sendo a mais grave o caso do Mangala. Além do amarelo que levou, no início da 2.ª parte fez Mão na Bola - aumentou a volumetria do corpo -, e no final da partida, atingiu com uma cotevelada um adversário na cabeça, quando já tinha o amarelo. É inacreditável como é que este jogador continua a passar impunemente pelos campos Portugueses, um digno sucessor do Bruto Alves!!!
O principal erro do árbitro, acabou por ser a cuspidela do Josué, que ainda pode acabar em Sumaríssimo, vamos ver... neste caso o árbitro tem a desculpa, de não ter visto.
Uma nota para o Hugo Miguel, que no Corruptos B - Sp. Covilhã, depois de validar um golo aos Serranos, por indicação do 4.º árbitro alterou a decisão!!! Vendo na televisão até parece que a decisão foi correcta, mas eu pergunto, será que ele teria a coragem de fazer o mesmo, numa situação inversa?!!!

Em Alvalade, quando não marcam em fora-de-jogo, lá aparece uma oferta dos adversários... a vaca não vai durar para sempre!!! Duarte Gomes 'trocou' os penalty's!!! Primeiro marcou um penalty, a favor do Sporting, quando foi o Marcelo a fazer falta sobre o jogador do Setúbal, e depois não quis marcar outro penalty a favor do Sporting, sendo que o 2.º existiu mesmo!!!

O Juju chegou a dizer que ganhar para ele era como lavar os dentes - quando tinha os Proenças e afins no plantel, jornada após jornada... -, agora, em Braga, com ajudas em menor escala, julgo que só vai lavar os dentes uma vez por mês!!! Nada a assinalar na Choupana...


Anexos:
Benfica
1.ª-Marítimo(f), D(2-1), Jorge Sousa, Prejudicados, (2-2), (-1 ponto)
2.ª-Gil Vicente(c), V(2-1), Paulo Baptista, Prejudicados, Sem influência no resultado
3.ª-Sporting(f), E(1-1), Hugo Miguel, Prejudicados, (0-2), (-2 pontos)
4.ª-Paços de Ferreira(c), V(3-1), Paixão, Nada a assinalar
5.ª-Guimarães(f), V(0-1), Bruno Esteves, Prejudicados, Sem influência no resultado
6.ª-Belenense(c), E(1-1), Jorge Tavares, Prejudicados, (2-0), (-2 pontos)
7.ª-Estoril(c), V(1-2), Manuel Mota, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado

Sporting
1.ª-Arouca(c), V(4-1), Rui Costa, Nada a assinalar
2.ª-Académica(f), V(0-4), Soares Dias, Beneficiados, Sem influência no resultado
3.ª-Benfica(c), E(1-1), Hugo Miguel, Beneficiados, (0-2), (+1 pontos)
4.ª-Olhanense(f), V(0-2), Benquerença, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado
5.ª-Rio Ave(c), E(1-1), Xistra, Prejudicados, (2-1), (-2 pontos)
6.ª-Braga(f), V(1-2), Paulo Baptista, Nada a assinalar
7.ª-Setúbal(c), V(4-0), Duarte Gomes, Beneficiados, Prejudicados, Sem influência no resultado

Corruptos
1.ª-Setúbal(f), V(1-3), João Capela, Beneficiados, Impossível contabilizar
2.ª-Marítimo(c), V(3-0), Jorge Ferreira, Beneficiados, Sem influência no resultado
3.ª-Paços de Ferreira(f), V(0-1), Rui Costa, Beneficiados, (0-0), (+2 pontos)
4.ª-Gil Vicente(c), V(2-0), Hugo Pacheco, Prejudicados, (3-0), Sem influência no resultado
5.ª-Estoril(f), E(2-2), Rui Silva, Beneficiados, Prejudicados, Impossível contabilizar
6.ª-Guimarães(c), V(1-0), Proença, Beneficiados, (0-0), (+2 pontos)
7.ª-Arouca(f), V(1-3), Vasco Santos, Beneficiados, Impossível contabilizar

Braga
1.ª-Paços de Ferreira(f), V(0-2), Bruno Paixão, Nada a assinalar
2.ª-Belenenses(c), V(2-1), Xistra, Beneficiados, Impossível contabilizar
3.ª-Gil Vicente(f), D(1-0), Vasco Santos, Beneficiados, Sem influência no resultado
4.ª-Estoril(c), V(3-2), Capela, Prejudicados, Beneficiados, Impossível contabilizar
5.ª-Arouca(f), V(0-1), Marco Ferreira, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
6.ª-Sporting(c), D(1-2), Paulo Baptista, Nada a assinalar
7.ª-Nacional(f), D(3-0), Soares Dias, Nada a assinalar

Jornadas anteriores:

Épocas anteriores:

3 pontos, só para contrariar !!!

Estoril 1 - 2 Benfica

Esta vitória não vai servir para acabar com a turbulência em volta do Benfica, mas pelo menos adiou a festa de muita gente... incluindo, muitos supostos Benfiquistas!!!
Tendo em conta a pressão que foi colocada em cima da equipa esta semana, tendo em conta os erros que cometemos durante este jogo - penalty falhado, mais um golo sofrido num canto, Lima sozinho volta a falhar... -, tendo em conta mais uma onda de lesões, esta vitória, mesmo jogando sem convencer, é muito saborosa...

Em Alvalade, as consequências da lesão do Salvio foram analisadas por todos, mas muitos esqueceram-se de somar ao tremendo azar do Toto, a lesão do Gaitán, que por acaso nesse jogo até estava a ser o melhor jogador em campo. Ficámos sem os nossos dois alas, os dois principais criadores de jogo ofensivo. É verdade que no caso do Nico, a regra, é a irregularidade... mas nestes minutos que jogou após a lesão, principalmente hoje, mostrou que estava a fazer falta, mesmo com todas as 'brancas' que lhe passam pela cabeça!!!

O Jesus tinha razão, quando disse que o Cardozo quando voltasse a marcar, não parava mais... hoje, mais um golaço, e com o pé direito. Recordo-me de um grande golo em Matosinhos com o mesmo pé, o Tacuara tem pouca confiança no pé direito, mas devia tentar mais...

Já o disse muitas vezes, o futuro do Benfica, está na Militância dos nossos adeptos. A guerra que está a ser travada contra o Benfica, é tremenda. Relembro os mais esquecidos - ou aqueles que se recusam lembrar -, as últimas equipas que se recusaram vender os Direitos Televisivos ao Oliveira, desceram todas de Divisão...!!!
Ainda por cima os nossos 'amigos' - por exemplo os nossos parceiros da CMTV!!! - parece que estão convencidos que a mudança de treinador no Benfica, irá criar uma nova onda de entusiasmo, que trará mais gente ao Estádio, e mais audiências na TV...!!!
Nestes períodos conturbados nascem também as teorias mais malucas, para explicar o que cada um quer, ou deseja. Desde dos jogadores estarem a fazer a cama ao treinador - por acaso hoje esqueceram-se de a fazer, calões!!! -, até às divisões entre os dirigentes, etc, etc,... Uma das mais famosas esta semana, foi a teoria onde todos nós já descobrimos, agora, que foi um erro renovar com o Jesus...!!! Acho este argumento engraçado, até porque se o Vieira não renova com o Jesus, e contrata outro treinador qualquer... e a Roubalheira que o Benfica tem estado a sofrer neste início de época se mantém, então os mesmo 'oráculos', iriam dizer: 'Depois do despedimento do Fernando Santos, a não renovação com o Jesus foi o maior erro do Vieira'!!! Nos dois cenários, o Benfica, não renovava com a SportTV, portanto a Roubalheira 'amplificada' (a roubalheira existiria sempre, com o clubezeco Corrupto a fazer tudo para ser Campeão, mas agora com o Oliveirinha contra, o Roubalheira é amplificada!!!) seria sempre uma constante, independentemente do treinador, portanto como o Jesus ficou, argumenta-se que foi um erro, se ele tivesse ido embora, o erro teria sido em mandá-lo embora...!!! É tão fácil ser 'manager' de teclado, ou do café!!!

