Últimas indefectivações

quinta-feira, 2 de junho de 2011

O defeso

"O defeso é o período do ano em que é proibido pescar ou caçar. Ora, no futebol, o defeso é, ao invés, o período entre temporadas em que mais se procura caçar ou pescar. O deste ano começa num tempo em que, por força das eleições, há também a caça aos votos.

O defeso é sempre um tempo de renovada esperança, sobretudo para os perdedores da época terminada. E é a matéria-prima a que se agarra a informação desportiva, agora que o ciclismo já não desperta a paixão de outrora.

Normalmente, o defeso começa por ser o arrolamento caudaloso de jogadores sinalizados, acompanhados, oferecidos, apalavrados, pré-contratados, quase firmados, recusados, descartados, trocados e tudo mais. Tudo com o condimento excitante da utopia da caça grossa e o realismo sortido da caça miúda, enquanto se espanta a cala alheia, à espera do milagre de uma qualquer maquineta caça-niqueis. O defeso é, também, a época alta da intermediação de substanciais prebendas comissionistas.

Como sempre, o Benfica é o abono de família do defeso. Este ano, mais acompanhado pelo Sporting, por razões compreensíveis.

Leio quase tudo o que é noticiado sobre o meu clube, mas aqui confesso, humildemente, que já não consigo acompanhar o cacharolete de notícias sobre tantas hipóteses de contratação. Argentinos, brasileiros outros sul-americanos e versões em castelhano (será já o primeiro idioma do balneário?), cada qual com um nome mais difícil de fixar ainda que por breves instantes. Estou até a pensar em usar uma cábula à moda antiga, para não ficar inferiorizado perante... mim próprio.

Seja o defeso mais onírico ou simplesmente mais modesto, prefiro sempre a qualidade concentrada à embriaguez da quantidade liofilizada."


Bagão Félix, in A Bola

Sem comentários:

Publicar um comentário

A opinião de um glorioso indefectível é sempre muito bem vinda.
Junte a sua voz à nossa. Pelo Benfica! Sempre!