Últimas indefectivações

terça-feira, 2 de julho de 2019

Proibido dormir na forma

"Bruno Lage foi muito claro: quem não tiver mentalidade para ajudar o Benfica na sua afirmação nacional e internacional deve mudar de vida, ou de clube

Se o Benfica entrar na próxima época à sombra do sucesso da época transacta é um engano. Sábias palavras que Bruno Lage quis transmitir aos seus jogadores, em mensagem pública emitida pelo canal do clube no dia do regresso ao trabalho.
«Quem deixar de treinar-se com a intensidade desejada, quem deixar de correr e jogar em equipa» fica sem espaço, por não ter mentalidade para representar emblema que pretende sublinhar a sua afirmação nacional e internacional através de dois grandes objectivos: conquistar o bicampeonato (38.º) e reforçar o seu estatuto europeu.
No momento presente suscita fraco entusiasmo qualquer discussão em que o tema central seja o de questionar, a estabilidade do Benfica, que o coloca em plano mais elevado. É uma evidência, em contraposição aos dois históricos rivais e únicos candidatos e competirem com ele pelas conquistas mais importantes:
FC Porto - Ainda não se livrou do controlo financeiro da UEFA. Debate-se com notórias dificuldades para reconstruir um plantel que defenda e honra do clube. Substituir, em simultâneo, jogadores com a qualidade de Felipe, Éder Militão, Herrera e Brahimi é complicado, mas também há dois anos, de um bando de renegados, Sérgio Conceição formou um grupo profissional e de tal maneira disciplinado e forte que se sagrou campeão. O que me leva a deduzir que o campeonato que se segue será uma cópia deste, e do anterior: dragão e águia a lutarem pelo título até à última gota de suor.
Sporting - Novo treinador, a dar boa conta do recado, que veio de alta escola e que, para sua protecção, deve rapidamente comunicar sem intermediários. Não precisa dizer muito, tão somente perceber o que lhe perguntam e responder o essencial. A dúvida maior é Bruno Fernandes. A sua eventual permanência fará enorme diferença. Com ele, o leão passa de candidato estatístico a candidato efectivo. Com o beneplácito da história: foi campeão em 1970, em 1980 e em 2000. A terminação em zero dá-lhe sorte e a próxima época acaba em 2020. Nunca se sabe...

O Benfica situa-se em patamar superior, mas nada de lhe foi oferecido, trabalhou muito para lá chegar sob a judiciosa e lúcida liderança de Luís Filipe Vieira. Sei que há quem embirre por, frequentemente, trazer à colação a importância da figura presidencial no longo e complexo processo de recuperação do emblema da águia, mas é a pura das verdades.
É o campeão em título, tem sido diligente nos trabalhos de casa e previdente na projecção do futuro. Além disso, usando linguagem militar, passa a ser absolutamente proibido dormir na forma e a primeira advertência deu-a Bruno Lage com sublime clareza: mais exigência, mais intensidade, mais alegria, mais equipa.
O que aconteceu em 2010 deve estar gravado na memória de todos os benfiquistas como exemplo a não repetir. Foi o primeiro ano de Jesus, em campeonato decidido na última jornada devido ao fantástico desempenho do SC Braga, que ficou em segundo, então treinado por Domingos Paciência. Os festejos foram de arromba e as vaidades infindas, de tal maneira que nem tempo houve para preparar a época seguinte e que viria a corresponder a um trambolhão de todo o tamanho: o Benfica foi despromovido a vice, ficando a 21 pontos (!) do FC Porto. Uma vergonha de que só viria a recompor-se quatro anos mais tarde.

O Seixal reabriu as portas e leio em A Bola que os encarnados voltam ao mercado para contratarem «um atacante móvel que também possa jogar como extremo». Só agora? O jornalista Rui Miguel Melo revela no seu trabalho que o Benfica já estava preparado para o fim da carreira de Jonas, mas contava segurar João Félix por mais um ano.
A prioridade incide, pois, em descobrir o substituto do 'jovem 120 milhões'. É normal, mas, por outro lado, escapam notícias sobre outras situações igualmente determinantes para a imposição do tal Benfica ousado que pretende recuperar o lugar que foi seu entre a elite europeia e mundial. Um Benfica apto física e mentalmente para se bater em todas as frentes. Não se fala, ou fala-se pouco, de alternativas para as laterais esquerda e direita, duas posições deficitárias: Grimaldo pode não sair, mas o seu historial clínico dá que pensar, e André Almeida vale pela sua inesgotável disponibilidade.
A aquisição de outro guarda redes parece também em banho Maria, ou é impressão minha. Vlachodimos, de 25 anos, é um jovem em crescimento. Denota inibições no jogo aéreo, a jogar com os pés e fora dos postes, o que não é pouco, mas para resolver esses e outros problemas é que existem equipas técnicas com especialistas nas diversas áreas do treino. Apesar do apreciável cumprimento de grego, o Benfica continua à procura de 'um guarda redes de renome'. De renome? Enfim, se a questão é essa, procure... Se me é permitida a opinião, porém, direi que a questão é outra e reside em descobrir um clone de Jonas. Mesmo com a dor nas costas, a falta que ele irá fazer!..."

Fernando Guerra, in A Bola

Sem comentários:

Publicar um comentário

A opinião de um glorioso indefectível é sempre muito bem vinda.
Junte a sua voz à nossa. Pelo Benfica! Sempre!