Últimas indefectivações

terça-feira, 22 de outubro de 2019

Quem diria?...

"Uma diseuse que viria a ser primeira dama e dois jovens pianistas que se tornariam nomes maiores da música portuguesa

No final do ano de 1957, a Secção Cultural do Sport Lisboa e Benfica promoveu um 'Grande Festival de Arte'. A imprensa aplaudiu: 'O Serão de Arte do Benfica apontou afinal, e de maneira eloquentíssima, o grande exemplo: aos clubes pertence também educar e as musas não fazem mal ao Desporto, antes o sublimam com lufadas de espiritualidade que elevam a grei que o serve'.
O Cinema Império foi o palco desse 'Grande Festival', que teve lugar às 21 horas e 30 minutos do dia 10 de Dezembro. 'A elegante casa de espectáculos da Alameda foi pequena para a multidão que ali afluiu'. Nem as 'altas figuras da vida nacional' faltaram. 'Do seu programa, conscienciosamente elaborado', faziam parte as actuações da orquestra da Emissora Nacional e do orfeão do Benfica, declamação de poesia e um recital de piano. Foi 'uma grande noite benfiquista!' O que a maioria dos presentes não poderia adivinhar é que nessa noite subiriam ao palco três artistas que se viriam a ser figuras de relevo no panorama cultural português.
No recital de piano, o professor Campos Coelho - para além de tocar com Paulino Gomes Júnior, seu antigo aluno e então director do jornal O Benfica - brindou o público com a apresentação de dois jovens intérpretes. 'Dois dos meus mais talentosos alunos', afirmou. Os 'dois pequenos grandes pianistas que a «fábrica Campos Coelho» produziu para regalo de quantos apreciam a difícil, mais incomparável arte de «bem tocar piano»' eram, nada mais nada menos, que Maria João Pires e António Victorino de Almeida, então com apenas 12 e 17 anos, respectivamente.
E a artista que naquela noite 'encheu o palco com a sua maneira especial de interpretar' os poemas de Álvaro de Campos, Nazim Hikmet, Fernando Pessoa e Pablo Naruda, entre outros, era já considerada 'uma das maiores revelações artísticas da moderna geração': Maria Barroso, a mulher que viria a ser durante 10 anos primeira dama - o seu marido, Mário Soares, foi presidente da República entre 1986 e 1996.
O Benfica assumiu desde cedo o compromisso de contribuir permanentemente para o fomento da cultura. Na área 16 - Outros Voos, do Museu Benfica - Cosme Damião, pode saber mais sobre a relação histórica do Clube com diferentes polos da cultura."

Mafalda Esturrenho, in O Benfica

Sem comentários:

Publicar um comentário

A opinião de um glorioso indefectível é sempre muito bem vinda.
Junte a sua voz à nossa. Pelo Benfica! Sempre!