Últimas indefectivações

sábado, 6 de setembro de 2014

Arranque...

Benfica 29 - 23 Xico Andebol

Jogo agradável, mas ainda é cedo para tirar ilações. Tal como na pré-época, tivemos um Benfica em constante rotação (parece ser aposta do treinador...), com muitos minutos dados aos nossos jovens... com o Flávio Fortes na minha opinião a destacar-se. No próximo sábado vamos defrontar o Sporting, perdemos com eles na pré-época, num jogo com muita, mas mesmo muita rotação da nossa parte, vamos ver qual será a estratégia na próxima semana...

Com os bons resultados da nossa Formação, nas últimas épocas, acaba por ser normal a aposta nos jovens da casa, e parece que o treinador está sintonizado com esse objectivo (e não podemos esquecer os vários jogadores emprestados a clubes da I Divisão), mas como é óbvio os resultados que todos desejamos, não vão aparecer imediatamente... As minhas expectativas são baixas, continuamos a ter problemas na 1.ª linha, os jogadores Espanhóis, são essencialmente defensores, acabam por substituir no plantel o Inácio Carmo e o Álvaro Rodrigues... vamos ver como a equipa vai evoluir durante a época. Gostei de ver várias jogadas de laboratório durante a partida, em contraste com alguns turnovers 'parvos'...

A boa notícia, é que este ano a decisão vai ser disputada num Play-off (finalmente), e assim vamos ter tempo para melhorar... suspeito que a aposta internacional dos Corruptos (e assim poden 'descomprimir' na 1.ª fase) , tenha ajudado a FPA tomar esta decisão!!!
Diga-se que a 'aposta' internacional dos Corruptos tem duas vertentes: as competições Europeias, e a quantidade absurda de jogadores não-portugueses no plantel!!!

Supertaça Futsal Feminino

Golpilheira 2 - 6 Benfica

Excelente inicio de época, das nossas meninas, que depois de uma Fase Final do Campeonato mal jogada o ano passado, depois de algumas saídas importantes no defeso, acabámos por começar da melhor forma esta nova época... Parabéns...

"A Benfica TV dá dinheiro"

 "(...)
A Benfica TV é obra sua?
Não, porque já existia. O mérito é de quem a criou antes. É do presidente do Benfica que a decidiu fazer, do Domingos Soares de Oliveira que a implementou, da direcção que lá estava e continua a estar. O meu posicionamento em relação à Benfica TV deve ser visto como uma atitude de total disponibilidade sempre que a Benfica TV ou a direcção necessitarem de mim para alguma coisa. Houve uma altura em que precisou bastante de mim, que foi a fase do relançamento do canal, sobretudo no que dizia respeito à renegociação com as redes de distribuição. Essa foi a actividade mais intensa, era a questão crucial, era o ponto mais importante para resolver.

As notícias do seu impacto na Benfica TV foram sobrevalorizadas?
O que o mercado e a opinião pública podem ter a certeza é que sempre que a Benfica TV necessitar de mim, seja para o que for, eu estarei lá. Essa é a melhor resposta.

Houve duas ideias recorrentes na opinião pública. Numa primeira fase, que o José Eduardo Moniz iria ser o homem que iria relançar a Benfica TV, com os jogos do Benfica, com as contratações que fez...
Ajudei a convencer algumas pessoas disso, sim.

E depois, numa segunda fase, que houve um afastamento seu dessa pasta. É verdade? Foi afastado progressivamente ou esvaziaram-lhe as funções?
A Benfica TV não precisa da minha intervenção, pela simples razão de que ela corre normalmente. Tem a sua programação, que já estava delineada, houve alguns acertos que foram feitos em função da análise da realidade no momento. Tem bons profissionais, tem um modelo, que não tem segredos, que está em andamento, que factura bem, que tem boas audiências no universo que serve, que obteve um conjunto de assinantes notável em muito pouco tempo, que fez excelentes acordos com as redes de distribuição e que está a espalhar-se para outros países.

O modelo de negócio é completamente sustentável?
Muito sustentável. A BTV ganha dinheiro, é altamente rentável, e é uma coisa de que os sócios do Benfica se podem orgulhar.

A Benfica TV foi uma promessa eleitoral de Luís Filipe Vieira. O Benfica faz mais dinheiro com o exclusivo dos seus jogos em casa do que fazia com o acordo que tinha com a Olivedesportos. Fará hoje cerca de 18 a 20 milhões de euros, segundo alguns analistas.
Não lhe vou dizer o valor exacto, mas faz muito mais do que esse valor que mencionou.

Chega aos 22 milhões de euros/ano, a última proposta da Olivedesportos proposta pelo Benfica?
Faz muito mais do que isso. A Benfica TV não só tem resultados superiores à oferta que recebeu como proporciona ao Benfica uma coisa extraordinária e que não tem preço, que é independência e autonomia. As pessoas estão a desvalorizar este aspecto. O Benfica é soberano relativamente às suas decisões e ao que é dele. Isso, não há mais nenhum clube em Portugal que se possa gabar.

Como é que vê a chegada do Sporting a este negócio?
Com naturalidade. Não me impressiona nem deixa de me impressionar.

O presidente Bruno de Carvalho já disse que o modelo que o Sporting quer não passa por ter os jogos de futebol na sua televisão.
Não vai levar a mal responder-lhe assim, mas eu preocupo-me com aquilo que se passa dentro da minha casa. Dentro da casa dos outros não me interessa nada.

E como é que vê o facto de o FC Porto ter exercido a opção de compra do Porto Canal à Media Luso? 
Podia responder-lhe da mesma forma que respondi à pergunta anterior. Acho que isso significa apenas que o modelo existente anteriormente não era um modelo que satisfizesse os dirigentes do FC Porto.

Portanto, acredita que o Porto Canal vai acabar por deixar de ser um canal generalista, como sempre disse ser, e passar a ser um canal de clube como o Benfica e o Sporting têm?
Não quero tecer considerações sobre isso. Não conheço suficientemente bem o dossier para fazer comentários.

A Benfica TV tem condições para entrar num leilão de jogos, por exemplo, da Champions?
Respondo-lhe com uma pergunta: Alguém esperaria que a Benfica TV comprasse a Liga inglesa? O futuro é um livro aberto.

Mas a expansão da Benfica TV passa por aí?
A Benfica TV quer proporcionar aos seus espectadores o melhor produto que houver disponível no mercado, desde que tenha condições financeiras para proceder à aquisição desse produto. Ninguém comete loucuras, fazem-se estudos de viabilidade e se, balanceadas as coisas, perceber que é uma aposta válida, é óbvio que qualquer produto que se encontre no mercado é apetecível.

Os direitos da Liga Europa e a Liga inglesa serão renegociados em 2015 e 2016. A BTV vai a jogo?
Há tantas coisas que o mundo do desporto proporciona. É só uma questão de se estar atento.

A BTV será mais do que uma televisão de clube. Quer ser assumidamente um canal de desporto?
A BTV é uma televisão de que o Benfica se orgulha e de que os benfiquistas se podem orgulhar.

Só os benfiquistas? A mudança de semântica de nome foi para piscar o olho a portistas e sportinguistas? 
Parece-me uma coisa óbvia. É uma sigla que sintetiza o que a televisão é. Olhando para o ecrã, você verifica que Benfica TV é um logótipo muito grande. Se colocar BTV é mais pequeno.