PS: Agora no final do jogo, posso afirmar: ainda bem que o Lima falhou o penalty (muito mal marcado diga-se, com uma paradinha até tinha sido fácil, já que o Vagner atirou-se muito antes da bola ser rematada)!!! Senão seria mais um penalty 'duvidoso' a favor do Benfica!!! Por mais estúpido que possa parecer, tenho a certeza que esse seria o principal argumento de todos os paineleiros durante a semana, tentando provar que as criticas do Benfica à arbitragem são despropositadas!!!
Pessoalmente acho que não era penalty, já que o acto não foi deliberado, mas em Portugal, normalmente marca-se este tipo de Mão na Bola, principalmente a favor dos Corruptos - nunca contra -, inclusive neste jogo, no lance da lesão do Markovic, a Mão na Bola, na minha opinião, é 'mais' deliberada, e a falta não foi marcada...!!!

domingo, 6 de outubro de 2013

Golos, e golos...

Benfica B 5 - 1 Ac. Viseu

Mais um bom jogo da nossa equipa B, com muitos golos marcados, e outros tantos falhados. O Ivan Cavaleiro continua em grande, e com a onda de lesões nos extremos da nossa equipa A, pode até ser promovido durante esta época... Em relação ao ano passado, temos claramente um estilo de jogo mais positivo.
O resultado é algo enganador, marcámos cedo, e talvez por isso a equipa de Viseu nunca demonstrou vontade em colocar o 'autocarro', e por isso tivemos um jogo aberto com várias oportunidades nas duas balizas, tanto assim, que o Oblak foi um dos melhores em campo, com 4 a 5 defesas de grande nível!!! É verdade que o nosso meio-campo defensivamente podia ter feito melhor, mas também temos que dar o mérito ao adversário - com vários jogadores com experiência de 1.ª divisão!!! -, que ao contrário da maior parte das equipas, tentou jogar futebol positivo...

Na final...

Galitos 54 - 102 Benfica
16-31, 12-24, 18-21, 8-26

Jogo fácil - tivemos quase a dobrar a pontuação!!! - mas que demonstrou, que o Jobey Thomas veio para o Benfica, para jogar Basket... e ao contrário de tantos jogos nas últimas épocas tivemos 48% nos triplos com o Mário Fernandes a ajudar o veterano Americano...
A Final-Four do Troféu António Pratas, além do Benfica, terá a Ovarense, o Sampaense e o Maia Basket.

Injusto

Benfica 2 - 2 Leões de Porto Salvo

Não vi o jogo, mas pelas informações que recolhi, este resultado é extremamente injusto. A falta de eficácia ofensiva, e 1 minuto de desconcentração onde sofremos dois golos, parece que explicam o empate... e perto do final foi o Leões de Porto Salvo a beneficiar de um livre de 10 metros, que podia ter dado ao marcador um aspecto ainda mais injusto!!! Não foi por falta de atitude, tivemos momentos muito bons, mas a bola não quis entrar...!!!
Foi pena, perder o registo 100% vitorioso, até porque psicologicamente era importante manter a distância de 2 pontos para os Lagartos, mas este Campeonato só se decide no Play-off... e por outro lado, é bom a equipa do Benfica saber, que ainda existe muito trabalho pela frente.

PS1: As informações sobre o jogo, dão conta de mais uma arbitragem vergonhosa, principalmente na 2.ª parte. Como não vi, não comento, agora estatiscamente, não deixa de ser engraçado que mais uma vez o Benfica não tenha tido um livre de 10 metros à disposição!!! Se bem me recordo, até agora em todas as jornadas, tivemos 2... eu até costumo defender que falta ao Benfica, um especialista em livres de 10 metros, mas realmente com a quantidade de faltas que são marcadas aos nossos adversários, não é preciso!!!

PS2: Nunca mais chega o dia 15 de Outubro, a suposta data de estreia da nova Benfica TV2, assim este tipo de problemas com a sobreposição de directos deixará de acontecer. Espero que exista coordenação entre os Pavilhões da Luz e o Caixa Futebol Campus, e não se marque jogos para a mesma hora, no passado isso chegou a acontecer entre as modalidades e os jogos de formação no Seixal...!!!

PS3: Uma nota para a vitória do Hóquei Patins no Torneio das Vindimas, onde derrotámos o Sporting e o Candelária, apesar do curtíssimo tempo de treino conjunto, entre o treinador e os jogadores, a maior parte deles ocupados com o Mundial de Angola.
A outro nível, parece que o sofrimento, com os Livres Directos falhados em catadupa, vai continuar!!!

Andas a brincar connosco, ó Jorge!


sábado, 5 de outubro de 2013

Bom jogo...

Benfica 33 - 25 Águas Santas

Boa vitória, num jogo competitivo, contra uma equipa que recentemente derrotou os Corruptos em pleno antro Corrupto!!!
O Ronny (Semedo) além dos golos de 7 metros, esteve muito bem no ataque, principalmente nos cruzamentos, com entradas aos 6 metros. Gostei também da leitura do banco em relação ao Tiago Pereira - que fez um excelente jogo -, têm que jogar os melhores em cada momento, e se em determinado momento isso significa: pôr o Carneiro no banco, que assim seja feito...!!!
Resumindo, gostei da equipa hoje, a rotação do plantel foi mais sustentada, ao contrário da rotação algo absurda que tivemos no jogo com o Sporting.
Como antevi na pré-época, temos alguns jogadores que só defendem, e outros que só atacam, algo normal, o problema, é a quantidade!!! Numa situação ideal, tínhamos que fazer 3 substituições defesa/ataque, o que é na prática, impossível fazer em cada transição defensiva... já que os adversários com reposições rápidas, mesmo após golo, fazem contra-ataques muito perigosos. Hoje, com a ausência do Chernov (creio que por lesão) tudo se tornou mais natural...
Só uma nota sobre a arbitragem: é tão fácil, excluir jogadores do Benfica, não é...!!! Nem discuto, as exclusões do Benfica, algumas ridículas, mas teoricamente as regras são iguais para as duas equipas. E se na estatística vai dar a impressão que a arbitragem até foi equilibrada, isso só acontece porque perto do final da partida, já com o resultado 'fechado', a defesa do Águas Santas foi finalmente penalizada... porque na maior parte do jogo, a impunidade foi geral!!! Antigamente era o Rui Silva, hoje é o José Costa o mártir, é impressionante a forma como é permitido defender o pivot do Benfica!!!

Vitória de entrada...

Benfica 3 - 0 Ac. Espinho
25-22, 25-15, 25-19

Missão cumprida, na 1.ª jornada da 1.ª Fase do Campeonato Nacional. Vitória justa, mesmo com muitas falhas, típicas do início de época... a coordenação do Perini com o resto da equipa ainda está um pouco 'perra'!!!
Gostei da rotação da equipa, hoje todos jogaram, algo que nas épocas anteriores acontecia com menor frequência. Tanto o Ché como o Tavares têm que ter muitos minutos... para dar descanso aos colegas, e para terem ritmo de jogo para quando forem chamados para os jogos a 'sério'!!! O regresso do Honaré após lesão também foi uma boa notícia...
A Ac. Espinho no 1.º set ainda manteve alguma incerteza no marcador, mas com o decorrer do encontro foi visível a quebra física dos Espinhenses e a melhoria do Benfica...
A surpresa do jogo, acabou por ser a titularidade do João Oliveira. O jovem que veio de Guimarães acabou por deixar uma excelente primeira impressão. Mostrou confiança no remate, e esteve bem na defesa, talvez o bloco seja a técnica onde tem que evoluir mais... Com a ausência do Flávio, o miúdo, não tremeu, mostrou mesmo que pode ser opção válida, nestes tipo de jogos, talvez ainda não esteja preparado para os jogos 'grandes' mas para o nível normal dos nossos adversários, serve perfeitamente...

