Últimas indefectivações

sábado, 21 de setembro de 2019

Dar resposta

"Bruno Lage. Ele pode ter medido as palavras, como tem sido seu hábito nas situações em que tem de se pronunciar publicamente sobre o seu trabalho e as suas opções tácticas para o conjunto que dirige; mas, certamente, não haverá Benfiquista que não se tivesse revisto nas palavras e nos conceitos que expressou na véspera do jogo de terça-feita, com o RB Leipzig.
Ciente das dificuldades que se iriam deparar ao Benfica, mercê a que o seu staff procedera relativamente aos modelos usados pelos nossos antagonistas, Lage, apesar da contrariedade de não estar autorizado a viver mais de perto as emoções do jogo dado o castigo UEFA que tinha de cumprir, não hesitou em afirmar que se sentia confiante porque sabia que a Equipa estava mentalmente preparada para 'dar resposta à medida do passado do Benfica'.
Esta atitude, se não garanta nada, representava muito. E representa, antes do mais, a recusa da conformação e do fatalismo: significativa a interiorização da essência desportiva do Glorioso que mais galvaniza os adeptos no sentido da superação e da vitória. E o Estádio voltou a estar com a Equipa, mais uma vez. Da mesma forma que os nossos quiseram resistir até ao último minuto. Só que, perante um futebol essencialmente físico e fundamentado no desempenho corporal, o nosso futebol perfumado (e utópico?) acaba por perder inevitavelmente, se o confronto directo é geralmente interpretado pelos juízes com tolerância e permissividade.
Deve, em todo o caso, assinalar-se que neste primeiro encontro do Grupo não defrontámos apenas uma equipa convencional: o Benfica jogou com um dos ramos (literalmente, talvez, o mais 'energético'...) de uma poderosa multinacional que se implantou internacionalmente com toda uma nova formulação empresarial totalmente inédita, para fortalecer (ainda mais e num combate cada vez mais desigual) o mais dominador futebol do terceiro milénio.
Claro que, em tal contexto, só as palavras e os conceitos nem sempre chegam para, em campo, conseguirmos ultrapassar os nossos próprios limites. E num qualquer jogo de Champions, seja qual for, é sempre de completa superação individual que primeiro se trata, no confronto directo 'box-to-box', de modo a que na sequência do acerto de cada jogador se possa atingir o plano da consistente eficácia colectiva, necessariamente baseada na solidariedade e no esforço conjuntivo de que se sempre se fizeram as vitórias no tradicional 'football association'.
Por isso, no registo do futebol do futebol que sabemos jogar, me parece que a lição que Bruno Lage oportunamente recuperou da História do Benfica aos seus jogadores de hoje, foi, de facto, muito adequada. De outra forma, e sem hoje termos presente a superação de que fomos capazes nos tempos de Eusébio e de Coluna, mais dificilmente saberíamos ganhar os jogos que nos faltam."

José Nuno Martins, in O Benfica

Sem comentários:

Publicar um comentário

A opinião de um glorioso indefectível é sempre muito bem vinda.
Junte a sua voz à nossa. Pelo Benfica! Sempre!