Mas já era grande há quatro anos, quando foi lançada. As coisas evoluem, há aprendizagens que se fazem. Se um sportinguista e um portista se sentir menos incomodado com isso, ainda melhor. Na nossa casa recebemos bem toda a gente.

Já viu a Sporting TV?
Não, não vi. Não posso comentar porque não vi.

Por convicção benfiquista?
Porque não me lembrei. Não sou sectário, não tenho essas visões restritivas da realidade e do público.
(...)"

Entrevista a José Eduardo Moniz (vice-Presidente do SL Benfica), por Nuno Azinheira, in Jornal de Notícias

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Pontos perdidos com equipa banal

"Com muito respeito pelo Sporting e a sua história, e por muito que me custe admitir, o Benfica perdeu dois pontos com uma equipa banal no domingo. O Sporting é uma equipa com um bom treinador, mas um discurso desadequado à sua realidade. Não me parece com argumentos de candidato ao título e não me parece perto de Benfica e FC Porto. O Benfica perdeu dois pontos, por isso percebo a alegria sportinguista pelo empate na Luz, no fundo o Benfica fez igual à Académica e quase igual ao Arouca.
O FC Porto ao manter Jackson, fez o essencial para ser um enorme candidato ao título nacional. Jackson é decisivo num campeonato como o português. As hipóteses do Benfica dobravam se Jackson tivesse saído.
Verdade que as chances do FC Porto também aumentavam muito se Enzo não ficasse no Benfica. Foi excelente o esforço feito para o manter. Fiquei muito satisfeito com a permanência do argentino e aguardo para ver os médios grego e italiano no sistema táctico do Benfica. A escassez de recursos ficou muito menor com estas chegadas.
Jorge Jesus foi ao Fórum Internacional de Treinadores realçar uma ideia óbvia, e de elementar bom sendo: os campeonatos devem começar com os plantéis fechados. Assim havia respeito pelo trabalho dos técnicos, pelos adeptos e verdade desportiva.
O Benfica tem agora argumentos para disputar todas as provas nacionais, que diga-se, são todas suas. A loucura neste defeso europeu fez clubes gastarem milhões e ficarem mais fracos. Com metade desse dinheiro o Benfica seria campeão europeu. O futebol ainda vê milagres, embora a tendência seja de perda de capacidade dos clubes portugueses a nível internacional. Hoje ser adepto do Real Madrid e ter chama deve ser difícil. Gastar dinheiro não é sinónimo de ficar melhor mas há quem gaste tanto, que não ganhar nada parecerá ridículo.
Em semana de Portugal-Albânia, boa sorte para uma Selecção muito renovada."

Sílvio Cervan, in A Bola

Palma Cavalões

"Fechou o mercado de transferências. Isto é uma boa notícia para os adeptos do futebol e uma péssima notícia para os jornalistas desportivos. Os adeptos de futebol gostam de notícias e procuram-nos nos jornais desportivos. Os jornais desportivos gostam de especulações e detestam notícias. A notícia, normalmente traz associado um facto. As 'notícias' nos jornais desportivos baseiam-se em especulações encomendas de empresários/clubes, boatos infundados e uma incompetência militante em não conseguir destrinçar o ruído da mensagem. Ou seja, o adepto procura saciar a sede de notícias em água inquinada. Como resultado, surge uma progressiva, galopante e preocupante ausência de confiança no jornalismo desportivo, colocando-o num patamar idêntico ao da imprensa cor-de-rosa da coscuvilhice de cabeleireiro.
Só assim se explica que nenhum dos jornais (e foram todos!) desportivos nacionais tenha pedido desculpa por ter enganado repetidamente os leitores sempre que garantiram (e fizeram-no durante meses) a venda de Gaitán Enzo e, inclusivamente, Luisão. O Enzo foi diariamente 'vendido' ao Valência (cujo treinador teve repetidamente atitudes parolas de um pato-bravo do futebol ao serviço do novo-riquismo bacoco). Gaitán foi semanalmente 'vendido' ao Mónaco e Luisão foi garantido durante um mês inteiro na Juventus.
A realidade desmentiu os 'factos' inventados pelos três jornais desportivos diários nacionais.
Perante isto, conclui-se que os 'Palma Cavalões' do jornalismo actual continuam a ser feitos daquilo que Eça adjectivava como 'canalha', 'vil bolinha de matéria pútrida!...' e 'chouricinho de pus!'. Nada mudou nem mudará."

Pedro F. Ferreira, in O Benfica

Culpas e desculpas

"1. O presidente da Federação Portuguesa de Futebol qualificou de incompetente a participação de Portugal no Campeonato do Mundo de Futebol, realizado no Brasil, entre os dias 12 de Junho e 13 de Julho. Não teriam sido precisos dois meses de inquéritos internos para chegar a conclusão que entra pelos olhos dentro com a força da luz do Sol.
A culpa da evidente incompetência mantem-se mais ou menos solteira, embora o departamento médico tenha fornecido uns noivos para o acompanharem ao altar.
Figura mediática do futebol português, o presidente da Federação Portuguesa de Futebol assume-se acima das responsabilidades que deverá assumir.

2. Em Alvalade, por seu lado, toda a gente pede desculpas. A sinceridade do acto de contrição pouco importa.
É uma prática que conduz, tal como na vida católica e apostólica, ao arrependimento e à redenção.
Teria o seu quê de edificante, não fosse a pobreza do argumento de tal película com tão pouco de bíblica.
Quanto à proverbial e deplorável grosseria do messias de pacotilha que engendra tão desavergonhado argumento, essa não tem desculpa.
A obtusidade vem-lhes, certamente, do berço. Os bigorrilhas de nascença não são perdoáveis: são inimputáveis."

Afonso de Melo, in O Benfica

Um a um

"1-Um erro individual impediu o Benfica de alcançar a sétima vitória consecutiva em Dérbis para o Campeonato disputados em casa, permitindo ao Sporting voltar a marcar na Luz – algo que não sucedia desde 2006-07.
O espectáculo foi grandioso (dentro e fora das quatro linhas), e a nossa equipa mostrou fulgor. Mas em jogos desta natureza, um simples detalhe pode fazer a diferença. Não adianta crucificar Artur, que noutras ocasiões já foi herói. É manifesto o seu défice de confiança, e cabe-nos também a nós, adeptos, ajudá-lo a readquirir a tranquilidade necessária para superar este momento menos bom, e regressar aos níveis revelados em 2011 e 2012.
Em Alvalade, na segunda volta, com Artur ou sem Artur, recuperaremos os pontos agora perdidos.
2-Finalmente encerrou o “mercado”. Dos últimos dias, uma nota de tranquilidade, e um motivo de preocupação.
A nota de tranquilidade prende-se com as permanências de Enzo Perez e Nico Gaitán, tão somente os dois melhores jogadores do último Campeonato. O Presidente prometeu que só sairiam pela cláusula de rescisão, e cumpriu a palavra dada. Como ninguém bateu as cláusulas, eles aí estão, incorporando a espinha dorsal do Campeão Nacional, e desmentindo as teses mais catastrofistas. Juntamente com Sálvio, formarão o núcleo duro do nosso futebol criativo. Continuaremos a ouvir Tango na Luz.
O motivo de preocupação reside no centro do ataque, onde me parece que as saídas de Cardozo e Rodrigo não ficaram devidamente colmatadas, e para onde se esperava um reforço de peso. É de realçar que nos quatro jogos oficiais já realizados (seis, se contarmos com a Taça de Honra), nenhum avançado benfiquista marcou qualquer golo. O futebol faz-se de golos, e sem eles não adianta jogar bonito ou empolgar plateias. Lima é um excelente ponta-de-lança, mas atinge normalmente os seus picos de forma em fases mais adiantadas das épocas (já foi assim no ano passado), e as alternativas não parecem à altura das exigências. Oxalá a realidade venha a dissipar este meu receio."