PS: Os vizinhos do Ac. Espinho, o Sp. Espinho, anunciaram hoje as razões da não inscrição das várias contratações que efectuaram. Sendo que vários jogadores são estrangeiros. Afinal, o clube está sobre a alçada de um gestor judicial, que não permitiu o pagamento de uma divida à FPV (existem vários credores), e enquanto a divida se manter, não existe pão para malucos!!! É caso para dizer: finalmente as regras existem para o Sp. Espinho!!! Que anda à várias épocas a enfiar calotes... e que entre os pingos da chuva, consegue sempre passar incólume. É preciso ter muito descaramento, fazer um investimento tão grande na equipa, como eles queriam fazer para este ano, com o rol de dividas que têm...!!!
E assim, cumprindo com regras, que todos os outros têm que cumprir, o Sp. Espinho nesta 1.ª jornada foi derrotado em casa pelo Esmoriz!!! E para a semana o Benfica vai deslocar-se a Espinho para defrontá-los!!! Mantendo-se o plantel assim, espero uma tareia a sério, daquelas histórias, não merecem mais...!!!
Destaque também, para a vitória do Madalena em casa, frente ao Castelo da Maia.

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Simples...


... é isto...
E se juntarmos a esta merda toda, o Sistema Azulado - frutado, dourado... -, ficamos com uma montanha mais alta do que o Evereste para escalar!!!

Bom arranque...

Benfica 94 - 59 Algés
16-16, 25-10, 24-16, 29-17
Barroso(17), Betinho(15), Thomas(13), Andrade(12), Fernandes(9), Weaver(8), Fonseca(6), Carreira(4), Ferreirinho(4), Gentry(2), Castela(2), Belo(2)


Primeiro jogo oficial da época, no Torneio António Pratas, versão Liga (os B's estão a jogar o mesmo Torneio mas na versão Proliga (2.ª divisão)!!!
Primeiro período intermitente, mas a meio do 2.º período demos uma sapatada na partida e o Algés nunca mais incomodou. Para início de época, gostei bastante da equipa... ainda é cedo para tirar conclusões, mas pareceu-me ver uma equipa mais solta no ataque. A entrada do Mário Fernandes, um verdadeiro 1.º base, pode vir a explicar essa evolução.
Tinha algumas dúvidas sobre o Jobey Thomas, derivado a sua idade, mas pelo que vi hoje, pareceu-me estar fisicamente apto para jogar Basket... o Weaver também deu boas indicações. Com tantos jovens Benfiquistas nos plantéis de várias equipas da Liga, é bom assistir à entrada progressiva de vários jovens oriundos da nossa cantera no plantel principal do Benfica: Barroso (veterano!!!), Ferreirinho e Castela (jogadores com muito futuro seguramente) e ainda o Belo...
Com a equipa B, na Final Four do Torneio António Pratas na versão Proliga, seria interessante fazer o Bi... na Liga!!! Mas será difícil já que os B's vão defrontar a equipa Corrupta 'mascarada' de outra coisa qualquer, nas meias-finais!!!

Urge mais Benfica

"Seis jornadas apenas e os dados estão lançados. Lançados e reforçados. Há um Benfica convincente? Não há, não houve ainda. Há um FC Porto convincente? Não há, não houve ainda. Cinco pontos de diferença? Este FC Porto vale essa vantagem relativamente a este Benfica? Não vale.
Valem, como disse o presidente, Luís Filipe Vieira, desastrosos desempenhos das equipas de arbitragem. Houve, até agora, algum jogo com benefício do Benfica? Não houve. Houve, isso sim, quatro penáltis por marcar e dois golos sofridos, com influência nos desfechos, consabidamente irregulares. E o FC Porto? Sempre favorecido. No Estoril, a grande-penalidade foi falsa? E não teria que ser expulso o central argentino da equipa, quando o despique estava ainda na fase inicial?
O Benfica está ainda longe de ser persuasivo, está aquém das expectativas. Vieira também o disse, sem quaisquer pruridos ou reservas mentais. Ainda assim, a luta afigura-se desigual. A proteção ao emblema azul, em detrimento do Benfica, pode decidir a conquista da Liga. Pedro Proença, na última ronda, mais uma vez, empurrou a turma nortenha para o triunfo. A batota é inadmissível. Mitiga a angústia benfiquista? De certa maneira, ainda que reforce o espírito de indignação. Só que o colectivo tem que jogar mais. Jogar mais e melhor do que produziu frente ao Belenenses. Vai consegui-lo? Só pode. E, nessa altura, as críticas à arbitragem terão ainda mais assentimento, terão outra razão, terão maior justeza.
A urgência de mais Benfica caminha de mão dada com a urgência de equidade nas arbitragens. Temos que fazer melhor o trabalho de casa para vencermos, com nota elevada, o exame a este apito deplorável."

João Malheiro, in O Benfica

«A canalha varre-se!»

"1. Tenho na minha vida pessoal demasiados exemplos negativos para poder criar uma boa opinião dos polícias. Como em todas as profissões há gente educada, convicta que a farda que veste é uma responsabilidade, dedicada ao seu verdadeiro oficio - servir as pessoas. Depois há outros - aqueles para quem a farda e o crachá são sinónimos de prepotência. Descarregam sobre os incautos a frustração de personalidades medíocres e mal formadas. Uma vez assisti a um ministro da Administração Interna justificar em directo, na televisão, as cargas policiais sobre manifestantes que, ao tempo, eram uma espécie de pão nosso de cada dia. Dizia a cavalar figura. «A canalha varre-se!» De outra vez, vi no Terreiro do Paço um grupo de polícias varrer à bastonada e com jactos de água outro grupo de polícias. De que lado estava a canalha?
2. Tenho na minha vida pessoal demasiados exemplos negativos para poder criar uma boa opinião dos juízes. Sobretudo aqueles que se instalaram a «Oeste de Pecos», esse território sem lei que se espalha nas margens de um rio bem mais lamacento do que dourado. Nos dias que correm, qualquer um é juiz - crianças de colo, imberbes impreparados, garotos sem qualquer conhecimento da complexidade da vida e da essência da condição humana. A justiça deixou de se escrever com letra maiúscula.
3. Lembrei-me, não sei porquê, que um jogador do FC Porto foi castigado com três jogos de suspensão por ter agredido barbaramente um «steward». E por mais que o copiador-de-livros-alheios ou o plumitivo-televisivo queiram desmentir os factos, há o testemunho de outro agressor, um romeno regressado à Roménia, que pediu desculpa pela cena degradante da qual fizera parte.
4. Também foi um polícia, embora à paisana, o responsável pelo incêndio das bancadas da Luz.
5. Mudar a data de nascimento não é apenas uma trafulhice ordinária como revela uma extrema estupidez. Talvez mude a minha, um destes dias. Para 1910. Só para provar que posso viver mais de 100 anos..."

Afonso de Melo, in O Benfica

Temos de jogar mais e melhor

"Depois do jogo de sábado contra o Belenenses, e da passada quarta-feira em Paris, estava aqui a pensar se conseguia dizer bem de alguma coisa que o Benfica tenha feito e tenho sérias dificuldades. Bem, o árbitro de quarta era melhor que o de sábado. Mas o de sábado não foi escolhido por ser bom, foi escolhido para fazer o que fez, e por isso arbitrou. Como aliás também arbitrou o do Ajax-Milan e o do FC Porto-V. Guimarães, todos ao mesmo nível ou com falta dele.
Se me lembrar que o pesadelo da última época começou contra o Estoril, só me resta pedir que o pesadelo desta acabe precisamente domingo, no António Coimbra da Mota. Na liga milionária, Benfica e Porto perderam essencialmente porque são piores, se o jogo se repetisse era provável que se verificassem resultados parecidos. Mas no campeonato, contra o modesto Belenenses, mesmo com uma vergonhosa arbitragem, não vejo muitas atenuantes para um resultado incompatível com os objectivos do Benfica.
Fazer de conta que não há uma depressão colectiva, que os adeptos vão cada vez menos ao estádio, que acreditam cada vez menos é negar uma realidade que urge inverter. Por mim era já no domingo, e de forma clara para não deixar dúvidas. O campeonato pára três semanas e não me apetece ficar nesta depressão, sem sinais de mudança de rumo, durante tanto tempo.
Se é certo que o campeonato não está perdido, a Liga dos Campeões está em aberto e a Taça não começou, também é verdade que a jogar assim, aspiramos a pouco. Qualquer Tavares de Aveiro nos tira dos objectivos, até porque há Bertinos muito gratos e cheios de ambição.
Em resumo, temos de jogar muito mais e melhor e mesmo assim pode não chegar. Eu defendi sempre a equipa quando joga bem, basta isso para que eu volte a defendê-la.
Parabéns ao voleibol pela conquista da Supertaça."

