Últimas indefectivações

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

A arbitragem como o governo

"Ainda sem OGE (Orçamento Geral do Estado) para 2013, mas com a certeza de que seremos todos (excepção para os do costume, os que detêm o poder económico e os milhões longe daqui, e que continuam a enriquecer com a miséria global, mais uma situação própria de países decrépitos e para lá da falência, como é o caso português - só gostava que me explicassem como é que tenho vivido acima das minhas possibilidades se não devo um único cêntimo ao fisco e afins) penalizados em duodécimos - a esperança é que a seguir às palavras de ordem venha mais qualquer coisa -, e com apenas quatro jornadas realizadas da Liga, já a ferver porque não é a qualidade das equipas, muito menos a classe individual dos jogadores, que domina, mas infelizmente as questões arbitrais, bem se pode dizer que Governo e a arbitragem estão ao mesmo nível, reflexo evidente da baixa qualidade do País: ninguém acredita naqueles que nos deviam liderar mas apenas se preocupam em esmifrar-nos até ao osso com sucessivos aumentos de impostos; já ninguém acredita em quem manda do sector (sempre ouvi dizer que pela boca morre o peixe: não foi Vítor Pereira quem admitiu poder trazer para o campeonato árbitros estrangeiros?) e na esmagadora maioria de quem arbitra os jogos, a começar por este fantástico árbitro que é Carlos Xistra, que com tão notáveis desempenhos tem o futuro garantido: será ministro. De quê? Com tanta qualidade nem necessita ter pasta... Já agora: depois de tudo o que se passou nas últimas horas estará Vítor Pereira consciente da nomeação para o caldeirão de Paços de Ferreira? Juro: não queria estar na pele de Marco Ferreira, a quem desejo toda a felicidade do mundo.

Sá Pinto passou com a corda ao pescoço o primeiro teste mas continuo a achar, pela armadilha que lhe montaram, que está a prazo. A não ser que não pare de ganhar. Mas duma coisa tenho a certeza: conhecendo-se o seu perfil, tenho a certeza de que sabe perfeitamente quem é o bombista."

 José Manuel Freitas, in A Bola

Sem comentários:

Publicar um comentário

A opinião de um glorioso indefectível é sempre muito bem vinda.
Junte a sua voz à nossa. Pelo Benfica! Sempre!