Luís Fialho, in O Benfica

Diz-se por aí... (derby)

"Foi qualquer coisa de extraordinário ver os adeptos sportinguistas abandonarem o Estádio da Luz. Saíam vitoriosos, confiantes, cheios de si mesmo por terem conseguido, ao final de umas tantas épocas desportivas, marcar um tento.
No entanto, ao contrário do que se possa pensar, o erro de Artur - que pode, efectivamente, acontecer a qualquer jogador em qualquer circunstância - nada mudou em termos de prestação de ambas as equipas e de prognóstico para o Campeonato.
O Benfica mostrou um futebol de classe, um fortíssimo Eliseu, um inspirado Gaitán e um sempre motivado Salvio, fundamental na elevação do nível de toda a equipa. O Sporting evidenciou um Adrien que parece cada dia mais desgastado e um Nani que não se encontrou e dificilmente se encontrará neste Sporting. É verdade que, como equipa, o Sporting revelou-se mais afiando, mas continua a ser um colectivo para se superar pontualmente e a nível interno, com extremas fragilidades defensivas, sem qualquer possibilidade de uma ambição credível ao título e, muito menos a qualquer título europeu.
Aliás, a alegria e o entusiasmo com que os leões abandonavam a Luz, emitindo gritos de vitória e hasteando bandeiras euforicamente, são a expressão fidedigna disto mesmo: o Sporting vai lutar pelo 3.º ou 4.º lugar. E Bruno Carvalho terá de continuar, provavelmente, a fazer o papel de treinador e a sentar-se na cabine da equipa técnica, junto ao relvado.
O Benfica tem de continuar a jogar este futebol, que confere magia à Liga e uma alegria autêntica aos milhões de adeptos por todo o mundo: dos potentes remates de Talisca, à liderança de Luisão, passando pelas combinações extasiantes entre Salvio e Gaitán, é por este caminho que renovaremos o triplete.
Como dizia um grande teórico do futebol, os resultados por vezes apenas permitem fazer prognósticos. Mas a magia constante com a bola nos pés garante a concretização dos sonhos."

André Ventura, in O Benfica

Encarnado é o vermelho-amor

"À hora a que escrevi esta crónica, ainda o mercado de transferências não fechou e são intermináveis as horas para que se inicie o clássico de Lisboa. Não obstante um e outro desfecho, os quais desejo ardentemente que sejam favoráveis às minhas pretensões de adepto e sócio benfiquista, há uma realidade que não deverá merecer-nos dúvidas: o Benfica tem equipa para revalidar o título.
É bem verdade que durante a temporada tive temores, dúvidas e até algumas angústias. Confesso. Aquietei-me, contudo, quando pensei que mantemos uma base sólida de grandes jogadores, mas também o mesmo treinador e equipa técnica, o mesmo sistema de jogo e, sobretudo, a mesma Direcção.
A estrutura directiva, encabeçada pelo Presidente Luís Filipe Vieira, é um garante de benfiquismo. O amor expresso que estes nossos representantes têm pelo Clube leva-me a crer que tudo farão para manter a hegemonia futebolística que o Benfica tem demonstrado nos últimos anos. Um campeão não se constrói com um punhado avulso de bons jogadores (embora ter bons jogadores ajude muito!). Tão determinante quando estes é a estrutura profissional para o futebol, que no caso do Benfica é do melhor que há nível planetário. Esta Direcção tem demonstrado que é seríssima nos deveres e obrigações mas astuta e apaixonada para voltar a criar um grande Benfica!
Em suma, uma grande Direcção, um bom treinador, excelsas condições de trabalho, magníficos e inigualáveis adeptos, são condições suficientes para que a tal base sólida de grandes jogadores que constituem o actual plantel do Benfica lute pelo título.
E, pensando assim, sou hoje um homem descansado, tanto quanto o cortador de relva do Estádio do Bessa!"

Carlos Campaniço, in O Benfica

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Artur e as lesões propriamente ditas

"Se Jesus defendesse serem os padecimentos da mente tão reais quanto os padecimentos do físico, não hesitaria em lançar Júlio César na segunda parte do 'derby'.

COM simpatia, humanidade e devoção, os comentadores do Benfica TV, estação que transmitiu o derby da Luz, não cessaram de vislumbrar qualidades e talento, em suma, apetência para o lugar, em todas as intervenções do nosso guarda-redes depois daquele seu fatídico lapso que resultou no golo do empate do Sporting.
As subsequentes fífias, e foram algumas, passaram pudicamente sem criticismo e as mais simples operações do guardião foram profusamente elogiadas como se tratassem de acções só ao alcance de um predestinado.
Ao contrário de Artur, de facto um predestinado, os comentadores da Benfica TV cumpriram com o seu trabalho missionário sem mácula. E, mais do que uma vez ao longo da emissão, alertaram para a necessidade de «dar moral», de «recuperar o ânimo», de «fazer esquecer», enfim, de tratar com carinho o guarda-redes que só podia estar a passar um mau bocado, mentalmente de rastos, depois de ter oferecido o golo a Slimani.
Como eu os compreendo, os comentadores da Benfica TV. Com 70 minutos ainda por jogar era da maior conveniência a tal benesse caritativa de «dar moral» a Artur ainda que ele não os pudesse ouvir.
O que Artur ouviu, de facto, ouvimos todos nós. Os que foram ao estádio e os que ficaram em casa em frente ao televisor. A crueldade do público, dos vermelhos e dos verdes, manifestou-se ininterruptamente a cada intervenção do guarda-redes do Benfica. E mesmo quando, bem perto do fim do jogo, Artur fez, efectivamente uma grande defesa salvando o empate, esgotado de tanto o achincalhar, o público afecto ao Benfica reagiu com um fleumático «era o mínimo exigível» que não antecipa nada de bom na relação entre o guarda-redes e os adeptos.
Neste arranque da temporada de 2014/2015, e estando frescas as memórias de Oblak, as similitudes do presente caso Artur com o caso Roberto, não tão distante assim, são tantas que nem vale a pena perder tempo a apontá-las.
A questão é que o Benfica, que luta para conquistar títulos, não pode recair no logro auto-infligido de ter um guarda-redes que é um caso, ou não é? Basta que a bola ronde a sua área para que o público se arrepele de nervos e para que os seus colegas de equipa, solidários, entrem em colapso orgânico perdendo o discernimento e o resto.
Foi isto que se viu no domingo na Luz.
E a tal ponto que mesmo alguns benfiquistas que se exasperaram com a contratação de Júlio César por ter sido o guarda-redes mais batido do último Mundial, quase exigiam, quando chegou o intervalo, que Jorge Jesus deixasse Artur no duche e fizesse a equipa regressar ao relvado com o titular da selecção do Brasil entre os postes, o que não veio a suceder, no mínimo por razões humanitárias.
O treinador do Benfica fez valer na sua decisão a corrente da antipsiquiatria que se recusa a definir os males morais e mentais como doenças propriamente ditas, enfim, como males do corpo. E, por isso, Artur continuou em campo até ao fim do jogo e, não é demais repetir, até salvou o resultado à beira do fim.
Se Artur se tivesse aleijado fisicamente num braço, numa mão, numa perna seria naturalmente substituído, tal como aconteceu na temporada passada quando, em Dezembro, caiu desamparado em Olhão magoou um ombro e cedeu o lugar a Oblak que não mais largou a posição até à última final da brilhantíssima época.
Se o treinador do Benfica concordasse com a corrente que defende serem os padecimentos da mente tão reais quanto o são os padecimentos do físico, não teria hesitado em lançar Júlio César na segunda parte do derby considerando que Artur, de facto, estava tão magoado quanto o está, por exemplo, Rúben Amorim. 
Podemos divagar tempos infinitos sobre este assunto. Há até quem acredite que Artur está mais lesionado do que Ruben Amorim. Sobre o tema, podemos mudar as vezes que quisermos de opinião. Jorge Jesus, por ser o treinador, é que não hesitou e Artur regressou depois do intervalo à baliza do Benfica.
Postas como estavam as modas, o treinador não quis correr o risco de, no mesmo jogo, queimar dois guarda-redes, o que seria duplamente lastimável.
Analisados os factos com frieza, é esta a minha opinião sobre o caso Artur no seu esplendor. Não será, certamente, uma opinião abalizada. Aliás, agradeço que nem me falem mais em balizas.