Sílvio Cervan, in A Bola

Roleta russa no Casino Estoril?

"A plebeia passagem do Benfica pelo Parque dos Príncipes não deve ser vista apenas como três pontos perdidos contra um dos milionários da Liga dos Campeões mas sim como um momento nefasto para a imagem dos encarnados. Poderá, à primeira vista, pensar-se que um jogo tão mau só se explica com a falta de empenho dos jogadores. Mas, francamente, não me parece justa essa conclusão. Aquilo que parece ser verdade é que a equipa do Benfica está bloqueada psicologicamente e há um querer e não poder generalizado. O final da época passada foi traumatizante e os encarnados não conseguiram ainda afastar os fantasmas que nasceram na Luz, cresceram no Dragão, envelheceram em Amesterdão e entraram na História no Jamor...
O Benfica, neste momento sensível, em que investiu na manutenção dos principais jogadores e está a lançar um canal de pay-tv, tem um problema e não foi até agora capaz de acertar com aquilo que pode ser a sua solução. Enquanto não o fizer só por acaso sairá de uma crise que poderá impossibilitá-lo de discutir o título com um FC Porto cheio de dúvidas e classificar-se para os oitavos de final da Champions num grupo claramente acessível.
Esperar-se-ia de uma equipa que se conhece na perfeição que, com mais tempo de contacto e vários reforços de reconhecida qualidade, melhorasse a performance. Não é isso que se vê. No domingo, no António Coimbra da Mota contra o Estoril-Praia, clube que marcou o início da Via Dolorosa encarnada, Jorge Jesus tem uma prova de fogo. Precisa de ganhar e, sobretudo, precisa de mostrar ao mundo que continua a ter condições para dar a volta por cima e tirar o grupo de jogadores que Luís Filipe Vieira lhe confiou da depressão em que está mergulhado."

José Manuel Delgado, in A Bola

Polícia dourada

"1. Na segunda-feira da passada semana, quando escrevi o artigo para o nosso Jornal, nem me passava pela cabeça que a entrada de Jorge Jesus no relvado para defender o nosso adepto tivesse tão grande repercussão. Na brincadeira, até dizia que o nosso treinador não se deveria ter metido naquela embrulhada mas que o fizera por uma 'boa causa'. Afinal, as coisas atingiram um ponto tal que foi o grande tema da semana e ainda não se sabem as suas consequências. Quando tudo teria sido muito mais simples e facilmente resolvido se a polícia se tivesse limitado a cumprir a sua tarefa... sem exageros. A forma como 'atacaram' o adepto teria justificação se este tivesse entrado no relvado para se dirigir ao árbitro ou a algum jogador adversário. Para, muito simplesmente, receber uma camisola de um dos seus ídolos, teria bastado alguma compreensão.
Depois, a acusação a Jorge Jesus de dupla agressão faz lembrar as 'jogadas' do Apito Dourado. Felizmente, existem as imagens televisivas, Jorge Jesus não esteve bem, chegou a estar descontrolado, mas o seu objectivo foi sempre, e só, o de proteger o adepto, nunca o de atacar a polícia. É óbvio. Se, entretanto, surgiram outras interesses e ele passou a agressor, só há que lamentar.
Sempre quero ver se, desta vez, ao invés do que se passou com os principais intervenientes no Apito Dourado, haverá condenações...
2. Diferenças. O FC Porto jogou mal e ganhou... graças a um penálti 'fantasma' arranjado por Pedro Proença.
O Benfica jogou mal e empatou... graças a um golo com fora-de-jogo e um penálti indiscutível não assinalados e ambos penalizando o Benfica. Enfim, soma e segue neste Campeonato...
3. ...E soma e segue o 'melhor árbitro do Mundo', que falha pouco mas, pelos vistos, sempre para os mesmos lados. Gostaria que me indicassem um jogo, um só, em que ele tivesse prejudicado o FC Porto. E gostaria que me indicassem um jogo, um só, em que ele tivesse beneficiado o Benfica. Porque, ao contrário, os exemplos são vários."

Arons de Carvalho, in O Benfica

Coroas e Caras

"O passado fim-de-semana poderia ser evocado, simultaneamente, como paradigma do que de melhor e de pior tem para oferecer o Desporto nacional.
Do lado positivo, é de sublinhar o triunfo de Rui Costa em Florença, colocando-o na esteia de Agostinho como figura cimeira da nossa velocipedia. Quando, em 2008, saiu do Benfica para abraçar uma carreira internacional, poucos imaginariam que chegasse tão longe. Hoje é Campeão do Mundo com todo o mérito.
Também João Sousa brilhou além-fronteiras, com uma conquista inédita para o Ténis luso. Ambos simbolizam o que de melhor existe neste País desportivo.
Lamentavelmente, o Futebol intra-muros não podia oferecer uma imagem mais contrastante com a que nos chega de tão cintilantes palcos. Arbitragens miseráveis, resultados falseados, anti-jogo, e uma terrível sensação de déjà-vu.
É verdade que o Benfica, frente ao Belenenses, não esteve ao seu melhor nível. Mas o FC Porto, no seu compromisso doméstico, também não. A diferença é simples: nós vimos um fiscal-de-linha oferecer um golo ao adversário, enquanto o nosso rival nortenho viu Pedro Proença regalar-lhe uma grande penalidade providencial.
Contas feitas, temos, à 6.ª jornada, dois penáltis por marcar sobre Lima (no Funchal e em Guimarães), um sobre Cardozo (em Alvalade), e sofremos dois golos irregulares (em Alvalade e frente ao Belenenses). O FC Porto, por seu turno, venceu o V. Guimarães com um penálti inexistente (coisa que já ocorrera em Setúbal), e o P. Ferreira com um golo ilegal. Ao Benfica, os homens de negro subtraíram cinco pontos. Ao FC Porto acrescentaram quatro - já descontando o penálti da Amoreira. Tudo somado, eis uma enorme mentira na tabela classificativa.
Também não posso deixar de passar a pouco edificante atitude desportiva do Belenenses ao longo da partida da Luz, que de forma alguma homenageou o seu convalescente treinador. Tácticas defensivas são legítimas. Simulações e constante queima de tempo são 'chico-espertices' que só a falta de categoria dos árbitros tornam possíveis."

Luís Fialho, in O Benfica

Adeptos

"Os adeptos merecem tudo. Os adeptos que pagam as quotas, os bilhetes, o merchandising e, acima de tudo, pagam com a sua presença e o seu apoio a causa e a glória de um grande Clube, merecem tudo. Os adeptos são as pessoas e a razão de ser uma associação e de uma causa. O Clube tem história, tem símbolos, tem cor e bandeira, tem valores, tem ídolos, tem dirigentes eleitos, mas sem adeptos seria como que um corpo sem alma. Os adeptos acrescentam corpo e alma ao Clube.
Os adeptos merecem a dedicação dos dirigentes, a competência dos técnicos e o pundonor dos atletas. E o respeito de todos. Um só adepto mereceu que o treinador da equipa profissional de Futebol do Benfica se chegasse à frente para o «despertar» de uns tantos «seguranças» que, recorrendo a força excessiva e desproporcionada, o tentaram impedir de se apossar de uma camisola oferecida por um atleta. É gratificante que alguém interponha o próprio corpo em defesa dos direitos de um adepto.
Num Clube com a grandeza do Benfica, estamos cá, adeptos, como seguramente dirigentes, atletas e técnicos, uns para os outros.
Ora os adeptos mereciam mais que a descolorida, triste e deprimente exibição que foi a da equipa do Benfica, em casa, frente ao Belenenses. «Não foi competente», disse e bem, o presidente. É certo que a arbitragem foi a vergonha do costume, em contraste com o cortejo de oferendas proporcionado a outros.
O Benfica, com todos os desafios a que meteu ombros, está a disputar muito mais que um Campeonato de Futebol, o que eleva muito a parada do Clube mas também acresce enormemente os riscos. Esses desafios exigem que a equipa do Benfica seja ainda melhor, mais competente e empenhada, para vencer dentro e fora do relvado. E os adeptos mereciam e merecem sempre mais."

