Últimas indefectivações

quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Pelo direito ao Coliseu

"Sérgio Conceição tem razão muitas vezes, mas errou quando, há um par de semanas, após uma exibição sofrível no Dragão, se insurgiu com os adeptos que estavam descontentes com o nível exibicional do FC Porto. Para o treinador, quem quer espectáculo devia dirigir-se ao Coliseu ou ao Teatro Sá da Bandeira. Não é nova esta dicotomia entre vencer ou oferecer espectáculo, como se fosse necessário escolher entre as duas. Claro está que todos os adeptos preferem vencer com um futebol medíocre, a perder com nota artística. Em todo o caso, nada impede que se concilie bom futebol com vitórias e, além do mais, quem melhor joga é, também, quem mais próximo fica de vencer, nomeadamente em competições longas.
Regresso a domingo, ao Estádio da Luz. Como todos os outros benfiquistas que se sentaram nas bancadas, não troco a vitória justa frente ao Porto por nada. Mas como, entre bilhetes de época para a família e subscrição da Sport TV, gasto bom dinheiro em futebol, tenho direito a exigir também espectáculo. Não só o futebol praticado no clássico foi pobre, como corresponde a uma trajectória de empobrecimento do jogar dos três grandes que deve ser motivo de reflexão.
Recorro, uma vez mais, ao excelente GoalPoint para dar conta do que se passou: um número risível de remates enquadrados (dois para o Benfica, um para o Porto); níveis negativos de eficácia nos passes verticais (42% e 38% e, no total, 221 passes falhados!), jogo muito físico (44 faltas) e recorde do ano em partidas da Liga para duelos aéreos (66) – o que constitui novo máximo, a larga distância, em clássicos desde que há registos. Na ressaca do jogo, na sua conta de Twitter, o analista do GoalPoint, Hernâni Ribeiro, traçava um paralelo com o que, praticamente à mesma hora, se havia passado no Liverpool-Man. City. Os 23 duelos aéreos do clássico inglês contrastavam com os 66 do Benfica-FC Porto. Pode, assim, concluir-se que enquanto uns abandonam o ‘kick and rush’, noutras paragens esta opção faz escola.
Estes indicadores podiam ser apenas uma curiosidade estatística. Temo bem que sejam mais do que isso: o resultadismo está a instalar-se no campeonato português e as explicações são várias.
Desde logo, um clima adversativo que reduz a propensão ao risco. Nos clássicos, os três grandes têm como prioridade anular o adversário e só atacam pela certa. Depois, uma diminuição evidente da qualidade individual dos protagonistas. Num passado recente, passaram por Portugal jogadores de topo. Hoje, há bastante qualidade nos plantéis do Benfica e do Porto. Contudo, já não há nem James, Falcao, Hulk ou Moutinho, de um lado, e Di María, Witsel, Gaitán ou Matic, do outro. Finalmente, no que é decisivo, os treinadores do Benfica e do Porto, se bem que com ideias muito diferentes, sacrificam uma ideia de jogo colectiva e associativa à eficácia. Nós, adeptos, não nos devemos conformar com isto."

Sem comentários:

Publicar um comentário

A opinião de um glorioso indefectível é sempre muito bem vinda.
Junte a sua voz à nossa. Pelo Benfica! Sempre!