NICO GAITÁN vem desenvolvendo o hábito de marcar golos ao Sporting mas, de facto, neste aliciante pormenor, Nico Gaitán ainda não é nenhum Óscar Cardozo. Embora para lá caminhe, isto se permanecer mais alguns anos no Benfica, obviamente.
No domingo à noite muitos devem ter sido os benfiquistas assobiadores do Cardozo que tiveram saudades do paraguaio que tinha o condão de perturbar Rui Patrício, só de o ver por perto. Sem Cardozo em campo, o guarda-redes do Sporting assinou uma atuação consistente e, por diversas vezes, salvou a sua equipa de situações de muito apuro.
Não me entendam mal. O Cardozo, a quem os benfiquistas muito devem mesmo contrariados, saiu na altura certa, pelo preço certo. Na sua última temporada entre nós, recorde-se, pouco fez de relevante para além de um hat-trick a Rui Patrício (lá está!) numa eliminatória ainda precoce da Taça de Portugal, troféu que o Benfica viria a ganhar.
Mas que ao Benfica faz falta não o Cardozo mas um Cardozo, ai isso faz. Vai ter de ser inventado, ai isso vai.

PELAS mesmas razões, depreende-se, os adeptos do AC Milan estão tão chocados com a saída do jovem Bryan Cristante para o Benfica como os adeptos do Benfica estão chocados com a saída do jovem Bernardo Silva para o Mónaco.
Aguardemos serenamente pelos resultados práticos destas duas operações. Para depois termos opinião. 

COMEÇOU Setembro. Até ao fim do ano vão quatro meses. Setembro, Outubro, Novembro e Dezembro. O Enzo Pérez sairá em Janeiro. Já percebemos. Não é preciso repetir e repetir e repetir.

AGORA um bocadinho de literatura. A propósito de Bella Guttmann e do episódio da sua inóspita saída do FC Porto mal tinha o mítico treinador acabado de festejar nas Antas o título de campeão nacional de 1958/1959.
Guttmann deu um título nacional ao FC Porto e, surpreendentemente, mudou-se para o Benfica, a conselho médico, na urgência de fugir à humidade da cidade Invicta. Terá sido por causa do reumatismo que afligia a mulher do treinador que o Benfica acabou por receber em Lisboa o húngaro que lhe marcou uma era ao sol.
No Porto, naturalmente, a justificação do esposo dedicado nunca foi aceite como razoável. Antes pelo contrário, a desculpa da humidade foi interpretada como insultuosa artimanha para a deserção. E com bastos motivos para tal, convenhamos.
Por causa da humidade… onde é que já se viu uma coisa destas?
E é aqui que entra o prometido bocadinho de literatura. No volume II das suas Memórias, o escritor Raúl Brandão, recordando as circunstâncias da morte do poeta Guerra Junqueiro, avança com este pormenor: «Foi então que o médico interveio, aconselhando-o a mudar-se, durante algum tempo, para Lisboa, porque a humidade do Porto lhe estava a prejudicar a saúde.»
Ora aqui está outro conselho clínico da mesma índole do que fez viajar Bella Guttmann do Porto para Lisboa no ano de 1959. Que se saiba, não sofreu revezes na Capital a saúde da mulher do treinador húngaro. Já da saúde e do estado de espírito de Guerra Junqueiro não se poderá dizer a mesma coisa.
Para mais esclarecimentos voltemos às Memórias de Raúl Brandão:
«Trouxeram-no para Lisboa para casa da filha e do genro, mas ele, frequentemente, dizia:
- Levem-me para o Porto! Quero morrer no Porto!»
Não levaram o poeta para o Porto. Morreu em Lisboa num dia de Julho de 1923.
Ao contrário de Guerra Junqueiro, Bella Guttmann voltaria ao Porto, provavelmente já viúvo, mas ainda muito saudável, com a provecta idade de 73 anos para treinar, na temporada de 1973/1974 o emblema de que desertara catorze anos antes.
Tal como Guerra Junqueiro, Guttmann também não morreu na Invicta mas foi aí que acabou, sem glória, a sua gloriosa carreira."

Leonor Pinhão, in A Bola

Um bom campeonato

"Por 4 meses, não haverá mudanças nos plantéis. Ora, aí está uma boa notícia.
A BOLA, na sua edição de ontem, apresentou o «plantel definitivo para a temporada 2014/15» do Benfica, Sporting e Porto. Apenas um reparo: com o mercado a reabrir em Janeiro, talvez devesse ficar melhor plantel definitivo até 31.12.14.
O Benfica estará tendencialmente menos forte que o ano passado, mas continua a ter um grupo que pode acalentar ser campeão, principal objectivo desta época. Das saídas, lamento as de Oblak, ora suplente no Atlético de Madrid, Garay vendido ao desbarato para a estepe russa, Markovic que bem poderia ter ficado mais um ano e Rodrigo que fazia uma dupla demolidora com Lima. Aliás, bastava no domingo passado ter Oblak e Rodrigo, e teria vencido com naturalidade o seu rival de Lisboa. Nas entradas, no meio de muitos equívocos, saliento Júlio César, Eliseu que, em forma, compensa a saída de Siqueira, Talisca que tem enorme potencial e Tiado ex-Bebé. Aguardo com expectativa, as prestações de Samaris, Lisandro e Cristante. As principais dificuldades resultam de não haver um avançado de craveira para além do Lima e (como se viu no derby), o banco ser bastante inferior ao de 1013/14. É preciso ter em conta que o campeonato tem 34 jornadas, que somadas a todas as outras competições ultrapassam os 50 jogos.
Sobre os rivais, parece óbvio que o Porto se reforçou em quantidade e qualidade, numa política completamente oposta à do ano passado e que o Sporting mantém um meritório plantel, ainda que, agora, com exigências competitivas que não tinha no ano passado.
Um bom campeonato, pois, em perspectiva."