João Paulo Guerra, in O Benfica

Reescreva-se a História

"Para descanso e consolo dos chefes de redacção da imprensa desportiva, dos altos e mui dignos dirigentes da arbitragem, dos supinos representantes dos órgãos de poder do futebol (desde a Liga até à Federação, passando pelos gerentes de casas de alterne e outros lupanares de igual elevação), chegará o dia em que nos convencerão a reescrever a História.
Criar-se-á uma espécie de evangelho segundo São Jorge Nuno. E lá, na cartilha da verdade, todos aprenderemos que Pedro Proença foi, sem dúvida, o melhor árbitro do mundo e arrabaldes. Bertino Miranda foi o bandeirinha que melhor auxiliou os que, providencial e justamente, lhe encomendaram o auxílio.
Constará nos autos que Vítor Pereira nomeou sempre e bem os árbitros que, pela meritocracia do reconhecimento imediato do dono, ascenderam à primeira categoria e ao estatuto de internacional.
Cantar-se-ão loas às sucessivas levas de árbitros que justamente ajuizaram em prol da verdade dourada e apitada. As gerações futuras aprenderão que Fortunato Azevedo, Martins dos Santos, José Guímaro, Carlos Xistra, Jorge Coroado, a irmandade Calheiros, Hugo Miguel e tantos outros foram excelentes representantes da imparcial dinastia Garrido. Ainda assim, a História não fará justiça aos grandes obreiros da verdade desportiva em Portugal.
Deste modo, por uma questão de sincera humildade, Fernando Gomes, actual presidente da FPF, não verá retratado nos pergaminhos o seu papel edificante e educativo, enquanto tratava das facturas e contabilidade das musas inspiradoras de árbitros que pululavam pelas bancadas do Estádio do Dragão.
No entanto, a bem da História e da verdade, ainda não perdemos a esperança de que nos próximos dias se prove que o FCP foi fundado, há 120 anos, pelo seu actual presidente. Menos do que isto é mentira e todos sabemos como a mentira não é compatível com a verdade do futebol português."

Pedro F. Ferreira, in O Benfica

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Adivinhava-se fatal

"No próximo Verão quando Proença foi outra vez recebido pelo Benfica para novas lições ao plantel, não se esqueçam de lhe dizer que a culpa foi do Bertino. Para desanuviar o ambiente.

ADIVINHAVA-SE fatal o jogo com o Belenenses no culminar de uma semana em que, aparentemente, o único tema da agenda encarnada foi o caso Jesus, o parecer dos especialistas sobre o caso Jesus, o termo de identidade e de residência de Jesus, a solidariedade do presidente com Jesus.
O Benfica embarcou alegremente nisto ao ponto de o jogo com o Belenenses ser transformado num não-acontecimento.
Visto da semana passada, o jogo com o Belenenses destinava-se, modestamente, a assinalar a singular efeméride: uma semana já se tinha passado sobre o caso Jesus.
Não terá sido, porventura, por esta razão que o Benfica empatou com um Belenenses muito defensivo, naturalmente, e que jogou os últimos minutos na Luz exactamente como o Benfica deveria ter jogado os últimos minutos no Dragão, na antepenúltima jornada do último campeonato.
Veja-se, por exemplo, como caso Mitchel Van der Gaag, bem mais ponderoso no seu grau de gravidade, em nada afectou o rendimento da equipa do Restelo, antes pelo contrário. Foi um Belenenses trabalhador, muito unido e intensamente focado no jogo que se apresentou em campo e de lá saiu todo sorridente.
Deve-o agradecer ao árbitro? Também, é verdade que sim. Mas tem sido sina dos adversários do Benfica, neste arranque do campeonato, terem qualquer coisinha para agradecer aos árbitros. Marítimo, Sporting e Belenenses que o digam.
O golo com que o Belenenses empatou na Luz é irregular à vista desarmada tal como Pedro Proença, assim noticiaram os jornais, foi explicar aos jogadores do Benfica, reunidos no Seixal, ainda era Verão, para o ouvirem perorar sobre a nova interpretação da lei do fora-de-jogo.
Menos de dois meses depois lá está, outra vez, Pedro Proença nas bocas do mundo graças ao melhor penalty dos últimos 30 anos, penalty que lhe coube assinalar no passado fim-de-semana.
No próximo Verão, quando Pedro Proença for outra vez recebido nas instalações do Benfica para novas lições ao plantel, não se esqueçam de lhe dizer que a culpa foi do Bertino. Para desanuviar o ambiente.

ESTA coisa das redes sociais dá cabo da reputação de muita gente. A do jovem presidente da AF Lisboa, por exemplo, está pelas ruas da amargura. E, a propósito, seguiu já para a UEFA uma queixa do FC Porto porque Nuno Lobo chamou macaco a Hulk na sua página do Facebook no tempo em que Hulk jogava com a camisola do FC Porto.
Configura racismo? Configura, sim senhor.
Será esta a prova de carácter mais do que suficiente para expor como grande mentiroso o presidente da AF Lisboa que veio acusar oficiais do FC Porto de o terem molestado no camarote onde todos assistiam ao jogo no Estoril? Não, não senhor.
Porquê? Porque uma coisa e a outra são, temos pena, coisas diferentes.
No entanto, ainda que não o mereça, Nuno Lobo pode encontrar uma sonora atenuante para o delito de que é acusado nas palavras avisadas do director de comunicação do FC Porto quando, em Fevereiro de 2012, veio a público refutar as acusações de Balotelli. Lembram-se?
O italiano, então ao serviço do Manchester City, queixou-se ter sido tratado como um macaco pelo público do Dragão e recebeu uma resposta que o deixou tonto: os gritos de macaco eram por Hulk porque os cânticos pelo jogador – Hulk! Hulk! Hulk! – «podem ser facilmente confundidos com cânticos racistas». 
Perante isto, julgo que Nuno Lobo nada tem a recear. A não ser a si próprio.

AINDA as redes sociais como destruidoras de reputações. Depois de perder um jogo do campeonato de andebol para o FC Porto, veio o Benfica lamentar o fanatismo do árbitro do dito encontro, um adepto assumido do FC Porto que, tal como Nuno Lobo, se espraia no Facebook em considerações altamente desprestigiantes para os rivais.
Também aqui há uma diferença. Nuno Lobo não é árbitro. Não decide jogos com o seu julgamento. E mesmo que à paisana, sentadinho, sem fazer nada, lhe caia em cima um Adelino Caldeira, ou mesmo meio Adelino Caldeira, nunca terá por perto um Proença para o punir admiravelmente com um penalty.
É este o mundo em que vivemos, o das redes sociais. O que, fracamente, espanta neste episódio é o facto de o Benfica, conhecendo, como se presume, o perfil do árbitro e as suas pérolas, tenha-se permitido entrar em campo para disputar um jogo de andebol cujo resultado, à partida, se adivinhava fatal.

MAS também há gente com graça nas redes sociais. A propósito da recente cerimónia oficial de inauguração do museu do FC Porto que, apesar de inaugurado, só abre portas ao público a 26 de Outubro, leio num blogue benfiquista, Benfiliado, o seguinte comentário: «Podem abrir as portas ao público e aproveitam logo para comemorar o 13.º aniversário do museu.» Tem a sua graça, que não ofende.

O Atlético de Madrid é a equipa do momento do futebol europeu. Conseguiu nos últimos dias resultados fantásticos contra dois gigantes do futebol europeu, o Real Madrid e o FC Porto, indo-lhes ganhar nas suas próprias casas. É obra. Pode-se discutir se o Real Madrid, bem vistas as coisas, não será mais gigante do que o FC Porto mas isso, para o caso, pouco conta.
A verdade é que o Atlético de Madrid, a jogar e a ganhar assim, sem respeito nenhum pelos emblemas superiores, se vem transformando numa bandeira para todos os que gostam de futebol mas a quem ofende as apregoadas obscenidades financeiras dos valores dos contratos de Messi & Neymar, em Nou Camp, e de Ronaldo & Bale, em Chamartín.
Por tudo isto, muito gostariam os românticos do futebol de ver o Atlético de Madrid ganhar o campeonato espanhol. Incluo-me nesse grupo, com um patriótico pedido de desculpa a Cristiano Ronaldo, a Pepe e a Coentrão, os portugueses do Real. Mas há coisas que são mais fortes, tal como o romantismo.
O Atlético de Madrid foi ganhar a casa do Real Madrid por 1-0, no sábado, e foi ganhar a casa do FC Porto, por 2-1, na terça-feira. O Real Madrid, mesmo sendo mais gigante do que o FC Porto, de vez em quando ainda perde uns joguitos em casa. No fundo, trata-se de futebol, não é? Quanto ao FC Porto é raríssimo perder no seu campo. Mesmo empatar é uma raridade. Este Atlético de Madrid é poderoso. 

