Últimas indefectivações

quinta-feira, 1 de novembro de 2018

Dilema táctico...

"Só 1 ponta de lança, tendo 4! E os 7 médios? Pizzi, ou Gedson, Gabriel, Krovinovic... de fora?! E Fejsa que só defende... Tanto criticaram 4-4-2!

Ia o Benfica bastante bem - ultrapassara 4 jogos rumo à Champions e a mais de €40 milhões; vencera FC Porto, ganhando-lhe avanço de 2 pontos - e eis que, de súbito, lhe é anunciada crise!: derrotas consecutivas, perante Ajax e Belenenses.
Nadinha uma tem a ver com a outra. Em casa do Ajax - este empatara (1-1) na visita ao Bayern... que fugiu a derrota graças ao excepcional Neuer -, o Benfica jogou bem, soube defender e atacou com desenvoltura, perdendo, ao minuto 90+2, por erro individual (fífia de Conti) e sorte holandesa no remate que, batendo em Grimaldo, mudou trajectória. No Jamor, face a Beleneneses muito bem dirigido por Silas, calamidade benfiquistas! Absurda, após 35 minutos com Benfica embalado para categórica exibição (por 4 ou 5 vezes, deveria ter marcado; não só no penálti que Salvio esbanjou...). De súbito, Belenenses saiu de sufoco, lançou 2 contra-ataques e... 2-0! Mérito ao provocar erros individuais: primeiro, precipitação de Odysseas deu penálti; de seguida, centro defensivo a dormir... Já em Chaves - mau Benfica, friso -, 2 pontos cedidos, ao minuto 90+6, em larga medida porque Conti se fez expulsar...
Eis Rui Vitória como grande réu. Ponto de ordem à mesa: nunca com ele falei. Quiça muito estranho, mas pura verdade. Somo décadas, desde logo profissionalmente, a analisar futebol pela minha cabeça - às vezes, contra ventos e marés... Neste caso, eis o que penso:
- Ao intervalo, Rui Vitória mudou sistema, lançou Jonas, juntando-o a Seferovic (adiante abordarei dilema 4-3-3 ou 4-4-2). E não vi erro na saída de Salvio, passando Pizzi para extremo. Jonas e Salvio, a dupla com classe no Benfica, têm problemas físicos...; e Salvio, na Holanda, jogara todo o tempo, o que, por algum motivo, nele vem sendo raridade. Que aconteceu? Precisando o Benfica de rápida redução da desvantagem, de imediato também Jonas, até ele!, falhou golo tendo baliza escancarada. E mais veio a falhar. Total recuperação de longuíssima baixa clínica não se faz num ápice.
- A meio da 2.ª parte, prosseguindo péssima finalização, entrou 3.º ponta de lança: Castillo. Sim, desespero! Raríssimo os problemões assim se resolverem (e fabulosa exibição de Muriel merecia nota máxima: 10!). Mas o Benfica não ficou sem extremos (Rafa e... Grimaldo). Acabou, vai ou racha, em 3-5-2.
- Penso que André Almeida deveria ter saído; e, sobretudo, retirada do médio defensivo, Fejsa, bem antes dos 84 minutos!
Nada disto anula estas realidades:
- Benfica de Agosto (8 jogos) foi firme bloco, com fortíssima pressão sobre adversários/bola e rápida recuperação desta. Continua a saber fazê-lo - mas, agora, isso dura meio jogo, ou meia hora, posto o que... equipa partida Quebra física após duro Agosto?
- Mantém mérito de construir muitíssimas oportunidades de golo (logo, o trabalho de treino está lá). E agrava-se o demérito de tanto as falhar. Impressionante Amesterdão + Jamor: pelo menos uma dúzia de flagrantes oportunidades criadas, rotundo zero em certeira finalização! Culpa do treinador, que põe a equipa a tanto construir? Clara imperícia de não bons finalizadores. Médio Pizzi tem 6 golos, seguido por Rafa (5) e Salvio (4), extremos...

Polémica: 4-3-3, ou 4-4-2? Absurdo sistema com 1 ponta de lança, havendo 4 no plantel? Pois... Só que... primeiro: Jonas permaneceu eternidade em baixa clínica; e parecem esquecer-se (muitos) de que também Castillo esteve lesionado, até há pouco tempo, e Ferreyra - li - ainda com lesão se debate. Assim Seferovic subiu a titular (está jogando bem, mas... goleador nunca foi - em toda a carreira).
Segunda questão: e os médios? Plantel tem 7: Fejsa, Pizzi, Gedson, Gabriel, Alfa Semedo, Samaris e... Krovinovic (talento prestes a regressar de quase um ano KO). Com 2 pontas de lança, só 2 médios centrais... Quem com Fejsa? Pizzi? Gedson? Gabriel? Krovinovic? Sempre Fejsa? Dois problemas: o de não haver boa alternativa para n.º 6 (ai quando o titular tem lesões, frequentes); e o Fejsa, pilar na protecção defensiva, aí esgotar as suas boas características. Nada a ver com William Carvalho, ou Danilo, ou Rúben Neves. Sem a versatilidade deles, só defende - em 11 anos de carreira (esta é a 6.ª no Benfica), apenas 4 golos marcou (difícil lembrar 2 no Benfica)! -, daí jogar muito atrás. Centro do meio-campo Fejsa-Pizzi, por exemplo - Gedson, Gabriel, Krovinovic... de fora? -, dificilmente não abrirá crateras. Por isso - caramba, haja memória! -, treinador tão criticado foi por só a meio da época anterior ter segurado a equipa, mudando para... 4-3-3 (Jonas ponta de lança único). Convém pensar um bocadinho..."

Santos Neves, in A Bola

Sem comentários:

Publicar um comentário

A opinião de um glorioso indefectível é sempre muito bem vinda.
Junte a sua voz à nossa. Pelo Benfica! Sempre!