Bagão Félix, in A Bola

PS: Esta crónica do Bagão, teve uma reposta na Gloriosesfera, no Eusébios e Djalós, escrito pelo Jony, recomendo a leitura.

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Os 25 da Champions

O Benfica anunciou os 24 inscritos para a 1.ª fase da Liga dos Campeões. A UEFA exige que 4 jogadores sejam Formados no Clube (Paulo Lopes, Sílvio, Nelson Oliveira), e que 4 sejam Formados no País onde o Clube está Federado (Eliseu, Almeida, Bebé, Pizzi)... sendo assim sobram 17 lugares para os 'estrangeiros'!!! Como só temos 3 jogadores Formados no Clube na lista... apesar da UEFA permitir 25 jogadores, só inscrevemos 24.
Com as lesões prolongadas do Fejsa, e do Amorim era esperada as suas não inscrições. Sendo assim, ainda tinhamos 2 'estrangeiros' a mais... como o tempo de recuperação do Sulejmani ainda não é conhecido, também era esperada a sua não inscrição. Sendo assim faltava 1... e a fava acabou por sair ao Jara (que por acaso neste momento também está a recuperar de uma lesão!!!).
A 'chamada' do Sílvio poderá ser um sinal que a recuperação está próxima, mas com a lesão do Amorim, não temos mais nenhum Português para incluir na Lista, assim, não inscrever, ou inscrever o Sílvio, era a mesma coisa!!!
Recordo que esta é a Lista A, existe também a Lista B, onde normalmente estão os jogadores Portugueses na Formação...
Em Janeiro, após a conclusão da 1.ª Fase, esta Lista poderá ser alterada. Espera-se que nessa altura o Fejsa e o Sulejmani estejam recuperados... o Amorim é quase seguro que ainda estará indisponível.
ADENDA: Não sei se repararam mas houve uma alteração em relação aquilo que tinha sido publicado inicialmente: o Rúben Pinto também foi inscrito, completando assim os 4 jogadores formados no Clube. E assim a lista A do Benfica na Champions tem 25 jogadores...

Guarda-redes: Paulo Lopes, Artur e Júlio César;
Defesas: Sílvio, Maxi Pereira, Luisão, Jardel, Lisandro, César, Eliseu e Benito;
Médios: Almeida, Talisca, Cristante, Enzo PérezSamaris e Rúben Pinto;
Alas: Salvio, Pizzi, Gaitán, Ola John
Avançados: Bebé, Nelson Oliveira, Lima e Derley.

ADENDA:
Foi hoje (5/9) conhecida a Lista B dos jogadores do Benfica para a Campions. Assim, aos 25 iniciais temos que acrescentar mais 11:
Guarda-redes: Varela, Miguel Santos;
Defesas: Lindelof, Cardoso, Nunes, Alfaiate, Rebocho;
Médios: Teixeira, Rochinha, Hélder Costa;
Avançados: Guedes.

No intervalo do mercado... há jogos

"É natural que se diga (com alívio) que acabou o período de transferências, empréstimos, comodatos, usucapitões e transumâncias no futebol. Por isso, talvez se possa clamar «viva o dia 1 de Setembro» (este ano, curiosamente 2/9), dia da libertação face a empresários verdadeiros e camuflados, agentes, pais e conselheiros de jogadores, abutres disfarçados, fundos inquinados, manobras suspeitas, fintas ao fair-play da UEFA. Agora, meninos sosseguem as cabeças e joguem futebol!
Acontece que este armistício mercantil dura apenas quatro meses. Em Janeiro, depois de mais um Natal, com ou sem boxing day, lá vem outra janela escancarada de um excitado mercado. Aliás, ontem A BOLA já o pré-anunciava relativamente à parte II da novela Enzo Pérez.
Direi quase que não há mercado de transferências entre jogos. Há jogos entre mercado de transferências. Neste interim, há cláusulas a reverter, promessas a cumprir, monos a despachar, comissões a voar. Execrável este espectáculo que os poderes do football association (tão deslocada, hoje em dia, esta última palavra...) permitem, acalentam, sustentam e promovem. Tudo em nome da mercadoria, seja ela fungível ou fingível. Acabou o romantismo no futebol. Aumentaram escandalosamente as diferenças entre tudo e todos. Entre clubes, proprietários, jogadores, técnicos e todo o séquito que vive do idealismo dos associados que pagam as suas quotas (onde ainda as há). Mas não nos iludamos. Por detrás deste espectáculo grandioso para um reduzido número de talentos, sortudos e oportunistas, há o futebol dos pobres, de uma maioria que não é notícia."

Bagão Félix, in A Bola

Pondo no lugar os pequenos régulas...

"Pouco depois do Campeonato do Mundo de 1966, uma entrevista concedida por António Simões veio abalar as estruturas do futebol em Portugal. Raramente nesse tempo de silêncio um jogador se atrevia a ser tão directo e tão contundente.

Hoje vou falar sobre António Simões. Ou, como diria o grande Nelson Rodrigues: Simões é o meu personagem da semana.
Geralmente, faço os possíveis para que os meus temas não surjam aqui, na página que o amigo leitor faz o favor de ler, caídos do céu. Algo os empurra para cá. Uma data, uma imagem, uma entrevista...
Pois, no passado domingo reencontrei António Simões.
Este reencontrei é na primeira pessoa, obviamente. Não é preciso muito para o reencontrar, sobretudo na televisão já que faz parte de um programa semanal sobre futebol.
Ora, eu dispenso de bom grado programas semanais sobre futebol. Porque têm como protagonistas personagens de mau gosto que nada sabem de futebol, porque se discutem clubes e não futebol, porque têm tanto interesse como qualquer pegadilha de taberna - levantam-se vozes, insulta-se, cai-se na demência. Bem sei que tudo não passa de teatro - a canalha é paga, e bem paga, para raiar a ordinarice sob o risco de perder a audiência e ser dispensada, rumando a outros canais e a outros programas onde repetem o deprimente papel bem decorado.
A opinião de médicos apatetados, de bêbados encartados, de cantores de meia-tijela ou de velhacos da má-língua (já para não falar de copiadores baratos de livros alheios) sobre matéria da qual tudo desconhecem só pode prender ao ecrã quem nada tem para fazer, embora gostos não se discutem. Por umas mãos bem cheias de euros tomam conta da pantalha e das páginas dos jornais vomitando as mesmíssimas alarvidades e papagueando até à exaustão missinhas de tostão. Não dou para o peditório dessas capelinhas, se não me levam a mal.
O António Simões faz parte de um programa no qual, ainda assim, se juntava (com uma única excepção), gente do futebol. Com o Manuel Fernandes - meu bom amigo de tantos anos! - e António Oliveira - caso raro de lucidez televisiva. Substituir Oliveira por Rodolfo já não era opção que se tomasse no tempo em que ambos jogavam no FC Porto e na Selecção Nacional. Perdia-se talento e inteligência.
Afinal, as coisas não mudaram assim tanto, pois não?