DECO foi agora suspenso por um ano pelo Supremo Tribunal de Justiça Desportiva brasileiro o que pouca ou nenhuma mossa lhe faz porque o mesmo Deco anunciou a sua retirada em Agosto. Ou seja, auto-suspendeu-se para sempre antecipando-se, advertida ou inadvertidamente, à sentença que se adivinhava fatal.
Triste epílogo de uma altíssima carreira. Convém que se diga que Deco foi um jogador extraordinário e que só assim poderá ser recordado. Esta mancha sobre o seu nome, para mais num tópico tão sensível como o do doping, não é de todo a cereja no topo do bolo do grande fantasista luso-brasileiro.
A perfeição não existe, é a grande verdade. Umas belas semanas depois da decisão do Supremo Tribunal da Justiça Desportiva brasileiro, Deco falou para a sua enorme legião de fãs em Portugal e confessou se muito grato ao Benfica por o ter deixado ir jogar para o Porto. Foi o que teve de mais urgente para dizer assim que se lhe ofereceu o ensejo de, desde o país-irmão, comunicar directamente com o também país-irmão.
Duas vezes país-irmão, pois com certeza! É assim com Deco, luso-brasileiro com carimbos e tudo, e, por isso mesmo, tudo para ele são irmãos dos dois lados do oceano Atlântico.
Deco é sagaz. O facto de se ter reformado antes que o reformassem é já prova quase bastante disso. Mas genial, genial mesmo, em Deco é que, mesmo longe do primeiro país-irmão, continua a saber que lhe basta pronunciar a palavra Benfica para que desaparecesse da agenda o tema absurdo da hidrocloratiazida e do tamoxifeno que lhe foram detectados no organismo depois do jogo do campeonato estadual carioca contra o Boavista de Saquarema.
A justiça desportiva brasileira é muito diferente da nossa. Vejam só que o Boavista de Saquarema nem sequer desceu de divisão.

PS – Ontem, à meia hora de jogo no Parque dos Príncipes, com 3-0 a favor do PSG, lembrei-me de Vigo. Felizmente que a coisa ficou por ali. O Benfica nem conseguiria, no entanto, aproximar-se da hipótese do chamado golo de honra. Mas isso, perante o que se viu, era pedir demais. Honra."

Leonor Pinhão, in A Bola

Contrastes !!!

No rescaldo da noite da Champions de Terça-feira, a única inquietação nos avençados Lusos, era a suposta irregularidade no golo da vitória do Atlético de Madrid no antro dos Corruptos!!! Tudo o resto, era pacífico!!! O facto da falta que deu golo aos Corruptos, não ter existido - simulação descarada do Josué -, não deixou ninguém preocupado... O facto do Mangala ter placado o Leo Batistão quando este ficaria totalmente isolado - nem falta foi marcada!!! -, também não preocupou ninguém...!!! O facto do Atlético ter jogado sem vários titulares - e com menos 24 horas de descanso após um jogo muito intenso com o Real Madrid -, uns por castigo, outros por lesão, outros por opção, também não deixou ninguém preocupado...!!!
No rescaldo da noite da Champions de Quarta-feira, para os mesmos escribas, o Mundo parece que acabou !!!
Sendo a exibição do Benfica má, analisando os dois resultados objectivamente, a derrota dos Corruptos, é muito mais grave - jogando em casa -, mas isso aparentemente não deixa ninguém preocupado, nem indignado... O rascord até conseguiu fazer uma linha de fora-de-jogo no 1.º golo do PSG bem à frente da bola, só para não 'cortar' a cabeça ao Zlatan (e do primeiro momento de dúvida, nem valeu a pena falar), situação que até poderia ser aceitável, não tivessem no dia anterior, elevado a crime de lesa pátria o golo do Arda Turan!!!
Com o já tradicional Tour de Benfiquistas a dar entrevistas a tudo o que mexe - sempre que o Benfica não ganha é assim -, as habilidades do Proença, do Bertino, do Tavares e afins, já fazem parte da história longínqua!!! O palhaço do Fonseca, que sem apitos deveria ter 12 pontos (-4), pelo menos - contra os 16 pontos (+5) do Benfica -, e que neste momento só devia ter 1 ponto na Champions, já que em Viena, contra a super-potência do Áustria de Viena, viu uma Mão descaradíssima do Otamendi passar em claro, continua o seu trajecto 'imaculado' para se transformar no próximo Campeão pífio... Com tranquilidade, com todas as atenções, declarações, polémicas, julgamentos e crucificações no Benfica.
Enquanto esta novela se desenrola sem qualquer novidade em relação a centenas de outras que já vimos no passado - com apitos, cartões, malas, bombas, fruta... - os Benfiquistas - deve ser mesmo uma questão de fé -, acham que o novo super-herói Marco Silva, tem o poder de com o seu pensamento eliminar todos estes obstáculos!!! É preciso ter mesmo muita fé...!!!
Tudo isto, quando todos os Benfiquistas, em Julho, quando a nova Benfica TV foi inaugurada, assumiam que o 'ataque' ao Benfica esta época, seria muito maior do que em anos anteriores.

PS: A irritação dos Benfiquistas com a declaração honesta do Presidente Lagarto, assumindo não conhecer Rui Costa, é completa infundada!!! Ainda se Bruno Carvalho tivesse ido a Nyon, ao sorteio das competições europeias!!!! Agora, como ainda não sabe o caminho para Nyon, até é normal...!!!

Con(trastes)

"Ainda só se atingiu 1/5 da Liga e parece que estamos na antecâmara do fim da prova, tal a efervescência e guerrilha que a vem envenenando. Curiosamente, as jornadas sucedem-se com clamorosos con(trastes). Eis alguns:
O Benfica que havia ganho pontos ao Porto e ao Sporting, jogando fora, perde os mesmos pontos a seguir, jogando em casa.
Jorge Jesus esteve em três campos na jornada anterior, disse Paulo Fonseca. O técnico portista, nesta jornada, esteve apenas em dois. É mais económico e eficiente.
Enquanto o Benfica terá de meter requerimento para uma grande penalidade, a fartura de penalties abunda em outros ambientes. O penalty mal marcado contra o Porto no Estoril foi compensado por um penalty mal marcado a seu favor pela distinta sociedade Proença & Bertino.
Falando em con(trastes), Pedro Proença está entre os melhores do mundo (dizem) lá fora, mas está entre os piores (acho) cá dentro. Já são casos a mais - e curiosamente sempre no mesmo sentido - para não serem relevantes na sua apreciação.
Proença arrogante não dá a mão ao cumprimento do educado Rui Vitória, mas no mesmo palco e em outros jogos, já abraçou comovidamente jogadores e técnico da casa.
Há árbitros que não vêem o que claro foi, enquanto outros há que até conseguem ver o que nunca houve. Os primeiros são cegos, mas os segundos são artistas de primeira água.
O Arouca - excepcionalmente - não tem nenhum jogador expulso antes de receber o Porto. Guimarães, Estoril, etc. tiveram jogadores expulsos e castigados antes de jogar com o Porto.
O Benfica até à 6.ª jornada já perdeu 7 pontos (39% dos possíveis). Na passada época, só à 18% jornada atingiu tal desperdício (13%)."

Bagão Félix, in A Bola

Garay, su casa...