Uma entrevista que ficou para a história
Parece que o António Simões se agastou. Ou se irritou com a empáfia e a vacuidade de um qualquer pequenino lapardão que nunca precisou de trabalhar para viver. Não assisti ao episódio. Contaram-mo entre gargalhadas, como se um número jograleiro se tratasse e sem falta do polichinelo. E mesmo não assistindo, tendo por certo a razão de Simões.
Assim sendo, recordei-me e vem agora a propósito, pois ainda ecoam as desgraças da selecção no Mundial do Brasil e novos encontros estão à porta, uma entrevista temerária concedida por António Simões ao saudoso Cruz dos Santos na saudosa «A Bola» na ressaca da devassa da equipa-de-todos-nós após o brilhante Campeonato do Mundo de 1966. José Maria Antunes substituíra Manuel da Luz Afonso como seleccionador e Juca tomara o lugar de Otto Glória como treinador. Nada foi igual.
Releiam-no: «Jogar na selecção deixou de ser uma honra para ser um risco de perda de prestígio», acusava. E seguia no mesmo estilo contundente: «O seleccionador não tem culpa, a culpa é de quem o lá pôs. Mas, talvez, exactamente porque é uma excelente pessoa e porque ainda vive as coisas do futebol com o mesmo espírito amador do seu tempo de futebolista, falta-lhe o espírito profissional que o cargo hoje exige. (...) Por outras palavras: nos estágios da selecção, cada um podia fazer quase o que lhe apetecesse. Verifiquei por mim próprio. E, se não o fizemos, ou, pelo menos, se alguns de nós o não fizemos, foi só porque nós próprios entendemos que não podia ser, que isso nos seria prejudicial. (...) Havia, depois da saída de Otto Glória, uma flagrante falta de definição das funções dos dois responsáveis e isso era notório nos mais pequenos pormenores. Por exemplo: Juca ia dizer-nos que, no dia seguinte, o pequeno almoço era servido a determinada hora. Não chegava a acabar, porém, porque o seleccionador interrompia-o e era ele quem acabava por nos fazer tal comunicação. E esse é um simples exemplo, no meio de tantos outros que poderia apontar. (...) Aliás, quando a imprensa começou a noticiar que o Dr. José Maria Antunes ia ser convidado para voltar ao cargo de seleccionador, logo se sentiu uma reacção contrária por parte de muitos dos jogadores da selecção de 1966. E restou-nos, apenas, a esperança de que tal convite não se concretizasse. (...) O tempo passou e, realmente, o Dr. José Maria Antunes voltou mesmo a ser o seleccionador nacional. Ora sabendo-se o que vários jogadores pensavam, não se pode compreender tal escolha. Antes que fosse formada a selecção do Dr. José Maria Antunes, já havia um mau ambiente dos seleccionados para com o seleccionador. (...) Nunca o futebol português teve tantos 'internacionais' em tão pouco tempo. Não sou, nem poderia ser, contra a renovação. Entendo mesmo que ela se impõe e é necessária. Mas apenas em relação aos jogadores que atingiram uma idade em que perderam faculdades físicas e não podem, por isso, fazer prevalecer os seus recursos técnicos».
Esta entrevista ficou para a história do futebol português. Raramente, por esse tempo, um jogador assumia posições tão claras, tão contundentes. Não me surpreende, portanto, que me digam que António Simões deu um responso em directo a certo abajoujado truanaz. Fez bem. Se não tinha medo das palavras no tempo da Outra Senhora, é assim que deve continuar por mais que novos régulas o queiram fazer calar.
Ainda bem que me lembrei dele. Era tempo de o trazer aqui."

Afonso de Melo, in O Benfica

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Cristante

Chama-se Bryan Cristante, e parece que será a única contratação neste último dia do mercado.
Muitas vezes critica-se a Direcção devido aos timings dos negócios, mas neste caso parece claro que só a teimosia do Milan é que impediu chegar a um acordo mais cedo...!!!
Não é comum uma equipa Portuguesa contratar uma jovem promessa Italiana, talvez por isso houvesse dúvidas se este negócio seria possível, mas nunca vi ninguém colocar em causa a qualidade do jogador. Bem pelo contrário, aliás as reacções dos Milanistas confirmam a qualidade do Cristante.

Com as lesões do Fejsa e do Amorim, faltava claramente mais um médio (se calhar dois!!!), o André Almeida defensivamente cumpre, mas dá poucas opções ofensivas com a bola nos pés. Além disso, sendo a 2.ª opção para defesa-direito, basta o Maxi ser castigado, e ficamos sem outra opção para o meio-campo.

Daquilo que sei sobre o Cristante, parece ser claramente um jogador para a posição '4' do Jesus, que para o comum dos mortais é '6': trinco. Na formação chegou a jogar a '10', mas foi recuando. Joga de cabeça levantada (talvez por isso o Rui Costa gosta dele!!!), boa técnica de passe, marca golos com remates fora-da-área, mas também defende, bom tacticamente, e forte nos duelos defensivos...

Com o Enzo, e o Samaris não tem a titularidade garantida, mas temos muitos jogos, e muitas competições... e com o Enzo aparentemente limitado fisicamente, poderá jogar mais do que o inicialmente esperado. Além disso o Grego e o Argentino têm os compromissos das Selecções, para somar ao desgaste...
PS1: Neste final de tarde ainda se falou noutro Médio: Guido Pizarro, Argentino que joga no México. Aparentemente o empréstimo não se concretizou. Seria outro excelente reforço... muito bom. É um daqueles Argentinos que foi seduzido pelos ordenados razoáveis que se pagam no México, e que passou ao lado de uma boa carreira na Europa. Seria o ideal para se juntar ao Enzo, Samaris e Cristante... Seria a garantia que o Talisca não seria opção para '8', e que o Almeida seria somente a opção ao Maxi...

PS2: Outra boa notícia da noite, foi a confirmação da inscrição do Sílvio. Creio que tudo estava bem encaminhado para o Sílvio ficar, mas a 'traição' do Oblak gelou as relações com o Atlético de Madrid, mas o Sílvio não devia ser penalizado por isso... Se bem me recordo, em Outubro já poderá estar apto...

PS3: Foi também anunciado a contratação de um jovem Montenegrino, Oliver Sarkic, com 17 anos, que jogava no Anderlecht. Ponta-de-lança com fama de grande potencial... Não sei se jogará nos Juniores, ou nos Bês, mas recordo que ainda vamos ter a UEFA Youth League, lá para o final da época temos o Mundial de sub-20 que nos vai tirar alguns jogadores... e vamos também disputar uma competição internacional com equipas Bês... Portanto haverá minutos para todos!!!

PS4: Outras duas excelentes notícias: Urreta em definitivo para o Paços de Ferreira, e Sidnei por empréstimo para o Corunha. Mesmo assim ainda falta colocar alguns jogadores: Carlos Martins (creio que a cedência ao Belenenses não foi confirmada), Steven, Michel...

PS5: A modalidade é outra, mas também se joga com uma bola!!! Acabámos, mesmo agora, por vencer a Final da Taça de Honra da AFL em Futsal, aos Lagartos. Depois de 2-2 no tempo regulamentar, ganhámos nos penalty's por 3-1. Foi só um Torneio de pré-época, mas a forma como os dirigentes Lagartos (Albuquerque à cabeça) e o treinador se comportaram nesta competição, merece destaque. Não é nada de novo, esta gentinha é daquela que está a mais em qualquer desporto, ao longo das suas 'carreiras' os maus exemplos são muitos... Hoje tivemos, um treinador a insultar e empurrar o árbitro (sem razão nenhuma diga-se), o mesmo treinador que o ano passado, venceu esta competição (com uma 'vaca' medonha, com um golo no último milésimo de segundo... depois de uma arbitragem 'amiga'!!!), e nas declarações finais, faltou ao respeito aos jogadores e treinadores do Benfica...
Imagine-se os Lagartos acham que a Taça de Honra (um torneio de pré-época) merece um comunicado insurgindo-se contra uma violação dos regulamentos por parte do Benfica - que por acaso eles também violaram!!! Violação prevista no regulamento com o pagamento de uma Multa. Que creio que o Benfica irá pagar, mas mesmo assim tivemos que assistir a mais uma choradeira épica, e a mais uma enorme falta de respeito pelo justo vencedor da competição, o Benfica...
Em relação à partida (e ao torneio...), mostrámos algumas dificuldades de entrosamento, principalmente na ocupação de espaços defensivamente, normais quando se tem vários jogadores novos, mas o Juanjo na baliza, e o Patias a marcar bolas paradas mostram que são grandes reforços... e ainda falta o Chaguinha que está lesionado (além do Pablito e o Vítor Hugo)...

PS6: Ah, e me estava a esquecer, afinal 3 meses depois, o Enzo fica!!!
Após um massacre, de 3 meses, a jurarem a pés juntos que o Enzo AMANHÃ, estaria em Valência a fazer testes médicos, afinal ficou!!! Parece aquela anedota, com um gajo amenésico, que quando acordava não se recordava do dia anterior, então resolveu escrever uma carta para ele próprio, que dizia qualquer coisa parecia: 'Amanhã faz isto..."!!! O gajo acordava, lia a carta: 'Não é para hoje, é só amanhã'!!!
Para os Espiritos Santos, os Rufetes, os Lim's, os Mendes, e os avençados do SuperRascord vão todos para o caralho... e fiquem lá com o Filipe Augusto!!!

Lixívia III

Tabela Anti-Lixívia:
Braga.............7 (-2) = 9
Benfica...........7 ( 0) = 7
Corruptos......9 (+2) = 7
Sporting........5 (+1) = 4

Começo pela semana passada: depois de rever as imagens amplificadas, do lance ao minuto 86 no Paços- Corruptos, mudei de opinião... O Indi faz mesmo penalty sobre um jogador do Paços, com uma agressão à cotovelada... existe várias maneiras de ganhar posição, mas aquela foi irregular...

O Desdentado na Luz, finalmente conseguiu não expulsar nenhum jogador do Benfica!!! Talvez por isso os muitos Benfiquistas ficaram satisfeitos com a arbitragem... Eu não!!!
O homenzinho é irritante. Todos aqueles tiques. Todas aquelas conversas demoradas com os jogadores. A forma como pretende ser o protagonista. Gosta que o jogo se desenvolva devagar. E depois, o mais importante, decide muitas vezes mal... É verdade que não houve reclamações de penalty, mas... Errou num fora-de-jogo não assinalado ao Slimani, que por azelhice do Argelino, não foi golo... Errou ao perdoar vários amarelos ao Maurício, e ao Adrian... Errou ao mostrar cartões absurdos ao Maxi e ao Enzo... E errou principalmente a meio da 2.ª parte, quando o Benfica estava a massacrar os Lagartos, onde tem 3/4 decisões parvas, sempre a favor do Sporting: duas recuperações altas do Benfica; 1 lance onde inicialmente parece dar a lei da vantagem (bem), mas quando o Benfica fica com a bola, pára o jogo, beneficiando o infractor...; e numa simulação grosseira do Capel, que dá amarelo ao Enzo... e jogo parado, mais de 1 minuto!!! E ainda errou ao não marcar falta sobre o Derley, no início da melhor oportunidade do Sporting, em todo o jogo, ao minuto 89...!!! Aliás as duas melhores oportunidades do Sporting, ambas pelo Slimani, são ambas irregulares, a primeira por fora-de-jogo, e a outra pela tal falta sobre o Derley...
Como afirmei na crónica, foram estas decisões (e ainda a reparação ao sistema de som...) que arrefeceu o jogo, tirando gás ofensivo ao Benfica, e dando tempo aos Lagartos para respirarem...
Ainda houve, uma 'quase-agressão' do Sarr ao Talisca, que se fosse ao contrário, teríamos novela para semanas...!!!
Mas conforme o critério que aplico a esta Tabela, como não houve erros graves, acabou por ser uma daquelas arbitragens, onde não houve nada de significativo a assinalar...!!!

Não vi o jogo do Dragay, mas as crónicas da arbitragem parece que foram pacíficas, mas nunca podemos confiar...!!! Se alguém viu alguma coisa, é favor de escrever na caixa de comentários.

Em Braga, foi anulado um golo limpo ao Braga.

Anexos:
Benfica
1.ª-Paços de Ferreira(c), V(2-0), Cosme, Prejudicados, Sem influência no resultado
2.ª-Boavista(f), V(1-0), Marco Ferreira, Prejudicados, (2-0), Sem influência no resultado
3.ª-Sporting(c), E(1-1), Proença, Nada a assinalar

Sporting
1.ª-Académica(f), E(1-1), Soares Dias, Beneficiados, (2-1), (+1 ponto)
2.ª-Arouca(c), V(1-0), Nuno Almeida, Prejudicados, (2-0), Sem influência resultado
3.ª-Benfica(f), E(1-1), Proença, Nada a assinalar

Corruptos
1.ª-Marítimo(c), V(2-0), Xistra, Nada a assinalar
2.ª-Paços de Ferreira(f), V(1-0), Mota, Beneficiados, (1-1), (+2 pontos)
3.ª-Moreirense(c), V(3-0), Bruno Esteves, Nada a assinalar

Braga
1.ª-Boavista(c), V(3-0), Vasco Santos, Beneficiados, (1-0)?!, Impossível contabilizar
2.ª-Moreirense(f), E(0-0), Paixão, Prejudicados, (1-0), (-2 pontos)
3.ª-Estoril(c), V(2-1), Hugo Miguel, Prejudicados, (3-1), Sem influência no resultado

Jornadas anteriores:
1.ª jornada
2.ª jornada

Auto-infligido !!!