Há desporto para além do futebol

"Dois feitos notáveis e inéditos no nosso desporto. Duas vitórias de eleição em dia de eleições. João Sousa vence o Open na longínqua Malásia, eliminando o nº 4 do ranking e outros acima dele nessa tabela dos melhores. Façanha inédita de um jovem valoroso que faz o seu caminho sem deslumbramentos perversos, sem exibicionismos feitos de tontarias, tatuagens e penteados.
Rui Costa é o campeão do Mundo em ciclismo, depois de uma Volta à França notável e de ser duplo vencedor da Volta à Suíça. Também com a serenidade dos melhores e a capacidade de trabalho e iniciativa que, discreta mas sustentadamente, vem evidenciando época após época. Pena que no hóquei em patins, onde já fomos reis e senhores, tenhamos sucumbido, de novo, numa meia-final ingrata.
Atafulhados pelo futebol jogado e por tudo o que à sua volta se consome entre gritarias, desvarios e, não raro, pouca vergonha, é refrescante para a mente e reconfortante para o espírito ver dois jovens levantarem o nosso direito ao orgulho de sermos portugueses. Como, aliás, noutros desportos bem menos mediáticos que o futebol, desde o atletismo, ao remo e canoagem ou ao judo e vela.
Mera coincidência ou não, estas históricas vitórias surgem num tempo em que, no chamado desporto-rei, ninguém se entende e (quase) todos acusam todos, numa girândola imparável de incompetência, vaidades, má-fé, truques e golpes baixos. Estes acontecimentos despertam-nos para a ideia de que, afinal, sempre há desporto para além do futebol. Desta coluna cujo nome está associado... ao futebol (pontapé-de-saída), as minhas vivas felicitações e o agradecimento a João Sousa e a Rui Costa."

Bagão Félix, in A Bola

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Dar o Ouro ao Bandido !!!

PSG 3 - 0 Benfica

A derrota até é normal, os números e a exibição não... a qualificação para a fase seguinte não estava dependente deste resultado, os dois jogos com o Olympiakos é que vão decidir as coisas... mas não deixa de ser frustrante ver a equipa cometer os mesmos erros do passado!!!
Quando o Blanc disse que conhecia o Benfica não estava a fazer bluff, mas bastava ver os jogos que temos feito com os Corruptos para descobrir a pólvora, o problema do Benfica de Jesus nestes jogos de grau de dificuldade mais elevado é sempre o mesmo: inferioridade numérica no meio-campo. O PSG abdicou de um jogador como o Lucas (ou Pastore - lesionado) e colocou mais um centro-campista forte na marcação e recuperação, e assim o Benfica ficou 'sem bola'!!! Contra equipas de 'meio-da-tabela', a qualidade dos nossos jogadores consegue ultrapassar este problema, mas contra jogadores de grande qualidade não é nada fácil aos nossos jogadores fazerem posse de bola...
No passado o Benfica mesmo com este obstáculo, conseguia manter os jogos equilibrados, mas nos últimos tempos temos demonstrado debilidades graves noutra área: pontapés de canto defensivos!!! Foi num lance destes que perdemos a Liga Europa, e foi assim (apesar do fora-de-jogo escandaloso) que empatámos com o Belém no Sábado. Além do conhecimento dos nossos adversários sobre a nossa defesa à zona, o Benfica deixou de fazer uma coisa muito importante nestes lances: a marcação individual ao segundo poste, aos jogadores mais perigosos adversários, para impedir que estes façam a corrida de balanço para o salto, à vontade... curiosamente o Carlos Martins sabia fazer estas marcações bem, o objectivo não é ganhar a bola no ar aos adversários, é só atrapalhar as linhas de corrida... e quando esta coisa tão simples não se faz, as probabilidades de sofrer golo, aumentam exponencialmente!!! Mais ainda quando na 1.ª jornada da Champions este PSG tinha marcado 3 golos em pontapés de canto em Atenas (dos 4 golos que marcou!!!), os Franceses neste momento tem mesmo uma eficácia extraordinária nestes lances: nesta edição da Champions tem 7 golos, sendo que 5 foram em Cantos!!!
A 2.ª parte de hoje, já foi um bocadinho mais normal, é verdade que o PSG em vantagem abrandou, mas o desvio do Enzo para o meio, também ajudou. Tanto o Artur como o Sirigu tiveram muito trabalho na 2.ª parte, podíamos ter marcado e podíamos ter sofrido... mas no geral acho que merecíamos o tento de honra. Até porque o nosso mau jogo na 1.ª parte, foi demasiado penalizado com a eficácia do PSG que além dos golos, teve bola, mas não massacrou o Artur nessa altura...
Repito, o mais importante neste momento é jogo de Domingo no Estoril, a pior consequência do jogo de hoje, foi a lesão do Fejsa... e o sucesso na Champions depende dos próximos jogos... mas não podemos continuar a sofrer golos de Cantos, é dar o ouro ao bandido.

PS: Depois da choradeira de ontem à noite, sobre o pretenso golo em fora-de-jogo que derrotou os Corruptos, estou curioso para ouvir os comentários dos mesmos opinadores sobre o 1.º golo do PSG. Pessoalmente considero que tanto hoje (nos dois momentos) como no jogo de ontem, os avançados estão em linha com os defesas, portanto as decisões foram boas, existe a indicação de em dúvida beneficiar o ataque, mas tenho quase a certeza que ninguém vai chorar pelo 1.º golo do PSG, que apesar do resultado pesado, teve uma influência significativa no desenrolar da partida.

2.ª jornada - UEFA Youth Cup

PSG 1 - 4 Benfica

Grande vitória, que foi mais difícil do que pode parecer pelo resultado. Entrámos mal na partida, nervosos, desconcentrados, o PSG podia ter marcado, tivemos dificuldade em ter a bola no pé... só por volta da meia-hora é que começamos a fazer o nosso jogo habitual, tivemos algumas oportunidades, o golo adivinhava-se, e perto do intervalo o Rochinha, com classe, e justiça, abriu o marcador... A entrada na 2.ª parte não dia ter sido melhor, 2 golos, e a ideia que o jogo estava fechado.

Ao entrar nos últimos 30 minutos a equipa pareceu fatigada, o PSG reduziu, mas a entrada do Gilson (pena a lesão do Estrela...) equilibrou a equipa... nos últimos minutos aproveitando o desespero Francês, em contra-ataque criamos várias oportunidades, marcámos mais um, e atirámos uma bola aos ferros...

Defrontámos uma equipa muito física, quase toda com sangue Africano, com jogadores com 'caparro' de Seniores, rápidos e altos, mas demonstrámos superioridade técnica e táctica... Foi um bom jogo colectivo, com o Romário e o Rochinha a evidenciarem-se no ataque... o regresso após lesão do Gonçalo Guedes também foi uma boa notícia.
Destaque ainda para a homenagem ao nosso 'pequeno génio', Fernando Chalana, que deu o pontapé de saída no jogo...

Paris-Benfica : 1-4 (U19, Youth League) por PSG

O factor Proença

"Já é difícil falar a sério das arbitragens de Pedro Proença em Portugal. Ele pode ser o melhor árbitro do Mundo, mas não é com certeza o melhor árbitro português.
Um dia o meu pai foi à Alemanha para tratar um problema de saúde. Falaram-lhe de um médico célebre, que vivia em determinada rua. Lá chegado, o meu pai perguntou onde era o consultório do dr. Tal, e ouviu esta resposta: “Mas por que vai a esse médico? Aqui na rua há um muito melhor.” Quando ouço falar do “melhor árbitro do Mundo”, recordo sempre esta história.
Na sexta-feira, Proença protagonizou mais um erro caricato, que nem a introdução das novas tecnologias poderia evitar. Nem no Burkina Faso um árbitro teria coragem para inventar um penálti tão inverosímil. 
Estas arbitragens tendenciosas e que decidem resultados (as quais não são, reconheça-se, um monopólio de Pedro Proença) têm duas consequências importantes.
Primeira: as equipas que jogam contra o FC Porto retraem-se na disputa da bola na área, jogam a medo, sabendo que qualquer queda de um jogador portista pode ser fatal.
Segunda: o FC Porto acaba por ganhar sempre, porque ou ganha por mérito ou porque o árbitro ajuda. E isto tem uma terrível consequência: retira imprevisibilidade ao futebol português. Mesmo quando a vitória parece ir calhar ao Benfica (como nas duas últimas épocas) o FC Porto acaba sempre por vencer, por demérito alheio ou com ajudas. A ideia de que não pode haver surpresas é talvez a principal razão que afasta as pessoas dos estádios.
Voltando a Proença, não percebo o que vai naquela cabeça. Perante a evidência de ter beneficiado o FC Porto no passado, devia ser mais cauteloso. Mas não é. Talvez ache que, por ter o rótulo de “melhor árbitro do Mundo”, ganhou um estatuto de impunidade que lhe permite fazer o que quer. Mostra a sua “coragem” marcando penáltis fantasma que, como o de sexta-feira, resolvem jogos. E Pinto da Costa, absolvido no Apito Dourado, ri na tribuna e chama palavrões aos circunstantes, perante o gáudio da sua corte."