Benfica 1 - 1 Sporting

Pode-se dar as voltas que quiser, este empate aconteceu devido a um erro individual do Artur. Admito que antes do jogo começar, até defendei que seria demasiado arriscado colocar o Júlio César a jogar, já que o internacional Brasileiro, não faz um jogo oficial desde do jogo de atribuição do 3.º lugar no Mundial, hà cerca de 1 mês e meio... Mas enganei-me.
O Benfica entrou melhor, marcou, tinha o jogo controlado, o Sporting só se aproximava em cantos ou livres... mas notou-se desde de cedo que qualquer bola pelo ar na área do Benfica seria um susto!!! A seguir ao empate, a equipa do Benfica foi contagiada pela insegurança do Artur... foi um daqueles casos onde o intervalo deveria ter vindo mais cedo!!!
Na 2.ª parte, o Benfica entrou de cabeça limpa, voltámos a controlar a jogo, criámos várias oportunidades, podíamos e devíamos ter marcado, em várias ocasiões... Nestes minutos, o Talisca finalmente percebeu o que fazer, naqueles espaços... e o golo parecia iminente.
Ironicamente, já perto do final da partida, acabou por ser o Artur a 'salvar' o empate, com uma grande defesa...

O Enzo acabou muito desgastado, não sei se ressentiu-se da lesão, mesmo longe do seu melhor foi decisivo, o André cumpriu nas marcações, mas nota-se as limitações na saída de bola. O Eliseu esteve muito bem, insuperável nos duelos defensivos, no 2.º tempo acabou por subir menos, doseando o esforço... O Maxi demorou a encontrar a marcação certa ao Nani. O Jardel defensivamente esteve muito bem, mas na saída de bola, deu-se mal com a pressão alta dos Lagartos, e aquele pé canhoto não ajudou nada!!! O Luisão acabou por ser âncora da defesa - como de costume -, e falhou por pouco um golo num canto... O Salvio irritou-me porque forçou em demasia, mas quando conseguia passar, criou sempre muito perigo, mas acabou por ser o Rei do Desperdício... O Nico marcou o golo, mas na minha opinião jogou em demasia no meio, deveria ter aproveitado a presença do Esgaio, e devia ter ficado mais colado à linha... O Talisca, que no Brasil jogava nesta posição, parece ser demasiado lento para jogar como 2.ª avançado no Benfica, mas acabou por ser útil, quando trocou de posição com o Nico... e nos melhores momentos do Benfica, acabou por estar no início das jogadas... O Lima fez um jogo enorme, é verdade que pouco rematou à baliza, mas trabalhou muito, mesmo muito... O Derley entrou tarde demais.
O facto do Benfica só ter efectuado uma substituição, demonstra pouca confiança no treinador nas opções, mas como o jogo estava, o Bebé podia ter entrado para o meio, para o lugar do Talisca, ou até podia jogar na esquerda (junto ao Esgaio, o único amarelado Lagarto), e o Nico passava para o meio... Compreendo a não utilização do Samaris, como o jogo estava podia ser arriscado, mas pelo que vi na Selecção Grega o Samaris até podia ter feito a posição do Talisca...
O facto do Jesus ter mexido na equipa muito tarde, explica em parte a quebra física do Benfica, mas o melhor defensor do Sporting, aquele que conseguiu 'congelar' o jogo, aquele que andou a 'queimar' tempo, e aquele que conseguiu 'inventar' várias faltas, foi o boi do costume!!! É verdade, que desta vez o Benfica acabou com 11, aparentemente não houve casos de penalty's e golos em fora-de-jogo, mas aquelas 3/4 faltas a meio do 2.º tempo, em recuperações 'altas' do Benfica (e aquela marcada após mais um mergulho do Capel!!!), MUDARAM o jogo!!!
Inacreditável o tempo perdido sempre que o Desdentado marca uma falta, ou mostra um cartão, o 'querido' simplesmente não se cala... hoje até deu para ser assistido no 'traseiro' pelo fiscal; com 2 substituições super-demoradas; a maca dentro do campo várias vezes; e com isto tudo o homem deu 3 minutos... 
Sendo que a melhor oportunidade do Sporting na 2.ª parte, salva pelo Artur, inicia-se numa falta não assinalada sobre o Derley, aliás a forma como o Maurício chegou ao fim do jogo sem um único amarelo, é digna do Ladrão que apitou este jogo... isto depois de 'inventar' os amarelos para o Maxi e para o Enzo.

Antes do jogo falava com amigos da estranheza deste Derby ser jogado ainda em Agosto, costumam ser mais tarde, nesta altura ainda não existe aquela fatalidade dos pontos de vida ou de morte... Mas o ano passado, em Alvalade é verdade, também 'perdemos' 2 pontos; o ano passado o Oblak também foi 'culpado' dos dois pontos perdidos em Barcelos, e mesmo assim, aconteceu o que aconteceu...
Como é óbvio nada está decidido, mas se até amanhã, não houver notícias do Mercado, podemos vir a ter problemas... A situação do Enzo 'parece-me' fechada, e ainda bem; mas precisamos de um Médio-defensivo, e de pelo menos um Avançado (talvez dois...)!!! Apesar das boas indicações, não acredito na aposta do Jesus, no Gonçalo Guedes, ou no João Teixeira (que para mim, não pode ser opção para a posição 6), ou ainda no Dawidowicz que nos poucos minutos que teve nos Bês, também deu boas indicações... Sendo assim, hoje, perante o pressing alto dos Lagartos (surpreendente para mim a forma física de alguns dos Lagartos... mais não digo), tivemos alguns problemas na saída da 1.ª fase de construção, obviamente que a certeza de passe o Jardel não é igual ao Garay, nem o Almeida é igual ao Fejsa (ou ao Amorim), e obviamente que a velocidade que o Rodrigo dava ao jogo entre-linhas do Benfica, não é igual à do Talisca (e hoje foi pena, porque esta defesa Lagarta, com jogadores rápidos, a jogar pela relva, entre-linhas, será um buraco!!!)... Com a equipa concentrada defensivamente, internamente estes até podem chegar (sem muitos empurrões para baixo, e muitos empurrões para cima dos Corruptos), e mais tarde ou mais cedo, os lesionados vão regressar (Sulejmani, Fejsa, Amorim por esta ordem!!!)... mas deixar fechar o Mercado assim, é demasiado arriscado. Mas também digo, se é para gastar dinheiro, que seja em jogadores que façam a diferença, porque senão, mais vale apostar nos 'putos'...!!!

PS1: Hoje dois atletas da Modalidades tiveram em destaque: a Telma Monteiro esteve na Luz para mostrar a sua medalha de Prata, conquistada no Mundial de Judo (que reviravolta hoje no Mundial de Judo, competição por equipas, com o Japão a perder 0-2 e a dar a volta para 3-2, derrotando a anfitriã Rússia, com o Putin na bancada...!!!).
Em Edmontom no Canadá, o João Pereira, conseguiu o 5.º lugar na última prova da Taça do Mundo de Triatlo, terminando assim, a World Triatlhon Series, também em 5.º. Um resultado muito bom... grande evolução esta época. Parabéns João...
O outro João, o João Silva terminou esta prova em 8.º e na geral ficou em 13.º, muito aquém do esperado, num ano de mudança de esquema de treinos. A rever...
O Miguel Arraoilos, ficou hoje, em 32.º e na geral em 37.º...

PS2: Não costumo falar dos Juniores, nesta 1ª fase, mas hoje de manhã no Seixal, a jogar com 10, contra o Oeiras, conseguimos ganhar e convencer, com um excelente jogo, hoje os miúdos merecem o destaque... com mais uma vez o artista Luís Reforço no apito!!! Este tem futuro...!!!