Barreira invisível

"Depois de uma temporada em que FC Porto e Benfica faziam dos seus jogos para o campeonato passeios triunfais, este ano ambos os clubes têm tido dificuldades surpreendentes para derrotar adversários mais fracos.
No caso do Benfica, o cenário é, contudo, bem mais preocupante. Às exibições paupérrimas juntam-se perdas de pontos impensáveis para quem quer disputar o título. Com um treinador que não tem uma segunda oportunidade para causar uma primeira impressão e com uma equipa que aparenta ter níveis anímicos muito baixos, o Benfica está a comprometer toda uma época já em Setembro – mesmo tendo “o melhor plantel dos últimos anos”. É evidente que pode empatar com o Belenenses em casa, mas este resultado só é justificável com uma torrente ofensiva esmagadora, várias oportunidades de golo desperdiçadas e muito azar. Um jogo como o de sábado não é compreensível. A falta de qualidade do futebol benfiquista é uma barreira visível. Mas há outras barreiras.
Entre um FC Porto que tem jogado um péssimo futebol e um Benfica que também envergonha tem havido uma diferença. Há uma barreira invisível que, sempre que é necessário, surge para criar dificuldades ao Benfica. Perante a incerteza, há um apito eficaz que empurra o FC Porto para a frente e que não perde uma oportunidade para bloquear o SLB. Se pensarmos bem no que se passou na última jornada, as coisas fazem sentido.
Por um lado, para um grande árbitro um erro é suficiente para condicionar todo um jogo; por outro, os grandes árbitros portugueses partilham a ambição dos melhores jogadores portugueses: brilhar no campeonato espanhol. É uma ambição legítima. Ora, depois da extraordinária arbitragem do Elche-Real Madrid na semana passada, percebe-se que os nossos árbitros se tenham deixado entusiasmar e tenham querido mostrar aos nuestros hermanos que estão à altura do desafio. Com a precisão cirúrgica que Pedro Proença e Jorge Tavares mostraram no fim de semana, nada os impedirá de arbitrar em Espanha."

terça-feira, 1 de outubro de 2013

O homem que quis raptar Eusébio!

"Henry Labery: foi fundador, nos anos 50, de três movimentos de libertação da Guiné-Bissau; foi amigo de Amílcar Cabral, de Sekou Touré, de Lamine Gaeye, de Leopold Senghor. Um dia, em Dakar, contou uma história fascinante.

AO longo de muitos anos viajando pelo Mundo, de Continente em Continente, fui desenterrando histórias, coleccionando episódios, alguns estranhos, outros apenas curiosos. É essa a vida de jornalista, a de estar atento, a de observar sempre, caneta pronta a tomar notas, a recolher testemunhos.
Esta guardei-a com esmero. Já deixei escrita aqui e ali, mas volta e meia retomo-a, re-publico-a, porque vale a pena. E vale ainda mais a pena nestas páginas deste seu Jornal, porque o tema é Eusébio e o Benfica e, ao mesmo tempo, a vivência de uma época atribulada, inquieta e sedutora.
Há uns anos largos encontrei, em Dakar, no Senegal, numa noite de calor e de festa, um homem que congeminou raptar Eusébio.
Henry Labery: foi fundador, nos anos 50, de três movimentos de libertação da Guiné.Bissau; foi amigo de Amílcar Cabral, de Sekou Touré, de Lamine Gaeye, de Leopold Senghor e de tantas outras figuras das lutas africanas contra o Colonialismo; falou nas Nações Unidas em 1961, num tempo em que o Mundo mal sabia onde ficava a então Guiné-Portuguesa; teve um plano para desviar um avião que transportava a Selecção Portuguesa de Futebol e manter Eusébio e os seus companheiros como reféns.
Dakar estava em festa. Fazia um calor suave pela noite, soprava uma brisa do lado do mar e as ruas apinhava-se de gente rejubilando com mais uma vitória dos «leões» do Senegal na Taça das Nações Africanas. «Os leões são imbatíveis», gritam em wolof, a língua mais falada em Dakar a par do francês. E eu caminhando ao encontro de Labery que tinha uma história fantástica para contar.
Bairro residencial, para lá da Av. João XXIII e da Embaixada dos Estados Unidos, rodeada de soldados, frente à Assembleia Nacional e à sua entrada pejada de bandeiras verdes, vermelha e amarelas. Praça do Soweto.
Henry Antoine Edouard Bouty Labery: um dos cabecilhas do «Grupo de Dakar».
«Grupo de Dakar»: no princípio da luta pela independência defendia uma solução que incentivasse as boas relações com Portugal no pós-independência: ao estilo da «Lei Quatro» dos franceses que propôs às colónias um período de cinco anos de preparação para a independência com grande autonomia, um governador francês à frente de um governo local formado na sua maioria por políticos locais que podiam, desta forma, ir ganhando experiência para a futura governação total.

Fala Labery
OUÇO-O falar, contar. Com uma voz calma de quem já não vive com pressa. Com a voz segura de quem sabe como ser ouvido.
Henry Labery: «Em 1966 havia por todo o Mundo uma euforia enorme em redor do Eusébio pelo que ele tinha feito durante o Campeonato do Mundo de Inglaterra. Então pensámos dar um golpe terrível no Regime fascista português, chamando a atenção de todos para a nossa causa desviando um avião em que viajasse a Selecção de Portugal. Os planos foram feitos. Nesse tempo era bem fácil viajar a coberto de uma identidade falsa. Eu próprio o tinha feito um ano antes, quando fui a Milão ver o Benfica defrontar o Inter. Era a nossa intenção introduzir um pequeno comando de operacionais sob disfarce num voo da selecção portuguesa. Salvo erro chegou a programar-se para uma deslocação de Portugal à Bulgária. O avião seria desviado no ar e pretendíamos trazê-lo para Conakry ou, dependendo do combustível à disposição, para um país árabe que apoiasse a nossa causa. Nunca foi, obviamente, nossa intenção fazer mal ao Eusébio ou a quem quer que fosse. Queríamos mantê-los reféns durante dois ou três dias, fazendo propaganda aos grupos de libertação africanos. O plano acabou por não ir até ao fim sobretudo por uma razão de consciência. Acabámos por ter receio das consequências do acto. Não as consequências que cairiam sobre nós, obviamente, mas as consequências que poderiam advir para os jogadores e para a delegação portuguesa. Os nossos operacionais eram homens terríveis, dispostos a tudo. Muito bons nas suas funções militares mas talvez pouco racionais nas suas acções. Tivemos medo que, por qualquer motivo incontrolável, todo o plano entrasse num caminho de violência que nós não queríamos de forma alguma. Porque não só não queríamos nenhum mal aos jogadores portugueses, pelo contrário, eram homens muito admirados por nós, como isso acabaria por afectar negativamente os nossos interesses e dar motivos para a indignação geral. Por isso fizemos abortar a operação. Há uns anos, quando o Eusébio foi convidado para vir a Dakar e esteve aqui, em minha casa, contei-lhe esta história. E disse-lhe: 'Tiveste muita sorte. Foi por pouco, por muito pouco, que não foste raptado'».
Dakar é uma cidade que se levanta cedo. Pelas oito horas da manhã já o trânsito rola caótico pelas ruas e se multiplica em buzinadelas pela Av. Georges Pompidou em direcção à Place de L'Independence; meninos passam para a escola lambendo pacotinhos de manteiga; mulheres fulas bem desenhadas suscitam os comentários dos homens que se sentam nos passeios sem nada para fazer; ocidentais cafrealizados parecem vaguear sem destino certo.
Há sempre um pouco de Eusébio por todas as cidades do Mundo. Ele também passou por Dakar, convidado para a inauguração de um estádio. Já ninguém queria, então raptá-lo. Apenas vê-lo, tocá-lo, com toda a paixão que África tem pela «Pantera Negra»..."

Afonso de Melo, in O Benfica